Rua Pirituba, 61/65 - B. Casa Branca - Santo André - SP - CEP: Fone: Ser Professor (a)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rua Pirituba, 61/65 - B. Casa Branca - Santo André - SP - CEP: 09015-540 - Fone: 4994-0700. Ser Professor (a)"

Transcrição

1 Outubro/2003 Nº 261 Rua Pirituba, 61/65 - B. Casa Branca - Santo André - SP - CEP: Fone: Ser Professor (a) É buscar dentro de cada um de nós forças para prosseguir, mesmo com toda pressão, toda tensão, toda falta de tempo... Esse é nosso exercício diário! Ser professor (a) é se alimentar do conhecimento e fazer de si mesmo (a) janela aberta para o outro. Ser professor (a) é formar gerações, propiciar o questionamento e abrir as portas do saber. Ser professor (a) é lutar pela transformação... É formar e transformar, através das letras, das artes, dos números... Ser professor (a) é conhecer os limites do outro. E, ainda assim, acreditar que ele seja capaz... Ser professor (a) é também reconhecer que todos os dias são feitos para aprender... Sempre um pouco mais... Ser professor (a) É saber que o sonho é possível... É sonhar com a sociedade melhor... Inclusiva... Onde todos possam ter acesso ao saber... Ser professor (a) é também reconhecer que somos, acima de tudo, seres humanos, e que temos licença para rir, chorar, esbravejar. Porque assim também ajudamos a pensar e construir o mundo. Todos os dias do ano são seus, professor(a)! Parabéns! Fonte: Jornal AconteeCendo, nº. 22, Setembro de 2001

2 Homenagem ao professor(a) Tudo vale a pena, quando a vocação é grande (...) Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. (Fernando Pessoa) Duas garotinhas de dez anos de idade conversam sobre o que querem ser na vida. A primeira, orgulhosa, nem pensa duas vezes: quero ser médica!. A segunda diz e eu quero ser professora. Professora? Só isso?, retrucou a menina, com uma certa arrogância. A amiga nem se abalou: E você acha que vai se tornar médica como? Tendo aulas com um monte de professores, oras! Esse diálogo simples, que se repete entre milhares de crianças todos os dias, revela aquilo que estamos acostumados a sentir na própria pele: o descaso com o ofício de professor, que hoje possui uma imagem desgastada em virtude de todas as transformações que a educação sofreu em nosso país. Mas, como afirmou a menina, não há jornalista, advogado, médico ou outro doutor que não tenha, algum dia, freqüentado salas de aula, dividindo diariamente suas experiências com os mestres que nos ensinam não só matemática, física, química, como nos ensinam sobre a própria vida. Os salários são baixos, as condições de ensino são, hoje, muitas vezes precárias, mas a maior virtude do mestre está em ensinar. Em conduzir crianças, adolescentes, adultos, a algum rumo na vida. É possível que não nos recordemos de todos os professores com quem tivemos contato nesta vida, mas sem dúvida nos lembramos de algum mestre em especial. A primeira professora costuma ser sempre inesquecível, assim como aquele mestre na faculdade que nos ajudou a tomar um rumo mais acertado na profissão. Apesar de todos os percalços, de todas as dificuldades, é nos mestres em quem confiamos. Mestres que não abandonam seus caminhos, por mais difíceis que sejam, mantendo vivo o compromisso de educar. Como dizia Fernando Pessoa, tudo vale a pena, se a alma não é pequena. Aos professores de almas enormes, aqui vai o nosso muito obrigado por nos ensinar a viver. Feliz Dia dos Professores! Diretoria do SINPRO-ABC Certa lenda conta que duas crianças estavam patinando em cima de um lago congelado. Era uma tarde nublada, fria e as crianças brincavam sem preocupação. De repente, o gelo se quebrou e uma das crianças caiu na água. A outra criança, vendo que seu amiguinho se afogava debaixo do gelo, pegou uma pedra e começou a golpear o gelo. Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino: - Como você fez isso? É impossível que você tenha quebrado o gelo com essa pedra em suas mãos tão pequenas! Nesse instante, apareceu um ancião e disse: - Eu sei como ele conseguiu. Todos perguntaram: - Como?! O ancião respondeu: - Não havia ninguém ao seu redor para lhe dizer que não poderia fazer! 1 É isto que ocorre na escola ou fora dela, muitas vezes. Pessoas nos dizendo que isto ou aquilo não é possível! Um colega dizendo que este ou aquele aluno não consegue aprender! Nós, como professores, estamos o tempo todo pensando em como encorajar nossos alunos em suas descobertas, em seu autoconhecimento. Nos preocupamos em tornar nossas aulas atraentes, estimulantes e agradáveis. Procuramos auxiliar jovens e crianças a avançarem em seus desafios, a descobrirem quem são e do que são capazes. Nos aventuramos com nossos alunos. Precisamos sempre dar prioridade ao que o aluno aprende e não ao que queremos ensinar. Acariciar e preservar o espírito de cada um, pois, mesmo não sendo o mais inteligente da classe, com certeza resplandecerá com elogios e estímulos ao invés de Sou professor a favor da decência contra o despudor, a favor da liberdade contra o autoritarismo, da autoridade contra a licenciosidade, da democracia contra a ditadura de direita ou de esquerda. Sou professor a favor da luta constante contra qualquer forma de discriminação, contra a dominação econômica dos indivíduos ou das classes sociais. Sou professor contra a ordem capitalista vigente que inventou esta aberração: a miséria na fartura. Sou professor a favor da esperança que me anima apesar de tudo. Sou professor contra o desengano que me consome e imobiliza. Sou professor a favor da boniteza de minha própria prática, boniteza que dela some se não cuido do saber que devo ensinar, se não brigo por este saber, se não luto pelas condições materiais necessárias sem as quais meu corpo descuidado, corre o risco de se amofinar e já não ser testemunho que deve ser de lutador pertinaz, que cansa mas não desiste. Ser Professor e Professora é acreditar que um outro mundo é possível Paulo Freire, mestre de todos nós. murchar com descrédito e humilhação. É fundamental que tenhamos consciência de que somos modelo de valores e padrões que o aluno imitará ou rejeitará; levará na lembrança para a vida toda ou esquecerá. Esta é a parte profissional que nos toca. No entanto, temos nossa vida pessoal e todas as obrigações. Contudo, assim como na lenda acima citada, não podemos deixar que nos digam o que podemos ou não fazer. Quando desejamos atingir um objetivo, nada e nem ninguém pode nos impedir. Muitas vezes, nos deixamos abater pelas cobranças do dia-a-dia, por uma discussão com um colega de trabalho, por um mal-entendido com um pai de aluno, por uma atividade sem sucesso, por um problema familiar, pelas relações pessoais, de um modo geral, nem sempre muito fáceis. No entanto, a força de ser pessoa significa a capacidade de acolher a vida assim como ela é (...). A força de ser pessoa traduz a capacidade de conviver, de crescer e de humanizar-se com estas dimensões de vida(...) 2 Assim, podemos enfrentar as situações do cotidiano com uma atitude saudável, agindo de forma a contribuir para a transformação de nossa sociedade, para que os alunos com quem trabalhamos sejam cidadãos preocupados com a transformação deste mundo, conscientes das desigualdades sociais e dispostos a trabalhar para a eliminação disto tudo, e não simplesmente pensar que não temos nada com isso, tomando uma atitude passiva perante as mazelas que acontecem todos os dias bem diante de nossos olhos. Mais uma vez, não podemos permitir que nos digam: -Isto não é possível! Lutemos! Acreditando em nossas capacidades, na certeza de que um outro mundo é possível. EXPEDIENTE O Professor - Boletim Informativo do SINPRO-ABC - Sindicato dos Professores do Grande ABC Presidente: Célia Regina Ferrari Diretor Responsável: Oswaldo de Oliveira Santos Jr. Jornalista: Luciana Mastrorosa Diagramação e ilustração: Israel Barbosa Tiragem: 4000 exemplares Gráfica: Diário Artes Gráficas A publicação não se responsabiliza por matérias assinadas e declarações de terceiros. Profª. Denise Fernandes Pereira 1 Manoela Vitorino 2 Boff, L. Saber Cuidar: ética do humano compaixão pela terra. Editora Vozes, Pág. 02

3 Receita de professor: criatividade, persistência e amor pela profissão Todos sabemos que as condições de ensino, hoje em dia, estão cada vez mais complexas e, muitas vezes, piores. No entanto, muitos professores persistem no caminho da educação, acreditando e lutando por melhores condições de ensino. Um exemplo dessa luta é o da professora Maria Lúcia Micali Cantu, atualmente professora aposentada, que sempre militou pelas causas sociais. Maria Lúcia, 55 anos de vida e 35 de profissão, é uma apaixonada pela educação. Como ela mesma se define, é uma dinossaura do ensino, pois acompanhou as diversas mudanças que acompanharam a educação nos últimos trinta anos. Depois de trabalhar a vida toda em São Paulo, atualmente Maria Lúcia dedica-se também a ensinar História, uma de suas grandes paixões, voluntariamente no cursinho da Soab - Sociedade Amigos de Boiçucanga -, no litoral paulista, tentando auxiliar alunos de escolas públicas que desejam se preparar para o vestibular, mas não podem pagar. Com sua experiência de 35 anos de profissão, Maria Lúcia discute o que considera alguns pontos cruciais da educação hoje em dia. Questão salarial Divulgação Acredito que os salários ruins são a principal questão a ser levantada para que uma escola pública ou privada mantenha bons profissionais. O valor hora-aula, infelizmente, não corresponde mais às necessidades básicas do profissional, afirma a professora. Conciliar sobrevivência de qualidade, moradia, comida saudável, lazer e saúde, com a necessidade de estar estudando constantemente é o grande dilema. Para que isso aconteça, o professor virou um bóiafria. Todo ano corre atrás das aulas fechando seu bloco em várias escolas para conseguir sua sobrevivência básica, nem sempre com a qualidade desejada. Em virtude disso, seu aperfeiçoamento profissional fundamental não acontece, a não ser que a própria instituição se encarregue disso. Como o professor tem de dar conta de muitas escolas com um número elevado de alunos, normalmente segue apostilas ou livros didáticos, tornando-se um executor de tarefas e não aquele que conduz e motiva o aluno para reorganizar conhecimentos adquiridos e transformados cientificamente, completa Maria Lúcia. Profissão Feminina É inegável que, até hoje, o magistério seja uma profissão onde a presença feminina é maioria. Isso ocorre, sobretudo, porque dar aulas um dia já foi um diferencial social, sobretudo para a mulher. Na década de 1950, quando a inserção feminina no mercado de trabalho ainda era considerada um mito, lecionar era a saída para as mulheres que desejavam se dedicar a outras atividades, sem precisar abandonar o lar e os filhos. Era possível trabalhar somente meio período, recebendo um salário razoável, e ainda ter tempo para cuidar da vida. Eu sou da década de 1960, afirma Maria Lúcia. Nessa época, o costume era educar as meninas para serem boas mães e donas de casa, e os meninos para se tornarem homens de negócios. Portanto eu acabei seguindo o mesmo destino de tantas outras meninas. Como professora, poderia me realizar num trabalho simples e ao mesmo tempo cuidar da família. Por incrível que pareça, na época, casar com uma professora era sinal de status, porque socialmente a profissão era respeitada e bem remunerada, conta a professora. Hoje o professor não dá mais informação, os alunos chegam com elas! Cabe ao professor ajudar a selecioná-las e transformá-las em conhecimento cientifico, usando suas teorias na prática. Ele deve aprender a aprender com os alunos e com toda a comunidade, que precisam participar da escola Esse quadro só começou a mudar, segundo Maria Lúcia, com a democratização do ensino na década de Foi justamente nessa época que, com as mudanças, o professor começou a perder seu status e seu poder aquisitivo, passando a trabalhar mais do que um período, com um salário menor. Isso tornou a profissão socialmente desprestigiada, afastando ainda mais os homens dessa profissão. Isso não significa que a democratização do ensino seja ruim. Acontece que há ausência de políticas educacionais, de políticas competentes para conciliar o profissional com um ensino de qualidade, afirma. Não podemos esquecer que toda classe trabalhadora perde gradativamente seu poder aquisitivo, não só o magistério que, sem dúvida, foi uma das categorias mais atingidas, completou. Ser professor hoje Com a nova LDB e a globalização, tudo está mudando. Ser professor hoje é escolher uma profissão pra lá de promissora, mas é preciso uma mudança radical do professor na sua maneira de encarar o ensino. Essa mudança deve começar com uma reflexão sobre sua prática no dia-a-dia para que o magistério seja encarado como profissão, e não como um simples ofício, diz Maria Lúcia. A professora defende a idéia de que ensinar é mais do que uma extensão do trabalho doméstico ou mera execução de tarefas. A professora acredita que uma sociedade que quer ser igualitária e democrática necessita de um professor que aprenda a discutir, argumentar e construir coletivamente o saber cientifico e o espaço escolar, superando os conflitos e convivendo com as diferenças. Hoje o professor não dá mais informação, os alunos chegam com elas! Cabe ao professor ajudar a selecioná-las e transformá-las em conhecimento cientifico, usando suas teorias na prática. Ele deve aprender a aprender com os alunos e com toda a comunidade, que precisam participar da escola, defende a professora. Apesar de todos os pesares, Maria Lúcia continua acreditando na profissão de educador, e afirma que, mesmo não tendo escolhido ser professora por vontade própria, tornei-me professora por imposição do meu pai, assim que entrou numa sala de aula, apaixonou-se. E não saiu mais. Aprendi muito com a prática da educação, afirma Maria Lúcia. Adquiri experiência para lidar com os seres humanos; aprendi a ter tranqüilidade nas escolhas e decisões e, acima de tudo, ganhei sabedoria para criar meus quatro filhos. Não tenho do que me queixar. Por isso, antes de escolher esta promissora profissão eu diria que os jovens precisam amar e gostar do ser humano, encarar o fato de dar aulas como uma profissão, ser competente, criativo e perseverante, afirmou. Agora, a escolha é sua! (Por Luciana Mastrorosa) Pág. 03

4 Tribunal Internacional dos Crimes do Latifúndio do Pará: um ato contra a impunidade Realizado segundo foro conciliatório com a Metodista No último dia 29 de setembro realizou-se na sede do Semesp Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo o segundo foro conciliatório entre o Sinpro ABC e o Instituto Metodista de Ensino Superior, visando à solução de conflitos trabalhistas. Após três horas de negociações, a Metodista confirmou a devolução aos professores das cartas de renúncia aos reajustes salariais de setembro de 2003 e janeiro de 2004, de acordo com o que foi definido no foro anterior. A Metodista propôs, ainda, 85% de estabilidade para os professores, mas a proposta não foi aceita pelo Sinpro ABC, que defende 100% de estabilidade para o corpo docente. Ficou decidido também que o 13º salário dos professores será pago 50% em novembro, 25% em 20 de dezembro e 25% junto com o pagamento do salário de dezembro. O próximo foro está marcado para o dia 19 de janeiro de 2004, para discutir as reposições e perdas do período. A mobilização permanente dos professores é necessária para alcançar nossos objetivos. Foro conciliatório da UNIABC O Sinpro ABC permanece em negociação com a UNIABC na tentativa de solucionar os conflitos coletivos entre a mantenedora e os professores. Solicitamos aos professores que denunciem ao Sindicato todos os casos de abuso e desrespeito à convenção coletiva. O professor que tiver dúvidas sobre o cálculo de suas férias deve procurar o Departamento Jurídico do Sinpro ABC para rever o cálculo. O movimento social camponês realiza de 27 a 30 de outubro de 2003, em Belém, o Tribunal Internacional dos Crimes do Latifúndio do Pará, quinze anos depois da realização do Tribunal da Terra. A iniciativa ocorre para discutir a situação de violência e os conflitos agrários no Pará, que atingem proporções gigantescas, envergonhando o estado, que paira como o primeiro em violência no ranking nacional. Registros organizados pela Comissão Pastoral da Terra mostram que, nos últimos 30 anos, foram assassinados 726 camponeses no estado do Pará. De 1971 a 1985, observaram-se 340 assassinatos em decorrência de conflitos fundiários. De 1986 a 2002, foram vitimados 386 camponeses, demonstrando assim a persistência no tempo do padrão de violência existente no estado. De todos esses crimes, houve apenas 7 condenações, sendo três mandantes, Jerônimo Alves de Amorim, Edílson Laranjeiras e Vantuir de Paula; um intermediário, Francisco de Assis Ferreira; e três pistoleiros, Péricles Ribeiro Moreira, José Serafim e Ubiratan Ubirajara. O massacre de Eldorado do Carajás configurase como o caso mais emblemático de impunidade, onde 19 camponeses foram assassinados e depois de 7 anos nenhum dos policiais envolvidos foi para a cadeia, apesar de dois comandantes terem sido condenados. A impunidade, infelizmente, não tem recebido nenhuma atenção especial por parte do Poder Judiciário do Pará. Por isso, o Tribunal Internacional dos Crimes do Latifúndio quer julgar todos esses crimes contra camponeses e lideranças populares no estado, a partir da elucidação dos casos mais graves e emblemáticos, especialmente os ocorridos nos governos de FHC e Almir Gabriel. Participam deste evento entidades, personalidades nacionais e internacionais, ativistas e defensores dos direitos humanos. Escrever é comprometer-se Sérgio Simka * A palavra texto significa tecido. Com efeito, o texto é um tecido composto de palavras que se reúnem em frases, períodos e parágrafos. Mas antes de assumir essa forma, o texto começa na mente de quem vai escrevê-lo. Aí é que reside o grande problema do ensino de redação : ensinam-se técnicas, macetes, dicas, truques, fórmulas pré-fabricadas de textos, esquemas, roteiros, etc., mas não se ensina a pensar. Tem sido comum, nas aulas de redação, a prática de sugerir aos alunos que escrevam sobre um assunto em relação ao qual, na maioria das vezes, não têm sequer afinidade ou aproximação com suas experiências de vida. A essa prática não se agrega um componente fundamental, que é o de levar os alunos a se debruçarem sobre a questão proposta, a discutirem a matéria, a questioná-la, a enxergá-la de diversas facetas. Em outras palavras, os alunos não são levados a pensar sobre o assunto; não se propõe uma discussão na qual possam externar o que pensam relativamente à questão. As aulas de redação têm sido momentos enfadonhos dos quais os alunos participam mais para se verem livres da tarefa do que para poderem ter a oportunidade de exteriorizar suas opiniões; participam mais por questões de recebimento de nota do que por questões de assumir um compromisso intelectual. Pois o escrever é comprometer-se intelectualmente; é assumir antes um compromisso com você mesmo, diante do que pensa sobre o assunto, sobre aquilo em que acredita, sobre aquilo que forma seu conjunto de valores e concepções de mundo. Escrever é conhecer-se; escrever, como dizia Clarice Lispector, é lembrar-se do que nunca existiu. Escrever, segundo Roland Barthes, é espantar-se. Espantamo-nos à medida que conhecemos sobre nós mesmos, sobre o que nos impulsiona, sobre o que nos mantém ligados à existência, etc. Mas nada disso parece merecer a atenção de nossos alunos e dos professores, mergulhados que se encontram num ensino de redação cujo foco consiste em distanciar cada vez mais os alunos de constituírem os sujeitos de seu próprio dizer, de seu próprio texto, que se assenta em experiências de vida, pessoal e intransferível. Daí o medo da folha em branco, dos bloqueios que costumam vir associados ao ato de escrever. Porque o escrever, na maior parte das vezes, esteve ligado a um ato que gerou mais frustração do que prazer, que causou mais traumas do que benefícios, que serviu mais para aferir a correção gramatical do que para aferir a capacidade de organização textual-discursiva, que sempre esteve associado mais a um dom que poucos têm do que a uma habilidade que todos podem adquirir. O escrever sempre gerou medo. Temos medo de escrever porque não sabemos pensar. Porque à proporção que o ensino nos levava a não pensar, o ensino nos levava a ter medo de escrever. E escrever, dentro dessa concepção, pressupunha conhecer as regras gramaticais, que o ensino também não nos ensinava. Somos um misto de sem-língua, sem-texto, sem-escrita, sem-pensamento com outra porção bem grande de com-medo, com-frustração, com-bloqueios. O resultado, como se vê, não é nada animador. Devemos mudar o foco de nossas aulas de redação, alterando as estratégias, que façam com que o medo de escrever se transforme no prazer de escrever. Quando há prazer, tudo fica mais fácil; é mais gostoso, você não vê a hora, você fica superbem, você fica de bem com a vida. Por que então não ficar de bem com o ato de escrever, conferindo-lhe prazer e não medo? * Sérgio Simka é professor universitário e autor de Ensino de Língua Portuguesa e Dominação: por que não se aprende português? (Musa), entre outros. Seu site: Pág. 04

5 MEC adia exame de certificação Como conseqüência dos protestos ocorridos em todo o país, o MEC transferiu para o segundo semestre de 2004 a realização do Exame Nacional de Certificação para Professores. A mudança foi anunciada no dia 12 de setembro, em Brasília, durante o 1º Encontro Nacional do Sistema de Formação Continuada e Certificação dos Professores. No encontro, realizado pela Secretaria de Ensino Fundamental para definir as matrizes do exame, houve diversas manifestações contrárias à certificação, tal qual ocorrera na maior parte dos estados, em agosto último. Das 27 reuniões estaduais realizadas para discutir as matrizes do exame, 14 resultaram em documentos contrários à iniciativa do MEC, em particular contra a forma de encaminhamento adotada. Destes, seis estados, inclusive São Paulo, se recusaram a discutir as matrizes. O encontro paulista ocorreu no dia 25 de agosto e contou com a participação da FEPESP, do SINPRO-SP e do SINPRO-ABC. No Encontro Nacional, os professores da rede privada estiveram representados pela CONTEE, pela FEPESP e pelo SINPRO-SP. Estiveram presentes cerca de 800 delegados, divididos em vinte e dois grupos de trabalhos, cujos relatórios deveriam ser apresentados, debatidos e votados em plenário, por todos os delegados. Para evitar que se repetisse em Brasília o que ocorrera nos encontros estaduais, os organizadores do seminário impediram que fossem levados a plenário os relatórios contrários ao exame de certificação, muitos dos quais exigiam a revogação da Portaria 1204, que instituiu a certificação. Houve ainda acusações de que os grupos de trabalho foram previamente organizados de maneira a isolar, num único local, todos os delegados contrários à iniciativa do MEC. para professores Gafes marcam a abertura do encontro A cerimônia de abertura do Encontro Nacional foi palco de várias impropriedades. Dizendo-se ministro dos professores, Cristovam Buarque tentou justificar o exame de certificação comparando a categoria a atletas que devem correr atrás de medalhas. Cometeu também a deselegância de afirmar que os sindicatos, por serem entidades corporativas, não assumem a luta pela qualidade de ensino. Talvez para mostrar que a certificação era coisa de Primeiro Mundo, foi convidado a falar o adido cultural da Espanha, que se encarregou de explicar como o exame funcionava em seu país. Descobriuse, então, que, em comum, havia apenas a semelhança nos nomes. A certificación espanhola não é nem de longe a versão tupiniquim inventada pelo MEC. Do outro lado do Atlântico, é apenas concurso para ingresso no serviço público. Uma vez aprovado, o professor não tem que se submeter a exames de cinco em cinco anos, como aqui. Lá, ele terá garantidas as condições para desenvolver a formação continuada, inclusive com licença para estudos. Depois de seis anos, poderá ainda candidatarse a um acréscimo salarial - uma espécie de aceleração no quadro de carreira - mediante os cursos que tenha realizado no período. Vale lembrar que o professor espanhol não deve trabalhar em duas, três ou mais escolas, nem precisa lecionar para mais de 600 alunos, como é freqüente no Brasil. O discurso do adido cultural espanhol, portanto, só faz reforçar as críticas à proposta do MEC. Governo retira projeto de lei sobre terceirização Fonte: FEPESP O Executivo enviou mensagem ao Congresso Nacional, pedindo a retirada do PL 43/02, que legaliza a contratação terceirizada. Na mensagem, o governo alerta para as graves conseqüências que o projeto trará aos trabalhadores, caso ele seja aprovado. A decisão final, contudo, cabe aos parlamentares, que deverão votar se aceitam ou não a retirada. Por isso, o Sinpro recomenda que os trabalhadores pressionem os parlamentares e partidos políticos e enviem mensagem, exigindo a aprovação da mensagem presidencial e a conseqüente retirada do projeto de lei. Fórum Social Brasileiro O I Fórum Social Brasileiro, que se realizará de 06 a 09 de novembro de 2003 em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi convocado pelas organizações da sociedade civil, constituintes do Conselho Brasileiro, seguindo a Carta de Princípios do Fórum Social Mundial. Os eixos a serem abordados no Fórum Social Brasileiro serão discutidos através de conferências propostas pelo Conselho Brasileiro e também em atividades auto-gestionadas que serão realizadas pelas redes e movimentos sociais: painéis, mesas de diálogo, testemunhos, oficinas, seminários, debates, convergências, assembléias e laboratórios organizados pelas entidades participantes. Para onde vai o Brasil? `É evidente a assimetria entre os co-signatários do projeto conhecido como Alca Pretensamente com o mesmo propósito de mobilizar recursos políticos para colher vantagens econômicas, os Estados Unidos tomaram a iniciativa de integrar, sob seu comando, as economias do hemisfério Ocidental. No caso singular do Canadá, a integração dá continuidade a um processo histórico. Mas, na América Latina, e em particular no Brasil, esse plano de integração continental reveste-se de maior gravidade. Com efeito entre iguais, o Brasil está firmando um compromisso entre desiguais, pois quem o lidera é a maior potência econômica, política e militar do mundo. É evidente a assimetria entre os futuros cosignatários do projeto conhecido como Alca, que estabelece regras comuns para aspecto abrangente de atividades. Em outras palavras, o plano acarreta clara perda de soberania para o Brasil, que terá de renunciar a um projeto próprio de desenvolvimento, abdicar de uma política tecnológica independente e esfacelar o seu já fragilizado sistema industrial. Se o modelo de integração européia objetiva homogeneizar os padrões de desenvolvimentos de seus membros, permitindo a mobilidade da mãode-obra, a Alca, ao contrário, exclui toda a possibilidade de fluxos migratórios. E, mesmo que não excluísse, seria tão prejudicial para o nosso país que, parodiando às avessas o famoso escritor que fugiu do nazismo e veio se suicidar entre nós, poderíamos proclamar: o Brasil é um país sem futuro. Faço essas reflexões para enfatizar nossa responsabilidade coletiva na construção de um Brasil melhor. Resta-nos velar para que a chama criativa se mantenha acesa e ilumine as áreas mais nobres do espírito humano. Rio de Janeiro, 13 de junho de Celso Furtado Fonte: Sindicato dos Economistas do Rio de Janeiro / Conselho Regional de Economia-RJ. Pág. 05

6 Participe do 5º Congresso do Sinpro-ABC O Sinpro-ABC promove nos dias 17,18 e 19 de outubro seu 5º Congresso. O tema deste ano é Professor: Educador ou prestador de serviço? Educação não é mercadoria!. O evento será realizado no Pampas Palace Hotel, em São Bernardo do Campo, e terá a seguinte programação: 17 de outubro Abertura 19h00 Presença confirmada: Madalena Guasco Peixoto (PUC-SP) Julio Turra (CUT) Gilmar Mauro (MST) Dep. Ivan Valente (PT-SP) 18 de outubro das 9h00 às 18h00 Presença confirmada: Roberto Romano (Unicamp) Carlos Rodrigues Brandão (Unicamp) Sérgio Haddad (PUC-SP) 19 de outubro 9h00 às 12h00 Reforma estatutária Educação não é mercadoria! As inscrições para o 5º Congresso do Sinpro-ABC podem ser feitas no telefone (11) ou na sede da entidade. Caderno de Formação nº. 4 Paulo Freire: um educador do Povo O Sindicato dos Professores do ABC Paulista Sinpro ABC oferece aos professores e professoras o seu Caderno de Formação número 4 Paulo Freire: um educador do Povo. Este caderno é entregue à categoria no momento do 5º Congresso do Sinpro ABC, quando se debate o papel dos educadores Professor: educador ou prestador de serviço? Paulo Freire nos deixou a certeza e a confiança de que a educação é um instrumento de humanização e libertação da mulher e do homem que sofrem as agruras da opressão política, econômica e cultural. Ensinou que a educação é uma conduta, uma postura de vida, uma atitude de respeito pela cultura popular. Paulo Freire sintetiza o verdadeiro lutador do povo brasileiro, que jamais sucumbiu, que jamais se deixou levar pelos interesses dos poderosos, e esteve sempre ao lado dos pobres e oprimidos. Desejamos que os princípios do mestre Paulo Freire nos permitam seguir lutando e confiando na educação como um dos instrumentos de libertação do ser humano. Estamos certos de que um novo mundo é possível a partir da solidariedade entre as pessoas. Informações: (11) Tome nota Agenda 2004 Já está pronta a Agenda do Professor 2004, com o tema Terra. Os professores(as) sócios receberão a agenda já nos próximos dias. Nossos representantes visitarão as escolas para fazer a entrega, mas se o professor desejar poderá retirar a agenda na sede do SINPRO-ABC. Sindicalize-se! Informações: (11) Criativando Auxílio para Crianças Nascemos criativos, mas, à medida que crescemos, nossa criatividade vai sendo sufocada por adultos interessados em manter tudo como está, porque o novo, o diferente, ameaça aquilo que está estabelecido, perturbando a harmonia da acomodação. Acontece no lar, na escola e na sociedade. Mas aqueles que ousam perceber a riqueza e o potencial criativo das crianças, incentivando-as e promovendolhes os meios de desenvolvê-lo, descobrem, fascinados a contribuição que elas têm a dar, para tornar tudo mais interessante, atraente e belo. O resultado tem sido surpreendente e inspirador. É isso que está sendo repartido com você, educador/a de educação religiosa, através deste Criativando. E por ser dinâmico e criativo, está em suas mãos criar também ao usar esta material, descobrindo novas formas de fazer. Autores: Prof. Luiz Carlos Ramos Profa.Neusa Cezar da Silva Prof. Oswaldo de Oliveira Santos Junior Profa.Telma Cezar da Silva Martins Contatos: (11) ou (11) (com Telma)

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA UM ANO

PLANEJAMENTO PARA UM ANO PLANEJAMENTO PARA UM ANO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Atividade 1- Conceituando autoconhecimento Como o autoconhecimento pode influenciar nossas escolhas? A importância da participação dos pais na educação

Leia mais

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja.

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. O primeiro passo para conquistar algo é acreditar que é possível. Se não, a pessoa

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

A educação brasileira continua a ser um triste pesadelo

A educação brasileira continua a ser um triste pesadelo A educação brasileira continua a ser um triste pesadelo Por (*) Nelson Valente Há uma relação inequívoca entre pobre e falta de educação, podendo com isso gerar o fenômeno da violência. Os exemplos existem

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

O Sr. Pastor Frankembergen (PTB-RR) pronuncia em plenário o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados:

O Sr. Pastor Frankembergen (PTB-RR) pronuncia em plenário o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados: O Sr. Pastor Frankembergen (PTB-RR) pronuncia em plenário o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados: A Reforma Universitária deve, sim, ser feita! Não tenho dúvida. Precisamos

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de posse

Leia mais

EDITORIAL LÍDER DO FUTURO

EDITORIAL LÍDER DO FUTURO InformEstrela Informativo da Cerâmica Estrela. Caderno Fevereiro2012 Ano V EDITORIAL LÍDER DO FUTURO A liderança tem assumido ao longo dos tempos diversas características, ou seja, se estampado em vários

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

A ADVOCACIA CRIMINAL E O CRIMINALISTA

A ADVOCACIA CRIMINAL E O CRIMINALISTA A ADVOCACIA CRIMINAL E O CRIMINALISTA Roberto Delmanto VOLTAIRE considerava a advocacia "a mais bela carreira humana". Parodiando o grande filósofo, eu diria que a advocacia criminal é a mais bela especialidade

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL?

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? Em épocas de vestibular, cerca de 1,8 milhão de jovens vão escolher uma profissão e dar arrepios no mercado, ou ficarem arrepiados, dando assim o primeiro empurrão

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------ POR QUE É QUE A GENTE É ASSIM? Eng. ------------------------------------------------------------------------------------ É batata! Toda vez que, numa conversa qualquer, o assunto "comportamento no mercado"

Leia mais

SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO ORIENTAÇÃO ESCOLAR E VOCACIONAL A conclusão do 9.º ano de escolaridade, reveste-se de muitas dúvidas e incertezas, nomeadamente na escolha de uma área de estudos ou num

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA RECÉM-FORMADOS INGRESSANTES NO ENSINO PÚBLICO: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES

PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA RECÉM-FORMADOS INGRESSANTES NO ENSINO PÚBLICO: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA RECÉM-FORMADOS INGRESSANTES NO ENSINO PÚBLICO: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES Lidiane Marani Suraya Cristina Darido RESUMO A Educação Física como área de conhecimento vem

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL R. Homem de Melo, 80 Cambeba, Fortaleza - CE CEP: 60.841-605 Saudações de paz e Bem irmãos e irmãs da Juventude Franciscana do Brasil. Espero por meio

Leia mais

Dicas. do professor. Eliseu Gabriel. Como estudar? Incentivar a leitura e o estudo é um ato de amor e respeito ao ser humano

Dicas. do professor. Eliseu Gabriel. Como estudar? Incentivar a leitura e o estudo é um ato de amor e respeito ao ser humano Incentivar a leitura e o estudo é um ato de amor e respeito ao ser humano Eliseu Gabriel O vereador e professor Eliseu Gabriel conseguiu aprovar uma Lei para ajudar a despertar o gosto pelo estudo e a

Leia mais

Enquete. Dia dos Professores

Enquete. Dia dos Professores Enquete Dia dos Professores No dia 15 de outubro será comemorado o dia do professor. Muito se fala que a profissão, apesar de muito importante, perdeu seu glamour e prestígio, sendo incapaz de atrair a

Leia mais

Brasília, 5 de agosto de 2003

Brasília, 5 de agosto de 2003 1 Brasília, 5 de agosto de 2003 Pronunciamento da reitora Wrana Maria Panizzi, presidente da Andifes, em reunião dos dirigentes com o sr. presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Senhor Presidente

Leia mais

Rodada de negociação na educação básica é transferida

Rodada de negociação na educação básica é transferida Edição 10 Março de 2012 Professores do Sesi/Senai têm assembleia com falta abonada em 16/3 (sexta-feira) às 10 horas no SINPRO-SANTOS localizado na Av. Ana Costa, 145 Santos, SP. A falta abonada para comparecimento

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Oito passos para uma carreira extraordinária

Oito passos para uma carreira extraordinária Oito passos para uma carreira extraordinária Procurar tornar-se apto para o mercado de trabalho sem saber qual o objetivo desejado é a melhor forma de conseguir bons empregos e uma eterna infelicidade.

Leia mais

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado.

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado. Automotivação Antes de abordarmos a importância da motivação dentro do universo corporativo, vale a pena iniciarmos esta série de artigos com uma definição sobre esta palavra tão em voga nos dias atuais.

Leia mais

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Vídeo Aula 1 2 O Direito da Criança e do Adolescente Vamos tratar do direito da criança e do adolescente. Uma primeira observação: quando se afirma a

Leia mais

Gestão Escolar. Profª. Maria Aparecida Carvalho Alencar

Gestão Escolar. Profª. Maria Aparecida Carvalho Alencar Gestão Escolar Profª. Maria Aparecida Carvalho Alencar ACORDO DIDÁTICO Pontualidade; Assiduidade; Agilidade para se deslocar para as atividades de grupo; Cumprimento das tarefas/participação; Autonomia

Leia mais

Ano 1 - nº 1 - Set/15

Ano 1 - nº 1 - Set/15 Ano 1 - nº 1 - Set/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José Aníbal créditos

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

José Aerton Rodrigues da Silva

José Aerton Rodrigues da Silva José Aerton Rodrigues da Silva Redação fácil para o Enem concursos públicos civis e militares Nilópolis RJ 2014 Edição do autor p. 1 Revisão: José Aerton Capa: Roberta Dias Aerton, José, Redação fácil

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

Este guia é parte da Série Temática - Consumo Consciente do Dinheiro e do Crédito,

Este guia é parte da Série Temática - Consumo Consciente do Dinheiro e do Crédito, Apresentação Este guia é parte da Série Temática - Consumo Consciente do Dinheiro e do Crédito, produzida pelo Instituto Akatu com o objetivo de ajudar o maior número possível de pessoas a perceberem a

Leia mais

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO HQ se lga! i CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO Defender a CONSTITUINTE é um erro! Erro, por que? A direita vai aproveitar uma Constituinte

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

Apresentaremos um diagrama de um processo de Vendas Consultivas que quando bem utilizado pode proporcionar :

Apresentaremos um diagrama de um processo de Vendas Consultivas que quando bem utilizado pode proporcionar : Pesquisa do professor Walter Brum Monteiro. Para conhecer nossos clientes e realizar negócios mais consistentes e duradouros, precisamos passar mais tempo interagindo e aproveitar o máximo possível deste

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS Minhas áreas de atuação são, pela ordem de número de eventos: Gestão de Projetos; Gestão de Ativos; Gestão de Segurança Industrial e Gestão Estratégica de empresas. Considero-me,

Leia mais

Autogestão Autonomia E Inclusão social

Autogestão Autonomia E Inclusão social Autogestão Autonomia E Inclusão social Moira Sampaio Rocha moyrahelmer@hotmail.com Terapeuta Ocupacional Especialista em Educação Especial Inclusiva Especializanda em Tecnologia Assistiva A pessoa com

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Capítulo I - Do direito à informação Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange

Leia mais

Como ter mais dinheiro e mais tempo, segundo Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa

Como ter mais dinheiro e mais tempo, segundo Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa Seu Dinheiro Como ter mais dinheiro e mais tempo, segundo Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa Mais do que garantir uma boa poupança ou otimizar a agenda, aprenda a juntar as duas coisas e fazer seu tempo

Leia mais

Jurista Ives Gandra Martins analisa o fim da Carta Frete.

Jurista Ives Gandra Martins analisa o fim da Carta Frete. Jurista Ives Gandra Martins analisa o fim da Carta Frete. Considerado um dos juristas de maior atuação na área do Direito Tributário no Brasil, o Dr. Ives Gandra Martins gentilmente acolheu o nosso convite

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

O ensino religioso em face do Projeto Político Pedagógico Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar

O ensino religioso em face do Projeto Político Pedagógico Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar O ensino religioso em face do Projeto Político Pedagógico Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar Resumo: Este artigo objetiva analisar a relação do ensino religioso junto ao Projeto Político Pedagógico destacando

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Leis Morais Lei da Igualdade. Sandra Veiga 01/04/2015

Leis Morais Lei da Igualdade. Sandra Veiga 01/04/2015 Leis Morais Lei da Igualdade Sandra Veiga Sandra Veiga A Idade Moderna Contexto da França Pré-revolucionária 1- Crise econômica: A França era basicamente agrária e semifeudal, aliada ao crescimento demográfico

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição

Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição Para Lúcia Stumpf, sua eleição para a presidência da UNE estimulou outras mulheres a ingressarem

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

FAEL comemora 15 anos de atividades

FAEL comemora 15 anos de atividades ANOS FAEL comemora 15 anos de atividades Hoje, comemoramos 15 anos de um projeto que visa à democratização do ensino e que tornou a FAEL uma referência em educação de qualidade. Com o objetivo de proporcionar

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4 Precisa-se de Pais Espirituais Objetivo do Senhor: - Glorificar o nome de Deus, revelar Seu poder e beleza e atribuir a Ele toda glória. - Provocar o desejo de marcar significativamente a sua descendência/

Leia mais

Avaliação do clima na escola

Avaliação do clima na escola Avaliação do clima na escola INSTRUÇÕES INICIAIS PARA O GESTOR: Avise que a pesquisa para avaliar o clima da escola é anônima. Não será preciso colocar nome, apenas identificar a qual segmento da comunidade

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social "Política inteligente de superávit não corta na educação" Entrevista do Ministro, Fernando Haddad, publicada no jornal Valor Econômico em 28 de novembro de 2005. Por: Rosângela Bittar e Claudia Safatle

Leia mais

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS A SDS através da Gerência de Prevenção e Articulação Comunitária GPAC/UPP, apresenta a mensagem informativa, por meio de Literatura popular sobre a lei 11.340/06, Lei Mª. da Penha. Parabenizamos o NUPREV-Sertão

Leia mais

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br Olá, concurseiro! É um grande prazer poder lhe dar algumas dicas básicas a respeito da sua preparação para um Concurso Público. Sei que esse é um grande sonho, e ter a oportunidade de colaborar com a construção

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS Ao se levantar para trabalhar, pela manhã, todos enfrentamos, sentados na beira da cama, a mesma questão: eu seria mais feliz e satisfeito fazendo

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

Entrevista com Bernard Charlot

Entrevista com Bernard Charlot Entrevista Entrevista com Bernard Charlot A crise da educação pública brasileira é um dos temas dessa entrevista concedida pelo professor Bernard Charlot, 65 anos, em Juiz de Fora. Doutor em Educação

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

São Bernardo do Campo Professor de Educação Básica I - Fundamental (Anos Iniciais) e Professor de Educação Básica I - Infantil

São Bernardo do Campo Professor de Educação Básica I - Fundamental (Anos Iniciais) e Professor de Educação Básica I - Infantil Índice Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo Professor de Educação Básica I - Fundamental (Anos Iniciais) e Professor de Educação Básica I - Infantil EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO PÚBLICO - N

Leia mais