Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011"

Transcrição

1 Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011 No primeiro trimestre de 2011, a carga máxima da rede foi de 491,74 MW - diminuiu 5,14% comparativamente ao mesmo período do ano passado. O consumo total de energia eléctrica (não incluindo o consumo próprio de energia eléctrica da Central da CIRS nem a produção de electricidade das instalações privadas - idem abaixo) foi de 763,41 GWh - diminuiu 1,41% relativamente ao mesmo período do ano passado. Com o aumento do volume do fornecimento de gás natural, o volume de produção de energia eléctrica através de gás natural foi de 213,44 GWh, o que representa um aumento de 102,50% em comparação com o período homólogo do ano passado. De acordo com os resultados de monitorização, os indicadores relativos às emissões de gases provenientes da produção de electricidade e das emissões das águas residuais estão dentro dos limites. No primeiro trimestre, foram registadas 9 falhas da rede eléctrica de média tensão, os indicadores globais do serviço de fornecimento de electricidade mantiveram-se estáveis. Procura e fornecimento de electricidade De acordo com os dados do primeiro trimestre de 2011 da CEM, a carga máxima da rede foi de 491,74 MW - diminuiu 5,14% em relação ao mesmo trimestre de O consumo total de energia eléctrica foi de 763,41 GWh - baixou 11,49% em relação ao trimestre passado e baixou pouco, 1,41%, em relação ao mesmo trimestre de Com o aumento do volume do fornecimento de gás natural, o volume de produção de energia eléctrica das centrais locais aumentou 11,05% em relação ao trimestre passado, tendo sido de 260,47 GWh, representando um aumento de 53,49% em comparação com o mesmo período do ano passado; o volume de importação de energia eléctrica do Continente Chinês aumentou 21,18 % relativamente ao trimestre passado, sendo de 475,58 GWh, e diminuiu 17, 85% em relação a igual período do ano. Como reflexo das mudanças sazonais, o consumo total de energia eléctrica do primeiro trimestre foi menos do que o do trimestre, mas com o aumento do volume de fornecimento de gás natural, a produção de energia eléctrica local aumentou 11,05% em relação ao trimestre passado, tendo sido de 260,47 GWh e representando 34,12% do consumo total de energia eléctrica; o volume de produção de electricidade através do gás natural foi de 213,44 GWh - subiu 26,79% em comparação ao trimestre passado e aumentou 102,50% em relação ao mesmo período do ano e a sua proporção no consumo total de energia eléctrica continuou a aumentar: no primeiro trimestre de 2010 representou 13,61% e no primeiro trimestre de 2011 aumentou até 27,96%; o volume da produção de energia eléctrica através de combustíveis pesados foi de 47,03 GWh - diminuiu 28,97% em relação ao trimestre, representando 6,16%. Ao mesmo tempo, a Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

2 aquisição de energia eléctrica importada do Continente Chinês também diminuiu; no primeiro trimestre de 2010 representou 74,76 % e no primeiro trimestre de 2011 baixou até aos 62,30%. O consumo de gás natural do quarto trimestre foi de 53,585,272 Nm 3 - subiu 27,07% em relação ao trimestre, aumentando quase para o dobro em comparação ao mesmo período de Como o consumo total de energia eléctrica do primeiro trimestre foi menos do que o do mesmo período do ano passado, o volume de produção real de electricidade foi 4,56% menos do que o volume de produção planeado; incluindo, o volume de importação de energia eléctrica e o volume de produção de energia eléctrica da central local foram menos 4,13% e 6,28%, respectivamente, do que o volume de produção planeado. Como em Março uma das unidades geradoras de gás natural precisou de manutenção, o volume de produção de energia eléctrica através de gás natural foi 10,71% menos do que o volume de produção planeado. Emissões provenientes da produção de electricidade Segundo o resultado da monitorização da Central Térmica de Coloane, os indicadores das emissões de gases e das águas residuais das centrais eléctricas, tais como os óxidos de azoto, os SO 2 e os sólidos em suspensão estiveram dentro dos limites. Uma vez que o volume de produção de electricidade local aumentou em relação ao trimestre passado, o volume das emissões de gases provenientes da produção de electricidade também aumentou. Entre elas, as emissões de CO 2 aumentaram 12,07% em comparação ao trimestre, traduzindo um total de 101,64 mil toneladas. Funcionamento das unidades geradoras No primeiro trimestre, o número de horas para a manutenção das unidades geradoras foi de 436,62 horas - diminuiu 76,48% relativamente ao trimestre e diminuiu 79,77%, comparativamente a igual período do ano passado; o número de horas planeadas para manutenção - 391,15 horas - diminuiu 65,25% relativamente ao mesmo período do ano ; o número de horas não previstas para manutenção, de urgência, foi de 45,47 horas, significando uma diminuição de 95,60% relativamente ao período homólogo do ano. Além disso, foram registadas três ocorrências de disparo dos geradores, duas vezes mais do que no mesmo período do ano passado. Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

3 Custo médio da electricidade e receitas da venda de electricidade Influenciado pelo aumento do preço do petróleo bruto a nível internacional e pela valorização do renminbi, o custo médio global da electricidade, no primeiro trimestre de 2011, foi de 0,740 patacas/kwh - aumentou 1,37% comparativamente ao trimestre ; entre esse custo, o preço médio da aquisição de energia eléctrica (inclui o custo de aquisição de energia eléctrica do Continente Chinês e da CIRS) aumentou 0,746 patacas/kwh, ou seja 1,91% em relação ao trimestre passado. Quanto à produção de energia eléctrica local e comparativamente ao trimestre, o preço médio da produção de electricidade através de combustíveis pesados subiu 10,90% e foi de 0,916 patacas/kwh; a produção de electricidade através de gás natural aumentou 0,29% e foi de 0,687 patacas/kwh; o custo dos combustíveis não inclui outros custos operacionais, os custos de manutenção e o retorno sobre o investimento. De acordo com a fórmula de cálculo estabelecida no contrato de concessão de electricidade, o factor de ajustamento das tarifas (abreviadamente designado por factor de ajustamento, idem abaixo), para o primeiro trimestre de 2011, foi de 0,31 patacas/kwh; a comparticipação para o Grupo A foi de três cêntimos, o factor de ajustamento foi de 0,28 patacas - dois cêntimos mais do que no trimestre. Isso fez com que, no primeiro trimestre de 2011, o preço médio global da electricidade vendida aumentasse 1,24% em comparação com o último trimestre, tendo sido de 1,221 patacas/kwh; entre ele, o preço médio da electricidade vendida do Grupo A subiu 2,25% relativamente ao trimestre e foi de 1,316 patacas/kwh, e, a subida do preço médio da electricidade vendida dos outros grupos variou entre 0,17% e 0,55%. Como o volume de electricidade vendida registado foi inferior ao do último trimestre, as receitas da venda de electricidade do primeiro trimestre de 2011 também baixaram 11,09% comparativamente ao trimestre passado, perfazendo 890,28 milhões de patacas. Prevê-se que o volume de aquisição de energia eléctrica para o segundo trimestre de 2011 seja de 852,57 GWh. Por outro lado, prevê-se que a procura de gás natural e de combustíveis pesados seja de 38,827 KNm 3 e 12,129 toneladas, respectivamente. De acordo com a fórmula de cálculo estabelecida no contrato de concessão de electricidade, o factor de ajustamento das tarifas, para o segundo trimestre de 2011, foi de 0,34 patacas/kwh. Tendo em consideração os constrangimentos do cidadão comum e das pequenas e médias empresas, o factor de ajustamento das tarifas foi reduzido, a título especial, para o Grupo A, sendo cada kwh a 0,31 patacas; para os outros grupos, contudo, seguiu-se o cálculo real, sendo cada kwh a 0,34 patacas. Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

4 Serviço ao cliente de electricidade Até ao final de Março de 2011, o número total de clientes de electricidade foi de 221,938 - um aumento de 0,81% relativamente ao final de Dezembro de Desse número, o número total de utentes domésticos foi de 192,680, ou seja 86,82% do número total de clientes, significando um aumento de 0,85% em relação ao trimestre ; a seguir, o número total de clientes comerciais foi de 27,047, ou seja 12,19%, aumentou 0,73% em comparação ao trimestre ; contudo, o número total de clientes industriais foi de 2,211, ou seja, apenas 1,00%, significando uma diminuição de 1,38% em relação ao trimestre passado. Como reflexo das mudanças de tempo sazonais, o volume de electricidade vendido no primeiro trimestre de 2011 diminuiu 12,21% e foi de 726,32 GWh, reduziu 0,95% relativamente ao mesmo período de Comparando com igual trimestre de 2010, o volume de electricidade vendido aos utentes comerciais e industriais diminuiu 9,58% e 1,72%, respectivamente; o volume de electricidade vendido aos utentes domésticos aumentou 2,85% em relação ao trimestre e foi de 163,93 GWh. Sobre a qualidade de serviço da CEM, os índices de serviço do primeiro trimestre de 2011 (sobretudo no que diz respeito aos indicadores da qualidade técnica e da qualidade comercial) mantiveram-se estáveis e ao mesmo nível que os do mesmo período do ano transacto. No primeiro trimestre, foram registadas 9 falhas da rede eléctrica de média tensão, 80,00% mais do que no mesmo período do ano passado; a duração das interrupções totalizou 6,20 horas, o que equivale a um aumento de 448,67% em relação ao período homólogo do ano passado; o número de utentes afectados foi de 15,848, mais 309,30% em relação ao mesmo período do ano passado. De entre os diferentes tipos de incidentes, 5 deveram-se a interrupções das unidades geradoras, representando 55,56% do total; 3 falhas foram causadas por motivos de destruição externa / força maior, representando 33,33%. No primeiro trimestre de 2011, a CEM detectou um total de 1,250 casos suspeitos de fraude na utilização da electricidade. De entre os casos, 725 são casos suspeitos de interferência no funcionamento dos contadores e 525 casos de aumento, sem autorização, da potência contratada (57,33% clientes residenciais e 42,67% não residenciais). Presentemente, 3,447 casos estão ainda a ser investigados, entre eles, 2,585 casos de aumento, sem autorização, da potência contratada e 862 casos suspeitos de interferência no funcionamento dos contadores. Entre os casos, do primeiro trimestre, já investigados, 2,200 foram confirmados como casos de fraude no consumo de energia eléctrica, incluindo 1,576 casos de aumento, sem autorização, da potência contratada (62,69% clientes residenciais e 37,31% não residenciais) e 624 casos de interferência no funcionamento dos contadores (80,93% clientes residenciais e 19,07% não residenciais). Nos casos já tratados de Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

5 fraude no consumo de energia eléctrica, o montante total das multas foi de 155, patacas, o valor da multa mais elevada foi de 52, patacas e o valor médio das multas aplicadas a cada caso foi de 8, patacas. Preços dos produtos combustíveis Ainda relativamente ao 1.º trimestre de 2011, e agora aos preços médios dos combustíveis, tomando como referência as tendências do preço de mercado de fornecimento de petróleo da vizinha Singapura, o preço médio de mercado fixado para a gasolina sem chumbo em Macau (segundo cálculo da média diária - idem abaixo) foi de 10,95 patacas por litro - mais 0,85 patacas do que no trimestre ; o preço médio do spot price de Singapura também aumentou 0,94 patacas face ao trimestre precedente. O preço médio de mercado fixado para o gasóleo para veículos foi de 11,84 patacas por litro - subiu 0,88 patacas em relação ao trimestre passado; o preço médio do spot price de Singapura aumentou 1,18 patacas relativamente ao último trimestre. O preço médio de mercado fixado para o GPL foi de 14,22 patacas/kg - aumentou 1,27 patacas relativamente ao trimestre antecedente; o preço médio do spot price de Singapura aumentou 0,11 patacas em relação ao trimestre antecedente. A diferença do aumento entre o preço do GPL e o preço do spot price de Singapura foi de cerca de uma pataca, por o ajustamento do preço em Macau ter sido mais tarde do que em Singapura. Em retrospectiva, no quarto trimestre de 2010, o preço médio de mercado fixado para o GPL em Macau só aumentou 0,76 patacas, e em Singapura subiu 1,79 patacas. Singapura é um dos mercados fornecedores de produtos petrolíferos mais importantes nas regiões vizinhas de Macau, os seus spot market prices têm valor de referência; as análises feitas acerca das oscilações de preços servem somente de referência. Além disso, a Comissão Nacional para o Desenvolvimento e Reforma anunciou que, devido ao impacto da subida do preço do petróleo bruto, a partir da meia-noite do dia 7 de Abril do corrente ano, o preço de venda a retalho da gasolina subiria para 500 remimbis por tonelada e o do gasóleo subiria para 400 remimbis por tonelada. Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

6 Comparação dos preços dos produtos derivados do petróleo entre Macau, Hong Kong e a Província de Guangdong, até ao dia 30 de Maio de 2011: Província de Guangdong Hong Kong (3) Macau Preço limite de venda a retalho Preço fixo de mercado Preço após desconto (4) Preço fixo de mercado Preço após desconto (5) Gasolina sem chumbo Gasóleo para (valor do octano 93) (valor do octano 97) (valor do octano 98) (Padrão da Europa V) (Padrão da Europa IV) (RMB/L) (Patacas/L) (Patacas/L) (Patacas/L) (2) veículos (6) (Número III 0 da China) Cidade de Zhuhai Preço de referência de mercado (7) Hong Kong Preço fixo de mercado Macau Preço fixo de mercado Gás de petróleo engarrafado (GPL) (RMB/kg) (Pataca/kg) (Pataca/kg) (Pataca/kg) Notas: (1) Sendo a taxa de câmbio do RMB para Pataca de 1, 2294; (2) A província de Cantão não definiu o preço de venda a retalho da gasolina N.º 98, o preço acima referido foi o preço máximo da arrematação entre 16 e 23 do Maio de 2011, oferecido pela Associação de Petróleo e Gás de Guangdong; (3) Não inclui o imposto para combustíveis do governo; (4) Preço com desconto, em dinheiro, publicado pela Comissão de Consumidores de Hong Kong; (5) Preço com o desconto normalmente praticado pelos postos de gasolina; (6) Padrão para o volume de enxofre do gasóleo: Hong Kong (<0.001%) / Macau (<0.005%) / Província de Guangdong (<0.035%); (7) A Comissão Nacional para o Desenvolvimento e Reforma não definiu o preço limite da venda a retalho do GPL, o preço acima referido foi o preço de referência de mercado em Zhuhai no dia 23 de Maio de 2011, o qual foi oferecido pela Associação de Petróleo e Gás de Guangdong.. Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

7 Anexo: Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de Procura e fornecimento de electricidade 1.1 Estatísticas no âmbito da energia eléctrica Unidade 1.º 4.º 1.º do ano Carga máxima MW Consumo total de energia eléctrica* Aquisição de energia eléctrica do Continente Chinês Aquisição de energia eléctrica da CIRS Produção de energia eléctrica pelas centrais eléctricas locais GWh GWh GWh GWh Produção de energia eléctrica a gás natural - Produção de energia eléctrica a combustível pesado GWh GWh * Não incluindo o consumo próprio de energia eléctrica da Central da CIRS nem a produção de electricidade das instalações privadas, idem abaixo. 1.2 Consumo total de energia eléctrica Origem da Electricidade 1.º 1.º GWh Percentagem(%) GWh Percentagem(%) Consumo total de energia eléctrica * Aquisição de energia eléctrica do Continente Chinês Aquisição de energia eléctrica da CIRS Produção de energia eléctrica pelas centrais eléctricas locais * Não incluindo o consumo próprio de energia eléctrica da Central da CIRS nem a produção de electricidade das instalações privadas (idem abaixo). Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

8 1.3 Produção de energia eléctrica pelas centrais eléctricas locais Origem da Electricidade 1.º 1.º GWh Percentagem(%) GWh Percentagem(%) Produção de energia eléctrica pelas centrais eléctricas locais Produção de energia eléctrica a gás natural Produção de energia eléctrica a combustível pesado Consumo total de energia eléctrica no 1.º de 2011 Aquisição de energia eléctrica da CIRS 3.58% Produção de energia eléctrica a combustível pesado 6.16% Aquisição de energia eléctrica do Continente Chinês 62.30% Produção de energia eléctrica a gás natural 27.96% 1.4 Volume de combustível usado para a produção de electricidade Combustível Unidade 1.º 4.º 1.º do ano Combustível pesado T 12,328 13,034 9, Gás Natural Nm 3 26,798,674 42,168,575 53,585, Produção de electricidade planificada e produção de electricidade real Unidade: GWh 2011 Origem da Electricidade Produção de electricidade planificada 1.º Produção de electricidade real Diferença(%) Consumo total de energia eléctrica Aquisição de energia eléctrica do Continente Chinês Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

9 2011 Origem da Electricidade Produção de electricidade planificada 1.º Produção de electricidade real Diferença(%) Aquisição de energia eléctrica da CIRS Produção de energia eléctrica pelas centrais eléctricas locais Produção de energia eléctrica a gás natural Produção de energia eléctrica a combustível pesado Emissões provenientes da produção local de electricidade 2.1 Volume de emissões de gases provenientes da produção de electricidade 1.º 4.º 1.º do ano NO x SO TSP CO CO * Não inclui a incineração do lixo. 2.2 Média das emissões das águas residuais lançadas pelas centrais eléctricas Central Térmica de Coloane A Padrão limite 1.º 4.º 1.º do ano CBO 5 40 MG L CQO 150 MG L SST 60 MG L Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

10 Central Térmica de Coloane A Padrão limite 1.º 4.º 1.º do ano Detergentes 2 MG L ph Óleos e gorduras 15 MG L Como o volume de águas residuais acumuladas foi pouco, não há registo no período de referência. 3. Funcionamento das unidades geradoras locais 3.1 Volume de electricidade produzida pelas unidades geradoras Unidades geradoras 1.º 4.º 1.º do ano D25-D G03-G G05-G G07-G CC Percentagem de electricidade produzida pelas unidades geradoras Unidades geradoras 1.º 1.º GWh Percentagem(%) GWh Percentagem(%) D25-D G03-G G05-G G07-G Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

11 Unidades geradoras 1.º 1.º GWh Percentagem(%) GWh Percentagem(%) CC Número de horas de funcionamento das unidades geradoras Unidade: Horas Unidades geradoras 1.º 4.º 1.º do ano D25-D G03-G04 1,252 1,806 2, G05-G G07-G CC1 4,268 4,814 6, Número de horas para manutenção das unidades geradoras Unidade: Horas 1.º 4.º 1.º do ano Total de horas de manutenção 2, , Número de horas planeadas para manutenção 1, , D25-D G03-G04 1, G05-G , G07-G CC Número de horas para manutenção (de urgência) 1, D25-D Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

12 1.º 4.º 1.º do ano G03-G G05-G G07-G CC Interrupção do funcionamento das unidades geradoras Unidade: Vezes 1.º 4.º 1.º do ano Número de disparos dos geradores D25-D G03-G G05-G G07-G CC Custo médio global da electricidade Unidade: Patacas/ kwh 1.º 4.º 1.º do ano Custo médio global da electricidade Aquisição de energia eléctrica * Produção de energia eléctrica local Combustível pesado ** Produção de energia eléctrica local Gás natural ** * Inclui o custo de aquisição de energia eléctrica do Continente Chinês e da CIRS. ** Apenas inclui os custos dos combustíveis para a produção de electricidade, os lubrificantes, produtos químicos e água. Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

13 5. Receitas e preço médio da electricidade vendida 5.1 Interrupção do funcionamento das unidades geradoras Unidade: Milhões de patacas 1.º 4.º 1.º do ano Total das receitas da electricidade vendida * , Grupo A Grupo B Grupo C Utentes de alta tensão * Inclui as receitas da electricidade vendida para iluminação e instalações públicas. 5.2 Preço médio da electricidade vendida Unidade: Patacas/ kwh 1.º 4.º 1.º do ano Preço médio da electricidade vendida * Grupo A Grupo B Grupo C Utentes de alta tensão * Inclui as receitas da electricidade vendida para iluminação e instalações públicas. 5.3 Factor de ajustamento das tarifas de electricidade Unidade: Patacas/ kwh Grupos tarifários 2011 Variação(%) 1º 2º Grupo A Outros grupos * * Inclui Grupo B, Grupo C e os utentes de alta tensão. Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

14 6. Serviço ao cliente de electricidade 6.1 Número de clientes Unidade: Clientes 1.º 4.º 1.º do ano Número de Clientes 216, , , Residências 187, , , Comércio 26,345 26,850 27, Indústria 2,238 2,242 2, Número de clientes em 1.º de 2011 Comércio 12.19% Indústria 1.00% Residências 86.82% 6.2 Volume de electricidade vendida 1.º 4.º 1.º Unidade: GWh Mesmo período do ano Volume total de electricidade vendida Residências Comércio Indústria Volume de electricidade vendida em em 1.º de 2011 Indústria 2.57% Residências 22.57% Comércio 74.86% Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

15 6.3 Índices de qualidade de serviço Indicadores de avaliação Descrição Período de tempo Unidade 1.º de 2011 Indicadores de avaliação da qualidade técnica ASAI Índice de disponibilidade média do serviço - % CAIDI Duração da interrupção média no cliente - Minutos Indicadores de avaliação da qualidade comercial Ligação do Fornecimento Percentagem de pedidos de fornecimento de electricidade executados dentro de um determinado período de tempo, sem necessidade de inspecção das respectivas instalações 3 dias úteis % Religação do Fornecimento Facturas corrigidas Tratamento de Reclamações Percentagem de restabelecimentos de energia eléctrica efectuados após corte, dentro de um determinado período de tempo e após a regularização dos montantes em dívida Percentagem de facturas corrigidas dentro de um dado período de tempo após detecção ou notificação do erro Percentagem das reclamações de natureza comercial respondidas dentro de um dado período de tempo 2 horas % dias % dias úteis % Visitas com Marcação Prévia Percentagem das visitas para inspecção ou execução de trabalhos nas instalações dos consumidores, efectuadas dentro dos prazos combinados, com uma tolerância máxima de um determinado período de tempo 1 hora % Serviço de Emergência Restabelecimento de Falha de Energia Percentagem de chegadas do serviço de emergência às instalações privadas dos consumidores, dentro de um determinado período de tempo, após notificação da falha pelo consumidor Percentagem de restabelecimentos de fornecimento de energia efectuados dentro de um dado período de tempo, após notificação da interrupção pelo consumidor 30 minutos % horas % Iluminação Pública Percentagem de focos de iluminação pública reparados, dentro de um dado período de tempo, após aviso dos consumidores 2 dias úteis % * ASAI (índice de disponibilidade média do serviço) representa a fracção do tempo (frequentemente em percentagem) em que o consumidor recebeu energia eléctrica durante o período de referência definido. Nota: Os indicadores consideram unicamente as interrupções da responsabilidade da CEM. 6.4 Interrupções em média tensão Número de interrupções da rede Unidade 1.º 4.º 1.º do ano Vezes Problemas de gestão Vezes Tufões e outros desastres naturais Vezes Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

16 Destruição externa / força maior Avaria do equipamento de fornecimento Unidade 1.º 4.º 1.º do ano Vezes Vezes Outros problemas Vezes Problemas desconhecidos Vezes Duração das interrupções Horas Número de clientes afectados Compensações acumuladas Clientes 3,872 10,120 15, Patacas Fraude na utilização da electricidade Unidade 1.º de 2011 Total dos casos suspeitos de fraude na utilização da electricidade 1. Aumento, sem autorização, da potência contratada (utentes domésticos) 2. Aumento, sem autorização, da potência contratada (utentes não domésticos) 3. Interferência no funcionamento dos contadores Total dos casos não investigados 1. Aumento, sem autorização, da potência contratada (utentes domésticos) 2. Aumento, sem autorização, da potência contratada (utentes não domésticos) 3. Interferência no funcionamento dos contadores 1, ,447 1,461 1, Total dos casos investigados 1. Aumento, sem autorização, da potência contratada (utentes domésticos) - fraudulentos confirmados - tratados - que estão a ser tratados Aumento, sem autorização, da potência contratada (utentes não domésticos) - fraudulentos confirmados - tratados Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

17 Unidade 1.º de que estão a ser tratados Interferência no funcionamento dos contadores (utentes domésticos) - fraudulentos confirmados tratados que estão a ser tratados Interferência no funcionamento dos contadores (utentes não domésticos) - fraudulentos confirmados tratados 52 - que estão a ser tratados 138 Montante total das multas Valor da multa mais elevada Valor médio das multas Patacas Patacas Patacas 155, , , Notas: - Variação relativamente ao trimestre - comparação entre o trimestre presente e o trimestre ; - Variação relativamente ao mesmo período do ano - comparação entre o trimestre presente e o trimestre homólogo do ano. Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de /17

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 3º trimestre

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 3º trimestre Dados estatísticos sobre e gás natural referentes ao 3º trimestre De acordo com as estatísticas referentes ao 3.º trimestre de 2010, a carga máxima da rede subiu 3,67%, ou seja, 690,96 MW, comparativamente

Leia mais

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 2º trimestre

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 2º trimestre Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 2º trimestre De acordo com as estatísticas referentes ao 2º trimestre, a carga máxima da rede subiu 1,5%, ou seja, 651,0 MW, comparativamente

Leia mais

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Relatório da Visita de Estudo à Central Termoeléctrica da CEM em Coloane Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Trabalho realizado por: António Sérgio Ribeiro, 10ºA, Nº3 Data: 19/03/2010

Leia mais

Valor médio anual da densidade de poluentes atmosféricos com base na rede de monitorização do Ar na Região do Delta do Rio das Pérolas entre 2006-2014

Valor médio anual da densidade de poluentes atmosféricos com base na rede de monitorização do Ar na Região do Delta do Rio das Pérolas entre 2006-2014 O Relatório sobre a Qualidade do Ar de 2014 foi publicado hoje com base na rede de monitorização do Ar de Guangdong-Hong Kong-Macau para a Região do Delta do Rio das Pérolas O Relatório sobre o Resultado

Leia mais

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006 ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural Lisboa, 26 de Julho de 2006 O ponto de vista de uma Distribuidora Modelo proposto a Distribuidora apresenta um plano de desenvolvimento

Leia mais

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis LEGISLAÇÃO BÁSICA Especificações GPL Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis Portaria nº 348/96, de 8 de Agosto Estabelece as

Leia mais

de Macau Relatório Andy 19 de Março de 2010 Jiahua Chen Nº 1 do 10º ano A

de Macau Relatório Andy 19 de Março de 2010 Jiahua Chen Nº 1 do 10º ano A Escola Portuguesa de Macau Relatório de Visita de Estudo Central Térmica de Coloane Andy 19 de Março de 2010 Jiahua Chen Nº 1 do 10º ano A Índice Introdução... 3 Breve Resumo da Viagem... 3 Informações...

Leia mais

Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3

Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3 Índice: Objectivo 1 Introdução teórica 2 Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3 Descrição da Visita de Estudo 3 Conclusão 8 Bibliografia 8 Objectivo: Este trabalho é realizado no âmbito da disciplina

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set DISCUSSÃO E ANÁLISE PELA ADMINISTRAÇÃO DO RESULTADO NÃO CONSOLIDADO DAS OPERACÕES: PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2001 COMPARATIVO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2000 (em milhões de reais, exceto

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Relatório de Qualidade de Serviço. Ano Gás 2009-2010

Relatório de Qualidade de Serviço. Ano Gás 2009-2010 Relatório de Qualidade de Serviço Ano Gás 29-21 15 de Novembro de 21 Índice 1. Enquadramento... 3 2.Qualidade de Serviço Técnico - Continuidade e interrupção de Serviço... 4 2.1 Art. 15º Indicadores gerais

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

UNTAET United Nations Transitional Administration in Timor-Leste

UNTAET United Nations Transitional Administration in Timor-Leste UNITED NATIONS NATIONS UNIES UNTAET United Nations Transitional Administration in Timor-Leste NOTIFICAÇÃO UNTAET/NOT/2000/22 30 de Novembro de 2000 SOBRE TARIFAS REFERENTES A SERVIÇOS DE ELECTRICIDADE

Leia mais

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 1. Evolução da Reciclagem em 2008 - Actualização Conforme anunciado, republica-se a informação estatística relativa a 2008, depois de efectuadas diversas correcções

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

ENERGIA ELECTRICA EM SÃO TOMÉ E PRINCIPE. Príncipe. São Tomé

ENERGIA ELECTRICA EM SÃO TOMÉ E PRINCIPE. Príncipe. São Tomé ENERGIA ELECTRICA EM SÃO TOMÉ E PRINCIPE Príncipe São Tomé ENERGIA ELECTRICA EM SÃO TOMÉ E PRINCIPE A energia é um factor fundamental no desenvolvimento de um país. neste Contexto. o Governo decidiu eleger

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia Membro nacional da Implicações para a Produção Descentralizada de Energia 31 de Março de 2006 Álvaro Brandão Pinto Vice-Presidente do Conselho Director da COGEN Portugal Índice 1. O Conceito 2. O Comércio

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Relatório de Qualidade de Serviço do Sector do Gás Natural da Empresa Sonorgás, SA

Relatório de Qualidade de Serviço do Sector do Gás Natural da Empresa Sonorgás, SA Relatório de Qualidade de Serviço do Sector do Gás Natural da Empresa Sonorgás, SA Sonorgás Sociedade de Gás do Norte, S.A. [Escrever o nome da empresa] SBernardino Ano Gás 2009/2010 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Relatório Semestral de Acompanhamento

Relatório Semestral de Acompanhamento 4.º relatório semestral Relatório Semestral de Acompanhamento 1º semestre 2012 Município de Mondim de Basto julho de 2012 1 ÍNDICE I. Introdução...3 II. Execução do Plano de Contenção de Despesa Corrente...4

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Comparação dos preços dos combustíveis entre Julho de 2008 e Janeiro de 2011 No passado mês de Dezembro, bem como já no corrente ano, foram muitos os Órgãos

Leia mais

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

O que é o programa 100% Iluminação Eficiente?

O que é o programa 100% Iluminação Eficiente? PPEC 2008 100% Iluminação Eficiente na Região Autónoma dos AçoresA EDA Electricidade dos Açores Maio de 2008 O que é o programa 100% Iluminação Eficiente? É uma iniciativa da EDA apoiada pelo Plano de

Leia mais

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GPL Euro 5 da Fiat Segurança Economia Tecnologia Ecologia A Gama Fiat GPL Bi-Fuel 1 GPL Euro 5 da Fiat A nova oferta GPL Euro 5 da Fiat

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO VI CONFERENCIA RELOP A QUALIDADE DE REGULAÇÃO DA ENERGIA E DOS SERVIÇOS NOS PALOP ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO Eng. Júlio Capitango Luanda, Maio de 2013 Índice 1. Enquadramento 2. Organização do Sector

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 1º Trimestre de 2014 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

Em 2014, os dez principais mercados da RAEM foram como segue: Países e regiões Número de Percentagem (%)

Em 2014, os dez principais mercados da RAEM foram como segue: Países e regiões Número de Percentagem (%) Turismo A indústria do turismo é o pilar mais importante da economia de Macau. Para concretizar o objectivo de longo prazo da construção de Macau como Centro Mundial de Turismo e Lazer, a Direcção dos

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 28 1 INDICADORES ÁGUA 8 Evolução do número de análises em cumprimento do valor paramétrico 1, Análises (n.º) 7 6 5 4 3 2 1 591 65 64 278 97,48% 97,53% Fonte: ERSAR, 29 623

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS ASSUNTO: MEDIDAS PARA ADMINISTRAÇÃO DE REEMBOLSO DO IVA SOBRE MATERIAIS E SERVIÇOS COMPRADOS

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Índice A RECUPERAÇÃO EM PORTUGAL DE PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR... 3 DADOS GLOBAIS 2011... 4 PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR...

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social Resumo do de estudo do Regime da Segurança Social Introdução De acordo com o de estudo principal do dia 18 de Abril e os dois anexos respectivamente dos dias 29 de Maio e 27 de Junho (Análises 1 e 2 dos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Escola Portuguesa de Macau

Escola Portuguesa de Macau Escola Portuguesa de Macau Disciplina de Física e Química A Relatório da Visita de Estudo à Companhia de Electricidade de Macau realizada em 19 de Março de 2010 ELABORAÇÃO: Magda Wu de Vasconcelos e Sá

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU

BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU Esta publicação foi editada em conjunto pela Direcção dos Serviços de Economia (DSE), Autoridade Monetária de Macau (AMCM) e Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC).

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Ministério da Energia e Águas

Ministério da Energia e Águas Ministério da Energia e Águas Memorando Situação Financeira das Empresas do Sector Eléctrico Proposta de Saneamento Síntese: 1. Da avaliação da situação actual das empresas ENE e EDEL, conclui se que estas

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DO CONSUMIDOR DE ENERGIA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DO CONSUMIDOR DE ENERGIA LISTA DE VERIFICAÇÃO DO CONSUMIDOR DE ENERGIA - GUIA DE APOIO AO CONSUMIDOR DE ENERGIA - Conheça melhor os seus direitos e deveres enquanto consumidor de electricidade e de gás natural Coordenação: ERSE

Leia mais

Auditoria Energética - Definição

Auditoria Energética - Definição Auditoria Energética - Definição Levantamento e análise crítica das condições de utilização da Energia, com vista à detecção de oportunidades de racionalização energética, através de medidas com uma viabilidade

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

DIRECTIVA NO. 2002/07 EMENDA À PAUTA DE TARIFAS E TAXAS DE ELECTRICIDADE E SERVIÇOS AFINS

DIRECTIVA NO. 2002/07 EMENDA À PAUTA DE TARIFAS E TAXAS DE ELECTRICIDADE E SERVIÇOS AFINS UNTAET/DIR/2002/07 10 de Maio de 2002 DIRECTIVA NO. 2002/07 EMENDA À PAUTA DE TARIFAS E TAXAS DE ELECTRICIDADE E SERVIÇOS AFINS O Administrador Transitório, Usando da faculdade que lhe é conferida pela

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Performance Ratio Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Conteúdo A Performance Ratio é uma das unidades de medida mais importantes para a avaliação da eficiência de um sistema fotovoltaico. Mais

Leia mais

Revista Economica e Financeira

Revista Economica e Financeira 2. A ECONOMIA DE MACAU 2.1 Conjuntura macro-económica e sectorial 2.1.1 Evolução dos agregados Em 214, a economia global continuou a registar uma expansão moderada com um grau de divergência elevada nas

Leia mais

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Aplicação técnica nº 64 Revisão 1 Sumário Executivo As células de e as micro-turbinas são novas tecnologias alternativas

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Da energia para a água

Da energia para a água Bright Project 1 Bright Project A União Europeia definiu reduções no consumo de energia aos Estados-Membros, sugeriu a utilização de energias renováveis e está para lançar a nova diretiva dedicada ao desempenho

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

Conforme largamente noticiado, os preços dos combustíveis foram liberalizados a partir de 1 de Janeiro de 2004.

Conforme largamente noticiado, os preços dos combustíveis foram liberalizados a partir de 1 de Janeiro de 2004. Nº 26 - Janeiro 24 Conforme largamente noticiado, os preços dos combustíveis foram liberalizados a partir de 1 de Janeiro de 24. Por uma questão de rigor, deveria antes dizer-se que se completou o processo

Leia mais

b) A potência de ligação das instalações de co-geração

b) A potência de ligação das instalações de co-geração N. o 12 15 de Janeiro de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 303 c) CB dec é o valor, declarado pelo co-gerador no acto de licenciamento, da energia primária que será consumida anualmente na instalação,

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012 RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012 Novembro 2012 Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 INTRODUÇÃO... 4 CONTINUIDADE DE SERVIÇO E INCIDENTES MAIS SIGNIFICATIVOS... 5 CARACTERÍSTICAS DO GÁS NATURAL...

Leia mais

Se você usa gás natural canalizado, conheça aqui seus direitos e deveres.

Se você usa gás natural canalizado, conheça aqui seus direitos e deveres. Se você usa gás natural canalizado, conheça aqui seus direitos e deveres. PARTICIPAÇÃO A FAVOR DA CIDADANIA A Arsal vem atuando desde 2001 com o objetivo de fiscalizar as agências de serviços públicos

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Um guia para principiantes acerca de Energia e Potência

Um guia para principiantes acerca de Energia e Potência Um guia para principiantes acerca de Energia e Potência Artigo entregue por N Packer, Universidade de Staffordshire, RU, Fevereiro 2011 Energia A Energia é a capacidade de realizar o trabalho. Como acontece,

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 9º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 9º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 014 015 Planificação anual 9º ano de escolaridade Atividades económicas As Redes e Modos de Transporte e Telecomunicação Atividades económicas Os Serviços A indústria

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2013 COM(2013) 919 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa à limitação das emissões para a atmosfera de certos

Leia mais

ANEXO Terceiro Aditamento e Revisão dos Compromissos Específicos do Continente no Domínio da Liberalização do Comércio de Serviços 1

ANEXO Terceiro Aditamento e Revisão dos Compromissos Específicos do Continente no Domínio da Liberalização do Comércio de Serviços 1 ANEXO Terceiro Aditamento e Revisão dos Específicos do Continente no Domínio da Liberalização do Comércio de Serviços 1 1. Serviços Comerciais A. Serviços Profissionais a. Serviços Jurídicos (CPC861) 1.

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XX Indicadores de Segurança. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XX Indicadores de Segurança. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XX Indicadores de Segurança um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais