UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA RELATÓRIO DE ATIVIDADES PARA FINS DE PROMOÇÃO À CLASSE DE PROFESSOR TITULAR INTERSTÍCIO: MAIO DE 2006 A MAIO DE 2014 MARCUS GOMES BASTOS Apresentado à Universidade Federal de Juiz de Fora como parte dos requisitos para obtenção do título de Professor Titular do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora 17 de abril de

2 DEDICATÓRIA A minha esposa, Maria Regina do Amaral Bastos, pelo companheirismo, incentivo e apoio nos meus momentos de dificuldades e por me fazer feliz, expresso os meus mais profundos sentimento na letra da música Wind Beneath My Wings : It must have been cold there in my shadow, to never have sunlight on your face. You were content to let me shine, that's your way. You always walked a step behind. So I was the one with all the glory, while you were the one with all the strength. A beautiful face without a name for so long. A beautiful smile to hide the pain. Did you ever know that you're my hero, and everything I would like to be? I can fly higher than an eagle, 'cause you are the wind beneath my wings. It might have appeared to go unnoticed, but I've got it all here in my heart. I want you to know I know the truth, of course I know it. I would be nothing without you. Did you ever know that you're my hero? You're everything I wish I could be. I could fly higher than an eagle, 'cause you are the wind beneath my wings. Did I ever tell you you're my hero? You're everything, everything I wish I could be. Oh, and I, I could fly higher than an eagle, 'cause you are the wind beneath my wings, 'cause you are the wind beneath my wings. Oh, the wind beneath my wings. You, you, you, you are the wind beneath my wings. Fly, fly, fly away. You let me fly so high. Oh, you, you, you, the wind beneath my wings. Oh, you, you, you, the wind beneath my wings. Fly, fly, fly high against the sky, so high I almost touch the sky. Thank you, thank you, thank God for you, the wind beneath my wings. Letristas: SILBAR, JEFF / HENLEY, LARRY e Cantora: Bette Midler 2

3 3

4 SUMÁRIO SEÇÕES Páginas I. Identificação 01 II. Introdução 02 III. Educação Pré-Universitária 14 IV. Formação Universitária 14 V. Instrução Pós-Graduada 14 VI. Atividades Profissionais 15 VII Comentários finais 45 4

5 I. Identificação Marcus Gomes Bastos Carteira de identidade: CPF: Filiação: Marinoel da Silva Bastos Orsina Gomes Bastos Data de nascimento: 03/04/1951 Cidade natal: Niterói Irmãos: Marcio Gomes Bastos Mauro Gomes Bastos Marcia Maria Bastos Campos Casado com Maria Regina do Amaral Bastos Filhas: Jessica do Amaral Bastos Josie do Amaral Bastos Endereço residencial: Rua Ivan Soares de Oliveira, 234 Parque Imperial Juiz de Fora Minas Gerais Endereço Institucional Pró-Reitoria de Graduação Rua Jose Lourenço Kelmer Martelos Juiz de Fora ( ) Endereço eletrônico: 5

6 II. Introdução Nasci em 03 de abril de 1951, na cidade de Niterói, onde morei até Meu pai, Marinoel da Silva Bastos era militar do exército e minha mãe, Orsina Gomes Bastos, embora normalista, após o casamento, não exerceu mais a profissão de professora, dedicando-se aos afazeres do lar. Ao longo deste memorial, eu descreverei alguns fatos que, acredito, em muito contribuíram para a minha trajetória acadêmica na Universidade Federal de Juiz de Fora. Em 1965, o meu pai foi transferido do Rio de Janeiro, onde servia, para Juiz de Fora. Com certeza, este foi o primeiro grande acontecimento que impactou a minha vida, pois, em Niterói, eu estudava em uma escola de ensino fundamental que não tinha muito a oferecer a seus alunos, residia residia no Barreto, um bairro de classe média baixa, onde convivia com pessoas que, devidos às poucas oportunidades de desenvolvimento pessoal, possuíam objetivos de vida muito limitados. Com a mudança para Juiz de Fora, um campo de facilidades se abriu à minha frente, passei a morar no centro da cidade, tive a oportunidade de estudar no Colégio Academia de Comércio (Colégio Cristo Redentor) e de conviver com colegas que possuíam projetos profissionais futuros completamente diferentes daqueles que eu percebia em meus amigos do Barreto. Suas aspirações me contaminaram e, no primeiro ano do ensino médio, já tinha me decidido pela medicina. No Colégio Academia de Comércio, eu concluí o ensino médio e me preparei para o vestibular de medicina. Nesta época, outro fato me marcou profundamente. No primeiro científico (como se denominava o primeiro ano do ensino médio), iniciando meus estudos em uma escola com grau de exigência muito acima daquele à que eu estava acostumado em Niterói, eu estudava de manhã e não me saia bem em matemática, quando um colega de sala, de mais idade e mais experiente, sugeriu-me transferir para o turno noturno, cuja matemática era ministrada por um professor menos exigente. Ao levar a proposta ao meu pai, recebi um contundente NÃO com a justificativa: Na vida, você encontrará muitos obstáculos e, para ser alguém e vencer profissionalmente, você terá que enfrentá-los e não contorná-los, como você está propondo agora, por isso você continuará no turno da manhã e, se reprovado, fará recuperação. Moral da estória, continuei no turno diurno e passei na matemática. 6

7 Ingressei na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em 1970 e me formei em Durante o curso, eu fui um aluno mediano, nunca fui reprovado, mas também não me destacava entre os que tinham as melhoras notas. Na época, 1973, consegui, por meio de relacionamento com a administração superior da UFJF, a alocação de algumas vagas de monitoria e, juntamente com uma colega de turma, fui selecionado, por prova, para a monitoria de nefrologia/endocrinologia. É importante ressaltar que, nesses anos como acadêmico de medicina, a pesquisa na Faculdade de Medicina se resumia a relato de casos clínicos em congressos locais e regionais. Em 1975, já formado em medicina, fui fazer residência na Santa Casa do Rio de Janeiro. Na época, os programas de residência não tinham a estrutura atual e não havia processo seletivo democrático. Exerci a minha residência na nona enfermaria, a qual fazia parte das enfermarias do Serviço do Prof. Clementino Fraga Filho na Santa Casa. Na ocasião, conheci grandes professores preceptores, muitos já fazendo pesquisa de qualidade, numa realidade muito diferente daquela vivida no meu curso médico. Com certeza, foi este convívio com os professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro que despertou em mim, pela primeira vez, o interesse pela vida acadêmica. Em1976, fui selecionado para o Programa de Mestrado em Ciências Médicas Área de Concentração: Nefrologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Desenvolvi o meu mestrado sob a supervisão do Professor Carlos Augusto Pacca, dentista por formação e imunologista por vocação. O professor Pacca foi para mim um exemplo de dedicação, simplicidade e responsabilidade acadêmica. Sempre disponível e muito bem relacionado na sua área de atuação, me possibilitou-me conhecer outro pesquisador fantástico, o Professor Claudio Jurgensen, da Universidade Federal Fluminense, expert em bactérias anaeróbias, tema do qual tratou a minha dissertação de mestrado ISOLAMENTO DE BACTÉRIAS ANAERÓBICAS EM URINA DE PACIENTES PORTADORES DE CÁLCULO RENU-URETERAL, defendida em O ano de 1978 foi especial para mim: passei no concurso público de seleção de médicos para o antigo Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social - INAMPS, ingressei na Faculdade de Medicina da UFJF e nasceu a minha primeira filha, Jessica. Na Faculdade de Medicina, passei a atuar na disciplina de nefrologia, estágio de clínica médica e na residência de clínica. Contudo, diferente das mudanças ocorridas em minha vida após concluir o meu curso médico (residência médica e mestrado), a vida na 7

8 minha Faculdade continuava a mesma. Nada de pesquisa, nada de produzir novos conhecimentos, continuávamos sendo uma instituição que meramente repassava conhecimentos obtidos por outros. Mas, nessa época, outro fato marcante aconteceu, que foi conhecer o Professor Oswaldo Luiz Ramos, professor chefe da nefrologia da então Escola Paulista de Medicina (EPM), que considero o meu pai acadêmico. Foi o professor Oswaldo que me aceitou no doutorado da EPM e viabilizou a realização do meu doutorado sanduíche na Universidade de Melbourne, Austrália, me recomendando-me e influenciando no processo de concessão de minha bolsa de estudos obtida do CNPq para estudar na Austrália. O início da vida na Austrália, em janeiro de 1981, não foi exatamente fácil. Já com as minhas duas filhas nascidas, a Jessica com dois anos e a Josie com um, partimos eu e a Maria Regina, minha esposa, e as meninas numa viagem que foi uma verdadeira aventura. Saímos do Rio de Janeiro numa quarta-feira à noite e chegamos a Melbourne no domingo, por volta de meio-dia. Todos nós extenuados, particularmente as meninas. Após nos instalarmos na cidade de Melbourne, já na primeira entrevista com a Professora Priscilla Kincaid-Smith, na época uma das maiores autoridades do mundo em glomerulopatias e nefropatia do refluxo (termo que ela cunhou na literatura nefrológica), observei que o meu inglês não era dos melhores. Além do mais, os primeiros meses no Royal Melbourne Hospital, da Universidade de Melbourne, foram dificílimos, muito por conta da minha autoestima baixa devido ao pouco domínio do inglês, que eu não conseguia entender e falar adequadamente. No final do primeiro semestre de 1981, eu ainda não dominava a língua, não tinha definido o tema da minha tese de doutorado, as minhas filhas não se adaptavam às escolas que tentamos matriculá-las, a nossa moeda desvalorizada frente ao dólar australiano, condicionantes que me levaram a fraquejar. Pensei em desistir e retornar ao Brasil, mas, novamente outro fato marcante aconteceu: a declaração de apoio incondicional à nossa permanência em Melbourne pela minha esposa Maria Regina. O apoio da Regina e a lembrança da lição de moral recebida do meu pai quando ainda cursava o primeiro científico de não desistir diante de adversidades me fizeram continuar. Nessa época, conheci um jovem médico australiano, filho de emigrantes europeus, que retornava do seu fellowship nos Estados Unidos, Dr. Linas Dzucas, que havia 8

9 trabalhado com modelo experimental de nefropatia do refluxo em ratos. O Dr. Linas foi fundamental na escolha do meu tema de doutorado e, acredito, por ser ele filho de emigrantes e ter residido em outro país, conhecia bem as dificuldades dos imigrantes e tinha toda a paciência comigo. O Linas me ensinou a manusear adequadamente os ratos e me treinou na técnica de indução de cicatrizes renais em ratos, que utilizei como parte da minha tese de doutorado. No Natal de 1981, outro fato me marcou: estava eu limpando as gaiolas dos meus ratos, chateado por ter que fazer o papel de um técnico, embora fosse eu médico, quando um senhor entra na sala, apresenta-se como o Dr. Gilbert e, além de cuidar dos seus animais, ele me ajudou a cuidar dos meus. Na primeira semana de janeiro de 1982, relatando o acontecido a um dos meus colegas fellow do Serviço de Nefrologia do Royal Melbourne Hospital, fiquei sabendo que o Dr. Gilbert era nada menos que o Diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Melbourne. Aprendi que, mesmo as pessoas que ocupam cargos importantes, podem manter a simplicidade e a humildade, o que não as impede de realizar tarefas mais simples. Permanecemos na Austrália até janeiro de 1984, quando tivemos que retornar ao Brasil para eu reassumir o meu cargo no INAMPS. Esse retorno não foi exatamente um mar de rosas, particularmente na Faculdade de Medicina. Após três anos de convívio com professores de alto nível acadêmico, retorno e encontro a minha instituição com o mesmo ritmo de vida que eu tinha deixado há três anos: nada de pesquisa. A maioria dos professores fazendo o mínimo necessário, investindo em suas vidas profissionais fora da Faculdade. Fiquei deprimido e revoltado e, novamente, fui atrás do professor Oswaldo Ramos. O professor me acolheu e aconselhou sobre conviver com a realidade em Juiz de Fora e, juntos, organizamos o material (dados clínicos e experimentais) que eu tinha trazido da Austrália para que pudesse escrever a minha tese de doutorado. Após idas e vindas a São Paulo, em meados de 1985, eu defendi a minha tese de doutorado, intitulada NEFROPATIA DE REFLUXO: INDICADORES PROGNÓSTICOS DA DOENÇA EM ADULTOS E CARACTERÍSTICA DO INFILTRADO INFLAMATÓRIO RENAL EM SERES HUMANOS E RATOS. Neste mesmo ano, eu obtive o meu título de especialista da Sociedade Brasileira de Nefrologia. 9

10 Para se ter uma ideia, em Juiz de Fora, ninguém tinha ainda escutado falar em nefropatia do refluxo! Dois fatos ocorreram após a minha defesa de tese: 1. Embora fosse o professor mais novo da disciplina de nefrologia, eu era o mais titulado e passei a ser o responsável pela mesma; e 2. Em 1986, o então diretor do Hospital Universitário (HU), Prof. Antônio da Silveira Ramos, publicou portaria na qual ficou determinado que as chefias dos serviços do Hospital seriam exercidas pelos responsáveis pelas respectivas disciplinas. O comum à época era que os mais antigos exercessem a função de chefia de serviço e a receptividade a minha nomeação para chefiar a nefrologia do HU não foi das melhores, e eu fiquei praticamente sozinho (éramos quatro professores a época) para desempenhar as atividades ambulatórias e de enfermaria, contando apenas com os residentes da clínica médica que rodiziavam na nefrologia. Mas não desistimos, pelo contrário, o Serviço começou a crescer: aumentamos o número de ambulatórios de dois para cinco e, naquele mesmo ano, iniciamos o programa de diálise peritoneal ambulatorial contínua manual, método de tratamento do paciente com falência funcional renal introduzido no início da década de oitenta pelo Professor Miguel Riella, em Curitiba. Estabelecemos uma política de recursos humanos que privilegiava novos professores com doutorado e com currículo que os habilitasse a participar não só na graduação, mas também na pós-graduação Stricto Sensu. Assim, 1985, encaminhamos o nosso então ex-residente Rogerio Baumgratz de Paula para o mestrado e doutorado na Universidade Federal de São Paulo UNIFESP, o qual, atualmente, é membro do nosso núcleo de pesquisa e professor do programa de pós-graduação da Faculdade de Medicina da UFJF. Também em 1986, seguindo os passos do Professor Oswaldo Ramos, que tinha criado um instituto de ensino e pesquisa com o objetivo de captar recursos para a disciplina de nefrologia da UNIFESP, nós, juntamente com um grupo de professores da Faculdade de Medicina, instituímos a Fundação Instituto Mineiro de Estudos e Pesquisas em Nefrologia (Fundação IMEPEN), uma instituição privada e sem finalidades lucrativas, com objetivos estatutários de apoiar a nefrologia da UFJF. Em 1988, partimos para os Estados Unidos para o meu pós-doutorado na Harvard Medical School, em Boston. Outro grande desafio, agora não tanto pela língua, mas pelo tema. Fui para trabalhar com imunobiologia de transplante, um tema que eu simplesmente não dominava, num dos mais importantes centros americanos que estudava o assunto. Tive 10

11 a honra de ser supervisionado pelo Professor Terry B. Strom, um ícone do transplante renal americano, hoje Full Professor da Harvard. O Professor Strom, cujo laboratório de pesquisa era localizado no Beth Israel Hospital de Boston, recebeu-me muito bem, mas terminei desenvolvendo o meu fellowship no laboratório da Dra. Vicky Kelly, sua colaboradora, que ficava no Brigham and Women s Hospital. Particularmente, trabalhar no Brigham foi muito adequado, primeiro porque o programa de transplante renal era maior do que o do Beth Israel Hospital; segundo, porque eu convivi com um grupo de fellows que me recebeu muito bem e que foi muito produtivo cientificamente. Faziam parte do laboratório da Dra. Kelly, Rudolf Wüthrich, hoje professor e chefe de nefrologia da Universidade de Zurich; Daniel Brennan, atualmente uma das grandes autoridades em transplante renal nos EUA; Anthony Jevnikar, professor na Western University, em London, Ontário, Canadá; e Oleh Pankewycz, professor na Universidade de Buffalo. Em dois anos, eu consegui seis publicações, colaborando com os meus colegas do laboratório em revistas de imunologia, inclusive o resultado do meu fellowship foi publicado no Journal of Immunology, em 1990: Concomitant administration of hapten and IL-2-toxin (DAB486-IL-2) results in specific deletion of antigen-activated T cell clones. Em 1990, retornei à UFJF, reassumindo a responsabilidade da disciplina de nefrologia e a chefia do serviço de nefrologia do HU, assim como o meu cargo de médico no INAMPS. Entre 1992 e 1993, após ter sido eleito Diretor Clínico do Hospital Universitário, exerci a função por apenas seis meses por absoluta incompatibilidade de estilo de trabalho com o então Diretor do HU. Ainda em 1992, iniciamos o Programa de Transplante Renal do HU, mesmo sob a ameaça do Diretor (que era cirurgião) de me denunciar ao Conselho Regional de Medicina, caso o transplante não desse certo. Em 1994, aprovamos o mestrado em nefrologia pela UFJF, o qual, infelizmente, teve de ser interrompido por falta de professores titulados em nefrologia e de apoio dos docentes de outras unidades acadêmicas da UFJF. Em 1996, intermediamos um contrato de prestação de serviços entre a Fundação IMEPEN e a UFJF, objetivando a execução do Programa de Terapia Renal Substitutiva (TRS) do HU. A necessidade do contrato deveu-se ao fato de o HU não apresentar as condições mínimas de um Programa de TRS na sua área física. A Fundação IMEPEN 11

12 alugou e adaptou uma casa próxima ao HU e, em pouco tempo, a nossa TRS cresceu e passou a ser a unidade com os melhores indicadores clínicos de diálise na região. Infelizmente, em 2003, por questões principalmente políticas, a UFJF suspendeu o contrato com a Fundação IMEPEN e o HU voltou a fazer a gestão da TRS. De 1997 a 2000, eu exerci a função de Chefe do Departamento de Clínica Médica. Nessa época, participamos da Comissão que desenvolveu as alterações curriculares que ainda hoje praticamos na Faculdade de Medicina e foi criada a disciplina Clínica Médico- Cirúrgica V, com temas de nefrologia e urologia, a qual ficou sob a minha coordenação até Em 2002, iniciamos um programa de prevenção da doença renal crônica (DRC), com equipe interdisciplinar que rapidamente tornou-se referência no Brasil. Este Programa, denominado PREVENRIM, com apoio financeiro da Fundação IMEPEN, abriu uma cunha na nefrologia brasileira para o nosso grupo de Juiz de Fora. A nossa experiência com abordagem biopsicossocial ao paciente com DRC tem sido apresentada em palestras nos congressos da Sociedade Brasileira de Nefrologia, da Sociedade Mineira de Nefrologia e em outras regionais e até em outros países, e o banco de dados gerado foi utilizado para o desenvolvimento de dissertações de mestrado e teses de doutorado publicadas em revistas científicas no Brasil e no exterior. Em 2005, conseguimos, juntamente com o Professor Luiz Carlos Ferreira de Andrade, também professor da disciplina de nefrologia, credenciar o nosso Programa de Pós-Graduação em Saúde (PPgS) na CAPES (Medicna I). O PPgS já nasceu sob a ótica da interdisciplinaridade, e o nosso grupo de pesquisa, Núcleo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Tratamento em Nefrologia (NIEPEN) tem hoje cinco professores credenciados: Professor Rogerio Baumgratz de Paula, Professora Hélady Sanders Pinheiro, Professora Natalia Maria Fernandes e o Professor Fernado Basile Colugnati. Durante o nosso período como coordenador do PPgS (outubro de 2006 a setembro de 2010), conseguimos consolidar o Programa e aumentar o número de professores participantes. Foi nossa a proposta de criar o período probatório como pré-requisito para o aluno ingressar no PPgS, permitindo a matrícula somente para aqueles que conseguem escrever o seu projeto de pesquisa, aprová-lo no Comitê de Ética e, idealmente, já estiverem desenvolvendo a pesquisa. Esta estratégia tem se mostrado muito eficaz e 12

13 garantido que a maioria dos nossos pós-graduandos defendam suas dissertações de mestrado e teses de doutorado nos prazos determinados pela CAPES e publiquem os seus trabalhos em revistas nacionais e no exterior. Em 2006, com a eleição do Prof. Jocemir Ronaldo Lugon, chefe da nefrologia da Universidade Federal Fluminense, para presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia, fomos convidados para assumir a editoria do Jornal Brasileiro de Nefrologia (JBN) a partir de janeiro de Encontramos o JBN indexado apenas na base de dados LILACs e publicando uma média de três artigos originais por trimestre, periodicidade do Jornal. Após seis anos como Editor Chefe, deixamos o JBN indexado no SCIELO e no PubMed e com média de dez artigos originais publicados por número. Em 2008, a pedido do Subsecretário de Saúde do estado de Minas Gerais, Dr. Antônio Jorge Souza Marques, assumimos a coordenação do Programa Educação Permanente (PEP) para médicos de família, um dos programas estruturantes da Secretaria Estadual de Saúde (SES), viabilizado através de convênio entre o Estado de Minas Gerais e a Faculdade de Medicina da UFJF. O PEP aconteceu até julho de 2014 e, no seu período de execução, centenas de médicos de família tiveram a oportunidade de, com a tutoria de médicos especialmente treinados, aprender a aprender a partir de situações clínicas da vida real vividas por eles e compartilhadas uns com os outros. Em 2009, fomos convidados pela Secretaria Estadual de Saúde para assessorar a Associação Mineira de Médicos de Família, então contratada junto à Secretaria Estadual de Saúde para proceder à revisão das Linhas Guias de Hipertensão Arterial. Na época, ficamos sabendo do Programa Hiperdia Minas, também uma das ações estruturantes da SES. O Programa Hiperdia Minas deveria ter sido executado pela Secretaria Municipal de Saúde de Juiz de Fora a partir de 2006, mas, por questões políticas, acabou não sendo implementado. Ao sabermos de sua existência, procuramos o Subsecretário da SES, Dr. Antônio Jorge Souza Marques, e argumentamos que um Programa com a dimensão social do Hiperdia não poderia deixar de ser executado em Juiz de Fora. Ele então dotou recursos orçamentários da SES em 2009 para que o programa pudesse ser executado nas microrregiões de Juiz de Fora, Santos Dumont e São João Nepomuceno (total de 37 municípios contemplados), condicionando que o Programa fosse executado sob a nossa 13

14 coordenação e na Fundação IMEPEN. O Hiperdia Minas iniciou as suas atividades em maio de 2010 e continua ofertando aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) atendimento integral de excelente qualidade. É importante destacar o porquê de nosso empenho em trazer o Hiperdia Minas para Juiz de Fora. O Hiperdia Minas é um programa de atenção integral aos usuários do SUS com hipertensão arterial de alto e muito alto risco cardiovascular, diabéticos tipo 1 (todos) e tipo 2 (com controle metabólico inadequado) e com DRC nos estágios 3B, 4 e 5, ou seja, aqueles com cerca de um terço de rins funcionando. O programa foi idealizado para diminuir a mortalidade em pacientes com as principais causas de DRC (diabetes e hipertensão arterial), que é um dos temas da nossa linha de pesquisa no PPgS. O Hiperdia Minas disponibiliza aos usuários do SUS, gratuitamente, além de consulta médica, atendimento de enfermagem, nutrição, serviço social, psicologia, atenção farmacêutica, odontológica, fisioterapia e educador físico. Ademais, os usuários do SUS têm livre acesso a exames como teste ergométrico, ecografia cardíaca, monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA), eletrocardiograma, consulta oftalmológica, laserterapia e ambulatório de pé diabético com enfermeira, endocrinologista, neurologista, cirurgião vascular e ortopedista. Mas o que torna o HIPERDIA Minas um dos melhores programas de prevenção secundária para as doenças crônicas não transmissíveis é que, além do objetivo assistencial, existem também outros três objetivos, quais sejam: o de ajuda na hierarquização da rede SUS (os pacientes só são encaminhados ao Hiperdia pela Atenção Primária à Saúde e os pacientes são atendidos conjuntamente com os médicos do Programa de Saúde da Família); o de educação continuada em hipertensão, diabetes e DRC para médicos de família; e o objetivo de criação de evidências científicas de aplicação imediata no controle e tratamento das doenças contempladas no programa. Assim, fica fácil de entender que a maioria das nossas dissertações de mestrado e teses de doutorado são desenvolvidas a partir do banco de dados que foi gerado com o atendimento de cerca de 9 mil usuários do SUS. Em 2010, reassumimos a Chefia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina, o qual contava na época com cerca de 48 professores: maior departamento da UFJF. As nossas reuniões aconteciam esporadicamente e com quórum reduzido (em média, cerca de professores por reunião). Instituímos a obrigatoriedade da presença às reuniões, bem como estabelecemos as normas para as distribuições das vagas de 14

15 docentes, privilegiando as disciplinas que praticavam a graduação e pós-graduações Lato Sensu (especialização e residência médica) e Stricto Sensu (mestrado e ou doutorado). Tal sistema permanece vigente atualmente e tem estimulado as disciplinas a crescerem academicamente. Em 2011, propusemos e criamos a disciplina de geriatria, até então não constante da nossa grade curricular. A disciplina foi criada como opcional e ofertada para um pequeno número de alunos, pois só eu a ministrava. Vale a pena lembrar que as minhas demais atividades à frente do departamento de clinica médica, disciplina de clínica médico-cirúrgica V, serviço de nefrologia, estágio de clínica e pós-graduação continuaram as mesmas. No início de 2013, conseguimos o primeiro concurso para professor de geriatria; em seguida, a disciplina passou a ser obrigatória, e hoje é coordenada pelo Prof. Jeancarlo Lucchetti e já conta com um segundo professor. No entanto, para mim, a maior realização na minha trajetória acadêmica foi a criação das disciplinas ECOGRAFIAS CLÍNICAS I a V. As disciplinas, com foco em point of care ou à beira do leito foram criadas para melhorar e estender o aprendizado do exame físico dos nossos discentes. O uso do ultrassom como point of care (POCUS) é um movimento iniciado na década de 90 por médicos emergencistas americanos por pura necessidade. Nos Estados Unidos da América, diferentemente do Brasil, o ultrassom é realizado por técnicos (sonologistas), semelhantemente ao que acontece com o raio X convencional, tomografia computadorizada e ressonância magnética. Lá, como aqui, o ultrassom é um ato médico e, consequentemente, só pode ser laudado por médicos. Contudo, muitas vezes, quando os emergencistas americanos precisavam da ultrassonografia para aprofundar a avaliação dos seus pacientes críticos, os exames não estavam disponíveis. Foi esta necessidade que levou à introdução do ultrassom na ótica do point of care nas residências de emergência americanas. O POCUS é realizado para responder a perguntas simples, geralmente binomiais; por exemplo, o meu paciente com dispneia tem derrame pleural? No paciente idoso internado na enfermaria, o aumento da creatinina sanguínea é secundário a uropatia obstrutiva? A introdução do ensino do ultrassom na graduação da medicina é relativamente recente, e a primeira escola a inseri-lo em seu currículo de maneira horizontal, ou seja, ao longo do curso, foi a escola médica da Universidade da Carolina do Sul, em 2005, iniciativa capitaneada pelo Prof. Richard Hoppmann, então Diretor da referida escola. Em 2012, tive a 15

16 oportunidade de visitar o professor Hoppmann, que me orientou e estimulou a também inserir o ensino do ultrassom na graduação da nossa Faculdade de Medicina. Ao retornar ao Brasil naquele ano, fiz a proposta de inserção do ultrassom na grade curricular do nosso Departamento de Clínica Médica e fui bombardeado pelos meus colegas, com o argumento, entre outros, de que eu iria prejudicar o aprendizado do exame físico pelos alunos. Contudo, não desisti, e em 2013, no ano mundial da ultrassonografia, eu consegui que a Faculdade de Medicina convidasse o prof. Hoppmann para dar a aula inaugural do nosso curso, o que aconteceu em maio daquele ano. A aula foi excelente e os professores e alunos que compareceram para assisti-la saíram com uma ideia completamente diferente daquela dos meus colegas de departamento. Em seguida, reapresentei a nossa proposta de criação das disciplinas de ECOGRAFIA CLÍNICA, agora como disciplinas opcionais. A proposta foi aprovada, mas não completamente, pois os meus pares exigiram que provássemos que os alunos gostaram e tiveram bom desempenho nas disciplinas. Para ministrar a disciplina, conseguimos o apoio do então Reitor Prof Enrique Duque de Miranda Chaves, que disponibilizou recursos financeiros para aquisição de três máquinas de ultrassom, três televisões full HD (para projetar as imagens obtidas no ultrassom) e Phantoms para as aulas práticas. A disciplina ECOGRAFIA CLÍNICA I, que engloba conhecimentos sobre princípios físicos do ultrassom, knobologia, ultrassom de pulmão e ecocardiografia, foi iniciada no segundo semestre de 2013 e foi um sucesso. Os alunos foram muito bem nas avaliações cognitivas e em OSCE, e elogiaram, por meio de questionário específico, o que aprenderam. Esta foi a primeira iniciativa de inserção do ensino de POCUS entre as universidades da América Latina e, em outubro deste mesmo ano, nós fomos convidados a palestrar sobre o tema ensino do ultrassom no Brasil, num simpósio sobre o ensino do ultrassom no mundo durante o segundo World Congress of Ultrasound in Medical Education, realizado em Columbia, Carolina do Sul, nos Estados Unidos da América. Atualmente, estamos com quatro das cinco disciplinas de ECOGRAFIA CLÍNICA em carga. Este ano, concorremos a duas vagas de monitoria e ganhamos, uma para a disciplina ECOGRAFIA CLÍNICA I e outra para ECOGRAFIA CLÍNICA II e três bolsas de treinamento profissional envolvendo a prática do ultrassom vida real pelos nossos alunos. Ao longo destes 18 meses de implementação, as disciplinas de ECOGRAFIA CLÍNICA já 16

17 contam com mais quatro professores, Professores Rogério Baumgratz de Paula, Wander Barros do Carmo, Marcia Regina Gianoti Franco e Flavio Ronzani (todos com atividades em outras disciplinas) que participam por entenderem que os conhecimentos de ultrassom na graduação trarão mais qualidade ao ensino médico na UFJF. Ao longo desta trajetória acadêmica, tivemos a oportunidade de formar 40 residentes de nefrologia, 12 mestres e cinco doutores do PPgS. Entre os nossos pós-graduandos, seguiram a carreira do magistério superior os(as) doutores(as) Arise Garcia de Siqueira Galil, a Natália Maria Fernandes da Silva, Fabiane Rossi dos Santos Grincekov e Henrique Mansur, em Universidades Federais, e a Dra. Ana Paula Simões Ferreira Teixeira e o Dr. Anderson Tavares, em Faculdades de Medicina particulares. Por fim, em 2014, fomos convidado pelo Reitor eleito da UFJF, Professor Júlio Maria Fonseca Chebli, a assumir o cargo de Pró-Reitor de Graduação da nossa Universidade. Novo desafio e muito para aprender, mas com a humildade de perguntar sobre o desconhecido, a vontade de acumular novos conhecimentos e a possibilidade de contribuir para a melhoria da UFJF pavimentam esta nova caminhada acadêmica. 17

18 III. Educação Pré-Universitária a 1965 Colégio Nilo Peçanha, Niterói, Rio de Janeiro a 1968 Colégio Cristo Redentor (Academia de Comércio), Juiz de Fora, Minas Gerais IV. Formação Universitária a 1974 Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais V. Instrução Pós-Graduada 1. Janeiro a dezembro de 1975 Residência em Clínica Médica Serviço do Professor Clementino Fraga Filho, Nona Enfermaria da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro a Mestrado em Ciências Médicas (Nefrologia) Universidade Estadual do Rio de Janeiro Título da dissertação de mestrado: ISOLAMENTO DE BACTERIAS ANAEROBICAS EM URINA DE PACIENTES PORTADORES DE CALCULO RENU-URETERAL Orientador: Professor Carlos Augusto Pacca Bolsista do Programa Institucional de Capacitação de Docente a Research Fellowship Renal Unit, Royal Melbourne Hospital, Melbourne, Austrália Orientadora: Professora Priscilla Kincaid-Smith Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) a 1985 Doutorado em Medicina (Nefrologia) Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, São Paulo Título da dissertação da tese de doutorado: NEFROPATIA DE REFLUXO: INDICADORES PROGNOSTICOS DA DOENCA EM ADULTOS E CARACTERISTICA DO INFILTRADO INFLAMATORIO RENAL EM SERES HUMANOS E RATOS Orientador: Professor Oswaldo Luiz Ramos 18

19 Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Especialização em Nefrologia pela Sociedade Brasileira de Nefrologia a Pós-doutorado Beth Israel Hospital e Brigham and Women s Hospital Harvard Medical School, Boston, Massachusetts, Estados Unidos Orientador: Professor Terry B. Strom Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) VI. Atividades Profissionais a. Atividades Médicas Médico Residente do Serviço de Clínica Médica do Professor Clementino Fraga Filho, nona enfermaria, Santa Casa do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro a 2012 Médico Nefrologista do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social 3. Professor Médico do Hospital Universitário da Universitário da Universidade Federal de Juiz de For a, Juiz de Fora, Minas Gerais a 2010 Médico Nefrologista do Hospital Albert Sabin de Juiz de Fora, Minas Gerais a Médico Nefrologista do Hospital Dr. João Felício, Juiz de Fora, Minas Gerais b. Atividades docentes a 1985 Professor Assistente do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais a 2005 Professor Adjunto do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais 19

20 a 2015 Professor Associado do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais c. Atividades Administrativas a Responsável pela Disciplina de Nefrologia do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais a Responsável pela Disciplina de Nefrologia do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais a Responsável pela Disciplina de Clínica Médico-Cirúrgica V do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais a 1987 e 1990 a 2015 Chefe do Serviço de Nefrologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais a 1987 e 1990 a 2015 Responsável Técnico do Programa de Terapia Renal Substitutiva do Serviço de Nefrologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais Diretor Clínico do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais a Responsável pelo Programa de Transplante Renal do Serviço de Nefrologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais e 1993 (seis meses) Diretor Clínico Hospital Universitário do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais a 2000 Chefe do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais 20

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO:

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO: Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de Concentração Saúde Brasileira Niepen Núcleo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Tratamento em Nefrologia Disciplinas:

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae

Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae Luciana Pizzani Rosemary Cristina da Silva Memorial Memorial é o relatório circunstanciado que se apresenta à comissão de progressão funcional, o qual inclui a

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEFROLOGIA

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEFROLOGIA 2) Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE Marta Isabel Valente Augusto Moraes CAMPOS, Maria do Rosário Gondim PEIXOTO, Edna Regina Silva PEREIRA, Ana Tereza Vaz de

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CRÔNICAS

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitoria de Graduação Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL 01/014 PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PERMANENTES E COLABORADORES DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL INTERDISCIPLINAR EM CIÊNCIAS HUMANS, DA JEQUITINHONHA E MUCURI - UFVJM O Colegiado

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEFROLOGIA DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEFROLOGIA DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEFROLOGIA DISPOSIÇÕES GERAIS O programa de Pós-Graduação em Nefrologia (PPG-N), com funcionamento junto à Disciplina de Nefrologia da Escola Paulista de Medicina

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA PARA PREVENÇÃO, TRATAMENTO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA CLÍNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA CLÍNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA CLÍNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 05, de 11 de fevereiro

Leia mais

64 pontos não remunerada.

64 pontos não remunerada. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RESOLUÇÃO 001/2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS E PARÂMETROS AVALIATIVOS PARA PROGRESSÃO DE DOCENTES À CLASSE E PROFESSOR TITULAR ANEXO

Leia mais

ANEXO I. Centro de Saúde nº 1 Unidade Mista 508/509 Sul. Ortopedia e Traumatologia. Ortopedia e Traumatologia. Radiologia e Diagnóstico por Imagem

ANEXO I. Centro de Saúde nº 1 Unidade Mista 508/509 Sul. Ortopedia e Traumatologia. Ortopedia e Traumatologia. Radiologia e Diagnóstico por Imagem ANEXO I QUADRO DE VAGAS - Processo Seletivo para Preceptoria dos Programas de Residência Médica Seleção 2014/1 Opção de Vaga Unidade de Saúde/SES Programa de Residência de Cargo Local de execução das atividades

Leia mais

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE Capítulo I - Da liga e seus fins Art. 1 - A Liga de Cirurgia Pediátrica, a seguir designada LACIPE,

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL NORMA PPGMT 004 VERSÃO 001.01 ELABORADO POR Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical DATA DE IMPLEMENTAÇÃO 10/05/2013 APROVADO

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISCRIMINAÇÃO DAS ATIVIDADES DOCENTES

ANEXO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISCRIMINAÇÃO DAS ATIVIDADES DOCENTES ANEXO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISCRIMINAÇÃO DAS ATIVIDADES DOCENTES I. ENSINO 1. Aulas presenciais e semipresenciais em curso de graduação, pós-graduação

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em Diagnóstico por Imagem do Tórax 4.01.00.00-6

Leia mais

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 Define as diretrizes gerais para o processo de avaliação de desempenho para fins de progressão e de promoção das Carreiras do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico

Leia mais

PROGRAMA PEDAGÓGICO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CLÍNICA MÉDICA

PROGRAMA PEDAGÓGICO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CLÍNICA MÉDICA PROGRAMA PEDAGÓGICO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CLÍNICA MÉDICA 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1- Hospital: Rubens de Souza Bento Hospital Geral de Roraima. 1.2- Entidade Mantenedora: Secretaria

Leia mais

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses.

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses. RESOLUÇÃO N O 01/201 PPgCO Regulamenta a distribuição de bolsas de estudo no Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica, quanto à concessão, manutenção, duração e cancelamento da bolsa. O Colegiado

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE O roteiro e normas abaixo discriminados foram aprovados pela Congregação da FEA em 17.8.2005. ROTEIRO E NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE UM MEMORIAL PADRÃO PARA CONCURSOS DA CARREIRA DOCENTE NA FEA SUMÁRIO (para

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Universidade Federal Do Triângulo Mineiro

Universidade Federal Do Triângulo Mineiro Universidade Federal Do Triângulo Mineiro UFTM está entre as dez melhores universidades do País. A UFTM, segundo o Índice Geral de Cursos - IGC, divulgado nesta quinta-feira, 17, pelo Inep - Instituto

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA. CEP Município UF DDD/Telefones 40110-060 Salvador BA (71) 3283-8141. coreme@ufba.br

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA. CEP Município UF DDD/Telefones 40110-060 Salvador BA (71) 3283-8141. coreme@ufba.br Nome Completo da Instituição Hospital Universitário Professor Edgard Santos Universidade Federal da Bahia Endereço Completo Rua Augusto Viana s/nº - Canela CEP Município UF DDD/Telefones 110-060 Salvador

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação em Endocrinologia Clínica

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação em Endocrinologia Clínica Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação em Endocrinologia Clínica Escola Paulista de Medicina Disposição inicial Este regulamento estabelece as normas reguladoras e disciplinadoras das atividades

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BASES DA MEDICINA INTEGRATIVA

Leia mais

EDITAL Nº 82 de 23 de DEZEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 248 de 29 de DEZEMBRO de 2015

EDITAL Nº 82 de 23 de DEZEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 248 de 29 de DEZEMBRO de 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIRURGIA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR EDITAL Nº 82 de 23 de DEZEMBRO de 2015,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRPPGI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRPPGI FUNDAÇÃO ANTÔNIO PRUDENTE-FAP (AC CAMARGO CANCER CENTER) EDITAL DE INSCRIÇÃO 001/2014-FAP UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRPPGI

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº10 22-28/04 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº10 22-28/04 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional FOMENTO À PESQUISA Estão abertas as inscrições de propostas provenientes dos Programas de Pós-Graduação

Leia mais

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Conteúdo DISPOSIÇÕES GERAIS 3 APOIO AO APRIMORAMENTO DE RECURSOS HUMANOS 4 Participação em congressos e eventos científicos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA O Programa de Pós-Graduação em Odontologia PPGODONTO, nível de Mestrado,

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1663, DE 02 DE JULHO DE 2012. Aprova o detalhamento das funções/especialidades dos cargos do Quadro Permanente da Função Saúde da Administração Pública

Leia mais

EDITAL PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ALUNOS A PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL

EDITAL PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ALUNOS A PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL EDITAL PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ALUNOS A PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CURSO... 3 3. PRÉ-REQUISITOS... 4 4. INSCRIÇÃO... 4 5.

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CREDENCIAMENTO APERFEIÇOAMENTO

SOLICITAÇÃO DE CREDENCIAMENTO APERFEIÇOAMENTO e SOLICITAÇÃO DE CREDENCIAMENTO APERFEIÇOAMENTO Campus Departamento Telefone de contato do departamento Nome do coordenador: Telefone de contato do coordenador: E-mail do coordenador: Título do Curso:

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

Meta 5 Melhorar a saúde das gestantes.

Meta 5 Melhorar a saúde das gestantes. CARTA DENÚNCIA SOBRE O FUNCIONAMENTO DA RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA DO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE DISTRITO FEDERAL Brasília, 24 de setembro 2013 Ao Conselho de Saúde do Distrito Federal A/C

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação

Pró-Reitoria de Pós-Graduação Pró-Reitoria de Pós-Graduação A Pró-Reitoria de Pós-Graduação e a Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Saúde, área de concentração Saúde Brasileira, tornam público que estarão abertas as inscrições

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina REGIMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA UFPE CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 -

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ECOLOGIA APLICADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI E D I T A L DE ABERTURA CPD Nº 043 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO, DE 20

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CANCEROLOGIA Ato de Oficialização: Ata de 21/12/1981 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CANCEROLOGIA Ato de Oficialização: Ata de 21/12/1981 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CANCEROLOGIA Ato de Oficialização: Ata de 21/12/1981 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

Natália Galito Rocha Tutora de Biomedicina nataliagalito@id.uff.br

Natália Galito Rocha Tutora de Biomedicina nataliagalito@id.uff.br Natália Galito Rocha Tutora de Biomedicina nataliagalito@id.uff.br Rua Miguel de Frias, nº9 Icaraí Niterói, RJ Rua Miguel de Frias, nº9 Icaraí Niterói, RJ Finalidade: Iniciação à docência em nível superior;

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ANESTESIOLOGIA

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ANESTESIOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ANESTESIOLOGIA 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1- Hospital: Rubens de Souza Bento Hospital Geral de Roraima. 1.2- Entidade Mantenedora: Secretaria Estadual de Saúde/SESAU-RR 1.3- Curso:

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB INTRODUÇÃO A atividade de pesquisa científica é parte da tríade das funções das Instituições

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 4 5 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 7 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Leia mais

Sergio Costa Lima da Silva

Sergio Costa Lima da Silva Sergio Costa Lima da Silva Memorial 1 M e m o r i a l Sergio Costa Lima da Silva Apresentado à Academia de Medicina do Rio de Janeiro para concorrer a uma vaga Rio de janeiro Sérgio Costa Lima da Silva

Leia mais

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V PROCESSO para RECONHECIMENTO de SERVIÇOS ou PROGRAMAS de ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR pela S B A C V 1 Procedimento ETAPA I: O processo do solicitante, com o requerimento dirigido ao Presidente da SBACV,

Leia mais

COMISSÃO CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - CCEx Av. Dr. Arnaldo, 455 10. Andar,sala 1301. Formulário de PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA

COMISSÃO CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - CCEx Av. Dr. Arnaldo, 455 10. Andar,sala 1301. Formulário de PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA COMISSÃO CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - CCEx Av. Dr. Arnaldo, 455 10. Andar,sala 1301 Formulário de PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA Nome do Estágio Programa de Complementação Especializada

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 101, de 15 de dezembro

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 009/2014

UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 009/2014 A Pró-reitora de Pesquisa e Pós Graduação da Universidade Anhanguera-Uniderp, no uso de suas atribuições, torna pública a abertura de inscrições para o processo seletivo do Programa de Pós- Graduação Stricto

Leia mais

Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde

Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde 1- Identificação do Programa de Residência Multiprofissional 1.1- Instituição Formadora: 1.2- Unidade Responsável/ Instituição Executora: 1.3

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 (CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA) R1, R2, R3 HSF Residência em Medicina Intensiva Introdução: A Residência em Medicina Intensiva foi criada nesta instituição

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Formação Profissional. Análises Clínicas.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Formação Profissional. Análises Clínicas. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Rua Visconde de Paranaguá, nº 24 Campus Saúde CEP: 96.200-190 Bairro Centro Rio Grande Rio Grande do Sul/RS Brasil Acesso

Leia mais

Amil%Paraná. Resumo PROTOCOLO DE CIRURGIA BARIÁTRICA AMIL-PARANÁ

Amil%Paraná. Resumo PROTOCOLO DE CIRURGIA BARIÁTRICA AMIL-PARANÁ Amil%Paraná PROTOCOLO DE CIRURGIA BARIÁTRICA AMIL-PARANÁ por Fátima Corrêa Sandmann Afonso, Patricia Piana Presas, Rubens Zenobio Darwich e Samir Bazzi Fatima Corrêa Sandmann Afonso Médica Endocrinologista

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012 VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012 Modelos de Prevenção Secundária da DRC : Modelo Público-Privado Paulo Luconi Dir técnico da ABCDT pauloluconi@uol.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CADASTRAMENTO DE PROJETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CADASTRAMENTO DE PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CADASTRAMENTO DE PROJETO Código: 01. Título do Projeto Liga Acadêmica de Cardiovascular 02. Unidade Proponente Universidade Federal de Alagoas 03.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Programa de Pós-Graduação em Educação Física

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Programa de Pós-Graduação em Educação Física EDITAL Nº. 003/2015 PPGEF-UNIVASF PROCESSO DE SELEÇÃO DE BOLSAS DE MESTRADO 1. PREÂMBULO A Coordenação do da Universidade Federal do Vale do São Francisco (PPGEF-UNIVASF), torna público o presente Edital

Leia mais

a) Os candidatos deverão inscrever-se em apenas uma especialidade médica ou subespecialidade.

a) Os candidatos deverão inscrever-se em apenas uma especialidade médica ou subespecialidade. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS COORDENAÇÃO DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER EDITAL DE CONVOCAÇÃO EDITAL

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Ata de Reunião Análise Crítica do Sistema de Gestão da Qualidade da FDSM

Ata de Reunião Análise Crítica do Sistema de Gestão da Qualidade da FDSM FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS Av. Dr. João Beraldo, 1075 Centro Pouso Alegre MG Fone: (35) 3449-8100 Fax: (35) 3499-8102 Rev.: 00 / / Form.: Aprov.: Pág 1 de 1 Ata de Reunião Crítica do Sistema

Leia mais

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES Válido para ingressantes a partir do 1º/2010 Prezado (a) acadêmico (a), Seja bem vindo ao Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Dá nova redação à Resolução nº 07/2004 AD REFERENDUM do CEPE, que regulamenta as atividades de Estágio Extracurricular dos estudantes de

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROPOSTA DE TRABALHO PARA FINS DE INSCRIÇÃO NO PROCESSO DE CONSULTA PRÉVIA PARA DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE

Leia mais

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu.

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. Nosso Compromisso é trabalhar, junto à Reitoria, Discentes, Docentes

Leia mais

Informativo da 4ª REUNIÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA EXTENSÃO. Data: 21/5/2015 Início: 17h55 Presidência: Édila Vilela de Resende Von Pinho

Informativo da 4ª REUNIÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA EXTENSÃO. Data: 21/5/2015 Início: 17h55 Presidência: Édila Vilela de Resende Von Pinho Informativo da 4ª REUNIÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA EXTENSÃO Data: 21/5/2015 Início: 17h55 Presidência: Édila Vilela de Resende Von Pinho CONSELHEIROS PRESENTES: Soraya Alvarenga Botelho, Valéria

Leia mais

EDITAL CELAES Nº 001/2013 Turma 2014 INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ESTUDOS DA LINGUAGEM APLICADOS À EDUCAÇÃO DE SURDOS

EDITAL CELAES Nº 001/2013 Turma 2014 INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ESTUDOS DA LINGUAGEM APLICADOS À EDUCAÇÃO DE SURDOS EDITAL CELAES Nº 001/2013 Turma 2014 INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ESTUDOS DA LINGUAGEM APLICADOS À EDUCAÇÃO DE SURDOS A Faculdade de Letras Estrangeiras Modernas (FALEM) do Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

EDITAL FMJ- 052/2015, de 22/12/2015 ANEXO I

EDITAL FMJ- 052/2015, de 22/12/2015 ANEXO I ANEXO I Edprosel ATRIBUIÇÕES do Cargo de Professor Auxiliar da Faculdade de Medicina de Jundiaí. Descrição Sumária: Elaborar, aplicar e acompanhar o planejamento das atividades, em observação aos objetivos

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Tabulação de pontos para fins de Promoção para a clase de Professor Titular por avaliação de desempenho acadêmico

Tabulação de pontos para fins de Promoção para a clase de Professor Titular por avaliação de desempenho acadêmico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PLANILHA "C" - decisão CONSUN 232/214 Tabulação de pontos para fins de Promoção para a clase de Professor Titular por avaliação de desempenho

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2008/CONEPE Aprova criação do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AGRONOMIA/ENTOMOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

FUNDAÇÃO LUSÍADA COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO.

FUNDAÇÃO LUSÍADA COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO. PROGRAMA DE MESTRADO EM CLÍNICA MÉDICA EDITAL 2012/2 - UNILUS A Coordenadora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão do Centro Universitário Lusíada, Profa. Me. Beatriz Berenchtein e o Prof. Dr. Wanderley

Leia mais

EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014.

EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014. EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014. A Faculdade de Ciências Humanas (FCH), da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, torna público o presente Edital para abertura de inscrições visando

Leia mais

Lista de Quadros. Fundação Uniplac

Lista de Quadros. Fundação Uniplac Lista de Quadros Quadro 1 Dirigente dafundaçãouniplac... 22 Quadro 2 Matérias apreciadas no Conselho Curador... 23 Quadro 3 Nominata do Conselho Curador... 23 Quadro 4 Matérias apreciadas no Conselho de

Leia mais