A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO NA CONSTITUIÇÃO DO SER SOCIAL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO NA CONSTITUIÇÃO DO SER SOCIAL 1"

Transcrição

1 A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO NA CONSTITUIÇÃO DO SER SOCIAL 1 Ana Paula Leite Nascimento 2 Ingredi Palmieri Oliveira Maria Auxiliadora Silva Moreira Oliveira Resumo Este trabalho realizou uma análise sobre a centralidade da categoria trabalho na constituição do ser social. Partiu-se da abordagem acerca do trabalho como fundante do ser social, enfatizando o significado ontológico-social da categoria trabalho na emergência do ser social. Em seguida, registraram-se alguns apontamentos a respeito do processo de trabalho, destacando os seus componentes constituintes. O trabalho caracterizou-se como uma pesquisa bibliográfica. A abordagem do estudo contemplou as dimensões qualitativa e quantitativa. Destacou-se como predominante a natureza qualitativa. Para a coleta de dados utilizou-se do levantamento bibliográfico, constituindo-se como procedimento metodológico por excelência na coleta de informações, baseado nos objetivos propostos. A análise e interpretação dos dados foram realizadas a partir de categorias definidas durante o estudo à luz do referencial teórico, construído no decorrer da investigação. A pesquisa foi norteada pelo método dialético, buscando interpretar a realidade mediante a perspectiva ontológica, sob o viés da totalidade. Compreendeu-se que a categoria trabalho assume centralidade na constituição do ser social. O trabalho difere das atividades vinculadas ao circuito estritamente natural em virtude da relação mediada que estabelece entre o seu sujeito e o seu objeto. Notou-se que o trabalho é uma atividade teleológica direcionada mediante uma finalidade proposta pelo sujeito. Identificou-se que o trabalho tem um caráter coletivo, o que o torna social. O trabalho, pois, implica uma interação no marco da sociedade, que afeta os seus sujeitos e a sua organização. Verificou-se que o desenvolvimento do ser social é descrito como o processo de humanização dos homens. Percebeu-se que o ser social dispõe da capacidade de sociabilizarse mediante os processos de interação social. Assim, o trabalho implica sociabilidade. Observou-se que a práxis possibilita captar a riqueza do ser social desenvolvido. Aludiu-se que o processo de trabalho se apresenta como condição necessária do intercâmbio material entre o homem e a natureza. Palavras-chave: trabalho; ser social; práxis. 1 Esse trabalho é resultado da pesquisa bibliográfica realizada na Disciplina Trabalho e Sociabilidade do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Política Social da Universidade Federal de Sergipe. 2 Assistente Social (UFS, 2009). Especialista em Escola e Comunidade (UFS, 2010). Mestranda em Serviço Social (UFS). Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS), lotada no IFS - Campus Lagarto. Travessa Visconde de Maracaju, Nº. 60, Bairro: 18 do Forte, Aracaju SE, CEP: Contatos: (79) ; (79) ;

2 I. INTRODUÇÃO O trabalho, ora apresentado, se propõe a realizar uma análise sobre a centralidade da categoria 3 trabalho na constituição do ser social. Partiu-se, inicialmente, da abordagem acerca do trabalho como fundante do ser social, enfatizando o significado ontológico-social da categoria trabalho na emergência do ser social. Em seguida, registraram-se alguns apontamentos a respeito do processo de trabalho, destacando os seus componentes constituintes. II. OBJETIVOS 2.1. Objetivo Geral Realizar análise teórica sobre a centralidade da categoria trabalho na constituição do ser social Objetivos Específicos Desenvolver uma abordagem acerca do trabalho como fundante do ser social, enfatizando o significado ontológico-social da categoria trabalho na emergência do ser social; Registrar alguns apontamentos a respeito do processo de trabalho, destacando os seus componentes constituintes. III. METODOLOGIA O trabalho em pauta caracterizou-se como uma pesquisa bibliográfica. A abordagem do estudo contemplou as dimensões qualitativa e quantitativa, visto que o conjunto de dados quantitativos e qualitativos, porém, não se opõem. Ao contrário, se complementam, pois a realidade abrangida por eles interage dinamicamente, excluindo qualquer dicotomia (MINAYO, 1994, p. 22). Destacou-se como predominante, por sua vez, a natureza qualitativa desta pesquisa. A pesquisa bibliográfica é elaborada com base em material já publicado. Tradicionalmente, esta modalidade de pesquisa inclui material impresso, como livros, revistas, jornais, teses, dissertações e anais de eventos científicos. Todavia, em virtude da disseminação de novos formatos de informação, estas pesquisas passaram a incluir outros tipos de fontes, como discos, fitas magnéticas, CDs, bem 3 Para Marx as categorias são formas de ser, determinações da existência. As categorias, diz ele, exprimem [...] formas de modos de ser, determinações de existência, frequentemente aspectos isolados de [uma] sociedade determinada ou seja: elas são objetivas, reais (pertencem à ordem do ser são categorias ontológicas); mediante procedimentos intelectivos (basicamente, mediante a abstração), o pesquisador as reproduz teoricamente (e, assim, também pertencem à ordem do pensamento são categorias reflexivas). Por isto mesmo, tanto real quanto teoricamente, as categorias são históricas e transitórias [...] (NETTO, 2009, p. 685).

3 como o material disponibilizado pela Internet. Praticamente toda pesquisa acadêmica requer em algum momento a realização de trabalho que pode ser caracterizado como pesquisa bibliográfica (GIL, 2010, p.29). Para a coleta de dados utilizou-se do levantamento bibliográfico, constituindo-se como procedimento metodológico por excelência na coleta de informações, baseado nos objetivos propostos. A análise e interpretação dos dados foram realizadas a partir de categorias definidas durante o estudo à luz do referencial teórico, construído no decorrer da investigação. Vale mencionar que a pesquisa foi norteada pelo método dialético 4, buscando interpretar a realidade mediante a perspectiva ontológica, sob o viés da totalidade. IV. RESULTADOS Com base na prerrogativa que o trabalho [...] é uma categoria central para compreensão do próprio fenômeno humano-social (NETTO & BRAZ, 2006, p.29), faremos aqui uma trajetória de exposição acerca da categoria trabalho como fundante no processo de constituição do ser social. O trabalho é um processo de que participam o homem e a natureza, processo em que o ser humano, com sua própria ação, impulsiona, regula e controla seu intercâmbio material com a natureza (MARX, 2011, p.211). [...] as condições materiais de existência e reprodução da sociedade vale dizer, a satisfação material das necessidades dos homens e mulheres que constituem a sociedade obtêm-se numa interação com a natureza: a sociedade, através dos seus membros (homens e mulheres), transforma matérias naturais em produtos que atendem às suas necessidades. Essa transformação é realizada através da atividade a que denominamos trabalho (NETTO & BRAZ, 2006, p.30). Em Marx (2011) tem-se que no trabalho o homem defronta-se com a natureza como uma de suas forças. Põe em movimento as forças naturais de seu corpo [...], a fim de apropriar-se dos recursos da natureza, imprimindo-lhes forma útil à vida humana (p.211). Assevera ainda que atuando assim sobre a natureza externa e modificando-a, ao mesmo tempo modifica sua própria natureza (Ibidem). As atividades que atendem a necessidades de sobrevivência são generalizadas entre as espécies animais (NETTO & BRAZ, 2006, p.30). Todavia, verifica-se que determinadas 4 O método dialético procura captar as mediações que explicam as relações dos complexos com a totalidade para desvendar o real a partir de suas contradições e determinações. Para tanto, parte-se dos fenômenos aparentes e através de um processo de abstração, busca-se chegar à sua essência, reproduzindo-se a realidade pesquisada no plano do pensamento, enquanto real pensado (KOSIK, 1995).

4 atividades processam-se no interior de circuitos estritamente naturais: realizam-se no marco de uma herança determinada geneticamente [...], numa relação imediata entre o animal e o seu meio ambiente [...] e satisfazem, sob formas em geral fixas, necessidades biologicamente estabelecidas [...] (NETTO & BRAZ, 2006, p.30). Mediante o exposto, cabe destacar que o trabalho é algo substantivamente diverso daquelas atividades que transitam no interior de circuitos estritamente naturais na medida em que rompe com o padrão natural das atividades em questão. Então vejamos as razões: [...] em primeiro lugar, porque o trabalho não se opera com uma atuação imediata sobre a matéria natural; diferentemente, ele exige instrumentos que, no seu desenvolvimento, vão cada vez mais se interpondo entre aqueles que o executam e a matéria; em segundo lugar, porque o trabalho não se realiza cumprindo determinações genéticas; bem ao contrário, passa a exigir habilidades e conhecimentos que se adquirem inicialmente por repetição e experimentação e que se transmitem mediante aprendizado; em terceiro lugar, porque o trabalho não atende a um elenco limitado e praticamente invariável de necessidades, nem as satisfaz sob formas fixas; se é verdade que há um conjunto de necessidades que sempre deve ser atendido (alimentação, proteção contra intempéries, reprodução biológica etc.), as formas desse atendimento variam muitíssimo e, sobretudo, implicam o desenvolvimento, quase sem limites, de novas necessidades (Ibidem, p.30-31). Infere-se, portanto, que o trabalho se diferencia das atividades naturais em decorrência da relação mediada entre o seu sujeito (aqueles que o executam, homens em sociedade) e o seu objeto (as várias formas da natureza, orgânica e inorgânica) (Ibidem, p.32). Para Marx o trabalho é o fundamento ontológico-social do ser social; é ele que permite o desenvolvimento de mediações que instituem a diferencialidade do ser social em face de outros seres da natureza (BARROCO, 2006, p.26). Assim, a condição ontológicosocial ineliminável do trabalho, na (re)produção do ser social, dá a ele um caráter universal e sócio-histórico (Ibidem). Sabe-se que o trabalho é uma atividade projetada, teleologicamente direcionada, ou seja: conduzida a partir do fim proposto pelo sujeito (NETTO & BRAZ, 2006, p.32). Marx enfatiza o papel da finalidade numa atividade prática como o trabalho humano: ao final do processo de trabalho, surge um resultado que antes de começar já existia na mente do operário: ou seja, um resultado que já tinha existência ideal (VÁZQUEZ, 1990, p ). Vázquez (1990) argumenta que ao antecipar idealmente o resultado efetivo, pode ajustar seus atos como elementos de uma totalidade regida pelo objetivo (p.190). Salienta ainda que essa prefiguração ideal do resultado real diferencia radicalmente a atividade do

5 homem de qualquer outra atividade animal que, aparentemente pudesse aparecer com ela (Ibidem). Entretanto, se essa prefiguração (ou, no dizer de Lukács, essa prévia ideação é indispensável à efetivação do trabalho, ela em absoluto o realiza: a realização do trabalho só se dá quando essa prefiguração ideal se objetiva, isto é, quando a matéria natural, pela ação material do sujeito, é transformada. O trabalho implica, pois, um movimento indissociável em dois planos: num plano subjetivo (pois a prefiguração se processa no âmbito do sujeito) e num plano objetivo (que resulta na transformação material da natureza); assim, a realização do trabalho constitui uma objetivação do sujeito que o efetua. [...] Não basta prefigurar idealmente o fim da atividade para que o sujeito realize o trabalho; é preciso que ele reproduza, também idealmente, as condições objetivas em que atua (a dureza da pedra etc.) e possa transmitir a outrem essas representações (NETTO & BRAZ, 2006, p.32-33). Observa-se que por ser consciente, o homem age teleologicamente; transforma suas necessidades e formas de satisfação em novas perguntas; autoconstrói-se como um ser de projetos; torna-se autoconsciente, como sujeito construtor de si mesmo e da história (BARROCO, 2006, p.28). O trabalho é, sempre atividade coletiva: seu sujeito nunca é um sujeito isolado, mas sempre se insere num conjunto (maior ou menor, mais ou menos estruturado) de outros sujeitos (NETTO & BRAZ, 2006, p.34). Logo, o caráter coletivo da atividade do trabalho é, substantivamente, aquilo que se denominará de social (Ibidem). Desta feita, o trabalho não é obra de um indivíduo mas da cooperação entre os homens; só se objetiva socialmente, de modo determinado; responde a necessidades sóciohistóricas, produz formas de interação humana [...] (BARROCO, 2006, p.26). O trabalho implica mais que a relação sociedade / natureza: implica uma interação no marco da própria sociedade, afetando os seus sujeitos e a sua organização. O trabalho, através do qual o sujeito transforma a natureza (e, na medida em que é uma transformação que se realiza materialmente, tratase de uma transformação prática), transforma também o seu sujeito: foi através do trabalho que, de grupos de primatas, surgiram os primeiros grupos humanos numa espécie de salto que fez emergir um novo tipo de ser, distinto do ser natural (orgânico e inorgânico): o ser social. [...] o trabalho não é apenas uma atividade específica de homens em sociedade, mas é, também e ainda, o processo histórico pelo qual surgiu o ser desses homens, o ser social (NETTO & BRAZ, 2006, p.34). Lukács (1972) menciona que com o ato da posição teleológica do trabalho, temos em-si o ser social (p.17). O processo histórico da sua explicitação, contudo, implica a importantíssima transformação desse ser em-si num ser para-si; e, portanto, implica a

6 superação tendencial das formas e dos conteúdos de ser meramente naturais em formas e conteúdos sociais mais puros, mais específicos (Ibidem). Nota-se que foi através do trabalho que a humanidade se constituiu como tal. Ou, se quiser: o trabalho é fundante do ser social, precisamente porque é de ser social que falamos quando falamos de humanidade (sociedade) (NETTO & BRAZ, 2006, p.37). Por isso a assertiva de que é na sociedade e nos membros que a compõem que o ser social existe: a sociedade, e seus membros, constitui o ser social e dele se constitui (Ibidem). Então, o desenvolvimento da sociabilidade implica a (re)criação de necessidades e formas de satisfação, do que decorre a transformação do ser social e do mundo natural, isto é, do sujeito e do objeto (BARROCO, 2006, p.27). Afirma-se que o desenvolvimento do ser social ou a história mesma pode ser descrito como o processo de humanização dos homens, processo através do qual as determinações naturais, sem deixar de existir, jogam um papel cada vez menos relevante na vida humana (NETTO & BRAZ, 2006, p.39). [...] o estudo ontológico do ser social mostra que só de modo bastante gradual, passando por muitíssimas etapas, é que suas categorias e relações adquiriram o caráter de socialidade predominante. Repetimos: predominante, já que o ser social por sua própria essência jamais pode se separar completamente de seus fundamentos naturais (o homem resta ineliminavelmente um ser biológico), do mesmo modo como a natureza orgânica tem de incorporar, em forma dialeticamente superada, a natureza inorgânica. O ser social, todavia, tem um desenvolvimento no qual essas categorias naturais, mesmo sem jamais desaparecerem, recuam de modo cada vez mais nítido, deixando o lugar de destaque para categorias que não têm na natureza sequer um correspondente analógico (LUKÁCS, 1972, p.53). Registra-se que [...] os sujeitos do trabalho experimentam um multimilenar processo que acaba por distingui-los da natureza: o processo de humanização (NETTO & BRAZ, 2006, p.40). O avanço deste processo pode ser compreendido, pois, como a diferenciação e a complexificação das objetivações do ser social. O trabalho aparece como a objetivação primária e ineliminável do ser social [...] (Ibidem, p.40-41). Vale ainda ressaltar que [...] o ser social constitui-se como um ser que, dentre todos os tipos de ser, se particulariza porque é capaz de: 1. realizar atividades teleologicamente orientadas; 2. objetivar-se material e idealmente; 3. comunicar-se e expressar-se pela linguagem articulada; 4. tratar suas atividades e a si mesmo de modo reflexivo, consciente e autoconsciente; 5. escolher entre alternativas concretas; 6. universalizar-se; e, 7. sociabilizar-se (Ibidem, p.41).

7 Percebe-se que além de supor a sociabilidade e a universalidade, o trabalho implica um dado conhecimento da natureza e a valoração dos objetos necessários ao seu desenvolvimento: aí é dada a gênese da consciência humana como capacidade racional e valorativa (BARROCO, 2006, p.27). Depreende-se, por sua vez, que [...] o ser social dispõe da capacidade de sociabilização, isto é, ele é passível de apropriação e desenvolvimento por parte dos membros da sociedade no interior da própria sociedade, através, fundamentalmente, dos processos de interação social [...] (NETTO & BRAZ, 2006, p.42). Argumenta-se ainda que o trabalho é constitutivo do ser social, mas o ser social não se reduz ou esgota no trabalho. Quanto mais se desenvolve o ser social, mais as suas objetivações transcendem o espaço ligado diretamente ao trabalho (Ibidem, p.43). O desenvolvimento do ser social implica o surgimento de uma racionalidade, de uma sensibilidade e de uma atividade que, sobre a base necessária do trabalho, criam objetivações próprias. No ser social desenvolvido, o trabalho é uma das suas objetivações e, como já assinalamos, quanto mais rico o ser social, tanto mais diversificadas e complexas são as suas objetivações. O trabalho, porém, não só permanece como a objetivação fundante e necessária do ser social permanece, ainda, como o que se poderia chamar de modelo das objetivações do ser social, uma vez que todas elas supõem as características constitutivas do trabalho (a atividade teleologicamente orientada, a tendência à universalização e a linguagem articulada) (NETTO & BRAZ, 2006, p.43). Assim, pode-se afirmar que o ser social é mais que trabalho, para assinalar que ele cria objetivações que transcendem o universo do trabalho, existe uma categoria teórica mais abrangente: a categoria de práxis (Ibidem, p.43). Barroco (2006) aponta que o trabalho é uma atividade teleológica, donde o papel ativo da consciência no processo de autoconstrução humana; o produto objetivo da práxis personifica suas intenções e seus projetos (p.28). Marx ressalta o caráter real, objetivo, da práxis na medida em que transforma o mundo exterior que é independente de sua consciência e de sua existência. O objeto da atividade prática é a natureza, a sociedade ou os homens reais. A finalidade dessa atividade é a transformação real, objetiva, do mundo natural ou social para satisfazer determinada necessidade humana. E o resultado é uma nova realidade, que subsiste independentemente do sujeito ou dos sujeitos concretos que a engendraram com sua atividade subjetiva, mas que, sem dúvida, só existe pelo homem e para o homem, como ser social (VÁZQUEZ, 1990, p.194).

8 Portanto, a práxis envolve o trabalho, que na verdade, é o seu modelo mais inclui muito mais que ele: inclui todas as objetivações humanas (NETTO & BRAZ, 2006, p.43). No contexto do trato das objetivações salienta-se que: Primeiro: deve-se distinguir entre formas de práxis voltadas para o controle e a exploração da natureza e formas voltadas para influir no comportamento e na ação dos homens. No primeiro caso, que é o do trabalho, o homem é o sujeito e a natureza é o objeto; no segundo caso, trata-se de relações de sujeito a sujeito, daquelas formas de práxis em que o homem atua sobre si mesmo (como na práxis educativa e na práxis política). Segundo: os produtos e obras resultantes da práxis podem objetivar-se materialmente e/ou idealmente: no caso do trabalho, sua objetivação é necessariamente algo material; mas há objetivações (por exemplo, os valores éticos) que se realizam sem operar transformações numa estrutura material qualquer (NETTO & BRAZ, 2006, p.43-44, grifos nossos). Chega-se a compreensão que a categoria [...] práxis permite apreender a riqueza do ser social desenvolvido [...]. [...] revela o homem como ser criativo e autoprodutivo: ser da práxis, o homem é produto e criação da sua auto-atividade, ele é o que (se) fez e (se) faz (Ibidem, p.44). Marx (2011) aponta que a utilização da força de trabalho é o próprio trabalho (p.211). Ele ainda pressupõe o trabalho sob forma exclusivamente humana (Ibidem). Uma aranha executa operações semelhantes às do tecelão, e a abelha supera mais de um arquiteto ao construir sua colméia. Mas o que distingue o pior arquiteto da melhor abelha é que ele figura na mente sua construção antes de transformá-la em realidade. No fim do processo do trabalho aparece um resultado que já existia antes idealmente na imaginação do trabalhador. Ele não transforma apenas o material sobre o qual opera; ele imprime ao material o projeto que tinha conscientemente em mira, o qual constitui a lei determinante do seu modo de operar e ao qual tem de subordinar sua vontade. E essa subordinação não é um ato fortuito. Além do esforço dos órgãos que trabalham, é mister a vontade adequada que se manifesta através da atenção durante todo o curso do trabalho [...] (Ibidem, p ). Apresentam-se como elementos componentes do processo de trabalho: a atividade adequada a um fim, isto é o próprio trabalho; a matéria a que se aplica o trabalho, o objeto de trabalho; e, os meios de trabalho, o instrumental de trabalho (Ibidem, p.212). É no processo de trabalho que o homem, valendo-se dos instrumentos ou meios adequados, transforma um objeto obedecendo a uma finalidade (VÁZQUEZ, 1990, p.195). Por conseguinte, na medida em que materializa certa finalidade ou certo projeto, ele se objetiva de certo modo em seu produto (Ibidem). No trabalho diz Marx o homem assimila sob uma forma útil para sua própria vida, as matérias que a natureza lhe oferece, mas só pode assimilá-

9 las objetivando-se nelas, ou seja, imprimindo na matéria trabalhada o cunho de suas finalidades. Marx aponta essa adequação a uma finalidade como um dos fatôres essenciais do processo de trabalho: Os fatores simples que intervêm no processo de trabalho são: a atividade adequada a uma finalidade, isto é, o próprio trabalho, seu objeto e seus meios (VÁZQUEZ, 1990, p.195). Verifica-se que todas as coisas que o trabalho apenas separa de sua conexão imediata com seu meio natural constituem objetos de trabalho fornecidos pela natureza (MARX, 2011, p.212). O meio de trabalho é uma coisa ou um complexo de coisas que o trabalhador insere entre si mesmo e o objeto de trabalho e lhe serve para dirigir sua atividade sobre esse objeto (Ibidem, p.213). No caso dos instrumentos de trabalho, Marx denota que não são apenas o barômetro indicador do desenvolvimento da força de trabalho do homem, como também o expoente das condições sociais em que trabalha (VÁZQUEZ, 1990, p.196). Logo, os meios de trabalho servem para medir o desenvolvimento da força humana de trabalho e, além disso, indicam as condições sociais em que se realiza o trabalho (MARX, 2011, p.214). Além das coisas que permitem ao trabalho aplicar-se a seu objeto e servem, de qualquer modo, para conduzir a atividade, consideramos meios de trabalho, em sentido lato, todas as condições materiais, seja como for, necessárias à realização do processo de trabalho. Elas não participam diretamente do processo, mas este fica, sem elas, total ou parcialmente impossibilitado de concretizar-se (Ibidem). Com o aparecimento de instrumentos mais aperfeiçoados modifica-se o tipo de relação entre o homem e a natureza, e, nesse sentido, é um índice revelador do desenvolvimento de sua fôrça de trabalho e de seu domínio sôbre a natureza (VÁZQUEZ, 1990, p.196). Barroco (2006) informa que para transformar a natureza, o homem desenvolve um certo nível de conhecimento que lhe permite saber quais são as formas apropriadas para essa intervenção (p.29). Evidencia-se em Lukács (1972) que [...] a força-de-trabalho é uma mercadoria sui generis, cujo valor-de-uso possui a qualidade peculiar de conduzir, durante a sua utilização real, a uma criação de valor (p.44). O autor acrescenta ainda que [...] apenas a qualidade específica da mercadoria força-de-trabalho é capaz de criar valor novo, enquanto os meios de produção, matérias-primas, etc., simplesmente conservam o seu valor no processo de trabalho (LUKÁCS, 1972, p.62).

10 Marx (2011) sinaliza que no processo de trabalho, a atividade do homem opera uma transformação, subordinada a um determinado fim, no objeto sobre que atua por meio do instrumental de trabalho (p.214). O processo extingue-se ao concluir-se o produto. O produto é um valor-deuso, um material da natureza adaptado às necessidades humanas através da mudança de forma. O trabalho está incorporado ao objeto sobre que atuou. Concretizou-se, e a matéria está trabalhada. O que se manifestava em movimento, do lado do trabalhador, se revela agora qualidade fixa, na forma de ser, do lado do produto. Ele teceu, e o produto é um tecido. Observandose todo o processo do ponto de vista do resultado, do produto, evidencia-se que meio e objeto de trabalho são meios de produção e o trabalho é trabalho produtivo (Ibidem, p ). Na descrição do processo de trabalho realizada por Marx (2011), considerando os seus elementos simples e abstratos, o processo de trabalho [...] é atividade dirigida com o fim de criar valores-de-uso, de apropriar os elementos naturais às necessidades humanas; é condição necessária do intercâmbio material entre o homem e a natureza (p.218). É ainda condição natural eterna da vida humana, sem depender, portanto, de qualquer forma dessa vida, sendo antes comum a todas as suas formas sociais (Ibidem). Partindo do pressuposto do trabalho, enquanto formador de valores de uso, enquanto trabalho útil, tem-se o trabalho configurado como uma condição de existência do homem, independente de todas as formas de sociedade; é uma necessidade natural eterna, que tem a função de mediatizar o intercâmbio orgânico entre o homem e a natureza, ou seja, a vida dos homens (LUKÁCS, 1972, p. 16). V. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base no estudo realizado, compreendeu-se que a categoria trabalho assume centralidade na constituição do ser social. O trabalho enquanto processo de transformação da natureza, neste caso, das matérias primas, em produto para o atendimento às necessidades dos homens em sociedade, configura-se como atividade e/ou ação essencialmente humana. Nessa relação ao mesmo tempo o homem transforma a natureza e se transforma, logo, o trabalho se apresenta como fundante do ser social. Verificou-se que o trabalho difere das atividades vinculadas ao circuito estritamente natural em virtude da relação mediada que estabelece entre o seu sujeito e o seu objeto. Notou-se também que o trabalho é uma atividade teleológica direcionada mediante uma

11 finalidade proposta pelo sujeito. Portanto, o resultado real ao final do processo de trabalho, ou seja, o produto, denota um resultado com existência ideal, ao que se denomina como prévia ideação. O trabalho possui um movimento indissociável em dois planos, a saber, o subjetivo e o objetivo, constituindo-se numa objetivação do sujeito. Identificou-se que o trabalho tem um caráter coletivo, o que o torna social. A atividade de trabalho realizada socialmente, por sua vez, produz interação humana. O trabalho, pois, implica uma interação no marco da sociedade, que afeta os seus sujeitos e a sua organização. Percebeu-se que o trabalho leva àquilo que os autores classificam como uma espécie de salto, ocasionando a emergência e constituição do ser social. Registrou-se que o desenvolvimento do ser social é descrito como o processo de humanização dos homens, onde o trabalho aparece como objetivação primária. Aqui ocorre o afastamento das determinações naturais, dado o recuo da relevância do seu papel na vida humana. O ser social dispõe da capacidade de sociabilizar-se mediante os processos de interação social. Assim, o trabalho implica sociabilidade. Desta feita, apreendeu-se o significado ontológico-social do trabalho como constitutivo do ser social. Observou-se ainda que o ser social é mais que trabalho, visto que quanto mais se desenvolve, as suas objetivações transcendem o universo do trabalho. Isso se explica pela práxis, categoria que inclui o trabalho e as demais objetivações humanas. É a práxis que possibilita captar a riqueza do ser social desenvolvido. No decurso desta análise, aludiu-se que o processo de trabalho se apresenta como condição necessária do intercâmbio material entre o homem e a natureza. Constitui-se como componentes do processo de trabalho a atividade direcionada a um fim, o objeto de trabalho e os meios de trabalho. No caso dos meios de trabalho, confirmou-se a sua importância para medir o desenvolvimento da força humana de trabalho, além de indicar sob quais condições sociais o trabalho é realizado. REFERÊNCIAS BARROCO, Maria Lucia Silva. Trabalho, ser social e ética. In: Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 4. ed. São Paulo: Cortez, LUKÁCS, György. Ontologia do ser social: os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Ciências Humanas, 1972.

12 MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro I, Volume ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, NETTO, José Paulo. Introdução ao método da teoria social. In: Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia Política: uma introdução crítica. v. 1. Coleção Biblioteca Básica de Serviço Social. São Paulo: Cortez, VÁZQUEZ, A.S. O que é a práxis. In: Filosofia da práxis. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista As determinações do trabalho no modo de produção capitalista Amanda Larissa Magalhães Ferreira 1 Luciene de Barros correia Teotonio 2 Sanney Karoliny Calixto Barbosa 3 Resumo: O presente artigo tem como

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO.

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. Marcelo Lira Silva Tentarei neste breve ensaio levantar alguns aspectos da construção gnósioontológico de um dos pensadores marxistas

Leia mais

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA?

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? 1 Ivo Tonet* 1. Introdução Costuma-se associar o termo teoria crítica à Escola de Frankfurt. Contudo, no presente texto, nosso objetivo não é discorrer sobre a teoria

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

TRABALHO E O FENÔMENO DA ALIENAÇÃO NA PRÁXIS SOCIAL

TRABALHO E O FENÔMENO DA ALIENAÇÃO NA PRÁXIS SOCIAL TRABALHO E O FENÔMENO DA ALIENAÇÃO NA PRÁXIS SOCIAL Marcela Carnaúba Pimentel 1 RESUMO No decorrer deste texto apresentaremos o resultado de uma prévia investigação acerca trabalho e o fenômeno da alienação

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE

A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo O Serviço

Leia mais

Fundamentos Ontológicos do trabalho em Marx: trabalho útil - concreto e trabalho abstrato

Fundamentos Ontológicos do trabalho em Marx: trabalho útil - concreto e trabalho abstrato Fundamentos Ontológicos do trabalho em Marx: trabalho útil - concreto e trabalho abstrato MARIANA CORREIA SILVA SABINO Universidade Federal de Alagoas UFAL RESUMO O presente artigo discorre sobre os Fundamentos

Leia mais

AS BASES SÓCIO-HISTÓRICAS DA ONTOLOGIA DO SER SOCIAL: O TRABALHO 1

AS BASES SÓCIO-HISTÓRICAS DA ONTOLOGIA DO SER SOCIAL: O TRABALHO 1 1 AS BASES SÓCIO-HISTÓRICAS DA ONTOLOGIA DO SER SOCIAL: O TRABALHO 1 Nayara Carvalhaes Braghini 2 Tânia Cristina de Oliveira Donizeti 3 Renato Tadeu Veroneze 4 RESUMO Na sociedade do capital, o trabalho

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Atividade Psicomotora. Funções Psicológicas Superiores. Imaginação. Pré-Escola.

Resumo. Palavras chave: Atividade Psicomotora. Funções Psicológicas Superiores. Imaginação. Pré-Escola. A CRIANÇA EM IDADE PRÉ-ESCOLAR E AS FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES: FOCANDO A ATIVIDADE LUDO- PEDAGÓGICA PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO Janaína Pereira Duarte Bezerra Irineu A. Tuim

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1 EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE Ivo Tonet Introdução É lugar-comum afirmar que a humanidade está vivenciando, atualmente, uma crise de gravíssimas proporções. Crise que não afeta apenas algumas, mas todas as

Leia mais

A IMPORTÂNCIA CATEGORIA MEDIAÇÃO PARA O SERVIÇO SOCIAL

A IMPORTÂNCIA CATEGORIA MEDIAÇÃO PARA O SERVIÇO SOCIAL A IMPORTÂNCIA CATEGORIA MEDIAÇÃO PARA O SERVIÇO SOCIAL Autoras: Josiane Moraes 1 e Maria Lúcia Martinelli 2 Eixo temático nº III: Intelectualidade e política: desafios nas ciências sociais e no Serviço

Leia mais

Marx e Lukács: a relação sociedade e natureza

Marx e Lukács: a relação sociedade e natureza Marx e Lukács: a relação sociedade e natureza 6º COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS GT 1 - A obra teórica de Marx Thiago Brito 1 As questões sobre a relação sociedade e natureza em Marx não se encontram

Leia mais

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA Resumo Ademir Aparecido Pinhelli Mendes 1 NESEF/UFPR/UNINTER Geraldo Balduíno Horn 2 NESEF/PPGE//UFPR Grupo de Trabalho

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2 2 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: REFLETINDO SOBRE AS POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL E DE DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIAS E/OU DIFICULDADES ESCOLARES Profº Dr. Irineu A. Tuim Viotto

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E EMANCIPAÇÃO SOCIAL

DIREITOS HUMANOS E EMANCIPAÇÃO SOCIAL DIREITOS HUMANOS E EMANCIPAÇÃO SOCIAL Alexandre Aguiar dos Santos* É o desenvolvimento do ser social que possibilita o surgimento de categorias essenciais para o entendimento da sociedade. O fundamento

Leia mais

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Sylvio Marinho da Pureza Ramires (UFAL) 1 RESUMO O objetivo deste artigo é evidenciar os efeitos

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIENCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO ACADÊMICO NOME DO(A) CANDIDATO(A) TÍTULO Projeto de pesquisa

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO. Key-words: Social Work, Work Category, Work, Labour

UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO. Key-words: Social Work, Work Category, Work, Labour 1 UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO Patricia da Silva Monteiro *. Jocelina Alves de Souza Coelho ** Elaine Nunes da Silva *** RESUMO O Serviço Social não é uma profissão que

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL Resumo Este artigo analisa os limites e as possibilidades históricas à educação omnilateral. Trata se de um ensaio teóricofilosófico sobre o conceito

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO Solange Toldo Soares 1 Jussara das Graças Trindade 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO Solange Toldo Soares 1 Jussara das Graças Trindade 2 1 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO Solange Toldo Soares 1 Jussara das Graças Trindade 2 Introdução O princípio educativo do trabalho é uma temática muito debatida

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

O PROCESSO DE PRODUÇÃO/REPRODUÇÃO SOCIAL; TRABALHO E SOCIABILIDADE 1

O PROCESSO DE PRODUÇÃO/REPRODUÇÃO SOCIAL; TRABALHO E SOCIABILIDADE 1 Texto ABESS 23/06/06 18:35 1 O PROCESSO DE PRODUÇÃO/REPRODUÇÃO SOCIAL; TRABALHO E SOCIABILIDADE 1 Qual a relação entre os homens e a natureza? O que torna o ser social distinto da natureza? Por que o trabalho

Leia mais

1.1. Projeto-intervenção

1.1. Projeto-intervenção 1.1. Projeto-intervenção O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orienta-se por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado e b)

Leia mais

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda.

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. AUTORA: Sandra Maria Zanello de Aguiar. CREDENCIAIS DO AUTOR: Mestre em Serviço Social-PUC/São Paulo; Professora do Curso de Serviço Social da Universidade

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE À LUZ DA PERSPECTIVA MATERIALISTA- HISTÓRICA Luciete Valota Fernandes IP-USP Agência Financiadora: CAPES

O TRABALHO DOCENTE À LUZ DA PERSPECTIVA MATERIALISTA- HISTÓRICA Luciete Valota Fernandes IP-USP Agência Financiadora: CAPES O TRABALHO DOCENTE À LUZ DA PERSPECTIVA MATERIALISTA- HISTÓRICA Luciete Valota Fernandes IP-USP Agência Financiadora: CAPES 1) Trabalho, trabalho abstrato, trabalho produtivo e improdutivo Concebemos este

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA?

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA? A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA? Alessandro Tomaz Barbosa (Bolsista PROLICEN/PRG/UFPB Programa de Pós-Graduação em Educação Científica

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

RIBEIRO Maria Rosânia Mattiolli. GOZZI Maria Estela

RIBEIRO Maria Rosânia Mattiolli. GOZZI Maria Estela FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICO - METODOLÓGICA NOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM NÍVEL MÉDIO MODALIDADE NORMAL: UMA PERSPECTIVA DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁXIS. RIBEIRO Maria Rosânia Mattiolli GOZZI Maria Estela

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Trabalho e Educação. Conceito e compreensão histórica do desenvolvimento da ação humana e sua inserção na EJA

Trabalho e Educação. Conceito e compreensão histórica do desenvolvimento da ação humana e sua inserção na EJA Trabalho e Educação Conceito e compreensão histórica do desenvolvimento da ação humana e sua inserção na EJA Samara Marino Mestranda em Ciências Sociais, pela Pontifícia Universidade Católica PUC-SP. Graduada

Leia mais

Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global

Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global Individualidade pessoal de classe e genericidade humana Notas teórico criticas Nosso objetivo é esclarecer (e desenvolver) alguns elementos categoriais utilizados na aula 5 a análise crítica do filme Morte

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social

Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social Gabriela da Silva 1 Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social Resumo: nesta comunicação procuro analisar, quais relações existem entre as políticas públicas

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

Cristiane Gonçalves de Souza 1 Dircéia Moreira. Introdução

Cristiane Gonçalves de Souza 1 Dircéia Moreira. Introdução UMA REFLEXÃO ACERCA DAS POSSIBILIDADES DE EMPODERAMENTO DAS FAMÍLIAS ATENDIDAS PELO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Metodologia Científica Projeto de Pesquisa Orientações Gerais Projeto de pesquisa Questões a responder o que fazer? formulação do problema,

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

PROJETO DE PEQUISA CURSO: BACHAREL EM TEOLOGIA

PROJETO DE PEQUISA CURSO: BACHAREL EM TEOLOGIA PROJETO DE PEQUISA CURSO: BACHAREL EM TEOLOGIA Aluno : Período : Professor : Proposta para Orientação 1ª Opção : 2ª Opção : 3ª Opção : Aprovado em / / Assinatura Professor 1. AREA : Área do conhecimento

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Emanoela Moreira Maciel¹ - UFPI - luaemanoela@hotmail.com Prof. Dra. Bárbara Maria Macedo Mendes² UFPI - barbarammendes@hotmail.com

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA

A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA Celso Candido O processo de transformação do modo de produção industrial para o imaterial passa pelo reconhecimento do computador como a principal máquina-ferramenta

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

Leis, causas e explicação em Biologia

Leis, causas e explicação em Biologia Leis, causas e explicação em Biologia Felipe Faria * Resenha do livro de Gustavo Caponi: Leyes sin causa y causas sin ley en la explicación biológica. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia-Rectoria,

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional

O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional Autoras: Valdenice José Raimundo 1 Sandra Carla Lima 2 Ana Claudia Galvão Matos 3

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO 1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Salvador BA Maio de 2012 Letícia Machado dos Santos Secretaria

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

Pedagogia de Projetos

Pedagogia de Projetos Pedagogia de Projetos 1 Este texto foi adaptado pela Profª. Fábia Magali a partir das referências citadas na bibliografia e trabalhado no Encontro de Professores da Rede Municipal de Montes Claros em julho/98.

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

Marx e o Marxismo 2013: Marx hoje, 130 anos depois Universidade Federal Fluminense Niterói RJ de 30/09/2013 a 04/10/2013

Marx e o Marxismo 2013: Marx hoje, 130 anos depois Universidade Federal Fluminense Niterói RJ de 30/09/2013 a 04/10/2013 Marx e o Marxismo 2013: Marx hoje, 130 anos depois Universidade Federal Fluminense Niterói RJ de 30/09/2013 a 04/10/2013 TÍTULO DO TRABALHO O papel da brincadeira no desenvolvimento histórico e cultural

Leia mais

1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética

1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética Ética e linguagem: uma perspectiva marxista Renato Campos Pordeus Mestrando pelo Departamento de Filosofia da UFPE 1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética A compreensão do homem,

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO 1 AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO Blandina Mara de Lima Freitas* marafreitas@msn.com ÁREA SOBRE A QUAL VERSA O ARTIGO: Teoria Geral do Direito; Introdução ao Estudo do Direito; Ciência Política; Sociologia

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS Trabalho: mediador do metabolismo social entre ser humano e natureza e elemento central do processo de formação dos seres humanos Caio Antunes (Professor da Universidade

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

TRABALHO E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE DO CAPITAL

TRABALHO E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE DO CAPITAL TRABALHO E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE DO CAPITAL Resumo Ítalo Andrade Lima Graduado em Filosofia pela UECE italoandrad27@hotmail.com Esta pesquisa tem por objetivo abordar o trabalho em sua forma particular,

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL E PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL: democratizar acesso ou permanência? 1

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL E PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL: democratizar acesso ou permanência? 1 ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL E PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL: democratizar acesso ou permanência? 1 Ana Paula Leite Nascimento 2 RESUMO O trabalho realizou um estudo acerca da defesa da democratização

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

O CONCEITO DE PERSONALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PSICOLOGICA HISTÓRICO-CULTURAL. Marilda Gonçalves Dias Facci UEM mgdfacci@uem.

O CONCEITO DE PERSONALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PSICOLOGICA HISTÓRICO-CULTURAL. Marilda Gonçalves Dias Facci UEM mgdfacci@uem. 1 O CONCEITO DE PERSONALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PSICOLOGICA HISTÓRICO-CULTURAL Luiza Almeida Xavier UEM luiza.ax@hotmail.com - CNPq Marilda Gonçalves Dias Facci UEM mgdfacci@uem.br Introdução O

Leia mais