Luiz Henrique Marino Cerqueira Faculdade de Engenharia de Computação CEATEC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luiz Henrique Marino Cerqueira Faculdade de Engenharia de Computação CEATEC luiz.hmc@puccamp.edu.br"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNOS: PREVISÃO DO DESEMPENHO DE ESTUDANTES A PARTIR DE SUA INTERAÇÃO COM UM SISTEMA TUTOR. Luiz Henrique Marino Cerqueira Faculdade de Engenharia de Computação CEATEC Resumo: Os sistemas de recomendação são uma alternativa para aliviar os problemas decorrentes do aumento contínuo de recursos disponíveis através da Internet, na medida em que podem sugerir itens de interesse do usuário a partir de seu perfil. Nos últimos anos foram desenvolvidos vários algoritmos para recomendação, especialmente usando abordagens sociais, conhecidas como filtragem colaborativa. Embora a literatura indique que a precisão desses algoritmos varia de acordo com o domínio em que são aplicados, há poucos trabalhos que estudem essa questão. O objetivo do plano de trabalho descrito neste artigo foi fazer uma análise do desempenho de algoritmos de recomendação selecionados quando aplicados a um problema da área educacional, relativamente aos desempenho desses algoritmos para dados de outros domínios. O problema educacional considerado consiste em prever o desempenho, medido por uma nota, de estudantes em questões ainda não realizadas, considerando que se têm dados de desempenho de uma comunidade de aprendizes, na qual se inclui o estudante alvo, armazenados por um sistema tutor. Para a avaliação, foi utilizado o sistema PREA, que implementa os principais algoritmos de filtragem colaborativa e métricas utilizados na atualidade. Os experimentos realizados mostraram que os algoritmos estudados apresentam resultados sensivelmente menos precisos quando aplicados à base educacional considerada. As causas terão que ser investigadas. Elas podem se dever a características do domínio, da base educacional considerada, ou a problemas de formatação da base. Juan Manuel Adán Coello Grupo de Pesquisa em Sistemas Inteligentes CEATEC Palavras-chave: Sistemas de recomendação, análise comparativa de algoritmos de filtragem colaborativa, dados educacionais, previsão do desempenho de estudantes. Área do Conhecimento: Ciências Exatas e da Terra Ciência da Computação. 1. INTRODUÇÃO Com o aumento da demanda por serviços personalizados em e-commerce, sistemas de recomendação estão desempenhando um papel crítico em sites comerciais. No entanto, sabemos que o potencial da informática vai muito além do campo de atuação comercial e acredita-se que esses sistemas podem ser adaptados a diversas áreas, como por exemplo, a educação apoiada pela computação. Entre os algoritmos utilizados pelos sistemas de recomendação, destacam-se os algoritmos de filtragem colaborativa. De forma genérica, eles representam a informação disponível em matrizes usuário-item, onde se contemplam os seguintes elementos: Usuários: São os clientes de um sistema de comércio eletrônico, usuários de um serviço de streaming de mídias digitais, usuários de uma biblioteca digital que arquiva artigos científicos em formato eletrônico ou integrantes de uma rede social eletrônica. Itens: Os produtos que são vendidos em um website, as mídias contidas no pacote de serviço de streaming, os artigos científicos disponíveis no sistema ou outros usuários a serem recomendados como no caso das redes sociais. Avaliações: Notas atribuídas pelos usuários aos itens, podem estar associadas a

2 conceitos como ótimo, bom, regular e ruim, a uma escala numéricas de 1 à 5 ou podem ser binárias como gostei ou não gostei. Os algoritmos de filtragem colaborativa podem identificar padrões de semelhança entre os usuários com base nas avaliações que estes realizaram sobre itens, com o objetivo de prever a avaliação que um determinado usuário faria sobre um determinado item ainda não avaliado por ele. Outra tendência recente à qual se vincula o trabalho descrito neste artigo são os sistemas tutores no auxílio ao ensino. Dados adquiridos durante a interação dos estudantes com estes sistemas permitem, entre outras coisas, guiar os aprendizes através do processo de aprendizado, sugerindo-lhes material a estudar ou tarefas e testes a realizar [1] [2]. Isso pode ser feito, a partir da previsão da nota que o estudante teria em tarefas que ainda não realizou. Se a nota prevista for muito elevada, podese inferir que os conhecimentos e habilidades necessários à sua realização já são dominados pelo estudante, não havendo ganho em atribuir-lhe a tarefa. Por outro lado, se a nota prevista for muito baixa, é improvável que o estudante seja capaz de realizá-la, não sendo recomendável atribuir-lhe tal tarefa nesse momento. Entre esses extremos, devem ser encontradas tarefas, ou objetos educacionais, que permitam ao estudante avançar no seu aprendizado, considerando o estágio em que se encontra. Nos sistemas tutores podem ser encontrados os três elementos necessários a um algoritmo de filtragem colaborativa: os usuários, representados pelos alunos, os itens, pelas questões, e as avaliações, pelas notas que os estudantes tiram nas questões que lhe são apresentadas. Assim sendo, o objetivo do trabalho descrito foi estudar o desempenho de algoritmos de filtragem colaborativa quando aplicados ao problema de prever o desempenho dos alunos frente a questões ainda não realizadas, comparativamente ao desempenho desses algoritmos em outros domínios. O restante deste artigo está organizado conforme descrito a seguir. Na seção 2 são descritos os passos empregados para atingir o objetivo proposto. Na seção 3 apresenta-se o sistema PREA, e os algoritmos por ele implementados que foram avaliados. Na seção 4, são apresentados e comentados os resultados da avaliação realizada. O artigo é concluído na seção 5, onde são apresentadas algumas considerações finais. 2. O MÉTODO DE TRABALHO A fim de atingir os objetivos do trabalho foi necessário, inicialmente, conhecer alguns algoritmos de recomendação representativos. Para tal, utilizouse [3] e [4]. Esses artigos tratam das diversas abordagens utilizadas em sistemas de da recomendação e o motivo de existirem maneiras diferentes de abordar o problema. A partir da base conceitual adquirida sobre o problema da recomendação, o passo seguinte foi selecionar um ambiente que incluísse implementações dos principais algoritmos de filtragem colaborativa descritos na literatura. O primeiro sistema considerado foi o LensKit 1, software de código aberto, implementado em Java, em conjunto com as ferramentas necessárias para seu funcionamento: o administrador de projetos Maven 2, o também administrador de projetos e controlador de versões Mercurial 3 e a linguagem Groovy 4. Por se tratar de um paradigma novo de organização de projetos, após investir algum tempo tentando instalar e utilizar o sistema, sem sucesso, decidiu-se buscar outro sistema para a tarefa de avaliação dos algoritmos de filtragem colaborativa. O segundo avaliador considerado, e selecionado, foi o PREA (Personalized Recommendation Algorithms Toolkit 5, também fornecido em código aberto, porém de instalação e utilização mais simples que a do LensKit. Com o avaliador selecionado, o passo seguinte foi escolher um conjunto de dados educacionais para utilizar nas avaliações. Foram considerados dois conjuntos de dados, o primeiro utilizado no Desafio de Mineração de Dados Educacionais, realizado durante a KDDCup e o segundo retirado do sistema ASSISTments 7, um tutor via Web, que avalia e ensina os estudantes ao mesmo tempo, utilizando questões pré-selecionadas. No processo de escolha, foi estudado o material disponível nas páginas da Web relacionadas aos conjuntos de dados mencionados e artigos tratando do mesmo tema, em particular [5]

3 Após analisar as duas bases, foi escolhida a base do sistema ASSISTments por ter uma organização mais simples, que deveria demandar menos esforço para convertê-la para o formato de entrada requerido pelo PREA. O foco do trabalho foi então converter esta base do formato CSV (Comma-Separated Values ou Valores Separados por Virgulas, em Português) para o formato ARFF (attribute-relation file format ou Formato de Arquivo de Atributo-Relação em Português) para enfim realizar as comparações. 3. PREA (Personalized Recommendation Algorithms Toolkit) O PREA (Personalized Recommendation Algorithms Toolkit) é um software de código aberto escrito em Java que permite a comparação de algoritmos de filtragem colaborativa. O sistema fornece uma interface única para comparar os diversos algoritmos de recomendação implementados no sistema. O conjunto de ferramentas oferecido pelo PREA é composto por três grandes pacotes. O primeiro contém algoritmos de recomendação, incluindo algoritmos baseados em memória, em fatoração de matrizes e outros algoritmos no estado da arte. O segundo diz respeito à gestão dos dados usados pelos algoritmos. Ele implementa estruturas de dados, como vetores e matrizes esparsas e densas, e um separador de dados que faz a separação dos dados para treinamento, teste e validação cruzada. O último grupo implementa utilitários, incluindo métricas de avaliação, distribuições estatísticas e outras funções utilitárias. 3.1 Algoritmos Implementados O PREA implementa os seguintes tipos de algoritmos de previsão: Básicos: fazem pouco, ou nenhum, uso da informação personalizada disponível para fazer as recomendações. Estabelecem um patamar inferior de desempenho para server de base para avaliar algoritmos mais elaborados. Filtragem colaborativa baseada em memória, ou na formação de vizinhanças: fazem previsões utilizando diretamente as avaliações disponíveis de usuários ou itens similares ao usuário ou item alvo; Modelos de semântica latente usando fatoração de matrizes: constroem perfis de itens e usuários a partir da fatoração dos dados disponíveis, usando técnicas da álgebra linear. Entre os algoritmos básicos incluem-se os seguintes: Constante: uma constante, normalmente a mediana das classificações possíveis, é utilizada para as previsões. Média geral: a avaliação prevista é a média de todas as avaliações disponíveis. Média de usuário: a avaliação prevista é a média das avaliações feitas pelo usuário alvo. Média de item: avaliação prevista é a média das avaliações disponíveis para o item alvo. Aleatório: atribui-se um valor aleatório entre a mínima e a máxima pontuação possível. O PREA usa também algoritmos baseados na construção de vizinhanças a partir dos dados disponíveis em memória. Estes algoritmos ainda estão entre os principais mecanismos utilizados em muitos sistemas comerciais. Eles são fáceis de implementar e são precisos, embora tenham um custo computacional elevado. Algoritmos baseados em vizinhanças calculam a similaridade entre usuários e itens para formar uma vizinhança e utilizam as avaliações dos usuários ou itens vizinhos ao usuário ou item alvo para produzir uma previsão. A previsão é a média ponderada de todas as avaliações dos vizinhos. O cálculo da similaridade entre os itens ou usuários é uma parte importante dessa abordagem. Vários mecanismos podem ser utilizados com esse propósito, em especial a correlação de Pearson e a similaridade do cosseno [4]. As vantagens da abordagem baseada na formação de vizinhanças incluem: a facilidade de explicar os resultados, o que é um aspecto importante dos sistemas de recomendação, facilidade de implementação e uso, novos dados podem ser adicionados facilmente e de forma incremental, não é preciso levar em conta as características dos itens que estão sendo recomendados e o algoritmo funciona bem para itens avaliados de forma semelhante. Existem várias desvantagens desta abordagem. Em primeiro lugar, ela depende de avaliações feitas por humanos. Em segundo lugar, o seu desempenho diminui quando os dados de avaliação são esparsos, o que ocorre frequentemente com os itens relacionados à Web. A abordagem é pouco escalável, pois requer grande quantidade de recursos computacionais (memória e tempo de processamento) para formar as vizinhanças e fazer as previsões. Embora possa lidar eficientemente com

4 os novos usuários, acrescentar novos itens é mais complicado, uma vez que os usuários e itens são representados em um espaço vetorial específico. Em contraste com algoritmos de filtragem colaborativa baseada em memória, os algoritmos baseados em semântica latente, constroem um modelo explícito durante uma fase de aprendizado, através do reconhecimento de padrões nos dados de treinamento. Após a fase de aprendizado, eles usam o modelo para prever avaliações. Muitos dos avanços recentes para aumentar a precisão em sistemas de recomendação utilizam esta abordagem. Especificamente, esses métodos fatoram a matriz de avaliações em duas matrizes de baixa ordem: uma para representar o perfil dos usuários e a outra o perfil dos itens. Entre os algoritmos desta categoria implementados pelo PREA destacam-se os seguintes: R-SVD (Regularized SVD) NMF (Non-negative Matrix Factorization) PMF (Probabilistic Matrix Factorization ) BPMF (Bayesian Probabilistic Matrix Factorization) NLPMF (Non-linear Probabilistic Matrix Factorization) O R-SVD minimiza o erro quadrático entre as avaliações reais e as estimativas previstas para todos os dados disponíveis. A fim de controlar o overfitting, acrescenta termos de regularização para perfil dos usuários e dos itens. Para o processo de minimização, usa o gradiente descendente. O NMF também fatora a matriz de avaliações em perfis de usuários e de itens, mas estas duas matrizes de baixa ordem terão apenas valores positivos. O PMF adota um modelo linear probabilístico com observação de ruído gaussiano para representar características latentes, tanto para os usuários como para os itens. O BPMF aplica um tratamento Bayesiano do modelo PMF em que a capacidade do modelo é controlada automaticamente por meio da integração de todos os parâmetros e hiperparâmetros do modelo. O NLPMF desenvolve uma fatoração de matrizes probabilística não linear, utilizando modelos de variáveis latentes gaussianos. O modelo é otimizado utilizando o método de gradiente descendente estocástico, permitindo aplicar processos gaussianos para conjuntos de dados com milhões de avaliações sem métodos aproximados. 4. AVALIAÇÃO COMPARATIVA DOS ALGORITMOS DE RECOMENDAÇÃO A métrica usada para comparar os algoritmos foi o erro médio absoluto ou MAE (Mean Absolute Error), calculado pela equação (1), onde n é o número total de previsões feitas (quantos, foram previstos)., é o valor previsto para uma nota que o usuário u atribuiria ao item i, e, é valor real para essa nota. = 1,, O conjunto de dados escolhido para representar o cenário escolar nas avaliações foi produzido pelo sistema Assistemnts 8. Os dados foram capturados durante a interação entre os estudantes e o sistema. Entre os vários dados coletados foram selecionados apenas aqueles diretamente ligados à construção de uma matriz usuário-item, ou seja, os identificadores dos estudantes (os usuários), os identificadores dos itens (as questões respondidas) e a nota obtida pelo aluno em cada questão. Foram consideradas apenas questões objetivas, para as quais as notas são binárias: 0 indica que o aluno errou e 1 que acertou a questão. O dataset do ASSITments utilizado contempla 3974 usuários, 49 questões e avaliações. Para comparar os resultados dos algoritmos obtidos para esses dados educacionais com dados de outros domínios foram usadas dois datasets relacionadas a filmes: o netflix_3m1k, produzida com dados de usuários do serviço de locação de filmes Netflix 9 e o movielens_100k, obtido do site de recomendação de filmes Movielens 10. O netflix_3m1k representa 4427 usuários, 1000 filmes e avaliações de filmes. O movielens_100k inclui 943 usuários, 1682 filmes e avaliações de filmes. A Tabela 1 apresenta os resultados obtidos para as bases escolhidas. No caso da base Assistments, alguns dos algoritmos não puderam ser testados, pois o sistema apresentava erros que não puderam ser corrigidos a tempo de coletar os dados para este artigo. Para as bases netflix e movielens, os algoritmos baseados em vizinhanças V-Usuário (vizinhança formada por usuários similares) e V-Item (vizinhança de itens similares) apresentaram os melhores resultados (o menor erro absoluto médio 8 9 https://signup.netflix.com/ 10 (1)

5 MAE). No caso da base Assistments, o V-Usuário foi o único algoritmo não básico que pôde ser testado, e foi o que apresentou melhores resultados, embora com uma diferença de precisão menor com relação aos algoritmos básicos do que foi observado para as outras bases. Tabela 1: Desempenho de Algoritmos de Filtragem Colaborativa para Três Datasets Algoritmo MAE netflix movielens Assistments Constante Média Geral Média Do Usuário Média Do Item Aleatória V-Usuário V-Item R-SVD NMF PMF BPMF AGRADECIMENTOS O primeiro autor agradece à Pontifícia Universidade Católica de Campinas-SP pela oportunidade de realizar este trabalho e ao orientador, Prof. Dr. Juan Manuel Adán Coello, pela convivência e os novos conhecimentos obtidos. REFERÊNCIAS [1] Thai-Nghe, N., et al.(2011), Factorization models for forecasting student performance, in Proceedings of the 4th International Conference on Educational Data Mining (EDM 2011). [2] Romero, C., e Ventura, S. (2010), Educational data mining: a review of the state of the art, Systems, Man, and Cybernetics, Part C: Applications and Reviews, IEEE Transactions on, vol. 40, no. 6, p [3] Celma, Ò. (2010), The Recommendation Problem, in Music Recommendation and Discovery, Berlin Heidelberg: Springer-Verlag, pp [4] Su, X., e Khoshgoftaar, T. M. (2009), A survey of collaborative filtering techniques, Advances in Artificial Intelligence, vol. 2009, p. 4. [5] Thai-Nghe, N., et al. (2011), Factorization techniques for predicting student performance, Educational Recommender Systems and Technologies: Practices and Challenges, IGI Global. NLPMF CONCLUSÃO O objetivo deste trabalho foi analisar o desempenho de algoritmos de recomendação conhecidos quando aplicados ao problema de prever a nota de alunos em atividades ainda não realizadas, relativamente ao desempenho desses algoritmos em problemas de outros domínios. Os testes realizados mostram que os resultados alcançados para a base educacional escolhida são sensivelmente inferiores aos observados para outros domínios. As causas terão que ser investigadas. Elas podem se dever a características do domínio educacional, da base educacional considerada, que continha um número expressivamente menor de itens e avaliações, ou a problemas de formatação da base, dado que o sistema empregado para executar os testes apresentou erros ao tentar executar diversos algoritmos para esta base. Em trabalhos futuros recomenda-se também analisar a escalabilidade dos algoritmos testados.

ALGORITMO HÍBRIDO PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO UTILIZANDO FILTRAGEM COLABORATIVA E ALGORITMO GENÉTICO

ALGORITMO HÍBRIDO PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO UTILIZANDO FILTRAGEM COLABORATIVA E ALGORITMO GENÉTICO ALGORITMO HÍBRIDO PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO UTILIZANDO FILTRAGEM COLABORATIVA E ALGORITMO GENÉTICO Renan de Oliveira Yamaguti Faculdade de Engenharia de Computação / CEATEC renan.yamaguti@terra.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNIOS: MODELOS INTERPRETÁVEIS APLICADOS A DADOS EDUCACIONAIS

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNIOS: MODELOS INTERPRETÁVEIS APLICADOS A DADOS EDUCACIONAIS AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNIOS: MODELOS INTERPRETÁVEIS APLICADOS A DADOS EDUCACIONAIS Hugo Marques Casarini Faculdade de Engenharia de Computação

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

PERSONALIZANDO A TV DIGITAL. Elaine Cecília Gatto

PERSONALIZANDO A TV DIGITAL. Elaine Cecília Gatto PERSONALIZANDO A TV DIGITAL Elaine Cecília Gatto Agenda Sobre... Personalização Sistemas de Recomendação Trabalhos na Área Sobre... Bacharel em Engenharia de Computação pela UNIFEV Mestre em Ciência de

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Projeto de Redes Neurais e MATLAB

Projeto de Redes Neurais e MATLAB Projeto de Redes Neurais e MATLAB Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Sistemas Inteligentes IF684 Arley Ristar arrr2@cin.ufpe.br Thiago Miotto tma@cin.ufpe.br Baseado na apresentação

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Modelos do Design de Software

Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software O processo de design na Engenharia de Software parte de três pressupostos básicos: O resultado do design é um produto; O produto é derivado de

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br Processo Weka uma Ferramenta Livre para Data Mining O que é Weka? Weka é um Software livre do tipo open source para

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais.

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais. 1. Introdução A previsão de vendas é fundamental para as organizações uma vez que permite melhorar o planejamento e a tomada de decisão sobre o futuro da empresa. Contudo toda previsão carrega consigo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE FILTRAGEM COLABORATIVA

AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE FILTRAGEM COLABORATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE FILTRAGEM COLABORATIVA PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Pollyanna Carolina BARBOSA¹; Thiago MAGELA² 1Aluna do Curso Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Taxa de Gravação da Memória RAM (MegaBytes / segundo) G5 2.7 Ghz (Mac) Linux Kernel 2.6 2799 1575

Taxa de Gravação da Memória RAM (MegaBytes / segundo) G5 2.7 Ghz (Mac) Linux Kernel 2.6 2799 1575 21 4 Análise É necessária uma análise criteriosa, que busque retornar as questões primordiais sobre o que é realmente preciso para a aquisição de uma plataforma de produção gráfica digital profissional.

Leia mais

O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING?

O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING? O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING? AUTOMAÇÃO DE MARKETING AJUDA A Fechar mais negócios Atrair mais potenciais clientes Entregue mais clientes já qualificados para a equipe de vendas e feche mais negócios

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Data de publicação: 1 de Dezembro de 2011 Visão Geral do Produto SQL Server 2012 é uma versão significativa do produto, provendo Tranquilidade em ambientes

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

Análise e visualização de dados utilizando redes neurais artificiais auto-organizáveis

Análise e visualização de dados utilizando redes neurais artificiais auto-organizáveis Análise e visualização de dados utilizando redes neurais artificiais auto-organizáveis Adriano Lima de Sá Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 20 de junho de 2014 Adriano L. Sá (UFU)

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

E3Suite. Estudo da Evolução de Eventos Científicos

E3Suite. Estudo da Evolução de Eventos Científicos E3Suite Estudo da Evolução de Eventos Científicos Manual do usuário Projeto: Redes Sociais de Pesquisa em Sistemas de Informação UNIRIO Conteúdo 1. Instalação... 3 2. Visão Geral... 4 Equivalência de Instituições...

Leia mais

FILTRAGEM DE INFORMAÇÃO NA WEB USANDO REDE NEURAL DE HOPFIELD E ONTOLOGIA

FILTRAGEM DE INFORMAÇÃO NA WEB USANDO REDE NEURAL DE HOPFIELD E ONTOLOGIA FILTRAGEM DE INFORMAÇÃO NA WEB USANDO REDE NEURAL DE HOPFIELD E ONTOLOGIA Daniel Mandelli Martins Faculdade de Engenharia de Computação CEATEC danielmartins@puc-campinas.edu.br Juan Manuel Adán Coello

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Laboratório de Mídias Sociais

Laboratório de Mídias Sociais Laboratório de Mídias Sociais Aula 02 Análise Textual de Mídias Sociais parte I Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Universidade Federal de Goiás O que é Análise Textual? Análise

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

Organização e Recuperação da Informação

Organização e Recuperação da Informação GSI024 Organização e Recuperação da Informação Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/ori UFU/FACOM - 2011/1 Arquivo 1a Introdução Porque RI? Problemas da solução

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2006.2 Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2010.2 ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno!

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

Avaliando o que foi Aprendido

Avaliando o que foi Aprendido Avaliando o que foi Aprendido Treinamento, teste, validação Predição da performance: Limites de confiança Holdout, cross-validation, bootstrap Comparando algoritmos: o teste-t Predecindo probabilidades:função

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Willian Paraguassu Amorim 27 de julho de 2005 1 Título Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Informações para alunos, pais e responsáveis Avaliação de Aptitudes Básicas (FSA Foundation Skills Assessment): Perguntas e Respostas

Informações para alunos, pais e responsáveis Avaliação de Aptitudes Básicas (FSA Foundation Skills Assessment): Perguntas e Respostas Informações para alunos, pais e responsáveis Avaliação de Aptitudes Básicas (FSA Foundation Skills Assessment): Perguntas e Respostas 1 Pergunta O que é a Avaliação de aptitudes básicas (FSA)? Resposta

Leia mais

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância 1 Introdução Bruno Astuto Arouche Nunes Sergio Barbosa Villas-Boas 1 Henrique Falleiros Tendo em vista que o processo de ensino, nos dias de hoje,

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2011-2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA Alunos: WERNECK,

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO CASOS DE APLICAÇÃO RUI CARVALHO OLIVEIRA JOSÉ SOEIRO FERREIRA (EDITORES) IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA COIMBRA UNIVERSITY PRESS CASO 7 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO

Leia mais

4 Implementação e Resultados Experimentais

4 Implementação e Resultados Experimentais 4 Implementação e Resultados Experimentais Com o objetivo de fazer a criação automática de visões materializadas, ou seja, prover uma solução on-the-fly para o problema de seleção de visões materializadas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila O que é Data Mining? Mineração de dados (descoberta de conhecimento em bases de dados): Extração de informação interessante (não-trivial, implícita, previamente desconhecida

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

UTILIZANDO O SOFTWARE WEKA

UTILIZANDO O SOFTWARE WEKA UTILIZANDO O SOFTWARE WEKA O que é 2 Weka: software livre para mineração de dados Desenvolvido por um grupo de pesquisadores Universidade de Waikato, Nova Zelândia Também é um pássaro típico da Nova Zelândia

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 Simplifique e otimize seu DB2 para tarefas de gerenciamento de carga de trabalho

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Estudo de Técnicas de Filtragem Híbrida em Sistemas de Recomendação de Produtos

Estudo de Técnicas de Filtragem Híbrida em Sistemas de Recomendação de Produtos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Estudo de Técnicas de Filtragem Híbrida em Sistemas de Recomendação de Produtos Carlos Eduardo Martins Barbosa

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais