UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ DERLI MAURICIO DOS SANTOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL: ESTUDO DE CASO EM UMA SIDERÚRGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ DERLI MAURICIO DOS SANTOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL: ESTUDO DE CASO EM UMA SIDERÚRGICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ DERLI MAURICIO DOS SANTOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL: ESTUDO DE CASO EM UMA SIDERÚRGICA RIO DE JANEIRO 2011

2 DERLI MAURICIO DOS SANTOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL: ESTUDO DE CASO EM UMA SIDERÚRGICA Dissertação apresentada à Universidade Estácio de Sá como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Educação. Orientadora: Profª. Dra. Inês Ferreira de Souza Bragança RIO DE JANEIRO 2011

3 DERLI MAURICIO DOS SANTOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL: ESTUDO DE CASO EM UMA SIDERÚRGICA Dissertação apresentada à Universidade Estácio de Sá como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Educação. BANCA EXAMINADORA Profª. Dra. Inês Ferreira de Souza Bragança Presidente Universidade Estácio de Sá Profª. Dra. Elisangela Bernado Universidade Estácio de Sá Prof. Dr. André Silva Martins Universidade Federal de Juiz de Fora

4 Aos meus pais, irmãs e irmãos, pela tranqüilidade e certeza de sempre poder contar com todos vocês. Ao meu filho Luiz Eduardo como exemplo de superação. Ao querido padrinho Machado (in memorian) e à sua querida esposa e minha madrinha Edir, pelo eterno carinho que têm para conosco.

5 AGRADECIMENTOS A Deus pela saúde, força e superação de vários obstáculos. Obrigado Senhor. À Siderúrgica e a toda sua equipe que permitiram e apoiaram a realização dessa pesquisa no âmbito da sua organização. À Profª. Dra. Inês Ferreira de Souza Bragança minha orientadora, pelo incentivo, pelos saberes, pela paciência, pela segurança e principalmente pela confiança em nós depositada. Aos professores e professoras da Universidade Estácio de Sá pelos ensinamentos e compreensão. Aos professores e colegas do MINTER pelo apoio e oportunidade de caminharmos juntos. Aos professores Clarete e Cuco pelo incentivo e apoio irrestrito que nos foi disponibilizado. Aos professores da Metalurgia, pelo incentivo, compreensão e apoio. E aos demais (são muitos) cujos nomes não foram citados e contribuíram para com o nosso trabalho, com incentivo, ajuda etc.

6 EDUCAÇÃO Educa o terreno e terás o pão farto. Educa a árvore e recolherás a bênção do fruto. Educa o minério e obterás a utilidade de alto preço. Educa a argila e plasmarás o vaso nobre. Educa a inteligência e atingirás a sabedoria. Educa as mãos e acentuarás a competência. Educa a palavra e colherás simpatia e cooperação. Educa o pensamento e conquistarás a ti mesmo. Sem o alfabeto anoitece o espírito. Sem o livro falece a cultura. Sem o mérito da lição a vida seria animalidade. Sem a experiência e a abnegação dos que ensinam, o homem não romperia as faixas da infância. Em toda parte, vemos a ação da Providência Divina no aprimoramento da Alma Humana Aqui, é o amor que edifica. Além, é o trabalho que aperfeiçoa. Mais adiante é a dor que regenera. Meus amigos, a Terra é nossa escola milenária e sublime. Jesus é o nosso Divino Mestre. O espiritismo, sobretudo, é obra de educação. Façamos, pois, da educação com o Cristo, o culto de nossa vida, para que a nossa vida possa educar-se e educar com o Senhor, hoje e sempre. EMMANUEL (Página recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier)

7 SANTOS, Derli Mauricio. Educação ambiental empresarial: estudo de caso em uma siderúrgica. Rio de Janeiro, 2011, Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós- Graduação em Educação, Universidade Estácio de Sá, RESUMO O presente trabalho procura identificar as concepções e práticas de Educação Ambiental desenvolvidas no âmbito de uma grande empresa siderúrgica situada em Minas Gerais, considerando como parâmetro a educação crítica, emancipatória e transformadora, referenciada pelo ProNEA e pelo TEASS. Nesse sentido, direcionamos questões de estudo para o Programa de Educação Ambiental PEA, para as atividades de educação ambiental praticadas pela referida empresa, bem como para indicar quais os públicos alvos são contemplados com as respectivas atividades, sendo o público interno os funcionários e o público externo a comunidade escolar. Pelo caráter singular da pesquisa, a mesma se desenvolveu por meio de Estudo de Caso, incluindo análise documental, entrevistas semiestruturas, questionários e observação participante. As análises sinalizam uma prática de educação ambiental essencialmente reducionista do meio ambiente, e também, direcionada somente à comunidade escolar e não ao público interno. Quanto ao Programa de Educação Ambiental PEA que supostamente poderia fornecer suporte/sustentação às ações/atividades de educação ambiental na empresa, o mesmo carece de componentes estruturais e pedagógicos para contemplar uma concepção e uma metodologia com vistas à transformação socioambiental dos indivíduos. Palavras-chave: Educação Ambiental. Educação Ambiental Empresarial. Educação não formal.

8 SANTOS, Derli Mauricio. Educação ambiental empresarial: estudo de caso em uma siderúrgica. Rio de Janeiro, 2011, Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós- Graduação em Educação, Universidade Estácio de Sá, ABSTRACT This work aims to identify the concepts and practices of Environmental Education developed under a large steelmaking company located in Minas Gerais, considering as a parameter the critical education, emancipatory and transformative, referenced by ProNEA and TEASS. Accordingly, there are a formulation of studying questions for the Environmental Education Programme, along with environmental education activities practiced by this company, and to indicate which target audiences are aimed with their activities, once the internal public are the employees and the external public the school community. On the singular research profile, it has developed through a case study, including document analysis, semi-structures interviews, questionnaires and participant s observation. Analyses indicate a practice of environmental education essentially reductive on the environment, and also directed only to the school community and not the internal public. As for the Environmental Education Programme, which supposedly could provide support / support to the actions / activities of environmental education in the company, it lacks the educational and structural and pedagogic components to include a layout and methodology with social and environmental transformation of individuals view. Keywords: Environmental Education. Environmental Education Business. Non Formal Education.

9 LISTA DE SIGLAS AGENDA JF- Agência de Gestão Ambiental de Juiz de Fora ALUN - Aluno entrevistado AM Entrevistado da AMAC AMAC - Associação Municipal de Apoio Comunitário ANPED - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Educação CEAM - Centro de Educação Ambiental COMDEMA - Conselho Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável COPAM - Conselho Estadual de Política Ambiental de Minas Gerais DN - Deliberação Normativa DS - Desenvolvimento Sustentável EA - Educação Ambiental EAE - Educação Ambiental Empresarial EAEB - Educação Ambiental Empresarial Brasileira EASS - Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis EC - Estudo de Caso ENTREV Entrevistado ESCOLA - Professoras (es) entrevistadas (os) IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente MA - Meio Ambiente MMA - Ministério do Meio Ambiente NBR - Norma Brasileira ONU - Organização das Nações Unidas OP - Observação Participante PEA - Programa de Educação Ambiental PNEA - Política Nacional de Educação Ambiental PNMA - Política Nacional do Meio Ambiente PNUMA - Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PPP - Projeto Político Pedagógico ProNEA - Programa Nacional de Educação Ambiental

10 Q1, Q2, Q3 e Q4 Questionários RSC - Responsabilidade Social Corporativa SEMAD - Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SGA - Sistema de Gestão Ambiental SGI Sistema de Gestão Integrada SISEMA - Sistema Estadual de Meio Ambiente de Minas Gerais SISMAD - Sistema Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável T&D - Treinamento & Desenvolvimento TEASS - Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global UBQ - União Brasileira para a Qualidade UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura

11 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO Apresentação A empresa Siderúrgica e a Educação Ambiental A EDUCAÇÃO E A QUESTÃO AMBIENTAL O contexto internacional: caminhos percorridos e tensões no campo da educação ambiental A Educação Ambiental no Brasil, em Minas Gerais e em Juiz de Fora: 21 um olhar dirigido ao foco do estudo 3 - EDUCAÇÃO AMBIENTAL TRANSFORMADORA E 27 SUSTENTABILIDADE: REFLEXÕES SOBRE ABORDAGENS TEÓRICAS Princípios norteadores para Educação Ambiental transformadora e 27 Sustentabilidade 3.2 Paulo Freire e Edgar Morin: necessárias reflexões Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável Educação no contexto Empresarial Educação Não Formal Educação Ambiental Empresarial EAE Educação Corporativa Problematizando concepções e práticas de treinamento: perspectivas de educação corporativa ABORDAGEM METODOLÓGICA Estudo de Caso Referencial Metodológico Trabalho de Campo 67 5 ANÁLISES DOS DADOS Análise Documental Programa de Educação Ambiental da Siderúrgica Considerações sobre Programa de Educação Ambiental - PEA da Siderúrgica Regulamento Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente e Considerações Cartilhas do Prêmio Siderúrgica Meio Ambiente Planeta Terra: O que posso fazer por ele? O Melhor de Mim para o Melhor dos Mundos O Melhor de Mim para o Melhor dos Mundos: O que fiz até agora e como posso continuar Consumo Consciente para um Mundo Melhor De olho na cidade Entre no Clima! Uma reflexão sobre o aquecimento da terra Alimentação Saudável: Uma lição saborosa Eu, você e o presente da natureza

12 Idéias para sustentar o mundo Considerações sobre o conteúdo das cartilhas Relatório Empresa/Unidade do Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente Considerações sobre os conteúdos dos Relatórios Empresa/Unidade do Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente Pastas de arquivo dos documentos referentes ao Prêmio Siderúrgica Considerações sobre os conteúdos dos documentos das pastas dos Prêmio Siderúrgica Entrevistas semi-estruturadas Considerações sobre Entrevista semi-estruturada do grupo A : Gerência de meio ambiente, SGI, Logística, Utilidades, Recursos Humanos, Comunicação e Casa da Natureza Considerações sobre Entrevista semi-estruturada do Setor Industrial Considerações sobre Entrevista semi-estruturada dos Filhos de Funcionários Premiados Considerações sobre Entrevista semi-estruturada de Alunos/Premiados Considerações sobre Entrevista semi-estruturada das Escolas/Premiadas Considerações sobre Entrevista semi-estruturada da AMAC/Pequenos Jardineiros Considerações sobre Entrevista semi-estruturada da Professora Ambientalista Observação Participante OP Questionários CONSIDERAÇÕES FINAIS 137 REFERÊNCIAS 146 APÊNDICE A 154 APÊNDICE B 160 APÊNDICE C 166

13 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 Apresentação Ações para proteção e preservação do meio ambiente são de fundamental importância para garantia de uma melhor qualidade de vida. Infelizmente, as agressões ao meio ambiente são ainda muito freqüentes, urgindo assim diversas ações mitigadoras dos impactos causados. Acreditamos que a falta de informação, conscientização e, principalmente, a falta da educação ambiental são fatores decisivos na degradação do meio ambiente. Pudemos constatar que desde o início de nossa experiência profissional, diversas empresas contribuem com a poluição do meio ambiente, lançando seus efluentes industriais de diversas naturezas nos corpos receptores sem qualquer tratamento prévio, causando contaminação da água, solo e ar. A falta de pessoal qualificado, da educação formal e do comprometimento de algumas empresas são fatores, ainda hoje, responsáveis pelos mais variados problemas ambientais. Preocupado com o descaso dessas empresas com as questões ambientais, procuramos atuar de maneira séria, promovendo a conscientização e sensibilização das pessoas envolvidas com as atividades produtivas e poluidoras, desenvolvendo programas para redução do consumo e do desperdício, e também a descontaminação e tratamento dos efluentes industriais, com a finalidade de evitar ou minimizar os problemas ambientais de procedência industrial. Nesse sentido, Lanna e Trindade (2008) consideram fundamental que as empresas estabeleçam programas, num conjunto articulado de atividades, orientados para identificar, disseminar e analisar experiências inovadoras de outras empresas, além de investir em projetos sociais que contribuam para a promoção do desenvolvimento com igualdade de oportunidades e valorização das potencialidades locais. Um programa de Educação Ambiental Empresarial, em consonância com o Sistema de Gestão Ambiental SGA 1, devidamente implementado nas organizações e representado por profissional atuante em Educação Ambiental, é de fundamental importância para redução dos 1 É o conjunto de responsabilidades organizacionais, procedimentos, processos e meios que se adotam para a implantação de uma política ambiental em determinada empresa ou unidade produtiva. É o método empregado para levar uma organização a manter-se em funcionamento de acordo com as normas estabelecidas, bem como para alcançar os objetivos definidos em sua política ambiental (OLIVEIRA et al. 2009, p. 2).

14 13 problemas ambientais. Nesse sentido, o comprometimento da organização com as questões socioambientais apresenta-se como uma possibilidade de futuro melhor para o desenvolvimento sustentável que é a forma de desenvolvimento que atende as necessidades da geração atual sem comprometer a possibilidade (ou capacidade) das gerações futuras em satisfazer as suas (FOGLIATTI et al. 2008, p. 116). Prevenção, correção e mitigação são atitudes importantes e indispensáveis para o alcance do desenvolvimento sustentável. Santos (2010, p. 2) aponta para a necessidade de gerir a educação ambiental nas empresas para implementação de ações que garantam o comprometimento da organização com as questões socioambientais. A Educação Ambiental desempenha um papel fundamental no processo de transformação do homem. Como poderoso e eficiente instrumento de promoção social, ela deve ser praticada de maneira contextualizada, implicando em mudanças de comportamentos que possibilitarão a formação plena e reflexiva de cidadãos críticos, devidamente preparados e comprometidos, capazes de atuar efetivamente na proteção e melhoria do meio ambiente, conduzindo-os à sustentabilidade. No presente trabalho, tomamos, assim, como referência, a perspectiva de uma Educação Ambiental crítica, emancipatória e transformadora, sendo esta abordagem preconizada por autores como Quintas (2000), Carvalho (2008), Layrargues (2008), Deluiz e Novicki (2004) e Loureiro (2009) com o princípio comum de favorecer a transformação socioambiental, reduzindo, desta forma, as injustiças e as desigualdades socioambientais. Segundo Pedrini (2008, p. 5), a Educação Ambiental Empresarial Brasileira (EAEB) é ainda limitada às empresas de grande porte e tem se restringido à academia e aos órgãos de controle ambiental. A EAEB deve ter como referência o Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA) que se baseia no Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (TEASS) que foi deliberado durante a Rio-92, que destaca a participação e conscientização dos atores para transformação socioambiental dos cidadãos, através de uma Educação Ambiental crítica, emancipatória e transformadora. Várias são as leis que indicam a necessidade da prática da educação ambiental (EA) não formal (aquela que é realizada dentro da empresa, por exemplo), e, apesar da grande importância e necessidade da prática da EA nas empresas, Azevedo (2003) considerada um número reduzido de trabalhos sobre a prática de EA nas organizações privadas, além de poucas empresas possuírem um Programa de Educação Ambiental (PEA), são poucos os trabalhos disponíveis. Considerando que no mundo do capital as empresas visam primeiramente o lucro,

15 14 surgem três interrogações: o que leva uma empresa a praticar EA e ter programas sociais além da suas obrigações legais? Quais os objetivos e/ou lucro dessas empresas na prática da Educação Ambiental? Em que medida é possível desenvolver concepções e práticas críticas, emancipatórias e transformadoras? 1.2 A empresa Siderúrgica 2 e a Educação Ambiental No contexto da problemática e das questões anunciadas, esta pesquisa analisou, por meio de estudo de caso, a abordagem da Educação Ambiental Empresarial (EAE) praticada pela indústria Siderúrgica, referência em Educação Ambiental Empresarial EAE, verificando em que medida as concepções e práticas aderem à perspectiva emancipatória presente no Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA) e também ao Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (TEASS). Destaca-se, entretanto, que não tivemos a pretensão de esgotar o tema, devido à sua complexidade, mas consideramos que o estudo da referida indústria, que desenvolve prática sistemática de Educação Ambiental Empresarial (EAE) pode constituir uma referência de análise. A referida Siderúrgica possui o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) implementado e certificado, em conformidade com a norma ISO , bem como desenvolve a prática da Educação Ambiental Empresarial por meio de um programa sistemático de formação, conforme consta nos Relatórios de Sustentabilidade: [...] além de realizarem programas de treinamento e educação ambiental com empregados e comunidade. (Siderúrgica - Relatório de Sustentabilidade, 2006, p. 30). [...] promover projetos permanentes de educação ambiental para os públicos interno e externo. (ibid., 2008, p. 19). A Siderúrgica desenvolve programas de educação ambiental em praticamente todas as suas unidades. (ibid., 2008, p. 33). [...] promoção da educação ambiental para os públicos internos e externos. (ibid., 2009, p. 24). [...] programas de educação ambiental nas comunidades e com seu público interno. (ibid., p. 2009, 36). 2 No lugar do nome da empresa será usada a palavra Siderúrgica. 3 É a norma internacional que trata do Sistema de Gestão Ambiental - SGA, elaborada pela Organização Internacional para Normalização - ISO, sediada em Genebra, Suíça, e composta por entidades de normalização de 119 países.

16 15 [...] internamente, os programas de educação ambiental integram o conjunto de eventos de capacitação e qualificação dos empregados e são estendidos aos profissionais das empresas contratadas que atuam nas unidades. (ibid., 2009, p. 38). Sendo por isso adequada para nosso estudo de caso. Na área social, o relatório da Siderúrgica Brasil 2006, a empresa valoriza a interação com as comunidades, para o desenvolvimento local. Buscando esse desenvolvimento, prioritariamente, as ações estão direcionadas à educação, pois afirma o relatório: [...] fator fundamental para uma sociedade sustentável. (ibid., 2006, p. 07). A Siderúrgica, segundo relatório de 2008, recebeu o Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental, concedido pela União Brasileira para a Qualidade (UBQ) às empresas de destaque no gerenciamento de impactos de suas atividades. A empresa possui o sistema de gestão ambiental atuante, garantindo conformidade com regulamentos e leis, e, além disso, promove projetos permanentes de educação ambiental para os públicos interno e externo. (ibid., 2008, p. 19). Apesar da grande importância e necessidade da prática da EA nas empresas, são pouquíssimos os estudos versando sobre educação ambiental praticada nas organizações privadas. Azevedo (2003, p. 59) relata que, houve uma intensa busca por empresas da iniciativa privada que tivessem um programa de educação ambiental voltada para o empregado dentro do processo produtivo e poucas foram as empresas que se propuseram a colaborar com a realização de uma pesquisa acadêmica. Assim, optou-se, portanto, pela realização da pesquisa por meio de estudo de caso, e considerou para sua pesquisa duas razões preponderantes : Existem pouquíssimos estudos sobre educação ambiental realizados dentro do âmbito da empresa privada, notadamente para avaliar a eficácia; Poucas são as empresas no Brasil que possuem um programa desta natureza, por sete anos consecutivos, neste sentido seria um caso raro. Sob a coordenação do Prof. Dr. Alexandre de Gusmão Pedrini, no II SEARJ - Simpósio de Educação Ambiental Empresarial do Rio de Janeiro, realizado no período de 27 e 29 de Outubro de 2009 na UERJ, foi apresentada a Carta Síntese desse simpósio, onde, no prólogo, considera-se novo início para fortalecimento e inserção da educação ambiental no âmbito empresarial, sendo uma fronteira de grande importância a ser conquistada, registrando, desta maneira, os principais tópicos a serem conquistados por todos aqueles que trabalham

17 16 pela educação ambiental enquanto ferramenta de Gestão Ambiental e de Responsabilidade Social no âmbito corporativo brasileiro. 4 Das diversas conclusões apresentadas destacamos a de estimular uma maior convergência entre instituições públicas de ensino médio e superior para o desenvolvimento de pesquisas em EAE. Já nos objetivos principais do evento apresentados na mesma Carta Síntese, também destacamos: Difundir através de amplos debates, oficinas, palestras, mesas-redondas e conversas informais as experiências empresariais e acadêmicas com o fim de construir um corpo sólido de conhecimento na área; Conhecer o que vem sendo feito em EA pelas grandes corporações com o fim de colaborar para o seu permanente aperfeiçoamento e; Despertar jovens para a área de EAE, visando à renovação dos recursos humanos na área. (SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE-SEAM/RJ). Apesar do reconhecimento da necessidade de se desenvolverem políticas públicas e da difusão de experiências no âmbito empresarial e acadêmico sobre a EA no Brasil, os estudos que versam sobre esta temática ainda são poucos, como verificamos em pesquisa bibliográfica de sites de algumas instituições. Na pesquisa que realizamos, encontramos 9 (nove) trabalhos versando sobre o tema. Tais pesquisas foram feitas em sites na web, utilizando frases (palavras chaves) da seguinte forma: Educação Ambiental; Educação Ambiental Empresarial; Educação Ambiental em/na(s) siderúrgica(s); Educação Ambiental em/na(s) empresa(s); e Educação Ambiental em/na(s) indústria(s). Foram pesquisados os título de trabalhos com, exatamente, as frases Educação Ambiental e Educação Ambiental Empresarial e também com a frase Educação Ambiental associada às palavras empresa(s), indústria(s) e siderúrgica(s). Com as expressões supracitadas, pesquisamos no site onde encontramos 74 (setenta e quatro) trabalhos sobre o tema EA e 1 (um) artigo sobre contabilidade e finanças que faz abordagens sobre a Educação Ambiental Empresarial e nenhum título associados às palavras empresa(s), indústria(s) e siderúrgica(s). No site do portal Capes, foram encontrados 286 títulos sobre o tema EA, sendo encontrada 1 (uma) dissertação com a frase 4 Disponível em: Acesso em: 01 março 2010.

18 17 Educação Ambiental Empresarial, três títulos de EA associados às palavras indústria(s) e quatro títulos de EA associados às palavras empresa(s). Pesquisamos ainda, o site da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Educação (ANPED). Como este não disponibiliza a pesquisa pelo assunto e somente pelo nome do autor, investigamos as produções do Grupo de Trabalho de Educação Ambiental (GT-22), e nas três últimas Reuniões Anuais da ANPED, no qual, constatamos trinta títulos sobre EA e nenhum título associado às palavras indústria(s) siderúrgica(s) e empresa(s). Nosso levantamento demonstra a lacuna de trabalhos sobre a EAEB, corroborando o que Deluiz e Novick (2004, p. 13), ressaltaram a respeito da falta de saberes para a relação entre trabalho e meio ambiente. Para tal, é preciso reconhecer a necessidade da produção de conhecimento sobre Educação Ambiental que leve em conta a relação trabalho, meio ambiente e educação, dada a lacuna na pesquisa sobre a temática, considerando a interdisciplinaridade necessária à compreensão de uma realidade com múltiplas determinações. Segundo Pedrini (2008, p. 5), A preocupação com a EAEB realmente efetiva e que traga benefícios direto à sociedade tem se restringido, essencialmente, ao contexto acadêmico e aos órgãos de controle ambiental. O Brasil possui cerca de cinco milhões de empresas registradas, porém não mais que 50 trabalhos estão publicamente disponíveis para consulta pública. Realmente irrisório! Ainda, Pedrini (2008) ressalta que a EA desenvolvida no âmbito empresarial deve estar fundamentalmente voltada à EA de qualidade, e considera a NBR ISO um instrumento valioso para melhoria das condições ambientais, com a implantação do sistema de gestão para controle das inúmeras variáveis ambientais. A eficiência do Sistema de Gestão Ambiental é, sem dúvida, caracterizada pela prática da Educação Ambiental introduzida e conscientemente executada pela organização, que tem como retorno, vários ganhos socioambientais e diversos benefícios como: [...] redução de custos, por meio de melhorias da eficiência dos processos, redução de consumos (matéria-prima, água, energia), minimização do tratamento de resíduos e efluentes e diminuição de prêmios de seguro, multas, etc. (KRAEMER 2004, p. 119).

19 18 A presente pesquisa, portanto, foi realizada por meio de Estudo de Caso (EC), na empresa Siderúrgica localizada em Minas Gerais, que desenvolve uma prática sistemática de Educação Ambiental Empresarial (EAE). Desde o início de nossa experiência profissional, constatamos que diversas empresas lançam seus efluentes industriais de diversas naturezas nos corpos receptores sem qualquer tratamento prévio, causando a degradação ambiental nas mais diversas formas. Apesar de observarmos um caminho promissor do debate internacional, bem como a presença de uma discussão acadêmica que aponta para a importância social de ações de educação ambiental, em âmbito empresarial, a realidade de muitas empresas ainda caminha longe de ações efetivas. Nesse sentido, consideramos fundamental destacar, por meio de estudo de caso, as concepções e práticas de EAE da Siderúrgica, pela relevância da mesma no que se refere aos objetivos de um processo de Educação Ambiental que envolve funcionários e comunidade do entorno. Perspectivamos, portanto, focalizar uma prática potencialmente instituinte, ou seja, uma ação construída no cotidiano de uma indústria que, por seu potencial inovador, pode contribuir, incentivando e constituindo referência para novas práticas, inclusive em empresas e indústrias de menor porte. Tomamos, assim, como objetivo do presente trabalho a análise da Educação Ambiental Empresarial (EAE) praticada pela empresa Siderúrgica, relacionando suas concepções e práticas, no sentido de verificar em que medida aderem aos princípios do Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA) e também às perspectivas da Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis (EASS), contribuindo com a perspectiva de uma Educação Ambiental crítica, emancipatória e transformadora. Dessa maneira, estabelecemos as seguintes questões para nosso estudo de caso: - Qual metodologia do projeto/programa de Educação Ambiental Empresarial (EAE) desenvolvida pela Siderúrgica, e quais são as concepções e práticas? - Quais as concepções de Educação Ambiental presentes nas políticas da indústria Siderúrgica, foco do estudo de caso proposto? - Em que referências os programas de EA são fundamentados? - Quais são as dificuldades para execução do PEA? - Como o PEA está integrado ao Sistema de Gestão Ambiental da Empresa?

20 19 - Em que medida as políticas implementadas se traduzem em práxis educativa visando a formação e a transformação pessoal/coletiva para os funcionários da empresa e para o contexto social? No desenvolvimento da pesquisa, perseguindo as questões de estudo destacadas, a dissertação foi desdobrando em cinco partes. Nesta primeira parte (capítulo 1) apresentamos a problematização, bem como o objetivo e questões de estudo. Considerando a complexidade da temática em foco, a seguir (capítulo 2), fazemos uma análise das relações e tensões entre educação e meio ambiente, em âmbito internacional, nacional, estadual e municipal, apontando para as possibilidades e limites da Educação Ambiental Empresarial (EAE). A terceira parte (capítulo 3) articula a revisão de literatura à fundamentação teórica do trabalho, trazendo, assim, um painel dos principais conceitos orientadores do estudo desenvolvido. O capítulo 4 aborda a metodologia de Estudo de Caso e os caminhos trilhados na pesquisa. As análises que constituem este trabalho recebem o foco no capítulo 5 e no capítulo 6, são apresentadas as considerações finais que apontam para a triangulação dos dados e reflexões possíveis a partir da pesquisa.

21 20 2 A EDUCAÇÃO E A QUESTÃO AMBIENTAL 2.1 O contexto internacional: caminhos percorridos e tensões no campo da educação ambiental O uso desordenado dos recursos naturais, associado à crescente industrialização, representa uma inesgotável fonte de problemas socioambientais. Dependendo do tipo de atividade industrial, algumas empresas poderão ser uma ameaça à qualidade de vida. Empresas dos mais variados setores, como por exemplo, as prestadoras de serviço 5 que, a princípio, só agregam valor aos produtos, podem ser, também, dependendo do ramo de atividade, muito agressoras ao meio ambiente. Com grande potencial poluidor, algumas indústrias lançam seus efluentes que apresentam diferentes naturezas físicas e também as mais variadas composições químicas, contaminando o ar, a água e o solo, comprometendo seriamente a sobrevivência na Terra. O homem usa a natureza como se fosse uma fonte inesgotável de recursos, praticando um modelo não sustentável e, como conseqüência, ocorrem desmatamentos, queimadas, escassez de água para consumo humano, erosão, poluição e diversos fenômenos climáticos, além da perda de biodiversidade e exclusão social, causando danos às diversas formas de vida no planeta. (REGO, 2004, p. 1-3). Diante dessa realidade, a Organização das Nações Unida (ONU) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), através de congressos e conferências, vêm discutindo a Educação Ambiental e o meio ambiente. O ano de 1972 pode ser considerado a chave para as discussões das questões ambientais no mundo com realização da Conferência de Estocolmo, onde foi introduzido o conceito de eco desenvolvimento, defendendo o crescimento baseado no potencial dos ecossistemas, a diminuição dos desperdícios, a reciclagem e a participação das comunidades locais. Esta foi a primeira reunião de caráter oficial a tratar de temas sobre o meio ambiente, com repercussões positivas levando à criação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), à proliferação de órgãos governamentais de controle ambiental e à formulação de diversas legislações nacionais sobre o meio ambiente (VALLE, 2000, apud FOGLIATTI et al, 2008), e 5 Empresas prestadoras de serviços são aquelas que não produzem produtos, mas agregam valor aos produtos, como por exemplo, uma empresa prestadora de serviços de pintura, recebe o produto, pintam e devolvem.

22 21 também a recomendação para discussão Internacional da Educação Ambiental, o que aconteceu no ano de 1975, na cidade de Belgrado na Iugoslávia, onde foi produzida a Carta de Belgrado. Em 1977, em Tbilisi, na ex-urss, foi realizada a Conferência que constitui marco para a Educação Ambiental, com elaboração de documento no qual se definem princípios, objetivos, características, metodologias e recomendações para a Educação Ambiental, de maneira que os aspectos políticos, éticos, sociais, culturais, econômicos, científicos, tecnológicos e ecológicos foram considerados. Podemos observar, a partir dos anos de 1980, grande potencialidade do debate mundial no sentido do ordenamento internacional de diretrizes para a Educação Ambiental 6, destacando-se a instituição de comissões e de conferências como a Rio-92 onde foi deliberado o Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (TEASS). Segundo Pedrini (2008, p. xxvii) a Educação Ambiental na perspectiva desse tratado somada aos pressupostos pedagógicos da Declaração Internacional de Educação Ambiental de Tbilisi, formam assim, o arsenal teórico-conceitual da Educação Ambiental planetária. 2.2 A Educação Ambiental no Brasil, em Minas Gerais e em Juiz de Fora: um olhar dirigido ao foco do estudo No Brasil, a Educação Ambiental é referenciada pelo Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA), Política Nacional do Meio Ambiente (PNMA) e pela Política Nacional de Educação Ambiental PNEA, contemplando sete linhas de ação, dentre elas a Educação no Processo de Gestão Ambiental. Leis federais, estaduais e municipais, decretos, normas e portarias, possuem dispositivos que determinam a importância da Educação Ambiental. 6 Destacamos a criação pelas Nações Unidas, em 1983, da Comissão Mundial do Meio Ambiente e Desenvolvimento, conhecida também pelas Nações Unidas como Comissão de Brundtland; em 1987, com o título de Nosso Futuro Comum, foi publicado o Relatório de Brundtland, difundindo, entre tantos, o conceito de Desenvolvimento Sustentável. A criação da Comissão Latino-Americana de Desenvolvimento e Meio Ambiente ocorreu em 1989, e, neste mesmo ano, as nações do mundo são convocadas, através da Resolução 44/228 de 22 de dezembro de 1989 da Assembléia Geral das Nações Unidas (AGNU), para Conferência Mundial das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Rio-92, no Rio de Janeiro, Brasil, com a elaboração da Agenda 21, que, no capítulo 36, trata da Educação Ambiental (BRIGANTE,1999 apud FOGLIATTI, et al, 2008, p.11). Em dezembro de 1997 foi organizada pela UNESCO, na cidade de Thessaloniki, Grécia, a Conferência Meio Ambiente e Sociedade: Educação e Consciência Pública para a Sustentabilidade. Em 2002, na África do Sul, a 2ª Conferência denominada Rio + 10 em cujas discussões, o Desenvolvimento Sustentável teve bastante destaque. (FOGLIATTI et al, 2008, p. 11)

23 22 A Política Nacional de Educação Ambiental, (PNEA, 1999) estabelece que diversas entidades de classe e as empresas devem promover programas destinados à capacitação dos trabalhadores e programas de Educação Ambiental Não Formal, em parceria com escolas, universidades e outras organizações, visando à melhoria do meio ambiente e as repercussões do processo produtivo no mesmo. Em Minas Gerais, a Educação Ambiental está instituída por lei e conta com a atuação da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD 7 ) e outros órgãos municipais, estaduais e federais, Prefeituras Municipais e Conselhos atuam também na preservação ambiental no Estado e conta também com o Programa de Educação Ambiental do Estado de Minas Gerais Os programas de Educação Ambiental, devidamente articulados e implementados, promovem, no caso das empresas, a ascensão a um grau superior de gestão em que a organização será vista como um agente responsável no contexto socioambiental, que assume obrigações e deveres como qualquer indivíduo. Segundo Dias (2007, p. 17), A despeito da permanência de uma tendência pró-insustentabilidade, felizmente, a última década testemunhou o crescimento das respostas culturais adaptativas exibidas pelos seres humanos. Foram realizadas importantes conferências internacionais, que resultaram em tratados, acordos, convenções, desenvolvimento dos processos de gestão ambiental e uma crescente mobilização voltada para a sensibilização e conscientização. Ganharam impulsos os diversos instrumentos de gestão ambiental como o processo de educação ambiental, os licenciamentos, as certificações, o aperfeiçoamento das leis ambientais e dos mecanismos de participação popular. Referindo-nos à responsabilidade socioambiental, as empresas do setor privado ocupam uma posição de destaque, pois, segundo Santos (2009, p. 2), várias dessas empresas são as grandes causadoras da degradação ambiental. Diferente de décadas passadas, além de mais conscientizada, a sociedade, de um modo geral, está dotada de interesse pela discussão a respeito das questões ambientais, exigindo dos órgãos públicos uma melhoria na fiscalização ambiental, com leis mais restritivas e ações de comprometimento com o desenvolvimento para uma sociedade sustentável. 7 O Sistema de Meio Ambiente do Estado de Minas Gerais (SISEMA), coordenado pela SEMAD, é composto por: Conselho Estadual de Política Ambiental (COPAM), Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CERH), Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEAM), Instituto Estadual de Florestas (IEF), e pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM).

24 23 Segundo Pedrini (2008, p. xxvii) as empresas ou organizações com programas de Responsabilidade Social Corporativa (RSC) 8 contemplam compromissos mais atuantes na área ambiental e buscam o aperfeiçoamento da qualidade de vida da comunidade, assumindo também uma série de compromissos empresariais com sua cadeia produtiva, considerando o meio ambiente uma de suas partes. A Educação Ambiental Empresarial no Brasil (EAEB), através da RSC, poderá caminhar junto com as certificações da série ISO e ser realizada com qualidade para o bem do planeta. Entretanto, é importante problematizar a referida perspectiva, considerando, por um lado, que o objetivo central das empresas e que se coloca como pano de fundo é sempre a obtenção do lucro e, nesse sentido, a criação de diferenciais que possam contribuir no jogo da concorrência capitalista. Por outro o fato de que o respeito à legislação se coloca como possibilidade de viabilizar o próprio negócio. No tocante aos trabalhadores das empresas, Dias (2007, p. 99) sugere que, A educação ambiental dos seus empregados deve ser política fundamental de recursos humanos de uma organização, desde o pessoal da alta administração até a base da pirâmide organizacional constituída pelos empregados mais simples da área de produção. O autor destaca ainda, a importância de este processo ser iniciado na fase de recrutamento, devendo a consciência ambiental integrar os critérios de seleção de uma organização voltada para a perspectiva do desenvolvimento sustentável. A Educação Ambiental, no município de Juiz de Fora MG, é instituída por lei 9 que dispõe sobre a Educação Ambiental e define a Política Municipal de Educação Ambiental, estabelecendo que as diversas entidades de classe e as empresas devem promover programas destinados à capacitação dos trabalhadores e programas de Educação Ambiental Não Formal, em parceria com escolas, universidades e outras organizações, visando à melhoria do meio ambiente e as repercussões do processo produtivo no mesmo. Além da Secretaria de Educação (SE) que tem competência para formular, articular e implantar a política de educação municipal de forma integrada com as políticas estadual e federal, o município de Juiz de Fora, conta com a Agência de Gestão Ambiental de Juiz de Fora (AGENDA JF), que é o órgão executor do Sistema Municipal de Meio Ambiente e 8 Segundo Freire, et al. (2008), a responsabilidade social corporativa (RSC) é entendida como a expansão do papel empresarial além de seu escopo econômico e de suas obrigações legais. 9 Lei Nº de 11/07/2008 que dispõe sobre a Educação Ambiental e institui a Política Municipal de Educação Ambiental no Município de Juiz de Fora MG.

25 24 Desenvolvimento Sustentável (SISMAD), e presta suporte técnico, jurídico e administrativo ao Conselho Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (COMDEMA), órgão deliberativo do SISMAD, e às ações de articulação e integração com os órgãos setoriais do SISMAD, respeitada a competência e as determinações da DSSDA 10. A AGENDA JF conta com o Departamento de Educação Ambiental e Proteção dos Recursos Hídricos para realização de vários trabalhos no Município em conjunto com outros setores da Prefeitura e comunidade, que, como exemplos, podemos citar o incentivo ao empreendedorismo em parceria com a empresa Siderúrgica. Essa Agência de Gestão é o órgão que emite parecer sobre Licença Ambiental para diversas organizações, cumprido a legislação aplicável em consonância com o Conselho Estadual do Meio Ambiente (COPAM). Esse Conselho, através da Deliberação Normativa DN74/04, que é norma legal e regulamenta o licenciamento ambiental no estado de Minas Gerais, estabelece critérios para a classificação de empreendimentos e atividades em conformidade com o porte e o potencial poluidor. Para regularização Ambiental nos termos da DN74/04 os empreendimentos foram classificados conforme o quadro 1 que se segue: Quadro 1 Classificação dos empreendimentos CLASSES DESCRIÇÃO 1 Pequeno porte e pequeno ou médio potencial poluidor 2 Médio porte e pequeno potencial poluidor Pequeno porte e grande potencial poluidor ou médio porte e médio potencial 3 poluidor; 4 Grande porte e pequeno potencial poluidor 5 Grande porte e médio potencial poluidor ou médio porte e grande potencial poluidor 6 Grande porte e grande potencial poluidor Os empreendimentos que se enquadram nas classes 5 e 6 e cujas atividades se referem à mineração, siderurgia, hidrelétricas e barragens para irrigação, loteamentos, silviculturas, setor sucroalcooleiro/biocombustíveis ou reforma agrária, devem elaborar e implementar um Programa de Educação Ambiental (PEA), programa esse, que, de acordo com a Deliberação Normativa do COPAM DN110/07, deve ser praticado pelas empresas como exigência para a aquisição da licença ambiental, e, deve também ser integrado ao Sistema de Gestão Ambiental (SGA) da empresa. Tal programa visa como público-alvo, os empregados diretos 10 A Diretoria de Saúde e Saneamento e Desenvolvimento Ambiental DSSDA é o Órgão Gestor e Central do Sistema Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SISMAD) (Art.20 do Cap.VI). A Agência de Gestão Ambiental de Juiz de Fora (AGENDA JF) compõe, juntamente com o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DEMLURB) e a Companhia de Saneamento Municipal (CESAMA), o Nível de Implementação Descentralizada das Políticas Setoriais da Diretoria de Saúde, Saneamento e Desenvolvimento Ambiental (DSSDA), Art 4º do Cap. I.

26 25 em todos os níveis, inclusive os terceirizados (público interno) e as comunidades localizadas nas áreas de influência direta do empreendimento (público externo), comunidades essas, identificadas nos estudos ambientais requeridos no processo de licenciamento ambiental. Para orientar a elaboração de Programas de Educação Ambiental a serem apresentados pelos empreendedores ao Sistema Estadual de Meio Ambiente de Minas Gerais (SISEMA), a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) disponibiliza em seu site o Termo de Referência para Educação Ambiental Não Formal no Processo de Licenciamento Ambiental do Estado de Minas Gerais. Programas de Educação Ambiental são praticados por algumas empresas do estado de Minas Gerais. A empresa Siderúrgica conforme seu Relatório de Gestão Ambiental de 2008, promove, além da prática da Educação Ambiental Empresarial, ações com investimentos em projetos sociais, com práticas empresariais nessa área, que são de fundamental importância para obter maior sinergia entre as diversas iniciativas sociais. A Fundação Siderúrgica, segundo informações em seu site 11, é o principal instrumento de ação social do Grupo, implementando diversas atividades organizadas nas áreas de educação, saúde, cultura, meio ambiente e voluntariado, com foco na criança e no adolescente. Em 2003, tornou-se a primeira siderúrgica brasileira certificada na norma SA 8000, criada pela Social Accountability International (SAI). Baseada em convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e das Nações Unidas sobre os Direitos Humanos, a SA 8000 avalia o comportamento das empresas em relação a nove temas: trabalho infantil, trabalho forçado, segurança e saúde no trabalho, liberdade de associação e direito à negociação coletiva, discriminação, práticas disciplinares, horário de trabalho, remuneração e sistemas de gestão. A Siderúrgica, com referência à educação ambiental, afirma ter como premissa, contribuir para a formação de uma nova geração de cidadãos, mais conscientes da importância do ecossistema na preservação da vida. Segundo os documentos analisados, os programas de Educação Ambiental, realizados internamente e com as comunidades no Centro de Educação Ambiental (CEAM), visam despertar a consciência crítica das pessoas para a mudança de comportamento e atitudes. O Centro de Educação Ambiental da Siderúrgica, segundo panfleto da Siderúrgica, ocupa uma área de 320 mil metros quadrados, compreendendo dez unidades ambientais. O Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente, realizado desde 1992 nas comunidades onde há unidades da empresa, reúne crianças e adolescentes que desenvolvem redações e desenhos sobre temas específicos. O Prêmio já acumula mais de 2,5 milhões de participantes. Desenvolvido pela Fundação 11 Disponível em: Acesso em: 29 agosto 2009.

27 26 Siderúrgica Brasil, afirma-se que o Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente busca estimular os estudantes do ensino fundamental das escolas públicas e privadas a desenvolver uma visão mais ampla da questão ambiental, incorporando à reflexão aspectos relacionados à cidadania e à ética 12. Nesse sentido, consideramos fundamental investigar, por meio de estudo de caso, a experiência da Siderúrgica, pelo destaque da mesma no que se refere aos objetivos de um processo de educação ambiental que envolve funcionários e comunidade do entorno. Quais práticas e planos de educação ambiental esta empresa executa? Quais as percepções dos empregados sobre as questões ambientais? A práxis da Educação Ambiental tem como referência o Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA) e a Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis (EASS) na busca de uma educação ambiental transformadora? Segundo Carvalho (2004, apud SILVA, 2006, p. 16), a formação de um campo ambiental e sujeito ecológico se constitui em processos de transformação das relações entre a sociedade, a empresa e o ambiente dentro da empresa. Com o mergulho nas práticas educativas de Educação Ambiental Empresarial (EAE), da referida organização, buscamos analisar as concepções e práticas presentes, bem como trazer à tona tensões, presentes no cotidiano empresarial e que, em seu conjunto, podem contribuir no desenvolvimento de ações em outras organizações empresariais. 12 Disponível em: Acesso em: 27 março 2010.

28 27 3 EDUCAÇÃO AMBIENTAL TRANSFORMADORA E SUSTENTABILIDADE: REFLEXÕES SOBRE ABORDAGENS TEÓRICAS 3.1 Princípios norteadores para Educação Ambiental transformadora e sustentabilidade Ancorados em Deluiz e Novick (2004), destacamos dentre as três matrizes 13 a matriz da equidade que propõe uma reflexão sobre a matriz educacional crítica/emancipatória que orienta nosso olhar e traduz nossa perspectiva de análise dirigida às práticas de EAE. No que tange às análises dos pressupostos das matrizes que norteiam a concepção de desenvolvimento sustentável, a matriz da equidade apresenta-se como princípio norteador da sustentabilidade, destacando que desigualdade social e a degradação ambiental não estão subsumidas ao modo de produção capitalista. Segundo Acselrad e Leroy, (1999 apud DELUIZ; NOVICK 2004), a concepção de desenvolvimento conceituada na matriz da equidade, tem como horizonte a sustentabilidade democrática, onde princípios éticos e sócio-políticos orientam a distribuição dos recursos ambientais, por meio da administração desses recursos pela própria sociedade, de modo a propor: uma mudança do paradigma hegemônico de desenvolvimento econômico, com base em princípios de justiça social, superação da desigualdade socioeconômica e construção democrática ancorada no dinamismo dos atores sociais. Traz a discussão da sustentabilidade para o campo das relações sociais, analisando as formas sociais de apropriação e uso dos recursos e do meio ambiente. Compreende que as noções de sustentabilidade e de desenvolvimento sustentável são construções sociais fruto do embate político entre os vários atores em busca de hegemonia de suas posições. (DELUIZ; NOVICK, 2004, p. 23). Ainda, nesta concepção de desenvolvimento sustentável na lógica da sustentabilidade democrática, as categorias trabalho e natureza articulam-se na perspectiva de ampliação da qualidade de vida das populações e de superação da desigualdade/exclusão social e da 13 Acselrad (2001) identifica cinco matrizes discursivas de desenvolvimento sustentável em disputa pela hegemonia: matrizes da eficiência, da escala, da eqüidade, da auto-suficiência e da ética. Dentre elas, Deluiz e Novicki (2004, p. 28) em seu trabalho, destacam três matrizes discursivas: matriz da eficiência, matriz da autosuficiência e matriz da eqüidade.

29 28 desigualdade socioambiental (ibid., 2004, p. 24), não existindo subsunção da relação meio ambiente e trabalho à hegemonia do capital. Uma proposta de formação crítica dos sujeitos que permeia pela transformação da sociedade através das atitudes desses sujeitos, sejam elas de cunho político, profissional ou social, deve contribuir para o desenvolvimento integral e primar pela autonomia dos mesmos, criando assim, possibilidades de sua inserção e compreensão do mundo socioambiental e cultural. No bojo desta proposta, não pode estar excluída a discussão sobre mundo do trabalho que não prescindi da compreensão, embora carregada de complexidade, do meio ambiente e educação que necessariamente estão articuladas ao trabalho. Nesse sentido, Deluiz (1996, p. 119) considera que a formação do homem está intimamente vinculada à sua práxis produtiva e que é no seio das contradições da base material, na própria estrutura da sociedade e no movimento da história que surgem as possibilidades de superação das relações sociais que estão na base da alienação humana. Entretanto, reconhecemos nos teóricos da teoria crítica sua contribuição no resgate de um dos mais caros ideais da modernidade: o papel do sujeito no processo de desenvolvimento social, tema que Marx já havia abordado ao longo de sua obra. É preciso, portanto, recuperar a temática do indivíduo como um sujeito integral que se confronta com outros sujeitos com os quais vivencia e manifesta sua identidade social e política, jamais desvinculando a formação dos processos de individualização dos processos de solidariedade. Como proposta de EA crítica é necessário agregar as concepções e perspectivas dos sujeitos sobre as temáticas da educação, do trabalho e do ambiente, principalmente as formuladas pela sociedade. Faz-se necessário o enfrentamento e a proposição de idéias ao modelo educacional atual, visando à construção de uma Educação Ambiental crítica para um desenvolvimento sustentável, justo e solidário para o país. (DELUIZ; NOVICK 2004). Assim, é possível trazer para o campo da Educação, das relações sociais e do setor empresarial, a discussão da sustentabilidade e buscar a participação dos atores sociais, superando a desigualdade socioeconômica com base em princípios de justiça social e construção democrática. Neste contexto, a discussão sobre o desenvolvimento sustentável e a Educação Ambiental passam a ganhar um espaço relevante, também, nas organizações empresariais, e, por assim ser, é chamada de Educação Ambiental Empresarial (EAE). Segundo Pedrini (2008), os princípios do ProNEA baseam-se no TEASS, e, complementados pela Declaração Internacional de Educação Ambiental de Tbilisi (1977)

30 29 formam o referencial da Educação Ambiental e também para EAEB. Nesse sentido, apresentaremos alguns dos princípios 14 anunciados pelo Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (TEASS) os quais foram adotados pelo Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA), enquanto referências sociais e politicamente construídas, tendo como perspectiva uma prática educativa de matriz transformadora na Educação Ambiental, que constituem referência de análise da nossa pesquisa. Dessa maneira, a educação ambiental: [...] deve ter como base o pensamento crítico e inovador, em qualquer tempo ou lugar, em seu modo formal, não formal e informal, promovendo a transformação e a construção da sociedade. [...] deve tratar as questões globais críticas, suas causas e inter-relações em uma perspectiva sistêmica, em seu contexto social e histórico. Aspectos primordiais relacionados ao desenvolvimento e ao meio ambiente, tais como população, saúde, paz, direitos humanos, democracia, fome, degradação da flora e fauna, devem ser abordados dessa maneira. [...] deve facilitar a cooperação mútua e eqüitativa nos processos de decisão, em todos os níveis e etapas. [...] deve estimular e potencializar o poder das diversas populações, promovendo oportunidades para as mudanças democráticas de base que estimulem os setores populares da sociedade. Isto implica que as comunidades devem retomar a condução de seus próprios destinos. [...] valoriza as diferentes formas de conhecimento. Este é diversificado, acumulado e produzido socialmente, não devendo ser patenteado ou monopolizado. [...] deve promover a cooperação e o diálogo entre indivíduos e instituições, com a finalidade de criar novos modos de vida, baseados em atender às necessidades básicas de todos, sem distinções étnicas, físicas, de gênero, idade, religião ou classe. Sobre os princípios do ProNEA 15, citamos alguns que constituem também referência de análise da nossa pesquisa: Concepção de ambiente em sua totalidade, considerando a interdependência sistêmica entre o meio natural e o construído, o socioeconômico e o cultural, o físico e o espiritual, sob o enfoque da sustentabilidade. [...] enfoque humanista, histórico, crítico, político, democrático, participativo, inclusivo, dialógico, cooperativo e emancipatório. [...] compromisso com a cidadania ambiental. [...] vinculação entre as diferentes dimensões do conhecimento; entre os valores éticos e estéticos; entre a educação, o trabalho, a cultura e as práticas sociais. [...] pluralismo de idéias e concepções pedagógicas. [...] garantia de continuidade e permanência do processo educativo. [..] permanente avaliação crítica e construtiva do processo educativo. 14 Apresentamos alguns dos princípios do Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (TEASS), Anexo 1 do Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA), princípios 2, 7, 8, 10, 11 e , p Citamos sete dos treze Princípios do Programa Nacional de Educação Ambiental ProNEA, 2004, p. 37.

31 30 Essas referências dialogam com a referida perspectiva de uma Educação Ambiental crítica e emancipatória para contribuir com a transformação socioambiental dos cidadãos e nos direciona a algumas reflexões sobre os pensamentos dos educadores Paulo Freire e também de Edgar Morin. 3.2 Paulo Freire e Edgar Morin: necessárias reflexões Fundamentalmente, a educação não deve ser conservadora, porque, assim seria imaginar que o ideal é a situação atual; nem adaptadora, porque seria pensar que a socialização é a única maneira de amadurecer, nem tampouco será imposta totalmente pela sociedade, porque a educação goza de uma liberdade que lhe permite prever a evolução para transformação social. Conforme Freire (2009, p. 37), A liberdade, que é uma conquista, e não uma doação, exige uma permanente busca. Paulo Freire, considerado por muitos como o maior educador do século XX, deu origem a uma original concepção dialógica, problematizadora, conscientizadora e libertadora da educação, em contraposição à educação tradicional. Ao longo de seu trabalho relacionou e integrou as dimensões cognitivas, afetivas, sensitivas, éticas, estéticas e políticas dos seres humanos. Designando a educação tradicional baseada em pressupostos behavioristas por concepção bancária, tem um papel passivo no processo de aprendizagem, limitando-se a memorizar e a armazenar os conhecimentos que o educador transmite através de aulas predominantemente expositivas e narrativas, visando somente atingir os domínios cognitivos (as inteligências lógico-matemática e lingüística). Desta forma, o desenvolvimento do educando é compartimentado e limitado transformando-os em seres domesticados e alienados. (GADOTTI, 2000 apud PELLICCIONE, 2007, p. 25). Freire (2009, p , 79) entende que a aquisição de conhecimentos não pode estar restrita a tão somente a acomodação ou adaptação dos cidadãos, e destaca que a educação deve acima de tudo transformar a realidade para, desta maneira, modificar e recriar processos de educação e não de adestramentos. É a partir deste saber fundamental: mudar é difícil mas é possível, que Freire considera o comprometimento como um caminho para o

32 31 processo de aprendizagem, não importando se o processo de alfabetização é para crianças, adultos ou somente para formação de mão-de-obra técnica. É difícil conceber que educadores não estejam comprometidos e engajados com o processo de aprendizagem. A falta de compromisso sugere a existência de várias barreiras entre educador e educandos, como falta de conhecimento; de domínio; de liberdade e de estímulos. O descomprometimento empobrece a aprendizagem, enfraquece, desvirtua, aprisiona. O comprometimento cria novos caminhos, fortalece e fornece condições para educador e educandos superarem todas as possíveis barreiras e alcançarem, assim, através de processos de formação global, a transformação dos cidadãos. O processo educacional constituído em bases pedagógicas comprometido com a formação global dos indivíduos, de forma abrangente e não somente localizada, prepara-os para além de especializações, onde ocorre a aquisição de determinado grau de crescimento pessoal, preparando-os intelectualmente para os mais diversos desafios, tanto na área acadêmica e profissional quanto na pessoal. Quanto à transformação dos indivíduos, Morin (2007, p ) entende que a verdadeira transformação só poderia ocorrer com a intertransformação de todos por meio de uma transformação global retroagindo nas transformações individuais. Ambos os sujeitos do processo educativo como educandos, líderes, educadores etc., devem buscar, além do entendimento e recriação do conhecimento, o conhecimento crítico para superar as barreiras da realidade onde se encontram. Educador e educandos que se envolvem na perspectiva da educação bancária, considerada por Freire, ficam distantes da realidade de promoverem criatividade, rompem o elo com o saber e não promovem a transformação. É preciso entender que a educação libertadora, problematizadora, já não pode ser o ato de depositar, ou de narrar, ou de transferir, ou de transmitir conhecimentos e valores aos educandos, meros pacientes, à maneira da educação bancária, mas um ato cognoscente. Como situação gnosiológica, em que o objeto cognoscível, em lugar de ser o término do ato cognoscente de um sujeito, é o mediatizador de sujeitos cognoscentes, educador, de um lado, educandos, de outro, a educação problematizadora coloca, desde logo, a exigência da superação da contradição educador-educandos. Sem esta, não é possível a relação dialógica, indispensável à cognoscibilidade dos sujeitos cognoscentes, em torno do mesmo objeto cognoscível. (FREIRE, 2009, p. 78).

33 32 A aprendizagem se faz entre professor e alunos diante uma situação problema que permeia para uma dialógica aberta, crítica e indagadora, promovendo a humanização e a aproximação dos cidadãos através de uma formação que insere não só o sujeito cognoscente como também o mediatizador na experiência e realidade da vida, com toda sua complexidade. Isso significa desenvolver outras formas de inteligibilidade, como propósito de resgatar os valores essenciais do ser humano. Bragança (2009, p. 39) destaca a necessidade de uma formação mais humana: Indícios da pesquisa educacional nos levam a perceber que a racionalidade, em que estão assentados nossos cursos de formação inicial e contínua, tende a excluir a vida e as complexidades existenciais. Colocando-se a formação longe da vida, há dificuldade de tocar os sujeitos, de aflorar a experiência, favorecendo a vivência pontual e fragmentada. Uma das perspectivas, que já se vem colocando em diversas pesquisas e práticas, é a busca de uma formação ancorada em uma racionalidade mais humana, e, portanto, necessariamente mais sensível e dialógica, como nos ensina Paulo Freire. As trilhas da Educação levam ao fortalecimento do elo entre os seres, permitindo a constante e necessária dialógica que fortalece e humaniza a vida, não deixando que o elo se rompa ao vazio e nem mesmo ao esforço exagerado da irracionalidade. Assim, a Educação continua a desempenhar um papel inegável no processo de transformação do homem, e descobre em seus caminhos a Educação Ambiental como valioso meio para alcançar a promoção social. Esta Educação, devidamente contextualizada, perspectiva por ações reflexivas e críticas, inserindo os cidadãos com as questões ambientais de modo que eles possam contribuir para uma sociedade sustentável. Entendemos também, conforme Tristão (2007, p. 5), que a EA deve assumir uma característica crítica, emancipatória e transformadora que é defendida por autores como Carvalho (2008), Layrargues (2008), Deluiz e Novicki (2004) e Loureiro (2009), com o princípio comum de fortalecer aqueles sem poder por meio da transformação socioambiental e reduzir os problemas sociais. Freire (2000) entende que a educação não deve ser considerada apenas para nos adaptar, mas, sobretudo como instrumento do ser para a transformação de si mesmo e para a modificação da realidade, que deve provocar intervenções, recriando-a, ressaltando, portanto que a práxis é uma reflexão e ação dos homens sobre o mundo para transformá-lo. Quanto mais as massas populares desvelam a realidade objetiva e desafiadora sobre a qual elas devem incidir a sua ação transformadora,

34 33 tanto mais se inserem nela criticamente. A educação problematizadora se faz, assim, um esforço permanente através do qual os homens vão percebendo, criticamente como estão sendo no mundo com que e em que se acham. (FREIRE, 2005, p. 42;44;82). São várias as propostas para inclusão da EA no cenário educacional, propostas estas que são balizadas também por programas internacionais. Entendida como um caminho promissor de proteção e melhoria da qualidade ambiental, a EA passa a ser utilizada como instrumento de referência para diversas atividades que se desenvolvem nas áreas industriais. Piva (2004, p. 8) entende a questão da EA, enquanto uma ação estratégica em busca da formação de indivíduos capazes não mais de dominar, mas de seguir/guiar a natureza, e, cita que, para Morin, este novo casamento entre a natureza e a humanidade necessitará, sem dúvida, como acabamos de dizer, de uma superação da técnica atual que por sua vez necessita de uma superação do modo de pensar atual, inclusive científico. Nesta condição do pensamento, a educação básica parece e deve ser o foco central, pois é dali que se inicia uma miríade de saberes capazes de potencializar as vicissitudes da ciência. As idéias de Morin alcançam diferentes públicos e apresentam uma visão transdisciplinar da educação, sendo este autor, solicitado pela UNESCO para expor suas idéias sobre a educação do futuro, onde Piva (2004, p. 12) apresenta a seguinte argumentação: Por um lado, contribui para a consolidação das bases do projeto de universalização de parâmetros curriculares proposto por esse organismo, reforçando, inclusive, a perspectiva que coloca a educação como a grande estratégia contra a crise atual de nossas sociedades. E, por outro lado, dá a Morin grande visibilidade, tendo em vista o alcance que essas proposições têm sobre um público nem sempre especializado. Nascimento (2007, p. 6) argumenta que tanto Morin quanto Freire, repensam as competências que envolvem o processo educativo e propõem mudanças, para que seja a humanidade da humanidade intenção de preocupação inserida na formação dos sujeitos. Com essa preocupação, Paulo Freire sempre acreditou na necessidade de se transformar os educadores para que desta maneira se concretize a diversidade dos saberes. Morin defende o paradigma para uma educação inteligente, criativa e conectiva como caminho para liberdade. A formação educativa requer, conforme o pensamento de ambos, uma consciência reformadora.

35 34 Esses pensamentos, intenções e entendimentos, a diversidade dos saberes, e o paradigma de uma educação devem passar por um processo de fundição 16 faço aqui uma metáfora com os saberes da Metalurgia onde a liga metálica fundida após ter sua composição química adequadamente balanceada, é vazada 17 no molde que confere ao metal a forma desejada pelo modelo que depois de solidificada, de construída, poderá, se preciso for, ser refundida, ajustada/adequada, também com outros saberes, processos e técnicas. Então, esta bela obra, fruto de vários saberes, é reconhecida por todos, que após passar pelas habilidades, competências, sensibilidade e comprometimento do artesão fundidor, é disponibilizada para cumprir sua função, pois carrega em sua forma, talvez subjetiva, as surpreendentes propriedades que lhe conferem condição para sua utilização em diversos meios e etapas de nossas vidas. Esta é a metáfora onde o processo educativo deve levar à fusão, as diversas formas de saberes populares, saberes técnicos, científicos ou empíricos, fusão esta que rompe horizontes ocultos e vaza ocupando novos espaços, moldando a liberdade, a emancipação e a transformação dos indivíduos, que imbuídos de propriedades, agora intelectuais e humanísticas, tornam-se não pelas suas formas, mas, por sua formação capazes não de serem usados, mas, de servir ao próximo e educar, nos diversos ambientes de aprendizagem e fases da vida para resgatar, fundir e difundir valores essenciais no ser humano. Assim, faz-se necessário e urgente pensarmos a educação como uma força motriz para a reconstrução do sujeito social ativo, capaz de apontar novos caminhos no tecer contínuo do conhecimento. Em momentos permeados de incertezas, próprios da época contemporânea, o pensamento educacional requer um diálogo crítico e uma constante abertura para o novo. Isso significa desenvolver outras formas de inteligibilidade, como propósito de resgatar os valores essenciais do ser humano, mediante um aprendizado ininterrupto ancorado no questionamento da realidade. (NASCIMENTO, 2007, p. 2). Ao refletirmos sobre as elucidações de Paulo Freire, no que se refere à educação, necessário se faz, pensar os processos educativos que se estabelecem nos mais diversos meios, bem como os sujeitos que neles interagem. A Educação, força motriz, que possibilita a construção e reconstrução do sujeito enquanto ser social, ativo, capaz de apontar e tecer novos caminhos requer um diálogo crítico 16 Processo de fabricação de peças onde do metal líquido que é vazado no molde que tem a forma do modelo da peça desejada. 17 Do verbo vazar, termo usado em metalurgia, quando derrama o metal líquido no molde para ganhar forma.

36 35 e uma constante abertura para novas possibilidades. Para Freire (2008), a esperança de um mundo mais justo e livre tem início a partir da desalienação do indivíduo, a qual possibilitará ao mesmo humanizar-se, sendo a educação um canal potencializador da consciência crítica dos indivíduos e conseqüente transformação. Sua proposta pedagógica transcende as formas educativas concebidas até então, uma vez que pauta-se em uma pedagogia conscientizadora. Onde o educador constitui-se problematizador da realidade, através de uma relação dialética, com a presença constante do sentimento de aceitação do outro, da interação com ele e da intersubjetividade. Nesta perspectiva, podemos acrescentar as idéias de Morin (1980, p. 32), que possibilita refletirmos neste tocante a seguinte consideração: [...] a conscientização" do conhecimento pode transmitir-se e ensinar-se como qualquer outro conhecimento. Mas há problemas ou situações que necessitam de uma tomada de consciência pessoal. Pode certamente ajudarse os outros a tomar consciência, mas uma tomada de consciência é mais que uma tomada de consciência: é um ato reflexivo que mobiliza a consciência de si, empenhando o sujeito numa reorganização crítica do seu conhecimento, ou mesmo num voltar a pôr em causa os seus pontos de vista fundamentais [...]. Neste sentido, não cabe mais a relação verticalizada entre educadores e educandos, onde um constitui-se como sujeito e o outro como objeto. Ambos, com a mudança de pensamento pedagógico, são sujeitos do ato cognoscente, onde se aprende ensinando e ensinase aprendendo. O diálogo, neste contexto, necessita estar imbuído de um verdadeiro pensar crítico, não dicotomizando a relação homem e mundo, mas percebe-os em intrínseca relação. Sendo assim, a consciência de ser inacabado, em constante construção e reconstrução de saberes e práticas possibilita aos homens se fazerem e refazerem na interação com o mundo. Dialogando, com a perspectiva Freireana de educação, Edgar Morin defende a desfragmentação do ensino, de modo que o sujeito compreenda o ato de ensinar/aprender conforme nos apresenta Freire, como forma de intervenção no mundo. O mundo, nesta perspectiva não constitui mais algo construído por falsas palavras, mas como construção coletiva, que resulte na humanização dos sujeitos. Em ambos os autores, encontramos uma crítica veemente à educação bancária, argumentando que:

37 36 Na concepção bancária (burguesa), o educador é o que sabe e os educandos, os que não sabem; o educador é o que pensa e os educandos, os pensados; o educador é o que diz a palavra e os educandos, os que escutam docilmente; o educador é o que opta e prescreve sua opção e os educandos, os que seguem a prescrição; o educador escolhe o conteúdo programático e os educandos jamais são ouvidos nessa escolha e se acomodam a ela; o educador identifica a autoridade funcional, que lhe compete, com a autoridade do saber, que se antagoniza com a liberdade dos educandos, pois os educandos devem se adaptar às determinações do educador; e, finalmente, o educador é o sujeito do processo, enquanto os educandos são meros objetos. (FREIRE, 1987, p. 34). Contrapondo-se a educação bancária, o educando, enquanto sujeito do processo educativo necessita refletir sobre si, sobre seu estar no mundo, sua relação nele e com ele. Sua imersão nele possibilitará reflexionar a respeito da realidade a qual não pode mudar, mas transformar. Portanto, não há homem sem mundo, nem mundo sem homem, ambos encontram-se em relação intrínseca e constante, onde não há possibilidade de reflexão-ação, fora do contexto existente. Cabe ainda ao educador, enquanto mediador do processo educativo e das diversas relações com o mundo, assumir seu papel enquanto ser integrante desta práxis libertadora, a qual possibilita a emancipação do sujeito e sua constituição enquanto cidadão crítico e co-criador de sua realidade. Emerge então, a necessidade de compreender enquanto profissional e humano que não está desvinculado do contexto histórico-social, assim como os educandos, pois, antes de ser profissional da educação é humano, o qual deve ser comprometido consigo mesmo e com as diversas formas de vida que nos rodeia e que nos torna capazes de melhorar o mundo. Para tanto, Freire (2000, p. 31) nos convoca à busca e à defesa de princípios fundamentais por que [...] urge que assumamos o dever de lutar pelos princípios éticos mais fundamentais como do respeito à vida dos seres humanos, à vida dos outros animais, à vida dos pássaros, à vida dos rios e das florestas. Não creio na amorosidade entre mulheres e homens, entre os seres humanos, se não nos tornarmos capazes de amar o mundo. A ecologia ganha uma importância fundamental neste fim de século. Ela tem que estar presente em qualquer prática educativa de caráter radical, crítico ou libertador. É emergente desenvolvermos ações de ordem política, econômica, social ou de outra ordem, mas abarcada por princípios éticos fundamentais que não só sustentam a vida, mas que garantam a boniteza do mundo, das pessoas, das vidas que fazem de tudo um verdadeiro

38 37 espetáculo e mistério da criação, e possibilite assim, educar o humano para a humanidade. Então, que seja também a educação ambiental um eixo fortalecedor desses princípios. 3.3 Educação Ambiental A formação da consciência ambiental, a interação sobre os problemas socioambientais, bem como a sensibilização dos indivíduos e estímulos às ações que possam minimizar/evitar os problemas, de modo a melhorar a qualidade de vida em nosso planeta, só podem ser alcançados entendemos nós através da educação transformadora. A educação ambiental atende a necessidade de práticas sociais que venham sensibilizar o público sobre os problemas de relacionamento do homem com a natureza. Esta sensibilização pode ser trabalhada através da percepção ambiental, definida por Ferrara (1993), como a operação que expõe a lógica da linguagem que organiza os signos expressivos dos usos e hábitos de um lugar. É uma explicitação da imagem de um lugar, veiculada nos signos que uma comunidade constrói em torno de si. Nesta acepção, a percepção ambiental é revelada mediante uma leitura semiótica da produção discursiva, artística, arquitetônica de uma comunidade. (ABUHID, et al. 2009, p. 3). A educação ambiental segundo Souza (2002, p. 7) que referencia Sauvé (1994) e Jost (1996) é essencial para mudança de valores; para transmissão de conhecimentos e saberes coletivos; construção de uma sociedade pautada na democracia, além de promover nos cidadãos a capacidade de participação efetiva nas políticas sociais. Devido à emergência das questões ambientais, uma mudança significativa vem se processando. Dos conhecimentos teóricos e práticos, fundam-se a racionalidade social e produtiva em processo de dominação. Portanto, é de suma importância a compreensão da complexidade da problemática ambiental, dos processos que a caracterizam, bem como, todas as questões que emergem, das reflexões a ela vinculadas. É importante, ainda, compreender que o saber ambiental encontrase em construção, uma vez que: O saber ambiental está num processo de construção. Em muitos campos ainda não se constitui como um conhecimento acabado que possa integrar-se a pesquisas interdisciplinares ou desagregar-se em conteúdos curriculares para incorporar-se a novos programas de formação ambiental. O saber

39 38 ambiental tampouco constitui uma dimensão neutra e homogênea para ser assimilada pelos paradigmas atuais de conhecimento. Pelo contrário, o saber ambiental depende do contexto ecológico e sociocultural no qual emerge e se aplica. É um saber que nasce diferenciado, em relação com o objeto e o campo temático de cada ciência, questionando e induzindo uma transformação desigual de seus conceitos e métodos. (LEFF, 2007, p. 163). A construção do saber ambiental perpassa diversos aspectos, dentre eles a conceituação, bem como sua objetividade prática. Este saber emerge de um processo de transformação do conhecimento, o qual impulsionou a busca de novos métodos interdisciplinares, os quais são capazes de integrar-se, desfragmentalizando as percepções fracionárias. Tal interdisciplinaridade propõe uma nova visão do processo de desenvolvimento, a qual possibilite a manifestação de uma concepção voltada para a complexidade da ecologia, uma vez que a mesma constitui a ciência das inter-relações. Contudo, Leff (2009, p. 243) considera que a educação ambiental está longe de ter penetrado e trazido uma nova compreensão do mundo no sistema educacional formal, justificando, talvez, que Os princípios e valores ambientais promovidos por uma pedagogia do ambiente devem enriquecer-se com uma pedagogia da complexidade, que induza nos educandos uma visão da multicausalidade e das inter-relações dos diferentes processos que integram seu mundo de vida nas diferentes etapas de desenvolvimento psicogenético; que gere um pensamento crítico e criativo baseado em novas capacidades cognitivas. Ao refletirmos sobre Educação Ambiental na atualidade, devemos, conforme Loureiro (2009) ter em mente que a mesma não constitui campo genérico de atuação e reflexão. Embora múltiplas dimensões estejam permeando a complexa temática ambiental, em diversas situações, nos deparamos com discussões pontuais, focadas em questões ecológicas, centrando, a problemática à mesma, desconsiderando as práticas sociais que a ela também dão origem. Sendo assim, necessário se faz redefinir conceitual e ideologicamente o meio ambiente, a fim de se apresentar um novo enfoque, com maior abrangência conceitual que permita uma articulação com a dinâmica social. Dessa forma, é de fundamental a compreensão dos seres humanos, enquanto sujeitos que atuam e interagem entre si e com o meio, interferindo significativamente na construção e re-construção de ações voltadas ao ele, bem como às questões ecológicas. Para que as mudanças emergentes ocorram, é de suma importância que seja vislumbrada uma formação do indivíduo enquanto cidadão, comprometido com a construção

40 39 de uma sociedade mais igualitária, cuja prudência e respeito, constituam a base da reflexão ambiental. Visando a ocorrência de mudanças efetivas, necessário se faz compreender a sociedade onde as mesmas são gestadas, a qual está imbuída de valores, os quais não constituem mero reflexo da estrutura econômica que é também causadora de problemas sociais e ambientais. Dessa forma, Não há mudança ética possível que ignore a sociedade em que se move, [...] valores não são um simples reflexo da estrutura econômica, mas se definem a partir de condições históricas específicas [...] inseridas num movimento dialético de mútua constituição entre objetividade e subjetividade. (LOUREIRO, 2009, p. 50). A sociedade está imersa na complexidade ambiental que é causa de problemas e desigualdades sociais. A Educação Ambiental crítica, apresenta a dimensão socioambiental para tematização e resolução/prevenção desses problemas, através de processos pedagógicos que vão se construindo a partir da concepção política de educação. Desta forma, a pedagogia da EA crítica se sobrepõe à educação conservadora, à adaptadora e também à educação imposta, trilhando assim, para os caminhos de uma educação transformadora. O Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (TEASS), conforme Tozoni-Reis, é referência de uma miríade de trabalhos sobre EA no Brasil e também no mundo. Este TEASS foi revisitado no VI Congresso Ibero-Americano de Educação Ambiental em 2006, e reconhece a educação como direito dos cidadãos e firma a posição na educação transformadora. Este documento reflete a trajetória da educação ambiental considerada um processo de aprendizagem permanente, baseado no respeito a todas as formas de vida e que afirma valores e ações que contribuam para as transformações socioambientais exigindo responsabilidades individual e coletiva, local e planetária. A educação ambiental para a sustentabilidade é compreendida, então, como fundamento da educação ambiental crítica, transformadora e emancipatória, como referência para a construção de sociedades sustentáveis, socialmente justas e ecologicamente equilibradas. A educação ambiental para sustentabilidade, neste documento, é uma educação política na perspectiva democrática, libertadora e transformadora. (TONZONI-REIS, 2007, p. 177). O Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA), documento este, sintonizado com o Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade

41 40 Global, compõe em seu arcabouço as diretrizes, princípios e missão que orientam as ações do deste Programa, delimitando seus objetivos, suas linhas de ação e sua estrutura organizacional. Nesse sentido, a criação do ProNEA se configura como um esforço do governo federal no estabelecimento das condições necessárias para a gestão da Política Nacional de Educação Ambiental - PNEA, fortalecendo os processos existentes nessa direção na sociedade brasileira. (ProNEA, 2004, p. 19). Santos (2005, p. 4) considera os componentes filosófico e comportamental da EA com grande importância. A EA deve ser entendida como Educação Política, no sentido de que ela reivindica e prepara os cidadãos para exigir justiça social e autogestão, ou ao menos gestão (realmente) participativa. A EA deve enfatizar a questão por que fazer? Antes de como fazer? Considerando-a como educação política. A EA diante das grandes mudanças no mundo tende a questionar as opções políticas existentes e também o conceito atual da EA, procurando ser além de inovadora, criativa e crítica, ser objeto de transformação social. Nessa condição, a EA não deve ser tratada como política de governo, mas necessariamente como política pública. Considerar de caráter político a ação educativa decorre da constatação de sua intencionalidade e da impossibilidade de sua neutralidade. Portanto, como atividade da prática social, a educação, e, portanto, a educação ambiental, são eminentemente políticas. (TOZONI-REIS, 2007, p. 1). Se direcionada para a transformação social, a educação crítica situa-se no horizonte das ações políticas educacionais. A crise ou problemas ambientais são fenômenos que não se desvinculam do caráter social, mesmo que despercebidos pelos indivíduos ou até mesmo pelo Estado. Devemos agregar em nossas atitudes, a necessidade e relevância da imersão/inserção das questões socioambientais no âmbito político para que dessa maneira essas questões sejam amparadas por políticas públicas que apóiem e garantam ações ambientalmente corretas. Carvalho (2008, p. 61) argumenta que A partir de sua inserção concreta na defesa e/ou disputa pelos bens ambientais, muitas lutas adquirem uma dimensão pedagógica, na medida em que instituem espaços efetivos de questionamento, encontro, confronto, e negociação entre projetos políticos, universos culturais e interesse sociais diferente. Para além dos seus resultados imediatos, estas lutas, tanto quanto a educação ambiental orientada para a cidadania, podem contribuir de uma

42 41 forma muito concreta para o avanço de um dos grandes desafios contemporâneos: a busca de possíveis novas tecituras entre a natureza e a política bios e polis. Segundo Loureiro (2009, p. 89), para que uma EA provoque mudanças individuais e coletivas, locais e globais, estruturais e conjunturais, econômicas e culturais, ela deve estar fundamentada em conteúdo emancipatório, em que a dialética entre forma e conteúdo se estabelece de tal maneira que promova alterações das atividades vinculadas ao fazer educativo, então, teremos a EA transformadora, Conforme o referido autor, em meio ao cenário que se apresenta, reflexionar e buscar alternativas didático críticas sobre suas questões mais significativas, fazem do trabalho um constante processo de ação-reflexão-ação, fazendo, desta forma, um movimento histórico de ruptura com a modernidade capitalista vigente. Nesse sentido, a falta de rigor teórico, bem como a apropriação indistinta dos saberes referentes à temática ambiental, comprometem em sobremaneira o trabalho, ocasionando uma perda de competência no ato cognoscente do quefazer pedagógico, ecológico, cidadão e crítico, argumentando que: [...] transformação do eu é mediatizada pela sociedade, que por nós é constituída (e pela qual somos constituídos), e pelas relações com o outro. Assim, é preciso que se entenda a complexidade do processo de transformação global a que se dispõe a Educação Ambiental e a impossibilidade de se alcançá-la baseando-se os procedimentos pedagógicos apenas em um aspecto, como se este se replicasse espontaneamente pela sociedade. (LOUREIRO, 2009, p. 21). Entendemos que Loureiro nos alerta quando na definição de fundamentos críticos para embasar as discussões sobre Educação Ambiental, os quais devem possibilitar o estabelecimento de um processo dialógico, que permita a contribuição de diferentes campos teóricos no sentido de subsidiar as discussões e implementações de políticas públicas, favorecendo múltiplas abordagens, considerando o contexto socioambiental, de modo a possibilitar a transformação, sem desconsiderar a complexidade dos processos educativos. Vários órgãos têm atuado nos temas ambientais, vale ressaltar a implantação do órgão gestor da Política Nacional de EA, para que desta maneira possa efetivamente atuar na EA nas suas diversas modalidade formal e não formal efetivando os instrumentos da política pública ambiental. Segundo Lanfredi (2002, p ), eram consideradas normais, em conseqüência do progresso tecnológico e econômico, as agressões ao meio ambiente. Um tratamento jurídico

43 42 especial só começou a ser exigido ao final dos anos de 1950, pois não havia até então, uma consciência sobre o problema socioambiental. Data de a Convenção de Paris para utilização de energia atômica, que criou um regime profundamente original de responsabilidade na época, permanecendo como modelo, ainda hoje, para responsabilização de empresas, cuja atividade provoca graves perigos para o meio ambiente [...], responsabilidade civil por danos ecológicos, assistiu-se, na França e na União Européia, contínua evolução, que culminou com o consenso dos Estados europeus em estabelecer, na Convenção de Lugano, um regime especial de responsabilidade por atividades perigosas ao meio ambiente (réparation des dommages résultant des activités dangereuses). No Brasil, de acordo com Little (2003, p ), nos últimos 25 anos, a problemática ambiental foi de grande preocupação por um amplo leque de grupos sociais, devido à constante e visível degradação ambiental em todas as regiões do país. Houve uma mobilização social muito expressiva na década de 1980, que serviu, para depois de duas décadas de regime militar, impulsionar o processo de redemocratização da sociedade brasileira, recebendo apoio inclusive, de movimento ambientalista internacional, incentivando ou despertando o Estado sobre a necessidade de maior atenção às políticas ambientais. As ações governamentais constituem uma das dimensões das políticas públicas. Estas políticas são estabelecidas, e assim devem ser, considerando uma sociedade democrática permitindo a participação efetiva e abrangente dessa sociedade. Neste contexto, vislumbra-se uma perspectiva de atenuar a crise ambiental que segundo Leff (2009, p. 236) irrompe na história contemporânea marcando os limites da racionalidade econômica. Emerge então, proposições e ações em prol da Educação ambiental que em meio à globalização da degradação socioambiental, trouxe ao campo de discussões a importância da agregação de valores e princípios ecológicos/ambientais para a sustentabilidade do todo. Podemos dessa maneira, considerar que o ambiente se encontra integrado por processos físicos e sociais dominados e geridos de acordo com a racionalidade econômica dominante, os quais se refletem e se desdobram na forma de uma natureza super explorada e degradada, onde há uma grande perda de recursos da população, bem como a dissolução das identidades étnicas, aonde vem sendo comprometida a qualidade de vida diante à crise ambiental que se agrava. Fundamentalmente deve-se interagir com o meio ambiente, para conseguir ou tentar entender que:

44 43 O ambiente não é o meio que circunda as espécies e as populações biológicas; é uma categoria sociológica (e não biológica), relativa a uma racionalidade social, configurada por comportamentos, valores e saberes, bem como, por novos potenciais produtivos. Neste sentido, o ambiente do sistema econômico está constituído pelas condições ecológicas de produtividade e regeneração dos recursos naturais, bem como pelas leis termodinâmicas de degradação de matéria e energia no processo produtivo. O ambiente estabelece potenciais e limites às formas e ritmos de exploração dos recursos, condicionando os processos de valorização, acumulação e reprodução do capital. (LEFF, 2007, p. 160). Nesse sentido, constituem-se por saber ambiental os conhecimentos referentes ao campo supracitado, manifestando-se pela racionalidade no campo econômico, científico e tecnológico da modernidade e social, sendo essa, agora múltipla racionalidade, um pilar de base sólida não deve sustentar a crise ambiental. Contudo, o ambiente apresenta-se configurado no campo das ciências não reintegráveis e internalizáveis por extensão e racionalidade científica a estes saberes esquecidos e espaços negados. Essa crise ambiental que abarca o planeta, não é uma crise somente ambiental, é também uma crise científica, e ela apresenta diversas fronteiras, pois se refere à própria sustentação da vida. Entendemos que é urgente a discussão, as propostas e práticas de uma Educação Ambiental crítica, emancipatória, e transformadora da sociedade. Os programas educativos relacionados à conscientização da crise ambiental, bem como as políticas ambientais demandam enfoques que integram uma realidade geradora de desigualdades, e não podem ficar à mercê dos conhecimentos científicos e tecnológicos ineficazes, que não desenvolvem nos cidadãos a consciência ambiental necessária. Dessa maneira, a EA deve ser vista como um processo de permanente aprendizagem, que valoriza as diversas formas de conhecimento e forma cidadãos com consciência local e planetária (JACOB, 1998, p. 13). Novicki (2007, p. 152), sobre a consciência ambiental, considera a necessidade de ir além, esclarecendo que: não basta ter consciência ambiental ou conhecimentos necessários para compreender e transformar a realidade socioambiental. Faz-se necessária a organização/mobilização dos trabalhadores, que é dificultada pela desconexão da temática ambiental dos demais problemas cotidianos, o que se deve à internalização/reprodução de uma abordagem reducionista de meio ambiente.

45 44 Evidentemente, essa interpretação reducionista do meio ambiente, onde a abordagem ambiental fica restrita a uma parte e muito expressiva que contribui pela estagnação de crescimento e transformação dos cidadãos. A visão ou interpretação que muitos têm sobre o meio ambiente é sempre focada pelo ponto de vista ecológico (fauna, flora, rios), ou seja, protegendo, cuidando e preservando esses ambientes, os problemas estarão, senão estagnados, resolvidos. Dessa maneira, passa a ser volátil a problemática causada pelo suposto desenvolvimento industrial. Por tal motivo, cabe ao educador compreender e ocupar seu papel na sociedade em que se insere, assumindo sua responsabilidade social, auxiliando na problematização da realidade, por meio de uma relação dialética emancipatória que permita a geração de mudanças significativas na sociedade. Com essa ocupação, podemos compreender que a educação Ambiental constitui não somente um elemento de apresentação de valores e atitudes, mas, também, um elo de transformação social, inspirado na relação de dialogicidade, onde o exercício da cidadania possibilita ao sujeito fortalecer-se, bem como superar as formas de dominação capitalista por meio da construção de sua leitura crítica de mundo. No que se refere a tal questão, segundo Loureiro (2009, p. 23) a [...] Educação Ambiental, num momento em que o pós-modernismo decreta o fim da história em que o neoliberalismo reduz tudo à economia de mercado, educar sem clareza do lugar ocupado pelo educador na sociedade, de sua responsabilidade social, e sem a devida problematização da realidade, é se acomodar na posição conservadora de produtor e transmissor de conhecimentos e de valores vistos como ecologicamente corretos, sem o entendimento preciso de que estes são mediados social e culturalmente. O que, por si só não geram mudanças significativas do quadro em que vivemos que reproduz um padrão de sociedade que, paradoxal e discursivamente, é negado por educadores ambientais. Discorrer sobre a realidade social é buscar entendimentos e possíveis e promissores caminhos para educação, em busca de soluções para as questões socioambientais. A problemática ambiental, entende Leff (2007, p ), surge em meio a duas questões pontuais: crise da racionalidade econômica e crise teórica da modernidade. Dessa forma, o desenvolvimento passa a adquirir um aspecto complexo, que ultrapassa a compreensão de resolução de situações por meio de uma perspectiva unilateral. Embora o saber ambiental seja absorvido e assimilado pelos diversos saberes científicos, o mesmo não constitui campo discursivo homogêneo. Ele surge de uma postura crítica, onde os paradigmas são

46 45 problematizados, não constituindo, deste modo, um saber unitário, sendo que sua interdisciplinaridade constitui processo de reconstrução social, potencializador de uma transformação ambiental do conhecimento. Há de se buscar, em situações pré-existentes promoção de discussões onde se averigúem suas possíveis causas, bem como a busca de alternativas de soluções, possibilitando, assim, uma racionalidade ambiental, que inclua novos princípios e meios de reorientação das formas de utilização e manipulação da natureza e seus recursos, princípios esses que estão inseridos em documentos de grande relevância para os assuntos ambientais, como os da Conferência de Tbilisi, TEASS e ProNEA, como exemplos. Layrargues (2008, p. 90), com referência à Conferência de Tbilisi, realizada em 1977 na ex-urss, por meio da UNESCO, considera que tal conferência apresenta: uma visão crítica da realidade bastante pertinente, demonstrando que a causa primeira da atual degradação ambiental possui sua raiz no sistema cultural da sociedade industrial, cujo paradigma norteador da estratégia desenvolvimentista, pautada pelo mercado competitivo como a instância reguladora da sociedade, fornece uma visão de mundo unidimensional, utilitarista, economicista e a curto prazo da realidade, onde o ser humano ocidental percebe-se numa relação de exterioridade e domínio da natureza. Ainda, Layrargues (2008, p. 90) considera que muitos educadores entendem que os impactos ambientais são oriundos de fatores como: explosão demográfica; agricultura intensiva; crescimento das indústrias etc., como se tais fenômenos estivessem dissociados da visão de mundo instrumental da sociedade na qual foram originados. E acrescenta a importância de Tbilisi pelo rompimento do paradigma ambiental que era reduzido ao sistema ecológico, ou seja, uma educação conservacionista, que desconsidera o meio ambiente em sua totalidade, descartando, por exemplo, o setor industrial. As empresas que compõem esse setor industrial devem cumprir as determinações das leis e orientações estabelecidas em diversas normas e resoluções direcionadas especificamente para esse setor, com diversas finalidades que dentre tantas podemos citar: prevenir e corrigir os inconvenientes e prejuízos da poluição e da contaminação do meio ambiente, causados em conseqüências das atividades produtivas. Se as medidas mitigadas e protetoras ao meio ambiente não forem efetivadas, os responsáveis pelas empresas poderão sofrer ação de Responsabilidade Civil por Danos Causados ao Meio Ambiente, que atribui ao provocador do dano a responsabilidade objetiva de indenizar, e reparar o dano, podendo até ser determinado o

47 46 fechamento ou cancelamento do funcionamento do estabelecimento industrial. (LANFRED, 2008). Novicki (2007, p. 159) chama atenção para a inegável contribuição da educação no processo de transformação e construção de políticas públicas eficientes, e até mesmo na reversão de situações, de maneira que, O processo de transformação das demandas/exigências socioambientais em políticas públicas, além de assumir a forma de intervenções conjunturais, pontuais e emergenciais políticas de apagar incêndios (NOVICKI, 2000), é historicamente marcado pela ênfase no caráter punitivo (sanções penais e administrativas), em detrimento da dimensão educativa, que entendemos ser fundamental para a reversão do atual quadro de crise socioambiental em países como o Brasil, onde ainda persiste uma cultura política autoritária, particularmente na relação Estado-Sociedade. Diante desse quadro de sanções penais e administrativas a educação ambiental surge como um motor reversor que abre caminho em busca de uma nova conscientização ambiental para reversão desse quadro assimétrico que não se encaixa na essência do indivíduo e não carrega em seus vértices os elementos necessários à construção coletiva de soluções para a crise que se agrava. Neste caminho, o motor reversor a educação atua estrategicamente na formação de competências, valores e habilidades que orientam as ações dos cidadãos com perspectivas pautadas para o desenvolvimento sustentável. 3.4 Desenvolvimento Sustentável (DS) O desenvolvimento sustentável (DS) não pode ser Concebido unicamente de modo técnico-econômico, o desenvolvimento chega a um ponto insustentável, inclusive o chamado desenvolvimento sustentável. É necessária uma noção mais rica e complexa do desenvolvimento, que seja não somente material, mas também intelectual, afetiva, moral...(morin, 2000, p ). O desenvolvimento, recorrendo à citação de Morin (2000), remete-nos a uma reflexão sobre a vida. O cidadão sem educação não vive. O desenvolvimento intelectual, o afeto, a

48 47 ética, a moral..., em fim, são vários os componentes necessários à educação/reeducação das pessoas. Esses componentes são capazes de sustentar a harmonia do ser em seu convívio com o próximo. E a educação é a ação que congrega todos os componentes responsáveis para a difícil tarefa de educar para a vida harmoniosa e sustentável. Oliveira (1998, p. 117) considera que à primeira vista, pode parecer uma visão romântica, mas a responsabilidade da tarefa chega a ser assustadora. Estabelecida pela Organização das Nações Unidas em 1987, a Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento lançou o relatório Nosso Futuro Comum, conhecido também como Relatório Brundtland, que definiu desenvolvimento sustentável como aquele capaz de permitir a satisfação das necessidades da geração presente sem comprometer a satisfação das necessidades e a sobrevivência das gerações futuras. Lucie Sauvé em Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: uma análise complexa 1 18 apresenta uma associação do DS com a EA, de maneira que O conceito de DS tem sido associado com a EA para promover modelos baseados na sabedoria da utilização dos recursos, considerando a equidade e a durabilidade. Dentro do Programa Internacional da EA, a UNESCO (UNESCO, 1995a) propõe que o DS é o objetivo mais decisivo da relação dos "homens" com o ambiente. Isso reorienta a EA (UNESCO, 1995-b) e acrescenta um "remodelamento" de todo processo educativo para encontrar esse fim (UNESCO, 1992). Nesse raciocínio, Carvalho (2008, p ), apesar de considerar recentes as práticas sociais e pedagógicas que circundam as questões ambientais como objeto de interesse público, evidencia essas questões como um novo campo de ação político-pedagógica. Entendemos a relevância de reorientação de ações político-pedagógicas na questão da EA que possam nortear projetos e programas educacionais capazes de sustentar a constante pretensão de conscientização, sensibilização e transformação dos indivíduos. Podemos dessa maneira vislumbrar o fortalecimento do elo entre a sociedade e a natureza, tornando possível um promissor horizonte, mesmo que aparentemente utópico, mas que permeia em direção ao mundo sustentável. Com toda a problemática e complexidade das questões ambientais que inibem o desenvolvimento sustentável, Dias (2006, p. 17) argumenta positivamente quanto às ações que vem sendo realizadas em prol das questões ambientais, por meio de [...] tratados, acordos, convenções, desenvolvimento dos processos de gestão ambiental [...] considerando 18 Disponível em: Acesso: 21 maio 2011.

49 48 também legislação ambiental, participação popular, certificações, e, sem dúvida o [...] processo de educação ambiental [...]. O Guia de Comunicação e Sustentabilidade (2008, p. 7), elaborado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) apresenta algumas definições de sustentabilidade e tem dado atenção especial à questão da comunicação e da educação para a sustentabilidade e fazendo um levantamento conclui que, Aos poucos, ao longo dos últimos anos, vê-se crescer a quantidade e a profundidade de consciências. Pessoas passaram a adotar hábitos menos agressivos, empresas adotaram boa parte ainda como retórica, puro discurso o conceito de sustentabilidade, palavra que anda de boca em boca mundo afora. Outras assumiram de fato um compromisso com o mundo e não só repensam seus processos para torná-los amigáveis ao futuro, como disseminam a idéia. Este Guia de Comunicação e Sustentabilidade é um bom exemplo. (GUIA DE COMUNICAÇÃO E SUSTENTABILIDADE, p. 4). Este Guia (2008, p.7) insere as empresas entre os principais agentes indutores da sustentabilidade, pois dependendo do ramo de atividade e porte empresarial, pode ter grande influência não só na comunidade onde está situada, mas também no país e no planeta, através da geração do maior número de empregos e renda, e são elas que produzem os mais significativos impactos no meio ambiente e na sociedade. Deluiz e Novick (2004, p. 21), a partir da análise da dicotomia entre trabalho/meio ambiente, procuram indicar um modelo de desenvolvimento sustentável, para formação de cidadãos críticos e autônomos, através de uma proposta democrática. Os autores entendem que estamos diante de uma crise social e ambiental, sendo várias as propostas de modelos para alcançar o desenvolvimento sustentável, desta maneira eles nos alertam: [...] devemos estar atentos às concepções existentes sobre desenvolvimento sustentável, pois estas estão ancoradas em diferentes matrizes teóricas que informam a intenção de efetivar distintos projetos políticos, segundo os interesses em confronto, que se refletem nas abordagens e práticas educacionais. Os autores apresentam, ainda, três concepções de desenvolvimento sustentável. A primeira concepção, que é defendida pelo Estado e empresariado, foi proclamada pelo Relatório de Brundtland e reiterada pela Agenda 21, tem como princípio norteador o crescimento econômico e a eficiência na lógica do mercado. A segunda concepção entende

50 49 que o desenvolvimento sustentável pode ser alcançado com a preservação e construção de sociedades sustentáveis, sendo norteada pela lógica da auto-suficiência e da auto-regulação na busca do equilíbrio homem-natureza. A terceira concepção que é a sustentabilidade democrática é entendida como: [...] processo pelo qual as sociedades administram as condições materiais de sua reprodução, redefinindo os princípios éticos e sociopolíticos que orientam a distribuição de seus recursos ambientais. (ACSELRAD; LEROY, 1999 apud DELUIZ e NOVICK, 2004, p. 23). O modelo de consumo sustentável ou desenvolvimento sustentável foi o escolhido como o que mais se aproxima de satisfazer as necessidades da geração atual, sem comprometer a qualidade de vida das gerações futuras. Também, denominado por Lanfredi (2002, p.72) "ecodesenvolvimento" ou "desenvolvimento durável", trata do desenvolvimento com justiça social, sem destruir o meio ambiente, ou seja, de um desenvolvimento voltado para a garantia da qualidade de vida. Com esse objetivo, é preciso aprender a participar, e a usar a parceria, pois, parceria é decorrência do processo de participação social. Helú; Mattar (2009), Lanfredi (2002) e Little (2003), entendem que a Agenda é excelente ferramenta e promissor caminho para se alcançar o desenvolvimento sustentável. Lanfrei (2002, p. 73) destaca a relevância da criação do Fórum Permanente da Agenda 21, em âmbito nacional e municipal. Isso é fundamental também para que se consiga, progressivamente, atingir o desenvolvimento sustentável, e, com a criação de parcerias, dividir as responsabilidades com a sociedade e com os governos locais. Muito divulgado é o conceito de desenvolvimento sustentável, apesar de não apresentar dificuldades para o seu entendimento, Helú; Mattar (2009) e Leff (2007) concordam que aplicálo à sociedade implica em grande complexidade, por entender que a gestão ambiental do desenvolvimento sustentável envolve fatores socioeconômicos, culturais, técnicos, políticos, exigindo uma participação democrática na tomada de decisões. É possível constatar-se mais uma vez, a necessidade de políticas públicas eficazes que sejam capazes de formar a triangulação harmônica entre desenvolvimento sustentável, produção industrial e EA. 19 "Agenda 21 Global"; está voltada para os problemas prementes de hoje e tem o objetivo, ainda, de preparar o mundo para os desafios deste século. Reflete um consenso mundial e um compromisso político no nível mais alto, para as questões relativas ao meio ambiente e o desenvolvimento global sustentável. (Resolução 44/228 da Assembléia Geral da ONU, aprovada em 22/12/1989).

51 50 Entende-se desta maneira, como elemento fundamental deste triângulo, o incentivo para a prática não só nas grandes empresas, mas também nas micro e pequenas empresas, da Educação Ambiental Empresarial EAE. 3.5 Educação no contexto Empresarial A incessante busca de eficiência empresarial coletiva, converte-se para a insubstituível razão da inserção da Educação Corporativa. A educação, não restrita à academia somente, exige vínculos e sinergias entre projetos para o desenvolvimento social e tecnológico que surgem no âmbito empresarial, embasado em programas educativos. Na atual conjuntura econômica, social e ambiental, o sucesso das empresas irrompe diretamente à capacidade de gestão do conhecimento, que garante inovação e progresso por meio de educação continuada, sustentada necessariamente em projetos pedagógicos. Portanto, a escola e a empresa devem fundir-se de maneira a formar uma parceria indissolúvel, parceria esta que deve ser propícia a tratamentos para mudanças, mas conservadora da sua capacidade de transformação. Ao que chamamos de parceria, entendemos que Ricardo (2009, p. xx) chama de encontro, de maneira que, O encontro entre a escola e a empresa é necessário. A escola precisa estimular o espírito inventivo, questionador e criativo do aluno e, por outro lado, a empresa precisa aproveitar os talentos e ampliar as possibilidades desse indivíduo na organização, proporcionando, inclusive, novas situações de aprendizagem. A dicotomia empresa-escola pode ser proveitosa para que ambas revejam seus papéis e possam construir, conjuntamente, propostas educacionais compatíveis com os anseios da sociedade, sobrepujando a suposta separação entre educação e trabalho. Não se deve esquecer, jamais, que a relação trabalho/educação é formada por uma complexa rede de saberes e não pode descartar as diversas formas de educar, seja no âmbito escolar (educação formal) ou no âmbito empresarial (educação não formal).

52 Educação Não Formal Antes de adentramos em alguns detalhes da educação não formal, cabem algumas considerações sobre as duas outras formas de educação que são a formal e a informal. Gohn (2010, p. 16) caracteriza a educação informal como aquela que o indivíduo aprende durante o seu processo de socialização e a formal aquela desenvolvida nas escolas, com conteúdos previamente demarcados. A Lei nº de 27 de abril de 1999 apresenta duas modalidade de educação ambiental: a formal e não-formal, sendo esta última, conforme Seção III Art. 13, entendida como ações e práticas educativas voltadas à sensibilização da coletividade sobre as questões ambientais e à sua organização e participação na defesa da qualidade do meio ambiente. A Educação Não Formal é concebida por diversos públicos e, principalmente, em ONGs e grupos sociais com os mais diferentes objetivos, e sem dúvida e necessariamente, no âmbito empresarial. Nesse meio são desenvolvidos diversos programas, cuja finalidade deve ser pautada em uma luta constante pela emancipação dos indivíduos e pela minimização das desigualdades e exclusões sociais. Gohn (2010, p. 17) aborda que os espaços educativos acompanham a trajetória de vida dos indivíduos e, considerando que os processos interativos devem ser intencionais destaca que a questão da intencionalidade é um elemento importante de diferenciação. Ao longo dos anos, diversos programas vêm sendo implementados a título de Responsabilidade Social, no entanto, os mesmos baseiam-se, quase sempre, em uma lógica de mercado que desconsidera o sujeito do processo educativo. Outros programas, cujas premissas encontram-se sob a égide da emancipação dos indivíduos e sua formação cidadã, fazem uso da terminologia Compromisso Social, para apresentar e implementar sua proposta de trabalho. (ibid., 2010, p ). A educação que não se encontra pautada na formalidade, processa-se de forma gradual, apresentando oportunidades de trabalho para inúmeros profissionais das mais diferentes áreas. Necessário se faz pensar tais profissionais que nela atuam, uma vez que são eles agentes promotores de mudanças e permanências no contexto em que se inserem, bem como é de suma importância os mesmos estarem em consonância com a perspectiva educacional desta abordagem pedagógica. Não basta ser um mero reprodutor e transmissor de conhecimentos e ações, pois o educador social, que atende a tal demanda, desempenha papel de fundamental importância na

53 52 formação de educandos capacitando-os para viver em uma sociedade onde novas perspectivas e horizontes educacionais são gestados. Cabe, então, ao educador mediatizar a construção e re-construção de saberes, no que se refere ao respeito a alteridade, socialização e adaptação ao grupo, bem como às diferenças culturais, possibilitando, assim, a construção de uma identidade coletiva de grupo, onde são estabelecidas regras éticas de condutas sociais no que tange a educação não formal. Dessa forma, pensar o processo de ensino/aprendizagem implica na concepção de um quefazer pedagógico imbuído de significação para os educandos, onde os saberes construídos coletivamente por meio da interação entre os atores do processo educativo, se processam, possibilitando ao cidadão emancipar-se com autonomia para pensar fazer, como nos diz Gohn (2010). Relacionar e articular os saberes de modo a possibilitar a compreensão política do mundo, da realidade, avaliando e analisando as questões locais que emergem das necessidades do coletivo é de suma importância; no sentido de promover a formação crítica de cidadão capaz de fazer sua leitura de mundo, questionando-o, bem como colocando-se em questão enquanto agente inserido e atuante no mesmo. Portanto, É preciso ter a capacidade de fazer uma leitura crítica do mundo que nos rodeia, no plano local, para entender as contradições globais, para conviver com as fragmentações e antagonismos de uma sociedade que faz dos conflitos a sua base de sustentação, para compreender as novas concepções do processo cultural civilizatório em marcha na globalização. (ibid., 2010, p. 41). É imprescindível, para que a educação não formal contribua efetivamente na sociedade, bem como para a compreensão de seu caráter, sentido e significado, que a mesma se constitua como modalidade complementar ao ensino regular formal. Atuando, então, anterior, concomitante ou posteriormente à instituição escolar formalizada. Apresenta-se como desafio na era globalizada e no âmbito corporativo a construção e implementação de processos educativos no interior de grupos, associações e também nas empresas, onde seja vislumbrada a autonomia, onde haja lugar para o respeito e a valorização das diferenças, bem como na ocupação dos espaços públicos com responsabilidade, ética e respeito, tendo em vista uma visão crítica do mundo e a garantia da almejada qualidade de vida no mesmo.

54 Educação Ambiental Empresarial (EAE) Observamos, na construção do nosso trabalho, que os conceitos e atividades de educação ambiental, quando não sempre, são quase sempre focados aos ambientes naturais, onde a abordagem ambiental permeia aos problemas ecológicos ou valores estéticos. Com essa abordagem, a ligação dos indivíduos com o meio e os problemas sociambientais causados em sua maioria pelo mundo capitalista de diferentes naturezas, são quase sempre considerados secundários e, diante tamanha degradação ambiental as empresas apresentamse como ameaça constante. Na introdução do livro Educação Ambiental Empresarial no Brasil, Pedrini (2008, p, xxii) informa: De fato, são as empresas, principalmente as indústrias que visam ao lucro cada vez maior e não atentam para as responsabilidades socioambientais, que estão destruindo irreversivelmente o mundo. [...] Um dos problemas ambientais que mais assusta a população mundial é o efeito estufa, causado principalmente pelo excesso de gás carbônico (CO 2 ) na atmosfera, sendo as empresas as responsáveis por sua emissão no meio ambiente. [...] A Educação Ambiental Empresarial (EAE) possui política pública que a torna obrigatória, como é o caso da fiscalização ambiental das empresas, e a responsabilidade socioambiental cumprida pelas empresas precisa ser exigida e demonstrada com ações permanentes e sérias. Pelliccione (2007, p. 23) entende que o papel da empresa em relação à EA consiste em atender as determinações legais, e que existe um equívoco quando na interpretação dada ao termo capacitação profissional, uma vez que as empresas a designam a atividades de treinamento ambiental regular do público interno ou a ações fragmentadas e triviais para o público externo do seu entorno como hortas, reciclagem, desfiles, que possuem fim na própria atividade. Várias são as leis que indicam a necessidade da prática da EA não formal (aquela que é realizada dentro da empresa, por exemplo). Barbosa (2008) considera que a atual gestão do governo federal incentiva a gestão compartilhada entre o meio ambiente e o sistema de ensino, possibilitando a articulação e maior sinergia entre políticas de educação formal e não formal. Em 1999, por meio da Lei nº de 27 de abril, regulamentada em 25 de junho de 2002, através do Decreto N.º 4.281, no inciso V do Art. 3º, dá incumbência:

55 54 Às empresas, entidades de classe, instituições públicas e privadas, promover programas destinados à capacitação dos trabalhadores, visando à melhoria e ao controle efetivo sobre o ambiente de trabalho, bem como sobre as repercussões do processo produtivo no meio ambiente (BRASIL, 1999, p.1). Também, na mesma lei, no inciso III do Art. 13 da Seção III sobre a EA Não-Formal, incentiva: a participação de empresas públicas e privadas no desenvolvimento de programas de EA em parceria com a escola, a universidade e as organizações não governamentais (BRASIL, 1999, p. 3). Focando o setor industrial, de acordo com o art.2º, a PNMA, dentre vários objetivos, faz-se destaque ao V princípio: controle de zoneamento das atividades potencialmente e efetivamente poluidoras, que deixa expresso um alerta no sentido de que a indústria, ao produzir, saiba o que vai produzir, pois se poluir/degradar o meio ambiente, pagará caro. Não se pode admitir mais que as empresas, sejam elas do setor primário, secundário ou terciário, não levem em conta as ameaças de degradação ao meio ambiente em conseqüência da suas atividades. A preocupação com as questões ambientais no Brasil data de várias décadas. Little (2002) e Layrargues (1990) argumentam que ao final dos anos 80 houve um aumento da preocupação com as questões ambientais, uma melhora entre as atividades produtivas e o meio ambiente. Layrargues (1990), observou-se desde então, uma modificação substancial nas percepções sociais e do imaginário cultural, [...] felizmente, para melhor. Concordando com Gutberlet (1996), para que se tenha um avanço significativo das relações entre as empresas e as questões socioambientais, é de fundamental importância a conscientização e participação ativa dos empresários juntamente com outros segmentos da sociedade, pois o desenvolvimento sustentável exige uma participação democrática para tomadas de decisões. Adams e Gehlen (2008) consideram imprescindível a prática da EA nas empresas. Embora recente, a preocupação com ações educativas se destacam no âmbito do cumprimento de exigências para licenciamentos, selos de certificação, publicidade e imagem da empresa, ecoeficiência, entre outros. Assim, lança-se o desafio de aprimoramento pedagógico de suas práticas, aos profissionais que atuam com EA empresarial. Silva (2006, p. 34) considera um caminho para transformação dos cidadãos, de maneira que Hoje, a EA nas empresas pode ser considerada um importante meio, para que elas possam alcançar a transformação profunda de todos os funcionários dentro da organização. É necessário pensar na Educação Ambiental como

56 55 um processo político de apropriação crítica e reflexiva de conhecimentos, atitudes, valores e comportamentos que tem como objetivo a construção de uma sociedade sustentável do ponto de vista ambiental e social. As questões ambientais, diante suas complexidades não podem ser mitigadas e/ou evitadas e solucionadas tão somente com ferramentas de cunho tecnológico. Só é possível que os cidadãos façam uso de tais ferramentas para melhoria das condições ambientais e sociais, se amparados estiverem pela EA, educação, essa, contextualizada com as diversas questões socioambientais, pautada em programas educacionais e estruturados em princípios pedagógicos. Pelliccione (2007, p. 23) admite, teoricamente, a suposição de que EAEB seja desenvolvida, essencialmente, no bojo dos processos de gestão ambiental, tanto para a economia de custos (AZEVEDO, 2003) como para a obtenção certificada da ISO (SEIFFERT, 2006). Considerando essas suposições, Giesta (2009, p ) supõem também, alguns objetivos implícitos nas ações das empresas, Os projetos de EA na empresa, no entender de Azevedo, Nogueira e Imbroisi (2005), têm objetivos e metas bem definidos, procurando solucionar determinadas situações ou dificuldades, principalmente quando eles são destinados aos empregados. Quando a EA é levada ao público externo, os objetivos explícitos são facilitar a comunicação entre a organização e a comunidade e contribuir para o aprimoramento do nível de consciência do público alvo. Os objetivos implícitos nas ações são claramente de marketing, visando manter uma imagem de empresa responsável perante a sociedade. Portanto, dando ênfase à lógica do mercado na qual a preocupação ambiental ocorre, ainda que seja somente burocrática. Julgam estes autores que a Gestão Ambiental na empresa é utilizada em 50% dos casos com ações que nada têm a ver com a proteção do meio ambiente e, sim, com o comércio. Uma vasta construção teórica existe na área da educação, que de acordo com Giesta (2009, p. 11), concede suporte para debates conceituais e para investigação empírica, especialmente nas práticas escolares que vão da educação formal à não formal, quando se referencia às questões ambientais. Contudo, a análise de processos de Educação Ambiental no contexto organizacional, em geral, pode ser prejudicada ou até mesmo inviabilizada por idéias ou convicções teóricas comuns, quase consensuais, e pelo fato de ter a EA nas empresas merecido espaço para análise diante dos pressupostos selecionados e utilizados em diversificados âmbitos e áreas do conhecimento, sugere uma análise crítica acerca do tratamento acadêmico-científico na abordagem das questões ambientais. Ainda Giesta considera que, já as questões ambientais na área da Administração têm o foco voltado para

57 56 outras teorias e conceitos sobre: tecnologias de produção as tecnologias limpas de produção, os sistemas de controle de poluição, gestão ambiental estratégica, eco-design, marketing verde, certificação ambiental na empresa, de modo que ao optar pela Gestão Ambiental [...] É imprescindível, quando da implantação de sistemas de gestão ambiental, a participação das pessoas. Gestão Ambiental nos remete à NBR ISO que trata sobre as questões ambientais no âmbito das organizações. Com a criação/estruturação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA), em conformidade com a referida norma, a organização pode pleitear a certificação do respectivo SGA por meio de um órgão certificador com reconhecimento internacional, ficando a organização, diante da certificação, reconhecida como uma empresa ambientalmente correta, implicando em melhoria da imagem nos mercados nacional e internacional, além, é claro, da mitigação ou prevenção dos impactos ao meio ambiente. Em busca de uma gestão ambiental verdadeira por meio das ISOs e da RSCs, Pedrini (2008, p. xxix) considera a existência de muitos esforços, e, Desse modo nos parece, pelos estudos de caso até hoje realizados, que a EAEB realizada na busca da certificação da ISO não tem sido eficaz e, assim, a busca de espaço para sua realização no contexto da cidadania empresarial ou da responsabilidade social corporativa está dando sinais alvissareiros de que apresenta potencial de seriedade maior para o enfrentamento e solução dos problemas causados pela crise socioambiental. Mas, obviamente, a busca das certificações tanto da gestão ambiental como da qualidade, se realizadas com seriedade e com a inclusão futura da EAE nos seus subsistemas, poderá se tornar espaço complementar para a realização de uma EAEB emancipatória. Parece-nos que as organizações estão tomando consciência sobre as vantagens e importância de implementação dos Sistemas de Gestão Ambiental, como alternativas práticas e corretas do ponto de vista ambiental que, além de contribuir para qualidade dos produtos, agregação de valor e melhoria de processos, contribui sem dúvida, como já citamos, na melhoria das condições ambientais, podendo até causar impacto positivo. Tal certificação/implementação do SGA, exige dos funcionários da empresas, desde o mais alto cargo ao mais simples, uma constante integração/organização que reflete em todos os setores e também nas atividades, acarretando normalmente, em conseqüência das ações necessárias, mudanças de paradigmas de ordem organizacional e técnica, e também em relação ao meio ambiente. Todo esse processo de mudanças deve considerar novo aprendizado, novas condutas, revisões ou novos procedimentos e mudanças de comportamento para valorização dos

58 57 cidadãos capazes de transformar hábitos ineficazes em ações promissoras, comprometidas com o êxito da organização. Para Fritzen e Molon (2008, p. 26), As transformações a serem realizadas têm de considerar o público interno como agente indispensável para o êxito do processo, o que requer, por conseguinte, que os funcionários estejam plenamente capacitados a compreendera dinâmica da mudança para poderem atuar conscientemente na mesma, caso contrário, a proposta não avança para além do caráter técnico e a transformação de comportamento não. Nesse sentido, por ser esse um processo de mudança que discursa sobre a importância da capacitação e envolvimento do público interno, abre-se espaço para utilização dos princípios da Educação Ambiental como norteadores das questões vinculadas à conscientização, à participação e à avaliação. Mesmo entendimento tem Pelliccione, Pedrini e Kelecon (2008, p. 48) sobre a implementação da EA no âmbito empresarial viso que a certificação ISO também aparece como importante incentivo para as empresas integrarem a EA em sua pauta, mesmo considerando que as empresas quando procuram a certificação do seu sistema é com o objetivo de alcançar além das metas econômicas, as metas ambientais, de modo que a EAE está sendo motivada por questões financeiras ou exigências governamentais e não por mudança autônoma de postura empresarial para a construção de sociedades sustentáveis. A certificação do SGA de determinada empresa, segundo Ribeiro (2007, p. 152), pode conferir à mesma, rótulos e selos de qualidade que contribuem para o marketing da empresa, garantindo o poder de venda no mercador exterior (e também interior). Os custos do programa de EA são pequenos quando se leva em conta os custos com controle ambiental. As pessoas envolvidas têm mostrado boa aceitação com esses programas de EA, apesar de perceberem que, dentro da empresa, são direcionados prioritariamente à fatores econômicos e ambientais. Apesar dessa limitação, [...] programas de EA sugerem que ela pode ser um instrumento [...] estimulando a co-participação no gerenciamento ambiental e a visão crítica dos envolvidos [...]. (GIESTA 2009, p. 11). A inserção da EA em matrizes curriculares, a determinação ao cumprimento por algumas leis, e, felizmente, a adoção por vários setores em conseqüência da sua relevância para a transformação dos cidadãos, mesmo que muitos ainda não a pratiquem, leva Donaire (1999, p. 50 apud RIBEIRO, 2007, p. 153) a dispensar o pessimismo lembrando que: A globalização dos negócios, a internacionalização dos padrões de qualidade ambiental descritos na série ISO 14000, a conscientização crescente dos atuais consumidores e a disseminação da Educação Ambiental nas escolas

59 58 permitem antever a exigência futura que farão os futuros consumidores em relação à preservação do meio ambiente e à qualidade de vida. Precisamos não só acreditar, mas perseverar com as ações de cunho político, social, ambiental e educacional, para que nossos futuros ex-jovens, quando cidadãos responsáveis possam estar esbanjando um alto grau de responsabilidade socioambiental, apresentar competências e habilidades para lidar com aglomerados de informações estanques e, quem sabe, conforme Ribeiro (2007, p. 155) almeja, a Educação Ambiental não precise mais existir. Azevedo, Nogueira e Imbroisi (2005, p. 4) ressaltam que além da preocupante ocupação que as organizações têm com as variáveis ambientais, se percebe a necessidade de inserir a EA no cômputo das organizações, tendo em vista que as empresas deveriam ter, além de novas tecnologias ambientalmente mais eficazes, também uma estratégia em relação aos empregados com o meio ambiente. Com a incorporação de sistemas de gestão ambiental, especialmente a ISO 14001, essa suposta educação, entendida pela maioria como treinamento, passou ser parte do instrumental utilizado para garantir a eficácia da gestão, e, ainda, segundo os autores, a Educação Ambiental tem recebido inúmeras críticas em relação a sua possível ineficácia. Qual a causa desta possível ineficácia? Será que os programas de educação e treinamentos 20 estão falhos e/ou insuficientes diante aos problemas da crise ambiental e às exigências do mundo do trabalho? Meneses et al. (2010, p. 20) argumentam que O intuito é discutir e refletir sobre a realidade atual do mundo do trabalho, já que, nas últimas décadas, conceitos sobre educação continuada e educação corporativa passaram a fazer parte do processo de crescimento pessoal e profissional dos indivíduos dentro e fora das organizações de trabalho. O mundo do trabalho deve permear pela busca do trinômio redução da pobreza x emprego x educação para tentar equacioná-lo. Eboli (2004, p. 259) esclarece que é condição necessária para reduzir as desigualdades e consolidar a capacidade de o país competir no contexto internacional, e afirma que o investimento que todos os atores sociais empregarem no capital intelectual e também no capital humano vai ser fator preponderante no nosso projeto de futuro. Já, com essa visão empresarial e futurista, muitas empresas por meio de seus sistemas de educação corporativa, estão desempenhando um papel fundamental nesse sentido. 20 No item problematizamos o termo treinamento.

60 Educação Corporativa Os inúmeros desafios que nosso país tem para superar barreiras quase que instransponíveis refletem a necessidade de componentes educacionais para suas superações e enfrentamentos. Mais uma vez, e sempre, a educação apresenta potencialidades no caminho de busca para transposição dessas barreiras e consolidação do país na competição de negócios no contexto internacional. Um desses desafios que interfere no investimento intelectual é apresentado por Martins (2005, p. 159), A baixa qualidade da formação básica prerrogativa intransferível da escolarização formal repercute negativamente na obtenção de agregado de conhecimento e inibe a prospecção e investimento em capital intelectual no âmbito das organizações. As atribuições da empresa e da escola sempre estão bem definidas. A escola é considerada como ambiente formal para as práticas educativas, cuja função é preparar o indivíduo através do desenvolvimento de saberes científicos e técnicos, ou seja, para o trabalho, além da construção de princípios e valores fundamentais ao convívio com as pessoas e participação nos meios sociais. Já às empresas, por sua vez, cabe a execução, de seus objetivos empresarias, por meio dos conhecimentos que seus profissionais aprendiam na escola. No entanto, Eboli (2004, p ) confere à educação corporativa uma forma de construir um processo de formação de um novo perfil de trabalhador, capaz de refletir criticamente sobre a realidade organizacional, construí-la e modificá-la, e argumenta que esse processo provoca mudanças de atitudes que não se restringem apenas na força de trabalho, mas extrapola os limites corporativos, engajando os trabalhadores na responsabilidade de construção de um mundo melhor, o que é mais importante. Considerando as possibilidades da educação corporativa para com a transformação dos cidadãos, através do despertar crítico e participativo, por exemplo, essa educação apresenta em seu bojo, componentes indispensáveis à relação equilibrada do homem com seu trabalho e com o meio ambiente, além do aprimoramento das relações sociais. Dentro desse pensamento, procuramos algumas definições sobre educação corporativa para

61 60 atentarmos às possibilidades de formação desse processo, e também para um despertar reflexivo. Filho (2006, p. 34) apresenta definição de Débora Silva que entende a educação corporativa como o conjunto de práticas educacionais planejadas para promover oportunidades de desenvolvimento do funcionário, com a finalidade de ajudá-lo a atuar mais efetivamente e eficazmente na sua vida institucional, ainda, apresenta a definição de Marisa Éboli que considera como o conjunto de ações integradas que possibilitam o desenvolvimento de pessoas com foco nas competências empresariais e humanas [...]. Já Martins (2005, p. 157) tem seu entendimento sobre educação corporativa como sendo um conjunto de ações que visam desenvolver conhecimentos, habilidades e competências alinhadas ao interesse estratégico da organização e, por conseguinte, capazes de incrementar o potencial competitivo da mesma. Sendo um tanto quanto críticos e buscando nessas considerações sobre educação corporativa elementos que sustentam o progresso não só intelectual e profissional dos cidadãos, mas, principalmente, os elementos transformadores dos cidadãos como ser social, entendemos que apesar de a educação corporativa não esquecer o desenvolvimento humano ela envereda para uma educação corporativa balizada essencialmente pelo e para o sucesso dos negócios empresariais. Existe uma lacuna nos currículos praticados pelas escolas e universidades, em relação às necessidades do mercado econômico, financeiro e social em que as empresas atuam. Diante tal lacuna e às demandas do mercado, as corporações recorreram a processos próprios de aprendizagem, visando a capacitar seus profissionais para a execução de tarefas específicas. (ALMEIDA, 2005, p. 110). Em conseqüência dessa lacuna, e na tentativa de remediar tais situações, Almeida (2005, p. 111) argumenta que Em função dessa necessidade, inicialmente, surgiu o treinamento, como um processo que visava a tornar os profissionais das empresas aptos a realizarem novas tarefas e a absorverem procedimentos, assim como a manipularem novas ferramentas de trabalho. A natureza do treinamento distinguia-se da educação pelo seu caráter prático e emergente. Sua prática nem sempre estava aliada aos objetivos estratégicos da empresa e também não se alicerçava em diagnósticos consistentes que indicassem a necessidades de conhecimentos ou habilidades requeridos pelo negócio.

62 61 A educação corporativa tem o grande desafio de criar um ambiente de aprendizagem no qual todo funcionário e todo elemento do sistema comercial da empresa compreenda a importância da aprendizagem contínua vinculada a metas empresariais. Dentre os papéis da educação corporativa, são considerados: necessidade de aprendizagem; desenvolvimento de uma filosofia de aprendizagem; projeto consistente e vincular o treinamento a estas principais estratégias empresariais. (FILHO, 2006, p ). Nesse sentido, urge a necessidade de atentarmos pelo caráter distinto das concepções e objetivos sobre treinamento e educação. Caráter esse que apresenta por meio das atividades e objetivos e por tratamento diferenciado dos autores, a marcante diferença entre educação e treinamento Problematizando concepções e práticas de treinamento: perspectivas de educação corporativa Será que as considerações sobre a possível ineficácia da EA, feita ao término do item 1.4.1, têm relação com as reduzidas concepções e práticas de treinamentos? O escopo ambiental das empresas são alvos de treinamentos ou de processos educativos? Diante essas indagações, sentimos a necessidade de apresentar algumas considerações sobre o treinamento, sem, contudo, aprofundarmos em sua complexidade. Na visão de especialistas em recursos humanos, como Chiavenato, (1994 apud KITZMANN; ASMUS, 2002), o treinamento de funcionários constituise em um meio de desenvolver a força de trabalho dentro de cargos particulares, sendo o processo educacional de curto prazo aplicado de maneira sistemática e organizada, através do qual as pessoas aprendem conhecimentos, atitudes, habilidades em função de objetivos definidos. (SILVA, 2006, p. 34). Quanto à visão anteriormente argumentada sem querer sugerir equívocos e muito menos erros, mas com o intuito de provocar uma necessária reflexão sobre a dicotomia educação/treinamento ela vai de encontro com algumas considerações que citamos e que também defendemos sobre os objetivos e processos da Educação. Sobre o processo educacional de curto prazo entendemos e defendemos que a Educação é um processo

63 62 contínuo, em constante busca da sua plenitude e que jamais poderá ser realizada em curto prazo. Destacamos, então, algumas reflexões que fundamentam a presente pesquisa: [...] nesta destorcida visão da educação, não há criatividade, não há transformação, não há saber. Só existe saber na invenção, na reinvenção, na busca inquieta, impaciente, permanente que os homens fazem no mundo [...] (FREIRE, 2009, p. 67); O projeto é eterno. É continuado. E a educação é continuada. Sem dúvida. Nós professores precisamos dela, nossos alunos também. (ESCOLA E) 21 ; deve ser concebida com um processo contínuo (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2004, p. 4). Como nossa citação, apresentamos: que garante inovação e progresso por meio de educação continuada (SANTOS, 2011, p. 40). Agora, no que tange ao desenvolver a força de trabalho, podemos afirmar pela convicção que os saberes concebidos em nossa experiência profissional, em nossa carreira acadêmica e até mesmo pela influência da educação informal que abarca nosso meio cultural que: a educação transcende o simples desenvolvimento para a força de trabalho. E reafirmamos, a educação deve acima de tudo transformar a realidade para, desta maneira, modificar e recriar, processos de educação e não de adestramentos [...] não importando se o processo de alfabetização é para crianças, adultos ou somente para formação de mão-de-obra técnica (FREIRE, 2009, p , 79); a educação como a grande estratégia contra a crise atual de nossas sociedades (PIVA, 2004, p. 12), e o dever principal da educação é de armar cada um para o combate vital para a lucidez (MORIN, 2000, p. 33). Buscamos mais uma vez em Nascimento (2007, p. 2), a força para expressarmos propósitos da educação que vão ao encontro do nosso pensamento e congrega no mesmo tempo o transcendente e infinito ato de educar. Assim, faz-se necessário e urgente pensarmos a educação como uma força motriz para a reconstrução do sujeito social ativo, capaz de apontar novos caminhos no tecer contínuo do conhecimento. Em momentos permeados de incertezas, próprios da época contemporânea, o pensamento educacional requer um diálogo crítico e uma constante abertura para o novo. Isso significa desenvolver outras formas de Inteligibilidade, como propósito de resgatar os valores essenciais do ser humano, mediante um aprendizado ininterrupto ancorado no questionamento da realidade. 21 Depoimento oral de professora referente entrevista realizada, conforme citação no item , página 113 dessa dissertação.

64 63 Eboli (2004, p. 218), aborda a matéria polêmica publicada pela revista Exame ( 500 Maiores e Melhores ) destacou as vultuosas quantias dos investimentos em treinamento. Das críticas salientadas, apresentamos as que se seguem: - A falta de foco no objetivo do treinamento. - A maioria dos programas não consegue levar os conceitos à prática. - Presidentes e diretores do primeiro escalão não se envolvem na definição dos objetivos do treinamento. -A aceitação do cardápio de pratos prontos oferecidos por consultores e escolas de Administração. A referida autora valoriza programas de capacitação bem concebidos e executados que promoveram o crescimento de algumas empresas, pois, na maioria dos casos, ocorrem mudanças insignificantes de modo a levar as corporações à mudança de foco, como vem ocorrendo em investimento nos programas educacionais corporativos. As corporações constroem vários indicadores internos de treinamento & desenvolvimento (T&D), mas que não contribuem para compreensão dos benefícios alcançados com o treinamento, e reforça no nosso entender a ineficácia desses programas com o Scott Parry e Donald Kirkipatrick, dois autores de renome internacional quando o tema é avaliação e transferência de treinamento, estão convencidos de que apenas 10% a 20% de que se aprende em um programa de treinamento é aplicado depois de um mês do retorno do participante às suas atividades de trabalho. (EBOLI, 2004, p. 219). A relevância da necessidade de análises, estudos e reflexões sem dúvida sobre os processos educacionais é por demais óbvia, mas principalmente sobre os treinamentos que em alguns momentos são caracterizados programas educacionais. Eboli (2004, p. 22) considera que o propósito do treinamento é minimizar o gap entre o comportamento de entrada e o final. O treinamento pode, sem dúvida, ser executado para o fechamento de um gap 22, mas como na soldagem 23 fazendo agora uma metáfora necessário se faz conhecer as dimensões das partes e espaçamento (gap) da junta a ser soldada, para que a partir desses conhecimentos, se estabeleça ações necessárias e eficazes por meio de pessoal competente para que esse gap seja preenchido corretamente e não se rompa, mantendo, dessa forma, a 22 Palavra inglesa que significa: vão, espaço, lacuna, fenda, comumente usada em soldagem para denominar o espaçamento da junta (partes que serão unidas). 23 Processo metalúrgico usado para soldar(unir) metais ou ligas metálicas com utilização de calor.

65 64 junta soldada, uma perfeita união. Ou seja, é necessário conhecer o público e a extensão desse gap para, então, desenvolver e implementar os processos educativos. Ricardo (2009, p. 8), depois de discorrer sobre investimentos no capital humano e também sobre a aprendizagem nas organizações, não deixa de esclarecer que as empresas estão transitando do antigo paradigma de treinamento para um novo paradigma centrado na educação corporativa. Acreditando que nova consciência nas organizações permite ao entendimento de que o treinamento, com suas especificidades, já não é mais suficiente para que elas enfrentem os dilemas desta sociedade tão conturbada, ela percebe uma movimentação em saída do marasmo dos treinamentos e um movimento de entrada substituindo-os por planejamentos de educação continuada e desenvolvimento de competências. Além da possibilidade de englobar todos os setores necessários, e atender a determinada demanda, a educação corporativa desenvolve competências direcionadas aos diversos negócios da empresa e apresenta o argumento de que Enquanto a educação corporativa tem uma proposta de educação mais global, o treinamento, ao contrário, é limitado a um determinado espaço físico (Mesiter, 1999). Ele está comprometido apenas com os funcionários; os conteúdos são, na grande maioria, de consultores e professores contratados, tendo atividades pontuais, direcionadas a propagar técnicas e desenvolver qualificação dos indivíduos. (RICARDO, 2009, p. 9). Teixeira (2010, p. 44) comenta sobre um survey de Perron, Côte e Duffy (2006) realizado com empresas canadenses onde constataram não haver diferença significativa em conhecimentos ambientais entre um grupo que recebeu e outro que não recebeu treinamento ambiental. Obviamente, existem fatores despercebidos ou ignorados, que levam a tais circunstâncias. O planejamento ou a falta dele, demanda, conteúdo, público alvo, e, dentre tantos outros destacamos a complexidade de realizar ações que primam pela melhoria da qualidade de vida dos cidadãos. Destacamos, porém, que relevante e essencial é o papel da educação que ancorada no seu projeto político pedagógico (PPP) e abarcada por uma metodologia que favoreça a construção de valores, e de conhecimento, promova a transformação dos cidadãos para que eles contribuam para melhoria da qualidade de vida no nosso planeta.

66 65 4 ABORDAGEM METODOLÓGICA 4.1 Estudo de Caso Como anunciado no título e ao longo da presente dissertação, optamos por uma metodologia de Estudo de Caso. Assim, na presente seção, apresentamos a motivação dessa escolha, bem como a implicação dessa abordagem metodológica e alguns possíveis caminhos. Compreender as técnicas empregadas em determinada pesquisa, seja ela etnográfica ou não, faz-se necessário para que os objetivos existentes na perspectiva da investigação possam ser alcançados e compreendidos. A pesquisa com abordagem qualitativa, por sua natureza, aproxima o pesquisador do objeto de estudo, facilitando dessa maneira, a compreensão dos fenômenos sociais significantes. Considera Pedrini (2007) que, independente de modelos, medidas, experimentos e regularidades matemáticas generalizadas, essa vertente de pesquisa possibilita construir o saber, pois, pressupõe, entre o objeto e o sujeito, o efetivo relacionamento, e completa afirmando que, o pesquisador observador não é isento, inerte ou neutro, ele faz parte integrante do processo de descoberta. Dessa maneira, a abordagem qualitativa, além de agregar e identificar múltiplas dimensões ao estudo, possibilita uma ampla contextualização. O estudo de caso se colocou como caminho metodológico pela possibilidade de analisar concepções e práticas envolvidas na experiência de EAE desenvolvida pela já referida indústria. Buscamos, assim, dar visibilidade às tensões desse cotidiano, inclusive tematizando e discutindo em que medida essas se aliam a uma perspectiva de fato emancipatória. 4.2 Referencial Metodológico Tomando como referência a abordagem qualitativa, o estudo de caso EC será utilizado em nosso trabalho na perspectiva anunciada por Ludke e André (2007), Martins (2008) e Pedrini (2007) que atribuem a essa abordagem a potencialidade de retratar o

67 66 cotidiano singular de um dado contexto estudado. Para Goode e Hatt (1968, apud PEDRINI 2007, p ), a opção de estudo de caso em metodologia é pertinente: [...] quando se deseja estudar algo singular, que valha por si mesmo. Pode ser similar a outros, mas também distinto, por ser singular. Isto é parecer inicialmente único, mesmo que posteriormente evidencie similaridades com outros casos e, assim, aumentar sua capacidade generalizadora. Conforme Pedrini (2007), três estratégias podem ser usadas para realização do estudo de caso, são elas: entrevista semi-estruturada, análise documental e observação participante. Além dos projetos escritos, os relatórios e documentos gerados serão também objetos de análises. Quanto à análise de documentos, Mazzotti, (1999, p.169) observa que: [...] pode ser usada tanto como uma técnica exploratória (indicando aspectos a serem focalizado por outras técnicas) como para checagem ou complementação dos dados obtidos por meio de outras técnicas. A entrevista semi-estruturada apresenta-se como uma estratégia enriquecedora, pois favorece a emergência de indagações não previstas e que comumente surgem ao longo das entrevistas com os sujeitos. A observação participante é um apropriado recurso para esse trabalho, permitindo o acesso ao cotidiano da comunidade-alvo, facilitando a incorporação do pesquisador no local e a percepção do mesmo sobre determinadas atividades que se desenvolvem por meio das relações sociais entre os membros da comunidade estudada. Dessa forma, será possível diagnosticar como as ações da EA são percebidas pelo público-alvo, bem como entender as críticas feitas pelos vários sujeitos. Como sujeitos da pesquisa, destacamos a comunidade do entorno da siderúrgica (o público externo) e o público interno composto pelos diversos funcionários e também pelos trabalhadores contratados da empresa Siderúrgica das diversas áreas e setores, independente da formação, idade, sexo e função. A coleta de dados teve várias etapas e foi desenvolvida com entrevistas semiestruturadas, observações participante e análise de documentos, buscando, desta maneira, a triangulação proposta por Denzin (1970, apud LUDKE; ANDRÉ, 2007, p. 52), ou seja, checagem de um dado obtido através de diferentes informantes, em situações variadas e em momentos diferentes, apontada também por Pedrini (2008) e Martins (2008).

68 67 Os dados foram analisados em diversos momentos da investigação, não deixando de verificar a pertinência das questões levantadas, procurando confrontar os princípios teóricos do estudo com as informações pesquisadas durante o trabalho de campo. Para Martins (2008, p. 22), são considerados como dados secundários os já coletados e organizados em arquivos, podendo ser indicados, como exemplos, o anuário estatístico e bancos de dados e esclarece que em contraste, os dados primários são aqueles colhidos diretamente na fonte, podendo, nesse sentido, os dados encontrados nessa pesquisa serem caracterizados essencialmente como dados primários. O autor mostra ainda a importância de se incluir reflexões sobre a metodologia de análise de conteúdo, bem como a forma como se desenvolveu todo esse processo, procedimento este adotado em cada tópico de análise dessa pesquisa. 4.3 Trabalho de Campo A partir das referências acima explicitadas, passaremos ao relato sobre o desenvolvimento do trabalho de campo. Na ocasião de um encontro profissional com representante da empresa referida acima, expressamos nossas idéias referentes à pesquisa de mestrado que objetivávamos realizar. Após duas semanas, e por , a autorização para realização da pesquisa de Mestrado na instituição foi concedida. Desde então, dedicamos nosso tempo à conclusão do projeto e estudos que pudessem confirmar a relevância do objetivo da pesquisa. Houve um longo período entre a autorização, concedida em dezembro de 2009, e a realização da nossa primeira reunião/encontro para apresentação do projeto e início do trabalho de campo, realizada em dezesseis de setembro de Buscando iniciar o trabalho de campo, saímos ao encontro das pessoas envolvidas com as atividades de meio ambiente e educação ambiental. Os primeiros contatos ocorreram via em seis de setembro de 2010, onde procuramos indicar algumas atividades que julgávamos necessárias, enviando o projeto para maior ciência e detalhamento dos objetivos da pesquisa. Com os contatos já estabelecidos, faltava aquele encontro tão esperado, que, por algumas vezes, depois de agendado foi cancelado. O Ambiente Empresarial é quase sempre carente de tempo. São muitas as tarefas e decisões inerentes ao seu cotidiano. Todos os funcionários, e, principalmente aqueles que ocupam cargos de chefia, supervisão ou gerência, encontram-se quase sempre

69 68 sobrecarregados de serviços e envolvidos com tarefas de maior prioridade, exigindo assim por parte dos pesquisadores, persistência e objetividade. O mundo do trabalho em corporações do porte da Siderúrgica é muito complexo. Reuniões programadas, reuniões de emergência, viagens, cumprimento de metas, entre outros, exigem bom preparo intelectual, técnico e acadêmico de todos seus funcionários. Logo no primeiro contato com o pessoal do setor do meio ambiente, após apresentar e esclarecer a proposta de pesquisa, bem como as atividades que seriam necessárias ao seu desenvolvimento, fomos informados da necessidade de agendarmos outra reunião, pois, determinados assuntos seriam direcionados à outros setores. É importante ressaltar que, o período do primeiro contato foi marcado por auditorias externas e internas, com vistas à recertificação de sistemas de gestão da empresa. Período esse que incrementa grande mobilização de todos da instituição, afim de que todos os itens estejam em conformidade com as normas aplicáveis, exigindo, assim, mais tarefas, treinamentos, verificações, entre outras providências que conseqüentemente reduzem a disponibilidade dos funcionários para contribuírem com pesquisas externas. Realizamos, então, nossa primeira reunião com um representante do setor de meio ambiente e uma representante do setor de RH/comunicação. Novamente, fizemos esclarecimentos sobre a proposta de pesquisa, destacando a devida aprovação da Universidade Estácio de Sá - UNESA/RJ e o envio deste projeto de pesquisa via com antecedência. Esclarecemos, ainda, sobre a importância do desenvolvimento de atividades como: visita aos setores, análise de documentos, entrevistas, aplicação de questionário e observação participante. A representante do setor de RH/Comunicação, contribuindo com o trabalho, sugeriu a análise da pasta de arquivo de documentos referente ao Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente, considerando que as informações nela contidas seriam suficientes para, até mesmo, desenvolver uma tese de doutorado. Os registros que nela constavam foram devidamente analisados no transcorrer desta pesquisa. Solicitamos, então, a autorização para início dos trabalhos. Após a autorização e ciência sobre a pesquisa e indicação dos funcionários envolvidos, no dia cinco de novembro, o pesquisador foi encaminhado para o Centro de Educação Ambiental CEAM, onde foi possível dar seqüência aos trabalhos com o apoio da estagiária do CEAM. Assim, a partir da perspectiva da observação participante, iniciamos nossos primeiros contatos in loco com os sujeitos, com curiosidade e um olhar atento e aguçado entrevistamos diversos sujeitos que colaboraram com esta pesquisa. Em nenhum momento do trajeto receamos solicitar informações e auxílio para a compreensão necessária às situações. Fomos sempre prontamente atendidos, ficando

70 69 registrada por este pesquisador, muita referência e dedicação de todos os funcionários no cumprimento de suas respectivas funções. Registramos aqui, a cortesia, o respeito, a seriedade e generosidade com que fomos recebidos por todos os funcionários que convidamos a participar da nossa pesquisa, concedendo entrevista, respondendo questionários, disponibilizando documentos, sugerindo tarefas e análises.

71 70 5 ANÁLISES DOS DADOS Algumas escolhas realizadas quanto ao início da pesquisa, dentre elas, como iniciar, por onde iniciar, com quem iniciar, podem interferir no tempo, na organização e seqüência dos trabalhos e até mesmo na qualidade da mesma, podendo passar por despercebidas. A princípio, não é nada difícil o desenvolvimento da pesquisa qualitativa, entretanto, este exige um constante movimento de reflexão, revisão do planejamento e tomadas de decisão. No trabalho de campo, por exemplo, tem-se o primeiro ou os primeiros contatos no nosso caso, e algumas opções vão se delineando, outras são sugeridas, e o pesquisador quando percebe, já se encontra imerso no trabalho de campo. Ocorre, porém, que muitas dessas sugestões, nem sempre são necessariamente condizentes aos objetivos propostos pela pesquisa, mesmo vindo dos participantes diretos do processo. É necessário então, mais um momento de reflexão e observação para tomada de decisão. A decisão a ser tomada pode não ser a mais correta, ou ainda a mais ideal, porém aquela mais possível para o contexto. Por vezes, a situação implica na tomada de uma decisão de cunho político ou até mesmo em uma decisão generosa para tornar o trabalho de campo mais rico em informações, pelo livre acesso aos setores, documentos e pessoas, além de mais prazeroso. Pudemos perceber que o trabalho de campo começa no primeiro contato. Informações relevantes foram registradas em nosso caderno de campo. Tais registros, inicialmente eram considerados insignificantes, procedimento este que se modificou a partir da indicação das literaturas estudadas, bem como dos apontamentos constantes da nossa orientadora. Após outros registros e durante a observação participante, as primeiras anotações - até então sem nenhum valor - se perpetuavam em nossas reflexões, indicando caminhos valiosos para elaboração de questões e para a busca de evidências que tanto necessitávamos. Então, mesmo que a pesquisa não comece pelo caminho decidido inicialmente, por um motivo político, por exemplo, torna-se fundamental ter clareza de que, cedo ou tarde, o mesmo deverá ser percorrido, pois, cabe sempre ao pesquisador decidir a "melhor" direção. Ao iniciarmos por determinado setor, por meio da observação participante e conversas informais, constatou-se a necessidade de priorizarmos outro setor, a fim de que se efetivasse uma melhor articulação entre o pesquisador e os vários sujeitos da pesquisa. Observamos dessa maneira, que, apesar de algumas restrições, na vivência do cotidiano do trabalho de campo, o pesquisador adquiri em menor tempo, informações valiosas

72 71 que o levam a reorganizar/replanejar seu caminho e concluir que análises estão em todos os momentos e em todos os setores. A seguir, apresentamos as análises efetuadas em cuja ordem de apresentação não há seqüência nem prioridade, pois, em vários momentos foram feitas observação participante, aplicação de questionários, aquisição e análise de documentos e entrevistas semi-estruturadas. 5.1 Análise Documental A análise de conteúdo circunda as mais variadas formas de documentos, que, como exemplo, podemos citar os relatórios de entrevistas, os questionários aplicados, dados estatísticos, o caderno de campo, cartilhas e tantos outros que de uma maneira ou de outra, sempre esbanjam informações fundamentais para construção do conhecimento. Devemos, pois, buscar não somente nas linhas, mas principalmente nas entrelinhas os significados intrínsecos que tais documentos podem ocultar diante a nossa fraca curiosidade ou deficiente percepção. A posse de documentos constitui-se em um recurso efetivo afim de que durante a coleta de dados haja a possibilidade de consulta permanente, contribuindo para a convicção e evidência dos fatos e conclusões, como aconteceu em nosso trabalho de pesquisa. Além da vantagem adicional do baixo custo, Ludke e André (2007, p. 39) consideram também que: Os documentos constituem também uma fonte poderosa de onde podem ser retiradas evidências que fundamentem afirmações e declarações do pesquisador. Representam ainda uma fonte natural de informação. Não são apenas uma fonte de informação contextualizada, mas surgem num determinado contexto e fornecem informações sobre esse mesmo contexto. Para estudar de maneira objetiva a comunicação, a Análise de Conteúdo apresenta-se como uma técnica essencial. Para um Estudo de Caso, as proposições (teses) poderão ser testadas a partir dos achados de uma Análise de Conteúdo (MARTINS, 2008, p. 35). Os documentos disponibilizados para análises foram selecionados em função do objetivo central da pesquisa: analisar a Educação Ambiental praticada pela Siderúrgica. Para tanto, após o início do trabalho de campo, buscamos relacionar os possíveis documentos que entendemos serem necessários para o desenvolvimento desse trabalho. Foram analisados documentos adquiridos em diversas formas, tais como: meios eletrônicos, pastas com

73 72 documentos sobre os Prêmios Siderúrgica de Meio Ambiente, relatórios gerados, anexos, apostilas/manual do educador/professor, documentos de treinamentos sobre questões ambientais/meio ambiente (slides), Relatório de Gestão Ambiental-Prêmio Mineiro do Meio Ambiente, e Premio Falcão Bauer. Algumas solicitações de materiais/documentos que tratam sobre educação ambiental e/ou treinamento do público interno e sobre a semana do meio ambiente não foram disponibilizadas 24. No APÊNDICE C, apresentamos a relação dos documentos que serviram de análises. Dos documentos relacionados, apresentaremos de forma resumida, a análise de conteúdo de cada um. Para cada título desse apêndice foram construídos, quadros adequados, nos quais e de acordo com a necessidade de cada assunto, registramos os itens considerados importantes e de grande relevância para nossa pesquisa. Buscamos então, relacionar as atividades de Educação Ambiental praticadas pela Siderúrgica, os dados e as informações contidas nos respectivos documentos, verificando a conformidade com os objetivos do nosso trabalho Programa de Educação Ambiental da Siderúrgica O Programa de Educação Ambiental (PEA) da Siderúrgica, existe desde 2002, integrando as atividades do Centro de Educação Ambiental - CEAM. Além de visitas às unidades CEAM, os visitantes participam de palestras que são ministradas, sobre questões ambientais e realizam trilhas ecológicas. O documento informa que a madeira utilizada na construção da Casa da Natureza - local de recepção e realização de palestras e eventos como a entrega do Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente - é proveniente de reservas florestais da empresa, demonstrando um exemplo de sustentabilidade. (PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 2009, p. 3). O Programa tem como objetivo geral: Desenvolver atividades de conscientização e difusão de conhecimentos, valores e habilidades sobre questões ambientais, contribuindo para a formação de cidadãos comprometidos com a preservação dos recursos naturais do planeta e preocupados com desenvolvimento sustentável. (ibid, 2009, p. 4). 24 Solicitações foram feitas a alguns sujeitos da pesquisa, envolvidos com as questões de EA e treinamento, mas não foram disponibilizadas, apesar de para solicitação usarmos meios eletrônicos ( s), de telefonemas e também de contato pessoal em alguns momentos de nossa estadia no campo.

74 73 Apresenta como meta o atendimento anual de quatro mil e quinhentas pessoas da Região e, destacando sete linhas de ação dentre as quais encontram-se a realização da Semana do Meio Ambiente e a ênfase aos trabalhos realizados pela empresa, que visam a redução dos impactos de suas atividades ao meio ambiente local. (ibid, 2009, p. 6). Documentos que evidenciam a realização da Semana do Meio Ambiente e também a divulgação das ações da empresa quanto à redução dos impactos ambientais não foram disponibilizados. Observa-se no item 6, página 7 do PEA, que a Equipe Técnica Responsável é formada por pessoal do setor de recursos humanos e uma estagiária, não havendo portanto participação de um profissional da área de Educação Ambiental e/ou meio ambiente e nem profissional da área pedagógica. Entendemos que o PEA é, de certo modo, um tanto quanto tímido, pois, além de apresentar um conteúdo específico em apenas quatro laudas, não apresenta referencial teórico e não direciona aos seus funcionários programas de educação ambiental e/ou formações em serviço. Berna (2001, p. 70) destaca que um programa básico de educação ambiental na empresa deve contemplar: [...] pelo menos, quatro públicos distintos, mas interligados, para os quais podem ser desenvolvidos projetos específicos, a serem executados um a um, na medida dos recursos disponíveis e do planejamento estratégico da empresa. O primeiro público-alvo são os próprios funcionários, compreendendo a Diretoria, o corpo técnico e os operários, com extensão aos prestadores de serviço. Esse público é o melhor multiplicador de opinião da empresa. É bom realizar seminários internos e campanhas de conscientização adequadas a cada nível na empresa, engajando todos na nova responsabilidade com o meio ambiente. Embora a visitação ao CEAM seja aberta a todos os públicos, o PEA é voltado especificamente para alunos do ensino fundamental da região, visto que as LINHAS DE AÇÃO abordam temas focados na ecologia, como pudemos evidenciar na observação participante que realizamos, não inserindo o público interno em seu contexto, não contemplando diretamente os funcionários/empregados da empresa. Os indicadores de desempenho que compõe o PEA, como anexo, apresentam dados de satisfação dos visitantes e avaliação do programa, em cuja metodologia ele se baseia, apresentando dados somente em relação a alunos e professores.

75 74 Entende-se que os funcionários/empregados serão mobilizados/envolvidos pela Educação Ambiental com a participação dos seus filhos que estão nas escolas de ensino fundamental, por meio do prêmio. Em uma pasta de documentos que nos foi enviada por e- mail, encontramos um arquivo Word com data de dezesseis de janeiro de 2006, que é uma folha com o título Instruções onde na quinta e última instrução fica estabelecido que O Programa de Educação Ambiental é direcionado apenas para os alunos e professores das escolas participantes, o que impossibilita a participação de terceiros. Além da participação das escolas no prêmio todos os anos, essas tem a possibilidade de participarem também, e participam por vários anos das visitas ao Centro de Educação Ambiental (CEAM), como registramos em nossa observação participante, nas entrevistas e nos questionários aplicados. Permanece, dessa maneira, a garantia da continuidade de um processo muito importante, pois, essas atividades não possuem uma data pré-determinda para deixarem de acontecer, podendo dessa maneira, serem consideradas como uma educação continuada. Ou seja, por vários anos e várias séries os alunos e as escolas têm a oportunidade de participar e se envolver com as questões ambientais em diferentes épocas de suas vidas escolares, carregando uma visão de mundo diferente em cada momento, tornando-se assim, potencialmente, consistentes e atualizados aos saberes/conhecimentos aprendidos Considerações sobre Programa de Educação Ambiental (PEA) da Siderúrgica Como sugerido no Centro de Educação Ambiental no Brasil: Manual de Orientação 25, além do Centro de Educação Ambiental (CEAM), o PEA deveria também apresentar a Equipe Educativa e um Plano Político Pedagógico 26 (PPP), que propicie o desenvolvimento e implementação de atividades de EA contemplando todo espectro que deve ser alvo do PEA, como a comunidade escolar (público externo) e os empregados/terceirizados (público interno). Alguns documentos que fazem referência à EA, como ProNEA, DN COPAM, PNEA, TEASS, Tbilisi, inserem as empresas como instituições também responsáveis pela prática da EA em seus espaços, de modo que todos os funcionários e em 25 Centros de Educação Ambiental no Brasil: Manual de Orientação, MMA, Brasília -DF, (2004, p. 10). 26 Busato e Arigoni in Pedrini Org. (2008, p. 205), sugere dentre outros, a definição do modelo pedagógico.

76 75 todos os níveis sejam contemplados. Desse modo, o PEA não coaduna-se totalmente com os documentos antes citados. Entendemos então, embora a comunidade e os familiares dos funcionários sejam contemplados com a EA que a empresa pratica, os funcionários necessitam serem focados pelo PEA com uma participação efetiva Regulamento Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente e Considerações Segundo o informativo Linha do Tempo 20 Anos (2008), em 1992 foi lançado o Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente pela empresa. Este Prêmio constitui-se em um conjunto de esforços desenvolvidos pela Gerência Corporativa de Meio Ambiente, nas unidades produtivas, visando uma nova atitude em relação às questões ambientais. Além do investimento em processos e equipamentos não poluentes, a empresa investe também na conscientização dos seus funcionários e familiares. Desde quando foi lançado, até 2008, mais de 3,5 milhões de crianças e adolescentes estudantes de escolas públicas participaram do prêmio. Vale destacar que 176 escolas já inseriram o Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente em sua grade curricular e outras 609 instituíram o Dia do Prêmio Siderúrgica na escola. ( LINHA DO TEMPO 20 ANOS FUNDAÇÃO SIDERÚRGICA BRASIL, 2008, p. 2). Após a aprovação do projeto de reestruturação da Fundação pela Diretoria, em julho 1999, a empresa passa a ter como foco de atuação a Educação. A empresa desenvolve programas próprios, em educação, meio ambiente, cultura e saúde, com ações direcionadas a crianças e adolescentes com idade de 7 a 14 anos. (ibid., 2008, p.5). O Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente, que era realizado pela Gerência de Meio Ambiente, passa então, a partir de 2001, a ser atribuição da Fundação. (ibid., 2008, p. 7). Conforme explicitado em seu Regulamento, O Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente tem como objetivo promover maior conscientização sobre questões ecológicas, de forma a contribuir para que as novas gerações atinjam sua maturidade melhor preparadas para preservar e valorizar o meio ambiente. (REGULAMENTO DO PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2010, p. 1).

77 76 Com periodicidade anual, o regulamento direciona enfoque na Educação Ambiental, sendo o prêmio desenvolvido nas usinas e fábricas do Grupo, buscando envolver as comunidades de sua zona de influência, sendo promovido e organizado pela Fundação da Siderúrgica juntamente com as Unidades/Empresas do grupo. O público alvo específico é formado pelos alunos e filhos/dependentes de empregados da Siderúrgica, que estejam cursando o Ensino Fundamental (1º ao 9º ano). Além da responsabilidade de executar e coordenar as atividades do prêmio, a unidade industrial, também é responsável pela distribuição dos materiais didáticos e pela capacitação dos professores que são indicados pelas escolas. Três fases compõem o prêmio: 1ª Fase Unidade Escolar, 2ª Fase Empresa/Unidade e 3ª Fase Fundação Siderúrgica - Corporativa. Em cada fase existem três categorias, sendo uma de Desenho para alunos e filhos de empregados cursando 1º ao 5º ano com até 13 anos, a Redação para alunos e filhos de empregados cursando 6º ao 9º ano com até 17 anos, e, finalmente a categoria de Projeto Escola. Apesar de a escola ter a liberdade de criação/elaboração do projeto, este deve ser fidedigno ao tema proposto, sendo a participação nesta categoria opcional. (ibid., 2010, p. 1). Simultaneamente foram analisados os Regulamentos referentes ao período de 2008 a 2011, sendo que o de 2011 apresenta alguns ajustes em relação ao número de premiados. A siderúrgica oferece prêmio em dinheiro nas categorias e fases da Empresa/Unidade (2ª fase) e Fundação Siderúrgica Brasil - Corporativa (3ª fase), sendo que na Unidade Escolar (1ª fase) não necessita haver premiação mas, é sugerido a valorização dos trabalhos e reconhecimento dos participantes e principalmente dos finalistas. Quanto ao Projeto Escola é exigida uma padronização na apresentação do projeto almejando a participação coletiva, fidelidade ao tema proposto, criatividade, clareza e autenticidade como fatores preponderantes. As comissões de seleção/julgamento de 2008, 2009 e 2010, foram constituídas por profissionais ligados às áreas de educação, meio ambiente, sendo o setor de recursos humanos o responsável pelo prêmio. Neste ano de 2011, o aumento da premiação de três para seis projetos escola, pode ser um grande incentivo para maior participação da comunidade escolar. O Regulamento do prêmio tem um anexo que é um Relatório Empresa/Unidade que permite um levantamento estatístico de participações, e permite, também, que as escolas opinem, avaliem, sugiram e façam críticas para melhoria dos próximos prêmios e assim elas o fazem.

78 77 As categorias Desenho e Redação, embora possam envolver muitos professores, tem o objetivo principal de promover a efetiva participação dos alunos, já a categoria Projeto Escola envolve os professores e demais trabalhadores da escola. Dessa maneira o prêmio pode, dependendo da escola, inserir todas as pessoas e setores com as questões ambientais. Entendemos que, a participação e grau de envolvimento das pessoas, deve ser elemento fundamental na concepção de projetos educacionais e a interdisciplinaridade não pode ser deixada de lado e a busca da contextualização deve ser constante. Os critérios de avaliação sugerem aos participantes a criar, desenvolver habilidades, buscar conhecimento, etc., e a possibilidade de premiação para todas as séries pode contribuir para um maior envolvimento e interesse dos alunos e escolas, conforme entendem também, algumas professoras cujos depoimentos veremos no item das entrevistas. O Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente mobiliza e envolve quase toda comunidade escolar e também diversas famílias dos funcionários cujos filhos participam do prêmio. Nos trabalhos de observação participante, onde realizamos várias atividades no Centro de Educação Ambiental da Siderúrgica, aplicamos questionários e entrevistas semi-estruturadas em várias escolas municipais, estaduais e particulares, e também nas residências de alguns funcionários. Era notório o envolvimento da comunidade, e a empolgação em se falar do Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente e da empresa, podendo até considerar o binômio Usina-Siderúrgica sinônimo de Prêmio e Educação Ambiental. Todas essas escolas são orientadas a participar do prêmio, seguindo as normas e orientações do Regulamento do Prêmio, o qual é distribuído para toda comunidade escolar participante Cartilhas do Prêmio Siderúrgica Meio Ambiente As cartilhas são identificadas na capa como Manual do Professor, Material do Educador e Manual do Educador. Essas cartilhas comportam todas as informações, direcionamentos e referenciais teóricos para que o professor/educador possa desenvolver as atividades com foco aos temas relativos ao Prêmio de Meio Ambiente. Junto à cartilha do professor/educador, segue material audiovisual, como CD ou DVD, e também, as cartilhas dos alunos apresentando sugestões de várias tarefas e atividades. Com esses materiais, os professores representantes de cada escola são convidados a participarem da capacitação/treinamento, onde são discutidos os temas, realizadas oficinas e fornecidas

79 78 sugestões de trabalhos com os professores e alunos. Nessas cartilhas/documentos analisados, procuramos o entendimento das concepções dos autores quanto a Educação Ambiental, verificar quais atividades práticas sugeridas para com os alunos e as referências bibliográficas utilizadas para composição dos materiais que compõem os temas do prêmio. Por considerarmos o material do professor/educador como principal e mais importante documento do prêmio e responsável pela orientação e realização das atividades educacionais dentro e fora da escola, e, por entendermos que este material/documento, carrega em seu bojo os princípios da Educação Ambiental, achamos por bem, enriquecer este item, apresentando pequena discussão sobre o conteúdo de cada cartilha, para que possamos nos envolver com a complexidade ambiental, com alguns autores, e, imaginar, desde a mais simples, até a mais complexa atividade que possa ser desenvolvida/criada, pelos mais variados temas que são apresentados. Ao final, apresentaremos, então, algumas considerações sobre os conteúdos das referidas cartilhas ou Material do Educador ou Manual do Professor, ou Manual do Educador Planeta Terra: O que posso fazer por ele? 1992 As primeiras frases da cartilha começam com a mensagem do Sr. François Moyen, até então presidente da Siderúrgica, citando que há seis anos, a empresa, professores e pais, incentivam jovens a desenvolverem trabalhos aprendendo sobre a relação empresa-ambiente, e, cita também: Temos o orgulho, como empresas cidadãs, de que estamos fazendo a nossa parte para que as gerações futuras lidem com o ecossistema de forma mais instruída e, conseqüentemente, mais responsável dentro do conceito da responsabilidade solidária, onde cada um de nós indivíduo, comunidade, empresa e governo tem de fazer a sua parte para alcançar o objetivo comum: a preservação de meio ambiente. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 1998, p. 1). Na introdução, os autores entendem a Educação como instrumento capaz de viabilizar mudanças profundas na percepção quanto ao meio ambiente, proporcionando bases de conhecimento e consciência necessárias a um programa de Desenvolvimento Sustentável (ibid., 1998, p. 4), e que o objetivo maior da EA é desenvolver, portanto uma consciência

80 79 solidária das gerações atuais, visando a construção de uma sociedade ambientalmente equilibrada e socialmente justa. (ibid., 1998, p. 5). Propõem-se atividades práticas com intervenções educativas, utilizando o próprio sistema escolar, abordando questões para a gestão do meio ambiente. O conteúdo aborda assuntos de acontecimentos importantes como em Estocolmo e Tbilisi, TEASS e Agenda 21. A partir desses referenciais, aborda temas sociais, industriais, políticos, ecológicos, sustentabilidade, buscando a conscientização ambiental com destaque à pergunta: O que podemos fazer para participar ativamente da solução dos problemas ambientais da nossa escola, na nossa empresa, na nossa cidade, no nosso país e planeta? (Ibid., 1998, p. 11). Daí insere o homem nas questões ambientais conscientizando-os da capacidade que tem de melhorar as condições ambientais e defender nosso Planeta, usando em cada questão somam cinqüenta e oito EU POSSO, encorajando os atores sociais à realização de atitudes diversas e apresentando o conceito amplo de meio ambiente e a necessidade de desenvolvermos o senso crítico para transformamos o nosso meio O Melhor de Mim para o Melhor dos Mundos Os autores acreditam que o prêmio contribui para a melhoria do processo de EA das escolas, estimulando o exercício da cidadania. Consideram que as virtudes são fundamentais para desenvolver habilidades e provocar mudanças de atitudes, e, para redescobrir ações direcionadas à melhoria da qualidade de vida, de maneira que as atividades desenvolvidas, com pequenas ações, possam levar as pessoas a agir local e pensar global, estimulando-as a práticas permanentes de respeito ao MA e também a toda forma de vida. Em sua Mensagem aos Educadores, Sorrentino (2003) cita a necessidade de envolvimento crítico de todos e considera que nossas virtudes nos faz humanos e que a construção de uma cidadania deve estar comprometida com a vida. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2003, p. 3). A cartilha indica atividades com o envolvimento das escolas, professores, alunos, filhos de funcionários e seus familiares, buscando desenvolver atividades originais e criativas por meio da produção de textos e desenhos, orientando atividades diversas para a reflexão, o contato, a ajuda, a união, a leitura, a criação, Agenda XXI e vários questionamentos sobre questões ambientais e sobre a vida. Sem o envolvimento da comunidade os problemas

81 80 ambientais tornam-se cada vez mais difíceis e numerosos, pois, a Educação sozinha não é responsável pela superação de problemas socioambientais, mas ela pode contribuir para uma investida crítica dos indivíduos nos processos de mudança necessários. (ibid., 2003, p. 5). Conhecer o perfil do aluno e aprimorar seus valores é um caminho para tornar a participação deles mais efetiva. Nesse tema, várias dimensões da Educação Ambiental estão centradas nas virtudes que norteiam ações necessárias para um mundo sustentável. Portanto, amor, coragem, respeito, responsabilidade, perseverança e amizade, são importantes virtudes. Assim, sensibilização e reflexão não podem ser simplesmente palavras, mas sim ações e práticas que constroem valores essenciais à vida e a uma sociedade justa e livre O Melhor de Mim para o Melhor dos Mundos: O que fiz até agora e como posso continuar 2004 Considerando o sucesso do ano anterior, a Fundação repete o tema anterior O Melhor de Mim para o Melhor dos Mundos e complementa O que fiz até agora e como posso continuar?, e convida novamente aos professores, alunos, escolas, a refletirem sobre a essência humana de cuidado e amor para com o meio ambiente. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2004, p. 3). Para os autores, uma pedagogia adequada em Educação Ambiental é o caminho que pode provocar mudanças comportamentais em relação ao meio ambiente, juntamente com envolvimento coletivo e organizado dos cidadãos. Destacando as grandes orientações de Tbilisi, UNESCO, citam que a Educação Ambiental deve ser concebida como um processo contínuo, graças a uma renovação permanente de suas orientações, métodos e conteúdos. (ibid., 2004, p. 4). Com uma rica lista de consulta bibliográfica, a cartilha apresenta a Educação Ambiental como projeto, orientando e esclarecendo ações necessárias para planejamento das diversas etapas, enfatizando a necessidade de se fazer adequadamente o diagnóstico para a criação de projetos em EA pela Escola. Com essas orientações, deseja-se formar cidadãos críticos, participativos e capazes de assumir suas responsabilidades éticas, sociais e ambientais, com intuito de fortalecer a importância do envolvimento de todos os integrantes da comunidade escolar, independente do cargo ou função, na participação do projeto.

82 Consumo Consciente para um Mundo Melhor Na contra-capa dessa cartilha Martin Buber 27 é citado para demonstrar a crença no diálogo como metodologia educacional. Nesse sentido, é sugerido que vários conceitos devem estar explícitos, para que, sobre os quais todos possam refletir e agir. Dessa maneira dá-se grande destaque ao consumo consciente e a sustentabilidade. Talvez, buscando outras formas de práticas educativas, o texto afirma há um novo caminho, sim. Ele certamente não se limita à educação formal. Ultrapassa as fronteiras da escola e perpassa a cidadania, consideram que os princípios de Tbilisi são eternamente inspiradores e recomenda a leitura dos referidos princípios: consciência, conhecimento, comportamento, habilidade e participação. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2005, p. 3). No prefácio dessa cartilha, Fernando Caramuru Bastos Fraga apresenta o Pressuposto único: é preciso afirmar e desenvolver vida e negar tudo que a negue ou venha a negá-la, (ibid., 2005, p. 2) e estabelece sete conceitos onde tudo está ligado a tudo e a todos e a todas as formas de vida e ambiente, sendo, portanto, o amor indispensável. Os impactos causados pelas atividades humanas são sentidos. O consumo inconsciente, a exclusão social e a degradação dos recursos naturais, aproximam-se ao limite da sustentabilidade. A ênfase é sobre o consumo consciente e sugere que os professores busquem informações em diversos outros textos e se esforcem para melhoria das condições planetárias. Reconhecendo o esforço dos professores e sem esquecer os afazeres com a família e pessoais, na apresentação dessa cartilha, Markus Weber (2005) entende que as rotinas de educador devem ser ricas de atitudes de amor, pois, a recompensa vai muito além do esforço. (ibid., 2005, p. 1) De olho na cidade Consideram os autores dessa cartilha, que, formar uma parceria e promover a reflexão sobre o uso dos espaços público; contribuir para a formação de cidadãos independentes, 27 Segundo Gohn, 2010, p. 28, M. Buber (1987) é um dos inspiradores da educação sociocomunitária, em propostas de articulação das práticas da escola e parcialmente fora dela, nos interstícios dos sistemas escolares.

83 82 críticos e participativos, são atribuições do Educador que é o motivador é o articulador da aprendizagem, e acreditam que: [...] percepção, comunicação e aprendizagem são os pilares da ação educativa, e, que a interação entres eles faz parte do processo de Educação Ambiental que tem como princípio a busca da interdependência e da sinergia entre o protagonista da ação e o orientador dela, e provocam mudanças de comportamento, valores e atitudes tão necessários à solução dos problemas atuais. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2007, p. 7). Fazem uma relação com a geografia convidando a todos a observar o cotidiano urbano, buscando detalhes de formas, limpeza e comportamento das pessoas, com registros daquilo que se observa. Buscam também os conhecimentos de leis que tratam do espaço público. A cada leitura exige-se que o professor registre sua análise em relação ao tema e seus alunos. Entendem a percepção das pessoas como caminho para entendimento do meio. A partir dessa premissa, consideram também que seja o processo formal ou informal de conhecimento, é preciso que haja uma comunicação eficiente entre as pessoas para que se dê a aprendizagem. (ibid., 2007, p. 5). a comunicação exige reciprocidade, isto é, ela é dialógica e não passiva. É assim que a aprendizagem acontece, com a relação de comunicação entre pessoas de mente ativa em uma realidade específica. (ibid., 2007, p. 6). Quanto à legislação ambiental, a Lei de Crimes Ambientais e uso dos espaços públicos, são feitas abordagens sobre a importância, as necessidades e os comentários, sugerindo que o professor aprofunde em diversos temas, como exemplo, mudanças ambientais globais e desenvolvimento sustentável Entre no Clima! Uma reflexão sobre o aquecimento da terra A educação é fundamental para transformação dos cidadãos. Argumentam os autores dessa cartilha de maneira que: É o processo educativo que leva a pessoa a agir de forma crítica, autônoma e inovadora. Acreditamos nisso e no papel do educadormediatizador/tradutor. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2008, p. 3). Complexa é a educação ambiental e, para realização desta tarefa, faz-se necessário a busca de caminhos que norteiam para o diálogo e parcerias. A complexidade ambiental e a sensibilização afetiva são princípios que orientam a educação ambiental para sociedades

84 83 sustentáveis. O uso da cartilha sugere atividades pedagógicas interdisciplinares sem esquecerse da transversalidade com a ética e meio ambiente, com abordagens sobre a influência do homem na degradação do meio ambiente juntamente com a revolução industrial. Alguns encontros com tema sobre o aquecimento global são citados e destaca o Protocolo de Kyoto e a relevância de estudos apresentados em 2007 pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que indicam a necessidade de mudança do modo de vida atual. Acreditando que leitura e escrita são instrumentos de compreensão de um tema complexo, recorre a Paulo Freire e citam na cartilha: O ato de ler e escrever deve começar a partir de uma compreensão muito abrangente do ato de ler o mundo, coisa que os seres humanos fazem antes de ler a palavra. Até mesmo historicamente, os seres humanos primeiro mudaram o mundo, depois revelaram o mundo e a seguir escreveram as palavras. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2008, p. 10). O texto defende a participação de empresas, governos e todos os cidadãos; a criação de fóruns, reuniões, debates, etc., como paradigmas essenciais como forma de melhorar a qualidade do nosso mundo Alimentação Saudável: Uma lição saborosa A conscientização dos alunos sobre a relação do meio ambiente com a produção de alimentos e sustentabilidade está aparente nessa cartilha, onde os autores mencionam os temas saúde e meio ambiente incorporados pelo MEC, ao currículo de Ensino Fundamental, e a segurança alimentar e nutricional no Brasil que é definida de acordo com a II Conferência Nacional de Segurança Alimentar, 2004: [...] o direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos com qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras da saúde, que respeitem a diversidade cultural e que sejam social, econômica e ambientalmente sustentáveis. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, p. 7).

85 84 Os autores consideram que um espaço privilegiado para estudo da alimentação saudável e sustentável é a Escola, onde se aprende que todos têm responsabilidades sobre os alimentos. Desde os produtores até os consumidores. Neste ambiente, o estudante bem orientado faz escolhas adequadas dentro e fora da escola. (ibid., 2009, p. 5). O bem de maior valor que se pode oferecer à juventude é o conhecimento, pois, através dele, é que essa juventude amadurecerá com responsabilidade e consciência planetária, tendo condições de participar individual e coletivamente para conservação ambiental. Atentos à sustentabilidade social e ecológica, e ávidos aos processos produtivos, poderão fortalecer a produção sustentável, contribuindo em acabar com a fome e a miséria Eu, você e o presente da natureza Para promover diálogo de saberes, conhecimentos, para incentivar o envolvimento e a participação nas ações de educação ambiental para o exercício da cidadania planetária, tomase como referencia o Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global, apresentando: A educação ambiental é um processo de aprendizagem permanente, baseado no respeito a todas as formas de vida. Tal educação afirma valores e ações que contribuem para a transformação humana e social e para a preservação ecológica. Ela estimula a formação de sociedades socialmente justas e ecologicamente equilibradas, que conservem entre si relação de interdependência e diversidade. Isto requer responsabilidade individual e coletiva em nível local, nacional e planetário. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2010, p. 2). Afirmam os autores que todas as pessoas: crianças, jovens e adultos devem incorporar atitudes, valores e cuidados com o meio ambiente, buscando a realidade socioambiental em que vivem, com diálogo e reflexão. Cuidar do quintal ou do planeta é um exercício amoroso cotidiano de autoconhecimento, de transformação interior, de respeito à diferença e a todas as formas de vida. (ibid., 2010, p. 3). As atividades pedagógicas sugeridas estimulam o compartilhamento de aprendizados com os familiares, amigos e comunidade local, inspirados em músicas, cantos e histórias, para Pensar e realizar um EA adequada às particularidades de cada pessoa, de cada grupo, de cada escola [...]. (ibid., 2010, p. 5).

86 Idéias para sustentar o mundo Educar para sustentabilidade. A Educação Ambiental forma laços com o coletivo e com redes de relacionamento e consegue mobilizar ações intensas e dinamizar políticas públicas, deve-se Educar buscando o equilíbrio nas interações com o socioambiente e em direção à sociedade sustentável. (PRÊMIO SIDERÚRGICA DE MEIO AMBIENTE, 2011, p. 5). Relatam nos textos, os autores, que reflexões sobre a complexidade ambiental são fundamentais. Nesta perspectiva, a participação dos cidadãos em encontros sobre educação ambiental; em Conferências Nacionais para o público adulto e Infanto-Juvenil, etc., constituise um dos caminhos para sustentabilidade. Surge agora, a oportunidade para essas reflexões lembrando que o período de 2005 a 2014 é a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável, conforme designado pela ONU. (ibid., 2011, p. 6). Incentivar a capacidade criativa das pessoas para construir conhecimentos que sejam transformados em atitudes e ações ambientalmente sustentáveis para garantir um processo educativo contínuo, é também um caminho importante. Portanto, a cartilha indica que o Projeto Político Pedagógico da escola deve ser recheado de questões como: diálogo, respeito, comunidade, transformação, desafios, participação e comprometimento. Além da Agenda 21, sugere várias técnicas para se fazer um diagnóstico da escola e convida Governo, empresas e indivíduos a se reunirem para definição de ações estratégicas para contribuir para um mundo sustentável Considerações sobre o conteúdo das cartilhas Explorando o conteúdo das cartilhas, vislumbramos uma perspectiva promissora, quanto às ações para o desenvolvimento sustentável, pautada nos princípios fundamentais da Educação Ambiental. Entendemos nós, que a práxis educativa concebida nas linhas e entrelinhas das cartilhas, alcança o despertar necessário para tomada de atitudes críticas e transformadoras, que cavam a Terra de maneia sustentável, colaborando com a consciência e a melhoria socioambiental dos cidadãos. Além da diversidade e do número considerável, são de riquíssima qualidade as referências bibliográficas citadas nestes documentos. Não vamos citar os nomes dos(as)

87 86 autores(as) referenciados(as), pois seriam necessárias algumas páginas. Portanto, optamos em apresentar os documentos importantes que tratam sobre a Educação Ambiental no Brasil e no mundo, que foram citados não somente nas referências bibliográficas e/ou bibliografia consultada, como também nos textos. Destacamos, assim, alguns e necessários documentos quando se trata de Educação Ambiental usados nas cartilhas e que vão ao encontro com o nosso trabalho: Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (TEASS); Carta da Terra; Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA); Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA); Agenda 21; Declaração Internacional de Educação Ambiental de Tbilisi; e também, alguns sites como do Ministério do Meio Ambiente (MMA); Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA); Secretaria de Educação MEC/SEF; ONU e UNESCO, entre tantos. A parceria Siderúrgica/Escola/Comunidade, existe como um convite à participação individual e coletiva; ao fazer em grupos; à descoberta do novo; à valorização do existente; à provocação; ao despertar as percepções dos indivíduos sobre as questões locais e globais; e, quem sabe, ao afloramento das virtudes das pessoas para construção de um mundo mais humano. Esta parceria, constitui um caminho como meio de transformação, onde novas trilhas e atalhos podem, não somente serem imaginados mas, descobertos e criados, um caminho onde as pedras podem ser usadas para edificação do educar ou até mesmo para tropeçarmos e aprendermos a levantar novamente. As oportunidades com diversos olhares para os diversos saberes, aí estão. Envolva-te para que sejas envolvido. Participa para que possas colher os frutos da tua participação. É importante destacar que as análises foram feitas a partir dos conteúdos das cartilhas e consideramos que o texto apresenta consonância com uma proposta de Educação Ambiental crítica, emancipatória e transformadora. A continuidade das análises, no desdobramento das outras dimensões do estudo de caso realizado, apontará para o diálogo ente essas referências e a prática de educação ambiental desenvolvida Relatório Empresa/Unidade do Prêmio Siderúrgica de Meio Ambiente Conforme citado no item 3.1.2, o Relatório Empresa/Unidade é um anexo do Regulamento do prêmio, relatório esse que apresenta um levantamento estatístico das participações das escolas; dos filhos de funcionários e permite que as escolas opinem,

88 87 avaliem, sugiram e façam críticas com o objetivo de sempre contribuir para melhoria dos próximos prêmios e assim, de acordo com as análises que efetuamos, as escolas o fazem. Foram analisados os conteúdos dos relatórios Empresa/Unidade, referentes aos anos de 2008, 2009 e 2010 de forma que procuramos sintetizar as análises desses três anos. Embora o trabalho seja de cunho qualitativo, achamos necessário destacar alguns números, referentes a esse período, de maneira que possamos nos situar quanto à abrangência, à participação coletiva e efetiva da comunidade escolar e, também quanto aos filhos de funcionários envolvidos com o prêmio. Para tanto, procuramos destacar os itens que julgamos de maior relevância, apresentando-os, para melhor compreensão, na tabela 1. Tabela 1 Dados referentes ao período de 2008 a 2010 do prêmio ANOS/NÚMEROS ÍTENS Escolas na região Escolas participantes Escolas participantes que instituíram o Dia do prêmio Escolas participantes que instituíram o Dia do prêmio na grade curricular escolar. Alunos participantes não filhos (as) de empregados (as) Alunos participantes filhos (as) de empregados (as) Professores/educadores envolvidos no prêmio Professores/educadores capacitados no prêmio Apostilas distribuídas para os professores Cartilhas distribuídas para os alunos Projeto Escola recebidos As escolas avaliaram os temas, considerando excelente e muito bom 87% 97% 63% Considerações sobre os conteúdos dos Relatórios Empresa/Unidade do Prêmio As entrevistas e a observação participante que realizamos com professoras(es) das escolas que participam/participaram do prêmio, vão ao encontro dos conteúdos dos relatórios analisados. Com um número expressivo de participantes nas atividades sugeridas pelo prêmio

89 88 observa-se o envolvimento da comunidade escolar que, por meio de uma participação efetiva, apresentando contribuições nos relatórios para que, além das escolas, suas crianças os alunos, desenvolvam maior interesse em participar, e, garantir, segundo professores entrevistados, o sucesso do prêmio. A empresa compartilha das sugestões apresentadas pelas escolas de maneira a viabilizar as mudanças necessárias. Como exemplo, podemos citar as solicitações das escolas quanto à elaboração de uma cartilha direcionada para os alunos dos 1º e 2º anos. Até então eram dois tipos de cartilhas, sendo um para os alunos do 1º ao 5º anos e outro para os alunos do 6º ao 9º anos. As professoras apontavam para certa dificuldade devido a falta de maturidade dos alunos na compreensão dos assuntos abordados. No prêmio 2010, foi elaborada uma cartilha específica para os 1º e 2º anos, atendendo às solicitações das escolas. Outro exemplo é a premiação na etapa corporativa que antes eram premiados três Projetos Escola e agora, em 2011, serão seis projetos contemplados. Ainda em uma entrevista, uma professora sugeriu que a empresa premiasse não só o aluno, mas também o professor, como incentivo e valorização do seu trabalho, relatando que grande esforço e comprometimento são fundamentais. Assim, a empresa passa a premiar também os professores orientadores dos alunos vencedores dos prêmios nas categorias desenho e redação, conforme informado na reunião de capacitação dos professores realizada em abril de 2011, da qual tivemos a oportunidade de participar. Tal capacitação é feita desde 2008 por uma professora ambientalista com grande experiência e conhecimento sobre educação ambiental e questões ambientais. São várias as críticas e sugestões apresentadas pela comunidade escolar. Abordando pontos positivos e negativos, sugerindo inúmeros temas para próximas edições do prêmio, algumas escolas instituíram o Dia do prêmio, não só na escola, mas, também na grade curricular escolar. Em conversa informal, enquanto aguardava a professora coordenadora no prêmio na escola, para uma entrevista, uma professora ao saber da pesquisa que estava sendo realizada disse: nossa, a gente fica na expectativa querendo saber qual o tema do próximo prêmio pra logo iniciar os trabalhos (CADERNO DE CAMPO, 12/2010). Sustentabilidade, Temas relacionados à Família, Reciclagem, Consumismo, Higiene Pessoal, Família x Escola, Reciclagem, 3ª idade, Água, Lixo, Drogas x Violência, Cidadania, dentre tantos outros temas, esses são alguns sugeridos pela comunidade escolar, sendo que o tema Alimentação Saudável e Idéias para Sustentar o Mundo foram sugeridas pela própria Siderúrgica.

90 89 Alunos e escolas são premiados com realização de cerimônia cívica nas escolas e, na Casa da Natureza para os (as) filhos (as) de funcionários (as). Pudemos constatar em nossas entrevistas, que esses eventos valorizam a criança junto aos colegas e professores, aproxima a empresa da comunidade/escola, envolve o empregado e sua família com questões da empresa e ambientais. Cria-se, então, laços de parceria e de conscientização que são preconizados pelo ProNEA, TEASS, Tbilisi e outros documentos, objetos da nossa pesquisa Pastas de arquivo dos documentos referentes ao prêmio Todos os documentos gerados em função da realização do prêmio são organizados e identificados corretamente em uma pasta. Várias pastas foram disponibilizadas para realização da nossa pesquisa e, devido ao grande volume de pastas e documentos nelas contidos, optamos por analisar as pastas de 2009 e de A de 2010 foi estrategicamente escolhida por termos em alguns momentos em nosso trabalho de campo, a oportunidade de observar, participar e até mesmo confrontar, se necessário, alguns dados e acontecimentos. Ao vasculharmos os arquivos contidos nas referidas pastas, nos deparamos com todos os documentos anteriormente citados, com listas de chamadas/presença, carta convite para as escolas, cronograma de realização do prêmio, registros fotográficos, cartazes, cartilhas para os alunos, para professores, DVDs, modelos de certificados, etc., e também, outros documentos de grande valor para nossa pesquisa. Na carta de agradecimento encaminhada pelo Gerente Geral da Empresa ele considera que: A participação da sua escola foi fundamental para o sucesso deste projeto, mas, sobretudo, pela oportunidade de contribuirmos para a formação de cidadãos conscientes dos desafios com relação à preservação do planeta e da própria saúde, 25/10/2010. Diante dessa fartura de documentos, consideramos indispensáveis analisarmos o programa de capacitação dos professores; os projetos das escolas vencedoras em 1º lugar, e também alguns depoimentos de alunos e professores Considerações sobre os conteúdos dos documentos das pastas dos prêmios

91 90 Começando pelo programa de capacitação dos professores, elaborado pela professora ambientalista, este apresenta conteúdo relevante e objetivo estabelecendo realizações de oficinas com uso do Material do Educador. A partir da perspectiva da EA e do Programa Nacional de Educação Ambiental (PNEA), as atividades são desenvolvidas com aplicação de uma metodologia participativa e dialógica no processo de ensino aprendizagem, considerando o MA em sua totalidade e complexidade. Estimula debates, entrevistas e diversas possibilidades pedagógicas para desenvolver nos alunos o senso crítico. Apesar de considerarmos pouco tempo para realização das atividades consideração essa corroborada pela professora ambientalista durante entrevista pudemos evidenciar na capacitação realizada para o prêmio 2011, que, mesmo assim, o trabalho apresenta como complemento enriquecedor para os professores/educadores que serão os multiplicadores em suas escolas. Em primeiro momento foi apresentado um vídeo comemorativo aos 20 anos do prêmio. Antes da apresentação do vídeo do Professor Mário Sérgio Cortella, a professora ambientalista solicitou a todos que fizessem os registros daquilo que chamasse a atenção para que fosse posteriormente discutido e os temas foram os mais diversos. Acreditamos que as palavras do professor instigaram todos os participantes a uma intensa reflexão e à necessidade de agir. Citou Leonardo Boff, Mãe Terra, vários exemplos de amor e respeito às formas de vida e, também Paulo Freire com é preciso fazer o inédito viável. Por convite dos professores, tivemos a oportunidade de participar de um grupo sobre o tema, onde observamos não só o envolvimento, mas também a empolgação de todos. Considerando a riqueza e importância daquele momento educacional/ambiental, entendemos que todos, juntamente com os materiais de estudo e sugestões bibliográficas complementares, estarão possibilitados para encarar novos desafios na sala de aula, bem como para elaboração de um Projeto Escola, concorrendo ao prêmio, e levar toda comunidade escolar a uma participação efetiva. O Projeto Escola é elaborado/criado, seguindo orientações contidas no regulamento do prêmio. A escola vencedora em 2009 apresentou como justificativa a conscientização das pessoas quanto ao envolvimento com as questões ambientais, entendo esta justificativa como a principal dificuldade da Educação Ambiental. O projeto tem sua importância, pois envolve professores, alunos e funcionários, de maneira a entender que são parte integrante do problema e, principalmente, da solução. Foram realizadas ações de conscientização, desenvolvimento de habilidades e capacitação quanto aos problemas socioambientais. Surgiram então parcerias com a Associação de Pais e Mestres do Colégio e também com a Casa do Pequeno Jardineiro cujas atividades serão descritas no item de entrevistas. Foi de

92 91 grande relevância o envolvimento de professores, alunos, funcionários e familiares. O projeto sugere a reutilização de materiais, cultivo de verduras considerando o plantio correto, variedades e higiene como método necessário para uma alimentação saudável. Nos depoimentos que são muitos, um aluno diz ter aprendido muito com a palestra proferida pelo Técnico Agrícola; um professor considera a força de vontade e envolvimento das pessoas fundamental; uma funcionária aborda a importância do trabalho de cunho prático; e outro aluno acha que para o mundo, nosso projeto é um exemplo. O outro projeto que é de 2010, no item de convocação, a escola demonstra sua preocupação com a educação de qualidade para uma comunidade forte em que a educação das crianças deve ser voltada para o lado humano e transformar a realidade. Urgência social, questão ambiental e ética, cidadania, conscientização, transformação da realidade devem estar na relação do ser humano com o Rio Paraibuna 28. Sendo um tema multidisciplinar e transversal, realizou-se uma parceria escola/comunidade/siderúrgica, promovendo um desfile cívico no bairro de localização da escola e também levou o tema no desfile de sete de setembro, mobilizando dessa maneira grande parte da comunidade. Este projeto também apresenta depoimentos de professoras da escola, onde citam a relevância para nossas vidas e formação de agentes multiplicadores; a transformação de um aluno que era pouco participativo; a construção do conhecimento e cidadania; a caminhada ecológica foi o clímax deste projeto e grande foi o envolvimento dos alunos com o aprendizado. 5.2 Entrevistas semi-estruturadas 28 Rio Paraibuna é o nome do rio que corta a cidade de Juiz de Fora.

93 92 A entrevista desponta como uma técnica de grande relevância para coleta de dados. Começando pela informalidade, mas por apresentar uma natureza interativa entre pesquisador e sujeitos, torna-se indispensável no nosso estudo de caso por permitir que o pesquisador, destrua e descubra barreiras até então intransponíveis e invisíveis. Como contamos com públicos distintos para nossas entrevistas e buscando sempre atender aos objetivos do nosso trabalho, elaboramos questionamentos para a comunidade externa (escolas, alunos, associação) e também para os empregados da empresa, diferenciando ligeiramente o foco da entrevista, em função do setor que trabalham. Vale lembrar que com exceção dos alunos todas as entrevistas estavam acompanhadas de um questionário, assim como a observação participante por algumas entrevistas e questionários, ou seja, o trabalho de campo foi espaço para aplicação das técnicas de pesquisas selecionadas em conseqüência do nosso estudo de caso, de maneira que não havia momento único para um só trabalho, mas, sim, um atravessamento de diferentes abordagens nos espaços-tempos da pesquisa. Ludke e André (2007, p. 34) alertam para que seja criada entre o sujeito e o pesquisador um ambiente de liberdade e reciprocidade, especialmente nas entrevistas semiestruturadas, buscando nesse ambiente a verdadeira razão da entrevista e indica a vantagem dessa técnica a grande vantagem da entrevista sobre outras técnicas é que ela permite a captação imediata e corrente da informação desejada, praticamente com qualquer tipo de informante e sobre os mais variados tópicos. Uma entrevista bem-feita pode permitir o tratamento de assuntos de natureza estritamente pessoal e íntima, assim como temas de natureza complexa e de escolhas nitidamente individuais. Conforme considera Martins (2008, p. 27), é uma técnica onde o entrevistador será exigido quanto a sua habilidade e considera que tem como objetivo básico o entendimento e a compreensão sobre contextos ainda não estruturados. O autor desstaca, também, que o roteiro da entrevista e o diálogo a ser formado, necessariamente devem estar vinculados ao referencial que dá ao estudo, suporte teórico. E contribui com a seguinte reflexão: Em um Estudo de Caso, um clima de amistosidade deverá permanentemente ser mantido pelo pesquisador, possibilitando perguntas a respondentes-chave e também solicitação de opiniões sobre determinados fatos, bem como indicações de outros membros da organização que poderão ser entrevistados. Os informantes-chave são fundamentais para um estudo desta natureza, pois

94 93 fornecem ao pesquisador percepções e interpretações de eventos, como também podem sugerir fontes alternativas para corroborar evidências obtidas de outras fontes, possibilitando, conforme a situação, o encadeamento de evidências: achado básico para um Estudo de Caso construído com qualidade. Buscamos assim, com as entrevista e os questionários, atingir alguns informanteschave que colaboraram com as evidências ainda que poucas necessárias ao nosso trabalho. A cada entrevista, uma curiosidade a mais surgia para conhecer o desconhecido, como numa expectativa de uma nova e surpreendente aventura. Uma aventura docente. Buscando inspiração em Freire (2009), consideramos neste momento do nosso trabalho as entrevistas como uma rica aventura, onde, em condição dialógica, testemunhamos a abertura dos atores entrevistados, com seus saberes, experiências e entusiasmos para com as atividades e assuntos educacionais, permitindo-nos a possibilidade de crescimento e acolhimento do novo, pois, como diz Morin (2000, p. 30): o novo brota sem parar. Compreendendo que, a descoberta do novo só é possível e se justifica por meio do diálogo pois esse é o elo entre o saber e o sujeito e entre os sujeitos procuramos, apesar de perguntas já estabelecidas, desenvolver uma relação de diálogo com esses sujeitos, para que fosse inaugurado, não somente início de perguntas e respostas, mas também, a descoberta do conhecimento que brota e brotará como novo. A abertura dos colaboradores participantes da pesquisa, sem levar em conta a posição em que se encontram, faz-se fundamental no processo educativo. Dessa maneira, Freire (2009, p. 136) nos leva à seguinte reflexão: Viver a abertura respeitosa aos outros e, de quando em vez, de acordo com o momento, tomar a própria prática de abertura ao outro como objetivo da reflexão crítica deveria fazer parte da aventura docente. A razão ética da abertura, seu fundamento político sua referência pedagógica; a boniteza que há nela como viabilidade do diálogo. O sujeito que se abre ao mundo e aos outros inaugura com seu gesto a relação dialógica em que se confirma como inquietação e curiosidade, como inconclusão em permanente movimento na História. Quando se fala em aventura, Morin (2000, p. 31) entende que de qualquer forma, o conhecimento permanece como uma aventura para a qual a educação deve fornecer o apoio indispensável. Em meio a todo este apoio, tivemos a oportunidade de testemunhar, nesse momento de aventuras, a surpreendente boniteza dialógica em nossos caminhos. Em vários momentos

95 94 (manhã, tarde e noite), em diversos ambientes (industrial, escolar, residencial, laboratorial e administrativo), foram realizadas as entrevistas com os públicos alvos da nossa pesquisa, muito experientes e ainda pouco experientes, além da diversidade da área de conhecimento e graus de formação. Os sujeitos envolvidos com a pesquisa, que gentilmente concederam as entrevistas, compõem um público envolvido com as mais diversas atividades, tanto na empresa, como nas escolas, tanto na comunidade e órgãos governamentais, como em residências, apresentando diversos saberes, experiências e contribuições, além de fazer dessa aventura docente, um importante momento em nossa trajetória acadêmica, social e em nossa história. Conforme tabela 2, para melhor ajuizamento, apresentamos os setores da empresa, as escolas, os números de funcionários, de alunos e ex-alunos que oportunamente visitaram o Centro de Educação Ambiental (CEAM) e compõem os grupos de sujeitos participantes das entrevistas semi-estruturadas. A tabela 2 tem o objetivo somente de apresentar um panorama geral para melhor entendimento. Tabela 2 Setores e números de entrevistados. GRUPOS PESSOAS/SETOR DE TRABALHO Nº ENTREVISTADOS A Gerência de Meio Ambiente/SGI/ Logística/ Utilidades/Recursos Humanos/ 16 Comunicação/Casa da Natureza B Setor Industrial: aciaria, laminação, forno panela, lingotamento contínuo, controle de 10 qualidade, manutenção, laboratório. C Filhos de funcionários premiados 2 D Alunos que já visitaram o CEAM 15 E Profesoras de escolas/premiadas 15 F AMAC/Pequenos Jardineiros 7 G Professora ambientalista Considerações sobre Entrevista semi-estruturada do grupo A : Gerência de meio ambiente, SGI, Logística, Utilidades, Recursos Humanos, Comunicação e Casa da Natureza Em função dos objetivos da pesquisa, elaboramos dois roteiros de entrevistas, cujos conteúdos podem ser verificados no APÊNDICE B. No intuito de garantir a impossibilidade

96 95 de identificação dos sujeitos autores das citações feitas pelos envolvidos dos setores, achamos por bem expressar nossas considerações com referência ao grupo e não aos setores. As transcrições dessas entrevistas somam aproximadamente sessenta e quatro páginas, onde observamos, em alguns questionamentos no nosso entendimento o compartilhamento das mesmas idéias (foram muitas) e também possíveis contradições. Esclarecido ficou, para os sujeitos da pesquisa, a liberdade que teriam para colaborar conosco. Podendo a qualquer momento desistir, não responder e nos interrogar também. Partindo desse entendimento, iniciamos nosso trabalho. Citamos, assim, em meio à riqueza de detalhes que conferimos nas transcrições, frases que dialogam com a perspectiva do nosso trabalho, sem, no entanto, responder seqüencialmente a cada pergunta. A prática de atividades de educação ambiental pela Siderúrgica que remonta desde a época da até então siderúrgica é do conhecimento de todos. Eu conheço desde Eu cheguei aqui e já tinha uma prática da [...], o prêmio Siderúrgica de meio ambiente. O ensino da EA voltada para a comunidade. (ENTREV 1). Apesar de entenderem que as administrações que passaram neste período provocaram algumas mudanças na empresa, todos consideram, de um modo geral, que essas mudanças foram de melhoria na qualidade dessas atividades de educação ambiental, apesar de não ser do agrado de todos. No tocante à conscientização com as questões ambientais e educação ambiental, a implementação da norma NBR ISO 14001, que muitas vezes é chamada de (muito comum), foi fator marcante no incremento, não só e principalmente sobre as questões da relação da empresa com o meio ambiente, mas, também das atividades de educação ambiental, como citam: Então a conscientização veio com a busca da e logicamente depois da tudo mudou. (ENTREV 2), e, [...] a 14, na implantação dela é que veio proporcionar estas mudanças de comportamento, de interesses, de divulgar e também participar a empresa não só internamente, com projetos para escolas, educadores [...]. A educação tomou força a partir da certificação, que foi 1997, certificação Então, a norma pra nós foi uma mudança de comportamento, onde ela trouxe outros tipos de atividades e atuações e pró atividade de mudança de comportamento. Ela trouxe coleta seletiva. Essa coleta seletiva se estendeu a um projeto interno. Depois estendeu-se a um projeto externo, divulgado em escolas e muitos foram tocados por estas mudanças e conseguimos influenciar um outro mercado aí fora em função disso. (ENTREV 3).

97 96 Não existiu um consenso quanto aos setores que são responsáveis pelas atividades de EA na Siderúrgica. Lembrando que este item de análise refere-se aos setores e conseqüentemente às pessoas envolvidas diretamente com o planejamento, programação e implementação das atividades para com a EA para o meio ambiente e, também, para com os requisitos da norma NBR ISO Os setores que foram citados/envolvidos são: Recursos Humanos, Comunicação, Gerência do Meio Ambiente, SGI, Casa da Natureza, Logística e Utilidades. Algumas respostas ficaram como eu acho que é o setor A, o setor B ou o setor C ou D. Mas ficou entendido por nós que os setores de Recursos Humanos, Comunicação e Gerência do Meio Ambiente procuram trabalhar articulados com as questões ambientais, apesar de o organograma não apresentar essa articulação. Abrimos aspas na palavra procuram, em entendimento às citações que se seguem, a saber: é a gerência de recursos humanos e a gerência lá do (...) que são responsáveis pela gestão de conteúdo para esses processos de EA. (ENTREV 1) e hoje a responsabilidade do técnico de educação ambiental está ligado mais diretamente ao RH, onde nós temos uma assessoria de comunicação. (ENTREV 3). Ainda, procurando o(s) setor(es) responsável(eis) pelas atividades de EA na Siderúrgica, temos outra indicação: O setor que é o carro chefe desse trabalho é a área de comunicação (ENTREV 2), e também o RH, ele coordena atividade lá no CEAM com o apoio do pessoal ali da engenharia e manutenção do meio ambiente. (ENTREV 4). Lembramos que durante a observação participante em determinado setor, apesar de já ter em mãos a autorização para realização da pesquisa que autorizava a realizar análises de documentos, realizar entrevistas, realizar observação, acompanhar atividades, registrar dados e coletar informações, solicitamos determinado documento para análise. Tivemos então, a informação de que era necessário solicitar à pessoa responsável pelo setor. Apesar de já estar no sexto dia de pesquisa, no contato com a pessoa responsável, fiquei sabendo que a pessoa não tinha conhecimento que estávamos realizando pesquisa naquele setor. Lembramos então do documento que nunca estava disponível cada momento era um fato que impedia então registramos: A pessoa então pediu para falar com [...] e passei o telefone para [...] e entendi que a pessoa não estava sabendo da pesquisa que estamos realizando na empresa. Conversando [...] disse que as pessoas não informam corretamente as coisas. Comecei a perceber que não houve uma articulação/comunicação ideal entre os setores da EA, MA e Gerências. (CADERNO DE CAMPO, 2010 p. 10).

98 97 O Programa de Educação Ambiental (PEA) da Siderúrgica, onde chamamos em nosso questionário de Plano é por nós considerado como já dissemos um tanto quanto tímido. Antes da análise do referido programa já havíamos iniciado acompanhamento na Casa da Natureza e também realizado algumas entrevistas, onde sempre solicitamos, por algumas vezes, o referido PEA e era notória a falta do respectivo programa, que, só depois de várias solicitações nos foi disponibilizado ao término da observação participante. Ao questionarmos sobre a importância do PEA e sobre o conhecimento que tinham sobre as metas, diretrizes e objetivos, distintos caminhos seguiam as respostas, como exemplo: Na verdade ele é importante porque ele norteia a área de comunicação como traçar estratégias. O quê que vai ser feito em termos de trabalhos com as comunidades, o planejamento do próprio prêmio. Então, isso aí é uma ferramenta hoje até mesmo requisitada [...] para fazermos isso. Então é realmente o norte. Além disso, um apoio externo, igual nós temos de uma professora. Parece que era o que nos faltava. Tem um pessoal externo que dá apoio. Porque na verdade, a empresa, ela tem os profissionais dela, mas ninguém com uma formação específica para isso. (ENTREV 2). Observa-se que o PEA ora citado confere a área de comunicação a atribuição de realização de trabalhos com a comunidade e com o prêmio, mas não envolve outros setores. Outro fato é que na equipe técnica responsável pela elaboração do PEA assim entendemos não consta outro setor participante na elaboração do mesmo, como: "Eu já li o plano, mas não tenho na cabeça. Inclusive quando nós elaboramos aqui, eu lembro que eu li, mas já tem algum tempo. Até porque, quem lida muito com ele é do setor x. (ENTREV 2). Registramos, também, depoimento de total desconhecimento do PEA, como: Não! Eu conheço a política, algumas diretrizes da política ambiental e conheço as ações assim, isoladas. Agora eu nunca vi o plano na integra não! (ENTREV 5). Um entrevistado conhece algumas diretrizes. Em si, o programa todo não! (ENTREV 6), e outro conhece somente o que ele executa: O que eu conheço é o que a gente executa na casa da natureza, que é um programa de educação ambiental voltado para os alunos das sextas séries das escolas. A parte que consta nele que diz respeito às nossas atividades. Isso aí eu conheço. (ENTREV 1). Quando citam conhecer algumas diretrizes palavra usada por alguns entrevistados parece-nos que ocorre um entendimento equivocado com o PEA em relação à Política

99 98 Ambiental Corporativa da Siderúrgica, cuja divulgação é feita em diversos setores por meio de quadros e/ou murais. Apesar de o PEA não contemplar o público interno, é possível considerar, conforme depoimento do o entrevistado 3, que o Programa de Educação Ambiental segue duas linhas. A primeira origina-se da necessidade da empresa em atender a legislação e a segunda objetiva o trabalho interno, sendo de grande relevância, principalmente para certificação e recertificação de sistemas de gestão, considerando também a importância da sustentabilidade. Diversas são as concepções dos entrevistados sobre o PEA. Vejamos o texto que se segue: Importante, não só pra comunidade, para as escolas que estão aqui, como eu acho que deveria voltar para setores também dos funcionários da empresa. Eu tive que reformular o plano porque eles exigiram. Eu não tenho ele aqui. É só com o pessoal [...] O alvo do PEA que é o caso de escolas. Conheço as metas do PEA. Quando ele foi criado visa escolas, filhos de funcionários e funcionários da empresa, mas o foco é conscientização das escolas. No início desse ano tive a idéia de voltar um pouco para os funcionários [...]. Mas não dá tempo!! Mas tem que propor isso pra envolver mais os funcionários. [...] Que o PEA tenha uma qualidade maior, principalmente para os funcionários. Eu acho até interessante e eficaz a política, mas na questão da educação ambiental é que eu acho que eles deveriam dar mais enfoque para os funcionários. Mas não sei se isso tem haver com o tempo deles. [...] faz avaliação das ações da casa da natureza. Inclusive eles deveriam passar essas informações para os funcionários. Tem alguns funcionários que não sabem o que é feito na Casa da Natureza. Tem gente que nunca foi lá. (ENTREV 7). Entendem, assim, alguns entrevistados que o público interno não é alvo de programas de educação ambiental, como: nosso centro de educação ambiental, o foco dele são alunos de escolas públicas e particulares pra desenvolver EA na consciência deles mesmos. É isso! (ENTREV 4). Gravina (2008, p. 62), em sua pesquisa realizada na Siderúrgica, corrobora os entendimentos quanto à prática da EA citadas anteriormente. CEAM (Centro de Educação Ambiental) a empresa desenvolveu um centro de educação ambiental, que tem como principal local de apoio a Casa da Natureza, criada em 22 de abril de 2002, com os objetivos de educar e desenvolver uma consciência crítica, visando a mudança comportamental face às questões ambientais nas crianças recebidas pela casa. O local recebe alunos, preferencialmente da 6ª série, de escolas da região e são feitas caminhadas ecológicas, palestras, exposição de vídeo e outras atividades.

100 99 Anteriormente, um entrevistado informou ter lido o PEA, mas não lembrava. Depois lembra que participou da elaboração e que o outro setor x é que lida muito com ele. Agora, vejamos a citação do entrevistado 4 que pertence ao setor x : Nosso plano de educação ambiental é voltado para escolas públicas e particulares de [...], que são as comunidades atendidas aqui pela nossa usina. Eu não conheço especificamente a rotina de como acontece o plano lá (esse lá faz referência ao CEAM), mas eu sei que as crianças, que os alunos têm atividades teóricas lá dentro da sala e eles participam também de uma trilha ecológica, que é no entorno da casa. (ENTREV 4). Dessa maneira, o sujeito do setor x que lida com o PEA, não conhece como o PEA é desenvolvido no CEAM. Atividades são citadas, mas quando diz que não conhece o programa, será que está sendo feito uma referência ao processo educativo e/ou com a metodologia pedagógica? Seguindo com a próxima fala: Eu conheço o plano. É da casa da natureza. Os treinamentos que são realizados. A periodicidade eu não me lembro, mas todo dia agente recebe visita aqui do 6º ano. Então, há uma metodologia e esse plano fica disponível aqui. (ENTREV 8). A transcrição anterior é de um entrevistado do mesmo setor do entrevistado 2, que indica o setor x. Fomos nesta entrevista, surpreendidos com a disponibilização do PEA em cujo conteúdo não apresenta treinamento e nem periodicidade de visitas. Talvez pelas complexidades da educação e das questões ambientais, o PEA da Siderúrgica não contempla atividades de EA/treinamento para o público interno. Mas, o Centro de Educação Ambiental (CEAM), onde as atividades citadas pelo PEA são desenvolvidas, é entendido por todos como um excelente ambiente para prática das atividades, nas quais tivemos a oportunidade e o privilégio de estarmos inseridos durante nossa observação participante, juntamente com alunos e professores que participavam do PEA da Siderúrgica e realmente ficavam entusiasmados com o local e a possibilidade de melhoria do conhecimento, conforme cita: todo mundo que vem aqui, todas as escolas que vem, os professores, ficam encantados. (ENTREV 1), e as crianças já começam desde cedo a ter essa consciência. (ENTREV 6). Um entrevistado, apesar de achar o projeto interessante, considera que agente que já foi lá algumas vezes fica repetitivo. Porque é sempre a mesma coisa e tudo, mas eu acho muito interessante o trabalho. O pessoal que chega, o depoimento é sempre positivo de quem vem. (ENTREV 9). Durante a nossa pesquisa, os mais variados

101 100 depoimentos apontam para a riqueza de informações e contribuição para as pessoas, justamente pelo ambiente, conteúdo e aprendizado que é proporcionado durante as visitas. Do mesmo modo que todos entendem a importância do CEAM, eles também conhecem as ações da empresa no que tange à preocupação da mesma com as questões ambientais. Abordamos os sujeitos sobre a poluição que a empresa pode causar e quanto às ações que ela tem para mitigar e/ou evitar os impactos ambientais provenientes dos processos produtivos, relacionando o fator sustentabilidade. Inúmeras ações foram citadas e destacamos: o programa produtor florestal e a utilização do gás que é gerado no alto forno e é utilizado no aquecimento de fornos. Começo por uma citação que sai da terra e penetra o espaço : As práticas que a empresa tem de gestão ambiental, já colocam a empresa, anos luz à frente de muitas outras em relação a resíduos, reaproveitamento de resíduos, a destinação dos resíduos, a forma como lida com a água, o respeito que tem com a água. (ENTREV 1). Realmente, testemunhávamos grande empolgação e propriedade na fala dos participantes. O Prêmio Mineiro de Meio Ambiente conquistado pela Siderúrgica é fruto de um trabalho árduo e preciso, de Gestão Ambiental voltada para competência. A conquista do Selo Verde do Instituto Falcão Bauer da Qualidade, indica um sistema rigoroso e eficiente que atendem aos requisitos das instituições certificadoras, caracterizando o compromisso com as questões ambientais e incessante busca à sustentabilidade. E a empresa: sempre estimula algumas campanhas ligadas à preservação ambiental. Nós tínhamos uma campanha da água que terminou recentemente, foram seis semanas, com os funcionários e com os terceiros, porque os quadros estão disponibilizados em todas as áreas. Então todo mundo vê. Então nós já fizemos, a gente faz campanhas regulares ao longo do ano, independente de ter uma data vinculada ou não, no sentido de contribuir para a preservação dos recursos. (ENTREV 1). Lembrando dos nossos jovens, o entrevistado 10 insere o PEA em meio às atitudes responsáveis que a empresa tem como compromisso ambiental, citando o foco principal desse programa é justamente trazer para esses adolescentes a conscientização do meio ambiente. À preservação do meio ambiente local. As pessoas entrevistadas têm ciência da Política Ambiental da Empresa que é divulgada pela empresa por meio de cartazes/murais nos diversos setores da empresa, como

102 101 pudemos observar durante algumas entrevistas e observação informal. Existe confirmado também pelos funcionários um efetivo sistema de comunicação para com os funcionários, com a utilização de s, caixa de sugestões, folha verde. Observamos também em vários setores que transitamos, um mural onde se podem buscar informações que são divulgadas. Este mural é conhecido como Fique Ligado, e, é um veículo que a gente tem em todas as áreas, é um jornal mural, um quadro mural e esse quadro mural é renovado todas as semanas. O Fique Ligado já tem uma dinâmica dele. Como é um veículo já muito conhecido, as pessoas sabem que às segundas feiras ele troca. Tem assunto novo. Aliás, o Fique Ligado tá aberto pra você também consultar. O fique ligado vai ser uma boa fonte documental para você. (ENTREV 1). O Fique Ligado é um meio de comunicação muito efetivo na empresa. Todas as pessoas que tivemos contato conhecem e buscam rotineiramente informações no mural. Em conversa informal com um estagiário, ele nos informou que considera um importante meio de comunicação, pois conseguiu no mural do Fique Ligado, informações sobre a Casa da Natureza, onde seu filho participou de atividades de educação ambiental. Voltando, então, com a temática da educação ambiental, mas, direcionando o foco para a contribuição que as práticas de educação ambiental desenvolvidas pela Siderúrgica podem exercer na vida das pessoas, não tiveram dúvidas os entrevistados, em sua maioria, sobre a questão do lixo. Abordagens como a coleta seletiva, separação adequada do lixo, problemas causados pelo lixo que vão desde uma simples poluição visual a um grave problema de saúde pública. Não tiveram dúvidas, também, ao afirmarem o alcance que as ações de conscientização, treinamento, educação ambiental com o prêmio têm com os seus familiares. Ora o pai tem uma novidade, ora o filho. Então, o despertar ecológico/ambiental, por meio de cobranças surge transformando e provocando mudanças de atitudes. Talvez, o depoimento que ora se segue (sobre a contribuição na melhoria de vida das pessoas) traga a convicção de que todos devem insistir e acreditar na possibilidade que a Educação, mesmo sem adjetivos, tem que libertar e melhorar a vida humana. Vejamos: Eu acho que é geral. Eu fui numa festa aqui, e foi ali no recanto. Era uma festa junina. E, aí, festa, barraquinhas, tudo normal. Eu olhei ao redor num tinha nem um papelzinho no chão sabe, e aí a gente vê como é que assim, que a semente que é plantada vai surtindo frutos. Porque qualquer festinha que você vai aí tem papel no chão. Isso é usual. E lá, assim, me chamou muita atenção nisso. Era só com os funcionários e familiares. E não tinha nenhum papel. Tinha bastante lixeira espalhada e não tinha nada no chão. Então eu acho que esses programas, mesmo que seja assim essa coisa básica

103 102 da educação, não só ambiental, mas a educação, mas que contribui e disseminam. (ENTREV 9). O próximo entrevistado procura fazer com a EA, no nosso entender, uma possível relação com auditoria/treinamento feitos em busca da certificação, apresentando a seguinte argumentação: Aqui, a nossa EA [...] nossa preocupação com o meio ambiente vem através da ISO e do nosso sistema todo de gestão integrada. Os empregados participam, eles tem conhecimento não só por conta de auditoria, mas eles têm conhecimento porque eles praticam isso aqui dentro e eles levam isso para casa deles. (ENTREV 4). São efetuadas campanhas de conscientização e incentivo à redução do consumo de energia, água, etc., mas não fica só nas campanhas, diz, o entrevistado também que na semana do meio ambiente, no dia mundial do meio ambiente, são realizadas atividades ambientais 29 e informou que, em frente ao restaurante, a gente montou alguns stands. [...] Levou pra lá todos os resíduos e pessoas para explicar para os empregados o que a gente faz, o que eles fazem, qual que é o trabalho deles. Isso foi durante a semana no horário de pico, que todo mundo vai almoçar. Todo mundo tem que almoçar e jantar então a gente montou um stand lá fora. Então a gente tem essa preocupação também. Como é que a gente vai tocar a família do empregado no dia do meio ambiente? Aí a gente fez uma peça de teatro, que a gente tem uma parceria com o Pró Música. A gente mandou um convite para a casa do empregado e fez uma peça super bacana, um espetáculo teatral. (ENTREV 4). Provavelmente, um tempo insuficiente para se dedicar às atividades de EA/treinamento, podendo considerar dessa maneira, um momento de informações, pois fez-se uso do horário de almoço. A Educação Ambiental, talvez pela complexidade que sustenta em seu bojo, provoca em se falando de ISO algumas não-conformidades como: Esse ano eu participei de uma reciclagem. E a gente tem sempre! É. O meu trabalho não tem envolvimento com a EA não. Diretamente com a EA eu não tenho ligação não. Mas quando se atende alguns requisitos da ISO eu considero que não deixa de ser educação. (ENTREV 9). 29 Disse-nos que depois se você quiser, eu posso te mostrar as evidências disso, e apesar de solicitarmos posteriormente, as evidências não foram disponibilizadas.

104 103 Ao falarmos em normas de certificação, em auditoria, em treinamento e conscientização, não podemos insinuar dúvidas de que: o sucesso de todos esses processos está vinculado à educação. Não importando qual processo educativo vai ser adotado para alcançar os objetivos, podendo ser somente a educação formal, ou a informal, ou a não formal. Ou mais precisamente as três formas de educação terão que atuar. Outro sujeito colaborador, ao ser questionado sobre a prática da Educação Ambiental, visto que esse sujeito estava com foco em treinamento, respondeu: Como treinamento nós temos uma meta anual a cumprir. Temos treinamento voltado específico para área de MA, no sentido de atendimento da norma mesmo. [...] A gente procura acima de tudo, fazer esse treinamento, mas, mais que fazer o treinamento, é importante você ter um retorno se o treinamento foi eficaz ou não. Na medida do possível, trazer pessoas extra usina, pra dar uma linguagem mais diferenciada, poética, lúdica, pra sensibilizar mesmo. Saindo dessa visão técnica, que, querendo ou não é nossa prioridade, e, tanto que se torne um aprendizado pra nós como aprendizado para os funcionários. Não tem como falar de meio ambiente sem falar em educação ambiental. (ENTREV 12) A relação educação/treinamento encontrou mais um espaço. Mesmo considerando os treinamentos em função do atendimento às normas, o entrevistado 12 demonstra entendimento sobre EA, começando com Aí a gente extrapola do universo siderúrgico para o universo do bairro dele e com determinada percepção, sugere um momento de abandono da visão técnica em busca de uma linguagem mais diferenciada, poética, lúdica, pra sensibilizar mesmo, pois, fala em MA e não considerar a EA é no mínimo, um equívoco. Quando o entrevistado 2 foi questionado sobre os benefícios da prática da Educação Ambiental para os funcionários, desenvolveu a seguinte reflexão: Para a vida das gerações mais velhas contribui muito pouco. [...] a gente fica preocupado, nós que estamos inseridos nessa área mais do que os outros. Agora, o cidadão comum ele não quer nem saber se o mar vai subir seis centímetros por ano, ou se as sacolinhas estão contaminando de forma acentuada os aterros sanitários e se os lixões estão por aí. Agora eu acho que a educação ambiental pode contribuir muito para a formação das novíssimas gerações. Gerações novas mesmo! Eu acho que passou aí de dezoito anos já não tem mais recuperação. Eu acho que pra conseguir conscientizar mesmo! A pessoa tem que nascer com aquelas práticas enraigadas na sua mente e o cuidado com o meio ambiente ta no sangue e hoje algumas crianças que tem acesso à educação ambiental de alguma forma, elas têm uma outra visão de mundo. Para a vida das gerações mais velhas contribui muito pouco. (ENTREV 2).

105 104 Concepção complexa de educação. Mas a educação é complexa. Sim! É necessário, entretanto, estar inserido em meio a essa complexidade para ter uma nova e outra visão de mundo. Educar é desafiar a si mesmo. Em 1996, Freire já considerava os Desafios da Educação de Adultos frente à nova reestruturação tecnológica, e os desafios não acabam e estarão nos surpreendendo a cada momento. Agora, a educação é o processo, o método, o caminho e a esperança de tornar toda essa complexidade passível de ser facilitada e transformadora. É necessário esforço. É fundamental o conhecimento e este, se constrói em qualquer lugar, mas não de qualquer forma. É preciso fundamentos como diz, novamente, Freire (2000, p. 37). mudar é difícil, mas é possível considerando que esse é o saber fundamental para: programar nossa ação político-pedagógica, não importa se o projeto com o qual nos comprometemos é de alfabetização de adultos ou de crianças, se de ação sanitária, se de evangelização, se de formação de mão-de-obra técnica. Freire indica a ação político-pedagógica como um caminho para educar e entendemos também superar problemas da vida e principalmente os da educação. A possível solução existe. Façamos uma profunda reflexão. E que ela nos conceda a intenção e possibilidade de agir para educar a todos. Ainda lembrando Paulo Freire, não privamos os entrevistados da liberdade de se manifestarem. Assim este item permanece com duas citações, como seguem: Eu acho que esse tipo de trabalho é importante para nossa empresa também. Para gente conhecer, ter um feedback até seu depois sobre isso, e que logicamente quem, está inserido nesse contexto tem mais conforto e até facilidade para responder a essas perguntas, porque nem tudo que se faz aqui dentro, em termos de educação ambiental chega a todos. Porque a usina é muito grande, as atividades são diversas. Existe uma equipe que trabalha muito nisso, muito mesmo e a idéia é continuar com isso, mas aprimorando cada vez mais. (ENTREV 2). Eu quero agradecer primeiro. É a primeira vez que eu participo de um trabalho deste tipo e eu estou até estonteante. Estou sensibilizado pelo nível de aprofundamento que isso chega ao se defender um trabalho de mestrado que é seu caso. Eu acho que é por aí. Cada um tem a chance de fazer a sua parte, que quando soma isso, fica um trabalho muito bom. (ENTREV 11). Embora os entrevistados reconheçam a importância e necessidade da EA, esta não tem período, programa e envolvimento com os funcionários, ficando restrita às ações desenvolvidas no CEAM com os alunos do ensino fundamental das escolas da região.

106 Considerações sobre Entrevista semi-estruturada do Setor Industrial Neste setor, as entrevistas revelam 30 que o tempo (experiência) de trabalho dos funcionários na empresa, leva a depoimentos e concepções distintas. Os funcionários mais experientes manifestam idéias e depoimentos semelhantes, mas que diferem dos funcionários menos experientes que compartilham entre si, com os mesmos entendimentos. Apesar de não ser do conhecimento de todos, quais são os setores específicos envolvidos com as ações de EA e de MA na empresa. Todos os entrevistados apresentam conhecimentos sobre as ações que a empresa executa para melhoria das condições ambientais e sobre o prêmio que é realizado com as crianças e escolas eles citam muito isso. A Casa da Natureza é tida por todos como um ambiente sem igual para realizações das atividades de EA que a empresa desenvolve com as escolas, apesar de um entrevistado citar em seu depoimento que tem [...] anos que eu to lá (lá, porque essa entrevista foi realizada fora da empresa) e eu ainda não visitei a casa da natureza. (ENTREV 13). Esse depoimento faz-nos recorrer ao do item anterior onde foi citado que muitos funcionários ainda não conhecem o CEAM. De alguns entrevistados, diferentes interpretações foram registradas quando a abordagem chega ao PEA da Siderúrgica. O entendimento passa pela política ambiental, pelo plano de emergência e segurança do trabalho, e também pelo treinamento para o MA. Todos manifestam ser de grande importância o PEA e alguns não sabem o que é, e ainda não o leram. Um entrevistado mais falante registra: Não só pra mim, mas todos aqueles que estão interligados com a Siderúrgica. Sejam funcionários, filhos de funcionários, sobrinhos, parentes. Porque o que a gente aprende aqui relacionado ao MA a gente tem que levar pra casa! Às vezes a gente traz idéias novas. A gente pode dar idéias pro plano de EA. A gente pode ligar. Oh! Ta acontecendo isso e isso. Vamos fazer isso. Se for uma idéia boa eles acatam. Então a importância é grande porque, é a flecha. Vai e volta, que, da mesma maneira que eles informam pra gente, que eles nos ensinam a cuidar, a ter uma EA, a cuidar do lugar que você está, você também pode levar pra eles. Coisas que você vê em outro lugar, coisas novas. Então é importante. (ENTREV 14). 30 Os roteiros de entrevistas e os questionários permitiram-nos fazer esta constatação pelo fato de constar informações como idade, tempo na empresa, formação, cargo/função. Vide seção dos apêndices.

107 106 Esta citação insere funcionários, seus familiares e parentes nas ações do PEA e faz uma ligação com os aprendizados adquiridos na empresa sobre o MA com o PEA. Mesma concepção tem o entrevistado 15 que cita exemplos: [...] do reciclável, da separação do lixo, do que vai pro lixo. Entender o quê que é lixo. É ter essa consciência. É você racionalizar água, economizar, evitar o desperdício. E cita também a importância da contribuição da EA praticada com as crianças das escolas pela empresa: [...] várias escolas já foram. Imagina você despertar essa consciência nas crianças. Vai ser um adulto. Pelo menos, tem tudo pra serem adultos mais responsáveis mais comprometidos com a natureza, com o MA. Tudo começa na criança. Não tem aquele ditado: eduque a criança para não ser necessário castigar o homem, não é isso? (ENTREV 15). A preocupação e cuidado com o lixo e resíduos industriais é fator marcante durante as entrevistas. Todos fazem abordagens a esses temas, destacando a abrangência dessas ações que extrapolam o ambiente empresarial. Sobre periodicidade de participação dos sujeitos nas atividades e/ou treinamentos voltados para o MA e de EA, registramos alguns como: embora a empresa fale muito em MA, não fala [...] de EA. (ENTREV 16); outro nunca! (ENTREV 17); outro, algumas vezes, não é comum. (ENTREV 15) e esclarece que existe uma certa dificuldade para as pessoas do setor produtivo participarem, devido ao deslocamento, justifica, que o trabalho de turno é complicado, e lembra que existe jornalzinho informativo, nota dez, s, Fique Ligado etc., informando sobre MA e outros assuntos. Agora, o interesse é de cada um de buscar informações. (ENTREV 15). Outro, na época das recertificações, de dois em dois anos. (ENTREV 13). Mais: [...] sempre quando tem alguma coisa de novo eles fazem treinamento. Geralmente [...] neste horário depois das cinco a gente fica aqui pra ouvir palestras, treinamento sobre tudo e qualquer assunto. Olha, eu sempre falo o seguinte: o cara depois de velho, depois que ele começou a andar com suas próprias pernas [...] é muito difícil você mudar a mentalidade desse cidadão, então você tem que começar de criança. (ENTREV 16). Eu não participei, mas já fui convidado várias vezes através do quadro que ta lá, (lá, porque essa entrevista foi realizada fora da empresa). Tenho colegas que já participaram. Inclusive, são poucos. Os que eu conheço que participam freqüentemente mesmo, eles trabalham no administrativo. (ENTREV 18). Existem aqueles treinamentos formais, que todo mundo tem. Se você for no RH você vai encontrar o registro da pessoa no treinamento, com certeza em relação de MA que é uma das normas que a empresa é certificada. O

108 107 terceirizado participa também. Inclusive, tem um programa de planos e sugestões, em que a sugestão pode estar ligada à melhoria [...] ou meio ambiente. O terceiro pode participar e é premiado, com a festa [...] eles passam também por treinamento. (ENTREV 19). A norma sobre o MA a que se refere o entrevistado, é a NBR ISO sobre sistema de gestão ambiental, que em determinado item cita sobre competência, treinamento e conscientização. Dentre tantos itens, esta norma sugere que as pessoas envolvidas com tarefas potencialmente impactantes ao meio ambiente, apresentem competências com base em formação apropriada, treinamento ou experiência, devendo reter os registros associados (NBR ISO 14001:2004, p. 6). Interrogando a respeito da NBR ISO 14001, os eventos de recertificação e auditorias são indicados como momentos de reflexão/treinamento sobre o MA. Sendo que alguns funcionários apresentam noções sobre a referida norma em função da formação acadêmica e não em conseqüência das atividades na empresa. Assim registramos: conscientização com relação ao meio ambiente, a gente normalmente passa por treinamentos na época da recertificação. (ENTREV 13); aqui não, só no colégio (ENTREV 17); perto de auditoria tem muito (ENTREV 15); não (ENTREV 20), e também: Não. Não participei. Sei um pouco devido a minha formação [...]. Lá nunca teve treinamento sobre ISO Envolvendo o MA e segurança tem sim, até com certa freqüência (ENTREV 18). Alguns entrevistados ressaltaram a importância de cada um se envolver com seu trabalho de maneira que a participação nas atividades dependa do interesse do trabalhador, uma vez que oportunidades para conscientização sobre as questões ambientais são sempre realizadas. Contudo, não apresentam relação com a EA e ressaltam atividades de treinamentos com referência à certificação/recertificação de sistemas de gestão e de segurança do trabalhador, sendo que o tempo para participação é reduzido e o público envolvido é restrito. Recursos humanos cada vez mais competentes compõem a necessidade para o desenvolvimento das pessoas e das organizações. O ato de educar implica em variadas ações que interferem no intelectual humano, melhorando sua capacidade de entendimento, compreensão e de aquisição de conhecimento, provocando o afloramento do tão necessário discernimento. Lopes (2009, p. 32) considera a Pedagogia Empresarial o caminho para causar o diferencial entre as empresas e apresenta uma condição: Mas é fundamental que o próprio profissional queira participar efetivamente desse processo, pois, sem seu engajamento total, fica muito difícil conseguir modificação de comportamento.

109 108 Urge a construção de um projeto pedagógico pautado em ação, comprometimento e participação dos cidadãos, para estabelecer uma maior perspectiva ao sucesso do processo educativo, independentemente de que se efetive por meio formal, informal ou, como acontece nas empresas, pelo processo não formal, vislumbrando uma maior compreensão de todos Considerações sobre Entrevista semi-estruturada dos Filhos de Funcionários Premiados Três funcionários, pais de alunos premiados, foram entrevistados e partilharam da mesma concepção sobre a participação das filhas no prêmio. Indicando a importância, necessidade e envolvimento de todos os familiares, citando como exemplo a problemática do lixo. Uma filha ainda não visitou o CEAM, mas outras duas foram algumas vezes em visitas com as escolas. Já as entrevistas com as alunas, filhas dos funcionários, foram marcadas por muita timidez das entrevistadas, embora estivessem juntas com seus pais. Foram várias perguntas com dicas de respostas para que elas participassem mais efetivamente, pois as respostas eram apresentadas com sim, eu acho, bacana, mas pudemos perceber a empolgação em participar do prêmio e até mesmo de estarem sendo entrevistadas. Quando chegamos à nossa última pergunta, na qual ensejamos que os sujeitos se manifestassem livremente, perguntando se queriam deixar alguma mensagem e se a empresa deveria continuar com esse trabalho etc., não houve necessidade em ajudá-las, então registramos: [...] é muito bom para as pessoas para elas aprenderem, é, educação e meio ambiente. (ENTREV 13) e outra, Sim, porque esse trabalho incentiva as crianças a saberem mais da natureza. Que não pode maltratar a natureza. (ENTREV 22). Observa-se nos depoimentos que o envolvimento dos filhos com a empresa por meio do prêmio leva a discussão sobre as questões ambientais, também em casa, com seus familiares Considerações sobre Entrevista semi-estruturada de Alunos/Premiados

110 109 Este grupo de sujeitos entrevistados é formado por alunos e ex-alunos que já visitaram o CEAM, compreendendo uma faixa etária de vinte a vinte e oito anos, com alguns casados, outros solteiros e atuando em várias áreas no mercado de trabalho. Quando da realização das entrevistas, e cientes do assunto, três senhoras que trabalhavam na escola, solicitaram para participar da pesquisa informando já terem ido por vários anos ao CEAM e que os filhos também quando alunos haviam visitado a empresa. Não registramos no corpo da presente pesquisa as entrevistas dessas senhoras, mas vale destacar a colaboração da empresa citada pelas mesmas para com a escola no que tange a reformas, apoio a projetos etc. Essas senhoras, muito gentilmente nos convidaram para entrevistar suas filhas e assim fizemos. Apesar de apresentarem grande iniciativa em colaborar com a pesquisa, os sujeitos ficaram constrangidos diante às gravações e falavam muito pouco, mas sem dúvida vieram reforçar alguns depoimentos antes registrados. Vem à tona novamente a questão do lixo. As lembranças citadas remetem aos cuidados com os resíduos gerados no nosso dia-a-dia, destacando que até então, não tinham conhecimento da existência de produtos (lixos) cuja decomposição na natureza demora mais de cem anos e complementa [...] isso acaba influenciando não pra gente, mas para nossos herdeiros que virão. (ALUN 23), e também [...] aprendi separar o meu lixo em casa, [...] é muito interessante para chamar a atenção das crianças [...] como chamou a minha. [...] mudou o meu hábito, amar a natureza, cuidar da natureza. (ALUN 24) Todos teceram elogios às ações da empresa e alertam para necessidade de estender às comunidades do entorno da empresa, pois essas ações ajudam e melhoram o comportamento das pessoas socialmente carentes que em muitos dos casos a questão não é ignorância e sim falta de recursos para saber dessas coisas. (ALUN 23), alertando também para necessidade de aumentar a freqüência dessas ações e cita: eu acho pouco. Eles têm capacidade pra ta fazendo mais. [...] a qualidade está ótima. Aumentar as palestras! Eu não acho que devia ser só pra alunos. Devia ser pra comunidade. [...] teria que aprender desde os pais pra passar pros filhos. (ALUN 23). Como mensagem, registramos que não só preocupação todos devemos ter com o MA, pois é muito fácil falar, mais a gente tem que agir. (ALUN 25), e também, para nossa reflexão: Temos um caroço de manga. É um fato. A verdade do caroço de manga é o pomar. Ou seja, várias árvores com várias mangas. Por causa de um caroço. (ALUN 26). Procurando entender tal colocação perguntamos: Você quer dizer que basta começar por um? A resposta foi Justamente! Não fizemos nenhuma pesquisa exaustiva na internet à procura do

111 110 caroço de manga, mas depois de passar por títulos de músicas, por benefícios para saúde entre outros, concluímos, com a seguinte citação: Se eu pegar na mão uma semente de manga e lhe perguntar: o que tenho em minhas mãos? Você responderá: um caroço de manga. Eu digo: Você está errado! Um caroço de manga esconde uma mangueira com centenas de mangas. O caroço de manga é um fato. A verdade do caroço é que eu tenho uma árvore de manga numa semente. Tenho num caroço uma floresta. Um caroço de manga tem o potencial que precisa ser liberado 31. Provavelmente um alerta, um despertar para as pequenas questões. Vamos corrigir os pequenos e os grandes, vamos investir neles. Não importa o tamanho da semente, pois a transformação é possível e real, basta começarmos Considerações sobre Entrevista semi-estruturada das Escolas/Premiadas Para realização destas entrevistas, elaboramos um roteiro por meio do qual vislumbramos a perspectiva de atendimento às indagações que sustentaram a nossa pesquisa. Merecedora de grande enfoque, optamos por esmiuçar mais algumas entrevistas, em uma análise vertical, relacionando as evidências aos fatos, sem ainda fazer a necessária triangulação. As perguntas estabelecidas nos roteiros poderão ser consultadas na seção dos anexos, com a identificação ESCOLAS/PRÊMIO. Algumas escolas foram premiadas ou tiveram alunos (as) premiados em 2010 e outras escolas entrevistadas foram premiadas em outros anos. Como nossa proposta foi a realização de um momento de diálogo, e tivemos, em determinado momento, a participação nas entrevistas de até três professoras, várias outras perguntas surgiram durante as entrevistas e assim, a liberdade para manifestação de todas fezse constante. Embora fosse nossa intenção apresentar os assuntos em seqüência a cada pergunta, desviamos no sentido de analisar as considerações de acordo com os temas centrais da pesquisa. Procuramos, então, fazer o relato das transcrições que somam cinqüenta e duas 31 Disponível em Acessado em 07 de maio de 2011.

112 111 páginas focando itens das perguntas, sem, contudo, deixar de lado a qualidade das evidências que ora citamos. Quanto ao item sobre a participação das atividades no Centro de Educação Ambiental (CEAM), as entrevistadas, Pedagogas e Professoras, partilhavam do mesmo entendimento, abordando o espaço físico e o local adequados ao desenvolvimento de atividades voltadas ao meio ambiente e, em especial, à EA. Relatos demonstram o encantamento dos professores que visitaram o CEAM, a seriedade do trabalho que é desenvolvido, e o trabalho realizado com todos de pés no chão, nada que não possa ser feito. Apenas uma escola dentre as programadas não participou da visita ao CEAM, todas as demais participaram por mais de uma vez. A entrevistada da escola H destaca a importância dessas visitas, argumentando sobre a metodologia utilizada e o ganho de visão dos alunos guando participam das atividades no CEAM, e também a (ESCOLA C) relata: É uma oportunidade muito rica pra se trabalhar com a criança, o material de apoio é muito bem preparado. É uma proposta que aliada aos recursos da própria escola proporciona um amplo momento de aprendizagem. E, as estagiárias responsáveis pelo trabalho de educação ambiental, elas tem uma proposta, que vai de acordo com os interesses da nossa própria escola. Vários foram os destaques apresentados sobre a participação no prêmio. As escolas valorizam tal participação como um reforço do que é apresentado em sala de aula e considera um para reflexão sobre questões ambientais, educacionais além de reforçar os conteúdos desenvolvidos por diversas escolas, dessa maneira dão destaques ao envolvimento e a mudança de comportamento das pessoas: É importante porque envolve toda a comunidade escolar, os pais, alunos, a própria escola e conseqüentemente a conscientização. A escola sempre caminha junto, e os pais estão sempre presentes. É vantajoso, porque em casa as crianças colocam em prática o que eles aprendem na escola. Esse projeto mudou muito o comportamento das crianças. (ESCOLA D). A participação de todos e a formação de parcerias, são consideradas de grande relevância para o trabalho da escola, como: Lá a gente tem condição de oferecer recursos mais completos para os meninos. [...] Favorece o trabalho da escola, não fica só na coisa do discurso, fica bem na prática mesmo, bem na vivência, bem na experiência com os alunos. Hoje é de grande interesse a escola estar integrada na comunidade e

113 112 a parceria empresa-escola trás um crescimento muito grande, tanto por parte do professorado quanto dos alunos e familiares. [...] O objetivo do trabalho não é só o prêmio, mas o aprendizado em si, mas o prêmio é um incentivo e aquele que ganha tem a grande oportunidade de celebrar o seu mérito. (ESCOLA C). Necessário faz-se ressaltar que promove o senso crítico nos alunos de maneira que ele sendo critico e observando, vendo que aquilo ali é errado ele já vai passando para gerações futuras., de maneira que é um processo contínuo e de grande relevância pra educação dos jovens. (ESCOLA D). Mais importante que o prêmio é a questão do trabalho prévio. O prêmio é uma conseqüência de alguém que foi bem sucedido. O projeto é eterno. É continuado. E a educação é continuada. Sem dúvida. Nós professores precisamos dela, nossos alunos também. (ESCOLA E). Conscientização foi a palavra mais considerada pelas professoras que acreditam ser essa a necessidade das crianças, primeiro lugar seria a conscientização. Trazer essa conscientização mesmo! [...] Você integra esse projeto dentro do seu currículo. (ESCOLA G), e também, Há uma questão de conscientização, do objetivo mesmo da proposta. Falar de meio ambiente não é só passar pro papel o objetivo teórico, mas a vivência do aluno. Então, muito do que a Siderúrgica propõe nas apostilas, no material didático, nós temos como aproveitar no dia a dia dentro da escola. (ESCOLA H). Considerando a contribuição da educação ambiental proporcionada pela siderúrgica para escola/comunidade, importantes reflexões são trazidas pelos entrevistados tais como transformação, visão de mundo, entre outras pertinentes e necessárias ações relativas a educação ambiental, dentre as quais citamos: O comprometimento mesmo da educação de participar das questões ambientais. Eu vejo assim, como transformadores. (ESCOLA G). O material deles é muito rico. A gente consegue trabalhar com material que já vem todo certinho, já elaborado. A gente tem material de apoio do professor que ajuda a gente nas outras atividades. (ESCOLA F). Chega aqui na escola, por exemplo, se eles estão fazendo algum trabalho, há uma grande participação da família, então os pais têm acesso, e na própria reunião pedagógica a gente fala, olha vem aí o concurso!! (ESCOLA B). [...] A educação que a gente pretende dar pros alunos é uma educação crítica, para que eles tenham realmente essa reflexão crítica. A partir dessas vivências eles já vão tendo um outro olhar. (ESCOLA C).

114 113 O trabalho do projeto que é desenvolvido juntamente com as escolas, eu acho que já mostra uma preocupação com o meio ambiente e o envolvimento da empresa. (ESCOLA G). Este foi um dos relatos que registramos quando levamos em conta a preocupação da empresa quanto às questões ambientais. Uma professora entrevistada considera legítima a preocupação da empresa com as questões relacionadas ao meio ambiente, porém se posicionando a partir das obrigações legais exigidas pelo governo federal às organizações deste porte: até que ponto a empresa é forçada a fazer isso pra ter uma boa imagem? e considera que é o fator marketing o objetivo maior na execução e manutenção de todo esse projeto, sendo a educação tão somente um motivo aparente. Para em seguida complementar mas eu acho que mesmo sendo assim, eles tem a preocupação de não fazer uma coisa qualquer. (ESCOLA F). Nesse sentido, Pelliccione (2007, p.23), segundo o trabalho de Adams (2005) sobre a EA em 16 empresas brasileiras, comenta que a EAEB por ela estudada carece de vários componentes necessários às práticas eficientes e sugere, assim, identificada apenas para a busca de certificações, prêmios, etc. que nada mais são que estratégias de marketing empresarial. São numerosas as ações de preocupação da empresa quanto às questões ambientais que foram citadas como: água, lixo, limpeza, ar, verde, educação. De modo que Eu acho que o cuidado com a reciclagem da água, o cuidado com, o carinho com os jardins. [...] Nós assistimos lá, uma vez, um teatro sobre o meio ambiente. Muito bonito, eu não me lembro o nome do grupo que, a água, a terra, o ar. Fizeram um teatro maravilhoso!! O teatro sempre passa uma mensagem bem marcante porque você vê a sena. Foi muito bonita. Foi muito bonito o trabalho deles. (ESCOLA A). Todo ano a gente fazia uma gincana ecológica [...] com participação do DEMLURB 32 na coleta seletiva e eles ficaram sabendo do nosso trabalho com o meio ambiente. A Siderúrgica então tudo isso facilitou. (ESCOLA B). Por várias vezes, tendo participado do prêmio, muitas escolas ficam na expectativa do lançamento do prêmio para logo iniciarem os trabalhos, convocando toda comunidade escolar, programando reuniões pedagógicas, visitas, ações e até mesmo mobilizações específicas focadas nas atividades para participação no evento. Tais atividades desenvolvidas nesse processo apresentam-se com a linguagem da criança, é um tema atual e que faz refletir. 32 Departamento Municipal de Limpeza Urbana da Prefeitura Municipal de Juiz de Fora MG.

115 114 (ESCOLA F). Para essas escolas, participar do prêmio é participar de um novo e fortalecedor aprendizado, pois: É transformar posturas. [...] Já faz parte da nossa grade curricular, a gente se coloca mesmo em função do projeto. Isso só vem fortalecer. (ESCOLA D). Nós também temos o trabalho de conscientização sobre as questões ecológicas. Uma coisa vem ao encontro da outra. A [...] vem reforçar as atividades da escola (ESCOLA A). Então estes temas fizeram parte da nossa feira. Então era a feira das ciências ligada ao prêmio de meio ambiente com um trabalho feito durante todo o ano. (ESCOLA C). O envolvimento e participação da comunidade é grande, embora, algumas pessoas ainda fiquem impossibilitadas de participar efetivamente. Pudemos registrar que em determinados projetos, não só a comunidade escolar, como também a comunidade externa e órgãos externos se envolvem nas atividades do prêmio. O trabalho abrange uma equipe interdisciplinar. (ESCOLA A); Todos. É porque a gente trabalha os prêmios nas reuniões pedagógicas. (ESCOLA B); organizar os bimestres já considerando o prêmio, porque já sabe que vai participar. (ESCOLA F); Toda a comunidade mais os nossos 404 alunos participaram. (ESCOLA D); Todo esse envolvimento extrapola além do filho e chega à família. (ESCOLA H); as crianças cobram dos pais, falam de lixo reciclável. (ESCOLA G); tudo parece ser sedutor, convidativo e envolvente. Sobre os conteúdos dos materiais fornecidos pela empresa, o público entrevistado nas escolas destaca a qualidade dos conteúdos com embasamento para os professores, a interdisciplinaridade e a possibilidade de ultrapassar limites. então não dá pra ser uma coisa só no projeto. O material é muito educativo. Muito educativo e de formação também para o professor. Porque assim, é, a gente parte do princípio de que o professor já tenha esse domínio, só que na verdade, nós não temos ainda esse domínio. (ESCOLA C). Espelhar. Esta foi uma das palavras usadas nas respostas que registramos sobre a possível contribuição da relação empresa/escola com o desenvolvimento sustentável. As empresas em [...] precisariam assim, se espelhar na Siderúrgica. [...] apoiar as iniciativas, [...] apoiando às vezes até projetos da própria escola. (ESCOLA A). Entre tantos, destacamos os seguintes registros:

116 115 Eu acredito na questão da parceria enquanto esta sendo aliada a escola, pra melhorar a escola, desde que ela não se interfira no pedagógico da escola. (ESCOLA B). Toda empresa deveria assumir esse papel. Mais ainda! Chamar mesmo a escola como parceira. Acreditar ainda mais que a escola tem o poder de transformação. O trabalho veio como uma parceria desde 2003 [...], por acreditar que nós somos capazes de transformar e de mudar essa realidade que a gente tem. (ESCOLA G). Além da premiação, a participação da escola no prêmio deixa rastros e cria raízes no processo educativo em que as escolas têm como perspectiva uma educação consciente, crítica, reflexiva e transformadora. As atividades e os processos educativos são reforçados por uma empresa de renome. Uma empresa que se preocupa com o meio ambiente. Para os alunos vem reforçar o que nós veiculamos enquanto conteúdo, conscientizar realmente. Fazer com que eles pensem e repensem no meio ambiente o tempo todo. (ESCOLA A). Destacando a importância da participação, sem a necessidade de o aluno ou a escola serem contemplados com o prêmio, chama pela conscientização: Você conscientiza seu aluno desse trabalho com o meio ambiente. Não é só a gente ganhar o prêmio. É mostrar pra eles que eles podem ser transformadores!!! Que eles podem fazer alguma coisa pelo futuro. Então não é só o ganhar. Formar esses meninos e conscientizá-los, pra mim, nossa!!! Você não imagina a alegria que eu fico. Eu acho que a escola tem que participar e dar oportunidade ao nosso aluno. (ESCOLA B). A premiação é fruto de determinado esforço que vai além da conquista, provocando mudanças de hábito que buscam promover nos indivíduos, a consciência socioambiental para que eles sejam potencialmente transformadores: é justamente a mudança de hábito! Hoje em dia, cai uma sacolinha [...] Pega e joga na lata de lixo. Ele orienta e alerta o colega. É mudança de hábito mesmo. (ESCOLA D), e reconhecer o valor das pessoas, independente do resultado do prêmio pois, eles ganharam não em prêmio, eles ganharam em aprendizado. Com certeza isso mais tarde vai ter um reflexo positivo na vida deles. (ESCOLA C). Na tentativa de identificar e relacionar princípios educacionais emancipatórios de Edgar Morin e Paulo Freire, na educação ambiental praticada pela Siderúrgica, testemunhamos a grande influência desses renomados Educadores na vida cotidiana das professoras e pedagogas. Com relação ao Paulo Freire o senso crítico, o pensar o quê, tá relacionado. (ESCOLA D). e, também, Paulo Freire parte do seu próprio ponto: o ponto de partida é você e o seu meio. Então, acho que tai uma maior relação. Morin também, quando ele diz que tudo ta junto com tudo. (ESCOLA A). O aluno orientado naturalmente constrói

117 116 o conhecimento. A autonomia deve sustentar nossos alunos a uma produção independentemente. Paulo Freire destaca o amor pela educação. Fazer por fazer e fazer com prazer. A questão do diálogo, você propõem um tema pro aluno, você tem que dialogar, você tem que conversar, você tem que ter paciência! (ESCOLA H). Com essas referências, você propicia ao aluno a liberdade de construir o conhecimento, orientado naturalmente. E relacionando as questões da teoria com a prática ainda com este educador, a entrevistada fala da relação coma vida do aprender de acordo com a vida. Com a vida do aluno, considerando o que ele já sabe, o que ele tem, eu acho que isso encaixa bem. (ESCOLA F). Procurando expressar a definição do meio ambiente, com apenas cinco palavras-chave e sem formar frases, as entrevistadas, educadoras por excelência, não pontuam apenas as cinco palavras, mas se prolongavam em extensos discursos a fim de explicar o sentido de cada uma. Para o propósito desta pesquisa selecionamos algumas delas, que, ao nosso entendimento, denotam o envolvimento e preocupação das mesmas com a educação e as questões ambientais. Apresentamos então: sustentabilidade, responsabilidade, educação, comprometimento, natureza, integração, equilíbrio, beleza, cuidar do mundo, ecologia, terra, água, fogo, ar, vida, esperança, transformação, conscientização, participação, cuidado, preservação, responsabilidade, participação, ser humano, sociedade, mudança de hábito. Como anteriormente citado, vivenciamos uma relação dialética com os sujeitos envolvidos na pesquisa, promovendo uma abertura pautada em Paulo Freire, de modo que todos tivessem a oportunidade de se pronunciar. Embora ocorresse também durante as entrevistas, encerramos esse momento oportunizando a todos que se manifestassem em direção ao seu próprio horizonte, de maneira que pudessem fazer comentários, apresentar mensagens ou passar também como entrevistadores. Portanto, além dos manifestos de incentivo ao trabalho que estamos realizando; da alegria de poder colaborar com nossa pesquisa; da possibilidade de estarmos juntos nos conscientizando ainda mais sobre as questões de preservação do meio ambiente; do faça algo pelo nosso planeta; da esperança de que os educadores estejam reunidos para melhorar nosso planeta; do ganho de força que o trabalho tem na escola; e do parabenizar mais uma vez à Siderúrgica, consideramos pertinente transcrever estes últimos registros: Acho que deve insistir ai no trabalho com crianças e com jovens é que o que pode levar a alguma coisa positiva pra gente. Fui lá ha pouco tempo e eu fiquei foi muito triste. Porque o rio que agente nadava, que tinha peixe, só de olhar, hoje você não pode nem entrar, está tudo poluído. (ESCOLA A).

118 117 A campanha da fraternidade do ano que vem, ela tem o tema Fraternidade e a vida no planeta e o lema é A criação geme em dores de parto. Então, um verso do hino da campanha fala, é como se fosse um diálogo com Deus e diz que a criação geme em dores de parto. Mas essa dor é para trazer a vida ou é a dor da perda, do sofrimento de vê a coisa se acabar? Então, eu penso que tudo que diz respeito à Educação Ambiental, a essa consciência de que nós fazemos parte desse todo, mas nós não somos o centro, isso, é importante o tempo todo. Não é só em projetos, num determinado trabalho que é feito por alguma empresa, ou na escola como a gente faz também na feira de ciências, mas é no dia a dia! É na vida mesmo, em todas as atitudes que a gente tem desde a hora que a gente acorda de manhã, abre a torneira pra lavar o rosto, abre o chuveiro pra tomar um banho. E isso tem que ta o tempo todo, é, aparecendo e sendo motivo de conversa, de reflexão, de discussão, de orientação, de informação e de formação (ESCOLA C). As professoras entrevistadas valorizam muito as atividades relacionadas ao prêmio. Observamos um envolvimento e compromisso para com a comunidade escolar em valorização das questões ambientais e sociais para conscientização dos alunos. Apesar de grande esforço, dedicação e muito trabalho por parte dos docentes, esses não são contemplados com nenhuma colocação, mas recebem o grande e valioso prêmio da esperança de um mundo melhor para todos Considerações sobre Entrevista semi-estruturada da AMAC/Pequenos Jardineiros A Associação Municipal de Apoio Comunitário (AMAC) é um órgão da Prefeitura Municipal de Juiz de Fora, que dentre várias ações, abriga o projeto Pequenos Jardineiros. Conforme o entrevistado AM 1, este projeto possui como objetivo a qualificação dos jovens para o trabalho de jardinagem, sem contudo esquecer da formação crítica e social dos cidadãos.

119 118 Durante nossa pesquisa, na observação participante, constatamos que vários jovens fazem parte integrante do CEAM, desenvolvendo trabalhos de jardinagem, sendo que dois deles se encontravam sempre na Casa da Natureza, a fim de fornecer apoio às atividades de Educação Ambiental com os alunos das escolas que participavam do PEA. Achamos, pois, necessário destacar a parceria da empresa com a AMAC, visto que de acordo com nossos entrevistados, esses jovens somam 40 aprendizes no CEAM, e distribuemse pelas áreas dos setores industriais contribuindo com a manutenção e recuperação dos jardins da empresa, participam de atividades de educação ambiental, além de serem beneficiados pelas leis trabalhistas. Ao entrevistar dois jovens do programa Pequenos Jardineiros questionando sobre a importância do trabalho que realizam, bem como sobre o aprendizado adquirido para a vida deles, registramos os relatos: Eu aprendi muita coisa aqui dentro. Passei a ter noção sobre o lixo, o meio ambiente. Passei a ser mais responsável com o meio ambiente. Isso mudou muito [...] por que tenho vários conhecimentos. Também, a educação que eu recebo, aprendendo mais. Posso dividir o que eu aprendo com meus colegas em casa e no trabalho. (AM2) Estou aqui há onze meses. Entre o trabalho e as responsabilidades que a vida coloca, eu aprendi mais. Mudou bastante a minha relação com a natureza e com as pessoas também. Foi diferente. (AM3) Esses jovens fizeram, ainda, observações em relação às crianças que visitam o CEAM, pontuando que o espaço onde essas crianças são recebidas e os assuntos que são tratados, contribuem sobremaneira para um sólido aprendizado, como transcrevemos a seguir: prende as crianças e elas aprendem algo que pode mudar a vida delas em suas casas. Os integrantes da AMAC compartilham com os mesmos argumentos quando se trata da parceria Siderúrgica/AMAC. É uma empresa aberta ao diálogo, onde o educador pode negociar ações necessárias ao bom desempenho das tarefas dos jovens. Reflete na escola, no grupo de amigos e nos familiares, o trabalho que é feito com esses jovens na empresa, de maneira que: O menino quando ele entra numa empresa como a Siderúrgica, [...] ele já deslumbra um pensamento para querer ser alguém na vida. Pra querer crescer; pra querer ter uma mudança de quando ele entrou lá pra quando ele saiu, e isso estende a todos os familiares deles, se estende as pessoas que estão mais próximas desse menino porque ele não consegue segurar isso só pra si, ele irradia essa vontade de crescimento e essa vontade de querer ser alguém na vida. [...] ele não vai jogar lixo no chão, ele vai começar pensar em reciclar, ele vai começar a respeitar os limites de poluição. Então, esse

120 119 menino vai ter uma abertura de pensamento muito grande com relação à educação ambiental. (AM 4) Sobre a pesquisa que realizamos, eles vêem nela uma oportunidade de mostrar o quanto a parceria Pequenos Jardineiros/AMAC/Siderúrgica é importante, e que dela se colhe bons frutos e que serve de exemplos para outras empresas. Grande entusiasmo eles demonstram com essa parceria, não deixando dúvidas quanto à importância e a necessidade de dar continuidade a esse trabalho, para que muitos outros jovens garantam uma nova oportunidade de qualificação de trabalho em suas vidas e de seus familiares Considerações sobre Entrevista semi-estruturada da Professora Ambientalista Em 2008, talvez por considerar e perceber a complexidade da educação ambiental, a empresa Siderúrgica contratou uma professora ambientalista 33 para ministrar a capacitação dos (as) professores (as) das escolas envolvidas com o prêmio. A Professora trabalha há mais de duas décadas com Educação Ambiental, e esclarece em seu depoimento oral que: eu sou de uma linha de uma educação ambiental mais emancipatória, libertadora, transformadora. É a partir desses referenciais que realiza o seu trabalho com os professores, acreditando que nessa perspectiva de EA transformadora, podese realizar um trabalho rápido, abordando os problemas, as conseqüências e as alternativas, considerando, porém que tais alternativas devem ser construídas coletivamente, a partir do referencial crítico, usando os princípios de Paulo Freire (ENTREV 23). Ao ser indagada sobre a realização do trabalho em uma empresa, onde entendemos existir, alguma falta de liberdade na tomada de decisões e a obrigatoriedade de se cumprir tarefas hierarquicamente pré-estabelecidas, principalmente quando se fala em Educação Transformadora, ela esclarece que a empresa concedeu total liberdade para trabalhar os temas, considerando esse fato, um caminho necessário, e também, segundo a professora, condição indispensável para a realização do seu trabalho, a fim de que se efetivasse condições capazes para se educar visando a transformação dos cidadãos. 33 Conforme Relatório Empresa/Unidade (2008, p.8): ambientalista, professora universitária com mestrado e muita experiência na área.

121 120 Sobre os materiais do professor/educador, os demais entrevistados e a professora compartilham no mesmo entendimento, e, quanto à qualidade física e de conteúdo, consideram como de excelente qualidade. Em nossa observação participante, durante a capacitação dos professores, o convite à reflexão, ao diálogo e à discussão, era constante. O despertar de todos para o envolvimento, comprometimento e participação, era permanente. Lembrávamos de Paulo Freire, pois a educação bancária não encontrava espaço. A provocação para reflexão dos professores fazia parte do processo pedagógico, onde a realidade e a complexidade ambiental encontram um olhar em Edgar Morin. Depois de consolidados os objetivos e propostas do curso, começa-se a trabalhar, [...] quer dizer, que identidade é essa? O quê que é essa identidade, como a gente constrói essa identidade. Trabalhando a partir dessa perspectiva Freiriana de possibilitar que o aluno discuta, reflita, que ele saiba ler essa realidade que ele está vivendo que é uma realidade complexa como diz o Morin, uma realidade que não é tão simples da gente entender. Então uma realidade complexa exige um olhar complexo para entender essa realidade. (ENTREV 23). Em nosso entendimento, a professora, convencida de que a EA muda a realidade, coloca o aluno, o professor e todos os envolvidos como sujeitos, sinaliza para o caminho da leitura da realidade sob uma visão crítica, para em seguida conhecer as causas e conseqüências, para construir de maneira coletiva as possíveis alternativas para solução e/ou mitigação dos problemas socioambientais. Diversas são as possibilidades e caminhos para o processo educacional. Para vislumbrar uma Educação Ambiental Transformadora e Crítica, os enfoques transdisciplinar e interdisciplinar devem constituir o eixo central deste processo que, entendendo o Meio Ambiente em sua totalidade, deve-se sustentar com base em uma metodologia participativa e dialógica. A professora afirma que meu curso é a partir da minha concepção de Educação Ambiental Crítica, Transformadora e Emancipatória", e essa concepção de educação incomoda, de maneira que, a Educação que eu trabalho não visa apenas bons comportamentos. Ela visa o quê? A pessoa, primeiro reconhece esse problema, que esse é um problema. Por que muitas pessoas nem pensam que isso é um problema, de pensar como a gente pode agir para resolver coletivamente esse problema. Não são atitudes individuais que vão dar conta. Não adianta eu sozinha separar meu lixo. Estou fazendo minha parte? Estou! Mas, não vai resolver o problema e

122 121 isso é um senso comum: se cada um fizer sua parte o problema vai estar resolvido. Não vai estar resolvido!!! Eu falo isso com os alunos e com os professores: eu sinto muito em lhes dizer, porque aquela história que se o passarinho vai lá e coloca uma gota e outro vai lá, e é tão lindo isso, e isso que coloca a mídia. Não dá certo gente!!! O problema, o tamanho dos problemas ambientais, entendeu? Como eles vão ser solucionados com uma gotinha e cada um fazendo a sua parte? Não adianta!!! Quê adianta eu separar o meu lixo, se não tem uma coleta seletiva eficiente que ela tem que ser pública? (ENTREV 23). Como falamos em reflexão, merece o texto acima, grande atenção para melhor entendermos, ou tentarmos entender a complexidade dos problemas ambientais. Tal complexidade apresenta-se surpreendente, talvez por provocar em todos pelo menos deveria a necessidade de nova reflexão para mudança de comportamento e acreditar na possibilidade de transformar algo que é muito simples em determinado momento e logo, exatamente no momento da possibilidade de solucionar tal problema, a complexidade nos atormenta com a sua presença. Citou a professora que a educação ambiental dentro da concepção crítica, transformadora e emancipatória incomoda. Realmente. E que incomode a todos, para que sensibilizados reflitam com a mensagem que consideramos marcante e até mesmo, surpreendentemente rica para refletirmos sobre, quem sabe, uma possível falácia se cada um fizer sua parte o problema vai estar resolvido. A complexidade do problema consiste na simplicidade de conhecer as causas e as alternativas para solucioná-los. Tal solução, em consonância com a professora entrevistada, deve ser obrigação assumida do setor público, que através das suas políticas ambientais deve contribuir, amparar e implementar ações com vistas à melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente. Citado como complexo mas simples o problema do lixo, é identificado na fonte produtora, para as quais são estudadas e delineadas possíveis soluções alternativas para ao menos mitigar os impactos que este causa ao meio ambiente. O esforço de cada um que fez a sua parte tem sido ignorado pelos responsáveis por esta destinação final dos dejetos (resíduos sólidos). Se, se sabe tudo, onde está a complexidade? Política não falta. Faltam ações de todos e de todo Poder Público. Se as autoridades tem a consciência das graves conseqüências do descaso em relação a questão do lixo, e das ações preventivas que precisam ser tomadas, por que as ignoram? Falta é vontade política para fazer acontecer a preservação do nosso planeta.

123 122 Sem querer conferir responsabilidade a um único setor, e segundo Foladori (2001, 2001, p. 40), que em seu documento Painel Educação Ecológica 34, apresenta, com título em espanhol Cinco Falacias sobre La Crisis Ambiental, observa-se que a primeira falácia considera que Todos tenemos igual interés en defender la naturaleza. Falso. Tais atitudes, no exemplo citado sobre o lixo, remete-nos a concordar com o autor que entende também que os problemas ambientais devem ser abordados como uma questão primeiramente política. Devemos agir para transformar este falso em verdadeiro. Assim devemos exigir não qualquer ação política, mas ações políticas eficazes que atendam às diversas necessidades socioculturais dos cidadãos, pois, várias contradições geram problemas ambientais na sociedade humana, exigindo uma metodologia capaz de confluir com toda complexidade. Apesar de, em conversa informal, um dos sujeitos dessa pesquisa nos informar que a empresa não pratica EA com seu público interno e procurando evidências sobre a prática de Educação Ambiental realizada com seus funcionários e também com os funcionários de empresas terceirizadas, abordamos a professora ambientalista, se ela conhecia o motivo pelo qual a empresa não pratica atividades de educação ambiental com o público interno. Grande foi a surpresa para a professora e, questionando acerca da fonte de nossa informação, fez o seguinte contra-ponto: [...] eles fazem algumas atividades, que são atividades educativas. Por que as pessoas às vezes, eles não são da área de educação!!! Eles têm uma idéia de que a Educação Ambiental é mais na perspectiva natural. Ele tem que fazer alguma atividade voltada para a natureza para que seja Educação Ambiental. Mas eles tiveram uma Semana Ecológica com o público interno sobre a Educação Ambiental mostrando as atividades que eles fazem, entendeu? Isso é Educação Ambiental!!! Eu não sou funcionária de lá, eu estou falando o que ouvi de uma funcionária da empresa o que eles têm feito. Num entendimento de um Meio Ambiente, numa perspectiva de totalidade. Não é só na perspectiva natural, quer dizer, não precisa de o funcionário ir à Casa da Natureza para falar que ele fez um trabalho de Educação Ambiental. Lá na aciaria pode ter!!!. Se pensar na qualidade de vida do trabalho dele. Quem faz muito isso é o pessoal de Técnico de Segurança do Trabalho, que é Educação Ambiental!!! só que com outro nome. Eu já dei várias palestras para os funcionários para [...] que é dentro da Siderúrgica, nas semanas da CIPA. Eu já dei várias palestras para os funcionários, lá, que são da [...], terceirizados, na semana de CIPA. Por isso que eu falei, a atividade de segurança do trabalho, segurança e meio ambiente faz isso. Então assim, quando você falou que não fazem um trabalho de educação ambiental com os funcionários, eu pensei, engraçado, eles fazem!!! Mas eu não sou funcionária, sou contratada para trabalhar com o prêmio que é um Prêmio que tem 20 anos e vou lá, dou cursos para os professores. (ENTREV 23). 34 Disponível em: Acesso em 14 abril 2011.

124 123 Surpresos, também ficamos diante dessa informação e pela não disponibilização de materiais de treinamento e/ou relatórios que evidenciem atividades de educação ambiental/ambientais praticadas pela empresa junto ao público interno. Uma empresa que, conforme o Relatório de Gestão Ambiental conquistou vários prêmios; pratica e incentiva atividades de Educação Ambiental com o público externo; faz investimentos em tecnologias limpas; recebeu o Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental (PMGA); recebeu o Selo Ecológico do Instituto Falcão Bauer de Qualidade e realiza também, tantas outras atividades voltadas à mitigação dos impactos e à melhoria das condições ambientais citadas em várias entrevistas e relatórios necessariamente, no nosso entendimento, pratica atividades de educação ambiental e/ou treinamento/ações ambientais com seu público interno. Recorrendo à citação anterior, destacamos uma pequena frase: eles não são da área de educação!!!. A partir desta frase, e longe de querer desmerecer o riquíssimo e importante trabalho que é desenvolvido pelos funcionários comprometidos com as questões educacionais e ambientais da empresa tentaremos esclarecer o que consideramos uma possível relação entre o treinamento e a EA, pelo fato da não realização da práxis de educação ambiental com seu público interno, apesar da não disponibilização de documentos solicitados para análise. Considerando ainda o exemplo do lixo, que aqui chamaremos de resíduo sólido como também é conhecido a fim de que possamos fazer uma relação com as atividades de treinamento que a empresa realiza com seu público interno, com a tão desejada práxis da educação ambiental, citamos Barreto et al (2008, p. 2), apesar de não concordarmos plenamente, pois consideramos que a EA pode ir e vai muito além dos treinamentos, que diz: a educação ambiental, no escopo da empresa, se concentra na realização de treinamento que as empresas utilizam com vistas à otimização de seus processos. Nas entrevistas com os funcionários e na observação participante, o lixo ou resíduos sólidos, foram os mais numerosos exemplos de conscientização. A empresa possui sua própria usina de reciclagem de resíduos sólidos. As estudantes, filhas de funcionários que foram premiadas pelo prêmio e outras alunas também premiadas, falavam com muita segurança e demonstração de consciência sobre a questão do lixo, abordando a importância e necessidade que devemos ter com a separação e destinação adequadas. Tal consciência foi adquirida aonde e como? Sem dúvida, acreditamos e evidenciamos em nossas observações, visitas, 35 Disponível no Relatório de Gestão Ambiental 2008, Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental PMGA. Siderúrgica Perfil da Organização, figura P.8, 13 e 14, p. III e V. Recebido via .

125 124 questionários e análises de documentos, o importante e necessário papel que as escolas desenvolvem em busca desta formação/educação/conscientização. Felizmente! Mas, quando se fala no prêmio, a Empresa desponta como eixo norteador e responsável pela participação, incentivo e envolvimento de vários atores sociais em busca, também, da formação/educação/conscientização das nossas crianças. Aiello e Gorgatti (2006, 2006, p. 46), no artigo intitulado de Consciência sólida subsídios para educação e gestão ambiental, procuram apresentar uma proposta de Educação e Gestão Ambiental, entendendo que a educação ambiental visa também: Esclarecer o que é reciclagem de baterias, listar os cuidados com a manutenção e utilização das baterias em geral visando prolongar a sua vida útil, informar sobre os aspectos ambientais relevantes tais como poluição, problemas de toxidez dos metais envolvidos, danos à saúde e ao meio ambiente, além de alertar que as baterias recarregáveis também acompanham outros eletrodomésticos tais como: telefones sem fio, filmadoras, rádios de telecomunicação seriam exemplos de educação ambiental para um programa contínuo, pautado numa legislação específica, que reluta em ficar só na teoria. Os autores consideram a necessidade de um procedimento para treinamento, pois os vendedores devem receber treinamento, manuais, fitas de vídeo para incentivar a sua participação num programa de educação e conscientização sobre tal problemática. E como complexidade ambiental, problematizam, considerando: Aí está a grande problemática, de educar e fazer acontecer tal procedimento. (ibid., 2006, p. 40). A Companhia Pernambucana do Meio Ambiente, por meio da publicação: Fazendo Educação e vivendo a Gestão Ambiental (2002), apresenta O PASSO-A-PASSO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS como sugestões de atividades de educação ambiental para seu público interno e externo, sugere atividades diversas como: Oficinas de Trabalho, Seminários, Ciclos de Debates e Palestras, Teatro e Dramatização, Vídeos, Estudos de Casos, Simulação, Campanhas de Mobilização, Gincanas, Cursos, Visitas Dirigidas, Dinâmicas e Técnicas de Trabalho em Grupos e muito mais... (ibid, 2002, p. 21). Em 2007, a Siderúrgica, encerrando as atividades do Programa de Educação Ambiental (PEA), realizou seu Iº Workshop de Educação Ambiental 36, vídeos, palestras, visitas dirigidas, trabalhos em grupo foram objeto deste Workshop ou oficina. Apresentações de slides, programação e fotos registram o evento ocorrido no Centro de 36 Pasta de documentos referente ao Iº Workshop de Educação Ambiental, realizado no dia 05/11/2007 na Casa da Natureza do Centro de Educação Ambiental CEAM, da Siderúrgica.

126 125 Educação Ambiental (CEAM), onde as atividades de EA são realizadas e pudemos acompanhar, em nossa pesquisa, algumas dessas atividades. Relatos de fantásticas apresentações teatrais foram citados por professoras entrevistadas. Parece-nos, que não estamos registrando ou esquecendo daquilo que temos feito. Pedrini (2008, p. xxix) esclarece que no campo da EAEB, apesar de muito ter sido feito, não se conhece como e o que é feito, e tão pouco os autores. Dentre as diversas certificações 37 e reconhecimentos que a empresa possui, destacamos a certificação referente à NBR ISO 14001, cuja obtenção da certificação ambiental e sua manutenção exige a participação consciente dos seus funcionários, fornecedores, clientes e a comunidade externa. (FAZENDO EDUCAÇÃO E VIVENDO A GESTÃO AMBIENTAL, 2002, p. 25). A educação ambiental com metodologias de investigação e planejamento participativas, produção de material de comunicação, usando das dinâmicas de capacitação e treinamento direcionados à gestão ambiental, vem abraçando este desafio com visibilidade, eficiência e qualidade. As normas da ISO já exigidas pelo mercado internacional, com certeza atuarão como estimulantes para que, cada vez mais, setores diversos da cadeia produtiva passem a ser atores pró-ativos no gerenciamento ambiental. (ibid., 2002, p. 21). Voltemos então à citação: eles não são da área de educação!!!. Para tentarmos esclarecer o binômio treinamento/educação, necessário se faz revelar detalhes que, em alguns casos nós entendemos este ser um caso devem ser apresentados por profissionais e literaturas especializadas. Para tanto, mencionamos acima, alguns textos que nos concedem suporte ao melhor entendimento da questão, que por si só é complexa. Dessa forma, indicamos a ausência de um profissional de Educação Ambiental no Programa de Educação Ambiental da empresa, atuante e permanente para que compreenda os limites, potencialidades e possibilidades da Educação Ambiental Empresarial, e considere-a, conforme Silveira (2008), como saber construído socialmente; multidisciplinar da estrutura, interdisciplinar na linguagem e transdisciplinar na ação. A EA deve ser instrumentalizada em bases pedagógicas, por ser uma dimensão da educação... Pedrini (1998 apud SILVEIRA 2008, p. 132). Acreditamos, portanto, que a materialização do saber por intermédio da práxis educativa, tem como base uma racionalidade discursiva para interação e compreensão do trabalho docente. Entende Therrien (1996, p. 57) que esta compreensão do trabalho docente, 37 Disponível no Relatório de Gestão Ambiental 2008, Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental PMGA. Siderúrgica, Perfil da Organização, figura P.8, p. III. Recebido via .

127 126 necessária para a igual compreensão dos saberes à base da formação e da qualificação para o trabalho, requer a apreensão do contexto onde o fenômeno se expressa. Ainda, entende também Therrien (1996, p. 59) que a pedagogia: Surge como saber profissional, cujo fundamento se encontra na própria práxis profissional, educativa, como ato reflexivo. O docente domina uma pluralidade de saberes que o habilitam, em situações complexas, não a utilizá-los diretamente de modo técnico, mas a deliberar, analisar, interpretar em situações e a tomar decisões. O agir pedagógico se fundamenta e legitima numa razão que elabora regras de ação que embora alimentadas indiretamente pelos dados da ciência, contudo delas não decorrem diretamente (ibid). Trata-se de um saber profissional, plural, construído no cotidiano da prática que lhe dá um caráter de experiência, legitimando-o para tomadas de decisões em situações de interação. O pedagogo, como mestre, é um prático cujo saber-fazer é fundado na reflexão antes, durante e depois da ação (ibid). O trabalho interativo do docente requer um tipo de razão, uma racionalidade, que lhe permite supor, julgar, decidir, modificar e adaptar sua ação de acordo com os condicionamentos de situações complexas. Pode ser complexo trabalhar com princípios pedagógicos bem estruturados dentro de uma empresa, mas se for necessário não é impossível. Apesar de considerar complexa a discussão, no âmbito da empresa, dos problemas ambientais vislumbrados na perspectiva crítica e transformadora, a professora ambientalista, acredita que a educação na perspectiva Freiriana vai possibilitar a leitura crítica do mundo, e possibilitar a mudança da realidade, embora como um alerta não saiba até que ponto essa perspectiva, dentro de uma empresa, é possível. Finalizando a entrevista, a professora sugere uma reflexão: A Educação Ambiental precisa ser refletida, pensada. O Brasil tem grandes teóricos nessa área, e eu acho que seu trabalho pode dar uma contribuição muito importante, por que nós não estamos como diz Paulo Freire, prontos e acabados. Então tudo é passível de melhorias. Eu acho que um trabalho de Educação Ambiental numa empresa, ele não está pronto e acabado, ele tem muito ainda que melhorar, ser construído. Eu acho que a reflexão da academia ajuda isso, por que é um olhar de fora, diante da realidade, eu acho que seu trabalho pode dar esta contribuição, é desse olhar crítico de um trabalho que vem sendo realizado. (ENTREV 23). Nosso objetivo é também contribuir com a melhoria das atividades no processo educativo formal e não formal com as oportunidades que nos foram dadas para participarmos da práxis realizada na Casa da Natureza do Centro de Educação Ambiental CEAM, somadas às demais contribuições de todos os sujeitos da pesquisa.

128 Observação Participante (OP) Com a participação nos vários ambientes da organização/empresa é que nos propusemos a observar alguns sujeitos, alguns setores prevendo que, sem dúvida, seríamos confrontados com situações que exigiriam atenção, persistência e até mesmo compreensão de nossa parte. Alguns dias de planejamento e expectativa com a observação de determinado grupo, setor ou atividades podem ser perdidos sem que o pesquisador considere ou saiba de um motivo justo pelo ocorrido. Não podemos nos esquecer de que uma observação não pode

129 128 ser substituída por entrevistas, aplicação de questionário e até mesmo por outra observação em outro setor, devido às diversas peculiaridades dos setores e até mesmo do momento da pesquisa. Muitas situações podem ser contornadas com a perspicácia do investigador, mas sempre com destreza para não ser indesejado ou não bem-vindo pelos sujeitos da pesquisa. Considera Martins (2008, p ), que a observação requer muita atenção e rigor minucioso quando na análise de dados, para tanto deve o pesquisador estar preparado. A OP é muito aplicada em coleta da análise de dados, sendo que o pesquisador em um Estudo de Caso, quando ele é formalmente conhecido, podendo ser, ou não, parte integrante do caso. A OP é uma modalidade especial de observação na qual o observador não é apenas um observador passivo. Ao contrário, o pesquisador pode assumir uma variedade de funções dentro de um Estudo de Caso e pode, de fato, participar dos eventos 38 que estão sendo estudados. [...] O pesquisadorobservador formal e revelado será parte do contexto que está sendo observado/investigado e ao mesmo tempo modifica o contexto e por ele é modificado. [...] A significância de um trabalho dessa natureza é evidenciada pela riqueza, profundidade e singularidade das descrições obtidas. Igualmente, Martins (2008), Ludke e André (2007) entendem que antes de tudo a OP deve ser sistematizada com uso de um cuidadoso planejamento, precedido por uma rigorosa preparação do observador, de maneira a tornar a observação como instrumento válido e fidedigno no campo da investigação científica e esclarece: Planejar a observação significa determinar com antecedência o quê e o como observar. A primeira tarefa, pois, no preparo das observações é a delimitação do objeto de estudo. Definindo-se claramente o foco da investigação e sua configuração espaço-temporal, ficam mais ou menos evidentes quais aspectos do problema são cobertos pela observação e qual a melhor forma de captá-los. (LUDKE; ANDRÉ, 2007, p. 25). Iniciamos a observação participante na Casa da Natureza do CEAM da Siderúrgica, onde as atividades de EA foco do nosso estudo de caso são realizadas com os visitantes, conforme consta no PEA da empresa. O grande número de tarefas dos funcionários, o início do processo de recertificação de sistemas de gestão e outras responsabilidades contribuíram para o adiamento do início do trabalho de campo para novembro, quando pretendíamos iniciar 38 Eventos de premiação referentes ao prêmio que ocorreram na empresa e nas escolas durante o período de observação participante que fazíamos na empresa, não foram informados ao pesquisador.

130 129 em setembro. Nossa observação participante - OP concentrou-se no CEAM e mais especificamente nas atividades desenvolvidas na Casa da Natureza. Nas oportunidades que tivemos de permanecer em outros setores, embora por curto tempo, como na gerência técnica, na gerência do meio ambiente, no pátio industrial e também no RH/Comunicação, nosso caderno de campo estava sempre acessível e recebia algumas anotações que julgávamos pertinentes. Nossas solicitações à participação por um dia no acompanhamento de atividades voltadas ao controle de variáveis ambientais como monitoramento da poluição atmosférica, ou tratamento de efluentes, ou treinamento sobre questões ambientais etc., não puderam ser atendidas. Nossa participação em algumas das atividades que citamos, permitir-nos-ia a aquisição de maior conhecimento sobre o tratamento com as questões ambientais pela empresa. Aquisição de evidências e a possibilidade de permear nossa pesquisa em novos caminhos trariam à tona novas descobertas. Estas descobertas aflorariam nossas indagações, e quem sabe, antigos/novos documentos aguçariam nossa percepção para descoberta do antigo/novo que irrompe em todo momento e lugar. Sem dúvidas, seria mais uma importante contribuição para nossa pesquisa. No primeiro dia, fomos apresentados à estagiária de biologia que coordenava e realizava as atividades com os visitantes, e também, a dois jovens que participavam do programa Pequenos Jardineiros, como já foi citado, da AMAC que é um órgão da prefeitura com a qual a Empresa mantém parceria, os quais participam das atividades do CEAM juntamente com a estagiária. Começamos então com uma pergunta sobre o funcionamento do CEAM: quais atividades são desenvolvidas aqui? A estagiária esclareceu que: recebe várias turmas das escolas de [...] e cujos objetivos das atividades são conscientizar os alunos sobre as questões ambientais. Hoje, por exemplo, será abordada a temática da ÁGUA com passeio ecológico pelo CEDAM e infelizmente por causa da chuva não será possível fazer trilha que é muito importante e proveitoso. (CADERNO DE CAMPO 2010, p. 1). Após a apresentação da palestra, os alunos são convidados a lanchar e conhecer as unidades do CEAM para depois retornarem à Casa da Natureza onde finalizam a visita com informações sobre o uso/desperdício de energia elétrica com a utilização da casa da energia que entendemos ser excelente recurso didático. Durante o lanche a estagiária esclareceu que

131 130 os copos descartáveis, serão em breve substituídos por canecas, diminuindo, assim, a agressão ao MA. Após o lanche, os alunos saíram para visitar as unidades do CEAM, divididos em duas turmas. Para visitar a Entomoteca; Casa de Apoio; Casa do Pequeno Jardineiro; Horto Medicinal; Estufa de Germinação; Área de Produção de Mudas e Expedição; Bicho Pau; Jardim Naturalista e Sombrite, onde foram prestadas informações sobre a importância do cultivo das plantas, produção de terra vegetal através do uso das folhagens e decomposição, e também informações sobre vários insetos e suas importâncias para o meio ambiente. (CADERNO DE CAMPO 2010, p. 2). Ao término, foi distribuído para todos os alunos uma cartilha com vinte e nove páginas, produzida sob a Coordenação da Gerência de Recursos Humanos e Qualidade da Siderúrgica, cujo tema é Falando de meio ambiente e, principalmente, do seu ambiente com figuras ilustrativas e atrativas, com informações e diversas perguntas que envolvem os alunos com as questões ambientais e sociais, tendo como fontes de referência o MMA, Instituto GEA Ética e Meio Ambiente, Gente Cuidando das Águas e Menos Lixo, e também, foi distribuída uma ficha de Avaliação das Atividades Realizadas professor para que os participantes respondessem. O comportamento das crianças quando da apresentação dos vídeos e slides, sugere a ocorrência de grande conscientização e sensibilização em relação aos conteúdos apresentados. Observamos que principalmente nas apresentações de catástrofes, desastres, e maltrato dos animais, era grande a manifestação das crianças. Em meio às perguntas e respostas surge assunto sobre caça de animais, então registramos: Deve-se ter cuidado com essa atividade e procurar saber se é permitida, pois, animais silvestres devem ser protegidos e não podem ser aprisionados e nem caçados. Falou também dos problemas (mortandade) dos animais traficados e apresentou um slide com um macaquinho preso, foi realmente um lamento de toda a turma. (CADERNO DE CAMPO 2010, p. 5). Ao verificarmos a grande participação dos alunos, ficamos de certo modo empolgados e lançamos a pergunta: Qual a importância dessa aula para a vida de vocês? E, em meio às várias respostas, uma se perpetuava em meio ao silêncio dos demais que já haviam respondido, e apresentamos: É importante para nos deixar conscientes de que nós devemos não maltratar os animais; denunciar o tráfico de animais; deixar os animais viverem felizes; não retirar os animais de seus hábitats naturais e antes de fazer

132 131 alguma coisa com os animais, se ponha no lugar do animal para ver se você irá gostar. Iago de Paiva Moreira, aluno do 3º ano do Centro Educacional Casinha Feliz. (CADERNO DE CAMPO 2010, p. 5). Por algumas vezes, solicitei a programação com as datas das atividades a serem realizadas na Casa da Natureza, com o intuito de rever nosso cronograma de pesquisa, bem como os horários de atividades de treinamento com os funcionários, pois havia ainda muito trabalho a ser organizado. Assim, o PEA, a programação das atividades do CEAM e nem a programação das visitas das escolas eram disponibilizadas. Problemas de comunicação, de internet, e manutenção predial prejudicavam nosso planejamento tão importante e necessário. Seguindo, nas onze participações que tivemos na Casa da Natureza, em três delas não foram realizadas apresentações em função de se estarem sendo realizadas outras atividades, e em uma delas percebeu-se que não havia sido programado visita. Éramos informados sobre os dias que haveriam de ter as visitas, mas não tínhamos a programação das mesmas e também, o PEA ainda era desejado. O tema LIXO: Problemas e Soluções foi apresentado três vezes, seguido de outras apresentações, também de grande relevância. Os temas eram selecionados de acordo com a turma que chegava, quando era avaliada a idade dos alunos. Quando no atraso de uma escola, resolvemos ligar para outro setor, a fim de conseguir um documento já solicitado. No entanto foi informado que só seria possível conseguir contato com essa pessoa mais tarde, pois estava, fora da empresa, promovendo a entrega a uma ESCOLA DO PRÊMIO DO MEIO AMBIENTE, e retornará à tarde. Comentamos com a outra pessoa e ela não sabia que tal evento estava sendo realizado. (CADERNO DE CAMPO, 2010, p. 10). Na sétima OP, ao chegarmos, fomos informados de que no dia anterior havia ocorrido a premiação aos filhos de funcionários da Siderúrgica, sobre o prêmio. Então, comentamos ter sido uma oportunidade muito valiosa, perdida, e que muito poderia contribuir para com a pesquisa que desenvolvíamos. Apesar de termos realizado a OP entre nove de novembro a dez de dezembro, período no qual, todas as cerimônias de premiação (foram seis) estavam agendadas conforme calendário da página 6 do Relatório Empresa/Unidade Como era importante ter em mãos a programação. Em outro setor, fui informado que a Siderúrgica conquistou o Selo Verde da Fundação Instituto Falcão Bauer. Pontuei sobre a necessidade de organizarem um quadro

133 132 informativo com a descrição da programação, datas dos eventos de EA e do PEA, não apenas para organização interna da empresa como também para divulgação externa e apoio aos pesquisadores da área dentro da empresa, como em nossa situação. Então [...] não tinha a programação e o PEA? Informei que a pessoa alega não estar funcionando a Internet e não teve ainda possibilidade de me passar. [...] pediu desculpas pelas falhas e que infelizmente somente no próximo ano. (CADERNO E CAMPO 2010, p. 13) Informamos também da necessidade de saber nomes das escolas e professoras, funcionários e filhos premiados, para que possamos realizar algumas entrevistas, considerando a grande relevância do prêmio. Solicitei, então, que verificasse a possibilidade de iniciar a aplicação dos questionários, análise documental e entrevistas. O funcionário encarregado informou da necessidade de um tempo maior a fim de que agendasse minhas visitas com o responsável por esta função. Foi-nos sugerido enviar os questionários via e- mail, pois além da dificuldade de reunir a turma, existia a possibilidade de uns ajudarem aos outros. Falamos da necessidade de acompanhar as atividades das pessoas envolvidas no SGA e na EA, por meio da observação informal, bem como da análise de documentos. Todas as solicitações foram registradas informando-nos que em breve seria dado um retorno. Observamos nessa oportunidade, alguns momentos de articulação não ideal provocado provavelmente pelas numerosas tarefas entre os setores envolvidos. Como exemplos: a impossibilidade de reunir alguns trabalhadores para responderem ao questionário que consome no máximo vinte minutos; onde e como ocorrem os treinamentos. Contatos pessoais, telefônicos e s foram usados para algumas solicitações, mas sem êxito, pois não puderam ser atendidas. Devido à impossibilidade de aplicação direta dos questionários, foi-nos fornecida uma lista com vinte e cinco s dos funcionários, para os quais foram então, os questionários encaminhados.

134 Questionários Argumenta Martins (2008) que, para uma pesquisa social, o questionário constitui-se em um importante instrumento de coleta de dados. Seguindo orientações desse autor, procuramos a elaboração de questionários que permitissem a compreensão imediata do respondente, pela clareza e objetividade das questões que foram formuladas. Um teste com os questionários, com a finalidade de verificar questões embaraçosas, difícil linguagem, possíveis falhas etc., foi realizado e sugeriu algumas inclusões e exclusões de perguntas. Aos entendermos assim que as questões estavam corretamente construídas, passamos então à aplicação dos mesmos. Na expectativa de atingir os diferentes públicos alvo da pesquisa e atender aos objetivos do nosso trabalho, partimos para elaboração de questionários diferenciados para cada público alvo. Embora não seja uma prática muito presente em pesquisas de paradigma qualitativo e mais especificamente em Estudo de Caso, Martins (2008, p. 36) esclarece: Em pesquisas orientadas por Estudo de Caso, a aplicação de questionário não é tão comum, visto que o trabalho de levantamento de dados e informações é realizado pelo próprio pesquisador, que, na maioria das vezes, opta por alternativas que possibilitem uma maior interação com os sujeitos da pesquisa. Obviamente, dependendo da situação, e evidentemente dos propósitos do estudo, o questionário poderá ser um dos instrumentos de coleta de dados e evidências. Como um dos nossos propósitos era também entrevistar sujeitos de vários setores produtivos, optamos então pela aplicação de questionários, devido a impossibilidade de deslocamento e mobilização dos funcionários, apresentada pela empresa. Aproveitamos então e estendemos a aplicação de questionários aos professores visitantes e também a alguns alunos que já passaram pelo CEAM. Quatro questionários foram elaborados no intuito de relacionar opiniões e conhecimentos de funcionários(as), professores(as), alunos(as) e até mesmo de confrontar alguns dados entre determinados setores, vislumbrando sempre a ligação/articulação com as perspectivas da nossa pesquisa. Elaboramos então, quatro questionários: Q1, Q2, Q3 e Q4. O Q1 foi aplicado às pessoas envolvidas diretamente com as atividades de Educação Ambiental e com o Sistema de Gestão Ambiental, com onze questionários respondidos. O Q2 direcionado aos funcionários da Siderúrgica e de empresas terceirizadas, envolvidos

135 134 diretamente com as atividades dos setores produtivos, somando vinte e três questionários respondidos (nenhum terceirizado). Embora os questionários apresentem o cargo/função, setor, idade e sexo dos participantes da pesquisa, consideramos não revelar esses dados para garantir a certeza da não identificação dos colaboradores. O Q3 aplicado ao público externo (acompanhantes das turmas das escolas) à Siderúrgica que participou das atividades de Educação Ambiental na Casa da Natureza, somam quarenta e cinco questionários respondidos e o Q4 direcionado aos alunos que já visitaram o CEAM, somam doze questionários respondidos. As questões dos referidos questionários poderão ser consultadas no APÊNDICE A. O público referente ao questionário Q3 é formado essencialmente por professoras (es), participando também coordenadores pedagógicos, educadores social, administradores e pedagogas. Já o questionário Q4, refere-se aos alunos que já visitaram o CEAM e estão cursando o ensino médio. Sobre esses dois grupos (Q3 e Q4) não construímos gráficos para apresentação de dados, visto que houve uma concordância entre todos os sujeitos, no que se refere aos entendimentos sobre as atividades de EA praticadas no CEAM. No grupo Q3, vinte e oito sujeitos indicaram conhecer um ou mais documentos que tratam sobre a EA e partilham da mesma consideração sobre a importância da prática da EA desenvolvida pela Siderúrgica na vida das pessoas, ocorrendo também, a mesma consideração entre os sujeitos do grupo Q4 onde a conscientização foi destacada pelos(as) alunos(as). Os questionários Q1 e Q2 referem-se ao público interno da Siderúrgica, onde destacamos algumas perguntas que além de buscar o conhecimento sobre documentos que tratam de EA, buscam também confrontar algumas respostas sobre as atividades de EA. Vale registrar que vinte e cinco sujeitos referentes ao questionário Q2 foram indicados pela empresa e receberam o questionário via , sendo que treze responderam aos questionários e que a grande maioria apresenta experiência profissional superior a dez anos na empresa. É inegável o conhecimento de todos sobre o envolvimento das escolas e filhos de funcionários no prêmio. Apresentamos nos gráficos, as respostas referentes às questões das primeiras perguntas dos questionários Q1 e Q2. A primeira pergunta do Q1 é: 1) A Empresa possui Plano de Educação Ambiental - PEA? SIM ou NÃO. Se SIM, responda as questões a, b, c abaixo: a) Quais os setores alvo do PEA? Alguns setores; Todos os setores; Apenas o setor da Gestão Ambiental; Obs.:

136 135 b) Quanto aos funcionários dos setores envolvidos, são: Todos; Somente a chefia; Um de cada nível hierárquico; Obs.: c) Qual o período de realização das atividades de EA? a cada 2 meses; a cada 4 meses; a cada 6 meses; outros: A primeira pergunta do Q2 é: 1) Você participa ou já participou de atividades de Educação Ambiental - EA? SIM ou NÃO. Se SIM, responda as questões a, b, c abaixo: a) Qual ou quais setores que você sabe que participam ou já participaram em atividades sobre Educação Ambiental? Alguns setores, Todos os setores; Apenas o setor da Gestão Ambiental; Obs.: b) Quantos funcionários do seu setor participam? Todos; Somente a chefia; Um de cada nível hierárquico; Obs.: c) Quantas vezes você participa de atividades de EA? a cada 2 meses; a cada 4 meses; a cada 6 meses; outros: Para melhor entendimento esclarecemos que o gráfico Q1 apresenta dados dos setores que oferecem as atividades de EA, e, o Q2 apresenta dados dos setores que recebem as atividades de EA. Conforme o gráfico Q1, nas colunas azuis (a cada dois meses, a cada seis meses e outros/não sabe) quanto à periodicidade de realização das atividades de EA, nove sujeitos, citaram a opção outros/não sabe. Desses outros/não sabe, cinco indicaram atividades com as escolas na Casa da Natureza, e, um respondeu que depende da demanda da área do MA. Q1- Pessoas envolvidas com atividade de EA e de SGA/MA.

137 136 Q2- Pessoas envolvidas com atividades do setor produtivo Em duas planilhas que recebemos arquivos com nomes de meio ambiente, referentes aos anos de 2009 e 2010 quando da solicitação de informações sobre realização de atividades de treinamentos/ea direcionadas aos funcionários, não encontramos temas relacionados à EA e nem ao meio ambiente. A pergunta de número dois do questionário Q2 (ver apêndice A) tem como objetivo saber se os funcionários são convidados a participar/opinar sobre as atividades e programas de EA da empresa. Entre as opções sim, não e às vezes onze marcaram a opção às vezes e seis a opção não, refletindo assim, a coerência com as respostas da questão c dos gráficos Q1 e Q2, ou seja, a periodicidade das atividades de EA não está estabelecida. Direcionamos dessa maneira, diante dos dados, nosso entendimento de que atividades de EA carecem de programas que garantam a periodicidade e registros das atividades voltadas ao público interno. Esse entendimento é corroborado pela não disponibilização como citado anteriormente dos documentos solicitados sobre, treinamentos, semana do meio ambiente entre outros. As diferentes abordagens desenvolvidas no caminho percorrido pela pesquisa, incluindo análise documental, entrevistas, observação participante e questionários, favoreceram um conjunto de dados que, no capítulo a seguir, buscamos articular no sentido de sistematizar reflexões sobre as questões formuladas pela investigação.

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Lei: O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Art.

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art.

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ Governador do Estado do Piauí: Dr. Francisco de Assis de Moraes Souza Vice- Governador do Estado do Piauí: Dr. Osmar Ribeiro de Almeida Júnior Secretário

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Novembro de 2010. 6.10 - Programa de Educação Ambiental - PEA

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Novembro de 2010. 6.10 - Programa de Educação Ambiental - PEA EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 6.10 - Programa de Educação Ambiental - PEA 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS Cleci Teresinha Noara Assistente Social Fundação Agência

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO RIO DE JANEIRO TEXTO-BASE CONSOLIDADO

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO RIO DE JANEIRO TEXTO-BASE CONSOLIDADO PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO RIO DE JANEIRO TEXTO-BASE CONSOLIDADO 1 APRESENTAÇÃO O Programa Municipal de Educação Ambiental ProMEA-Rio será elaborado em sintonia com o Programa Nacional

Leia mais

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP RESUMO Carneiro Junior, J. L. 1 ; Freitas, R. C. M. 2 ; Rosa, A. C.

Leia mais

TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL 1

TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL 1 TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL 1 Nós, signatários, pessoas de todas as partes do mundo, comprometidos com a proteção da vida na Terra, reconhecemos

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

INTRODUÇÃO. E-mail: natyoliver@oi.com.br. 1 Graduanda em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

INTRODUÇÃO. E-mail: natyoliver@oi.com.br. 1 Graduanda em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. 1 A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO DAS ATIVIDADES DE PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL UM ESTUDO DE CASO 3-Educación y enseñanza de la geografia 7 Processos da interação sociedade-natureza Natália

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL A Política de Sustentabilidade Banrisul, aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração em 08.10.2012 e em 06.11.2012, respectivamente, tem como finalidade

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

VAMOS CUIDAR DO BRASIL COM AS ESCOLAS FORMANDO COM-VIDA CONSTRUINDO AGENDA 21AMBIENTAL NA ESCOLA

VAMOS CUIDAR DO BRASIL COM AS ESCOLAS FORMANDO COM-VIDA CONSTRUINDO AGENDA 21AMBIENTAL NA ESCOLA VAMOS CUIDAR DO BRASIL COM AS ESCOLAS FORMANDO COM-VIDA CONSTRUINDO AGENDA 21AMBIENTAL NA ESCOLA COM-VIDA Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola Criado a partir das deliberações da I Conferência

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA HISTÓRIA: DA CONSCIÊNCIA À PRÁTICA EDUCACIONAL, DA PRÁTICA EDUCACIONAL À CONSCIÊNCIA AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA HISTÓRIA: DA CONSCIÊNCIA À PRÁTICA EDUCACIONAL, DA PRÁTICA EDUCACIONAL À CONSCIÊNCIA AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA HISTÓRIA: DA CONSCIÊNCIA À PRÁTICA EDUCACIONAL, DA PRÁTICA EDUCACIONAL À CONSCIÊNCIA AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL Adriana Lago Messeder, graduanda UESB Angélica Silva Santos,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS Wagner José de Aguiar 1 ; Fernando Joaquim Ferreira Maia 2 Núcleo Multidisciplinar

Leia mais

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços.

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços. 191 Volume produzido; Volume Micromedido e Estimado; Extravasamentos; Vazamentos; Consumos Operacionais Excessivos; Consumos Especiais; e Consumos Clandestinos. A partir do conhecimento dos fatores elencados

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Critérios Sociais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos (Plano de Sustentabilidade Socioambiental)

Critérios Sociais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos (Plano de Sustentabilidade Socioambiental) Critérios Sociais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos (Plano de Sustentabilidade Socioambiental) Este Anexo tem por objetivo orientar a preparação dos trabalhos sociais do programa representado no

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

Programa Integração AABB Comunidade Projeto Político-Pedagógico O que nos une

Programa Integração AABB Comunidade Projeto Político-Pedagógico O que nos une Programa Integração AABB Comunidade Projeto Político-Pedagógico O que nos une 1. Identificação e contextualização 1.1 Nome 1.2 Instituidores e parceiros 1.3 Conceito 1.4 Público 1.5 Histórico 2. Princípios

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012 (*) Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. O Presidente do

Leia mais

Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Submetida pelos governos de

Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Submetida pelos governos de PROPOSTA DE PROJETO PARA A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Submetida pelos governos de Angola, Brasil e Cabo Verde TÍTULO: Educação Ambiental na CPLP no Marco da Década da Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Aspectos institucionais do fechamento de barragens de rejeito O papel do órgão ambiental Zuleika S. Chiacchio Torquetti Diretora de Qualidade e Gestão Ambiental

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas A CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA CONSERVAÇÃO DA RESERVA R-3 ENVOLVENDO TRÊS ESCOLAS PÚBLICAS EM SINOP-MT Sinovia Cecília Rauber Curso de Especialização em Educação e Meio Ambiente FASIPE SINOP/MT

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

ALFABETIZAR PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, E RESGATAR O SABER POPULAR

ALFABETIZAR PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, E RESGATAR O SABER POPULAR ALFABETIZAR PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, E RESGATAR O SABER POPULAR Ana Carmem Miranda Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE RESUMO A alfabetização de jovens e adultos utilizando a

Leia mais

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO: UMA EXPERIÊNCIA NA GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS RODOVIÁRIAS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO: UMA EXPERIÊNCIA NA GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS RODOVIÁRIAS EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO: UMA EXPERIÊNCIA NA GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS RODOVIÁRIAS Cauê Lima Canabarro STE Serviços Técnicos de Engenharia S.A.. Graduado em História, Mestre em Educação

Leia mais

PRINCIPAIS NORTEADORES ESTRATÉGICOS DA UNIMED VALE DAS ANTAS/RS.

PRINCIPAIS NORTEADORES ESTRATÉGICOS DA UNIMED VALE DAS ANTAS/RS. UNIMED VALE DAS ANTAS, RS - COOPERATIVA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE LTDA Ramo: Cooperativa Médica de Serviços de Saúde Período de Relato: de 27/02/2014 a 24/02/2015 E-mail: rh@valedasantas.unimed.com.br / gerencia@valedasantas.unimed.com.br

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G)

RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G) RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G) Resumo: Este artigo aborda a proposta de trabalhar o meio ambiente

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESUMO DIADOSK, A.; FERREIRA, A. H. Valendo-se da real mudança de valores, as empresas estão engajadas à ideia de desenvolvimento sustentável e à preservação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais