MEDIDA DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE AUTOMATIZADA Kalinka Walderea Almeida Meira a. Alexandre Sales Vasconcelos a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEDIDA DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE AUTOMATIZADA Kalinka Walderea Almeida Meira a. Alexandre Sales Vasconcelos a"

Transcrição

1 MEDIDA DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE AUTOMATIZADA Kalinka Walderea Almeida Meira a Alexandre Sales Vasconcelos a a Universidade Estadual da Paraíba -UEPB RESUMO O pêndulo simples é utilizado para a determinação da aceleração da gravidade. Sabe-se da importância de instrumentos cada vez mais precisos para melhor compreensão dos fenômenos. Todavia, a automação para elementos de medição pode também ser decisivo ou de grande valia nesta compreensão. Sendo assim, objetivou-se construir um sistema de automação para um pêndulo simples, com intuito de determinar a aceleração da gravidade de uma forma contínua (91 dias). Para a construção da base física foi utilizado materiais de baixo custo como conexões de PVC, prumo, cano de alumínio e suporte para instalação elétrica. A parte eletrônica tem como elementos principais um sensor LDR, lâmpada dicroica de 12V 50W e um circuito de tratamento eletrônico do sensor. Assim, a automação trata-se de uma interface eletrônica que permite a medição do período de oscilação, localizando-se entre a estrutura física do pêndulo e um computador. A interface é monitorada através de um software, desenvolvido em linguagem Delphi. A determinação da aceleração da gravidade é dada de forma indireta pelo conhecimento do comprimento do fio, considerando ângulos de deslocamento pequenos e medindo o período de oscilação. Os valores da aceleração da gravidade obtidos apresentaram variações, entre os valores mínimos e máximos durante os 91 dias de coletas, de 6 cm.s -2, tratando-se de uma variação considerável. Não foi possível relacionar estas variações a um modelo padrão característico, quando se considerou todos os dados coletados (91 dias). Porém, considerando os dias do centro da série de coleta de dados conseguiu-se um modelo periódico, com um coeficiente de regressão de 0,76, que evidencia uma certa relação com a órbita da lua. O sistema de automação de medida do pêndulo simples é viável para uma boa representação ou diminuição de erros na determinação da aceleração da gravidade local. Finalmente, a aceleração da gravidade local, determinada com o sistema de automação do pêndulo simples, dá evidências de dependência com a variação da distância Terra-Lua. Palavra-Chave: pêndulo simples, automação, aceleração da gravidade. 1. INTRODUÇÃO O estudo da natureza das oscilações teve início com as experiências realizadas por Galileu. O fenômeno da oscilação deu-se a partir de um pêndulo, tomando como base o candelabro, obtendo um movimento chamado de periódico. Graças às experiências realizadas por Galileu, têm-se os conceitos compreendidos hoje. Até os dias atuais tenta-se de utilizar o pêndulo simples para determinar a aceleração da gravidade da Terra. Apesar de todos os cuidados adotados, há possibilidades das interferências de erros nos resultados que podem até torná-los sem valor. Foi provavelmente o que ocorreu com o trabalho realizado por Silva (2002), em que não se conseguiu mostrar as variações da aceleração da gravidade, por exemplo, com as fases da Lua.

2 A utilização de sistemas automatizados em experimentos nos Laboratórios de Física é de grande ajuda para que os dados obtidos tenham a menor interferência do experimentador e, conseqüentemente, a diminuição de erros. Geralmente estes equipamentos têm custos muito elevados, inviabilizando sua utilização. Este trabalho trás uma proposta alternativa para se implantar a utilização de sistemas de automatização com materiais de fácil aquisição e de baixo custo. Especificamente consiste de um sistema de medida da aceleração da gravidade tendo como elemento sensível o pêndulo simples. A automatização do pêndulo simples permite identificar a possibilidade de observar a influência das fases da Lua sobre a variação do campo gravitacional da Terra e, conseqüentemente, nas marés terrestres. 2. OBJETIVO 2.1 Geral Determinar experimentalmente através de um pêndulo simples automatizado a aceleração da gravidade, de uma forma contínua Específicos Criar um software para a automação do sistema; Construir um Hardware que permita a automação do sistema; Determinar uma metodologia simples para a utilização do sistema; Determinar a aceleração da gravidade em intervalos de tempos regulares (diários). 3. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Construção do Pêndulo Simples Construção da Estrutura de Sustentação do Pêndulo Simples A estrutura de sustentação do pêndulo simples utilizado no experimento foi construída utilizando materiais de baixo custo e de fácil obtenção, em que os materiais foram: três metros de cano PVC de 20 mm de diâmetro de água fria (Figura 1a), oito conexões em joelhos de PVC de 20mm por 20 mm de diâmetro (Figura 1b), duas conexões em T de 20 mm por 20 mm de diâmetro e duas conexões em T de 20 mm por 25 mm de diâmetro (Figura 1c). O cano de PVC foi cortado em oito partes, sendo duas de 90 cm de comprimento e seis de 20 cm. (a) - Cano PVC de 20mm para água fria soldável. (b) - Conexão joelho de 20mm por 20 mm soldável.

3 (c) - Conexão em T.soldável. Figura 1 Conexões utilizadas para a construção da base da estrutura física do Pêndulo simples Tem-se, ainda, como material utilizado na montagem, um prumo (Figura 2a) que serve como a massa do Pêndulo simples, um cano de alumínio de 10 cm (Figura 2b), parafuso com porca e duas arruelas (Figura 2c) e dois suportes para instalações elétricas (Figura 2d), utilizado para fixar a lâmpada e o sensor ótico. (a) Prumo. (b) Cano em alumínio (c) - Parafuso com porca e duas arruelas. (d) - Suporte para instalação elétrica Figura 2 Materiais complementares da Montagem do Pêndulo simples A montagem da estrutura de sustentação do pêndulo é obtida conectando os canos, conforme o esquema apresentado na (Figura 3), após os canos estarem devidamente cortados. As extremidades das peças foram numeradas. Por exemplo, 1A e 1B indicam com que a extremidade 1A é encaixada na extremidade 1B.

4 (a) Parte I (b) Parte II (c) Parte III (d) Parte IV Figura 3 Encaixe das peças de PVC para montagem da estrutura física do Pêndulo simples. Com a estrutura de sustentação montada, coloca-se o parafuso no centro do cano da parte II (Figura 4a). Na etapa seguinte, passou-se o fio do prumo através do cano de alumínio, que é colocado no parafuso de suporte do pêndulo-prumo (Figura 4b). Vale ressaltar que à parte II é móvel, percorrendo do ponto A até o ponto B como mostra a (Figura 4 c). (a) - Parte II da estrutura do pêndulo onde se deve colocar o parafuso de sustentação. (b) Passagem do fio do prumo no cano de alumínio e fixação no parafuso de sustentação da parte II. (c) - Estrutura do pêndulo com os pontos A e B onde à parte II move-se. Figura 4 Componentes da parte móvel do Pêndulo Simples

5 Construção da Parte Eletrônica do Pêndulo Para que as medidas do tempo de oscilação do Pêndulo simples apresentem o mínimo de interferência humana e a diminuição de erros de medição, foi utilizada uma interface eletrônica para medida de tempo automatizada (Figura 5a) Para o desenvolvimento dessa interface foram utilizados como componentes fundamentais um resistor dependente de luz LDR (Figura 5b) como sensor e uma lâmpada dicroica de 12 Volts e 50 Watts (Figura 5c) como fonte de luz. (a) - Interface eletrônica para medida de tempo automatizado (b) - Sensor LDR (resistor dependente de luz). (c) Fonte de Luz (Lâmpada dicroica de 12V 50 W) Figura 5 Componentes da parte eletrônica do Pêndulo Simples. a (Figura 6) temos o diagrama em bloco da interface entre o computador e o pêndulo, e no anexo A o esquema eletrônico do circuito da interface. Figura 6 - Diagrama em bloco da interface eletrônica para medida de tempo. A interface eletrônica é responsável por detectar as passagens do pêndulo, onde para isso ela utiliza um LDR como sensor e uma lâmpada dicroica como fonte de Luz. Quando o pêndulo passa entre o sensor e a fonte de luz o feixe é cortado e o LDR detecta essa passagem. Esta informação é tratada eletronicamente para que possa ser transferida para o computador. No computador utiliza-se a porta de game; pois em testes realizados foi a que apresentou maior velocidade de resposta e facilidade de uso Neste sistema, o software que roda no computador é o responsável em fazer a medida do tempo entre cada passagem do pêndulo pelo sensor ótico. A interface eletrônica desenvolvida para o pêndulo simples, pode ser utilizada em outros sistemas que necessitem medidas do tempo, como exemplo queda livre, pêndulo físico, etc. A interface deve ser conectada através do cabo de dados (Figura 7a) na porta de game do computador. Também deve-se conectar o cabo do sensor (Figura 7b) e o cabo da lâmpada (Figura 7c) na interface eletrônica. Feito às conexões e o software do pêndulo ativo no computador, o pêndulo é colocado para oscilar, ligando a alimentação da interface através do plug da fonte (Figura 7d).

6 (a) - Cabo de dados. (b) - Sensor e cabo. (c) - Lâmpada e cabo. (d) - Fonte de alimentação Figura 7 Componentes da parte eletrônica do Pêndulo simples Desenvolvimento do Software Para o desenvolvimento do Software foi utilizado o sistema operacional Windows 98 da Microsoft, a linguagem de programação Delphi da Borland com o compilador Delphi 5 e uma biblioteca de componentes criada por Eduardo D. Vilela para acesso a porta de game. O programa desenvolvido, especialmente, para a automação do pêndulo simples encontra nos Anexos. Este programa realiza 200 medidas da passagem do pêndulo simples pelo sensor, obtendo 100 períodos de oscilações, em que a média aritmética dessas oscilações determina o período T necessário para o cálculo da aceleração da gravidade. A Figura 8 apresenta a tela principal do software Pêndulo, em que no setor 1 os valores medidos são armazenados e posteriormente podem ser salvos. Todo o programa é controlado a partir dos botões do setor 2. O botão Ligar/Desligar é utilizado para ativar ou desativar o programa. O botão Limpar pode limpar os dados caso ocorra algum problema nas medidas. O botão Gravar salva os dados que ficam no setor 1 em arquivos tipo TXT que podem ser gerados arquivos através do botão Gerar. Finalmente, o botão Fechar tem a função de fechar o programa.

7 Figura 8 - Tela principal do programa Pêndulo Utilização do Software Passo 1 Após ter colocado o pêndulo para oscilar deve-se clicar o botão Ligar, os dados serão apresentados automaticamente no setor 1 do software (Figura 9). Figura 9 - Tela do programa fazendo as medidas de tempo. Passo 2 Se durante as medidas ocorrem alguma perda de informação ou qualquer outra anomalia deve-se clicar no botão Desligar (que já esta ativo), o software irá parar as medidas das oscilações. Passo 3 Terminada as medidas o programa habilitará, automaticamente o botão Gravar (Figura 10). Nesse momento, o programa está pronto para gravar os dados obtidos num arquivo tipo TXT.

8 Figura 10 Tela do programa depois de realizadas as medidas de tempo Passo 4 Para gerar o arquivo de dados, basta clicar no botão Gerar, existe uma janela que se abre (Figura 11) clica-se no arquivo que foi salvo no passo anterior e depois no botão Abrir. Figura 11 - Tela da janela de geração do arquivo de dados Passo 5 Com o arquivo de dados salvo, repete-se os passos de 1 a 4 para fazer quantas medidas forem necessárias. Particularmente, neste trabalho foram feitas dez medidas Funcionamento do Pêndulo O funcionamento do experimento é dado pelos seguintes passos: Passo 1 - Medir o comprimento do fio do Pêndulo simples, do ponto de fixação no cano até o centro de massa do peso. (Valor L) (Figura 12a). Passo 2 - Com o Pêndulo na posição vertical deve-se puxar para um dos lados dando inicio as oscilações, sendo que o ângulo q deve ser menor que 15. Os melhores resultados, serão conseguido quanto menor forem os ângulos.

9 Passo 3 Com o pêndulo oscilando, deve-se ligar a lâmpada e habilitar o programa. Passo 4 Os valores de tempo serão mostrados, automaticamente, pelo programa. Passo 5 Terminado as medidas repita os passos de 2 a 4 pelo menos dez vezes, para minimizar possíveis erros. (a) - Medindo o comprimento do pêndulo (b) deslocando o pêndulo para dá início às oscilações Figura 12 Esquema de como realizar os procedimento de execução do experimento. 4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 - O sistema de automação de medida do pêndulo simples é viável para uma boa representação ou diminuição de erros na determinação da aceleração da gravidade local. 2 - O sistema de automação do pêndulo simples ainda apresenta problema de operação, pois o procedimento do experimento não é totalmente automatizado. 3 - Para a utilização do sistema de automação é necessário à perfeita compreensão do procedimento operacional. 4 - A aceleração da gravidade local, determinada com o sistema de automação do pêndulo simples, dá evidências de sua dependência com a variação da distância terra-lua. 5 - Existe a necessidade da utilização de outros tipos de elementos sensíveis mais precisos, como o pêndulo físico. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SILVA, O. V. Algumas Considerações do Resgate Histórico da Gravitação Universal: Um aliado no ambiente de sala de aula, Campina Grande, Trabalho de graduação, Universidade Estadual da Paraíba, 2002.

Roteiro de aula para atividade experimental de baixo custo. Ronaldo F. Ayres Jr. Alexandre Carlos Tort

Roteiro de aula para atividade experimental de baixo custo. Ronaldo F. Ayres Jr. Alexandre Carlos Tort UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Roteiro de aula para atividade experimental de baixo custo

Leia mais

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis 4.1 Introdução Os Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) são dispositivos digitais, muito utilizados na indústria, capazes de armazenar instruções

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Pêndulo Simples

Tópico 8. Aula Prática: Pêndulo Simples Tópico 8. Aula Prática: Pêndulo Simples 1. INTRODUÇÃO Um pêndulo é um sistema composto por uma massa acoplada a um pivô que permite sua movimentação livremente. A massa fica sujeita à força restauradora

Leia mais

Experimento científico para a determinação da aceleração da gravidade local empregando materiais de baixo custo

Experimento científico para a determinação da aceleração da gravidade local empregando materiais de baixo custo Experimento científico para a determinação da aceleração da gravidade local empregando materiais de baixo custo Marcos Aurélio da Silva 1 1 Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 04. Física Geral e Experimental I (2011/01) Experimento: Queda Livre e Anamorfose

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 04. Física Geral e Experimental I (2011/01) Experimento: Queda Livre e Anamorfose Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 04 Física Geral e Experimental I (011/01) Experimento: Queda Livre e Anamorfose 1. Cinemática do Movimento de um objeto em Queda Livre. Nesta

Leia mais

Manual de Usuário PB3000

Manual de Usuário PB3000 Manual de Usuário PB3000 Conteúdo Capítulo 1 Visão geral... 1 1.1 Aparência e Dimensões... 1 1.2 Componentes dentro do gabinete... 2 1.3 Princípios de Trabalho... 3 6M (Braço principal de 3,2 m + braço

Leia mais

Movimento Harmônico Simples e Amortecido

Movimento Harmônico Simples e Amortecido Movimento Harmônico Simples e Amortecido INTRODUÇÃO Ana Arruda, Caio Monteiro, Lineu Parra, Vitor Rocha Professor: Marcelo Reyes, CMCC Campus Santo André Resumo O estudo dos Movimentos Harmônicos permite

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA VELOCIDADE DE UM PROJÉTIL UTILIZANDO UM PÊNDULO BALÍSTICO

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA VELOCIDADE DE UM PROJÉTIL UTILIZANDO UM PÊNDULO BALÍSTICO DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA VELOCIDADE DE UM PROJÉTIL UTILIZANDO UM PÊNDULO BALÍSTICO Cezar Eduardo Pereira Picanço 1, Jane Rosa 2 RESUMO Este trabalho apresenta os resultados e procedimentos utilizados

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS a FASE - NÍVEL B (alunos do 1 o e 2 o ano - Ensino Médio)

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS a FASE - NÍVEL B (alunos do 1 o e 2 o ano - Ensino Médio) OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS 2015 2 a FASE - NÍVEL B (alunos do 1 o e 2 o ano - Ensino Médio) 01) Esta prova destina-se exclusivamente a alunos das 1 a e2 a séries do Ensino Médio.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO SCR100

GUIA DE INSTALAÇÃO SCR100 GUIA DE INSTALAÇÃO SCR100 1. Instalação do equipamento (1)Cole o modelo de montagem na (2) Tire a placa traseira (3) Remova o parafuso na parte parede, Faça os furos de acordo inferior do dispositivo com

Leia mais

REGISTRO E ANÁLISE DAS OSCILAÇÕES DE DOIS PÊNDULOS IDÊNTICOS E ACOPLADOS.

REGISTRO E ANÁLISE DAS OSCILAÇÕES DE DOIS PÊNDULOS IDÊNTICOS E ACOPLADOS. Mecânica Oscilações Oscilações acopladas REGISTRO E ANÁISE DAS OSCIAÇÕES DE DOIS PÊNDUOS IDÊNTICOS E ACOPADOS Registro da oscilação em fase e determinação da sua duração de oscilação T Registro da oscilação

Leia mais

PROGRAMANDO O ROBO LEGO

PROGRAMANDO O ROBO LEGO PROGRAMANDO O ROBO LEGO APOITIA, CARLOS EDUARDO MOURA SALES, GLADISTONEY SANTOS GARCIA, LEONARDO ARRUDA VILELA OLIVEIRA, MÁRISON FIGUEIREDO Cuiabá (MT) np.robotica@unirondon.br 1. Introdução A Robótica

Leia mais

EQUIPE MARINHEIROZ. Disciplina 5301 Introdução ao projeto e manufatura assistidos por computador. Equipe: Marcelo Cariolato.

EQUIPE MARINHEIROZ. Disciplina 5301 Introdução ao projeto e manufatura assistidos por computador. Equipe: Marcelo Cariolato. EQUIPE MARINHEIROZ Disciplina 5301 Introdução ao projeto e manufatura assistidos por computador Equipe: Diego Oliveira Renato Rosseti Marcelo Cariolato Tiago Peixoto PLATAFORMA ELEVADORA INCLINADA OBJETIVO

Leia mais

2 a fase Caderno de Questões para alunos da 2 a e da 3 a Séries

2 a fase Caderno de Questões para alunos da 2 a e da 3 a Séries 2 a fase Caderno de Questões para alunos da 2 a e da 3 a Séries LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Esta prova destina-se exclusivamente a alunos da 2 a e 3 a Séries do Ensino Médio. Ela contém

Leia mais

Sumário 1. PEÇAS E COMPONENTES GERAIS CUIDADOS COM O EQUIPAMENTO MEDIDAS GERAIS Gabarito de Furação da Catraca

Sumário 1. PEÇAS E COMPONENTES GERAIS CUIDADOS COM O EQUIPAMENTO MEDIDAS GERAIS Gabarito de Furação da Catraca 1 Sumário 1. PEÇAS E COMPONENTES GERAIS...3 2. CUIDADOS COM O EQUIPAMENTO...5 3. MEDIDAS GERAIS...6 3.1. Gabarito de Furação da Catraca...7 4. INSTALAÇÃO DA CATRACA...8 5. LIGANDO O EQUIPAMENTO...10 5.1.

Leia mais

Introdução às Medidas em Física a Aula

Introdução às Medidas em Física a Aula Introdução às Medidas em Física 4300152 6 a Aula Objetivos: Experiência IV: Movimento de Queda Estudar o movimento de queda de um objeto Medidas indiretas Medida da velocidade de um objeto Análise de dados

Leia mais

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso 3B SCIENTIFIC FÍSICA Aparelho de torsão 1018550 Conjunto de extensão do aparelho de torsão 1018787 Instruções de uso 11/15 TL/UD 1. Descrição O aparelho de torsão destina-se à determinação do torque restaurador

Leia mais

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II Pêndulos

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II Pêndulos Pêndulos Pêndulo 1 Pêndulo Simples e Pêndulo Físico 1 Objetivos Gerais: Determinar experimentalmente o período de oscilação de um pêndulo físico e de um pêndulo simples; Determinar experimentalmente o

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 6

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 6 Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo Roteiro para prática experimental EXPERIMENTO 6 Condições de equilíbrio estático utilizando o plano inclinado por fuso Disciplina: Física Experimental

Leia mais

Circuito RC Constante de tempo

Circuito RC Constante de tempo Circuito RC Constante de tempo Objetivo: Medir as funções de carga e descarga de um capacitor e calcular a constante de tempo do processo. Materiais: (a) Resistor elétrico R; (b) Capacitor eletrolítico

Leia mais

KSL75 12.0 QUESTIONÁRIO 04 04 04 04 04 08 09 44 44 45 45 46 Fornecer instruções gerais sobre a instalação, operação e manutenção do equipamento, como também nas atividades que influenciam o bom desempenho

Leia mais

Roteiro - Aula Prática Perda de carga:

Roteiro - Aula Prática Perda de carga: Laboratório de Hidráulica - Aula Prática de Perda de Carga 1 Roteiro - Aula Prática Perda de carga: 1. Objetivo do experimento: Estudo de perda de carga distribuída e localizada. Medição de velocidade

Leia mais

Prof. Willyan Machado Giufrida. Laboratório de

Prof. Willyan Machado Giufrida. Laboratório de Laboratório de De que modo o comprimento de um pêndulo afeta o seu período? Como se comporta a força de atrito entre duas superfícies relativamente à força normal exercida por uma superfície sobre a outra?

Leia mais

COMO EXECUÇÃO STANDARD, A JANELA DE LÂMINAS É FORNECIDA COM UM COMANDO QUE TRAVA A ABERTURA DAS LÂMINAS.

COMO EXECUÇÃO STANDARD, A JANELA DE LÂMINAS É FORNECIDA COM UM COMANDO QUE TRAVA A ABERTURA DAS LÂMINAS. COMO EXECUÇÃO STANDARD, A JANELA DE LÂMINAS É FORNECIDA COM UM COMANDO QUE TRAVA A ABERTURA DAS LÂMINAS. QUANDO FECHAR A JANELA COLOQUE SEMPRE O MANÍPULO NA POSIÇÃO 3. A GRAVURA JUNTA MOSTRA O COMANDO,

Leia mais

DK105 GROVE. Sonar. Radiuino

DK105 GROVE. Sonar. Radiuino DK105 GROVE Sonar Radiuino O presente projeto visa mostrar uma básica aplicação com o Kit DK 105 Grove. Utilizamos um sonar ultrassônico Grove juntamente ao nó sensor para medir distância de obstáculos.

Leia mais

Gerenciador USB B.L.U.E. Som Maior Pro. Versão 4.1

Gerenciador USB B.L.U.E. Som Maior Pro. Versão 4.1 Gerenciador USB B.L.U.E. Som Maior Pro Versão 4.1 O Gerenciador é um Software para ambiente Windows que trabalha em conjunto com o B.L.U.E. Som Maior Pro, através de uma conexão USB ou por uma rede Wireless

Leia mais

ROTEIRO DE MONTAGEM DO MATERIAL DA AULA PRÁTICA EQUAÇÃO DE BERNOULLI

ROTEIRO DE MONTAGEM DO MATERIAL DA AULA PRÁTICA EQUAÇÃO DE BERNOULLI CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO VICENTE DO SUL ROTEIRO DE MONTAGEM DO MATERIAL DA AULA PRÁTICA EQUAÇÃO DE BERNOULLI PROFESSOR RAFHAEL BRUM WERLANG 1.0 OBJETIVO Este roteiro destina-se a auxiliar

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 7

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 7 INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno Noturno Data : / / Experiência 7 MAPEAMENTO DE CAMPO MAGNÉTICO

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS a FASE - NÍVEL C (alunos do 3 o e 4 o anos - Ensino Médio/Ensino Técnico)

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS a FASE - NÍVEL C (alunos do 3 o e 4 o anos - Ensino Médio/Ensino Técnico) OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS 015 a FASE - NÍVEL C (alunos do 3 o e 4 o anos - Ensino Médio/Ensino Técnico) 01) Esta prova destina-se se exclusivamente a alunos das 3 a e4 a séries

Leia mais

CS-Ethernet. Conversor Serial Ethernet RS232/RS485. Observe Pense Solucione. Manual de Utilização. Ethernet TCP/IP - MODBUS Serial RS232 Serial RS485

CS-Ethernet. Conversor Serial Ethernet RS232/RS485. Observe Pense Solucione. Manual de Utilização. Ethernet TCP/IP - MODBUS Serial RS232 Serial RS485 Observe Pense Solucione CS-Ethernet Conversor Serial Ethernet RS232/RS485 Manual de Utilização Ethernet TCP/IP - MODBUS Serial RS232 Serial RS485 Rev. JUN/18 Sumário Descrição do produto 2 Localização

Leia mais

MV2510V Sensor de Vibração de 3 eixos com comunicação por 4-20mA

MV2510V Sensor de Vibração de 3 eixos com comunicação por 4-20mA MV2510V Sensor de Vibração de 3 eixos com comunicação por 4-20mA DESCRIÇÃO O MV2510V é um Sensor de Vibração desenvolvido com Tecnologia Micromachine (MEM s), apresentando alta precisão e confiabilidade.

Leia mais

SureFlo Automatico, Dispensador de sabão de bancada Instrucções para instalação, operação e manutenção

SureFlo Automatico, Dispensador de sabão de bancada Instrucções para instalação, operação e manutenção SureFlo Automatico, Dispensador de sabão de bancada Instrucções para instalação, operação e manutenção Bobrick modelo B 828 Dispensador de Sabão Espuma Ferramentas necessárias: Chave Phillips Requisitos

Leia mais

Física Computacional. Prof. Luiz Claudio F. de Souza Luizclaudiofs.blogspot.com

Física Computacional. Prof. Luiz Claudio F. de Souza Luizclaudiofs.blogspot.com Física Computacional Prof. Luiz Claudio F. de Souza Luizclaudiofs.blogspot.com O que é Física? A Física é uma ciência que estuda a natureza e seus fenômenos. Ela se baseia no método científico, na lógica

Leia mais

MV2510 Sensor de Vibração de 3 eixos com comunicação por 4-20mA

MV2510 Sensor de Vibração de 3 eixos com comunicação por 4-20mA MV2510 Sensor de Vibração de 3 eixos com comunicação por 4-20mA DESCRIÇÃO O MV2510 é um Sensor de Vibração desenvolvido com Tecnologia Micromachine (MEM s), apresentando alta precisão e confiabilidade.

Leia mais

FAÇA DE ACORDO COM O QUE SE PEDE EM CADA QUESTÃO

FAÇA DE ACORDO COM O QUE SE PEDE EM CADA QUESTÃO FAÇA DE ACORDO COM O QUE SE PEDE EM CADA QUESTÃO 01) Um cano horizontal possui um diâmetro interno de 20 mm e a diferença de pressão entre suas extremidades é 1,0 atm. Por ele deverá passar 1,5 m 3 de

Leia mais

Instruções de Operação. OJH Sensor de reflexão-difusa com supressão de fundo

Instruções de Operação. OJH Sensor de reflexão-difusa com supressão de fundo Instruções de Operação OJH Sensor de reflexão-difusa com supressão de fundo Função e características O sensor de reflexão difusa detecta objetos e materiais sem contato e indica sua presença por um sinal

Leia mais

Projeto de uma Yagi 3 elementos para 2m PY5ALZ

Projeto de uma Yagi 3 elementos para 2m PY5ALZ Projeto de uma Yagi 3 elementos para 2m O objetivo do projeto é de construir uma antena Yagi com 3 elementos e regulador gamma match para a faixa de VHF na freqüência de 144MHz à 148MHz. Detalharei a construção

Leia mais

INCB01 GUIA RÁPIDO. Av.Pátria 1171, Porto Alegre RS

INCB01 GUIA RÁPIDO. Av.Pátria 1171, Porto Alegre RS 1 INCB01 GUIA RÁPIDO 2 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 CARACTERÍSTICAS DA CENTRAL... 3 COMPOSIÇÃO... 4 IDENTIFICAÇÃO... 5 DESCRIÇÃO DE CONFIGURAÇÃO... 7 DESCRIÇÃO DE FUNCIONAMENTO... 8 INSTALAÇÃO... 9 CONTATO...

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA. Trena Ultrassônica

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA. Trena Ultrassônica UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA Trena Ultrassônica Desenvolvido por Thiago Ferreira Pontes Relatório Final da

Leia mais

Apresentação: Movimento unidimensional

Apresentação: Movimento unidimensional Apresentação: Movimento unidimensional INTRODUÇÃO Um objeto em movimento uniformemente acelerado, ou seja, com aceleração constante, é um importante caso da cinemática. O exemplo mais comum desse tipo

Leia mais

Automatismos para portas de correr

Automatismos para portas de correr Automatismos para portas de correr V2 domotics x love slaid Carrinhos de arrastamento Correia de transmissão SLAID é uma série de automatismos eletromecânicos para portas de correr retilíneas, disponível

Leia mais

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA VESTIBULAR UFPE UFRPE / 1998 2ª ETAPA NOME DO ALUNO: ESCOLA: SÉRIE: TURMA: FÍSICA 1 VALORES DE ALGUMAS GRANDEZAS FÍSICAS Aceleração da gravidade : 10 m/s 2 Número de Avogadro : 6,0 x 10 23 /mol Constante

Leia mais

DGA21 SISTEMA FIXO COM SUPERVISÓRIO PARA DETECÇÃO DE GASES NOCIVOS E AMÔNIA IP 65. Manual

DGA21 SISTEMA FIXO COM SUPERVISÓRIO PARA DETECÇÃO DE GASES NOCIVOS E AMÔNIA IP 65. Manual DGA21 SISTEMA FIXO COM SUPERVISÓRIO PARA DETECÇÃO DE GASES NOCIVOS E AMÔNIA IP 65 Manual Apresentação DGA21 Sistema Fixo com Supervisório para Detecção de Gases Nocivos e Amônia foi desenvolvido para atender

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Velocidade do som no ar Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

Campo Magnético da Terra

Campo Magnético da Terra Física Campo Magnético da Terra Campo Magnético da Terra Neste experimento mediremos a componente horizontal do campo magnético da Terra. Para isso utilizaremos um par de bobinas de Helmholtz de forma

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Associação de Resistores Objetivo: Medir a corrente elétrica e a diferença de potencial em vários ramos e pontos de um circuito elétrico resistivo. Materiais: (a) Três resistências nominadas R 1, R 2 e

Leia mais

*Este tutorial foi feito para o Windows 7, mas pode ser usado em qualquer outro Windows, basta seguir o mesmo raciocínio.

*Este tutorial foi feito para o Windows 7, mas pode ser usado em qualquer outro Windows, basta seguir o mesmo raciocínio. Tutorial Sensores *Este tutorial foi feito para o Windows 7, mas pode ser usado em qualquer outro Windows, basta seguir o mesmo raciocínio. *É necessário ter o Microsoft Excel instalado no computador.

Leia mais

Medidor de Campo Eletromagnético

Medidor de Campo Eletromagnético Medidor de Campo Eletromagnético Modelo MCE-4000 Manual de instruções Manual de operação MCE 4000 Página 1 Introdução O medidor de campo eletromagnético modelo MCE-4000 é um equipamento projetado e construído

Leia mais

SureFlo Automático, Dispensador de sabão de bancada Instrucções para instalação, operação e manutenção

SureFlo Automático, Dispensador de sabão de bancada Instrucções para instalação, operação e manutenção SureFlo Automático, Dispensador de sabão de bancada Instrucções para instalação, operação e manutenção Bobrick modelo B-824 Dispensador de Sabão Liquido Ferramentas necessárias: Chave Phillips Requisitos

Leia mais

MESA ADAPTÁVEL PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO MESA ADAPTÁVEL PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO

MESA ADAPTÁVEL PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO MESA ADAPTÁVEL PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO

Leia mais

Experimento 8 : Determinação da Aceleração da Gravidade Usando um Pêndulo Simples. Docente Sala (lab) Grupo

Experimento 8 : Determinação da Aceleração da Gravidade Usando um Pêndulo Simples. Docente Sala (lab) Grupo Experimento 8 : Determinação da Aceleração da Gravidade Usando um Pêndulo Simples Docente Sala (lab) Grupo 1 Experimento 8 : Determinação da Aceleração da Gravidade Usando um Pêndulo Simples Introdução

Leia mais

Manual de Utilizador

Manual de Utilizador Índice 1 Visão Geral... 1 2 Comandos... 3 3 Configurações... 3 3.1 Temporização de circuitos... 4 3.2 Calendarização para on/off de circuitos... 5 3.3 Definições de on/off de circuitos em função valores

Leia mais

216 Demonstração da Lei de Ampère

216 Demonstração da Lei de Ampère 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Hermes Urébe Guimarães Tópicos Relacionados Campos magnéticos uniformes, indução magnética, força de Lorentz, portadores de carga,

Leia mais

Experimento A1: Movimento Retilíneo Uniforme (MRU) E Movimento Retilíneo Uniformemente Variado (MRUV)

Experimento A1: Movimento Retilíneo Uniforme (MRU) E Movimento Retilíneo Uniformemente Variado (MRUV) Experimento A1: Movimento Retilíneo Uniforme (MRU) E Movimento Retilíneo Uniformemente Variado (MRUV) 1 - INTRODUÇÃO A Mecânica é a área da Física que estuda o movimento dos objetos. Por razões de organização

Leia mais

Verificar as equações para a constante de mola efetiva em um sistema com molas em série e outro com molas em paralelo.

Verificar as equações para a constante de mola efetiva em um sistema com molas em série e outro com molas em paralelo. 74 9.4 Experiência 4: Deformações Elásticas e Pêndulo Simples 9.4.1 Objetivos Interpretar o gráfico força x elongação; Enunciar e verificar a validade da lei de Hooke; Verificar as equações para a constante

Leia mais

Cargo: B Técnico de Laboratório - Física

Cargo: B Técnico de Laboratório - Física Final da Parte Discursiva da Prova Objetiva-Discursiva Cargo: B-203 - Técnico de Laboratório - Física QUESTÃO 1: O experimento a seguir é realizado por colisões de dois pêndulos de mesmo comprimento, mas

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA PRECESSÃO E NUTAÇÃO DE UM GIROSCÓPIO E DETERMINAÇÃO DO MOMENTO DE INÉRCIA

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA PRECESSÃO E NUTAÇÃO DE UM GIROSCÓPIO E DETERMINAÇÃO DO MOMENTO DE INÉRCIA Mecânica Movimentos de giroscópio Precessão e nutação de um giroscópio ANÁLISE EXPERIMENTAL DA PRECESSÃO E NUTAÇÃO DE UM GIROSCÓPIO E DETERMINAÇÃO DO MOMENTO DE INÉRCIA Confirmação da proporcionalidade

Leia mais

Física Computacional. Prof. Luiz Claudio F. de Souza Luizclaudiofs.blogspot.com

Física Computacional. Prof. Luiz Claudio F. de Souza Luizclaudiofs.blogspot.com Física Computacional Prof. Luiz Claudio F. de Souza Luizclaudiofs.blogspot.com O que é Física? A Física é uma ciência que estuda a natureza e seus fenômenos. Ela se baseia no método científico, na lógica

Leia mais

FÍSICA 11º ANO A.L. 1.4: SATÉLITE GEOESTACIONÁRIO. Questão problema Será que a velocidade de um satélite depende da sua massa?

FÍSICA 11º ANO A.L. 1.4: SATÉLITE GEOESTACIONÁRIO. Questão problema Será que a velocidade de um satélite depende da sua massa? FÍSICA 11º ANO A.L. 1.4: SATÉLITE GEOESTACIONÁRIO Questão problema Será que a velocidade de um satélite depende da sua massa? Objectivo Nesta actividade pretende-se: confrontar o movimento de um satélite

Leia mais

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistividade elétrica do Constantan.

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistividade elétrica do Constantan. Determinação da resistividade elétrica do Constantan Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba Departamento Acadêmico de Física Física Experimental Eletricidade Prof. Ricardo Canute Kamikawachi

Leia mais

Manual DETECTOR NH (11) (62) (11) (62)

Manual DETECTOR NH (11) (62) (11) (62) Manual DETECTOR NH3 1 APRESENTAÇÃO PHANTOM 2000 Sistema Detector Digital de NH3 foi desenvolvido para atender a NR 36 promovendo assim a avaliação, controle e monitoramento dos riscos existentes nas atividades

Leia mais

Workshop - A Robótica em Contexto Educativo

Workshop - A Robótica em Contexto Educativo Pastas do robô: Pastas do Robô a. Try Me b. View c. Bluetooth d. My Files Software files NXT files Sound Files e. NXT program f. Settings Pastas do robô: a. Try Me b. View c. Bluetooth d. My Files Software

Leia mais

INTERFONES MODELOS: PLANALTO, HORIZONTE E IPANEMA

INTERFONES MODELOS: PLANALTO, HORIZONTE E IPANEMA S MODELOS: 27.0 - INTRODUÇÃO AOS S Figura 1 - Interfone código: ICAP-PL Figura 2 - Interfone código: ICAP-HO Os interfones foram projetados para serem utilizados em centrais de portaria ou porteiros eletrônicos

Leia mais

Medidor de nível e vazão ultrassônico para canal aberto. Catálogo

Medidor de nível e vazão ultrassônico para canal aberto. Catálogo Medidor de nível e vazão ultrassônico para canal aberto Catálogo 1. Introdução Medidor de fluxo de canal aberto ultra-sônico contém unidade principal e sensor, conecte o sensor à unidade principal através

Leia mais

Experiência 3 - Pêndulo

Experiência 3 - Pêndulo Roteiro de Física Experimental II 13 Experiência 3 - Pêndulo 1 - OBJEIVO O objetivo desta aula é discutir o movimento harmônico de um pêndulo físico e realizar um experimento sobre o mesmo Através de medidas

Leia mais

Série AV - Braços de Montagem Dinâmicos Inclinação e rotação Braço simples Braço duplo

Série AV - Braços de Montagem Dinâmicos Inclinação e rotação Braço simples Braço duplo Série AV - Braços de Montagem Dinâmicos Inclinação e rotação Braço simples Braço duplo Operação intuitiva melhora a experiência do usuário final Reposicionamento sem a necessidade de usar ferramentas ou

Leia mais

Manual Coleta de Dados Hyperterminal

Manual Coleta de Dados Hyperterminal Manual Coleta de Dados Hyperterminal Objeto: DATABOOK Maio 2016 Coleta_de_Dados_Hyperterminal Pág. 1 De 14 Página em Branco Sumário 1. Conectando o equipamento no Computador:...4 2. Utilizando o Software

Leia mais

Plano de Aula- 1 ano do Ensino Médio. Conservação da Energia Mecânica e Queda Livre

Plano de Aula- 1 ano do Ensino Médio. Conservação da Energia Mecânica e Queda Livre Plano de Aula- 1 ano do Ensino Médio Conservação da Energia Mecânica e Queda Livre Objetivo: Consolidar os conceitos presentes na Lei de Conservação da Energia Mecânica e discutir o movimento de queda

Leia mais

Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T2 FÍSICA EXPERIMENTAL I /08 FORÇA GRAVÍTICA

Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T2 FÍSICA EXPERIMENTAL I /08 FORÇA GRAVÍTICA Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T2 FÍSICA EXPERIMENTAL I - 2007/08 1. Objectivo FORÇA GRAVÍTICA Comparar a precisão de diferentes processos de medida; Linearizar

Leia mais

O KVM pode controlar 4, 8 e 16 computadores por ligação direta e até um máximo de 256 por cascata de até 2 níveis.

O KVM pode controlar 4, 8 e 16 computadores por ligação direta e até um máximo de 256 por cascata de até 2 níveis. GUIA DE INÍCIO RÁPIDO - KVM INTRODUÇÃO A plataforma de controlo KVM integra um comutador KVM com portas VGA KVM switch e kit de montagem em bastidor ocupando 1U. É possível controlar múltiplos computadores

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON

SEGUNDA LEI DE NEWTON Experimento 2 SEGUNDA LEI DE NEWTON Objetivo Introdução Verificar a Segunda Lei de Newton a partir da análise do movimento de translação de um corpo sobre um plano horizontal variando-se a força resultante,

Leia mais

Como instalar uma estação meteorológica Vantage Vue

Como instalar uma estação meteorológica Vantage Vue Como instalar uma estação meteorológica Vantage Vue 1º - A escolha do local O local ideal seria em campo aberto e uniforme, respeitando o limite de transmissão wireless dos dados (300 metros sem obstáculos),

Leia mais

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de Millikan. 230 V, 50/60 Hz: / U V, 50/60 Hz: / U

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de Millikan. 230 V, 50/60 Hz: / U V, 50/60 Hz: / U 3B SCIENTIFIC FÍSICA 30 V, 50/60 Hz: 1018884 / U07001-30 115 V, 50/60 Hz: 101888 / U07001-115 Aparelho de Millikan Instruções de uso 07/16 UD/ALF 1. Instruções de segurança O Aparelho de Millikan atende

Leia mais

Como instalar uma estação meteorológica Vantage Pro2

Como instalar uma estação meteorológica Vantage Pro2 Como instalar uma estação meteorológica Vantage Pro2 1º - A escolha do local O local ideal seria em campo aberto e uniforme, respeitando o limite de transmissão wireless dos dados (300 ou 1.000 metros

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DISCIPLINA: FÍSICA I INFORMAÇÕES GERAIS. Prof.

CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DISCIPLINA: FÍSICA I INFORMAÇÕES GERAIS. Prof. CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DISCIPLINA: FÍSICA I INFORMAÇÕES GERAIS Prof. Bruno Farias Arquivo em anexo Conteúdo Programático Bibliografia

Leia mais

LUXÍMETRO COMDATALOGGER E INTERFACE USB KR852

LUXÍMETRO COMDATALOGGER E INTERFACE USB KR852 LUXÍMETRO COMDATALOGGER E INTERFACE USB KR852 1. DESCRIÇÃO GERAL O luxímetro digital com datalogger KR852 mede o nível de iluminamento de ambientes, podendo apresentar o resultado em Lux ou Fc. Possui

Leia mais

Leonardo Costa Renato Bianco APAGADOR AUTOMÁTICO

Leonardo Costa Renato Bianco APAGADOR AUTOMÁTICO Leonardo Costa Renato Bianco APAGADOR AUTOMÁTICO Curitiba, 2013 RESUMO O Apagador Automático, projeto feito no 3 período de Engenharia de Computação, foi desenvolvido com o propósito de limpar um quadro

Leia mais

Olimpíadas de Física Prova experimental A. Sociedade Portuguesa de Física

Olimpíadas de Física Prova experimental A. Sociedade Portuguesa de Física Olimpíadas de Física 2003 Prova experimental A Sociedade Portuguesa de Física 30/Maio/2003 Olimpíadas Internacionais de Física 2003 Prova Experimental A Campo magnético terrestre Duração da prova: 2h 1

Leia mais

Arm Robot Car. Instruções de Montagem. é uma marca registrada da Artec Co., Ltd. em vários países, incluindo Japão, Coréia do Sul, Canadá e EUA

Arm Robot Car. Instruções de Montagem. é uma marca registrada da Artec Co., Ltd. em vários países, incluindo Japão, Coréia do Sul, Canadá e EUA Instruções de Montagem é uma marca registrada da Artec Co., Ltd. em vários países, incluindo Japão, Coréia do Sul, Canadá e EUA Componentes Unidade Studuino Servomotor 1 3 Caixa de Bateria Motor DC Acelerômetro

Leia mais

ENERGIA CINÉTICA AO LONGO DE UM PLANO INCLINADO

ENERGIA CINÉTICA AO LONGO DE UM PLANO INCLINADO ENERGIA CINÉTICA AO LONGO DE UM PLANO INCLINADO 1. Questão Problema Um carro encontra-se parado no cimo de uma rampa. Acidentalmente é destravado e começa a descer a rampa. Como se relaciona a energia

Leia mais

Manual de instalação do Controle de cargas à distância. Instalação do Sistema de Controle.

Manual de instalação do Controle de cargas à distância. Instalação do Sistema de Controle. Manual de instalação do Controle de cargas à distância Instalação do Sistema de Controle. A RPS agradece sua escolha por este produto.estamos certos que o Controle de cargas à distância (CCD-064), irá

Leia mais

DK105 GROVE. Temperatura e Umidade. Radiuino

DK105 GROVE. Temperatura e Umidade. Radiuino DK105 GROVE Temperatura e Umidade Radiuino O presente projeto visa mostrar uma básica aplicação com o Kit DK 105 Grove. Utilizamos um sensor de umidade e temperatura Grove juntamente ao nó sensor para

Leia mais

Laboratório de Estrutura da Matéria II

Laboratório de Estrutura da Matéria II Roteiro: Prof. Dr. Jair Freitas UFES - Vitória Laboratório de Estrutura da Matéria II Difração de elétrons PRINCÍPIO E OBJETIVOS Feixes eletrônicos de alta energia são difratados por um alvo de grafite

Leia mais

Lista de Exercícios - OSCILAÇÕES

Lista de Exercícios - OSCILAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II Lista de Exercícios - OSCILAÇÕES Perguntas: 1. O gráfico da figura 1 mostra a aceleração

Leia mais

Capítulo 2: Instalação

Capítulo 2: Instalação UniFi AP/AP-LR User Guide Capítulo 2: Instalação Capítulo 2: Instalação Abaixo está uma visão geral das conexões Power over Ethernet. Instalação de Hardware O sistema UniFi Enterprise WiFi é alimentado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FOZ DO IGUAÇU LICENCIATURA EM FÍSICA. Pêndulo Simples. Brunna Arrussul. Deborah Rezende.

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FOZ DO IGUAÇU LICENCIATURA EM FÍSICA. Pêndulo Simples. Brunna Arrussul. Deborah Rezende. INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FOZ DO IGUAÇU LICENCIATURA EM FÍSICA Pêndulo Simples Brunna Arrussul Deborah Rezende Foz do Iguaçu, PR SUMÁRIO SUMÁRIO...2 INTRODUÇÃO...3 Objetivos...4 MATERIAL E MÉTODOS...5

Leia mais

Manual para App Android e Software Windows

Manual para App Android e Software Windows INSTALAÇÃO DO APLICATIVO Acesse www.nse.com.br/downloads-manuais e baixe os programas de acordo com o dispositivo que irá utilizar. - Para uso em computador com Windows baixe Software Windows. - Para uso

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO - TUCINOX TUCINOX MANUAL DE INSTALAÇÃO. Autor:Bruno. 1 Alarmes Tucano -

MANUAL DE INSTALAÇÃO - TUCINOX TUCINOX MANUAL DE INSTALAÇÃO. Autor:Bruno. 1 Alarmes Tucano - MANUAL DE INSTALAÇÃO - TUCINOX TUCINOX MANUAL DE INSTALAÇÃO 1 Alarmes Tucano - www.tucanobrasil.com.br FIXAÇÃO DA BASE O local para fixação das sirenes Tucinox é variável de acordo com o seu modelo: vertical

Leia mais

ANALISANDO O MODELO DE FORÇA COM O PÊNDULO SIMPLES

ANALISANDO O MODELO DE FORÇA COM O PÊNDULO SIMPLES ANALISANDO O MODELO DE FORÇA COM O PÊNDULO SIMPLES Helder Antônio Barbosa matrícula 2017016592 Karyn Meyer matrícula 2016019562 Roberto Luiz Silva matricula 2016019830 Rogerio Ottoboni matrícula 2017017043

Leia mais

GUIA RÁPIDO PARA INSTALAÇÃO DO CURUMIM

GUIA RÁPIDO PARA INSTALAÇÃO DO CURUMIM GUIA RÁPIDO PARA INSTALAÇÃO DO CURUMIM Para poder utilizar o Curumim pela primeira vez, é necessário ter instalado no computador os seguintes arquivos: 1. Java JRE - máquina virtual java 2. Driver do Rádio

Leia mais

LABORATÓRIO DIDÁTICO DE FÍSICA: UMA APLICAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE DADOS COM O ARDUINO E TRAÇADO DE GRÁFICO EM TEMPO REAL USANDO UMA PLANILHA EXCEL

LABORATÓRIO DIDÁTICO DE FÍSICA: UMA APLICAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE DADOS COM O ARDUINO E TRAÇADO DE GRÁFICO EM TEMPO REAL USANDO UMA PLANILHA EXCEL LABORATÓRIO DIDÁTICO DE FÍSICA: UMA APLICAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE DADOS COM O ARDUINO E TRAÇADO DE GRÁFICO EM TEMPO REAL USANDO UMA PLANILHA EXCEL Guilherme Dionisio guilherme.dionisio@bol.com.br Luiz Eduardo

Leia mais

1º SIMULADO DISCURSIVO IME FÍSICA

1º SIMULADO DISCURSIVO IME FÍSICA FÍSICA Questão 1 Considere o veículo de massa M percorrendo uma curva inclinada, de ângulo, com raio R constante, a uma velocidade V. Supondo que o coeficiente de atrito dos pneus com o solo seja, calcule

Leia mais

Guia de Prático de Instalação e Operação. Sensor Capacitivo Digital SC-300D

Guia de Prático de Instalação e Operação. Sensor Capacitivo Digital SC-300D Guia de Prático de Instalação e Operação Sensor Capacitivo Digital SC-300D ÍNDICE Introdução... 4 Diagrama de Ligação... 5 Pareamento e funções básicas... 5 Anotações... 11 2 3 INTRODUÇÃO A Eletrosert

Leia mais

Maxi-Eco Tecnologia e Projetos Ltda.

Maxi-Eco Tecnologia e Projetos Ltda. 1)- INFORMAÇÕES TÉCNICAS: Nossos produtos IDENTIFICADORES DE CHAMADA modelo BIMAX já estão devidamente homologados no Programa Gestão Azul da Empresa Ultragaz. 2)- DESCRIÇÃO: BIMAX 2 : Bina 2 linhas com

Leia mais

Entender o funcionamento de um pêndulo, correlacioná-lo com o pêndulo simples, determinar a aceleração da gravidade e o momento de inércia do corpo.

Entender o funcionamento de um pêndulo, correlacioná-lo com o pêndulo simples, determinar a aceleração da gravidade e o momento de inércia do corpo. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto Departamento de Física Fone: (016) 3.3718/3693 Fax: (016) 3 949 USP EXPERIÊNCIA PÊNDULO Objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

Instalação do Rotary Attachment

Instalação do Rotary Attachment Instalação do Rotary Attachment Modo de instalação: 1 - Para a instalação do Rotary attachment desça a mesa de recorta até que fique no ponto mais baixo possível e desligue a laser. 2 - Coloque o Rotary

Leia mais

42ª Olimpíada Internacional de Física Bangkok, Tailândia Prova Experimental Quinta-feira, 14 de Julho de 2011

42ª Olimpíada Internacional de Física Bangkok, Tailândia Prova Experimental Quinta-feira, 14 de Julho de 2011 42ª Olimpíada Internacional de Física Bangkok, Tailândia Prova Experimental Quinta-feira, 14 de Julho de 2011 Por favor, ler estas instruções antes de iniciar a prova: 1. O tempo disponível para a prova

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE VEICULOS AUTONOMOS EM ESCALA EM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESENVOLVIMENTO DE VEICULOS AUTONOMOS EM ESCALA EM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESENVOLVIMENTO DE VEICULOS AUTONOMOS EM ESCALA EM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Aluno: Renan de Lima Simões Mondego Vilela Orientador: Mauro Speranza Neto Introdução O presente projeto é continuação

Leia mais