COLÉGIO BRASILEIRO DE ESTUDOS SISTÊMICOS CENTRO ESPECIALISTA EM SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO PROFISSIONAL EM FISIOTERAPIA DO TRABALHO MONOGRAFIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLÉGIO BRASILEIRO DE ESTUDOS SISTÊMICOS CENTRO ESPECIALISTA EM SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO PROFISSIONAL EM FISIOTERAPIA DO TRABALHO MONOGRAFIA"

Transcrição

1 COLÉGIO BRASILEIRO DE ESTUDOS SISTÊMICOS CENTRO ESPECIALISTA EM SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO PROFISSIONAL EM FISIOTERAPIA DO TRABALHO MONOGRAFIA ANÁLISE BIOMECÂNICA DA POSTURA DE TRABALHO DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS ALISON ALFRED KLEIN CURITIBA-PR 2004 I

2 ALISON ALFRED KLEIN ANÁLISE BIOMECÂNICA DA POSTURA DE TRABALHO DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS Monografia apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia do Trabalho, para obtenção de Titulo de Especialista Latu-Sensu, sob a orientação do Prof. Dr. André Luís Félix Rodacki. Curitiba, fevereiro de 2004 II

3 III

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus pais Ademar e Teresa que sempre empenharam tudo de si para oferecer o melhor para mim e minhas irmãs. Para minha esposa Caroline, que com sua presença ajuda o mundo a girar. E as minhas irmãs que são o grande exemplo da minha vida. Quero também dedicar este trabalho a todos que lutam por seus ideais, em especial a Dra. Lucy Mara Silva Baú, Dr. Eduardo Ferro, Dr. Tadeu Nicoletti e Dr. Nelson Rosemam IV

5 AGRADECIMENTOS A Deus pela oportunidade da vida. Aos meus sogros Victor e Kátia Gugisch, que sempre me rodeiam de estímulos e exemplos. Ao meu orientador, Prof. Dr. André Luiz Felix Rodacki, pela paciência e docência. Aos meus familiares e amigos pela compreensão da minha ausência. A SEFIT, Serviços Especializados de Fisioterapia do Trabalho, pelos desafios, conquistas e alegrias. V

6 As verdades, quando o são, não se ocultam nem se impõe. Raumsol VI

7 RESUMO KLEIN, Alison Alfred. Análise Biomecânica da Postura de Trabalho dos Cirurgiões-Dentistas f. Monografia Programa de Pós Graduação em Fisioterapia do Trabalho, Colégio Brasileiro de Estudos Sistêmicos, Curitiba, 2004 Orientador: Prof. Dr. André Luiz Félix Rodacki Defesa: 14 de fevereiro de 2004 O presente estudo realiza a análise biomecânica da postura dos cirurgiõesdentistas, nas duas posições de trabalho mais difundidas, nas situações de 9 e 12 horas em relação ao paciente. Dez voluntárias, acadêmicas de Odontologia de uma instituição de ensino superior de Curitiba/Pr, vestindo roupas de lycra escura e com marcações nos centros articulares foram filmadas com a utilização dos recursos da cinemática, coletou-se imagens e com o uso de um sistema de coordenadas, foram localizadas as coordenadas dos pontos demarcados e definidos os ângulos da cabeça, pescoço, tronco e joelho. Um modelo biomecânico de 6 segmentos foi empregado para os cálculos de momentos de força (ombro, C7/T1 e L5/S1), força de compressão, força de cisalhamento e força muscular ao nível de L5/S1. Os resultados obtidos demonstram que a posição de 9 e 12 horas não apresentam diferenças quanto a angulação de cabeça e pescoço, assim como nos momentos de força em C7/T1 e nos ombros. Porém a 12 horas impôs ao individuo menor carga compressiva, muscular, de cisalhamento, além de apresentar momentos de força em L5/S1 menores. Sendo oportuno concluir que a posição de 12 horas demonstrou-se menos desgastante ao individuo na prática da Odontologia. Palavras-chave: Ergonomia Postura de Trabalho Biomecânica - Odontologia VII

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO DE LITERATURA EPIDEMIOLOGIA POSTURA SENTADA CONSEQUÊNCIAS DA POSTURA DE TRABALHO BIOMECÂNICA MODELO BIOMECÂNICO ERGONOMIA METODOLOGIA ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS DESCRIÇÃO DOS RESULTADOS DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS VIII

9 1 INTRODUÇÃO Os cirurgiões-dentistas trabalhavam, no passado, em pé ao lado da cadeira de atendimento clínico, com o paciente sentado, utilizando uma cadeira semelhante a dos barbeiros, o atendimento acontecia com deslocamentos laterais e rotações de tronco do profissional. Esta posição era muito desconfortável e gerava inúmeras moléstias. Com o avanço da tecnologia, os equipamentos de trabalho evoluíram, com o aparecimento da cadeira que permite colocar o paciente deitado e o profissional sentado em um mocho clinico (uma espécie de banqueta giratória com encosto lombar e rodas), seu deslocamento foi facilitado, desempenhando agora suas funções sentado em uma posição mais cômoda e menos cansativa, alegam POLLACK (1996) e FINSEN et al. (1998). Mas sendo ainda, segundo BARROS (1999), a flexão, rotação e inclinação de cervical e lombar como sendo as posturas mais comumente adotadas pelos cirurgiões dentistas. Neste estudo encontrou-se que os momentos de forças aplicadas na coluna lombar a nível de L5/S1 chegam a 74,6 Nm e na coluna cervical em C7/T1 chegam a 7,5 Nm. Por adotar a posição de trabalho sentado, o cirurgião-dentista sofre com os problemas posturais inerentes a esta posição, o que continua tornando sua jornada de trabalho cansativa e estressante. Os odontólogos durante o desempenho da atividade profissional adotam posturas estáticas e rotinas repetitivas, que podem gerar problemas de ordem física, principalmente desconforto em diferentes regiões do corpo sendo as mais acometidas: o pescoço, ombro e coluna lombar no entender de RASCH & BURKE.(1987). Já KLEIN et al (2003) alegam que 82,2 % dos dentistas apresentam queixas de dores na coluna lombar ou cervical. No entender de SANTOS & BARRETO (2001), a chance dos cirurgiões dentistas apresentarem sintomas osteomusculares é muito maior que a de outras profissões, chegando a 12 vezes quando comparados aos profissionais de farmácia por exemplo que permanecem a maior parte da sua jornada de trabalho em pé. 1

10 Analisando este panorama percebe-se que a atuação do profissional da área odontológica está rodeada de riscos à sua saúde, principalmente riscos de doenças e lesões na coluna vertebral, as quais devem ser prevenidas, o mais precocemente possível, para atenuar e até mesmo anular os seus efeitos, e para isso é importante conhecer as possíveis causas destes riscos. Objetivou-se então por meio de uma análise biomecânica da postura adotada pelo cirurgião dentista no desempenhar de sua profissão elucidar dados que facilitem o entendimento das exigências físicas desta profissão. Como também fornecer informações para a construção de melhorias ergonômicas que levem a prevenção de doenças ocasionadas no exercício da Odontologia. Outrossim, alertar a industria e as instituições de ensino da odontologia da importância de se investir na prevenção em todos os seus níveis. 1.1 JUSTIFICATIVA A prevenção é considerada a melhor ferramenta nos cuidados de saúde, a grande maioria dos profissionais de saúde buscam sempre orientar seus pacientes que a prevenção deve ser perseguida, mas muitas vezes esquecem de proteger a própria saúde, com uma grande preocupação do que estão fazendo sem recordar como estão atuando. Os conhecimentos de ergonomia e biomecânica aplicados ao desempenho profissional, prezam por tornar esta atuação mais salutar. Entender as forças que agem no corpo do individuo durante seu trabalho é primordial para poder agir na prevenção. 2

11 1.2 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL - Realizar a análise biomecânica da postura adotada pelos cirurgiões dentistas OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Verificar os ângulos de inclinação da cabeça, do pescoço, do tronco em relação ao membro inferior e em relação a vertical; - Calcular os momentos de força existentes nas articulações de C7/T1, L5/S1 e ombro; - Calcular as forças de compressão, cisalhamento e muscular em L5/S1. - Comparar as duas posições de trabalho mais comuns na odontologia (9 e 12 horas) 3

12 2 REVISÃO DE LITERATURA A odontologia é uma profissão que exige concentração em precisão, e suas atividades podem ser consideradas como intensas e repetitivas além de serem realizadas durante longos períodos, exigindo a manutenção da postura e realização de movimentos ao mesmo tempo em que se deve estar atento aos diversos tipos de procedimentos e materiais a serem utilizados, o que torna o trabalho fatigante e que podem gerar problemas de ordem física, principalmente, desconforto em diferentes regiões do corpo, sendo as mais acometidas: pescoço, ombro e coluna lombar segundo FINSEN et al. (1998), MIDORIKAWA et al. (1998); BARRETO (2001). Confirmado por KAPLAN (1976) que afirmou que tarefas que requerem repetição prolongada de movimentos, originam nos trabalhadores, perturbações musculares e circulatórias localizadas nos segmentos corporais que executam as tarefas de sua rotina diária de trabalho. No entender de BARROS (1999) e BARREIRA (1994), na maior parte do tempo de atuação do cirurgião dentista, este profissional permanece na posição de trabalho sentado ao lado do paciente, com o tronco inclinado e os braços elevados. 2.1 EPIDEMIOLOGIA Segundo CECIN et al (1991) 53,4% dos dentistas sofrem de dores lombares, entre os homens 51,3% tem queixas e entre mulheres 56,9%. Sendo que na faixa etária de 18 a 30 anos, 48% tem queixas. STOCKSTILL et al. (1993), citam que 29% dos cirurgiões dentistas do estado de Nebraska nos EUA, apresentaram algum tipo de alteração nas mãos e braços e área de coluna cervical ou pescoço, relatam ainda que 75% dos dentistas apresentam dores lombares, 58,3% apresentam queixas de dores na região cervical e 50 % se queixaram dos ombros, dados semelhantes são descritos por RIO (2001) onde 92,12 % dos cirurgiões dentistas entrevistados sentiram algum incomodo ou dor física relacionada ao trabalho no ano antecedente a pesquisa. Segundo SANTOS e BARRETO (2001) 58 % dos dentistas apresentam queixa de dor músculo esquelética em uma ou mais regiões do segmento superior 4

13 do corpo, sendo a dor no membro superior o principal relato. KLEIN et al (2003) relatam em seu estudo que 82,2% dos cirurgiões dentistas atuantes na ortodontia entrevistados apresentavam queixas de coluna lombar e cervical. ZILLI (2002) cita que inúmeros fatores influenciam e agravam este quadro, tais como: organização do trabalho, atividade física, monotonia, posturas viciosas e movimentos repetitivos. Descreve ainda que os hábitos inadequados de postura corporal nas atividades ocupacionais são, no entanto, passíveis de correção desde que os profissionais tomem conhecimento de suas posturas inadequadas durante o trabalho, e tentem melhorá-las, com atenção especial, também, para os componentes de seu ambiente de trabalho entre eles a ergonomia. 2.2 POSTURA SENTADA Na compreensão de RIO & RIO (2001) a postura sentada ideal é aquela onde a configuração estática da coluna é respeitada e não é exigido nenhum esforço para se manter nesta posição, tampouco seja cansativa ou gere dor, ou seja o individuo pode permanecer por mais tempo nesta posição. CAILLET (1976) afirma ainda que os vícios posturais provocam alteração significativa das curvaturas vertebrais cervical e lombar. Este autor relaciona ainda a postura corporal do adulto além dos hábitos viciosos adquiridos à predisposição a doenças, de tal forma que os diversos hábitos adquiridos durante sua vida profissional costumam ser de difícil mudança, principalmente quando relacionados a condições estressantes de trabalho. No estudo de PEREIRA (1993) a postura de trabalho constitui um importante problema ocupacional que vem, ultimamente, merecendo a atenção de ergonomistas. 5

14 2.3 CONSEQUÊNCIAS DA POSTURA DE TRABALHO PEREIRA (1993) alega que a falta de cuidados com a postura durante o trabalho leva a uma ocorrência comum de degeneração de discos intervertebrais da região cervical, dores lombares, cefaléia tensional, fadiga nos olhos, braços e pés, perturbações circulatórias, varizes nas pernas, artrite da região vertebral cervical e de mãos, desigualdade na altura dos ombros, bursite dos ombros e cotovelos e inflamação das bainhas tendinosas. SAQUY (1995) ressaltou que as doenças ocupacionais acompanham o dia-a-dia dos profissionais da área odontológica, mas que o desgaste produzido pelas mesmas podem ser reduzidos a partir de mudanças nos hábitos posturais durante sua atividade clínica. Para POI et al. (1999) e REGIS FILHO & LOPES (1997), as doenças ocupacionais entre cirurgiões-dentistas constituem uma realidade atual e presente na classe, surgindo em decorrência do modo de vida sedentária destes profissionais, aliada à perda de elasticidade das estruturas articulares, principalmente quando somadas a doenças degenerativas, que ajudam a agravar a situação. Alertam os autores sobre a necessidade compensar o estilo sedentário de vida com atividades físicas que proporcionem correções posturais e atitudes capazes de promover uma vida mais saudável. De acordo com POI et al (1999) devem ser observadas algumas recomendações para que sejam prevenidas doenças do tipo lesivas por esforços repetitivos, tais como: boa postura corporal, posicionamento correto da mão e pulso no manejo de instrumentos, equipamento adequado, cadeiras ergonomicamente desenhadas, boa luminosidade do ambiente, repouso quando necessário e exercícios. REGES e MINARELLI-GASPAR (1999) relatam que no transcorrer dos anos de profissão e atuação dos cirurgiões dentistas, ocorre um aumento significativo de dores nas regiões de ombros e pescoço, associadas ao aumento de hábitos parafuncionais tais como diminuição de atividades físicas e estresse, condições agravantes na diminuição do desempenho físico dos profissionais. Para IORI (2000), 6

15 as lesões adquiridas por esforços repetitivos não se caracterizam apenas como um problema localizado, mas sim como uma conseqüência de desalinhamentos e sobrecarga sobre a estrutura corporal como um todo. A autora alerta ainda para o fato de que a prevenção continua sendo a melhor alternativa para não ser acometido por afecções desta natureza. 2.4 BIOMECÂNICA A biomecânica do movimento humano pode ser definida como uma área interdisciplinar, a qual descreve, analisa e busca melhorar o movimento do corpo humano, analisando simples tarefas de trabalho ou até mesmo desempenho de atletas profissionais segundo WINTER (1990); Já para AMADIO (2000), a biomecânica pode ser conceituada como uma ciência que trata de análises físicomatemáticas de sistema biológicos e como conseqüência, de movimentos humanos. Este movimentos são analisados através de leis e conceitos mecânicos com relação a parâmetros específicos do sistema biológico. Segundo WATERS & MORRIS(1970), os movimentos funcionais do tronco, além de serem uma combinação de movimentos de diferentes partes da coluna, dependem do auxílio da pelve; a restrição de um movimento em qualquer nível pode aumentar o movimento em outro nível, como ocorre na posição sentada. Complementado por ADAMS & HUTTON (1985), CHAFFIN & ANDERSSON (1991), HOLLINSHEAD & ROSSE (1991) relatam ser a posição sentada que gera maior pressão nos discos intervertebrais, em relação as posturas em pé e deitado, citam ainda ser a de flexão de tronco sem apoio como sendo a de maior pressão, principalmente na apófise anular anterior, levando a compressão do anel fibroso nesta região e um estiramento deste anel na região posterior. Cargas de torção e inclina criam maior stress no disco do que cargas compressivas. Ainda sobre a postura sentada estes autores relatam outra estrutura também afetada, os processos articulares que para SANTA MARIA (2001) podem sustentar certa quantidade de carga compressiva dependendo da posição do corpo. Além 7

16 disso eles guiam o movimento do segmento motor, a orientação das facetas determina o tipo de movimento. Estes processos articulares quando a coluna esta ereta recebem as forças tanto de compressão quanto de cisalhamento, porém esta última ocorre na porção proximal e quando em flexão diminuem as forças de compressão e aumentam as forças de cisalhamento, porém neste momento ocorrem na porção distal do processo articular. Este aumento de pressão no terceiro e quarto disco lombares pode chegar a 30% com um a inclinação de apenas 20º para frente. 2.5 MODELO BIOMECÂNICO A cinemetria é uma importante ferramenta para o estudo da biomecânica, através dela pode-se determinar os parâmetros cinemáticos do movimento: posição e orientação espacial, definido um sistema de coordenadas, velocidade e aceleração de cada segmento em relação ao seu centro de massa ou outro ponto na superfície do corpo que tenha relação com a estrutura interna do corpo e com propriedades funcionais do movimento. Utiliza-se de equipamentos de foto e vídeo para registro de imagens usando luz visível ou infravermelha, e de procedimentos de reconstrução de coordenadas dos pontos anatômicos de interesse e também de rotinas específicas que calculam as variáveis cinemáticas, através da derivação das posições dos segmentos corporais. Também pode-se utilizar de sensores que possibilitam medir tais variáveis, como acelerômetros, goniômetros, e sensores de ultra-som para BAUMANN (1995); VECCHIA (1998); LAVANDER et al. (2003). No entender de ANDERSSON et al (1976) e AMADIO (2000) ao se segurar um objeto perto do corpo ao invés de deixa-lo longe, diminui o momento da curvatura na coluna lombar devido à distância entre o centro de gravidade e o objeto. Quanto menor o braço de momento produzido pelo peso de um dado objeto, menor a magnitude do momento da curvatura e assim mais baixa será a carga na coluna lombar. Confirmado pela equação derivada da segunda lei de Newton para um sistema em equilíbrio, considerando-se que o torque é a somatória dos momentos de força em relação a um ponto igualada a zero, de acordo com SANTA MARIA (2001). 8

17 A pressão intra-abdominal (IAP) tem sido estudada e documentada nos últimos 40 anos e citada como auxiliar nas atividades de levantamento da coluna, como também na diminuição da pressão intra-discal, chegando a ser utilizada como critério de avaliação de força empregada pelo indivíduo em determinadas atividades, segundo MARRAS & MIRKA (1996). A IAP é comumente considerada como estabilizadora da coluna lombar, porém sua função não é bem conhecida ainda; algumas hipóteses sugerem que exerça uma força hidrostática na cavidade abdominal, para baixo contra o assoalho pélvico e para cima contra o diafragma. Esta força produz um momento extensor na coluna vertebral. Outras hipóteses sugerem que as conotações exigidas dos músculos abdominais para gerar a IAP aliviam as forças de compressão da coluna, no entender de DAGGFELDT & THORSTENSSON, (1997); CHOLEWICKI et al (1999); HODGES et al (2001) e ESSENDROP et al (2002). Segundo HODGES et al(2001) a IAP pode gerar um momento de força extensora de até 6 Nm. Já MIYAMOTO et al (1999) alega que a IAP pode chegar a 53,1 mmhg, numa contração isométrica de flexão de tronco. Ainda sobre a IAP CHOLEWICKI et al (1999), em estudos com um modelo mecânico utilizando molas e um pistão pneumático com o intuito de imitar as ações da musculatura abdominal, dos eretores da espinha e da pressão abdominal, encontrou que a IAP estabiliza a coluna lombar e o braço de alavanca da força abdominal pode ser calculado considerando-o a meia distância entre a parede abdominal e o centro da coluna. E segundo JORGENSEN et al (2001) pode-se determinar esta distancia com base na seguinte equação (2,44)+(0,04)x(altura sentado). WOOD et al (1996) alega que nos homens o braço de alavanca da musculatura extensora varia entre 4,2 e 6,7 cm e que a distância do centro da coluna vertebral até o músculo reto abdominal varia entre 6,2 a 12,4 cm com média em 9 cm. Já DAGGFELDT & THORSTENSSON (2002) alegam que o braço de alavanca dos extensores varia de 5 a 5,3 cm. Já JORGENSEN et al (2001) relata que a distância do centro da articulação L5/S1 ao centro muscular, ou seja o braço 9

18 de alavanca da musculatura eretora da coluna pode ser calculado utilizando a seguinte equação (-3,39)-(0,016)x(altura sentado). Para calcular as forças de compressão (1), cisalhamento (2) e da força muscular (3), CHAFFIN & ANDERSSON (1991) preconizam a utilização das seguintes equações: Força de compressão: FC = cosα ( mg bw ) + FM FA (1) Para o cálculo da força de cisalhamento: FS = senα ( mg bw ) (2) Para o cálculo da força muscular: Sendo: FM = b ( mg bw ) D(Fa) (3) E FC = Força de compressão FM = Força muscular FS = Força de cisalhamento b = Distancia do centro de massa ao centro de da articulação L5/S1 D = Braço de alavanca da força abdominal E = Braço de alavanca dos músculos eretores da espinha MgBw = Massa do corpo acima de L5/S1 10

19 2.6 ERGONOMIA A ergonomia tem por objetivo maior estudar e analisar os padrões de comportamento como gestos e posturas entre outros, para adaptar o trabalho ao homem e não o homem ao trabalho, citado por BAÚ (2002). Para MIDORIKAWA et al. (1998) a aplicação dos conceitos ergonômicos é fundamental para que os profissionais da área odontológica possam desenvolver suas atividades da maneira mais adequada e saudável. Enfatizaram, no entanto, que maiores estudos se fazem necessários para tornar o ambiente de trabalho mais adaptado às atividades clínicas destes profissionais e a sua equipe auxiliar, utilizando-se móveis e equipamentos cada vez melhor projetados para tal finalidade. A International Standards Organization (ISO) e Federação Dentária Internacional (FDI) visando facilitar o entendimento da posição de trabalho do cirurgião dentista em relação a cadeira e ao equipo estabeleceram um gráfico em forma de relógio, que sistematiza as principais funções que o dentista pode adotar em relação ao paciente, sendo que o centro do relógio coincide com a boca do paciente, estando indicado atrás da cabeça do paciente a posição de 12 horas e ao seu lado direito a de 9 horas, sendo estas duas as mais utilizadas de acordo com BARROS (1999) e RIO (2001). RIO (2000), ressalta que os assuntos ergonômicos tem crescido de importância em todo o mundo, devido a fatores tais como questões éticas e jurídicas que valorizam o respeito às características e necessidades dos seres humanos no trabalho. Após uma avaliação ergonômica em postos de trabalho de cirurgiõesdentistas, avaliando o relacionamento de suas características com os sintomas músculo-esqueléticos relatados pelos profissionais relatou a recomendação de que os odontólogos devem escolher os equipamentos de trabalho mais adequados sob o ponto de vista ergonômico, com especial atenção para as características da cadeira do paciente, do mocho odontológico, do equipo, da instrumentação e armários odontológicos que compõem o ambiente clínico-cirúrgico. Segundo ARAÚJO (2001), 11

20 a atividade clínica odontológica conjugada com condições de trabalho inadequadas aumenta a exposição dos profissionais desta área a situações de risco para a ocorrência de distúrbios músculo-esqueléticos. 12

21 3 METODOLOGIA Participaram da coleta de dados dez acadêmicas do curso de odontologia (20,9 ± 4,79 anos; 1,63 ± 0,05 m; 55,3 ± 3,77 kg) de uma instituição de ensino superior de Odontologia de Curitiba-Pr. As voluntárias vestiram roupas de lycra escura para que um conjunto de marcas fossem fixadas sobre elas e pudessem ser visualizadas. Estas marcações foram colocadas nos centros articulares do tornozelo (sobre o maléolo lateral), cabeça (sobre o processo mastóide), joelho (ponto mais lateral da linha articular), quadril (ponta palpável do trocânter maior), ombro (ponto palpável mais lateral do acrômio), cotovelo (epicôndilo lateral), punho (processo estilóide), articulações L5/S1 e C7/T1 (respectivos processos espinhosos) conforme ilustrado na figura 1. Figura 1 Desenho esquemático das localizações articulares 13

22 Com a utilização de um equipo odontológico da marca Gnatus (Landus VZ-F) as voluntárias simularam o atendimento clínico de um paciente, realizando a inspeção bucal nas posições de 12 e 9 horas (FDI/ISO). A tarefa foi filmada no plano sagital, com uma câmera de vídeo (Sony TRV30 NTSC), perpendicularmente ao eixo axial do individuo e nivelada em relação ao solo, com o foco da lente à uma altura de 92 cm do solo e distante 2,5 m da borda do mocho clínico. As imagens coletadas foram digitalizadas utilizando-se um conversor digital-analógico (Pinnacle Studio 7.11 SE Linx). Para efeito de análise foi escolhido apenas o frame no qual a voluntária apresentava a maior inclinação do tronco. Neste frame as coordenadas bidimensionais (x,y) dos pontos anatômicos foram determinadas através de um software de análise gráfica (Corel Draw, v. 10) As coordenadas dos pontos anatômicos foram utilizadas para formar modelo biomecânico de 6 segmentos. Perna (tornozelo, joelho); Coxa (joelho, quadril); Pelve (quadril, L5/S1); Tronco (L5/S1, T7/T1); Cabeça (C7/T1, processo mastóide) e Membros superiores (ombro. cotovelo, mão). A partir destes pontos as seguintes variáveis foram determinadas: Ângulo do joelho (ângulo interno, formado pelos segmentos da perna e coxa), ângulo T (ângulo interno formado pelo quadril, ombro e linha vertical coincidindo com o ponto do quadril que é o vértice), ângulo 2 (ângulo interno do quadril, ombro e coxa, tendo como vértice o quadril), ângulo da cabeça (formado pelos segmentos da cabeça e olhos) e ângulo do pescoço (formado pelo quadril, centro de massa da cabeça e C7/T1, sendo esta o vértice), conforme o ilustrado na Figura 2.. Além dos ângulos citados foram calculados a força de compressão (FC), força de cisalhamento (FS), força muscular (FM), momento de força em C7/T1, L5/S1 e ombro; através do modelo proposto por CHAFFIN & ANDERSSON (1991) 14

23 Figura 2 Desenho esquemático com o posicionamento dos ângulos mensurados Os dados referentes às coordenadas e ângulos foram tabulados utilizando-se o software de análise estatística e matemática (Microsoft Excel 2000), e processados com base no modelo biomecânico de CHAFFIN & ANDERSSON (1991) adaptado pelo autor, como já mencionado. Para a análise estatística dos dados foi utilizado o teste não paramétrico de Wilcoxon que segundo SIGEL (1977), este teste é aplicável em amostras relacionadas quando o pesquisador deseja determinar se duas condições são diferentes, ela considera não só o sentido, mas o valor das diferenças. Para os cálculos foi utilizado o software Statistica

24 4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS 4.1 DESCRIÇÃO DOS RESULTADOS A tabela 1 sumariza os ângulos verificados nas posições de trabalho, assim como seu desvio padrão e valores máximos e mínimos encontrados. Tabela 1 Ângulos verificados nas posições de trabalho Ângulos encontrados ( º ) 12 horas (n=10) 9 horas (n=10) T K 2 Pescoço Cabeça T K 2 Pescoço Cabeça Média 11,4 91,3 93, ,9 16,1 101,6 93,8 113,2 131 Desvio padrão 5,2 14,7 4,9 10,97 9,34 6,7 18,2 8,4 10,6 15,2 Min Max O ângulo do tronco em relação à vertical (ângulo T) na posição de 12 horas foi inferior (p=0,028) ao encontrado na posição de trabalho de 9 horas, observou-se uma diferença média de 41 %. O ângulo 2 percebe-se que na média não houve variação entre as duas posições (p=0,878). O ângulo do joelho (K) na posição de trabalho de 9 horas, foi maior ao encontrado na posição de 12 horas; uma diferença média de 11,3% (p= 0,050), foi encontrada entre as posições. O ângulo de inclinação do pescoço na posição de trabalho de 12 horas apresentou semelhantes aos da posição de 9 horas obtendo uma diferença média de 0,7% (p=0,646). Na inclinação de cabeça nota-se um equilíbrio nas médias com uma diferença de apenas 0,07 % (p=0,952). Para mensurar as diferenças das posições de trabalho em 9 e 12 horas foram calculados os momentos de força principais que exercem ação sobre o corpo dos indivíduos avaliados. Estes dados estão dispostos na Tabela 2: 16

25 Tabela 2 Momentos de força encontrados nas posições de trabalho Momentos de Força ( Nm ) 12 horas (n=10) 9 horas (n=10) Momento Momento Momento Momento Momento Momento em L5/S1 em C7/T1 MMSS em L5/S1 em C7/T1 MMSS Média 52,5 6,3 4,7 57,9 6,0 5,4 Desvio padrão 8,2 0,9 1,3 8,3 1,1 2,3 Min 45,5 5,0 2,5 49,2 4,8 0,4 Max 73,4 7,6 6,4 74,6 8,0 8,0 O momento de força calculado para a articulação L5/S1 teve foi maior na condição de 9 horas, uma diferença média de 10,2 % (p=0,047) em relação a outra posição. Pode-se observar que o momento de forças em C7/T1, foi semelhante entre as posições, obtendo uma diferença de apenas 5,0 % (p= 0,168). Comparando os resultados encontrados calculando o momento de força exercido pelos membros superiores na articulação do ombro observa-se uma variação 14,9 % na média (p=0,50). Tabela 3 Forças calculadas em L5/S1 Forças calculadas ( N ) 12 horas (n=10) 9 horas (n=10) Muscular Cisalhamento Compressão Muscular Cisalhamento Compressão Média 2707,6 173,8 2924,8 2988,0 180,3 3198,3 dp 462,1 11,4 468,8 495,2 13,7 499,4 Min 2170,7 149,9 2372,3 2451,2 158,5 2659,3 Max 3684,5 193,2 3888,4 3775, ,6 A força muscular da musculatura eretora, a força de cisalhamento na articulação L5/S1 e a força de compressão (Tabela 3). Os valores médios 17

26 encontrados são maiores em 9 horas em relação ao de 12 horas, onde a força muscular alcançou uma diferença de 10,3 % (p=0,047). A força de cisalhamento apresentou diferença média de 3,7 % (p=0,036). E no calculo da força de compressão na média a diferença foi de 9,3% (p=0,047). 18

27 5 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Os estudos de epidemiologia das queixas de algias osteomusculares dos cirurgiões-dentistas, têm se detido em estudar as queixas e a metodologia de trabalho, estes mesmos estudos, salientam a importância do odontólogo em trabalhar utilizando preferencialmente as posições de 9 e 12 horas, porém o efeito destas posições não tem sido estudado. Neste estudo, percebeu-se uma tendência de maiores valores na posição de 9 horas em relação a de 12 horas, visto que nesta última o profissional atua com uma barreira a mais no seu trabalho que limita sua flexão de tronco, a cabeça do paciente. Surpreendentemente a posição mais inclinada de tronco não gerou diferenças nas angulações de cabeça e pescoço. Esperava-se que a estratégia utilizada fosse a de que quanto menos inclinado estivesse o tronco mais inclinado estivesse a cabeça e o pescoço, fato que não ocorreu, conforme pode ser visualizado nas figuras 3 e 4 e será discutido a seguir. Figura 3 Desenho esquemático da posição de 9 horas com as médias dos ângulos 19

28 Figura 4 Desenho esquemático da posição de 12 horas com as médias dos ângulos A atuação do cirurgião-dentista é rodeada de barreiras ergonômicas, seu campo de visão é dificultado, pois não é possível retirar a arcada dentária do paciente e coloca-la numa posição de trabalho ideal, ou seja, ele invariavelmente, quando trabalhando com os dentes no paciente, necessita se adaptar a estas dificuldades. Além de ter que desempenhar seus afazeres em dentes inclinados e posicionados dentro de uma cavidade que dificulta o acesso, tem ainda que atuar de forma a não se apoiar no paciente e manter os campos cirúrgicos não contaminados, o que exige que mantenha seus braços elevados e com contração muscular constante. E para visualizar o campo de trabalho necessita manter-se com a cabeça e o pescoço inclinado para frente, e muitas vezes somado a rotações e inclinações laterais para melhor visualizar os dentes, principalmente, os posteriores. Segundo BARROS (1999) e SMITH et al (2002) os dentistas mantém-se em flexão do pescoço e cabeça a maior parte do tempo, porém a metodologia empregada para a mensuração dos ângulos nestes trabalhos não foi elucidada, impedindo a possibilidade de discutir tais dados. 20

ANÁLISE BIOMECÂNICA COMPARATIVA DA POSTURA DE TRABALHO DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS

ANÁLISE BIOMECÂNICA COMPARATIVA DA POSTURA DE TRABALHO DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS ANÁLISE BIOMECÂNICA COMPARATIVA DA POSTURA DE TRABALHO DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS Alison Alfred Klein, F.T.; Maria Lúcia Leite Ribeiro Okimoto, Eng Dr., André Luis Felix Rodacki, E.F. Phd. Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ TÍTULO: PREVALÊNCIA DE DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADO AO TRABALHO EM CIRURGIÕES-DENTISTAS ATUANTES NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Ergonomia Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Postura Um dos caminhos para encontrar

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA 19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA Autor(es) GABRIELA MARGATO Orientador(es) GUANIS DE BARROS VILELA JÚNIOR Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP

Leia mais

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima PILATES E BIOMECÂNICA Thaís Lima RÍTMO LOMBOPÉLVICO Estabilidade lombopélvica pode ser definida como a habilidade de atingir e manter o alinhamento ótimo dos segmentos da coluna (lombar e torácica), da

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC 1 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC Thatiana Prado Brito* RESUMO Dentre as preocupações das empresas na melhoria da qualidade e competitividade

Leia mais

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria²

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria² V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 7 CONTRIBUIÇÕES DA GINÁSTICA LABORAL PARA A MELHORIA DA CONDIÇÃO FÍSICA DOS ORIENTADORES DE ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 Índice ÍNDICE...2 COMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 O QUE É A ERGONOMIA?...3 ERGONOMIA NO TRABALHO....3 POSIÇÕES CORRECTAS A TER NO TRABALHO....4 O EQUIPAMENTO ERGONÓMICO...6 MONITOR...7 TECLADOS E

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR OMBRO Membro Superior CINTURA ESCAPULAR COTOVELO Joel Moraes Santos Junior COLUNA - APLICAÇÃO PRÁTICA Condicionamento APTIDÃO FÍSICA Treinamento desportivo CARGA/IMPACTO Reabilitação

Leia mais

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Resumo No seu contexto geral a Ginástica Laboral procura promover a saúde e melhorar as condições dos

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

Dor nas costas é natural ou descuido?

Dor nas costas é natural ou descuido? 1 FOLHAS Escola: E. E. Prof. Léo Kohler Ensino Fundamental NRE: Cianorte Nome do professor: Reginaldo Dimas R. Longo e-mail: reginaldodimas@seed.pr.gov.br Nome do professor orientador: Prof. Dr. Pedro

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA 060 / 2001. ASSUNTO: Ergonomia indicação de postura a ser adotada na concepção de postos de trabalho.

NOTA TÉCNICA 060 / 2001. ASSUNTO: Ergonomia indicação de postura a ser adotada na concepção de postos de trabalho. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COORDENAÇÃO DE NORMALIZAÇÃO Brasília, 03 de setembro de 2001 NOTA TÉCNICA 060 / 2001 ASSUNTO:

Leia mais

A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA A ERGONOMIA NA SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM SOBRE A SÍNDROME DO IMPACTO DO OMBRO NO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA Pedro Ferreira Reis Antonio Renato Pereira Moro 1 Introdução No mundo contemporâneo, percebe-se

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

Coluna no lugar certo Fisioterapeutas utilizam método que reduz dores nas costas em poucas sessões e induz paciente a fazer exercícios em casa

Coluna no lugar certo Fisioterapeutas utilizam método que reduz dores nas costas em poucas sessões e induz paciente a fazer exercícios em casa Atualizado aos domingos ESTADO DE MINAS Coluna no lugar certo Fisioterapeutas utilizam método que reduz dores nas costas em poucas sessões e induz paciente a fazer exercícios em casa Ellen Cristie Dores

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA WELLINTON GONÇALVES DO SANTOS ¹ RICARDO BASÍLIO DE OLIVEIRA CALAND² LUCIANA ALVES BRANDÃO³ SONNALE DA SILVA ARAÚJO4 RESUMO A dor lombar é um mal recorrente

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Movimentos da coluna vertebral A coluna vertebral como um todo se apresenta como uma articulação que possui macromovimentação em seis graus de liberdade: flexão, extensão, láteroflexão esquerda,

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

A interface tecnológica nas atividades ocupacionais dos cirurgiões-dentistas: Uma abordagem do design ergonômico

A interface tecnológica nas atividades ocupacionais dos cirurgiões-dentistas: Uma abordagem do design ergonômico A interface tecnológica nas atividades ocupacionais dos cirurgiões-dentistas: Uma abordagem do design ergonômico Technological interface in the dentists professional activities: Ergonomics design boarding

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL 1 ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL Aurélio Alfieri Neto Juliana Navarro Lins de Souza A bioenergética procura entender o caráter do indivíduo pelo corpo e seus processos energéticos, sendo estes,

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA (1), BRUNO BORSATTO (2), RODRIGO EDUARDO CATAI (3) (1) Mestrado em Engenharia Civil / UTFPR

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral A Coluna Verterbral É o maior segmento corporal (40% Altura) É como uma haste elástica modificada Proporciona suporte, proteção e flexibilidade Formado por 33 vértebras, 24 móveis. 4 curvas, que dão equilíbrio

Leia mais

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura.

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura. 13/05/2004-05h31 Atividades físicas trazem riscos ocultos para o corpo KATIA DEUTNER Free-lance para a Folha de S.Paulo Você sabe: eles fazem bem ao coração, aos ossos, ao colesterol, à pressão, às articulações,

Leia mais

NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA

NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA Não importa se você ainda usa uma Honda 55 para andar na sua propriedade, ou se você tem uma grandalhona Gold Wing ou uma velha roncadora Harley Panhead.

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1 INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1 Luciana de Oliveira Forte 2 Inês Alessandra Xavier Lima 3 Resumo Este estudo teve como objetivo analisar a influência

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

AULA 1 ERGONOMIA E ODONTOLOGIA A 4 MÃOS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI

AULA 1 ERGONOMIA E ODONTOLOGIA A 4 MÃOS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 1 ERGONOMIA E ODONTOLOGIA A 4 MÃOS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI PROF. ESP. RICHARD SBRAVATI BREVE CURRÍCULO Cirurgião Dentista Unicamp. Especialista em Dentística Restauradora-Unicamp.

Leia mais

MANUAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ERGONOMIA

MANUAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ERGONOMIA MANUAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ERGONOMIA Autor : Geraldo Assis Cardoso Produto Vinculado ao Programa de Mestrado em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente do UniFOA Manual de treinamento ao Comitê

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 79 à 88

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 79 à 88 Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 79 à 88 ERGONOMIA APLICADA EM MOBILIÁRIO DE SECRETÁRIA Josiane Lino da Silva 1 Cristina Freire da Silva 2 RESUMO A presente pesquisa

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens.

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens. 1 Estudo comparativo do nível de força isométrica e estabilidade da musculatura do core entre indivíduos praticantes de treinamento funcional e de musculação. Resumo: O presente estudo teve como objetivo

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE.

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE. OBJETIVOS: O aluno deverá ser capaz de identificar as principais doenças da coluna lombar assim como avaliação e prescrição de conduta fisioterápica pertinente. LER: O que é Hérnia de disco? A coluna vertebral

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

No contexto epidemiológico do Brasil, as alterações da. Postura Corporal e Qualidade de Vida na Escola

No contexto epidemiológico do Brasil, as alterações da. Postura Corporal e Qualidade de Vida na Escola 8 Postura Corporal e Qualidade de Vida na Escola Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física - Unicamp Estela Marina Alves Boccaletto Mestre em Educação Física - Unicamp Frederico Tadeu Deloroso

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO Aline Aparecida

Leia mais

A BIOMECÂNICA DO SOCO DIRETO DO KARATE

A BIOMECÂNICA DO SOCO DIRETO DO KARATE III Congresso de Iniciação Científica do CEFET-RN Natal - RN - 2005. A BIOMECÂNICA DO SOCO DIRETO DO KARATE S.M.N.T. Melo 1, A.M.A.Pessoa 2, J.H. Souza 3 1- Gerência de Formação CEFET-RN Ensino Médio E-mail:

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA HIPOCONVERGÊNCIA OCULAR NA POSTURA CRANIOCERVICAL E NO RECRUTAMENTO DOS FLEXORES PROFUNDOS CERVICAIS EM INDIVÍDUOS ASSINTOMÁTICOS

INFLUÊNCIA DA HIPOCONVERGÊNCIA OCULAR NA POSTURA CRANIOCERVICAL E NO RECRUTAMENTO DOS FLEXORES PROFUNDOS CERVICAIS EM INDIVÍDUOS ASSINTOMÁTICOS INFLUÊNCIA DA HIPOCONVERGÊNCIA OCULAR NA POSTURA CRANIOCERVICAL E NO RECRUTAMENTO DOS FLEXORES PROFUNDOS CERVICAIS EM INDIVÍDUOS ASSINTOMÁTICOS Bruno Meloni de Moraes, Fisioterapeuta, Graduado pelo Centro

Leia mais

As Lesões por esforços repetitivos em cirugiões-dentistas: síndrome do impacto uma abordagem ergonômica

As Lesões por esforços repetitivos em cirugiões-dentistas: síndrome do impacto uma abordagem ergonômica As Lesões por esforços repetitivos em cirugiões-dentistas: síndrome do impacto uma abordagem ergonômica Resumo Marianella Aguillar Ventura Fadel (UFSC) maya@ccs.ufsc.br Louise Pietrobon (UFSC) isepietro@terra.com.br

Leia mais

ESTUDO DAS IMPLICAÇÕES NA POSTURA SENTADA DURANTE ANÁLISE MICROSCÓPICA EM UM LABORATÓRIO DE UNIVERSIDADE.

ESTUDO DAS IMPLICAÇÕES NA POSTURA SENTADA DURANTE ANÁLISE MICROSCÓPICA EM UM LABORATÓRIO DE UNIVERSIDADE. ESTUDO DAS IMPLICAÇÕES NA POSTURA SENTADA DURANTE ANÁLISE MICROSCÓPICA EM UM LABORATÓRIO DE UNIVERSIDADE. Elizabeti de Matos Massambani Unipar - Praça Mascarenhas de Moraes s/n, CEP 87.502-210, Umuarama-PR

Leia mais

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC Corrêa 1, Renan Braz 2, André Luiz de Oliveira RESUMO A flexibilidade é uma das

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* 1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1

!#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0*  1ê#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1 ! *!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* "#$%&'!(#!)$*#$+,&-,.!/'(#0,*#1!#!"-2$3-,4!5'3-,-4!670-3,(,4!8!")"5! )$*#$+,&-,!9-'1:(-3,!;!1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;?@** < '! =>,(&-1#4%&#!

Leia mais

CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira

CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira NOÇÕES BÁSICAS DE ANATOMIA E FISIOLOGIA Identificação das Limitações do Organismo Humano Sabendo-se que a Ergonomia tem por objetivo adequar o trabalho às características

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: análise postural, software Alcimagem, desvios laterais.

RESUMO. Palavras chave: análise postural, software Alcimagem, desvios laterais. ANALISE COMPARATIVA DA POSTURA DOS ACADÊMICOS DOS CURSOS DE DIREITO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS, FISIOTERAPIA E EDUCAÇÃO FÍSICA DAS FACULDADES SUDAMÉRICA DE CATAGUASES-MG Fernanda Martins Cazeta Lacerda Graduada

Leia mais

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH - COMPOSIÇÃO: 24 Corpos Vertebrais 5 Fusionadas Sacro 4 Cóccix 23 Discos Intervertebrais - FUNÇÕES 1. Postura 2. Movimento e Locomoção

Leia mais

Os Benefícios da Estabilização Pélvica

Os Benefícios da Estabilização Pélvica Os Benefícios da Estabilização Pélvica Critérios ergonômicos para o design da Aeron Chair por Bill Stumpf, Don Chadwick, e Bill Dowell Uma cadeira de trabalho deve preservar o alinhamento natural da coluna,

Leia mais