Planejamento Estratégico Inova Metrópole

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Estratégico Inova Metrópole"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN INSTITUTO METRÓPOLE DIGITAL IMD INOVA METRÓPOLE Planejamento Estratégico Inova Metrópole Natal/ RN 2013

2 Sumário 1. Apresentação do Instituto Metrópole Digital Apresentação da Incubadora Missão Inova Metrópole Visão Inova Metrópole Valores Inova Metrópole Objetivos Inova Metrópole Objetivo geral Objetivos específicos Modelo Canvas de Negócio Segmento de Clientes Propostas de Valor Canais Relacionamento com o cliente Fontes de receitas Recursos-chave Atividades-chave Parceiros-chave Estruturas de custos Plano de ação Equipe responsável

3 1. Apresentação do Instituto Metrópole Digital Iniciado em 2009, o projeto Metrópole Digital se consolidou como Instituto Metrópole Digital IMD, Unidade Suplementar da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN, no qual são desenvolvidas atividades de ensino, pesquisa, inovação tecnológica, inclusão digital e social e incubação de empresas de base tecnológica, todas com o objetivo de transformar o IMD num centro de excelência na área de tecnologia da informação (TI). Para a consecução deste objetivo o IMD propulsiona três processos interdependentes: 1. Formação técnica e superior em TI; 2. Pesquisa em TI; 3. Incubação de empresas em TI. Na área de ensino, o IMD oferece cursos de nível técnico e superior. No nível técnico a formação está associada a um processo de inclusão digital que visa atrair jovens para a área de TI com ênfases em desenvolvimento de software e hardware, sendo um mínimo de 70% do total das vagas destinadas aos alunos oriundos do ensino público. No nível superior as atividades foram iniciadas no primeiro semestre de 2010 com o curso de graduação em Engenharia de Software e expandidas em 2013 com o curso de Bacharelado em Tecnologia da Informação o qual passou a ser a porta de entrada para a graduação em Engenharia de Software e em Ciência da Computação, dentre outras ênfases de formação específica. O IMD passa a oferecer dois cursos de residência: um na área de Engenharia de Software e outro na área de Jogos Digitais. Bem como o Mestrado Profissional voltado para as áreas de Desenvolvimento de Software< Sistemas Embarcados e Gestão e Inovação em TI. Da formação de mão de obra em TI nos níveis técnico, superior e pósgraduação, surge a necessidade de alocação destes profissionais. Tornar-se empreendedores ou serem contratados por empresas incubadas são as opções oferecidas pela incubadora. Além disso, apenas idéias, negócios ou projetos inovadores em TI são selecionados para participar do sistema de 3

4 incubação da Inova Metrópole. inovação requer pesquisa e desenvolvimento de novas ferramentas, a incubação necessita e fomenta a pesquisa em TI. O IMD é constituído de duas unidades físicas: o Centro Integrado de Vocação Tecnológica CIVT, com área total de cerca de m 2, e o Núcleo de Pesquisas e Inovação em Tecnologia da Informação npiti, com área total de cerca de m 2, projetadas para contribuir significativamente com a infraestrutura de ensino, pesquisa e extensão em TI na UFRN e no estado. 2. Apresentação da Incubadora mencionado anteriormente, o IMD tem como objetivo se transformar num centro de excelência que inclui, nesse processo, sua contribuição para a estruturação de um polo na área de TI no estado do RN. Os primeiros passos, nessa direção foram dados com a vinculação ao IMD em 2010 do projeto de pesquisa, iniciado em 2008, denominado Núcleo de Aplicação de Tecnologias Avançadas NATA. As ações do NATA no IMD se consolidam com a criação da incubadora de empresas Inova Metrópole, cujo sistema de incubação inclui as etapas de pré-incubação e incubação, além de apoio a projetos de inovação e estabelecimento de parcerias com empresas na forma de empresas associadas. A incubadora conta atualmente com 13 empresas participando de seu sistema de incubação nas etapas de pré-incubação e incubação. Para seu funcionamento, o Inova Metrópole dispõe de uma infraestrutura composta por: 39 salas de diversos tamanhos para uso individual pelas empresas incubadas; 3 salas de co-working, cada uma com 26 postos de trabalho, para uso compartilhado na etapa de pré-incubação; 3 espaços para uso individual pelas empresas associadas; 4 salas de reunião; 1 sala de apoio, além de espaços de convivências, laboratórios e auditórios. Atualmente, para sua gestão e operacionalização a incubadora conta com um grupo de professores doutores e com um grupo de profissionais 4

5 qualificados para assessoria nas áreas de Contabilidade, Gestão, Marketing e Propriedade Intelectual. 3. Missão Inova Metrópole Incentivar e promover o empreendedorismo e a inovação em Tecnologia da Informação através da interação entre universidade, governo, empresas e sociedade em geral. 4. Visão Inova Metrópole Ser referência como um ambiente de transformação de ideias em resultados de forma sustentável. 5. Valores Inova Metrópole Ética Comprometimento Inteligência Excelência Respeito Responsabilidade Confiabilidade Pró-atividade 6. Objetivos Inova Metrópole 6.1 Objetivo Geral Estimular, apoiar e promover a transferência de tecnologia e a transformação de ideias em negócios. 6.2 Objetivos Específicos Divulgar o sistema de incubação de empresas como mecanismo capaz de induzir a criação de um negócio próprio; Identificar e prospectar ideias de novos negócios que através do apoio do processo de incubação se transformem em empresas de sucesso; Apoiar os empreendedores incubados no estabelecimento de planos, metas e estratégias de crescimento pessoal e empresarial; 5

6 Promover, isoladamente ou em parceria com outras instituições, atividades de capacitação para os empreendedores incubados abordando temas relacionados aos cinco eixos de desenvolvimento do negócio: empreendedor, tecnologia, capital, mercado e gestão; Constituir parcerias estratégicas com diversas instituições de modo a viabilizar aos empreendedores incubados o acesso à informação e à inovação, a profissionais qualificados e desenvolvimento de projetos cooperados; Promover o contato entre os empreendedores incubados e as instituições de fomento ao empreendedorismo inovador para viabilizar a captação de recursos financeiros, reembolsáveis ou não, para investimento ou custeio do negócio; Disponibilizar infraestrutura física e tecnológica e oferecer serviços que contribuam para o aumento da produção e da produtividade; para a melhoria da qualidade dos processos e produtos; e para o fortalecimento, a consolidação e a sustentabilidade dos negócios. 7. Modelo de Negócio Canvas Inova Metrópole Figura 1 Modelo de Negócio Canvas Fonte: Business Model Generation ( 7.1 Segmentos de Clientes Foram identificados quatro grupos de Segmentos de Clientes: 6

7 Empresas privadas orientadas para a geração ou uso intensivo de ciência e tecnologia da informação nas fases de idealização, concepção, formalização, fortalecimento e consolidação, que desejam se incubar; Empresas privadas orientadas para a geração ou uso intensivo de ciência e tecnologia da informação que desejam firmar parcerias com a incubadora; Empreendedores que tenham ideias de produtos ou processos inovadores e necessitem de apoio para desenvolvê-las e transformá-las em negócio; Comunidade acadêmica para o desenvolvimento de pesquisas aplicadas aos problemas reais do ambiente produtivo. 7.2 Propostas de Valor A proposição de valor consiste nas razões que levariam os diferentes tipos de cliente a optarem pela incubadora. Mediante os segmentos de clientes já apresentados, a proposta de valor surge para cada um deles de acordo com suas necessidades específicas. A consultoria especializada, infraestrutura física, infraestrutura tecnológica, tutoria tecnológica e capacitação são transversais aos segmentos de empresas privadas e aos empreendedores. A proposição de valor de pesquisa e extensão está diretamente ligada à comunidade acadêmica, visto que a incubação de empresas é uma atividade de pesquisa e extensão da universidade. 7.3 Canais No que diz respeito aos canais, o meio de comunicação com o cliente mais usual será através do site do Instituto Metrópole Digital (IMD). A instituição disponibilizará ainda páginas em mídias sociais, propagandas em programas de televisão e rádio, como uma forma de divulgar ainda mais o trabalho realizado. Por meio do lançamento e divulgação de editais, a incubadora poderá atrair novos empreendedores e empresas que tenham o interesse em se incubar ou firmar parcerias. As ações da incubadora poderão também ser divulgadas junto aos órgãos e entidades representativas que tenham objetivos em comum com a incubadora. 7.4 Relacionamento com o Cliente 7

8 A relação entre a incubadora e seus clientes dar-se-á principalmente através do site do IMD, informativos periódicos e por . O monitoramento e avaliação das empresas incubadas será uma forma de estreitar a relação com o cliente e melhorar o desempenho das empresas. Ao final do processo de incubação serão realizadas pesquisas com os graduados para conhecer as dificuldades por quais as empresas passaram, os pontos positivos e negativos do processo de incubação, o que pode ser melhorado, o que pode ser feito diferente do que se faz hoje para atender as necessidades dos incubados. Ao final do processo de incubação, as empresas aptas a se graduarem, receberão uma marca de certificação da UFRN/Inova Metrópole, como forma de assegurar que a empresa atendeu todos os critérios de exigência da incubadora e que está fortalecida para o mercado. 7.5 Fontes de Receitas Todos os recursos financeiros da incubadora, excetuados os que tenham especial destinação, serão empregados exclusivamente na manutenção e no desenvolvimento das atividades que lhe são próprias e, quando possível, no acréscimo de seu patrimônio. As empresas incubadas deverão participar com uma contrapartida, denominada taxa de participação, pelos serviços recebidos ou pelo uso de infraestrutura física ou tecnológica disponibilizada pela incubadora de acordo com os termos definidos em Edital e estabelecidos no contrato de participação no sistema de incubação a ser firmado entre as partes. Consistem outras fontes de receitas: recursos oriundos da aprovação de projetos com instituições de fomento; recursos da Universidade e do IMD. 7.6 Recursos Chave Os recursos chave consistem nos ativos estritamente necessários ao funcionamento do modelo de negócios. Eles permitem que a incubadora crie e 8

9 ofereça valor, atinja mercados, mantenha relacionamentos com clientes e obtenha receitas. Os recursos-chave podem ser categorizados em quatro grandes grupos: físico, intelectual, humano e financeiro. O capital humano, a infraestrutura física e tecnológica, a marca e reputação da UFRN/IMD constituem os principais recursos chaves da incubadora. 7.7 Atividades Chave As atividades chave de uma organização são as que decorrem do cumprimento dos seus objetivos e, consequentemente, da sua missão. Usufruem dos recursos-chave disponíveis para que se transformem em valor a oferecer ao cliente final. Essas são as principais atividades que a incubadora deve realizar para que seu modelo de negócio funcione. O Inova Metrópole tem as seguintes atividades-chave: Identificar e prospectar ideias de novos negócios que através do apoio do processo de incubação se transformem em empresas de sucesso; Disponibilizar infraestrutura física e tecnológica e oferecer serviços que contribuam para o aumento da produção e da produtividade; para a melhoria da qualidade dos processos e produtos; e para o fortalecimento, a consolidação e a sustentabilidade dos negócios; Promover a inovação; Incentivar o empreendedorismo na região; Ampliar o impacto das atividades de pesquisa e extensão da Universidade; Promover a transferência de tecnologia e conhecimento. 7.8 Parceiros Chaves A incubadora buscará firmar parcerias com diversas instituições, para viabilizar a captação de recursos financeiros, reembolsáveis ou não, para investimento ou custeio do negócio. A seguir estão listadas algumas instituições que poderão vir a fazer parceria com incubadora, não estando limitada somente a essas: Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE); 9

10 Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC); Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (FIERN); Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico (SEDEC); Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte (FAPERN). A incubadora poderá também estabelecer uma relação de parceria com Empresas Privadas, denominada Empresas Associadas, de modo a viabilizar aos empreendedores incubados o acesso à informação e à inovação, a profissionais qualificados e desenvolvimento de projetos cooperados. 7.9 Estrutura de Custos A incubadora apresenta a seguinte estrutura de custos: Infraestrutura; Capital Humano; Segurança; Limpeza; Manutenção; Eventos; Assessoria; Capacitações. 8. Plano de Ação MODELO INSTITUCIONAL Avaliar sistematicamente a necessidade de adequação dos documentos Regimento Interno que regem a Incubadora Realizando reuniões específicas para discutir o assunto e redigindo documento se necessário Equipe da incubadora Anualmente GESTÃO FINANCEIRA E SUSTENTABILIDADE Gerir a sustentabilidade da Incubadora Dispor dos registros contábeis, fazer um mapa de sustentabilidade e dispor de uma política de sustentabilidade para a incubadora. Equipe da incubadora Assessoria Contábil 10

11 Mensalmente Procurar parcerias Visitar instituições que tenham potencial para apoiar as ações da incubadora Equipe da incubadora Continuamente COMUNICAÇÃO E MARKETING Divulgar incubadora e empresas incubadas Utilizando as diversas mídias internas (site do IMD e da UFRN) e externas (Jornais, TVs, rádios, mídias sociais, etc.). Direção do IMD Sistematicamente SENSIBILIZAÇÃO E PROSPECÇÃO Promover a difusão do empreendedorismo e da inovação para identificação de potenciais clientes para a incubadora. Realizando e participando de eventos. Equipe da incubadora Pelo menos três vezes ao ano Prospectar junto aos grupos de pesquisa, projetos com potencial de geração de negócios. Prospectando ideias de novos negócios junto a grupos de pesquisa e extensão na UFRN e no RN projeto dos AGI Equipe da incubadora Projeto coordenado pela professora Zulmara Em desenvolvimento (é preciso caracterizar claramente como ação da incubadora) Sensibilizar empresários para identificar oportunidades de crescimento para seus negócios com o apoio da incubadora. Articulando a incubadora com organizações empresariais, realizando workshops com empresários por setores específicos de atuação. (seed fórum) Equipe da incubadora A definir 3 vezes por ano (CIENTEC, Congressos de TI, Adm, etc) PLANO DE NEGÓCIO Realizar processo de seleção para ingresso de empresas na incubadora Lançando Editais ou apresentando cartas convites (quando couber) Equipe da incubadora Pelo menos uma vez ao ano 11

12 PLANEJAMENTO Apoiar o desenvolvimento das empresas incubadas. Realizando planejamentos de médio e longo prazo e prestando assessorias e capacitações com o intuito de promover o fortalecimento das empresas incubadas A equipe da incubadora Continuamente MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Monitorar o desenvolvimento das empresas incubadas nos cinco eixos do desenvolvimento de negócio (empreendedor, tecnologia, capital, mercado e gestão). Realizando visitas in loco e analisando indicadores de desempenho e relatórios de avaliação semestrais. Equipe da incubadora Continuamente com avaliações trimestrais Auto-Avaliação Realizar pesquisa de satisfação sobre os serviços prestados aos incubados para verificar a sua efetividade e a partir do feedback melhorar os mecanismos de apoio aos empreendimentos. A equipe da incubadora Continuamente 9. Equipe responsável A equipe responsável pela elaboração deste documento é composta pelos Professores Dr. José Ivonildo Rego, Dr. Anderson Paiva Cruz, Dr. Gláucio Bezerra Brandão e Dr. Rafael Aroca, pela consultora para certificação do Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos, Prof a. Valéria Mª Ferreira da Cruz e pelas assessoras da Inova Metrópole, Ana Carolina P. Canela (assessora de Contabilidade), Maricy Moreno Cansian (assessora de Marketing), Raquel Siqueira (assessora de Eng. da Produção) e Sunamita Simplício da Silva (assessora de Propriedade Intelectual). O presente documento contou também com a colaboração dos Professores Dr. Edgard Correa, Dr. Eduardo Aranha, Dr. Gibeon Aquino e Dr. Uirá Kulesza, bem como com o funcionário Gleydson Lima. 12

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE- UNINORTE LAUREATE Programa Incubadora Uninorte Empreende EDITAL Nº 01/2015 PRÉ-INCUBAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE- UNINORTE LAUREATE Programa Incubadora Uninorte Empreende EDITAL Nº 01/2015 PRÉ-INCUBAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE- UNINORTE LAUREATE Programa Incubadora Uninorte Empreende EDITAL Nº 01/2015 PRÉ-INCUBAÇÃO A Incubadora Uninorte Empreende, incubadora de empresas do Centro Universitário do

Leia mais

INC.EM.T.IVA Católica

INC.EM.T.IVA Católica INC.EM.T.IVA Católica Incubadora de Empresas Tocantinenses Inovadoras da Católica do Tocantins Processo de Seleção de Novos Empreendimentos CHAMADA PÚBLICA 001/2015 Palmas, Setembro de 2015. A Faculdade

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

RESIDÊNCIA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

RESIDÊNCIA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE RESIDÊNCIA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Proposta de Programa de Pós-Graduação Lato Sensu, em Nível de Especialização Identificação do Programa Denominação: Programa de Residência em Engenharia de Software

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014 INCUBADORA RINETEC Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC Edital 001 2014 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Este edital estabelece formas, condições e critérios para que a Associação

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012)

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) 1. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS

AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS Parceria Instituição Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas IFAM, Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL Exercício de 2011 -

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL Exercício de 2011 - 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL Exercício de 2011 - ÓRGÃO/ENTIDADE PEÇAS E CONTEÚDOS - EERCÍCIO 2011 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO

Leia mais

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Oportunidade Criação da Empresa Ensino Spinoffs Pesquisa Laboratórios Startups Pré-Incubações Hotel de Projetos Incubação da Empresa Aceleradora

Leia mais

PROGRAMA SEBRAE SP SUCESU-SP. SP DE COMPETITIVIDADE DA MPE s s DE SOFTWARE E SERVIÇOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PROGRAMA SEBRAE SP SUCESU-SP. SP DE COMPETITIVIDADE DA MPE s s DE SOFTWARE E SERVIÇOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PROGRAMA SEBRAE SP SUCESU-SP SP DE COMPETITIVIDADE DA MPE s s DE SOFTWARE E SERVIÇOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Visão Geral Programa SUCESU SP Objetivo: Representar e defender os interesses dos usuários de

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO

SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO Titulo do Projeto: CENTRO DE INOVAÇÃO & DIFUSÃO TECNOLÓGICA Convênio: SCIT 24/2013 Processo: 413-2500/13-5 Modalidade: Edital [02/2013 ] Situação: Em consolidação APRESENTAÇÃO

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Ajudando a Promover o Desenvolvimento de Empreendimentos Inovadores de Sucesso

Ajudando a Promover o Desenvolvimento de Empreendimentos Inovadores de Sucesso Ajudando a Promover o Desenvolvimento de Empreendimentos Inovadores de Sucesso A PANTONE300 é uma empresa de sistemas e consultoria orientada a prover soluções de gestão para Incubadora de Empresas. Desenvolvimento

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DA PARAÍBA ECONOMIA CRIATIVA - 01/2015

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DA PARAÍBA ECONOMIA CRIATIVA - 01/2015 SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DA PARAÍBA ECONOMIA CRIATIVA - 01/2015 PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS 1. APRESENTAÇÃO A Fundação

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP

EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP REALIZAÇÃO Fone (19)3521-5012 E-mail INCAMP@unicamp.br - Site: http://www.incamp.unicamp.br 1.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Programa de Incubação de Empresas de Inovação Tecnológica/UNIFRA. Prof.º Lissandro Dorneles Dalla Nora Coordenador Incubadora UNIFRA

Programa de Incubação de Empresas de Inovação Tecnológica/UNIFRA. Prof.º Lissandro Dorneles Dalla Nora Coordenador Incubadora UNIFRA Programa de Incubação de Empresas de Inovação Tecnológica/UNIFRA Prof.º Lissandro Dorneles Dalla Nora Coordenador Incubadora UNIFRA Roteiro Incubadora Histórico / UNIFRA Programa de Incubação UNIFRA Organograma

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

CARTILHA DO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO

CARTILHA DO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO CARTILHA DO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO MOD.INC. Data:/ / Rev.:01 1 Introdução O que é uma Incubadora de Empresas? Incubadora de empresas é uma estrutura disponibilizada a empreendedores para auxiliar na criação

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Mário Rafael Bendlin Calzavara RESUMO A Incubadora Senai Centro Internacional

Leia mais

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico CDT/UnB

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico CDT/UnB Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico CDT/UnB Centro da Universidade de Brasília responsável por: Transferência de tecnologia; Prestação de serviços especializados; Interação da Universidade com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2011 - SEBRAE

INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2011 - SEBRAE INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2011 - SEBRAE Anexo I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DO PROJETO Modalidade Tipo 1 Aplicação do modelo CERNE 1 Brasília, 2011 Código da Proposta: (Uso do Sebrae): 1. DADOS

Leia mais

COMO VENCER ESSES DESAFIOS?

COMO VENCER ESSES DESAFIOS? ONDE ESTÃO NOSSOS RECURSOS HUMANOS PARA INOVAÇÃO Apenas 30% dos pesquisadores estão na iniciativa privada Alocação dos Pesquisadores por setor - 2009 e 2010 (%) 100% 0% Empresas Governo Academia Setor

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO FLUXO CONTÍNUO

EDITAL DE SELEÇÃO FLUXO CONTÍNUO EDITAL DE SELEÇÃO FLUXO CONTÍNUO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP REALIZAÇÃO Fone (19)3521-5012 E-mail INCAMP@unicamp.br - Site: http://www.incamp.unicamp.br

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE. Edital Nº 04/2012 PROGRAMA RS TECNÓPOLE DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE BASE TECNOLÓGICA E DE INDÚSTRIA CRIATIVA APRESENTAÇÃO

RELATÓRIO DE ANÁLISE. Edital Nº 04/2012 PROGRAMA RS TECNÓPOLE DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE BASE TECNOLÓGICA E DE INDÚSTRIA CRIATIVA APRESENTAÇÃO RELATÓRIO DE ANÁLISE Edital Nº 04/2012 PROGRAMA RS TECNÓPOLE DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE BASE TECNOLÓGICA E DE INDÚSTRIA CRIATIVA Gestor do Projeto Carlos Oberdan Rolim COREDE APRESENTAÇÃO Conselho Regional

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE INSTITUTO METRÓPOLE DIGITAL INOVA METRÓPOLE EDITAL DE PRÉ-INCUBAÇÃO Nº 02/2015 INOVA METRÓPOLE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE INSTITUTO METRÓPOLE DIGITAL INOVA METRÓPOLE EDITAL DE PRÉ-INCUBAÇÃO Nº 02/2015 INOVA METRÓPOLE EDITAL DE PRÉ-INCUBAÇÃO Nº 02/2015 A Inova Metrópole, incubadora de empresas do Instituto Metrópole Digital (IMD) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), torna pública a abertura de processo

Leia mais

METODOLOGIA INCUBAÇÃO

METODOLOGIA INCUBAÇÃO METODOLOGIA INCUBAÇÃO Incubadora Santos Dumont Programa de Desenvolvimento de Negócios Fundação Parque Tecnológico Itaipu - BR Versão 1/10-Mar-2014 ESTRUTURA 1. Apresentação 2. Estrutura básica do processo

Leia mais

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLOGICO DA PARAÍBA 01/2014

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLOGICO DA PARAÍBA 01/2014 SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLOGICO DA PARAÍBA 01/2014 PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS 1. APRESENTAÇÃO A Fundação Parque Tecnológico da

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN CNAT PROGRAMA DE MULTINCUBAÇÃO TECNOLÓGICA MIT/IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL ITNC

DIRETORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN CNAT PROGRAMA DE MULTINCUBAÇÃO TECNOLÓGICA MIT/IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL ITNC DIRETORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN CNAT PROGRAMA DE MULTINCUBAÇÃO TECNOLÓGICA MIT/IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL ITNC EDITAL Nº 03/2014 - SELEÇÃO DE IDEIAS EMPREENDEDORAS PARA PRÉ-INCUBAÇÃO

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas Projeto de Compras Governamentais 2º Seminário Internacional sobre Compras e Contratações Sustentáveis Agosto/2014 Maria Aparecida Rosa Vital Brasil

Leia mais

plano de metas gestão 2013-2017

plano de metas gestão 2013-2017 plano de metas gestão 2013-2017 Reitora Miriam da Costa Oliveira Vice-Reitor Luís Henrique Telles da Rosa Pró-Reitora de Graduação Maria Terezinha Antunes Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Rodrigo

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Histórico e Antecedentes

Histórico e Antecedentes Histórico e Antecedentes PORTO DIGITAL. PARQUE TECNOLÓGICO TIC E EC. RECIFE PE SÃO PAULO CIDADE DA INOVAÇÃO / 10ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia / 21 de outubro de 2013 1. Uma visão geral do Porto

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓOGICO DA PARAÍBA 01/2013

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓOGICO DA PARAÍBA 01/2013 SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓOGICO DA PARAÍBA 01/2013 PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS A Diretora Geral da Fundação Parque Tecnológico

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO 1 / 23 OBJETIVO

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

Startup Garagem Um programa de modelagem de negócios. RAIAR Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS

Startup Garagem Um programa de modelagem de negócios. RAIAR Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS Startup Garagem Um programa de modelagem de negócios RAIAR e Inovação da PUCRS TECNOPUC Parque Científico e Tecnológico da PUCRS Porto Alegre, abril de 2015 1. Apresentação da Incubadora Raiar A e Inovação

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

Verônica de Menezes Nascimento Nagata, Mestre em Engenharia de Produção, Professora da UEPA, Coordenadora da Incubadora de Empresas da UEPA RITU

Verônica de Menezes Nascimento Nagata, Mestre em Engenharia de Produção, Professora da UEPA, Coordenadora da Incubadora de Empresas da UEPA RITU Verônica de Menezes Nascimento Nagata, Mestre em Engenharia de Produção, Professora da UEPA, Coordenadora da Incubadora de Empresas da UEPA RITU ESTRUTURA DA PALESTRA 1 2 3 4 5 1. O que é uma incubadora

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO RAIAR Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS TECNOPUC Parque Científico e Tecnológico da PUCRS Porto Alegre,

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas. Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br

Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas. Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br Objetivo do Núcleo O - Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas - tem como objetivo a melhoria contínua da qualidade

Leia mais