LogWeb A multimídia a serviço da logística

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LogWeb A multimídia a serviço da logística"

Transcrição

1 J O R A L LogWeb E D I Ç Ã O º A multimídia a serviço da logística Publicação itegrate do portal ão Paulo Alpargatas etrega Prêmio A ão Paulo Alpargatas realizou, o dia 12 de março último, a etrega do prêmio Mais, Melhor, Mais imples e Mais Rápido. O prêmio foi destiado às empresas de trasporte que, o ao de 2002, atigiram a potuação preestabelecida pela compahia através de um regulameto itero, cujo objetivo pricipal é elevar o ível da prestação de serviço, bem como fortalecer a parceria etre ambos. (Págia 4) WM LogOe traz ao Brasil o roteirizador Roadet A LogOe Tecologia, especializada em sistemas e soluções para o mercado de logística, está trazedo ao Brasil o Roadet 5000, um software de roteirização desevolvido pela orte-americaa UP Logistics Group. O roteirizador será implemetado o Brasil em parceria com a Routig ystems, que atua a distribuição, implemetação e desevolvimeto de soluções para logística de distribuição. (Págia 7) Bob s faz parceria para reduzir custos com logística Visado otimizar o seu sistema de distribuição e gahar rapidez a etrega de matéria-prima por todo o País, o Bob s acaba de fechar um cotrato de exclusividade com a TGB, empresa especializada em trasporte para fast-food. A ova parceria elimiou o sistema de distribuição da rede, que trabalhava com coleta fracioada para as regiões orte e ordeste e vários forecedores de frete. (Págia 5) Por que usar? Quais os beefícios? O WM é uma poderosa ferrameta estratégica para o gereciameto de Almoxarifados, Depósitos, Armazés ou Cetro de Distribuição. Mas, para auferir de seus beefícios, algus potos precisam ser cosiderados, já o mometo da avaliação de seu emprego. (Págia 8) Grupo Raya atede Xerox e Bradesco O Grupo Raya de logística itegrada foi o escolhido pela Xerox para abrigar e admiistrar o seu site de impressão de dados variáveis. A partir de agora, cotas, extratos, malas diretas e outros documetos impressos pela Xerox para seus diversos clietes passam a ser produzidos e expedidos a sede da Raya, o Rio de Jaeiro. O Grupo também atede a Bradesco eguros, o Uibaco e a C&A. (Págia 7) Há ovas opções em comuicação sem fio Uma ovidade está chegado ao mercado de automação comercial. Trata-se do coversor R232/Bluetooth, uma ova tecologia de trasmissão de odas de rádio de alta freqüêcia, com padroização em camadas de protocolo, que, de acordo com Romeu de ousa Jr., diretor da axos Tecologia, que está dispoibilizado este equipameto, tora-se uiversal, tem baixo cosumo de eergia e custo 70% iferior a uma solução similar. (Págia 6) ovo projeto de esteira a Volkswage Resultado da parceria etre a área de Egeharia de Maufatura, Pitura e Motagem da Volkswage e a Itralox/Lauft, está sedo utilizada, a liha de motagem fial do VW Polo, em ão Paulo, um ovo tipo de esteira trasportadora, em plástico. Iédito em termos mudiais, o ovo equipameto chamou a ateção das demais fábricas do grupo, tato que a VW de Haover adquiriu duas uidades para a liha de motagem da perua T5. (Págia 12) Ageda... págs. 2-3 Associações... pág. 4 Livros... pág. 14 Iteret... pág. 15 Artigo... pág. 15 Catálogos... pág. 15 Este joral e outras iformações também estão o portal

2 2 LogWeb EDIÇÃO 13 / Editorial Logística: um caso de amor e ódio T ambém logística é aquilo, é: ou ama-se ou odeia-se... Esta frase, dita-me hoje por uma colega joralista aliás, excelete profissioal - retrata bem o setor: algus estão evolvidos com a logística porque, simplesmete, precisam sobreviver, ou seja, trabalhar, e em sempre há uma relação de amor estes casos. Outros, estão a área porque, aliado prazer e trabalho, amam realmete a logística. Este é perfil do leitor do joral LogWeb, a julgar pelos s e outras formas de correspodêcia que recebemos. O osso leitor está sempre procurado algo mais o setor, é ávido por otícias e também quer participar do joral. Amor também pela logística é o perfil dos profissioais que fazem o joral, grade parte deles com loga vivêcia esta área. Talvez este seja o motivo para explicar a grade empatia que há etre os que produzem o joral e o portal LogWeb e os ossos leitores: uma relação de pessoas que gostam do que fazem, amam realmete o logística, o setido de tirar dela o prazer de realizar um bom trabalho. Façamos etão um icremeto esta relação, matedo firme este cotato, esta troca de iformações, etre ós do joral e o mercado. os comprometemos a mater o mercado sempre bem iformado do que ocorre o mudo da logística, saciado a fome dos ossos leitores em estarem bem iformados. Publicação mesal, especializada em logística, do Portal LogWeb Redação, Publicidade, Circulação e Admiistração: Av. Pedroso de Morais, 608 Cj. 32 Piheiros CEP ão Paulo P Foe: (11) Foe e Fax: (11) Waderley G. Goçalves - Editor LogWeb otícias Editor Waderley G. Goçalves (MTB 12068) Marketig José Luíz ammur Valéria Lima Comercial Deivid Roberto atos Atedimeto Júlia Ferades Goçalves Web Desiger Eduardo Egashira Os artigos assiados ão expressam, ecessariamete, a opiião do joral. Poto de Vista Que delícia de guerra A ossa, pelo meos é uma delícia mesmo. os dias, vamos àquela batalha árdua, para coquistarmos mais uma vitória a guerra da vida. Fazemos um plao com uma logística perfeita, para ão perdermos o tempo precioso de ossos dias. Escolhemos as melhores armas dispoíveis o mercado, para efretarmos ossos adversários, sempre protos para revidar ao meor sial de que estariam perdedo terreo esta guerra. Por isso, temos que covocar os melhores homes para que possam lutar do osso lado e, aida, as melhores cabeças para poder pesar as estratégias. E mais, as máquias mais moderas e fortes para trasportar o osso produto fial, ão esquecedo jamais o local estratégico para colocar e distribuir o que produzimos. Etão é assim. E é assim que coseguimos coquistar diariamete um pouco mais os ossos objetivos, lutado pelo pão osso de cada dia, sempre os fazedo acreditar que, com um trabalho bem plaejado, um marketig bem estudado, um veículo competete, chegaremos sempre vitoriosos e a frete de todos. Etre essa guerra. A da vida. Deixe as outras para quem ão sabe distiguir o amor de uma mãe que perde o seu filho de uma bomba que mata gete. José Luíz ammur Marketig LogWeb Para auciar o LogWeb Etre em cotato com osso departameto comercial: Tels: (11) e (11) Ed.: Av. Pedroso de Morais, cj. 32 Piheiros CEP ão Paulo - P. Palavra do Leitor Gostaria de parabeizar toda equipe pelo aiversário deste ótimo veículo. Vaessa Medeiros Qualitymark Editora Acompahamos com todo iteresse a trajetória do LogWeb otícias desde a sua fudação, há 12 meses. esse período, pudemos observar atetamete o desevolvimeto do seu trabalho, aliado competêcia, dedicação e, algumas vezes, sacrifício. Estamos covecidos de que a equipe atigiu seus pricipais objetivos, prestado importate cotribuição para o osso segmeto, através da qualidade da publicação. Ao comemorarmos jutos o 1º aiversário do LogWeb otícias, cumprimetados a diretoria e todos os colaboradores do joral, augurado votos de grades coquistas, ao mesmo tempo em que agradecemos o apoio prestado à ossa empresa. Odilo Bradão Melo Di-Ci Logística Armazeagem e Trasporte Gostaria muito de parabeizar toda a equipe do joral, pois em todos os setidos a ota merecida é dez. A apresetação, a diagramação, o coteúdo, efim tudo está um espetáculo. Hilto Vieira Aquio etpremium Corretora e Cosultoria de eguros LogWeb ovos Assiates Brasif Duty Free hop... P Camargo Corrêa Metais. PA CBTG... RJ Cesar Diiz Cargo... P Cia. Jauese Idl.... P Cofrota... P CI Cargo... PR Delphi Automotive... P Doux Fragosul... R Eliae Argamassa... PE Exel Logistics... BA Express Vale... P Gepco... P IOPO Ecoomia... PR Jarschel... C Martis Embalages... P Maurao & Maurao... P Omilik Tecologia... P Palopoli Assessoria... C Prospect Cosultoria... RJ Trasluze Trasportes... AL Maio 2003 Feiras LOGIVALE 2003 II impósio e Feira de Logística e Comércio Exterior do Vale do Paraíba Período: 21 e 22 de maio Local: ão José dos Campos, P Realização: aquimgr1000 Iformações: Foe: (19) Cursos Gratuítos Idetificação Eficiete de Produtos através do istema EA UCC Período: 6 de Maio Idetificação Avaçada Aplicado o istema EA.UCC Período: 6 de Maio Fudametos de Logística Itegrada Período: 7 de Maio Gereciameto da Cadeia de uprimetos através do istema EA UCC Período: 7 de Maio Práticas de E-Commerce e EDI Período: 8 de Maio Reposição Eficiete: VMI e RMI Período: 20 de Maio Automação de Processos da Micro e Pequea Empresa Período: 21 de Maio Plaejado a Automação do Varejo Período: 22 de Maio Local: P Realização: EA Brasil Iformações: Foe: (ligação gratuita) Cursos Pagos Gestão de Trasportes e Distribuição Período: 5 e 6 de Maio Local: P - Realização: Ceteal Iformações: Foe: (11) Gerêcia de Custos Logísticos Período: 7 e 8 de Maio Local: RJ - Realização: Coppead Iformações: Foe: (21) Técicas e Métodos de eparação de Pedidos Período: 8 de maio Local: P - Realização: IMAM Iformações: Foe: (11)

3 EDIÇÃO 13 / 2003 LogWeb 3 Maio 2003 Logística de Distribuição e Trasporte Período: 8, 13 e 15 e 20 de maio Local: Recife, PE Realização: Focus-Trigueiro Iformações: Foe: (81) Logística Empresarial Período: 10 de Maio Local: P - Realização: Rodipa Iformações: Foe: (11) A Logística o erviço ao Cliete Período: 13 de Maio Local: P - Realização: Ceteal Iformações: Foe: (11) Gestão Estratégica dos Trasportes Período: 14 e 15 de Maio Local: RJ - Realização: Coppead Iformações:www.cel.coppead.ufrj.br Foe: (21) Gestão de Estoques Período: 14 e 15 de Maio Local: P - Realização: IMAM Iformações: Foe: (11) Admiistração de Materiais e das Compras Visão Logística Período: 17 de Maio Local: Recife, PE Realização: Focus-Trigueiro Iformações: Foe: (81) Orgaização e Admiistração dos Almoxarifados Período: 19 e 20 de Maio Local: P - Realização: Elimar Iformações:www.elimarcosult.com.br Foe: (11) Gestão de Trasporte de Produtos Químicos Período: 19 e 20 de Maio Local: P Realização: Iteração Ambietal Iformações: Foe: (21) Formação Básica para Almoxarifes Período: 19 a 23 de Maio Local: P - Realização: Elimar Iformações:www.elimarcosult.com.br Foe: (11) Gestão de Estoques a Cadeia de uprimeto Período: 21 e 22 de Maio Local: RJ - Realização: Coppead Iformações:www.cel.coppead.ufrj.br Foe: (21)

4 4 LogWeb EDIÇÃO 13 / Trasporte Alpargatas etrega prêmio A ão Paulo Alpargatas realizou, o dia 12 de março último, o Espaço Promo, em ão Paulo (P), a etrega do prêmio Mais, Melhor, Mais imples e Mais Rápido. Em sua terceira edição, o prêmio foi destiado às empresas de trasporte que, o ao de 2002, atigiram a potuação preestabelecida pela compahia através de um regulameto itero, cujo objetivo pricipal é elevar o ível da prestação de serviço, bem como fortalecer a parceria etre ambos. Os parâmetros que serviram de avaliação foram: iistralidade, Acuracidade de Etregas, Auditorias as Trasportadoras, Atedimeto e Ocorrêcias. A primeira colocada recebeu um troféu e o certificado de Trasportador Preferecial, equato os demais participates receberam o certificado de Trasportador Qualificado. Em primeiro lugar ficou a Patrus Trasportes. Como Trasportador Qualificado, gaharam: Mira Trasportes, Jamef Trasportes, Rapidão Cometa, Displa Ecomedas, Trasportadora Tego Valeti e Over Fast Trasporte & Logística. Movimetação de cargas Movicarga amplia serviços em Campias E specializada em movimetação de cargas e plaejameto de logística em fábricas e evetos, a Movicarga está ampliado os serviços oferecidos pela sua uidade de egócios localizada em Campias, P, a qual tem dado amplo apoio operacioal à movimetação de equipametos para o Grade Prêmio Brasil de Fórmula 1 - há 12 aos, a Movicarga é resposável pela operação logística da corrida que acotece, aualmete, em Iterlagos, em ão Paulo. egudo cota imoe Barbosa, recém-omeada gerete daquela uidade, acabamos de reativar as atividades de ossa oficia a reforma de máquias. Estamos readequado e vamos aproveitar a área de metros quadrados que dispomos para mauteção e para locação de espaço para armazeagem de produtos e imoe: Uidade de Campias também vai oferecer soluções para os clietes com o estoque cheio outras opções de serviços que apresetam soluções operacioais e comerciais para os clietes com o estoque cheio. imoe cita um exemplo de armazeagem realizada aquelas istalações: cerca de 2000 peus, que foram utilizados o Grade Prêmio Brasil de Fórmula 1 em 1999 e 2000, ficaram o galpão da uidade. O objetivo da Movicarga é ampliar os atuais serviços e o raio de ação da Uidade de Campias, resume a ova gerete, que supervisioa o atedimeto a 22 empresas a região icluido Beteler, Compahia Brasileira de Alumíio, Delaval, GE Dako, Copersucar, Kraft Foods, Fermetos Fleischma, Allevard Molas, Commscope Cabos, Esmea do Brasil, Italtractor, ata e Termial Químico de Aratú -, somado uma frota de 72 empilhadeiras. Prêmio da ECR icetiva a pesquisa de soluções para o varejo Já estão abertas as iscrições para o 3º Prêmio ECR de Pesquisa, que irá selecioar os melhores trabalhos acadêmicos com soluções que cotribuam para aumetar a eficiêcia da cadeia de abastecimeto, tedo como base o ECR - Efficiet Cosumer Respose, ou Resposta Eficiete ao Cosumidor. Promovido pela Associação ECR Brasil, o prêmio faz parte do coceito da etidade de torar acessível às uiversidades os cohecimetos obtidos por meio dos trabalhos por ela desevolvidos, evolvedo estudates e professores em estudos que avaliem o atual estágio da cadeia de abastecimeto, bem como propor soluções e iovações para os problemas aida existetes o relacioameto etre idústria e comércio. A ficha de iscrição está dispoível o site E os trabalhos devem ser eviados até o dia 4 de julho em duas vias, acompahados do formulário de iscrição e de um disquete com o texto. Edereço para postagem do trabalho: Associação ECR Brasil, Av. Diógees Ribeiro de Lima, adar - Alto da Lapa - ão Paulo, P Especialista em trasportes estará o Cogresso da ABML O professor orte-americao Chelsea Chip White III já está cofirmado como pricipal palestrate do V Cogresso Iteracioal da ABML, eveto que estará ocorredo os dias 15 e 16 de outubro, em ão Paulo. White é chefe da cadeira de Trasporte, Logística Idustrial e Egeharia de istemas do Istituto de Tecologia da Georgia Tech, uiversidade dos EUA coceituada mudialmete como cetro de esio, pesquisa e desevolvimeto da logística. Ele é doutor em Tecologia da Iformação e Egeharia de Cotrole pela Uiversidade de Michiga e coferecista requisitado iteracioalmete. Juto com o cogresso será realizada a Expo 2003, que este ao terá como ovidade as células de soluções, ode cada expositor terá como foco soluções para problemas do diaa-dia das empresas do setor de logística e movimetação. E, como já se torou tradição, o cogresso será ecerrado com a etrega do IV Prêmio ABML de Logística às empresas que mais se destacaram em 2002 em termos de soluções logísticas. O prêmio ão tem patrociadores e seu júri é composto exclusivamete por acadêmicos e pesquisadores do campo logístico.

5 EDIÇÃO 13 / 2003 LogWeb 5 Distribuição Bob s faz parceria para reduzir custos com logística V isado otimizar o seu sistema de distribuição e gahar rapidez a etrega de matéria-prima por todo o País, o Bob s acaba de fechar um cotrato de exclusividade com a TGB, empresa especializada em trasporte para fast-food. egudo Marcelo Dias Ribeiro, gerete de compras e suprimetos do Bob s, a ova parceria elimiou o atigo sistema de distribuição da rede, que trabalhava com coleta fracioada para as regiões orte e ordeste e vários forecedores de frete, permitido baixar os custos. Ates, as uidades o Rio de Jaeiro e em ão Paulo já usavam os serviços da TGB, equato que as do ul e do Cetro-Oeste se utilizam da Coopercargas e o ordeste e o orte, cada fraqueado tiha a sua própria solução. Cosiderado que uma rede deve ter uma logística homogêea, partimos para esta parceira com a TGB, também visado democratizar a empresa, dar os mesmos direitos das uidades do Rio de Jaeiro e de ão Paulo a todas as outras usar um trasporte especializado para distribuição de alimetos, cotado com pessoas treiadas e camihões próprios para esta fialidade, explica Ribeiro. Ele diz que, hoje, utilizado camihões dedicados ao Bob s, foi possível democratizar toda a rede em termos de Acordo trará ecoomia de cerca de R$ 450 mil por ao custos há, agora, uma cota acioal de frete com um úico forecedor, trazedo beefícios de custo que acabaram sedo repassados para os fraqueados mais sacrificados, loge dos Cetros de Distribuição. Ou seja, está sedo possível gerar o crescimeto da rede as regiões fora do eixo Rio - ão Paulo pela dissolução dos custos de trasporte. O acordo trará ecoomia de 20%, em toro de R$ 450 mil por ao, para o Bob s. Por outro lado, o ivestimeto iicial da TGB a frota do Bob s é de R$ 2,5 milhões. Operador Logístico Ribeiro cotiua explicado que os forecedores do Bob s etregam os produtos diretamete os CDs da FBD operadora logística do Bob s, que faz a programação, armazeagem e expede as mercadorias, icluido o cotrole da etrega, etre outras atividades. A FBD cota com dois cetros de distribuição. Um fica o Rio de Jaeiro, e abastece todo o Estado do Rio, Mias, Espírito ato e regiões ordeste e orte, sedo o maior deles, com distribuição de toeladas de matéria-prima por mês para a rede. O outro está localizado em ão Paulo, e atede a todo o estado, além das regiões ul e Cetro-Oeste, com distribuição de 500 toeladas/mês para as lojas Bob s. Os camihões que suprem o sudeste são refrigerados e têm capacidade de 12 toeladas. Os do restate do país são para carga seca e suportam 15 toeladas cada um. Assim, a TGB passa a dispoibilizar os camihões a ível acioal, que circularão com rotas regulares e serão caracterizados com a logomarca do Bob s. Como resultado da parceria, o Bob s também passa a gahar maior cotrole a logística de etrega de mercadorias, aumetado a freqüêcia as rotas de viagem e proporcioado garatia da etrega os dias programados, possibilitado às lojas reduzir seus íveis de estoque. Passamos a cotar com um maior cotrole e com camihões rastreados, o que permite que o fraqueado saiba em tempo real ode está o camihão com a sua carga. Assim, temos um melhor cotrole, ao passo que, ates, ão sabíamos em quem era o trasportador. Agora, cada fraqueado sabe em que dia e que hora estará recebedo a mercadoria, podedo preparar a compra baseado estes dados. Além disso, ele ão precisa mais mater estoque de seguraça. Isto sem cotar que terá a sua disposição camihões dedicados, todos ovos, fializa Ribeiro. Equipameto il laça trator-rebocador C em por ceto costruído o Brasil, o trator-rebocador mooeixo que está sedo laçado pela il Idústria de Máquias e Equipametos é próprio para o trasporte de materiais e possui cabia dotada de sistema de ar codicioado, com reovação de ar por filtro de carvão ativado. Opera através de propulsor a combustão de dois cilidros, as versões Diesel e GLP, que alimeta um cojuto hidráulico de tração, possibilitado que o mesmo gire o local. egudo iformações da empresa, o comado é por joystick e o seu custobeeficio é meor por possuir apeas duas rodas. Em operação, seu terceiro poto se dá através de um egate hidráulico, podedo ser acoplado a qualquer tipo de carreta, por meio de egate fixo. Além disso, pode se locomover apeas com duas rodas, por possuir um cotrapeso abaixo do eixo, possibilitado que o mesmo se equilibre. É forecido em versões com capacidade de arraste de 10 a 90 toeladas, em rampa de 18º, apresetado altura de 1690, 1810 ou 2200 mm, largura de 1550, 1615 ou 1890 mm e comprimeto de 1050, 1205 ou 1390 mm.

6 6 LogWeb EDIÇÃO 13 / TI Há ovas opções em comuicação sem fio ovo sistema tem baixo cosumo de eergia e custo 70% iferior a uma solução similar U ma ovidade está chegado ao mercado de automação comercial. Trata-se do coversor R232/Bluetooth, uma ova tecologia de trasmissão de odas de rádio de alta freqüêcia, com padroização em camadas de protocolo, que, de acordo com Romeu de ousa Jr., diretor da axos Tecologia, que está dispoibilizado este equipameto, tora-se uiversal, tem baixo cosumo de eergia e custo 70% iferior a uma solução similar. O coversor (extero) fucioa com alimetação à base de bateria recarregável e pode ser coectado à porta serial de qualquer periférico R232. A axos fabrica também o dispositivo mestre que fará a multiplexação dos periféricos remotos, diz ele. A solução visa a cotribuir com a automação comercial, coectado leitores de código de barras, balaças eletrôicas, pi pads e palm tops, etre outros equipametos, apresetado capacidade de comuicação de até sete periféricos simultâeos e ampliado a distâcia etre os periféricos e o computador, com cobertura de até 100 metros em área aberta e 60 metros em locais fechados, cotra os atuais 15 metros do R232, coforme o diretor. egudo ele, esta solução pode substituir até mesmo redes 485. ouza Jr. iforma que, o caso da logística, a pricipal aplicação do coversor R232/Bluetooth é a possibilidade de os coletores utilizados ormalmete a coferêcia de estoque fucioarem sem a ecessidade de estarem ligados a um fio. Ele também destaca que outra situação bastate comum em depósitos é a ecessidade de se descarregar as iformações armazeadas em um coletor. Ao utilizar a tecologia Bluetooth, as iformações são eviadas diretamete para a rede, automaticamete, diz ele. Mercado De acordo com ousa Jr., agora podemos falar em comuicação wireless sem os preocuparmos tato com custo, cosumo e compatibilidade. Ficou muito mais acessível. Mesmo com beefícios como gahos de diamismo, praticidade e cofiabilidade, a tecologia sem fio ão era amplamete utilizada em razão do alto cosumo de eergia, da seguraça e do elevado custo fiaceiro, completa, estimado que haverá migração de 10% das istalações baseadas o padrão serial R232 para o Bluetooth, sem cosiderar a adesão de ovos clietes pela tecologia. Courier Tacex quer criar potos de apoio A través de um cotrato de parceira com a Multipark, a Tacex Iteratioal Courier está implemetado um plao de egócios que usa, como modelo, o coceito europeu de potos físicos - geralmete abertos 24 horas -, para etrega de produtos adquiridos via Iteret, tedo como alvo pricipal as pessoas que ecessitam fazer compras o-lie e receber ou retirar esta compra com maior rapidez. Utilizamos um poto fixo, um cotêier ou um quiosque, por exemplo, e o colocamos à disposição das empresas de trasporte, qualquer uma, como as que operam com o B2C. E, ao ivés de eviar o produto para a casa do cliete, geralmete o prazo de cico dias, estas empresas passam a depositar este produto o osso poto fixo, ode o cliete o retira já o dia seguite à compra. A idéia é que, o ato da compra, seja idicado, Utilizamos um poto fixo, um cotêier ou um quiosque, por exemplo pelo cliete, o quiosque mais próximo dele, explica Rogério Taleb, diretor da Tacex. a verdade, segudo ele, com o laçameto desta idéia, a empresa pretede aalisar propostas e trocar experiêcias com empresários do setor de trasporte acioal e iteracioal (courier), compahias aéreas, lojas virtuais, operadoras de turismo e ivestidores, com o propósito de criar soluções a cadeia logística, reduzido os custos operacioais de coleta, etrega e distribuição. Cotêier-piloto Para que pudéssemos oferecer esta ferrameta, aalisamos quais seriam os melhores locais das grades cidades para istalar potos de apoio logístico, e aida garatir total seguraça. Cocluímos, etão, que uma rede de estacioametos seria a melhor opção, e ecotramos a Multipark, diz Taleb. egudo ele, foi implatado um cotêierpiloto em um dos estacioametos da rede em área valorizada - esquia da Av. Paulista com Eugêio de Lima, a cidade de ão Paulo, P. O cotrato com a Multipark tem como objetivo implatar estes potos físicos por todo Brasil, como em edifícios-garagem, estacioametos de aeroportos, shoppig ceters, hospitais, hotéis, uiversidades e edifícios comerciais, ode a cotratate poderá utilizar mais de uma cetea de potos estratégicos para armazeameto, coleta e etrega de documetos e ecomedas para terceiros, feitos através de automóveis de passeio, peruas, vas, furgões, motocicletas e bicicletas, completa o diretor da Tacex.

7 EDIÇÃO 13 / 2003 LogWeb 7 Logística itegrada Grupo Raya atede Xerox e Bradesco O Grupo Raya de logística itegrada foi o escolhido pela Xerox para abrigar e admiistrar o seu site de impressão de dados variáveis. A partir de agora, cotas, extratos, malas diretas e outros documetos impressos pela Xerox para seus diversos clietes passam a ser produzidos e expedidos a sede da Raya, o Rio de Jaeiro. O Grupo Raya ivestiu U$ 300 mil a ifra-estrutura do parque de impressão da Xerox. Além da redução dos custos, a parceria possibilitou a Xerox cetralizar vários sites em um úico local. Uma boa parte do que é impresso pela empresa é distribuído pela Raya, que está dispoibilizado sua ifra-estrutura para serviços complemetares aos clietes (correio, trasporte rodoviário ou porta a porta). Já para a Bradesco eguros, a Raya tem a tarefa de eviar mesalmete as tabelas com o cálculo da atualização das diversas modalidades de seguros para os seus mais de 10 mil corretores. As iformações chegam à Raya por meio eletrôico e o operador logístico, com sua estrutura própria, trasfere os dados para uma matriz e duplica em CDs ou disquetes para a remessa. As tabelas icluem dados atualizados para o cálculo dos mais variados tipos de seguros, como os de automóveis, vida, saúde. A listagem com os omes e edereços dos mais de 10 mil corretores é impressa em etiquetas, coladas as embalages com os dados e distribuídos pelo Brasil, através de uma agêcia de correio fraqueada. Para o Uibaco, a Raya Logística reduziu o custo de trasporte de materiais para as agêcias em 50% e o cosumo de material em 30%. O processo é realizado através da implatação de subalmoxarifados (terceirizados), reduzido o prazo de suprimeto de 30 para 3 dias (justi-time), utilizado o trasporte de malotes (já existete), para remessa de materiais. Gereciameto de estoques o caso específico de gereciameto de estoques, a Raya também presta serviços para a C&A, o que se refere a mercadorias importadas. A operação começa com a retirada dos produtos do porto, de ode seguem para o depósito, são coferidos, preparados (etiquetados e colocados o cabide) e separados por packs (grade): modelo, cor, tamaho. Depois disso, os produtos são eviados para as lojas em camihões cabideiros, ido direto para as araras da C&A. Para ateder à demada a chegada das coleções e datas comemorativas, a Raya praticamete dobra seu efetivo de mão-de-obra, dispoibilizado cerca de 200 empregados, que têm produtividade de 70 mil peças por dia. O total de uma coleção chega a 2 milhões de peças, que, para serem mauseadas, exigem um espaço de metros quadrados. Ivestimetos O Grupo Raya ivestiu U$ 400 mil o seu bureau de impressão para dados variáveis, que imprime boletos bacários, etiquetas para roupas e outros produtos em código de barras, CDs e disquetes. Os impressos são eviados aos seus destiatários por meio das fraquia dos Correios, pela trasportadora do próprio Grupo ou via etrega door-to-door. Para a prestação dos seus serviços, a Raya cota com a TrasRaya, trasportadora que realiza o trasporte rodoviário de cargas, trasferêcia de mercadorias, trasporte de malotes e correspodêcias, e a RayLog, operadora logística que orgaiza o plaejameto, recepção, coferêcia e expedição de mercadorias, além de gereciameto de estoques reguladores. Iformática LogOe traz ao Brasil o roteirizador Roadet A LogOe Tecologia, especializada em sistemas e soluções para o mercado de logística, está trazedo ao Brasil o Roadet 5000, um software de roteirização desevolvido pela orte-americaa UP Logistics Group. O roteirizador será implemetado o Brasil em parceria com a Routig ystems, que atua a distribuição, implemetação e desevolvimeto de soluções para Logística de distribuição. O Roadet já está istalado em uma empresa brasileira, a Logistic Ceter operador logístico pertecete ao grupo Luft, através de uma veda direta da UP. o mudo, está presete em aproximadamete empresas. Totalmete traduzido para o português, o software permite que sejam estabelecidas faixas de horários específicas, as quais ocorrem aumeto ou dimiuição o tempo de deslocameto do veículo horários de rush. Com essa iformação, é possível prever com atecedêcia problemas viários, evitado que os camihões se desloquem os horários de pico. Por trabalhar em rede, o Roadet armazea todos os registros de roteirizações ateriores em um baco de dados, dispoibilizado, assim, relatórios para comparações e aálises a qualquer mometo. Além disso, permite que sejam criados diversos ambietes de trabalho, que são deomiados Regiões cada uma delas possui um cadastro de clietes com todas as suas características e particularidades, o que possibilita que cada uma seja tratada de forma distita. Estamos etrado o mercado brasileiro para brigar de igual para igual com os melhores roteirizadores que estão aqui, completa Walter chliema, diretor de vedas da LogOe.

8 8 LogWeb EDIÇÃO 13 / WM Por que usar? Quais os beefícios? O WM é uma poderosa ferrameta estratégica para o gereciameto de almoxarifados, depósitos, armazés ou Cetro de Distribuição. Mas, para auferir de seus beefícios, algus potos precisam ser cosiderados, já o mometo da avaliação de seu emprego. O WM Warehouse Maagemet ystem, ou istema de Gereciameto de Armazés, é bastate utilizado hoje, tato que é cosiderado uma ferrameta básica para a gestão das atividades de armazeagem, evolvedo o cotrole de etrada e saída de materiais, edereçameto, realização do FIFO, cotrole de estoque e outras atividades. Mas, admitamos, aida existem empresas que ão aplicam o WM por cosiderarem-o uma ferrameta cara e, também, por ão saberem bem como escolher e utilizar o software. Estes foram os motivos que os levaram a elaborar esta matéria especial para o joral LogWeb, acompahada de um quadro com as características dos pricipais WM dispoíveis o mercado brasileiro. Algus dos mais coceituados profissioais da área apotam os fatores a serem levados em cota para implemetar um WM ou seja, o que cosiderar para justificar a implatação do WM. Eles também colaboram a elaboração de um quadro com os beefícios do uso do istema de Gereciameto de Armazés. Características um primeiro mometo, Milto agamie, diretor comercial da tore Automação, lembra que o WM proporcioa maior competitividade à empresa, cosiderado que ele é altamete flexível, parametrizado, usa coceitos logísticos moderos e recursos de código de barras/coletores de dados radiofreqüêcia para dar mais produtividade à operação e aos recursos humaos. Ele também permite etregar o produto certo, a quatidade certa, a hora certa e a custos competitivos. WM permite o cotrole total da CD, armazém ou depósito agamie iforma que o WM é capaz de cotrolar a compatibilidade etre os produtos para efetuar o armazeameto, os edereços, º de série do produto, a validade, produtos diferetes ou mesmo produto com série diferete armazeados o mesmo edereço, reposição automática e gereciameto de kits, etre outros. O WM também proporcioa rastreabilidade das operações, à medida que registra todas as operações efetuadas detro da empresa, o que ajuda a idetificação de possíveis erros e, também, o aprimorameto dos processos operacioais. Ele permite, aida, avaliação da performace dos recursos humaos, já que forece registros dos processos executados e o tempo gasto por operador, iforma o diretor comercial da tore. Ele completa dizedo que o WM destiado a operador logístico deve cotemplar toda a gestão de custos e receitas para efetuar simulações e o faturameto dos serviços. o caso de um armazém geral, o WM deve ser, aida, suficietemete abragete para efetuar os cotroles fiscais e a emissão do livro da Juta Comercial, completa. Como escolher Marcelo Alves Campaha, assistete técico-comercial da diretoria comercial e de projetos da &A istemas e Automação, lembra que, para se justificar um ivestimeto em WM, pricipalmete com o uso de radiofreqüêcia - quado o valor de ivestimeto é bem mais alto - é ecessário fazer uma boa avaliação da complexidade dos processos logísticos, do valor agregado implícito das mercadorias a serem cotroladas, do fluxo de caixa de custos x beefícios a serem atigidos, do tamaho e porte das operações, etre outros fatores. e a istalação em questão também realizar veda de serviços - como um operador logístico, por exemplo é preciso avaliar, aida, a importâcia estratégica e comercial de se ter um avaço tecológico de pota agregado à qualidade dos serviços a serem prestados, e se isto é importate, a prática, para que se possa obter parceiros de ivestimeto, ou se ter um preço de veda desses serviços mais alto e efetivamete lucrativo, que compese o ivestimeto, avalia. Paulo Pava, da I chaefer oell, diz que diversos fatores cotribuem para o sucesso da implatação de um istema WM. Primeiro, segudo ele, a empresa deve se iformar dos beefícios que uma ferrameta WM poderá agregar ao seu modelo de egócios. Ela também deve plaejar e especificar os requisitos fucioais ecessários para atigir os beefícios esperados. Esta é a etapa mais importate, pois está relacioada diretamete com o sucesso ou isucesso da implatação do WM, diz Pava. Ele também iforma que é preciso fazer uma pesquisa de mercado, objetivado idetificar os pricipais forecedores desta tecologia, além de marcar visitas e etre-

9 EDIÇÃO 13 / 2003 LogWeb 9 Alcis Helas (11) &A aga WM (31) Iovatech WM (11) Techwork Autolog WM (11) EMAG IDEP (11) Em Desev. Arcadia Targa (11) Uicosult U WM (11) Egie Egie-WM (11) Plae oft LogReal WM (11) GIC WI (11) tore tore/wma (11) EAC WM-EAC (11) PPI-Multitask PC-Factory WM (11) I chaefer oell WM AT (11) Baa Baa ERP (11) vistas com outras empresas que implataram WM. a verdade, quado se fala em o que cosiderar para justificar a implemetação do WM, é muito comum ecotrarmos empresas que cohecem e ecessitam de uma ferrameta WM. Cotudo, sua implatação, por um motivo ou outro, está iviabilizada. Temos percebido que geralmete estes casos, as demostrações do Retoro do Ivestimeto (ROI) ão estão claras ou ão foram devidamete bem elaboradas. O calculo do ROI requer um cohecimeto do modelo de egócio da empresa, estabelecimeto de métricas que reflitam este modelo de egócio atual e futuro e profudo cohecimeto da ferrameta WM. Para uma eficiete elaboração e apresetação do ROI, recomedamos a utilização de cosultoria especializada, o que possibilita maior seguraça ao cliete em todo o processo de estudos e implatação, explica o represetate da I chaefer oell. Pela mesma liha de pesameto vai Gustavo Mourão, da Arcadia Tecologia. Em sua opiião, o mais importate a ser cosiderado ao se implemetar um WM é a aálise de ROI. Idepedetemete do tamaho do armazém ou mesmo das operações exercidas através dele, o importate é aalisar qual o retoro a ser obtido. Obviamete que estamos falado do retoro explicito, facilmete medido por fórmulas preestabelecidas, e também do implícito, que a empresa ão exerga diretamete, expresso pelo gaho o atedimeto ao cliete, por exemplo, diz ele. Mourão também iforma que, ao aalisar a viabilidade de uma implemetação de um WM, é preciso levar em cosideração três tipos diferetes de métrica de resultado: a produtividade: o quato seus processos melhorarão? Qual será a redução de custos obtida? Qual o percetual de gaho e reteção de clietes?; a ifraestrutura: aálise comparativa com outras empresas cocorretes quato à qualidade do ível de serviço e o quato sua empresa está exuta ; a iovação: este mometo, a Agilidade é uma das vatages oferecidas pelo WM Datasul Datasul WM (47) Legeda: = im = ão Algus WM dispoíveis o Brasil ome da Empresa: ome do oftware: Foe: Portaria 1. Cotrola portaria 2. Idetifica veículo/motorista 3. Cotrola prioridade descarga Recebimeto 1. Tem iterface com ERP 2. uporta E.D.I. 3. Trata divergêcias e avarias 4. Idetifica produtos com código de barras 5. Cotrola FIFO 6. Cotrola LIFO 7. Cotrola Data Validade 8. Cotrola Lote específico 9. Cotrola Lote logístico 10. Opera com Radiofreqüêcia 11. Opera de forma híbrida (c/ ou s/ coletor dados) 12. Tem iterface com balaça Idustrial Armazeagem 1. Tem regras de armazeagem 2. Regra por produto e grupo/produto 3. Cosidera capacidade Edereçameto 1. Cotrola localizações 2. ugere edereços 3. Operação com Radiofreqüêcia 4. Opera de forma híbrida (c/ ou s/ coletor dados) Ivetário 1. Por edereço 2. Por produto 3. Por Quatidade 4. Operação com Radiofreqüêcia 5. Opera de forma híbrida (c/ ou s/ coletor dados) 6. em parar operação Gestão de kits 1. Cotrola compoetes 2. Cotrola saldo de Kits eparação 1. Tem iterface com ERP (pedidos) 2. uporta E.D.I. 3. Cotrola FIFO 4. Cotrola LIFO 5. Cotrola Data Validade 6. Cotrola Lote específico 7. Por oda 8. Por pedido 9. Por região 10. Operação com Radiofreqüêcia 11. Opera de forma híbrida (c/ ou s/ coletor dados) Coferêcia 1. Cega 2. Operação com Radiofreqüêcia 3. Opera de forma híbrida (c/ ou s/ coletor dados) Expedição 1. Idetifica volumes com código de barras 2. Tem iterface com ERP (liberar.f.) Iformações gereciais 1. Gráfico 2. Performace da operação 3. Avaliação dos operadores 4. Tomada de decisão Rastreabilidade 1. Documeto 2. Produto 3. Operador 4. Localização

10 10 LogWeb EDIÇÃO 13 / empresa avalia qual a importâcia do projeto, cosiderado a melhoria da sua imagem frete ao mercado como um todo. Por sua vez, o egeheiro J. L. Amaral, cosultor em logística e diretor comercial da Qualilog Cosultig, quado aborda os fatores a serem cosiderados para a implemetação do WM, começa citado o aumeto a demada dos cosumidores. Isso faz com que as empresas ecessitem apresetar um aumeto a eficiêcia operacioal e, com a implatação de um WM, este aumeto pode ser da ordem de 10 a 30%. Outro fator importate está o tempo gasto para fazer o ivetário. Ates da implemetação de um WM, pode-se levar dias para executá-lo. Após a implemetação, leva-se apeas algumas horas, com redução de erros de edereçameto, otimizado a utilização do espaço, além de otimizar a distribuição dos produtos. Tudo isso acaba por se traduzir em um atedimeto mais rápido e sem erros ao cosumidor fial, diz Amaral. Iforme Publicitário MarkLog Uma Agêcia de Publicidade Completa UMA AGÊCIA DE PUBLICIDADE vive ão somete dos seus clietes e suas produções. Vive, também, dos veículos de mídia que elege para a divulgação do produto e da marca de seus clietes. Vivemos um mometo particularmete icerto, quado a maior preocupação dos empresários é ivestir o volume de recursos ideal para obter o máximo de retoro. É exatamete este o produto da MARK LOG: desevolver o plaejameto ideal, caso a caso, produto a produto, e aplicá-lo ao veículo de maior e melhor exposição, empehado-se em elimiar os desperdícios de tempo e de recursos fiaceiros dos seus clietes. A MARK LOG - cujo objetivo é ateder, basicamete, as empresas que atuam a área de logística - se coloca ao lado de seus clietes para desevolver uma campaha ou um simples aúcio, a criação de um folheto, a produção de um maual itero, promoções e laçametos, ou seja, você pode ter uma agêcia mesmo que seja para um úico trabalho. Coverse coosco sobre os seus problemas. Paulo Piheiro Marque uma visita: (11) (11) Ele também iforma que outro fator relevate é que as empresas ecessitam reduzir o giro dos seus estoques, dimiuido o custo de ivetário e o tempo de coferêcia. em o WM de acordo com o diretor comercial da Qualilog - a coferêcia dos estoques é feita de forma maual, e com a implemetação dessa ferrameta ela é feita eletroicamete, garatido uma melhor acuracidade e maior produtividade. Competitividade é a justificativa de Milto Costa Júior, da yscotrol Comércio e Represetações, para a implemetação do WM. De acordo com ele, pela ecessidade de torar uma empresa competitiva, diate da demada do mercado por agilidade, seguraça e redução de custos, é fudametal dispor de recursos tecológicos (software e hardware) adequados às ecessidades dessa empresa, colocado-se à frete do mercado. A implemetação de um WM é o iicio deste processo de desburocratização dos processos iteros, diz. Ele lembra, também, que a implatação de um WM permite otimizar o aproveitameto do espaço de armazeagem e separação de produtos, além de que, iformações com qualidade são muito importates para a tomada de decisão correta para as empresas. Ferado Fasti, gerete de projetos da ome da Empresa: ome do oftware: Foe: Tecologia da Iformação Roda em qual Baco de Dados Usa programação gráfica Qual liguagem de programação Roda em qual sistema operacioal É Plataforma Cliete/ervidor Cofiguração míima ervidor Cofiguração míima Cliete Parametrizado Código de Barras EA 13 DU 14 EA/UCC 128 Itegração Faz itegração com ERP Quais? De que forma? Tem middleware? Iteret Iformações sobre.f. Iformações aldo Iformações tatus Relatórios Iterface com gerador relatórios Coletores de dados R.F. Opera com quais tecologias Customização Permite Tempo médio implemetação Meses Legeda: = im = ão WM permite o cotrole de lotes Egie Logística, diz que previamete à implemetação de um WM, a empresa deve ter seu processo cohecido e padroizado. A cultura da empresa também deve ser direcioada para a aceitação da ova tecologia. Para tato, a participação dos íveis de lideraça é imprescidível. Costruído o ceário apropriado, o próximo passo é a aálise sistemática do requisitos ecessários para a seleção adequada da ferrameta a ser utilizada. Atualmete, a logística vista de forma abragete é um diferecial particular de cada empresa e a ferrameta deve ateder às suas ecessidades específicas. em sempre uma solução de sucesso em um egócio surtirá o mesmo resultado em outro com particularidades distitas, alerta Fasti. Auro C. Radua, diretor da EAC oftware Especializado Assessoria e Comércio, eumera vários fatores a serem cosiderados para justificar a implemetação de um oftware WM: grade úmero de ites em estoque, ecessidade de atedimeto rápido de grade úmero de pedidos de vedas; ecessidade de coferecia automática etre o estoque físico e o cotábil; ecessidade de atedimeto de pedidos seguido regras FIFO, adição ou outras que justifiquem cotrole de lotes. Além destes fatores, Ferado Di Giorgi, da Uicosult istemas e erviços, apota outros: alta diversidade de KU s; alto giro de estoque dos KU s (estoque médio baixo); ecessidade de cotrole documetal de estoque (armazés alfadegados); ecessidade de cotrole e atedimeto por lote; alto volume de etradas e/ou de saídas (mais de 200 por dia); rapidez de atedimeto como fator crítico jaelas de expedição rigidamete cumpridas; redução do custo operacioal operadores logísticos terceirizado operações; e escassez de área de armazeagem e equipametos. Também é citado tópicos que Miguel Luetta, diretor comercial da emag Iformática, apota os fatores a serem cosiderados para implemetar um WM. ão eles: ecessidade de cotrole do produto por localização, maipulação de uma grade quatidade de produtos, gereciameto de produtos de depositates diversos e cotrole via código de barras. Aderêcia do software ao processo, beefícios reais e mesuráveis e custo x beefício do projeto. Estes seriam os fatores apotados por mim, explica, por sua vez, Ricardo Miura, diretor da Techwork. Custo operacioal elevado, difereça de estoque, quebra da produção devido à falta de matéria-prima e alto ível de re-trabalho. Estes são os ites levatados por Gilberto M. Bellegarde, gerete comercial da GIC Cosultoria. O real fator que justifica a implemetação de um WM é o beefício trazido pela automação do depósito, armazém, Cetro de Distribuição ou local ode for Algus WM dispoíveis o Brasil Alcis Helas (11) Oracle Forms, Reports e QL Widows, UIX Petium III, 528RAM,1000 MHZ Petium III,.O.Widows Arcadia Targa (11) Oracle, QL erver Delphi Widows AP, Ba, Datasul, Microsiga Arquivos texto, Idocs e Acesso direito à base por repositório de dados ou por tabela itermediária Todas 4 Telet 2,5 Baa Baa ERP (11) DB2, Iformix, Oracle, QL Baa TOOL Widows t, Uix Depede sizig Depede sizig ativo Baa Usado qualquer forma EAI 3 a 4 Datasul Datasul WM (47) Progress, Oracle Progress Widows T, Liux e UIX Petium P4 512 Mb, Petium II 233 Mhz, 64 Mb - pectrum24 ou Oe 1 a 3 Egie Egie-WM (11) Iterbase/QL Delphi7 Widows/Liux Petium III 256RAM Petium III 64RAM AP/Microsiga/Outros Híbrida Microsiga Telet 4 Iovatech WM Iovatech (11) Oracle ou QL erver Visual Basic 6.0 Platafoma Widows Petium IV 512 MB míimo 128 MB AP, BPC, Iterquadram, Oracle Baco de Dados ou através de Iterface Padrão 3 a 4 GIC WI (11) Oracle Forms e Report Uix, ovel, T Levatameto prévio Levatameto prévio AP, Baa, Microsiga, Datasul, Oracle Texto ODBC, Texto, ABAP, direto a base Emulação VT emag IDEP (11) QL / Oracle Delphi Widows / Liux 256 Mb RAM 128 Mb RAM Troca de Arquivos Textos Emulação VT100 2 Plae oft Logreal Wms (11) QL-erver Visual Basic Widows Petium IV 1.4GHz Petium III 800 MHz Iterface Txt - ymbol 6

11 EDIÇÃO 13 / 2003 LogWeb 11 aplicado. Desta forma, gaha-se agilidade e velocidade a busca, maejo e comercialização de produtos, reduzido íveis de estoques, obsolescêcia de materiais e melhorado os processos e cotroles sobre todas as atividades estes locais, completa Frederico aad De Marchi, executivo de marketig da Baa Brasil. eguraça para usuário e cotrole de acesso também são proporcioados pelo WM Coclusão egudo Amaral, da Qualilog Cosultig, podemos cocluir que um WM pode otimizar o egócio de uma empresa com a redução de custos e com a melhoria do ível de serviço prestado ao cosumidor. As empresas precisam começar a olhar as suas Cadeias de uprimetos (upply Chai), e o ideal é que comecem pelo cosumidor fial e camihem para trás. Porque elas poderão ter uma desagradável surpresa, ao saberem que ão estão mais fazedo parte da Cadeia. É ecessário saber que os padrões de cosumo estão mudado rapidamete e que isto pode sigificar que os cosumidores ão irão mais comprar os produtos de determiadas empresas, alerta ele. Em fução destas mudaças o mudo globalizado é que Amaral efatiza a importâcia de se ivestir em ferrametas como o WM e outras dispoíveis que podem ajudar a melhorar substacialmete o Gereciameto da Cadeia de uprimetos (CM). Beefícios do uso do WM Cotrolar a portaria, recebimeto, movimetação, estocagem, pickig e expedição de produtos, com mais agilidade e acuracidade os processos. Reportar todas as atividades de armazeagem e distribuição com maior velocidade e seguraça. Edereçameto automático e otimizado por Regiões de Armazeagem ou características de produto (Curva ABC) Otimizar o trabalho do pessoal operacioal e admiistrativo Gereciameto pró-ativo (sistema iforma ao operador tarefa a ser executada) Melhorar a produtividade dos recursos do armazém Permitir a rastreabilidade total dos processos e produtos Ter cofiabilidade e eficiêcia o cotrole de estoques de produtos Permitir o cotrole de lotes (PEP/FIFO) Iformações seguras, cotíuas, itegradas e em tempo real (se utilizar R.F.) Apoio ao processo de EDI Troca Eletrôica de Dados Possibilitar o cotrole de lote (fabricação, data de vecimeto, lote logístico) Permitir o cotrole de produtos serializados ( o érie) Dar subsídios para assistêcia técica através do cotrole de série do produto Agilizar e otimizar o processo de ivetário e auditoria dos estoques Oferecer melhor ível de serviços aos clietes iteros e exteros Dar subsídios para avaliação de performace dos Recursos Humaos Obter maior eficiêcia a tomada de decisão Melhorar aida mais a imagem da empresa perate o mercado Visualização de operações e moitorameto em tempo real Variedade de iformações gereciais que possibilita idetificar potos de gargalo da operação Dispoibilizar iformações para o pleo gereciameto do almoxarifado, depósito, armazém ou cetro de distribuição Gereciameto de múltiplos estabelecimetos Itegração etre os sistemas da orgaização, forecedores e clietes eguraça por usuário e cotrole de acessos olução itegrada de gestão de estoques, faturameto de serviços, cotroles fiscais e emissão de Livro da Juta Comercial (para operador logístico e armazém geral) PPI-Multitask PC-Factory WM (11) &A AGA WM (31) EAC WM-eac (11) I chaefer oell WM AT (11) tore tore/wma (11) Techwork Autolog WM (11) Uicosult U (11) Paradox e QL erver Delphi e Visual Basic Widows Petium IV, 1GBRAM Petium II, 64MBRAM Oracle Delphi e C++ Widows T, Uix e Liux Petium IV 2.4 GHz, 1.0GB Petium III 900 MHz, 128 MB QL/erver VB e VC++ Uix,Liux,W MB RAM -2GB HD 32MB RAM ORACLE PL/QL, Java, WebDialog Liux e T Petium IV, 2 GB RAM Qualquer computador Oracle Delphi Widows T, Liux, Uix Petium III, 1GHz, 512Mb RAM Petium II, 400 MHz, 64 Mb RAM Oracle Delphi T P4 800Mhz 512KRam P3 600Mhz 128KRam Oracle Oracle Developer Idepedete Petium IV, 512 Mb Petium III, 128 Mb Ram Batch Load Arquivo texto ão precisa Iterface padrão AP, BPC, Baa, Logix via RFC e IDOC s, BPC e compartilhameto o ORACLE texto, Tabela, direto AP / Oracle / JDE /Datasul / Baa Troca de arquivo txt, RFC (AP), Dcomm (AP), API s, XML, Compartilhameto BD, Emulação termial - RM Texto ou Oracle 2.4GHz ymbol e Itermec Todas Todas Todas Emulação VT100/220 ymbol a

12 12 LogWeb EDIÇÃO 13 / Equipametos ovo projeto de esteira a Volkswage ova esteira plástica a VW R esultado da parceria etre a área de Egeharia de Maufatura, Pitura e Motagem da Volkswage e a Itralox/Lauft, está sedo utilizada, a liha de motagem fial do VW Polo, istalada a fábrica Achieta da motadora, em ão Berardo do Campo, P, um ovo tipo de esteira trasportadora, em plástico. Iédito em termos mudiais, este ovo equipameto chamou a ateção das demais fábricas do grupo, tato que a VW de Haover adquiriu duas uidades para a liha de motagem da perua T5, produzida aquela uidade. A esteira trasportadora é usada para o trasporte dos carros e dos fucioários que realizam o trabalho de ispeção - o profissioal é trasportado juto com o veículo, sem a ecessidade de camihar. O ovo equipameto possui 60 metros de comprimeto e capacidade para dez carros, e etre as suas vatages em relação ao modelo aterior, em metal, icluem-se o formato e o deseho atiderrapate, que reduzem o risco de queda do operador devido a líquidos derramados pelo veículo. Além disso, por ser fabricada em pequeos módulos ecaixados, a esteira pode ser substituída facilmete em caso de mauteção. O material plástico elimiou, aida, o problema de corrosão e a reovação periódica da pitura. Logística ather reestrutura toda a rede logística E specializada a fabricação de papéis descartáveis (higiêico, leços, toalhas, absorvetes e guardaapos), resposável pelas marcas Persoal e obe e com uma produção de 200 mil toeladas/ao, a ather desevolveu, em colaboração com a cosultoria Kom Iteratioal/ ABGroup, um projeto para remodelar todos os processos relacioados à sua rede logística, abragedo embalages, trasporte e sistemas de iformação. egudo Atoio Carlos Alvarega, gerete de projetos da Kom, foi feito um estudo global da rede. Foram remodelados todos os processos, desehada a rede logística e, também, realizado um estudo de viabilidade com relação aos cetros de distribuição matidos pela empresa. Em seguida, avaliamos todo o processo de egociação de trasporte da ather, e fizemos propostas de criação de operação de trasporte usado microempresários de trasporte doos de um camihão, e que cosigam, por cota própria, carga de retoro, diz ele. Isto tudo cosiderado que, composto por produtos frágeis, que ão podem ser empilhados de forma icorreta, de baixo peso e grade volume, o segmeto de papéis descartáveis exige cuidados especiais em todo o processo logístico, desde a hora que as mercadorias saem da fábrica até o mometo em que são expostas as gôdolas dos supermercados. Redução de custos O objetivo foi reduzir custos a distribuição dos produtos da empresa, comercializados em todo o País. Atualmete, a ather possui quatro uidades idustriais - em ão Paulo, Mias Gerais e Rio Grade do ul e seis cetros de distribuição. O estudo realizado por ós implicou a elimiação de quatro Cetros de Distribuição, cujo custo de operação torava este medida a mais correta, torado mais viável fazer uma operação mais veloz com trasit-poit e etrega programada, coclui Alvarega. Cadero especial sobre a EXPOMODAL 2003 O Joral LogWeb estará fazedo um cadero especial sobre a Expomodal 2003, que será realizada etre os dias 7 e 10 de outubro de 2003, em paralelo ao Cogresso de Logística Portuária e Comércio Exterior. Cosulte-os! telefoes: e

13 EDIÇÃO 13 / 2003 LogWeb 13 Uimare e Logimasters uem-se Com mais de 20 aos de atuação a área de ageciameto marítimo, a Uimare ue-se a Logimasters. Assim, o mercado passa a dispor de serviços como: logística itegrada / door / upply Chai Maagemet, frete marítimo e aéreo, cosultoria / desembaraço aduaeiro, projetos, trasporte doméstico aéreo e marítimo, distribuição, soluções logísticas e seguro (risco zero). ovo sistema de impressão portátil e modular A Zebra Techologies está laçado a P2122, solução de impressão térmica direta e coletora de dados com formato modular e portátil. Para uso em diversos segmetos, do comércio varejista ao de trasporte, pode ser istalada sobre uma base fixa, elevadores ou veículos. Icorpora duas impressoras térmicas e um termial com fuções completas, como um scaer à laser, opcioal. Cursos para operação e mauteção de empilhadeiras A JFM Cosultoria e treiameto miistra cursos para operadores de empilhadeiras de acordo com o Miistério do Trabalho, além de promover cursos de mauteção com equipametos origiais de último modelo e realizar cosultoria técica para empilhadeiras. É credeciada pela till do Brasil para treiameto de mauteção e operação de empilhadeiras. Bertolii recebe certificação IO 9001 A Bertolii. A. recebeu, do BVQI, a certificação IO 9001:2000, referete ao projeto, produção e comercialização de sistemas de armazeameto e mesas para refeitórios. egudo cometa orberto Atoio Marcolii, gerete comercial da Bertolii, ela é a primeira empresa brasileira do setor a obter o certificado IO 9001:2000, e é líder acioal em volume de paletes vedidos em estruturas drive-i estático, atigido, ate o fial do ao passado, posições drive-i.

14 14 LogWeb EDIÇÃO 13 / Trasporte EGL laça serviços de carga doméstica Eveto Cogresso da AE Brasil vai abrager TI Livro A Eagle Global Logistics EGL, provedor de soluções logísticas globais, passa a oferecer o Brasil uma série de produtos voltados à logística e ao trasporte de cargas domésticas. De acordo com o gerete acioal de cargas domésticas da EGL, José Carlos Zuza, mais cohecido como Cazuza, a empresa ivestiu cerca de U$ 200 mil para oferecer este ovo serviço, deomiado Carga Doméstica, seguido o mesmo padrão de qualidade e atedimeto oferecido pela EGL os Estados Uidos. egudo Cazuza, com a implemetação da Carga Doméstica, além do suporte iteracioal da EGL o que permite que o cliete opere de forma itegrada as operações iteracioais e acioais, o maior diferecial da EGL será o desevolvimeto de soluções logísticas sob medida. Ele salieta, aida, que o foco iicial da ova operação é Maaus Região udeste. A previsão é de que a maior parte dos trasportes seja via aérea até ão Paulo, ode poderá ser adotado o trasporte rodoviário para cocluir a malha de distribuição, diz o gerete. Etre as vatages para os clietes, ele destaca a facilidade de gereciameto e a maior seguraça operacioal, cosiderado que uma úica empresa vai cuidar de todo o processo de logística. Cazuza adiata que a EGL já está atededo algus clietes, como a Oriet Relógios e a Haller Relógios (saido de Maaus), a Fujitsu e a Uicoba (saido de ão Paulo), usado os modais aéreos e rodoviários. E destaca: temos uma meta ambiciosa: em cico aos fazer da EGL uma das cico maiores operadoras de carga doméstica. A AE Brasil está auciado a criação de um comitê exclusivo de Tecologia de Iformação para o Cogresso AE Brasil 2003, que será realizado o período de 18 a 20 de ovembro próximo, o Trasamérica Expo Ceter, em ão Paulo. Além de aprimorar o cohecimeto dos profissioais de egeharia ligados aos setores automotivo, aval e aeroespacial, a AE Brasil quer aumetar o itercâmbio etre as empresas de TI com estes segmetos, usuários da Tecologia de Iformação a maufatura, egeharia, automação, eletrôica embarcada e até em vedas, marketig, distribuição, logística e compras. Um grupo formado por egeheiros executivos de empresas do setor, como HP, T-ystems, Microsiga, Deloitte Cosultig, Microsoft, Metrored, Acceture, Itel, Oracle e Camara-e.et, começou a desevolver a pauta de fórus, paiéis e coferêcias temáticas a serem apresetadas durate os trabalhos do Cogresso, que iclui também os segmetos off-road, veículos de passeio, ôibus e camihões, aeroespacial e maufatura. A temática TI abragerá as seguites áreas: automação idustrial e veicular, gestão e logística, egeharia (CAE/ CAD/CAM, CAPPE, ou computador auxiliado plaejameto do processo, e PLC/ciclo de vida do produto) e soluções Web (Iteret Car, CRM/PRM, mobile eterprise solutios, e-market places, e-learig e e-procuremet). GERECIAMETO DA CADEIA DE UPRIMETO ETRATÉGIA, PLAEJAME- TO E OPERAÇÃO Autores: uil Chopra e Peter Meidl º Págias: 480 Editora: Pearso Educatio A obra explica como o bom gereciameto da cadeia pode represetar um diferecial competitivo para a empresa, demostrado o quato o desempeho desta pode ser afetado caso ocorram falhas o projeto, o plaejameto e a operação da cadeia de suprimeto. Algus tópicos abordados icluem compreesão da cadeia de suprimeto e avaliação fiaceira das decisões de cadeia de suprimeto. Próxima edição: Trasporte Rodoviário O destaque da próxima edição do joral LogWeb será o trasporte rodoviário de cargas. Estaremos fazedo uma aálise deste setor, apotado os seus pricipais problemas e as possíveis soluções. Também estaremos efocado as empilhadeiras, os aspectos relativos à escolha do tipo mais adequado, bem como os galpões ifláveis e estruturais. As empresas e os profissioais que atuam estas áreas são ossos covidados especiais. Madem sugestões, catálogos, artigos, releases e outras dicas sobre os assutos. Mas, os profissioais de outras áreas também podem participar, tato do portal como do joral, eviado-os otícias de iteresse para o setor. PARTICIPE DO LOGWEB: Evie catálogos, releases, artigos e sugestões para

15 EDIÇÃO 13 / 2003 LogWeb 15 Catálogos Itegração de sistemas Focada em itercâmbio e itegração de sistemas, a E-ales dispoibiliza catálogo sobre as suas atividades. Ela apreseta soluções para iterligar, eletroicamete, as empresas que fazem parte da cadeia de suprimetos, além de outras soluções para agilizar e automatizar a distribuição eletrôica, reduzir o ível de estoques e elimiar a trascrição e redigitação de documetos. Foe: (51) Trasporte de cargas Atededo a todo o estado de ão Paulo, Curitiba e cidades circuvizihas, a Displa é especializa o trasporte de carga, e publicou literatura técica sobre as suas atividades. Estão icluídas iformações sobre o rastreameto via satélite, prazos de etrega, seguraça, área de atuação e parceria, etre outros, bem como edereços das filiais, em Ribeirão Preto, Bauru e Curitiba. Foe: (11) Iteret Baterias tracioárias Localizada em Cachoeiriha, R, a Maksul opera com baterias tracioárias, e é uma assistêcia técica autorizada da Moura MBI. Em seu site estão relacioados dados sobre baterias tracioárias de diversos tipos, baterias automotivas, serviços de cosertos de elemetos, reformas, cosertos em geral e mauteção prevetiva e corretiva, além de dicas sobre coservar as baterias. Trasporte e logística A Over Fast atua o trasporte rodoviário de cargas em geral, trasporte e distribuição de ecomedas urgetes em todo o Estado de ão Paulo e Rio de Jaeiro. eu site iclui dados sobre sua estrutura e frota, sobre os equipametos de tecologia de iformação usados e os serviços oferecidos, icluido processo JIT. Cotém, aida, formulário para a solicitação de serviços de coleta. I Artigo eguraça para o futuro da cadeia de abastecimeto magiem um portal, os supermercados, em que todos os produtos cotidos o carriho sejam registrados automaticamete, sem qualquer mauseio por parte do cosumidor e do profissioal do caixa. Esta cea será rotieira o futuro, resultado de uma ova revolução a idetificação de produtos, com impacto direto o cotidiao das pessoas e os processos logísticos de toda a cadeia de abastecimeto. Trata-se da tecologia de idetificação por radiofreqüêcia, a RFID (Radio Frequecy Idetificatio, também cohecida iteracioalmete como Itelliget Tag ou mart Tag). A tecologia de radiofreqüêcia ão é ova. Já se pode observá-la em sistemas de cotrole de acesso e pedágios. A sua aplicação revolucioária a cadeia de abastecimeto é que represetará a grade ovidade. Porém, aida há sesíveis desafios a serem vecidos para a sua adoção em larga escala. O primeiro é o custo alto, que hoje aida ecareceria os produtos. As etiquetas de radiofreqüêcia apesar de seus custos já terem dimiuído para cerca de ciqüeta cetavos de dólar e haver projeções de que cheguem a cico cetavos aida são oerosas, em especial os produtos de baixo valor. O segudo desafio crucial é a padroização, pricipal fator do sucesso do código de barras em todo mudo. A liguagem praticamete uiversal do código EA/UCC facilitou a itegração de todas as cadeias produtivas, de idústrias, atacadistas, distribuidores e varejistas, culmiado com o cosumidor, para o qual o lado visível de todo esse processo tecológico traduz-se pela agilidade, mais coforto e seguraça a hora da compra. A radiofreqüêcia, porém, aida efreta dificuldades para sua padroização iteracioal: é ecessário determiar o espectro de freqüêcias de operação, fator que depede de órgãos regulatórios de cada país; padrão para a especificação técica da iterface de leitura etre a leitora e o tag; como os dados serão orgaizados o tag, fator importate para a iterface com os softwares aplicativos. Já existem iiciativas mudiais, em fórus como a IO, EA (projeto GTAG) e epc do AutoID Ceter, voltadas ao estudo da padroização. Em paralelo, há vários grupos estudado e desevolvedo modelos coceituais de aplicação. olucioadas as questões relativas ao custo e à padroização, a revolução da radiofreqüêcia a cadeia de abastecimeto irá desecadear-se progressivamete. Algumas atividades idetificadas como aquelas de alto potecial com a cotiuidade da pesquisa e desevolvimeto são: l Elimiar a cotagem e recotagem de produtos a cadeia de suprimetos. Depósitos, camihões, áreas de retaguardas e gôdolas podem ter istaladas ateas que podem automática e cotiuamete rastrear os produtos e mater o verdadeiro cotrole perpétuo de ivetário. l Moitorameto cotíuo do estoque de produtos a cada poto a cadeia de suprimeto, que pode elimiar, virtualmete, a falta de estoques gerado reposições automaticamete. Esta moitoração permitirá medir, também, aomalias a cadeia, o que aumetará sigificativamete a habilidade de idetificar a subtração ou a itrodução de produtos falsificados. l Facilitar a localização de produtos em processos de recall. l Permitir a compra, pelo cosumidor, em caixas automatizados que ão ecessitam de descarga e carga do carriho de compras após idetificar e superar todos os obstáculos que aida ecessitam ser superados. Além dos beefícios diretos para o cosumidor, para as empresas as operações de compra e veda, a etrega da idústria para atacadistas, distribuidores e varejistas, operações com produtos que requeiram cuidados especiais (temperaturas extremas frio ou quete, tóxicos, que ecessitem de ambiete ierte, etc.) poderão cotar com o beefício de ser idetificados à distâcia, detro dos compartimetos que os isolam. Uma seguda oda poderá ocorrer com o barateameto das leitoras de radiofreqüêcia, estededo os beefícios desta tecologia até mesmo às casas. A terceira oda será o desevolvimeto de ovos campos de aplicação, como a combiação da radiofreqüêcia com sesores. Estes dispositivos podem ser costruídos para moitorar uma ou várias variáveis ambietais, garatido a itegridade dos produtos diate da variação de temperatura, umidade relativa do ar e íveis de poluição. Também será possível estabelecer parâmetros para registrar armazeagem ou trasporte em temperaturas muito altas ou baixas, exposição a produtos tóxicos, reagetes, etc. Como ocorreu com a Iteret, a revolução da radiofreqüêcia será gradual e progressiva. As empresas irão experimetar modelos, processos, alterativas logísticas e ivestir os sucessos. esse processo, a grade prioridade essecial e idiscutível é costruir uma pote segura etre a realidade atual e o ceário futurístico da cadeia de abastecimeto. Roberto Matsubayashi, gerete de solução de egócios da EA Brasil.

16

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 1 M A R Ç O 2 0 0 7 R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A Iforme

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais ovacao revista iformativa trimestral da Eutectic Castoli º 1-213 aotecologia a ossa vida e a soldagem de revestimeto E mais: Ecoomia de Eergia Automação Aplicativos Adroid Aplicações Idustriais editorial

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 2 A B R I L 2 0 0 7 R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A Iforme

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Soluções em Engenharia Civil

Soluções em Engenharia Civil ENGECRAM K Soluções em Egeharia Civil 35 aos A ENGECRAM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA foi costituída em 13 de dezembro de 1977, resultado de um ideal de prestar serviços a área de egeharia civil.

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES Bem-vido ao Almeat, um espaço ode tudo foi projetado especialmete para realizar desde pequeas reuiões e evetos até grades coveções, com coforto, praticidade e eficiêcia,

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

www.partnervision.com.br

www.partnervision.com.br www.partervisio.com.br SERVIÇOS E SUPORTE PROCESSOS E INICIATIVAS PRODUTOS DE SOFTWARE SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA Software para o Desevolvimeto de Coteúdo e Processos Para Otimizar o Desevolvimeto de Produtos

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais Aais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Biodigestores em Propriedades Rurais Eliaa Walker Depto de Física, Estatística e Matemática, DEFEM,

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013]

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013] Ficha Técica TÍTULO Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Desempeho Ecoómico e Fiaceiro do Segmeto de Mauteção de Aeroaves [2011-2013] EDIÇÃO INAC Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Confidencial. informativo exclusivo para os cooperados da unimed-rio MArço de 2009

Confidencial. informativo exclusivo para os cooperados da unimed-rio MArço de 2009 Mesmo em ao difícil, cooperativa tem resultados positivos págia 3 Portabilidade dos plaos de saúde é aprovada pela ANS e passa a valer a partir de abril págia 4 37 Cofidecial iformativo exclusivo para

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas.

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas. THE 9 th LATIN-AMERICAN CONGRESS ON ELECTRICITY GENERATION AND TRANSMISSION - CLAGTEE 2011 1 A ifluêcia dos fatores humaos os idicadores de O&M das usias termelétricas. Maria Alice Morato Ribeiro (1) (e-mail:

Leia mais

A durabilidade e a confiabilidade da Rubbermaid são incomparáveis. Feitos Para Durar

A durabilidade e a confiabilidade da Rubbermaid são incomparáveis. Feitos Para Durar A durabilidade e a cofiabilidade da Rubbermaid são icomparáveis. Feitos Para Durar Duráveis. Cofiáveis. Apresetado um ovo padrão de excelêcia em gereciameto de resíduos e trasporte de materiais. Desde

Leia mais

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? O CFTV que a verdade sigifica "circuito fechado de televisão", ou "circuito itero de televisão" é um sistema de câmeras baseados em computador

Leia mais

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE ONDAS DE CHOQUE 06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbo Cataratas Foz do Iguaçu - PR REF: Exposição Paralela Motadora Oficial: Stads Solutios STTC Evetos e Turismo Telefoe: (45)

Leia mais

Um arquivo digital para dados de monitorização

Um arquivo digital para dados de monitorização Um arquivo digital para dados de moitorização Fábio Costa, Gabriel David, Álvaro Cuha ViBest e INESC TEC, Faculdade de Egeharia Uiversidade do Porto {fabiopcosta, gtd, acuha}@fe.up.pt 1 Uidade de ivestigação

Leia mais

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 braca 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 Curitiba, outubro 214 Bachma & Associados e 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS.

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. 16º POSMEC Uiversidade Federal de Uberlâdia Faculdade de Egeharia Mecâica METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. Gustavo Soares de Almeida Uiversidade

Leia mais

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção Iclui NOVA opção de captura de imagem Sistemas de Visualização Estéreo Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de ispeção. Tecologia ótica pateteada para visualização livre de

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL Af-Revista :Layout 3/7/ :59 AM Page 39 PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO:

Leia mais

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo por ZÉLIA PINHEIRO Do poto de vista técico, o balaço é positivo A rede urbaa de frio e calor do Parque das Nações já tem oze aos e João Castaheira, director-geral da Climaespaço, faz o balaço. Garate que

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP Beedito Camilo Corrêa 1, Deivis Cursio 2, Prof. Gilbert Silva 3 1-2-3 UNIVAP/FEAU, Av. Shishima

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores A Iteret Parte II Prof. Thiago Dutra Ageda Visão Geral O que é a Iteret? Orgaização da Iteret Estrutura da Iteret Bordas da Rede Núcleo da Rede Redes de

Leia mais