Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: recortes da avaliação e da regulação da Educação Superior no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: recortes da avaliação e da regulação da Educação Superior no Brasil"

Transcrição

1 Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: recortes da avaliação e da regulação da Educação Superior no Brasil Antonio Augusto dos Santos Soares 1 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Carla Susana da Encarnação Marques 2 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Eliane Medeiros Borges 3 Universidade Federal de Juiz de Fora Alexandre Marino Costa 4 Universidade Federal de Santa Catarina Pedro Antonio de Melo 5 Universidade Federal de Santa Catarina Rafael Pereira Ocampo Moré 6 Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO TOTAL 3000 A 5000 PALAVRAS ATUAL 7000 A avaliação na educação superior é fator preponderante na manutenção da qualidade dos processos envolvidos. No Brasil, o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior SINAES é o principal instrumento na avaliação da educação superior, presencial e a distância, atuando ainda como referencial para os processos regulatórios da educação superior, a saber do credenciamento e recredenciamento de instituições; e autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos, sendo estes regulamentados pelo Decreto 5.733, de No caso específico da educação superior a distância, existem algumas dimensões de análise específicas dessa modalidade imbuídas nos instrumentos de avaliação, contudo nem todos os processo da modalidade acabam sendo contemplados, dificultando a atuação do avaliador institucional. A avaliação institucional na educação superior brasileira faz tornar o processo avaliativo num mecanismo de transformação social; e na educação a distância isso acaba sendo preponderante para a viabilização e sucesso de um curso, visto que o sucesso dessa modalidade tem resultado a partir da efetividade dos papéis e do relacionamento dos principais atores, a destacar professores, tutores, coordenadores, estudantes e técnicos. A compreensão do SINAES no contexto da educação a distância é fundamental para a sistematização dos instrumentos avaliativos com finalidade aos processos de regulação e avaliação de cursos a distância. As especificidades da educação a distância faz pensar na 1 Consultor e avaliador institucional. 2 Professora Auxiliar do Departamento de Economia, Sociologia e Gestão da UTAD. 3 Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFJF. 4 Vice-Diretor do Centro Sócio-Econômico da UFSC e Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração da UFSC. 5 Coordenador do Mestrado Professional em Administração Universitária da UFSC. 6 Pós Graduando do Programa de Pós-Graduação em Administração da UFSC. 1

2 necessidade de um modelo de avaliação único e voltado aos processos e atores da modalidade, de modo a assegurar a qualidade da modalidade. Palavras-Chave: Avaliação; Regulação; Educação a Distância; SINAES. 1 INTRODUÇÃO A universidade nasceu a vários séculos atrás, onde considera-se por muitos estudiosos seu surgimento em razão dos mosteiros medievais perderam a sintonia com o ritmo e o tipo de conhecimento que vinha surgindo no mundo ao seu redor. Por serem murados, esses mosteiros na foram capazes de atrair esse mundo externo para dentro de suas preocupações e de seus métodos de trabalho. Prisioneiros de dogmas, defensores da fé, intérpretes de textos, os mosteiros foram insensíveis à necessidade de incorporar os saltos do pensamento da época. Ao longo dos séculos seguintes, a universidade floresceu como um verdadeiro centro de geração de alto conhecimento, nas sociedades. Mas, para tal, ela teve de se reciclar, mudar e se adaptar, em diversos momentos, à realidade a seu redor. No Brasil, a Universidade do Rio de Janeiro pode ser considerada como a primeira faculdade instituída no país em 1920, onde se comenta que na época a Universidade do Rio de Janeiro existia, mas só no papel. Ela foi criada pelo Presidente Epitácio para, numa demonstração de status cultural, receber o Rei Albert da Bélgica. Mas o rei foi embora, passou poucos dias aqui e a Universidade do Rio foi fechada: já tinha cumprido seu papel. Com o desenvolvimento das universidades brasileiras nas décadas seguintes, surge a necessidade de promover um sistema de avaliação e regulação delas, sendo que, entre os modelos de avaliação instituídos no sistema educacional superior brasileiro, destacam-se o Programa de Avaliação da Reforma Universitária PARU; Programa de Avaliação Institucional das Universidades Brasileiras PAIUB; e mais recentemente, o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES. A regulação, por sua vez, teve sua consolidação com a criação do SINAES, em 2004, com a criação do Decreto 5773, sendo esse o atual instrumento legal que normatiza os atos regulatórios do sistema educacional superior brasileiro. Diante do exposto, este trabalho pretende apresentar e analisar o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior SINAES, como também o sistema regulatório da educação superior, que se fundamenta atualmente no SINAES. 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Educação Superior no Brasil A universidade, durante o Século XXI, deixou de ser a vanguarda do conhecimento, tendo perdido também a capacidade de assegurar um futuro exitoso a seus alunos. Ela deixou de ser um centro de disseminação do conhecimento, não sendo mais utilizada como instrumento na construção de uma humanidade coesa. Nos dias de hoje, essa mesma IES pode representar o conhecimento que está em fluxo contínuo, e tem de ser constantemente atualizado pelos ex-alunos; mais um transmissor do conhecimento que está no ar, que pode ser alcançado pelas pessoas de todos os tipos, por toda parte, seja por meio de canais como TV e Internet, ou ainda jornais, revistas especializadas, empresas e laboratórios; e também o meio pelo qual as 2

3 pessoas podem se reciclar e se reformular, num processo de atualização constante, visto que o conhecimento adquirido no passado se torna obsoleto em pouco tempo, e em razão da alta competitividade no mercado profissional, a reciclagem acaba sendo é fator decisivo para o sucesso profissional. Diante deste retrato, não há dúvida de que a universidade pública foi duramente maltratada pelo neoliberalismo das últimas décadas, e o Brasil é um exemplo trágico dessa realidade (Buarque, 2003, p. 27). Em 1980, havia alunos matriculados nessas universidades e, em 2001, Já o crescimento das universidades particulares foi espantoso, aumentando nesse mesmo período de para , sendo que percentualmente o crescimento do público e do privado são de 19% e 62%, respectivamente. De acordo com Teixeira (1999), o ensino superior no Brasil pode ser considerado um caso atípico no contexto latino-americano, pois enquanto a Espanha propagou Universidades para suas colônias, Portugal deixou o Brasil atrelado às Universidades da metrópole: Coimbra e Évora. Segundo Cunha (1986), esse atrelamento referia-se a aspectos tanto econômicos como culturais. Esta situação justifica o rótulo de Universidade Temporã recebido pela instituição brasileira. Para um melhor acompanhamento dos processos históricos ocorridos para o desabrochar da educação superior no país pode-se constatar no anexo a Cronologia da Formação da Universidade no Brasil. No Brasil, costuma-se dizer que a universidade brasileira é temporã, já que demorou muito a chegar. A história registra que, em 1592, os jesuítas fundaram e instalaram a primeira universidade brasileira: a Universidade do Brasil. Mas essa instituição não se consolidou, [...] não foi reconhecida ou autorizada, nem pelo Papa, nem pelo Rei de Portugal, pelos riscos de emancipação que traria ao Brasil-Colônia (Morhy, 2002, p. 499). Por outro lado, temos outra resistência da parte de alguns brasileiros que buscavam uma formação fora do país, em geral na Europa, não justificando assim a importância de criação de uma instituição deste gênero no país. Para Fávero (1977, p. 20), [...] todos os esforços de criação de Universidade ou mesmo escolas superiores no período colonial e monárquico, forma malogrados, o que denota uma política de controle a toda iniciativa que possibilitassem independência cultural da colônia. Em relação as primeiras Universidades brasileiras, Fragoso Filho (1984), ressalta que as três primeiras Universidades brasileiras a serem oficialmente criadas foram: a Universidade do Rio de Janeiro, criada em 1920, instituída pelo Decreto nº , de 07/09/1920; a Universidade de Minas Gerais, criada em 1927; e a Universidade de São Paulo USP, criada em 25 de janeiro de 1934, sendo essa última a primeira Universidade oficial a atender as normas estabelecidas pelo estatuto das Universidades. Em 1935, foi criada a Universidade do Distrito Federal UDF, que representou uma concepção de ensino superior de orientação liberal, tendo como proposta a expansão da cultura, a indissolubilidade entre ensino e pesquisa, a autonomia expressa na liberdade de investigação e na forma crítica (Oliven, 1990, p. 118). Conforme Carvalho (1992), a UDF foi fechada em 1939 pelo regime autoritário vigente do Estado Novo. E segundo Romanelli (1978), após o seu fechamento a UDF, com sede no Rio de Janeiro, foi incorporada a Universidade do Brasil. Oliven (1990) apresenta a Universidade do Brasil como um modelo de ideologia do Estado Novo, o qual se tornou modelo obrigatório a todas as demais instituições de Ensino Superior do país, com destaque ao perfil esta fase, por ser marcada pela política educacional centralizada e expressivamente autoritária. 3

4 Schlemper Junior (1989) ressalta que a Universidade brasileira nasceu de um ideal: a autonomia cultural do povo brasileiro, que tinha como premissa, atingir a realização de um ideal, através da formação de uma elite cultural nacional, e na qual esta mesma elite permitiu a produção científica em termos de competência e de conhecimentos que influiu no desenvolvimento do país por mais de trinta anos com a aplicação da ciência e tecnologia para o desenvolvimento socioeconômico. As Universidades a partir dos anos 60 tiveram que se adequar a uma nova posição estratégica, e redefinir o seu perfil: o da formação de recursos humanos especializados, a formação de um mercado interno sofisticado e a uma exigência política para a montagem de um aparato institucional. Após a caracterização do histórico da universidade no cenário brasileiro, apresentar-se-á o modo como são classificadas as instituições de educação superior no Brasil. 2.2 Avaliação e Regulação na Educação Superior A subjetividade do processo avaliativo e a sua complexidade técnica, atrelado às emoções e aos sentimentos que permeiam e influenciam esse processo e da dificuldade de se definir os instrumentos a serem usados, os procedimentos de elaboração, o modo de aplicação e a utilidade dos resultados alcançados, para Pinto (1996), definem o caráter neufrágico de uma avaliação. Segundo Pedro Demo (2002) avaliar e ser avaliado não são das missões mais fáceis, e a preocupação de avaliar o processo avaliativo não é nova. Com a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB 9394/96 passa-se a refletir sobre a questão da democratização do ensino, especificamente no segmento superior, consolidando a ambiência dos modelos públicos e privados, salientando as responsabilidades institucionais e consolidando as premissas destacadas por Brasil (1968) e Brasil (1988). Desse modo, as instituições públicas passam a se consolidar como referência às demais e sua institucionalização passa a ser de competência dos governos federal, estadual e municipal. A qualidade, por sua vez instituída pelos instrumentos reguladores da educação superior, faz menção da qualificação do ensino e da estruturação semântica da instituição em sua comunidade. Neste sentido, a contribuição do Programa de Avaliação Institucional das Universidades Brasileiras PAIUB, elencada por Souza (2007) e Sguissardi (2008), é importante no que se refere à qualidade, ao passo que a identificação de métricas, indicadores e metodologias consolidadas pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES, e que advém de uma percepção significativa de todo o arcabouço institucional. Ademais, confirma-se o exposto por Bonitatibus (1989) e Melo at al (2006), onde a contribuição do modelo de educação comparada no sentido da consolidação institucional, onde a avaliação tem função substantiva, equacionadora e epistemológica. No contexto brasileiro da educação superior, as reflexões sobre a Avaliação Institucional estão cercadas de embates contundentes no sentido de consolidar uma epistemologia designada ao termo, sobretudo no sentido de promover o respeito à diversidade de instituições encontradas no Brasil. Nesse contexto, Schwartzman (1989) destaca que o posicionamento do conceito ganha força a partir da reforma universitária de 1968, onde a educação superior no Brasil consolida seu modelo semântico, tal como elencado na contemporaneidade. Assim sendo, inicialmente ensejava-se um modelo imperativo, democrático e sustentável, no sentido de consolidar uma identidade institucional de acordo com as premissas propostas a educação superior no País. 4

5 Em seus aspectos teórico-metodológicos, a avaliação é vista com resistência pelos diversos segmentos da comunidade acadêmica das instituições de educação superior brasileiras. Ristoff (1999) destaca que os diversos modelos já designados as instituições brasileiras pairavam na falta de aderência e na visão coberta por ideologias políticas e em valores deturpados, confirmando as exposições de Meyer (1993), onde a avaliação, sobretudo nas IES, deveria se constituir em um modelo gerencial, mas passa a ser um instrumento burocrático designado a gerar conflitos. Já em 1988, com o advento da Constituição Federal, surge uma nova proposta para a educação brasileira em todos os seus níveis, culminando com uma série de reflexões que constituíram um novo modelo avaliativo para o ensino superior brasileiro. O PAIUB estruturou uma proposta abrangente e participativa, prezando por inferências democráticas, buscando ser livre de ideologias e instituindo princípios a serem cumpridos em seu desenvolvimento (Ristoff, 1999). Em sua concepção, o PAIUB passa a sistematizar uma avaliação com base na participação da comunidade acadêmica a partir de uma contribuição interdependente da Avaliação das Condições de Ensino, desenvolvidas por comissões de especialistas e o Exame Nacional de Cursos ENC, conhecido como Provão. Com base nisso, Ristoff (1999) salienta a relevância desse procedimento no fato de consolidar princípios institucionais, os quais mais tarde dariam sustentação ao SINAES, e que seriam um meio para a integração entre a investigação avaliativa e os procedimentos de regulação e supervisão, considerando, no escopo deste processo a avaliação interna das instituições. A partir da expansão que acometeu a Educação Superior surge a necessidade uma nova reflexão que buscasse estruturar o modelo de avaliação do ensino superior brasileiro, culminando no modelo atual designado as instituições de educação superior, a saber, denominado de Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior no Brasil SINAES (2004), e ainda a criação do Decreto 5773, que aborda as funções de regulação, supervisão e avaliação da educação superior, de 2006, sendo atualmente o principal instrumento da regulação brasileira, e que juntamente com o SINAES, serão analisados no Capítulo quatro. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Metodologia representa o caminho do pensamento e a prática exercida na abordagem da realidade, ou seja, ela inclui, simultaneamente, [...] a teoria da abordagem (o método), os instrumentos de operacionalização do conhecimento (as técnicas) e a criatividade do pesquisador (sua experiência, sua capacidade pessoal e sensibilidade) (Deslandes; Minayo, 2008, p. 14). Dessa forma, para atingir os objetivos descritos, assim como, permitir a reconstrução da pesquisa decorre a necessidade de apresentação metodológica da pesquisa, que compreende: o tipo de pesquisa, a abordagem da pesquisa, as técnicas de coleta de dados, a delimitação do estudo, o tratamento dos dados e suas limitações. No quadro abaixo apresenta-se a síntese do procedimento metodológico utilizado para elaborar esse artigo: 5

6 Classificação da Pesquisa População e Amostra Técnica de Coleta de Dados Quadro 2: resumo da metodologia adotada Fonte: elaborado pelo autor Aplicada; Quanti-Qualitativa Exploratória; Descritiva Coordenadores de Curso de Graduação e membros de órgãos vinculados ao MEC: Secretaria de Regulação, CNM, CONAES, INEP e Diretoria de EaD da CAPES. Amostra por acessibilidade e tipicidade, que a partir das entrevistas, serviram de base para as análises Documental; e Entrevistas em profundidade Semiestruturadas; Apresentado a metodologia utilizada no artigo, é apresentado a seguir o resultado das análises oriundas da fundamentação e das entrevistas. 4 O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES A Educação Superior, em uma abordagem epistemológica, parte do pressuposto que direciona a formação de agentes capacitados a refletir de modo sistêmico na orientação construtivista de uma nova sociedade. Sob este contexto, Mello (2002) destaca o aspecto colaborativo da Universidade no sentido de promover a qualificação do entorno no qual ela está inserida. Contudo, para que tal fato se consolide, há de se observar os dispostos constitucionais inerentes ao exercício do ensino superior, especificamente na observância de seus aspectos de qualidade. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDB regulamenta o disposto no texto constitucional, orientando os pressupostos elencados no sentido da promoção da Educação Superior com qualidade. Nesse sentido, no seu artigo 209 é exposto os direcionamentos vinculados a oferta desse tipo de educação sob a égide das questões vinculadas a qualidade. Sob esses aspectos, a avaliação da qualidade na educação superior passa a regular e direcionar a autorização e o credenciamento de novas instituições a partir de preposições elencadas pelos órgãos reguladores. Com base nestas orientações, a Lei /04 institui a proposta de avaliação da educação superior brasileira, amparada em um modelo norteador da oferta dele a partir de especificidades estruturais, técnicas, conceituais e metodológicas das instituições publicas e privadas. Neste contexto, institui-se o Sistema Nacional da Avaliação do Ensino Superior SINAES com vias a regulamentar as atividades das instituições brasileiras a partir de dimensões e grupos de indicadores aplicados aos modelos complexos do cenário nacional. Em seu escopo, tal como elenca SINAES (2009), trata-se de uma retórica reflexiva, o qual se busca, entre outros aspectos, sustentar um modelo que promova a integração e a proatividade institucional sob a orientação de pressupostos relevantes à construção de um sistema avaliativo. Este, por sua vez, ensejava a estruturação dos compromissos sociais das instituições, por meio da consolidação de seus valores 6

7 sustentados na busca constante da construção de sua identidade por meio de uma reflexão democrática e autônoma. É relevante considerar, com base nestas orientações, que um sistema de avaliação, tal como enseja ser o SINAES, deve buscar em sua proposta de integração interinstitucional, ensejando a troca de experiências e a discussão reflexiva com o objetivo de construir parâmetros norteadores, e não restritivos. Nesse caso, a educação deve ser estendida como um aspecto social e não mercadológico, destacando a contribuição da complexidade de diversas instituições no sentido de interiorizar o ensino superior brasileiro a partir de uma construção que leve em consideração o compromisso social e formativo sob as premissas delineadas. A partir desta reflexão, a avaliação institucional deve ensejar o pressuposto da continuidade, respeito à identidade institucional e sistematização, constituindo-se em instrumento de validação e ampliação dos objetivos propostos e de procedimentos de instrumentação e investigação que remetem a construção de um conceito amparado na qualidade e orientação da oferta da Educação Superior no Brasil. 4.1 A relação entre a avaliação e regulação e supervisão A avaliação nos últimos anos vem ganhando destaque no contexto brasileiro: Prova Brasil, Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica, Provinha Brasil, Exame Nacional do Ensino Médio, Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Mec, 2011). Na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 1996, encontra-se grafada a palavra avaliação em 13 dos 92 artigos, que exemplifica, também, esse destaque no Brasil. Para House (2000) a avaliação é um objeto da modernidade e deve ajustar-se à sociedade à medida de sua modernização, cumprindo o papel de dizer, comparativamente, se algo é melhor, ou pior; se é certo, ou errado; se funciona, ou não. Para isso, o autor trata as palavras enfoques, modelos e paradigmas, embora semelhantes, de acordo com suas premissas ou concepções de democracia. Cabe ressaltar a visão de Hippert et. al. onde a avaliação está diretamente ligada a uma percepção ideológica de mundo, ou seja, de sociedade e de homem que se espera formar. Ela possui o objetivo específico de contribuir para o êxito do ensino, para a criação de saberes e competências pelos alunos (Hippert et al., 2002). Além de intrínseca ao ato de ensinar, e [...] antes de regular as aprendizagens, a avaliação regula o trabalho, as atividades, as relações de autoridade e a cooperação em aula e, em certos aspectos, as relações entre a família e a escola ou entre os profissionais de educação (Perrenoud, 1999, p. 11). Portanto, para o autor a avaliação é compreendida como um sistema que tem como tarefa verificar se a escola alcançou os objetivos traçados. Ele vai além, quando afirma que a avaliação oferece uma direção, portanto além de ter objetivos claros no processo de ensino e aprendizagem é preciso verificar se na prática esses objetivos estão sendo alcançados, se é preciso mudar de direção, de método, de didática, de gestão. Avançando na discussão sobre avaliação é preciso distinguir os diversos tipos de avaliação e Denise Leite (2005), o faz em seu livro Reformas universitárias. Ao descrever o processo de avaliação, a autora distingue as diferenças entre avaliação educacional, de aprendizagem, avaliação institucional ou de políticas públicas. A avaliação educacional refere-se a uma análise de desempenho de indivíduos ou grupos, preocupando-se com a sua aprendizagem. Essa avaliação pode ocorrer durante o processo de aprendizagem ou após uma situação de aprendizagem. Inclui-se na avaliação educacional à avaliação de ensino, de currículos ou de alguma modalidade de 7

8 curso. A avaliação institucional, por sua vez, dedica-se a avaliar a instituição como um todo ou as políticas públicas em seu caráter global e contextualizado. Segundo a autora, [...] a avaliação institucional refere-se a um projeto que permite o balanço dos rumos da instituição em busca de qualidade (Leite, 2005, p. 33). O processo de supervisão e regulação das IES é objeto do processo de credenciamento. Este significa que a IES deve apresentar sua credencial para poder receber do MEC o reconhecimento. O credenciamento deve ser renovado no prazo de 5 anos, solicitando ao MEC seu recredenciamento. As IES participam de dois procedimentos, credenciamento e recredenciamento, e os cursos necessitam de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento (Decreto 3860/2001; Resolução 10/2002). A figura a seguir ilustra de maneira simples as relações entre marco normativo contendo os atores e os instrumentos normativos; processo de avaliação, ao centro, o SINAES com os atores que dele participam, assim como, suas funções e que geram informações para dar seguimento ao processo de regulação. 8

9 Figura 2: Relação entre avaliação, regulação e supervisão Fonte: Adaptada de Sinaes (2004). 9

10 Fica claro na figura que o processo de avaliação deveria ocorrer de maneira independente e paralela a função regulatória do Estado, mais vemos que isso não ocorre no Brasil. Por isso, essa função reguladora é muito criticada, pois visa, sobremaneira, a supervisão dos cursos, deixando em segundo plano a instituição em todas as suas dimensões. Muitos autores salientam que avaliação institucional deve ser participativa, e questionam que essa função reguladora abre uma discussão: haveria nestas avaliações um espaço real para uma forma de exercício de cidadania, de aprendizagem da democracia?; ou, são feitas apropriações de metodologias e técnicas que não possuem um instrumento epistemológico-político coerente e, por isto, também poderia ser enquadradas como tiranias dos tempos pós-modernos, mais uma forma de pressão instaladas sobre as universidades? Em resumo, é difícil trabalhar de forma congruente uma metodologia de avaliação e regulação, visto que os dois métodos possuem objetivos distintos e a utilização desses mecanismos devem ser muito bem trabalhos por pessoas capacitadas e com conhecimento suficiente para elaborar um bom trabalho. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em uma abordagem operacional, considerando as especificidades do sistema educacional brasileiro, SINAES (2009) destaca que a avaliação deve estar consubstanciada no respeito à identidade e à diversidade de instituições. Neste caso, Franco (2006) destaca que os diversos modelos institucionais devem ser considerados em suas especificidades operacionais, sistêmicas e semânticas, ao passo da diversidade encontrada no âmbito nacional e que preconiza desafios evidentes à compreensão desta complexidade. A avaliação, independente do âmbito que ela pretende atender, deve ter um planejamento com objetivos claros e aprovados pela instituição; deve ser formativa e somativa; usar o maior número possível de alternativas para coleta de dados; usar métodos quantitativos e qualitativos; os relatórios devem ser divulgados de forma a clara e objetiva; e deve conter informações sólidas e confiáveis para subsidiarem decisões a longo prazo e/ou que envolvam recursos financeiros significativos. A qualificação técnica dos avaliadores, assim como a ética e a sua responsabilidade com o instrumento utilizado é fundamental para que o processo avaliativo se processe de maneira qualitativa, sendo que um avaliador que não tenha essas qualidades pode influenciar de maneira negativa no resultado da atividade avaliativa. Já no que diz respeito a regulação, esta deve ser trabalhada de forma diferenciada da avaliação, de modo a analisar e sanar problemas estruturais, pedagógicos e de gestão universitária, de modo a punir, sempre que necessários, os atores causadores de ações que venham prejudicar o desenvolvimento acadêmico dos alunos universitários. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRIOLA, Wagner B; DE SOUZA, Laura A. (2010). Representações sociais dos gestores e dos técnicos das unidades acadêmicas da Universidade Federal do Ceará (UFC) acerca da autoavaliação institucional. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 15, n. 1, p

11 BARREYRO, Gladys B. (2008). Mapa do ensino superior privado. Série documental. Relatos de pesquisa. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. BERTOLIN, Julio. C. (2004). A transformação do SINAES: da proposta emancipatória à Lei híbrida. Avaliação. Campinas, v. 9, n. 4, p BOLLINGER, Audrey S; SMITH, Robert D. (2001) Managing organizational knowledge as a strategic asset. Journal of Knowledge Management Vol. 5, Number pp. 8-18, MCB University Press. BONITATIBUS, Suely Grant. (1989). Educação comparada: conceito, evolução, métodos. São Paulo. BRASIL. (1996). Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional. Estabelece as diretrizes e bases para a educação nacional. Rio de Janeiro: Ed Esplanada. BRASIL. (1998). Constituição: República Federativa do Brasil, Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico. BRASIL. (2004b). Portaria Nº 2.051, de 9 de julho de Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei nº , de 14 de abril de Disponível em: <http://www.faex.edu.br/v2009/cpa/portaria.pdf>. Acesso em: 18 de abril. BRASIL, Presidência da Republica. (2004a) Lei , de 14 de Abril de Brasília. BRASIL, Presidência da república. (2006). Decreto 5773 de 9 de maio de Subchefia para assuntos jurídicos. Brasília CASTRO, Jorge Abrahão de; AQUINO, Luseni Maria C. de; ANDRADE, Carla Coelho de. (2009). Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília, IPEA. CHAUI, Marilena. (2003). A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, n.24, p DEMO, Pedro. (2002). Mitologias da avaliação: de como ignorar, em vez de enfrentar problemas. 2ª. ed. Campinas, SP: Autores Associados. DESLANDES, Suely Ferreira; MINAYO, Maria Cecília de Souza. (2008). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 27 ed. Petrópolis: Vozes. DIAS SOBRINHO, José. (2008). Qualidade, avaliação: do SINAES a índices. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v,13, n. 3, p ESTEVES, P.C.L. (2007). Fatores determinantes de mudanças na estrutura competitiva do sistema de ensino superior de Santa Catarina. Tese. 154f. (Tese de Doutorado). 11

12 Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Universidade Federal de Santa Catarina. FÁVERO, Maria de Lourdes de Albuquerque. (2006). A Universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitária de Educar, Curitiba, n. 28, p , Editora UFPR. FRANCO, Edson. (2004). Em busca da identidade no Ensino Superior particular: uma experiência particular. Brasília: ABMES. FRAUCHES, Celso.C.; FAGUNDES, Gustavo. M. (2007). LDB Anotada e Comentada e Reflexões sobre a Educação Superior. 2 ed. Brasília. GARCIA, Mauricio. (2006). Gestão profissional em instituições privadas de educação superior Um Guia de sobrevivência para mantenedores, acionistas, reitores, próreitores, diretores, coordenadores, gerentes e outros gestores institucionais. 1 ed. São Paulo: Hoper. LEHFELD, Neide Aparecida de Souza, GABARRA, Manoel Henrique Cintra; COSTA,Caetano; SOUSA,Yara Teresinha Correa Silva. (2010). Reflexões sobre o processo de autoavaliação institucional: o olhar de uma comissão própria de avaliação. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 15, n. 1, p MELO, Pedro. (2002). A cooperação universidade/empresa nas universidades públicas brasileiras. Tese. 331f. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina. MELO, Pedro Antonio; RAMA, Claudio; MELO, Michelle Bianchini de; LUZ, Rodolfo Joaquim Pinto. (2006). A formação docente no Brasil, na América Latina e no Caribe. Florianópolis: Paper print. MEYER, Victor. (1993). A busca da qualidade nas instituições universitárias. Enfoque, Rio de Janeiro, v. 4, n. 10. NUNES, Lina Cardoso. (2006). As dimensões da auto-avaliação institucional: tecendo redes de redes. Ensaio, Rio de Janeiro, v. 14, n. 52, p OLIVEN. (2002). Histórico da educação superior brasileira. In SOARES, Maria Susana Arrosa (Coord). A educação superior no Brasil. Porto Alegre, IESALC/ CAPES/UNESCO. PERALTA, Sueida Soares. (2001). A terceira dimensão da avaliação institucional: um estudo de diferentes avaliações. Osasco: Edifieo. PINTO, Maria L. A. (1996). Avaliação institucional na educação superior: algumas lições dos modelos. Avaliação: Revista da rede de avaliação institucional da educação superior. Campinas, SP, v.8, n. 2, jun. 12

13 RISTOFF, Dilvo Ilvo. (1999). Universidade em Foco: reflexões sobre a educação superior. Florianópolis: Insular. SANTOS, Sérgio Ricardo Bezerra dos. (2008). O Balanced scorecard como instrumento de gestão à luz dos indicadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Dissertação (Mestrado).182fls. Programa de Pós-Graduação Multiinstitucional e Inter-regional em Ciências Contábeis. Universidade de Brasília, Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. João Pessoa. SCHLICKMANN, Rafael; MELO, Pedro Antonio; ALPERSTED, Graziela Dias. (2008). Enfoques da teoria institucional nos modelos de avaliação institucional brasileiros. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 13, n. 1, p SCHWARTZMAN, Simon. (1989). Funções e metodologias da avaliação da educação superior. Documento do núcleo de trabalho do Núcleo de pesquisas sobre o Ensino Superior: USP. SGUISSARDI, Valdemar. (2008). Regulação estatal versus cultura de avaliação institucional? Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 13, n. 3, p SILVA, G.J.C. (2008). O ensino superior privado: o confronto entre lucro, expansão e qualidade f. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Universidade de Brasília. Brasília. SINAES. (2003). Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: bases para uma nova proposta de avaliação da educação superior. Brasília: INEP. SINAES. (2004). Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: da concepção à regulamentação. 2. ed. Brasília: INEP. SINAES. (2009). Sistema nacional de avaliação da educação superior: da concepção à regulamentação. 5ed., revisada e ampliada Brasília: INEP. SOUZA, José Carlos Victorino. (2007). Gestão universitária em instituições particulares: Os documentos institucionais como indicadores do modelo de gestão. Tese (Doutorado). 208 fl. Programa de Pós-Graduação em Educação e currículo. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. STUFFLEBEAM, D. L., SHINKFIELD, A. J. (1987). Evaluación sistemática: guía teórica y práctica. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica. VERGARA, S. C. (2004). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas. WORTHEN, B. R. et al. Avaliação de Programas: concepções e práticas. São Paulo: Editora Gente, (Tradução Dinah de Abreu Azevedo) 13

14 ZAINKO, Maria Amélia Sabbag. (1998). Planejamento, Universidade e Modernidade. Curitiba: All-Graf. 14

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

Palavras-chave: Educação Superior. Avaliação. Gestão. Qualidade.

Palavras-chave: Educação Superior. Avaliação. Gestão. Qualidade. AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Marianna Corrêa Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI mariannacorrea@univali.br

Marianna Corrêa Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI mariannacorrea@univali.br Exame nacional de desempenho dos estudantes: um estudo comparativo entre as diretrizes do exame e os aspectos didático pedagógicos do Curso de Administração. Resumo O atual sistema de avaliação do Brasil

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos XIX SEMINÁRIO

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES (Lei 10.681/2004) tem o propósito de promover a melhoria da educação superior no Brasil....assegurar

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional Autor: Indira Alves França Orientador: Alicia Bonamino Título obtido: Mestrado Título da tese ou dissertação: Gestão Educacional em Tocantins Data de finalização: junho de 2007 Data de ingresso no curso:

Leia mais

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC GAMA/DF - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3. 2. OBJETIVOS... 4. 2.1. Geral... 4. 2.2.Específicos... 4. 3. EIOS AVALIATIVOS... 5. 3.1. Eixos de Avaliação Institucional

Leia mais

Definir a estrutura e o conteúdo pertinente ao Relato Institucional (RI); Apresentar as especificidades do Relato Institucional;

Definir a estrutura e o conteúdo pertinente ao Relato Institucional (RI); Apresentar as especificidades do Relato Institucional; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA INEP COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS O processo de avaliação institucional foi desenvolvido pela comunidade acadêmica da Faculdade Atenas, com o intuito

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIGRANRIO

GESTÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIGRANRIO GESTÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIGRANRIO Mary Neuza Dias Galdino Ila Cecilia Falcão Kemp Cristina de Mattos Manier Marcia Galdino de Araújo Serour Universidade

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL Resumo Marianne Pereira Souza - UFGD marianne-souza@hotmail.com Giselle Cristina Martins Real

Leia mais

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Gestão Educacional e organização do trabalho pedagógico pressupostos teórico - metodológicos Alberto Albuquerque Gomes Total

Leia mais

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Legislação Constituição Federal 1988 LDB Lei nº 9.394 de 1996 SINAES Lei nº 10.861

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL LUCE, Maria-Beatriz (UFRGS, Porto Alegre, BR) MOROSINI, Marília (PUCRS, Porto Alegre, BR) Projeto ALFA-ACRO ACRO Introdução BRASIL território e

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: PRESENCIAL X EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: PRESENCIAL X EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: PRESENCIAL X EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ribeirão Preto SP Maio de 2013 Márcia Aparecida Figueiredo Centro Universitário Barão de Mauá - e-mail: marciaead@baraodemaua.br

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

OS INDICADORES DE QUALIDADE COMO INSTRUMENTOS DE GOVERNANÇA: INICIANDO A EXPERIÊNCIA EM UM CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

OS INDICADORES DE QUALIDADE COMO INSTRUMENTOS DE GOVERNANÇA: INICIANDO A EXPERIÊNCIA EM UM CURSO DE ADMINISTRAÇÃO XXVIENANGRAD OS INDICADORES DE QUALIDADE COMO INSTRUMENTOS DE GOVERNANÇA: INICIANDO A EXPERIÊNCIA EM UM CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Thiago Henrique Almno Francisco Marina Keiko Nakayama Izabel Regina de Souza

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 Profa. Ms. Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof.

Leia mais

1.1. Definir a estrutura e o conteúdo pertinente aorelato Institucional (RI); 1.2. Apresentar as especificidades do Relato Institucional;

1.1. Definir a estrutura e o conteúdo pertinente aorelato Institucional (RI); 1.2. Apresentar as especificidades do Relato Institucional; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA INEP COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 CICLO AVALIATIVO 2010-2012

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 CICLO AVALIATIVO 2010-2012 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 CICLO AVALIATIVO 2010-2012 RELATÓRIO PARCIAL Pró-Reitoria de Desenvolvimento

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo / Doutor em Economia Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 Art. 8 A União, os Estados

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 Jane aparecida Gonçalves de Souza 2 Universidade Católica de Petrópolis cidijane@gmail.com RESUMO Pensar

Leia mais

sistema de ensino, como por exemplo, Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), Exame Nacional de Cursos

sistema de ensino, como por exemplo, Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), Exame Nacional de Cursos ENADE: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PRIMEIRO CICLO DE AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM UMA UNIVERSIDADE FEDERAL Viviane Aparecida Rodrigues UFMG Maria do Carmo de Lacerda Peixoto UFMG INTRODUÇÃO Partimos

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PRIVADAS E AS COMPETÊNCIAS NECESSÁRIAS AOS COORDENADORES DE CURSO: DESAFIOS E SUGESTÕES Christiane Amaral Lunkes Argenta, Centro Universitário de Lavras (UNILAVRAS)

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SOB A ÓTICA DO CPC

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SOB A ÓTICA DO CPC AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SOB A ÓTICA DO CPC Celina Franco Hoffmann (UFSM ) celina_hoffmann@hotmail.com Roselaine Ruviaro Zanini (UFSM ) rrzanini@smail.ufsm.br Angela Cristina Correa

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

SINAES. Diretoria de Avaliação da Educação Superior. Coordenação Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

SINAES. Diretoria de Avaliação da Educação Superior. Coordenação Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES O Sistema Nacional da Avaliação da Educação Superior SINAES Diretoria de Avaliação da Educação Superior Coordenação Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Histórico A Avaliação da Educação Superior

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt**

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** * Assessoria de Avaliação Institucional da Universidade de Santa

Leia mais

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior CAPA 1 República Federativa do Brasil Ministério da Educação Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO E QUALIDADE PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: DESAFIOS PARA O SINAES

AVALIAÇÃO E QUALIDADE PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: DESAFIOS PARA O SINAES AVALIAÇÃO E QUALIDADE PARA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: DESAFIOS PARA O SINAES Rafael Pereira Ocampo Moré 1 ; Alexandre Marino Costa 1 ; Isaias Scalabrin Bianchi 1 1 Centro Socioeconômico, Universidade

Leia mais

O PROCURADOR EDUCACIONAL INSTITUCIONAL NO CONTEXTO DA AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O PROCURADOR EDUCACIONAL INSTITUCIONAL NO CONTEXTO DA AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR O PROCURADOR EDUCACIONAL INSTITUCIONAL NO CONTEXTO DA AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Resumo BETTEGA, Maria Odette UFPR mbettega@terra.com.br VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski PUCPR alboni@alboni.com

Leia mais

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior Prof. Marcílio A. F. Feitosa Avaliação das Instituições de Educação Superior A Avaliação Institucional é um dos componentes

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL REFORMA E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: TENDÊNCIAS NA EUROPA E NA AMÉRICA LATINA

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL REFORMA E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: TENDÊNCIAS NA EUROPA E NA AMÉRICA LATINA MINISTERIO DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL REFORMA E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: TENDÊNCIAS NA EUROPA E NA AMÉRICA LATINA ORGANIZAÇÃO: COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR-CONAES

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO RESUMO Maria Lucia Indjaian Universidade Presbiteriana Mackenzie Marcos T.Masetto Universidade Presbiteriana Mackenzie Este trabalho

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

JULIANO MARIO DA SILVA Centro Universitário de Maringá julianomario@cesumar.br

JULIANO MARIO DA SILVA Centro Universitário de Maringá julianomario@cesumar.br ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES PUBLICADAS EM SITES INSTITUCIONAIS AOS POTENCIAIS ALUNOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: COMPARATIVO ENTRE INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS JULIANO MARIO DA SILVA Centro Universitário

Leia mais

Reflexões iniciais sobre indicadores de qualidade nos cursos de MBA. Palavras-chaves: Educação lato sensu e indicadores de qualidade.

Reflexões iniciais sobre indicadores de qualidade nos cursos de MBA. Palavras-chaves: Educação lato sensu e indicadores de qualidade. Reflexões iniciais sobre indicadores de qualidade nos cursos de MBA Resumo Este artigo tem como objetivo refletir sobre a qualidade nos MBAs oferecidos por instituições de ensino no Brasil. Especificamente,

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Política de avaliação e regulação da educação superior brasileira 1

Política de avaliação e regulação da educação superior brasileira 1 Cultura Escolar Migrações e Cidadania Actas do VII Congresso LUSO BRASILEIRO de História da Educação 20 23 Junho 2008, Porto: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação (Universidade do Porto) ISBN

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP Ltda ASSUNTO: Recurso contra a decisão da Secretaria

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Avaliação, Regulação e Supervisão

Avaliação, Regulação e Supervisão Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Avaliação, Regulação e Supervisão SEMINÁRIO O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO Samuel Martins Feliciano

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III SIC 38/10* Belo Horizonte, 3 de dezembro de 2010. MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III O MEC publicou a Portaria nº 1326, de 18/11/2010 (ver íntegra do texto abaixo). É preciso ser mágico

Leia mais

DE EXAMES, RANKINGS E MÍDIA

DE EXAMES, RANKINGS E MÍDIA DE EXAMES, RANKINGS E MÍDIA DE EXAMES, RANKINGS E MÍDIA Gladys Beatriz Barreyro* *Doutora em Educação. Professora na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) e no Programa de Pós-Graduação em Integração

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Plano de Ação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/Porto) para o triênio 2014-2016

Plano de Ação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/Porto) para o triênio 2014-2016 Plano de Ação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/Porto) para o triênio 2014-2016 Porto Nacional, 27 de Agosto de 2014 1 Conteúdo 1.1 Mantenedora...

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais 1394 Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais X Salão de Iniciação Científica PUCRS Jonas Tarcisio Reis, Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção XX Encontro Nacional de Coordenadores de Curso de Engenharia da Produção (ABEPRO) Rio de Janeiro,

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Cenários contemporâneos em Educação Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Composição de cenários Avaliação e Regulação da Educação Ações planejadas de reposicionamento Reflexos e movimentos culturais Educação

Leia mais

Avaliação do Ensino Superior pelo Conselho Estadual de Educação de São Paulo 1

Avaliação do Ensino Superior pelo Conselho Estadual de Educação de São Paulo 1 Avaliação do Ensino Superior pelo Conselho Estadual de Educação de São Paulo 1 Sonia Teresinha de Sousa Penin 2 & Angelo Luiz Cortelazzo 3 RESUMO - Conforme previsto na LDB, as Instituições de ensino superior

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO COMUNICADO no 002/2012 ÁREA DE ZOOTECNIA E RECURSOS PESQUEIROS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Zootecnia e Recursos Pesqueiros PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 ROTEIRO SINAES Princípios e concepções Os Ciclos Avaliativos do Enade e os Indicadores de Qualidade Enade 2015 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO SINAES Responsabilidade : responsabilidade

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla Coordenação Geral: Eng. Jacob Gribbler 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

Educação a Distância

Educação a Distância Educação a Distância Saber Mais Rosana Abutakka dos Anjos CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PARA A JUVENTUDE MODALIDADE A DISTÂNCIA Cuiabá - MT 2014 2 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA Everson Ferreira Fernandes Universidade Federal do Rio Grande do Norte eversonff@gmail.com Gislene de Araújo Alves

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais