Uniões de Veios - 1. Órgãos de máquinas usados nos sistemas de transmissão para ligar veios entre si, com caracter de permanência.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uniões de Veios - 1. Órgãos de máquinas usados nos sistemas de transmissão para ligar veios entre si, com caracter de permanência."

Transcrição

1 Uniões de Veios Órgãos de máquinas usados nos sistemas de transmissão para ligar veios entre si, com caracter de permanência. Funções: Ligar veios de mecanismos diferentes; Permitir a sua separação para manutenção; Ligar troços de veios (que pelo seu comprimento não seja viável ou vantajosa a utilização de veios inteiriços); Minimizar as vibrações e choques transmitidas ao veio movido; Compensar desalinhamentos dos veios ou introduzir flexibilidade mecânica. Uniões de Veios - 1

2 Tipos de desalinhamentos Paralelos Quando os dois veios não coincidem e são paralelos. Angular Quando os eixos dos veios formam um ângulo entre si. Axial Quando os eixos dos dois veios não coincidem. Torcional Quando os veios rodam a uma velocidade diferente um do outro. Uniões de Veios - 2

3 Tipos de Uniões Uniões Rígidas Não facultam qualquer tipo de flexibilidade. Uniões Móveis Permitem desalinhamento por movimento relativo de peças móveis, intermédias ou não. Uniões Elásticas Permitem deslinhamentos por meio de elementos elásticos intermédios. Uniões de Segurança Facultam a interrupção/limitação do binário transmitido para um dado valor limite deste. Hidráulicas Facultam arranques suaves dos sistemas com grande inércia, permitindo o uso de motores de pequeno binário de arranque. Uniões de Veios - 3

4 Uniões Rígidas A união entre veios não tem flexibilidade axial, lateral, angular ou torcional. Os dois veios devem estar perfeitamente alinhados para que não surjam cargas secundárias importantes quer nos apoios, nos veios ou ainda nas próprias uniões. A união rígida mais vulgar é a união de pratos, consiste num dispositivo composto por dois pratos enchavetadas nos veios, ligadas entre si por parafusos. Utilizado para grandes potências. Outras uniões rígidas: De Manga Simples; de Meias-Mangas; de pressão Tipo Keller e de pressão Tipo Seller. Fig União rígida de pratos. [Fig Juvinal] Uniões de Veios - 4

5 Uniões Móveis Permitem, dentro de certos limites, o desalinhamento dos veios (axial, lateral e angular), sem recurso a propriedades elásticas, mas sim por movimento relativo de elementos intermédios. Nas uniões por engrenagem e corrente o elemento intermédio da transmissão é metálico. Fig Acoplamento por corrente. [Fig a Juvinal] Estas uniões têm grande capacidade de transmissões de binário, admitem grandes Potências e velocidades. Permitem corrigir apenas desalinhamentos torcionais muito pequenos. Fig Acoplamento por engrenagem. [Fig b Juvinal] Uniões de Veios - 5

6 Uniões Móveis (cont.) Fig União flexível tipo Oldham. [Fig a Juvinal] Pequenas potências Fig União flexível tipo Oldham modificada. [Fig b Juvinal] Silenciosa; Grandes Potências As uniões Oldham permitem desalinhamentos torcionais muito pequenos e transmitem grandes potências, ao mesmo tempo que admitem desalinhamentos paralelos e axiais consideráveis. Nestas uniões existem dois elementos enchavetados ou aparafusados aos veios e um elemento intermédio metálico móvel. Este elemento móvel necessita de ser lubrificado e pode ser substituído quando desgastado. Permitem desalinhamentos laterais. Uniões de Veios - 6

7 Uniões Móveis (cont.) Fig União universal de veios ou Cardan. Fig Conjunto de duas uniões universais de veios, Angular Homocinética ou Duplo-cardan. Fig Pormenor construtivo de uma união universal de veios. [Fig Juvinal] As uniões universais usam-se em máquinas em que é necessário um desalinhamento angular definido e elevado. Uma união isolada não tem flexibilidade torcional, nem permite qualquer desalinhamento paralelo. O uso de duas uniões com um veio intermédio permite um desalinhamento paralelo muito maior que qualquer união flexível. O tipo de união universal mais comum é a união Hooke s ou união Cardan. Consiste em duas forquilhas e um bloco intermédio com dois pinos em forma de cruz. Uniões de Veios - 7

8 Uniões Elásticas Permitem uma certa flexibilidade elástica na transmissão por meio da introdução de elementos elásticos na ligação. Estes permitem pequenos desalinhamentos laterais e angulares, amortecimento das cargas de choque de um veio para outro e alteração das características de vibração da transmissão. Dispensam lubrificação. Fig união com elemento de borracha colado [Fig a Juvinal] O elemento móvel pode ser de borracha endurecida o que permite aumentar a flexibilidade torcional, mas reduz a capacidade de carga. Fig união com elemento de borracha colado para esforços de corte. [Fig b e c Juvinal] Fig união com elemento flexível de borracha para serviço pesado. [Fig d Juvinal] Quando se pretende controlar vibrações torcionais usam-se as uniões das figuras 4.9. e Para serviços pesados usa-se a união da figura Uniões de Veios - 8

9 Uniões de Segurança São concebidas para permitir o escorregamento entre os elementos motor e movido quando for atingido um determinado binário, que ponha em risco o órgão motor, protegendo-o contra sobrecargas. De Atrito: - de Disco (prover redentes se necessário para evitar parafusos ao corte) - de Multidiscos De Cavilhas (cavilha com entalhe ao corte) Uniões de Veios - 9

10 Uniões Hidráulicas Facultam arranques suaves dos sistemas com grandes inércias, permitindo o uso de motores de pequeno binário de arranque. Protegem quanto a sobrecargas e amortecem choques. Proporcionam o embraiamento progressivo, com motores de binário crescente. O binário pode ser alterado por variação da quantidade de óleo. Fig união hidráulica Uniões de Veios - 10

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que o defeito estava

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA Órgãos de Máquinas II

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA Órgãos de Máquinas II T.01 SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DE MOVIMENTO MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA Elaborado e revisto por Paulo Flores, José Gomes, Nuno Dourado e Filipe Marques - 2017 Departamento de Engenharia Mecânica

Leia mais

Elementos de Máquinas e Vibrações Mecânicas

Elementos de Máquinas e Vibrações Mecânicas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - MECÂNICA Elementos de Máquinas e Vibrações Mecânicas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas

Leia mais

3. TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA

3. TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA 8 3. TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA Os mecanismos de transmissão estão presentes em várias partes das máquinas e implementos agrícolas, transferindo potência e movimento, podendo atuar também como elemento de

Leia mais

Órgãos de Máquinas II

Órgãos de Máquinas II Órgãos de Máquinas II 3. Transmissões por Correntes Adaptado e adotado para a unidade curricular por José R. Gomes / Departamento de Engenharia Mecânica a partir do material de apoio pedagógico em Powerpoint

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos Acriflex Cubo Cheio, permitem a utilização em diâmetros maiores de eixo, em relação ao Acoplamento AX com Cubo Normal. Os cubos são produzidos em Aço Sae 1020 ou

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNO MEC. HORIZ. (PONTA E CONTRAPONTA DO TORNO ) DEFINIÇÃO: A ponta e contraponta (fig.1) são utilizadas para apoiar as extremidades do material a ser torneado externamente

Leia mais

Capítulo I: Elementos de Fixação

Capítulo I: Elementos de Fixação Capítulo I: Elementos de Fixação Profª. Luziane M. Barbosa 1 Profª. Luziane M. Barbosa 2 1 Profª. Luziane M. Barbosa 3 Uniões Móveis Permanentes Profª. Luziane M. Barbosa 4 2 PINOS Funções: Possibilitar

Leia mais

Elementos de transmissão de movimento

Elementos de transmissão de movimento Elementos de transmissão de movimento João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de

Leia mais

Elementos de transmissão de movimento

Elementos de transmissão de movimento Elementos de transmissão de movimento João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de

Leia mais

Sistemas de Transmissão de Movimento

Sistemas de Transmissão de Movimento elcabral@usp.br 1 PMR2560 Robótica Sistemas de Transmissão de Movimento Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br elcabral@usp.br 2 Objetivos Sistemas de transmissão de movimento. Características; Tipos: Redutores

Leia mais

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp Principais características: Inserção do tipo mandíbula Pode ser entregue a prova de falha ou a favor do rompimento Reduz vibrações Materiais: EN-GJL-250 (GG-25) Alta resistência ao desgaste Desenho compacto

Leia mais

Rendimentos em Transmissões Mecânicas

Rendimentos em Transmissões Mecânicas Rendimentos em Transmissões Mecânicas NOME: Lucas Ribeiro Machado O que é Transmissões Mecânicas Transmissão mecânica são equipamentos ou mecanismo que tem a função de transmitir potência, torque ou rotação

Leia mais

Aplicações Mecânicas Aula 3

Aplicações Mecânicas Aula 3 Aplicações Mecânicas Aula 3 Ementa CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 2. Correias 2.1. Tipos 2.2. Características geométricas da transmissão por correia Elementos flexíveis - Correia A correia é um elemento de transmissão

Leia mais

Transmissão por correia e polia

Transmissão por correia e polia IFSP - instituto federal Nome: Yan Conrado Curso: automação industrial Período: noite Prontuário: 1310747 Transmissão por correia e polia São elementos de máquina que se movem com um movimento de rotação

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá LIGAÇÕES Edificações Ligações entre vigas; Ligações entre viga e coluna; Emenda de colunas; Emenda de vigas; Apoio de colunas;

Leia mais

SOLUÇÕES EM TRANSMISSÃO

SOLUÇÕES EM TRANSMISSÃO SOLUÇÕES EM TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA RINGFEDER CORPORATION CONEXÕES DE EIXO/CUBO SEM CHAVETA Modêlo RFN 7012 Os dispositivos Locking Assemblies originais Ringfeder promovem a fixação mecânica de fácil ajuste

Leia mais

TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA. Produtos e Serviços.

TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA. Produtos e Serviços. TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA Produtos e Serviços www.atcorgeryma.com Centro de Distribuição Vilanova del Camí, Barcelona MAIS DE 40 ANOS A EVOLUIR GRAÇAS À CONFIANÇA DOS NOSSOS CLIENTES Na Atcor Geryma dedicamo-nos

Leia mais

Elementos de Transmissão Correias

Elementos de Transmissão Correias Elementos de Transmissão Correias Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Transmissão por polias e correias Transmissão por polias e correias As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MX

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MX ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MX CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX MX são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo IV Aula 03 Conjuntos O desenho de conjunto representa um grupo de peças montadas tais como: dispositivos, ferramentas, máquinas, motores, equipamentos

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS TIPO MADEFLEX MD

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS TIPO MADEFLEX MD ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS TIPO MADEFLEX MD CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX MD são compostos por dois cubos simétricos e totalmente usinados de ferro fundido cinzento, com pinos de aço e

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS GR (COM GARRAS)

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS GR (COM GARRAS) ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS GR (COM GARRAS) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos GR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO CR (COM CRUZETA)

ACOPLAMENTO ELÁSTICO CR (COM CRUZETA) ACOPLAMENTO (COM CRUZETA) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos CR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MB

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MB ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MB CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX MB são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de

Leia mais

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno SEM534 Processos de Fabricação Mecânica Professor - Renato G. Jasinevicius Aula: Máquina ferramenta- Torno Torno Torno Existe uma grande variedade de tornos que diferem entre si pelas dimensões, características,

Leia mais

Atuadores e Sistemas Hidráulicos

Atuadores e Sistemas Hidráulicos 1 Atuadores e Sistemas Hidráulicos Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Aula 1 Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos Introdução 2 Hidráulica é o ramo da engenharia

Leia mais

24 Polias e correias II

24 Polias e correias II A U A UL LA Polias e correias II Um mecânico de manutenção foi encarregado de verificar o estado das correias de três máquinas operatrizes: uma furadeira de coluna; um torno mecânico convencional e uma

Leia mais

MOTOCULTIVADOR MOTOCULTIVADOR - BFD 850 / BFG 900

MOTOCULTIVADOR MOTOCULTIVADOR - BFD 850 / BFG 900 MOTOCULTIVADOR 0 MOTOCULTIVADOR - BFD 0 / BFG 00 MOTOCULTIVADOR - BFD 0 / BFG 00 0. 0 0 0 0 PEÇA (MOTOCULTIVADOR) Base Do Guidão Trava De Altura Do Guidão Cabo De Aceleração Alavanca De Aceleração Manopla

Leia mais

APLICAÇÕES. Você vê engrenagens em quase tudo que tem partes giratórias. Transmissão de carro. Redutor de velocidade. Relógios

APLICAÇÕES. Você vê engrenagens em quase tudo que tem partes giratórias. Transmissão de carro. Redutor de velocidade. Relógios APLICAÇÕES Você vê engrenagens em quase tudo que tem partes giratórias.. Transmissão de carro Redutor de velocidade Relógios 1 CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DEFINIÇÃO: Engrenagens são rodas com dentes padronizados

Leia mais

Resistência dos Materiais. Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque

Resistência dos Materiais. Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Definição de Torque Torque é o momento que tende a torcer a peça em torno de seu eixo longitudinal. Seu efeito é de interesse principal no projeto

Leia mais

ROSTA. Dispositivos tensores ROSTA. Dispositivos de Tensionamento sem manutenção para Transmissões por Correia e Corrente

ROSTA. Dispositivos tensores ROSTA. Dispositivos de Tensionamento sem manutenção para Transmissões por Correia e Corrente ROSTA Dispositivos de Tensionamento sem manutenção para Transmissões por Correia e Corrente fácil de instalar disponível em 7 tamanhos standard vasta gama de acessórios disponível ROSTA Tecnologia do tensionamento

Leia mais

Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos

Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos 1 - INTRODUÇÃO Os atuadores pneumáticos são componentes que transformam a energia do ar comprimido em energia mecânica, isto é, são elementos

Leia mais

Rolamentos. Rolamentos Autocompensadores de Esferas. Rolamentos Rígidos de Esferas

Rolamentos. Rolamentos Autocompensadores de Esferas. Rolamentos Rígidos de Esferas Rolamentos Desde a invenção da roda as civilizações mais antigas tinham a necessidade de substituir o atrito e o deslizamento provocado pelos contatos que dois materiais causavam. Relatos de que os Romanos

Leia mais

Extrusora evo Máquinas Produtos

Extrusora evo Máquinas Produtos NORDIMPIANTI P R O D U C T S APPLICATIONS T U R N K E Y S E R V I C E G L O B A L Extrusora evo Máquinas Produtos Tecnologia para a indústria de concreto pré-fabricado e protendido MÁQUINAS EXTRUSORA evo

Leia mais

ELEMENTOS MECÂNICOS FLEXÍVEIS - CORREIAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ELEMENTOS MECÂNICOS FLEXÍVEIS - CORREIAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ELEMENTOS MECÂNICOS LEXÍVEIS - CORREIAS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá INTRODUÇÃO ELEMENTOS LEXÍVEIS - UTILIZAÇÃO Transmitem potência através de distâncias relativamente grandes. Substituem engrenagens,

Leia mais

MOTORES ELÉCTRICOS. Cat Out / 11. Telef: Mail:

MOTORES ELÉCTRICOS. Cat Out / 11. Telef: Mail: MOTORES ELÉCTRICOS Cat 021 - Out 2015 1 / 11 Motores com rotor em gaiola de esquilo, fechados, com ventilação exterior. Esta série compreende 16 alturas de veios: de 56 a 355mm. Isolamento classe "F",

Leia mais

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica MAIO/2014

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica MAIO/2014 Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica MAIO/2014 Leitura no Sistema Inglês : Fração Ordinária Goniômetro simples O goniômetro simples, também conhecido como transferidor de grau, é utilizado em medidas

Leia mais

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia. Prof.: Carlos

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia. Prof.: Carlos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Campos de Presidente Epitácio LIDIANE FERREIRA Trabalho apresentado na disciplina de Elementos de Maquinas do Curso de Automação Industrial 3º módulo

Leia mais

Buchas ETP O mecanismo de fixação ideal para todo tipo de conexões eixo e cubo

Buchas ETP O mecanismo de fixação ideal para todo tipo de conexões eixo e cubo Buchas ETP O mecanismo de fixação ideal para todo tipo de conexões eixo e cubo As buchas ETP são mecanismos de fixação que, apesar de simples, tem tido sua eficiência comprovada através de anos de uso.

Leia mais

MOTOCULTIVADOR MOTOCULTIVADOR DIESEL - BFD 1100/1120

MOTOCULTIVADOR MOTOCULTIVADOR DIESEL - BFD 1100/1120 MOTOCULTIVADOR MOTOCULTIVADOR DIESEL - BFD 00/0 0 0.a.b.a.b 0 0 0 0 PEÇA (MOTOCULTIVADOR DIESEL) Junta Da Flange Flange Motocultivador Parafuso Sextavado MXmm Junta Da Caixa De Engrenagem Arruela De Pressão

Leia mais

COMANDO DA BICA GIRATÓRIA E DO QUEBRA JATO

COMANDO DA BICA GIRATÓRIA E DO QUEBRA JATO USO DA MÁQUINA A COLHEDEIRA PICADEIRA DE FORRAGENS ICMA, realiza a operação de colheita de forragens e a fase seguinte de processamento, que consiste na redução do tamanho da forragem, de modo a melhorar

Leia mais

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA II

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA II Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA II LEB0332 Mecânica e Máquinas Motoras Prof. Leandro M. Gimenez 2017 Componentes do motor Cabeçote Junta Cilindro Bloco

Leia mais

Manual de Manutenção. Cabeçote Inferior Robofil 290P

Manual de Manutenção. Cabeçote Inferior Robofil 290P Manual de Manutenção Cabeçote Inferior Robofil 290P 1 Sumário 1- Elementos 2- Desmontagem 2.1 - Ferramentas Necessárias 2.2 - Retirada do cabeçote 2.3 - Desmontagem do cabeçote 3- Pontos Críticos 4 - Montagem

Leia mais

Catálogo de. Peças RT 630

Catálogo de. Peças RT 630 Catálogo de Cuidados Importantes...0 Manutenção periódica...0 Diagnóstico de Falhas... Dimensões... Dados técnicos... Diagrama do Sistema de Transmissão... Peças Eixo de entrada... Eixo de transmissão...

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO PROGRAMA DE EFICIENTIZAÇÃO INDUSTRIAL NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO Prof. TOMAZ NUNES DEE - UFC NORMAS NBR 7094 - Máquinas Elétricas Girantes - Motores de Indução - Especificação. NBR 5031

Leia mais

Anexo A PROJECTO DAS ESTRUTURAS MECÂNICAS

Anexo A PROJECTO DAS ESTRUTURAS MECÂNICAS Anexo A PROJECTO DAS ESTRUTURAS MECÂNICAS Resumo : Neste anexo são apresentadas as várias fases do projecto e construção das estruturas de reforço e de suporte dos novos elementos a introduzir, bem como

Leia mais

Força total de resistência

Força total de resistência Introdução As pás dos helicópteros estão ligadas ao veio do rotor com uma série de dobradiças: Dobradiças de batimento, que permite o movimento para cima e para baixo (batimento). Assim que apenas forças

Leia mais

Curso Fundamentos de Lubrificação

Curso Fundamentos de Lubrificação Curso Fundamentos de Lubrificação Módulo VI Engrenagens Industriais Índice Definição Tipos de Engrenagens Classificação AGMA Lubrificação de Engrenagens Problemas em Engrenagens Definição São elementos

Leia mais

RO 90 DX com 4 em 1: A ferramenta redonda que também lixa nos cantos. Lixadora excêntrica de engrenagem ROTEX RO 90 DX

RO 90 DX com 4 em 1: A ferramenta redonda que também lixa nos cantos. Lixadora excêntrica de engrenagem ROTEX RO 90 DX RO 90 DX com 4 em 1: A ferramenta redonda que também lixa nos cantos. Lixadora excêntrica de engrenagem ROTEX RO 90 DX Ferramentas para as mais elevadas exigências Quatro ferramentas numa só: a ROTEX RO

Leia mais

ATUADORES HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS

ATUADORES HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS ATUADORES HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS Em um sistema hidráulico ou pneumático, os atuadores são equipamentos capazes de converter energia hidráulica em energia mecânica que é utilizada para a movimentação

Leia mais

Eletricista de Instalações

Eletricista de Instalações Eletricista de Instalações UFCD 1183- Variadores de velocidade - instalação e ensaio 2014/ 2015 Aperfeiçoamento nos métodos de produção e sua racionalização, mediante a automação e o controle os processos.

Leia mais

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE AULA 8 ACIONAMENTO E MECANISMOS DE ELEVAÇÃO PROF.: KAIO DUTRA Acionamento Manual e Alavanca de Comando Um acionamento manual pode ser empregado em mecanismos de baixa

Leia mais

Cinemática de Mecanismos

Cinemática de Mecanismos Cinemática de Mecanismos C. Glossário de Termos Paulo Flores J.C. Pimenta Claro Universidade do Minho Escola de Engenharia Guimarães 2007 In language, clarity is everything. Confucius C. GLOSSÁRIO DE

Leia mais

Resistente supermotard para a cidade.

Resistente supermotard para a cidade. Resistente supermotard para a cidade. Construída para a diversão e desenhada para causar impacto, esta XT recorre à tecnologia oriunda nas supermotard para lhe oferecer o que há de mais divertido nas ruas

Leia mais

Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você.

Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você. tratores farmall Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você. Os novos tratores Farmall série A foram projetados para os mais diversos trabalhos tanto na agricultura como na pecuária.

Leia mais

Fátima Pais. Movimento e Mecanismos. Operadores mecânicos. Educação Tecnológica

Fátima Pais. Movimento e Mecanismos. Operadores mecânicos. Educação Tecnológica Fátima Pais Movimento e Mecanismos Operadores mecânicos Roda e eixo A roda é considerada a maior invenção de sempre. É um dispositivo cilíndrico que gira em torno de um eixo, facilitando o deslocamentos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Professor Claudemir Claudino Alves. Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado

INTRODUÇÃO. Professor Claudemir Claudino Alves. Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Disciplina: ELEMENTOS DE MÁQUINAS INTRODUÇÃO Professor Me. Claudemir Claudino Alves Professor Claudemir Claudino Alves 2 OBJETIVO:

Leia mais

Acesse:

Acesse: Segurando as pontas As operações de tornear superfícies cilíndricas ou cônicas, embora simples e bastante comuns, às vezes apresentam algumas dificuldades. É o que acontece, por exemplo, com peças longas

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO GEOMETRIA DA FERRAMENTA

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO GEOMETRIA DA FERRAMENTA TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO GEOMETRIA DA GEOMETRIA DA A geometria da ferramenta influencia na: Formação do cavaco Saída do cavaco Forças de corte Desgaste da ferramenta Qualidade final da peça GEOMETRIA

Leia mais

HÉRCULES e Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes

HÉRCULES e Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes HÉRCULES 10000 e 24000 Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes Catálogo virtual Português Mar/2016 HÉRCULES DE ARRASTO Os Hércules de arrasto são ideais para a distribuição

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNO MEC. HORIZONTAL (NOMENCL./CARACT./ACESSÓRIOS) DEFINIÇÃO: É a máquina-ferramenta usada para trabalhos de torneamento, principalmente de metais que, através da realização

Leia mais

HUSQVARNA CONSTRUCTION PRODUCTS

HUSQVARNA CONSTRUCTION PRODUCTS HUSQVARNA CONSTRUCTION PRODUCTS Husqvarna Portugal, SA, Edificio Diamant Boart Lagoa-Albarraque, 2635-595 Rio de Mouro. Tel: +351 219 25 47 40, Fax: +351 219 25 47 20. www.husqvarnacp.com 2009 HUSQVARNA

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 Prof: Diego R. Alba 1. O macaco AB é usado para corrigir a viga defletida DE conforme a figura. Se a força compressiva

Leia mais

Prensas Excêntricas ncp

Prensas Excêntricas ncp Prensas Excêntricas ncp PRENSA EXCÊNTRICA TIPO C DE BIELA SIMPLES NCP-2 NCP-3 NCP-4 NCP-60 NCP-80 NCP-110 NCP-160 NCP-200 NCP-260 A 2.274 2.462 2.622 2.974 3.061 3.234 3.47 4.080 4.36 B 700 80 890 910

Leia mais

Convecção natural. É o termo usado quando o movimento do fluido se dá devido às diferenças de densidade em um campo gravitacional.

Convecção natural. É o termo usado quando o movimento do fluido se dá devido às diferenças de densidade em um campo gravitacional. CAPÍTULO 6 - SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO INTRODUÇÃO O Sistema de Refrigeração tem por objetivo impedir que os elementos mecânicos do motor atinjam uma temperatura muito elevada ao contato com os gases da combustão.

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS)

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX GR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

Universidade de Fortaleza Centro de Ciencias Tecnologicas Curso de Engenharia deprodução/mecânica. Desenho Mecânico. Prof.

Universidade de Fortaleza Centro de Ciencias Tecnologicas Curso de Engenharia deprodução/mecânica. Desenho Mecânico. Prof. Universidade de Fortaleza Centro de Ciencias Tecnologicas Curso de Engenharia deprodução/mecânica Desenho Mecânico Prof. José Rui Barbosa Componentes mecânicos Elementos de ligação - Roscas - Parafusos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA DE COSTURA INDUSTRIAL RETA ELETRÔNICA DIRECT-DRIVE SS9000S-7-Y.

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA DE COSTURA INDUSTRIAL RETA ELETRÔNICA DIRECT-DRIVE SS9000S-7-Y. MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA DE COSTURA INDUSTRIAL RETA ELETRÔNICA DIRECT-DRIVE SS9000S-7-Y www.sunspecial.net.br Lubrificação 1 Atenção: Desligar a máquina antes de iniciar o trabalho de manutenção para

Leia mais

ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Oficina Mecânica para Automação - OMA

ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Oficina Mecânica para Automação - OMA II. AJUSTE & TOLERÂNCIA: Livro recomendado: Tolerâncias, Ajustes, Desvios e Análise de Dimençôes. Autores: Osvaldo Luiz Agostinho; Antonio Carlos dos Santos Rodrigues e Joâo Lirani. Editora Edgard Blucher

Leia mais

Nenhum outro acoplamento oferece todas estas vantagens

Nenhum outro acoplamento oferece todas estas vantagens s Flexíveis Omega Nenhum outro acoplamento oferece todas estas vantagens Rápida e fácil montagem e desmontagem O elemento flexível, bipartido longitudinalmente, permite uma rápida e fácil remoção e instalação

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 1 Conhecimentos Específicos - Fabricação Sobre a montagem de engrenagens para abertura de roscas em um torno, é correto afirmar: Deve-se garantir que a folga entre os dentes das engrenagens seja

Leia mais

Catálogo de Peças RT 220

Catálogo de Peças RT 220 Catálogo de Peças 09 0 9 0 RT 0 edição 0-0 edição 0-0 0 edição 0-0 09 RT 0 : RT 0 : Dimensional capa seca SAE Relação de redução : : CV máximo 0 RPM máximo 00 Torque de transmissão (N.m) 0 Pressão de óleo

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO DESENHO TÉCNICO MECÂNICO Unidade 3 Roscas e Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Mendes da Silva 1. Engrenagens: Engrenagens são rodas com dentes padronizados que servem para transmitir movimento

Leia mais

Elementos Elásticos. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Elementos Elásticos. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Elementos Elásticos Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Introdução Ao longo da historia a mola sempre exerceu um importante papel no desenvolvimento de equipamentos que sofrem força. A mola esta presente desde

Leia mais

SISTEMA DE RESFRIAMENTO PARA OLÉO

SISTEMA DE RESFRIAMENTO PARA OLÉO SISTEMA DE RESFRIAMENTO PARA OLÉO TROCADOR DE CALOR AR/OLÉO O PRIMEIRO TROCADOR DE CALOR PENSADO PROJETADO E CONSTRUIDO PARA O RESFRIAMENTO DO OLÉO NA INDUSTRIA DE CERAMICA SIMPLES DE MONTAR COMPLETAMENTE

Leia mais

Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você.

Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você. tratores farmall Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você. Os novos tratores Farmall série A foram projetados para os mais diversos trabalhos tanto na agricultura como na pecuária.

Leia mais

São quatro categorias básicas de mancais, quanto ao tipo de força de sustentação da carga do eixo, a saber:

São quatro categorias básicas de mancais, quanto ao tipo de força de sustentação da carga do eixo, a saber: 3 Mancais 3.1 Introdução As máquinas rotativas são dotadas de dois elementos básicos, entre outros importantes, para a execução de seu objetivo: rotor e mancais, (que suportam o rotor e os esforços a ele

Leia mais

AULA 4. Gustavo Franchetto Pereira. 29 de agosto de 2012

AULA 4. Gustavo Franchetto Pereira. 29 de agosto de 2012 AULA 4 Gustavo Franchetto Pereira 29 de agosto de 2012 0 Ementa 11) Noções de especificação; 12) Instalação; 13) Operação e controle; 14) Manutenção; 15) Fotos e vídeos; 16) Referências. 1 12) Instalação

Leia mais

Física I Prova 2 25/10/2014

Física I Prova 2 25/10/2014 Física I Prova 2 25/10/2014 NOME MATRÍCULA TURMA PROF. Lembrete: A prova consta de 6 questões discursivas (que deverão ter respostas justificadas, desenvolvidas e demonstradas matematicamente) e 8 questões

Leia mais

APÊNDICE III Correias de transmissão sem fim, síncronas, com uma circunferência

APÊNDICE III Correias de transmissão sem fim, síncronas, com uma circunferência APÊNDICE III Tendo como substância ativa um metal precioso ou um composto de 38151200 metal precioso Líquidos para freios (travões) hidráulicos e outros líquidos preparados para 38190000 transmissões hidráulicas,

Leia mais

LINTEC VEÍCULOS E MOTORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

LINTEC VEÍCULOS E MOTORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LINTEC VEÍCULOS E MOTORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Código: ET 700.018 Data: 05/08/2011 MOTOR 3LD1500 LINTEC PRODUTO: MOTOR APROVADO: Adelair Colombo ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MODELO: MOTOR 3LD1500 ELABORADO:

Leia mais

Rompedores Hidráulicos. Linha Silver-Clip

Rompedores Hidráulicos. Linha Silver-Clip Rompedores Hidráulicos Linha Silver-Clip Avanço tecnológico a serviço da produtividade Graças ao avanço tecnológico, os rompedores hidráulicos Montabert se beneficiam de tecnologias patenteadas que oferecem

Leia mais

Reversor Marítimo RT 80

Reversor Marítimo RT 80 Reversor Marítimo RT 0 EIXO DE ENTRADA REVERSOR RT 0 EIXO DE ENTRADA REVERSOR RT 0 0 0 0 0 0 ESPAÇADOR INTERNO Ø 0mm ROLAMENTO 0 C ROLAMENTO 0 C ANEL ELÁSTICO EXTERNO Ø 0mm SUPORTE DA EMBREAGEM ANEL ELÁSTICO

Leia mais

Reversor Marítimo RT 50

Reversor Marítimo RT 50 Reversor Marítimo RT 0 EIXO DE ENTRADA REVERSOR RT 0 EIXO DE ENTRADA REVERSOR RT 0 0 0 0 0 ESPAÇADOR INTERNO Ø mm ROLAMENTO 00 ANEL ELÁSTICO EXTERNO Ø mm SUPORTE DA EMBREAGEM ANEL ELÁSTICO INTERNO Ø 0mm

Leia mais

ATUADORES ROTATIVOS CAPÍTULO 1.3 INTRODUÇÃO PAG. 1.3/02 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R1 PAG. 1.3/06 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R2 PAG. 1.

ATUADORES ROTATIVOS CAPÍTULO 1.3 INTRODUÇÃO PAG. 1.3/02 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R1 PAG. 1.3/06 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R2 PAG. 1. ATUADORES ROTATIVOS CAPÍTUO.3 INTRODUÇÃO PAG..3/0 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R PAG..3/06 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R PAG..3/09 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R3 PAG..3/3 MESA GIRATÓRIA, SÉRIE R4 PAG..3/8.3/0 P N E

Leia mais

AULA 4 Materiais de Construção II

AULA 4 Materiais de Construção II AULA 4 Materiais de Construção II Introdução Para a construção, as propriedades que interessam considerar aos metais são várias, concretamente, a aparência, densidade, dilatação e condutibilidade térmica,

Leia mais

TF a. EDIÇÃO - OUT/1997 LISTA DE PEÇAS VISTA EXPLODIDA MOTORES DIESEL TF60 / TF60H

TF a. EDIÇÃO - OUT/1997 LISTA DE PEÇAS VISTA EXPLODIDA MOTORES DIESEL TF60 / TF60H LISTA DE PEÇAS VISTA EXPLODIDA MOTORES DIESEL TF60 / TF60H PARTES QUE COMPÕEM ESTA LISTA: Esta lista compõem-se de 2 partes, sendo a primeira com os códigos das peças e a vista explodida da secção da máquina

Leia mais

ELEMENTOS ELÁSTICOS MOLAS

ELEMENTOS ELÁSTICOS MOLAS ELEMENTOS ELÁSTICOS MOLAS Uma mola é um objeto elástico flexível usado para armazenar a energia mecânica. As molas são feitas de arame geralmente tendo como matéria prima mais utilizada o aço temperado.

Leia mais

AULA 11 SISTEMAS HIDRÁULICOS

AULA 11 SISTEMAS HIDRÁULICOS 19/10/16 Significado e Conceito AULA 11 SISTEMAS HIDRÁULICOS Significado: hidra = água e aulos = tubo Conceito: Estudo das característica e comportamento dos fluídos confinados sob pressão. Prof. Fabricia

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES

ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES Henrique Matheus Engenheiro Eletricista formado pela Universidade Federal de

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano. Prof. Jorge Nhambiu

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano. Prof. Jorge Nhambiu Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 3 Componentes do Motor Cabeça; Bloco; Cárter; Válvulas; Árvore de Cames; Cambota; Pistão; Biela. 2 Constituição dos Motores O motor de combustão interna é um conjunto

Leia mais

Manual do Proprietário. Reversor Marítimo RT 115. Potência/Rotação (máxima de entrada) Modelo do reversor. Reversor RT40 mecânico, redução 3,0:1

Manual do Proprietário. Reversor Marítimo RT 115. Potência/Rotação (máxima de entrada) Modelo do reversor. Reversor RT40 mecânico, redução 3,0:1 Manual do Proprietário Reversor Marítimo RT A Tramontini Implementos Agrícolas Ltda garante seus produtos, que em serviço e uso normal, vierem a apresentar defeitos de material, fabricação ou montagem,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio ELMA3 AULA 5 Prof. Carlos Fernando Dispositivos de Fixação Pinos, Cupilhas, Cavilhas, Roscas, Mancais de Deslizamento

Leia mais

Potência e velocidade ao seu serviço!

Potência e velocidade ao seu serviço! PERFURAÇÃO Potência e velocidade ao seu serviço! Uma gama a água e a seco única de Ø 25 a 350 mm. Virax com água e a seco! > Brocas Virax uma gama única para todos os materiais até Ø 350 mm. Segmentos

Leia mais

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas

ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas ContiTech: Conselhos dos especialistas sobre a substituição de correias dentadas Instruções detalhadas para Audi A3 1,8 l T com o código do motor ARZ A ContiTech mostra como se podem evitar erros durante

Leia mais

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS AULA 01 - APRESENTAÇÃO Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Curso Técnico de Edificações APRESENTAÇÃO Philipe do Prado Santos - contato@philipeprado.eng.br

Leia mais

Certificação de Origem

Certificação de Origem Tubos e seus acessórios (por exemplo, juntas, cotovelos, flanges, uniões), de plásticos.; - Outros tubos:; -- Outros 1 3917.39.00 OUTROS TUBOS DE PLASTICOS 80 m 1,122.28 Outras obras de plásticos e obras

Leia mais

Descritivo Técnico Adaptador Sensor Hall

Descritivo Técnico Adaptador Sensor Hall Folha 1 de 7 Folha 2 de 7 Sumário 1 Descrição geral... 3 2 Funcionamento... 3 2.1 Operação... 3 2.2 Programação, configuração e comunicação... 3 2.3 Descritivo de aplicação... 3 2.4 Exemplo de aplicação...

Leia mais

MECANISMOS TM Mecanismos (Definição) Algumas definições do termo mecanismos:

MECANISMOS TM Mecanismos (Definição) Algumas definições do termo mecanismos: MECANISMOS TM. INTRODUÇÃO. Mecanismos (Definição) Algumas definições do termo mecanismos: Mabie e Reinholtz definem mecanismo como a parte do projeto de uma máquina relacionada com a cinemática e cinética

Leia mais