MARIANA BUENO BRUNA FIGUEIREDO MANZO DEGUSTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARIANA BUENO BRUNA FIGUEIREDO MANZO DEGUSTAÇÃO"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO As cardiopatias congênitas resultam de alterações morfológicas e anatômicas do sistema cardiovascular e podem ser classificadas, de modo geral, como: lesões com desvio de fluxo sanguíneo da esquerda para a direita; fluxo sanguíneo sistêmico dependente do canal arterial; fluxo sanguíneo pulmonar dependente do canal arterial; circulação paralela; lesões com mistura sanguínea completa intracardíaca. Os principais sintomas das cardiopatias congênitas incluem: cianose; insuficiência cardíaca; sopros; arritmias; policitemia. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS MARIANA BUENO BRUNA FIGUEIREDO MANZO 9 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2 O diagnóstico preciso e precoce das cardiopatias congênitas é fundamental para a instituição do tratamento, pronta e adequadamente. Recursos, como avaliação física detalhada, oximetria de pulso (teste do coraçãozinho) e ecocardiograma (ECC), podem ser utilizados para detecção inicial e confirmação diagnóstica. As intervenções e as ações de enfermagem nas cardiopatias congênitas devem se basear nas necessidades observadas no recém-nascido (RN) e em sua família. Elas se orientam na humanização, na integralidade e na individualidade; logo, o enfermeiro desempenha papel fundamental nesse processo.

2 10 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS OBJETIVOS Ao final da leitura deste artigo, espera-se que o leitor seja capaz de: identificar as principais cardiopatias congênitas que acometem o RN; reconhecer as principais manifestações clínicas das cardiopatias congênitas que acometem o RN; conhecer os principais métodos diagnósticos e o manejo clínico das cardiopatias congênitas; identificar os diagnósticos de enfermagem ao RN portador de cardiopatia congênita e à sua família; propor estratégias necessárias ao plano assistencial ao RN portador de cardiopatia congênita e à sua família. ESQUEMA CONCEITUAL Epidemiologia e etiologia Principais manifestações clínicas das cardiopatias congênitas Classificação das principais cardiopatias congênitas Avaliação e confirmação diagnóstica das cardiopatias congênitas Manejo inicial do recém-nascido portador de cardiopatia congênita Lesões com desvio de fluxo sanguíneo da esquerda para a direita Lesões com fluxo sanguíneo sistêmico dependente do canal arterial ou lesões com obstrução do fluxo sanguíneo do lado esquerdo Lesões com fluxo sanguíneo pulmonar dependente do canal arterial Lesões com circulação paralela e transposição de grandes artérias Lesões com mistura sanguínea intracardíaca completa Radiografia de tórax Teste de hiperoxia Eletrocardiograma Ecocardiograma Cateterismo cardíaco Oxigenoterapia e suporte ventilatório Prostaglandina E1 Indometacina ou ibuprofeno Agentes inotrópicos Assistência de enfermagem ao recém-nascido portador de cardiopatia congênita Educação em saúde Caso clínico Conclusão

3 EPIDEMIOLOGIA E ETIOPATOLOGIA As cardiopatias congênitas são as malformações que mais comumente acometem os RNs. Sua incidência global é de 8 a 10 casos a cada nascidos vivos. 1-3 Com frequência, os defeitos cardíacos estão associados a outras malformações, como: 4 agenesia renal; onfalocele; fístula traqueoesofágica; hérnia diafragmática. A ocorrência das cardiopatias congênitas em RNs se deve às alterações morfológicas e anatômicas resultantes da parada ou de desvios no desenvolvimento embrionário normal, o que acontece precocemente no período gestacional, entre a terceira e a oitava semana. 4 A etiologia das cardiopatias congênitas é multifatorial, visto que a malformação pode resultar de alterações cromossômicas, genéticas e ambientais. Infecções como rubéola e citomegalovírus (CMV), exposição da mãe à radiação, além de uso de álcool, tabagismo, distúrbios metabólicos, obesidade, entre outros, são fatores sabidamente associados à maior incidência de malformação cardíaca no feto. 4 Em geral, RNs portadores de cardiopatias congênitas apresentam sinais e sintomas precocemente, porque importantes modificações nas circulações pulmonar e sistêmica acontecem ainda nos primeiros dias de vida pós-natal. Isso envolve modificações nas estruturas anatômicas, como: desaparecimento da circulação placentária e obliteração dos vasos (artérias e veia) umbilicais; fechamento do ducto venoso (estrutura responsável pelo desvio de sangue da circulação hepática diretamente para a veia cava inferior); fechamento do canal arterial (comunicação entre artéria pulmonar e aorta); fechamento do forame oval (comunicação entre átrios direito e esquerdo). Adicionalmente, após o nascimento, observam-se mudanças pressóricas nos sistemas circulatórios, ocorrendo aumento do fluxo sanguíneo pulmonar e redução da resistência vascular pulmonar, além de aumento da resistência vascular sistêmica. 1-2,4 11 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

4 12 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS A Figura 1 ilustra as diferenças entre a circulação neonatal e a fetal. AD Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado AO AP VD Figura 1 Diferenças entre a circulação neonatal e a fetal respectivamente. AE VE A transição da vida fetal para a neonatal constitui período crítico, em que o RN necessita de observação criteriosa e de acompanhamento de quaisquer indícios de dificuldade de adaptação, em especial do sistema cardiovascular. Alguns sinais clínicos podem se manifestar precocemente ou podem ser persistentes em RNs portadores de cardiopatias congênitas, indicando alterações anatômicas ou funcionais. O diagnóstico das cardiopatias congênitas pode ser feito nos períodos pré e pós-natal e é, em geral, confirmado por exames de imagem. A assistência de enfermagem em casos de cardiopatias congênitas em RNs varia de acordo com as especificidades do RN e de seus familiares, conforme o tipo de malformação e as manifestações clínicas. AD FO AO AP VD CA AE VE

5 ATIVIDADE 1. Que princípios fundamentam as intervenções e as ações de enfermagem no cuidado ao RN portador de cardiopatia congênita e à sua família? 2. No que diz respeito às cardiopatias congênitas em RNs, assinale a alternativa correta. A) Sua etiologia é baseada em um único fator, visto que a malformação pode resultar somente de alterações cromossômicas. B) O diagnóstico das cardiopatias congênitas pode ser feito apenas no período pós-natal e é, em geral, confirmado por exames de imagem. C) As cardiopatias congênitas são as malformações que mais comumente acometem os RNs. Sua incidência global de 8 a 10 casos em cada nascidos vivos. D) Em geral, RNs portadores de cardiopatias congênitas apresentam sinais e sintomas tardiamente. Resposta no final do artigo 3. Em geral, RNs portadores de cardiopatias congênitas apresentam sinais e sintomas precocemente. Quais são as modificações que acometem as estruturas anatômicas envolvidas nesse processo? 13 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

6 14 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS Principais manifestações clínicas das cardiopatias congênitas A detecção das cardiopatias congênitas pode ser feita no período pré-natal, por intermédio de exames de imagem, ou no exame físico pós-natal, 3 preferencialmente antes da alta da maternidade. Entretanto, a avaliação clínica pode ser falha na identificação de inúmeras cardiopatias críticas, o que gera diagnóstico tardio, aumento da morbidade, lesão permanente de órgãos vitais e, inclusive, morte. 5 De maneira geral, as principais manifestações clínicas das cardiopatias congênitas estão apresentadas no Quadro 1. 2,6-9 Quadro 1 PRINCIPAIS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DAS CARDIOPATIAS CONGÊNITAS Cianose Insuficiência cardíaca Sopros cardíacos Arritmias Policitemia Manifestação Descrição É um dos sinais mais comuns no RN portador de cardiopatia congênita e se caracteriza pela coloração azulada da pele e mucosas. O grau de visibilidade da cianose depende da porcentagem da saturação de oxigênio (SpO 2 ) e da concentração de hemoglobina. A cianose central é indicativa de malformação cardíaca, visto que a acrocianose (coloração azulada nas mãos e nos pés) constitui achado comum em neonatos. Resulta da incapacidade de o coração manter as demandas metabólicas teciduais e é comumentemente manifestada por: taquipneia frequência respiratória [FR] superior a 60irpm em repouso; aumento do esforço respiratório; taquicardia frequência cardíaca [FC] superior a 160bpm em repouso; hepatomegalia; sudorese; dificuldade de sucção; sinais de choque; colapso cardiorrespiratório. São comuns e benignos em 60% dos RNs a termo. Alguns tipos de sopro podem ser considerados patológicos, como sopro contínuo e sopro sistólico em ejeção, que tendem a ser notados logo após o nascimento. Sopro de aparecimento tardio (em 2 a 4 semanas de vida) sugere malformação. Resultam de instabilidade hemodinâmica. Traduz-se pelo aumento do número de hemácias circulantes e pelo consequente aumento da viscosidade sanguínea. Ocorre para compensar a baixa oferta de oxigênio aos tecidos; contudo, pode ocasionar circulação periférica lentificada e redução da oferta de oxigênio tecidual.

7 O período de apresentação e de acompanhamento dos sintomas das cardiopatias congênitas depende de fatores como natureza e gravidade do defeito, dos efeitos resultantes da lesão ainda no período intrauterino e das alterações na fisiologia circulatória durante a transição. 9 A Associação Americana de Cardiologia (AHA, de American Heart Association) e a Academia Americana de Pediatria (AAP, de American Academy of Pediatrics) sugerem a realização rotineira da oximetria de pulso em todos os RNs entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta hospitalar, como ferramenta de triagem para o diagnóstico precoce de cardiopatias congênitas neonatais. 10 A oximetria de pulso configura-se como método seguro, indolor e efetivo para complementar os achados ultrassonográficos pré-natais e os do exame físico pós-natal. 3,5 No Brasil, o procedimento é conhecido popularmente como teste do coraçãozinho e sua realização é obrigatória em alguns Estados. O teste do coraçãozinho deve ser realizado no membro superior direito e em um dos membros inferiores. Considera-se normal o resultado do teste quando se obtém saturação periférica maior ou igual a 95% em ambas as medidas, com diferença menor do que 3% entre os membros superior e inferior. O resultado desse exame é considerado alterado no caso de qualquer medida de saturação ser menor do que 95% ou de diferença igual ou maior do que 3% entre os membros. Nova aferição deve ser feita após uma hora para confirmação; caso a diferença se mantenha, é necessária a realização de ECC dentro das 24 horas seguintes. 10 Nos casos de portadores de cardiopatias congênitas, a atuação do enfermeiro faz-se essencial na avaliação clínica criteriosa do neonato, por intermédio de investigação de história pré-natal, de dados do nascimento e das primeiras horas de vida do neonato, de exame físico sistematizado e detalhado. Assim, é essencial a participação do enfermeiro habilitado para realização e interpretação do teste de oximetria, de modo a apresentar resultado seguro e com qualidade. ATIVIDADE 4. Assinale a alternativa INCORRETA quanto aos principais sinais clínicos para a suspeita de cardiopatias congênitas em RNs. A) Sopro cardíaco, policitemia, cianose. B) Acrocianose, enterocolite necrosante, sopro cardíaco. C) Insuficiência cardíaca, policitemia, arritmia. D) Cianose, arritmia, insuficiência cardíaca. Resposta no final do artigo 15 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

8 16 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS 5. O período de apresentação e de acompanhamento das principais manifestações clínicas das cardiopatias congênitas é decorrente de quais fatores? 6. Sobre a oximetria de pulso, ou teste do coraçãozinho como ferramenta de triagem para o diagnóstico precoce de cardiopatias congênitas, assinale a alternativa correta. A) Configura-se como método seguro, indolor, efetivo e não requer métodos completares para o diagnóstico de cardiopatia congênita. B) Deve ser realizada no membro superior esquerdo e em um dos membros inferiores, e saturação inferior a 90% indica cardiopatia congênita. C) Considera-se alterado o teste com qualquer medida de saturação menor do que 95% ou de diferença igual ou maior do que 3% entre os membros. D) Deve ser feita em todo RN entre 48 e 72 horas de vida, pois as alterações são evidenciadas após o período de adaptação. Resposta no final do artigo 7. Disserte acerca da atuação do enfermeiro na avaliação clínica criteriosa do neonato com suspeita de cardiopatia congênita. CLASSIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CARDIOPATIAS CONGÊNITAS Há diversas formas de classificar as cardiopatias congênitas. Nesse artigo, será utilizada a classificação conforme as especificidades de fluxo sanguíneo, a saber: lesões com desvio de fluxo sanguíneo da esquerda para a direita; lesões com fluxo sanguíneo sistêmico dependente do canal arterial ou lesões com obstrução do fluxo sanguíneo do lado esquerdo; lesões com fluxo sanguíneo pulmonar dependente do canal arterial; lesões com circulação paralela e transposição de grandes artérias; lesões com mistura sanguínea intracardíaca completa.

9 LESÕES COM DESVIO DE FLUXO SANGUÍNEO DA ESQUERDA PARA A DIREITA As lesões com desvio de fluxo sanguíneo da esquerda para a direita apresentam diversas formas conforme apresenta o Quadro 2. Quadro 2 LESÕES COM DESVIO DE FLUXO SANGUÍNEO DA ESQUERDA PARA A DIREITA Lesão Defeitos de septo atrial Defeitos de septo ventricular Defeitos do septo atrioventricular Descrição Ocorrem em 1 a cada nascidos vivos e representam 6 a 10% dos defeitos cardíacos congênitos. 11 Consistem na abertura anormal entre os átrios direito e esquerdo, o que, geralmente, permite desvio de fluxo sanguíneo da esquerda para a direita. 4 Ocorrem de 1,5 a 3,5 a cada nascidos vivos, constituem cerca de 20% dos defeitos cardíacos congênitos e são a causa mais comum de insuficiência cardíaca no período neonatal. 9,11 No caso de defeitos de septo ventricular, a comunicação anormal entre os ventrículos direito e esquerdo varia de tamanho e pode ocorrer nas porções membranosa ou muscular do septo ventricular. 4 A apresentação clínica depende, principalmente, do tamanho do defeito e, em menor escala, do tipo de lesão. 11 Nos defeitos de septo ventricular, o tratamento clínico inicial tem como objetivo o controle da insuficiência cardíaca congestiva, sendo que o tratamento cirúrgico é necessário para correção definitiva. 2,9 Ocorrem em 0,19 a cada nascidos vivos e constituem de 4 a 5% das cardiopatias congênitas. 11 Sua incidência é elevada (40%) em portadores de síndrome de Down e de doença cardíaca congênita. 4,11 Os defeitos de septo atrioventricular apresentam-se como várias malformações cardíacas que resultam do desenvolvimento anormal dos coxins endocárdicos, formando uma grande valva atrioventricular central que permite o fluxo sanguíneo entre todas as quatro câmaras cardíacas. 4,11 Esses defeitos resultam, predominantemente, em insuficiência cardíaca congestiva e em hipertensão pulmonar acentuada, em que é indicado tratamento cirúrgico para correção definitiva. 2 (Continua) 17 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

10 18 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS Persistência do canal arterial (PCA) A Figura 2 apresenta a lesão com defeitos de septo atrial. Vela cava superior Veias pulmonares Orifício ou defeito no septo interatrial Átrio AD O canal arterial é uma estrutura patente no feto, mas que, normalmente, deverá se fechar nas horas ou dias seguintes ao nascimento. Essa estrutura conecta o tronco pulmonar principal com a aorta descendente, e sua principal função é o desvio do fluxo sanguíneo da circulação pulmonar para a circulação sistêmica durante a vida fetal. Trata-se de uma condição inversamente proporcional à idade gestacional (IG) e ao peso, 9 ocorrendo em cerca de 5% das crianças com peso < 1.750g e em 80% daquelas com peso < 1.200g, o que representa 9 a 12% dos defeitos cardíacos. 11 O tratamento da PCA pode ser clínico (com o uso endovenoso de indometacina) ou cirúrgico. AO Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado AP VD AE VE Átrio esquerdo Veias pulmonares (Continuação) Figura 2 Defeitos de septo atrial. Na maioria dos casos, os defeitos de septo atrial são assintomáticos e se busca assistência quando se detecta um sopro cardíaco persistente. 11

11 A Figura 3 apresenta defeitos de septo ventricular. Valva tricúspide Valva pulmonar AO AD AP AE VD Abertura Sangue oxigenado entre os ventrículos Sangue pouco oxigenado Sangue misturado Figura 3 Defeitos de septo ventricular. A Figura 4 apresenta defeitos de septo atrioventricular. AD AO AP AE VE Valva mitral Valva aórtica 19 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2 Defeito do canal AV Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado Figura 4 Defeitos de septo atrioventricular. VD VE

12 20 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS A Figura 5 apresenta a PCA. Figura 5 PCA. AD AO Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado VD AP AE VE Canal arterial persistente Mistura de sangue da aorta (oxigenado) com sangue da artéria pulmonar (pouco oxigenado) A PCA ocorre em 1 em cada a nascidos vivos, e sua incidência em prétermos é de 8 para cada nascidos vivos. 11 LESÕES COM FLUXO SANGUÍNEO SISTÊMICO DEPENDENTE DO CANAL ARTERIAL OU LESÕES COM OBSTRUÇÃO DO FLUXO SANGUÍNEO DO LADO ESQUERDO As lesões com fluxo sanguíneo sistêmico dependente do canal arterial ou lesões com obstrução do fluxo sanguíneo do lado esquerdo serão detalhadas no Quadro 3.

13 Estenose aórtica Quadro 3 LESÕES COM FLUXO SANGUÍNEO SISTÊMICO DEPENDENTE DO CANAL ARTERIAL Lesão Descrição Representa cerca de 5% das anomalias cardíacas congênitas 11 e pode se apresentar com variações morfológicas diversas, desde uma valva bicúspide não obstrutiva com funcionamento normal até uma valva unicúspide, deformada e gravemente obstrutiva. 9 O tratamento inicial da estenose aórtica envolve o uso de prostaglandina E1 para manutenção do canal arterial patente, suporte ventilatório se necessário e uso de agentes inotrópicos. O tratamento definitivo consiste na correção cirúrgica, considerando-se a anatomia do defeito. 2 Coarctação de aorta Constitui em torno de 5% dos defeitos cardíacos congênitos 11 e caracteriza-se pelo estreitamento da aorta, próximo ao canal arterial, resultando em aumento da pressão arterial proximal ao defeito (ou seja, em cabeça e em membros superiores) e em redução da pressão distal (tronco e membros inferiores). 4 Nos casos de coarctação acentuada, os sintomas podem se evidenciar entre o 2º e o 5º dia de vida, quando ocorre o fechamento do canal arterial. 11 Nos casos de coarctação crítica, o fechamento do canal pode resultar em aumento de carga ventricular e em hipoperfusão da parte inferior do corpo, visto que o ventrículo esquerdo gera pressão e volume adequados para bombear sangue para além da obstrução. 9 Inicialmente, para o tratamento de coarctação de aorta, está indicado o uso de prostaglandina E1 para manutenção do canal arterial patente, suporte ventilatório se necessário, uso de agentes inotrópicos e diuréticos. O tratamento definitivo consiste na correção cirúrgica, que deve ser realizada tão logo se consiga a estabilização do neonato. 2 Síndrome do coração esquerdo hipoplásico Representa um grupo heterogêneo de malformações cardíacas e se caracteriza por desenvolvimento deficiente do lado esquerdo do coração, ocasionando ventrículo esquerdo pequeno ou hipoplásico e valvas mitral e aórtica hipoplásicas ou atrésicas. 2,4 Nessa síndrome, a maior parte do sangue do átrio esquerdo flui para o átrio direito, pelo forame oval, a seguir para o ventrículo direito e para a artéria pulmonar; o fluxo sanguíneo sistêmico se dá pela passagem de sangue pelo canal arterial para a aorta descendente. 4 O tratamento inicial da síndrome do coração esquerdo hipoplásico consiste na administração de prostaglandina E1 e suporte ventilatório. O tratamento definitivo é cirúrgico, sendo o transplante cardíaco indicado em algumas situações PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

14 22 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS É relevante o acompanhamento em longo prazo de portadores de estenose aórtica (Figura 6), visto que, a despeito da correção cirúrgica, a estenose é recorrente. 9 AD AO Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado Figura 6 Estenose aórtica. AP AE VD VE Estenose aórtica (valva estreita) Parede espessada (hípertrofia) do ventrículo esquerdo A apresentação clínica da coarctação de aorta (Figura 7) depende da intensidade da obstrução e das anomalias associadas. 11 AD AO AP AE Aorta estreitada VD VE Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado Figura 7 Coarctação de aorta.

15 A síndrome do coração esquerdo hipoplásico está apresentada na Figura 8. Aorta muito estreita Abertura entre os átrios AD AO Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado AP AE VD VE Figura 8 Síndrome do coração esquerdo hipoplásico. Canal arterial persistente Ventrículo esquerdo pouco desenvolvido LESÕES COM FLUXO SANGUÍNEO PULMONAR DEPENDENTE DO CANAL ARTERIAL As lesões com fluxo sanguíneo pulmonar dependente do canal arterial estão expostas no Quadro 4. Lesão Estenose pulmonar Quadro 4 LESÕES COM FLUXO SANGUÍNEO PULMONAR DEPENDENTE DO CANAL ARTERIAL Descrição A estenose pulmonar consiste no estreitamento na entrada da artéria pulmonar, que resulta em resistência ao fluxo sanguíneo, em hipertrofia ventricular direita e em redução do fluxo sanguíneo pulmonar 4 e pode ocorrer em diferentes níveis: 2 23 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2 Atresia pulmonar na via de saída do ventrículo direito; na valva pulmonar; na região supravalvar pulmonar ou nas artérias pulmonares. Corresponde à forma extrema da estenose pulmonar e impede que haja fluxo sanguíneo pulmonar. 4 O tratamento consiste na dilatação valvar por intermédio de cateterismo. 2 (Continua)

16 24 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS Atresia tricúspide Tetralogia de Fallot Constitui cerca de 2,7% de todas as formas de anomalias congênitas cardíacas. 11 A atresia tricúspide caracteriza-se pela ausência completa da valva tricúspide, não havendo, portanto, comunicação entre átrio e ventrículo direitos. 9,11 Adicionalmente, observa-se ventrículo direito pequeno, ventrículo esquerdo aumentado e circulação pulmonar diminuída. 4 Em geral, o sangue passa do átrio direito para o átrio esquerdo, por um defeito de septo atrial, e se mistura com o sangue oxigenado que retorna da circulação pulmonar. 4 O tratamento imediato da atresia tricúspide tem como objetivo a manutenção do fluxo sanguíneo pulmonar com o uso de prostaglandina E1, um anti-inflamatório não esteroide que faz vasodilatação e impede o fechamento do canal arterial. Há indicação de correção cirúrgica em tempo oportuno. A tetralogia de Fallot caracteriza-se pela combinação de quatro alterações: 4,11 defeito de septo ventricular. estenose pulmonar; aorta deslocada para a direita e sobreposta ao defeito do septo ventricular (DSV); hipertrofia ventricular direita. Na tetralogia de Fallot, à radiografia de tórax, o coração apresenta- -se em formato de bota. O tratamento inicial envolve o uso da prostaglandina E1 e o suporte ventilatório; o cirúrgico é paliativo pela cirurgia Blalock-Taussig (procedimento que envolve a colocação de enxerto sintético ou biológico, propiciando aumento do fluxo sanguíneo pulmonar e, consequentemente, melhora na oxigenação sanguínea), sendo que a correção total é, usualmente, realizada em pacientes com 1 ano de vida. 2 A estenose pulmonar (Figura 9) representa entre 5 e 8% dos defeitos cardíacos congênitos e raramente apresenta-se como malformação isolada. 11 (Continuação)

17 Estenose da valva pulmonar Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado Figura 9 Estenose pulmonar. A Figura 10 apresenta a atresia tricúspide. Sangue misturado para o corpo AO AD AP AE VD Parede espessada (hipertrofia) do ventrículo direito AD AO AP AE VE 25 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2 VD VE Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado Figura 10 Atresia tricúspide.

18 26 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS A tetralogia de Fallot (Figura 11) representa de 4 a 8% dos defeitos cardíacos congênitos, e a gravidade dos sintomas depende do grau de alterações anatômicas e funcionais. 4,11 Estenose pulmonar (trato de saída pulmonar estreito e espessado) Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado Figura 11 Tetralogia de Fallot. AD AO VD Parede espessada do ventrículo direito AP AE VE Aorta sobre o defeito septal Defeito do septo interventricular

19 LESÕES COM CIRCULAÇÃO PARALELA E TRANSPOSIÇÃO DE GRANDES ARTÉRIAS A lesão com circulação paralela e transposição de grandes artérias está apresentada no Quadro 5. Lesão Transposição das grandes artérias Quadro 5 LESÃO COM CIRCULAÇÃO PARALELA E TRANSPOSIÇÃO DE GRANDES ARTÉRIAS A Figura 12 apresenta a transposição de grandes artérias. Descrição Forma mais comum da doença cardíaca cianogênica, representa 3,8% de todos os defeitos cardíacos congênitos. 11 A anomalia resulta de uma septação conotruncal anormal, ou seja, ocorre uma divisão em linha reta no tronco bulbar, sem o espiralamento normal, de tal modo que a aorta surge do ventrículo direito morfológico e a artéria pulmonar surge do ventrículo esquerdo morfológico. 4,9,11 O fluxo sanguíneo sistêmico (sangue com baixo teor de oxigênio) retorna ao ventrículo direito e é bombeado para o corpo através da aorta, sem passar pelos para a troca gasosa; o retorno venoso pulmonar (sangue oxigenado) dirige-se para o ventrículo esquerdo, sendo bombeado de volta para os. 11 Para a manutenção da vida, é necessária a comunicação anormal entre as duas circulações, 11 que ocorrem em paralelo. Essa comunicação pode ocorrer pela permanência do canal arterial e do forame oval, mas também por defeitos de septo ventricular. 9 O manejo inicial da transposição das grandes artérias envolve administração de prostaglandina E1, agentes inotrópicos e suporte ventilatório, sendo necessário reparo cirúrgico para correção total da anomalia PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

20 28 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS AD AO Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado VD Figura 12 Transposição de grandes artérias. AP AE VE

21 LESÕES COM MISTURA SANGUÍNEA INTRACARDÍACA COMPLETA As lesões com mistura sanguínea intracardíaca completa estão apresentadas no Quadro 6. Quadro 6 LESÕES COM MISTURA SANGUÍNEA INTRACARDÍACA COMPLETA Lesão Drenagem venosa pulmonar anômala total Tronco arterial Descrição Defeito raro causado pelo insucesso da união das veias pulmonares ao átrio esquerdo. As veias pulmonares conectam-se anormalmente à circulação sistêmica, em geral, no átrio direito ou por diversas veias que drenam em direção ao átrio direito. 4,11 O manejo inicial da drenagem pulmonar anômala total envolve o controle dos sinais de insuficiência cardíaca congestiva e suporte ventilatório, sendo necessário tratamento cirúrgico para correção definitiva. 2 Constitui cerca de 0,7% de todas as anomalias cardíacas congênitas. 11 Consiste em retenção do tronco embrionário bulbar e resulta do fracasso da septação e da divisão normais do tronco em aorta e em artéria pulmonar. 4 Um tronco arterial único se sobrepõe aos ventrículos, recebe sangue de ambos, a partir de defeito de septo ventricular, 4 e origina as artérias coronárias, pulmonares e braquicefálicas. 9 A circulação pulmonar e a circulação sistêmica são supridas por esse tronco arterial comum, 4 e os principais sinais envolvem taquipneia e desconforto respiratório, taquicardia e hepatomegalia. 2 É necessária correção cirúrgica para esse problema. A Figura 13 apresenta a drenagem venosa pulmonar anômala total. As quatro veias pulmonares desembocam na veia cava superior Vela cava superior Abertura entre os átrios AD AO AP AE Artéria pulmonar Valva tricúspide Valva pulmonar Valva mitral Valva aórtica 29 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2 Vela cava inferior VD VE Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado Figura 13 Drenagem venosa pulmonar anômala.

22 30 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS A Figura 14 apresenta o tronco arterial. Abertura entre os ventrículos AD AO Sangue oxigenado Sangue pouco oxigenado Sangue misturado Figura 14 Tronco arterial. ATIVIDADE AP AE VD VE Fusão da aorta e da artéria pulmonar 8. Assinale a alternativa correta quanto a exemplos de cardiopatias com fluxo sistêmico dependente do canal arterial. A) Tetralogia de Fallot, defeitos de septo atrioventricular e transposição de grandes artérias. B) Defeitos de septo ventricular e estenose pulmonar arterial. C) PCA, atresia tricúspide e drenagem venosa pulmonar anômala. D) Síndrome do coração esquerdo hipoplásico, estenose aórtica e coarctação de aorta. Resposta no final do artigo 9. Classifique as cardiopatias congênitas conforme as especificidades de fluxo sanguíneo. 10. Quais cardiopatias congênitas têm indicação de tratamento predominantemente clínico?

23 11. Correlacione as colunas quanto às cardiopatias congênitas e suas respectivas especificidades e, após, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta. (1) Defeitos de septo atrial (2) Defeitos de septo ventricular (3) Defeitos de septo atrioventricular (4) PCA (5) Estenose aórtica (6) Coarctação de aorta (7) Síndrome do coração esquerdo hipoplásico (8) Transposição das grandes artérias (9) Drenagem venosa pulmonar anômala total (10) Tronco arterial ( ) Grupo heterogêneo de malformações cardíacas que se caracteriza por desenvolvimento deficiente do lado esquerdo do coração, ocasionando ventrículo esquerdo pequeno ou hipoplásico e valvas mitral e aórtica hipoplásicas ou atrésicas. ( ) Consiste na abertura anormal entre os átrios direito e esquerdo, o que, geralmente, permite desvio de fluxo sanguíneo da esquerda para a direita. ( ) Caracteriza-se pelo estreitamento da aorta, próximo ao canal arterial, resultando em aumento da pressão arterial proximal ao defeito e em redução da pressão distal. ( ) Constitui cerca de 0,7% de todas as anomalias cardíacas congênitas. ( ) São a causa mais comum de insuficiência cardíaca no período neonatal. ( ) Defeito raro causado pelo insucesso da união das veias pulmonares ao átrio esquerdo. ( ) Pode se apresentar com variações morfológicas diversas, desde uma valva bicúspide não obstrutiva com funcionamento normal até uma valva unicúspide. ( ) Sua incidência é elevada (40%) em portadores de síndrome de Down e de doença cardíaca congênita. ( ) Trata-se de uma condição inversamente proporcional à IG e ao peso. ( ) Forma mais comum da doença cardíaca cianogênica e representa 3,8% de todos os defeitos cardíacos congênitos. 31 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2 A) B) C) D) Resposta no final do artigo

24 32 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS AVALIAÇÃO e confirmação diagnóstica das cardiopatias congênitas Ao identificar o RN que apresenta algum sinal clínico comum, especialmente se associado à alteração da oximetria de pulso, é imprescindível proceder à investigação para se confirmar ou descartar a ocorrência de cardiopatia congênita. A identificação precoce e o diagnóstico preciso de cardiopatia congênita são essenciais, pois minimizam complicações, favorecem a compreensão da anatomia do defeito cardíaco e das repercussões cardiorrespiratórias desse defeito e, ainda, contribuem para o planejamento do tratamento a ser instituído. Assim, faz-se necessária a realização de exames diagnósticos, conforme descrito a seguir. Radiografia de tórax A radiografia de tórax consiste em exame investigatório em relação ao tamanho e à forma da área cardíaca e quanto às características da trama vascular pulmonar. O exame de radiografia de tórax para identificação das cardiopatias congênitas está detalhado no Quadro 7. Investigação Tamanho da área cardíaca Trama vascular pulmonar Quadro 7 RADIOGRAFIA DE TÓRAX PARA IDENTIFICAÇÃO DAS CARDIOPATIAS CONGÊNITAS Descrição A área cardíaca aumentada é indicativa de cardiopatias do desvio de fluxo da esquerda para a direita; no caso de área diminuída, sugere-se drenagem venosa pulmonar anômala ou atresia pulmonar; adicionalmente, a área cardíaca apresenta-se com tamanho normal em patologias como transposição das grandes artérias, tetralogia de Fallot e ventrículo único. 2 Quando diminuída, sugere cardiopatias com fluxo sanguíneo pulmonar dependente do canal arterial; no caso de trama aumentada, a suspeita consiste em cardiopatias com desvio da esquerda para a direita (por hiperfluxo sanguíneo pulmonar) ou cardiopatias que geram dificuldade de escoamento do retorno venoso pulmonar (e resultam em congestão venosa pulmonar). 2

25 TESTE DE HIPEROXIA Recomenda-se que todos os neonatos com suspeita de cardiopatia congênita sejam submetidos ao teste de hiperoxia. 9 Esse procedimento tem a finalidade de auxiliar no diagnóstico diferencial entre cardiopatia, pneumopatia neonatal e hipertensão pulmonar. O teste de hiperoxia consiste em oferecer 100% de oxigênio ao RN por, pelo menos, 10 minutos e verificar os níveis de pressão parcial de oxigênio (por gasometria arterial) das regiões pré-ductal (membro superior direito) e pós-ductal (um dos membros inferiores). De acordo com o valor de pressão parcial de oxigênio encontrado, o teste de hiperoxia é interpretado como: 12 positivo pressão parcial de oxigênio > 250mmHg, excluindo-se, então, o diagnóstico de cardiopatias congênitas; negativo em caso de valores inferiores a 100mmHg, suspeita-se de cardiopatias como atresia pulmonar e transposição das grandes artérias; malformações como tronco arterial comum, ventrículo único, síndrome do coração esquerdo hipoplásico em caso de valores entre 100 e 250mmHg. ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma (ECG) fornece informações a respeito de hipertrofias ventriculares e desvios de eixos direta e esquerda. Um ECG sem anormalidades não exclui a possibilidade de cardiopatia. ECOCARDIOGRAMA O ECC é considerado o exame de escolha para o diagnóstico das cardiopatias congênitas, pois fornece informações precisas sobre a anatomia do defeito cardíaco e sobre a função cardíaca. É um procedimento não invasivo e pode ser realizado na própria unidade, à beira do leito. CATETERISMO CARDÍACO O cateterismo cardíaco permite a confirmação dos defeitos cardíacos, sua localização, sua anatomia, avaliação do fluxo sanguíneo e resistência pulmonar, função ventricular, sendo possível descartar outras lesões associadas. Atualmente, o cateterismo cardíaco é utilizado em algumas situações, como intervenção e tratamento PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

26 34 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS ATIVIDADE 12. O que a avaliação e a confirmação diagnóstica das cardiopatias congênitas incluem? A) Exame físico, ultrassonografia transfontanela, ECG. B) Teste de hiperoxia, ECG, ressonância neuromagnética. C) Exame físico, radiografia de tórax, ECG. D) ECG, cateterismo cardíaco e hemocultura. Resposta no final do artigo 13. Quais são os possíveis diagnósticos diferenciais apresentados por neonatos com suspeita de cardiopatia congênita? 14. Com relação ao diagnóstico e à avaliação das cardiopatias congênitas, marque V (verdadeiro) ou F (falso) e, após, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta. ( ) A radiografia de tórax consiste em exame investigatório em relação ao tamanho e à forma da área cardíaca e às características da trama vascular pulmonar. ( ) Atualmente, o cateterismo cardíaco não é utilizado. ( ) Recomenda-se que todos os neonatos com suspeita de cardiopatia congênita sejam submetidos ao teste de hiperoxia. ( ) Considerado como o exame de escolha para o diagnóstico das cardiopatias congênitas, o ECC fornece informações precisas sobre a anatomia do defeito cardíaco, bem como sobre a função cardíaca. A) F V F V. B) V F V F. C) V F V V. D) V F F V. Resposta no final do artigo

27 Manejo inicial do recém-nascido portador de cardiopatia congênita Para que seja oferecida assistência segura e de qualidade ao RN portador de cardiopatia congênita, o manejo inicial é essencial. Algumas intervenções são empregadas antes mesmo de se fazer um diagnóstico exato da cardiopatia congênita ou de se conhecer detalhes anatômicos do defeito cardíaco. As principais intervenções estão apresentadas a seguir. Oxigenoterapia e suporte ventilatório O uso de oxigênio deve ser racional e baseado em cada cardiopatia existente. Em alguns casos, RNs que recebem ofertas elevadas de oxigênio podem apresentar piora clínica secundária à redução do débito sistêmico e aumento do fluxo pulmonar. 6,8 Na maioria dos neonatos portadores de cardiopatia congênita, a SpO 2 varia entre 85 e 90%. Saturação acima de 95%, geralmente, ocorre quando há desequilíbrio entre fluxos pulmonar e sistêmico. A ventilação mecânica (VM) é usada comumente em RN com cardiopatias que cursam com baixo débito sistêmico, com a finalidade de reduzir o trabalho respiratório e, consequentemente, o consumo de oxigênio. Nas cardiopatias congênitas com predomínio de cianose, a VM pode não ser necessária caso o neonato apresente bom padrão ventilatório e débito sistêmico adequado. Prostaglandina E1 A prostaglandina E1 2,6,8 tem potente ação vasodilatadora em níveis sistêmico e pulmonar e é indicada para manter o canal arterial patente em RNs que apresentaram teste de hiperoxia negativo, com cianose acentuada, não responsivos a oxigênio ou naqueles que apresentam quadro de choque sem resposta às medidas iniciais de tratamento ou seja, neonatos provavelmente portadores de cardiopatia com fluxo sanguíneo sistêmico dependente do canal arterial. Nesses casos, inicia-se a infusão da prostaglandina antes mesmo da confirmação diagnóstica. A prostaglandina deve ser administrada, preferencialmente, em acesso venoso central. O acesso periférico não está recomendado, pois, no caso de perda temporária do acesso periférico e de interrupção da infusão do fármaco, pode ocorrer o fechamento do canal arterial, resultando em quadro de choque. 35 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2 Indometacina ou ibuprofeno Indometacina e ibuprofeno são anti-inflamatórios não esteroidais usados para o tratamento da PCA. 6,8

28 36 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS A indometacina e o ibuprofeno, administrados por via endovenosa, são amplamente usados no fechamento do canal arterial em RNs prematuros. Alguns dos eventos adversos resultantes do uso de indometacina e de ibuprofeno em RNs incluem insuficiência renal e enterocolite por redução da perfusão periférica, além de hemorragia intraventricular. Essas complicações exigem cuidados, como acompanhamento plaquetário e ultrassonográfico de fontanela, balanço hídrico rigoroso e jejum. Agentes inotrópicos O objetivo da terapêutica com agentes inotrópicos é melhorar a função cardíaca e a perfusão de órgãos vitais e da periferia. Os medicamentos mais comumente utilizados incluem: 2 dopamina; dobutamina; epinefrina; milrinone. ATIVIDADE 15. Descreva as ações indicadas no manejo inicial do RN portador de cardiopatia congênita. 16. Sobre o tratamento medicamentoso do RN portador de cardiopatia congênita, assinale a alternativa INCORRETA. A) A prostaglandina E1 tem ação vasodilatadora sobre o canal arterial e sua infusão é imprescindível em cardiopatias com fluxo dependente do canal. B) O uso de agentes inotrópicos, como dopamina e dobutamina, está indicado para melhorar a função cardíaca. C) O uso de analgésicos não está indicado, pois há risco excessivo de depressão respiratória e de constipação. D) A indometacina ou o ibuprofeno são anti-inflamatórios não esteroidais indicados para o fechamento do canal arterial por causa de sua ação vasoconstritora. Resposta no final do artigo

29 Assistência de enfermagem ao recém-nascido portador de cardiopatia congênita A atuação do enfermeiro nos casos de RN portador de cardiopatia congênita envolve: identificação precoce de sinais e de sintomas que possam ser indicativos de cardiopatia congênita (caso não haja diagnóstico pré-natal da condição); intervenção imediata; prevenção de complicações. No caso de portadores de cardiopatias congênitas com diagnóstico pré-natal, o enfermeiro deve estar atento à assistência imediata ao RN em sala de parto, bem como ao preparo do leito e da equipe de enfermagem para receber o neonato em unidade de internação, pois é comum o preparo prévio de medicamentos (especialmente prostaglandina E1 e fármacos vasoativos), além de equipamento para suporte ventilatório. O cuidado individualizado ao RN portador de cardiopatia congênita é essencial e, por esse motivo, deve haver variação nos diagnósticos de enfermagem aplicáveis a cada neonato. Os diagnósticos de enfermagem e o plano de cuidados não são estáticos; portanto, fazse necessária avaliação diária e continuada. 37 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

30 38 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS A seguir, são descritos (Quadros 8 e 9) 13,14 diagnósticos e intervenções de enfermagem que referem-se à assistência clínica inicialmente oferecida a neonatos portadores de cardiopatias congênitas e a suas famílias. Diagnóstico Troca de gases prejudicada Padrão respiratório ineficaz Quadro 8 PRINCIPAIS DIAGNóSTICOS DE ENFERMAGEM EVIDENCIADOS NO RECÉM-NASCIDO COM CARDIOPATIA CONGÊNITA Fatores relacionados Desequilíbrio entre ventilação e perfusão Fadiga dos músculos respiratórios Características definidoras Dispneia Cianose Respiração normal Taquicardia Anormalidades da gasometria ou do ph arterial Hipoxia, hipoxemia Hipercapnia Hipercabia Redução do dióxido de carbono Sudorese Policitemia Inquietude Irritabilidade Sonolência Dispneia Taquipneia Bradipneia Alterações na profundidade da respiração Utilização dos músculos acessórios, alterações da expansibilidade torácica Batimento das narinas Resultados esperados Melhorar a ventilação e apresentar oxigenação adequada dos tecidos, evidenciado pela gasometria arterial e pela ausência de sinais de desconforto respiratório. Estabelecer padrão respiratório normal e eficaz, evidenciado pela ausência de cianose ou de outros sinais de hipoxia, além de níveis de gasometria normais. Ações/intervenções Avaliar fatores causadores/contribuintes: investigar condições citadas nas características definidoras. Avaliar a gravidade da disfunção: determinar frequência e profundidade das respirações e o uso de musculatura acessória, verificar cianose, auscultar e avaliar redução de murmúrio vesicular ou ruídos adventícios, avaliar o nível de consciência; monitorar SpO2 e dados vitais, avaliar resultados de exames. Corrigir/melhorar deficiências existentes: manter cabeceira elevada; posicionar adequadamente e mudar o decúbito frequentemente; aspirar vias aéreas sempre que necessário; administrar a menor concentração de oxigênio suplementar possível. Identificar fatores causadores/ contribuintes: investigar a existência de fatores ou de condições físicas que podem causar limitações respiratórias, auscultar o tórax para avaliar os murmúrios vesiculares e a presença e a característica dos sons respiratórios, avaliar FR, SpO2 e padrão ventilatório, avaliar resultados de exames laboratoriais. Atenuar os fatores causadores: administrar oxigênio suplementar na menor concentração possível, aspirar vias aéreas sempre que necessário, administrar analgésicos apropriados.

31 Ventilação espontânea prejudicada Débito cardíaco diminuído Fadiga dos músculos respiratórios Calibre ou resistência inadequada das vias respiratórias Alterações de FC ou do ritmo cardíaco, alteração no volume ejetado (pré-carga, pós-carga ou contratilidade). Aumento da FC, aumento do uso da musculatura acessória Dispneia Restabelecer ou manter o padrão respiratório eficaz, ausência de retrações, não utilização de musculatura acessória, ausência de cianose ou de outros sinais de hipoxemia. Apresentar gasometria arterial nos parâmetros de normalidade. Arritmias Manter Taquicardia estabilidade Bradicardia hemodinâmica. Alterações de Estabilizar o ECG débito cardíaco, Edema restabelecer o Aumento de débito cardíaco peso adequado. Aumento ou redução da pressão venosa central Sopros Dispneia Pele fria e pegajosa Alteração na coloração de pele e de mucosas Prolongamento do tempo de enchimento capilar Redução dos pulsos periféricos Variações de pressão arterial Oliguria/anuria Agitação Determinar a gravidade da disfunção: identificar o neonato com disfunção respiratória iminente ou real, avaliar o padrão respiratório espontâneo com enfoque em frequência, profundidade, ritmo, simetria e uso de musculatura acessória, auscultar o tórax para avaliar os murmúrios vesiculares e a presença e a característica dos sons respiratórios, avaliar exames laboratoriais e de imagem (radiografia de tórax). Fornecer/manter suporte ventilatório: auxiliar na instituição de suporte ventilatório, instituir cuidados específicos com o tubo traqueal e aparelhos de VM (se for o caso). Identificar fatores causadores/ contribuintes: identificar a possibilidade e o tipo de choque (cardiogênico), avaliar resultados laboratoriais. Avaliar o grau de debilitação: avaliar indícios de fadiga extrema, aumento progressivo ou repentino de peso, edema de membros, dispneia progressiva, avaliar frequentemente e monitorar alteração de dados vitais. Aumentar o débito cardíaco: oferecer oxigênio conforme necessidade, administrar medicamentos (diuréticos, agentes inotrópicos, vasopressores, vasodilatadores, antiarrítmicos, analgésicos, entre outros) conforme prescrição médica, limitar líquidos endovenosos e realizar balanço hídrico, manter linhas de infusão endovenosa e monitorização invasiva pérvias, manter temperatura ambiente termoneutra. (Continua) 39 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

32 40 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PORTADOR DE CARDIOPATIAS CONGÊNITAS Volume excessivo de líquidos Proteção ineficaz Disfunção do mecanismo regulador (falência de órgãos). Extremos etários Tratamentos farmacológicos Edema (anasarca, acúmulo de peso em curto período) Ingestão maior que as perdas Oliguria Ruídos adventícios Alteração de padrão respiratório Dispneia Imunodeficiência Coagulação anormal Estabilizar o volume de líquido evidenciado pelo equilíbrio entre ingestão e perdas, sinais vitais nos limites de normalidade, estabilidade de peso e ausência de edema. Promover barreiras de proteção até o equilíbrio hemodinâmico ou minimizar os riscos de proteção ineficaz. Identificar os fatores causadores/contribuintes: identificar condições que possibilitem o excesso de líquidos, como a insuficiência cardíaca, determinar o volume e a frequência do aporte de líquidos. Avaliar a gravidade do excesso de líquidos: comparar evolução do peso, avaliar sinais vitais e parâmetros hemodinâmicos (como a pressão venosa central), auscultar o tórax para detectar estertores ou congestão pulmonar, auscultar bulhas cardíacas, avaliar presença de edema, avaliar volume urinário, avaliar resultados de exames laboratoriais. Promover mobilização/eliminação do excesso de líquidos: limitar oferta hídrica, registrar balando hídrico, pesar o neonato diariamente, mobilizar o RN no leito. Manter a integridade da pele e mucosas: promover mobilização no leito. Identificar os fatores causadores/contribuintes: uso de medicamentos causadores de imunodeficiência e alterações de coagulação. Avaliar sinais de sangramento (hipotensão, oliguria), avaliar ocorrência de reações adversas decorrentes do uso de prostaglandina E1, de indometacina e de outros fármacos vasoativos. (Continuação)

33 Amamentação interrompida Nutrição desequilibrada menos do que as necessidades corporais Doença infantil (cardiopatia congênita) Incapacidade de ingerir ou de digerir alimentos, incapacidade de absorver nutrientes Demandas metabólicas aumentadas Lactente não recebe nutrição suficiente por amamentação em algumas ou em todas as mamadas, separação mãe e bebê Ingestão alimentar menor do que o recomendado Entender e demonstrar técnicas para manter a lactação até que a amamentação seja reiniciada. Estabelecer esquema de amamentação mutuamente satisfatório. Apresentar ganho ponderal progressivo, apresentar normalização de resultados de exames laboratoriais. Identificar os fatores causadores/contribuintes: avaliar os conhecimentos e as percepções da mãe quanto à amamentação; identificar fatores responsáveis pela interrupção, determinar sistemas de apoio disponíveis para mãe e para a família. Ajudar a mãe a manter a amamentação: instruir a mãe e as pessoas significativas sobre os benefícios da amamentação, demonstrar e conversar sobre dispositivos auxiliares à amamentação (extração manual e elétrica), conversar sobre técnicas apropriadas para extração e para armazenamento do leite materno. Assegurar alimentação eficaz do RN: estimular e auxiliar a sucção do RN em seio materno quando possível; priorizar a oferta de leite materno em relação às fórmulas lácteas. Promover o bem-estar: identificar outros meios de estimular e de fortalecer o vínculo entre mãe e filho; encaminhar para grupos de apoio. Identificar os fatores causadores/contribuintes: identificar pacientes sob o risco de desnutrição e avaliar capacidade de ingesta oral. Avaliar a gravidade do déficit: determinar o peso, avaliar a curva de ganho ponderal, auscultar sons intestinais, atentar para características das eliminações intestinais, avaliar resultado dos exames laboratoriais (íons, albulmina). Elaborar plano nutricional que atenda às necessidades do RN: avaliar ingestão alimentar diária total, administrar dieta enteral ou parenteral conforme prescrição médica, monitorar e avaliar o aleitamento materno, pesar diariamente. (Continua) 41 PROENF SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ciclo 9 Volume 2

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Cardiopatia Congênita Acianótica. com Hiperfluxo Pulmonar. Marco Antônio Bramorski. Florianópolis

Cardiopatia Congênita Acianótica. com Hiperfluxo Pulmonar. Marco Antônio Bramorski. Florianópolis Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul Cardiopatia Congênita Acianótica com Hiperfluxo Pulmonar Marco Antônio Bramorski Florianópolis - 2006 Circulação Pulmonar Normal O2 x ad ae AAP VVP

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 CUIDADOS INICIAIS NO RN Renata Loretti - Enfermeira 2 Cuidados imediatos Realizados na Sala de Parto pelo Obstetra n

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

03/10/2013. Malformações cardíacas congênitas: 8 em cada 1000 (0,8%) Defeito do septo atrial

03/10/2013. Malformações cardíacas congênitas: 8 em cada 1000 (0,8%) Defeito do septo atrial Malformações cardíacas congênitas: 8 em cada 1000 (0,8%) Brasil: 188.298.099 pessoas ( censo 1996) = 1.506.384 casos Grande São Paulo: 19 223 897 = 153.791 casos Defeito do septo atrial Defeito do Septo

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco O músculo cardíaco Introdução As variedades de músculos cardíacos O músculo cardíaco como um sincício O longo potencial de ação e o seu platô no músculo cardíaco Introdução O coração pode ser considerado

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br Questão 01 No que se refere ao prontuário médico, é correto afirmar que A) o paciente, em caso de erro médico, só pode ter acesso ao seu prontuário sob ordem judicial. B) é permitido ao médico negar acesso

Leia mais

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante Semiologia Cardiovascular B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico Por Gustavo Amarante 1 Bulhas Acessórias (B3 e B4) A) Revisão do Ciclo Cardíaco e Posição das Bulhas Para entender as bulhas acessórias,

Leia mais

Bulhas e Sopros Cardíacos

Bulhas e Sopros Cardíacos O conceito de pressão máxima e pressão mínima Quando se registra uma pressão de 120 mmhg por 80 mmhg, indica-se que a pressão sistólica é de 120 mmhg e a pressão diastólica é de 80 mmhg, ou seja, que estas

Leia mais

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 2: OXIGÊNIO Que danos podem ser causados por falta de oxigênio? E pelo excesso de oxigênio? Quais maneiras de se fornecer oxigênio

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Funções: Transportar Nutrientes e oxigênio as células; Retirar resíduos do metabolismo; Defender o organismo contra substâncias estranhas e microorganismos. Características Sistema fechado; Constituído

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

COMO FUNCIONA O CORAÇÃO?

COMO FUNCIONA O CORAÇÃO? PROBLEMAS Pesquisas recentes sugerem que, em média, a cada 700 recém-nascidos, um tem síndrome de Down. Quase metade destes bebês têm problemas cardíacos congênitos, ou seja, presentes no nascimento. Algumas

Leia mais

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA A CIA consiste num tipo de cardiopatia congénita do tipo não cianótica, em que há um defeito do septo inter-auricular originando uma comunicação anómala que proporciona a passagem

Leia mais

Tratamento Percutâneo das Cardiopatias Congenitas. Célia Fátima Anhesini Benetti Gerente de Enfermagem Serviço de Hemodinâmica do HCor São Paulo - SP

Tratamento Percutâneo das Cardiopatias Congenitas. Célia Fátima Anhesini Benetti Gerente de Enfermagem Serviço de Hemodinâmica do HCor São Paulo - SP Tratamento Percutâneo das Cardiopatias Congenitas Célia Fátima Anhesini Benetti Gerente de Enfermagem Serviço de Hemodinâmica do HCor São Paulo - SP Tratamento Percutâneo das Cardiopatias Congênitas Célia

Leia mais

Sistema cardiovascular

Sistema cardiovascular Roteiro: Sistema cardiovascular Organizacao do sistema circulatorio coracao, arterias, veias fluxo sanguineo: coracao, tecidos, pulmao, coracao Bomba cardiaca musculo cardiaco e contracao funcionamento

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Intervenções percutâneas. Tratamento das obstruções da via de saída do Ventrículo Esquerdo

Intervenções percutâneas. Tratamento das obstruções da via de saída do Ventrículo Esquerdo Intervenções percutâneas Tratamento das obstruções da via de saída do Ventrículo Esquerdo Célia Maria C. Silva Declaro que não existe conflito de interesse nesta minha apresentação Estenose Valvar Aórtica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA 1 FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA Av. Prof. Alfredo Balena 190-2 0 andar Caixa postal 340 - CEP 30130-100 031-3409-9759 e 3409-9760 cirurgia@medicina.ufmg.br CIR TÓPICOS CLÍNICA

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Valvulopatias Cardíacas II - Visão Cirúrgica Insuficiência Mitral Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Prof. Dr. Jehorvan L. Carvalho História Existem relatos

Leia mais

Tamponamento Cardíacodefinição. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio 6/1/2014 TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR

Tamponamento Cardíacodefinição. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio 6/1/2014 TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Tamponamento

Leia mais

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA Aneurisma: dilatação e protusão localizada da parede de um vaso (principalmente artéria) ou do coração, decorrente de uma fragilidade estrutural local. Angina: também

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

PROBLEMAS CARDÍACOS PATROCÍNIO

PROBLEMAS CARDÍACOS PATROCÍNIO PROBLEMAS Quase metade dos bebês que nascem com síndrome de Down têm problemas cardíacos congênitos, ou seja, presentes no nascimento. Algumas questões são simples e não têm maiores consequências, outras

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Texto de apoio ao professor T3 Nesta aula irá estudar-de o ciclo cardíaco (diástole, sístole, pressão sanguínea e arterial) e os meios utilizados para o diagnóstico e prevenção de anomalias que possam

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração Objetivos Descrever a estrutura do sistema circulatório. Descrever o ciclo cardíaco e o sistema de condução cardíaca. Citar os mecanismos de controle da atividade cardíaca. A FUNÇÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse Mario Julio Franco Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

ARRITMIAS FETAIS EPIDEMIOLOGIA E FISIPATOLOGIA

ARRITMIAS FETAIS EPIDEMIOLOGIA E FISIPATOLOGIA ARRITMIAS FETAIS INTRODUÇÃO O coração humano pode desenvolver arritmias ou distúrbios de condução em resposta à isquemia, distúrbios hidroeletrolíticos, alterações de pós e pré-carga, defeitos estruturais,

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 Classificação do Recém-Nascido n n n Pré-Termo São todas as crianças nascidas vivas, antes da 38ª semana, ou seja

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR ELETROCARDIOGRAMA Professor : Elton Chaves Do ponto de vista funcional, o coração pode ser descrito como duas bombas funcionando separadamente cada uma trabalhando de forma particular e gerando pressões

Leia mais

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Embriogênese do Aparelho Respiratório rio e sua relação com as Adaptações à Vida Pós-NatalP Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO 1)

Leia mais

Semiologia Cardiovascular. Estenose Aórtica. Por Gustavo Amarante

Semiologia Cardiovascular. Estenose Aórtica. Por Gustavo Amarante Semiologia Cardiovascular Estenose Aórtica Por Gustavo Amarante 1- Etiologia A obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo na maioria das vezes localizase na valva aórtica. Mas pode haver obstrução

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS CARDIOVASCULAR Coração Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes O Exame Físico do Coração Neste módulo estudaremos o exame físico do sistema cardiovascular, estabelecendo relações com a fisiologia, anatomia

Leia mais

Diagnóstico precoce de cardiopatia congênita crítica: oximetria de pulso como ferramenta de triagem neonatal

Diagnóstico precoce de cardiopatia congênita crítica: oximetria de pulso como ferramenta de triagem neonatal Diagnóstico precoce de cardiopatia congênita crítica: oximetria de pulso como ferramenta de triagem neonatal Departamentos de Cardiologia e Neonatologia da SBP Elaborado em 7/11/2011 Introdução: Cerca

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

Estenose Mitral. Definição e Etiologia

Estenose Mitral. Definição e Etiologia Estenose Mitral Definição e Etiologia A estenose da válvula mitral é um estreitamento da abertura da válvula mitral que aumenta a resistência ao fluxo da corrente sanguínea do átrio esquerdo para o ventrículo

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Fabrícia Passos Pinto Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico

Leia mais

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes;

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; CIRURGIAS CARDÍACAS CIRURGIA CARDÍACA As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; Na Europa e Brasil, até fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos na cardiologia; Com o avanço

Leia mais

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO Page 1 of 6 CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO A cirurgia torácica em pequenos animais não tem sido realizada com rotina na prática

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo 4 x maior Razão incidência: 1 em 1000 gestações EP fatal: 1,1 morte/100000

Leia mais