AS BASES SÓCIO-HISTÓRICAS DA ONTOLOGIA DO SER SOCIAL: O TRABALHO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS BASES SÓCIO-HISTÓRICAS DA ONTOLOGIA DO SER SOCIAL: O TRABALHO 1"

Transcrição

1 1 AS BASES SÓCIO-HISTÓRICAS DA ONTOLOGIA DO SER SOCIAL: O TRABALHO 1 Nayara Carvalhaes Braghini 2 Tânia Cristina de Oliveira Donizeti 3 Renato Tadeu Veroneze 4 RESUMO Na sociedade do capital, o trabalho passa a ter um valor unicamente mercadológico e de produção da riqueza social, eliminando sua autonomia e sua possibilidade de autoconstrução e auto-criação. Partindo desse pressuposto, buscaremos analisar nesse artigo o trabalho enquanto categoria fundante do ser social. Palavras-chaves: trabalho, ser social, ontologia. 1 Este artigo foi produzido como pré-requisito avaliativo da disciplina ética profissional II. 2 Aluna do 5º Período do curso de Serviço Social do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé- Unifeg/MG. 3 Aluna do 5º Período do curso de Serviço Social do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé- Unifeg/MG. 4 Assistente Social, Docente do Curso de Serviço Social do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé UNIFEG, Especialista em Educação, Didática e Metodologia no Ensino Superior - UNIFEG, Especialista em Desafios da Filosofia Contemporânea PUC/MINAS, e mestrando em Serviço Social pela PUC/SP.

2 2 INTRODUÇÃO Estudar a ontologia do ser social na perspectiva marxiana e marxista é identificar o homem e a mulher, enquanto um ser real, material, dinâmico e social, ou seja, que se insere ou é inserido em determinados contextos social e historicamente constituídos pelos seres de igual natureza. O sentido da palavra ontologia, empregada nesse artigo diz respeito à ciência ou tratado que estuda o ser humano (do grego = ón, óntos = ser; mais lógos = tratado; estudo). Historicamente, a filosofia tratou o humano e o estudou tendo como parâmetro a metafísica. Marx, por sua vez, contribuiu para dar outro significado ao ser que vive em sociedade, homens e mulheres que, nas mais diversas expressões, apresentam determinadas características que os distingue dos outros seres da natureza. O ser social é entendido, como um ser real, concreto, histórico e dialeticamente constituído na vida, em contraposição a proposta idealista. Este, por sua vez, vive e se objetiva na vida cotidiana e, na atualidade, numa sociedade dividida pela relação de classe, pelas relações sociais capitalistas e pela exploração do homem pelo próprio homem, estando diretamente, intrínseco e extrinsecamente, vinculado a dicotomia capital versus trabalho. O ser social se diferencia dos animais pela sua capacidade de transformar a própria natureza, de tal modo que ao transforma-la, transforma a si mesmo. O primeiro ato humano e social, segundo os apontamentos marxistas, é a criação das condições materiais para a sua sobrevivência. Deste modo, para que possa fazer sua própria história, deve, primeiramente, estar em condições para isso (MARX, ENGELS, 2007). Portanto, apresentaremos nesse artigo alguns apontamentos sobre esta relação do ser social e da categoria trabalho enquanto protoforma do processo de socialização e hominização do ser social. O processo de auto construção do ser social Segundo Barroco (2008), em seu processo de autoconstrução, o ser social transforma a natureza e, ao mesmo tempo, transforma a si mesmo, através de mediações duradoras, projeta finalidades à sua(s) ação(ões) e as objetiva na vida social.

3 3 A categoria fundante desse processo de transformação é o trabalho, definido por Lukács como [...] o ponto de partida da humanização do homem, do refinamento de suas faculdades, processo do qual não se deve esquecer o domínio sobre si mesmo (LUKÁCS apud BARROCO, 2008, p.21). A necessidade de socialização permite com que os seres sociais estabeleçam relações entre si, de forma a sanar suas necessidades mais primárias. Partindo das necessidades mais prementes, os seres sociais se agrupam e constroem complexos sociais e novas necessidades sociais. A reprodução social reproduz materialmente complexos sociais que alteraram as condições de sociabilidade e o modo de produção constitutivo para a vida social. Constroem, assim, formas diferentes e mais complexas para atender as necessidades individuais e grupais. O trabalho se concretiza através da objetivação das projeções teleológicas, ou seja, para que possa realizar suas ações, o ser social estabelece finalidades que se propõe a realizar e para concretiza-la escolhe ou cria possibilidades de materialização dessas projeções. O processo de transformação através do trabalho gera, cada vez mais, novas necessidades e possibilidades. É deste modo que se estabelece o princípio da liberdade que não consiste apenas na tomada de decisões, mas sim, em estabelecer alternativas possíveis dentro das possibilidades concretas. As alternativas possíveis estabelecidas passam a receber valoração de acordo com sua capacidade de efetivação. [...] Apenas a objetivação real do ser para nós faz com que possam realmente nascer valores. E o fato de que os valores, nos níveis mais altos da sociedade, assumam formas mais espirituais, esse fato não elimina o significado básico dessa gênese ontológica (LUKÁCS apud BARROCO, 2008, p. 27). O trabalho, na concepção marxista, é tido como o processo de participação e objetivação do ser social na e para a vida social. A vida se manifesta como expressão da atividade social e da produção material das condições para a sobrevivência. O trabalho, em seu caráter universal e sócio-histórico é a cooperação existente entre os seres sociais e que produz formas de interação humana como os símbolos, a linguagem, as representações, os costumes, dentre outros componentes denominados por cultura. Em

4 4 outras palavras, é o conjunto das relações humanas que elabora e produz, simbólica e materialmente, as condições, modos e formas da vida em sociedade (BARROCO, 2005, p ). Nesse sentido, o trabalho permanece como pressuposto da existência humana. É condição necessária e natural do intercâmbio material entre o ser social, a natureza e a sociedade. Porém, na sociedade capitalista, esta premissa ontológica é reduzida à (re)produção de riquezas, bens de consumo e de mercadorias. Ao inserir-se num sistema estabelecido pela divisão social do trabalho, o ser social é desapropriado de sua condição ontológica para ser explorado enquanto produtor de valorde-uso e valor-de-troca, alienando e estranhando-se de sua própria condição humanogenérica. O trabalho, nesse sentido, revela-se enquanto processo de coisificação da potencialidade humana, estabelecendo, desse modo, a alienação. O modo de produção capitalista gerou um avanço e um grande desenvolvimento das forças produtivas criando a possibilidade do ser social se reconhecer enquanto sujeito histórico, possibilidade esta, que é negada pelo processo de coisificação das relações sociais. Segundo Marx (2006), o capitalismo gera a alienação do trabalho e, consequentemente, a alienação da vida social. O trabalhador não se integra na totalidade, não vê o objeto produzido como parte integrante de seu trabalho. O produto do seu trabalho transforma-se em mercadoria, assim como o próprio trabalhador que se vê refém do processo de exploração. Ao ingressar no mercado de trabalho, a força de trabalho passa a valer enquanto valor-de-troca e as relações de trabalho passam a ser consideradas enquanto mercadoria. Quanto mais riqueza produz ao capitalista, maior é o nível de exploração. Em qualquer ação humana, independente de ser individual ou coletiva, o trabalho humaniza o ser social, porém, no processo alienado e alienante, homens e mulheres não se reconhecem enquanto humano-genéricos, num processo cada vez maior de desumanidade e empobrecimento dos sentidos. A propriedade privada e a exploração do trabalho para a acumulação da riqueza socialmente produzida por uma minoria determinam uma sociedade alienada, onde o capital se torna uma mediação para atender necessidades individuais e coletivas. A vida simples, o trabalho de subsistência, enfim, os valores essencialmente humanos perdem a sua característica ontológica para a valoração exacerbada do capital e das relações mercantilizantes.

5 5 Na sociedade capitalista, a mercadoria se apresenta cmo uma coisa apta a satisfazer as necessidade humanas imediata dos indivíduos, seja em que posição ocupe a estratificação social, tanto as necessidade fisicas e suas fantasias (ou desejos). Portanto, a satisfação das necessidade constitui a condição sine qua non da mercadoria. Barroco, baseada em Marx, cita que a alienação surge a partir do [...] nascimento da propriedade privada e da divisão social do trabalho, quando o trabalho se converte em meio de exploração e o seu produto em objeto alheio (BARROCO, 2008, p.38). No capitalismo, o trabalho assalariado gera mercadorias que a princípio tem um valor-de-uso devido à sua capacidade de atender necessidades materiais e espirituais do indivíduo. Com o atendimento das necessidades as mercadorias adquirem um valor-de-troca que é determinado, em maior ou menor grau, de acordo com as necessidades e interesses sociais. O valor-de-uso passa a ser desconsiderado na troca na qual deve-se considerar o tempo médio socialmente gasto em sua produção. No capitalismo, a produção de mercadorias visa sempre a obtenção de dinheiro. Barroco (2008, p. 42) aponta que [...] o trabalho humano tem o poder de acrescentar valor as mercadorias produzidas: um valor a mais ou um valor excedente, incoroporado à mercadoria e não pago ao trabalhador. A produção de mais-valia se dá através do trabalho, mas se efetiva apenas com a troca das mercadorias para o capitalista: [...] trabalhador e capitalista existem pela afirmação e negação mutua. [...] Capital e trabalho são, assim, pólos de uma relação social antagônica (BARROCO, 2008, p.43). A alienação no capitalismo é decorrente da fetichização da mercadoria que passa assumir um valor e caráter dominador e reificado, em outras palavras, tudo, inclusive as relação sociais, se coisificam e é transformado em coisa ou objeto, até mesmo a vida humana. O trabalho: mediação entre ser social e natureza Tudo parte do princípio da natureza, que se configura em seres orgânicos (animais e vegetais) e inorgânicos (minerais). Os seres orgânicos constituem o ciclo da vida, onde o humano se destaca pela sua capacidade de transformação pelo trabalho e de sua capacidade de projetar finalidade para suas ações (teleologia).

6 6 O desenvolvimento histórico da Humanidade é a substância da sociedade e, esta, por sua vez, não dispõe de nenhuma substância além dos homens e das mulheres, cabendolhe exclusivamente a construção e transmissão de cada estrutura social. Porém, humanos e sociedade se desenvolvem e se complexificam no decurso do processo histórico: [...] a história é, entre outras coisas, história da explicitação da essência humana, mas sem identificar-se com esse processo. A substância não contém apenas o essencial, mas também a continuidade de toda a heterogênea estrutura social, a continuidade dos valores. Por conseguinte, a substância da sociedade só pode ser a própria história. (HELLER, 2004, p. 02). Com o desenvolvimento da sociedade capitalista se consolida a exploração do homem pelo homem. O trabalho passa a ser privado, a estratificação social passa a ser constituída por duas classes sociais antagônicas burguesia e proletariado -, configurando a situação dos explorados e dos exploradores, estes últimos, são os que detêm os meios de produção e o capital. Com este novo sistema surge à necessidade as esferas heterogêneas: produção, relações de propriedade, estrutura política, vida cotidiana, moral, ciência, arte, o aparelho burocrático, enfim, a estrutura social que estipula e cria as normas para a vida em sociedade (HELLER, 2004). Desses complexos sociais, surge o Estado, a política, o Direito, conjunto de relações sociais que se distinguem das outras relações pela função social que exercem no processo reprodutivo. Esses complexos fazem com que a exploração do trabalho fira o seu princípio fundamental e ontológico do trabalho que é a transformação da realidade. Com o surgimento da sociedade capitalista, o trabalho passa a ser visto como reprodução social, ou seja, [...] todo ato de trabalho resulta em consequência que não se limitam à sua finalidade imediata. Ele possibilita o desenvolvimento das capacidades humanas, das forças produtivas, das relações sociais, de modo que a sociedade se torne cada vez mais desenvolvida e complexa (LESSA, 1999, p ). O trabalho que se constituía de forma direta e universalista, se vê como indireto e particularizado pela classe trabalhadora, subsequente à divisão das classes sociais. O trabalho passa a ser uma forma de poder sobre os homens e as mulheres, de dominação do homem pelo homem.

7 7 [...] É este rico, contraditório e complexo processo que, fundado pelo trabalho, termina dando origem a relações entre homens que não mais se limitam ao trabalho enquanto tal, que é denominado de reprodução social (LESSA, 1999, p. 26). Todas as relações sociais partem do trabalho, que é apontado por Heller (2004) como a objetivação mais premente que cria possibilidades para atender novas necessidades postas pela sociedade, num ciclo de transformação e desenvolvimento da essência humana. Portanto, é a tomada de consciência do ser social desse movimento que cria e recria a realidade social e a própria realidade do sujeito social que se constitui como motor da história. A história do ser social é caracterizada pela concepção de novos complexos de organização social. É pelo trabalho que os homens e as mulheres não apenas produzem os bens necessários para a vida social, mas também se constitui a mediação entre a capacidade teleológica e a objetivação das habilidades, potencialidades, necessidades, criatividade, enfim, da capacidade de viver em uma sociedade cada vez mais complexa e articulada. Tudo parte do trabalho e tudo remete a ele. A totalidade social, nada mais é do que o conjunto das relações e dos complexos sociais existentes na sociedade, um exemplo desses complexos é a luta de classes, que possui influências ideológicas, culturais, políticas, sociais e econômicas, mas que de algum modo, em um dado momento histórico, são reduzidas ao trabalho assalariado, donde a classe trabalhadora se vê explorada e submetida aos interesses da classe dominante. Esse ciclo nada mais é do que a realidade social na qual estamos inseridos em que o proletariado é utilizado como um instrumento necessário para a produção e acumulação da riqueza socialmente produzida para os capitalistas. Portanto, a lógica capitalista tem levado os sujeitos sociais a estarem cada vez mais alienados e alienantes, em outras palavras, cada vez mais tem-se transformado em coisa (reificado), passando, constantemente e cada vez mais, a reproduzir relações sociais de exploração. Por sua vez, a vida social é baseada na violência que possibilita que uma classe viva do trabalho da outra. A alienação nada mais é do que a (des)humanização social produzida e reproduzida pelo próprio ser social. (LESSA, 1999, p. 28). O trabalho, para Marx, é tido como processo de participação/objetivação do ser social com a natureza. Processo em que se encontra implícita a sua própria ação, a sua práxis. Ao se

8 8 relacionar com a natureza, exterioriza-se através de seus membros e de sua força motriz, através do trabalho, com o intuito de apropriar-se dos recursos que a natureza lhe oferece. Marx analisa o ser social e o mundo a partir do ponto em que esse se reconhece no mundo. É a partir do momento em que o homem e a mulher transformam a natureza é que estes passam a terem significados: o concreto é concreto porque é a síntese de múltiplas determinações (MARX, 2011, p.54). O concreto, ou o mundo real, só passa a existir no momento em que o ser social se reconhece no mundo. Por essa razão, o concreto o real -, aparece no pensamento do ser social como fruto daquilo que ele/ela experimentam no mundo e, ao retirar da natureza elementos para suas abstrações, não apenas aparece como ponto de partida, mas também como ponto de chegada. Este processo só é possível através do trabalho. Talvez um exemplo melhore a compreensão: No meio do caminho tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra. Nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho no meio do caminho tinha uma pedra. 5 Estes versos de Carlos Drummond de Andrade, analisados na perspectiva marxiana, apontam a capacidade do ser social de criar algo novo a cada momento em que se depara com os fatos reais da vida cotidiana e as necessidades heterogêneas dos indivíduos sociais. Lessa (1999), cita como exemplo, a necessidade de se quebrar um coco. Ao se deparar-se com este fruto, o indivíduo, em seu estado primitivo, trás para sua consciência a necessidade apresentada a sua frente quebrar um coco e se alimentar -, deste modo, ao tecer mediações para este fim, tem a capacidade de enumerar e objetivar em sua consciência os meios pelo qual poderá realizar tal tarefa. Esse processo se resulta na capacidade de objetivar sua ação através do trabalho, que se manifesta sempre como a transformação da realidade. Como coloca Marx, o ser social parte-se do real, transporta para a mente e volta ao real na forma de concreto pensado, ou seja, é necessário conhecer as determinações e 5 ANDRADE, Carlos Drummond de. Alguma Poesia. Ed. Pindorama, 1930, disponível em:

9 9 possibilidades, tecer determinada finalidade e validar a ação objetiva daquilo que foi pensado. O indivíduo, ao caminhar, encontra no meio do caminho uma pedra e, a pedra estava no meio do caminho. Ele pega a pedra, olha-a, traz para a sua mente, busca elementos do próprio mundo para a sua identificação. Para Marx, o significado se dá, porque este objeto começa a existir na cabeça do indivíduo. Este objeto assume características materiais, concretas e reais. A partir desse processo, o indivíduo projeta na sua mente, finalidades e dentre elas, escolhe uma para sua utilização, como por exemplo, a construção de um instrumento de trabalho (uma machadinha) e utiliza-a para criar outros instrumentos ou objetos, como por exemplo, uma canoa. O animal apenas vê a pedra e não reconhece finalidades para ela. Ao transportar para o cérebro e criar possibilidades e necessidades através de mediações, o ser social pode realizar, através do trabalho, uma ou várias ações transformadoras: cria, (re)cria, constrói, destrói e (re)constrói. Ao objetivar no mundo sua ação, no exemplo, a construção de uma canoa, e estabelecer relações com os outros seres viventes. Dá-se assim o processo de socialização e hominização. Por isso o poeta irá dizer: Nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho tinha uma pedra. O indivíduo que encontrou no meio do caminho uma pedra, agora a transforma, e dessa transformação, cria necessidades e possibilidades para o seu viver, transformando a todo o momento o mundo que o rodeia e, ao mesmo tempo, a si mesmo. Na ontologia do ser social encontramos o trabalho como [...] um processo de que participam o homem e a natureza, processo em que o ser humano com sua própria ação, impulsiona, regula e controla seu intercâmbio material com a natureza. Defronta-se com a natureza como uma de suas forças. Põe em movimento as forças naturais de seu corpo - braços e pernas, cabeça e mãos -, a fim de apropriar-se dos recursos da natureza, imprimindo-lhes forma útil à vida humana. Atuando assim sobre a natureza externa e modificando-a, ao mesmo tempo modifica sua própria natureza. Desenvolve as potencialidades nela adormecidas e submete ao seu domínio o jogo das forças naturais. Não se trata aqui das formas instintivas, animais, de trabalho. [...] Uma aranha executa operações semelhantes às do tecelão, e a abelha supera mais de um arquiteto ao construir sua colmeia. Mas o

10 10 que distingue o pior arquiteto da melhor abelha é que ele figura na mente sua construção antes de transformá-la em realidade. No fim do processo do trabalho aparece um resultado que já existia antes idealmente na imaginação do trabalhador. (MARX, 2006, p. 2011). Esta relação humano/natureza proporciona-lhe o desenvolvimento de suas potencialidades e, ao mesmo tempo, submete a natureza ao seu domínio. A diferenciação entre o humano e os outros seres viventes, está relacionada intrinsecamente na forma de como este realiza este o seu trabalho, ou seja, não se relaciona de forma instintiva com a natureza, conforme o exemplo de Marx do trabalho da aranha e da abelha que realizam o mesmo trabalho sem modificar a natureza e a sua própria natureza (MARX, 2006, p. 211), mas sim, transformando-a ao mesmo tempo. O ser social [...] não transforma apenas o material sobre o qual opera; ele imprime ao material o projeto que tinha conscientemente em mira, o qual constitui a lei determinante de seu modo de operar e ao qual tem de subordinar sua vontade. E essa subordinação não é um ato fortuito. Além do esforço dos órgãos que trabalham, é mister a vontade adequada que se manifesta através da atenção durante todo o curso do trabalho (MARX, 2006, p. 212). Portanto, o trabalho, tido em Marx, é o principal ponto mediador entre o ser social e a natureza e o ser social e a própria sociedade (PONTES, 2002) e as relações sociais são estabelecidas através dessa relação e inter-relação. Deste modo, esta mediação é uma atividade transformadora da realidade social. Ao projetar finalidades na mente para determinada ação, os indivíduos utilizam da categoria mediação 6 para objetivar no mundo real suas ações e, ainda, escolhe dentre elas a melhor que expresse a satisfação de suas necessidades, como por exemplo, um indivíduo ao encontrar um toco de madeira, pode projetar na sua mente várias utilidades para este mesmo toco (construir um banco, uma canoa, um utensílio, uma ferramenta etc.). Ao escolher e projetar a construção de uma canoa, por exemplo, e em conformidade a sua utilidade (atravessar um rio), determina uma finalidade prévia. Tendo em mente esta finalidade, ele realiza (objetiva), através do trabalho, a sua ação: a construção da canoa. 6 Sobre esta categoria, ver a obra de PONTES, Reinaldo Nobre. Mediação e Serviço Social. São Paulo: Cortez, Nessa obra, Reinaldo Nobre Pontes esclarece teórica e didaticamente a categoria de mediação, fundamentado nas idéias filosóficas de Hegel, Marx e Lukács.

11 11 Marx (2006) chamou a atenção para as características teleológicas do trabalho que podem ser entendidas como um processo da atividade humana operada para uma determinada transformação, subordinada a um determinado fim e atua por meio do instrumental de trabalho: [...] o processo extingue-se ao concluir-se o produto (MARX, 2006, p. 214). Conforme o exemplo apresentado por Marx (2006, p. 211), a aranha constrói a sua teia desde a Antiguidade da mesma forma. O joão-de-barro constrói a sua casa do mesmo jeito desde sua origem, mas o ser humano cria, destrói e recria formas diferenciadas de objetos e, pó sua vez, cria também novas necessidades. Assim, [...] o homem afirma-se como ser criador: não só como indivíduo pensante, mas como indivíduo que age consciente e racionalmente, visto que o trabalho é atividade prático-concreta e não só espiritual. [...] Ao transformar a realidade, o homem transforma a si próprio: o processo de criação, do ponto de vista do sujeito, é processo de autocriação humana (IAMAMOTO, 2006, p. 41). O trabalho é a categoria fundante do ser social, permanece como pressuposto da existência humana. É condição necessária e natural do intercâmbio material entre os indivíduos e a natureza e daqueles que vivem em sociedade. Considerações Finais Ao pensarmos o ser social na atualidade, inserido num mundo de relações e interrelações sociais cada vez mais alienadas e alienantes e, dadas as circunstâncias em que se coloca na e para a vida cotidiana, num universo de relações, em grande medida, mercantilizadas e mercantilizadoras, estabelece o processo de alienação que propicia a subsunção das características ontológicas, passando a ser tratado como mera coisa ou objeto. Podemos dizer que as condições e contradições que lhes são impostas pela sociedade do capital e do consumo desenfreado, impedem ao indivíduo sair do estado de alienação e estranhamento em que, muitas vezes se encontra, ou mesmo de enxergar outras possibilidades de liberdade.

12 12 É pela atividade do trabalho que ocorre o despertar das forças da natureza humana. Na medida em que o ser social se apropria dessas forças e através do trabalho, criam e satisfaz suas próprias necessidades sociais. Na concepção marxiana e marxista é esta relação que estabelece o processo de humanização e hominização do ser social, portanto, o trabalho é condição constitutiva da essência humana. O trabalho, enquanto categoria ontológica fundante do ser social, é a manifestação da liberdade, da capacidade humana de criar a sua própria existência. Não se trata, certamente, de uma liberdade infinita porque a produção está sempre relacionada com as condições materiais e com as necessidades a ser criadas. É pelo trabalho que novos modos de vidas e culturas surgiram e, com eles, a civilização. A caça e a pesca juntaram-se à agricultura e mais tarde a fiação, a tecelagem, a manipulação dos metais, a olaria, a navegação, enfim, novas aragens foram sendo descobertas, novas culturas, novas formas de relações sociais. Por outro lado, o comércio e os ofícios, as artes, a filosofia e as ciências. Das tribos, surgiram os pequenos aglomerados, as cidades, as nações e os Estados. Destes complexos sociais, surge a necessidade de criar regras e normas para a vida em sociedade. Surge a ética, o direito, a ideologia e a política e, com eles, a religião e o poder. No auge do desenvolvimento das forças produtivas, constitui-se o modo de produção capitalista e, com ele, a exploração do homem pelo homem e, assim, a contradição, a exploração e alienação do próprio ser social frente aos apelos contínuos do capital. Portanto, neste artigo, buscamos de forma sintética apresentar alguns apontamentos sobre as bases ontológicas do ser social, observando o trabalho como condição sine qua non do desenvolvimento social e individual do ser social.

13 13 REFERÊNCIAS ANDRADE, Carlos Drummond de. Alguma Poesia. Ed. Pindorama, 1930, disponível em: BARROCO, Maria Lucia S. Ética e Serviço Social: fundamentos sócio-históricos. São Paulo: Cortez, Os fundamentos sócio-históricos da ética. Brasília: CEAD, 1999, p CAVALLI, Michelle. A categoria mediação e o processo de trabalho no Serviço Social: uma relação possível. V Encontro de Iniciação Cientifica, v. 5, HELLER, Agnes. O Cotidiano e a História. Trad. Carlos Nelson Coutinho e Lenadro Konder. São Paulo: Paz e Terra, IAMAMOTO, Marilda Villela. Trabalho e indivíduo social. 2ª edição. São Paulo: Cortez, LESSA, Sergio. O processo de produção/reprodução social: trabalho e sociabilidade. Brasília: CEAD, 1999, p MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro I, Vol. I. 24ª ed. Trad. Reginaldo Sant Anna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Para a Crítica da Economia Política. Trad. Edgard Malagodi. São Paulo: Nova Cultural, (Coleção: Os Pensadores). MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã: crítica da novíssima filosofia alemã em seus representantes Fererbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. Org., trad., prefácio e notas de Marcelo Backes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, PONTES, Reinaldo Nobre. Mediação e Serviço Social: um estudo preliminar sobre a categoria teórica e sua apropriação pelo Serviço Social. 3ª ed. São Paulo: Cortez, VERONEZE, Renato Tadeu. As reflexões estéticas na perspectiva lukasciana: uma expressão ontológica da realidade social. Pesquisa realizada pelo Programa de Iniciação Científica do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé UNIFEG. Guaxupé: UNIFEG, Introdução ao pensamento filosófico em Marx: a ontologia do ser social. Monografia apresentada ao curso de pós-graduação latus sensus da Pontifícia Universidade Católica PUC/Minas, campus de Poços de Caldas/MG, como pré-requisito para a obtenção do título de especialista em Desafios da Filosofia Contemporânea, sob orientação do Prof. Dr. Gérson Pereira Filho e da Profª. Msª. Cláudia Ferreira Galvão. Poços de Caldas: PUC/MG, 2011.

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista As determinações do trabalho no modo de produção capitalista Amanda Larissa Magalhães Ferreira 1 Luciene de Barros correia Teotonio 2 Sanney Karoliny Calixto Barbosa 3 Resumo: O presente artigo tem como

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

TRABALHO E O FENÔMENO DA ALIENAÇÃO NA PRÁXIS SOCIAL

TRABALHO E O FENÔMENO DA ALIENAÇÃO NA PRÁXIS SOCIAL TRABALHO E O FENÔMENO DA ALIENAÇÃO NA PRÁXIS SOCIAL Marcela Carnaúba Pimentel 1 RESUMO No decorrer deste texto apresentaremos o resultado de uma prévia investigação acerca trabalho e o fenômeno da alienação

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

O PROCESSO DE PRODUÇÃO/REPRODUÇÃO SOCIAL; TRABALHO E SOCIABILIDADE 1

O PROCESSO DE PRODUÇÃO/REPRODUÇÃO SOCIAL; TRABALHO E SOCIABILIDADE 1 Texto ABESS 23/06/06 18:35 1 O PROCESSO DE PRODUÇÃO/REPRODUÇÃO SOCIAL; TRABALHO E SOCIABILIDADE 1 Qual a relação entre os homens e a natureza? O que torna o ser social distinto da natureza? Por que o trabalho

Leia mais

Fundamentos Ontológicos do trabalho em Marx: trabalho útil - concreto e trabalho abstrato

Fundamentos Ontológicos do trabalho em Marx: trabalho útil - concreto e trabalho abstrato Fundamentos Ontológicos do trabalho em Marx: trabalho útil - concreto e trabalho abstrato MARIANA CORREIA SILVA SABINO Universidade Federal de Alagoas UFAL RESUMO O presente artigo discorre sobre os Fundamentos

Leia mais

A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO NA CONSTITUIÇÃO DO SER SOCIAL 1

A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO NA CONSTITUIÇÃO DO SER SOCIAL 1 A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO NA CONSTITUIÇÃO DO SER SOCIAL 1 Ana Paula Leite Nascimento 2 Ingredi Palmieri Oliveira Maria Auxiliadora Silva Moreira Oliveira Resumo Este trabalho realizou uma análise

Leia mais

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Juversino Júnior Lisandro Braga "Em lugar da mercadoria aparecer como resultado de relações sociais enquanto relações de produção, ela aparece como um bem que

Leia mais

UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO. Key-words: Social Work, Work Category, Work, Labour

UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO. Key-words: Social Work, Work Category, Work, Labour 1 UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO Patricia da Silva Monteiro *. Jocelina Alves de Souza Coelho ** Elaine Nunes da Silva *** RESUMO O Serviço Social não é uma profissão que

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética

1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética Ética e linguagem: uma perspectiva marxista Renato Campos Pordeus Mestrando pelo Departamento de Filosofia da UFPE 1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética A compreensão do homem,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA 118 Introdução A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA Ana Flavia Luca de Castro Uni-FACEF Bianca Nogueira Mattos Uni-FACEF Eliana Bolorino Canteiro Martins Uni-FACEF Iara

Leia mais

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO.

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. Marcelo Lira Silva Tentarei neste breve ensaio levantar alguns aspectos da construção gnósioontológico de um dos pensadores marxistas

Leia mais

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA?

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? 1 Ivo Tonet* 1. Introdução Costuma-se associar o termo teoria crítica à Escola de Frankfurt. Contudo, no presente texto, nosso objetivo não é discorrer sobre a teoria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional

O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional Autoras: Valdenice José Raimundo 1 Sandra Carla Lima 2 Ana Claudia Galvão Matos 3

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA CATEGORIA MEDIAÇÃO PARA O SERVIÇO SOCIAL

A IMPORTÂNCIA CATEGORIA MEDIAÇÃO PARA O SERVIÇO SOCIAL A IMPORTÂNCIA CATEGORIA MEDIAÇÃO PARA O SERVIÇO SOCIAL Autoras: Josiane Moraes 1 e Maria Lúcia Martinelli 2 Eixo temático nº III: Intelectualidade e política: desafios nas ciências sociais e no Serviço

Leia mais

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Sylvio Marinho da Pureza Ramires (UFAL) 1 RESUMO O objetivo deste artigo é evidenciar os efeitos

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global

Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global Individualidade pessoal de classe e genericidade humana Notas teórico criticas Nosso objetivo é esclarecer (e desenvolver) alguns elementos categoriais utilizados na aula 5 a análise crítica do filme Morte

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

O HUMANISMO DE KARL MARX: O TRABALHO NA HISTÓRIA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO HOMEM

O HUMANISMO DE KARL MARX: O TRABALHO NA HISTÓRIA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO HOMEM O HUMANISMO DE KARL MARX: O TRABALHO NA HISTÓRIA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO HOMEM Felipe Gustavo Soares da Silva 1 RESUMO Muitas críticas são tecidas já a algum tempo acerca da concepção do trabalho na sociedade

Leia mais

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA Resumo Ademir Aparecido Pinhelli Mendes 1 NESEF/UFPR/UNINTER Geraldo Balduíno Horn 2 NESEF/PPGE//UFPR Grupo de Trabalho

Leia mais

3. KARL MARX (e a critica à consciência moderna)

3. KARL MARX (e a critica à consciência moderna) 3. KARL MARX (e a critica à consciência moderna) Não é a consciência dos homens que determina o seu ser, mas, ao contrário, é o seu ser social que determina a sua consciência a) O Materialismo Histórico

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS Trabalho: mediador do metabolismo social entre ser humano e natureza e elemento central do processo de formação dos seres humanos Caio Antunes (Professor da Universidade

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL Resumo Este artigo analisa os limites e as possibilidades históricas à educação omnilateral. Trata se de um ensaio teóricofilosófico sobre o conceito

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

Pensamento Marxista e a Educação na Sociedade Capitalista Atual

Pensamento Marxista e a Educação na Sociedade Capitalista Atual 1 Pensamento Marxista e a Educação na Sociedade Capitalista Atual DINIZ, Rosemeri Birck - Universidade Federal do Tocantins. rosebirck@uft.edu.br SOUZA, Raquel Aparecida. Universidade Federal do Tocantins.

Leia mais

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO.

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. 1 IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. André Talhamento - UFPel Eixo 5: Trabalho-educação e a formação dos trabalhadores

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Escola Cidade/Campo; APP- sindicato;

Palavras-chave: Formação de professores; Escola Cidade/Campo; APP- sindicato; 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES DAS ESCOLAS DAS CIDADES/CAMPO: A CONTRIBUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DE MARINGÁ PR (APP-SINDICATO) Rozenilda Luz Oliveira de Matos 1 Maria Edi da Silva Comilo 2 Resumo

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda.

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. AUTORA: Sandra Maria Zanello de Aguiar. CREDENCIAIS DO AUTOR: Mestre em Serviço Social-PUC/São Paulo; Professora do Curso de Serviço Social da Universidade

Leia mais

TRABALHO: atividade vital, exploração e alienação - uma análise à luz da teoria marxista.

TRABALHO: atividade vital, exploração e alienação - uma análise à luz da teoria marxista. TRABALHO: atividade vital, exploração e alienação - uma análise à luz da teoria marxista. Meyriana Bezerra Leite 1 Jamile de Lima Santos 2 RESUMO: Compreender o trabalho na contemporaneidade requer percebê-lo

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE

A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo O Serviço

Leia mais

TRABALHO E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE DO CAPITAL

TRABALHO E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE DO CAPITAL TRABALHO E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE DO CAPITAL Resumo Ítalo Andrade Lima Graduado em Filosofia pela UECE italoandrad27@hotmail.com Esta pesquisa tem por objetivo abordar o trabalho em sua forma particular,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E EMANCIPAÇÃO SOCIAL

DIREITOS HUMANOS E EMANCIPAÇÃO SOCIAL DIREITOS HUMANOS E EMANCIPAÇÃO SOCIAL Alexandre Aguiar dos Santos* É o desenvolvimento do ser social que possibilita o surgimento de categorias essenciais para o entendimento da sociedade. O fundamento

Leia mais

O CONCEITO DE PERSONALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PSICOLOGICA HISTÓRICO-CULTURAL. Marilda Gonçalves Dias Facci UEM mgdfacci@uem.

O CONCEITO DE PERSONALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PSICOLOGICA HISTÓRICO-CULTURAL. Marilda Gonçalves Dias Facci UEM mgdfacci@uem. 1 O CONCEITO DE PERSONALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PSICOLOGICA HISTÓRICO-CULTURAL Luiza Almeida Xavier UEM luiza.ax@hotmail.com - CNPq Marilda Gonçalves Dias Facci UEM mgdfacci@uem.br Introdução O

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL.

EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL. EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL. RESUMO STIVAL, Maria Cristina Elias Esper cristinaelias@terra.com.br

Leia mais

TRABALHO E ENSINO EM MARX-ENGELS E GRAMSCI:

TRABALHO E ENSINO EM MARX-ENGELS E GRAMSCI: TRABALHO E ENSINO EM MARX-ENGELS E GRAMSCI: APONTAMENTOS PARA UMA CRÍTICA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO. José Nilton Alves Pereira Júnior Professor do Instituto Federal de Educação

Leia mais

PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO: UM ESTUDO À GUISA DE INTRODUÇÃO AOS PRESSUPOSTOS ONTO-HISTÓRICOS

PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO: UM ESTUDO À GUISA DE INTRODUÇÃO AOS PRESSUPOSTOS ONTO-HISTÓRICOS 1 PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO: UM ESTUDO À GUISA DE INTRODUÇÃO AOS PRESSUPOSTOS ONTO-HISTÓRICOS POLIANA SILVEIRA FONTELES 1 EMANOELA TERCEIRO 2 Resumo: O presente trabalho vincula-se às atividades do projeto

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2 2 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: REFLETINDO SOBRE AS POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL E DE DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIAS E/OU DIFICULDADES ESCOLARES Profº Dr. Irineu A. Tuim Viotto

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA

A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA Devalcir Leonardo (UNESPAR Campus Campo Mourão) devalcirleonardo@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1 EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE Ivo Tonet Introdução É lugar-comum afirmar que a humanidade está vivenciando, atualmente, uma crise de gravíssimas proporções. Crise que não afeta apenas algumas, mas todas as

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES

CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES Secretaria Nacional de Formação Política do Partido Comunista Brasileiro Introdução CURSO DE INICIAÇÃO PARTIDÁRIA CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES A definição de classe social fornecida por Lênin deixa

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. AUTORES DO TEXTO: Islânia Lima da Rocha; Jeovânia Pereira dos Santos

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. AUTORES DO TEXTO: Islânia Lima da Rocha; Jeovânia Pereira dos Santos III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TEXTO: Islânia Lima da Rocha; Jeovânia Pereira dos Santos Cotidianidade e ser social: algumas reflexões sobre o Serviço Social RESUMO: Este artigo

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

ARTIGO REFLEXÕES SOBRE A VIDA SENSÍVEL DO CORPO TRABALHADOR NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA

ARTIGO REFLEXÕES SOBRE A VIDA SENSÍVEL DO CORPO TRABALHADOR NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA ARTIGO REFLEXÕES SOBRE A VIDA SENSÍVEL DO CORPO TRABALHADOR NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA Sandro de Mello Justo 1 sandro.mellojusto@gmail.com Resumo Falar em revolução hoje em dia está fora de moda.

Leia mais

O universo do mundo do trabalho e a profissão de Serviço Social

O universo do mundo do trabalho e a profissão de Serviço Social Anais do IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina ISSN: 2177-9503 Imperialismo, nacionalismo e militarismo no Século XXI 14 a 17 de setembro de 2010, Londrina, UEL GT 3. Classes sociais e transformações

Leia mais

RESENHA O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC

RESENHA O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC RESENHA O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC, de Maria Izabel da Silva. Florianópolis, Editora da UFSC, 2010, 152 p., ISBN 978-85-328-0372-6. Numa época de profundas transformações no mundo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA Resumo PARRA, Silvia 1 - SEEDPR Grupo de Trabalho - Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação. Agência Financiadora:

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO Solange Toldo Soares 1 Jussara das Graças Trindade 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO Solange Toldo Soares 1 Jussara das Graças Trindade 2 1 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E SUA DUPLA DIMENSÃO NO CAPITALISMO Solange Toldo Soares 1 Jussara das Graças Trindade 2 Introdução O princípio educativo do trabalho é uma temática muito debatida

Leia mais

2 Assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela PUC-SP, Professora da

2 Assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela PUC-SP, Professora da A INSTRUMENTALIDADE NO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL 1 Yolanda Guerra 2 INTRODUÇÃO A primeira vista, o tema instrumentalidade no exercício profissional do assistente social parece ser algo referente ao

Leia mais

DESIGUALDADE SOCIAL E CAPITALISMO: os limites da igualdade sob a ordem burguesa

DESIGUALDADE SOCIAL E CAPITALISMO: os limites da igualdade sob a ordem burguesa DESIGUALDADE SOCIAL E CAPITALISMO: os limites da igualdade sob a ordem burguesa Joseane Gomes Figueiredo 1 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo discutir as raízes materiais da desigualdade social

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

Fundamentos e Tendências da Educação: perspectivas atuais

Fundamentos e Tendências da Educação: perspectivas atuais Fundamentos e Tendências da Educação: perspectivas atuais Poplars on the River Epte Claude Monet, 1891 Vandeí Pinto da Silva NEPP/PROGRAD ... as circunstâncias fazem os homens tanto quanto os homens fazem

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE QUESTÃO SOCIAL E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE CAPITALISTA

RELAÇÃO ENTRE QUESTÃO SOCIAL E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE CAPITALISTA RELAÇÃO ENTRE QUESTÃO SOCIAL E ALIENAÇÃO NA SOCIEDADE CAPITALISTA Marcela Carnaúba Pimentel 1 Resumo: Este texto apresenta uma reflexão acerca da relação entre a questão social e o fenômeno da alienação

Leia mais

ASPECTOS ÉTICO-POLÍTICO-PROFISSIONAIS DO SERVIÇO SOCIAL E A QUESTÃO DA DIVERSIDADE SÓCIO-CULTURAL.

ASPECTOS ÉTICO-POLÍTICO-PROFISSIONAIS DO SERVIÇO SOCIAL E A QUESTÃO DA DIVERSIDADE SÓCIO-CULTURAL. ASPECTOS ÉTICO-POLÍTICO-PROFISSIONAIS DO SERVIÇO SOCIAL E A QUESTÃO DA DIVERSIDADE SÓCIO-CULTURAL. Maria Inez Barboza Marques 1 RESUMO: O contexto contemporâneo exige que profissionais de diferentes áreas

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX ROSA, Aline Azevedo 1 DELGADO, Valéria 2 MARTINS, Eduardo 3 RESUMO Este artigo abordará a temática acerca da disciplina sociologia da educação. Esta disciplina

Leia mais

ÉTICA E DIREITOS HUMANOS

ÉTICA E DIREITOS HUMANOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL - FASSO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL DESSO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL E DIREITOS SOCIAIS PPGSS Campus Central

Leia mais

Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social

Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social Gabriela da Silva 1 Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social Resumo: nesta comunicação procuro analisar, quais relações existem entre as políticas públicas

Leia mais

O Trabalho e a Formação do Ser Social: a aparência da autonomia RESUMO

O Trabalho e a Formação do Ser Social: a aparência da autonomia RESUMO O Trabalho e a Formação do Ser Social: a aparência da autonomia Michelle Guerra Vale (Universidade Estadual do Ceará) E-mail: mguerravale@gmail.com Ruth Maria de Paula Gonçalves (Universidade Estadual

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA NA FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA NA FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA NA FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Raimundo de Moraes 1. RESUMO O presente texto faz uma reflexão sobre a necessidade do estudo da ética na formação de recursos humanos, visto que a

Leia mais

TRABALHO, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA: A centralidade da Teoria da Alienação em Marx no enfrentamento dos dilemas da educação*

TRABALHO, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA: A centralidade da Teoria da Alienação em Marx no enfrentamento dos dilemas da educação* 1 TRABALHO, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA: A centralidade da Teoria da Alienação em Marx no enfrentamento dos dilemas da educação* Jacqueline Aline Botelho Lima ** - jacque_botelho@yahoo.com.br O problema

Leia mais

Marx e Lukács: a relação sociedade e natureza

Marx e Lukács: a relação sociedade e natureza Marx e Lukács: a relação sociedade e natureza 6º COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS GT 1 - A obra teórica de Marx Thiago Brito 1 As questões sobre a relação sociedade e natureza em Marx não se encontram

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Resumo: Esse estudo visa refletir sobre algumas questões referentes à formação de professores

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Trabalho, logo existo!

Trabalho, logo existo! Trabalho, logo existo! Maurício Santos da Luz Graduando em filosofia pela Unioeste Introdução A filosofia se debateu durante muitos séculos, e ainda se debate, para responder a seguinte questão: de onde

Leia mais

EMANCIPAR-SE PARA EMANCIPAR: LIBERDADE AINDA QUE TARDIA. Para emancipar emanciparse: "LIBERTAD AÚN QUE TARDE"

EMANCIPAR-SE PARA EMANCIPAR: LIBERDADE AINDA QUE TARDIA. Para emancipar emanciparse: LIBERTAD AÚN QUE TARDE EMANCIPAR-SE PARA EMANCIPAR: LIBERDADE AINDA QUE TARDIA Para emancipar emanciparse: "LIBERTAD AÚN QUE TARDE" To emancipate emancipate themselves: "Freedom still that late" VERONEZE, Renato Tadeu 1 Com

Leia mais

Palavras-chave: Educação; Funções Psicológicas Superiores; Consciência

Palavras-chave: Educação; Funções Psicológicas Superiores; Consciência AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PSICOLÓGICA SÓCIO HISTÓRICA PARA A EDUCAÇÃO E A CONSTITUIÇÃO DOS PROCESSOS E FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES E DA CONSCIÊNCIA Mara Silvia Cabral de Melo Kato marakatto@yahoo.com.br

Leia mais

Fundamentos éticos do Serviço Social

Fundamentos éticos do Serviço Social Fundamentos éticos do Serviço Social Maria Lúcia Silva Barroco Professora de Ética Profissional PUC/SP Fundamentos éticos do Serviço Social Introdução Há cerca de duas décadas ocorre com a ética um fenômeno

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS OS FUNDAMENTOS MARXISTAS E GRAMSCIANOS À LUZ DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO ENSINO MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO Problematização Juliana Gimenes Gianelli

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE À LUZ DA PERSPECTIVA MATERIALISTA- HISTÓRICA Luciete Valota Fernandes IP-USP Agência Financiadora: CAPES

O TRABALHO DOCENTE À LUZ DA PERSPECTIVA MATERIALISTA- HISTÓRICA Luciete Valota Fernandes IP-USP Agência Financiadora: CAPES O TRABALHO DOCENTE À LUZ DA PERSPECTIVA MATERIALISTA- HISTÓRICA Luciete Valota Fernandes IP-USP Agência Financiadora: CAPES 1) Trabalho, trabalho abstrato, trabalho produtivo e improdutivo Concebemos este

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária.

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária. AS TESES DE MARX SOBRE FEUERBACH: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE ERNST BLOCH Larissa Klosowski de Paula Prof. Dr. Roberto Leme Batista (Orientador) Universidade Estadual do Paraná UNESPAR Campus de Paranavaí

Leia mais

Rio de Janeiro. Ed. Civilização Brasileira. p. 182. Citação da obra Ideias Estéticas de Marx de Adolfo Sánchez Vázquéz, 1968, p. 221.

Rio de Janeiro. Ed. Civilização Brasileira. p. 182. Citação da obra Ideias Estéticas de Marx de Adolfo Sánchez Vázquéz, 1968, p. 221. VIII Colóquio Internacional Marx e Engels - 2015 Título: Trabalho produtivo e improdutivo: a atividade artística musical e os fundamentos de sua precariedade Autor: Fábio Luiz Tezini Crocco - Professor

Leia mais