Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: MATO GROSSO DO SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: MATO GROSSO DO SUL"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: MATO GROSSO DO SUL O número de empregos formais no estado alcançou 653,6 mil em dezembro de 2014, representando um crescimento de 2,82% em relação ao estoque de emprego de dezembro de Em números absolutos, esse aumento correspondeu ao acréscimo de 18,0 mil postos de trabalho, em relação a dezembro do ano anterior. Em termos absolutos, os setores que apresentaram os melhores desempenhos foram o Serviços, com a criação de 16,8 mil postos de trabalho (9,59%), a Administração Pública, com +3,5 mil novos postos de trabalho (+2,78%). Em números relativos, o melhor desempenho foi registrado no setor dos Serviços Industriais de Utilidade Pública, com crescimento de 12,23% (+652 postos de trabalho). O desempenho negativo foi observado no setor da Construção Civil (-21,24%), que eliminou 7,9 mil postos de trabalho. ESTOQUE DE EMPREGOS FORMAIS POR SETOR DE ATIVIDADE O rendimento real médio do trabalhador sul-mato-grossense registrou a elevação de 2,22% em relação a dezembro de 2013, como resultado dos aumentos nas remunerações médias recebidas pelos homens (1,82%) e pelas mulheres (3,18%). REMUNERAÇÃO MÉDIA DE DEZEMBRO, EM REAIS, A PREÇOS DE DEZ/2014 (1) Tabelas

2 TABELA 4 ESTOQUE DE EMPREGOS FORMAIS POR GÊNERO SEGUNDO GRAU DE INSTRUÇÃO Grau de Instrução Masculino Feminino Total Masculino Feminino Total Analfabeto ª série incompleta do Ensino Fundamental ª série completa do Ensino Fundamental ª série incompleta do Ensino Fundamental Ensino Fundamental completo Ensino Médio incompleto Ensino Médio completo Superior incompleto Superior completo Total

3 TABELA 4.1 VARIAÇÃO RELATIVA E ABSOLUTA DO EMPREGO FORMAL POR GÊNERO SEGUNDO GRAU DE INSTRUÇÃO Grau de Instrução Variação Absoluta Variação Relativa Masculino Feminino Total Masculino Feminino Total Analfabeto ,31 4,12-2,28 5ª série incompleta do Ensino Fundamental ,94-7,29-5,47 5ª série completa do Ensino Fundamental ,97-8,64-6,69 9ª série incompleta do Ensino Fundamental ,08-6,47-7,65 Ensino Fundamental completo ,71 0,93-1,50 Ensino Médio incompleto ,07-2,01-3,37 Ensino Médio completo ,11 3,66 2,77 Superior incompleto ,24 1,30 0,51 Superior completo ,18 17,47 20,15 Total ,27 5,08 2,82

4 TABELA 5 ESTOQUE DE EMPREGOS FORMAIS SEGUNDO FAIXA ETÁRIA Faixa Etária Var. Absoluta Var. Relativa (%) De 15 a 17 anos ,45 De 18 a 24 anos ,12 De 25 a 29 anos ,09 De 30 a 39 anos ,25 De 40 a 49 anos ,37 De 50 a 64 anos ,45 65 anos ou mais ,01 Total ,82 Obs.: as informações de Ignorado estão incorporados no Total

5 TABELA 6 ESTOQUE DE EMPREGOS FORMAIS SEGUNDO TAMANHO DO ESTABELECIMENTO Tamanho do Estabelecimento Var. Absoluta Var. Relativa (%) Até 4 vínculos ativos ,52 De 5 a 9 vínculos ativos ,80 De 10 a 19 vínculos ativos ,64 De 20 a 49 vínculos ativos ,15 De 50 a 99 vínculos ativos ,29 De 100 a 249 vínculos ativos ,54 De 250 a 499 vínculos ativos ,58 De 500 a 999 vínculos ativos , ou mais vínculos ativos ,97 Total ,82

6 TABELA 8 REMUNERAÇÃO MÉDIA DE DEZEMBRO, EM REAIS, A PREÇOS DE DEZ/2014 (1) Var. Relativa (%) Grau de Instrução Masculino Feminino Total Masculino Feminino Total Masculino Feminino Total Analfabeto 1.208, , , , , ,11 2,80 4,06 2,73 5ª série incompleta do Ensino Fundamental 1.510, , , , , ,00 0,24 0,21 0,38 5ª série completa do Ensino Fundamental 1.549, , , , , ,17 1,91 1,81 2,21 9ª série incompleta do Ensino Fundamental 1.593, , , , , ,32 1,07 2,30 1,20 Ensino Fundamental completo 1.678, , , , , ,97-1,35 1,40-0,94 Ensino Médio incompleto 1.571, , , , , ,26 0,65 1,77 0,77 Ensino Médio completo 2.029, , , , , ,17-1,06 0,78-0,56 Superior incompleto 2.788, , , , , ,28 1,65 1,10 1,28 Superior completo 6.439, , , , , ,22-8,41-2,88-5,22 Total 2.369, , , , , ,63 1,82 3,18 2,22 (1) Deflator NPC

7 TABELA 9 REMUNERAÇÃO MÉDIA DE DEZEMBRO, EM REAIS, A PREÇOS DE DEZ/2014 (1) Subsetor de Atividade Econômica Var. Relativa (%) Extrativa mineral 3.154, ,59-6,33 Indústria de produtos minerais não metálicos 1.569, ,17 2,25 Indústria metalúrgica 1.706, ,59 0,27 Indústria mecânica 1.772, ,44 2,65 Indústria do material elétrico e de comunicações 1.895, ,02-3,50 Indústria do material de transporte 1.790, ,19 7,19 Indústria da madeira e do mobiliário 1.258, ,55 10,70 Indústria do papel, papelão, editorial e gráfica 3.320, ,38-9,65 Ind. da borracha, fumo, couros, peles, similares, ind. diversas 1.581, ,42-0,07 Ind. química de produtos farmacêuticos, veterinários 2.387, ,52-4,76 Indústria têxtil do vestuário e artefatos de tecidos 1.271, ,19 6,30 Indústria de calçados 1.146, ,76 8,46 Indústria de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico 1.842, ,42 2,48 Serviços industriais de utilidade pública 3.989, ,24 5,47 Construção civil 1.945, ,77-12,40 Comércio varejista 1.454, ,66 0,75 Comércio atacadista 2.005, ,02 3,45 Instituições de crédito, seguros e capitalização 4.631, ,33 5,96 Com. e administração de imóveis, valores mobiliários 1.616, ,83 1,53 Transportes e comunicações 1.831, ,70 2,39 Serv. de alojamento, alimentação, reparação, manutenção 1.265, ,09 22,98 Serviços médicos, odontológicos e veterinários 2.025, ,83 6,43 Ensino 3.414, ,21 2,59 Administração pública direta e autárquica 3.935, ,29 2,26 Agricultura, silvicultura, criação de animais 1.523, ,71 3,14 Total 2.245, ,63 2,22 (1) Deflator NPC

8 TABELA 10 REMUNERAÇÃO MÉDIA DE DEZEMBRO, EM REAIS, A PREÇOS DE DEZ/2014 (1) Tamanho do Estabelecimento Var. Relativa (%) Até 4 vínculos ativos 1.178, ,32 2,85 De 5 a 9 vínculos ativos 1.407, ,27 3,66 De 10 a 19 vínculos ativos 1.617, ,02 3,88 De 20 a 49 vínculos ativos 1.782, ,64 2,95 De 50 a 99 vínculos ativos 1.986, ,82 0,20 De 100 a 249 vínculos ativos 2.259, ,40 1,40 De 250 a 499 vínculos ativos 2.583, ,71 8,31 De 500 a 999 vínculos ativos 2.911, ,46-5, ou mais vínculos ativos 3.389, ,07 1,75 Total 2.245, ,63 2,22 (1) Deflator NPC

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ O número de empregos formais no estado alcançou 1,552 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA O número de empregos formais no estado alcançou 2,274 milhões em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 NOVEMBRO de 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Período: Janeiro a Fevereiro de 2008 PRINCIPAIS DESTAQUES Na RMC foram criados 11.184 novos postos de trabalho. O saldo de emprego em 2008 é superior em 37%

Leia mais

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Período: Março a Abril de PRINCIPAIS DESTAQUES Na RMC foram criados 10.646 novos postos de trabalho. O saldo de emprego acumulado em corresponde a 47% de todo

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Período: Julho e Agosto de PRINCIPAIS DESTAQUES Na RMC foram criados 9.563 novos postos de trabalho. O saldo de emprego acumulado atá agosto de já é 25% superior

Leia mais

GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE

GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE Apesar do saldo agregado negativo nos três primeiros meses do ano, 13 dos 25 subsetores de atividade geraram postos formais de trabalho.

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/2015

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/2015 Saldo (Admissão - Desligamentos) Saldo (Admissão - Desligamentos) GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho volta a Demitir O Ministério do Trabalho

Leia mais

Relatório Informativo: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas RAIS 2008

Relatório Informativo: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas RAIS 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS Relatório Informativo: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas RAIS 2008 Termo de Contrato Nº. 65/2009 2009 EXPEDIENTE DA SECRETARIA

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013 EMPREGO INDUSTRIAL FEVEREIRO DE 2013 FEVEREIRO DE 2013 Eego industrial SUMÁRIO EXECUTIVO O número de assalariados com carteira assinada da indústria de transformação catarinense cresceu 1,50% em fevereiro

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RA Central 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

Licença de Funcionamento de estabelecimentos Esclarecimentos e Vantagens da Lei /

Licença de Funcionamento de estabelecimentos Esclarecimentos e Vantagens da Lei / Licença de Funcionamento de estabelecimentos Esclarecimentos e Vantagens da Lei 15.855/16.09.2013 Esclarecimentos e Vantagens da Lei 15.855/16.09.2013 ITENS abordados nesta PALESTRA : 1 Leis que disciplinam

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO.

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. EMPREGO INDUSTRIAL MAIO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. FORAM GERADAS 31.531 VAGAS ENTE JANEIRO E MAIO, correspondendo a um acréscimo

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO CONTRATUAL NO MERCADO DE TRABALHO. Serão apresentados os principais i i resultados do estudo realizado pelo DIEESE, no âmbito

MOVIMENTAÇÃO CONTRATUAL NO MERCADO DE TRABALHO. Serão apresentados os principais i i resultados do estudo realizado pelo DIEESE, no âmbito MOVIMENTAÇÃO CONTRATUAL NO MERCADO DE TRABALHO FORMAL E ROTATIVIDADE NO BRASIL. Serão apresentados os principais i i resultados do estudo realizado pelo DIEESE, no âmbito do projeto Desenvolvimento de

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul 2017 1) Julho 2017: Fechamento de 541 postos de trabalho na indústria estadual. Resultado de 4.613 contratações e 5.154 demissões; Maiores

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE Relatório Mensal: Movimentação do emprego formal em agosto de 2010 no Rio Grande do Norte Contrato de Prestação de Serviços Nº. 011/2010 - SETHAS/DIEESE

Leia mais

Emprego com carteira no RN tem primeiro saldo positivo depois de nove meses

Emprego com carteira no RN tem primeiro saldo positivo depois de nove meses Emprego com carteira no RN tem primeiro saldo positivo depois de nove meses Depois de nove meses com saldo negativo, o mercado de trabalho formal do Rio Grande do Norte criou 453 vagas com carteira assinada

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA Evolução Trimestral do Mercado de Trabalho Formal da Bahia Janeiro, fevereiro e março de 2012 Contrato de Prestação de Serviços Nº. 004/2011 SETRE-BA e DIEESE MAIO DE

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2014

Emprego Industrial Dezembro de 2014 Emprego Industrial Dezembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de dezembro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação ao estoque de novembro (-36.691 postos e variação de -1,8%). A

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul A indústria voltou a registrar saldo positivo na geração de empregos. Até o momento, em 2016, o saldo das contratações nas atividades

Leia mais

RECUPERAÇÃO DO EMPREGO JÁ ATINGIU MAIS DA METADE DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO

RECUPERAÇÃO DO EMPREGO JÁ ATINGIU MAIS DA METADE DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO RECUPERAÇÃO DO EMPREGO JÁ ATINGIU MAIS DA METADE DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO De janeiro a junho deste ano, quatorze estados passaram a criar vagas de trabalho ou registraram saldos maiores do que os do mesmo

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE Relatório Mensal: Movimentação do emprego formal em novembro de 2010 no Rio Grande do Norte Contrato de Prestação de Serviços Nº. 011/2010 - SETHAS/DIEESE

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO O mercado de trabalho catarinense não cresceu em maio. A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2014

Emprego Industrial Setembro de 2014 Emprego Industrial Setembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2014, o saldo do emprego voltou a crescer em Santa Catarina (7.033 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de agosto).

Leia mais

Emprego Industrial Fevereiro de 2015

Emprego Industrial Fevereiro de 2015 Emprego Industrial Fevereiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de fevereiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação ao estoque de janeiro (12.108 postos e variação de 0,6%). A

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul Dezembro 2016 A indústria estadual regularmente apresenta saldos negativos de contratação no último mês do ano. E esse comportamento se

Leia mais

Emprego Industrial Janeiro de 2015

Emprego Industrial Janeiro de 2015 Emprego Industrial Janeiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de janeiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação a dezembro (14.637 postos e variação de 0,7%). A indústria de transformação

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 Emprego industrial FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE fechou 1.344 postos de trabalho em junho,

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul A indústria registrou mais um mês com saldo positivo na geração de empregos. Até o momento, em 2016, o saldo das contratações nas atividades

Leia mais

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO JANEIRO DE 212 - CAGED Emprego Formal na Economia Emprego no mês de Janeiro 213 - Ocorreu um saldo positivo de 28.9 postos de emprego e no comparativo dos meses de janeiro,

Leia mais

Emprego Industrial Agosto de 2014

Emprego Industrial Agosto de 2014 Emprego Industrial Agosto de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de agosto de 2014, o saldo de emprego em Santa Catarina voltou a crescer (6.599 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de julho). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2015

Emprego Industrial Setembro de 2015 Emprego Industrial Setembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de agosto (-4.425 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

ECONOMIA PARANAENSE Perfil Sócio-Econômico de Ponta Grossa

ECONOMIA PARANAENSE Perfil Sócio-Econômico de Ponta Grossa ECONOMIA PARANAENSE Perfil Sócio-Econômico de Ponta Grossa Emerson Martins Hilgemberg * Cleise Tupich Hilgemberg ** Alysson Stege *** André Toledo **** Thaís Silva ***** 1. Introdução O conhecimento e

Leia mais

Emprego Industrial Julho de 2015

Emprego Industrial Julho de 2015 Emprego Industrial Julho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de julho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de junho (-14.770 postos e variação de -0,7%). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Junho de 2015

Emprego Industrial Junho de 2015 Emprego Industrial Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de junho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de maio (-7.922 postos e variação de -0,4%). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

FLUTUAÇÃO DE EMPREGO FORMAL (*) SEGUNDO OS SUBSETORES Secretaria Regional: Joinville Período: Janeiro a Dezembro de 2004

FLUTUAÇÃO DE EMPREGO FORMAL (*) SEGUNDO OS SUBSETORES Secretaria Regional: Joinville Período: Janeiro a Dezembro de 2004 FLUTUAÇÃO DE EMPREGO FORMAL (*) SEGUNDO OS SUBSETORES Secretaria Regional: Joinville Período: Janeiro a Dezembro de 2004 Tabela 74 SUBSETORES ADMITIDOS DESLIGADOS SALDO Extrativa mineral 63-50 3 Indústria

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2015

Emprego Industrial Dezembro de 2015 Emprego Industrial Dezembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de embro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de novembro (-34.971 postos e variação de -1,7%). A indústria

Leia mais

Acompanhamento das negociações coletivas de trabalho e evolução do emprego formal no estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 26 de setembro de 2016

Acompanhamento das negociações coletivas de trabalho e evolução do emprego formal no estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 26 de setembro de 2016 1 Acompanhamento das negociações coletivas de trabalho e evolução do emprego formal no estado do Rio Grande do Sul Porto Alegre, 26 de setembro de 2016 2 1 SUMÁRIO 2 Panorama das Negociações... 3 3 Evolução

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA ANÁLISE DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO PARANAENSE

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA ANÁLISE DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO PARANAENSE ANÁLISE DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO PARANAENSE HISTÓRICO Último plano aeroviário data de 1989; Seu horizonte de planejamento se esgotou em 2008; Em junho de 2012 foi tomada a iniciativa de elaboração interna

Leia mais

Geração de Empregos Celetistas no Ceará - 1º Semestre de 2014

Geração de Empregos Celetistas no Ceará - 1º Semestre de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Quantidade de MPEs por Regional - Dados da RFB Setor Campanha Centro Metropolitana Noroeste Norte Planalto Serra Sinos

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Março de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Março de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Março de 2014 Emprego industrial FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO ENTRE OS SETORES DA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA GRANDE VITÓRIA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA GRANDE VITÓRIA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA GRANDE VITÓRIA Relatório Mensal sobre o Mercado de Trabalho Formal dos Municípios da Região Metropolitana de Vitória Junho de 2009 Contrato de Prestação de Serviços Nº. 28/2008

Leia mais

1 SUMÁRIO. Porto Alegre, 27 de julho de Panorama das Negociações Detalhamentos Evolução do emprego... 5

1 SUMÁRIO. Porto Alegre, 27 de julho de Panorama das Negociações Detalhamentos Evolução do emprego... 5 1 Acompanhamento das negociações coletivas de trabalho e evolução do emprego formal no estado do Rio Grande do Sul Porto Alegre, 27 de julho de 2017 1 SUMÁRIO 2 Panorama das Negociações... 2 2.1 Detalhamentos...

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul Julho registrou o quinto mês consecutivo com redução de postos de trabalho na Indústria sul-matogrossense. No mês, o saldo negativo para

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense começou 2015 do mesmo modo que terminou 2014, com redução liquida de postos de trabalho.

Leia mais

Perfil dos trabalhadores técnicos em segurança no. Março de 2011

Perfil dos trabalhadores técnicos em segurança no. Março de 2011 Perfil dos trabalhadores técnicos em segurança no trabalho - SC, 2009 Março de 2011 GÊNERO GÊNERO X REMUNERAÇÃO GRAU DE INSTRUÇÃO Número de trabalhadores, Técnicos em Segurança no Trabalho, por grau de

Leia mais

Nota Técnica Número 133 março O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro

Nota Técnica Número 133 março O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro Nota Técnica Número 133 março 2014 O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro Resultados da Rais 2012 O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro Resultados da Rais 2012 O mercado formal de trabalho brasileiro,

Leia mais

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos SEUS ESGOTOS TRATADOS POR QUEM MAIS ENTENDE DO ASSUNTO Uma das grandes preocupações das empresas hoje em dia é o tratamento e a destinação de seus esgotos. A Sabesp está preparada para receber e tratar

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Janeiro de 2013 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 - Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego (SMTE) Secretaria

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

RAIS 2015 Números do Emprego Formal no Estado do Ceará

RAIS 2015 Números do Emprego Formal no Estado do Ceará Outubro 2016 RAIS 2015 Números do Emprego Formal no Estado do Ceará O Ministério do Trabalho divulgou recentemente os resultados do comportamento do emprego formal no Brasil, segundo a Relação Anual de

Leia mais

Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 3 Trimestre de 2010

Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 3 Trimestre de 2010 nº 14 Novembro. 2010 Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 3 Trimestre de 2010 O ano de 2010 vem se apresentando como o melhor da história em termos de geração de emprego. Segundo os

Leia mais

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam . AS COI^ÍTAS REGIOXAIS A economia gaúcha em 2001: terceiro ano consecutivo de crescimento* Adalberto A. Mala Neto** As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam um crescimento

Leia mais

Na comparação com o mesmo mês, foi o menor saldo de empregos da indústria de transformação para fevereiro desde 2010.

Na comparação com o mesmo mês, foi o menor saldo de empregos da indústria de transformação para fevereiro desde 2010. Sumário Executivo FEV/2016 No mês de fevereiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a janeiro (4.793 postos e variação de 0,2%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 1 Trimestre de 2012

Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 1 Trimestre de 2012 Gerência de Estudos Econômicos nº 05 Maio. 2012 Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 1 Trimestre de 2012 No primeiro trimestre de 2012 foram gerados 381.241 novos postos de trabalho

Leia mais

Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara: 3 O Poder polarizador ao Primeiro Emprego

Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara: 3 O Poder polarizador ao Primeiro Emprego Núcleo de Conjuntura e Estudos Econômicos Coordenador: Prof. Dr. Elton Eustáquio Casagrande Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara - UNESP FCL/UNESP/Araraquara Características Conjunturais do Comércio

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS DE PORTO ALEGRE

INDICADORES ECONÔMICOS DE PORTO ALEGRE INDICADORES ECONÔMICOS DE PORTO ALEGRE Abril 2013 A Prefeitura Municipal de Porto Alegre, por meio da Assessoria de Planejamento e Programação do Gabinete da Secretaria Municipal da Produção, Indústria

Leia mais

Em junho foram criados empregos formais em Santa Catarina

Em junho foram criados empregos formais em Santa Catarina Informativo Caged nº 07/2009 16/07/2009 Em junho foram criados 1.121 empregos formais em Santa Catarina No 1º semestre foram abertas 11,7 mil vagas e foi o pior resultado para o acumulado no primeiro semestre

Leia mais

BOLETIM SINAIS DO MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE Belo Horizonte Ano 2 N.º 3 Ago/Set/Out 2000

BOLETIM SINAIS DO MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE Belo Horizonte Ano 2 N.º 3 Ago/Set/Out 2000 BOLETIM SINAIS DO MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE Belo Horizonte Ano 2 N.º 3 Ago/Set/Out 2000 PANORAMA SALARIAL PRIMEIRO SEMESTRE DE 2000 ESTAÇÃO DE PESQUISA DE SINAIS DE MERCADO NESCON - FM UFMG REDE OBSERVATÓRIO

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA Evolução Trimestral sobre o Mercado de Trabalho Formal da Bahia julho, agosto e setembro de 2011 Convênio Nº. 004/2011 SETRE-BA e DIEESE DEZEMBRO DE 2011 EXPEDIENTE DA

Leia mais

Indicadores selecionados do RS*

Indicadores selecionados do RS* 67 Indicadores selecionados do RS* Tabela 1 Taxas de crescimento da produção, da área colhida e da produtividade dos principais produtos da lavoura no Rio Grande do Sul /06 PRODUTOS / 2006/ (1) Produção

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE SETEMBRO-2007 SETEMBRO/06 AGOSTO/07 SETEMBRO/07 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 7946

Leia mais

SANTA CATARINA REGISTRA O SEGUNDO MENOR SALDO DE EMPREGOS PARA O MÊS DE JUNHO DESDE 2002

SANTA CATARINA REGISTRA O SEGUNDO MENOR SALDO DE EMPREGOS PARA O MÊS DE JUNHO DESDE 2002 Informação e Análise do Mercado de Trabalho Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 07/2012 1 23/07/2012 SANTA CATARINA REGISTRA O SEGUNDO MENOR SALDO DE EMPREGOS PARA O MÊS DE JUNHO DESDE 2002 Os dados

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,33% em abril

IGP-M registra variação de 0,33% em abril Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,33% em abril O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,33%, em abril. Em março, o índice variou 0,51%. Em abril de 2015, a variação foi

Leia mais

POTENCIAL POLUIDOR DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS: ESTUDO DE CASO - MARINGÁ-PR

POTENCIAL POLUIDOR DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS: ESTUDO DE CASO - MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 POTENCIAL POLUIDOR DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS: ESTUDO DE CASO - MARINGÁ-PR Heloisa Helena S. Machado 1, Júlio César Dainezi de Oliveira 2, Karin Schwabe

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS Relatório Mensal: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas - Fevereiro de 2010 Termo de Contrato Nº. 65/2009 MARÇO DE 2010 PREFEITURA

Leia mais

Número 116 Outubro de O mercado de trabalho formal brasileiro Resultados da Rais 2011

Número 116 Outubro de O mercado de trabalho formal brasileiro Resultados da Rais 2011 Número 116 Outubro de 2012 O mercado de trabalho formal brasileiro Resultados da Rais 2011 O mercado de trabalho formal brasileiro Resultados da Rais 2011 Esta Nota Técnica tem como objetivo apresentar

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados 1 RAIS: 1. A RAIS - Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto nº 76.900/75, com declaração

Leia mais

MAPEAMENTO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL NA MICRORREGIÃO DE UBERLÂNDIA

MAPEAMENTO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL NA MICRORREGIÃO DE UBERLÂNDIA MAPEAMENTO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL NA MICRORREGIÃO DE UBERLÂNDIA Alice Henrique Dalmônica Graduanda IG/UFU/Bolsista PEIC/PROEX UFU. alicinhahd@yahoo.com.br Angélica Borges dos Santos Graduanda IG/UFU/Bolsista

Leia mais

Sistema FIRJAN Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro PRESIDENTE Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira

Sistema FIRJAN Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro PRESIDENTE Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira RETRATOS REGIONAIS - 6ª Edição Expediente Sistema FIRJAN Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro PRESIDENTE Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira Diretoria de Desenvolvimento Econômico DIRETORA Luciana

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Abril de 2012 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 - Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego (SMTE) Secretaria

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM PORTO ALEGRE JANEIRO A MARÇO DE 2012

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM PORTO ALEGRE JANEIRO A MARÇO DE 2012 ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM PORTO ALEGRE JANEIRO A MARÇO DE 2012 Registro nº 48918 Secretaria Municipal de Produção, Indústria e Comércio (SMIC) e Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego

Leia mais

Informativo Mensal de Emprego CAGED. nº 10, outubro de 2012

Informativo Mensal de Emprego CAGED. nº 10, outubro de 2012 SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO SETOR DE INFORMAÇÃO E ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 10, outubro

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RIO GRANDE DO NORTE SEBRAE/RN

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RIO GRANDE DO NORTE SEBRAE/RN SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RIO GRANDE DO NORTE SEBRAE/RN Análise da Evolução do Mercado de Trabalho Formal BRASIL NORDESTE RIO GRANDE DO NORTE Série Histórica - 2007 a 2016 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Uma análise do emprego formal nos setores industrial e de serviços brasileiros 1. Introdução

Uma análise do emprego formal nos setores industrial e de serviços brasileiros 1. Introdução Uma análise do emprego formal nos setores industrial e de serviços brasileiros Luciano Nakabashi Fábio Dória Scatolin Márcio José Vargas da Cruz Gabriel Porcile 1. Introdução Considerando o fenômeno da

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

Santa Catarina gera novos empregos formais em setembro

Santa Catarina gera novos empregos formais em setembro 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 SINE/SC - SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO Informativo Caged nº 10/2011 18/10/2011 Santa Catarina gera 10.297 novos empregos formais

Leia mais

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 16 de dezembro de 2016 A Diretoria Regional do CIESP de Mogi

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO (ÓPTICA DA PRODUÇÃO) Preços correntes

PRODUTO INTERNO BRUTO (ÓPTICA DA PRODUÇÃO) Preços correntes Preços correntes CAErev1 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 11+12 Agricultura caça silvicultura e exploração florestal... 15 660 16 752 17 649 15 996 18 025 18 609 17 364 17 900

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - NOVEMBRO DE

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - NOVEMBRO DE PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 1 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Estudo Temático: A Geração de Emprego nos Pequenos Negócios da Região Metropolitana de Campinas ABRIL DE 2010

Estudo Temático: A Geração de Emprego nos Pequenos Negócios da Região Metropolitana de Campinas ABRIL DE 2010 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS Estudo Temático: A Geração de Emprego nos Pequenos Negócios da Região Metropolitana de Campinas ABRIL DE 2010 Termo de Contrato N 65/2009 Prefeitura de Campinas/DIEESE

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DO COMÉRCIO EXTERIOR SOBRE A GERAÇÃO DE EMPREGO NO BRASIL - 1º. Semestre de 2011

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DO COMÉRCIO EXTERIOR SOBRE A GERAÇÃO DE EMPREGO NO BRASIL - 1º. Semestre de 2011 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DO COMÉRCIO EXTERIOR SOBRE A GERAÇÃO DE EMPREGO NO BRASIL - 1º. Semestre de 2011 1 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DO COMÉRCIO EXTERIOR SOBRE A GERAÇÃO DE EMPREGO NO BRASIL - 1º. Semestre

Leia mais

Especialização, emprego e vantagem competitiva nos setores econômicos do Rio Grande do Sul: Governos de FHC e Lula

Especialização, emprego e vantagem competitiva nos setores econômicos do Rio Grande do Sul: Governos de FHC e Lula Análise A Revista Acadêmica da FACE Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 89-1, jan./jun. 211 Especialização, emprego e vantagem competitiva nos setores econômicos do Rio Grande do Sul: Governos de FHC e Lula

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO EMPREGO FORMAL RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS

CARACTERÍSTICAS DO EMPREGO FORMAL RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS CARACTERÍSTICAS DO EMPREGO FORMAL RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS - 2014 RAIS 2014 SUMÁRIO 1. RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS RAIS... 3 2. PRINCIPAIS RESULTADOS DA RAIS 2014... 4 3. EMPREGO...

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Outubro O Emprego Formal no Ceará: Principais Resultados de 2014

NOTA TÉCNICA. Outubro O Emprego Formal no Ceará: Principais Resultados de 2014 Outubro 2015 O Emprego Formal no Ceará: Principais Resultados de 2014 Avanços importantes na estruturação do mercado de trabalho do Estado do Ceará, apesar dos baixos salários. O Produto Interno Bruto

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DO EMPREGO FORMAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS MINERAIS NÃO-METÁLICOS NA PARAÍBA

CONCENTRAÇÃO DO EMPREGO FORMAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS MINERAIS NÃO-METÁLICOS NA PARAÍBA CONCENTRAÇÃO DO EMPREGO FORMAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS MINERAIS NÃO-METÁLICOS NA PARAÍBA 1990-2010 GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade Dr. William Eufrásio

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE JANEIRO/07 DEZEMBRO/07 JANEIRO/08 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 8895 100,0 8773

Leia mais

Destaque para aumento salarial das admissões em janeiro de 2015 no município de Chapecó

Destaque para aumento salarial das admissões em janeiro de 2015 no município de Chapecó Publicação Mensal do Observa pelo Curso de Ciências Econômicas Unochapecó. V.01, Ano: 03 Destaque para aumento salarial das admissões em janeiro de 2015 no município de Chapecó Dada a importância de avaliar

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS Segundo o IBGE, a produção física industrial brasileira cresceu 0,8% em comparação com o mês de dezembro, descontadas as influências sazonais. Em

Leia mais