PROTOCOLO E CERIMONIAL TRADICIONALISTA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO E CERIMONIAL TRADICIONALISTA"

Transcrição

1 PROTOCOLO E CERIMONIAL TRADICIONALISTA OBSERVADOS OS DECRETOS: Federal nº /72 e Estadual nº /80 353

2 1 NORMAS GERAIS DO CERIMONIAL 1.1 list as a que comparecer, quando organizadas pelo MTG e as cerimônias t radicionalist as organizadas pela RT Regional. 1.5 t idade promover, concedendo lugar de honra (dest aque) ao President e do MTG ou seu represent ant e e ao Coordenador Regional ou seu represent ant e. 1.6 os Coordenadores Regionais não poderão se f azer represent ar gislat ivo ocupam o lugar dos seus represent ados seus post os ou funções e não a que caberia aos represent ados. present es, serão convidados a part icipar das mesas de honra, na qualidade de aut oridades t radicionalist as. 2 ORDEM DE PRECEDÊNCIA TRADICIONALISTA GERAL A. MTG (ESTADO) 1. President e da CBTG (Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha) 2. President e do MTG/ RS 354

3 3. President es dos MTGs de out ros Est ados 4. Vice-President es da CBTG 5. Vice-President es do MTG/ RS (de acordo com o Art. 37 do Est at ut o do MTG) 6. Vice-President es dos MTGs de out ros Est ados 7. Vice-President e da FCG-MTG 8. Membros do Conselho de Vaqueanos do MTG (Ex-President es) 9. Conselheiros Benemérit os Tit ulares do Conselho Diret or (pela idade) 12. Tit ulares da Junt a Fiscal do MTG (pelo President e e depois por idade) 13. Coordenador Regional (pela ordem crescent e das Regiões) 14. 1ª Prenda do Est ado 15. Peão Farroupilha do Est ado Tesoureiro Geral do MTG 18. Assessor Jurídico do MTG 19. Diret ores de Depart ament os do MTG (por idade) 20. President e da Ordem dos Cavaleiros do RS 21. Diret or do Depart ament o Jovem do MTG 22. 1ª Prenda Juvenil do Est ado 23. Guri Farroupilha do Est ado 24. 1ª Prenda Mirim do Est ado Tit ulares do Conselho e Junt a Fiscal da FCG-MTG (por idade) 27. Diret or Administ rat ivo da FCG-MTG 28. Demais Diret ores da FCG-MTG Tesoureiros da FCG-MTG 31. Suplent es do Conselho Diret or e Junt a Fiscal do MTG (por idade) 32. Suplent es do Conselho e Junt a Fiscal da FCG-MTG (por idade) 33. Demais Prendas Adult as do Est ado (2ª e 3ª) 34. Demais Peões Farroupilhas do Est ado (2º e 3º) 35. Vice-Diret or do Depart ament o Jovem do MTG 36. Demais Prendas Juvenis do Est ado (2ª e 3ª) 37. Demais Guris Farroupilhas do Est ado (2º e 3º) 38. Demais Prendas Mirins do Est ado (2ª e 3ª) Pat rões de Ent idades 355

4 B. COORDENADORIA (REGIÃO) 1. Coordenador Regional 2. Vice-Coordenador 3. Membros do Conselho de Vaqueanos da Região 4. 1ª Prenda da Região 5. Peão Farroupilha da Região Tesoureiros da Região 8. Assessor Jurídico da Região 9. Diret ores de Depart ament os da Região 10. Diret or do Depart ament o Jovem da Região 11. Sub-Coordenadores da Região 12. 1ª Prenda Juvenil da Região 13. Guri Farroupilha da Região 14. 1ª Prenda Mirim da Região Prendas Adult as da Região (2ª e 3ª) 17. Demais Peões Farroupilhas da Região (2º e 3º) 18. Diret or Subst it ut o do Depart ament o Jovem da Região 19. Demais Prendas Juvenis da Região (2ª e 3ª) 20. Demais Guris Farroupilhas da Região (2º e 3º) 21. Demais Prendas Mirins da Região (2ª e 3ª) 22. C. ENTIDADE (LOCAL) 1. Pat rão 2. Vice-Pat rões ou Capat azes 3. Membros do Conselho de Vaqueanos (Ex-Pat rões) 4. Sócios Benemérit os Tit ulares do Conselho Deliberat ivo 7. Tit ulares do Conselho Fiscal 8. 1ª Prenda 9. Peão Farroupilha 10. Sot a-capat azes 11. Agregados das Pilchas 12. Post eiro Jurídico 13. Post eiros das Invernadas 14. Tit ular do Depart ament o Jovem 15. 1ª Prenda Juvenil 16. Guri Farroupilha 356

5 17. 1ª Prenda Mirim Suplent es dos Conselhos Deliberat ivo e Fiscal (por idade) 20. Demais Prendas Adult as (2ª e 3ª) 21. Demais Peões Farroupilhas (2º e 3º) 22. Subst it ut o do Depart ament o Jovem 23. Demais Prendas Juvenis (2ª e 3ª) 24. Demais Guris Farroupilha (2º e 3º) 25. Demais Prendas Mirins (2ª e 3ª) ORDEM DE PRECEDÊNCIA DAS AUTORIDADES NAS CERIMÔNIAS A. CERIMÔNIAS ESTADUAIS 1. Governador do RS 2. President e do MTG/ RS 3. President e da CBTG (Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha) 4. Minist ros de Est ado (Federal) 5. Cardeais 6. Vice-Governador do RS 7. President e da Assembleia Legislat iva do RS 8. President e do Tribunal de Just iça do RS 9. Senadores da República 10. Deput ados Federais 11. Almirant es-de-esquadra, Generais-de-Exércit o e Tenent es- -Brigadeiros 12. Prefeit o de Port o Alegre 13. Prefeit o do Município sede da Cerimônia 14. President e da Câmara do Município sede da Cerimônia 15. Juiz de Direit o da Comarca sede da Cerimônia 16. President es dos out ros MTGs (Pat rões) Reit ores de Universidades 19. Prefeit os das cidades com mais de um milhão de habit ant es 20. Cont ra-almirant es, Generais-de-Brigada e Brigadeiros Bispos Cat ólicos ou equivalent es em out ras religiões 357

6 23. Comandant e Geral da Brigada Milit ar 24. Comandant es Milit ares (Coronéis) 25. Deput ados Est aduais 26. Juiz Federal 27. Promot or Público 28. Superint endent es de órgãos federais 29. Delegado Regional de Polícia 30. Comandant es Milit ares locais (pela hierarquia) 31. Delegado da Polícia Federal Vice-President es da CBTG 34. Vice-President es do MTG/ RS (de acordo com o Art. 37 do Est at ut o do MTG) 35. Vice-President es dos out ros MTGs 36. Vereadores do município sede da Cerimônia 37. Vice-President e da FCG-MTG 38. Membros do Conselho de Vaqueanos do MTG (Ex-President es) 39. Conselheiros Benemérit os do MTG Tit ulares do Conselho Diret or (pela idade) 42. Tit ulares da Junt a Fiscal (pelo President e e depois por idade) 43. Coordenadores das Regiões (na ordem, pela 1ª RT) 44. 1ª Prenda do RS 45. Peão Farroupilha RS 46. Prefeit os de out ros municípios Tesoureiro Geral do MTG 49. Assessor Jurídico do MTG 50. Diret ores de Depart ament os do MTG (por idade) 51. President e da Ordem dos Cavaleiros do RS 52. Diret or do Depart ament o Jovem do MTG 53. 1ª Prenda Juvenil do Est ado 54. Guri Farroupilha do Est ado 55. 1ª Prenda Mirim do Est ado Padres e Past ores 58. Delegados de Polícia 59. Gerent es e Diret ores de Inst it uições (Bancos, est at ais, empresas, et c.) 60. Tit ulares do Conselho e Junt a Fiscal da FCG-MTG (por idade) 358

7 61. Diret or Administ rat ivo da FCG-MTG 62. Demais Diret ores da FCG-MTG Tesoureiros da FCG-MTG 65. Suplent es do Conselho Diret or e Junt a Fiscal do MTG (por idade) 66. Suplent es do Conselho e Junt a Fiscal da FCG-MTG (por idade) (2) 67. Demais Prendas Adult as do Est ado (2ª e 3ª) 68. Demais Peões Farroupilhas do Est ado (2º e 3º) 69. Vice-Diret or do Depart ament o Jovem do MTG 70. Demais Prendas Juvenis do Est ado (2ª e 3ª) 71. Demais Guris Farroupilhas do Est ado (2º e 3º) 72. Demais Prendas Mirins do Est ado (2ª e 3ª) Pat rões de Ent idades B. CERIMÔNIAS REGIONAIS 1. Coordenador Regional 2. Vice-Coordenador Regional 3. Membros do Conselho de Vaqueanos da Região 4. 1ª Prenda da Região 5. Peão Farroupilha da Região 7. Tesoureiros da Região 8. Assessor Jurídico da Região 9. Diret ores de Depart ament os da Região 10. Diret or do Depart ament o Jovem da Região 11. Sub-Coordenadores da Região 12. Pat rões de Ent idade 13. 1ª Prenda Juvenil da Região 14. Guri Farroupilha da Região 15. 1ª Prenda Mirim da Região 17. Demais Prendas Adult as da Região (2ª e 3ª) 18. Demais Peões Farroupilhas da Região (2º e 3º) 19. Diret or Subst it ut o do Depart ament o Jovem da Região 20. Demais Prendas Juvenis da Região (2ª e 3ª) 21. Demais Guris Farroupilhas da Região (2º e 3º) 22. Demais Prendas Mirins da Região (2ª e 3ª) 359

8 C. CERIMÔNIAS NAS ENTIDADES (INTERNAS) 1. Pat rão 2. Vice-Pat rões ou Capat azes da Ent idade 3. Membros do Conselho de Vaqueanos 4. Sócios Benemérit os Tit ulares do Conselho Deliberat ivo e Fiscal 7. 1ª Prenda 8. Peão Farroupilha 9. Sot a-capat azes 10. Agregado das Pilchas 11. Post eiro Jurídico 12. Post eiros de Invernadas 13. Diret or do Depart ament o Jovem 14. 1ª Prenda Juvenil 15. Guri Farroupilha 16. 1ª Prenda Mirim Suplent es dos Conselhos Deliberat ivo e Fiscal 19. Demais Prendas Adult as (2ª e 3ª) 20. Demais Peões Farroupilhas (2º e 3º) 21. Diret or Subst it ut o do Depart ament o Jovem 22. Demais Prendas Juvenis (2ª e 3ª) 23. Demais Guris Farroupilhas (2º e 3º) 24. Demais Prendas Mirins (2ª e 3ª) ORDEM DE PRECEDÊNCIA PARA COMPOSIÇÃO DE MESAS DE HONRA A. CERIMÔNIAS DE NÍVEL ESTADUAL 1. President e do MTG (President e da Cerimônia) 2. Maior aut oridade civil present e 3. Pat rão da ent idade (se a cerimônia for na ent idade) 4. Continua conforme a ordem de precedência das autoridades mesa. 360

9 B. CERIMÔNIAS DE NÍVEL REGIONAL 1. President e da cerimônia (Coordenador Regional ou Vice- Coordenador) 2. Maior aut oridade civil present e 3. O President e do MTG ou seu represent ant e 4. Pat rão da ent idade (se a cerimônia for na ent idade) 5. Continua conforme a ordem de precedência das autoridades C. CERIMÔNIAS A NÍVEL DE ENTIDADE 1. Pat rão da ent idade (President e da cerimônia) 2. Maior aut oridade civil present e 3. President e do MTG ou seu represent ant e 4. Coordenador Regional ou seu represent ant e 5. Continua conforme a ordem de precedência das autoridades 5 CERIMÔNIAS CONJUNTAS COM OUTRAS INSTITUIÇÕES (EX. SEMANA FARROUPILHA) Nest es casos as maiores aut oridades das ent idades promot oras do event o serão chamadas logo após ao president e da cerimônia. 6 CERIMÔNIAS ESPECIAIS t idades, t roca de faixas ou dist int ivos de Prendas e Peões, t roca de Pat ronagens, homenagens especiais, et c., obedecerão prot ocolo próprio elaborado pela ent idade como aut oridades. ges. 361

