DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA"

Transcrição

1 DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA Abril de 2015 (primeira quinzena) 1 1 ARGENTINA Análises privadas e de organismos internacionais apontam para crescimentos negativos ou próximos de nulo do PIB em 2015 e Às margens das reuniões de primavera do Banco Mundial e do FMI, ambos os organismos indicaram cenários econômicos difíceis para a Argentina. O Banco Mundial ressaltou que o país precisará cortar gastos públicos para se adequar a uma nova realidade econômica e apontou para uma queda do PIB de 0,4% em Por sua vez, o FMI previu uma retração de 0,3% do PIB em 2015 e um crescimento de 0,1% em Também recentemente, a CEPAL reviu sua previsão de crescimento da economia argentina, de 1% para 0% em Segundo recente estudo com diversas análises privadas, em 2015 se prevê, na média, uma contração de 1,3% PIB, e em 2016 um crescimento de 2,1% 2. INFLAÇÃO Inflação volta a crescer. Segundo estimativas privadas, a inflação em março foi de 2,1% 3, acumulando 29,8% em 12 meses. Análises privadas apontam para o fim do processo de desaceleração observado desde o último semestre de 2014 e para uma tendência de manutenção deste patamar de taxa mensal para os próximos meses. POLÍTICA FISCAL Piora nos resultados fiscais. Dados oficiais de janeiro mostram significativo déficit financeiro no mês, de 13,5 bilhões de pesos argentinos 4 (341% maior que em jan/2014 e 750% maior do que jan/2013). Para o ano, estimativas privadas apontam para um crescimento do déficit primário, especialmente em razão das eleições presidenciais, para valores entre 5% e 6% do PIB (segundo dados do Banco Mundial, em 2014 o país apresentou um déficit primário de 0,9% do PIB e um déficit financeiro de 2,5% do PIB). ESTATIZAÇÃO NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO Aprovada lei que estatiza a administração do serviço ferroviário argentino. Com a lei, o Estado argentino tomou posse de toda a rede ferroviária do país e estabeleceu a modalidade de acesso aberto (na qual todos os operadores de cargas e passageiros poderão utilizar toda rede). Foi também criada a empresa Ferrocarriles Argentinos Sociedad del Estado, que será responsável pelo gerenciamento de todo o sistema Dados atualizados até 15/04/15. Este é um documento de caráter informativo elaborado com base em informações públicas produzidas por terceiros. Nada no documento deve ser interpretado como posicionamento, visão ou projeção deste Ministério. Valores médios de recente informe Latin Consensus Forecast IPC Congresso (média de estimativas privadas publicada pela oposição no Congresso argentino) Aproximadamente US$ 1,5 bilhão (convertidos pela taxa de câmbio oficial de 15/04/ US$ 8,87) Em março, já haviam sido iniciados processos de rescisão de contratos com os privados encarregados das operações de quatro linhas de transporte de passageiros.

2 2 NOVA CONDENAÇÃO EM TRIBUNAL ARBITRAL DO BANCO MUNDIAL ICSID determina que o país pague US$ 405 milhões. Ao concluir que houve rescisão unilateral em 2006 dos contratos com as empresas francesa Suez e espanhola Águas de Barcelona (Agbar), o Centro Internacional de Resolução de Disputas de Investimentos do Banco Mundial determinou que o governo argentino devolva às empresas o montante corespondente aos investimentos realizados à época (não foram considerados valores solicitados pelas empresas por danos morais ou indenizações, que levariam a ação a US$ 1,2 bilhão). BOLÍVIA INVESTIMENTOS SETORIAIS Anunciados investimentos governamentais no setor leiteiro. O chefe do Pro Bolívia 6, Oscar Alcaraz, anunciou investimentos de 16,5 milhões de bolivianos 7, moeda local, para melhorar a produção de leite em áreas com bom potencial, por meio do uso de tecnologia e de áreas de pastagem. Serão adquiridos equipamentos de ordenha automática e máquinas forrageiras de corte. Os recursos para o programa virão do Fundo Pro Leite, que recebe 0,10 bolivianos de cada litro de cerveja vendido no país. SETOR DE GÁS Petrobrás firma acordo para exploração de gás. A empresa brasileira assinou um acordo com a estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) com o objetivo de impulsionar a exploração de gás natural em três áreas da região sul de Tarija. Um memorando de entendimento abre a possibilidade de investimentos de 2,057 bilhões de dólares, que incluiriam atividades de exploração, transporte e construção de plantas fabris, o que permitiria aumentar as reservas do país e consolidar o departamento de Tarija como centro energético da Bolívia. Esse departamento possui até 85% das reservas de gás natural da Bolívia. A petrolífera boliviana e o Ministério dos Hidrocarbonetos também firmaram um memorando de entendimento com a empresa russa Gazprom, para o desenvolvimento do setor de gás da Bolívia até CHILE INFLAÇÃO Inflação de março abaixo das expectativas. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,6% em março, abaixo do que o mercado esperava (+0,9%). Com isso, mantém a tendência de queda em 12 meses, saindo de 5,7% em outubro de 2014 para 4,2% em março. Ainda assim, permanece acima do limite superior da meta do Banco Central, que é de 4%. COMÉRCIO EXTERIOR Exportações registram o pior desempenho para o primeiro trimestre desde As exportações foram 7% menores em comparação ao mesmo período do ano anterior, impactadas pelo setor de mineração, em particular o cobre, com queda do valor exportado de 13,3%. Já as importações caíram 13,9%, refletindo a redução de 49% no valor das importações de petróleo e também de outros combustíveis. Por sua vez, a Balança comercial registrou superávit 47,6% maior no trimestre. 6 7 O PRO BOLÍVIA é uma entidade pública vinculada ao Ministerio de Desarrollo Productivo y Economía Plural, que tem como objetivo impulsionar a diversificação produtiva e a geração de valor agregado, oferecendo serviços de fomento à produção nacional, com ênfase nas micro e pequenas unidades produtivas. Aproximadamente US$ 2,4 milhões.

3 Atividade econômica se expandiu 2% em fevereiro. O Índice Mensal de Atividade Econômica (Imacec) teve aumento de 2% em relação ao mesmo mês de 2014, em linha com as expectativas do mercado, mas o pior fevereiro dos últimos seis anos. Em doze meses, cresceu 1,5%. O Comércio Varejista e o setor de Serviços contribuíram positivamente contrapondo a queda na produção na atividade de Mineração. 3 FMI reduz projeção de crescimento para A instituição reduziu de 3,3% para 2,7% a sua projeção para o país, tendo como justificativa as incertezas acerca do impacto das reformas promovidas pelo governo sobre os investimentos. Para 2016, o FMI estima que a economia chilena crescerá 3,3%. COLÔMBIA INVESTIMENTOS Investimento estrangeiro cai no primeiro trimestre. De acordo com dados do Banco Central, os investimentos externos líquidos na Colômbia apresentaram redução de 25% entre janeiro e março frente a igual período de 2014, chegando ao montante de US$ 4,4 bilhões. Entre os componentes desse resultado, apresentaram queda as entradas em investimentos externos diretos (-10,0%) e em portfólio (-58,7%). Setorialmente, teve destaque a menor destinação de recursos ao setor petroleiro (-11,7%), que representou 81,5% dos investimentos destinados ao país no período. SERVIÇOS Turismo gerou US$ 4,9 bilhões em divisas em A cifra superou a meta do governo para o quadriênio , de US$ 4 bilhões ao ano, e mostra maior proximidade à que o governo espera alcançar entre 2015 e 2018, de US$ 6 bilhões/ano. Com o resultado, o setor obteve um saldo de US$ 3,9 bilhões e teve uma participação de 56,4% nas exportações totais de serviços para o ano. Os serviços na área de turismo também aparecem como terceiro maior gerador de divisas ao país, atrás das atividades extrativas de petróleo e carvão. COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportações têm redução de 26,8% em fevereiro. O resultado divulgado pelo DANE 8, obtido na comparação com o mesmo mês do ano anterior, já era esperado por governo e analistas privados. A principal variação negativa se deu nas vendas de petróleo e seus derivados (-45,2%) e de manufaturas (-9,7%). Por outro lado, as cifras apontam recuperação das exportações de produtos agropecuários, alimentos e bebidas (+6,8%). Os destinos para os quais houve maior queda nas exportações foram China (-92,4%) e Índia (-98,4%). EQUADOR INFLAÇÃO Inflação apresenta tendência crescente. Após encerrar o ano de 2014 com uma inflação de 3,67%, com os índices mensais de 2015 até março, a inflação em 12 meses se encontra em 3,76%. A projeção oficial até o momento é de que 2015 se encerre com uma taxa de 3,9%, mas as autoridades sinalizaram que revisarão essa projeção em razão dos problemas econômicos por quais o país passa em função da queda dos preços internacionais do petróleo. 8 Departamento Administrativo Nacional de Estatísticas

4 4 DÍVIDAS E GASTOS PÚBLICOS Análises privadas apontam crescimento nas dívidas e gastos públicos. Apesar de os dados mais recentes do Ministério de Finanças indicarem que a dívida pública (interna e externa) do país estaria próxima a 30% do PIB, análises privadas apontam para a necessidade de contabilização de valores compromissados com a venda antecipada de petróleo à China e de Certificados de Tosoreria, que elevariam a dívida a 37% do PIB (próximo ao limite de 40% do PIB estabelecido pela Asamblea Nacional). Também segundo análises privadas, os gastos públicos passaram de 21% do PIB em 2006 para 43% em , como resultado de um modelo econômico no qual o Estado é o principal vetor de investimentos, em especial no setor petroleiro. POBREZA Pobreza se reduz 12,5 pontos percentuais em 8 anos. Segundo dados divulgados pelo Instituto Ecuatoriano de Estadística y Censos (INEC) o índice de pobreza no Equador, medido pelo consumo, passou de 38,3% em 2006 a 25,8% em Destaca-se ainda a redução em mais de 50% dos índices de pobreza extrema no mesmo período, assim como a manutenção da elevada diferença entre esses índices nas zonas rurais e urbanas (47,3% e 15,5% da população em 2014, respectivamente). MEXICO Banco Central prevê recuperação nos próximos meses. De acordo com registros da última reunião da instituição, os membros de sua Junta Diretiva preveem que o país deverá crescer mais nos próximos meses em razão principalmente dos estímulos dados ao setor exportador, da recuperação econômica estadunidense e da desvalorização da moeda local. Ainda assim, os membros acreditam que o crescimento deve se situar no valor inferior da faixa de estimativas do Banco Central, que vai de 2,5% a 3,5%. Economia mexicana superará a espanhola. De acordo com o World Economic Outlook de abril, do FMI, o México passará a ser a 13ª maior economia do mundo já em 2015, com seu PIB em preços correntes superando o da Espanha. Não obstante, a instituição reduziu a previsão de crescimento do país de 3,2% para 3,0%, apontando como razões para a modificação a fragilidade da demanda doméstica e o cenário fiscal restritivo, este último explicado pela deterioração no preço do petróleo, importante fonte de renda tributária local. A CEPAL revisou as previsões de crescimento para o México em cifras idênticas às apresentadas pelo FMI. MERCADO DE CAPITAIS México lança títulos com vencimento em 100 anos. Os papéis, que têm vencimento em março de 2115, oferecem rendimentos de 4,2%, foram ofertados globalmente e têm o euro como moeda de referência, com seu valor total chegando a 1,5 bilhão (US$ 1,6 bilhão). Esta é a segunda vez em dois anos que o governo oferta títulos com vencimento em 100 anos, tendo lançado bônus com montantes similares em libras esterlinas em O objetivo é cobrir as necessidades de financiamento a custos relativamente baixos, além de diversificar a base de investidores no longo prazo e o perfil das amortizações devidas em moeda estrangeira. A 9 O atual governo do Presidente Rafael Correa, em seu segundo mandato desde 2013, iniciou-se em janeiro de 2007.

5 Secretaria de Fazenda informou que a demanda pelo título em euros foi mais de quatro vezes superior ao total ofertado. 5 INVESTIMENTOS Grande interesse por licitações energéticas. Até a primeira quinzena de abril, 68 das principais empresas petroleiras mundiais já se apresentaram para participação na Rodada Um da reforma energética mexicana, que deve licitar, até o final de 2015, 169 blocos petrolíferos. A expectativa dos agentes privados é que neste ano os investimentos trazidos por essas operações cheguem a US$ 12 bilhões e que esse valor seja duplicado a partir de Além de garantir ingressos fiscais, para os quais o setor contribui hoje com 42% do total 10, o avanço da reforma pode reduzir o custo médio da energia em até 84%, elevando a competitividade da indústria local. SETOR AUTOMOTIVO Venda de veículos cresce 22,4% em março. De acordo com a AMIA 11, este é o terceiro mês seguido em que o indicador apresenta crescimentos superiores a 20% em relação a períodos análogos de 2014, o que aponta uma recuperação do consumo privado, condizente com a alta de 4,8% do índice de confiança do consumidor para o mês. Também foram positivos os dados de produção (+8,1%) e exportações (+13,2%), especialmente em relação às vendas destinadas aos Estados Unidos (+13,9%) e ao Canadá (+26,9%). Toyota anuncia investimentos de US$ 1 bilhão em nova planta. A nova instalação da montadora deverá gerar até 2 mil empregos e acrescentar 200 mil 12 unidades anuais à produção mexicana de veículos. A planta, que terá como principal produto o veículo Corolla, deve iniciar sua produção em O investimento põe fim ao congelamento global de novas operações para ampliação de capacidade da montadora, vigente desde 2011, e é o maior já aportado pela companhia ao México. PARAGUAI FMI reduz previsão de crescimento do Paraguai. O Fundo Monetário Internacional baixou de 4,5% para 4% a perspectiva de crescimento do PIB em 2015, patamar menor do que a previsão do governo (4,5%) e da Cepal (4,2%). A principal razão para essa redução está na queda do preço das matérias primas e na previsão de baixo crescimento do Brasil, principal destino das exportações paraguaias. Apesar disso, a expansão da economia paraguaia será a segunda maior da região neste ano, atrás apenas da Bolívia. COMÉRCIO EXTERIOR Queda nos preços da soja e derivados reduz a entrada de divisas no país. No primeiro trimestre, houve redução de US$ 350 milhões no ingresso de divisas frente ao mesmo período de 2014, o que explica em parte a pressão sobre o câmbio no país 13. Os volumes exportados de grãos de soja declinaram 12% acompanhados de uma queda de 23% nos preços, enquanto a exportação em volume dos seus derivados (óleo e farinha) cresceu, mas seus preços também caíram ,3% dos ingressos do governo central e 30,7% dos ingressos totais do setor público em Associação Mexicana da Indústria Automotriz. Média de 16,6 mil veículos por mês, o que representa aproximadamente 6,0% da produção nacional mensal. Depreciação da moeda nacional de 13% em 12 meses frente ao dólar (Dado de 15/04/2014).

6 DÍVIDA PÚBLICA Déficit público aumenta. Após o término do primeiro trimestre, o déficit nos últimos doze meses atingiu 1,4% do PIB, abaixo do limite de 1,5% estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Esse déficit se financia com mais endividamento, que vem aumentando nos últimos tempos principalmente com a emissão de bônus soberanos 14 mas que, segundo o governo, ainda é sustentável. Cabe destacar que, em 2015, o governo estima que os pagamentos de amortizações, juros e comissões da dívida pública aumentarão 36,8%. 6 INFLAÇÃO Deflação em março. Segundo o Banco Central, março foi o primeiro mês deflacionário no ano ao registrar queda no Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de 0,1%, acumulando alta de 1% no trimestre, índice menor do que os 2,6% do mesmo trimestre do ano anterior. Segundo a entidade, esse resultado deve-se, em grande parte, à baixa de preços no grupo de alimentos, influenciados pelos preços das commodities no mercado internacional, e pela redução dos preços do petróleo. PERU DESEMPREGO Desemprego sobe levemente no primeiro trimestre. Entre janeiro e março, a taxa de desemprego na região metropolitana de Lima situou-se em 7% 15, conforme dados do Instituto Nacional de Estadística e Informática (INEI). Segundo grupos de idade, o desemprego apresentou comportamento diferenciado. Entre os jovens de 14 a 24 anos, a taxa foi 15,4%; entre os de 25 a 44 anos, de 5,5%; e na população de 45 anos ou mais, de 2,2%. Economia apresenta baixo crescimento em fevereiro. De acordo com dados do INEI, a economia peruana cresceu 0,94% em fevereiro, abaixo do esperado pelos analistas, que previam um avanço de 1,35%. Esse resultado reflete fortes quedas nos setores de pesca e construção, bem como um mau desempenho dos setores de mineração, hidrocarbonetos e manufaturas. A expansão de fevereiro foi muito inferior ao crescimento de 5,42% do mesmo mês do ano passado, e também foi menor do que o avanço de 1,68%, registrado em janeiro. URUGUAI TURISMO Foram divulgados bons resultados do setor. A Ministra do Turismo divulgou dados do primeiro trimestre de O ingresso de turistas no país aumentou 12% em relação ao mesmo período do ano anterior. Nos primeiros três meses deste ano, ingressaram 990 mil turistas no país, enquanto em 2014 esse número foi de 887 mil. As divisas deixadas pelos turistas também aumentaram, para US$ 830 milhões, cifra 7,65% maior do que a registrada no ano passado. Por sua vez, os gastos dos uruguaios no exterior declinaram aproximadamente 25%, de forma que o saldo da conta de turismo apresentou crescimento de 40%, atingindo US$ 538 milhões. EXPORTAÇÕES Exportações diminuíram no primeiro trimestre. Segundo o Instituto Uruguay XXI, as exportações uruguaias apresentaram declínio de 2% no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período de O total exportado foi de aproximadamente US$ 1, De acordo com os dados do Ministério da Fazenda, a dívida pública do Paraguai saiu de 18% do PIB em 2013 para 29% em Relativa estabilidade frente aos 6,9% registrados no trimestre entre dezembro de 2014 e fevereiro de 2015.

7 bilhão, sendo que o principal destino continuou sendo o Brasil, com US$ 311 milhões, apesar da retração de 24,7% em relação a O segundo principal destino foi a China, com aumento de 1,6% no valor exportado (US$ 193 milhões), e o terceiro foram os Estados Unidos (US$ 120 milhões), com aumento de 42%. 7 CRESCIMENTO Cepal revisou sua expectativa. A Comissão Econômica para a América Latina e Caribe atualizou para baixo a sua expectativa de crescimento para a economia do país em 2015, de 3,5%, projetado em dezembro de 2014, para 3%. VENEZUELA PIB Economia deve ter retração de 3,5% em A Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e Caribe) revisou para baixo a sua expectativa de crescimento para a economia venezuelana, de uma contração de 1% para uma de 3,5%. COMÉRCIO O comércio com os Estados Unidos retraiu 40% em ano. Segundo a Câmara do Comércio Venezuelano-Americana, a corrente de comércio entre os países apresentou retração de 39,85% em um ano, de US$ 6,6 bilhões nos dois primeiros meses de 2014 para US$ 4 bilhões nos mesmo período de As exportações do país latino-americano declinaram 49,6%, enquanto as importações aumentaram 1,4% nesse período. RESERVAS INTERNACIONAIS O País procura maior liquidez nas suas reservas. Segundo a imprensa internacional, o Banco Central está negociando com bancos internacionais um contrato de swap de ouro para tornar líquido US$ 1,5 bilhão das reservas internacionais do país em ouro. O Banco entregaria 1,4 milhão de onças do metal (aproximadamente 39,7 toneladas) por um período de quatro anos, ao término do qual o ouro monetário voltaria ao País. Segundo a imprensa, espera-se que o contrato seja fechado ainda em abril. Estima-se que, dos US$ 20 bilhões de reservas, 70% sejam em ouro.

8 ANEXO: INDICADORES 8 TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB MUNDO 3,3 3,4 AMÉRICA LATINA 1,3 0,8 % RESERVAS SOBRE O PIB % DÍVIDA BRUTA SOBRE O PIB 2014* 2015* * ARGENTINA 0,5 A -0,3 5,8 49,0 BOLÍVIA 5,4 A 5,0 B 44,2 30,0 BRASIL 0,5 A 0,8 B 16,8 66,0 CHILE 1,9 A 3,5 B 15,3 14,0 COLÔMBIA 4,6 A 4,2 B 11,7 34,0 EQUADOR 3,8 A 4,1 B 3,8 27,0 MÉXICO 2,1 A 3,2 B 14,9 48,0 PARAGUAI 4,4 A 4,5 B 22,3 18,5 PERU 2,3 3,8 30,0 19,3 URUGUAI 3,5 A 2,8 33,2 66,3 VENEZUELA -4,0-7,0 10,5 46,2 UNIÃO EUROPEIA 1,4 1,8 ZONA DO EURO 0,8 1,4 ÁSIA (PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO) 6,8 6,6 ESTADOS UNIDOS 2,4 A 3,1 0,7 105,62 CHINA 7,4 A 6,7 38,1 C 40,7 Fonte: Autoridades nacionais e FMI (World Economic Outlook Update April/2015). * Estimativas/Previsões FMI. A Dado oficial do país. B Estimativa/Previsão oficial do país. C State Administration of Foreign Exchange (SAFE) TAXA DE CÂMBIO, INFLAÇÃO E CONTA CORRENTE (SETE MAIORES ECONOMIAS DA AMÉRICA LATINA) DEPRECIAÇÃO DA MOEDA NACIONAL* (últimos 12 meses, em relação ao dólar) RESULTADO EM CONTA CORRENTE** (% do PIB, em 2014) INFLAÇÃO*** (%, em 2014) ARGENTINA 11% -0,8 23,9 BRASIL 38% -3,5 6,4 CHILE 11% -1,8 4,6 COLÔMBIA 31% -3,8 3,6 MÉXICO 17% -1,9 4,2 PERU 13% -5,2 3,2 URUGUAI 17% -6,5 8,3 VENEZUELA 0% A 7,6 68,5 * Fonte: Banco Central do Brasil (variações entre 15 de abril de 2014 e 15 de abril de 2015). ** Fonte: FMI. *** Fonte oficial dos países. A O cálculo apresentado diz respeito ao câmbio oficial venezuelano, fixado em 6,3 VEB/US$.

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA Janeiro 2015 (segunda quinzena) 1 1 ARGENTINA CÂMBIO Governo indica manutenção das regras para compra de dólares. Após especulações sobre uma possível flexibilização

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA Setembro 2014 (primeira quinzena) 1 1 ARGENTINA Cresce a divergência entre indicadores oficiais e privados de inflação. Em agosto, o índice oficial de inflação

Leia mais

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA Junho de 2015 (segunda quinzena) 1 1 ARGENTINA Dados oficiais apontam para retomada da atividade econômica no país. O Indec 2 divulgou crescimento do PIB

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014. São Paulo, 12 de fevereiro de 2015

Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014. São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 Ressalva sobre declarações futuras Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Perspectiva de crescimento para América Latina Paulo Funchal

Perspectiva de crescimento para América Latina Paulo Funchal Perspectiva de crescimento para América Latina Paulo Funchal Foco na América Latina Grant Thornton International Business Report (IBR) Grant Thornton Global Dynamism Index (GDI) The Economist Intelligence

Leia mais

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA

DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA DESTAQUES DE CONJUNTURA ECONÔMICA AMÉRICA LATINA Março de 2015 (primeira quinzena) 1 1 ARGENTINA CÂMBIO Aceleram-se as compras de dólar ahoro 2. Apenas na primeira semana de março, foram registradas compras

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 A crise financeira internacional continua afetando negativamente o comércio exterior paranaense: apesar das exportações terem aumentado 43,44% em março,

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição:

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição: Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Fevereiro de 2015 Setor inicia o ano com crescimento real de 3,42% Em janeiro de 2015

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais