DOCUMENTO DE TRABALHO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO DE TRABALHO"

Transcrição

1 PARLAMENTO EUROPEO Comissão dos Transportes e do Turismo DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a análise das sanções previstas na legislação dos Estados-Membros em caso de infracções graves às regras sociais no domínio dos transportes rodoviários Comissão dos Transportes e do Turismo Relatora: Hella Ranner DT\ doc PE v01-00 Unida na diversidade

2 Antecedentes Com as disposições sociais relativas aos transportes rodoviários perseguem-se diversos objectivos. A segurança rodoviária, a melhoria das condições de trabalho e a garantia de uma concorrência leal estão reguladas em diferentes textos legislativos, alguns antigos. O presente relatório da Comissão 1 analisa as sanções previstas na legislação dos Estados- Membros em caso de infracções graves às regras sociais no domínio dos transportes rodoviários. Em concreto trata-se das infracções aos regulamentos seguintes: 1. O Regulamento (CE) n.º 561/ relativo à harmonização de determinadas disposições em matéria social no domínio dos transportes rodoviários inclui regras muito precisas sobre os tempos máximos de condução, os períodos mínimos de repouso e as pausas a realizar pelos condutores afectos ao transporte profissional. Além disso o Regulamento estabelece que os novos veículos registados a partir de 1 de Maio de 2006 deverão estar equipados com um tacógrafo digital. Para além de disposições sobre a responsabilidade dos transportadores, o Regulamento estabelece também disposições sobre as sanções e os sistemas de controlo. As sanções estabelecidas no Regulamento (CE) n.º 561/2006 deverão ser eficazes, proporcionadas, dissuasivas e não-discriminatórias. Contudo, o regulamento não prevê qualquer definição de "infracção grave". 2. O Regulamento (CEE) n.º 3821/85 3 relativo à introdução de um aparelho de controlo no domínio dos transportes rodoviários regula a instalação, o controlo e a utilização do tacógrafo. Com a Directiva 2006/22/CE 4 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de Março de 2006, foram estabelecidas condições mínimas para a aplicação das disposições da legislação social nas actividades de transportes rodoviários, mas também aquela não fornecia inicialmente uma definição clara de "infracções graves" 5. Como consequência desta situação existem diferenças consideráveis nas sanções previstas na legislação dos vários Estados- Membros para as infracções graves às regras sociais. Nos termos do artigo 10.º da Directiva 2006/22/CE, até 1 de Maio de 2009, a Comissão deve apresentar ao Parlamento Europeu e ao Conselho um relatório de análise das sanções 1 Relatório da Comissão que analisa as sanções previstas na legislação dos Estados-Membros em caso de infracções graves às regras sociais no domínio dos transportes rodoviários COM(2009) Regulamento (CE) n.º 561/2006 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de Março de 2006, relativo à harmonização de determinadas disposições em matéria social no domínio dos transportes rodoviários, que altera os Regulamentos (CEE) n.º 3821/85 e (CE) n.º 2135/98 do Conselho e revoga o Regulamento (CEE) n.º 3820/85 do Conselho. 3 Regulamento (CEE) nº 3821/85 do Conselho, de 20 de Dezembro de 1985, relativo à introdução de um aparelho de controlo no domínio dos transportes rodoviários. 4 Directiva 2006/22/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de Março de 2006, relativa a exigências mínimas no que respeita à execução dos Regulamentos (CEE) n.º 3820/85 e (CEE) n.º 3821/85 do Conselho quanto às disposições sociais no domínio das actividades de transporte rodoviário e que revoga a Directiva 88/599/CEE do Conselho. 5 Só com a Directiva 2009/5/CE se procedeu a uma primeira classificação. PE v /6 DT\ doc

3 previstas na legislação dos Estados-Membros para as infracções graves. Relatório da Comissão O relatório da Comissão resume os diversos tipos de sanções existentes nos Estados- Membros: Sanções pecuniárias: Todos os Estados-Membros prevêem multas como possível sanção, mas os montantes variam consideravelmente entre si. Para a mesma infracção, uma multa pode variar entre 58,23 (Malta) e e mais (Áustria, Chipre, Alemanha e Irlanda). Factores sociais, económicos ou geográficos poderiam explicar estas importantes diferenças, mas este raciocínio não é válido para todos os países (Espanha, Hungria). Imobilização do veículo: A imobilização do veículo é outra possibilidade de sanção. Com esta sanção pode também garantir-se que o condutor respeitará um período suficientemente longo de descanso. Quinze países informaram a Comissão de que a imobilização está prevista na sua legislação (Bulgária, Chipre, a República Checa, Alemanha, Dinamarca, Grécia, Irlanda, Itália, Lituânia, Luxemburgo, Polónia, Roménia, Espanha, Suécia e Reino Unido). Apreensão da carta de condução e penas de prisão: Sete Estados-Membros prevêem penas de prisão para as infracções graves. Alguns, porém, só se não for paga a multa ou se a pessoa voltar a cometer a infracção por que já foi sancionada (Áustria, Chipre, Dinamarca, França, Irlanda, Luxemburgo e Reino Unido). Em alguns Estados-Membros existe também a possibilidade de apreender a carta de condução ou o cartão de condutor (Bulgária, Dinamarca, Grécia, Itália, Eslováquia e Reino Unido). O relatório também destaca a responsabilidade das empresas em todos os Estados-Membros em conformidade com o Regulamento (CE) n.º 561/2006. Na maioria dos Estados-Membros (Bélgica, Bulgária, Alemanha, Dinamarca, Estónia, Grécia, Finlândia, Hungria, Irlanda, Itália, Lituânia, Letónia, Polónia, Roménia, Eslovénia, Eslováquia, Suécia e Reino Unido), a legislação prevê sanções diferentes para os condutores e as empresas, tratando mais severamente as empresas a quem são aplicadas sanções superiores às dos condutores. Segundo o n.º 4 do artigo 10.º do Regulamento (CE) n.º 561/2006, os expedidores, transitários, operadores turísticos, contratantes principais, subcontratantes e agências de emprego de condutores devem garantir que os horários de transporte acordados contratualmente cumpram as disposições sobre tempos de condução e períodos de descanso. Esta obrigação apenas é mencionada explicitamente nas legislações nacionais da Dinamarca, Estónia, Finlândia, Polónia e Suécia. O Regulamento (CE) n.º 561/2006 também introduz o princípio de extraterritorialidade: se as autoridades competentes de um Estado-Membro detectarem uma infracção a que ainda não tenha sido aplicada qualquer sanção, podem impor uma sanção mesmo que a infracção tenha sido cometida no território de outro Estado-Membro ou de um país terceiro. Essa sanção será semelhante à que seria aplicada se a infracção tivesse sido cometida no território do Estado- Membro onde foi detectada. A sanção não pode ser discriminatória. Todavia, este princípio poderia também afectar negativamente a concorrência leal pois os Estados-Membros aplicam à mesma infracção sanções muito diferentes: os transportadores que tenham cometido uma infracção poderão preferir pagar uma coima num Estado-Membro onde sejam aplicadas DT\ doc 3/6 PE v01-00

4 coimas de montante muito baixo e não correr o risco de lhes ser aplicada uma sanção muito severa noutro Estado Membro. Alguns Estados-Membros têm um sistema de sanções sem diferenciação das mesmas (Áustria, a República Checa, Irlanda, Luxemburgo e Reino Unido), o que gera problemas para a análise das infracções graves, dado que estes países indicam apenas as sanções mínimas e as máximas. Malta, por exemplo, estabeleceu uma multa de montante fixo para todas as infracções (58,23 euros). Outros países têm sistemas com diferenciação das sanções: Relativamente às infracções ao Regulamento (CE) n.º 561/2006 (artigos 6.º a 8.º) estão previstos dois ou mais níveis para o mesmo tipo de infracção, com coimas específicas para cada nível (ver o Quadro I do relatório). O relatório mostra também as diferenças nos montantes das multas: se o tempo de condução diária for excedido em duas horas a multa pode ser em Espanha dez vezes maior (4 600 euros) que na Grécia (400 euros). Os Estados-Membros utilizam também métodos muito diferentes para fixar os níveis: os limiares são expressos em minutos, horas ou percentagens. O crescimento das coimas tanto pode ser linear como progressivo. Outros países, como por exemplo a Bélgica, utilizam dois critérios para estabelecer a diferenciação: a superação dos tempos de condução diários e o tempo de condução ininterrupta. Acerca das infracções ao Regulamento (CEE) n º 3821/85, a Comissão observa que há diferenças significativas não só no que respeita ao montante das multas, como também em relação à classificação das infracções (Quadro II). Embora o novo Anexo III da Directiva 2006/22/CE 1 classifique algumas infracções como "muito graves" quando, por exemplo, um condutor possui mais de um cartão de condutor, vários Estados-Membros incluem essas infracções na categoria das infracções "menores". Por outro lado, noutros países, algumas infracções menores são sancionadas com o nível máximo. Os montantes das multas por infracções ao Regulamento (CEE) n.º 3821/85 diferem significativamente. As taxas máximas das multas podem ser por vezes muito divergentes: entre 586 (Lituânia) e (França, onde a multa pode ser acrescida de pena de prisão). Em resumo, pode dizer-se que não só varia muito o nível das sanções nos diferentes Estados- Membros, como também os tipos de sanções e a classificação das diferentes infracções às normas sociais. A Comissão Europeia considera que esta situação não é satisfatória para os condutores e para as empresas de transporte. O novo Anexo III da Directiva 2006/22/CE (que foi modificada pela Directiva 2009/5/CE) oferece uma base para uma compreensão comum do que deveria ser considerado, ou não, infracção grave. Os Estados-Membros são incentivados a adoptar as medidas necessárias para aplicar de forma mais harmonizada as normas sociais nos transportes rodoviários. Questões em aberto e comentários A relatora desejaria lançar a discussão sobre algumas questões em aberto e, antes da apresentação do projecto de relatório, proceder a um debate conjunto em comissão e a 1 Cumpre porém assinalar que o relatório da Comissão se refere a dados anteriores à entrada em vigor do novo Anexo III da Directiva 2006/22/CE. PE v /6 DT\ doc

5 reuniões com os relatores-sombra sobre possíveis respostas e ideias. Em preparação do debate conjunto, a relatora gostaria de chamar a atenção para o Estudo sobre a aplicação da legislação da UE ao transporte rodoviário de mercadorias: controlos e sanções para garantir a segurança rodoviária Carácter incompleto dos dados do relatório da Comissão A Comissão apresentou o seu relatório em 15 Maio de A recolha dos dados não é, porém, exaustiva, pelo que não é possível obter uma visão completa da situação em todos os Estados-Membros. Em 30 de Janeiro 2009, a Comissão substituiu, com a Directiva 2009/5/CE, o Anexo III da Directiva 2006/22/CE. O novo Anexo III estabelece agora directrizes para uma gama comum de infracções ao Regulamento (CE) n.º 561/2006 e ao Regulamento (CEE) n.º 3821/85. O presente relatório reflecte esta nova classificação, embora o prazo para a aplicação do novo Anexo III pelos Estados-Membros apenas seja finais de Dezembro de Harmonização das sanções entre os Estados-Membros As grandes diferenças na aplicação do Regulamento (CE) n.º 561/2006 e do Regulamento (CEE) n.º 3821/1985 nos diferentes Estados-Membros originam uma grande insegurança jurídica para o transporte rodoviário internacional, sobretudo para os condutores e as empresas de transporte. Que factores (geográficos, sociais ou económicos) podem explicar as grandes diferenças existentes entre as sanções nos diferentes Estados-Membros? São compatíveis com o mercado interno as diferenças entre as sanções? Qualquer nova acção em matéria de harmonização deve, evidentemente, respeitar o princípio de subsidiariedade. 3. Aplicação mais coerente e eficaz da legislação em vigor Com uma aplicação mais coerente e eficaz da legislação em vigor poderiam alcançar-se melhor os objectivos das regras sociais nos transportes rodoviários, a saber, a segurança rodoviária, a melhoria das condições de trabalho e a garantia de concorrência leal. Essa aplicação mais eficaz poderia lograr-se de várias maneiras: a) fomento da cooperação entre os Estados-Membros, por exemplo, mediante a troca de boas práticas; b) realização mais harmonizada dos controlos de tráfego, por exemplo, mediante o estabelecimento de um nível mínimo de controlo com base no volume de tráfego; 1 Estudo do Parlamento Europeu «Aplicação da legislação da UE ao transporte rodoviário de mercadorias», DG IPOL, IP/B/TRAN/FWC/ /Lot6/C1/SC2, Outubro de 2008, PE DT\ doc 5/6 PE v01-00

6 c) fortalecimento dos níveis europeus: novos recursos ou estruturas para assegurar uma melhor coordenação dos controlos, melhoria da recolha de dados no quadro da colaboração entre os Estados-Membros e a Comissão. O presente documento de trabalho pretende, como já foi indicado, servir de base para os debates em comissão e com os relatores-sombra. Nem é exaustivo e nem os pontos mencionados tampouco pretendem definir as grandes linhas de orientação do projecto de relatório definitivo. A fim de conseguir uma posição «forte» do Parlamento Europeu, a relatora aguarda, com um espírito aberto e ansioso de consenso, propostas e sugestões. PE v /6 DT\ doc

Conferência Processos de Contra-Ordenação: Autoridades Administrativas e Tribunais

Conferência Processos de Contra-Ordenação: Autoridades Administrativas e Tribunais Conferência Processos de Contra-Ordenação: Autoridades Administrativas e Tribunais Lisboa, 31 de Maio de 2011 Carlos Tavares 83.83 65.000 200.000 1.276.17 282.76 395.000 35.99 873.996 1.036.52 123.253

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 5 de Dezembro de 2000 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a passagem das fronteiras externas

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 5.5.2012 Jornal ficial da União Europeia L 120/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTS REGULAMENT (UE) N. o 383/2012 DA CMISSÃ de 4 de maio de 2012 que estabelece os requisitos técnicos relativos às cartas

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

O Sistema de Trânsito Comunitário na Perspectiva do Alargamento

O Sistema de Trânsito Comunitário na Perspectiva do Alargamento O Sistema de Trânsito Comunitário na Perspectiva do Alargamento Resumo 15 de Setembro de 2003 s.a. Rue de Clairvaux, 40 B - 1348 Louvain - la - Neuve Bélgica Tel.: +32 10 45 45 10 Tel.: +32 10 45 40 99

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2012)722 Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho - Plano de Ação para reforçar a luta contra a fraude e a evasão fiscais 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

EN/PT COUNCIL OF THE EUROPEAN UNION. Brussels, 13 October 2010. 14938/10 Interinstitutional File: 2010/0207 (COD)

EN/PT COUNCIL OF THE EUROPEAN UNION. Brussels, 13 October 2010. 14938/10 Interinstitutional File: 2010/0207 (COD) COUNCIL OF THE EUROPEAN UNION Brussels, 13 October 2010 14938/10 Interinstitutional File: 2010/0207 (COD) EF 136 ECOFIN 624 CODEC 1037 INST 398 PARLNAT 93 COVER NOTE from: The President of the Portuguese

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 23/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTA FINAL PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU CONSTITUIÇÃO:

PARLAMENTO EUROPEU CONSTITUIÇÃO: CONSTITUIÇÃO: PARLAMENTO EUROPEU É a instituição parlamentar da União Europeia. Eleito por um período de 5 anos por sufrágio universal directo pelos cidadãos dos estados-membros Presidente do Parlamento

Leia mais

MINIGUIA DA EUROPA 2011 Comunicar com os Europeus Línguas Na Europa fala-se muitas línguas, cujas principais famílias são a germânica, a românica, a eslava, a báltica e a céltica. As instituições da União

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português Albino Maria O ASSOCIATIVISMO NOS DIAS DE HOJE DO MODELO DE EXCLUSÃO AO MODELO DE INCLUSÃO DO LEMA MAIS FORTE, MAIS ALTO, MAIS

Leia mais

Prémios europeus de iniciativa empresarial 2010 2 / 10

Prémios europeus de iniciativa empresarial 2010 2 / 10 MANUAL OPERACIONAL Prémios europeus de iniciativa empresarial 2010 2 / 10 Julho 2010 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência na iniciativa empresarial... 3 1.2.

Leia mais

Resultados da consulta pública TOP10 relativa aos atos legislativos mais onerosos para as PME

Resultados da consulta pública TOP10 relativa aos atos legislativos mais onerosos para as PME Resultados da consulta pública TOP10 relativa aos atos legislativos mais onerosos para as PME 1. Introdução A consulta pública relativa aos dez atos legislativos mais onerosos para as PME («Consulta pública

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS

CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS FICHA TÉCNICA CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 Atitudes e Comportamentos;

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

Cartão de estacionamento para pessoas com deficiência na União Europeia:

Cartão de estacionamento para pessoas com deficiência na União Europeia: Cartão de estacionamento para pessoas com deficiência na União Europeia: condições nos Estados-Membros Comissão Europeia Coloque a pasta dobrável no pára-brisas, junto do cartão de estacionamento, de forma

Leia mais

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE Aula 7 O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE O O Ano Europeu do Diálogo Intercultural (AEDI) 2008 reconhece a grande diversidade cultural da Europa como um benefício único. Fronteira

Leia mais

RESUMO 1. INTRODUÇÃO. Alemanha e Áustria.

RESUMO 1. INTRODUÇÃO. Alemanha e Áustria. A INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA EM MATÉRIA DE LEGISLAÇÃO E FISCALIZAÇÃO RODOVIÁRIA: HARMONIZAÇÃO LEGAL E COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA COMO ESTRATÉGIAS DE COMBATE À SINISTRALIDADE. ROSÁRIO MACÁRIO TIS.PT CONSULTORES

Leia mais

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de cidadania europeia Comissão Europeia Secretariado-Geral 1049 Bruxelles BÉLGICA Texto original concluído

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/17 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pedido de

Leia mais

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 ACTA FINAL FA/TR/EU/HR/pt 1 2 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Portugees - Portugais Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Como podemos ajudar-te? À tua chegada à Bélgica Tens menos de 18 anos e chegaste à Bélgica sem o teu pai ou a tua mãe? Estás a procurar

Leia mais

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Objectivos: Construir participativamente e partilhar amplamente uma visão dos determinantes da evolução do sistema de saúde português,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

Maria João da Cruz Nogueira

Maria João da Cruz Nogueira Maria João da Cruz Nogueira Trabalho elaborado para a Oficina de Formação: A Educação Sexual em Meio Escolar: metodologias de abordagem/intervenção Formadoras: Cândida Ramoa, Isabel Leitão Matosinhos Fevereiro

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015 EUR / Kg Peso Vivo CONJUNTURA SEMANAL - AVES Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Classic Estrangeiro: Rede 28,85 28,85 19,23 19,23 Isenção

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pedido de

Leia mais

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão IP/08/836 Bruxelas, 3 de Junho de 2008 A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão A Comissão Europeia acelerou hoje os seus esforços para promover a utilização na

Leia mais

Tacógrafo Digital Perguntas Frequentes

Tacógrafo Digital Perguntas Frequentes Tacógrafo Digital Perguntas Frequentes 1. Como posso obter o cartão de tacógrafo? Os interessados podem dirigir-se a qualquer um dos serviços regionais do IMTT sitos em Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

ACORDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA REPÚBLICA DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA NO ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU

ACORDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA REPÚBLICA DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA NO ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU 443 der Beilagen XXIII. GP - Beschluss NR - 18 portugiesischer Vertragstext PT (Normativer Teil) 1 von 21 ACORDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA REPÚBLICA DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA NO ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU EEE/BG/RO/pt

Leia mais

Pensar o futuro da educação. Aprender e inovar com a tecnologia multimedia. Comissão Europeia

Pensar o futuro da educação. Aprender e inovar com a tecnologia multimedia. Comissão Europeia Pensar o futuro da educação Aprender e inovar com a tecnologia multimedia Comissão Europeia O impacto da tecnologia da informação e da comunicação está a provocar alterações graduais mas muitas vezes radicais

Leia mais

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE ECC-Net: Travel App Uma nova aplicação para telemóveis destinada aos consumidores europeus que se deslocam ao estrangeiro. Um projeto conjunto da Rede de Centros Europeus do Consumidor Nome da app: ECC-Net:

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Direcção-Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Direcção-Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Direcção-Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais Despacho n. 13 449/2006 (2, e série). A publicação do Regulamento (CE) a 561/2006, do Parlamento

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 29.06.2005 COM(2005) 286 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ DAS REGIÕES E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU CIÊNCIAS

Leia mais

NOTA AO SUMÁRIO DO PROSPECTO VISA NUMERO 12-301 DATADO DE 27 JUNHO 2012, DA AMF. Advertência

NOTA AO SUMÁRIO DO PROSPECTO VISA NUMERO 12-301 DATADO DE 27 JUNHO 2012, DA AMF. Advertência NOTA AO SUMÁRIO DO PROSPECTO VISA NUMERO 12-301 DATADO DE 27 JUNHO 2012, DA AMF Advertência Este sumário deve ser lido como uma nota introdutória ao prospecto. Em qualquer decisão de investir em valores

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda Formação Inicial de Professores na União Europeia Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda 1999 - O Processo de Bolonha Um Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) globalmente harmonizado

Leia mais

Construindo uma Cidadania Europeia Activa. 2011 Ano Europeu do Voluntariado

Construindo uma Cidadania Europeia Activa. 2011 Ano Europeu do Voluntariado Construindo uma Cidadania Europeia Activa 2011 Ano Europeu do Voluntariado Abril de 2011 O Caminho da União Europeia 1951 - Tratado de Paris CECA Comunidade Europeia do Carvão e do Aço 1957 - Tratado de

Leia mais

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 PT CONSILIUM Schengen A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 Índice INTRODUÇÃO 1 LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS 2 COOPERAÇÃO POLICIAL E ADUANEIRA 2 Fronteiras internas 2 Fronteiras

Leia mais

Malaga, Espanha, 7-8 de Maio de 2003

Malaga, Espanha, 7-8 de Maio de 2003 Segunda Conferência Europeia dos Ministros responsáveis pelas políticas de integração das pessoas com deficiência Malaga, Espanha, 7-8 de Maio de 2003 Melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência:

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros

O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros Uma Abordagem Valpi Sumário 1. Envolvente 2. Oportunidades 3. Abordagem Valpi Envolvente Repartição dos Modos Transporte na AMP 1991 2001 7,1

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto

Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto Considerando que a entidade fiscalizadora do trânsito Câmara Municipal de Lisboa através da Polícia Municipal e da EMEL,

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 176. Legislação. Atos não legislativos. 58. o ano. Edição em língua portuguesa. 7 de julho de 2015.

Jornal Oficial da União Europeia L 176. Legislação. Atos não legislativos. 58. o ano. Edição em língua portuguesa. 7 de julho de 2015. Jornal Oficial da União Europeia L 176 Edição em língua portuguesa Legislação 58. o ano 7 de julho de 2015 Índice II Atos não legislativos REGULAMENTOS Regulamento de Execução (UE) 2015/1086 da Comissão,

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Portugal

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Portugal Computadores e Internet nas Escolas em Portugal IV Encontro sobre os Objectivos do Milénio da ONU e as TIC, dedicado às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), Inovação e Conhecimento FIL, Parque

Leia mais

Regulamento de Utilização de Viaturas de Transporte Colectivo de Passageiros

Regulamento de Utilização de Viaturas de Transporte Colectivo de Passageiros Regulamento de Utilização de Viaturas de Transporte Colectivo de Passageiros CAPÍTULO I Generalidades Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento tem como objecto disciplinar e regular a utilização das viaturas

Leia mais

A TRIBUTAÇÃO DAS PME NA UNIÃO EUROPEIA

A TRIBUTAÇÃO DAS PME NA UNIÃO EUROPEIA A TRIBUTAÇÃO DAS PME NA UNIÃO EUROPEIA As actividades e o desenvolvimento das PME são fundamentais para o crescimento económico da União Europeia, daí que se torne primordial saber como são tributadas

Leia mais

Crescimento e Competitividade em Portugal. Vítor Santos ISEG

Crescimento e Competitividade em Portugal. Vítor Santos ISEG Crescimento e Competitividade em Portugal Vítor Santos ISEG 1 Bibliografia Relatórios da Competitividade da Comissão Europeia, últimos anos; European Commission (2003), EU Productivity and Competitiveness:

Leia mais

GUIA DE CANDIDATURA PARA. ESTÁGIOS ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMp)

GUIA DE CANDIDATURA PARA. ESTÁGIOS ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMp) GUIA DE CANDIDATURA PARA ESTÁGIOS ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMp) INTRODUÇÃO 1. O que é um estágio Erasmus? O Estágio Erasmus é uma parte da sua formação académica (curricular ou extra-curricular) efectuada

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL abril 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP)

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) INFORMAÇÃO GERAL 1. O que é um estágio Erasmus? O Estágio Erasmus é uma parte da sua formação académica (curricular ou extracurricular) efectuada

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

EURO. prodep. Antecedentes da Moeda Única:

EURO. prodep. Antecedentes da Moeda Única: Antecedentes da Moeda Única: Até Janeiro de 1999, os países da Comunidade Europeia tinham moedas diferentes, o que durante muito tempo causou grandes dificuldades ao grupo. Os Estados-membros verificaram

Leia mais

Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ)

Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ) Quadro Europeu de Qualificações Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ) Europe direct é um serviço que o ajuda a encontrar respostas às suas perguntas sobre a União Europeia

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite

NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite Telemóvel Comunicações incluidas no pacote: Cada cartão tem 4.000 minutos ou SMS para redes fixas e móveis nacionais. : Depois de

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

DIRECTIVA 2009/52/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/52/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 168/24 Jornal Oficial da União Europeia 30.6.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/52/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 18 de Junho de 2009 que estabelece normas mínimas sobre sanções e medidas contra

Leia mais

NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra

NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra Telemóvel Comunicações incluidas no pacote: Cada cartão tem 4.000 minutos ou SMS para redes fixas e móveis nacionais. : Depois de atingir

Leia mais