GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 03

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 03"

Transcrição

1 1 / GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 03 L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 1

2 2 / Todos os estudos científicos no campo da neurociência apontam o treino prático como a estratégia de aprendizagem mais efetiva dentre TODOS os métodos analisados. No questões na saúde você pode favoritar as questões mais relevantes e interessantes, dentre todos os temas, dentre todas as bancas, dentre todas as disciplinas. Assim você pode elaborar o seu próprio esquema de estudos, de acordo com as suas necessidades ou com as suas principais deficiências. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 2

3 3 / Aula nº 3 - Sistemas de Informação em Saúde 1. (Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva/SES-PE/2012/UPE) Existem implicações importantes ao desenho e à implementação que devem ser consideradas quando desenvolvidos os Sistemas de Informação (SI). Marque a alternativa que corresponde à opção INCORRETA. a) As pessoas envolvidas no processo de desenvolvimento de SI devem ter como característica a competência técnica, mas também enxergar seu papel como suporte à organização. b) A tecnologia para o desenvolvimento de SI deve apontar problemas em diversas classificações desde os facilmente estruturados até aqueles nada estruturados, levando em conta níveis diferentes de manutenção de sistemas, desde operativos de larga escala até os voltados para o indivíduo. c) Os modelos usados são diversos desde os algoritmos de otimização, usados em áreas estruturadas, até os modelos de simulação, que representam os conceitos do tomador de decisão e das suas interações com as variáveis encontradas no seu ambiente. d) O desenvolvimento de um Sistema de Informação é muito mais um serviço em evolução constante, um processo, do que um produto final. e) Os usuários não devem ser ativos na construção do sistema, pois são os agentes que irão avaliar o SI, segundo suas necessidades. COMENTÁRIOS: Um SISTEMA de INFORMAÇÃO consiste em um processo de transformação de dados em informações, as quais são, posteriormente, usadas para tomada de decisão, formulação ou reorientação de políticas públicas. O gabarito da questão, portanto, é a letra E. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 3

4 4 / 2. (Prefeitura de Grandes Rios-PR/2011/EXATUS) O Sistema de Informação em Saúde (SIS) é parte dos sistemas de saúde e foi desenvolvido para facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões e contribuindo para melhorar a situação de saúde individual e coletiva. Sobre esse sistema, considere as seguintes afirmativas: 1. São funções do SIS: planejamento, coordenação, supervisão dos processos de seleção dos dados, coleta, registro, processamento, análise e difusão dos dados e geração de informação. 2. A coleta racional e objetiva de dados e registro das informações de saúde visam à construção de indicadores epidemiológicos ou operacionais que atendam aos objetivos de cada programa ou instituição. 3. O Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) é alimentado pela notificação e investigação de casos de doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de notificação compulsória. 4. O sistema de Informação de Nascidos Vivos (SINASC) utiliza um documento básico padronizado a declaração de nascidos vivos (DN), que deve ser preenchido pelo profissional médico para todos os nascidos vivos em ambiente hospitalar. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. b) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras. c) Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras. e) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras. COMENTÁRIOS: Item nº 3 - O conjunto de ações relativas à coleta e processamento de dados, fluxo e divulgação de informações sobre a ocorrência de agravos de notificação compulsória, de interesse nacional, estadual e municipal compõem o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Os casos suspeitos e/ou confirmados das doenças, constantes da Lista de Doenças de Notificação Compulsória 1 deverão ser notificados por meio do SINAN. 1 Lista Completa, disponível em: L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 4

5 5 / Item nº 4 - A emissão da Declaração de Nascido Vivo (DN) é da competência e responsabilidade dos profissionais de saúde, ou parteiras (reconhecidas e vinculadas às unidades de saúde) responsáveis pela assistência ao parto ou ao recém-nascido, no caso dos partos hospitalares ou domiciliares com assistência. Dessa forma, este item está errado, pois outros profissionais, além do médico, podem preencher a DN, no âmbito hospitalar. A alternativa correta, portanto, é a letra B. 3. (Residência Multiprofissional em Saúde/UFRN/Seleção 2012) Em relação ao Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC), é correto afirmar: a) Os formulários de Declaração de Nascido Vivo (DN) são confeccionados e distribuídos pelas Secretarias Estaduais de Saúde de cada Unidade Federativa. b) Em relação ao fluxo da Declaração de Nascido Vivo (DN), as três vias que compõem o documento devem ser enviadas para a Secretaria Municipal de Saúde, após o seu preenchimento. c) Todas as Secretarias Municipais de Saúde do país já operam de modo informatizado a entrada de dados e o processamento desse sistema. d) O sistema capta informações sobre gravidez, parto e nascimento por meio de um instrumento padronizado de coleta de dados, chamado Declaração de Nascido Vivo (DN). COMENTÁRIOS: O Ministério da Saúde implantou, a partir de 1990, o Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC), tendo como base a Declaração de Nascido Vivo (DN), cujo objetivo principal é fornecer informações sobre as características dos nascidos vivos, fundamentais para o estabelecimento de indicadores de saúde específicos. A Declaração de Nascido Vivo (DN) é o documento padrão de uso obrigatório em todo o território nacional, para a coleta dos dados sobre nascidos vivos e considerado como documento hábil para a lavratura da Certidão de Nascimento pelo Cartório de Registro Civil. O instrumento padronizado é impresso com sequência numérica única, em conjuntos de três vias auto-copiativas. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 5

6 6 / Em relação ao SINASC, é correto afirmar que: Item A. O controle da numeração bem como a emissão e distribuição dos formulários da DN para as secretarias estaduais de saúde é de competência exclusiva do Ministério da Saúde. As secretarias estaduais de saúde são responsáveis pela distribuição dos formulários da DN às secretarias municipais de saúde e aos distritos sanitários especiais indígenas, que estabelecerão controle sobre a distribuição e utilização do documento padrão em sua esfera de gerenciamento do sistema. Item B. Em relação ao fluxo da Declaração de Nascido Vivo (DN), no âmbito hospitalar, a 1ª via (branca) deve ser encaminhada para a secretaria municipal de saúde; a 2ª via (amarela) deve ser entregue ao pai ou representante legal para ele solicitar a Certidão de Nascimento, no Cartório de Registro Civil; e a 3ª via (rosa) fica no estabelecimento de saúde, arquivado no prontuário da mãe. Declaração de Nascido Vivo deve ser encaminhada para a secretaria municipal de saúde. 1º via (branca) 2ª via (amarela) deve ser entregue ao pai ou representante legal para ele registrar a criança no cartório. fica no estabelecimento de saúde, arquivado no prontuário da mãe. 3ª via (rosa) Item C. Nem todas as secretarias municipais de saúde do país já operam de modo informatizado a entrada de dados e o processamento desse sistema. O gabarito da questão, portanto, é a assertiva D. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 6

7 7 / 4. (Prefeitura de Tijucas-SC/2012/FEPESE) Em relação ao preenchimento da Declaração de Nascido Vivo (DN), assinale a alternativa correta. a) No caso de parto domiciliar, com assistência médica, a DN deverá ser preenchida pelo Cartório de Registro Civil. b) No caso de parto domiciliar, com assistência médica, a DN deverá ser preenchida pelo médico da Unidade Local de Saúde da respectiva área de abrangência. c) No caso de parto hospitalar ou parto domiciliar em que, posteriormente, mãe ou recém-nascido, tenham recebido assistência hospitalar, a DN deverá ser preenchida pelo estabelecimento de saúde. d) No caso de parto domiciliar, sem assistência médica, a DN deverá ser preenchida pelo médico da Unidade Local de Saúde da respectiva área de abrangência. e) No caso de parto hospitalar ou parto domiciliar em que, posteriormente, mãe ou recém-nascido, tenham recebido assistência hospitalar, a DN deverá ser preenchida pela Secretaria Municipal de Saúde. COMENTÁRIOS: A emissão da DN é da competência e responsabilidade dos profissionais de saúde, ou parteiras (reconhecidas e vinculadas às unidades de saúde) responsáveis pela assistência ao parto ou ao recém-nascido, no caso dos partos hospitalares ou domiciliares com assistência. Existem 4 situações diferentes para preenchimento da DN (Portaria do MS nº 116/2009) 1- Parto hospitalar ou domiciliar com assistência hospitalar posterior. 2- Parto domiciliar com assistência prestada por profissional de saúde ou parteira tradicional. 3- Parto domiciliar sem assistência prestada por profissional de saúde ou parteira tradicional. 4- Parto domiciliar sem assistência prestada por profissional de saúde ou parteira tradicional, ocorrido em área coberta pela ESF ou pela estratégia de ACS. Nesse casso, o responsável pelo preenchimento é o profissional de saúde que prestou assistência ao parto hospitalar ou à gestante logo após o parto. Nesse casso, o responsável pelo preenchimento é o profissional de saúde ou parteira tradicional que prestou assistência ao parto domiciliar. Nesse casso, o responsável pelo preenchimento é Oficial de registro do Cartório. Nesse casso, o responsável pelo preenchimento é um profissional de saúde devidamente habilitado, pertencente à equipe ou unidade a que a mãe da criança esteja vinculada. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 7

8 8 / Vejamos os itens: Item A. No caso de parto domiciliar, com assistência médica, a DN deverá ser preenchida pelo respectivo médico. Item B. No caso de parto domiciliar, com assistência médica, a DN deverá ser preenchida pelo médico que prestou a assistência. Item D. No caso de parto domiciliar, sem assistência médica ocorrido em área coberta pela ESF ou pela estratégia de ACS, a DN deverá ser preenchida por profissional de saúde devidamente habilitado da Unidade Local de Saúde da respectiva área de abrangência. Item E. No caso de parto hospitalar ou parto domiciliar em que, posteriormente, mãe ou recém-nascido, tenham recebido assistência hospitalar, a DN deverá ser preenchida pelo respectivo estabelecimento de saúde. Dessa forma, o gabarito da questão é a letra C. 5. (Residência Médica/SES-PE/UPE/2012) O Sistema Único de Saúde dispõe de um Sistema de Informação em Saúde constituído de diversos subsistemas, destacando-se entre eles o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC). Sobre esses subsistemas, assinale a alternativa INCORRETA. a) O SIM, o mais antigo deles, foi estabelecido em 1975 e teve abrangência nacional em 1979, enquanto que o SINASC foi implantado em b) O SIM utiliza como instrumento de coleta de dados a Declaração de Óbito, emitida em três vias, uma das quais é utilizada para a emissão da certidão de óbito pelos cartórios de registro civil. c) O SINASC capta dados sobre as condições de gravidez, parto e nascimento, incluindo, entre outros, o peso ao nascer, a idade gestacional, a realização de pré-natal e hábitos de vida da mãe do recém-nascido. d) O SINASC utiliza como instrumento de coleta de dados a Declaração de Nascido Vivo (DN). O preenchimento da DN é feito nos estabelecimentos de saúde que realizam partos e nos cartórios de registro civil para os partos domiciliares. e) Apenas com informações produzidas pelo SIM e pelo SINASC, é possível calcular o Coeficiente de Mortalidade Infantil. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 8

9 9 / COMENTÁRIOS: O SINASC capta dados sobre as condições de gravidez, parto e nascimento, incluindo, entre outros, o peso ao nascer, a idade gestacional, a realização de pré-natal, mas não hábitos de vida da mãe do recém-nascido. É um documento bem sucinto, por isso não capta dados de hábitos de vida da mãe do recém-nascido. A DN é formada por informações sobre: (a) Identificação do recém-nascido; (b) Local da ocorrência do parto; (c) Mãe; (d) Pai; (e) Gestação e parto; (f) Anomalia congênita; (g) Responsável pelo Preenchimento; e (h) Cartório. Em relação à mãe do recém-nascido, a DN contempla algumas de suas características tais como escolaridade, ocupação habitual e situação conjugal. Mas, não há nenhum campo sobre seus hábitos de vida. Dessa forma, a letra c está evidentemente incorreta. Todavia, a letra D não está totalmente correta, pois o preenchimento da DN de alguns partos domiciliares pode ser feito em estabelecimentos de saúde, conforme comentamos na questão anterior. Entre as duas alternativas, devemos considerar aquela mais incorreta, sendo a letra C eleita o gabarito da questão. 6. (Prefeitura de Lagarto-SE/2011/AOCP) Preencha a lacuna e assinale a alternativa correta. No a fonte primária das informações refere-se à Declaração de Óbito (DO), um documento que contém informações demográficas do óbito além da descrição da sua causa, e que alimenta esse sistema de informação. a) SIM b) SINASC c) SINAN d) SIAB e) SISVAN COMENTÁRIOS: O Ministério da Saúde implantou, a partir de 1976, um modelo único de Declaração de Óbito (DO) para ser utilizado em todo território nacional, como documento base do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). A DO tem dois objetivos principais: o primeiro é o de ser o documento padrão para a coleta das informações sobre mortalidade que servem de base para o cálculo das estatísticas vitais e epidemiológicas do Brasil; o segundo, de caráter jurídico, é o de ser o documento hábil para lavratura, pelos Cartórios de Registro Civil, da Certidão de Óbito, indispensável para as formalidades legais do sepultamento. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 9

10 10 / A Declaração de Óbito é o documento-base do SIM. É composta de três vias autocopiativas, pré-numeradas sequencialmente, fornecida pelo Ministério da Saúde e distribuída pelas Secretarias Estaduais e Municipais de saúde conforme fluxo padronizado para todo o país. O médico tem responsabilidade ética e jurídica pelo preenchimento e pela assinatura da DO, assim como pelas informações registradas em todos os campos desse documento. As informações consignadas no documento são utilizadas na produção das estatísticas de mortalidade e concorrem para a identificação do processo mórbido, conduzindo ao conhecimento do perfil saúde-doença. A DO deve ser preenchida para todos os tipos de óbitos fetais e não fetais ocorridos em estabelecimentos de saúde, domicílios ou outros locais. O gabarito da questão, portanto, é a letra A. 7. (SES-DF/2011/UNIVERSA) Com relação aos sistemas de informação em saúde utilizados no SUS, assinale a alternativa correta. a) O Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB) foi implantado para o acompanhamento das ações e dos resultados das atividades realizadas pelas equipes do Programa Saúde da Família (PSF). b) O Programa Nacional da Infância (PNI) permite o gerenciamento do processo de vacinação infantil. c) O Sistema de Cadastro de Mortalidade (SISCAM) objetiva dar suporte ao controle de mortalidade no Brasil. d) O Sistema de Cadastramento e Acompanhamento de Pacientes Portadores de AIDS (HIPERDIA) destina-se ao cadastramento e ao acompanhamento de pacientes HIV positivo atendidos na rede ambulatorial do SUS, permitindo a geração de informação para aquisição, dispensação e distribuição de medicamentos, de forma regular e sistemática, a todos os pacientes cadastrados. e) O Sistema de Acompanhamento do Recém-nascido (SISPRENATAL) permite o cadastramento e o acompanhamento de todos os recém-nascidos no âmbito do SUS. COMENTÁRIOS: Vejamos os itens incorretos: Item B. O Programa Nacional de Imunização (PNI) permite o gerenciamento do processo de vacinação infantil. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 10

11 11 / Item C. O Sistema de Mortalidade (SIM) objetiva dar suporte ao controle de mortalidade no Brasil. O Sistema de Informação do Câncer da Mulher (SISCAM) é composto por dois módulos: SISMAMA e SISCOLO. O INCA, em parceria com o DATASUS, desenvolveu em 1998, o Sistema de Informação do Controle do Câncer do Colo do Útero (SISCOLO), e em 2008, o Sistema de Informação do Controle do Câncer de Mama (SISMAMA), ferramentas gerenciais que fornecem dados sobre a população examinada, resultados dos exames, seguimento dos casos alterados, qualidade dos serviços, dentre outras informações necessárias ao acompanhamento do programa. Item D. O Sistema HiperDia destina-se ao cadastramento e acompanhamento de portadores de hipertensão arterial e/ou diabetes mellitus atendidos na rede ambulatorial do SUS. Esse sistema objetiva gerar informação para aquisição, dispensação e distribuição de medicamentos de forma regular e sistemática a todos os pacientes cadastrados. Item E. O Sistema de Informação sobre o Pré-natal (SISPRENATAL) foi desenvolvido com a finalidade de permitir o acompanhamento adequado das gestantes pelo Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento (PHPN) do SUS. Esse sistema permite um acompanhamento da gestante desde o primeiro trimestre da gestação até o parto e puerpério. Em 2012, o SISPRENATAL foi modificado e modernizado para atender as especificidades da Rede Cegonha. A alternativa correta é a letra A, uma vez que o Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB) foi implantado para o acompanhamento das ações e dos resultados das atividades realizadas pelas equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF) e Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 11

12 12 / 8. (Prefeitura de Belo Horizonte-MG/2011/ESF/FUMARC) COLUNA A: indicador de Saúde COLUNA B: Fonte de informação 1- Coeficiente de fecundidade específica por idade. 2- Incidência da tuberculose pulmonar no Brasil. 3- Coeficiente de mortalidade infantil. 4- Cobertura vacinal de rotina em crianças menores de 01 ano. 5- Percentual de famílias atendidas pela Estratégia Saúde da Família. ( ) Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos SINASC ( ) Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN () Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB ( ) Sistema de Informação de Mortalidade SIM () Programa Nacional de Imunização PNI/IBGE Assinale a sequência CORRETA, na ordem de cima para baixo: a) 1, 2, 3, 4, 5. b) 1, 2, 5, 3, 4. c) 3, 5, 2, 1, 4. d) 5, 3, 1, 4, 2. COMENTÁRIOS: Identificamos claramente que a sequência correta é: 1 - Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC) - Coeficiente de fecundidade específica por idade. 2 - Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) - Incidência da tuberculose pulmonar no Brasil. 5 - Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB) - Percentual de famílias atendidas pela ESF. 3 - Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) - Coeficiente de mortalidade infantil. 4 - Programa Nacional de Imunização (PNI/IBGE) - Cobertura vacinal de rotina em crianças menores de 01 ano. Nesses termos, o gabarito da questão é a letra B. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 12

13 13 / 9. (Prefeitura de Formoso de Araguaia-TO/INIRG/2010) A prefeitura do município X com população de 10 mil habitantes, deseja construir um hospital e uma UBS. A partir de critérios técnicos e de indicadores epidemiológicos, é possível planejar a construção dos serviços, utilizando os seguintes bancos de dados da saúde, exceto: a) Sistema de Informação de Nascidos Vivos (SINASC) e Sistema de Informação Hospitalar (SIH). b) Sistema de Informação Hospitalar (SIH) e Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB). c) Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e Sistema de Informação Fazendária (SIF). d) Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e Sistema de Informação Hospitalar (SIH). e) Sistema de Informação Hospitalar (SIH) e Sistema de Informação de Nascidos Vivos (SINASC). COMENTÁRIOS: O Sistema de Informação Fazendária (SIF) não é um banco de dados da saúde. Logo, a letra C é o gabarito da questão. 10. (Prefeitura Municipal de Varginha-MG/2012/Reis e Reis Auditores) Avalie as afirmativas abaixo quanto SISVAN - Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional e indique a alternativa incorreta: a) descreve o estado nutricional da população com particular referência a subgrupos que são identificados como estando sob risco; b) retrata a despesa pública decorrente de gastos com a alimentação nutricional da população; c) permite o conhecimento do problema nutricional; d) contribui para a análise das causas e fatores associados possibilitando uma seleção de medidas preventivas e/ou educativas que poderão ser ou não nutricionais. COMENTÁRIOS: O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) destina-se ao diagnóstico descritivo e analítico da situação alimentar e nutricional da população brasileira. Esse sistema contribui para que se conheça a natureza e a magnitude dos problemas de nutrição; identifica as áreas geográficas, segmentos sociais e grupos populacionais de maior risco aos agravos nutricionais; bem como avalia o estado nutricional de indivíduos para obter o diagnóstico precoce dos possíveis desvios nutricionais, seja baixo peso ou sobrepeso/obesidade, evitando as consequências decorrentes desses agravos à saúde. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 13

14 14 / O gabarito da questão é a letra B, já que não é objetivo do SISVAN retratar a despesa pública decorrente de gastos com a alimentação nutricional da população, mas sim avaliar a situação alimentar e nutricional da população brasileira. 11. (Prefeitura de Balsa Nova-PR/2011/UFPR) Os sistemas de informações são de grande valia para a saúde, pois permitem mapear e obter diversas informações que serão analisadas para tomada de decisões. Acerca desse assunto, considere o seguinte texto: O reúne as informações obtidas com os atendimentos, seja em unidades básicas de saúde, seja em hospitais. Permite, entre outros dados, verificar se todos os atendidos em um são moradores da região, indicando a falta de serviços voltados para o atendimento das necessidades dos moradores que se deslocam de muito longe para obter serviços de saúde. É diferente do, que reúne informações sobre a assistência prestada pelos, que é alimentado principalmente pelos dados contidos nas autorizações de internações hospitalares e pelos relatos contidos nos prontuários dos pacientes. Assinale a alternativa que, respectivamente, completa as lacunas acima de forma correta. a) Sistema de Informações Hospitalares (SIH) ambulatoriais ambulatório Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) hospitais. b) Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) hospitalares ambulatório Sistema de Informações Hospitalares (SIH) ambulatórios. c) Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) ambulatoriais ambulatório Sistema de Informações Hospitalares (SIH) hospitais. d) Sistema de Informações Hospitalares (SIH) hospitalares hospital Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) ambulatório. e) Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) hospitalares ambulatório Sistema de Informações Hospitalares (SIH) hospitais. COMENTÁRIOS: O Sistema de Informação Ambulatorial (SIA) foi implantado nacionalmente na década de noventa, visando o registro dos atendimentos realizados no âmbito ambulatorial, por meio do Boletim de Produção Ambulatorial (BPA). Ao longo dos anos, o SIA vem sendo aprimorado para ser efetivamente um sistema que gere informações referentes ao atendimento ambulatorial e L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 14

15 15 / que possa subsidiar os gestores estaduais e municipais no monitoramento dos processos de planejamento, programação, regulação, avaliação e controle dos serviços de saúde, na área ambulatorial. O Ministério da Saúde (MS) implantou o Sistema de Informação Hospitalar (SIH/SUS) em A Autorização de Internação Hospitalar (AIH) é o instrumento de registro padrão desde a implantação do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS), sendo utilizada por todos os gestores e prestadores de serviços. O Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) reúne as informações obtidas com os atendimentos ambulatoriais, seja em unidades básicas de saúde, seja em hospitais. Permite, entre outros dados, verificar se todos os atendidos em um ambulatório são moradores da região, indicando a falta de serviços voltados para o atendimento das necessidades dos moradores que se deslocam de muito longe para obter serviços de saúde. O Sistema de Informações Hospitalares (SIH) reúne informações sobre a assistência prestada pelos hospitais, que é alimentado principalmente pelos dados contidos nas Autorizações de Internações Hospitalares (AIH) e pelos relatos contidos nos prontuários dos pacientes. A letra C é a gabarito da questão. 12. (Prefeitura de Balsa Nova-PR/2011/UFPR) No âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), há diversos sistemas de informação que são de grande valia para a vigilância epidemiológica. Sobre esses sistemas, numere a coluna da direita de acordo com sua correspondência com a coluna da esquerda. 1. SIAB 2. SINAN. 3. SINASC. 4. SIM. ( ) Sistema de informação que permite conhecer quantas crianças nascem por ano e por região, bem como as características ligadas à saúde da mãe (idade gestacional, por exemplo) e do recémnascido (presença de malformações congênitas ao nascer), apontando que necessidades assistenciais devem ser atendidas na região dos nascimentos para melhorar a qualidade da assistência pré-natal à criança. ( ) Sistema que se destina a reunir informações acerca das atividades desempenhadas em nível de atenção básica. É utilizado para medir o impacto das ações básicas desenvolvidas, auxiliando na L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 15

16 16 / determinação das prioridades e avaliação do que já foi feito pelas equipes dos Programas Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde (PSF e PACS). ( ) Sistema nacional que reúne todas as informações relativas aos agravos de notificação, alimentado pelas notificações compulsórias. ( ) Sistema de informações que reúne os dados relativos aos óbitos ocorridos. Alimentado pelos atestados de óbito emitidos, possibilita o conhecimento da distribuição dos óbitos por faixa etária, sexo, causa e outras informações. Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta na coluna da direita, de cima para baixo. a) b) c) d) e) COMENTÁRIOS: Sistemas de Informação do SUS SINASC SIAB SINAN SIM Permite conhecer quantas crianças nascem por ano e por região, bem como as características ligadas à saúde da mãe (idade gestacional, por exemplo) e do recémnascido (presença de malformações congênitas ao nascer), apontando que necessidades assistenciais devem ser atendidas na região dos nascimentos para melhorar a qualidade da assistência pré-natal à criança. Reúne informações acerca das atividades desempenhadas em nível de atenção básica. É utilizado para medir o impacto das ações básicas desenvolvidas, auxiliando na determinação das prioridades e avaliação do que já foi feito pelas equipes dos Programas Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde (PSF e PACS). Reúne todas as informações relativas aos agravos de notificação, alimentado pelas notificações compulsórias. Reúne os dados relativos aos óbitos ocorridos. Alimentado pelos atestados de óbito emitidos, possibilita o conhecimento da distribuição dos óbitos por faixa etária, sexo, causa e outras informações. Conforme comentários das questões anteriores, verificamos facilmente que a letra D é o gabarito da questão. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 16

17 17 / (Prefeitura de Botucatu-SP/2012/CETRO) O sistema de informação territorializado que coleta dados que possibilitam a construção de indicadores populacionais referentes a áreas de abrangência bem delimitadas, cobertas pelo Programa de Agentes Comunitários de Saúde e Programa Saúde da Família, denomina-se a) SIA/SUS Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS. b) SIH/SUS Sistema de Informações Hospitalares do SUS. c) SIAB Sistema de Informação da Atenção Básica. d) SINAN Sistema de Informação de Agravos de Notificação. e) SIM Sistema de Informações sobre Mortalidade. COMENTÁRIOS: O SIAB reúne informações acerca das atividades desempenhadas em nível de atenção básica. É utilizado para medir o impacto das ações básicas desenvolvidas, auxiliando na determinação das prioridades e avaliação do que já foi feito pelas equipes dos Programas Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde (PSF e PACS). Logo, o gabarito da questão é a letra C. 14. (Questão elaborada pelo autor) O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) foi instituído em A partir de agosto de 2003, foi considerado como implantado nacionalmente. Este cadastro registra as características dos estabelecimentos do SUS, tais como tipo, leitos, serviços, equipamentos. O sistema registra também a mantenedora, as habilitações, sua forma de relacionamento com o SUS (regras contratuais) e seus profissionais dos estabelecimentos, com ou sem vínculo empregatício. COMENTÁRIOS: O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) 2 foi instituído em A partir de agosto de 2003, foi considerado como implantado nacionalmente. Este cadastro registra as características dos estabelecimentos de saúde da rede pública e privada, tais como tipo, leitos, serviços, equipamentos. O sistema registra também a mantenedora, as habilitações, sua forma de relacionamento com o SUS (regras contratuais) e seus profissionais dos estabelecimentos, com ou sem vínculo empregatício. Também são registradas equipes de Saúde da Família e de Agentes Comunitários de Saúde, permitindo então uma ampla visão dos recursos físicos e humanos existentes no SUS e na rede de saúde privada. Logo, a questão encontra-se incorreta. 2 CNES, disponível em: L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 17

18 18 / (Questão elaborada pelo autor) O Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS) foi implantado pelo Ministério da Saúde em parceria com o Ministério Público Federal a partir de Tem o objetivo de subsidiar o planejamento, a gestão, a avaliação e o controle social do financiamento e do gasto público em saúde nas três esferas de governo, através da formação e manutenção de um banco de dados sobre receitas e despesas com ações e serviços de saúde, sob responsabilidade do poder público. COMENTÁRIOS: O Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS) 3 tem o objetivo de subsidiar o planejamento, a gestão, a avaliação e o controle social do financiamento e do gasto público em saúde nas três esferas de governo, através da formação e manutenção de um banco de dados sobre receitas e despesas com ações e serviços de saúde, sob responsabilidade do poder público. O SIOPS constitui instrumento para o acompanhamento do cumprimento do dispositivo constitucional que determina aplicação mínima de recursos em ações e serviços públicos de saúde, tendo sido reconhecido seu papel na própria Lei Complementar nº 141/2012, que o elege para tal. Até o exercício 2012 serão trabalhadas duas versões do programa para os entes federados: uma semestral e uma anual (dois períodos de envio de informações). A partir do exercício 2013, o registro de dados passa a ser bimestral e obrigatório, conforme determina a LC 141/2012. Nesses termos, a questão encontra-se correta. 16. (MPOG/ESAF/2012) No Brasil, compõem o Sistema de Informação em Saúde (SIS), o Sistema de Informação Sobre Mortalidade (SIM), Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC), Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIHSUS), o Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA-SUS) e o Sistema de Informações da Atenção Básica (SIAB), entre outros. Sobre o Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH-SUS), é correto afirmar: a) o SIH processa as informações geradas na área hospitalar e, no caso dos hospitais privados, também na área ambulatorial, possibilitando o gerenciamento, o acompanhamento do teto financeiro, a produção de serviços de saúde e o pagamento aos prestadores de serviço. b) a Autorização de Internação Hospitalar (AIH) é instrumento do SIH e também o documento que determina a emissão do laudo médico. 3 SIOPS, disponível em: L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 18

19 19 / c) o SIH, diante da exigência de rigor no processamento das informações, é um sistema cuja obtenção, processamento e divulgação das informações estão centralizados no âmbito do Ministério da Saúde. d) no âmbito do SIH, o processamento das informações obtidas com as Autorizações de Internação Hospitalar (AIH) é realizado pelos estados, pelo Distrito Federal e pelos municípios plenos. e) o SIH tem como uma de suas funcionalidades o controle de distribuição das declarações de nascimento em âmbito municipal, estadual, regional e federal. COMENTÁRIOS: Vejamos cada item da questão: Item A. O Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH) processa as informações geradas na área hospitalar nos hospitais públicos e privados conveniados ao SUS, possibilitando o gerenciamento, o acompanhamento do teto financeiro, a produção de serviços de saúde e o pagamento aos prestadores de serviço. Por outro lado, o SIA processa as informações ambulatoriais dos prestadores de saúde públicos e privados conveniados ao SUS. Portanto esse item encontra-se errado, pois quem processa as informações ambulatórias dos hospitais privados conveniados ao SUS é o SIA, e não o SIH. Item B. O médico que estiver assistindo o paciente internado em um hospital da rede do SUS emite o laudo médico 4. Por sua vez, outro médico designado por portaria fará a emissão da Autorização de Internação Hospitalar (AIH), aprovando a internação. Desse modo, o laudo médico é um documento necessário para a emissão da AIH. Item C. O SIH, diante da exigência de rigor no processamento das informações, é um sistema cuja obtenção é descentralizada para todos os entes federativos e o processamento das informações está centralizado no DATASUS (órgão do Ministério da Saúde). Item D. No âmbito do SIH, o processamento das informações obtidas com as Autorizações de Internação Hospitalar (AIH) é realizado pelo DATASUS, órgão de processamento de dados do Ministério da Saúde. Item E. O Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC) tem como uma de suas funcionalidades o controle de distribuição das declarações de nascimento em âmbito municipal, estadual, regional e federal. 4 O laudo médico é o instrumento para solicitação de internação do paciente, no âmbito do SUS, devendo ser corretamente preenchido pelo profissional médico em todos os seus campos. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 19

20 20 / Meus amigos, elaborei um recurso contra essa questão do concurso de ATPS do MPOG. Acertadamente, a ESAF anulou essa questão. Vamos visualizar a fundamentação do recurso que fiz: O Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (SIA) é o sistema que permite aos gestores locais o processamento das informações de atendimento ambulatorial registrados nos aplicativos de captação do ATENDIMENTO AMBULATORIAL pelos prestadores públicos e PRIVADOS contratados/conveniados pelo SUS. Fonte: De forma diversa, o Sistema de Informações Hospitalares do SUS - SIH-SUS - processa informações para efetuar o pagamento dos serviços hospitalares prestados pelo SUS, através da captação de dados em disquete das AUTORIZAÇÕES DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR (AIH) relativas a mais de internações/mês. Fonte: A finalidade do Sistema SIH-SUS é registrar todos os atendimentos provenientes de internações hospitalares que foram financiadas pelo SUS, e a partir deste processamento, gerar relatórios para que os gestores possam fazer os pagamentos dos estabelecimentos de saúde. Fonte: Verifica-se que a alternativa a está incorreta, ao passo que o SIH processa as informações sobre as INTERNAÇÕES geradas na área hospitalar nos hospitais públicos e privados conveniados ao SUS. Por outro lado, o SIA processa as informações ambulatoriais dos prestadores de saúde públicos e privados conveniados ao SUS. Em síntese, quem processa as informações ambulatórias dos hospitais privados conveniados ao SUS é o SIA, e não o SIH. Conclui-se que a questão deverá ser anulada, por não haver nenhuma assertiva correta. 17. (MPOG/ESAF/2012) Acerca do Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA-SUS), é correto afirmar: a) o SIA-SUS é uma importante fonte de obtenção de dados epidemiológicos em uma dada região de saúde. b) as informações extraídas do SIA-SUS subsidia os processos de elaboração da Programação Pactuada e Integrada. c) uma das fontes de alimentação desse Sistema é a notificação e investigação dos casos de doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de notificação compulsória. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 20

21 21 / d) a base de dados do SIA-SUS não inclui informações sobre os procedimentos realizados em ambulatórios da rede privada prestadora de serviços ao SUS. e) é um Sistema de informações territorializado, cuja principal fonte de dados provém dos profissionais de saúde das equipes da estratégia saúde da família. COMENTÁRIOS: Bravos guerreiros, vamos resolver mais uma questão que foi anulada pela ESAF, após interposição de recurso, que ajudei a elaborar. Item A. De acordo com o DATASUS, o Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA-SUS) gera informações gerenciais às secretarias de saúde municipais e estaduais; produz relatórios com informações detalhadas que auxiliam os processos de controle, avaliação e auditoria. As informações obtidas pelo SIA-SUS estão relacionadas com consultas de pré-natal, de puerpério, de puericultura, de hipertensos e diabéticos, exames laboratoriais, exames citopatológicos etc. Nesse sentido, o SIA-SUS é uma importante fonte de obtenção de dados epidemiológicos em uma dada região de saúde. Item B. Alternativa correta. Item C. Uma das fontes de alimentação do Sistema Informação de Agravos de Notificação (SINAN) é a notificação e investigação dos casos de doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de notificação compulsória. Item D. A base de dados do SIA-SUS inclui informações sobre os procedimentos realizados em ambulatórios da rede privada prestadora de serviços ao SUS. Item E. O Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB) é um sistema de informações territorializado, cuja principal fonte de dados provém dos profissionais de saúde das equipes da estratégia saúde da família. A questão foi corretamente anulada, pois as letras A e B estão certas. 18. (HU-UFTM/EBSERH/IADES/2013) Diante de um paciente atendido em um ambulatório de especialidades do Sistema Único de Saúde e de outro que vai a óbito em uma unidade de saúde da rede pública ou privada, as informações preenchidas pelo médico relativas, respectivamente, aos dados de atendimento sobre o diagnóstico do paciente e à Declaração de Óbito são importantes para os sistemas de informação em saúde. Acerca desse assunto, assinale a alternativa que indica as siglas correspondentes aos nomes dos sistemas que devem ser alimentados com os dados das situações hipotéticas. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 21

22 22 / a) SINASC e SIAB. b) SINAM e SIH. c) SIAB e SIH. d) SIA e SIM. e) SIM e SIH. COMENTÁRIOS: Vejamos as duas situações apresentadas na questão: Sistema de Informação Ambulatorial (SIA): paciente atendido em um ambulatório de especialidades do Sistema Único de Saúde, com as informações preenchidas pelo médico relativas aos dados de atendimento sobre o diagnóstico do paciente. Sistema de Informação de Mortalidade (SIM): paciente vai a óbito em uma unidade de saúde da rede pública ou privada, com as informações preenchidas pelo médico relativas à Declaração de Óbito. Nesses termos, o gabarito da questão é a letra D. 19. (HU-UFAM/EBSERH/IADES/2014) Assinale a alternativa que apresenta um dos benefícios do Sistema de Informação de atenção Básica (SIAB) a) Macroespacialização de problemas de saúde e de avaliação de intervenções. b) Possibilidade de realizar seleções públicas para a composição das equipes de saúde da família e de agentes comunitários de saúde. c) Cadastro de famílias e de condições de moradia e saneamento remotamente, usando tecnologias de posicionamento e sensoriamento remoto. d) Produção de indicadores capazes de cobrir todo o ciclo de organização das ações de saúde. e) Consolidação progressiva da informação, partindo dos níveis mais agregados para os menos agregados. COMENTARIOS 5 : O Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB) foi implantado em 1998 em substituição ao Sistema de Informação do Programa de Agentes Comunitários de Saúde SIPACS para o acompanhamento das ações e dos resultados das atividades realizadas pelas equipes do Programa Saúde da Família (PSF). 5 DATASUS-SIAB, disponível em: L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 22

23 23 / O SIAB foi desenvolvido como instrumento gerencial dos Sistemas Locais de Saúde e incorporou em sua formulação conceitos como território, problema e responsabilidade sanitária, completamente inserido no contexto de reorganização do SUS no país, o que fez com que assumisse características distintas dos demais sistemas existentes. Tais características significaram avanços concretos no campo da informação em saúde. Dentre elas, destacamos: micro-espacialização de problemas de saúde e de avaliação de intervenções; utilização mais ágil e oportuna da informação; produção de indicadores capazes de cobrir todo o ciclo de organização das ações de saúde a partir da identificação de problemas; consolidação progressiva da informação, partindo de níveis menos agregados para mais agregados. Por meio do SIAB obtêm-se informações sobre cadastros de famílias, condições de moradia e saneamento, situação de saúde, produção e composição das equipes de saúde. Principal instrumento de monitoramento das ações da Estratágia de Saúde da Família, cuja missão é monitorar e avaliar a atenção básica, instrumentalizando a gestão e fomentar /consolidar a cultura avaliativa nas três instâncias de gestão do SUS. A disponibilização da base de dados do SIAB na internet faz parte das ações estratégicas da política definida pelo Ministério da Saúde com o objetivo de fornecer informações que subsidiem a tomada de decisão pelos gestores do SUS, e a instrumentalização pelas instâncias de Controle Social, publicizando, assim, os dados para o uso de todos os atores envolvidos na consolidação do SUS. Atualmente, para que o sistema se transforme, de fato, num sistema que permita o monitoramento e favoreça a avaliação da atenção básica, o Departamento de Atenção Básica/SAS em conjunto com o Departamento de Informação e Informática do SUS/Datasus/SE vem investindo em sua reformulação, articulada com os demais sistemas de informação dos outros níveis de atenção. Este processo está envolvendo todas as áreas técnicas do MS que implementam ações básicas de saúde e, posteriormente, será discutido nas instâncias de deliberação do SUS. Analisando a questão, são benefícios do Sistema de Informação de atenção Básica (SIAB): a) micro-espacialização de problemas de saúde e de avaliação de intervenções (identificação de problemas de saúde em cada microárea de um ACS). L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 23

24 24 / b) Possibilidade de realizar seleções públicas para a composição das equipes de saúde da família e de agentes comunitários de saúde (alternativa descabida). c) Cadastro de famílias e de condições de moradia e saneamento por meio das ações dos Agentes Comunitários de Saúde, ou seja, não são utilizadas tecnologias de posicionamento e sensoriamento remoto. d) Produção de indicadores capazes de cobrir todo o ciclo de organização das ações de saúde. e) Consolidação progressiva da informação, partindo dos níveis menos agregados para os mais agregados (cada microárea [uma para cada ACS] -> para cada área [uma por cada equipe de atenção básica] -> para cada município -> para cada estado -> finalizando com todo o Brasil). Desse modo, o gabarito é a letra D. 20. (HUPES-UFBA/EBSERH/IADES/2014) Quanto ao VERSIA, assinale a alternativa correta. a) É o sistema de verificação do SIASUS. b) É um sistema centralizado e responsável pela geração das informações processadas pelo SIASUS. c) É utilizado e atualizado diariamente pelo DATASUS. d) Estão, entre os benefícios do VERSIA, a integridade das informações sobre os estabelecimentos de saúde e o intercambio eletrônico de dado com órgãos internacionais de saúde. e) Tem abrangência exclusivamente municipal. COMENTARIOS 6 : O VERSIA (Sistema de Verificação do SIASUS) 7 é o sistema descentralizado responsável pela verificação das informações geradas pelo sistema SIASUS, através de dados referentes ao atendimento dos pacientes, enviados pelas Unidades Prestadoras de Serviço. Em linhas gerais, é o sistema que verifica se o SIASUS foi gerado corretamente. Caso haja alguma inconsistência na produção do SIASUS, o VERSIA identifica e o SIASUS deve ser refeito. Nesses termos, o gabarito da questão é a letra A. 6 DATASUS-VERSIA, disponível em: 7 O Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) reúne as informações obtidas com os atendimentos ambulatoriais, seja em unidades básicas de saúde, seja em hospitais. Permite, entre outros dados, verificar se todos os atendidos em um ambulatório são moradores da região, indicando a falta de serviços voltados para o atendimento das necessidades dos moradores que se deslocam de muito longe para obter serviços de saúde. L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 24

25 25 / (MCO-UFBA/EBSERH/IADES/2014) Com relação à CID-10, assinale a alternativa incorreta. a) a CID-10 foi conceituada para padronizar e catalogar as doenças e problemas relacionados à saúde, tendo como referência a nomenclatura internacional de doenças, estabelecida pela organização mundial de saúde. b) a organização dos arquivos em meio magnético e sua implementação para disseminação eletrônica possibilita a implantação em todo o território nacional, nos registros de morbidade hospitalar e ambulatorial, compatibilizando esses registros entre todos os sistemas que lidam com morbidade. c) download e consulta dos arquivos contendo os códigos e descrições utilizadas na CID-10 são disponibilizados por meio da internet. d) a CID-10 classifica morfologicamente neoplasias, exibe listas especiais de tabulação para mortalidade e para morbidade, além de fornecer as definições e os regulamentos da nomenclatura, por meio da lista tabular. e) a falta de um manual de instruções e de índice alfabético dificulta o seu uso e inibe o acesso a notas sobre certificação médica, classificações em geral e tabulações. COMENTARIOS 8 : A CID-10 foi conceituada para padronizar e catalogar as doenças e problemas relacionados à saúde, tendo como referência a Nomenclatura Internacional de Doenças, estabelecida pela Organização Mundial de Saúde. Com base no compromisso assumido pelo Governo Brasileiro, a organização dos arquivos em meio magnético e sua implementação para disseminação eletrônica foi efetuada pelo DATASUS, possibilitando, assim, a implantação em todo o território nacional, nos registros de Morbidade Hospitalar e Ambulatorial, compatibilizando estes registros entre todos os sistemas que lidam com morbidade. Benefícios: Permite que programas e sistemas possam referenciar, de forma padronizada, as classificações; Auxilia a busca de informação diagnóstica para finalidades gerais. 8 DATASUS, disponível em: L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G r a t u i t o Página 25

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000.

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e, Considerando a Portaria GM/MS nº 569/GM, de 1º de junho de 2000, que estabelece o Programa

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL MANUAL PARA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE BUCAL DO SUS PORTO ALEGRE Julho 2007 1- APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação. Leandro Manassi Panitz Consultor Técnico MS - Referência Técnica SIA/SUS

Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação. Leandro Manassi Panitz Consultor Técnico MS - Referência Técnica SIA/SUS Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Sistema de Informação Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação SIA/SUS

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Sistema de Informação

Sistema de Informação Sistema de Informação Conjunto de elementos inter-relacionados que coleta, processa (manipula e armazena), transmiti e dissemina dados e informações; Manual ou informatizado; Envolve pessoas, máquinas,

Leia mais

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010 Informamos que o aplicativo para tabulação de dados TabWin, gerenciado e disponibilizado pela SMS/CEInfo desde 2002, está sendo reestruturado e transferido

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Conceito: Como em qualquer outra atividade, no setor saúde a informação deve ser entendida como um redutor de incertezas, um instrumento para detectar focos prioritários,

Leia mais

Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB Indicadores 2001

Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB Indicadores 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB Indicadores 2001 4. a edição atualizada Série G. Estatística e Informação em

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Circular 0132/2000 São Paulo, 14 de Abril de 2000.

Circular 0132/2000 São Paulo, 14 de Abril de 2000. [fesehf/cabecalho.htm] Circular 0132/2000 São Paulo, 14 de Abril de 2000. Administrador(a) Faturamento Assunto: PORTARIAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE Prezado(a) Senhor(a), O Ministério da Saúde faz publicar

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE SISTEMATIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO QUANTO À VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

QUESTIONÁRIO SOBRE SISTEMATIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO QUANTO À VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL QUESTIONÁRIO SOBRE SISTEMATIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO QUANTO À VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] Questionário [ ] Entrevistador (bolsista): [ ] Pesquisador

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Secretaria Municipal da Saúde, visando a modernização da gestão, investiu na implantação de um Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 570, DE 1º DE JUNHO DE 2000 Republicada por ter saído com incorreções

MINISTÉRIO DA SAÚDE. GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 570, DE 1º DE JUNHO DE 2000 Republicada por ter saído com incorreções MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 570, DE 1º DE JUNHO DE 2000 Republicada por ter saído com incorreções O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 (SUS). Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana A Declaração de Óbito Consa. Maria Madalena de Santana APRESENTAÇÃO CAMPO I IDENTIFICAÇÃO INDISPENSÁVEL! CAMPO II RESIDÊNCIA CAMPO III OCORRÊNCIA CAMPO IV FETAL OU MENOR QUE 1 ANO CAMPO V CONDIÇÕES E

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Documento norteador para a habilitação de laboratórios Tipo I e Tipo II pela Qualificação Nacional em Citopatologia QualiCito. Qual a Portaria que institui a Qualificação

Leia mais

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 * Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569, de 1º de julho de 2000, que institui o Programa

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária Passo a Passo: Monitoramento Laboratório

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Auditoria e Monitoramento dos Sistemas de Informação do SUS 1- O que é Auditoria 2- Objetivos e formas 3- Base Legal O que é Auditoria É a denominação

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015.

DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015. DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015. Regulamenta a concessão de incentivo financeiro, Prêmio Variável de Qualidade e Inovação, do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal O U T U B R O 2011 Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal Dra.Telma de Moura Reis Médica Pediatra Coordenadora da Área Estratégica da Saúde

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB)

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) Jacques Levin Departamento de Informática do SUS Secretaria Executiva/Ministério da Saúde Porto Alegre, 23 de setembro de 2008 Roteiro Origem Processo

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM * SES-PE ** IMIP Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde Diretoria Geral de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Gerencia de Monitoramento e Vigilância

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO... i EQUIPE... iii METODOLOGIA... v II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 1. CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS E DEMOGRÁFICAS... 1 2. CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS... 1 3.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Cesar Vieira cesarvieira@globo.com Reunião do CA/IBEDESS 12 de julho de 2011 Principais Conteúdos Organização do SUS Planejamento da

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

PREFEITURA DE NOVO HAMBURGO INFORMATIZA SERVIÇOS DE SAÚDE E TRAZ MELHORIAS PARA CIDADÃOS E PROFISSIONAIS DA REDE

PREFEITURA DE NOVO HAMBURGO INFORMATIZA SERVIÇOS DE SAÚDE E TRAZ MELHORIAS PARA CIDADÃOS E PROFISSIONAIS DA REDE Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. PREFEITURA DE NOVO HAMBURGO INFORMATIZA SERVIÇOS DE SAÚDE E TRAZ MELHORIAS PARA CIDADÃOS E PROFISSIONAIS DA REDE Perfil A Secretaria Municipal da

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO Secretaria de Saúde DCLC. ANEXO IV Acompanhamento e Avaliação do Contrato de Gestão

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO Secretaria de Saúde DCLC. ANEXO IV Acompanhamento e Avaliação do Contrato de Gestão ANEXO IV Acompanhamento e Avaliação do Contrato de Gestão 1. Critérios Gerais Para o Acompanhamento dos Contratos A Secretaria Municipal da Saúde de Osasco SMS/OSASCO elaborará os instrumentos para o monitoramento

Leia mais

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde ANEXO Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde PACTO PELA VIDA 2008. PRIORIDADE OBJETIVO META FÓRMULA DE CÁLCULO FONTE I. Atenção à Saúde do Idoso. i. Identificar pessoas

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Por uma política de saúde do trabalhador do SUS na Secretaria Municipal de Divinópolis/MG Marília Fraga Cerqueira

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA,

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA, Questão contestada: 05 Resposta Publicada: B O RECURSO impetrado foi: ( X ) DEFERIDO ( ) INDEFERIDO Existem duas respostas incorretas nesta questão (B e E). - Alternativa B, onde se lê: As propostas desta

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

PARECER COREN-SP 006/2014 CT PRCI n 103.887/2013 Tickets nº 313.574 e 318.785

PARECER COREN-SP 006/2014 CT PRCI n 103.887/2013 Tickets nº 313.574 e 318.785 PARECER COREN-SP 006/2014 CT PRCI n 103.887/2013 Tickets nº 313.574 e 318.785 Ementa: Acesso ao prontuário e anotação pelo Agente Comunitário de Saúde. 1. Do fato Enfermeira que atua em Estratégia Saúde

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Área Técnica Saúde da Mulher Brasília, 10 de fevereiro de 2.000. Área Técnica da Saúde da Mulher Secretaria de Políticas de Saúde Comitê de Especialistas

Leia mais

Programa Nacional de Controle da Dengue - PNCD PLANO DE CONTINGÊNCIA AREA DA ASSISTÊNCIA

Programa Nacional de Controle da Dengue - PNCD PLANO DE CONTINGÊNCIA AREA DA ASSISTÊNCIA Programa Nacional de Controle da Dengue - PNCD PLANO DE CONTINGÊNCIA AREA DA DENGUE: PLANO DE CONTINGÊNCIA - AREA DA DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PLANO DE CONTIGÊNCIA Apoio Ministério

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Aprovado através da Resolução nº 06/CMS/2010, de 09 de março de 2010, Ananindeua PA Capítulo I DO CADASTRAMENTO

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 Luis Otavio Farias Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social Departamento de Gestão do SUAS Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais