O HIV no Mundo Lusófono

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O HIV no Mundo Lusófono"

Transcrição

1 3º CONGRESSO VIRTUAL HIV / AIDS 1 O HIV no Mundo Lusófono Fenotipagem CD4+/CD8+/CD3+ em 133 doentes seropositivos (HIV) para inicio de terapêutica antiretroviral, em Moçambique. Casanovas, J. (*), Folgosa, E.(**) (*) Director Técnico da UNIV (**) Chefe do Departamento Académico de Microbiologia da Faculdade de Medicina Unidade de Imunodiagnóstico Viral (UNIV), Departamento Académico de Microbiologia, Faculdade de Medicina de Maputo. Palavras Chave : Fenotipagem CD4+/CD8+/CD3+, HIV, Tratamento anti retroviral, Moçambique, Unidade de Imunodiagnóstico Viral (UNIV), Faculdade de Medicina, Citometria de Fluxo, 133 pacientes. Introdução Moçambique dispõe de um Serviço Nacional de Saúde desde a Independência, mas o aparecimento do HIV veio agravar o estado de saúde da população. Apesar dos esforços do Governo e de muitas organizações internacionais ligadas á problemática HIV/SIDA, a infecção pelo HIV continua a sua progressão em todo o país, atingindo níveis preocupantes. Presentemente estima-se que a contaminação diária atinja cerca de 500 indivíduos de ambos os sexos, calculando-se que 1,3 milhões de pessoas estejam contaminados em Moçambique. O Governo tem vindo a fazer um esforço, juntamente com muitas organizações internacionais, para criar condições de apoio económico que permitam iniciar o TARV em grupos de população pré definidos. Para poder realizar os exames laboratoriais indispensáveis á monitorização terapêutica, foi criado o LBM na FMM, onde são avaliadas as cargas virais do HIV tipo 1, bem como as fenotipagens CD4/CD8/CD3. Objectivo Analisar a casuística do Laboratório de Biologia Molecular (LBM) da Unidade de Imunodiagnóstico Viral (UNIV) do Departamento Académico de Microbiologia da Faculdade de Medicina de Maputo (FMM) Moçambique, relativamente ao estudo dos linfócitos T para início de terapêutica antiretroviral (TARV).

2 2 Materiais e métodos Foram analisados os resultados obtidos de linfócitos T CD4 e T CD8, em valores percentuais e absolutos, juntamente com o racio CD4/CD8, em pacientes oriundos da consulta externa do Hospital Central de Maputo, do Hospital José Macamo e de algumas clínicas privadas. A UNIV dispõe de uma base de dados informatizada, onde são guardados todos os resultados provenientes da análise por Citometria de Fluxo. É elaborado para o clínico um boletim de resultados que permite a comparação evolutiva até 6 vindas por cada paciente, onde também é referido o esquema terapêutico em curso. De Março a Agosto do corrente ano, em todas as amostras processadas no laboratório da UNIV, foram estudados os linfócitos T, com o objectivo de poder iniciar TARV, encontrandose alguns pacientes já em seguimento clínico, com resultados de 2 ou mais colheitas. Os resultados foram distribuídos em três grupos relativamente ao número de linfócitos T CD4+, < 200, 201 a 350 e > 350, de acordo com as Guidelines para o uso de ARV na infecção pelo HIV em adultos e adolescentes, colectada pelo DHHS Department of Health and Human Services, juntamente com a Fundação Familiar de Henry J. Kaiser. Foram considerados os factores, idade, sexo e raça. Todos os pacientes analisados nunca tinham feito qualquer tratamento com ARV. O controlo laboratorial estabelecido, apesar de estar previsto para intervalos de 3 meses, teve uma oscilação entre 3 e 5 meses. A quantificação das virémias plasmáticas (carga viral) HIV-1 não será aqui analisada em virtude de não ter sido determinada em todos os casos, por motivos de dificuldades económicas. Foram analisados os seguintes parâmetros : idade, sexo, raça, grupo de distribuição do valor absoluto de linfócitos TCD4+ e evolução deste valor após início de TARV. As células CD4 e CD8 foram analisadas e quantificadas por Citometria de Fluxo usando o equipamento FACSCalibur da Becton Dickinson (BD). É um sistema automatizado de quatro cores. Foi usada uma marcação tripla de anticorpos monoclonais para CD4, CD8 e CD3. Nesta técnica usámos uma metodologia de lise-sem-lavagem, e as células foram analisadas através da software próprio, Multitest da BD, integrado no equipamento. As contagens foram executadas em plataforma única (um só equipamento) através do recurso ao uso de tubos de contagens absolutos Trucount.

3 3 Resultados / Discussão Durante o período de Março a Agosto de 2002, realizaram-se, na Unidade de Imunodiagnóstico Viral da FMM, 133 determinações de fenotipagem CD4/CD8/CD3 no sangue total de pacientes seropositivos para HIV, dos quais 54 do sexo feminino e 46 do sexo masculino (ver gráfico 1). Gráfico 1. Distribuição e percentagem dos doentes estudados por sexo 61(46) 72(54) Masculino Feminino A média de idades foi de 38,9 anos com uma variação de 2 a 65 anos. Reportando-nos ás idades dos pacientes, a sua distribuição é a que encontra-se representada no gráfico 2.

4 4 Gráfico 2. Distribuição e percentagem dos doentes por grupo etário Nº <20 20 a a 39 >40 Grupo etário 0.0 nº A distribuição por etnias, como era de prever, indicou que dos 133 doentes estudados, 111 (83) eram negros, 13 brancos (10) e 9 mestiços (7). Relativamente ao total de linfócitos T CD4+, os valores encontrados foram distribuídos em três grupos, cuja representação se mostra no gráfico Gráfico 3. Distribuição e percentagem do valor total de linfócitos T CD4+ nas 133 amostras analisadas No de amostras < a 350 >350 No de Linfocitos T CD4+ nº

5 5 No presente, já se encontram sob controlo laboratorial com 2 ou mais vindas, 19 doentes o que corresponde a 14,3 dos pacientes. Todos os doentes foram submetidos a tratamento HAART High Activity Anti Retroviral Terapy, com associações de INRT(INNRT)/IP - inibidores nucleosidos de transcriptase reversa, inibidores não nucleosidos de transcriptase reversa e inibidores de protease, adaptadas a cada caso. Conclusão A primeira conclusão que se pode retirar da análise das idades dos pacientes, referese ao facto de o grupo dos jovens adultos (20 a 29 anos) ser de 16,6 o que o torna significativamente menor comparativamente com o dos adultos (30 a 65 anos), o qual representa 81,2 da população estudada. Uma possível causa poderá estar relacionada com a receptividade da informação relativa ao uso de preservativo ter muito mais aceitação nos jovens que na população com mais idade, a qual devido a hábitos e costumes mais antigos possa ser mais descuidada com a prática de relações sexuais protegidas. Relativamente á análise dos números em função de masculino e feminino, vamos encontrar uma relevância para o sexo feminino (54) relativamente ao masculino (46), números que condizem com as informações do Ministério da Saúde que reporta uma maior prevalência da infecção nas mulheres. Se considerarmos o patamar das 350 células por microlitro de sangue, constata-se que 64,7 (86) dos pacientes se encontram abaixo desse valor e portanto em situação clínica mais grave, o que poderá representar que são estes pacientes que mais procuram a consulta médica nos centros de tratamento do HIV/SIDA. No entanto, devido ás campanhas intensivas de aconselhamento ao despiste do HIV, 35,3 (47) dos pacientes com sintomatologia menos grave (CD4 > 350 células) já iniciaram o TARV. O doseamento dos linfócitos CD4/CD8/CD3, por ser bastante mais económico comparativamente com a avaliação das cargas virais e ter uma resposta laboratorial inferior a 24 horas, revela-se assim um parâmetro muito importante no controlo da evolução da infecção, quando não é possível financeiramente efectuar a avaliação laboratorial completa.

6 UNIV Unidade de Imunodiagnóstico Viral Departamento Académico de Microbiologia Faculdade de Medicina de Maputo - Moçambique José Casanovas, Tel : RESUMO Moçambique dispõe de um Serviço Nacional de Saúde desde a Independência, mas o aparecimento do HIV veio agravar o estado de saúde da população. Apesar dos esforços do Governo e de muitas organizações internacionais ligadas á problemática HIV/SIDA, a infecção pelo HIV continua a sua progressão em todo o país, atingindo níveis preocupantes. Presentemente estima-se que a contaminação diária seja de cerca de 500 indivíduos de ambos os sexos, calculando-se que 1,3 milhões de pessoas estejam contaminados em Moçambique. O Governo tem vindo a fazer um esforço, juntamente com muitas organizações internacionais, para criar condições de apoio económico que permitam iniciar o TARV em grupos de população pré definidos. Para poder realizar os exames laboratoriais indispensáveis á monitorização terapêutica, foi criado o Laboratório de Biologia Molecular (LBM) na Faculdade de Medicina de Maputo (FMM), onde são avaliadas as cargas virais do HIV tipo 1, bem como as fenotipagens CD4/CD8/CD3. De Março a Agosto do corrente ano, foram estudados os linfócitos T em 133 pacientes, com vista ao início de TARV, encontrando-se alguns deles já em seguimento clínico, com resultados de 2 ou mais colheitas. Os resultados foram distribuídos em três grupos relativamente ao número de linfócitos T CD4+, < 200, 201 a 350 e > 350, de acordo com as Guidelines para o uso de ARV na infecção pelo HIV em adultos e adolescentes, colectada pelo DHHS Department of Health and Human Services, juntamente com a Fundação Familiar de Henry J. Kaiser. Foram considerados os factores, idade, sexo e raça. Todos os pacientes analisados nunca tinham feito qualquer tratamento com ARV. O controlo laboratorial estabelecido, apesar de estar previsto para intervalos de 3 meses, teve uma oscilação entre 3 e 5 meses. A quantificação das virémias plasmáticas (carga viral) HIV-1 não será aqui analisada em virtude de não ter sido determinada em todos os casos, por motivos de dificuldades económicas.

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

VIH-SIDA - SITUAÇÃO ACTUAL

VIH-SIDA - SITUAÇÃO ACTUAL VIH-SIDA - SITUAÇÃO ACTUAL 1 Quadro Institucional Estratégias : Até 22 Sanitarização da abordagem Depois de 22 Multisectorialidade e Descentralização Prevalência do VIH (%), em adultos dos 15-49 anos,

Leia mais

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo COGESPA 2016 PREVENÇÃO Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo Diminuir a incidência de HIV/Aids entre as mulheres

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM (Noite)

Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) 1. O cladograma representa, de forma simplificada, o processo evolutivo de diferentes grupos de vertebrados. Nesses organismos,

Leia mais

Coordenadora do laboratório, Assistente-técnico e Bioquímicos dos setores de Imunologia.

Coordenadora do laboratório, Assistente-técnico e Bioquímicos dos setores de Imunologia. POP L56 Página 1 de 6 1. Objetivo: Estabelecer procedimentos para realização de testes em paralelo para troca de lote de reagentes para HIV ARCHITECT, HIV ORAQUICK, HIV DUO ELFA, CD4/CD8, CT/NG e RNA-HIV

Leia mais

Médicos do Mundo Prevenção do VIH para pessoas que vivem com VIH

Médicos do Mundo Prevenção do VIH para pessoas que vivem com VIH Médicos do Mundo Prevenção do VIH para pessoas que vivem com VIH Mwivano Victoria Malimbwi Intervenções de prevenção para pessoas que vivem com VIH Alargamento de programas de prestação de cuidados e tratamento

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ

TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ Susana Aidé Profª Adjunto de Ginecologia Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antônio Pedro Carta

Leia mais

Professor: David Vieira Valadão. Biologia

Professor: David Vieira Valadão. Biologia Professor: David Vieira Valadão Biologia 1981 registro de casos atípicos de pneumonia entre homens homossexuais em Los Angeles (EUA). 1983 descoberta de um novo vírus em um paciente com AIDS. 1984 descoberta

Leia mais

doenças coronárias Factores de Risco

doenças coronárias Factores de Risco doenças coronárias Factores de Risco Com vista a maximizar o diagnóstico clínico-laboratorial, o Centro de Medicina Laboratorial Dr. Germano de Sousa, coloca à disposição um painel de parâmetros bioquímicos

Leia mais

3.2 Populações O que é uma população? Quais os atributos de uma população? Tamanho populacional

3.2 Populações O que é uma população? Quais os atributos de uma população? Tamanho populacional 51 Licenciatura em Ciências USP/Univesp 3.2 Populações 3.2.1. O que é uma população? No tópico anterior definimos população como um grupo de indivíduos de uma mesma espécie que ocupam um determinado espaço

Leia mais

Concurso Público FIOCRUZ 2016 Edital 03 - Técnico em Saúde Pública Gabarito Definitivo da Prova Objetiva

Concurso Público FIOCRUZ 2016 Edital 03 - Técnico em Saúde Pública Gabarito Definitivo da Prova Objetiva Perfil: TE3001 Análises Clínicas Perfil: TE3002 Análises microbiológicas de insumos e produtos estéreis para a saúde 1 C 31 E 1 C 31 C 2 A 32 D 2 A 32 B 3 D 33 B 3 D 33 D 4 B 34 A 4 B 34 A 5 C 35 B 5 C

Leia mais

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES CAPITULO VI CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Neste capítulo iremos apresentar as conclusões do presente estudo, tendo também em conta os resultados e a respectiva discussão, descritas no capítulo

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids

SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids Maio 2009, Rio de Janeiro Início da Distribuição de Antirretrovirais

Leia mais

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS INFECÇÃO PELO HIV E AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar?

Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? XVI WORKSHOP INTERNACIONAL DE HEPATITES VIRAIS DE PERNAMBUCO, 2012 Marcos Caseiro Médico Infectologista IIER-II Santos SP Centro de Referência em AIDS de Santos

Leia mais

DEMOGRÁFICO EM MOÇAMBIQUE: OPORTUNID OPOR ADES TUNID

DEMOGRÁFICO EM MOÇAMBIQUE: OPORTUNID OPOR ADES TUNID DIVIDENDO DEMOGRÁFICO EM MOÇAMBIQUE: OPORTUNIDADES E DESAFIOS Carlos Arnaldo Maputo, 18 de Setembro de 2015 Roteiro 1. Introdução; 2. Objectivo e metodologia; 3. O que é o dividendo demográfico? 4. A dinâmica

Leia mais

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene

Leia mais

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil.

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Aula 3 Base racional da portaria 29 de 17/12/2013 SVS/MS A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Ao se elaborar uma portaria para normatizar

Leia mais

CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO

CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO APRESENTAÇÃO DO CURSO A citometria de fluxo (CF) é uma metodologia de aplicabilidade abrangente nas diversas áreas das ciências biológicas, sobretudo

Leia mais

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa Enfermeira, Doutora em Ciências Membro do GEOTB e do GEO-HIV/aids Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Quais imagens temos do HIV? O

Leia mais

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO 1. TRIAGEM SOROLÓGICA - É recomendada a realização de teste anti-hiv com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal; - Enfatiza-se

Leia mais

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR)

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Estudo demográfico: População dos bovinos de raça. Mirandesa

Estudo demográfico: População dos bovinos de raça. Mirandesa Estudo demográfico: População dos bovinos de raça Mirandesa 2012 Autores: Prof. Mário Silvestre Prof.ª Ângela Martins Prof. Jorge Colaço 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Grau de preenchimento da genealogia...

Leia mais

O uso dos testes rápidos como ferramenta efetiva para a saúde pública experiência brasileira

O uso dos testes rápidos como ferramenta efetiva para a saúde pública experiência brasileira O uso dos testes rápidos como ferramenta efetiva para a saúde pública experiência brasileira Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das DST,

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Anexo Tabelas: Resultados do TIA Ministério de Agricultura e Desenvolvimento Rural Michigan State University

Anexo Tabelas: Resultados do TIA Ministério de Agricultura e Desenvolvimento Rural Michigan State University Mortalida em Adultos e s Sobrevivência nas Zonas Rurais Moçambique: Resultados Preliminares e Implicações para os Esforços Mitigação HIV/AIDS Anexo Tabelas: Resultados do TIA 2002 Ministério Agricultura

Leia mais

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese.

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional Procedimento Operacional QUANTIFICAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES LINFOCITÁRIAS CD4/CD8/CD3/CD45 PATRICIA VIANNA BONINI PALMA Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto Centro de Terapia Celular, CRH-HCFMRP-USP Objetivo

Leia mais

PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL

PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL Protocolo de articulação de procriação medicamente assistida elaborado

Leia mais

CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Ao longo deste capítulo, serão apresentados os resultados obtidos bem como a sua discussão, após o tratamento estatístico das variáveis envolvidas no

Leia mais

Alere Determine HIV-1/2. Saber Através do Rastreio. detectar... diagnosticar... determinar...

Alere Determine HIV-1/2. Saber Através do Rastreio. detectar... diagnosticar... determinar... Alere Determine HIV-1/2 Saber Através do Rastreio detectar... diagnosticar... determinar... A prevenção do VIH/SIDA começa com o conhecimento do estado do VIH. A maioria das infecções por VIH é diagnosticada

Leia mais

Informação é a melhor proteção. AIDS

Informação é a melhor proteção. AIDS Informação é a melhor proteção. AIDS AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL

TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL Texto da responsabilidade do Centro de Diagnóstico Prénatal da Maternidade Dr. Alfredo da Costa. Última revisão: Janeiro 2003 AMNIOCENTESE E CORDOCENTESE

Leia mais

Teste Chi-Quadrado de Independência. Prof. David Prata Novembro de 2016

Teste Chi-Quadrado de Independência. Prof. David Prata Novembro de 2016 Teste Chi-Quadrado de Independência Prof. David Prata Novembro de 2016 Duas Variáveis Categóricas Análise de variância envolve o exame da relação entre uma variável categórica explicativa e uma variável

Leia mais

INTRODUÇÃO PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÕES

INTRODUÇÃO PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÕES ONOCOP Hotel Tivoli Marina Vilamoura 19 Novembro 2009 Joana Sousa Dietista Trabalho a ser desenvolvido no âmbito do Doutoramento em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 Brum. C. N. ; Zuge. S. S. ; Ribeiro, A. C. ; Tronco, C. S. ; Tolentino, L. C. ; Santos, É. É. P. ;Padoin, S. M. M.

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais Transmissão Relação sexual Transfusão de sangue Transmissão vertical Acidente de trabalho Retrato da epidemia de aids Nacionalmente estável e concentrada em populações-chave Casos acumulados de aids (até

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana Vírus da imunodeficiência humana (HIV) gp120 gp41 p17 Dupla camada de lipídeos p24 Material genético e enzimas Estrutura do genoma do HIV-1 vpr rev rev gag vif

Leia mais

DOAÇÃO DE ÓRGÃOS. Dihego Pansini Karoline Pereira Ferreira

DOAÇÃO DE ÓRGÃOS. Dihego Pansini Karoline Pereira Ferreira DOAÇÃO DE ÓRGÃOS Dihego Pansini Karoline Pereira Ferreira No Brasil, a doação de órgãos é, sem dúvida, um tema que sempre está em discussão, principalmente no que se refere às campanhas que promovem a

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO Rayana Cruz de Souza; Universidade Federal da Paraíba; rayana_souza@hotmail.com Maira Ludna Duarte; Universidade Federal

Leia mais

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis = de Instrução e = Região de procedência. Neste caso, a distribuição de freqüências é apresentada como uma tabela

Leia mais

Despacho n.º 280/96, de 6 de Setembro (DR, 2.ª série, n.º 237, de 12 de Outubro de 1996)

Despacho n.º 280/96, de 6 de Setembro (DR, 2.ª série, n.º 237, de 12 de Outubro de 1996) (DR, 2.ª série, n.º 237, de 12 de Outubro de 1996) Acesso aos medicamentos anti-retrovíricos, destinados ao tratamento da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH) Em resultado da investigação

Leia mais

ONCOLOGIA. Programa Aplicação Clínica /Analito Nº de distribuições por ano. PSA Total 11 2 Específico da Próstata (PSA) PSA livre PSA Livre 11 2

ONCOLOGIA. Programa Aplicação Clínica /Analito Nº de distribuições por ano. PSA Total 11 2 Específico da Próstata (PSA) PSA livre PSA Livre 11 2 ONCOLOGIA Programas Disponíveis Programa Aplicação Clínica /Analito Nº de distribuições por ano Nº de amostras por distribuição Identificação de Proteínas Monoclonais Identificação de Proteínas Monoclonais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS PROVA 2- BIOESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS PROVA 2- BIOESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS PROVA - BIOESTATÍSTICA TURMA: ENFERMAGEM PROF.: EDNALDO CARVALHO GUIMARÃES Regressão e Correlação Linear 1) A contagem do

Leia mais

Hepatite A. Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae

Hepatite A. Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae Hepatite A Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae 160 casos de Hepatite A foram notificados de 1 de janeiro a 7 de abril 50% dos quais foram internados Do total de doentes, 93% eram adultos jovens

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Contagem de Plaquetas (manual) Temperatura, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C De 2ª à 6ª feira das 07hs às 15hs. Tempo de Protrombina (TP) Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado (TTPA)

Leia mais

CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO

CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO KITS DE EXTRAÇÃO BIOPUR A extração de DNA é o primeiro passo para diferentes procedimentos na Biologia Molecular. Este processo é parte fundamental para se obter alta eficiência

Leia mais

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho Controlo da qualidade e supervisão laboratorial Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho A importância do diagnóstico precoce PHOTO CAPTION A realização dos testes de rastreio vão permitir

Leia mais

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Atenção BásicaB Características Atuais do Diagnóstico do HIV/AIDS Predomina o diagnóstico tardio da infecção pelo HIV e Aids (43,6% dos diagnósticos) ( sticos

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo de EDTA Temperatura ambiente, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C Tempo de Protrombina

Leia mais

VALOR REFERÊNCIA SÉRIE BRANCA ========================================================= VALORES DE REFERÊNCIA. Acima de 16 anos

VALOR REFERÊNCIA SÉRIE BRANCA ========================================================= VALORES DE REFERÊNCIA. Acima de 16 anos HEMOGRAMA, sangue total VALOR REFERÊNCIA Fem: Acima 16 anos ------------------------------------------------------------------------ ERITRÓCITOS : 4,46 milhões/mm3 3,90 a 5,00 HEMOGLOBINA : 12,3 g/dl 12,0

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS BIOESTATÍSTICA Ementa: conceitos básicos; descrição e apresentação de dados; representação gráfica; análise descritiva; introdução

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS VESTIBULARES NA CRIANÇA ATRAVÉS DA POSTUROGRAFIA DINÂMICA COMPUTADORIZADA: RESULTADOS PRELIMINARES

AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS VESTIBULARES NA CRIANÇA ATRAVÉS DA POSTUROGRAFIA DINÂMICA COMPUTADORIZADA: RESULTADOS PRELIMINARES ARTIGO ORIGINAL AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS VESTIBULARES NA CRIANÇA ATRAVÉS DA POSTUROGRAFIA DINÂMICA COMPUTADORIZADA: RESULTADOS PRELIMINARES MEDEIROS, BITTAR, PEDALINI, LORENZI, KIL, FORMIGONI

Leia mais

Diabetes Continua a aumentar no distrito - Retrato da Diabetes no distrito 19-Nov-2008

Diabetes Continua a aumentar no distrito - Retrato da Diabetes no distrito 19-Nov-2008 Diabetes Continua a aumentar no distrito - Retrato da Diabetes no distrito 19-Nov-2008 16000 - É o número total de diabéticos existentes no distrito de Viseu. 80 - Cerca de 80 por cento da população do

Leia mais

Coordenador: Prof. Doutor João Ferreira. Vogais: Prof.ª Doutora Ana Espada de Sousa Prof. Doutor João Eurico Fonseca Prof. Doutor João Forjaz Lacerda

Coordenador: Prof. Doutor João Ferreira. Vogais: Prof.ª Doutora Ana Espada de Sousa Prof. Doutor João Eurico Fonseca Prof. Doutor João Forjaz Lacerda 15 ANOS DO PROGRAMA EDUCAÇÃO PELA CIÊNCIA Projectos de Investigação para Alunos da FMUL INDICADORES 1997-2012 GAPIC GABINETE DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Coordenador: Prof.

Leia mais

Horário de atendimento Segunda a Sexta-feira das 7h às 19h.

Horário de atendimento Segunda a Sexta-feira das 7h às 19h. CENTRO DE REFERÊNCIA DE DST/AIDS PENHA Endereço: Praça Nossa Senhora da Penha, 55 (subsolo) Penha CEP 03632-060 Telefones: 2092-4020 / 2295-0391 Supervisão Técnica de Saúde Penha Coordenadoria Regional

Leia mais

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico,

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia e implementação dos testes do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia

Leia mais

Prevenção as DST/AIDS e Envelhecimento. Paula de Oliveira e Sousa

Prevenção as DST/AIDS e Envelhecimento. Paula de Oliveira e Sousa Prevenção as DST/AIDS e Envelhecimento Paula de Oliveira e Sousa Dados do Boletim de 2012 No Estado de São Paulo de 1980 a 2012 são 217.367 casos de AIDS Queda de 33,7% de 2000 a 2010 A taxa de incidência

Leia mais

Violência e maus tratos nos idosos. Violência sobre os idosos no Alentejo

Violência e maus tratos nos idosos. Violência sobre os idosos no Alentejo Violência e maus tratos nos idosos Violência sobre os idosos no 1 Um dos fenómenos mais complexos e marcantes que se observou, com início em meados do século XX, foi o acentuado e contínuo envelhecimento

Leia mais

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra 1 Índice 2 1. Metodologia e objetivo 2. Praticantes de skate: penetração nos lares 3. Perfil da amostra Objetivo 3 A pesquisa tem como objetivo medir a penetração e conhecer o perfil de praticantes de

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis X = Grau de Instrução e Y = Região

Leia mais

A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado

A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2011 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado A população

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

GRIPE SUÍNA. Raquel Rocha Gomes

GRIPE SUÍNA. Raquel Rocha Gomes GRIPE SUÍNA Raquel Rocha Gomes Considerando-se o aumento do número de casos da nova gripe H1N1, que tem se espalhado por todo mundo e inclusive já registrou casos suspeitos e confirmados em Vitória, a

Leia mais

Seminário Internacional Pré-COSALFA. Assunção-Paraguai, 7 de maio de Tema III: Vacinação

Seminário Internacional Pré-COSALFA. Assunção-Paraguai, 7 de maio de Tema III: Vacinação BRASIL Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa Seminário Internacional Pré-COSALFA Assunção-Paraguai, 7 de maio de 2012 Tema III: Vacinação Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento

Leia mais

Além m do Tratamento Anti-Retroviral

Além m do Tratamento Anti-Retroviral Ano da França a no Brasil O O Acesso aos Anti-Retrovirais nos Países do Sul 20 Anos Após s a Introdução da Terapia Anti-Retroviral Rio de Janeiro, 12-15 15 de Maio de 2009 Além m do Tratamento Anti-Retroviral

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Secretaria de Vigilância em

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: I123 Página 1 de 8 1. Sinonímia Quantificação da carga viral do HIV-1. 2. Aplicabilidade Bioquímicos, auxiliares técnicos e estagiários do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica O Vírus da Imunodeficiência

Leia mais

REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS

REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS Tópicos Chuva de ideias; Contextualização; Conceptualização (monitoria e avaliação); Monitoria virada para resultados vs monitoria tradicional

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Tratamento médico do adolescente HIV-positivo

Tratamento médico do adolescente HIV-positivo ARTIGO ORIGINAL 25 Eduardo Pozzobom Tratamento médico do adolescente HIV-positivo RESUMO Características da infecção por HIV na adolescência. Avaliação médica inicial, revisão de sistemas, exames físico

Leia mais

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Politicas de Saúde e AIDS Moçambique Eusébio Chaquisse, MD, MIH Universidade Lúrio - Nampula Introdução: Moçambique possui uma população 20 milhões

Leia mais

Projecto monit. Medidas de Radiação Electromagnética em Portugal. (Resumo de Resultados)

Projecto monit. Medidas de Radiação Electromagnética em Portugal. (Resumo de Resultados) Projecto monit Medidas de Radiação Electromagnética em Portugal (Resumo de Resultados) www.lx.it.pt/monit Medidas de Radiação Electromagnética em Portugal (Resumo de Resultados) 1. Introdução O Projecto

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Epidemiologia Tipos de Estudos Epidemiológicos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde TIPOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Observacionais Experimental x Observacional Relatos de Casos Série de casos Transversal

Leia mais

HIV/AIDS and the road transport sector

HIV/AIDS and the road transport sector Apresentação 1 HIV/AIDS and the road transport sector VIH e SIDA e o sector do transporte rodoviário Compreender o VIH e a SIDA VIH e SIDA VIH: Vírus da Imunodeficiência Humana SIDA: Síndrome da Imunodeficiência

Leia mais

Título: A ATUAÇÃO DO CTA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ/SP

Título: A ATUAÇÃO DO CTA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ/SP Título: A ATUAÇÃO DO CTA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ/SP Autores: Milena Luckesi de Souza¹, Grace do Prado Dan¹, Heloísa de Oliveira¹, Maria de Lurdes Munhoz¹ Serviço de Saúde: 1 - CTA - Centro de Testagem

Leia mais

TÍTULO: PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI INFLAMATORIOS NÃO ESTEROIDAIS DE UMA DROGARIA DE AGUAÍ-SP

TÍTULO: PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI INFLAMATORIOS NÃO ESTEROIDAIS DE UMA DROGARIA DE AGUAÍ-SP 16 TÍTULO: PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI INFLAMATORIOS NÃO ESTEROIDAIS DE UMA DROGARIA DE AGUAÍ-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

; Assunto:

;  Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 6 de Outubro de 2009 12:35 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2012 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO 20 MARÇO - 2017 A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 Entre 2015 e 2016, o nível de ocupação no Distrito

Leia mais

Método. Aplicação Diagnóstica. Especificações Técnicas. Nome AMPLICOR HIV-1 MONITOR Test, version 1.5

Método. Aplicação Diagnóstica. Especificações Técnicas. Nome AMPLICOR HIV-1 MONITOR Test, version 1.5 Nome AMPLICOR HIV-1 MONITOR Test, version 1.5 Mandatário Fabricante Distribuidor Aplicação Diagnóstica Roche Diagnostics GmbH Roche Molecular Systems, Inc. Roche Sistemas de Diagnóstico, Sociedade Unipessoal

Leia mais

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde SINAIS E SINTOMAS Sinais, sintomas, observações e manifestações clínicas que podem ser tanto objetivas (quando observadas por médicos) como subjetivas (quando

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO Andreza Jardelino da Silva 1,Ednário B. de Mendonça 2, Márcia Marciele dos Santos Silva 3, Kleber N. N. O. Barros 4 Departamento de Estatística,

Leia mais

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública Prevenção e tratamento do VIH/SIDA nos migrantes e não migrantes: alguns aspectos económicos Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública (com a colaboração de Alexandre Carvalho e Helena Vaz, Coordenação

Leia mais

Hemoglobinopatias: Rastreio antenatal Armandina Miranda Drepanocitose em debate -Junho 2011

Hemoglobinopatias: Rastreio antenatal Armandina Miranda Drepanocitose em debate -Junho 2011 Hemoglobinopatias: Rastreio antenatal Armandina Miranda Drepanocitose em debate -Junho 2011 As hemoglobinopatias são doenças monogénicas hereditárias de transmissão autossómica recessiva, muito frequentes

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais