UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA. Caroline Grac;a de Borba Souza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA. Caroline Grac;a de Borba Souza"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA Caroline Grac;a de Borba Souza ODONTOLOGIA HOSPITALAR: IMPORTANCIA DO CIRURGIAO-DENTISTA EM EQUIPES MUL TIDICIPLINARES Curitiba 2011

2 ODONTOLOGIA HOSPITALAR: IMPORTANCIA DO CIRURGIAO-DENTISTA EM EQUIPES MUL TIDICIPLINARES Curitiba 2011

3 Caroline Gra~a de Borba Souza ODONTOLOGIA HOSPITALAR: IMPORTANCIA DO CIRURGIAO-DENTISTA EM EQUIPES MUL TlDISCIPLlNARES Trabalho de Conclusao de Curso apresentado ao Curso de Odontologia da Faculdade de Ciencias Biol6gicas e de Saude da Universidade Tuiuti do Parana, como requisito parcial para a obten9ao do grau de Cirurgiao Dentista. Orientadora - Prof' Dr' Maria Carolina Lucato Curitiba 2011

4 TERMO DE APROVACAo Caroline Grac;a de Borba Souza ODONTOLOGIA HOSPITALAR: PAPEL E IMPORTANCIA DO CIRURGIAO DENTISTA EM INSTITUICOES DE INTERNACOES Esta Monografia foi julgada e aprovada para a obten~ao do Grau de Cirurgiao-Dentista no curso de Odontologia da Faculdade de Ciencias Biol6gicas e da Saude Universidade Tuiuti do Parana. Curitiba, _ de novembro de 2011 Coordenador do Cur de O~bntologia: Natanael Henrique Mattos ( niversjdade Tuiuti do Parana Orientadora: Prof' Dr". Maria Carolina Lucato Budziak Universidade Tuiuti do Parana Professor Universidade Dr. Leo Kriger Tuiuti do Parana Professor Dr. Eraldo Cid Bastos Universidade Tuiuti do Parana

5 DEDICA TORIA Dedico este trabalho ao meu Deus e Pai, que ilumina minha vida. Que sempre esteve comigo, me mostrando 0 caminho, proporcionando alegrias e conquistas. E mesmo das tristezas fez brotar esperan<;:a, aprendizado e um novo dia. Dedico em especial a minha av6, Ruth de Borba. Depois de todos os anos ao meu lade esperando por esse dia, ele chegou e nao a tenho aqui para comemorarmos juntas mais essa alegria. E mesmo nao podendo Ihe proporcionar esse orgulho antes, fa<;:o-o agora e sei que a senhora, ai no ceu, estara recebendo meus agradecimentos. Sera sempre lembrada como uma mae para mim. Aos meu pais, Angela Maria de Borba Souza e Claudio Schwegwer de Souza, que abdicaram de tanta coisa por mim e por minha irma. Sempre nos tiveram e colocaram como prioridade. Sao meus exemplos de perseveran<;:a, de dignidade, de etica.. de vida. Espero poder proporcionar-ihes um pouco do orgulho que sinto de voces. Nao tenho palavras para agradecer por tudo que fizeram para que eu pudesse estar aqui hoje, conquistando mais um grande sonho. Nem se tivesse mil anos conseguiria retribuir todas as oportunidades e alegrias que me proporcionaram. Meu amor e respeito por voces e inesgotavel. Minha irma-amiga-comadre, Claudia de Borba Souza. Mulher forte, men ina doce. Obrigada por estar ao meu lado, cuidando de mim e segurando minha mao sempre que tenho medo (Iembra?). Seremos sempre uma para a outra. Tenho muito orgulho de voce. E obrigada tambem pelo presente maravilhoso, 0 seu xerox, que anda, fala e faz travessuras, nossa Maria.

6 A minha tia e madrinha, Ephyfania Marcia de Borba, que possui um corayao gigante e que sempre esteve olhando por nossa familia, nos ajudando nas dificuldades. Meu exemplo de guerreira, honestidade e de fortaleza. Meus pais nao poderiam ter escolhido melhor pessoa para minha madrinha. Faz parte da minha formayao pessoal e moral, e da conquista de todas as etapas importantes que ja passei. Meu eterno agradecimento e am or por voce. Nao poderia deixar de fora a "minha pequena", Maria Clara Souza, que ha tres anos e oito meses multiplicou alegrias, nos fez relembrar a pureza e magia da infancia. Me fez conhecer um novo tipo de amor, 0 de tia, de madrinha e mae. Mesmo com tao pouco tempo, nao imagino minha vida sem voce. Seu sorriso sapeca ilumina os dias e recarrega as nossas energias para enfrentar a vida. E par ultimo, e nao menos especial, dedico ao meu noivo, Andre Luis de Oliveira, que vem me acompanhando e ajudando nessa dificil caminhada. Agradeyo pelo amor, paciencia e companheirismo. Meu amigo e confidente. Obrigada pelo apoio, incentivo e por tentar tornar as coisas 0 melhor possivel.

7 AGRADECIMENTOS A minha orientadora, Prof' Dr" Maria Carolina Lucato, que aceitou me acompanhar nessa correria contra 0 tempo. Obrigada pela orienta<;:80, pelo seu tempo, por contribuir para minha forma<;:80 e, conseqoentemente, realiza<;:80 pessoal. A Universidade Tuiuti do Parana, que me fez redescobrir 0 amor pela odontologia, e fazer voltar a acreditar na minha pr6pria capacidade. A todos os professores, por doaram uma parcela do seu conhecimento para que tantos outros profissionais possam distribuir saude, qualidade de vida, dignidade e sorrisos a outras pessoas. Agrade<;:o tambem as minhas amigas, que estiveram ao meu lado em inumeros momentos, e que acrescentaram algo em minha vida. Aquelas que 0 tempo provou serem verdadeiras amigas. Cecilia Erbs, Tatiana Stadnick, Barbara Moreira, Ana Paula Schlickmann, Morgana Wink e Janaine Barbosa.

8 "Nunea se perea na duvidaf Siga firme na direr;ao das sua metas... Porque 0 pensamento eria, 0 desejo atrai, a fe realiza, e Deus te abenr;oaf" (Autor deseonheeido)

9 RESUMO A demanda pelo serviyo de saude brasileiro demonstra que se deve otimizar 0 atendimento, considerando a melhara da prestayao dos serviyos de saude. A partir dai estruturou-se esta pesquisa, atraves de levantamento bibliogr<3fico, que abordam a tematica Odontologia Hospitalar, com enfase para 0 atendimento em Unidades de Terapia Intensiva (UTls) e pacientes oncol6gicos. Se objetiva mostrar que a presenya do cirurgiao dentista nas equipes multiprofissionais, para os cuidados da saude bucal dos pacientes, que esta intimamente ligada com a saude sistemica, e imprescindivel. A Fundamentayao Te6rica se inicia conceituando a Humanizayao no atendimento hospitalar, seguida par considerayoes sobre pacientes oncol6gicos e equipes multidisciplinares. Posteriormente se apresenta 0 amparo legal adotado no Estado do Parana e 0 documento base do C6digo de Etica Odontol6gico. Ao final se mostra que 0 cuidado com a cavidade oral, alem dos beneficios esperados como reduyao de dor e desconforto ao paciente, melhora da saude geral, reduz 0 custo gerado pelo internamento e remedios, e aumenta a quantidade de leitos vagos, proporcionando novas oportunidades de atendimento e reduzindo 0 tempo de espera, pelos pacientes, em filas e evitando 0 agravamento do estado do mesmo. Palavras-chave - Equipe Multidisciplinar; Humanizayao em UTI; Odontologia Hospitalar; Pacientes Oncol6gicos.

10 SUMARIO RESUMO 1 INTRODU<;:AO 7 2 FUNDAMENTA<;:AO TEORICA HUMANIZA<;:AO NO ATENDIMENTO HOSPITALAR EQUIPES MUL TIDISCIPLINARES ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA ,1 Cuidados bucais em pacientes em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) PACIENTES ONCOLOGICOS Manifestag6es bucais resultantes de tratamento quimioterapico Radioterapia - prevengao e controle de sequelas bucais Saude bucal em pacientes 'oncol6gicos pediatricos DISCUSSAO 41 4 CONSIDERA<;:OES FINAlS 44 REFERENCIAS 45

11 7 1 INTRODU<;:AO A equipe multidisciplinar em ambito hospitalar se mostra como uma opc;:ao na busca de se elevar 0 nivel de cuidados com a saude. Surgiu ai a necessidade de profissionais de Odontologia compondo tal staff. Em um ambiente hospitalar e essen cia I a percepc;:ao dos varios determinantes do processo saude-doenc;:a e a habilidade de provocar uma motivac;:ao, em qualquer tipo de situac;:ao, aos pacientes, acompanhantes e cuidadores. A conscientizac;:ao da necessidade de habitos saudaveis, como a "inclusao da higiene oral na higiene corporal" na rotina diaria visando controle e prevenc;:ao de doenc;:as orais, trarao uma melhora no nivel de saude e, consequentemente, melhora da qualidade de vida do paciente (MEDEIROS JUNIOR et ai, 2005, p ). Medeiros Junior et al (2005, p ) escrevem que e de extrema importancia para os profissionais da saude, principalmente aos que desejam a integrac;:ao multiprofissional em uma equipe, estimular a sensibilidade social. Nos hospitais se encontram problemas desafiadores, onde percebem-se que a intervenc;:ao integral e multiprofissional oportuna e satisfat6ria faz a grande diferenc;:a para um melhor atendimento. Conforme orientac;:ao do Conselho Regional de Odontologia do Rio Grande do Sui, os profissionais de Odontologia daquele estado foram estimulados a participar de equipes multidisciplinares a partir de 2004, de acordo com Chapper e Goldani (2004, p. 3). Desta forma se obteriam melhores resultados na atenc;:30 a saude uma vez que existem diversos enfoques, de diferentes especialidades medicas sendo abordados, ao mesmo tempo (CHAPPER E GOLDANI, 2004, p. 4).

12 8 Esta pratica estimulou, segundo os autores (CHAPPER E GOLDANI, 2004, p. 3), a formac;;ao de equipes multidisciplinares com a participac;;ao do cirurgiaodentista (em bora ainda precaria a participac;;ao de odont610gos nas equipes em hospitais). Para Godoi et al (2009, p. 105): o atendimento odontol6gico a pacientes hospitalizados portadores de enfermidades sistemicas contribui efetivamente para a sua pronta recuperac;;ao, assim, 0 cirurgiao dentista deve estar preparado para 0 atendimento em condic;;6es especificas e ambiente diferenciado, sempre buscando proporcionar melhores condic;;6es de saude ao paciente. Doro et al (2006, p. 50) dizem que pacientes diabeticos hospitalizados necessitam de atenc;;ao especial com a saude bucal, po is quando descompensados podem apresentar doenc;;a periodontal mais severa pelos fatores microbianos, metab61icos e prejuizo funcional dos neutr6filos. Aqueles com SIDAIAIDS (Sindrome da Imunodeficiencia Adquirida), pela deficiencia do sistema imunol6gico podem adquirir manifestac;;6es orais clinicas caracteristicas, como infecc;;6es por fungos, virus, bacterias, neoplasias (sarcoma de Kaposi). Pelo estado imunol6gico fragilizado 0 potencial patol6gico dos microorganismos fica aumentado, levando ao aparecimento de doenc;;as periodontais severas, candidiase, entre outas (DORO et ai, 2006, p ). Quando paciente apresenta disturbios psicossociais e doenc;;a periodontal, esta se apresenta de forma mais grave que em pacientes sem a mesma alterac;;ao psiquiatrica. Observam-se neles casos de gengivite ulcerativa necrosante, gerando dor, odor e dificuldade na alimentac;;ao e higienizac;;ao oral (DORO et ai, 2006, p. 51). Estudos epidemiol6gicos mostram que as doenc;;as periodontais moderadas a severas atuam como fator de risco para a saude geral dos pacientes, levando a

13 9 alteray6es vasculares, acidentes vasculares cerebrais (AVC), descontrole metab61ico do diabetes, infecy6es pulmonares e parto prematuro ou nascimento de bebes de baixo peso (DORO et ai, 2006, p. 51). Doro et al (2006, p. 52) concluiram que grande parte dos pacientes nao possuem um adequado controle da saude bucal devido a deficiencia do mesmo, carencia de motivayao dos acompanhantes, falta de material de higiene oral e estrutura deficiente do hospital. Cad a vez mais a relayao das doenyas bucaiscom as sistemicas esta sendo evidenciada na literatura. Os estudos mostram que as manifestay6es bucais, principalmente a doenya periodontal, agem como foco de disseminayao de agentes patogenicos com efeito metastatico sistemico, principalmente quando 0 paciente se encontra com a imunidade comprometida. As evidencias cientificas apontam que 0 tratamento odontol6gico, especialmente 0 periodontal, atua prevenindo e/ou melhorando a condiyao sistemica, principalmente nesses pacientes com a saude debilitada (MORAIS et ai, 2006, p. 413). Ainda de acordo com Morais et al (2006, p. 414), todo 0 corpo humane esta diariamente exposto a colonizayao por muitos tipos de micro-organismos que, em condiy6es favoraveis, vivem em harmonia com 0 hospedeiro. Atraves da descamayao fisiol6gica que ocorre nas superficies, 0 acumulo desses microorganismos e evitado. A boca tambem apresenta continua colonizayao de uma grande microbiota, sendo que ela representa aproximadamente metade da microbiota do corpo humano, contendo muitas especies de bacterias, fungos e virus. Contudo, as bacterias sao encontradas em maior quantidade nas superficies duras (cemento, esmalte, pr6tese), formando a placa bacteriana. Esta, por sua vez, produz acidos, endotoxinas e antigenos irritantes e, com 0 tempo dissolvem os dentes e prejudicam

14 10 os tecidos bucais. Alem disso, atua como reservatorio permanente podendo causar infec9ao a distancia (MORAIS et ai, 2006, p. 414). A aten9ao a outros orgaos e sistemas que nao fazem parte do motivo que levaram 0 paciente a intern.a9ao em Unidade de Terapia Intensiva tambem tem sua importancia, por prevenir que outros orgaos sejam afetados e induzam um prognostico desfavoravel. Devido a prevalencia, extensao e gravidade das doen9as periodontais na popula9ao, 0 sistema estomatognatico deve ter 0 adequado cuidado (MORAIS et ai, 2006, p. 415). Morais et al (2006, p. 412) afirmam que "a manuten9ao da saude bucal em UTI e fundamental considerando 0 tratamento global, a preven9ao de enfermidades e uma maior humaniza9ao no tratamento de pacientes em ambientes de Terapia Intensiva". o objetivo deste trabalho e demonstrar a importancia da Odontologia para a promoc;;ao de melhores condic;;oes de saude para a populac;;ao hospitalizada, reforc;;ando a importancia da presen9a de cirurgioes-dentistas em equipes multidisciplinares no atendimento a pacientes com enfermidades sistemicas.

15 11 2 FUNDAMENTACAo TEORICA Humanizayao e a palavra de ordem e nao e de hoje. Naturalmente, a qualidade na prestayao de serviyos de saude pode ser potencializada quando se proporciona um melhor atendimento, com profissionais qualificados, minimizando muitas vezes a fragilidade que se percebe nos pacientes (SANTOS e CIUFFI, 2009, p.162). 2.1 HUMANIZA<;:AO NO ATENDIMENTO HOSPITALAR Medeiros Junior et 81 (2005, p. 308) escrevem que ao se construir um relacionamento sistematico com as familias dos pacientes minimizando medos e firmando um estado de compreensao, os cirurgioes-dentistas formam vinculos capazes de ampliar as possibilidades de criar e transmitir conhecimentos odontol6gicos de maneira mais descontraida e humana. E atraves de brincadeiras, por exemplo, que as crianyas iraq expor seus conflitos, esta e a "forma mais natural de autoterapia de que a crianya dispoe". Varias atividades descontraidas podem ser realizadas nos hospitais, como: teatro, jogos educativos, pinturas e cartazes, videos, leitura de textos e est6rias, entre outras. Pod em acontecer tambem atividades tecnicas como: orientayao de higiene bucal individualizada para pacientes com disturbios motores, visita aos leitos, evidenciayao de biofilme dentario, aplicayoes t6picas de fluor e supervisao e reforyo motivacional para realizayao de uma higiene oral adequada. Tudo isso resulta no melhor entendimento (por parte dos pacientes e acompanhantes) da relayao existente entre saude bucal e saude geral, sendo que uma nao existe sem a

16 12 outra. E quando voltar para casa, 0 paciente pode transmitir seus novos conhecimentos sobre saude a familia. (MEDEIROS JUNIOR et ai, 2005, p ). A forma de atendimento e a demonstrayao de interesse dos profissionais de saude em relayao ao publico com respeito as suas necessidades e expectativas sao dois dos fatores mais relevantes (SANTOS e CIUFFI, 2009, p. 162). 2.2 EQUIPES MUL TIDISCIPLINARES A atenyao a pacientes internados depende de uma equipe multiprofissional e pode se resumir na soma de pequenos cuidados parciais que vao se somando. Porem, a dificuldade em se estabelecer funyoes e delegar responsabilidades resulta em uma sobrecarga no processo de gerencia de um hospital. Eo desafiante coordenar de forma adequada uma equipe tao diversificada e especializada de profissionais da saude (BARBOSA et ai, 2010, p. 1119). Os autores ainda sugerem (2010, p. 1119) que para um melhor desenvolvimento das atividades rotineiras dessa equipe, se inclua um cirurgiaodentista, responsavel por motivar e conscientizar funcionarios sobre a saude bucal e sua importancia para 0 restabelecimento da saude sistemica do paciente. 0 cirurgiao-dentista pode oportunizar um vinculo entre a equipe de enfermagem e 0 paciente, para consolidar a tao desejada saude integralizada. Eo importante que se crie um movimento de educayao para a saude, onde os profissionais se organizem, de forma nao hierarquica, em divisoes de atribuiyoes de acordo com sua especialidade, que quando agregadas causem uma mudanya das atitudes, das representayoes sociais e dos comportamentos (BARBOSA et ai, 2010, p.1120).

17 13 Isto vem sendo demonstrado em estudos que revelam a necessidade de sintetizar conhecimento de diferentes areas em um ambiente comum, visando a melhora da aten<;;ao a saude, atraves da forma<;;ao de equipes multidisciplinares, que devem apresentar profissionais de Odontologia (GO 001 et ai, 2009, p ). Chapper e Goldani (2004, p. 3) afirmam que a utiliza<;;ao desses diferentes enfoques estimulou a forma<;;ao de equipes multidisciplinares no Rio Grande do Sui, embora ainda seja precaria a participa<;;ao de odont610gos nas equipes em hospitais. A cria<;;ao de equipes multidisciplinares de aten<;;ao a saude, ainda conforme os mesmos autores (2004, p. 3), deve ser recebida como um dos metodos para oportunizar a necessidade de contextualizar e religar os saberes, necessidade esta que vem a ser 0 grande desafio do Seculo XXI: E possivel responder aos dois grandes desafios que 0 conhecimento tera de enfrentar, cada vez mais, no decurso do terceiro milenio. 0 desafio da globalidade, colocado pela inadequa<;;ao agravada entre um saber fragmentado e compartimentado entre as diferentes disciplinas, par um lado, e realidades multidimensionais, globais, transnacionais, por outro [...] 0 desafio do aumento ininterrupto dos saberes que torna cad a vez mais dificil a organiza<;;ao dos conhecimentos em redor dos problemas essen cia is (MORIN, 2001, p. 144). o mesmo autor busca atribuir importancia equivalente a humaniza<;;ao e ao saber cientifico, de forma harmonica a partir de distintas areas de conhecimento associando suas competencias para tornar mais abrangente a obten<;;ao dos resultados. Kahn et al (2010, p. 1819) buscaram averiguar a existencia de protocolos de controle de infec<;;oes na cavidade oral em pacientes internados em hospitais, ao mesmo tempo em que se procedeu a mensura<;;ao do grau de conhecimento medico sobre medicina periodontal.

18 14 Com os dados coletados na pesquisa realizada pelos investigadores (KAHN et ai, 2010, p ), eles conciuiram que 0 conhecimento sobre medicina periodontal e a importancia do controle do biofilme oral na manuten!(ao da saude sistemica, apresentam-se pouco difundidos entre a ciasse medica. Kahn et al (2010, p ) ainda escrevem que nao existe qualquer setor ou pessoa responsavel pelo controle de infec!(ao oral dentro dos cinco hospitais avaliados pelo grupo (dos quais dois eram municipais, um estadual, um federal e um particular, nao especificados) da cidade do Rio de Janeiro e que, tampouco, ha qualquer protocolo de controle de infec!(ao oral. Araujo et al (2009, p. 38) buscaram estabelecer uma avalia<;:ao sobre a percep!(ao e a realiza<;:ao dos cuidados em saude bucal prestados a pacientes internados em Unidades de Tratamento Intensivo atendidos por equipes de enfermagem. Os resultados obtidos por estes pesquisadores (2009, p ) sugerem que os cuidados de higiene bucal realizados nos pacientes hospitalizados em Unidades de Terapia Intensiva sao precarios e inadequados. Este fato refor!(a a necessidade da presen!(a de um cirurgiao-dentista na equipe, a difusao dos conhecimentos de odontologia preventiva e uso da higiene bucal como alternativas para sanar as dificuldades de manuten!(ao da saude e tratamento das doen!(as bucais, que afetam a saude geral de pacientes hospitalizados (ARAUJO et ai, 2009, p. 43). A atua!(ao interdisciplinar no atendimento a estes individuos e defendida por estes autores (2009, p. 43) buscando uma melhor qualidade de vida prevenindo ou minimizando patologias orais diagnosticadas.

19 15 A convivencia entre profissionais de diferentes areas de conhecimento sugere um ambiente multidisciplinar. Esta iniciativa esta se tornando pratica corrente no atendimento a saude. Silva e Cunha (2002, p. 78) afirmam que: Aprender a viver junto ressalta a independencia do mundo moderno e a importancia das relayoes. Tudo esta interligado e tudo que acontece afetara a todos de uma forma ou de outra. 0 que 0 mundo precisa mais e de compreensao mutua, intercambios pacificos e harmonia (SILVA e CUNHA, 2002, p. 78). A presenya de uma equipe multidisciplinar em ambito hospitalar propoe a elevar 0 nivel de cuidados com a saude. Eo imprescindivel a presenya de profissionais de Odontologia neste quadro, uma vez que pacientes hospitalizados nao podem ser deslocados ate um consultorio odontologico para receber 0 atendimento (SILVA E CUNHA, 2002, p. 79). 2.3 ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA Como relatam Morais et at (2006, p ), a doenya periodontal possui origem infecciosa e natureza inflamatoria, com participayao de fatores modificadores locais, sistemicos, ambientais e geneticos. A doenya e a consequencia do processo interativo do biofilme e os tecidos periodontais, devido a respostas celulares e vasculares, e estao ligadas a doenyas capazes de levar a obito. A periodontite leva a destruiyao dos tecidos de suporte do dente causada pela ayao direta das bacterias e seus produtos, ou ayao indireta, tendo a reayao de destruiyao moderada pelo hospedeiro.

20 16 A microbiota bucal pode ser alterada de acordo com fatores externos, como o tabagismo, alcoolismo, antibioticoterapia e corticoterapia, ambientes hospitalares, nutri<;:ao e higiene bucal; bem como por agente intrinsecos ao paciente, como idade (MORAIS eta/, 2006, p. 414). o volume de biofilme nos pacientes cresce com 0 tempo de interna<;:ao, aumentando 0 numero de pat6genos respirat6rios presentes no mesmo. Esses microorganismos respirat6rios sao mais complicados de serem erradicados em decorrencia do biofilme atuar como uma barreira protetora as bacterias, fazendo com que ten ham maior resistencia aos antibi6ticos do que as bacterias planctonicas - aquelas que flutuam livremente na agua (MORAIS et at, 2006, p. 415). As bacterias que geralmente estao envolvidas com a doen<;:a periodontal sao do grupo Gram-negativas, e suas especies sao: Actinobacillus actinomycetemcomitans (pode invadir celulas epiteliais bucais e endotelias vasculares humanas, e induzir a morte celular por apoptose), Porphyromonas gingiva/is (tambem invade celulas epitelias e endotelias humanas, e pode colaborar para agrega<;:ao plaquetaria), Tanerella forsythensis (invade celulas epiteliais e induz a sua morte por apoptose) (MORAIS et at, 2006, p. 413). Ja os microorganismos bucais relacionados a condi<;:oes sistemicas sao: Estreptococos bucais, E. corredens, A. actinomycetemcomitans, M. micros (Endocardite infecciosa); Estreptococos bucais, P. gingiva/is, Enterobacteriaceae, Candida sp. (Bacteremia); A. actinomycetemcomitans (Sepse); A. actinomycetemcomitans (Abscesso cerebral); A. actinomycetemcomitans, Enterobacteriaceae, Staphylococcus (Infec<;:oes respirat6rias); A. actinomycetemcomitans (Oftalmoplegia); P. gingiva/is (Infec<;:oes intra-abdominais); P. gingiva/is (Otite mediaa supurativa); M. micros (Infec<;:oes vaginais); M. micros (Conjuntivite cronica); A. actinomycetemcomitans (Endoftalmite); P. gingiva/is (Abscesso do tubo ovariano) (MORAIS et at, 2006, p. 413).

21 17 Cuidados com a saude bucal de pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI's) sao fundamentais para evitar que infec90es em outros 6rgaos e sistemas (que em principio nao possuam qualquer liga9ao com a causa inicial da interna9ao) venham a prejudicar seu quadro clinico (MARTINS, 2011). o comprometimento do sistema estomatognatico, com destaque para as doen9as periodontais frequentemente sao "causas de agravamento do quadro clinico de pacientes ja fragilizados, sendo que as doen9as respirat6rias sao mais frequentes em pacientes de UTI" (MARTINS, 2011). A higiene oral inadequada em pacientes graves, segundo Martins (2011) colabora para a prolifera9ao de bacterias e fungos criando na boca um reservat6rio ideal para uma vasta microbiota que, alem de prejudicar a saude bucal e 0 bem estar do paciente, pode propiciar outras infec90es e doen9as sistemicas. A presen9a do cirurgiao-dentista nas equipes multidisciplinares de Unidade de Terapia Intensiva colabora para a preven9ao de infec90es hospitalares, com a diminui9ao do tempo de interna9ao e no uso de medicamentos pelo paciente critico, contribuindo de forma efetiva para 0 seu bem estar e dignidade (MARTINS, 2011). Quando fala sobre crian9a hospitalizada, Amaral et al (2006, p. 270) relatam que 0 acumulo da placa dental se relaciona com: a faixa etaria (pela dificuldade motora que e desfavoravel para a correta escova9ao), a situa9ao em que 0 paciente se encontra (devido a debilidade fisica), a falta de motiva9ao e 0 desconhecimento sobre a importancia e beneficios da saude bucal pelos pais e crian9a. Falta de conhecimentos e praticas, por parte da equipe de saude hospitalar tambem contribuem para este quadro. o maior desenvolvimento de lesoes cariosas em dentes deciduos se deve ao fato de possuirem as cam ad as de esmalte e dentina mais delgadas e menos calcificadas. Nesses pacientes e notada precaria higiene bucal, e tambem a ingestao por longos periodos de medicamentos que na forma de xarope que contem

22 18 sacarose, e que ainda podem provocar redu9ao no fluxo salivar (tao importante na autolimpeza bucal, equilibrio ecol6gico das bacterias, neutraliza9ao dos acid os da placa dental e no processo de desmineraliza9ao e remineraliza9ao do esmalte) (AMARAL et ai, 2006, p ). Algumas medidas preventivas quanto ao uso desses medicamentos podem ser adotadas, como: prescri9ao de outras apresenta90es e/ou medicamentos livres de sacarose, ingestao quando possivel durante as refei90es, escova9ao dos dentes antes e ap6s a ingestao e recomendar ingerir agua depois da medica9ao (AMARAL et ai, 2006, p. 271). Os pais ou responsaveis e a equipe multidisciplinar devem ser 0 alvo de motiva9ao para 0 controle e preven9ao da placa bacteriana, e tomar os cuidados devidos para evitar lesoes de carie e doen9as periodontais. (AMARAL et ai, 2006, p.270). o atendimento odontol6gico a pacientes hospitalizados portadores de enfermidades sistemicas, de acordo com Godoi (2009, p. 104), contribui efetivamente para a sua pronta recupera9ao. Assim, 0 cirurgiao-dentista deve estar preparado para 0 atendimento em condi90es especificas e em ambiente diferenciado, sempre buscando proporcionar melhores. condi90es de saude ao paciente. Esta alternativa, alem de ser de baixo custo, por atuar em nivel primario de preven9ao, simples e viavel e de extrema importancia e necessidade (MARTINS, 2011 ). A lei N de 18 de janeiro de 2011, do Estado do Parana dispoe sobre a obrigatoriedade da presen9a de profissionais de Odontologia nas Unidades de Terapia Intensiva (PARANA, 2011).

23 19 A normativa torna obrigatoria a presenl(a de profissionais de Odontologia na equipe multiprofissional das Unidades de Terapia Intensiva, em todos os hospitais publicos ou privados do Estado do Parana, para os cuidados da saude bucal dos pacientes (PARANA, 2011). Cabera ao profissional de Odontologia, conforme 0 Artigo 1 da referida Lei, o atendimento preventivo e de emergencia aos pacientes internos nestas unidades (PARANA, 2011) Cuidados bucais em pacientes em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) o paciente internado em Unidade de Terapia Intensiva esta cercado de cuidados de excelencia. De acordo com Araujo et al (2009, p. 38) estes cuidados sao "dirigidos nao apenas para os problemas fisiopatologicos, mas tambem para as quest6es psicossociais, ambientais e familiares que se tornam intimamente interligadas a doenl(a fisica". A essencia da multidisciplinaridade esta em profissionais de diferentes areas atuando sobre um mesmo paciente. Em cuidados intensivos esta essen cia nao esta nos ambientes ou nos equipamentos especiais, mas no processo de tomada de decis6es, baseado na solida compreensao das condil(6es fisiologicas, psicologicas do pacientes e novas terapias (ARAUJO et ai, 2009, p ). Eo essen cia I que pacientes de Unidade de Terapia Intensiva tenham cuidados de higiene oral suficientes durante sua internal(ao com 0 objetivo de prevenir a instalal(ao de patologias orais e sistemicas, bem como possiveis complical(6es de doenl(as bucais ja existentes (JENKINS, 1989 apud ARAUJO et ai, 2009, p. 39).

24 20 Pacientes hospitalizados em Unidades de Terapia Intensiva sao vitimados por patogenos responsaveis pela pneumonia nosocomial e encontrados colonizando placa dental e mucosa bucal destes pacientes. Porem, boas tecnicas de higiene bucal sao capazes de prevenir 0 avango da infecgao da cavidade bucal para 0 trato respiratorio (ARAUJO et ai, 2009, p. 39). Os mesmos autores (2009, p. 39) citam que, em aproximadamente 24 horas de falta de limpeza da cavidade oral e possivel detectar clinicamente uma camada de placa dental. A ausencia de escovagao ou a falha na tecnica de higiene bucal adotada estao intimamente ligadas ao numero e as especies de microorganismos encontrados na cavidade oral. Os mesmos autores relatam que individuos hospitalizados tendem a apresentar higiene bucal deficiente, em comparagao com os pacientes ambulatoriais e os pacientes controles da sociedade (ARAUJO et ai, 2009, p. 39). A deficiencia na atengao com a higiene bucal resulta no aumento e na complexidade da placa dental, que pode favorecer a interagao entre bacterias indigenas da placa e patogenos respiratorios conhecidos, como Pseudomonas aeruginosa e bacilos entericos (ARAUJO et ai, 2009, p. 39). A higiene oral deficiente (ARAUJO et ai, 2009, p. 39) pode influenciar na colonizagao da orofaringe por microorganismos respirat6rios - ha a hipotese de que a flora normal da boca seja alterada, devido a algumas enzimas que, quando presentes na superficie da mucosa, as tornam mais favoraveis a aderencia desses patogenos. Embora a higiene da cavidade oral seja considerada um procedimento com alto grau de dificuldade em pacientes entubados, Araujo et al (2009, p. 39) afirmam que "0 mal estado da orofaringe pode ser relacionado com a aquisigao de organismos nosocomiais e a esta relagao deveria ser dada maior atengao". A analise

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

Odontologia Hospitalar Rio de Janeiro. Outubro de 2008. Projeto de Implantação da odontologia hospitalar. Em Hospital do Estado do Rio de Janeiro

Odontologia Hospitalar Rio de Janeiro. Outubro de 2008. Projeto de Implantação da odontologia hospitalar. Em Hospital do Estado do Rio de Janeiro Odontologia Hospitalar Rio de Janeiro Outubro de 2008 Projeto de Implantação da odontologia hospitalar Em Hospital do Estado do Rio de Janeiro O atual formato de atualização do CD nos hospitais está com

Leia mais

Tomamos por exemplo a classificação referenciada por Kandelman et al em2008:

Tomamos por exemplo a classificação referenciada por Kandelman et al em2008: INTRODUÇÃO: O envelhecimento humano pode ser definido como o processo de mudança progressiva da estrutura biológica, psicológica e social dos indivíduos, que se inicia antes do nascimento e se desenvolve

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Mestre em Odontologia - Clínica Odontológica - FO/UFMG Profa. do Curso de Odontologia do Centro Universitário Newton Paiva Membro da Comissão de

Mestre em Odontologia - Clínica Odontológica - FO/UFMG Profa. do Curso de Odontologia do Centro Universitário Newton Paiva Membro da Comissão de OS DESAFIOS DA ODONTOLOGIA PARA A PRÓXIMA DÉCADA São Paulo 2011 ODONTOLOGIA HOSPITALAR A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO CIRURGIÃO DENTISTA NA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL HOSPITALAR Profa. Santuza Mendonça

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

CUIDADOS PERIODONTAIS NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM PACIENTES IDOSOS

CUIDADOS PERIODONTAIS NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM PACIENTES IDOSOS CUIDADOS PERIODONTAIS NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM PACIENTES IDOSOS Araújo, Luiza Jordânia Serafim¹ 1 Universidade Estadual da Paraíba, luizajordania@hotmail.com INTRODUÇÃO As unidades de terapia

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

Projeto Dentista em casa

Projeto Dentista em casa Projeto Dentista em casa Oscip : 08071.001062/2010-97, publicado no diário oficial de 02 de março de 2010. Cnpj: 10.200.021/0001-04 SOS Dental Assistência Médica Odontologica SDAMO Consiste em levar à

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: TERAPIA FOTODINÂMICA ANTIMICROBIANA NO TRATAMENTO DA DOENÇA PERIODONTAL EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN Pesquisador: Carla

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DOS SERVIDORES DO ESTADO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar JUSTIFICATIVA A Promoção de saúde só será completa

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia*

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO E CULTURA Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* VIEIRA,Denise Ferreira 1 ; SOARES,Mariana

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 Define o currículo do Curso de Graduação em Odontologia. O REITOR

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO PROJETO VIGILANTES DO SORRISO Juliana Santos Oliveira NOVAFAPI Cosme José Albergaria da Silva Filho NOVAFAPI Marissol Antunes Fernandes NOVAFAPI Adriana Oquendo Machado NOVAFAPI INTRODUÇÃO O PETI (Programa

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO E L A B O R A Ç Ã O Adriana de Oliveira Sousa Gerente daterapia Integrada ISGH Ana Karine Girão Lima Assessora Técnica da Educação Permanente ISGH Braulio Matias Coordenador

Leia mais

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT.

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT. Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT Importância da Campanha de câncer bucal no Município de Nova Olímpia MT. Autores: - CD Fabrício Galli e - CD Michelle Feitosa Costa. Com

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

GUIA DO PACIENTE DE RADIOTERAPIA

GUIA DO PACIENTE DE RADIOTERAPIA GUIA DO PACIENTE DE RADIOTERAPIA GUIA DO PACIENTE Você está iniciando o seu tratamento e acompanhamento conosco. Com o objetivo de esclarecer algumas dúvidas, elaboramos este guia com as informações sobre

Leia mais

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 A estrutura etária da população brasileira vem mudando ao longo dos anos, com aumento da expectativa de vida. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida : Maria Angela M. Mimura As alterações e patologias apresentadas no caso de Dona Margarida são diversas e de etiologias diferentes, portanto serão tratadas por itens de modo

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

OBJETIVOS. Objetivo Gerail

OBJETIVOS. Objetivo Gerail TÍTULO:PROJETO CUIDADOS ODONTOLÓGICOS AO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA AUTORES: Profª. Gracia Maria Salles Maciel Koerich Ac. Janaína Masson Ac. Márcia Martins Pacheco T. A. Sérgio José Sena INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CAVIDADE BUCAL DE PACIENTES INTERNADOS NA UTI

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CAVIDADE BUCAL DE PACIENTES INTERNADOS NA UTI ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CAVIDADE BUCAL DE PACIENTES INTERNADOS NA UTI Amanda Caroline Kuchla 1, Paula Sposito de Paiva 2, José Ricardo Colleti Dias 3, Maria Paula Jacobucci Botelho 4 RESUMO: Diversos

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Um novo tipo de câncer

Um novo tipo de câncer Um novo tipo de câncer Cirurgias menos invasivas e tratamentos personalizados são algumas das apostas da ciência para o câncer de cabeça e pescoço. Em visita ao Brasil, médico especialista na área apresenta

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

AÇÕES DE EXTENSÃO E CUTURA 2010 UNIDADE: FOP ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO REPRESENTANTE: CLEIDE RODRIGUES

AÇÕES DE EXTENSÃO E CUTURA 2010 UNIDADE: FOP ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO REPRESENTANTE: CLEIDE RODRIGUES AÇÕES DE EXTENSÃO E CUTURA 2010 UNIDADE: FOP ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO REPRESENTANTE: CLEIDE RODRIGUES PROJETO SALA DE ESPERA Equipe de trabalho: SERVIÇO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DA FOP Cleide Rodrigues e

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Tema: O papel do terapeuta ocupacional para pessoas em tratamento de leucemia, linfoma, mieloma múltiplo ou mielodisplasia Total atingido de pessoas na sala: 26

Leia mais

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA Autores: Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro (*) Dr. Leonardo Marchini (**) Nas últimas décadas, têm-se observado, em

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO EM UTI (UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA)

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO EM UTI (UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA) 19 ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO EM UTI (UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA) DENTAL CARE IN THE ICU (INTENSIVE CARE UNIT) Aline SANTANA 1 Dayane Cordeiro XAVIER 1 Kátia Luz dos SANTOS 1 Marlene Volochen MENEZES 1

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO

FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO Preparo de uma região para cirurgia FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO Clinica Integrada II 3º Período Diurno Professores: Carmen Lucia Mueller Storrer Eli Luis Namba Fernando

Leia mais

Problematização. Processo

Problematização. Processo Determinantes socioambientais em saúde bucal e estratégias de Promoção da Saúde 1 Problematização Serviços de saúde [e sua expressão humana, ou seja, os profissionais de saúde] não são potentes o suficiente

Leia mais

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE HERVAL D OESTE RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E/OU PROVAS E TÍTULOS, PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO

Leia mais

Reabilitação após o câncer

Reabilitação após o câncer assistência Fisioterapia ajuda a prevenir e superar as sequelas decorrentes do tratamento oncológico Reabilitação após o câncer Durante muito tempo, o único foco do tratamento do câncer era a sobrevivência

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS REGIONAL CEO/ CISA

CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS REGIONAL CEO/ CISA CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS REGIONAL CEO/ CISA Versão I 2013 PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CEO CISA/IJUI 1. ENDODONTIA 2. PERIODONTIA 3. CIRURGIA ORAL MENOR 4. PACIENTES

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347 e CREMEPE

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2013

PLANO DE TRABALHO 2013 PLANO DE TRABALHO 2013 1- Identificação Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil (GPACI) Rua Antônio Miguel Pereira, 45 Jardim Faculdade Sorocaba São Paulo CEP: 18030-250 Telefone: (15) 2101-6555

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR 5. PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS 6. ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES

Leia mais

Sorriso de criança... Questão de educação!

Sorriso de criança... Questão de educação! Cidade Sorridente Sorriso de criança... Questão de educação! Dados oficiais (Mesmo entre os cidadãos com renda mensal acima de 6 SM) O Brasil é campeão mundial de cárie 60% dos dentes cariados estão sem

Leia mais

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS SANTOS, Aniúsca V¹; MANGGINI, Bruna K¹; MACIESKI, Franciele¹; SOARES, Jéssica Cavalheiro 1 ; TAMANHO, Jiana¹;

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Informativo para pacientes com boca seca (xerostomia)

Informativo para pacientes com boca seca (xerostomia) Informativo para pacientes com boca seca (xerostomia) O nosso objetivo com este ebook é prover o leitor que padece de boca seca com informações úteis a fim de contribuir para a melhoria de sua qualidade

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais