Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado"

Transcrição

1 Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Manual Técnico Volume III Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64 Resolução TCE nº 766/2007 Instrução Normativa TCE nº 25/2007 1ª atualização - abril de 2010 SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas

2 ÍNDICE 1 - Introdução Características Abrangência das Informações Definição, Estrutura e Codificação dos Recursos Vinculados Utilização dos Recursos Vinculados Fundamentos da utilização dos Recursos Vinculados Condições para movimentação nos montantes dos Recursos Vinculados Recursos Vinculados para fins de Integração Recursos Vinculados - Administração Indireta Regime Próprio de Previdência - RPPS Assistência Social e Saúde Recurso Vinculado Recurso Livre - Administração Direta Municipal Recurso Vinculado MDE Recurso Vinculado FUNDEB Recurso Vinculado ASPS Receitas de Impostos e Cotas-Parte de Impostos Federais e Estaduais Grupos de Contas de Receita que não podem utilizar os códigos de Recursos Vinculados 0020, 0031 e Recurso Vinculado RPPS/FUNDO Recurso Vinculado Recurso Livre - Administração Indireta - Inclusive RPPS Recursos Vinculados no intervalo de 1001 a Livre utilização pelas entidades da Administração Direta Municipal Grupos de Contas Analíticas que podem ter Recursos Livres (0001) e/ou Recursos Vinculados (intervalo entre 1001 e 5000) Contas de Receita que deverão estar associadas aos Recursos Vinculados de intervalo 1001 a 5000 Administração Direta Municipal Utilização dos Recursos Vinculados no intervalo de 5001 a 8000 Livre utilização pelas entidades da Administração Indireta regidas pela Lei Federal nº Grupos de Contas Analíticas que SOMENTE podem ter Recursos Vinculados associados no intervalo de Utilização dos Recursos Vinculados no intervalo de 8001 a 9999 Utilizado no Balancete de Verificação para vinculação dos Recursos Extra-Orçamentários Grupo das Receitas de Valores Mobiliários Contrapartida do Recurso Vinculado INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas

3 1 - Introdução Direção de Controle e Fiscalização O aperfeiçoamento na forma de obter informações dos entes jurisdicionados em meio informatizado torna-se necessária, na medida em que os dados solicitados nem sempre encontram-se em meio documental. Existem situações que, embora seja possível gerar informações em meio documental, a sua análise se torna inviável, tendo em vista o grande volume apresentado. A remessa dos dados e informações ao TCE/RS pelos responsáveis dos entes jurisdicionados em arquivos digitais, tem como objetivo a padronização das informações, proporcionando maior agilidade de análise, obtendo resultados mais rápidos e com qualidade, além de evitar o retrabalho, atendendo desta forma o que dispõem os princípios de transparência da Administração Pública. Estes dados e informações são gerados de modo acumulado no período que se inicia em janeiro com periodicidade bimestral, podendo ser entregues até o último dia útil do mês seguinte ao término dos bimestres que se encerram nos meses de fevereiro, abril, junho, agosto, outubro e dezembro, ou em data definida na solicitação formal, podendo ser enviados pela internet ou entregues em meio magnético (ex: o uso de disquetes) ou ótico (ex: CD-Rs), sendo que nestes casos, o local de recebimento será na Sede ou nos Serviços Regionais de Auditoria: Os endereços dos Serviços Regionais de Auditoria e Sede em Porto Alegre poderão ser obtidos no sítio do TCE/RS na internet, no endereço Características Os Recursos Vinculados tem como característica principal a identificação do fluxo que os recursos financeiros percorrem dentro de uma entidade. Com a utilização dos Recursos Vinculados, é possível identificar os valores que poderão ser gastos por esta entidade no período examinado, adicionando-se às receitas arrecadadas o saldo inicial, caso exista, registrado nas contas contábeis bancárias. Subtraindo-se destes valores os empenhos do exercício pagos e os restos a pagar pagos, efetuando o ajuste dos cancelamentos de restos a pagar, caso o procedimento contábil de registro deste cancelamento de restos seja com contrapartida de receita, e considerando as transferências recebidas como ingressos e as transferências concedidas como saídas de recursos, é possível obter como resultado, o saldo final registrado nas contas contábeis bancárias, identificando assim o total dos recursos que sofreram movimentação dentro de uma entidade Abrangência das Informações Os Recursos Vinculados tratam tanto da execução orçamentária quanto da execução financeira dos órgãos e entidades municipais, inclusive consórcios públicos, regidos pela Lei Federal nº 4.320/64. Este procedimento de vinculação está definido no parágrafo único do art. 8º da Lei de Responsabilidade Fiscal editada em maio de 2000, o qual estabelece que "Os recursos SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 3 de 22

4 legalmente vinculados a finalidade especifica serão utilizados exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação, ainda que em exercício diverso daquele em que ocorrer o ingresso". Além desta determinação, o inciso I do art. 50 da mesma LRF, estabelece que "A Disponibilidade de Caixa constará de registro próprio, de modo que os Recursos Vinculados a órgão, fundo ou despesa obrigatória fiquem identificados e escriturados de forma individualizada". Este Tribunal, através da Resolução nº 535/99, juntamente com as Instruções Normativas 15/2000 e 05/2001, antecipando estas determinações, estabeleceu que as contas de receita constantes nos elencos de contas das entidades municipais regidas pela Lei Federal nº 4.320, em seu nível analítico, deverão estar associadas a códigos de recursos, denominados de Recursos Vinculados. Deverá existir um código de Recurso Vinculado para cada conta de Receita em nível analítico, que verse sobre Receitas Vinculadas de Impostos, Contribuições, Aplicações Financeiras, Transferências, Operações de Crédito, Auxílios, Convênios, Subvenções, Alienação de Ativos e demais receitas que possuam destinação específica. Para as demais contas de Receita, próprias ou de transferências, que não apresentarem legalmente vinculação com finalidade específica ou decorrente de convênio, contrato, acordo ou outro ajuste, será necessária sua identificação através de um código de Recurso Vinculado único, denominado de Recurso Livre. As contas Contábeis Bancárias (movimento e/ou aplicação), em seu nível analítico, deverão estar associadas a um código de Recursos Vinculado e, caso tenham sofrido movimentação em contrapartida de uma conta de Receita Orçamentária deverão ser associadas, obrigatoriamente, aos mesmos códigos de Recurso Vinculado das contas de Receita, inclusive o denominado de Recurso Livre. O empenho deverá, obrigatoriamente, especificar o código do Recurso Vinculado associado à Conta Bancária por conta da qual correrá a despesa respectiva, bem como o código da Contrapartida, quando for o caso. Para complementar estas informações, nas demais contas Contábeis Bancárias cujos recursos financeiros servirão para pagamento e/ou devolução dos valores registrados no grupo Depósitos do Passivo Circulante, ou seja, recursos que não pertencem à entidade, será necessário sua identificação através de códigos de Recursos Vinculados denominados de Recursos Vinculados Extra-orçamentários Definição, Estrutura e Codificação dos Recursos Vinculados Os Recursos Vinculados relacionam os saldos financeiros que possuem movimento dentro de uma entidade com a receita e/ou a despesa, conforme for o caso. Para executar este procedimento, foi necessário estabelecer o intervalo de códigos iniciando em 0001 (um) até 9999 (nove mil novecentos e noventa e nove), devendo ser observado os seguintes critérios: SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 4 de 22

5 INTERVALO DE CODIFICAÇÃO DOS RECURSOS VINCULADOS INTERVALO DEFINIÇÃO 0001 a 1000 Intervalo de códigos definidos pelo TCE de utilização obrigatória pelas Entidades 1001 a 5000 Intervalo de Livre utilização pelas Entidades da Administração Direta 5001 a 8000 Intervalo de Livre utilização pelas Entidades da Administração Indireta, regidas pela Lei Federal nº 4.320/ a 9999 Intervalo para vinculação dos Recursos Extra-Orçamentários a) Intervalo de 0001 a 1000 Os códigos e os recursos vinculados estabelecidos no intervalo de 0001 a 1000, são de uso obrigatório pelos entes jurisdicionados regidos pela Lei Federal nº 4.320/64, não sendo permitida, nesse intervalo, nenhuma criação de codificação por parte das entidades, sendo esta exclusiva do TCE/RS: Os códigos criados pelo TCE são os relacionados abaixo que deverão ser utilizados nas contas de receita, de bancos e/ou de despesa: 0001 ====> Recurso Livre - Administração Direta Municipal 0020 ====> MDE 0030 ====> FUNDEF (utilizado até 31/12/2007) 0031 ====> FUNDEB (a partir de 01/01/2007 Instituído pela EC n 53/2006) 0040 ====> ASPS 0050 ====> RPPS (instituído como FUNDO dentro da Administração Direta) 0400 ====> Recurso Livre - Administração Indireta Municipal (inclusive RPPS instituído como Autarquia ou Fundação) b) Intervalo de 1001 a 5000 Os códigos e os recursos vinculados estabelecidos no intervalo de 1001 a 5000 deverão evidenciar todos os Auxílios, Convênios, Subvenções, Alienação de Ativos e demais receitas que possuam destinação específica, excetuando-se os estabelecidos no item "a", sendo de criação e utilização obrigatória pelos entes jurisdicionados regidos pela Lei Federal nº 4.320/64. c) Intervalo de 5001 a 8000 Os códigos e os recursos vinculados estabelecidos no intervalo de 5001 a 8000 deverão evidenciar todos os Auxílios, Convênios, Subvenções, Alienação de Ativos e demais receitas que possuam destinação específica, excetuando-se os estabelecidos no item "a", sendo de criação e utilização obrigatória dos entes jurisdicionados da administração indireta regidos pela Lei Federal nº 4.320/64. d) Intervalo de 8001 a 9999 Os códigos e os recursos vinculados estabelecidos no intervalo de 8001 a 9999 deverão evidenciar os recursos extra-orçamentários que servirão para pagamento ou devolução dos valores que pertencem a terceiros, registrados no grupo Depósitos do Passivo Circulante, sendo de uso obrigatório pelos entes jurisdicionados regidos pela Lei Federal nº SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 5 de 22

6 1.4 - Utilização dos Recursos Vinculados A seguir é exemplificado algumas situações sobre a utilização dos Recursos Vinculados que já foram tratados em apostilas de eventos realizados por este TCE/RS aos seus jurisdicionados: Fundamentos da utilização dos Recursos Vinculados i) todas as Contas de Receita constantes no Plano de Contas do município, em seu nível analítico, deverão estar associadas a códigos próprios de recursos, denominados de Recursos Vinculados. ii) As contas Contábeis Bancárias (movimento e/ou aplicação), em seu nível analítico, deverão estar associadas a um código de Recursos Vinculado e, caso tenham sofrido movimentações em contrapartida de uma conta de Receita Orçamentária deverão ser associadas, obrigatoriamente, aos mesmos códigos de Recurso Vinculado das contas de Receita, inclusive o denominado de Recurso Livre. iii) a Execução Orçamentária da Despesa (Empenho) deverá ser feita observando-se o Código do Recurso pelo qual está ocorrendo a Despesa. iv) o Pagamento da Despesa Orçamentária deverá ser feito sempre pela Conta Contábil Bancária que possuí o mesmo Código do Recurso vinculado do Empenho devendo ser observado e analisado o Pagamento feito por CAIXA os quais devem ser exceção e, observar a seguinte regra: - somente com Cheque Nominal ao Credor, Cruzado e com duas assinaturas, sendo que na contabilidade deverá ter uma conta de Caixa para cada Vínculo. Portanto, teremos recursos vinculados: nas CONTAS ANALÍTICAS do BALANCETE DA RECEITA, nas CONTAS ANALÍTICAS de CAIXA, BANCOS e APLICAÇÕES DO RPPS no grupo DISPONÍVEL do BALANCETE DE VERIFICAÇÃO e em todos os EMPENHOS DE DESPESA ORÇAMENTÁRIA Condições para movimentação nos montantes dos Recursos Vinculados - Cada lançamento a crédito da Receita ou de uma conta de Resultado, e a débito do Financeiro determina um acréscimo no montante daquele Recurso Vinculado específico, conforme o código que lhe foi atribuído, e o vincula aquela conta corrente bancária onde foi depositado. - Cada Empenho determina uma diminuição do montante da Dotação daquele Recurso Vinculado; - Cada pagamento de Empenho a débito da despesa realizada com o correspondente crédito no Financeiro determina uma baixa daquele recurso da Conta bancária à qual ele estava vinculado. - Cada Repasse Financeiro a débito de uma conta de Resultado com o correspondente crédito no Financeiro determina uma baixa daquele recurso da Conta bancária à qual ele estava vinculado. SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 6 de 22

7 Recursos Vinculados para fins de Integração - Recursos Livres da Prefeitura (0001) repassados para a Autarquia/Fundação, deverão ser gastos pela Autarquia/Fundação no Recurso Recurso Livre da Prefeitura (o recurso vinculado não perde a codificação de origem, enquanto permanecer a sua finalidade - art. 8º da LRF) - Recursos vinculados da Prefeitura repassados para a Autarquia/Fundação, devem ser gastos pela Autarquia/Fundação no mesmo código de Recurso estabelecido na prefeitura (o recurso vinculado não perde a codificação de origem, enquanto permanecer a sua finalidade - art. 8º da LRF). Por Exemplo: i) O Recurso ASPS, deverá ser gasto na Autarquia/Fundação como ASPS. ii) Recursos que tratam de Auxílios, Convênios ou outras Transferências recebidas pela Prefeitura Municipal, transferidos para as entidades da administração indireta, devem ser gastos pela Autarquia/Fundação nos mesmos recursos especificados pela Prefeitura, inclusive utilizando o mesmo código de intervalo 1001 a 5000, determinado pela PM, quando do recebimento da Receita. Esses recursos serão repassados financeiramente pela PM para Autarquia/Fundação e serão utilizados pela Autarquia/Fundação nas contas do disponível e nos empenhos de despesa orçamentária. A situação colocada acima se refere a relação: PM -> INDIRETAS INDIRETAS -> PM OBSERVAÇÃO: As receitas provenientes de remuneração de depósitos bancários de recursos repassados por uma entidade para serem utilizados por outra entidade, dentro do mesmo Município, poderão ser registradas como receita orçamentária, diretamente na entidade recebedora do recurso, caso em que deverão ser mantidos os mesmos códigos de recursos vinculados da origem Recursos Vinculados - Administração Indireta Municipal - Valores recebidos pela Autarquia/Fundação de prestação de serviços, ou seja, recursos arrecadados pela própria Autarquia/Fundação, devem ser gastos como Recurso Livre, código Recurso Livre-Administração Indireta Municipal; - Recursos de Auxílios, Convênios ou outras Transferências recebidas diretamente pela Autarquia/Fundação devem ser gastos nos Recursos específicos, Intervalo de 5001 a 8000, determinado pela Autarquia/Fundação, quando do recebimento da Receita Regime Próprio de Previdência - RPPS SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 7 de 22

8 i) FUNDO PREVIDENCIÁRIO: Todos os valores recebidos pelo Fundo Previdenciário (registrado na prefeitura municipal como órgão ou unidade orçamentária), devem ser registrados com o Recurso Vinculado 0050 RPPS. ii) AUTARQUIA ou FUNDAÇÃO PREVIDENCIÁRIA: Todos os valores recebidos pela Autarquia ou Fundação Previdenciária (pertencente a administração indireta municipal), devem ser registrados com o Recurso Vinculado Recurso Livre - Administração Indireta Municipal Assistência Social e Saúde i) FUNDO: Todos os valores recebidos pelo Fundo de Assistência Social e/ou Saúde do Servidor (registrado na prefeitura municipal como órgão ou unidade orçamentária), devem ser registrados com o Recurso Vinculado criado no intervalo entre 1001 e Administração Direta Municipal. ii) AUTARQUIA ou FUNDAÇÃO: Todos os valores recebidos pela Autarquia ou Fundação de Assistência Social e/ou de Saúde do Servidor (pertencente a administração indireta municipal), devem ser registrados com o Recurso Vinculado Recurso Livre - Administração Indireta Municipal Recurso Vinculado 0001 Recurso Livre - Administração Direta Municipal Este Recurso deve ser utilizado em todas as contas analíticas de Receita que não tenham vinculação legal ou contratual e são de livre utilização pela administração direta municipal e OBRIGATORIAMENTE nas seguintes contas: ITR PROPRIO IPTU PROPRIO IRRF - ATIVO/INATIVO-EXECUTIVO/INDIRETA PROPRIO IRRF - ATIVO/INATIVO-LEGISLATIVO PROPRIO IRRF - INATIVOS PAGOS PELO RPPS PROPRIO IRRF - PENSIONISTAS PAGOS COM RECURSOS DO TESOURO DO MUNICIPIO - PROPRIO IRRF - PENSIONISTAS PAGOS COM RECURSOS DO RPPS - PROPRIO IRRF - PRESTACAO DE SERVICOS DE TERCEIROS - PODER EXECUTIVO/INDIRETAS PROPRIO IRRF - PRESTACAO DE SERVICOS DE TERCEIROS LEGISLATIVO - PROPRIO RETIDO NAS FONTES OUTROS RENDIMENTOS - PODER EXECUTIVO - PROPRIOS RETIDO NAS FONTES OUTROS RENDIMENTOS - PODER LEGISLATIVO - PROPRIOS ITBI PROPRIO ISS PROPRIO COMPENSACAO FINANCEIRA A PREFEITURA MUNICIPAL CONTRIBUICAO DOS INATIVOS E PENSIONISTAS A PREFEITURA MUNICIPAL COTA-PARTE DO FPM PROPRIO COTA-PARTE DO ITR PROPRIO COTA-PARTE IMP.S/OPER.CRED., CAMBIO,SEGURO OU RELATIVAS A TITULOS/VALORES MOBIL COMERC.OURO PROPRIO TRANSFERENCIA FINANCEIRA - L.C.N 87/96 PROPRIO COTA-PARTE DO ICMS PROPRIO COTA-PARTE DO IPVA PROPRIO COTA-PARTE DO IPI/EXPORTACAO PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DO IRRF PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE TERRITORIAL RURAL - SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 8 de 22

9 MUNICÍPIOS CONVENIADOS - PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DO IPTU PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DO ITBI PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DO ISS PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IRRF PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ITR - MUNICIPIO CONVENIADO - PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IPTU PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ITBI PROPRIO MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ISS PROPRIO RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IRRF PROPRIO RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ITR - PROPRIO RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IPTU PROPRIO RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ITBI PROPRIO RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ISS PROPRIO OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Tendo em vista que o Recurso Vinculado deve sempre preservar a origem enquanto a finalidade for a mesma (art. 8º da LRF), os valores repassados financeiramente para serem aplicados pelas entidades da Administração Indireta, ou seja, para as Autarquias e Fundações dos Recursos Livres da Prefeitura, deve ser gasto pela Autarquia ou Fundação no Recurso Recurso Livre Recurso Vinculado MDE Este Recurso deve ser utilizado OBRIGATORIAMENTE E SOMENTE nas contas analíticas de receita formadoras da Base de Cálculo da aplicação constitucional em Educação, quais sejam: ITR MDE IPTU MDE IRRF - ATIVO/INATIVO-EXECUTIVO/INDIRETA MDE IRRF - ATIVO/INATIVO-LEGISLATIVO MDE IRRF - INATIVOS PAGOS PELO RPPS MDE IRRF - PENSIONISTAS PAGOS COM RECURSOS DO TESOURO DO MUNICIPIO MDE IRRF - PENSIONISTAS PAGOS COM RECURSOS DO RPPS MDE IRRF - PRESTACAO DE SERVICOS DE TERCEIROS - PODER EXECUTIVO/INDIRETAS MDE IRRF - PRESTACAO DE SERVICOS DE TERCEIROS - LEGISLATIVO MDE RETIDO NAS FONTES OUTROS RENDIMENTOS - PODER EXECUTIVO - MDE RETIDO NAS FONTES OUTROS RENDIMENTOS - PODER LEGISLATIVO MDE ITBI MDE ISS MDE RECEITA DE REMUNERACAO DE DEPOSITOS BANCARIOS DE RECURSOS VINCULADOS MDE COTA-PARTE DO FPM MDE COTA-EXTRA DO FPM - MDE COTA-PARTE DO ITR MDE COTA-PARTE IMP.S/OPER.CRED., CAMBIO,SEGURO OU RELATIVAS A TITULOS/VALORES MOBIL.- COMERC.OURO MDE TRANSFERENCIA FINANCEIRA - L.C.N 87/96 MDE COTA-PARTE DO ICMS MDE COTA-PARTE DO IPVA MDE COTA-PARTE DO IPI/EXPORTACAO MDE SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 9 de 22

10 MULTAS E JUROS DE MORA DO IRRF MDE MULTAS E JUROS DE MORA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE TERRITORIAL RURAL - MUNICÍPIOS CONVENIADOS - MDE MULTAS E JUROS DE MORA DO IPTU MDE MULTAS E JUROS DE MORA DO ITBI MDE MULTAS E JUROS DE MORA DO ISS MDE MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IRRF MDE MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ITR - MUNICIPIO CONVENIADO - MDE MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IPTU MDE MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ITBI MDE MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ISS MDE RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IRRF MDE RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ITR - MDE RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IPTU MDE RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ITBI MDE RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ISS MDE OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Como o Recurso Vinculado deve sempre preservar a origem, valores repassados financeiramente para serem aplicados pelas entidades da Administração Indireta, ou seja, para as Autarquias e Fundações do recurso MDE da Prefeitura, deve ser gasto pela Autarquia ou Fundação no Recurso 0020 MDE, quando por exemplo, o município possuí uma entidade pública municipal para qual é repassada recursos da MDE Recurso Vinculado 0031 FUNDEB Este Recurso deve ser utilizado OBRIGATORIAMENTE E SOMENTE nas contas analíticas de receita formadoras da Base de cálculo da aplicação constitucional com Educação percentual do FUNDEB, quais sejam: ITR FUNDEB RECEITA DE REMUNERACAO DE DEPOSITOS BANCARIOS DE RECURSOS VINCULADOS - FUNDEB COTA-PARTE DO FPM - FUNDEB COTA-PARTE DO ITR - FUNDEB TRANSFERENCIA FINANCEIRA - L.C.N 87/96 - FUNDEB COTA-PARTE DO ICMS - FUNDEB COTA-PARTE DO IPVA - FUNDEB COTA-PARTE DO IPI/EXPORTACAO - FUNDEB TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO FUNDEB TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DA COMPLEMENTAÇÃO DA UNIÃO AO FUNDEB MULTAS E JUROS DE MORA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE TERRITORIAL RURAL - MUNICÍPIOS CONVENIADOS - FUNDEB MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ITR - MUNICIPIO CONVENIADO - FUNDEB RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ITR - FUNDEB (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA A FORMAÇÃO DO FUNDEB - ITR - MUNICIPIOS CONVENIADOS (R) DEDUÇÃO DA RECEITA PARA FORMAÇÃO DO FUNDEB - FPM (R) DEDUÇÃO DA RECEITA PARA FORMAÇÃO DO FUNDEB ITR (R) DEDUÇÃO DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEB - ICMS DESONERACAO - LEI COMPLEMENTAR / (R) DEDUÇÃO DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEB - ICMS (R) DEDUÇÃO DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEB - IPVA (R) DEDUÇÃO DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEB - IPI/EXPORTACAO SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 10 de 22

11 OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: As Contas Redutoras do grupo 9 vinculadas ao Recurso FUNDEB, indicadas na Tabela acima, devem ter OBRIGATORIAMENTE Característica Peculiar igual a 105 nos Arquivos BAL_REC.TXT e RECEITA.TXT Recurso Vinculado 0040 ASPS Este Recurso deve ser utilizado OBRIGATORIAMENTE E SOMENTE nas contas analíticas de receita formadoras da Base de cálculo da aplicação constitucional com Saúde, quais sejam: ITR - ASPS IPTU ASPS IRRF - ATIVO/INATIVO-EXECUTIVO/INDIRETA - ASPS IRRF - ATIVO/INATIVO-LEGISLATIVO - ASPS IRRF - INATIVOS PAGOS PELO RPPS - ASPS IRRF - PENSIONISTAS PAGOS COM RECURSOS DO TESOURO DO MUNICIPIO - ASPS IRRF - PENSIONISTAS PAGOS COM RECURSOS DO RPPS - ASPS IRRF - PRESTACAO DE SERVICOS DE TERCEIROS - PODER EXECUTIVO/INDIRETAS - ASPS IRRF - PRESTACAO DE SERVICOS DE TERCEIROS - LEGISLATIVO - ASPS RETIDO NAS FONTES OUTROS RENDIMENTOS - PODER EXECUTIVO - ASPS RETIDO NAS FONTES OUTROS RENDIMENTOS - PODER LEGISLATIVO - ASPS ITBI ASPS ISS ASPS RECEITA DE REMUNERACAO DE DEPOSITOS BANCARIOS DE RECURSOS VINCULADOS - ASPS COTA-PARTE DO FPM ASPS COTA-PARTE DO ITR ASPS TRANSFERENCIA FINANCEIRA - L.C.N 87/96 - ASPS COTA-PARTE DO ICMS ASPS COTA-PARTE DO IPVA ASPS COTA-PARTE DO IPI/EXPORTACAO - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DO IRRF - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE TERRITORIAL RURAL - MUNICÍPIOS CONVENIADOS - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DO IPTU - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DO ITBI - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DO ISS - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IRRF - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ITR - MUNICIPIO CONVENIADO - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IPTU - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ITBI - ASPS MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO ISS - ASPS RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IRRF - ASPS RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ITR - ASPS RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IPTU - ASPS RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ITBI - ASPS RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO ISS - ASPS OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Como o Recurso Vinculado deve sempre preservar a origem, valores repassados financeiramente para serem aplicados pelas entidades da Administração Indireta, ou seja, para as Autarquias e Fundações do recurso ASPS da Prefeitura, deve SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 11 de 22

12 ser gasto pela Autarquia ou Fundação no Recurso 0040 ASPS. Essa situação vai ocorrer, por exemplo, quando o município possuí Hospital Público e repassa recursos da saúde para serem aplicados pelo Hospital Receitas de Impostos e Cotas-Parte de Impostos Federais e Estaduais As contas analíticas de receitas de impostos, e as contas analíticas de receitas de transferências das cotas-parte de Impostos Federais e Estaduais cujos grupos estão relacionados abaixo SOMENTE PODERÃO ser associados aos códigos de Recursos Vinculados 0001, 0020, 0031 e 0040, ou outro que a Constituição Federal vier a vincular: IMPOSTOS PARTICIPACAO NA RECEITA DA UNIAO TRANSFERENCIA FINANCEIRA - L.C.N 87/ PARTICIPACAO NA RECEITA DOS ESTADOS MULTAS E JUROS DE MORA DO IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NAS FONTES IRRF MULTAS E JUROS DE MORA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE TERRITORIAL RURAL MULTAS E JUROS DE MORA DO IMPOSTO S/PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IPTU MULTAS E JUROS DE MORA DO IMPOSTO S/TRANSMISSAO INTER-VIVOS DE BENS IMOVEIS ITBI MULTAS E JUROS DE MORA DO IMPOSTO SOBRE SERVICOS DE QUALQUER NATUREZA ISS MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE TERRITORIAL RURAL MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IMPOSTO S/A PROPR.PREDIAL TERRIT. URBANA IPTU MULTAS JUROS MORA DIVIDA ATIVA DO IMPOSTO S/A TRANSM. INTER-VIVOS DE BENS IMOVEIS ITBI MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DO IMPOSTO S/SERVICOS DE QUALQUER NATUREZA ISS RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE TERRITORIAL RURAL - ITR RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IMPOSTO S/A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IPTU RECEITA DA DIVIDA ATIVA DO IMPOSTO S/A TRANSMISSAO INTER-VIVOS DE BENS IMOVEIS ITBI RECEITA DA DIVIDA ATIVA SOBRE SERVICOS DE QUALQUER NATUREZA ISS Grupos de Contas de Receita que não podem utilizar os códigos de Recursos Vinculados 0020, 0031 e TAXAS CONTRIBUICAO DE MELHORIA RECEITA DE CONTRIBUICOES RECEITAS IMOBILIARIAS RECEITA DE CONCESSOES E PERMISSOES COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS OUTRAS RECEITAS PATRIMONIAIS RECEITA AGROPECUARIA RECEITA INDUSTRIAL RECEITA DE SERVICOS TRANSFERENCIA DA COMPENSACAO FINANCEIRA PELA EXPLORACAO DE RECURSOS NATURAIS TRANSFERENCIA DE RECURSOS DO SISTEMA UNICO DE SAUDE - SUS - REPASSE FUNDO A FUNDO TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - FNAS TRANSFERENCIAS RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCACAO - FNDE OUTRAS TRANSFERENCIAS DA UNIAO SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 12 de 22

13 TRANSFERENCIA DA COTA-PARTE DA COMPENSACAO FINANCEIRA (25%) TRANSFERENCIA RECURSOS DO ESTADO PARA PROGRAMAS DE SAUDE - REPASSE FUNDO A FUNDO OUTRAS TRANFERENCIAS DOS ESTADOS TRANSFERENCIAS DOS MUNICIPIOS OUTRAS TRANSFERENCIAS MULTIGOVERNAMENTAIS TRANSFERENCIAS DE INSTITUICOES PRIVADAS TRANSFERENCIAS DO EXTERIOR TRANSFERENCIAS DE PESSOAS TRANSFERENCIAS DE CONVENIOS MULTAS E JUROS DE MORA DA TAXA DE FISCALIZACAO E VIGILANCIA SANITARIA MULTAS E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUICOES DE MELHORIA MULTAS E JUROS DE MORA DE OUTROS TRIBUTOS MULTAS E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUICOES MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DA TAXA DE FISCALIZACAO E VIGILANCIA SANITARIA MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DAS CONTRIBUICOES DE MELHORIA MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DE OUTROS TRIBUTOS MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DAS CONTRIBUICOES MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DE OUTRAS RECEITAS MULTAS E JUROS DE MORA DE OUTRAS RECEITAS MULTAS DE OUTRAS ORIGENS INDENIZACOES E RESTITUICOES RECEITA DA DIVIDA ATIVA DA TAXA DE FISCALIZACAO E VIGILANCIA SANITARIA RECEITA DA DIVIDA ATIVA DA CONTRIBUICAO DE MELHORIA RECEITA DA DIVIDA ATIVA DE OUTROS TRIBUTOS RECEITA DA DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA RECEITAS CORRENTES DIVERSAS OPERACOES DE CREDITO ALIENACAO DE BENS A receita de alienação de bens adquiridos com recursos da Educação e da Saúde deve TER RECURSO VINCULADO ESPECÍFICO no intervalo de 1001 a 5000 e deve ser aplicada em bens da educação e saúde mas NÃO PODE TER os recursos 0020, 0031e 0040 associados AMORTIZACAO DE EMPRESTIMOS TRANSFERENCIAS DE CAPITAL OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: As Contas Redutoras do Grupo 9, que não possuem Característica Peculiar igual a 105, terão como padrão o Recurso Vinculado 0001 Livre, sendo que a utilização, nessas contas, dos recursos vinculados 0020, 0031 e 0040 deverá ser analisada caso a caso Recurso Vinculado RPPS/FUNDO O código de Recurso Vinculado 0050 deve ser utilizado OBRIGATORIAMENTE E SOMENTE nas Contas de Receita pertencentes ao Regime Próprio de Previdência do Servidor Público Municipal definidas pela Portaria SPS n 916/2003 e suas atualizações, quando esse RPPS está instituído como FUNDO, dentro da Administração Direta do Município. No Plano de Contas do TCE/RS as contas que devem ser utilizadas pelos RPPS estão identificadas pela palavra SIM na 2ª coluna indicada como RPPS. SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 13 de 22

14 Caso a conta analítica identificada com o código de Recurso Vinculado 0050 estiver com a indicação NÃO na 2ª coluna, devemos procurar a conta anterior na estrutura do Plano de Contas, com a finalidade de verificar se a conta que deu origem à analítica tem o SIM na 2ª coluna. Grupos de contas que deverão ter OBRIGATORIAMENTE E SOMENTE o código de Recurso Vinculado 0050 nas suas contas analíticas caso o município tenha RPPS instituído como FUNDO RECEITA DE CONTRIBUICOES ALUGUEIS REMUNERAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO REGIME PROPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL RECEITA DE SERVICOS MULTAS E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUICOES PARA O RPPS MULTAS E JUROS DE MORA DE OUTRAS CONTRIBUIÇÕES MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DE OUTRAS RECEITAS MULTAS E JUROS DE MORA DE OUTRAS RECEITAS MULTAS DE OUTRAS ORIGENS INDENIZACOES E RESTITUICOES RECEITA DA DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA OUTRAS RECEITAS ALIENACAO DE OUTROS BENS MOVEIS ALIENACAO DE BENS IMOVEIS AMORTIZACAO DE EMPRESTIMOS OUTRAS RECEITAS RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES INTRA-ORÇAMENTÁRIAS RECEITA PATRIMONIAL - INTRA-ORÇAMENTARIA OUTRAS RECEITAS CORRENTES INTRA-ORÇAMENTARIAS RECEITAS DE CAPITAL - INTRA-ORÇAMENTARIAS (R) DEDUCOES DA RECEITA OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: As Contas Redutoras do Grupo 9, para serem associadas ao recurso vinculado 0050 devem ser analisadas caso a caso Recurso Vinculado Recurso Livre - Administração Indireta - Inclusive RPPS Esse código de Recurso Vinculado deve OBRIGATORIAMENTE ser utilizado pelas AUTARQUIAS e FUNDAÇÕES regidas pela Lei federal n 4320/64. Deverá ser utilizado em todas as contas analíticas de Receitas Próprias que não tenham vinculação legal ou contratual e são de livre utilização pelas entidades da administração indireta, ou seja, nas receitas arrecadadas pela própria entidade. - AUTARQUIA OU FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E SAÚDE: Todos os valores recebidos diretamente pela Autarquia de Assistência Social e/ou de Saúde do Servidor devem ser registrados com o Recurso Vinculado AUTARQUIA ou FUNDAÇÃO PREVIDENCIÁRIA: Todos os valores recebidos diretamente pela Autarquia Previdenciária devem ser registrados com o Recurso Vinculado SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 14 de 22

15 Os RPPS instituídos como Autarquias ou Fundações devem utilizar OBRIGATORIAMENTE E SOMENTE as contas de receita pertencentes ao Regime Próprio de Previdência do Servidor Público Municipal definidas pela Portaria SPS n 916/2003 e suas atualizações. No Plano de Contas do TCERS as contas que devem ser utilizadas pelos RPPS estão identificadas pela palavra SIM na 2ª coluna indicada como RPPS. Caso a conta analítica identificada com o código de recurso vinculado 0400 estiver com a indicação NÃO na 2ª coluna, devemos procurar a conta anterior na estrutura do Plano de Contas com a finalidade de verificar se a conta que deu origem à analítica tem o SIM na 2ª coluna. Grupos de contas que deverão ter OBRIGATORIAMENTE E SOMENTE o código de recurso vinculado 0400 nas suas contas analíticas caso o município tenha RPPS instituído como AUTARQUIA ou FUNDAÇÃO CONTRIBUICOES PREVIDENCIARIAS DO REGIME PROPRIO ALUGUEIS REMUNERAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO REGIME PROPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL RECEITA DE SERVICOS MULTAS E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUICOES PARA O RPPS MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DE OUTRAS RECEITAS MULTAS E JUROS DE MORA DE OUTRAS RECEITAS MULTAS DE OUTRAS ORIGENS INDENIZACOES E RESTITUICOES RECEITA DA DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA OUTRAS RECEITAS ALIENACAO DE OUTROS BENS MOVEIS ALIENACAO DE BENS IMOVEIS AMORTIZACAO DE EMPRESTIMOS OUTRAS RECEITAS RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES INTRA-ORÇAMENTÁRIAS RECEITA PATRIMONIAL - INTRA-ORÇAMENTARIA OUTRAS RECEITAS CORRENTES INTRA-ORÇAMENTARIAS RECEITAS DE CAPITAL - INTRA-ORÇAMENTARIAS (R) DEDUCOES DA RECEITA OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: As Contas Redutoras do Grupo 9, para serem associadas ao recurso vinculado 0400 devem ser analisadas caso a caso Recursos Vinculados no intervalo de 1001 a Livre utilização pelas entidades da Administração Direta Municipal Nesse intervalo devem ser criadas as Tabelas de Recursos Vinculados de cada município abrangendo todas as transferências voluntárias, convênios, acordos, ajustes, alienação de bens, enfim, todas as receitas que possuem destinação específicas sendo que, para cada uma das finalidades deverá existir um código de Recurso Vinculado. Deve ser criado OBRIGATORIAMENTE um Recurso Vinculado no caso do Município ter Fundo de Saúde do Servidor ou Fundo de Assistência Social do Servidor e todos os valores SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 15 de 22

16 recebidos pelo Fundo de Assistência Social e/ou Saúde do Servidor devem ser registrados com o Recurso Vinculado criado, sendo observado o intervalo entre 1001 e Grupos de Contas Analíticas que podem ter Recursos Livres (0001) e/ou Recursos Vinculados (intervalo entre 1001 e 5000) TAXAS CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA CONTRIBUICOES ECONOMICAS RECEITAS IMOBILIARIAS RECEITAS DE VALORES MOBILIARIOS Nas contas analíticas do grupo das RECEITAS DE VALORES MOBILIARIOS podemos ter recursos livres (001) e/ou recursos vinculados ( ) dependendo da origem dos recursos financeiros aplicados. Deverá ser aberta, pelo menos, uma conta analítica de receita para cada recurso vinculado em cada tipo de aplicação REMUNERACAO DE DEPOSITOS BANCARIOS. Podemos ter mais de uma conta analítica de receita para cada recursos vinculado RECEITA DE CONCESSOES E PERMISSOES COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS OUTRAS RECEITAS PATRIMONIAIS RECEITA AGROPECUARIA RECEITA INDUSTRIAL RECEITA DE SERVICOS TRANSFERENCIA DA COMPENSACAO FINANCEIRA PELA EXPLORACAO DE RECURSOS NATURAIS TRANSFERENCIA DA COTA-PARTE DA COMPENSACAO FINANCEIRA (25%) OUTRAS TRANSFERENCIAS DA UNIAO TRANSFERENCIA DA COTA-PARTE DA COMPENSACAO FINANCEIRA (25%) OUTRAS TRANFERENCIAS DOS ESTADOS TRANSFERENCIAS DOS MUNICIPIOS OUTRAS TRANSFERENCIAS MULTIGOVERNAMENTAIS TRANSFERENCIAS DE INSTITUICOES PRIVADAS TRANSFERENCIAS DO EXTERIOR TRANSFERENCIAS DE PESSOAS MULTAS E JUROS DE MORA DA TAXA DE FISCALIZACAO E VIGILANCIA SANITARIA MULTAS E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUICOES DE MELHORIA MULTAS E JUROS DE MORA DE OUTROS TRIBUTOS MULTAS E JUROS DE MORA DE OUTRAS CONTRIBUIÇÕES MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DA TAXA DE FISCALIZACAO E VIGILANCIA SANITARIA MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DAS CONTRIBUICOES DE MELHORIA MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DE OUTROS TRIBUTOS MULTAS E JUROS DE MORA DA DIVIDA ATIVA DE OUTRAS RECEITAS MULTAS E JUROS DE MORA DE OUTRAS RECEITAS MULTAS DE OUTRAS ORIGENS INDENIZACOES E RESTITUICOES RECEITA DA DIVIDA ATIVA DA TAXA DE FISCALIZACAO E VIGILANCIA SANITARIA RECEITA DA DIVIDA ATIVA DA CONTRIBUICAO DE MELHORIA RECEITA DA DIVIDA ATIVA DE OUTROS TRIBUTOS RECEITAS CORRENTES DIVERSAS AMORTIZACAO DE EMPRESTIMOS TRANSFERENCIAS DE CAPITAL OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 16 de 22

17 Contas de Receita que deverão estar associadas aos Recursos Vinculados de intervalo 1001 a 5000 Administração Direta Municipal RECEITA DE REMUNERACAO DE DEPOSITOS BANCARIOS DE RECURSOS VINCULADOS - FUNDO DE SAUDE RECEITA DE REMUNERACAO DE DEPOSITOS BANCARIOS DE RECURSOS DO FNAS RECEITA DE REMUNERACAO DE DEPOSITOS BANCARIOS DE RECURSOS DO FNDE RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS DE RECURSOS VINCULADOS TRANSFERENCIA DE RECURSOS DO SISTEMA UNICO DE SAUDE - SUS - REPASSE FUNDO A FUNDO Não esquecer que os códigos de Recursos Vinculados que devem ser utilizados nos programas de Saúde Federais são os criados pela Secretaria Estadual da Saúde através da Portaria 586/2006 e atualizações posteriores TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - FNAS TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCACAO FNDE COTA-PARTE DA CONTRIBUICAO DE INTERVENCAO NO DOMINIO ECONOMICO - CIDE TRANSFERENCIA DE RECURSOS DO ESTADO PARA PROGRAMAS DE SAUDE - REPASSE FUNDO A FUNDO Não esquecer que os códigos de Recursos Vinculados que devem ser utilizados nos programas de Saúde Estaduais são os criados pela Secretaria Estadual da Saúde através da Portaria 586/2006 e atualizações posteriores TRANSFERENCIAS DE CONVENIOS OPERACOES DE CREDITO ALIENACAO DE BENS TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO SISTEMA UNICO DE SAUDE - SUS Não esquecer que os códigos de Recursos Vinculados que devem ser utilizados nos programas de Saúde Federais são os criados pela Secretaria Estadual da Saúde através da Portaria 586/2006 e atualizações posteriores TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DESTINADOS A PROGRAMAS DE EDUCACAO TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO SISTEMA UNICO DE SAUDE - SUS Não esquecer que os códigos de Recursos Vinculados que devem ser utilizados nos programas de Saúde Federais são os criados pela Secretaria Estadual da Saúde através da Portaria 586/2006 e atualizações posteriores TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DESTINADOS A PROGRAMAS DE EDUCACAO TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DESTINADOS A PROGRAMAS DE SAUDE TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DESTINADOS A PROGRAMAS DE EDUCACAO TRANSFERENCIAS DE CONVENIOS Utilização dos Recursos Vinculados no intervalo de 5001 a 8000 Livre utilização pelas entidades da Administração Indireta regidas pela Lei Federal nº Recursos de Auxílios, Convênios ou outras Transferências recebidas diretamente pela Autarquia / Fundação devem ser gastos nos Recursos específicos, Intervalo de 5001 a 8000, determinado pela Autarquia / Fundação, quando do recebimento da Receita Grupos de Contas Analíticas que quando utilizadas pela Administração Indireta Municipal, SOMENTE podão ter Recursos Vinculados associados no intervalo de TRANSFERENCIA DE RECURSOS DO SISTEMA UNICO DE SAUDE - SUS - REPASSE FUNDO A FUNDO Não esquecer que os códigos de Recursos Vinculados que devem ser utilizados nos programas de Saúde Federais são os criados pela Secretaria Estadual da Saúde através da Portaria 586/2006 e atualizações posteriores. SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 17 de 22

18 TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - FNAS TRANSFERENCIAS RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCACAO - FNDE TRANSFERENCIA RECURSOS DO ESTADO PARA PROGRAMAS DE SAUDE - REPASSE FUNDO A FUNDO Não esquecer que os códigos de Recursos Vinculados que devem ser utilizados nos programas de Saúde Estaduais são os criados pela Secretaria Estadual da Saúde através da Portaria 586/2006 e atualizações posteriores TRANSFERENCIAS DE CONVENIOS OPERACOES DE CREDITO ALIENACAO DE BENS TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO SISTEMA UNICO DE SAUDE SUS Não esquecer que os códigos de Recursos Vinculados que devem ser utilizados nos programas de Saúde Federais são os criados pela Secretaria Estadual da Saúde através da Portaria 586/2006 e atualizações posteriores TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DESTINADOS A PROGRAMAS DE EDUCACAO TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO SISTEMA UNICO DE SAUDE SUS Não esquecer que os códigos de Recursos Vinculados que devem ser utilizados nos programas de Saúde Estaduais são os criados pela Secretaria Estadual da Saúde através da Portaria 586/2006 e atualizações posteriores TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DESTINADOS A PROGRAMAS DE EDUCACAO TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DESTINADOS A PROGRAMAS DE SAUDE TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DESTINADOS A PROGRAMAS DE EDUCACAO TRANSFERENCIAS DE CONVENIOS Utilização dos Recursos Vinculados no intervalo de 8001 a 9999 Utilizado no Balancete de Verificação para vinculação dos Recursos Extra-Orçamentários Este intervalo de Recurso Vinculado DEVE SER UTILIZADO nas Contas contábeis Bancárias do grupo Disponível do BALANCETE DE VERIFICAÇÃO, nos casos de Contas Bancárias que pagam despesas que estão registradas no grupo DEPÓSITOS do PASSIVO CIRCULANTE. Sugestões para a separação dos valores extra-orçamentários: a) desdobrar a própria conta: Exemplo: BANCO BRASIL C/FUNDEB (S) BANCO BRASIL C/FUNDEB (A) BANCO BRASIL C/FUNDEB (A) b) desdobrar a conta Livre Movimento: Exemplo: BANRISUL C/MOVIMENTO (S) BANRISUL C/MOVIMENTO (A) BANRISUL C/MOVIMENTO (A) Nesse caso teremos transferências financeiras entre as contas de recursos vinculados e a conta livre movimento de recurso extra-orçamentário. SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 18 de 22

19 c) Abrir uma conta bancária financeira própria para movimentar os recursos extra-orçamentários, não esquecer que, nesse caso, teremos também transferências financeiras entre as contas de Recursos Vinculados e a Conta Movimento de Recurso Extra-Orçamentário Grupo das Receitas de Valores Mobiliários Nas contas analíticas do grupo das RECEITAS DE VALORES MOBILIARIOS podemos ter Recursos Livres (0001) e/ou Recursos Vinculados ( ) dependendo da origem dos recursos financeiros aplicados, ou de 5001 a 8000, quando for administração indireta Municipal. Deverá ser aberta, pelo menos, uma conta analítica de receita para cada Recurso Vinculado em cada tipo de aplicação no grupo REMUNERACAO DE DEPOSITOS BANCARIOS. No caso dos RPPS o grupo próprio das Aplicações Financeiras é o REMUNERAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO REGIME PROPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL, o qual deverá conter pelo menos uma conta analítica para cada tipo de aplicação apresentada na Portaria nº 916/03 e suas atualizações, vinculadas ao recurso 0050 caso o RPPS esteja instituído como Fundo ou 0400 no caso de Autarquia ou Fundação Previdenciária. 1.5 Contrapartida do Recurso Vinculado A contrapartida do recurso vinculado foi criada, inicialmente, como ferramenta de controle das despesas executadas como contrapartida de convênios e ajustes. Arquivo EMPENHO.TXT Descrição do Campo Tipo Bytes Ordenamento das Colunas Observação Código do Órgão Numérico a 02 Codificação própria Código da Unidade Orçamentária Numérico a 04 Codificação própria Código da Função Numérico a 06 LF nº 4.320/Portaria nº 42 Código da Subfunção Numérico a 09 Portaria nº 42 Código do Programa Numérico a 13 LF nº 4.320/Cod.Propria Código do Subprograma Numérico a 16 LF nº 4.320/Cod.Própria Código do Proj./Ativ./Op.Esp. Numérico a 21 Codificação própria Código da Rubrica de Despesa-SG Numérico a 36 LF n 4320/Port. 163/ Cod. Própria/TCE Código do Recurso Vinculado Numérico a 40 Codificação própria/tce Contrapartida - Recurso Numérico a 44 Codificação própria/tce Número do Empenho Numérico a 57 Formato próprio Data do Empenho Data a 65 Formato ddmmaaaa Valor do Empenho (R$) Valor a 78 Formato valor Sinal do Valor Caracter (positivo) ou - (negativo) Código do Credor Numérico a 89 Codificação própria Histórico do Empenho Caracter a 254 Texto do histórico Característica Peculiar Numérico a Não se Aplica % do Fundeb Art Lei Fundeb Exemplos de operacionalização da Contrapartida do Recurso Vinculado : SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 19 de 22

20 a) Convênios com Contrapartida do Município: Caso A: O Convênio firmado exige que somente os recursos recebidos pela Entidade, através do Convênio, sejam depositados em conta bancária específica aberta para este fim, ou seja, a Contrapartida financeira da Entidade ao Convênio permanece depositada na conta livre movimento, onde se encontram os seus Recursos Livres. Exemplo: Parcela recebida do Estado... R$ 100,00 Parcela Contrapartida da Entidade...R$ 30,00 Total... R$ 130,00 Situação no Financeiro (duas contas bancárias): Banco Cta Vinculada(RV 2.222)...R$ 100,00 Banco Cta Movimento Entidade...R$ 30,00 Empenho Caso A: Empenho-Recurso recebido do Estado R$ 100,00 Campo Recurso Vinculado = 2222 Campo Contrapartida = 0000 Empenho-Recurso da Contrapartida R$ 30,00 Campo Recurso Vinculado = 0001 Campo Contrapartida = 2222 Caso B: O Convênio firmado exige que tanto os recursos recebidos pela Entidade, através do Convênio, quanto aqueles oferecidos em Contrapartida, sejam depositados em conta bancária específica aberta para este fim, ou seja, haverá transferência financeira de recursos livres, referente a contrapartida da Entidade, para a conta vinculada ao Convênio. Exemplo: Parcela recebida do Estado... R$ 100,00 Parcela da Contrapartida da Entidade.. R$ 30,00 Total R$ 130,00 Nesta situação faremos primeiro a transferência financeira da Contrapartida da Entidade para a conta bancária vinculada ao Convênio: Lançamento: D - Banco Cta Vinculada ao Convênio C - Banco Cta Movimento...R$ 30,00 Situação no Financeiro (na mesma conta bancária vinculada 3333) - Abrir duas contas analíticas: Banco Cta Vinculada (RV 3333)...R$ 100,00 Banco Cta Vinculada (Rec.Livre 0001) R$ 30,00 Total... R$ 130,00 Empenho Caso B: SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Vol. III de VI abril/2010 Página 20 de 22

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de s Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos Municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64 e Empresas Estatais Dependentes

Leia mais

Agosto/2006 a Agosto/2006 ANEXO 2, DA LEI 4.320/64 RECEITA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS - EXERCÍCIO DE 2006

Agosto/2006 a Agosto/2006 ANEXO 2, DA LEI 4.320/64 RECEITA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS - EXERCÍCIO DE 2006 Página 1 de 6 RECEITA SEGUNDO AS S S - EXERCÍCIO DE 2006 1.0.0.0.00.00.00.00.00 CORRENTES 1.1.0.0.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 1.1.1.0.00.00.00.00.00 IMPOSTOS 1.1.1.2.00.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE

Leia mais

Balancete Orçamentário da Receita

Balancete Orçamentário da Receita : Agosto/ Pagina 1 4.1.0.0.0.00.00.00.00.00 - RECEITAS CORRENTES - 2014 7.618.049,74 928.537,85 8.546.587,59 14.513.70 5.967.112,41 4.1.1.0.0.00.00.00.00.00 - RECEITA TRIBUTARIA 279.279,22 23.503,62 302.782,84

Leia mais

Execucao dos Orcamentos (Art.2o, Inciso XII) - Receitas Realizadas. Codigo Descricao Bimestre Bimestre

Execucao dos Orcamentos (Art.2o, Inciso XII) - Receitas Realizadas. Codigo Descricao Bimestre Bimestre 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 1.142.667,56 6.041.042,82 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 65.007,91 368.480,79 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 40.647,97 303.303,40 1.1.1.2.00.00.00.00 IMPOSTOS

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Manual Técnico Volume III Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64

Leia mais

Prefeitura Municipal de Assis Exercicio de 2014 - Anexo 2, da Lei 4.320/64 Unidade Gestora: CONSOLIDADO Categoria Codigo Especificacao Desdobramento

Prefeitura Municipal de Assis Exercicio de 2014 - Anexo 2, da Lei 4.320/64 Unidade Gestora: CONSOLIDADO Categoria Codigo Especificacao Desdobramento 1000.00.00.00.00 Receitas Correntes 231.952.000,00 1100.00.00.00.00 Receita Tributaria 40.032.042,00 1110.00.00.00.00 Impostos 38.751.000,00 1112.00.00.00.00 Impostos sobre o Patrimonio e a Renda 24.911.000,00

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PARANÁ Data: 19/03/10 SIM- AM SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS- ACOMPANHAMENTO MENSAL Hora: 14:40:39

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PARANÁ Data: 19/03/10 SIM- AM SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS- ACOMPANHAMENTO MENSAL Hora: 14:40:39 1.0.00.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 14.033.075,00 13.097.929,05 935.145,95 1.1.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 1.1.10.00.00.00.00 IMPOSTOS 1.1.12.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 1.1.12.02.00.00.00

Leia mais

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 38.921.000,00 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 3.226.000,00 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 1.1.1.2.00.00.00.00 Impostos sobre o Patrimonio e a Renda 1.1.1.2.02.00.00.00

Leia mais

Balancete Financeiro - RECEITA

Balancete Financeiro - RECEITA Balancete Financeiro Pagina 1/6 RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 5.554.843,81 55.865.864,51 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 596.903,38 5.277.172,60 1.1.1.0.00.00.00.00

Leia mais

Estado de Pernambuco Receita Segundo as Categorias Economicas Folha: 1 Prefeitura Municipal de Salgueiro Exercicio de 2011 - Anexo 2, da Lei 4.

Estado de Pernambuco Receita Segundo as Categorias Economicas Folha: 1 Prefeitura Municipal de Salgueiro Exercicio de 2011 - Anexo 2, da Lei 4. Estado de Pernambuco Receita Segundo as s Economicas Folha: 1 1000.00.00.00.00 Receitas Correntes 65.766.322,65 1100.00.00.00.00 Receita Tributaria 15.455.558,48 1110.00.00.00.00 Impostos 14.920.440,00

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL 4.0.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS 1.124.474,93 1.124.474,93 4.1.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 752.473,49 752.473,49 4.1.1.0.0.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 12.068,76 12.068,76 4.1.1.1.0.00.00.00.00.00

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Lagoa de Dentro DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Ruy Barbosa - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo das

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores estaduais calculados automaticamente pelo SIOPS, após a declaração de dados contábeis, pelos Estados e pelo DF, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Riacho da Cruz - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo

Leia mais

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES TESOURO OUTRAS FONTES T O T A L ----------------------------------------------------------------------------------------------------- CÓDIGO E S P E C I F I C A Ç Ã O RECURSOS OUTROS TOTAL RECURSOS OUTROS

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Pacajá DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA NO BIMESTRE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Não-Me-Toque Página 1 de 15 06/05/2005 16:55:40

Prefeitura Municipal de Não-Me-Toque Página 1 de 15 06/05/2005 16:55:40 Prefeitura Municipal de Não-Me-Toque Página 1 de 15 1.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 17.343.78 1.451.403,70 1.451.403,70 14.477,49 15.906.853,79 1.1.0.0.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 1.549.30

Leia mais

COMUNICADO MODIFICAÇÕES NO PLANO DE CONTAS SIGAP

COMUNICADO MODIFICAÇÕES NO PLANO DE CONTAS SIGAP Porto Velho, Março 2007. COMUNICADO MODIFICAÇÕES NO PLANO DE CONTAS SIGAP Com o objetivo de manter a uniformização do Plano de Contas dos órgãos e entidades municipais, o qual é parte integrante do Sistema

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHARRUA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHARRUA 1.0.0.0.00.00000000 RECEITAS CORRENTES 5.452.740,36 1.1.0.0.00.00000000 RECEITA TRIBUTARIA 120.432,47 1.1.1.0.00.00000000 IMPOSTOS 101.662,59 1.1.1.2.00.00000000 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 84.039,87

Leia mais

Comparativo Receita Orçada / Arrecadada

Comparativo Receita Orçada / Arrecadada Comparativo Receita Orçada / 1000000000 RECEITAS CORRENTES 2.559.915.741,00 2.315.164.067,05 244.751.673,95 1100000000 RECEITA TRIBUTÁRIA 653.441.115,00 532.491.940,91 120.949.174,09 1110000000 IMPOSTOS

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

Betha Sistemas. Exercício de 2008. Diferenças Para Menos. Títulos Orçada Arrecadada Para mais

Betha Sistemas. Exercício de 2008. Diferenças Para Menos. Títulos Orçada Arrecadada Para mais RECEITAS 7.755.352,00 9.068.424,29 1.699.148,82 386.076,53 RECEITAS CORRENTES 7.046.205,00 7.954.527,74 1.088.160,33 179.837,59 RECEITA TRIBUTARIA 439.958,00 838.479,87 410.757,10 12.235,23 IMPOSTOS 367.368,00

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 Dispõe sobre a entrega, o envio e a disponibilização dos dados e das informações em meio informatizado, que os responsáveis pelos órgãos ou entidades da administração direta

Leia mais

Execucao dos Orcamentos (Art.2o, Inciso XII) - Receitas Realizadas Municipio de Guapore Janeiro de 2014 Realizada no Realizada ate o Codigo Descricao

Execucao dos Orcamentos (Art.2o, Inciso XII) - Receitas Realizadas Municipio de Guapore Janeiro de 2014 Realizada no Realizada ate o Codigo Descricao 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 5.007.296,85 5.007.296,85 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 285.836,84 285.836,84 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 257.317,81 257.317,81 1.1.1.2.00.00.00.00 IMPOSTOS

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul

Estado de Mato Grosso do Sul 24/05/13 1 1000.00.00 RECEITAS CORRENTES 21.194.95 1.529.041,57 5.634.996,55 15.559.953,45 1100.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 620.00 25.976,03 122.642,49 497.357,51 1110.00.00 IMPOSTOS 590.00 25.976,03 113.194,62

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. Estado do Rio de Janeiro Receita Segundo as Categorias Economicas Folha: 1 Prefeitura Municipal de Sao Goncalo Exercicio de 2006 - Anexo 2, da Lei 4.320/64 Unidade Gestora: CONSOLIDADO Categoria Codigo

Leia mais

Unidade Gestora: CONSOLIDADO. Categoria Codigo Especificacao Desdobramento Fonte Economica

Unidade Gestora: CONSOLIDADO. Categoria Codigo Especificacao Desdobramento Fonte Economica Estado do Parana Receita Segundo as s Economicas Folha: 1 1000.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 1.899.857,08 1100.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 26.517,53 1110.00.00.00.00 IMPOSTOS 25.167,11 1112.00.00.00.00

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santa Vitória

Prefeitura Municipal de Santa Vitória Estado de Minas Gerais 000 - CONSOLIDADO Período: 01-02-2015 a 28-02-2015 01021 25-03-2015 10:43:32 1.0.0.0.00.00.00 Receitas Correntes 104.781.529,32 7.967.161,22 17.057.545,28 1.1.0.0.00.00.00 Receita

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

Codigo Nivel Contabil TP Descricao UG Fonte Banco Agencia Conta Corrente

Codigo Nivel Contabil TP Descricao UG Fonte Banco Agencia Conta Corrente Estado do Parana Relacao Cadastral do Plano de Contas Folha: 1 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 S ATIVO 2 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 S ATIVO CIRCULANTE 3 1.1.1.0.0.00.00.00.00.00.00.00 S CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO 2014/ BIMESTRE NOVEMBRODEZEMBRO RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas

Leia mais

QUADRO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA

QUADRO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA FOLHA: 1 1.0.0.0.00.00 RECEITAS CORRENTES 1.1.0.0.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 1.1.1.0.00.00 IMPOSTOS 1.1.1.2.00.00 Imposto Sobre o Patrimonio e a Renda 1.1.1.2.02.00 1 Imposto s/propried.predial Territ.Urbana

Leia mais

Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA DO INCRA

Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA DO INCRA Balancete da Receita de Página: 1/7 4.0.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS 8.388.420,80 724.825,48 4.1.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 8.355.266,80 723.847,06 4.1.1.0.0.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Contadoria Geral do Estado

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Contadoria Geral do Estado 11120431 Imposto de Renda Retido nas Fontes sobre os Rendimentos do Trabalho 00 2.885.556.099,44 11120434 Imposto de Renda Retido nas Fontes sobre outros Rendimentos 00 205.497.947,46 11120501 Cota-Parte

Leia mais

Governo Municipal de Rondon do Pará ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2014 - Consolidado DEMONSTRATIVO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA

Governo Municipal de Rondon do Pará ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2014 - Consolidado DEMONSTRATIVO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA Governo Municipal de Rondon do Pará ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2014 - Consolidado DEMONSTRATIVO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA MESTRE 1000.00.00.00.00 Receitas Correntes 1100.00.00.00.00 Receita Tributária 1110.00.00.00.00

Leia mais

AGILI Softwares para Area Publica (43) 3025-4516

AGILI Softwares para Area Publica (43) 3025-4516 1000.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 1100.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 1110.00.00.00.00 IMPOSTOS 1112.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 1112.02.00.00.00 IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL

Leia mais

1.1.0.0.00.00 RECEITAS TRIBUTARIAS 14.621.601,00 1.1.1.0.00.00 IMPOSTOS 13.429.341,00 1.1.1.2.00.00 IMPOSTOS SOBRE A PATRIMONIO E RENDA 2.240.

1.1.0.0.00.00 RECEITAS TRIBUTARIAS 14.621.601,00 1.1.1.0.00.00 IMPOSTOS 13.429.341,00 1.1.1.2.00.00 IMPOSTOS SOBRE A PATRIMONIO E RENDA 2.240. PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PAGINA : 1 1.0.0.0.00.00 RECEITAS CORRENTES 103.959.246,00 1.1.0.0.00.00 RECEITAS TRIBUTARIAS 14.621.601,00 1.1.1.0.00.00 IMPOSTOS 13.429.341,00 1.1.1.2.00.00 IMPOSTOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO ABRIL 2015/ BIMESTRE MARÇOABRIL RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00 RECEITAS PREVISÃO

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 1. CODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA Para melhor identificação da entrada dos recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas

Leia mais

Parana Receita Segundo as Categorias Economicas Folha: 1 Prefeitura Municipal de Bocaiuva do Sul Julho de 2012 - Anexo 2, da Lei 4.

Parana Receita Segundo as Categorias Economicas Folha: 1 Prefeitura Municipal de Bocaiuva do Sul Julho de 2012 - Anexo 2, da Lei 4. Parana Receita Segundo as s Economicas Folha: 1 1000.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 2.043.055,21 1100.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 93.250,61 1110.00.00.00.00 IMPOSTOS 82.212,62 1112.00.00.00.00 IMPOSTOS

Leia mais

ESTADO DA BAHIA MUNICIPIO DE TANHACU Setorial. Exercício de 2014. Programação Financeira. Dezembro / 2014. Receita Corrente 26.838.239.

ESTADO DA BAHIA MUNICIPIO DE TANHACU Setorial. Exercício de 2014. Programação Financeira. Dezembro / 2014. Receita Corrente 26.838.239. Receita Corrente 26.838.239.597,10 Outras Receitas Correntes 511.893,69 Indenizações e Restituições 34.521,97 INDENIZACOES POR DANOS CAUSADOS AO PATRIMONIO 15.831,69 OUTRAS INDENIZACOES 5.340,08 OUTRAS

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação DCA 2014 O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO Rua Professora Maria Coeli Franco, 13 - CNPJ nº 18.602.037/0001-55 CEP: 38.800-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO Rua Professora Maria Coeli Franco, 13 - CNPJ nº 18.602.037/0001-55 CEP: 38.800-000 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO Rua Professora Maria Coeli Franco, 13 - CNPJ nº 18.602.037/0001-55 CEP: 38.800-000 LEI N 2.076, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. ESTABELECE PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA, ESTIMANDO

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

Parana Receita Segundo as Categorias Economicas Folha: 1 Prefeitura Municipal de Bocaiuva do Sul Maio de 2012 - Anexo 2, da Lei 4.

Parana Receita Segundo as Categorias Economicas Folha: 1 Prefeitura Municipal de Bocaiuva do Sul Maio de 2012 - Anexo 2, da Lei 4. Parana Receita Segundo as s Economicas Folha: 1 1000.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 1.865.014,77 1100.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 215.105,23 1110.00.00.00.00 IMPOSTOS 170.032,42 1112.00.00.00.00 IMPOSTOS

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 17/2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO EXCESSO DE ARRECADAÇÃO DOS RECURSOS QUE COMPÕEM O FUNDEB E DAQUELES DESTINADOS À MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015. (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015. (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015 (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015) Estabelece diretrizes para a prestação das contas anuais do Chefe do Poder Executivo Municipal referente ao exercício de 2015 e dá

Leia mais

Detalhamento da Receita

Detalhamento da Receita Detalha da Receita 1.0.0.0.00.00 RECEITAS CORRENTES 7.987.325.00 1.1.0.0.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 1.1.1.0.00.00 IMPOSTOS 425.500.00 1.1.1.2.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda 1.1.1.2.02.00 Imposto

Leia mais

Plano de Contas Único - 2008

Plano de Contas Único - 2008 Plano de Contas Único - 2008 Porto Velho, Novembro de 2007. COMUNICADO PLANO DE CONTAS SIGAP REGISTROS CONTÁBEIS DE 2008 Com o objetivo de manter a uniformização do Plano de Contas dos órgãos e entidades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIOLANDIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIOLANDIA PREFEITURA MUNICIPAL DE RIOLANDIA Praca Antonio Levino, 470 45162864/0001-48 Montante da Receita Prevista para o Exercício Desdobrada por Classificação Econômica Orçamento Programa Anexo X - Exercício

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO SEMANÁRIO OFICIAL João Pessoa, 27 de julho de 212 * n 1332 ESPECIAL * Pág. 11/66 SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO Pág. 12/66 * n 1332 ESPECIAL * João Pessoa, 27 de julho de 212 SEMANÁRIO OFICIAL

Leia mais

Comparativo da Receita Orçada com a Realizada

Comparativo da Receita Orçada com a Realizada RECURSOS ORDINÁRIOS 19.329.913.000,00 20.856.749.535,68 1.526.836.535,68 10000000 RECEITAS CORRENTES 18.324.050.000,00 20.113.598.589,39 1.789.548.589,39 11000000 RECEITA TRIBUTÁRIA 11.910.090.000,00 13.360.706.017,65

Leia mais

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI Receita Prevista e Realizada - Balanço Orçamentário (Artigo 2º, Inciso XIV da I.N. nº 028/1999) Admiministração Direta, Indireta e Fundacional Títulos Orçada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA Página 1 de 28 ESTADO DE GOIÁS PÁG: 001 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO RREO ANEXO 1 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas a e b do inciso II e 1º) R$ RECEITAS PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS NO BIMESTRE % ATÉ BIMESTRE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Coimbra Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/09/2005 a 30/09/2005

Prefeitura Municipal de Coimbra Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/09/2005 a 30/09/2005 Prefeitura Municipal de Coimbra Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/09/2005 a 30/09/2005 31/12/2005 16:20:56 ORCAMENTARIAS 1 Receitas Correntes 437.605,02

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

TOTAL DA RECEITA 15.584.747,69 16.454.110,58 21.194.672,38 21.322.200,00 CÓDIGO DESCRIÇÃO 2012 2013 2014 2015

TOTAL DA RECEITA 15.584.747,69 16.454.110,58 21.194.672,38 21.322.200,00 CÓDIGO DESCRIÇÃO 2012 2013 2014 2015 CÓDIGO DESCRIÇÃO 2012 2013 2014 2015 Arrecadado Arrecadado Arrecadado Reestimado 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 17.205.072,84 17.394.971,22 19.064.900,71 23.820.05 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA

Leia mais

MUNICIPIO DE PALMITINHO Planilhas Planejamento Receitas (LDO)

MUNICIPIO DE PALMITINHO Planilhas Planejamento Receitas (LDO) 10000000000000 11000000000000 11100000000000 11120000000000 11120200000000 11120200010000 11120200020000 11120200030000 11120400000000 11120431000000 11120431010000 11120431010100 11120431010200 11120431010300

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 FUNDAMENTO LEGAL O artigo 9º, parágrafo 4 da Lei Complementar nº 101 de 04/05/2000 (Lei de Responsabilidade

Leia mais

ESTADO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO AUGUSTO

ESTADO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO AUGUSTO 4.0.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS 3.380.285,06 3.380.285,06 4.1.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 3.190.078,34 3.190.078,34 4.1.1.0.0.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 140.785,84 140.785,84 4.1.1.1.0.00.00.00.00.00

Leia mais

6,37 0,01 6,36 551.959,49 2.074.160,73 1.471.280,76 1.154.839,46 51.738,32 22.836,64 11.427,71 40.329,39 111129900000 OUTROS BANCOS CONTA MOVIMENTO

6,37 0,01 6,36 551.959,49 2.074.160,73 1.471.280,76 1.154.839,46 51.738,32 22.836,64 11.427,71 40.329,39 111129900000 OUTROS BANCOS CONTA MOVIMENTO 111110100000 CAIXA 6,37 0,01 6,36 111120200000 BANCO DO BRASIL S/A 551.959,49 2.074.160,73 1.471.280,76 1.154.839,46 111120300000 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 51.738,32 22.836,64 11.427,71 40.329,39 111129900000

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ibertioga Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Período: 01/08/2011 a 31/08/2011 18/10/2011 10:03:48

Prefeitura Municipal de Ibertioga Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Período: 01/08/2011 a 31/08/2011 18/10/2011 10:03:48 Prefeitura Municipal de Ibertioga Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 ORCAMENTARIAS 1 Receitas Correntes 871.896,14 7.105.194,18 11 Receita Tributária 15.190,79 116.474,16 111 Impostos 14.948,39

Leia mais

AGILI Softwares para Area Publica (43) 3025-4516

AGILI Softwares para Area Publica (43) 3025-4516 1000.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 1100.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 1110.00.00.00.00 IMPOSTOS 1112.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 1112.02.00.00.00 IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA Contadoria Geral

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA Contadoria Geral ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA Contadoria Geral Demonstrativo da Receita e Despesa de Janeiro a Abril de 2010 Unidade Gestora : PREFEITURA

Leia mais

PREFEITURA DE SAO JOAO - PE BALANCETE DA RECEITA Junho/2013

PREFEITURA DE SAO JOAO - PE BALANCETE DA RECEITA Junho/2013 0001-1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 35.310.100,00 2.515.634,02 15.694.180,05-19.615.919,95 BAL 0002-1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 967.700,00 43.795,28 676.718,04-290.981,96 BAL 0003-1.1.1.0.00.00.00.00

Leia mais

Codigo Descricao Mes Mes

Codigo Descricao Mes Mes 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 1.530.206,96 12.253.029,89 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 120.737,12 1.038.569,11 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 111.869,63 936.630,94 1.1.1.2.00.00.00.00 IMPOSTOS

Leia mais

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Orçamentário da Despesa Exercício : 07/2015

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Orçamentário da Despesa Exercício : 07/2015 Pág. 1 Balancete Orçamentário da Despesa Correção Código Descrição da Despesa Orçado Orçamento Exp./Ext. Suplementação Anulação Rec.Autorizado Empenhado Cancelado Saldo Órgão : 06 02.195.968/0001-46 0000

Leia mais

Titulos Saldo --- Movimento Completo --- Saldo Anterior Debitos Creditos Atual

Titulos Saldo --- Movimento Completo --- Saldo Anterior Debitos Creditos Atual Estado do Parana Plano de Contas 01 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2014 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO 71.824,50 D 3.869.412,56 3.857.233,06 84.004,00 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

Poder Executivo Prefeitura de Manaus 2621 - RECEITA PREVISTA PARA O EXERCÍCIO DE 2014 - CONSOLIDADA

Poder Executivo Prefeitura de Manaus 2621 - RECEITA PREVISTA PARA O EXERCÍCIO DE 2014 - CONSOLIDADA Poder Executivo Prefeitura de Manaus 2621 - RECEITA PREVISTA PARA O EXERCÍCIO DE 2014 - CONSOLIDADA Código Especificação Alíneas Espécies Categoria Econômica Subalíneas Rubricas Origem 1000.00.00.00 RECEITAS

Leia mais

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 Balanço Financeiro Período: 01/01/2012 a 31/12/2012 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Exercício Anterior

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DA TRANSPARÊNCIA DA GESTÃO FISCAL Art. 48. São instrumentos

Leia mais

Balancete Financeiro - RECEITA

Balancete Financeiro - RECEITA Balancete Financeiro Página(s): 1/7 1.0.0.0.00.00.00.00 S RECEITAS CORRENTES 5.369.532,33 28.582.400,90 1.1.0.0.00.00.00.00 S RECEITA TRIBUTÁRIA 268.258,88 1.463.893,35 1.1.1.0.00.00.00.00 S IMPOSTOS 264.355,85

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana de Cataguases Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/03/2005 a

Prefeitura Municipal de Santana de Cataguases Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/03/2005 a Prefeitura Municipal de Santana de Cataguases Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/03/2005 a 31/03/2005 31/12/2005 10:44:16 ORCAMENTARIAS 1 Receitas

Leia mais

DESPESA TOTAL COM PESSOAL - DTP (IV) = (lila + 111b) 26.013.142,93

DESPESA TOTAL COM PESSOAL - DTP (IV) = (lila + 111b) 26.013.142,93 PREFEITURA MUNICIPAL DE PEIXOTO DE AZEVEDO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL Maio/2013 a Abril/2014 - Consolidado RGF - Anexo I (LRF, art. 55, inciso I alinea

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VARGEM BONITA - M.G Livro Nº 18 Folha Nº 015

PREFEITURA MUNICIPAL DE VARGEM BONITA - M.G Livro Nº 18 Folha Nº 015 Folha Nº 015 LEI Nº. 1.058/2014 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO PARA O EXERCÍCIO DE 2015 O Prefeito do Município: Faço saber que a Câmara Municipal de Vargem Bonita aprovou e eu sanciono

Leia mais

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Para melhor identificação dos ingressos de recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas e desmembradas nos seguintes níveis:

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

Estado do Parana Receita Segundo as Categorias Economicas Folha: 1 Prefeitura Municipal de Piraquara Meses 1-9 de 2013 - Anexo 2, da Lei 4.

Estado do Parana Receita Segundo as Categorias Economicas Folha: 1 Prefeitura Municipal de Piraquara Meses 1-9 de 2013 - Anexo 2, da Lei 4. Estado do Parana Receita Segundo as s Economicas Folha: 1 1000.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 111.573.836,21 1100.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 15.173.474,18 1110.00.00.00.00 IMPOSTOS 10.446.624,69 1112.00.00.00.00

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014.

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Contabilização do recurso financeiro transferido para o Município destinado a educação em tempo integral REFERÊNCIA:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 334, DE 29 DE SETEMBRO DE 1989.

RESOLUÇÃO Nº 334, DE 29 DE SETEMBRO DE 1989. RESOLUÇÃO Nº 334, DE 29 DE SETEMBRO DE 1989. Dispõe sobre as Rendas dos Conselhos Federal e Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia e da Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 PREFEITURA DE SÃO JOSÉ SECRETARIA DE FINANÇAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO

Leia mais

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 4.1.1 - FLUXOGRAMA ORÇAMENTO LEGISLAÇÃO. Planejamento e Orçamento PPA Audiência Pública Legislativo Apreciação Executivo - Sanção Audiência Pública LDO Legislativo -

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Paraná Diretoria de Contas Municipais. Sistema SIM-AM. Elaboração: Núcleo SIM-AM TCE/PR

Tribunal de Contas do Estado do Paraná Diretoria de Contas Municipais. Sistema SIM-AM. Elaboração: Núcleo SIM-AM TCE/PR Tribunal de Contas do Estado do Paraná Diretoria de Contas Municipais Sistema SIM-AM Elaboração: Núcleo SIM-AM TCE/PR Sistema SIM-AM Histórico Funcionamento Conteúdo Aplicações Pca Anual em Papel LC 101/2000

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana

Prefeitura Municipal de Santana Segunda 30 de janeiro de 2012 Prefeitura Municipal de Santana 6 Bimestre e 3 de 2011 http://www.tribunanet.com.br/?tipo=1&gs=2&cidade=20&anos=&imagefield.x=51&imagefield.y=17 Prefeitura Municipal de Santana

Leia mais

PREFEITURA MUNIC DE URANIA AVENIDA BRASIL Nº

PREFEITURA MUNIC DE URANIA AVENIDA BRASIL Nº PREFEITURA MUNIC DE URANIA AVENIDA BRASIL Nº 390 46611117/0001-02 Montante da Receita Prevista para o Exercício Desdobrada por Classificação Econômica Orçamento Programa Anexo X - Exercício de 2011 Código

Leia mais

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 Receita Despesa ORÇAMENTÁRIA (1) ORÇAMENTÁRIA (5) Receitas Orçamentárias Despesas

Leia mais

Governo do Estado de Rondônia GOVERNADORIA

Governo do Estado de Rondônia GOVERNADORIA Governo do Estado de Rondônia GOVERNADORIA DECTRETO N. 17.49 DE 17 DE JANEIRO DE 213. Estabelece o Desdobramento das Receitas Previstas para 213 em Metas Mensais e Bimestrais de Arrecadação e o Cronograma

Leia mais

---------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------

---------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------ Demonstrativo por Fontes de Recursos R E C E I T A S D E S P E S A S Ficha Classificação Valor Ficha Ativ./Elemento Valor 01 CAMARA MUNICIPAL 042 RECURSOS FINANCEIROS CONCEDIDOS 02016 1721.01.02.00 1.587.481,42

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DA RECEITA POR SUA NATUREZA Em R$ 1,00

CONSOLIDAÇÃO DA RECEITA POR SUA NATUREZA Em R$ 1,00 10000000 RECEITAS CORRENTES 5.663.681.554 11000000 RECEITA TRIBUTARIA 2.430.104.300 11120000 IMPOSTOS 269.520.373 11120431 11120501 11120701 RETIDO NAS FONTES - TRABALHO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE

Leia mais

- [ www.cplinformatica.com.br ] ----------------------------------------------------{ 001 }- TOTAL DA RECEITA 1.167.174,32 13.272.489,72 RECEITA ORCAMENTÁRIA 1.043.634,40 12.055.019,70 1000000000000 RECEITAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana do Deserto Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/05/2005 a

Prefeitura Municipal de Santana do Deserto Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/05/2005 a Prefeitura Municipal de Santana do Deserto Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/05/2005 a 31/05/2005 31/12/2005 11:10:54 ORCAMENTARIAS 1 Receitas Correntes

Leia mais

Adendo III - Portaria S0F nº 008 - Anexo 2 - Receita - Lei 4.320/64 - Orçamento - Programa (Consolidado) Pág. 1

Adendo III - Portaria S0F nº 008 - Anexo 2 - Receita - Lei 4.320/64 - Orçamento - Programa (Consolidado) Pág. 1 Pág. 1 1 Receitas Correntes 9. 072. 858, 00 1.1 Receita Tributária 80. 891, 00 1.1.1 Impostos 76. 203, 00 1.1.1.2 Impostos s/ Patrimônio e Renda 70. 722, 00 1.1.1.2.02 I.P.T.U. 8. 279, 00 1.1.1.2.02.00

Leia mais