10 7 COMPOSIÇÃO DAS MESAS 7.1 Regras Básicas reit a e à esquerda desse cent ro. A posição part e de quem olhando a mesa de frent e. - pequeno de pessoas. Pode-se considerar como ideal o número de 7 (set e) ou 9 (nove) pessoas. - nadas pelo prot ocolo, logo após a formação da mesa. Sempre que possível as mulheres não ocupam as ext remidades da mesa diret iva. ser nominada em microf one. convidando cada um dos int egrant es da mesa a se dirigir a ela e, assim que t odos est iverem colocados, anunciar a composição da mesa para os present es. Deve-se evit ar fazer a composição da mesa chamando as pessoas pelo microf one. 7.2 Situações Especiais - ridade fazendo part e das Sessões Solenes ou Especiais e nominado logo após o President e do MTG. 362

11 compor a Mesa, aut oridades ou t radicionalist as present es, especialment e os pioneiros do Moviment o. 7.3 Composição de Mesas Ímpares (1). (2) (1). (3) (1). 7.4 Composição de Mesas Pares as aut oridades. ria (1). (2) (3) (1). (2). 363

12 8 PRONUNCIAMENTOS (DISCURSOS) - t ima a se pronunciar. - (cinco) pronunciament os para grandes cerimônias est a- duais. t ant e de cada set or envolvido na promoção. Deput ados, et c., devem ser consult adas ant es da cerimônia, sobre possíveis pronunciament os. Os demais pronunciament os, o procediment o é o mesmo. 9 BANDEIRAS 9.1 Apresentação das Bandeiras , de e Est adual nº , de Podem ser ut ilizadas em t odas as sit uações em que houver a presença das Bandeiras Nacional e Rio-grandense e, ainda, em t odos os locais sob t odas as formas e em t odas as sit uações que não at ent em cont ra a Cart a de Princípios ou cont ra os bons usos e cost umes do povo gaúcho. 9.2 Colocação das Bandeiras Cent ral ou mais próxima do Cent ro e à direit a dest e, quando com out ras bandeiras, em linha de mast ros, panóplias, escudos ou peças semelhant es. b. Dest acada à f rent e das out ras bandeiras quando con- 364

13 c. À direit a de t ribunas, púlpit os, mesas de reunião ou de t rabalho. a. O mais próxima do cent ro à esquerda da Bandeira do Brasil quando o número de bandeiras for em número par. b. O mais próxima do cent ro à direit a da Bandeira do Brasil quando o número de bandeiras for ímpar. sil, no lado opost o à Bandeira Est adual. c. Bandeira da Paz. f. Depart ament o ou Piquet e de Ent idade Filiada. ciais. formar um piquet e guarda-bandeiras à frent e de suas represent ações e logo após o seu comandant e, formando uma ou mais linhas de bandeiras e uma ou mais linhas de est andart es. t andart e como símbolo de inst it uições e ent idades da sociedade organizada int egrant es do moviment o t radicionalist a gaúcho organizado, ou que lhe é simpat izant e, e reconhecidas pelos promot ores de event os t radicionalist as. deira Nacional, a Bandeira do Est ado, a Bandeira do Mu- 365

14 a. Formar grupament o com, no mínimo, 50 (cinquent a) pessoas efet ivament e mont adas, part icipant es do deslocament o e int egrant es de uma ou mais Ent idades Tradi- b. Os piquet es guarda-bandeiras deverão conduzir bandeiras em bom est ado de conservação, t odas com o mesmo t amanho, ou que reservem maior t amanho para as deira de país amigo, Bandeira Rio-grandense, Bandeira de out ros est ados da federação, Bandeira de municípios, est andart e da Conf ederação Brasileira da Tradição Gaúcha, est andart e do Moviment o Tradicionalist a Gaúcho, est andart e de out ras f ederações t radicionalist as, est andart e de Região Tradicionalist a, est andart e de ent idades t radicionalist as e out ros est andart es. c. Incluir no Piquet e guarda bandeiras soment e est andart es de ent idades t radicionalist as reconhecidas pelos organizadores do event o ou de out ras ent idades que esses houverem por bem reconhecer. belecidas nest e document o poderão conduzir soment e a bandeira da sua Ent idade Tradicionalist a, sem a companhia de out ras bandeiras e est andart es. isolada. As bandeiras de municípios soment e poderão ser apresent adas, no mínimo, na companhia das Bandeiras Nacional e Est adual, assim como a Bandeira Rio-gran- companhia da Bandeira Nacional. de resolução exarada pelo seu Conselho Diret or, normat izar os pormenores prot ocolares para a condução de bandeiras e est andart es nos descolament os t radicionalist as a cavalo. igual ou inferior às Bandeiras Nacional, Est adual e Municipal. 366

15 9.3 Disposição das Bandeiras a. As bandeiras do Brasil e Rio-grandense formarão o t am-se sucessivament e à direit a e à esquerda das duas que formam o cent ro. a. A bandeira do Brasil forma o cent ro. t am-se sucessivament e à direit a e à esquerda da Bandeira do Brasil. após a Bandeira do Brasil, em ordem alfabét ica e a seguir a(s) do(s) Est ado(s). Bandeira do Est ado sede do event o, conforme a ordem Fernando de Noronha 367

16 das preferencialment e com a do MTG. volt ada para a rua, para a plat éia ou, de modo geral, para o público que observa o disposit ivo Hasteamento e Arriamento das Bandeiras hora do dia e da noit e, mas normalment e elas são hast eadas às 08 e arriadas às 18 horas, excet o no Dia da hast eadas, em mast ros, se est iverem iluminadas. 368

17 10 EXECUÇÃO DOS HINOS NAS CERIMÔNIAS TRADICIONALISTAS - numa cerimônia t radicionalist a, a execução do seu hino - part e; quando vocal, serão cant adas as duas part es do poema, em uníssono. inst rument al simples. cerimônias t radicionalist as, imediat ament e após a exe- - - bem como alert ar para a at it ude que os cidadãos devem masculino com a cabeça descobert a e os milit ares em - -grandense, t odos deverão volt ar a frent e para onde est iverem as respect ivas bandeiras. Em caso de execução por Banda ou Coral present es, t odos deverão volt ar a frent e para os execut ant es. 369

ATUALIZADO EM JULHO/2009 PROTOCOLO E CERIMONIAL TRADICIONALISTA. Observados os Decretos: Federal nº 70.274/72 e Estadual nº 30.

ATUALIZADO EM JULHO/2009 PROTOCOLO E CERIMONIAL TRADICIONALISTA. Observados os Decretos: Federal nº 70.274/72 e Estadual nº 30. ATUALIZADO EM JULHO/2009 PROTOCOLO E CERIMONIAL TRADICIONALISTA Observados os Decretos: Federal nº 70.274/72 e Estadual nº 30.012/80 1 - NORMAS GERAIS DO CERIMONIAL 1.1 O Presidente do MTG presidirá as

Leia mais

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008.

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. Autoria: Poder Legislativo Estabelece normas para as cerimônias públicas e a ordem geral de precedência no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito

Leia mais

LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003

LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003 LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre as Normas do Cerimonial Público e Ordem de Precedência no Município de Bonito-MS., e dá outras providências. Autor: Luemir do Couto Coelho O Prefeito Municipal

Leia mais

Protocolo (Sergeant-at-arms)

Protocolo (Sergeant-at-arms) Protocolo (Sergeant-at-arms) Intlª. Kaue Baiza Macedo Gestão 2012-13 - Paz Através Do Servir Definição Podemos entender o Protocolo como um conjunto de procedimentos e regras de funcionamento a aplicar

Leia mais

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso de suas atribuições legais. R E S O L V E Aprovar, no âmbito do Poder Judiciário Estadual, as Normas

Leia mais

Manual Cerimonial e Protocolo para eventos da UFG

Manual Cerimonial e Protocolo para eventos da UFG ÍNDICE Visando democratizar o acesso aos procedimentos, bem como auxiliar o trabalho de órgãos e unidades acadêmicas, a Coordenadoria de Relações Públicas/Ascom-RP disponibiliza nesta seção dicas relacionadas

Leia mais

2. Já quando estiver em número par ela deve ficar o mais próximo do centro e a Esquerda. Por exemplo:

2. Já quando estiver em número par ela deve ficar o mais próximo do centro e a Esquerda. Por exemplo: Bandeiras Uma coisa que confunde muita gente é organização de bandeiras, pouca gente sabe qual é a ordem correta para hasteá-las. Regra Geral A legislação brasileira (em especial a Lei 5700 de 01/09/71)

Leia mais

SOLENIDADE NAS COMARCAS MODELO DE ROTEIRO

SOLENIDADE NAS COMARCAS MODELO DE ROTEIRO SOLENIDADE NAS COMARCAS - Inauguração de Fórum/Reforma - Instalação de Comarca/Vara/Juizado Especial - Inauguração de Galeria de Retratos - Lançamento de Pedra Fundamental - Inauguração de Busto - Descerramento

Leia mais

Cinara Cardoso ALARP BRASIL/ Salvador - BA. 22.10.2014

Cinara Cardoso ALARP BRASIL/ Salvador - BA. 22.10.2014 Cerimonial & Protocolo Empresarial Cinara Cardoso ALARP BRASIL/ Salvador - BA. 22.10.2014 Pontos de Discussão*: 1. Informações introdutórias C&P; 2. Aspectos Práticos do C&P na área empresarial; 3. Um

Leia mais

etapas para realização de um evento

etapas para realização de um evento etapas para realização de um evento Definição do tipo de evento Solenidades diversas: Reunião Especial (para eleição da Mesa da Câmara Municipal, para entrega de título de Cidadão Honorário do município,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA BANDEIRA ACREANA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA BANDEIRA ACREANA LEI N. 1.170, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1995 Regulamenta e define a forma e apresentação da Bandeira do Estado do Acre, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa

Leia mais

Cerimonial, Protocolo e Etiqueta. Isso tudo é realmente necessário? Isso tudo é frescura? Nunca vou PRECISAR usar isso! SERÁ?

Cerimonial, Protocolo e Etiqueta. Isso tudo é realmente necessário? Isso tudo é frescura? Nunca vou PRECISAR usar isso! SERÁ? Cerimonial, Protocolo e Etiqueta Isso tudo é realmente necessário? Isso tudo é frescura? Nunca vou PRECISAR usar isso! SERÁ? Cerimônias, regras, etiquetas e ética FAZEM PARTE DO COTIDIANO DO SER HUMANO...

Leia mais

CAPÍTULO XIX RELAÇÕES PÚBLICAS

CAPÍTULO XIX RELAÇÕES PÚBLICAS CAPÍTULO XIX RELAÇÕES PÚBLICAS A. PUBLICAÇÕES 1. A Divisão de Relações Públicas e Comunicação é encarregada de produzir e manter disponível, seja no site oficial da associação na Internet ou através de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 350 DE 1999. Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos nacionais.

PROJETO DE LEI Nº 350 DE 1999. Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos nacionais. PROJETO DE LEI Nº 350 DE 1999 Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos nacionais. O CONCRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DA Disposição Preliminar Art. 1º São símbolos Nacionais: I - a Bandeira

Leia mais

PROTOCOLO DE PADRONIZAÇÃO DAS CERIMONIAS DE ABERTURA JOGOS ESCOLARES DE RONDÔNIA 2015

PROTOCOLO DE PADRONIZAÇÃO DAS CERIMONIAS DE ABERTURA JOGOS ESCOLARES DE RONDÔNIA 2015 1- INTRODUÇÃO PROTOCOLO DE PADRONIZAÇÃO DAS CERIMONIAS DE ABERTURA JOGOS ESCOLARES DE RONDÔNIA 2015 O presente protocolo trata da prática de cerimonial e protocolo, que se constitui em um conjunto de regras

Leia mais

GUIA PARA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

GUIA PARA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS GUIA PARA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA 1 Introdução 3 2 Classificação dos eventos 4 3 Planejamento de eventos 6 4 Organização da mesa de honra e

Leia mais

Edital de Licitação CCC 0008461 SEI 04600001624201521 / pg. 1

Edital de Licitação CCC 0008461 SEI 04600001624201521 / pg. 1 ENAP Escola Nacional de Administ ração Pública SAIS, Área 2A, Brasília-DF CEP 70.610-900 Telefone (61) 2020.3000 Fax (61) 2020.3168 DE LICITAÇÃO EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO Nº 11 / 2015 Modalidade: PREGÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 70.274, DE 9 DE MARÇO DE 1972. Aprova as normas do cerimonial público e a ordem geral de precedência. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Relatório da assessoria de imprensa do CORECON/RS Eleição e posse dos dirigentes presidente e vice-presidente do CORECON/RS

Relatório da assessoria de imprensa do CORECON/RS Eleição e posse dos dirigentes presidente e vice-presidente do CORECON/RS Relatório da assessoria de imprensa do CORECON/RS Eleição e posse dos dirigentes presidente e vice-presidente do CORECON/RS Data: 15 de janeiro Hora: 12 horas Local: Sede do Conselho Regional de Economia

Leia mais

MOVIMENTO TRADICIONALISTAGAÚCHO MTG

MOVIMENTO TRADICIONALISTAGAÚCHO MTG k MOVIMENTO TRADICIONALISTAGAÚCHO MTG Nota de Instrução 01/2014 Dispõe sobre normas dos Concursos Ciranda Cultural de Prendas, Entrevero Cultural de Peões, Mostra Folclórica e demais disposições gerais.

Leia mais

MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO MTG/RS

MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO MTG/RS FICHA CADASTRAL PARA FILIAÇÃO PARTICIPAÇÃO PLENA PARTICIPAÇÃO PARCIAL PARTICIPAÇÃO ESPECIAL PARTICIPAÇÃO ATM ENTIDADE ESTUDANTIL NOME DA ENTIDADE REQUERENTE: REGIÃO: LEMA: CGC/CNPJ: FUNDADA EM: E-MAIL

Leia mais

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL)

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL) Mét odo do Valor At ual () ou Valor r esent e Líquido (VL) O mét odo do Valor At ual () per mit e que conheçamos as nossas necessidades de caixa, ou ganhos de cer t o pr oj et o, em t er mos de dinheir

Leia mais

E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A G A B I N E T E D O G O V E R N A D O R CASA MILITAR CERIMONIAL MANUAL BÁSICO DE CERIMONIAL

E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A G A B I N E T E D O G O V E R N A D O R CASA MILITAR CERIMONIAL MANUAL BÁSICO DE CERIMONIAL MANUAL BÁSICO DE 1. Cerimonial é uma palavra que ouvimos ou lemos com freqüência nos dias de hoje. Porém poucos sabem seu verdadeiro significado e principalmente conhecem a atividade profissional derivada

Leia mais

Missão Administrativa da(o) Secretária(o) de Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1.ª instância CFFJ - 2012

Missão Administrativa da(o) Secretária(o) de Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1.ª instância CFFJ - 2012 Missão Administrativa da(o) Secretária(o) de Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1.ª instância CFFJ - 2012 Direção-Geral da Administração da Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1ª instância

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA

COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA CERIMONIAL ICA 900-1 CERIMONIAL MILITAR DO COMANDO DA AERONÁUTICA 17 DEZ 2002 COMANDO DA AERONÁUTICA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA CERIMONIAL ICA 900-1 CERIMONIAL MILITAR

Leia mais

PODER LEGISLATIVO Estado do Rio de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU Assessoria de Comunicação

PODER LEGISLATIVO Estado do Rio de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU Assessoria de Comunicação MANUAL BÁSICO DE CERIMONIAL 1. CERIMONIAL Cerimonial é uma palavra que ouvimos ou lemos com freqüência nos dias de hoje. Porém poucos sabem seu verdadeiro significado e principalmente conhecem a atividade

Leia mais

MANUAL BÁSICO PARA EVENTOS E CERIMONIAL

MANUAL BÁSICO PARA EVENTOS E CERIMONIAL MANUAL BÁSICO PARA EVENTOS E CERIMONIAL 2 Nos eventos e cerimoniais, de um modo geral, são utilizados alguns termos específicos. Muitos deles até se confundem, assumindo, conforme o autor, o mesmo significado.

Leia mais

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quant o à veloc idade Rápidas: neut ralizaç ões em m eio aquoso, c om bust ões,...

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETIVO

CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO PARA A SOLENIDADE DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E INTEGRADO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º. O presente regulamento tem por objetivo estabelecer as normas e procedimentos

Leia mais

MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA

MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA 1 ÍNDICE PALAVRA DO DIRETOR... 3 APRESENTAÇÃO... 3 PROVIDÊNCIAS LEGAIS... 3 COMISSÃO DE FORMATURA... 3 ESCOLHA DO PATRONO... 4 ESCOLHA DO PARANINFO...

Leia mais

Prof. Mat eus Andrade

Prof. Mat eus Andrade A Term oquím ic a t em c om o objet ivo o est udo das variaç ões de energia que ac om panham as reaç ões quím ic as. Não há reaç ão quím ic a que oc orra sem variaç ão de energia! A energia é c onservat

Leia mais

MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA

MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA ÍNDICE PALAVRA DO DIRETOR... 2 APRESENTAÇÃO... 2 PROVIDÊNCIAS LEGAIS... 2 COMISSÃO DE FORMATURA... 3 A ESCOLHA DO PATRONO... 3 A ESCOLHA DO PARANINFO...

Leia mais

REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS FACIT

REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS FACIT REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS FACIT MANTIDA PELA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONTES CLAROS - FEMC TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E FINS Art. 1º. O presente

Leia mais

REGULAMENTO PARA A SOLENIDADE DE OUTORGA DE GRAU DOS CURSOS SUPERIORES DO CEFET-BAMBUÍ CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINS

REGULAMENTO PARA A SOLENIDADE DE OUTORGA DE GRAU DOS CURSOS SUPERIORES DO CEFET-BAMBUÍ CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINS REGULAMENTO PARA A SOLENIDADE DE OUTORGA DE GRAU DOS CURSOS SUPERIORES DO CEFET-BAMBUÍ CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINS Art. 1º. O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer as normas e procedimentos

Leia mais

CIVISMO. Vamos primeiro conhecer a lei que nos mostra a forma correta de usarmos a nossa bandeira.

CIVISMO. Vamos primeiro conhecer a lei que nos mostra a forma correta de usarmos a nossa bandeira. CIVISMO Civismo é a dedicação pelo interesse público, é o patriotismo que cada cidadão deve ter no seu dia a dia, para isso devemos conhecer bem os nossos símbolos nacionais. Vamos primeiro conhecer a

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

IMEC INSTITUTO MACEIÓ DE ENSINO E CULTURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA

IMEC INSTITUTO MACEIÓ DE ENSINO E CULTURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA IMEC INSTITUTO MACEIÓ DE ENSINO E CULTURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA ÍNDICE PALAVRA DA DIRETORA...03 APRESENTAÇÃO...03 PROVIDÊNCIAS LEGAIS...03 COMISSÃO DE FORMATURA...04

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO 1. O Comitê de Inovação (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

"Os pequenos atos que se executam são melhores que todos aqueles grandes que se planejam". George C. Marshall (1880-1959)

Os pequenos atos que se executam são melhores que todos aqueles grandes que se planejam. George C. Marshall (1880-1959) "Os pequenos atos que se executam são melhores que todos aqueles grandes que se planejam". George C. Marshall (1880-1959) REFERÊNCIA: LEI Nº 5.700, DE 1º SET 1971 MANUAL ADMINISTRATIVO DO CLUBE DE DESBRAVADORES

Leia mais

TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL. Prefeito Vice-prefeito. 4 meses 6 meses

TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL. Prefeito Vice-prefeito. 4 meses 6 meses Cargo Administrador de empresa de economia mista destinada à exploração de transporte urbano, que tem como acionista majoritário o município. TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO DO ESTADO DE MATO GROSSO CONCURSO ESTADUAL DE PRENDAS E PEÕES REGULAMENTO NORMAS GERAIS

MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO DO ESTADO DE MATO GROSSO CONCURSO ESTADUAL DE PRENDAS E PEÕES REGULAMENTO NORMAS GERAIS NORMAS GERAIS Art. 1º. O Concurso Estadual de Prendas e Peões é um evento bienal do MTG- MT Movimento Tradicionalista Gaúcho do Estado de Mato Grosso, de natureza sócio-cultural. 1º. O Concurso será realizado

Leia mais

Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português

Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português Lei n.º 40/2006, de 25 de Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: SECÇÃO I Princípios

Leia mais

Aluno/ a: Naara Priscila Soares da Silva E-mail: naara_soares@yahoo.com.br Orient ador/ a: Profaº. Draº. Maria do Carmo de Sousa E-mail:

Aluno/ a: Naara Priscila Soares da Silva E-mail: naara_soares@yahoo.com.br Orient ador/ a: Profaº. Draº. Maria do Carmo de Sousa E-mail: Aluno/ a: Naara Priscila Soares da Silva E-mail: naara_soares@yahoo.com.br Orient ador/ a: Profaº. Draº. Maria do Carmo de Sousa E-mail: mdcsousa@ufscar.com.br Departamento de Metodologia de Ensino Com

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Instituto de Cultura e Arte - ICA PROGRAMA DE MESTRADO EM ARTES REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Instituto de Cultura e Arte - ICA PROGRAMA DE MESTRADO EM ARTES REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Instituto de Cultura e Arte - ICA PROGRAMA DE MESTRADO EM ARTES REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 011/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 011/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO RESOLUÇÃO Nº 011/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014

Leia mais

Decreto Federal 70274 Aprova as Normas do Cerimonial Público e a Ordem de Precedência

Decreto Federal 70274 Aprova as Normas do Cerimonial Público e a Ordem de Precedência Decreto Federal 70274 Aprova as Normas do Cerimonial Público e a Ordem de Precedência O Presidente da República, no uso da atribuição que lhe confere o Art. 81, Ítem III, da Constituição, D E C R E T A

Leia mais

REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU

REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU ROD. 010, KM 32, Setor Abaitará Pimenta Bueno Ro/ institutoabaitara@seduc.ro.gov.br PORTARIA Nº: 010 /2015. SÚMULA: Aprovar Regulamento da Colação de Grau do Instituto Estadual

Leia mais

CONTRATO Nº 08/2016 PROCESSO Nº 04600.200203/2015-81

CONTRATO Nº 08/2016 PROCESSO Nº 04600.200203/2015-81 ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAIS ÁREA 2A, Ed. Alojamento Térreo sala 02 - Bairro Setor Polícial Sul, Brasília/DF, CEP 706010-900 Telefone: (61) 2020-3370 e Fax: - http://www.enap.gov.br PROCESSO

Leia mais

Igreja Presbiteriana do Brasil Confederação Nacional das SAFs. Quedriênio 2014/2018

Igreja Presbiteriana do Brasil Confederação Nacional das SAFs. Quedriênio 2014/2018 Igreja Presbiteriana do Brasil Confederação Nacional das SAFs Quedriênio 2014/2018 Tema do quadriênio: Que formosos são sobre os montes os pés do que anuncia boas-novas! (Is 52.7) O desafio do TF também

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE INDAIATUBA

CÂMARA MUNICIPAL DE INDAIATUBA 4 11N1 CÂMARA MUNICIPAL DE INDAIATUBA www.camaraindaiatuba.sp.gov.br PROJETO DE LEI N /2012 "Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais CMPDA, e dá outras providências."

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES 1 REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1º O Colégio de Presidentes das Subseções é órgão de Consulta, Sugestões e de Recomendações ao Conselho

Leia mais

CURSO FIC ORGANIZADOR DE EVENTOS DISCIPLINA: CERIMONIAL E PROTOCOLO PARA EVENTOS PROFESSOR: JOSÉ SOLON SALES E SILVA

CURSO FIC ORGANIZADOR DE EVENTOS DISCIPLINA: CERIMONIAL E PROTOCOLO PARA EVENTOS PROFESSOR: JOSÉ SOLON SALES E SILVA Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará CURSO FIC ORGANIZADOR DE EVENTOS DISCIPLINA: CERIMONIAL

Leia mais

QUADROS DE REMUNERAÇÃO

QUADROS DE REMUNERAÇÃO CONSELHEIRO Subsídio R$ 24.184,43 AUDITOR Subsídio R$ 22.975,21 PROCURADOR 1ª CLASSE Subsídio R$ 24.184,43 PROCURADOR 2ª CLASSE Subsídio R$ 22.975,21 CARGO COMISSIONADO Cargo Símbolo Vencimento Representação

Leia mais

MANUAL DE FORMATURAS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA

MANUAL DE FORMATURAS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA MANUAL DE FORMATURAS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA A conclusão de um curso superior é a celebração de uma grande conquista, portanto a cerimônia de formatura se transforma num momento especial

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL CAPÍTULO I Do Nome, Sede, Fins e Duração. Art. 1º - O Grêmio Estudantil Bom Conselho abreviadamente, Grêmio, é uma instituição sem fins lucrativos constituída pelos alunos

Leia mais

Manual de Colação de Grau

Manual de Colação de Grau Manual de Colação de Grau Sumário INTRODUÇÃO...3 1 REGULAMENTO DAS SOLENIDADES DE COLAÇÃO DE GRAU...3 2 SETOR DE FORMATURAS...3 3 ATRIBUIÇÕES DA SECRETARIA E COORDENAÇÃO ACADÊMICA...4 4 TIPOS DE SOLENIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DAS SESSÕES PÚBLICAS SOLENES OU SIMPLES DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E TECNÓLOGOS

REGULAMENTO DAS SESSÕES PÚBLICAS SOLENES OU SIMPLES DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E TECNÓLOGOS REGULAMENTO DAS SESSÕES PÚBLICAS SOLENES OU SIMPLES DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E TECNÓLOGOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E LETRAS FACEL Este regulamento pretende servir

Leia mais

MANUAL DO DIRETOR DE PROTOCOLO

MANUAL DO DIRETOR DE PROTOCOLO PARA ROTARY CLUBS BRASILEIROS AGOSTO 2014 www.rotary4420.org.br DISTRITO 4420 APRESENTAÇÃO Agosto de 2014 Em todos os setores da sociedade a adequada organização de uma reunião é extremamente importante

Leia mais

API - Módulo Risk Manager

API - Módulo Risk Manager API - Módulo Risk Manager Completed Responses 21 Partial Responses 0 Survey Visits 39 Q1 Data de preenchimento deste feedback: Answered: 0 Skipped: 21 No Response Q2 Nome: Answered: 21 Skipped: 0 1. Anônimo

Leia mais

CERIMONIAL MILITAR DO EXÉRCITO

CERIMONIAL MILITAR DO EXÉRCITO CERIMONIAL MILITAR DO EXÉRCITO VADE-MÉCUM Nº 03 HONRAS DE RECEPÇÃO E DESPEDIDA DE AUTORIDADE NA OM 1. INTRODUÇÃO O presente vade-mécum trata do cerimonial militar referente às honras de recepção e despedida

Leia mais

CERIMÔNIA DE INSTALAÇÃO DO MESTRE CONSELHEIRO REGIONAL

CERIMÔNIA DE INSTALAÇÃO DO MESTRE CONSELHEIRO REGIONAL CERIMÔNIA DE INSTALAÇÃO DO MESTRE CONSELHEIRO REGIONAL uma cerimônia aberta emitida pelo Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil Primeira Edição 2012 CERIMÔNIA DE INSTALAÇÃO

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a concessão da licença para atividade política, do afastamento para o exercício de mandato eletivo e da licença para desempenho de mandato classista

Leia mais

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas.

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas. Art. 1º - Os CAMPEONATOS ESTADUAIS CAIXA DE ATLETISMO MIRIM têm por propósito básico a integração estadual, a difusão do Atletismo e a verificação do desenvolvimento de seu estágio técnico nos diversos

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA Para a liberação de acesso ao Cadastro NIS pela internet, o empregador deverá entregar na Agência onde será concedida a autorização, cópia e original de documentação

Leia mais

Conhecendo o Kit Real

Conhecendo o Kit Real Conhecendo o Kit Real Versão do Kit Botão de Login Botões de Cálculo Pesquisa de Cálculos Botões de Transmissão Manutenção e Relatórios Acompanhamento de propostas transmitidas Versão do Kit: Mostra qual

Leia mais

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP REGIMENTO DO 6º CONGRESSO ESTATUTÁRIO DOS FUNCIONÁRIOS DA USP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA USP DATA: 27, 28, 29 E 30 DE ABRIL DE 2015. LOCAIS: ABERTURA DIA 27, ÀS 18H00 E INSTALAÇÃO DA PLENÁRIA PARA

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 07 1 / 8 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto aos públicos interno e externo do Crea GO de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado de Rondônia.

Assembléia Legislativa do Estado de Rondônia. &m 1943 A / 1981 RONDÔNIA MENSAGEM N 041/2014-ALE EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO, O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO encaminha a Vossa Excelência para os fins constitucionais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Administração Financeira em Eventos Recursos e recomendações para a execução de eventos

Administração Financeira em Eventos Recursos e recomendações para a execução de eventos Aula 5 MBA em Secretariado e Assessoria Executiva Gestão de Eventos Administração Financeira em Eventos Recursos e recomendações para a execução de eventos A fase de execução compreende o desenvolvimento

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Parágrafo primeiro: As instâncias de deliberativas são a Assembléia Geral e a Diretoria.

Parágrafo primeiro: As instâncias de deliberativas são a Assembléia Geral e a Diretoria. REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PORTADORES DE CHARCOT MARIE TOOTH Aprovado em assembléia do dia 20/11/2010 Da organização e funcionamento da associação Art. 1. Para o cumprimento do conjunto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA O Decreto-Lei nº7/2003, de 15 de Janeiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto, retificada pela

Leia mais

Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências.

Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. LEI Nº 5.213, DE 5 DE JANEIRO DE 1966. Dispõe sobre a forma e a apresentação dos símbolos do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. ILDO MENEGHETTI, Governador do Estado do Rio Grande do

Leia mais

REGULAMENTO DE REMO 2007 2008

REGULAMENTO DE REMO 2007 2008 REGULAMENTO DE REMO 2007 2008 REGATAS OFICIAIS E CAMPEONATOS ESTADUAIS CAPÍTULO I DOS REMADORES E SUAS CATEGORIAS: Artigo 1º O(a)(s) remador(a)(es)(as) que vierem a participar de regatas da serão divididos

Leia mais

REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO SALVADOR.

REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO SALVADOR. REGULAMENTO DAS SESSÕES SOLENES E PÚBLICAS DE COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO SALVADOR. Este regulamento pretende servir de instrumento informativo e orientador das cerimônias

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DA PÁTRIA

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DA PÁTRIA PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DA PÁTRIA 01/09/2013 (DOMINGO) 7h15m ABERTURA DOS FESTEJOS Solenidade Militar e condução do Fogo Simbólico Saída 14º RCMec Participação: 14º RCMec, Polícia Militar, 12º Batalhão de

Leia mais

Data: / / Local: Documento de Origem:

Data: / / Local: Documento de Origem: POLÍCIA MILITAR DA BAHIA SUBCOMANDO GERAL COORDENAÇÃO DE CERIMONIAL SOLENIDADE DE FORMATURA DO CURSO ESPECIAL DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS POLICIAIS MILITARES PM Data: / / Local: Documento de Origem: 1º ATO

Leia mais

os alunos do Colégio da Polícia Militar de Goiás CPMG prestam a determinados símbolos nacionais e as REGULAMENTO DE CONTINÊNCIAS Da Finalidade

os alunos do Colégio da Polícia Militar de Goiás CPMG prestam a determinados símbolos nacionais e as REGULAMENTO DE CONTINÊNCIAS Da Finalidade SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS Este Regulamento tem por finalidade, estabelecer

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA No Estado de São Paulo, a Lei Estadual n 2.574 de 4 de dezembro de 1980 estabelece normas para a declaração de utilidade pública. Cabe à Secreta a

Leia mais

Norma de Eventos Institucionais e Oficiais - Universidade Federal de Itajubá

Norma de Eventos Institucionais e Oficiais - Universidade Federal de Itajubá Norma de Eventos Institucionais e Oficiais - Universidade Federal de Itajubá 1 Esta norma regulamenta a realização dos eventos institucionais e oficiais da Universidade Federal de Itajubá, padronizando

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

NORMAS DA COLAÇÃO DE GRAU E CERIMONIAL DE FORMATURA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFCSPA. CAPÍTULO I Da Solenidade

NORMAS DA COLAÇÃO DE GRAU E CERIMONIAL DE FORMATURA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFCSPA. CAPÍTULO I Da Solenidade NORMAS DA COLAÇÃO DE GRAU E CERIMONIAL DE FORMATURA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFCSPA CAPÍTULO I Da Solenidade Art. 1º A colação de grau da UFCSPA é o ato oficial, de caráter obrigatório, público e solene

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO Capítulo I Dos objetivos Art.1º - A VIII Conferência Municipal de Saúde terá por objetivos: I - Impulsionar, reafirmar e buscar a efetividade dos princípios

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar Publicada no Diário Oficial do dia 07 de julho de 2011 Estabelece a Estrutura Administrativa do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe e do Ministério Público Especial; cria, modifica e extingue órgãos

Leia mais

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Este guia pretende nortear os Grupos Escoteiros do Brasil a desenvolverem um

Leia mais

O Papel da CAIXA no Apoio aos Arranjos Produtivos Locais. ZAQUEU SOARES RIBEIRO Superintendente Nacional Micro e Pequena Empresa

O Papel da CAIXA no Apoio aos Arranjos Produtivos Locais. ZAQUEU SOARES RIBEIRO Superintendente Nacional Micro e Pequena Empresa O Papel da CAIXA no Apoio aos Arranjos Produtivos Locais ZAQUEU SOARES RIBEIRO Superintendente Nacional Micro e Pequena Empresa Brasília, 28 de novembro de 2007 CENÁRIO Crédit o no Brasil represent a apenas

Leia mais

I. DA COLAÇÃO DE GRAU E COMISSÃO DE FORMATURA 1) O

I. DA COLAÇÃO DE GRAU E COMISSÃO DE FORMATURA 1) O COLAÇÃO DE GRAU O presente documento tem por objetivo orientar os acadêmicos quanto as normas e procedimentos relativos a Colação de Grau dos Cursos de Graduação do Instituto de Ensino Superior de Londrina

Leia mais

VI COMISSÃO DE FORMATURA

VI COMISSÃO DE FORMATURA MODALIDADE DE FORMATURA INTEGRADA UNISC I FORMATURA INTEGRADA É a modalidade de formatura que integra um ou mais cursos na realização do cerimonial e protocolo da colação de grau organizada pela UNISC,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SINDAUMA SINDICATO DOS PROPRIETÁRIOS DOS CENTROS DE FORMAÇÃO DE CONDUTORES DO ESTADO DO MARANHÃO.

REGIMENTO INTERNO DO SINDAUMA SINDICATO DOS PROPRIETÁRIOS DOS CENTROS DE FORMAÇÃO DE CONDUTORES DO ESTADO DO MARANHÃO. REGIMENTO INTERNO DO SINDAUMA SINDICATO DOS PROPRIETÁRIOS DOS CENTROS DE FORMAÇÃO DE CONDUTORES DO ESTADO DO MARANHÃO. DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SINDICATO Art. 1. Para o cumprimento do conjunto

Leia mais

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro 1. A Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas tem por objectivo promover, desenvolver e divulgar

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Av. Engenheiro Diniz, 1178 - Bairro Martins - CP 593 38400-462 - Uberlândia-MG

Universidade Federal de Uberlândia Av. Engenheiro Diniz, 1178 - Bairro Martins - CP 593 38400-462 - Uberlândia-MG RESOLUÇÃO N o 04/2004, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO, AD REFERENDUM Estabelece normas para a Colação de Grau dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Uberlândia. O VICE-PRESIDENTE NO EXERCÍCIO

Leia mais

CERIMONIAL DO IFBAIANO MANUAL BÁSICO

CERIMONIAL DO IFBAIANO MANUAL BÁSICO CERIMONIAL DO IFBAIANO MANUAL BÁSICO Índice Missão....03 Apresentação... 04 Introdução.....04 Principais Objetivos....04 Conceitos... 05 Composição da mesa, palanque e local de honra... 07 Uso dos símbolos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010, de 19 de dezembro de 2012.

RESOLUÇÃO Nº 010, de 19 de dezembro de 2012. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Ibirubá RESOLUÇÃO Nº 010, de 19 de dezembro de 2012.

Leia mais