UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA MACHADO DE ASSIS E O GÊNERO FANTÁSTICO: UM ESTUDO DE NARRATIVAS MACHADIANAS Darlan de Oliveira Gusmão Lula Dissertação de Mestrado 2005

2 DARLAN DE OLIVEIRA GUSMÃO LULA MACHADO DE ASSIS E O GÊNERO FANTÁSTICO: UM ESTUDO DE NARRATIVAS MACHADIANAS Dissertação apresentada à Banca Examinadora da Universidade Federal de Juiz de Fora MG, como exigência parcial para obtenção do título de Mestre em Teoria da Literatura, do Curso de Pós- Graduação em Letras, Instituto de Ciências Humanas e Letras, UFJF, sob orientação da Professora Doutora Teresinha Vânia Zimbrão da Silva. Juiz de Fora 2005

3 Exame de dissertação LULA, Darlan de Oliveira Gusmão. Machado de Assis e o gênero fantástico. Dissertação de Mestrado em Letras (área de concentração: Teoria da Literatura), apresentada à Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF, 2º semestre de 2005, 76 páginas. BANCA EXAMINADORA Professora Doutora Teresinha Vânia Zimbrão da Silva (Orientadora UFJF MG) Professor Doutor Edimilson de Almeida Pereira (Presidente UFJF MG) Professor Doutor Marcos Rogério Cordeiro Fernandes (Membro Titular UFV MG) Examinada a dissertação: Conceito: Em:

4 A Míriam e Pedro Henrique, pelo amor, carinho, e a vida que me proporcionam: repleta de luz. Aos pais Geraldo e Neuseli, pelos amores que renderam frutos.

5 AGRADECIMENTOS A professora Teresinha Vânia Zimbrão da Silva, pelo diálogo enriquecedor e pela compreensão em momentos difíceis. Ao amigo Rogério Cordeiro, por onde tudo começou. Aos amigos Édimo de Almeida e Odirlei Costa, cujo constante convívio e troca de idéias reforçam a cada dia a amizade e o carinho sinceros. Aos colegas e professores do Curso de Mestrado, pela convivência acadêmica e pelos momentos enriquecedores de trocas de experiências. Ao professor Antônio Pereira Gaio, sempre solícito e pronto a ajudar, o meu carinho especial. A todas as pessoas que, direta ou indiretamente, colaboraram nessa caminhada.

6 Machado, bastante influenciado por Poe, é um dos nomes maiores do conto fantástico nas literaturas em língua portuguesa e figura dentre os grandes nomes mundiais do gênero. Djalma Cavalcante Crês em sonhos? Há pessoas que os aceitam como a palavra do destino e da verdade. Machado de Assis em Um sonho e outro sonho

7 RESUMO Esse trabalho busca estudar o gênero fantástico nas narrativas de Machado de Assis ( ), partindo do princípio de que o escritor conhecia o gênero quando designou um texto seu intitulado O país das quimeras (Futuro, 1862) de conto fantástico. Nosso trabalho também se inspira em um livro organizado por Raymundo Magalhães Júnior cujo título é Contos fantásticos: Machado de Assis. Propomo-nos a analisar algumas narrativas machadianas, sublinhando a originalidade do autor ao se apropriar do gênero. Nossa pretensão maior é despertar o interesse dos estudiosos da obra de Machado de Assis para a relevância de se estudar a ocorrência do fantástico em suas narrativas, relevância até hoje pouco considerada.

8 ABSTRACT This work looks for to analyze the fantastic genre in the Brazilian writer Machado de Assis ( ) narrative, by considering that he knew this literary genre when he called one of his texts O país das quimeras (in Futuro, 1862) as a fantastic short story. Our study is also based on a book, organized by Raymundo Magalhães Júnior, named Contos Fantásticos: Machado de Assis (Fantastic short-stories: Machado de Assis). Our proposal is to analyze some of the Assis narratives by emphasizing the originality of the writer when he takes over the genre. Our main intention is to call the attention of the researchers of the Machado de Assis works for the importance of the studies on the fantastic ocurrence in his narratives, which researches are not so explored even nowadays.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O GÊNERO FANTÁSTICO O FANTÁSTICO TRADICIONAL O FANTÁSTICO E A PSICANÁLISE O FANTÁSTICO MODERNO O FANTÁSTICO TRADICIONAL EM MACHADO DE ASSIS ANÁLISE DOS CONTOS: O FANTÁSTICO TRADICIONAL Decadência de dois grandes homens Sem olhos O capitão Mendonça A vida eterna O anjo das donzelas INTERSECÇÕES O FANTÁSTICO MODERNO EM MACHADO DE ASSIS: MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 73

10 INTRODUÇÃO Aquela moça era o único laço que havia entre mim e o mundo, porque tudo naquela casa me parecia realmente fantástico, e eu já não duvidava do caráter purgatorial que me fora indicado pelo capitão. Machado de Assis em O capitão Mendonça Se voltarmos nossos olhos para os últimos quarenta anos do século XIX, veremos uma figura preponderante no cenário cultural brasileiro: Machado de Assis ( ). Tido como unanimidade em sua época, revelou uma produção de grande valor e suscitou estudos cujos interesses variados mostram a complexidade da sua obra. À semelhança de vários críticos que se perfilaram em torno dos textos do bruxo do Cosme Velho, estamos aqui, neste estudo, para propor mais uma análise que, esperamos, auxiliará na recepção do já consagrado escritor brasileiro. Um trabalho que nos inspirou na escolha da temática a ser estudada foi a publicação pela Editora da Universidade Federal de Juiz de Fora do 1º volume de Contos Completos de Machado de Assis 1, organizado por Djalma Cavalcante. Nesse volume, figuram 38 contos do escritor que vão de 1858 a Dentre estes contos, interessou-nos em particular o seguinte: O país das quimeras, publicado originalmente no jornal O Futuro em E interessou-nos por conta da classificação que lhe foi dada pelo próprio Machado de Assis: a de conto fantástico. Djalma Cavalcante, ao final da narrativa, referenda a classificação dada por Machado quando nos diz que o título já nos remete à idéia de fantástico, pois a palavra quimera significa monstro fabuloso com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de dragão; em sentido figurado significa coisa impossível e só imaginada 1 Citaremos esta obra no texto, com a abreviatura CCMA, seguida do ano de publicação e da indicação da página.

11 (CCMA, 2003, p. 58). Cavalcante nos lembra que a primeira obra brasileira dentro desse modelo literário foram os contos de Noite na taverna, de Álvares de Azevedo (Ver PIMENTEL, 2001). Também nos informa que Machado leu e apreciou esses contos, e que seu contato com esse tipo de gênero não se restringiu aos escritores locais, sendo leitor também de Ernst- Theodore-Amadeus Hoffmann ( ) e Edgar Allan Poe ( ). Cavalcante chega a nos dizer que Machado de Assis é um dos nomes maiores do conto fantástico nas literaturas em língua portuguesa e figura dentre os grandes nomes mundiais do gênero (CCMA, 2003, p. 60). Dar crédito a esta afirmação nos leva à indagação seguinte: como Machado de Assis pode ser afirmado dentre os grandes nomes mundiais do gênero do conto fantástico sem que se saiba haver um criterioso estudo sobre o assunto? Ao pesquisarmos, descobrimos dois fios condutores para guiar o nosso estudo. O primeiro deles é um livro organizado pelo crítico Raymundo Magalhães Júnior ( ) e originalmente publicado em 1973 e relançado pela editora Bloch em 1998 com o seguinte título: Contos fantásticos: Machado de Assis. Ora, nada mais animador do que esta antologia. Isso nos coloca na trilha certa, pois se há uma coletânea com esse título é sinal de que não passou desapercebido, pelo menos para Magalhães Júnior, essa faceta da obra de Machado de Assis. Nele estão organizados onze contos do escritor: O anjo Rafael (Jornal das Famílias, 1869), A vida eterna (Jornal das Famílias, 1870), O capitão Mendonça (Jornal das Famílias, 1870), Decadência de dois grandes homens (Jornal das Famílias, 1873), Os óculos de Pedro Antão (Jornal das Famílias, 1874), A chinela turca (A Época, 1875), Um esqueleto (Jornal das Famílias, 1875), Sem olhos (Jornal das Famílias, 1876), A mulher pálida (A Estação, 1881), O imortal (A Estação, 1882) e A segunda vida (Gazeta Literária, 1884).

12 O segundo fio condutor, que nos coloca em definitivo na rota de nossa proposta de estudo, é uma dissertação de mestrado escrita por Marcelo José Fonseca Fernandes, defendida em novembro de 1999 na Universidade Federal do Rio de Janeiro, e intitulada Quase-macabro: o fantástico nos contos de Machado de Assis. Nela, ele nos diz que há em Machado a ocorrência de um fantástico mitigado, diferenciado, quase sempre ambientado em sonhos e, na maioria das vezes, explicável (FERNANDES, Cita o livro organizado por Magalhães Júnior, fala-nos da influência sofrida por Machado vinda dos grandes escritores desse gênero. Além dos já citados, inclui Théophile Gautier ( ), e ainda acrescenta quatro contos aos já classificados como fantásticos por Magalhães Júnior. São eles: o já mencionado O país das quimeras (O Futuro, 1862), O anjo das donzelas (Jornal das Famílias, 1864), Marianna (Jornal das Famílias, 1871) e Um sonho e outro sonho (A Estação, 1892). Ao longo de sua explanação, ele retoma Tzvetan Todorov que define o fantástico como o terreno fronteiriço entre o estranho e o maravilhoso. Sublinhamos de Todorov a seguinte definição de fantástico: dura apenas o tempo de uma hesitação: hesitação comum ao leitor e à personagem, que devem decidir se o que percebem depende ou não da realidade, tal qual existe na opinião comum. [...] Se ele [leitor] decide que as leis da realidade permanecem intactas e permitem explicar os fenômenos descritos, dizemos que a obra se liga a outro gênero: o estranho. Se, ao contrário, decide que se devem admitir novas leis da natureza, pelas quais o fenômeno pode ser explicado, entramos no gênero do maravilhoso (TODOROV, 1975, pp ). 3 Fernandes nos diz que o modelo proposto por Todorov em 1968 é passível de verificação/aplicação em Machado, ressaltando que nos contos fantásticos machadianos o fantástico é interrompido, quase sempre, pelo simples despertar do personagem. Nesse caso, 2 Essa dissertação teve como orientador o professor Doutor Sérgio Fuzeira Martagão Gesteira e está disponível na Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 3 Aprofundaremos a definição do gênero fantástico no capítulo primeiro.

13 os sucessos extraordinários (= extra-ordem, fora de ordem) estão justificados/explicados no espaço onírico: o fantástico opera no plano inconsciente, exatamente na fresta crepuscular entre a vigília e o sono. A retomada do equilíbrio inicial coincide com a própria retomada de consciência. Fernandes termina por fazer uma proposta de tipologia dos contos fantásticos machadianos, traçando as semelhanças entre Machado de Assis e seus influenciadores, principalmente o escritor francês Théophile Gautier. Fernandes acha conveniente a denominação conto gautieriano para a modalidade de fantástico onírico, vertente usual em Machado, e como não-gautierianos os demais. A característica comum às narrativas não-gautierianas é a estrutura de causo, quer dizer, uma história dentro de outra, contada por um narrador-personagem, que assume uma experiência inverossímil, quer como testemunha, quer como protagonista. Já os contos do fantástico onírico são, segundo Fernandes: Decadência de dois grandes homens, A chinela turca, Capitão Mendonça, A vida eterna, O anjo das donzelas, O país das quimeras, Marianna e Um sonho e outro sonho ; e os contos não-gautierianos são: Um esqueleto, O imortal, O anjo Rafael, A mulher pálida, A segunda vida, Os óculos de Pedro Antão e Sem olhos. Há, ainda, um ponto importante a acrescentar. Em 2003, o escritor e compositor Bráulio Tavares organizou um livro intitulado Páginas de sombra: contos fantásticos brasileiros, onde estão inseridos dezesseis contos de dezesseis escritores brasileiros, e Machado de Assis figura entre os escritores com o conto As academias de Sião (1884). Apesar de Tavares hesitar em definir o conceito do gênero fantástico a ponto de dizer que não se deve esperar destas páginas sequer uma tentativa de estabelecer uma teoria unificada do fantástico (TAVARES, 2003, p. 7), a referência torna-se importante, pois reconhece Machado de Assis como um dos principais expoentes do fantástico no Brasil.

14 Assim sendo, citamos até o momento dezesseis contos fantásticos machadianos. Dentre estes, encontramos facilmente O imortal, A chinela turca, Um esqueleto, A segunda vida, Marianna e As academias de Sião, por estarem inseridos na Obra Completa de Machado de Assis da Editora Nova Aguilar. O anjo Rafael, O capitão Mendonça, A vida eterna, O país das quimeras e O anjo das donzelas foram encontrados no livro já citado, organizado por Djalma Cavalcante: Contos Completos de Machado de Assis. Os óculos de Pedro Antão e A mulher pálida estão, respectivamente, em Contos Avulsos e Contos sem data, livros organizados por Raymundo Magalhães Júnior. Os três restantes Decadência de dois grandes homens, Sem Olhos e Um sonho e outro sonho só encontramos disponibilizados para leitura pela internet (ver Podemos notar o quão ainda é difícil o acesso irrestrito aos contos machadianos, já que ainda não possuímos uma publicação que contemple plenamente, através do meio impresso, toda a obra do nosso contista brasileiro. Tendo em vista o desenvolvimento de nosso estudo, teremos a seguinte conformação nos capítulos que se seguem. No primeiro capítulo, faremos o estudo do fantástico convocando três figuras reconhecidas no mundo literário pelos seus trabalhos críticos no gênero. Uma delas é Tzvetan Todorov com seu estudo clássico sobre a recorrência do fantástico na literatura: Introdução à literatura fantástica. As outras são Irlemar Chiampi e Selma Calasans Rodrigues, que sublinham ter surgido no gênero fantástico uma nova variante a partir do século XX. No segundo capítulo, veremos como no Brasil da segunda metade do século XIX havia um clima propício para o desenvolvimento do gênero fantástico. E faremos a análise dos seguintes contos de Machado de Assis: O anjo das donzelas (Jornal das Famílias, 1864), A vida eterna (Jornal das Famílias, 1870), O capitão Mendonça (Jornal das Famílias, 1870), Decadência de dois grandes homens (Jornal das Famílias, 1873) e

15 Sem Olhos (Jornal das Famílias, 1876). Resolvemos selecioná-los por serem textos da chamada primeira fase machadiana (levando-se em conta a data de suas publicações) 4, e, portanto, há pouco envolvimento da crítica especializada em torno deles. A seleção também privilegiou os contos cuja temática é o fantástico onírico, já que é a vertente mais comum em Machado de Assis. No terceiro e último capítulo vamos sugerir que Memórias Póstumas de Brás Cubas 5 (1881) pode ser interpretado dentro dos parâmetros do fantástico do século XX. Resolvemos enquadrá-lo em nosso estudo para explicarmos, através de um texto da fase madura machadiana, como o escritor se diferenciou do fantástico tradicional empregado no século XIX, aproximando-se já do fantástico do século XX. Tomando como ponto de partida a organização de Magalhães Júnior e as afirmações de Marcelo Fernandes e Djalma Cavalcante, pretendemos discutir aqui questões de influência e originalidade. A nossa pretensão maior é fazer com que esse trabalho desperte o interesse dos estudiosos da obra de Machado de Assis para o gênero fantástico nas narrativas machadianas, sejam elas curtas ou não. 4 Há um certo consenso da crítica em apontar convencionalmente duas fases, ou momentos, na carreira literária de Machado de Assis, sendo a obra Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881) a divisora de águas entre elas. 5 Citaremos esta obra no texto, com a abreviatura MPBC, seguida do seu respectivo capítulo.

16 1. O GÊNERO FANTÁSTICO Podemos nos perguntar até que ponto uma definição de gênero que permitisse a obra mudar de gênero por uma simples frase como: Neste momento, ele acordou e viu as paredes de seu quarto... se sustenta. Mas, primeiro, nada nos impede considerar o fantástico precisamente como um gênero sempre evanescente. Tzvetan Todorov Há, bem da verdade, uma variedade de opiniões acerca do nascimento do gênero fantástico. Em consagrada antologia, Ítalo Calvino considera o seu nascimento entre os séculos XVIII e XIX (ver RODRIGUES, 1988, p. 17 e CALVINO, 2004, p. 9): É no terreno específico da especulação filosófica entre os séculos XVIII e XIX que o conto fantástico nasce: seu tema é a relação entre a realidade do mundo que habitamos e conhecemos por meio da percepção e a realidade do mundo do pensamento que mora em nós e nos comanda (CALVINO, 2004, p. 9). Isso quer dizer que o gênero fantástico leva expressivamente em conta as relações entre literatura e realidade, ou seja, o fato de se questionar o caráter verossímil de um episódio narrado em um texto fantástico é que faz com que o gênero se instaure, pois provoca a dúvida do que é ou não real. Sendo assim, falaremos um pouco sobre como a arte elabora o real. E para isso, vamos recorrer a dois filósofos da Antigüidade: Platão (427? 347? a.c.) e Aristóteles ( a.c.), que foram os primeiros a discutirem, a partir do conceito de mimese, este assunto. Para Platão, a mimese é apenas verossímil e não visa à essência das coisas, nem à verdadeira natureza dos objetos particulares, ela é falsa e ilusória, sendo prejudicial e

17 perigosa ao discurso ideal do filósofo. Portanto, a arte de imitar está bem longe da verdade, e se executa tudo, ao que parece, é pelo fato de atingir apenas uma pequena porção de cada coisa, que não passa de uma aparição (PLATÃO, 2001, p. 296). A mimese foi depreciada por Platão que privilegiava a verdade e considerava as imagens miméticas como imitação da imitação, já que elas imitavam a própria pessoa e o mundo do artista, os quais, por sua vez, já eram imitação (sombra e miragem) da verdadeira realidade original. Dessa forma, o imitador [...] nada entende da realidade, mas só da aparência (PLATÃO, 2001, p. 300) 6. Aristóteles, por sua vez, recebeu de Platão a palavra mimese. Refutou, contudo, o conceito platônico, enaltecendo o valor da arte justamente pela autonomia do processo mimético face à verdade preestabelecida. Imitar significa muito mais do que a simples reprodução ou fotografia do real, já que não é ofício de poeta narrar o que aconteceu; é, sim, o de representar o que poderia acontecer, quer dizer: o que é possível segundo a verossimilhança e a necessidade (ARISTÓTELES, 1993, p. 53). De ontológica, a arte passa a ter, com ele, uma concepção estética, não significando mais imitação do mundo exterior, uma vez que a atitude de determinada personagem justifica-se à luz de um aparato estético, ou seja, ainda que a personagem a representar não seja coerente nas suas ações, é necessário, todavia, que [no drama] ela seja incoerente coerentemente (ARISTÓTELES, 1993, p. 79). Desse modo, há o fornecimento de possíveis interpretações do real através de ações, pensamentos e palavras de experiências existenciais imaginárias. A mimese afirma-se como a representação do que poderia ser e o critério do verossímil, que merecera a crítica de Platão por ser apenas ilusão da verdade, torna-se, com Aristóteles, o princípio que garante a autonomia da arte mimética. Nesse caso, temos que a mimese consiste numa atividade produtora de intrigas que transpõe ações e as representa nas obras artísticas. Esse caráter dinâmico da operação mimética não se completa, porém, no término da produção do objeto 6 Para isso, ver livros III (páginas 84,86, 87) e X (páginas 293 a 300) de PLATÃO (2001).

18 estético pelo autor, mas necessita ainda da atividade também dinâmica do receptor, que, através da leitura, refigura e avaliza o representado. Esses ditames clássicos foram de certo modo abandonados pela Idade Média cristã. No alvorecer das estéticas do Renascimento, dos séculos XVII e XVIII há a retomada vigorosa do conceito de verossimilhança como ideal artístico. Isso se estende até o século XIX quando o Romantismo libera o gênio criador das restrições da poética clássica de modo geral, mas garante ainda o lugar da verossimilhança. 1.1 O FANTÁSTICO TRADICIONAL O verdadeiro tema do conto fantástico oitocentista é a realidade daquilo que se vê: acreditar ou não acreditar nas aparições fantasmagóricas, perceber por trás da aparência cotidiana um outro mundo, encantado ou infernal. Ítalo Calvino Tendo em vista esse preâmbulo em torno de questões ligadas à verossimilhança em textos literários, voltemos ao fantástico. Como a verossimilhança opera no gênero, já que no fantástico o inverossímil se instala freqüentemente? Neste ponto, o que mais nos interessa discutir são as fronteiras entre o sonho e a realidade, uma vez que o sonho foi usado constantemente como explicação verossímil para experiências inverossímeis em textos fantásticos e particularmente nos que vamos analisar. O que determina a fantasticidade deste tipo de narrativa é exatamente a brecha deixada ao se inserir o questionamento: é ou não sonho?

19 Lembremos que, segundo Todorov, o gênero fantástico antes parece se localizar no limite de dois gêneros, o maravilhoso e o estranho, do que ser um gênero autônomo. De forma resumida, temos que no gênero maravilhoso: os elementos sobrenaturais não provocam qualquer reação particular nem nas personagens, nem no leitor implícito. Não é uma atitude para com os acontecimentos narrados que caracteriza o maravilhoso, mas a própria natureza desses acontecimentos (TODOROV, 1975, p. 60). Já nas obras que pertencem ao gênero estranho: relatam-se acontecimentos que podem perfeitamente ser explicados pelas leis da razão, mas que são, de uma maneira ou de outra, incríveis, extraordinários, chocantes, singulares, inquietantes, insólitos e que, por esta razão, provocam na personagem e no leitor reação semelhante àquela que os textos fantásticos nos tornaram familiar. [...] O estranho não é um gênero bem delimitado [...]; mais precisamente, só é limitado por um lado, o do fantástico; pelo outro, dissolve-se no campo geral da literatura (os romances de Dostoievski, por exemplo, podem ser colocados na categoria do estranho) (TODOROV, 1975, p. 53). Em seu texto O estranho (1919), Freud se apropria de um conto fantástico chamado O homem da Areia do escritor alemão E. T. A Hoffmann (conto classificado também como fantástico por: CALVINO, 2004, p. 49) para tecer considerações psicanalíticas em torno de questões que envolvem os seres humanos da vida real, os seus medos, as suas repressões, os seus complexos. Em seu texto, Freud compara o estranho literário e o real: O estranho, tal como é descrito na literatura, [...] é um ramo muito mais fértil do que o estranho na vida real, pois contém a totalidade deste último e algo mais além disso, algo que não pode ser encontrado na vida real (FREUD, [200-], 1 CD). E continua:

20 Em primeiro lugar, muito daquilo que não é estranho em ficção sê-lo-ia se acontecesse na vida real; e, em segundo lugar, que existem muito mais meios de criar efeitos estranhos na ficção, do que na vida real (FREUD, [200-], 1 CD). É o que, de uma certa forma, Todorov estava querendo dizer quando comparou o seu conceito de estranho com o de Freud: não há coincidência perfeita entre este emprego do termo e o nosso (TODOROV, 1975, p. 53), já que Freud o utiliza para fazer uma análise psicanalítica de fatos que acontecem na vida real, e Todorov o descreve e o conceitua no âmbito estrito da literatura. Porém, se pensarmos que o medo do desconhecido (monstros, figuras demoníacas e etc.) é uma provação para o leitor de um texto fantástico, já que ele - o leitor - é motivado pelo seu próprio desejo de preservar seus conhecimentos prévios da realidade, veremos que o sentimento do Unheimliche (estranheza inquietante), que Freud descreveu, aplica-se com justeza ao efeito de fantasticidade (CHIAMPI, 1980, p. 68), pois o leitor teme o não-familiar, o novo, enquanto signos que ameaçam a sua ordem de valores já estabelecida. Ainda segundo Todorov, teríamos o gênero maravilhoso como o sobrenatural aceito e o gênero estranho como o sobrenatural explicado. Então, se o gênero fantástico se localiza no limite desses outros dois gêneros, ele ocorre na incerteza: Ao escolher uma ou outra resposta, deixa-se o fantástico para se entrar num gênero vizinho, o estranho ou o maravilhoso. O fantástico é a hesitação experimentada por um ser que só conhece as leis naturais, face a um acontecimento aparentemente sobrenatural (TODOROV, 1975, p. 31). O fantástico pode, portanto, se desvanecer a qualquer instante. Todorov estabelece, então, alguns parâmetros para a sua consolidação. O primeiro é a hesitação. Porém, quem hesita no fantástico? Segundo Todorov:

21 é ele [o personagem] quem, ao longo de toda a intriga, terá que escolher entre duas interpretações. Mas se o leitor fosse alertado sobre a verdade, se soubesse em que terreno está pisando, a situação seria completamente diferente. O fantástico implica, pois, uma integração do leitor no mundo das personagens; define-se pela percepção ambígua que tem o próprio leitor dos acontecimentos narrados. É necessário desde já esclarecer que, assim falando, temos em vista não este ou aquele leitor particular, real, mas uma função de leitor, implícita no texto. A percepção desse leitor implícito está inscrita no texto com a mesma precisão com que o estão os movimentos das personagens (TODOROV, 1975, p. 37). O leitor implícito materializa o conjunto das preorientações que um texto ficcional oferece, como condições de recepção, a seus leitores possíveis. Designa uma construção textual que antecipa a presença do receptor. O leitor implícito dará pistas ao leitor real e poderá conduzi-lo a uma compreensão e interpretação adequadas da obra. Nesse caso, o fantástico comporta inúmeras indicações a respeito do papel que o leitor irá representar, pois esse gênero produz um efeito particular sobre o leitor medo, ou horror, ou simplesmente curiosidade, que os outros gêneros ou formas literárias não podem provocar (TODOROV, 1975, p. 100). Será essa função de leitor que irá fazer com que se instaure a percepção ambígua no texto, e a hesitação do leitor, um elemento necessário à concepção do gênero fantástico. Outro parâmetro importante do fantástico é a irreversibilidade do tempo de leitura, ou seja, é necessário ler o texto do começo ao fim, sem pular a ordem. Não se está querendo dizer aqui que com outros textos seja diferente, contudo o fantástico é um gênero que acusa esta convenção mais claramente, uma vez que se precisa respeitar a ordem da narrativa (que parte de uma situação perfeitamente natural para alcançar o sobrenatural) para gerar a hesitação necessária ao estabelecimento do gênero. Por isso que a primeira e a segunda leitura de um conto fantástico dão impressões muito diferentes: na segunda leitura, que se torna inevitavelmente metaleitura, ressaltam-se os procedimentos do fantástico (TODOROV, 1975, p. 98).

22 Um outro ponto a se considerar é o grupo de obras em que o efeito de fantástico se produz somente durante parte da leitura, ou seja, somente antes de se receber uma explicação para os fatos representados, e, quando se recebe, o fantástico desvanece. Pois se considerarmos o fantástico como um gênero sempre evanescente, poderemos incluir este grupo de obras como também pertencendo ao gênero fantástico, mas só se o fantástico, no caso, for relevante de fato, como é o caso do fantástico onírico. Relembremos a definição de Todorov: no universo evocado pelo texto, produz-se um acontecimento uma ação que depende do sobrenatural (ou do falso sobrenatural); por sua vez, este provoca uma reação no leitor implícito (e geralmente no herói da história): é esta reação que qualificamos de hesitação, e os textos que a fazem viver, de fantásticos (TODOROV, 1975, p. 111). É necessário lembrar, ainda, que os textos fantásticos proliferaram no século XIX, principalmente em sua segunda metade, em um momento de Positivismo quando o homem ambicionava explicações racionais para os supostos fatos sobrenaturais. 1.2 O FANTÁSTICO E A PSICANÁLISE A Psicanálise substituiu (e por isso mesmo tornou inútil) a literatura fantástica. Tzvetan Todorov A literatura fantástica surgiu para introduzir certos temas caros à sociedade da época que proibia a abordagem de determinados assuntos. Machado de Assis, por exemplo, no conto O anjo das donzelas afirma decoroso: Descanse leitor, não verá neste episódio fantástico nada do que não se pode ver à luz pública. Eu também acato a família e respeito o decoro (CCMA, 2003, p. 66). O respeito do escritor pelo decoro faz com que este apresente o

23 indecoroso sob as vestes decorosas do fantástico. A opção pela vestimenta fantástica evita a condenação social. Com o surgimento da Psicanálise, a literatura fantástica, nos moldes tradicionais, torna-se obsoleta porque desde então não se tem mais necessidade de recorrer ao diabo para falar de um desejo sexual excessivo, nem aos vampiros para designar atração exercida pelos cadáveres, nem aos sonhos para descrever certas atitudes sociais condenáveis, pois a Psicanálise provocou o levantamento da censura social que proibia abordar certos temas. O escritor contemporâneo, nesse caso, não precisa mais da vestimenta fantástica, já que agora a Psicanálise e a própria literatura passam a tratar disso tudo em termos indisfarçados: os temas da literatura fantástica do século XIX são retomados pelas investigações psicológicas do século XX. A literatura fantástica tradicional recebeu com isto um golpe fatal; mas desta morte, deste suicídio nasceu uma nova literatura (TODOROV, 1975, p. 177) : o fantástico moderno. 1.3 O FANTÁSTICO MODERNO Resta-nos agora, para finalizar esta reflexão, fazer uma comparação entre o fantástico tradicional e o moderno. [...] No fantástico tradicional há a apresentação de várias alternativas: Sobrenatural ou delírio? Ou sonho? No fantástico atual, não há reconstrução; nenhuma explicação é dada ao acontecimento estranho, permanecendo na total ambigüidade. Selma Calasans Rodrigues Se abordarmos a narrativa fantástica moderna com as categorias anteriormente elaboradas, veremos que ela se distingue fortemente das histórias fantásticas tradicionais. Comentamos que estas partiam de uma situação perfeitamente natural para alcançar o

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO INTRODUÇÃO Síntese sobre a Teoria da Evolução Química. Criacionismo (fundamentado na fé e na religião). É a primeira explicação para perguntas sobre a origem do Universo, da

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Língua Portuguesa - 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Língua Portuguesa - 2º Bimestre O CASO DA CALÇADA DO JASMIM UM CRIME? Terça-feira, seis de Maio. São catorze horas. A D. Odete não é vista no seu bairro desde hoje de manhã. As janelas da sua casa estão abertas, mas o correio de hoje

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

O LUGAR DO FANTÁSTICO EM MACHADO DE ASSIS Darlan Lula (Doutorando em Literatura Comparada Universidade Federal Fluminense)

O LUGAR DO FANTÁSTICO EM MACHADO DE ASSIS Darlan Lula (Doutorando em Literatura Comparada Universidade Federal Fluminense) 1 O LUGAR DO FANTÁSTICO EM MACHADO DE ASSIS Darlan Lula (Doutorando em Literatura Comparada Universidade Federal Fluminense) Estudar Machado de Assis é sempre um desafio. Desafio maior ainda é encontrar

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói ANDERSON CAVALCANTE Meu pai, meu herói Dedicatória Ao meu pai, Eraldo, meu herói e minha referência de vida. 5 Agradecimentos A Deus, por sempre me ajudar a cumprir minha missão. A todos os pais que são

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 20 Discurso na cerimónia "Jovens

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

A Curva Normal Luiz Pasquali

A Curva Normal Luiz Pasquali Capítulo 3 A Curva Normal Luiz Pasquali 1 A História da Curva Normal A curva normal, também conhecida como a curva em forma de sino, tem uma história bastante longa e está ligada à história da descoberta

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 20 de setembro de 2012. revisão da aula anterior. 2.1- Deus Todo Poderoso. Dei uma

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE?

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? Rafael chegou em casa um tanto cabisbaixo... Na verdade, estava muito pensativo. No dia anterior tinha ido dormir na casa de Pedro, seu grande amigo, e ficou com a cabeça

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais

Palavras- Chaves: Letras Libras; Escrita da Língua de Sinais (SignWriting)

Palavras- Chaves: Letras Libras; Escrita da Língua de Sinais (SignWriting) TRADUÇÃO DE ESCRITA DE SINAIS PARA PORTUGUÊS: RECRIAÇÃO DO TEXTO? João Paulo Ampessan 1 Marcos Luchi 2 Marianne Rossi Stumpf 3 Resumo: O curso Letras Libras teve sua primeira edição no ano de 2006 atingindo

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Filosofia Questão 01... a filosofia não é a revelação feita ao ignorante por quem sabe tudo, mas o diálogo entre iguais que se fazem cúmplices

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé!

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé! Faculdades EST- Pastoral Universitária Culto de Abertura do Semestre 2013/2 Prédica sobre Lucas 11.1-13 Pastora Iára Müller Leitura de Lucas 11.1-13 O tema da oração e da persistência em orar sempre volta

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

FORMANDO UMA EXISTÊNCIA ADULTA: A MULHER TRONCO, A MULHER POLVO, A MULHER ÁGUA

FORMANDO UMA EXISTÊNCIA ADULTA: A MULHER TRONCO, A MULHER POLVO, A MULHER ÁGUA FORMANDO UMA EXISTÊNCIA ADULTA: A MULHER TRONCO, A MULHER POLVO, A MULHER ÁGUA Educyra Vaney RESUMO O trabalho com sonhos é uma importante ferramenta para a clínica formativa. Este texto é um relato pessoal

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais