XII SEMINÁRIO SINCAL/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XII SEMINÁRIO SINCAL/2013"

Transcrição

1

2

3 XII SEMINÁRIO DA INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO SINCAL/03 ISSN

4

5 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 APRESENTAÇÃO O conhecimento do ser humano caminha na velocidade da luz; os meios de comunicações, suportados pelos avançados processos químicos, de telecomunicações, de informática e de automação, nos colocam dentro dos fatos históricos no presente e nos alçam a tomar consciência dos avanços em diversas áreas do saber técnico cientifico, antecipando etapas do desenvolvimento, que há poucos anos demandaria um longo período de maturação, permitindo em progressão geométrica a evolução na busca de um mundo melhor. A globalização das informações, do sistema produtivo e da consciência da preservação do meio ambiente nos dá acesso a processos, produtos e serviços dentro das mais modernas técnicas desenvolvidas nos grandes centros de estudos do planeta. A expectativa de resultados financeiros extremamente atrativos para os potenciais investidores permite que recursos dos países ricos sejam canalizados para instituições de pesquisa e desenvolvimento em todas as áreas da tecnologia de ponta. O jovem de hoje, desde seus primeiros anos da infância, recebe estímulos e desenvolve uma irresistível atração pelos segredos intrínsecos da informática, da química, da física, da cibernética e do mundo virtual, tanto da mídia eletrônica como dos jogos e brinquedos criados através de modernas técnicas. Estes jovens estão ávidos e potencialmente prontos para absorverem e assimilarem conhecimentos e informações com uma facilidade jamais observada ao longo da história da humanidade. Alimentar esta demanda pelo conhecimento, estimular a busca pelas respostas às questões inovadoras, conservando a consciência de sua responsabilidade social, desenvolvendo sua capacidade de liderança e seu espírito empreendedor são desafios extremamente gratificantes que alimentam e saciam a vontade e a vocação do corpo docente da FACIT - Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros. Nesta instituição, os alunos e professores desenvolvem uma irresistível paixão que os atrai para recantos inexplorados do conhecimento e os levam a estudos, ações e experiências na procura de respostas para as suas curiosidades, indagações e saber; saber aprender, saber o saber, saber fazer, saber conviver, saber ser e saber empreender, como bem demonstra o Seminário da Interdisciplinaridade do Cálculo, que neste ano se encontra em sua XII edição. Ariovaldo de Melo Filho Presidente do Conselho de Administração da FEMC Presidente do Conselho Administrativo Técnico Pedagógico da FACIT 03

6 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 ORGANIZADORES: Ângela Maria de Carvalho Veloso Jackson Prates Oliveira Me. Daniela Fernandes Jorge de Mello Haroldo de Moraes Lopes Janne Ribeiro Timóteo Lopes Profa. Me. Gisele Figueiredo Braz Prof. Me. Paulo Fernando Rodrigues Matrangolo Prof. Me. Leonardo Santos Amaral Prof. Me. Maurílio José Inácio Prof. Murilo Pereira Lopes Prof. Dr. Renato Dourado Maia Jaqueline Antunes Rocha Jair Barbosa Silva Maria de Lourdes Soares Maria Tereza Avelino Silva REVISÃO TÉCNICA: Profa. Dra. Érica Karine Ramos Queiroz Prof. Dr. Eduardo Simões Silva Profa. Me. Gisele Figueiredo Braz Prof. Me. Édson Martins Gagliard Prof. Fidel Edson de Souza Prof. Ismael Leite Ferreira Profa. Me. Janine Freitas Mota Profa. Me. Máira Peres Alves Santim Prof. Me. Maximiano Maicon Batista Lopes Janne Ribeiro Timóteo Lopes 04

7 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 ÍNDICE FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONTES CLAROS O SINCAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO SEMINÁRIO DA INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁCULO - SINCAL... O XII SEMINÁRIO DA INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO - SINCAL... COMENDA RONAN DE FREITAS PEREIRA MANIPULADOR ROBÓTICO AUTO-GUIADO RÁDIO DE GALENA PROPAGAÇÃO TÉRMICA: RESFRIAMENTO IDEAL DE UM CORPO APLICAÇÃO DO CÁLCULO DIFERENCIAL NA CINÉTICA QUÍMICA TRANFERENCIA DE DADOS POR BLUETOOTH PRODUÇÃO DE ENERGIA EÓLICA DIFERENCIADA PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DE POLPA DE MANDIOCA ESTUDO DA VAZÃO EM TUBULAÇÕES E VÁLVULAS LINEARES A FRAUDE DE VOTOS NA URNA ELETRÔNICA FONTE DE ALIMENTAÇÃO ESTABILIZADA REGULÁVEL QUADRICOPTERO DE MONITORAMENTO FUN LEDS SISTEMA INTELIGENTE DE ABASTECIMENTO DE CAIXA D ÁGUA SIMULADOR DE ECU (UNIDADE DE CONTROLE ELETRÔNICA) MOTOR MAGNÉTICO ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE INCRUSTAÇÃO EM TUBOS DE PVC E ALUMÍNIO COM VARIAÇÃO DE ph TELEMETRIA: MEDIÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA A EFICIÊNCIA DO CHUVEIRO HIBRIDO GERADOR EÓLICO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL APLICADO À FLEXÃO DE VIGAS SENSOR CAPACITIVO DE FORÇA MOTOR ELÉTRICO TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SEM FIO DEMONSTRAÇÃO DE POTÊNCIA EFICAZ EM RETIFICADOR DE ONDA COMPLETA EM PONTE TUBO DE CHAMAS DANÇANTES GERADOR DE HIDROGÊNIO PRINCIPIOS DO TEOREMA DE PASCAL APLICADO NA HIDRÁULICA SCANNER 3D A LASER GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: USO DE HARDWARE E SOFTWARE LIVRES NO SETOR PÚBLICO MAGNETISMO E SUAS APLICAÇÕES

8 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 ÍNDICE 3 - CARRO MOVIDO A ENERGIA SOLAR TEORIA DE JOGOS EQUAÇÃO DE CALOR NANOTECNOLOGIA: EXISTE UM MUNDO SURPREENDENTE PEQUENO POR BAIXO DE TUDO (RICHARD P. FEYNMAN) CONTROLE E REABILITAÇÃO MOTORA DE MEMBROS SUPERIORES E INFERIORES ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE MÁXIMOS E MÍNIMOS USINA DE ONDAS FLUXO DO CAMPO ELÉTRICO NA BLINDAGEM ELETROSTÁTICA SENSOR CAPACITIVO DE VOLUME PRINCÍPIO DE BERNOULLI: PROVANDO A APLICABILIDADE DA EQUAÇÃO ATRAVÉS DO EXPERIMENTO ESFERA FLUTUANTE PRINCÍPIO BÁSICO DE MOTOR ELÉTRICO DETERMINAÇÃO DO PODER CALORÍFICO PILHAS RECARREGÁVEIS À BASE DE ENERGIA EÓLICA O MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES BASEADO NO ESTUDO DO SISTEMA MASSA-MOLA BLINDAGEM ELETROSTÁTICA SISTEMA DE CONTROLE POR RÁDIO FREQUÊNCIA TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE ATRAVÉS DA GALVANOPLASTIA SEMÁFORO INTELIGENTE PARA DEFICIENTES VISUAIS TECLADO TERAPÊUTICO BRAÇO MECÂNICO HIDRÁULICO VINHO DE FRUTAS - CÁLCULO DAS TAXAS DE VARIAÇÃO EQUAÇÕES DO MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES EM UM MOTOR PEDAL SUSTENTÁVEL MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES PRINCÍPIO DE GERADOR ELÉTRICO GUINDASTE HIDRÁULICO UTILIZANDO TEOREMA DE PASCAL COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA NO GERENCIAMENTO EMPRESARIAL LABIRINTO ELÉTRICO ESTUDO DE COORDENADAS E SUAS APLICAÇÕES VLC - VISIBLE LIGHT COMMUNICATION SYSTEM BICICLETA COMO FONTE DE ENERGIA ELÉTRICA PÊNDULO SIMPLES - MEDINDO A GRAVIDADE SOFTWARE DE REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE CÁLCULOS DE OTIMIZAÇÃO

9 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONTES CLAROS Presidente do Conselho de Administração Ariovaldo de Melo Filho Diretora Superintendente Ângela Maria de Carvalho Veloso Diretora Acadêmica Daniela Fernandes Jorge de Mello Diretor Administrativo Financeiro Jackson Prates Oliveira Coordenadora Acadêmica da FACIT Profa. Me. Gisele Figueiredo Braz Coordenador Administrativo da FACIT Prof. Haroldo de Moraes Lopes Coordenadores de Curso da FACIT Profa. Me. Gisele Figueiredo Braz Prof. Me. Leonardo Santos Amaral Prof. Me. Maurílio José Inácio Prof. Murilo Pereira Lopes Prof. Me. Paulo Fernando Rodrigues Matrangolo Prof. Dr. Renato Dourado Maia Prof. Me. Vitor Hugo Fernandes Coordenador de Pesquisa Prof. Dr. Renato Dourado Maia Coordenadores Adjuntos de Pesquisa Profa. Dra. Gilzeane dos Santos Sant Ana Prazeres Prof. Me. Luiz Fernando Oliveira Maia Coordenadora de Extensão e Auto Avaliação Institucional Janne Ribeiro Timóteo Lopes Coordenadora Pedagógica Maria de Lourdes Soares 07

10 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONTES CLAROS Pedagoga Maria Tereza Avelino Silva Secretária Acadêmica Mariuza Soares Santos Coordenador Administrativo e de Patrimônio Jair Barbosa Silva Coordenadora de Tecnologia da Informação Jaqueline Antunes Rocha Coordenador da INCET - Incubadora de Empresas de BaseTecnológica Prof. Haroldo de Moraes Lopes Coordenador de Convênios e Integração Escola Empresa Lincoln Wagner de Queiroz Veloso Coordenadora de Tesouraria Jaqueline Ribeiro Alves Coordenadora do Departamento Contábil e Pessoal Sarah Giselle Barbosa de Aguiar Bibliotecária Elciax Cristina de Sousa Assistente de Biblioteca Reinilson Nogueira Santos Marketing Lincoln Wagner de Queiroz Veloso Assessora de Comunicação Rosângela Silveira Assessora de Marketing Júnia Velloso Rebello 08

11 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 O SINCAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO O atual contexto da sociedade exige um novo desenho de educação centrado numa proposta de aquisição, num ritmo cada vez mais acelerado, do conhecimento, consolidado em processo contínuo e permanente de aprendizagem. De acordo com essa nova realidade, as escolas devem propiciar a ampliação democrática do acesso ao conhecimento, como também sua geração e difusão, além de possibilitar ao aluno condições para que ele desempenhe com prazer suas atividades, desenvolva o espírito de equipe e de empreendedor, a ousadia, criatividade, autonomia, aproveitando o máximo de sua potencialidade. Nessa perspectiva, a instituição de ensino superior deve se formatar como um espaço do saber, da liberdade acadêmica e da cognição, onde o conviver com a pesquisa na fronteira do conhecimento, possa trazer considerável contribuição para o desenvolvimento do raciocínio independente, criativo, crítico e inovador; uma instituição com a finalidade de possibilitar a formação de seres humanos pensantes, estimulando a dúvida, o questionamento, as atitudes e o desejo de colaborar e de multiplicar a informação, o conhecimento. É esse o projeto da FACIT, levar para a sala de aula um modelo de ensino numa abordagem inovadora, cuja prática estimule um aprendizado mais dinâmico. Nesse processo o professor é mediador, facilitador, problematizador e exerce o papel de educador que compartilha com o aluno a responsabilidade de construir o seu conhecimento. Na verdade, um desafio de mão dupla: para o aluno, a missão de desenvolver o conhecimento que está dentro dele e, para o professor, alguém do lado de fora, fazer às vezes de parteiro. O Seminário da Interdisciplinaridade do Cálculo é propulsor dessa nova prática pedagógica, porque é, por excelência, uma fonte gestora e otimizadora do saber. Educador e educando se transformam nessa atividade em sujeitos do aprendizado. Nesse tempo e espaço, professor e aluno participam conjuntamente do ensinar e do aprender. O aluno busca desenvolver e aproveitar ao máximo as suas potencialidades e o cumprimento dessa tarefa demanda um amplo compromisso de todas as partes envolvidas. A aprendizagem vai sendo construída por meio de relações em grupo, num processo dialético, recíproco, mútuo e multilateral. O ambiente de realização do Seminário favorece, portanto, a criação de objetivos compartilhados, gera um sentimento de coletividade, e contribui para o engajamento e a participação das pessoas na resolução de problemas. 09

12 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 E assim, a FACIT proporciona aos alunos inseridos nesta dinâmica, a assimilação de informação, estruturação do conhecimento e transformação de competências científicas e tecnológicas em capacidades empreendedoras que lhes possibilitarão inserção no mundo do trabalho e a participação nesta sociedade altamente competitiva e marcada pelo poder das ideias. Ângela Maria de Carvalho Veloso Diretora Superintendente da FEMC Vice Presidente do Conselho Administrativo Técnico Pedagógico da FACIT 0

13 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 A IMPORTÂNCIA DO SEMINÁRIO DA INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO - SINCAL Ao longo da história muitos cientistas e matemáticos influenciaram e determinaram a evolução das ciências exatas. Suas contribuições têm proporcionado aos engenheiros condições para projetarem cada vez mais um mundo melhor. A Índia com toda a sua diversidade ofereceu ao nosso planeta matemáticos como Aryabata, Bramagupta, Bhaskara I, Mahavira e Bhaskara II, cujas contribuições para o desenvolvimento do Cálculo e da Física são inegáveis. O Brasil, país do futebol, da diversidade cultural e das olimpíadas tem se destacado também no mercado global pela formação de profissionais para atender à demanda mundial por engenheiros. A FACIT, que através do ensino, da pesquisa e de seus eventos tem promovido a formação de novos talentos nas ciências aplicadas, se orgulha de participar do desenvolvimento desta área e de apresentar para o público externo seus futuros engenheiros. Ao completar doze anos, o SINCAL - Seminário da Interdisciplinaridade do Cálculo - deixa mais um marco na cultura e na formação interdisciplinar de várias gerações acadêmicas da nossa IES. A FACIT, através das ciências, busca um mundo melhor. Sejam bem vindos ao SINCAL! Haroldo de Moraes Lopes Coordenador Administrativo da FACIT

14 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 O XII SEMINÁRIO DA INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO - SINCAL O cálculo é a matemática dos movimentos e das variáveis. Onde há movimentos ou crescimento e onde forças variáveis agem produzindo aceleração, o cálculo é a matemática a ser empregada. Isso era verdade quando surgiu e continua a valer hoje. Aprender cálculo não é como aprender aritmética, álgebra ou geometria. O cálculo, além de envolver técnicas e habilidades já adquiridas, cria outras também de alta precisão e em nível mais elevado. O Seminário da Interdisciplinaridade do Cálculo - SINCAL, evento realizado como atividade complementar, aborda tópicos atuais, oferecendo uma perspectiva emergente, enfocando o embasamento teórico e o prático, os quais são necessários para a construção do conhecimento que os profissionais das áreas de exatas e engenharias precisam ter. Envolver alunos de diferentes áreas das Engenharias com o propósito de realizar trabalhos coletivos é a maior demonstração de que fazemos parte de um todo e que a interdisciplinaridade se constitui num dos pilares do processo educacional que aqui se desenvolve. Antes considerada como atividade exclusiva de profissionais especializados, a pesquisa hoje se constitui em aspecto fundamental para a formação acadêmica em todos os níveis de ensino. Incentivar a busca de novos conhecimentos e demonstrar a aplicação desses conhecimentos para produção de soluções de problemas vividos faz parte dos projetos de extensão da FACIT, uma vez que estão voltados para a realidade e as necessidades locais. O estímulo à produção acadêmica gera conhecimento e, consequentemente, tecnologias inovadoras que contribuirão para o desenvolvimento científico e tecnológico do nosso país. Pode-se afirmar, assim, que os trabalhos produzidos pelos acadêmicos da FACIT, apresentados no XII SINCAL irão fomentar novas pesquisas e farão surgir pesquisadores de iniciação científica que, no futuro próximo, serão os cientistas de nosso país. E nos orgulha muito ter a convicção de que estes futuros pesquisadores e cientistas iniciaram seus trabalhos durante sua graduação na Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros - FACIT. Ao organizarmos a mostra dos trabalhos do Seminário da Interdisciplinaridade do Cálculo - SINCAL-, através da Coordenação de Extensão, a FACIT propicia à sociedade como um todo e aos representantes das empresas locais, a oportunidade de conhecer os cursos oferecidos pela instituição e seus acadêmicos que buscam cada vez mais aprimorar suas atividades redimensionando e expandindo seus próprios limites de ação. Gisele Figueiredo Braz Professora de Cálculo Diferencial e Integral - Coordenadora do SINCAL

15 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 COMENDA RONAN DE FREITAS PEREIRA Ronan de Freitas Pereira, Presidente da Vallée S.A., destacada indústria nacional de produtos veterinários, com sede em Montes Claros. Quinta Empresa no ranking do SINDAN, disputando lideranças com multinacionais de segmento veterinário, a VALLÉE S/A foi fundada em 96, em Uberlândia, com a finalidade de produzir vacina contra a febre aftosa. Hoje é referência e líder na produção de vacinas, também destaque na oferta conceituada de antiparasitários, suplementos vitamínicos, terapêuticos e outros produtos especiais da linha animal. Tem aproximadamente 680 empregados em todo o Brasil, com a maior rede de assistência técnica no campo, entre as empresas do setor. Ronan de Freitas Pereira é natural de Uberlândia - MG, filho de Genésio de Melo Pereira (falecido) e Helena de Freitas Pereira. Nasceu no dia 7 de novembro de 953. É engenheiro mecânico pós-graduado em Inspeção de Equipamentos, na Petrobrás. Foi monitor de física na Faculdade de Engenharia da Universidade de Uberlândia, Engenheiro de Inspeção de Equipamentos na Petrobrás, Gerente de Engenharia, Coordenador de Projetos, Diretor Industrial, Vice-Presidente e Presidente da VALLÉE S/A, Conselheiro da CARFEPE HOLDING (Controladora da Vallée e outras empresas do Grupo que atuam no segmento do agribusiness). É cidadão honorário de Montes Claros, distinguido com o Diploma do Mérito Industrial concedido pela FIEMG, com a Insígnia e a Medalha de Honra da Inconfidência, outorgadas pelo Governo do Estado de Minas Gerais. É ainda detentor do Prêmio Mérito Tecnológico ANPEI/98 (Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras) e o Prêmio Melhores de Hoje - Edição 000, promoção do Jornalista Paulo César de Oliveira, Palácio das Artes em 0 de abril de 00. Recebeu Medalha 40 anos da UNIMONTES, pela Universidade Estadual de Montes Claros em 03//0. Priorizar a inovação tecnológica e as parcerias com Universidades e Institutos de Pesquisas no desenvolvimento de novos produtos e processos no mercado de saúde animal, determinou a vitória da Vallée e de Minas Gerais, que conquistou o importante Prêmio Nacional de Inovação Tecnológica 00 na categoria Grandes Empresas. 3

16 3 A 7 DE SETEMBRO DE 03 A Vallée recebeu o prêmio, através do seu Presidente, Dr. Ronan de Freitas Pereira, no dia 7//0, em Brasília - DF, das mãos do Presidente Fernando Henrique Cardoso. Recebeu da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, em 09/05/0, importante homenagem à Vallée S/A, pelo desempenho em suas atividades, na data em que se comemoraram seus 50 anos de Fundação. Na mesma ocasião, recebeu do Governador do Estado, no Palácio da Liberdade, especial distinção com a outorga da Medalha da Inconfidência, condecoração maior do Estado. Além de todas as qualidades e méritos, esta destacada figura humana fez do social e cultural um compromisso cidadão, e da matemática uma ferramenta e um hobby. Por tudo isso, a FACIT - Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros, o homenageia, instituindo a Comenda Ronan de Freitas Pereira para ser concedida, anualmente, ao melhor trabalho apresentado no SINCAL. 4

17 3 A 7 DE SETEMBRO DE MANIPULADOR ROBÓTICO AUTO-GUIADO CUSTÓDIO, Lucas Henrique de Queiroz ; SILVA, João Vitor Pereira da ; SOUZA, Patrícia Fernanda ; SOUSA, Fidel Edson de. Cinemática trata do estudo dos movimentos dos robôs sem considerar as causas que lhes dão origem. Um dos objetivos da mecânica é identificar as forças em um objeto e, então, aplicar a cinemática para determinar o seu movimento. Nessa perspectiva, propomos conhecer e dimensionar os limites de alcance de um braço eletromecânico em ação no plano cartesiano, com base no estudo da cinemática e dinâmica de manipuladores robóticos, diante do exposto, desenvolvemos um protótipo com itens mecânicos, elétricos e eletrônicos, capaz de fazer distinção de cores e de se movimentar de forma autônoma. Tal protótipo possui uma garra robótica que condiciona a manipulação de objetos do meio físico, com isso o robô captura objetos com o braço eletromecânico para depositá-los em determinado local previamente estabelecido. Todo o sistema é comandado por um micro controlador Atmel Atmega 560 6Hz Clock. Podemos perceber que realmente existe uma aplicabilidade para os manipuladores robóticos auto-guiados em indústrias com linha de montagem de equipamentos diversos e em grandes depósitos. Verificamos que isto é possível pelo fato do equipamento ser programado para reconhecer diversos objetos e devido à automação utilizada ser flexível, possibilitando a adaptação a vários processos sem que haja grandes alterações no equipamento, reduzindo assim o custo na produção. Palavras-chave: Cinemática; Manipuladores Robóticos. 5

18 3 A 7 DE SETEMBRO DE RÁDIO DE GALENA LIMA, Kevin Silveira Batista ; OLIVEIRA, Gilmar Vitório ; FERREIRA, Ismael Leite. Através do funcionamento de um rádio rudimentar de Galena, objetivamos demonstrar os princípios físicos de propagação de ondas mecânicas pelo ar e sua utilização para os mais variados fins, entre eles, a transmissão de informações por ondas de rádio. O campo induzido (um fenômeno causado pelas ondas mecânicas existentes no ar) formado pela bobina de cobre possibilita a retenção/captação dessas ondas criando um campo elétrico da ordem de cinco milivolts. Um capacitor variável possibilita a filtragem das ondas presentes no campo induzido o que permite a sintonização das frequências de rádio. Um diodo de galena possibilita que toda essa energia armazenada e filtrada se transforme em som audível. Todo esse sistema não utiliza nenhuma alimentação externa, ou seja, não há nenhuma bateria ou ligação com a rele elétrica. Palavras-Chave: Rádio; Galena; Ondas; Propagação; Sintonia. 6

19 3 A 7 DE SETEMBRO DE PROPAGAÇÃO TÉRMICA: RESFRIAMENTO IDEAL DE UM CORPO ALMEIDA, Bruna Tibo ; CARDOSO; Jéssica Pollyana Mangueira ; LUCAS, Sanne Karoline Carvalho ; SOUSA, Sabrina Silva Mendes de ; VERSIANI, Andressa Paiva ; LOPES, Maximiano Maicon Batista. Em física, transferência, transmissão ou propagação de calor, normalmente citadas como propagação ou transferência térmica, é a transição de energia térmica de um corpo de temperatura mais elevada para um corpo de temperatura menos elevada. Em outras palavras, é a troca de energia calorífica entre dois sistemas de temperaturas diferentes, através da Lei de resfriamento de Newton podemos mostrar como calcular a temperatura de um corpo em um determinado tempo. No projeto, os resultados teóricos serão comparados com o prático, sendo este realizado com dois tipos de corpos diferentes na mesma temperatura (temperatura ambiente), onde será determinada a temperatura após o resfriamento do corpo, a partir dos cálculos teóricos e da prática experimental. O tempo do experimento será o mesmo da apresentação do projeto (dez minutos). Será utilizado um termômetro para definir a temperatura resultante e comparar com o calculo demonstrado. Portanto, será possível demonstrar em poucos minutos como conseguiremos colocar a bebida em temperatura desejada. Palavras-chave: Propagação; Calor; Temperatura; Térmica; Corpo. 7

20 3 A 7 DE SETEMBRO DE APLICAÇÃO DO CÁLCULO DIFERENCIAL NA CINÉTICA QUÍMICA COSTA JÚNIOR, José Venâncio Pereira da ; SANTOS, Lucas Ferreira ; SILVA, Gilmar Duarte ; ARRUDA, Sônia Ribeiro. A Cinética Química estuda a velocidade e o mecanismo das reações químicas, assim como os fatores que a influenciam. Há diversos fatores que influenciam a velocidade das reações químicas, tais como: a concentração dos reagentes e o tempo. Essa relação implica uma equação diferencial ordinária separável para as concentrações das substâncias presentes na reação (tanto reagentes quanto produtos). Visto isso, objetiva-se medir o quão rapidamente um reagente é consumido ou um produto é formado durante a reação. Então, serão utilizadas duas substâncias simples: cromato de dicromato para observar o tempo de reação quando se adiciona ácido e base, e assim, calcular a velocidade dessas reações. Desse modo, torna-se viável compreender como as reações químicas ocorrem na realidade, a velocidade com que os alimentos estragam, a queima das velas, a ferrugem da lataria de automóveis, e também os fatores que as influenciam. Ao observar o cálculo aplicado numa equação diferencial para as concentrações das substâncias, durante uma reação, na qual a velocidade média de uma reação é simplesmente a variação da concentração dividida pelo intervalo de tempo, concluímos que a Cinética Química constitui uma área onde os conceitos do Cálculo ocorrem naturalmente e suas técnicas são importantes para resolver os problemas típicos. Palavras-chave: Cálculo; Cinética Química; Reações Químicas. 8

21 3 A 7 DE SETEMBRO DE TRANSFERÊNCIA DE DADOS POR BLUETOOTH CRUZ, José Henrique Mendes da ; FERREIRA, Renan Phillipe Duarte ; MOTA, Hélder Matheus de Queiroz ; TEIXERA, Yuri Neves ; VIEIRA, Antônio Silvano Dias ; LOPES, Maximiano Maicon Batista. É visível o crescimento da utilização de aparelhos eletrônicos no mundo viabilizando uma melhor e mais rápida troca de informações e de dados. Enviar comandos de um ser humano a um aparelho eletrônico, transferir dados de dispositivo para outro e até manter uma conexão estável entre dois aparelhos sem a utilização de cabos e conexões, tornou-se possível graças a uma tecnologia chamada Bluetooth. A grande utilização dessa tecnologia despertou o interesse em saber como é feita essa comunicação e quais conhecimentos são utilizados para a realização desta. Para explicar o funcionamento dessa comunicação, utilizaremos equações relacionadas à Física a respeito de propagação de ondas e suas intensidades, trabalhando na área de frequências de ondas eletromagnéticas, explicando e exemplificando como elas se propagam, o que as limitam e o que elas podem superar. Para exemplificar a utilização do Bluetooth montaremos um protótipo de um capacete multimídia para utilização em motocicletas. Este possibilitará a interação do motoqueiro com algum aparelho de geoprocessamento e localização ou com um smartphone e, a partir dessa comunicação estabelecida, ele poderá atender e fazer ligações, determinar destinos e rotas ao seu GPS, essa comunicação será possível a partir de um Headset com conexão Bluetooth pareado com um smartphone, assim será dado comandos e esse executados. Tal experiência permitirá demonstrar a funcionalidade do protótipo e as possibilidades e facilidades promovidas pelo Bluetooth. Palavras-Chave: Bluetooth; Conexão; Comunicação. 9

22 3 A 7 DE SETEMBRO DE PRODUÇÃO DE ENERGIA EÓLICA DIFERENCIADA ANTUNES, Francisco José Silva ; ROSA, Felipe Rodrigues Santana ; RUAS, Hebert ; SILVA, Iara Cristina Pereira ; SILVA, José Domingos Pereira da ; LOPES, Murilo Pereira. No Brasil e no mundo, a obtenção de energia eólica ainda é muito cara para os padrões atuais, pois as outras formas de obtenção de energia, principalmente as oriundas dos hidrocarbonetos, ainda têm um custo muito mais baixo e o seu acesso foi democratizado ao longo dos anos. Visto isso, esse projeto apresenta a importância da energia eólica como fonte alternativa de energia no Brasil e no mundo. Ainda, visa estimular o uso dessa energia em grande escala utilizando um sistema parecido com túnel de vento para a alimentação da rede pública de energia elétrica. Para desenvolver tal sistema, utilizamos vários cata-ventos para girar pequenos geradores de energia elétrica que ligados à rede pública de distribuição podem contribuir com matriz energética nacional. Concluímos, através de estudos matemáticos e físicos, que a energia eólica é economicamente viável sim, pelo fato de ser uma energia renovável e, por isso, precisa ser mais utilizada tanto pelo poder público quanto o privado. Palavras chave: Eólica; Energia; Fonte. 0

23 3 A 7 DE SETEMBRO DE PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DE POLPA DE MANDIOCA ASSAD, Ingrid Freitas ; COLARES, Alessandra Oliveira ; ; FERREIRA, Aline Gonçalves ; MUNHOZ, Otavio Luiz Rodrigues ; SILVA, Tathiane Katiuscia Soares da ; PRAZERES, Gilzeane dos Santos Santana. Esse projeto propõe contribuir para a inovação do processo de obtenção de etanol a partir da mosturação de raízes da mandioca. A polpa de mandioca, formada por raízes da mandioca in natura desintegrada e água foi submetida à hidrólise enzimática por 6 horas e, posteriormente, filtrada em filtro a vácuo. Em seguida, a polpa da raiz de mandioca foi utilizada como substrato do processo fermentativo, em diferentes tempos de fermentação e concentração de levedura. A análise das variáveis do processo indicou maior produção de etanol no tempo de fermentação de horas e com uma concentração de leveduras de 8% m/m sendo que a interação, tempo de fermentação e concentração de leveduras, influenciou na produção do etanol. Durante os ensaios do planejamento experimental, foi possível determinar os níveis de variações podendo estimar o erro experimental e determinar a precisão da equação polinomial. Os pontos axiais obtido foram utilizados para a ampliação do modelo linear, tornando-o um modelo quadrático, sendo o valor de α uma função do número de variáveis independentes (k). Foi possível calcular a eficiência da fermentação multiplicando a concentração do etanol produzido por 00%. Ao final do experimento, foi feita uma análise estatística capaz de predizer o comportamento das variáveis dependentes em função das variáveis independentes. A análise de regressão obtida foi ajustada para cada resposta através de um polinômio de segunda ordem com as variáveis explicativa (Xk). A significância do modelo foi testada pela análise de variância. Os resultados obtidos apresentou a polpa de mandioca como promissora matériaprima para a produção de etanol. Palavras- chave: Etanol; Fermentação; Mandioca.

Cursos Técnicos de Mecânica e Eletrônica. Projeto Cata-vento

Cursos Técnicos de Mecânica e Eletrônica. Projeto Cata-vento FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Cursos Técnicos de Mecânica e Eletrônica Projeto Cata-vento Carlos Eduardo Bruxel Bernardo Juchem Becker Marcelo Felipe Veit Thomás Jung Spier 3111/4111

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica.

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Eletricidade e automação A UU L AL A O operário desperta com o toque do rádiorelógio. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Um problema Sai

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

Prof. Sergio Abrahão 17

Prof. Sergio Abrahão 17 DIFERENÇA DE POTENCIAL - DDP (U) (Tensão Elétrica) Vamos aqui definir diferença de potencial (d.d.p) ou tensão elétrica de duas maneiras. O de forma científica utilizará aquela adotada por Tipler em que

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha. Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica. Energia Alternativa

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha. Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica. Energia Alternativa Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica Energia Alternativa Fernanda Silva Izabel Campos Leonardo Franco Rodrigo Wilhelm INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

VII CAMPEONATO INFANTIL DE FUTEBOL SOÇAITE DO MAXMIN CLUBE EQUIPE: EXPOMIX

VII CAMPEONATO INFANTIL DE FUTEBOL SOÇAITE DO MAXMIN CLUBE EQUIPE: EXPOMIX EQUIPE: EXPOMIX CATEGORIA: INFANTO 1 VITOR IAN 14 2 PEDRO HENRIQUE SATLER 14 3 LUCAS HENRIQUE R. GUEDES 15 4 WELLINGTON BENTO 15 5 GUSTAVO VEO GUSMÃO 14 6 SAMUEL LOPES TOLEDO 14 7 VINICIUS TADEU SILVEIRA

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo REVISÃO ENEM Prof. Heveraldo Fenômenos Elétricos e Magnéticos Carga elétrica e corrente elétrica. Lei de Coulomb. Campo elétrico e potencial elétrico. Linhas de campo. Superfícies equipotenciais. Poder

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo 1 Congresso sobre práticas inovadoras na educação em um mundo impulsionado pela tecnologia Workshop: Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo Palestrante: João Vilhete Viegas d'abreu Núcleo

Leia mais

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos Curso de Física Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina Sumário 1. O Poder das Pontas; 2. Blindagem eletrostática; 3. Capacitores e suas aplicações; 4. Resistores; 5.

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

CURSO TURNO NOME DO ALUNO CLASSIFICAÇÃO STATUS ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA noturno ANA CLÁUDIA ARAUJO DA MOTA 0 Desclassificado ENGENHARIA

CURSO TURNO NOME DO ALUNO CLASSIFICAÇÃO STATUS ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA noturno ANA CLÁUDIA ARAUJO DA MOTA 0 Desclassificado ENGENHARIA CURSO TURNO NOME DO ALUNO CLASSIFICAÇÃO STATUS ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA noturno ANA CLÁUDIA ARAUJO DA MOTA 0 Desclassificado ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA noturno ANDRÊSSA CAIXETA SOUZA 0 Desclassificado

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Projeto de Energia Eólica

Projeto de Energia Eólica Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica Projeto de Energia Eólica Bruna Togni de Oliveira (02) e Douglas da Silva Vallada (10) Gabriel

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA - 2013. Plano de Ensino

GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA - 2013. Plano de Ensino Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS Turma: A / B / C / D /E SÉRIE/ANO: 8ª / 9º Turno: MATUTINO Bimestral: 1º / 2º / 3º / 4º Anual: 2013 Professor: MÁRIO CÉSAR CASTRO E-mail:

Leia mais

Documentação do Projeto Eletrônica Básica em Escolas Públicas de Brasília

Documentação do Projeto Eletrônica Básica em Escolas Públicas de Brasília Documentação do Projeto Eletrônica Básica em Escolas Públicas de Brasília Cliente: Escolas Públicas de Brasília. Ramo Estudantil do IEEE da Universidade de Brasília IEEE Brasília, 01 de fevereiro de 2012.

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Projeto Energia Eólica

Projeto Energia Eólica Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Cursos Técnicos em Eletrônica e Mecânica Projeto Energia Eólica Carolina Salvadori 3111 Felipe Gustavo Colombo 4111 Paloma Oliveira Batista 4111

Leia mais

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO Jessica Garcia Luz, Wyllian Fressatti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil jessica.garcia.luz@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Programação. Dia 31/05 1º período do curso de Engenharia de Computação

Programação. Dia 31/05 1º período do curso de Engenharia de Computação Programação Dia 31/05 1º período do curso de Engenharia de Computação 1ª PALESTRA DO DIA: 19h As perspectivas mercadológicas na era da Tecnologia da Informação para Utilização de Software nas Empresas

Leia mais

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Tânia observa um lápis com o auxílio de uma lente, como representado nesta figura:

Tânia observa um lápis com o auxílio de uma lente, como representado nesta figura: PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 0 Tânia observa um lápis com o auxílio de uma lente, como representado nesta figura: Essa lente é mais fina nas bordas que no meio e a posição de cada um de seus focos está indicada

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Eletrônica

Conceitos Fundamentais de Eletrônica Conceitos Fundamentais de Eletrônica A eletrônica está fundamentada sobre os conceitos de tensão, corrente e resistência. Podemos entender como tensão a energia potencial armazenada em uma pilha ou bateria

Leia mais

Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel.

Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel. Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel. Aluno: Claudecir Ricardo Biazoli, RA: 038074. Orientador: Fernando Iikawa Sumário: 1- Introdução 3 2- Importâncias didática

Leia mais

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s SIMULADO DE FÍSICA ENSINO MÉDIO 1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s 2) Um avião voa com velocidade constante

Leia mais

NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL RÁPIDAS DO CES

NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL RÁPIDAS DO CES NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL RÁPIDAS DO CES Os 365 exemplares de livros adquiridos pelo CES-CL para o curso de Engenharia Elétrica já foram entregues e estão passando

Leia mais

Atividade 1. Dispositivo que transforma alguma modalidade de energia em energia potencial elétrica.

Atividade 1. Dispositivo que transforma alguma modalidade de energia em energia potencial elétrica. Atividade 1 1) PROBLEMATIZAÇÃO: Se observarmos uma lanterna, um rádio ou alguns tipos de brinquedos, perceberemos que estes aparelhos só funcionam enquanto estão sendo alimentados por uma fonte de energia

Leia mais

ANÁLISE DE ESTABILIDADE DO STACKER RECLAIMER

ANÁLISE DE ESTABILIDADE DO STACKER RECLAIMER ANÁLISE DE ESTABILIDADE DO STACKER RECLAIMER Autor: ROCHA, Aline Fernandes; QUINTAO, Luciano de Oliveira; FONSECA, Petruska de Mello; MENDES, Tatiana Maria. Orientador: HABIBE, Alexandre Fernandes. Máquinas

Leia mais

Projeto Escola Solar

Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Por Walder Antonio Teixeira Introdução O que vem a ser uma Escola Solar? Demos o nome de Escola Solar para o nosso projeto, pois utilizamos a prática com energia

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 46 Samuel Souza Evangelista 130 104 Jussara Cândida Soares Desclassificada 45 Bruno José Rupino 130 61 Fabiana Grigógio

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

Processo seletivo - Programa Aprendiz CSN - Maio 2015 Selecionados - curso Mecânica Próxima etapa: Dinâmica de Grupo e Entrevista

Processo seletivo - Programa Aprendiz CSN - Maio 2015 Selecionados - curso Mecânica Próxima etapa: Dinâmica de Grupo e Entrevista ABRAHAO JUNIOR DE SOUZA PEREIRA ALAN SILVA DE ASSIS ALEXANDRE DE SOUZA PEREIRA FILHO ALYSSON DA COSTA ESTEVES ANA CLARA SILVA CABRAL ANDRE DA SILVA VIEIRA JUNIOR ANDRE LUIZ DE OLIVEIRA DOMINGOS ARTHUR

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

Projeto Gerador Eólico. Lucas Barros de Assis /Jácson de Oliveira Miguel Schuh Alles / Nathan Silveira Schneider

Projeto Gerador Eólico. Lucas Barros de Assis /Jácson de Oliveira Miguel Schuh Alles / Nathan Silveira Schneider Projeto Gerador Eólico Lucas Barros de Assis /Jácson de Oliveira Miguel Schuh Alles / Nathan Silveira Schneider Justificativa O Brasil é rico em correntes de vento. Fonte infinita. Água tende a não ser

Leia mais

PROJETO GERADOR EÓLICO

PROJETO GERADOR EÓLICO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA PROJETO GERADOR EÓLICO RAFAEL RODRIGUES DOS SANTOS, 29 (3123) BRUNNO ALVES DE ABREU, 4 (4123)

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto de Pesquisa da Primeira Série Série: Primeira Curso: Eletrotécnica Turma: 2123 Sala: 234 Início: 17 de junho de 2009 Entrega: 17 de julho

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Candidato Curso Turno Classificação Status Análise Data da Agenda Hora ANA CLAUDIA DE SOUSA. Em processo de análise diurno 1 INFORMAÇÃO

Candidato Curso Turno Classificação Status Análise Data da Agenda Hora ANA CLAUDIA DE SOUSA. Em processo de análise diurno 1 INFORMAÇÃO Candidato Curso Turno Classificação Status Análise Data da Agenda Hora ANA CLAUDIA DE SOUSA GABRIEL FERNANDES CYRINO GISNEI RIBEIRO CAMPOS GUILHERME MAGALHÃES SOMMERFELD JOÃO EDUARDO MACHADO JOYCE LORENA

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015.

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015. Certifico que, Ademir dos Santos Ferreira, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Certifico que, Almir Junio Gomes Mendonça, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Engenheiro

Leia mais

Volume 6 eletricidade

Volume 6 eletricidade Volume 6 eletricidade Vídeo 37.1 Vídeo 37.2 Vídeo 37.3 Capítulo 37 Cristais e Baixas Temperaturas Supercondutores a baixas temperaturas permitem a levitação de materiais magnéticos. Confira! Modelos de

Leia mais

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE INTERFACE CÉREBRO COMPUTADOR E SUA UTILIZAÇÃO EM DISPOSITIVOS ROBÓTICOS

UM ESTUDO SOBRE INTERFACE CÉREBRO COMPUTADOR E SUA UTILIZAÇÃO EM DISPOSITIVOS ROBÓTICOS UM ESTUDO SOBRE INTERFACE CÉREBRO COMPUTADOR E SUA UTILIZAÇÃO EM DISPOSITIVOS ROBÓTICOS Guilherme Rodrigues Ribeiro¹, Wyllian Fressatti¹, José de Moura Júnior¹ 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Calendário de PROVA FINAL - 2º /2011

Calendário de PROVA FINAL - 2º /2011 Dia: 14/12/2011 (QUARTA-FEIRA) Introdução à Metodologia Física Experimental I 2º Período e 2º Período de Engenharia de Produção 2º Período Engenharia Química, 2º Período Engenharia de Controle e Automação,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RASTREAMENTO DE MOTOCICLETAS ORIENTADOR:

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 03: Efeitos da corrente elétrica sobre um fio material; Carga e descarga

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM Acácio Silveira de Melo (UFCG); Adriano dos Santos Oliveira (UFCG); Filipe da Costa Silva (UFCG), Francinildo Ramos de Macedo (UFCG),

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA JARAGUÁ DO SUL

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia 2640 RD.2013/2 11/09/2013 ACÁCIA TROTA 2013/09.00879 Universidade Federal de Minas Gerais 2666 RD.2013/2 12/09/2013 AILTON BATISTA JUNIOR Ciências Contábeis 2013/09.00916 Universidade Federal de Minas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015 O Sesc em Minas comunica a relação nominal com as notas da prova ocorrida entre os dias 07/06/2015 à 14/06/2015 Considerando o que está previsto no subitem 5.1.3.1 do Descritivo

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

Horário: 2015.1 (1º Semestre)

Horário: 2015.1 (1º Semestre) Horário: 2015.1 (1º Semestre) 07:10/08:00 08:00/08:50 08:50/09:40 Física I (ta) (Calouros) AVGA (ta) Cálculo dif. E int. I Cálculo dif. E int. I Ciência do ambiente AVGA (ta) Cálculo dif. E int. I Cálculo

Leia mais

Ramo Estudantil IEEE UnB. Projeto Ensino de Eletrônica para Jovens

Ramo Estudantil IEEE UnB. Projeto Ensino de Eletrônica para Jovens Ramo Estudantil IEEE UnB. Projeto Ensino de Eletrônica para Jovens IEEE IEEE - Institute of Electrical and Electronic Engineers colabora no incremento da prosperidade mundial, promovendo a engenharia de

Leia mais

CLASSIFICADOS. Grupo C 10 100721 MARIA EDUARDA ROCHA VALENTE DA SILVA QUÍMICA INFORMÁTICA

CLASSIFICADOS. Grupo C 10 100721 MARIA EDUARDA ROCHA VALENTE DA SILVA QUÍMICA INFORMÁTICA 1 101208 IAGO IGNACIO BOTELHO E SILVA INFORMÁTICA ELETRÔNICA 2 101041 THAYANA XAVIER LUCERO ELETRÔNICA QUÍMICA 3 100746 ARTHUR MOREIRA RAMOS 4 100083 LECTICIA VIANNA LEAL SOARES BESSA MECATRÔNICA MECÂNICA

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

LOCAL: Auditório CEAM- O candidato deve pegar um transporte alternativo e pedir ao motorista que o deixe no CEAM que fica logo após o Porto Itaguaí

LOCAL: Auditório CEAM- O candidato deve pegar um transporte alternativo e pedir ao motorista que o deixe no CEAM que fica logo após o Porto Itaguaí DINÂMICA DE GRUPO DIA: 11/08/2008 CARGO: APRENDIZ I - Operação Portuária 1. Aline Aparecida Ramos Muniz 2. Carla Cristina Gonçalves Silva 3. Carolina de Sousa 4. Douglas Leite Cardoso 5. Erick Rodrigo

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide - SEPesq UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide 1. Introdução Diego Augusto de Jesus Pacheco Giovani Geremia Segundo Vargas (2012) é perceptível que uma

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

Suporte de engenharia para o dimensionamento de sistemas de acionamento eletro-hidráulicos.

Suporte de engenharia para o dimensionamento de sistemas de acionamento eletro-hidráulicos. Suporte de engenharia para o dimensionamento de sistemas de acionamento eletro-hidráulicos. Suporte de engenharia. Elaborar um projeto de sistemas de acionamento eletro-hidráulico exige uma perfeita sintonia

Leia mais

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana A energia empreendida no processo de floração se equivale a energia empreendida no processo de "secagem" das flores?

Leia mais

AMANDA COSTA DE MORAIS

AMANDA COSTA DE MORAIS O Programa de Educação Tutorial (PET) do curso de Administração da UFMG certifica que o(a) aluno(a) AMANDA COSTA DE MORAIS participou da 7ª Discussão Temática Diversidade e inovação: cultura empreendedora

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIPPG Coordenadoria de Pesquisa e Estudos Tecnológicos COPET RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

EDITAL Nº 150, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSISTAS DO PRONATEC RESULTADO 11 CAMPUS BAMBUÍ - RETIFICADO

EDITAL Nº 150, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSISTAS DO PRONATEC RESULTADO 11 CAMPUS BAMBUÍ - RETIFICADO EDITAL Nº 150, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSISTAS DO PRONATEC RESULTADO 11 CAMPUS BAMBUÍ - RETIFICADO LISTAGEM DE CLASSIFICADOS: Município: Nome do curso: Código da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá Trabalho de Conclusão de Curso Análise comparativa entre os aquecedores solares industrial

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

FAETEC 2014.1 - Edital de Vagas Remanescentes. 2a Reclassificação

FAETEC 2014.1 - Edital de Vagas Remanescentes. 2a Reclassificação Seleção: Ensino Técnico de Nível Médio na forma articulada: integrada Unidade Escolar: ETE Adolpho Bloch Curso: Hospedagem Turno: Diurno 15 16 17 18 19 20 21 39430 40423 40708 42151 42191 42949 43655 2522302

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

Proposta de Trabalho para a Disciplina de Introdução à Engenharia de Computação PESQUISADOR DE ENERGIA

Proposta de Trabalho para a Disciplina de Introdução à Engenharia de Computação PESQUISADOR DE ENERGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA E INSTITUTO DE INFOMÁTICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Bruno Silva Guedes Cartão: 159033 Proposta de Trabalho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

Processo Seletivo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Mestrado Profissional - Turma 2016

Processo Seletivo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Mestrado Profissional - Turma 2016 RESULTADO DAS INSCRIÇÕES Mestrado Profissional - Turma 2016 GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS HÍDRICOS Insc 1 LAÍS LIMA AMBROSIO DEFERIDA 2 CAROLINE DE MENDONÇA EMMERICK DEFERIDA 3 FELIPE DE SOUZA CRUZ DEFERIDA

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36 Sumário Parte 1 CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2 1. Eletrização por atrito. Noção de carga elétrica, 2 Leitura A série triboelétrica, 4 2. Princípios da Eletrostática,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais