UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDILENE MARIA LOPES SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDILENE MARIA LOPES SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDILENE MARIA LOPES SILVA IMPLANTAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA / MG: TRAJETÓRIA E PERSPECTIVAS Rio de Janeiro 2009

2 1 EDILENE MARIA LOPES SILVA IMPLANTAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA/MG: TRAJETÓRIA E PERSPECTIVAS Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação - Mestrado em Educação, da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, para a obtenção do título de Mestre em Educação. Orientadora: Profª. Dra. Lígia Martha Coimbra da Costa Coelho Rio de Janeiro 2009

3 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCH PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EDILENE MARIA LOPES DA SILVA Implantação da Educação em Tempo Integral no município de Juiz de Fora: Trajetória e Perspectivas Aprovada pela Banca Examinadora Rio de Janeiro, / / Profa. Dra. Ligia Martha C. da Costa Coelho - UNIRIO (orientadora) Profa. Dra. Luciana Pacheco Marques - UFJF (membro externo) Profa. Dra. Nailda Marinho da Costa Bonato - UNIRIO (membro interno)

4 Ao meu filho Diego, por estar sempre me servindo de inspiração e pela compreensão dos muitos momentos em que deixamos de estar juntos. 3

5 4 AGRADECIMENTOS A Deus, pela vida, e que me sobejou em esperança e paz nos momentos mais difíceis desta trajetória. À minha família, fonte de amor e amparo nas horas alegres e tristes, que não me deixaram desanimar deste sonho. Ao meu filho Diego, que soube compreender muitas ausências. Ao meu amor Edmar, pelo amor, incentivo constante nos momentos difíceis e pelo apoio incondicional. Sei que qualquer palavra será pouca diante de tanto carinho, dedicação e incansável paciência. À Professora e orientadora, Dra. Lígia Martha Coimbra da Costa Coelho, pela dedicação, carinho, apoio e paciência e, sobretudo, por compartilhar momentos de conhecimento e reflexão. À Professora Dra. Luciana Pacheco Marques, por quem eu tenho um carinho especial e admiro muito como pessoa e profissional. Obrigada pela coorientação, ensinamentos, atenção e oportunidades de aprendizado. À Professora Dra. Nailda Marinho da Costa Bonato, pelas preciosas sugestões e críticas oferecidas neste trabalho. Às professoras do Curso de Mestrado em Educação da UNIRIO - Ângela Maria Souza Martins; Claudia de Oliveira Fernandes; Guaracira Gouvêa de Sousa, que tanto me ajudaram a ampliar meus horizontes e a reafirmar minhas convicções com relação à Educação. Aos amigos que sempre ofereceram palavras e ações de incentivo, ânimo, coragem e, que sempre estavam prontos a ajudar na superação das dificuldades que foram surgindo ao longo do caminho. Aos colegas da turma do mestrado em educação da UNIRIO turma 2007, pelas trocas acadêmicas e pelos momentos em que compartilhamos angústias e alegrias. Aos profissionais que contribuíram com o corpus de análise desta pesquisa. A CAPES, pela bolsa concedida no decorrer deste percurso.

6 5 Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de Ano, foi um indivíduo genial! Industrializou a esperança, fazendo - a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para diante vai ser diferente. (Carlos Drummond de Andrade)

7 6 RESUMO Esta pesquisa objetiva compreender o processo de implantação da Educação em Tempo Integral no Município de Juiz de Fora. Visando desenvolvê-la, realizamos estudos de cunho qualitativo, dialogando com autores como Coelho (1997); Elias (1998); Cavaliere (2007b); Maurício (2001); Gonçalves (2006) entre outros, no sentido de aprofundar questões teóricas referentes ao tempo e educação integrais. Por se tratar de uma investigação baseada na Análise de Conteúdo (AC), tomamos como nosso corpus de análise documentos como o Plano Plurianual 2006/ Lei nº , de 05 de maio de 2006; o Plano Decenal Municipal de Educação de Juiz de Fora 2006/2015 Lei nº de 31 de maio de 2006; a Lei , de 22 de setembro de 2008 Escola de Educação em Tempo Integral e as Diretrizes das Escolas de Educação em Tempo Integral do Município de Juiz de Fora de 2008, assim como cinco questionários que foram respondidos por profissionais envolvidos no processo de implantação do referido Programa. Nas múltiplas vozes ouvidas, observamos que o processo de implantação da educação em tempo integral em Juiz de Fora está centrado na participação coletiva, e que o respeito à autonomia e especificidades das escolas estão sendo levados em consideração. Os resultados indicaram que o processo de implantação do tempo integral nas escolas teve a preocupação de não se sobrepor, enquanto política pública, às decisões coletivas da comunidade escolar. Ao final da pesquisa, ressaltamos que é extremamente importante o diálogo que vêm acontecendo entre as escolas de educação em tempo integral, a Universidade Federal de Juiz de Fora e a Secretaria Municipal de Educação desse município. Palavras-chave: Políticas Públicas. Tempo Integral. Educação Integral.

8 7 ABSTRACT This research aims to understand the process of implementation of Education full time in the city of Juiz de Fora. Aiming to develop it, we conducted studies of imprint quality, talking with authors as Coelho (1997), Elias (1998); Cavaliere (2007b), Mauricio (2001), Goncalves (2006) among others, to deepen theoretical issues concerning the and full time education. As a research based on analysis of content (AC), we take as our corpus analysis of documents as the Pluriannual Plan 2006/ Law nº of May, 05, 2006, the Ten Year Plan Municipal Education of Juiz de Fora 2006/ Law nº of May 31, 2006, the Draft Law - School of Education full-time and the Guidelines of the Schools of Education full time the city of Juiz de Fora, and five questionnaires that were answered by professionals involved in the process of implementation of that program. In the multiple voices heard, we observed that the process of deployment of the full-time education in Juiz de Fora is focused on the collective participation, and that respect the autonomy and specificies of the schools are being taken into consideration. The results indicated that the process of deploying the full time school was concerned not overlap, as public policy, the collective decisions of the school community. At the end of the research, stressed that the dialogue is extremely important that come up between the schools of education in full time, the Federal University of Juiz de Fora and the Municipal Department of Education of that city. Keywords: Public Policy. Full time. Integral Education

9 8 LISTA DE SIGLAS AC CAIC CAPES CEI CES CEU CIEP CNE CNEC CONSED ECA EJA EM ETI DAP DGE FUNDEB FUNDEF JF LDB MEC MG NEEPHI PDME PJF PNE PPA Análise de Conteúdo Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Centros de Educação Integral Centro de Ensino Superior Centro Educacional Unificado Centro Integrado de Educação Pública Conselho Nacional de Educação Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Conselho Nacional dos Secretários de Educação Estatuto da Criança e do Adolescente Educação de Jovens e Adultos Escola Municipal Educação em Tempo Integral Departamento de Ações Pedagógicas Departamento de Gestão Escolar Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério Juiz de Fora Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Ministério da Educação Minas Gerais Núcleo de Estudos-Tempos, Espaços e Educação Integral Plano Decenal Municipal de Educação Prefeitura de Juiz de Fora Plano Nacional de Educação Plano Plurianual

10 9 PPP PRONAICA RJ SE UFJF UNDIME UNIRIO Projeto Político Pedagógico Programa Nacional de Assistência à Criança e ao Adolescente Rio de Janeiro Secretaria de Educação Universidade Federal de Juiz de Fora União dos Dirigentes Municipais de Educação Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

11 10 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Produção bibliográfica sobre Educação Integral...20 Quadro 2: Instituições onde foram produzidas Dissertações de Mestrado...20 Quadro 3: Artigos e Periódicos produzidos...21 Quadro 4: Coeficientes de distribuição dos Recursos do Fundeb...47 Quadro 5: Disposição do espaço físico da E. M. Bom Pastor, em Quadro 6: Quantitativo de funcionários da E. M. Bom Pastor...74 Quadro 7: Disposição das turmas da E. M. Bom Pastor...75 Quadro 8: Disposição do espaço físico da E. M. Maria José Villela...78 Quadro 9: Quantitativo de funcionários da E. M. Maria José Villela...79 Quadro 10: Disposição das turmas da E. M. Maria José Villela...79 Quadro 11: Disposição do espaço físico da E. M. Professor Camilo Nilo Ayupe.82 Quadro 12: Quantitativo de funcionários da E. M. Professor Camilo Nilo Ayupe.83 Quadro 13: Disposição das turmas da E. M. Professor Camilo Nilo Ayupe...83 Quadro 14: Disposição do espaço físico da E. M. Dom Justino José de Sant Anna...87 Quadro 15: Quantitativo de funcionários da E. M. Dom Justino José de Sant Anna...88 Quadro 16: Disposição das turmas da E. M. Dom Justino José de Sant Anna...89 Quadro 17: Resposta à pergunta 1 do instrumento de pesquisa...93 Quadro 18: Resposta à pergunta 2 do instrumento de pesquisa...95 Quadro 19: Resposta à pergunta 3 do instrumento de pesquisa...96 Quadro 20: Resposta à pergunta 4 do instrumento de pesquisa...98 Quadro 21: Resposta à pergunta 5 do instrumento de pesquisa

12 11 LISTA DE ILUSTRAÇÃO Foto 1: Panorâmica da cidade de Juiz de Fora...56 Foto 2: E. M. Bom Pastor...72 Foto 3: E. M. Maria José Villela...76 Foto 4: E. M. Professor Nilo Camilo Ayupe...81 Foto 5: E. M. Dom Justino José de Sant Anna...86

13 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Buscando respostas para algumas inquietações Como responder às inquietações? Como se estrutura o estudo? SOCIEDADE, TEMPO E EDUCAÇÃO: UMA TRÍADE A SER DISCUTIDA Sociedade e tempo, para além do capital Tempo e escola: quando a extensão pode significar qualidade Tempo ampliado, tempo integral na legislação brasileira Experiências de jornada ampliada no Brasil DESCREVENDO A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA ESCOLAS DE EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL - MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA/MG O Município: aspectos sócio-econômicos, políticos e educacionais Gestão : O Programa Escolas de Educação em Tempo Integral no Município de Juiz de Fora Descrevendo o Programa nas escolas Escola Municipal Bom Pastor Escola Municipal Maria José Villela Escola Municipal Professor Nilo Camilo Ayupe Escola Municipal Dom Justino José de Sant Anna CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: PARA ONDE CAMINHAMOS? O que os instrumentos nos disseram O que é a implantação do Programa Escolas de Educação em Tempo Integral Respeito à autonomia das escolas na implementação do Programa Criação e continuidade do Grupo de pesquisa Tempos na Escola CONSIDERAÇÕES REFERÊNCIAS ANEXOS...135

14 13 1 INTRODUÇÃO 1.1 Buscando respostas para algumas inquietações Este estudo é fruto de reflexões realizadas no decorrer de nossa trajetória profissional, como professora, buscando uma formação reflexiva, e também de nossa vida acadêmica, em especial a que se desenrolou durante Curso de Especialização lato sensu, realizado na Universidade Federal de Juiz de Fora, cujo tema foi a organização do espaço na Educação Infantil, quando investigamos, em trabalho monográfico final, como os espaços e ambientes escolares estavam sendo organizados, a fim de favorecer o desenvolvimento da criança. Nesse estudo específico, optamos pela pesquisa bibliográfica, que foi realizada após levantamento e leitura de textos que permitiram acesso a autores ainda para nós desconhecidos, e cujos trabalhos abriram nosso campo de visão conceitual sobre aqueles temas. Tínhamos, como objetivo, levar os educadores 1 a uma reflexão e discussão sobre a temática, para que pudessem fazer questionamentos sobre quais as funções que a organização do espaço poderia exercer no desenvolvimento da criança. Após a realização desta pesquisa confirmamos, com base nos diferentes referenciais teóricos pesquisados, que as aquisições sensoriais e cognitivas das crianças têm estreita relação com o meio físico e social, o que nos levou a privilegiar essa relação em nossos estudos subseqüentes. Nesse sentido, podemos dizer que as questões sociais que permeiam a educação sempre estiveram presentes em nosso horizonte acadêmico, assim como a compreensão 1 Estamos nos referindo à monografia do Curso de Especialização Arte e Educação Infantil, realizado nos anos de 2001 a 2003, em que trabalhamos com a temática A organização do espaço na educação infantil. Como se tratou de pesquisa teórica, os educadores a que nos referimos fazem parte do universo de todos aqueles que, potencialmente, podem trabalhar em creches e instituições de educação infantil.

15 14 de que a educação pode provocar mudanças em defesa da escola pública de qualidade, a favor da democratização do ensino, do respeito às diferenças, da formação para a cidadania, principalmente se essa educação se dá em um tempo ampliado. O tema da educação em tempo integral vem se delineando, assim, desde aquela época, a partir de leituras de artigos, periódicos e reportagens que nos apresentam elementos fundamentais dessa concepção de educação, e podem responder à necessidade do cotidiano escolar brasileiro de empreender uma intencional e efetiva ação integradora, de forma tal que a natureza dessa ação possa representar uma contribuição ao processo de democratização da escola pública, e não uma reafirmação de seu caráter discriminatório. Cada vez com mais intensidade e presença efetiva, as políticas públicas que visam garantir a permanência das crianças nas escolas revelam a percepção, por parte da sociedade política e também da civil, de que existe necessidade de construção de uma nova identidade para a instituição escolar. Correspondendo a esta realidade, a partir de 2005, os rumos das políticas educacionais no município de Juiz de Fora estado de Minas Gerais têm tido, como alvo, a implantação da Educação em Tempo Integral (ETI) 2. Como professora da rede municipal de Juiz de Fora, começamos a perceber a movimentação em torno dessa implantação. A partir de então, o tema tornou-se fonte motivadora para o desenvolvimento desta pesquisa, pois acreditamos que seja importante conhecer os caminhos percorridos pelo município, principalmente, no que se refere à ampliação do tempo escolar, cuja extensão pode possibilitar uma outra concepção de educação. Observamos uma primeira reflexão sobre o tema, feita pelos profissionais da rede municipal, quando da construção do Plano Decenal Municipal de Educação 3 -PDME (JUIZ DE FORA, 2007a). Em um primeiro momento, podemos dizer que o PDME foi construído numa perspectiva democrática de planejamento, visando um maior envolvimento e compromisso com a construção deste Plano. 2 A partir deste momento, estaremos utilizando a sigla ETI quando nos referirmos ao processo de implantação desta política pública. 3 A partir deste momento utilizaremos a sigla PDME quando nos referirmos ao Plano Decenal Municipal de Educação.

16 15 No sentido dessa implantação, é importante destacar que, seguindo as orientações da Secretaria de Educação de Juiz de Fora quando da elaboração do PDME , os profissionais da educação da rede, junto aos demais representantes da comunidade escolar 4, reuniram-se para discussão de suas diretrizes. Nessas reuniões, foram debatidos 12 temas preestabelecidos pela Secretaria, a saber: Educação Infantil; Ensino Fundamental; Ensino Médio; Ensino Superior; Educação de Jovens e Adultos; Educação Especial; Educação Rural; Educação à Distância e Tecnologias Educacionais; Educação Tecnológica e Formação Profissional; Formação de Professores e Valorização do Magistério; Financiamento e Gestão. Segundo o PDME , durante as reuniões os presentes foram divididos em oito unidades regionais geográficas, na cidade, sendo que cada grupo ficou com dois temas para debate e formulação de propostas. Terminada a discussão nos grupos, formou-se um coletivo maior para apresentação do material produzido pelos subgrupos e avaliação de todos os envolvidos, podendo ser feitas alterações, se necessário. O documento condensado foi encaminhado à Comissão que realizou a sua finalização. Partindo das discussões daqueles grupos e subgrupos, a intenção do município de passar a atender as crianças em instituições escolares em tempo integral veio a se estabelecer como uma das metas do ensino fundamental, no PDME, como podemos constatar no trecho a seguir: Ampliar, gradativamente, o horário de atendimento nas escolas da rede pública, respeitando a carga horária do professor, garantindo profissionais especializados e condições adequadas para o desenvolvimento das atividades extracurriculares, como: oficinas literárias, artísticas, esportivas, tecnológicas e outras, até 2015 (JUIZ DE FORA, 2007a, p. 15). Percebemos assim que, à primeira vista, houve uma preocupação com o oferecimento de uma educação de qualidade, na medida em que se procurou garantir não só a ampliação do tempo, como também um melhor aproveitamento deste com atividades extracurrilares, o que, aparentemente, demonstra um 4 Ao citar representantes da comunidade escolar, referimo-nos a um grupo não quantificável de gestores, coordenadores e professores das quatro redes de ensino de Juiz de Fora: municipal, estadual, federal e particular.

17 16 avanço da postura democrática no município, em relação à construção das suas políticas públicas. A implantação da educação em tempo integral na escola possui amparo legal na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDB 9.394/96 que, em seu art. 34 preceitua: a jornada escolar no ensino fundamental incluirá pelo menos quatro horas de trabalho efetivo em sala de aula, sendo progressivamente ampliado o período de permanência na escola e, nesse mesmo artigo, 2, acrescenta ainda que o ensino fundamental será ministrado progressivamente em tempo integral, a critério dos sistemas de ensino (BRASIL, 1996). É exatamente isto que Juiz de Fora, como um sistema municipal de ensino, tem procurado fazer: implantar, progressivamente, o tempo integral. Diante da necessidade de se adequar às novas legislações educacionais, que podem culminar em mudanças significativas no espaço escolar, a Secretaria de Educação de Juiz de Fora/MG (SE/JF) 5 possuidora de uma rede composta por 96 escolas, iniciou o Programa Escolas de Educação em Tempo Integral em quatro instituições escolares, a partir do ano de Dessas instituições formais de ensino, duas contemplam somente a Educação Infantil; outra, além da Educação Infantil, oferece também as séries iniciais do Ensino Fundamental e a quarta instituição escolar, localizada na zona rural do município, engloba a Educação Infantil e todo o Ensino Fundamental, e iniciou seu funcionamento em maio de 2007, sendo construído um prédio novo para este fim. Com o processo de implantação dessas unidades de ensino, surgiu o projeto Tempos na escola, a partir do segundo semestre de O referido projeto é uma parceria entre a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) 6 e a Secretaria Municipal de Educação de Juiz de Fora. Constitui-se como uma pesquisa sobre os/nos espaços tempos 7 do/no cotidiano das quatro escolas que já têm implantado o regime de educação em tempo integral para repensar a organização escolar, contemplando as questões que se colocam para a educação, na atualidade, e a partir daí auxiliar na construção das diretrizes para essas instituições, levando em consideração o tempo das crianças, de suas 5 Utilizaremos a sigla SE/JF quando nos referirmos à Secretaria de Educação de Juiz de Fora. 6 Utilizaremos a sigla UFJF sempre que nos referirmos à Universidade Federal de Juiz de Fora. 7 Utilizamos a expressão no sentido que Marques (2008) a utiliza, pois corroboramos com as suas idéias.

18 17 famílias, dos profissionais da educação e da comunidade do entorno escolar (MARQUES, 2008b). Assim, com a implantação das escolas de educação em tempo integral neste município, onde residimos e trabalhamos, nossa vontade de investigar esse processo específico foi reforçada, constituindo-se em nosso problema de pesquisa. A proposta para oferecer educação em tempo integral na rede municipal de Juiz de Fora implica a necessidade de reflexão e reformulação de um projeto pedagógico que não deve se restringir apenas às escolas que optarem por este atendimento. Essa é uma oportunidade para refletir sobre vários aspectos que permeiam a instituição escolar, como as concepções de educação, a função social da escola, um currículo que atenda toda a rede, entre outras questões que permeiam a realidade educacional brasileira e, como não poderia deixar de ser, os sistemas que a compõem. A partir de leituras realizadas anteriormente, e da realidade educacional do município de Juiz de Fora, algumas questões se fizeram presentes: Como está ocorrendo o processo de implantação da política de educação em tempo integral na rede municipal de ensino de Juiz de Fora? Quais os fatores que intervêm neste processo? Como as escolas estão se organizando para alcançar os objetivos propostos? Buscando respostas a essas perguntas, traçamos como objetivo geral do estudo compreender o processo de implantação da Educação em Tempo Integral no município de Juiz de Fora. A fim de alcançar esse objetivo elencamos, como objetivos específicos: (1) Descrever o processo de elaboração e construção da política de educação em tempo integral no município de Juiz de Fora; (2) Analisar os avanços e as dificuldades encontrados na implantação da política pública de Educação em Tempo Integral em Juiz de Fora gestão Acreditamos que o tema/problema e objetivos propostos justificam-se porque a temática da educação em tempo integral retoma a discussão em torno da função social da escola e da qualidade do ensino que ela desenvolve, e também porque as políticas públicas que buscam educação em tempo integral vêm se consolidando, em nível nacional, estadual e municipal, como no caso específico do município a que pertencemos.

19 18 Consideramos de extrema relevância pesquisar, estudar, debater e refletir sobre este tema/problema, pois todo processo de concretização de um projeto necessita de redimensionamentos durante o seu desenvolvimento, estando em constante reelaboração e aprimoramento. Nesse sentido, o estudo proposto é ainda relevante para a construção de diretrizes e para a expansão da modalidade de Educação em Tempo Integral na rede municipal em estudo, bem como para buscar caminhos na construção coletiva de uma escola pública de qualidade, integrando esforços da Gestão Pública, da Escola e da Comunidade, no sentido do atendimento e oferecimento aos alunos de um ensino que contemple o fortalecimento das bases educacionais, e permita o enriquecimento dos laços sócio-históricos construídos pela sociedade. 1.2 Como responder às inquietações? Diante do tema a ser estudado - a implantação da Educação em Tempo Integral no município de Juiz de Fora -, fizemos opção metodológica pela investigação qualitativa, por ser aquela cujas estratégias de pesquisa privilegiam a compreensão dos sentidos dos acontecimentos sociais, não se reduzindo a explicação com base apenas nas relações de causa e efeito. O estudo a ser realizado incidirá no universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes do qual participam atores envolvidos no processo, conforme reflete Minayo (2003). Nesse sentido, inscreve-se no que comumente denominamos de pesquisa qualitativa. A pesquisa qualitativa propõe levar em conta os componentes de uma situação em suas interações. Essa concepção metodológica tornou-se popular entre os pesquisadores da área educacional brasileira, a partir dos anos De acordo com Lüdke e André (1986): [...] a pesquisa qualitativa ou naturalística envolve a obtenção de dados descritivos, obtidos no contato direto do pesquisador com a situação estudada, enfatiza 0mais o processo do que o produto e se preocupa em retratar a perspectiva dos participantes (p. 13).

20 19 Assim, na busca por compreender nossas questões investigativas, optamos por realizar uma pesquisa qualitativa, acreditando que suas estratégias metodológicas poderiam nos proporcionar mais subsídios para realizar uma imersão no campo. A opção metodológica por um estudo qualitativo nos permitiu, ainda, a compreensão dos acontecimentos em uma dimensão histórica e cultural. Esta é uma de suas possibilidades: enxergar além, dialogar com os acontecimentos, interpretar, construir significados. Pesquisar nesse contexto é estar aberto para novas impressões que vão se constituindo na própria dinamicidade que o campo fornece. A escolha de uma investigação baseada em pressupostos qualitativos pode abrir diferentes perspectivas para as pesquisas. Em nosso caso específico, coerente com o referencial teórico que vem sendo construído, comungamos com o pressuposto de que educação em tempo integral pode vir ao encontro de uma educação de qualidade para a escola pública. Cabe ainda ressaltar que, conforme Lüdke e André (1986), em termos metodológicos a pesquisa qualitativa é a que propicia melhores condições para a compreensão da dinâmica presente no espaço escolar, espaço com o qual também trabalhamos. Para alcançar os objetivos propostos neste trabalho, iniciamos com uma revisão bibliográfica que versa sobre a educação em tempo integral. A princípio, identificamos duas categorias de análise para nos apoiar neste trabalho, a saber: concepções de educação integral e de tempo na escola. Tendo em vista a revisão de literatura relativa a essas categorias, realizamos aquela revisão bibliográfica no Banco de Teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). A busca foi concentrada no período de 2002 a 2007, sendo que a escolha por esse período se deu pelo fato de que, até o ano de 2001, já se tinha esse registro, na tese de doutorado de Maurício (2001). Finalizamos no ano de 2007, quando coletávamos dados para a pesquisa e utilizamos o mesmo período para o mapeamento de periódicos Qualis A, disponíveis no portal Scielo. Para as buscas no portal da CAPES e no Banco de dados do Scielo foi utilizada a palavra-chave educação integral. Foram encontrados 7 trabalhos de dissertações de mestrado em educação produzidas nos Programas de Pós-

21 20 Graduação em Educação no Brasil, nenhuma tese de doutorado em educação, e 4 artigos científicos em periódicos brasileiros, somando 11 trabalhos produzidos dentro do período analisado, conforme quadro abaixo: Anos Mestrado em Educação Doutorado em Educação Artigos de periódicos Total 7 4 Quadro 1: Produção bibliográfica sobre educação integral Os 7 trabalhos de dissertações e teses foram produzidos no âmbito de Programas de Pós-Graduação em Educação, a saber: Instituição Mestrado em Educação Doutorado em Educação PUC RS 1 UCP 1 UFJF 1 UNICAMP 1 UNIRIO 1 Universidade Metodista de 1 Piracicaba USM 1 Total 7 Quadro 2: Instituições onde foram produzidos as Dissertações de Mestrado em Educação Os 4 artigos foram publicados em periódicos de grande circulação, como nos apresenta o quadro a seguir:

22 21 Periódicos Artigos Cadernos de Pesquisa 1 Educação e Sociedade 2 Revista Brasileira de Educação 1 Total 4 Quadro 3: Artigos produzidos sobre a temática da educação integral Essas bibliografias foram lidas e analisadas, no conjunto dos textos que utilizamos para fundamentar nosso arcabouço teórico. No intuito de aprofundar esse estudo teórico, dialogamos ainda com autores como Coelho (1997); Elias (1998); Cavaliere (2007b); Maurício (2001); Gonçalves (2006) entre outros, que nos possibilitaram compreender as categorias citadas anteriormente. Dialogando com Coelho (1997), esta enfatiza o caráter indissociável existente entre educação integral e tempo integral quando se pensa em uma formação mais completa: quantidade e qualidade estão em um mesmo patamar, o que permite entender a extensão da quantidade de horas na escola horário/tempo integral como base e condição para o desenvolvimento da qualidade emancipadora tempo/educação integral (p. 55). Sua posição fica mais clara no seguinte trecho: [...] tempo integral na escola pressupõe, em nossa visão, a adoção de uma concepção de educação integral: com o tempo escolar ampliado, é possível pensar em uma educação que englobe formação e informação; que compreenda outras atividades não apenas as pedagógicas para a construção da cidadania partícipe e responsável (COELHO, 2007b, p. 55). Gonçalves (2006), discutindo o conceito de educação integral, identifica em seus estudos quatro formas de entendimento e uso desse termo, sendo elas: educação integral como formação integral; educação integral como articulação de conhecimentos e disciplinas; educação integral como articulação de aprendizagens a partir de projetos temáticos e educação integral na perspectiva de tempo integral. Este autor conclui que a educação integral entendida enquanto formação integral é a concepção mais comumente encontrada e empregada [...] tal compreensão pressupõe que se considerem crianças e adolescentes como

23 22 sujeitos inteiros que possuem uma singularidade própria (GONÇALVES, 2006, p.02). Ressalta ainda que a idéia de educação integral associada à ampliação da jornada escolar também está sendo desenvolvida em diversos países, inclusive no Brasil. Para ele, é possível elaborar propostas de educação integral que incorporem e mesclem as diferentes concepções que apresentou em seu trabalho investigativo. Cavaliere (2007b), entendendo educação integral como uma formação integral, defende que uma das bases da concepção de educação integral é a predisposição de perceber os educandos como indivíduos multidimensionais (p.263). Esses apontamentos iniciais levam a uma ressignificação do papel da educação escolar, de modo que ela passe a considerar as crianças e os adolescentes como sujeitos inteiros, enfatizando as suas vivências e aprendizagens, o que constitui, acreditamos, uma educação integral. Percebemos, portanto, que os sentidos dados à Educação Integral e ao Tempo Integral influenciam diretamente muitos dos direcionamentos que são dados à Educação, de forma que essas concepções revelam perspectivas que afetam a questão da própria organização escolar. Em outras palavras, levam a discussões a respeito dos objetivos da proposta pedagógica da escola, envolvendo seus procedimentos e métodos de avaliação, sua estruturação curricular, as formas como agrupa os alunos, os espaços que utiliza, debates e posicionamentos que podem contribuir para uma melhora do atendimento e, conseqüentemente, da qualidade escolar. Depois de realizar pesquisa bibliográfica que versa sobre as diferentes concepções de educação integral e de tempo integral, assumimos um outro caminho metodológico procurando, nos escritos, respostas às nossas questões de estudo. Por meio da pesquisa documental, buscamos estratégias que nos possibilitassem responder ao segundo objetivo desta pesquisa - analisar os avanços e as dificuldades encontrados na implantação da política pública de Educação em Tempo Integral em Juiz de Fora/MG. Acreditamos que a leitura e análise da legislação pertinente à política de implantação da educação em tempo integral, tanto no Brasil quanto no município pesquisado, nos forneceu dados importantes para melhor entender esta política, tanto em nível municipal, quanto

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO Sylmara Fagundes da Silva Sylmara.fagundes@hotmail.com RESUMO O presente trabalho teve como objetivo analisar os resultados das

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA Emma Gnoatto AMOP emmagnoatto2009@hotmail.com Heliane Mariza Grzybowski Ripplinger SEED liaripp@hotmail.com

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA EM MATO GROSSO: organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação Cancionila Janzkovski Cardoso UFMT (Coordenadora Geral do PNAIC/MT) Objetivo Apresentar

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS.

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. 712 A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. Indira Aparecida Santana Aragão ¹, Gilza Maria Zauhy Garms ² ¹ Aluna do curso de Pedagogia

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças.

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Camila Cerqueira dos Santos SILVA (FE/UFG) camilacerqueira@hotmail.com Ivone Garcia BARBOSA (FE/UFG) ivonegbarbosa@hotmail.com

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com.

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com. A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: DESAFIOS EMERGENTES NA PRÁTICA E POSSIBILIDADES CONSTRUÍDAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E LINGUAGEM MATEMÁTICA Francini Sayonara Versiani Soares.

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

ARACY MARIA BRAGA DE MIRANDA. FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI. O DESAFIO DAS INICIATIVAS: ROMPER BARREIRAS E CONCRETIZAR ESPAÇOS.

ARACY MARIA BRAGA DE MIRANDA. FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI. O DESAFIO DAS INICIATIVAS: ROMPER BARREIRAS E CONCRETIZAR ESPAÇOS. ARACY MARIA BRAGA DE MIRANDA. FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI. O DESAFIO DAS INICIATIVAS: ROMPER BARREIRAS E CONCRETIZAR ESPAÇOS. Resumo: Quebrar paradigmas, gerar e concretizar iniciativas:

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR Marie Jane Soares Carvalho Coordenadora Geral do FORPROF/RENAFOR/UFRGS Maio de 2013 Cursos SECADI - Catálogo EXTENSÃO, APERFEIÇOAMENTO E ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia Faculdades Integradas Mato - Grossenses de Ciências Sociais e Humanas Missão: Formar cidadãos, através da educação, para atuar de forma transformadora, ética e crítica, no contexto profissional e social

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA Dirce Pacheco e Zan O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA DIRCE PACHECO E ZAN * este texto, apresento algumas reflexões sobre o estágio em cursos de licenciatura, em especial, no direcionado

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Mesa-redonda: Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Debatedores: Profª, mestranda em Letras (UFSM) e professora de ensino médio público estadual; e Profª Me. Tânia Maria

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

Relato das experiências vividas na formação do FORPEDI MUNICÍPIO: REGENTE FEIJÓ

Relato das experiências vividas na formação do FORPEDI MUNICÍPIO: REGENTE FEIJÓ Relato das experiências vividas na formação do FORPEDI MUNICÍPIO: REGENTE FEIJÓ Introdução Esclarecimento das necessidades da continuidade das fases de aprendizagem por faixa etária da criança, isto é:

Leia mais

AS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS DA REDE MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE, INQUIETAÇÕES, DESAFIOS E CAMINHOS.

AS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS DA REDE MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE, INQUIETAÇÕES, DESAFIOS E CAMINHOS. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 697 AS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS DA REDE MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE, INQUIETAÇÕES, DESAFIOS E CAMINHOS. ¹Indira

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO RESUMO Maria Lucia Indjaian Universidade Presbiteriana Mackenzie Marcos T.Masetto Universidade Presbiteriana Mackenzie Este trabalho

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais