COOPERATIVA-ESCOLA DOS ALUNOS DA Etec ORLANDO QUAGLIATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COOPERATIVA-ESCOLA DOS ALUNOS DA Etec ORLANDO QUAGLIATO"

Transcrição

1 COOPERATIVA-ESCOLA DOS ALUNOS DA Etec ORLANDO QUAGLIATO APRESENTAÇÃO A Cooperativa-escola dos alunos nasceu de projeto institucional, regido pela Deliberação CEETEPS Nº 17 de 14 de setembro de 1994, do Centro Paula Souza e com a celebração de convênio CEETEPS/VITAE que inicialmente contemplou seis escolas técnicas agrícolas selecionadas para a implantação das cooperativas entre elas a Etec Orlando Quagliato. Assim, em 04 de novembro de 1994 foi registrada ata de fundação da Cooperativa e, em fevereiro de 1995, assinado convênio entre a cooperativa e o Centro Paula Souza que permita o uso das terras e instalações da escola para exploração através de projetos produtivos. Também em fevereiro de 1995, a primeira diretoria de alunos tomou posse. Desde então, a Cooperativa-escola, à luz de parâmetros pedagógicos, sociais, econômicos e políticos, numa circunstância de relativa autonomia, onde os alunos se responsabilizam pelo gerenciamento dos setores produtivos, enquanto órgão catalisador de todas as atividades escolares cabe: 1. Zelar pelos bens recebidos, usando-os somente de acordo com o convênio 2. Fornecer periodicamente, no mínimo a cada ano, inventário de bens declinando o seu estado de conservação e características produtivas 3. Implementar e executar os projetos agropecuários resultantes das práticas de ensino previstas no Plano Escolar 4. Fazer o acerto de contas no encerramento do ano social, nos termos legais 5. Efetuar, quando devidos, os recolhimentos fiscais, previdenciários e outros 6. Manter a escrituração de todas as operações realizadas, em livros próprios, fiscais e contábeis 7. Trazer rigorosamente em dia os registros contábeis, permitindo a qualquer momento, auditagens, verificação de estoques, de contas bancárias, do caixa, de diretos e obrigações As Cooperativas-escola fundamentam-se na Lei federal nº 5.764, de 16 de dezembro de 1971 e mais especificamente na Resolução CNC nº 23/82. Além desta Resolução, no âmbito do Centro Paula Souza as Cooperativas-escola têm seu funcionamento autorizado pela Deliberação CEETEPS nº 17/94.

2 OBJETIVOS A Cooperativa-escola, através de sua atuação serve como instrumento operacional do processo de ensino aprendizagem sendo que a permanência do aluno nos setores produtivos, obedecendo a uma escala onde todos os cooperados passam pelas mesmas experiências, visa dentro de diversas atividades agrícolas desenvolvidas fornecerem a prática e a fixação de conhecimentos necessários à formação integral do técnico-cidadão, tendo como objetivos: Estimular na escola um trabalho articulado entre os alunos, professores e funcionários, onde todos tenham clareza da situação da escola, dos seus problemas e do contexto no qual se manifestam; Co-responsabilizar os alunos pelos projetos produtivos, da sua elaboração até o suprimento da escola e a comercialização dos excedentes de produção; Integrar a escola com a comunidade rural através da prestação de serviços, extensão rural e atividades sócio-culturais; Garantir maior flexibilidade administrativa da unidade escolar através do gerenciamento, pela Cooperativa-escola, dos recursos físicos e materiais, da produção e da comercialização; Estimular o relacionamento com universidades, instituições de pesquisa, serviços de extensão rural e iniciativa privada; Educar os alunos dentro dos princípios do cooperativismo ORGANOGRAMA A Cooperativa-escola tem, no topo de seu organograma, a Assembléia Geral, por ser o órgão supremo, que é composta por todos os cooperados.

3 Assembléia Geral Professor Orientador Comitê Educativo Conselho de Administração Conselho Fiscal Diretoria Administrativa Comissão Técnica de Apoio e Execução PROFESSORES ORIENTADORES José Eder Pereira da Silva Orientação Administrativa e Gerencial Reginaldo Borges da Silva Orientação de Convivência Sócio-cultural MEMBROS GESTÃO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Diretor Presidente Paulo Sergio Gonçalves da Silva

4 Diretor Vice Presidente Carlos Eduardo Linck Secretário Éder Pazini de Oliveira Conselheiro Assistente Andre Salandin Conselheiro Assistente João Martins Bessa Neto CONSELHO FISCAL Efetivo Adrielson Tomé Efetivo Ana Carolina Santos Zanette Efetivo Luciane Cristina Tavares Nogueira Suplente Edimar Zirr Suplente Juliano Pereira Machado Suplente Reinaldo da Silva Morgado

5 FLUXOGRAMA OPERACIONAL SETORES TÉCNICOS CURRÍCULO Estabelece o Projeto Pedagógico e responde pela formação técnica Serve de instrumento para as disciplinas e atividades curriculares Fornece insumos e serviços aos projetos Define a demanda de serviços e insumos Entrega a produção Entrega produção para consumo REFEITÓRIO Solicita produtos Administra os depósitos e investe COOPERATIVA-ESCOLA Pagamento em R$ BANCO Deposita em R$ Presta serviços Presta serviços Pagamento em R$ Vende insumos e serviços Vende excedentes de produção MECADO FORNECEDOR COMUNIDADE MERCADO CONSUMIDOR CONCEITOS E PRINCÍPIOS COOPERATIVA

6 É uma associação autônoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações e necessidades econômicas, sociais e culturais comuns, por meio de uma empresa de propriedade conjunta democraticamente controlada COOPERADO É o produtor rural, o trabalhador urbano ou outro profissional de qualquer atividade sócioeconômica, que se associa para participar ativamente de uma cooperativa, cumprindo seus deveres e observando os seus direitos. COOPERATIVISMO É uma doutrina, um sistema, um movimento ou simplesmente uma atitude ou disposição que considera as cooperativas como um ideal de organização das atividades sócio-econômicas da humanidade COOPERAÇÃO Método de ação pelo qual indivíduos com interesses comuns se organizam em empreendimentos. Nestes, os direitos de todos são iguais e o resultado alcançado é repartido somente entre os integrantes, na proporção da participação societária nas atividades. VALORES DO COOPERATIVISMO AS cooperativas baseiam-se em valores de ajuda mútua e responsabilidade, democracia, igualdade, equidade e solidariedade. Na tradição dos seus fundadores, os membros das cooperativas acreditam nos valores éticos da honestidade, transparência, responsabilidade social e preocupação pelo seu semelhante. SÍMBOLO Pinheiros Antigamente o pinheiro era tido como símbolo da imortalidade e da fecundidade, pela sua sobrevivência em terras menos férteis e pela facilidade de sua multiplicação. Os pinheiros unidos são mais resistentes e ressaltam a força e a capacidade de expansão. Círculo - O círculo representa a eternidade, pois não tem horizonte, começo ou fim. Verde O verde escuro das árvores lembra o principio vital da natureza e a

7 necessidade de se manter o equilíbrio com o meio ambiente. Amarelo O amarelo ouro simboliza o sol, fonte permanente de energia e calor Assim nasceu o emblema do cooperativismo: um círculo abraçando dois pinheiros, que indicara união do movimento, a imortalidade de seus princípios, a fecundidade de seus ideais, a vitalidade de seus adeptos. Tudo isto marcado pela trajetória ascendente dos pinheiros que se projetam para o alto, procurando subir cada vez mais. BANDEIRA O Conselho de Administração da Aliança Cooperativa Internacional - ACI durante reunião realizada em Roma - Itália, em abril de 2001 deliberou sobre a mudança da Bandeira do Cooperativismo. O motivo desta decisão foi promover e consolidar claramente a imagem cooperativa, já que a antiga bandeira era utilizada por alguns grupos nãocooperativos, o que causava confusão em alguns países. A bandeira que substitui a tradicional do arco-íris é de cor branca e tem o logotipo da ACI impresso no centro, do qual emergem pombas da paz, representando a unidade dos diversos membros da ACI. O logotipo foi aprovado em 1995 por ocasião do Centenário da ACI. O arco-íris é representando em seis cores e a sigla ACI está impressa na sétima cor: o violeta. PRINCIPIOS DO COOPERATIVISMO Os princípios cooperativos são diretrizes segundo as quais as cooperativas colocam seus valores em prática. 1º Princípio Adesão Livre e Voluntária Cooperativas são organizações voluntárias abertas a todas as pessoas aptas para usarem seus serviços e dispostas a aceitarem suas responsabilidades de sócios, sem discriminação de gênero, social, racial, político ou religiosa 2º Princípio Controle Democrático pêlos Sócios As cooperativas são organizações democráticas controladas pêlos seus sócios, os quais participam ativamente no estabelecimento de suas políticas e nas tomadas de decisões. Homens e mulheres, eleitos

8 como representantes, são responsáveis para com os sócios. Nas cooperativas de primeiro grau (singulares), os sócios têm igualdade de votação (um sócio, um voto); as cooperativas de outros níveis também são organizadas de maneira democrática. 3º Princípio Participação do Sócio Os sócios contribuem eqüitativamente e controlam democraticamente o capital de sua cooperativa. Ao menos, parte desse capital é usualmente propriedade comum da cooperativa. Eles recebem uma compensação limitada, se houver alguma, sobre o capital subscrito (realizado), como uma condição de sociedade. Os sócios alocam a sobras para os seguintes propósitos: Desenvolvimento da cooperativa, possibilitando o estabelecimento de reservas, parte das quais poderão ser indivisíveis; Retornos aos sócios na proporção de suas transações com as cooperativas; Apoio a outras atividades que forem aprovadas pêlos sócios. 4 º Princípio Autonomia e Independência As cooperativas são organizações autônomas de ajuda mútua, controladas pôr seus membros. Se elas entram em acordo com outras organizações, incluindo governamentais, ou recebem capital de origens externas, elas devem fazê-lo em termos que assegurem o controle democrático de seus sócios e mantenham sua autonomia. 5º Princípio Educação, treinamento e Informação As cooperativas oferecem educação e treinamento para seus sócios, representantes eleitos, administradores e funcionários; assim eles podem contribuir efetivamente para seu desenvolvimento. Eles informam o público em geral, particularmente os jovens e os líderes fornecedores de opinião, sobre a natureza e os benefícios da cooperação. 6 º Princípio Cooperação entre cooperativas As cooperativas atendem seus sócios mais efetivamente e fortalecem o movimento cooperativo, trabalhando juntas através de estruturas locais, nacionais, regionais e internacionais. 7 º Princípio Preocupação com a Comunidade

9 As cooperativas trabalham pelo desenvolvimento sustentável de suas comunidades através de políticas aprovadas por seus membros. Manchester, setembro de 1195.

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS 1. BREVE HISTÓRICO O cooperativismo objetiva difundir os ideais em que se baseia, para atingir o pleno desenvolvimento financeiro, econômico e social de todas

Leia mais

Capítulo. Ramos do Cooperativismo

Capítulo. Ramos do Cooperativismo Capítulo Ramos do Cooperativismo 11 Ainda estavam reunidos conversando na praça, quando Juju observou a camisa do Johann, e perguntou: Que legal Pinho! A camisa do Johann tem o mesmo desenho do seu rosto,

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais)

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) MOÇÃO/DELIBERAÇÃO (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) Uma cooperativa é uma associação autónoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações

Leia mais

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna CAPITULO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS I Apresentação Ainda que não precisem gerar lucro, as organizações do terceiro setor demandam, cada vez mais, uma gestão profissionalizada, que lhes permita avaliar adequadamente

Leia mais

SENADO FEDERAL. Senador COOPERATIVISMO NO BRASIL BRASÍLIA DF. CARTILHA COOPERATIVISMO.indd 1 16/04/2013 12:21:13

SENADO FEDERAL. Senador COOPERATIVISMO NO BRASIL BRASÍLIA DF. CARTILHA COOPERATIVISMO.indd 1 16/04/2013 12:21:13 SENADO FEDERAL Senador COOPERATIVISMO NO BRASIL BRASÍLIA DF CARTILHA COOPERATIVISMO.indd 1 16/04/2013 12:21:13 CARTILHA COOPERATIVISMO.indd 2 16/04/2013 12:21:13 Apresentação Atualmente, existem no Brasil

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA: APLICABILIDADE DOS PRINCÍPIOS COOPERATIVISTAS NAS COOPERATIVAS ATUAIS

CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA: APLICABILIDADE DOS PRINCÍPIOS COOPERATIVISTAS NAS COOPERATIVAS ATUAIS FACULDADE NOVOS HORIZONTES CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA: APLICABILIDADE DOS PRINCÍPIOS COOPERATIVISTAS NAS COOPERATIVAS ATUAIS Adriano Aparecido Rodrigues Muniz Aracele Prote de Oliveira Gilceu

Leia mais

CONHEÇA NOSSA ESTRUTURA

CONHEÇA NOSSA ESTRUTURA CONHEÇA NOSSA ESTRUTURA COOPERSERV A nossa cooperativa A COOPERSERV é a cooperativa dos Funcionários Públicos Municipais. Um dos objetivos da instituição é despertar no associado o hábito de poupar. Ela

Leia mais

Associativismo e Cooperativismo. Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia

Associativismo e Cooperativismo. Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia Associativismo e Cooperativismo Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia O QUE É COOPERAR? Cooperar é trabalhar junto, é ajudar-se mutuamente, é tentar conseguir, com ajuda

Leia mais

A CARTILHA DO CORPORATIVISMO. Cooperativismo Passo a Passo

A CARTILHA DO CORPORATIVISMO. Cooperativismo Passo a Passo A CARTILHA DO CORPORATIVISMO Cooperativismo Passo a Passo As grandes tendências mundiais que permeiam o processo de globalização da economia exigem alternativas de organização da sociedade civil. A realidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei: Projeto de Lei- 978 de 13 novembro de 2007, Política Municipal de Fomento à Economia Popular Solidária e a criação do conselho municipal de fomento á economia solidária de Pedro II, com a sigla ( CMPES

Leia mais

O associativismo e o cooperativismo como estratégia para o fortalecimento da agricultura familiar. Águas de Lindóia, 09 de Agosto de 2012

O associativismo e o cooperativismo como estratégia para o fortalecimento da agricultura familiar. Águas de Lindóia, 09 de Agosto de 2012 O associativismo e o cooperativismo como estratégia para o fortalecimento da agricultura familiar ` Águas de Lindóia, 09 de Agosto de 2012 Desde 1933 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO ORGANIZAÇÃO RURAL O

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

COOPERATIVISMO E EMPREENDEDORISMO 11/24/2010 1 COOPERATIVISM O. Najla Gurgel najlagurgel@secrel.com.br 11/24/2010

COOPERATIVISMO E EMPREENDEDORISMO 11/24/2010 1 COOPERATIVISM O. Najla Gurgel najlagurgel@secrel.com.br 11/24/2010 COOPERATIVISMO E EMPREENDEDORISMO 11/24/2010 1 COOPERATIVISM O 11/24/2010 Najla Gurgel najlagurgel@secrel.com.br PRINCIPIOS DO COOPERATIVISMO Adesão Livre e Voluntária Gestão Democrática e Livre Participação

Leia mais

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos Organização & agregação de agricultores 3. o Fórum Consultivo Organização Internacional do Café Belo Horizonte, Brasil 10 de setembro de 2013 Associação Nacional de Negócios Cooperativos CLUSA International

Leia mais

O Cooperativismo. A Identidade Cooperativa

O Cooperativismo. A Identidade Cooperativa O Cooperativismo Embora a doutrina econômica da cooperativa date do ano de 1808, sua difusão só ocorreu a partir de 1844, quando um grupo de tecelões ingleses fundou a Sociedade dos Probos Pioneiros de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas COOPERATIVISMO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia. Estatutos

ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia. Estatutos MEMBRO DE ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia Estatutos ESTATUTOS APROVADOS PELA ASSEMBLÉIA GERAL EM 12/10/1972 E ALTERADOS EM 08/11/1973, 07/05/1974, 04/04/1983, 05/12/94, 10/11/1997,

Leia mais

Associativismo e cooperativismo solidário

Associativismo e cooperativismo solidário CARTILHA DO AGRICULTOR FAMILIAR Associativismo e cooperativismo solidário Sou o João. Sou técnico agrícola, completamente envolvido na disseminação da produção agroecológica. Acredito que é possível produzir,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - A Associação dos Ex-Alunos da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação adota a denominação INOVA-RIA: Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro e

Leia mais

Coloquio de Sostenibilidad

Coloquio de Sostenibilidad Coloquio de Sostenibilidad Objetivo: Posicionar a las cooperativas como constructoras de la sostenibilidad Roberto Sousa Gonzalez * RESUMEN Este trabalho articula sobre a aplicação da governança corporativa,

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

Instruções para o Questionário Online

Instruções para o Questionário Online Instruções para o Questionário Online Este é um pequeno guia para o preenchimento do questionário de Monitor de Cooperativas Mundial. O questionário está disponível em www.euricse.eu/en/worldcooperativemonitor

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede.

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. Artigo 1º O Diretório Central dos Estudantes das Faculdades de Tecnologia

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

Texto retirado e adaptado do site do Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras www.ocg.org.br

Texto retirado e adaptado do site do Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras www.ocg.org.br Texto retirado e adaptado do site do Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras www.ocg.org.br INTRODUÇÃO As grandes tendências mundiais que permeiam o processo de globalização da economia exigem

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre os contratos de integração, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores integrados e

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO Capítulo I - Do Centro e Seus Fins Artigo 1º - O Centro de Estudos de Artes Marciais Chinesas, representado pelas iniciais CEAMC, fundado em

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA: COOPERATIVAS DE CRÉDITO

CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA: COOPERATIVAS DE CRÉDITO CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA: COOPERATIVAS DE CRÉDITO Elza Maria Santos Flávia Almeida Firmino Leliane Barros Peixoto Leônidas Fidelis da Silva Belo Horizonte 2007 Elza Maria Santos Flávia Almeida

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Regimento Interno da Associação Terceira Via

Regimento Interno da Associação Terceira Via Regimento Interno da Associação Terceira Via A DIRETORIA EXECUTIVA da Associação Terceira Via, usando das atribuições legais que lhe são conferidas no artigo 5 e artigo 28, incisos VII e IX, do seu Estatuto

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Capítulo I Da Assembléia Geral

Capítulo I Da Assembléia Geral 1 Regimento Interno do Núcleo de Gestão do Porto Digital Título I Do Regimento Interno Art. 1º O presente Regimento Interno tem como objetivo estabelecer as normas que regerão internamente o Núcleo de

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETIVO Art.1º- A Associação dos Artesãos e Produtores Caseiros de Fortaleza

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA DA COGEM

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA DA COGEM 1. Objetivo Estabelecer os padrões e as melhores práticas de Governança Cooperativa a serem observadas pela COGEM, tendo como base as orientações do Banco Central do Brasil, a fim de adequar suas práticas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO REGIMENTO INTERNO Brasília, 4 de junho de 2011 REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Regulamento para utilização do FATES

Regulamento para utilização do FATES Regulamento para utilização do FATES 1 / 6 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. FINALIDADE... 3 3. DA FORMAÇÃO... 3 4. DA ALOCAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS... 3 4.1- DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA... 3 4.2- DA ASSISTÊNCIA

Leia mais

1. Esta Política institucional de comunicação e marketing:

1. Esta Política institucional de comunicação e marketing: 1. Esta Política institucional de comunicação e marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

Analista de Programa

Analista de Programa I. Informação sobre o posto TERMO DE REFERÊNCIA Analista de Programa LOCAL: Brasília, DF, Brasil Prazo de candidatura: De 20.04 a 10.05.2015 Tipo de contrato: Service Contract (NOA - SB5-1) Nível do Posto

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC

PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2012/2013 Apresentação A Diretoria Executiva da Associação dos Funcionários da Cooperativa Castrolanda AFCC objetiva apresentar

Leia mais

E s t a t u t o S o c i a l d a A s s o c i a ç ã o D e n o m i n a d a

E s t a t u t o S o c i a l d a A s s o c i a ç ã o D e n o m i n a d a E s t a t u t o S o c i a l d a A s s o c i a ç ã o D e n o m i n a d a I n s t i t u t o M e t t a d e E s t u d o s e P e s q u i s a s p a r a o D e s e n v o l v i m e n t o H u m a n o Capítulo I

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM O Código de Ética do Banco do Brasil vem reafirmar a contínua valorização dos preceitos éticos existentes na cultura da Organização, reconhecidos pela comunidade. Nasce da realidade da Empresa,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

Apresentação. Grupo de Trabalho Lívia Pommerening (Anauê 174/RS) Marjorie Friedrich (Guia Lopes 002/RS) Rebeca Pizzi Rodrigues (Novo Horizonte 137/RS)

Apresentação. Grupo de Trabalho Lívia Pommerening (Anauê 174/RS) Marjorie Friedrich (Guia Lopes 002/RS) Rebeca Pizzi Rodrigues (Novo Horizonte 137/RS) Apresentação Com o crescimento despontado da rede a cada ano, e havendo práticas já rotineiras, consolidadas em cima dos parâmetros nacionais, regimentos da UEB e as características fortes dos escoteiros

Leia mais

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010 Formando o aluno para a responsabilidade social Esther Carvalho Março 2010 Missão "Servir com excelência, por meio da educação, formando cidadãos éticos, solidários e competentes" Visão "Ser referência

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

Gestão dos recursos financeiros da escola

Gestão dos recursos financeiros da escola Gestão dos recursos financeiros da escola Objetivo da Aula Evidenciar por meio do PDDE algumas exigências para o gerenciamento dos recursos financeiros e alguns procedimentos úteis que garantem a participação

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA LEI Nº 2.255/2007 Dá nova redação a Lei nº 1.453/200 que cria o Conselho de Alimentação Escolar e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE MOSSORÓ,

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

HISTÓRICO DO MOVIMENTO COOPERATIVISTA BRASILEIRO E SUA LEGISLAÇÃO: UM ENFOQUE SOBRE O COOPERATIVISMO AGROPECUÁRIO

HISTÓRICO DO MOVIMENTO COOPERATIVISTA BRASILEIRO E SUA LEGISLAÇÃO: UM ENFOQUE SOBRE O COOPERATIVISMO AGROPECUÁRIO HISTÓRICO DO MOVIMENTO COOPERATIVISTA BRASILEIRO E SUA LEGISLAÇÃO: UM ENFOQUE SOBRE O COOPERATIVISMO AGROPECUÁRIO Autor: Jackson Eduardo Gonçalves (*) Endereço para correspondência: Rua Juca Escrivão,

Leia mais

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 17.108, de 27 de julho de 2005. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMAS ESPECÍFICOS VOLTADOS PARA

Leia mais

IGREJA RENOVADORA CRISTÃ CNPJ/MF N. º 54.535.315/0001 62 RUA HARMONIA, 670 VILA MADALENA SÃO PAULO

IGREJA RENOVADORA CRISTÃ CNPJ/MF N. º 54.535.315/0001 62 RUA HARMONIA, 670 VILA MADALENA SÃO PAULO IGREJA RENOVADORA CRISTÃ CNPJ/MF N. º 54.535.315/0001 62 RUA HARMONIA, 670 VILA MADALENA SÃO PAULO ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Aos 29 dias do mês de Janeiro de 2006, reuniram-se em Assembléia Geral

Leia mais

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios.

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios. Apresentação O Instituto Camargo Corrêa, criado em dezembro de 2000 para orientar o investimento social privado das empresas do Grupo Camargo Corrêa, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público

Leia mais