Análise da Odontologia domiciliar na Áustria em comparação ao cenário mundial*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da Odontologia domiciliar na Áustria em comparação ao cenário mundial*"

Transcrição

1 Análise da Odontologia domiciliar na Áustria em comparação ao cenário mundial* Por Ana Claudia Corrêa da Fonseca** Resumo: O objetivo deste trabalho é o rastreamento da situação atual da odontologia domiciliar na Áustria, a formação de uma visão geral sobre a necessidade e desejo por parte da população austríaca por esta atividade. Partindo-se do conceito que odontologia móvel é todo tipo de atendimento odontológico, preventivo ou curativo, o qual por diversos motivos é praticado fora de um consultório convencional, foi feito primeiramente um levantamento internacional dos modelos de equipamentos para odontologia domiciliar (ou móvel) existentes e a definição de grupos-alvo para este tipo de serviço. Numa segunda etapa, foi feita uma pesquisa de campo na Áustria onde a opinião tanto da população em geral, como também de envolvidos e profissionais da área em relação a odontologia domiciliar foi apurada. Baseandose nesta pesquisa foi possível a análise e a comprovação da necessidade e desejo da população em geral e dos envolvidos pelo tratamento odontológico móvel e/ou domiciliar. Foi constatado que na Áustria existe um sub atendimento odontológico para pessoas com deficiência física e/ou mental, pessoas que têm dificuldade de locomoção e aquelas que não se locomovem mais e que o desejo por um atendimento domiciliar é existente. Palavras-chave: Gerontologia, Odontologia domiciliar, Home Care odontológico, Odontologia para pacientes especiais. Introdução A odontologia domiciliar é um servico que se observa em muitos países do mundo. Sob os termos Mobile Dental Care ; Outreach Dentistry ou Mobile Dentristry se compreende todo tipo de atendimento curativo ou preventivo que é realizado fora de um consultório padrão fixo. O emprego de odontologia móvel vai desde intervenções emergenciais na área de saúde pública até a visita domiciliar realizada por um dentista.( 1 ) Hoje aparece a odontologia domiciliar como uma moderna reinvenção de uma atividade muito antiga. O atendimento odontológico móvel se mostra como um complemento à estrutura fixa e atende principalmente àquelas pessoas que não têm acesso ao atendimento padrão. Nesta atividade é observado um intenso trabalho multidisciplinar, onde a responsabilidade e sensibilidade por parte do dentista e sua equipe são muito mais exigidos( 2 ). No contexto atual do desenvolvimento demográfico da sociedade observa-se a mudança de circunstâncias de vida e nosogenia da população, o que pede novas formas de serviços de saúde. O aumento de expectativa de vida e o conseqüente envelhecimento da população( 3, 4, 5 ) fazem com que novas formas de atenção sejam uma realidade como, por exemplo, o atendimento domiciliar realizado por terapeutas, cabelereiros, manicures, enfermeiros, restaurantes, médicos e dentistas. É importante de se observar aqui a estreita relação entre odontologia domiciliar e áreas como odontologia preventiva, geriátrica e para pacientes especiais. Enquanto a odontologia móvel é considerada parte integrante e indiscutível dos serviços de saúde de alguns países, ela parece ser, na Áustria, uma desconhecida. À autora deste trabalho colocou-se a seguinte questão: existe na Áustria necessidade e/ou desejo da população por odontologia domiciliar? O objetivo deste trabalho é a realização de um levantamento internacional onde diferentes modelos de atendimento odontológico móvel assim como grupos-alvo para esta atividade serão identificados. Uma comparação com a realidade austríaca irá possibilitar a verificação da validade deste serviço, assim como o levantamento da necessidade e desejo por parte da população em relação a esta atividade. Necessidade e desejo estando presentes se faz mister uma estruturação e regulamentação para atendimento odontológico móvel no território austríaco. Materiais e métodos O desenvolvimento deste trabalho foi baseado principalmente em dados disponíveis na internet e pesquisa de campo na região da Baixa Áustria e a cidade de Viena na Áustria.

2 Através de programas de procura e palavras-chave em diversos idiomas foram identificados fornecedores de atendimento móvel odontológico assim como produtores de equipamentos móveis em várias partes do mundo. Também foram identificadas instituições como ministérios de saúde, organizações e universidades. Através do correio eletrônico( ) foi estabelecido contato, esclarecida a natureza do trabalho e foi feito o pedido por informações e material. Desta maneira, foram obtidas muitas informações diretamente de profissionais da área, de professores e fabricantes e, assim, o material básico de pesquisa foi selecionado. Na pesquisa de campo realizada foi levantada a opinião da população em geral (50 cidadãos austríacos, entre 20 e 65 anos de idade, freqüentadores de consultórios odontológicos em Viena através de entrevistas diretas), de pessoas que já recebem atendimento de enfermagem domiciliar através do Hilfswerk 1 na região de Tulln, Baixa Áustria (foram distribuídos 52 questionários através dos funcionários da Hilfswerk) e de profissionais de 61 asilos geriátricos situados na Baixa Áustria (os asilos foram contatados via ). A comunicação foi realizada nos idiomas inglês, português, espanhol, francês e alemão, visando a bem atingir aos participantes da pesquisa.. Os meios de comunicação utilizados foram , MSN 2, ORKUT 3, SKYPE 4, telefonemas e cartas por correio. Resultados Os índices de resposta conseguidos foram 55,8 % dentre os questionários e de 54,09% quando utilizados os s. A prática de odontologia domiciliar foi observada concretamente em 46 países, dentre eles a Áustria. Na maioria dos países onde o atendimento móvel é realizado, este é visto como indispensável para pacientes com problemas de mobilidade, especificamente para pacientes geriátricos e especiais. A principal característica desta atividade é que os profissionais de saúde (dentistas, assistentes, terapeutas, higienistas dentais, etc.) apresentam uma atitude ativa e com ajuda de equipamentos e/ou unidades móveis vão ao encontro de seus pacientes, onde quer que estes se encontrem( 6, 7, 8, 9 ). Intervenções odontológicas domiciliares têm, em sua maioria, um caráter de saúde pública onde muitas vezes o Estado assume a responsabilidade pela cobertura das necessidades da população. Os tratamentos móveis são oferecidos por instituições de saúde e universidades dentro de um sistema de saúde estatal. No entanto, a participação de organizações não governamentais também é bem expressiva. Estas atuam independentes ou freqüentemente em cooperação com organizações estatais. Intervenções odontológicas móveis que visam um trabalho de caráter apenas educacional preventivo não necessitam de nenhum equipamento técnico especial. Onde a odontologia curativa é necessária e planejada, estas intervenções são apoiadas por equipamentos e unidades móveis de atendimento. Unidades móveis podem ser consultórios normais montados dentro de veículos como trailers, caminhões, ônibus ou barcos. Estas unidades móveis possibilitam principalmente o acesso a localidades distantes e geograficamente isoladas( 10 ), mas também são parte de programas de odontologia preventiva em escolas e de aproximação com minorias sociais em grandes centros urbanos. Equipamentos móveis por sua vez variam em tamanho, peso e complexidade. Natureza e duração do tratamento determinam qual tipo de equipamento será o mais adequado. Estes equipamentos podem ser transportados em automóveis normais e montados em qualquer sala, são fáceis de montar e desmontar e podem fornecer condições ergonômicas e técnicas iguais as de um consultório fixo. Alguns equipamentos possibilitam inclusive o atendimento de pacientes acamados( 11 ). O atendimento odontológico móvel foi observado nos seguintes 1 Hilfswerk Österreich. Disponível em: URL: 2 Programa de conversacao multimédia,da Microsoft Co. 3 Programa de networking da Google Inc. 4 Programa de conversacao multimédia da Skype Tecnologies

3 locais: casa do paciente, hotéis, termas e SPAs, escolas, instituições como asilos, prisões e centros de reabilitação, hospitais, empresas, bem como na rua e no campo. Os grupos-alvo identificados foram: idosos, doentes e deficientes físicos e/ou mentais, escolares, populações marginais(desabrigados, dependentes de drogas, minorias étnicas e os muito pobres), pessoal de empresas, turistas, populações em regiões com deficiência de suprimento nos serviços de saúde e soldados em campo, assim como também pacientes em viagem que optam pelo atendimento odontológico domiciliar. A disponibilidade de atendimento odontológico domiciliar está diretamente correlacionado com atuais mudanças dos quadros sociodemográficos mundiais, como o abastecimento médico em regiões pobres e desfavorecidas do mundo, aumento de minorias sociais nos grandes centros urbanos e aumento da expectativa de vida em regiões desenvolvidas. Também foi constatado que o atendimento móvel representa muitas vezes uma carga física e psíquica muito grande para os profissionais de saúde envolvidos e que o retorno financeiro nem sempre é razoável. Das pesquisas de campo realizadas na Áustria obteve-se os seguintes resultados: 44 % dos 50 indivíduos entre 20 e 65 anos de idade freqüentadores de consultórios odontológicos em Viena têm parentes com dificuldade de locomoção. Os motivos citados de imobilidade foram amputação de membros inferiores, artrose, câncer, derrame cerebral, demência e formas mistas de doenças ligadas à idade avançada, como osteoporose e desgaste nas articulações. No caso de necessidade de ida ao consultório odontológico foi citado que em 60% destes consultórios a presença de barreiras físicas dificultavam o acesso. A presença obrigatória de um acompanhante representa um desgaste para parentes e o tempo na sala de espera foi citado como problemático. Os pacientes ficam nervosos, inquietos, impacientes e agressivos, alguns como os diabéticos não suportam o tempo em jejum e, para outros, a incontinência urinária mostra-se constrangedora. 100% dos indivíduos questionados aprovam a odontologia móvel para pacientes com dificuldade de locomoção. Em relação à pacientes saudáveis que nao têm dificuldades de locomocao obteve-se o seguinte resultado: São contra para pacientes saudáveis 18,0% Nada contra, mas difícil de imaginar na realidade austríaca 42,0% Nada contra 40% Um segundo levantamento foi feito com pessoas que já recebem atendimento de enfermagem domiciliar na região de Tulln na Baixa Áustria. Com ajuda dos funcionários da instituição Hilfswerk, a qual oferece atendimento domiciliar na área de enfermagem, foi possível a distribuição de questionários e se obteve as seguintes informações em relação à idade e sexo dos questionados: Idade Porcentagem de questionados Sexo feminino 62,1% Sexo masculino 38,0% anos 48,3% 57,14% 42,86% anos 34,5% 72,73% 27,27% anos 13,8% 50,0% 50,0% Como motivos da imobilidade foram citados: conseqüência de problemas e/ou cirurgias mal sucedidas na articulação da bacia/fêmur, complicações nas articulações dos joelhos, derrame cerebral/paralisia, doença de Parkinson, osteoporose, tumor cerebral, amputação de membros inferiores e formas mistas de doenças típicas da idade avançada que ocasionam fraqueza e deficiência física e mental. Deve-se salientar que em 27% dos questionários esta pergunta não foi respondida.

4 65% dos questionados disseram ter dificuldade para ir ao dentista, são dependentes de parentes e serviços de transporte e um deslocamento como este é sinônimo de dor, medo de quedas e estresse. 79% deles acham que a visita domiciliar feita por dentista uma boa atitude. No entanto 20,7% não vêem problema em serem transportados e serem dependentes de terceiros, considerando, por isto, a odontologia móvel desnecessária. Uma terceira pesquisa foi feita nos asilos geriátricos da Baixa Áustria, onde os profissionais de 61 asilos foram questionados e foi obtida uma taxa de resposta de 54,09%. Em relação ao questionamento em relação à presença de atendimento móvel odontológico obteve-se o seguinte resultado: Não. Os moradores são levados ao dentista em caso de necessidade. 48,5% Sim. Um dentista visita o asilo. 42,42% Sim. Um dentista visita o asilo/ Há uma cadeira odontológica no asilo. 9,1% Quando questionados em relação a validade do atendimento móvel odontológico em asilos, 87,9 % dos profissionais disseram ser um fator primordial a saúde bucal dos moradores e reconheceram a necessidade e importância de um atendimento móvel estruturado. Em presença de dor ou ausência de dentes naturais ou artificiais, observa-se uma diminuição na qualidade de vida e um comprometimento da saúde geral do morador, por outro lado o transporte ao dentista foi descrito como caro, trabalhoso, demorado, muitas vezes ineficaz e com problemas de comunicação entre os profissionais envolvidos, exigindo retornos para continuidade dos tratamentos. Problemas com barreiras físicas nos consultórios convencionais assim como o desgaste físico e psíquico dos pacientes, também foram citados. Um dentista que atende um destes asilos geriátricos mencionou a falta de preparação da equipe interna do asilo na área de cuidados orais assim como para reconhecimento e manejo de problemas orais em seus moradores, sendo necessária uma calibração do pessoal interno para melhor comunicação, organização e eficiência do serviço odontológico prestado. Também foi mencionada a distância existente entre a diretoria de certos asilos e seus trabalhadores com conseqüente distanciamento da realidade de seus moradores, resultando uma gestão duvidosa e voltada mais à aspectos políticos do que da própria saúde de seus internos. Discussão Grupos-alvo Um aspecto muito importante é o trabalho preventivo-educacional realizado por profissionais da área de saúde bucal em escolas, apoiados ou não por equipamentos e unidades móveis. Na maioria destes programas é realizado primeiramente um levantamento epidemiológico para reconhecimento da situação inicial. A partir deste, é feita a educação bucal seguida por escovação e aplicação de flúor. Em alguns casos, realiza-se o selamento de fóssulas e fissuras bem como pequenas intervenções. No Japão, os programas de prevenção bucal são parte integrante e obrigatória em todas as escolas. Na Áustria existem programas de prevenção bucal para crianças desde 1978 (chamado de Zahnputzentanten). Em Vorarlberg 5, Tirol 6 e Salzburg 7, três Estados austríacos da região oeste do país, são usadas unidades móveis como parte destes programas, os chamados 5 ARGE Kleinschulen in Vorarlberg: Durchs bunte Schuljahr 2006/ Abs. Dento Mobil. Disponível em: URL: [2007 Mar 16] 6 AVOMED Arbeitskreis für Vorsorgemedizin und Gesundheitsförderung in Tirol. Disponível em: URL: [2007 Mar] 7 AVOS - Arbeitskreis für Vorsorgemedizin Salzburg. Disponível em: URL: [2007 Mar]

5 Dentomobil. No geral, os programas de prevenção para escolares variam muito de Estado para Estado e não existe um consenso geral. No entanto, estas intervenções foram consideradas como eficazes e ganharam reconhecimento internacional( 12 ). Outro grupo importante é o de populações marginais em centros urbanos que acabam sendo vítimas da exclusão social cujos fatores são, por exemplo, diferenças de raça, cultura, idioma e religião, assim como também a dependência de drogas e alcóol, a pobreza e o portar de doenças infectocontagiosas. Integrantes dos grupos acima citados mostram um quadro de saúde geral bem inferior ao da população em geral. Em países como Alemanha, EUA e Dinamarca foram identificados programas domiciliares de saúde que têm como objetivo a aproximação a estes grupos, além da promoção de saúde em si também a integração social. A odontologia móvel faz também parte destes programas e o objetivo maior destas ações é o acesso. Os profissionais de saúde e assistentes sociais têm que ter a habilidade de lidar com diferenças culturais, conseguir criar um canal de comunicação e estabelecer uma base de confiança( 13, 14, 15 ). A Áustria é um país onde as minorias sociais principalmente decorrentes da imigração se intensificam a cada dia. Programas de integração social com a finalidade de promoção de saúde são com certeza uma necessidade. No decorrer deste trabalho porem não foi constatado nenhum programa móvel neste sentido. O atendimento odontológico móvel foi também muito observado em regiões distantes de grandes centros e onde barreiras geográficas, ausência de atendimento fixo e baixa colonização determinam a necessidade deste serviço. Na Áustria pode-se prever que algumas regiões pouco povoadas, com poucos meios de transporte público e barreiras geográficas como montanhas e condições climáticas de inverno seriam alvos da odontologia domiciliar. Estas áreas, no entanto, não foram pesquisadas neste trabalho. Outra população potencialmente favorecida engloba as pessoas idosas e deficientes físicos e/ou psíquicos. Estes são pacientes institucionalizados (asilos geriátricos e para pacientes especiais, casas de repouso, hospitais) ou os chamados pacientes Home Bound, ou seja, pessoas que pelos mais diversos motivos estão fixas as suas casas. Os levantamentos realizados neste trabalho mostraram que assim como em outros países desenvolvidos a odontologia móvel na Áustria para esta população é uma necessidade( 16 ). No entanto o atendimento domiciliar odontológico para estes indivíduos não foi identificado. Em 51,52% dos asilos foi constatada a atuação de um dentista móvel. Este trabalho é muito importante, no entanto, a falta de equipamento adequado possibilita apenas pequenas intervenções e simples remoção de dor que já surtem um grande efeito. Nos asilos onde odontologia móvel é presente foram constatados não apenas uma aceitação muito grande como também uma gratidão por parte de pacientes, parentes e profissionais do asilo. É importante de se ressaltar que a odontologia móvel preventiva pode ser realizada por terapeutas e higienistas dentais( 17 ). O que diminui consideravelmente os custos do tratamento não diminuindo sua eficácia. Na Estíria, Estado austríaco da região sul, existe desde janeiro de 2007 um projeto piloto de assistência odontológica móvel a asilos geriátricos. O nome do projeto é Mobile Zahngesundheit 8, 9 (Saúde Dental Móvel) e tem como objetivo e execução de profilaxia dental em intervalos regulares nos moradores de asilos da região. As intervenções odontológicas móveis em regiões subdesenvolvidas do mundo são indiretamente também um tema de discussão em países como a Áustria. Estas intervenções 8 Mobile Zahngesundheit. Disponível em: URL: [2007 Feb] 9 Volkshilfe Steiermark. Mobile Zahngesundheit (Áustria). Disponível em: URL: [2007 Mar 10]

6 são fruto do trabalho de organizações estatais ou não, que sós ou em cooperação com outras organizações e/ou universidades levam atendimento médico e odontológico a populações em regiões de crise. Exemplos destas organizações são: Deutsche Gesellschaft für Technische Zusammenarbeit GTZ (Alemanha) 10, Hilfswerk Deutscher Zahnärzte (Alemanha) 11, TerraCicle Association (Australia) ( 18 ), Terre des Hommes 12, Dentistes sans Frontières (Canada) 13 e Smile Mission (Itália) 14. A maioria destas organizações trabalha à base de voluntariado, doações e cooperações com universidades, onde estudantes têm a chance de conhecer outras realidades, de exercer sua cidadania, desenvolver suas habilidades e de serem sensibilizados para questões sociais globais. Este tipo de cooperação na área odontológica ou organizações que praticam odontologia domiciliar não foram observados em território austríaco. A odontologia móvel deve seu progresso e disseminação ao seu uso militar. Muito da tecnologia hoje empregada em equipamentos e unidades móveis médicas e odontológicas foram desenvolvidos em centros militares norte americanos 15. Estes equipamentos são empregados em todas as situações de conflitos onde soldados estão em campo( 19 ). Recursos dos EUA favorecem tropas de aliados e países como Brasil, Japão e Austrália têm seu próprio equipamento e as Forças Armadas austríacas não possuem equipamento próprio e quando em campo, são beneficiadas por tropas aliadas. Em alguns países como Brasil, EUA e Japão a odontologia móvel é também vista como uma alternativa ao tratamento padrão para pessoas que preferem ser atendidas em casa assim como para empresas, hotéis e SPAs por questões de conforto, segurança, economia de tempo e exclusividade. A Áustria é com certeza um alvo de serviços na área do conforto. Nos levantamentos realizados, 40% dos questionados acharam esta alternativa interessante.a mentalidade e valores de uma sociedade se modificam com o tempo e a tendência é o aumento da aceitação para serviços como o atendimento móvel odontológico. A odontologia móvel também é realizada em prisões e centros de reabilitação mas estes locais não foram pesquisados neste trabalho. Aspectos tecnológicos A tecnologia da informação é parte integrante da odontologia móvel e possibilita o uso de fichas de exame eletrônicas, com sistemas de navegação integrados até a conexão entre diferentes unidades. A documentação eletrônica é um importante instrumento de controle de qualidade do tratamento e que está também diretamente relacionada com os meios de comunicação utilizados com a matriz da fornecedora dos serviços. No decorrer deste trabalho foi observado que em muitos países onde existe atendimento odontológico móvel este serviço é desconhecido pela maioria da população e até mesmo por profissionais da área. No Japão ( 20, 21 ) e no Reino Unido( 22 ) foi possível observar um sistema on-line efetivo de informação, onde pacientes são esclarecidos sobre possibilidades do atendimento odontológico móvel e têm acesso à lista de profissionais. Ficou claro que a escolha do equipamento móvel ideal para o tipo de intervenção almejada é de suma importância para eficiência da intervenção e bem estar físico dos profissionais envolvidos. 10 GTZ, Deutsche Gesellschaft für Zusammenarbeit.(Áustria). Disponivel em: URL: [2006 Dec 10] 11 Hilfswerk- Z, Hilfswerk Deutsche Zahnärzte (Alemanha).Disponivel em: URL: 12 Terre des Hommes (na Alemanha). Disponível em: URL: [2006 Dec 10] 13 Dentistes sans Frontières (Canada). Disponivel em: URL: 14 Smile Mission, Solidarietà Odontoiatrica Internatzionale (Itália). Disponível em : URL: [2006 Dec 10] 15 Army-technology: Medical Coaches - Mobile Medical Units. Disponível em: URL: [2006 Oct 15]

7 Aspectos higiênicos Durante as pesquisas de campo realizadas neste trabalho surgiu sempre a preocupação com os aspectos higiênicos do atendimento odontológico móvel. Neste aspecto deve-se seguir as mesmas normas de higiene prescritas para o atendimento padrão. A realização de desinfecção e esterilização de equipamentos e instrumental assim como o uso correto das barreiras de proteção e manejo adequado de resíduos depende muito mais da equipe de saúde do que das condições do atendimento domiciliar em si. Formação acadêmica O atendimento móvel odontológico tem principalmente, pelo seu caráter social,um papel muito importante e prioritário dentro da Odontologia, assim sendo deveria ser tema do currículo básico de graduação. Dentistas que trabalham com atendimento móvel odontológico deveriam ter,em sua maioria, mestrado ou especialização nas áreas de odontologia geriátrica,odontopediatria, odontologia para pacientes especiais e saúde pública odontológica. Para as três ultimas áreas citadas não há cursos disponíveis em território austríaco Outros profissionais da saúde também envolvidos no atendimento odontológico móvel, mais especificamente higienistas dentais, não têm uma formação, em nível de bacharel, disponível na Áustria( 23 ). Barreiras No decorrer deste trabalho foram identificadas principalmente duas barreiras no exercício da odontologia domiciliar. Uma delas é a obtenção de profissionais não só qualificados, mas que tenham eles mesmos uma estrutura física e psíquica que propiciem o trabalho móvel que pede também por cirurgiões dentistas envolvidos numa atitude humanitária e social, além da habilidade para interagir com familiares e com profissionais de diversas áreas e disciplinas. O retorno financeiro também não é o mesmo de um consultório padrão. No entanto,certos grupos de profissionais da saúde são, em alguns países, muito elitistas, o quê dificulta interações e confrontam-se com princípios éticos. Os valores de uma sociedade têm um grande peso na formação de seus profissionais e nos serviços prestados pela mesma. Outra barreira é o financiamento desta atividade que tem uma base fortemente social e depende diretamente das políticas sociais e prioridades de um governo. Na área de medicina social observou-se uma grande participação do governo primeiramente no Japão. Na Europa percebe-se melhores políticas nos países do norte do que em países da Europa Central e do Sul. Nos EUA foram observados os sistemas de seguro social Medicare e Medicaid onde odontologia móvel é oferecida a populações carentes, idosos e deficientes( 24 ). Na América do Sul foram observados inúmeros projetos com participação estatal, mas estes projetos não são uniformes por todo o país e refletem uma política social desestruturada. A atuação paralela de organizações independentes tende a ser muito forte nestes países.situação semelhante à observada na América do Sul ocorre em alguns países asiáticos e na Oceania. Em países árabes e maioria dos países africanos não foi possível contatar órgãos de Estado. O quê se observa, no entanto, é uma forte intervenção de organizações de saúde estrangeiras em áreas de inexistência de políticas de saúde e sociais por parte do governo local. Onde a odontologia domiciliar é oferecida como alternativa ao consultório convencional para pacientes sem problemas de locomoção, o atendimento exclusivo é pago na maioria das vezes pelo próprio paciente. Além dos seguros sociais e doações também é investidor na odontologia móvel a economia privada. A participacao de empresas como investidores de projetos de saúde pública refletem a procura destas empresas pelo exercício de sua

8 responsabilidade social, a chamada Corporate Social Responsibility(CSR)( 25 ). Alguns exemplos sao Grupo Votorantin Celulose e Papel com o programa É Possivel Sorrir (Brasil)( 26 ), a Colgate Mobile Clinic(Jamaica)( 27 ) e Procter & Gamble com uma Dental Mobile Van em Boston (EUA)( 28 ). Conclusão Os levantamentos executados no decorrer deste trabalho possibilitam dizer que na Áustria existe uma odontologia domiciliar na área de prevencao e promocao de saúde bucal para escolares assim como no atendimento à moradores de asilos geriátricos. Porém não foi constatado nenhum tipo de assistência odontológica móvel para pacientes não institucionalizados com problema de mobilidade, os chamados pacientes home bound (presos ao lar). Existe desta forma na Áustria um sub abastecimento na área odontológica para pessoas com deficiências fisicas ou psiquicas, imobilizadas ou com problemas de locomoção, o quê sinaliza a necessidade do serviço odontológico móvel porém o desejo da população por ela é praticamente inexistente. Nas instituições visitadas por um profissional de saúde bucal não foi constatado o uso de equipamento móvel adequado às reais necessidades de seus moradores. Não existe um controle ou regulamentação para exercício de atendimento odontológico domiciliar. Outros grupos-alvo para a esta odontologia na Áustria seriam sem dúvida o das populações marginais em centros urbanos e populações isoladas geograficamente. No entanto a real situação destas populações assim como a distribuicao de dentistas por região, o acesso à meios de transporte coletivos e identificação de regiões mais ou menos populosas não foram tema deste trabalho. Agradecimentos Especial agradecimento ao Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro, Cirurgião-Dentista, Prof. Especialização na ABENO, UnG e ABO, por todo apoio e orientação oferecidos no decorrer deste trabalho. Ao Dr. Philip Wong, Cirurgião-Dentista, diretor da Domiciliary Unit da Dental Health Services Victoria, Austrália, pela atenção dispensada e material cedido. Referências Bibliográficas 1 Murphy JE Jr. Mobile Dentistry. Tulsa,OK: Pennwell Books; Junho Martins KV. Atendimento Domiciliar Odontológico para o Paciente Idoso. [Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Odontogeriatria]. São Paulo: Associação Brasileira de Ensino odontológico ABENO; 2005, 45p. 3 UBS research focus. Alterung der Gesellschaft. Editorial. Wien, April De Carli J V. Atendimento domiciliário em odontogeriatria [Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Odontogeriatria]. Piracicaba: UNICAMP / FOP; p. 5 Brunetti,RF; Montenegro,FLB. Odontogeriatria: prepare-se para o novo milênio. In: Feller C, Gorab R. Atualização na clinica odontológica. São Paulo: Ed.Artes Médicas, v.1, 2000, p Rezende TO. Odontogeriatria: saúde bucal por toda a vida. Disponivel em: URL: [2006 Dec 02] 7 Da Silva Dias MHM, Papaléo Netto M., Soares R et al. The dentist as part of the interdisciplinary team home care services. Jun Disponivel em: URL: [2006 Dec 02] 8 Saúde News Journal: Dentistas que prestam assistência domiciliar. Disponível em: URL: [2006 Dec 02] 9 Seixas L. Além do consultório: spa odontológico e atendimento domiciliar. Disponivel em: URL: [ 2006 Dec 02] 10 Hager R. Estudo avaliativo do serviço de saúde odontológico e autopercepção da saúde bucal da população de colônia do Piauí. [Trabalho de iniciacao científica]. In: 6.o Congresso de Iniciação Científica, São Paulo: UNISA; Marchini L. Atendimento domiciliar para o paciente idoso. [Aula ministrada no curso de especializacao de odontogeriatria]. Sao Paulo: ABENO; outubro ppt slides.

Projeto Dentista em casa

Projeto Dentista em casa Projeto Dentista em casa Oscip : 08071.001062/2010-97, publicado no diário oficial de 02 de março de 2010. Cnpj: 10.200.021/0001-04 SOS Dental Assistência Médica Odontologica SDAMO Consiste em levar à

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA Autores: Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro (*) Dr. Leonardo Marchini (**) Nas últimas décadas, têm-se observado, em

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA 1 SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Elazi Gomes de Oliveira Chacar Lima 1 1 Cirurgiã-Dentista aluna do Curso de Pós-Graduação em Saúde da Família da Faculdade de Medicina de Campos RESUMO

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO:

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: OBJETIVO: Desenvolver e instrumentalizar as pessoas interessadas em se profissionalizar como cuidador de idosos. Estimular a reflexão em relação

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO

PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO A Comissão do Processo Seletivo da Prefeitura Municipal de Planura comunica a seguinte alteração no Edital de seu Processo Seletivo nº 01/2014: ONDE SE LÊ: 3 - DAS CONDIÇÕES

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Categoria Franqueador Senior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Categoria Franqueador Senior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Senior Dados da empresa Razão Social: Sorridents Franchising Ltda Nome Fantasia: Sorridents Clínicas Odontológicas

Leia mais

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES 4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES Elaborado por: Marcelo S. Bönecker (Coordenador) Adriana Modesto Luiz Reynaldo de Figueiredo Walter Objetivo A Associação Brasileira

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

Participou em 20 cursos de actualização e formação contínua e Reuniões Científicas entre 1995 e 2007, em Portugal e no estrangeiro.

Participou em 20 cursos de actualização e formação contínua e Reuniões Científicas entre 1995 e 2007, em Portugal e no estrangeiro. RESUMO DE DADOS CURRICULARES 1. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO Filipa Fernandes Soares Franco Borges de Lemos Nome profissional: Filipa Soares Franco Nascida a 31 de Agosto de 1973 Nacionalidade Portuguesa

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP Nº 15414.004703/2010-01 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE DIÁRIAS DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR DECORRENTE DE ACIDENTE DIH Acidente 1.

Leia mais

A PolíticA que faz muitos brasileiros voltarem A sorrir.

A PolíticA que faz muitos brasileiros voltarem A sorrir. A PolíticA que faz muitos brasileiros voltarem A sorrir. POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE Durante anos a Odontologia esteve à margem das políticas públicas de saúde. O acesso

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DOS MEMBROS DAS EQUIPES DE AB I - Participar do processo de territorialização e mapeamento da área de atuação da equipe, identificando grupos, famílias e indivíduos

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

Sorriso de criança... Questão de educação!

Sorriso de criança... Questão de educação! Cidade Sorridente Sorriso de criança... Questão de educação! Dados oficiais (Mesmo entre os cidadãos com renda mensal acima de 6 SM) O Brasil é campeão mundial de cárie 60% dos dentes cariados estão sem

Leia mais

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização Sobre este inquérito Por toda a União Europeia, diferentes organizações proporcionam acesso e formação sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC), juntamente com outros serviços para grupos

Leia mais

SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA: Critérios e padrões de avaliação

SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA: Critérios e padrões de avaliação SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA: Critérios e padrões de avaliação Ernesto LIMA GONÇALVES * RSPU-B/227 LIMA GONÇALVES, E. Sistemas de organização de assistência médica: critérios e padrões

Leia mais

UMA HISTÓRIA DA ODONTOLOGIA NO BRASIL

UMA HISTÓRIA DA ODONTOLOGIA NO BRASIL UMA HISTÓRIA DA ODONTOLOGIA NO BRASIL Wander Pereira 1 RESUMO autônomo da ciência. PALAVRAS-CHAVE: ABSTRACT: KEYWORDS: History. Dentistry. Education. 1 pro tempore da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS Panorama dos Programas para Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

Por isso, neste e-book, descrevemos 7 critérios importantes para você escolher o melhor serviço odontológico.

Por isso, neste e-book, descrevemos 7 critérios importantes para você escolher o melhor serviço odontológico. Todos nós precisamos das clínicas odontológicas seja para fazer uma restauração, limpeza, clareamento de dentes e outros serviços, que em determinados momentos pode ser até uma cirurgia. Já sabemos também

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Brazilian Health System PLACEO. Programa Latino Americano de Convergência em Educação Odontológica

Brazilian Health System PLACEO. Programa Latino Americano de Convergência em Educação Odontológica Brazilian Health System PLACEO Programa Latino Americano de Convergência em Educação Odontológica PLACEO, o que é? Compartilhar e melhorar as experiencias educativas para criar melhores sistemas de educação

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012 FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA CURSO DE CLÍNICA MÉDICA 4º ANO / 2012 Coordenação: Dra. Elina Lika Kikuchi Professor Responsável: Prof. Dr. Wilson Jacob Filho

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

Metodologia da Pesquisa

Metodologia da Pesquisa BACHARELADO EM ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Prof. Me. Eurípedes Gil de França Metodologia da Pesquisa AULA 5 Refere-se ao como vou fazer a pesquisa. É a parte mecânica da pesquisa. Por meio

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB)

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO CARGA HORÁRIA: 1.200 HORAS COM ESTÁGIO DURAÇÃO : 2 ANOS PERIODICIDADE: SEMANAL (2ª, 3ª E 4ª) HORÁRIO DAS AULAS: 19H AS 21H INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Comentários. Programa saúde da família

Comentários. Programa saúde da família Comentários levantamento suplementar de saúde da Pesquisa Nacional por O Amostra de Domicílios PNAD 2008 trouxe informações detalhadas sobre a saúde da população residente em domicílios particulares no

Leia mais

OBJETIVOS. Objetivo Gerail

OBJETIVOS. Objetivo Gerail TÍTULO:PROJETO CUIDADOS ODONTOLÓGICOS AO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA AUTORES: Profª. Gracia Maria Salles Maciel Koerich Ac. Janaína Masson Ac. Márcia Martins Pacheco T. A. Sérgio José Sena INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE

Leia mais

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOGERIATRIA Código: Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1

Leia mais

Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011

Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011 Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011 Organograma PROGRAMA Promoção de saúde em seu conceito mais amplo, ou seja, despertar nos pacientes a importância da higiene bucal, da prevenção e a associação destas

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

Informação sobre funcionamento e garantias do serviço! Central de Marcação de Consultas!

Informação sobre funcionamento e garantias do serviço! Central de Marcação de Consultas! Informação sobre funcionamento e garantias do serviço! Através da linha de atendimento permanente o cliente poderá solicitar informações sobre o produto ou solicitar esclarecimentos quanto aos procedimentos.!

Leia mais

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos Protocolos de Enfermagem IDENTIFICAÇÃO DE RISCO E PREVENÇÃO DE QUEDAS HEMORIO - 2010 1ª Ed. PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos Colaboradores: Ana Cristina Amorim

Leia mais

Será cobrado o valor de R$ 7,90 por mês referente à prestação do serviço, preço que poderá ser alterado sem aviso prévio.

Será cobrado o valor de R$ 7,90 por mês referente à prestação do serviço, preço que poderá ser alterado sem aviso prévio. CONDIÇÕES GERAIS DA ASSISTÊNCIA MÉDICA E DENTAL 1. INTRODUÇÃO Os serviços de Assistência Médica e Dental são destinados a atender os beneficiários dos cartões de crédito Santander. Este serviço será prestado

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Fio Dental Uso em Programas de Saúde Pública.

Fio Dental Uso em Programas de Saúde Pública. Fio Dental Uso em Programas de Saúde Pública. Dental Floss Use in Public Health Programmes. Luís Antônio de Filippi CHAIM ** Paula Regina BENITES * ** Professor Responsável pelas Disciplinas de Odontologia

Leia mais

Programa de Atenção Integrada ao Idoso

Programa de Atenção Integrada ao Idoso Programa de Atenção Integrada ao Idoso Valéria Terra¹, Maria Carolina Carmignani¹, Tereza Barczinski² ¹ Metrus Instituto de Seguridade Social ² Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar

Leia mais

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. METODOLOGIA METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.085 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas foram

Leia mais

A AFETIVIDADE COMO ALIADA NO SUCESSO DO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO DO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA MENTAL

A AFETIVIDADE COMO ALIADA NO SUCESSO DO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO DO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA MENTAL A AFETIVIDADE COMO ALIADA NO SUCESSO DO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO DO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA MENTAL Soraia Gonçalves Acadêmica do Curso de Odontologia da UFSC Grácia Maria Salles Maciel Koerich, Msc Professora

Leia mais

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 Simone Caldas Tavares Mafra - Professora do Departamento de Economia Doméstica (UFV) sctmafra@ufv.br

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Feira da Mata sorrindo para o futuro Área temática Estudos Epidemiológicos / Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Feira

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

PROMOÇÂO DE SAÙDE BUCAL EM CRIANÇAS CARENTES DE CURITIBA

PROMOÇÂO DE SAÙDE BUCAL EM CRIANÇAS CARENTES DE CURITIBA PROMOÇÂO DE SAÙDE BUCAL EM CRIANÇAS CARENTES DE CURITIBA Área temática: Saúde Coordenador: Elaine Machado Benelli Equipe executora: Mayra Xavier e Silva *, Luciana Schneider e Elaine Machado Benelli ***

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Geriatria Código: Fisio 229 Pré-requisito: -------- Período Letivo:

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

As Ligas de Geriatria e Gerontologia e seu papel na formação dos profissionais de saúde

As Ligas de Geriatria e Gerontologia e seu papel na formação dos profissionais de saúde XIV Congressso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia III Encontro Nacional das Ligas de Geriatria e Gerontologia As Ligas de Geriatria e Gerontologia e seu papel na formação dos profissionais de saúde

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 Projeto: Qualificação em Cuidado Domiciliar da pessoa Idosa Frágil INSCRIÇÃO/CRECENCIAMENTO

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias Equipamentos de Saúde Gerenciados pelo CEJAM em Embu das Artes 11 Unidades Básicas de Saúde com 25 equipes de Estratégia Saúde da Família 1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde 1 Projeto Dengue

Leia mais

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de TÍTULO:PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE ALUNOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO FOP/UPE AUTORES: BARROS, E.S,, MACIEL, A*. E, MENEZES, V. A**., MESQUITA, M. F INSTITUIÇÃO: Faculdade de Odontologia

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em Saúde. OBJETIVO DO CURSO:

Leia mais

Grupo de Estudo- Empresa Jr EPM Leticia de Oliveira Grassi

Grupo de Estudo- Empresa Jr EPM Leticia de Oliveira Grassi Grupo de Estudo- Empresa Jr EPM Leticia de Oliveira Grassi Basicamente o sistema norte americano consiste em: Convênio médico Particular Programas governamentais como Medicaid e Medicare 2 grandes grupos

Leia mais

SEJA BEM-VINDO! AGORA VOCÊ É UM DENTISTA DO BEM

SEJA BEM-VINDO! AGORA VOCÊ É UM DENTISTA DO BEM SEJA BEM-VINDO! AGORA VOCÊ É UM DENTISTA DO BEM Caro dentista, agora você faz parte da Turma do Bem! É com grande satisfação que preparamos esse manual com informações sobre o Projeto DENTISTA DO BEM.

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento IQG Instituto Qualisa de Gestão Março 2011 Martha Savedra Práticas Excelência X Pagamento Qualidade Segurança Percepção do cliente FFS Pacotes

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SNAS DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL - DPSE SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO

CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO E-mail: odontologia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 228 Objetivos do Curso Formar Odontólogo para atuar em todos os níveis de atenção

Leia mais

Dr. Sandro Fenelon é radiologista e editor médico do site www.imaginologia.com.br

Dr. Sandro Fenelon é radiologista e editor médico do site www.imaginologia.com.br Dr. Sandro Fenelon é radiologista e editor médico do site www.imaginologia.com.br Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PROFISSIONAL VOLUNTÁRIO DENTISTAS GUIA DO VOLUNTÁRIO. www.fundacaoromi.org.br

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PROFISSIONAL VOLUNTÁRIO DENTISTAS GUIA DO VOLUNTÁRIO. www.fundacaoromi.org.br MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PROFISSIONAL DENTISTAS GUIA DO www.fundacaoromi.org.br MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PROFISSIONAL DENTISTAS O dentista deverá atuar em ações educativas e preventivas de saúde bucal,

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) Regulamenta o exercício das profissões detécnico em Higiene Dental e de Atendente de Consultório Dentário. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011 Regulamenta a profissão de quiropraxista, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta lei regula a atividade do profissional de quiropraxia,

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha)

FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha) 7139 Karlsruhe Tel.: +49 (0)721/ 35480-120, -128 FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha) Perguntas gerais Na verdade eu que eu quero é estudar na Alemanha. O

Leia mais

Produtos Unimed Grande Florianópolis

Produtos Unimed Grande Florianópolis Produtos Unimed Grande Florianópolis A Unimed é o plano de saúde que oferece os melhores médicos do Brasil. Vamos além para que sua saúde seja plena e de qualidade. Para nós, o importante é ver você bem

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO Responsável: Adriana dos Santos Leandro Endereço: Rua Fenelon Gomes, 112 Bairro: Ilha do Principe CEP:

Leia mais

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL 2010 TURMA DO BEM A Turma do Bem é uma OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público fundada em 2002

Leia mais

Níveis de atenção à saúde e serviços de saúde

Níveis de atenção à saúde e serviços de saúde Níveis de atenção à saúde e serviços de saúde Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não a mera ausência de doenças (OMS, 1949) Antes de falar sobre os níveis de atenção à saúde

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso

Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso teses Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso Open university for senior citizens at the Sagrado Coração university: a case study Ao mesmo tempo

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR DECORRENTE DE ACIDENTE

DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR DECORRENTE DE ACIDENTE DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR DECORRENTE DE ACIDENTE 1. OBJETIVO DA COBERTURA O objetivo desta cobertura é garantir o pagamento de indenização proporcional ao período de internação do segurado, observados

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO (nº SM) Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projeto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

Viver com Saúde vantagens e benefícios

Viver com Saúde vantagens e benefícios ÍNDICE 1. Seja bem-vindo! 2. Planos de Saúde MEDICARE 3. Plano de Saúde MEDICARE Silver 4. Plano de Saúde MEDICARE Dental Prestige 5. Plano de Saúde MEDICARE Platinium 6. Plano de Saúde MEDICARE SÉNIOR

Leia mais