A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA NA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL HOSPITALAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA NA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL HOSPITALAR"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA NA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL HOSPITALAR Sarah Christina Rodrigues Meira Camilla Aparecida Silva de Oliveira SANTA LUZIA 2010

2 A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA NA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL HOSPITALAR THE IMPORTANCE OF THE PARTICIPATION OF THE DENTIST IN THE HOSPITAL MULTIPROFESSIONAL TEAM RESUMO O paciente hospitalizado, freqüentemente, apresenta saúde debilitada, demandando cuidados especiais. Sua recuperação está diretamente relacionada à atuação de uma equipe multiprofissional capaz de atendê-lo de forma integral, respeitando suas especificidades. A atuação da equipe hospitalar multiprofissional, composta por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, dentistas, psicólogos, dentre outros, visa oferecer ao paciente internado uma assistência completa, evitando que ocorram agravos do quadro clinico inicial, impedindo a propagação de infecções para outros órgãos e sistemas. Entretanto, nem todas as equipes hospitalares dispõem de cirurgião dentista, embora a literatura comprove que doenças bucais podem gerar alterações sistêmicas e vice-versa. O objetivo desse trabalho é, através de uma revisão de literatura, apontar as diversas possibilidades de atuação do dentista

3 em ambiente hospitalar, reforçando sua contribuição na atenção integral do paciente. Concluiu-se que é de extrema importância a inclusão do dentista na equipe multiprofissional hospitalar, visto que se trata de um profissional apto a atuar em várias frentes de atenção hospitalar. Faz-se necessário a conscientização da classe médica sobre os benefícios advindos da incorporação deste profissional à equipe hospitalar. PALAVRAS CHAVE: Odontologia hospitalar, cirurgião dentista, hospital, atenção integral, equipe multiprofissional, paciente hospitalizado. ABSTRACT The hospitalized patient often presents weakened health that demands some special cares. His recuperation is directly related to the performance of a multiprofessional team capable of assisting him in an integral way, respecting his peculiarities. The hospital multiprofessional team performance is composed by doctors, nurses, physiotherapists, dentists, psychologists among others, seeking to offer to the interned patient a complete assistance, avoiding the occurrence of some offences from the initial clinic condition, impeding the propagation of infections to the other areas and systems. However, nor all the hospital teams dispose of a dentist surgeon although the literature proves that the buccal diseases can generate systemic alterations and vice and versa. The goal of this paper is, through a literature review, to appoint the several

4 possibilities of the dentist s performance in the hospital environment, reinforcing his performance contribution in the patient's integral attendance. It can be concluded that is extremely important the inclusion of the dentist in the hospital multiprofessional team since it is a professional capable of acting on several modalities of hospital care. It is necessary the understanding of the medical class about the benefits from the incorporation of this professional to the hospital team. KEY WORDS: Hospital dentistry, surgeon dentist, hospital, integral assistance, multiprofessional team, hospitalized patient. 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS), no mês de janeiro/2010, foram realizadas, no Brasil, internações, com média de permanência hospitalar de 5,9 dias e cerca de óbitos (3,7%). 1-2 Esses dados instigam uma reflexão sobre a qualidade da assistência hospitalar brasileira. Será esta uma assistência integral sedimentada no trabalho sincronizado de diversos profissionais, focados na prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde? A boca é parte integrante do corpo e interfere, decisivamente, no aparecimento e disseminação de um rol de patologias. Na cavidade bucal existem mais de 300 espécies bacterianas responsáveis por patologias bucais como a cárie e

5 doença periodontal e/ou patogênicas quando atingem sítios como coração, pulmões, articulações e sistema vascular periférico. 3-4 A infecção hospitalar é um grande dificultador no restabelecimento do paciente internado. Seu difícil controle reside na rápida transmissão e disseminação de agentes patológicos em organismos susceptíveis. 5-6 A maioria dos pacientes hospitalizados apresenta defesa diminuída, devido às múltiplas doenças subjacentes ou terapêuticas depressoras do sistema imune. 5-6 A debilidade geral, associada ou não a intervenções cirúrgicas, quimioterapia, cateterismo ou uso indiscriminado de antibióticos, favorece o aparecimento de mutantes resistentes que contribuem para aumento da incidência de infecção hospitalar. 7-8 Assim, percebe-se a importância do cuidado bucal na abordagem integral dos indivíduos, em especial dos que se encontram hospitalizados. O objetivo desse trabalho é, através de uma revisão de literatura, apontar as diversas possibilidades de atuação do dentista dentro do ambiente hospitalar, reforçando sua contribuição na assistência integral do paciente hospitalizado. Realizou-se busca ativa de artigos científicos nas principais bases bibliográficas (Medline, Bireme, Lilacs e Scielo). As palavras chave utilizadas foram Odontologia Hospitalar, cirurgião dentista, hospital, atenção integral, equipe multiprofissional e paciente hospitalizado.

6 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Atuação Multiprofissional em Ambiente Hospitalar SAÚDE é o estado do mais completo bem estar físico, mental, social e não apenas ausência de enfermidade. 9 A palavra saúde tem raízes na língua grega, com o significado de intacto, inteiro e integral, sugerindo uma abordagem holística do sujeito (FIG.1). 10 Desta forma, quando um indivíduo apresenta problemas em uma ou mais vertentes da saúde, produz-se uma desarmonia, favorecendo o aparecimento de enfermidades. Muitas vezes, o próprio indivíduo não consegue resolver suas dificuldades, necessitando de auxílio multiprofissional. 11 Biológico Social Psicológico Espiritual Figura 1: Abordagem integral do indivíduo Pacientes hospitalizados, freqüentemente, apresentam saúde debilitada, demandando maior dedicação da equipe profissional e cuidados especiais que

7 vão desde a utilização de tecnologias capazes de melhorar ou prolongar a vida, até a criação de ambientes mais confortáveis e seguros. 12 A diversidade de situações clínicas apresentadas por pessoas hospitalizadas exige condutas imediatas por parte da equipe multiprofissional, sob pena de colocar em risco a vida do doente Tendo em vista a complexidade do ser humano, em especial a do indivíduo hospitalizado, verifica-se que um único profissional não consegue fazer de forma concisa e segura nem o diagnóstico nem o tratamento de um paciente hospitalizado, indicando que nenhuma categoria profissional detém, isoladamente, o saber necessário para atender às demandas desse indivíduo Dessa forma, para que a assistência esteja livre de riscos, torna-se fundamental a integração entre as diferentes categorias profissionais e os vários ramos do conhecimento. Dentro desse pressuposto, os hospitais deveriam dispor de equipe multiprofissional capaz de atuar de forma articulada em um mesmo ambiente de trabalho A persistência do modelo biomédico produz uma abordagem fragmentada do paciente focada no ato médico e em suas especialidades, o que desvaloriza a integração de outros profissionais à assistência à saúde. 14 O trabalho em equipe vem sendo veiculado como estratégia visando o enfrentamento do intenso processo de especialização em saúde, no entanto, muitas vezes, é

8 adaptado para uma organização de trabalho que induz à competição entre especialidades gerando conflitos. 13,15 De acordo com a Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar (SBPH), uma equipe de saúde hospitalar é composta por profissionais que mantêm contato direto com o paciente (médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas e assistentes sociais) e por profissionais que atuam de forma indireta (equipe de higienização, técnicos em radiologia, anestesistas, dentre outros). 16 A incorporação do cirurgião dentista à equipe hospitalar contribui para o bem estar e dignidade do paciente, prevenindo infecções, diminuindo o tempo de internação e uso de medicamentos. No entanto, sua inclusão às equipes multidisciplinares hospitalares, principalmente dentro das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), ainda não é uma realidade, sendo negligenciada pela maioria dos hospitais brasileiros. 17 Em estudo, conduzido no estado do Rio de Janeiro, com o objetivo de verificar a adoção de medidas de controle de infecção bucal, antes de procedimentos cirúrgicos, foi constatado que somente 32% dos hospitais realizavam tal procedimento. Destes, apenas 15% faziam o monitoramento do acúmulo de placa dentária Odontologia Hospitalar - Breve Histórico

9 O conceito de atendimento odontológico hospitalar surgiu em 1901 quando o Comitê de Serviço Dentário da Associação Dentária Americana criou o 1º Departamento de Odontologia dentro do Hospital Geral da Philadelfia. 18 A primeira proposta de criação de um serviço de Odontologia Hospitalar foi da Associação Americana Odontológica no ano de No entanto, sua aprovação pelo Comitê de Serviço Hospitalar ocorreu somente após No Brasil, a Odontologia Hospitalar foi legitimada em 2004 com a criação da Associação Brasileira de Odontologia Hospitalar (ABRAOH). 20 No ano de 2008, foi apresentado à Câmara dos Deputados do Rio de Janeiro o Projeto de Lei nº 2776/2008 que estabelece como obrigatória a presença do dentista nas equipes multiprofissionais hospitalares, atuando inclusive dentro das UTIs Atuação do Cirurgião Dentista em Ambiente Hospitalar O código de ética odontológico assegura ao cirurgião dentista o direito de internar e assistir pacientes em hospitais públicos e privados, com e sem caráter filantrópico, desde que sejam respeitadas as normas técnicas administrativas das instituições. Informa que as atividades odontológicas exercidas em hospitais devem obedecer às normas do Conselho Federal de Odontologia e que, mesmo em ambiente hospitalar, não é permitido ao dentista executar intervenção cirúrgica fora do âmbito da Odontologia. 21

10 Dentro deste contexto, o cirurgião dentista está apto a atuar como consultor de saúde bucal e/ou como prestador de serviços, tanto em nível ambulatorial quanto em regime de internação. Este profissional encontra-se preparado para executar ações no âmbito da atenção primária e complexa, realizando prevenção e tratamento de doenças bucais, capacitando pacientes e profissionais para execução de adequada higiene bucal, provendo cuidados bucais à pacientes especiais e executando procedimentos cirúrgicos de alta complexidade dentro de sua área de atuação. 8,22 O simples exame da cavidade bucal é capaz de detectar doenças bucais préexistentes, possibilitando tratamento precoce. Conseqüentemente, elevada porcentagem de pacientes com doença bucal poderiam ser tratados em ambiente hospitalar, diminuindo a incidência de infecções e desconforto. 19 O tratamento odontológico contribui para o restabelecimento da função dentária necessária à adequada mastigação dos alimentos, indispensável para uma boa nutrição. A equipe odontológica também está apta para ofertar tratamento dentário curativo e preventivo aos pacientes em situações especiais como aqueles que estão ou serão submetidos à radioterapia na região de cabeça e pescoço, cirurgias cardíacas; que têm ou tiveram histórico de febre reumática ou doenças congênitas do coração; aos transplantados renais ou sobre hemodiálise. 19

11 A atenção odontológica contribui para aumento da auto-estima do indivíduo, na medida em que melhora sua estética, favorecendo as relações sociais e o aparecimento do sorriso. 19 Em estudo científico conduzido por HALLET (1984), pacientes relatam que uma cavidade bucal limpa propicia sensação de bemestar, facilitando as relações sociais. 22 Simultaneamente, a equipe de saúde bucal capacita pacientes e profissionais da saúde para a execução de adequada higiene bucal, prevenindo o aparecimento ou agravo de doenças bucais comuns que podem levar à piora do quadro clínico do paciente. 8 Sabe-se que uma condição bucal precária altera a evolução e resposta do paciente ao tratamento médico e que determinados tipos de tratamentos ou interações medicamentosas podem comprometer a saúde bucal Atendimento de Urgência e Atenção Bucomaxilofacial O termo Odontologia Hospitalar é fortemente associado a serviços de urgência odontológica e traumatologia bucomaxilofacial. Mundialmente, os traumatismos faciais são destaque entre os atendimentos de emergência hospitalar, tendo os mais variados fatores etiológicos que vão desde acidentes automobilísticos até agressões físicas. 24 No entanto, os atendimentos odontológicos hospitalares não devem se restringir apenas à traumatologia bucomaxilofacial, uma vez que a população hospitalar tem necessidades de tratamentos resultantes da doença cárie e de seus agravos, como a dor de dente e abscessos dentários. 24

12 2.3.2 O Dentista nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) As UTIs foram criadas com objetivo de atender pacientes em estado crítico que necessitam de assistência e observação contínuas de médicos e enfermeiros, como também maior concentração de recursos materiais. 25 Os pacientes das UTIs apresentam higiene bucal comprometida que, associada à internação prolongada, contribui para aumento da quantidade e complexidade da placa dental, favorecendo a interação entre bactérias indígenas da placa e patógenos respiratórios. 22,25-26 Tais microrganismos, em especial os respiratórios, podem ser fonte de infecção nosocomial, conceituada como toda infecção adquirida após a admissão hospitalar do paciente que se manifesta durante sua internação ou após alta. Pacientes de UTIs são, freqüentemente, acometidos por esse tipo de infecção, visto que, na grande maioria dos casos, apresentam alteração do nível de consciência, favorecendo aspiração de secreção bucal. As bactérias presentes nestas secreções, principalmente as envolvidas na doença periodontal, podem causar pneumonias de aspiração. 22,25-27 Os pacientes submetidos à intubação orotraqueal, comumente, apresentam a orofaringe colonizada por microrganismos Gram-negativos nas primeiras 48 a

13 72 horas de UTI. Tais bactérias alcançam os pulmões através das secreções bucais que vazam pelos lados dos balonetes do tubo traqueal. 26 A intubação impede o fechamento da boca, favorecendo seu ressecamento e elevando o nível de colonização no biofilme. 25,27 Pacientes intubados podem apresentar alterações bucais como xerostomia, lesões nos lábios, língua e mucosas. O uso do ventilador mecânico dificulta a higienização bucal devido ao fato do tubo e de seu material de suporte impedirem a visualização completa do interior da boca. Sendo assim, é de grande importância que a equipe de enfermagem auxilie o dentista durante a assepsia bucal, manipulando cuidadosamente este artefato indispensável à manutenção da respiração. 26 Alguns recursos, como saliva artificial, escovas dentais elétricas, raspadores de língua, sugadores e anti-sépticos bucais, podem ser utilizados no cuidado bucal destes pacientes. Dentre os antissépticos, a solução de gluconato de clorexidina (0,12%) é a que apresenta melhores resultados no controle da colonização bacteriana ao longo do trato respiratório, devendo ser utilizada diariamente para limpeza da cavidade bucal de pacientes intubados. 22 O conhecimento das técnicas de higienização e do arsenal disponível para melhora da condição bucal de pacientes internados em UTIs é de domínio de toda a classe odontológica, devendo, portanto, estar sob responsabilidade de um dentista. A falta deste profissional na equipe intensivista faz com que tais cuidados fiquem a cargo de outros profissionais que, muitas vezes, não tiveram

14 acesso a informações e treinamentos específicos, o que pode comprometer a qualidade da assistência ofertada. 26 O cirurgião-dentista enfrenta muitos obstáculos na tentativa de participar de equipes multidisciplinares em UTIs, já que a prioridade do procedimento odontológico é baixa, diante dos numerosos problemas apresentados pelo paciente. Em contrapartida, trabalhos científicos demonstram redução (60%) na incidência de pneumonia e de taxas de mortalidade em grupos de pacientes que recebem cuidados odontológicos, quando comparados a grupos controle. 22, Pacientes Oncológicos A dor orofacial pode ser um sintoma inicial do câncer, o que faz com que muitos pacientes busquem, em primeira instância, o auxílio do dentista o qual deve estar preparado para fazer o diagnóstico diferencial. 28 Pacientes portadores de leucemia aguda apresentam com freqüência alterações bucais como hiperplasia gengival, petéquias, hemorragias e ulcerações na mucosa. Crianças com leucemia podem apresentar alterações de desenvolvimento das criptas dentárias, destruição da lâmina dura, deslocamentos dentários e alterações na densidade óssea. Sendo assim, o dentista pode colaborar para o diagnóstico precoce desta moléstia

15 Métodos tradicionais de tratamento oncológico incluem procedimentos cirúrgicos, radioterapia e quimioterapia Tanto a radioterapia quanto a quimioterapia podem gerar efeitos colaterais na cavidade bucal como xerostomtia, gengivite, candidíase, trismo, lesões cariosas, osteorradionecrose, celulite, mucosite e disfagia As complicações associadas ao tratamento anti neoplásico podem provocar desconforto, dor severa, nutrição deficiente, alterações do protocolo de tratamento, aumento do tempo de internação e septicemia, ameaçando a vida do paciente ,30,32 Por isso, recomenda-se que pacientes oncológicos sejam avaliados pelo cirurgião dentista antes da radio ou quimioterapias para que todas necessidades odontológicas sejam sanadas, evitando-se que reações advindas do tratamento oncológico potencializem problemas bucais pré existentes. 32 O planejamento integral odontológico de pacientes oncológicos deve priorizar atividades de educação em saúde bucal, visando prevenir e controlar as doenças cárie e periodontal. Na fase de adequação do meio bucal, deve-se eliminar as fontes de traumas como aparelhos ortodônticos, restaurações e dentes fraturados, restos radiculares e outros focos de infecção. As lesões de cárie cavitadas devem ser escavadas e seladas provisoriamente. No caso de lesões com comprometimento pulpar, realiza-se o tratamento endodôntico, desde que o paciente apresente boas condições sistêmicas. Na presença de

16 infecção, deve-se optar pela antibióticoterapia. Caso não haja remição dos sinais e sintomas de infecção, o dentista precisa executar a exodontia do dente comprometido. Dentes com mobilidade grau I, com bolsas periodontais com profundidade maior que 4 mm, parcialmente impactados e próximos a tumores devem ser removidos antes do tratamento radioterápico. Todas as restaurações devem ser polidas e as defeituosas substituídas, sendo contraindicado o uso de amálgama em pacientes que irão se submeter à radioterapia, devido à emissão de radiação secundária Medidas de educação em saúde bucal com pais e/ou responsáveis de pacientes oncológicos infantis devem ser enfatizadas, visto que diminuem o risco de complicações bucais decorrentes do tratamento. Orientações sobre dieta também são de grande importância, já que muitas crianças voltam a tomar mamadeira devido à dificuldade de deglutição ou por regressões emocionais. 29,32 O cirurgião dentista desempenha papel fundamental no manejo do paciente oncológico, contribuindo para melhora da qualidade de vida antes e após terapias antineoplásicas. Esses profissionais fazem intervenções próprias de suas áreas de atuação, assegurando uma boca mais saudável, livre de infecções e dor Pacientes Gestantes

17 As alterações hormonais/imunológicas, comuns ao período de gestação, associadas a mudanças nos padrões alimentares e descuido para com a higiene bucal favorecem o aparecimento da gengivite gravídica e lesões cariosas. Consequentemente, gestantes precisam ser esclarecidas sobre a importância da higiene bucal e da ingestão racional de alimentos Uma vez que há forte relação entre diabetes mellitus e gengivite, gestantes diabéticas ou que desenvolveram diabetes gestacional precisam de monitoramento odontológico freqüente, sendo essencial a manutenção da glicemia em níveis satisfatórios. 36 Pesquisas científicas comprovam relação entre doença periodontal, ocorrência de parto prematuro e nascimento de bebês com baixo peso, reforçando a importância da educação em saúde bucal e controle de placa junto às gestantes Todo tratamento odontológico essencial pode e deve ser executado durante a gravidez desde que seja realizado de forma multiprofissional após avaliação risco/benefício. É imprescindível a comunicação entre dentistas e médicos, com vistas ao melhor planejamento odontológico Pacientes Diabéticos Pacientes diabéticos apresentam alta prevalência de problemas bucais como candidíase, xerostomia, halitose, cáries e periodontopatias. Durante a hospitalização desses pacientes é fundamental a implementação de cuidados bucais para evitar o surgimento de doenças locais e/ou sistêmicas decorrentes

18 do acúmulo do biofilme dentário, visto que algumas doenças bucais dificultam o processo de compensação do paciente diabético Pacientes Portadores de Distúrbios Neuropsicomotores Os pacientes portadores de distúrbios neuropsicomotores apresentam desvios dos padrões de normalidade e necessitam de atenção especial por um período de sua vida ou indefinidamente. 39 Apresentam alto índice de cárie, gengivite e periodontopatia devido à higienização deficiente e falta de conscientização dos responsáveis sobre a importância dos cuidados bucais. 40 O tratamento odontológico desses pacientes deve ser feito em ambiente hospitalar, em nível ambulatorial, somente em situações específicas como presença de problemas sistêmicos e/ou alta complexidade do procedimento a ser executado. 41 O uso da anestesia geral é indicado apenas para pacientes com dificuldade intelectual severa, problemas sistêmicos graves, anomalias congênitas e alergias ao anestésico local, devendo ser realizado sob monitoramento de um médico anestesiologista, visando maior segurança Pacientes Idosos Em 2001 o SIH-SUS registrou internações hospitalares. Nesta época, os idosos, que representavam 8,5% da população brasileira, responderam por 18,3% das hospitalizações. A maior utilização dos serviços hospitalares pela população idosa vem em decorrência de uma maior

19 incidência de doenças e condições crônicas nessa fase da vida, muitas vezes em maior intensidade e gravidade. 43 Assim sendo, o trabalho com a terceira idade exige a formação de uma ampla rede de conhecimentos. 44 Os idosos requerem uma atenção diferenciada com o envolvimento de uma equipe multidisciplinar, com o propósito de melhorar a qualidade de vida desses indivíduos, proporcionando-lhes um envelhecimento saudável. 45 O envelhecimento causa modificações fisiológicas na cavidade bucal do idoso. Dentre elas podemos citar a diminuição da espessura do epitélio e maior lisura da mucosa bucal, o que ocasiona sensação de ardor, quando o idoso ingere alimentos quentes ou frios, interferindo diretamente na preferência por determinados tipos de alimentação. 46 Na terceira idade a saúde bucal ancora-se na possibilidade da manutenção de uma dentição saudável, essencial para adequada fonação, mastigação e estética. Hábitos prejudiciais e higienização deficiente, aliados às mudanças fisiológicas inerentes aos idosos, causam alterações bucais que podem dificultar seu tratamento. 45 Um grande problema que afeta os pacientes idosos é o edentulismo. As principais causas de ausência de dentes e de uso de próteses totais na terceira idade são decorrentes de cáries não tratadas e periodontites Existe também uma preocupação com a higienização das próteses e cuidados com a detecção de lesões de mucosa que, em alguns casos, podem sugerir presença

20 de câncer bucal. O dentista pode orientar os pacientes geriátricos e seus cuidadores a realizarem adequada higiene bucal, incluindo orientações sobre limpeza de próteses dentárias. Tem papel fundamental no tratamento de alterações bucais decorrentes de interações medicamentosas e na detecção precoce do câncer bucal Pacientes Transplantados Pacientes submetidos a transplante de órgãos podem apresentar várias lesões bucais decorrentes da imunossupressão induzida por medicamentos. Essas lesões incluem leucoplasia pilosa, candidíase, infecções virais por herpes vírus simples ou citomegalovírus, neoplasias malignas (linfomas, Sarcoma de Kaposi, câncer de pele e lábios), hiperplasia gengival causada por uso prolongado de ciclosporina e problemas periodontais. O cirurgião dentista deve intervir a favor do bem estar do paciente, indicando medicação e tratamentos que visem melhorar a qualidade de vida do paciente transplantado Pacientes com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) Os pacientes portadores da AIDS apresentam deficiência do sistema imunológico, determinando o aparecimento de manifestações bucais, como: candidíase, leucoplasia pilosa, gengivite úlcero necrosante aguda, periodontites, infecções por vírus e neoplasias como o sarcoma de Kaposi. O

21 dentista tem papel fundamental no tratamento sintomático dessas alterações. 33, Pacientes com Distúrbios Cardiovasculares Existe forte associação entre doença periodontal e doenças cardiovasculares, visto que pesquisas científicas identificaram material genético de bactérias periodontais em placas de ateroma. Acredita-se que a presença de infecção periodontal crônica na cavidade bucal seja responsável pela liberação de produtos bacterianos na corrente sanguínea, estimulando o sistema imunológico a produzir citocinas inflamatórias, favorecendo a formação dos ateromas. 33,35,54 Além disso, pacientes com periodontite em fase aguda têm o aumento dos níveis sanguíneos da Proteína C Reativa e de fibrinogênio o que aumenta o risco para doenças cardiovasculares. 35 A bacteremia de microrganismos da cavidade bucal pode favorecer a infecção de órgãos importantes como o coração (válvulas cardíacas), provocando a endocardite bacteriana Ação de Medicamentos na Cavidade Bucal O tratamento de doenças sistêmicas pode provocar efeitos indesejáveis na cavidade bucal. Existem medicamentos que causam alteração do fluxo salivar como os anti-histamínicos, hipotônicos, antidepressivos, tranqüilizantes, anticolinérgicos, neurolépticos, reguladores de apetite, antiparkinsonianos, anti-

22 hipertensivos e os diuréticos. Outros como os laxativos, anitoxígenos e tônicos apresentam, em sua composição, a sacarose, aumentando o risco de desenvolvimento de lesões cariosas. 2 O dentista tem condições de alertar pacientes e equipe de saúde hospitalar sobre a ação de medicamentos na cavidade bucal, contribuindo para a prevenção de enfermidades bucais. 2.5 Equipe Auxiliar A saúde bucal é um importante fator para a manutenção do bem estar geral, visto que existem diversas associações entre doenças bucais e doenças sistêmicas, como alterações cardiovasculares e respiratórias. Em pacientes hospitalizados estas associações são ainda mais relevantes, tendo em vista quadros de debilidade sistêmica, co-morbidades, redução do fluxo salivar e higienização bucal dificultada. 54 É essencial a manutenção de uma higiene bucal satisfatória durante todo o período de internação do paciente, visando seu pronto restabelecimento. 55 As complicações decorrentes da falta ou inadequação do procedimento de higiene bucal podem aumentar o tempo de internação do paciente de 6,8 a 30 dias. Diante do exposto há necessidade de medidas adjuntas ao controle mecânico da placa bacteriana (escovação e uso de fio ou fita dental) como, por exemplo, o uso de substâncias químicas. 56 No ambiente hospitalar os cuidados diários de higiene geral e bucal são atribuições da equipe de enfermagem. O cirurgião dentista tem importante papel na capacitação da equipe auxiliar hospitalar para realização de uma

23 higiene bucal eficaz e adequada às particularidades apresentadas por cada paciente. Cabe também ao dentista o monitoramento e avaliação das medidas preventivas instituídas como rotina hospitalar CONCLUSÃO Um atendimento hospitalar de qualidade demanda a participação de uma equipe multiprofissional capaz de oferecer assistência integral ao indivíduo hospitalizado. Grande parte dos hospitais brasileiros ainda não conta com a participação de um cirurgião dentista em seu corpo clínico, o que é lamentável, visto que o dentista pode atuar em várias frentes dentro do ambiente hospitalar, contribuindo para o bem estar e dignidade do paciente, prevenindo infecções e diminuindo o tempo de internação. Faz-se necessário a conscientização da classe médica sobre os benefícios advindos da incorporação deste profissional à equipe hospitalar. 4- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- Ministério da saúde. Disponível em: Acesso em: 12 mar/ LIMA, L.S. Fatores associados à condição de saúde bucal de pacientes internados em hospitais públicos do município de Natal-RN. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Programa de pós-graduação em odontologia MEURMAN, J.H., PAJUKOSKI, S., SNELLMAN, S., ZEILER, S., SULKAVA, R. Oral infections in home living elderly patients admitted to an accute geriatric ward. J.dent.Res. Chicago, v.76, n.6, p , June,1997.

24 4- SOUTO,R. et al. Prevalence of non- pathogenic bacteria in subgengival biofilm of subjects with chroonic periodontitis. Braz. J. Microbiology. V37. p , MUNDIM, G.J.; DEZENA, R.A.; OLIVEIRA, O.C.S. et al. Avaliação da presença de Staphylococcus aureus nos leitos do Centro de Terapia Intensiva do Hospital Escola da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, em relação à posição no colchão antes e após a limpeza. Rev Soc Bras Med Trop, 36(6): , nov.-dez./ Pelczar Junior MJ, Chan ECS, Krieg NR. Microbiologia: conceitos e aplicações. São Paulo (SP): Makron Books; MENDONÇA, C.P. et al. Infecções hospitalares no município de Araraquara, SP ( Brasil). Rev. Saúde públ., S. Paulo, 10:239-52, JÚNIOR,A.M. ALVES,M.S.C.F. NUNES, J.P. COSTA, I.C.C. Experiência extramural em hospital publico e a promoção de saúde bucal coletiva.revista Saúde Pública,v.39, n.2, p , ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Disponível em: Acesso em: 20 mar/ Nunes EV A questão da interdisciplinaridade no estudo da saúde coletiva. In Canesqui AM (org.). Dilemas e desafios das ciências sociais na saúde coletiva. Hucitec-Abrasco, São Paulo-Rio de Janeiro. 11- JUVER,J. RIBA, J.P.C; Equipe Multidisciplinar em cuidados paliativos. Prática Hospitalar. Ano XI, n. 62, mar/abr, CECILIO, L.C.O.; MERHY, E. E. A integralidade do cuidado como eixo da gestão hospitalar. Campinas, mar., RIBEIRO, C. ARAÚJO, D. et. al. Interdisciplinariedade no contexto hospitalar. Revista Científica, ano IV, v.1, Salvador, ALVES, M; RAMOS;F.R.S; PENNA; C.M.M; O trabalho interdisciplinar: aproximações possíveis na visão de enfermeiras de uma unidade de emergência. Texto Contexto Enferm 2005 Jul- Set; 14(3):

Mestre em Odontologia - Clínica Odontológica - FO/UFMG Profa. do Curso de Odontologia do Centro Universitário Newton Paiva Membro da Comissão de

Mestre em Odontologia - Clínica Odontológica - FO/UFMG Profa. do Curso de Odontologia do Centro Universitário Newton Paiva Membro da Comissão de OS DESAFIOS DA ODONTOLOGIA PARA A PRÓXIMA DÉCADA São Paulo 2011 ODONTOLOGIA HOSPITALAR A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO CIRURGIÃO DENTISTA NA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL HOSPITALAR Profa. Santuza Mendonça

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Odontologia Hospitalar Rio de Janeiro. Outubro de 2008. Projeto de Implantação da odontologia hospitalar. Em Hospital do Estado do Rio de Janeiro

Odontologia Hospitalar Rio de Janeiro. Outubro de 2008. Projeto de Implantação da odontologia hospitalar. Em Hospital do Estado do Rio de Janeiro Odontologia Hospitalar Rio de Janeiro Outubro de 2008 Projeto de Implantação da odontologia hospitalar Em Hospital do Estado do Rio de Janeiro O atual formato de atualização do CD nos hospitais está com

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

CUIDADOS PERIODONTAIS NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM PACIENTES IDOSOS

CUIDADOS PERIODONTAIS NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM PACIENTES IDOSOS CUIDADOS PERIODONTAIS NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM PACIENTES IDOSOS Araújo, Luiza Jordânia Serafim¹ 1 Universidade Estadual da Paraíba, luizajordania@hotmail.com INTRODUÇÃO As unidades de terapia

Leia mais

Tomamos por exemplo a classificação referenciada por Kandelman et al em2008:

Tomamos por exemplo a classificação referenciada por Kandelman et al em2008: INTRODUÇÃO: O envelhecimento humano pode ser definido como o processo de mudança progressiva da estrutura biológica, psicológica e social dos indivíduos, que se inicia antes do nascimento e se desenvolve

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia*

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO E CULTURA Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* VIEIRA,Denise Ferreira 1 ; SOARES,Mariana

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CAVIDADE BUCAL DE PACIENTES INTERNADOS NA UTI

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CAVIDADE BUCAL DE PACIENTES INTERNADOS NA UTI ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CAVIDADE BUCAL DE PACIENTES INTERNADOS NA UTI Amanda Caroline Kuchla 1, Paula Sposito de Paiva 2, José Ricardo Colleti Dias 3, Maria Paula Jacobucci Botelho 4 RESUMO: Diversos

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd Conselho Universitário - CONSUNI Câmara de Ensino Curso de Graduação em Odontologia da UNIPLAC Quadro de Equivalência para Fins de Aproveitamento de Estudos entre duas Estruturas Curriculares Modulares

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: RESUMO INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO:  RESUMO INTRODUÇÃO TÍTULO: ATENDIMENTO A PACIENTES ESPECIAIS: UMA PRÁTICA DE INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Roger Keller Celeste; Luiz Alberto de Lorenzi Arteche; Carine Bertotto; Luciane Bertotto; Luciana Pacheco; Sergio Miguens

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

I CURSO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM BETIM

I CURSO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM BETIM 2012 I CURSO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM BETIM REALIZAÇÃO: e Secretaria Municipal de Saúde de Betim Local: Auditório do Hospital Público Regional de Betim, Avenida Mattos Lazzarotti, 3800 Ingá Betim MG.

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES 4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES Elaborado por: Marcelo S. Bönecker (Coordenador) Adriana Modesto Luiz Reynaldo de Figueiredo Walter Objetivo A Associação Brasileira

Leia mais

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA 1 SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Elazi Gomes de Oliveira Chacar Lima 1 1 Cirurgiã-Dentista aluna do Curso de Pós-Graduação em Saúde da Família da Faculdade de Medicina de Campos RESUMO

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA HIGIENE ORAL EM PACIENTE DEPENDENTE: DA LIMITAÇÃO À EXECUÇÃO - RELATO DE CASO

IMPORTÂNCIA DA HIGIENE ORAL EM PACIENTE DEPENDENTE: DA LIMITAÇÃO À EXECUÇÃO - RELATO DE CASO IMPORTÂNCIA DA HIGIENE ORAL EM PACIENTE DEPENDENTE: DA LIMITAÇÃO À EXECUÇÃO - RELATO DE CASO Cariles Silva de Oliveira Não há vínculo institucional - carilessol2008@hotmail.com INTRODUÇÃO O biofilme dental

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

L - ÁREA PROFISSIONAL ODONTOLOGIA HOSPITALAR L 31 - ODONTOLOGIA HOSPITALAR

L - ÁREA PROFISSIONAL ODONTOLOGIA HOSPITALAR L 31 - ODONTOLOGIA HOSPITALAR L - ÁREA PROFISSIONAL ODONTOLOGIA HOSPITALAR L 31 - ODONTOLOGIA HOSPITALAR Pacientes com Necessidades Especiais em Psiquiatria Instituto de Psiquiatria Supervisor: Dr. José Tadeu Tesseroli de Siqueira

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR 5. PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS 6. ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE HERVAL D OESTE RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E/OU PROVAS E TÍTULOS, PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral

Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral Resumo O Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral, com ênfase em cirurgia dos dentes retidos, tem como objetivo capacitar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 Define o currículo do Curso de Graduação em Odontologia. O REITOR

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA 1363 PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA Laís Ramos Queiroz¹; Erenilde Marques de Cerqueira² 1. Bolsista PROBIC, Graduanda em

Leia mais

201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008. 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008. 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008. 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008. 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008 de 201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008 203015 Pesquisador em biologia de microorganismos e parasitas 26/09/2008 26/09/2008 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

Leia mais

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA Escola Superior de Ciências da Saúde Período de Inscrição: 18 de janeiro de 2010 a 19 de fevereiro de 2010. Local de Inscrição:

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 A estrutura etária da população brasileira vem mudando ao longo dos anos, com aumento da expectativa de vida. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC FERREIRA, Jean Carlos Barbosa.*¹; MARQUES, Aline Silva¹; SILVA, Julio. Almeida² DECURCIO, Daniel Almeida²; ALENCAR, Ana Helena Gonçalves³;

Leia mais

Tabela 24 - Terminologia do código brasileiro de ocupação (CBO) Data de início de vigência. Código do Termo. Data de fim de implantação

Tabela 24 - Terminologia do código brasileiro de ocupação (CBO) Data de início de vigência. Código do Termo. Data de fim de implantação de 201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008 203015 Pesquisador em biologia de microorganismos e parasitas 26/09/2008 26/09/2008 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Cuidados Paliativos e Odontogeriatria: Breve Comunicação

Cuidados Paliativos e Odontogeriatria: Breve Comunicação 63 Cuidados Paliativos e Odontogeriatria: Breve Comunicação Almir Oliva F Alexandre Franco Miranda O diálogo, humanização e efetiva participação da equipe de saúde e familiares na promoção da qualidade

Leia mais

Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011

Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011 Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011 Organograma PROGRAMA Promoção de saúde em seu conceito mais amplo, ou seja, despertar nos pacientes a importância da higiene bucal, da prevenção e a associação destas

Leia mais

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO EM UTI (UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA)

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO EM UTI (UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA) 19 ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO EM UTI (UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA) DENTAL CARE IN THE ICU (INTENSIVE CARE UNIT) Aline SANTANA 1 Dayane Cordeiro XAVIER 1 Kátia Luz dos SANTOS 1 Marlene Volochen MENEZES 1

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA RESOLUÇÃO CFO-160, DE 2 DE OUTUBRO DE 2015 Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. O presidente do Conselho Federal

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EMPREGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo (gênero masculino e

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOGERIATRIA Código: Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Produto Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito:

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito: CURSO DE ENFERMAGEM R e c o n h e c i d o p e l a P o r t a r i a n º 2 7 0 d e 1 3 / 1 2 / 1 2 D O U N º 2 4 2 d e 1 7 / 1 2 / 1 2 S e ç ã o 1. P á g. 2 0 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA

Leia mais

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo Caso 14 1ª Parte Gabriel, 17 anos, procurou Maria, agente comunitária de saúde, para saber onde poderia tratar de seus vários dentes com buracos porque queria servir ao Exército. Maria pergunta se esse

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO

CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO E-mail: odontologia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 228 Objetivos do Curso Formar Odontólogo para atuar em todos os níveis de atenção

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. Wilton Wilney Nascimento Padilha 1 Fátima Regina Nunes de Sousa 2 Yana Talita de Souza 3 Dayane Franco Mangueira 3 Renata

Leia mais

Reabilitação após o câncer

Reabilitação após o câncer assistência Fisioterapia ajuda a prevenir e superar as sequelas decorrentes do tratamento oncológico Reabilitação após o câncer Durante muito tempo, o único foco do tratamento do câncer era a sobrevivência

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação:Sem certificação técnica

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação:Sem certificação técnica Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico:Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico de Enfermagem Qualificação:Sem

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

CARGO 89: TERAPEUTA DE FAMÍLIA REQUISITOS

CARGO 89: TERAPEUTA DE FAMÍLIA REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DA ÁREA DE SAÚDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS EDITAL N.º 13/2006 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS, DE 29 DE

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA Autores: Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro (*) Dr. Leonardo Marchini (**) Nas últimas décadas, têm-se observado, em

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH DIRETRIZES PEDAGÓGICAS DO PROGRAMA ESTÃO BASEADAS NAS AÇÕES QUE COMPORTAM ATIVIDADES Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade:

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS INSTITUCIONAL 31 anos no mercado odontológico; Presença com sedes em 10 cidades brasileiras, dentre elas 9 capitais; Solidez e tradição na atenção à Saúde Bucal; Mais de 2 milhões de beneficiários; Mais

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB)

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO CARGA HORÁRIA: 1.200 HORAS COM ESTÁGIO DURAÇÃO : 2 ANOS PERIODICIDADE: SEMANAL (2ª, 3ª E 4ª) HORÁRIO DAS AULAS: 19H AS 21H INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO PROJETO VIGILANTES DO SORRISO Juliana Santos Oliveira NOVAFAPI Cosme José Albergaria da Silva Filho NOVAFAPI Marissol Antunes Fernandes NOVAFAPI Adriana Oquendo Machado NOVAFAPI INTRODUÇÃO O PETI (Programa

Leia mais