Modo de produção capitalista

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modo de produção capitalista"

Transcrição

1 ECONOMIA POLÍTICA Material didático preparado pela professora Camila Manduca para a disciplina Economia política, baseado no capítulo 4 Modo de produção capitalista, do livro Economia política: uma introdução crítica, de J osé Paulo Netto e Marcelo Braz.

2 Modo de produção capitalista MPC =Modo de produção capitalista O MPC é planetário O lucro é o objetivo primordial, o motivo e razão de ser do capitalista FT =Força de trabalho =capacidade humana de trabalhar No MPC a Força de trabalho é uma mercadoria, que pode ser comprada e pode ser vendida O sistema capitalista se ocupa da produção de mercadorias O MPC é o modo de produção de mercadorias

3 Modo de produção capitalista O valor de uma mercadoria é determinado pelo tempo de trabalho socialmente necessário para sua produção (lei do valor) O trabalhador não possui os meios de produção (máquinas ferramentas, matéria-prima etc) Para viver o trabalhador precisa vender a única mercadoria que possui: sua Força de trabalho (FT) Como a Força de trabalho é uma mercadoria, o valor da mercadoria Força de trabalho, como o de qualquer outra mercadoria, é determinado pelo tempo para sua produção

4 Como calcular o valor da mercadoria Força de trabalho (FT)? O valor da mercadoria FT é calculado pelo valor total de tudo que for necessário para a manutenção física (sobrevivência) do trabalhador e de sua família Ou seja, a soma das necessidades para manter o trabalhador e sua família vivos O nome do valor da mercadoria FT é salário

5 Salário Salário é o preço da mercadoria força de trabalho Como qualquer outra mercadoria o capitalista quer comprar a mercadoria FT pelo menor preço possível Quando há muita oferta de FT, o preço dos salários é forçado para baixo Quando há pouca oferta de FT (os trabalhadores estiverem organizados, por exemplo) pressionam o preço dos salários para cima O trabalho assalariado é típico do MPC e traz a falsa ideia de que o trabalhador recebe a remuneração integral pelo seu trabalho, parece uma troca justa

6 Como é calculado o salário? O cálculo do salário nada tem a ver com a produção do trabalhador dentro da fábrica, mas é a soma das condições necessárias para que o trabalhador produza e se reproduza Esse total que o trabalhador recebe, na forma de salário, ele pode produzir em parte de um dia de trabalho Isso significa que apenas parte do tempo o trabalhador está trabalhando para ele próprio

7 Como é calculado o salário? O resto do tempo o trabalhador estará trabalhando para produzir riquezas que serão acumuladas pelo capitalista A diferença entre o que o trabalhador recebe de salário e o valor total das mercadorias que o trabalhador produz tem o nome de maisvalia Mais valia =mais valor =tempo de trabalho excedente =trabalho não pago

8 POR EXEMPLO: Um trabalhador é contratado para trabalhar oito horas por dia na fábrica. Em troca, o trabalhador recebe de salário 100 reais por dia para trabalhar. Mas em oito horas de trabalho dentro da fábrica o trabalhador produz 200 reais em mercadorias Significa que em 4 horas o trabalhador já produziu o valor para pagar seu salário, o resto do tempo (as outras 4 horas) é tempo de trabalho não pago. A mais valia é apropriada pelo capitalista. Nesse exemplo a mais valia extraída (retirada) é de 100 reais

9 Formas de extração de mais valia Por razões que veremos depois (no capítulo 5), o objetivo do capitalista é lucrar sempre e mais Por isso, sempre interessa ao capitalista aumentar a mais valia O capitalista tem dois caminhos para aumentar a mais valia: Primeiro: a extração de mais valia absoluta (aumentar a jornada de trabalho) Segundo: a extração de mais valia relativa (aumentar a produtividade)

10 Comando do capital O capitalista comanda o processo de produção Ele precisa fazer isso para conseguir retirar o máximo de mais valia do trabalhador Mas não foi sempre assim: o capitalista conquistou o comando do processo de produção aos poucos 1ª passo do capitalista para conquistar comando do capital: trabalhador detém o saber fazer 2º passo: proibição das corporações de ofício 3º passo: cooperação: todos os trabalhadores reunidos sob o mesmo teto 4º passo: expropriação do saber fazer dos trabalhadores 5º passo: divisão social do trabalho (divisão do trabalho em várias tarefas simples)

11 Capital constante e capital variável Capital é o dinheiro investido na produção Para produzir mercadorias o capitalista precisa comprar meios de produção (fábricas, máquinas, instrumentos, ferramentas, matéria-prima, insumos) O nome do capital investido para comprar os meios de produção é chamado de capital constante (é constante porque o valor dele não varia ao longo do processo de produção)

12 Capital constante e capital variável Além dos meios de produção, para produzir mercadorias novas o capitalista precisa comprar a mercadoria força de trabalho (FT), ele faz isso por meio do pagamento do salário (o valor de troca da mercadoria FT é o salário) A parte do capital que o capitalista investe para comprar a mercadoria força de trabalho (FT) é chamada de capital variável (porque é um capital investido que aumenta ao longo do processo de produção, porque o valor de uso de uso da mercadoria força de trabalho é produzir um valor maior do que ela custa)

13 Trabalho vivo e trabalho morto Para produzir uma mercadoria nova são necessárias várias outras mercadorias que já foram produzidas antes dela Essas várias mercadorias produzidas antes para que uma mercadoria nova seja produzida são os meios de produção, capital constante, trabalho morto (trabalho já realizado) A Força de trabalho (FT), capital variável, é trabalho vivo (força de trabalho em ação no momento em que o trabalho em que o trabalho está sendo realizado)

14 Trabalho concreto e trabalho abstrato O trabalho concreto são os diversos trabalhos que existem concretamente na realidade para produzir um produto específico. O trabalho concreto refere-se ao valor de uso (a utilidade) do trabalho, para o que ele serve, o que ele está produzindo O trabalho abstrato não olha para a utilidade diferente de cada trabalho existente na realidade, olha que todos são iguais em um ponto: sua força de trabalho pode ser comprada e vendida, por meio do salário

15 Trabalho simples e trabalho complexo Todo trabalho é gasto de energia física e mental Trabalho simples é gasto de energia física e mental Trabalho complexo é o gasto de energia física e mental potenciado (o trabalho complexo é complexo porque requer mais tempo para ser feito do que um trabalho simples) Através da comparação de trabalhos diferentes é possível determinar qual é simples e qual é complexo

16 Trabalho produtivo e trabalho improdutivo Trabalho produtivo é o trabalho que é indispensável para a produção de mercadorias. O trabalho produtivo cria diretamente valor que pode ser apropriado pelo capitalista Trabalho improdutivo é o trabalho que permite ao capitalista apropriar-se de parte do valor criado na produção

17 Repartição da mais valia A mais valia extraída do trabalhador é repartida entre: Lucro industrial: parte da mais valia que fica com o capitalista industrial que comandou o processo de produção Lucro bancário: parte da mais valia que vai para os banqueiros que financiaram o processo de produção emprestando dinheiro ao capitalista industrial e cobrando juros Lucro comercial: é a parte da mais valia cedida aos comerciantes, que vendem as mercadorias produzidas pelas indústrias

18 A fórmula é D M D A fórmula que expressa essa forma de produzir mercadorias do capitalismo baseada na exploração da força de trabalho para extrair mais valia é: D M D Podemos também expressar essa fórmula mais detalhadamente da seguinte maneira: D M M D Ou seja: DINHEIRO investido na produção compra todas as MERCADORIAS necessárias (meios de produção e força de trabalho) produz uma MERCADORIA nova que vendida se transforma em DINHEIRO acrescido

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

Tratamento das Receitas e Despesas Financeiras

Tratamento das Receitas e Despesas Financeiras Tratamento das Receitas e Despesas Financeiras! Onde considerar a despesa financeira?! A receita financeira é ou não operacional?! Faz sentido apresentar as receitas financeiras líquidas das despesas?

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

4.5.3 - Exemplo 3: Planejamento financeiro de curto prazo

4.5.3 - Exemplo 3: Planejamento financeiro de curto prazo Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Pesquisa Operacional Formulação de Problemas Interessantes Exemplo 03 Planejamento financeiro de curto prazo Prof. Dr. José

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Trabalho e exploração Educação - Cortadores de cana.

PALAVRAS-CHAVE: Trabalho e exploração Educação - Cortadores de cana. ISSN: 1981-3031 O MODO DE PRODUCÃO CAPITALISTA E A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO NA AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA E SUA RELAÇÃO NAS CONDIÇÕES DE EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR DO CORTE DA CANA ¹ Rosangela de Araujo RESUMO

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

O capital enquanto relação social

O capital enquanto relação social 1 O capital enquanto relação social Pablo Bielschowsky (UCB, UFF) Resumo O artigo busca recuperar o debate sobre o capital enquanto relação social. A primeira parte do texto argumenta que a teoria do fetichismo

Leia mais

FARMÁCIAS EM DISPONIBILIDADE

FARMÁCIAS EM DISPONIBILIDADE Concelho de OLHÃO - Mês de Janeiro de 2014 1/12 Concelho de OLHÃO - Mês de Fevereiro de 2014 2/12 Concelho de OLHÃO - Mês de Março de 2014 3/12 Concelho de OLHÃO - Mês de Abril de 2014 4/12 Concelho de

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA MARK UP

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA MARK UP FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA MARK UP KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA 1 katthsouza@gmail.com PROF. HEBER LAVOR MOREIRA 2 heber@peritocontador.com.br 1. INTRODUÇÃO A revolução dos serviços na economia mundial,

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO Fones: (83) 2-92 / 2-925 MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO Marcelo Alves de Barros, Dr. mbarros@computacao.ufcg.edu.br Este documento em forma de roteiro apresenta o conteúdo de referência para a elaboração do

Leia mais

CMV Custo de Mercadoria Vendida

CMV Custo de Mercadoria Vendida CMV Custo de Mercadoria Vendida Guia para Food Service Restaurante & Pizzarias Apresentação Para manter sempre os parceiros alinhados com as informações do mercado, a PMG criou este guia falando um pouco

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Como desenvolver o seu plano empresarial

Como desenvolver o seu plano empresarial PLANO EMPRESARIAL Como desenvolver o seu plano empresarial l Esta apresentação tem por objetivo sugerir a criação de um plano empresarial focando q Anatomia de um plano empresarial q Base para a automatização

Leia mais

Classes e contradições no urbano capitalista: fundamentos de uma especificidade histórica*

Classes e contradições no urbano capitalista: fundamentos de uma especificidade histórica* Classes e contradições no urbano capitalista: fundamentos de uma especificidade histórica* Elton Rafael Lorena** Resumo: O presente artigo visa fazer uma primeira aproximação teórica aos problemas concernentes

Leia mais

Do cadastramento da Instituição de Ensino:

Do cadastramento da Instituição de Ensino: DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO E CURSOS DE NÍVEL MÉDIO E SUPERIOR,. NO ÂMBITO DAS PROFISSÕES INSERIDAS NO SISTEMA ONFEA/CREA, PARA CONCESSÃO DE TÍTULOS, ATRIBUIÇÕES

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

1. Função Financeira 2. Modelo Sistêmico da Função Financeira 3. Principais Atribuições do Administrador Financeiro

1. Função Financeira 2. Modelo Sistêmico da Função Financeira 3. Principais Atribuições do Administrador Financeiro 3. Função Financeira Conteúdo 1. Função Financeira 2. Modelo Sistêmico da Função Financeira 3. Principais Atribuições do Administrador Financeiro 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração

Leia mais

TRABALHO DO MOTOBOY NA CIRCULAÇÃO: improdutivo e necessário ao processo de valorização ABSTRACT

TRABALHO DO MOTOBOY NA CIRCULAÇÃO: improdutivo e necessário ao processo de valorização ABSTRACT TRABALHO DO MOTOBOY NA CIRCULAÇÃO: improdutivo e necessário ao processo de valorização Vivian Lúcia Rodrigues de Oliveira 1 RESUMO O artigo apresentado tem como objetivo discutir a categoria do trabalho

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

JOGO DA VIDA DICA AOS ADULTOS: LEIA AS INSTRUÇÕES A SEGUIR COM ATENÇÃO E AO MESMO TEMPO VÁ JOGANDO COM A CRIANÇA

JOGO DA VIDA DICA AOS ADULTOS: LEIA AS INSTRUÇÕES A SEGUIR COM ATENÇÃO E AO MESMO TEMPO VÁ JOGANDO COM A CRIANÇA JOGO DA VIDA DICA AOS ADULTOS: LEIA AS INSTRUÇÕES A SEGUIR COM ATENÇÃO E AO MESMO TEMPO VÁ JOGANDO COM A CRIANÇA A PARTIR DE 8 ANOS PARA 2 A 8 JOGADORES Contém: - 01 tabuleiro - 8 carrinhos - 32 pinos

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

DESIGUALDADE SOCIAL E CAPITALISMO: os limites da igualdade sob a ordem burguesa

DESIGUALDADE SOCIAL E CAPITALISMO: os limites da igualdade sob a ordem burguesa DESIGUALDADE SOCIAL E CAPITALISMO: os limites da igualdade sob a ordem burguesa Joseane Gomes Figueiredo 1 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo discutir as raízes materiais da desigualdade social

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista As determinações do trabalho no modo de produção capitalista Amanda Larissa Magalhães Ferreira 1 Luciene de Barros correia Teotonio 2 Sanney Karoliny Calixto Barbosa 3 Resumo: O presente artigo tem como

Leia mais

PROPOSTA LEGISLATIVA DE CRIAÇÃO DE CONTA CORRENTE ESPECÍFICA COM AS MESMAS CONDIÇÕES FISCAIS CONCEDIDAS AOS PLANOS DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

PROPOSTA LEGISLATIVA DE CRIAÇÃO DE CONTA CORRENTE ESPECÍFICA COM AS MESMAS CONDIÇÕES FISCAIS CONCEDIDAS AOS PLANOS DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PROPOSTA LEGISLATIVA DE CRIAÇÃO DE CONTA CORRENTE ESPECÍFICA COM AS MESMAS CONDIÇÕES FISCAIS CONCEDIDAS AOS PLANOS DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CASSIANO LUIZ CRESPO ALVES NEGRÃO Consultor Legislativo da Área

Leia mais

Tema 3: Finanças. Assunto 3: Diagnóstico financeiro. Unidade 1: Diagnosticando a situação financeira

Tema 3: Finanças. Assunto 3: Diagnóstico financeiro. Unidade 1: Diagnosticando a situação financeira Tema 3: Finanças Assunto 3: Diagnóstico financeiro Unidade 1: Diagnosticando a situação financeira Olá, caro(a) aluno(a). Este material destina-se ao seu uso como aluno(a) inscrito(a) no Curso Aprender

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LAVANDERIA ESPECIALIZADA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LAVANDERIA ESPECIALIZADA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LAVANDERIA ESPECIALIZADA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

Exercícios de Fixação Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle

Exercícios de Fixação Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Disciplina: TCC-00.7 Prog. de Computadores III Professor: Leandro Augusto Frata Fernandes Turma: A- Data: / / Exercícios de Fixação Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle. Construa um algoritmo

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06169/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 05 de maio de 2006 Referência: Ofício n 1873/2006/SDE/GAB de 25 de abril de 2006. Assunto: ATO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Palavras-chave Financiar a Inovação, business angels, venture capital, investimento inicial, fundos públicos, empreendedores, fundadores

Palavras-chave Financiar a Inovação, business angels, venture capital, investimento inicial, fundos públicos, empreendedores, fundadores 8 Financiamento da Inovação 8.1 Fontes de financiamento da Inovação Palavras-chave Financiar a Inovação, business angels, venture capital, investimento inicial, fundos públicos, empreendedores, fundadores

Leia mais

ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E INVESTIMENTO DE UMA FÁBRICA DE CASCÕES DE SORVETES

ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E INVESTIMENTO DE UMA FÁBRICA DE CASCÕES DE SORVETES ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E INVESTIMENTO DE UMA FÁBRICA DE CASCÕES DE SORVETES Cristina Raquel Reckziegel (FAHOR) cr000900@fahor.com.br Gezebel Marcela Bencke (FAHOR) gb000888@fahor.com.br Catia Raquel

Leia mais

Módulo 4. Instruções for, while e do/while. Algoritmos e Estruturas de Dados I C++ (Rone Ilídio)

Módulo 4. Instruções for, while e do/while. Algoritmos e Estruturas de Dados I C++ (Rone Ilídio) Módulo 4 Instruções for, while e do/while Algoritmos e Estruturas de Dados I C++ (Rone Ilídio) Estrutura de repetição for Repete uma seqüência de comando O número de vezes que ocorrerá a repetição é controlado

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 4º Encontro - 27/02/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - ATIVIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo 2 2 pts) A Cia Roupas de Festa coloca no mercado seu produto principal ao preço unitário de R$ 86,75 isento de IPI, mas com ICMS de 17%. O custo variável nessa produção alcança R$ 54,00. A Cia está conseguindo

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 Revisão para prova: Comandos de Entrada e Saída Estruturas de Decisão (Se, caso (escolha)) Laços de Repetição (Enquanto, Repita, Para) Relembrando Trabalho 1 Prazo de

Leia mais

Janeiro 2013 v1.2/dbg

Janeiro 2013 v1.2/dbg DBGEP Alteraço es para 2013 Janeiro 2013 v1.2/dbg Introdução... 3 Faturação... 4 Alterações legislativas... 4 Alterações no software... 5 A Subsídios e Propinas... 5 F - Faturação... 7 Processamento de

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas GESTÃO DE MÉTRICAS 2010 Sistema de Gestão de Métricas SUMÁRIO Sumá rio Introduçá o 1 Processos de Nego cios 2 Instáláçá o 3 Operáçá o 4 Mánutençá o 29 Informáço es de contáto 41 INTRODUÇÃO Introduçá o

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DE PROJETOS

AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DE PROJETOS Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO

Leia mais

Arquivos. Em relação ao Scilab, existem alguns tipos de arquivos que podem ser lidos, criados ou modificados.

Arquivos. Em relação ao Scilab, existem alguns tipos de arquivos que podem ser lidos, criados ou modificados. Arquivos Arquivos correspondem a unidades de armazenamento, tipicamente gravados em unidades de memória secundária. Sistemas operacionais, como Linux ou Windows, permitem que arquivos sejam criados e recuperados

Leia mais

Aplicações da FPA em Insourcing e Fábrica de Software

Aplicações da FPA em Insourcing e Fábrica de Software Aplicações da FPA em Insourcing e Fábrica de Software Copyright 2002 por FATTO CONSULTORIA E SISTEMA LTDA. Esta publicação não poderá ser reproduzida ou transmitida por qualquer modo ou meio, no todo ou

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Proteção e Participação da Sociedade Março/2015 Lubrificante deterioração contaminação Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado OLUC

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Demonstrativo do Fluxo de Caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Fluxo de Caixa Caixa = caixa em espécie, dinheiro em banco e investimentos de curto prazo.

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06227/2005/RJ COGPI/SEAE/MF 30 de maio de 2005 Referência: Ofício nº 2419/2005/SDE/GAB, de 23 de maio de 2005 Assunto: ATO

Leia mais

23/10/2015 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA. Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa

23/10/2015 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA. Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROJETO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc FLUXO DE CAIXA Apresentar o modelo de Fluxo de Caixa 1 CAPITAL DE GIRO E FLUXO DE CAIXA CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CAPITAL

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Peter Drucker diz que administrar é manter as organizações coesas, fazendo-as funcionar.

Peter Drucker diz que administrar é manter as organizações coesas, fazendo-as funcionar. 1º material O que é Administração Financeira? A administração financeira é a disciplina que trata dos assuntos relacionados à administração das Finanças de empresas e organizações. Ela está diretamente

Leia mais

Fixação de Texto..José Sintra Martinheira Transcrição...Jorge Fernandes do Nascimento Índice...Manuel Faria. AHU_CU_Açores, Cx. 31, doc.

Fixação de Texto..José Sintra Martinheira Transcrição...Jorge Fernandes do Nascimento Índice...Manuel Faria. AHU_CU_Açores, Cx. 31, doc. Vila Nova do Topo Fixação de Texto..José Sintra Martinheira Transcrição.....Jorge Fernandes do Nascimento Índice........Manuel Faria AHU_CU_Açores, Cx. 31, doc. 2 V i l a No v a d o To p o 511 ÍNDICE

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL NO CONTEXTO DOS ENSINOS MÉDIO E TÉCNICO EM UMA ISNTITUIÇÂO DE ENSINO.

DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL NO CONTEXTO DOS ENSINOS MÉDIO E TÉCNICO EM UMA ISNTITUIÇÂO DE ENSINO. TL 023 DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL NO CONTEXTO DOS ENSINOS MÉDIO E TÉCNICO EM UMA ISNTITUIÇÂO DE ENSINO. DJANE SANTIAGO DE JESUS;CARLA RENATA SANTOS DOS SANTOS; GENICE

Leia mais

Exercícios - Rateio dos Custos Indiretos

Exercícios - Rateio dos Custos Indiretos Exercícios - Rateio dos Custos Indiretos Exercício 1 A empresa Tico e Teco apresentou os seguintes gastos no período de janeiro de 200x: Supervisão da fábrica R$ 23.000,00 Mão-de-obra do produto X R$ 220.000,00

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução das questões de MATEMÁTICA da prova para o cargo de Técnico Bancário do Banco da Amazônia (BASA) 2015. Caso você entenda

Leia mais

Faculdade Politécnica POLICAMP Sistemas de Informação 7º Semestre Economia e Finanças Aula 02 Prof. Carlos A. B. Viviani Email: carlosviviani@policamp.edu.br Microeconomia O termo Microeconomia designa

Leia mais

Função E. Excel 2007 Avançado. Sintaxe: Onde: Objetivo : 22 anos ou mais e casadas maiores de 21 anos.

Função E. Excel 2007 Avançado. Sintaxe: Onde: Objetivo : 22 anos ou mais e casadas maiores de 21 anos. Função E É utilizada para testar se os argumentos envolvidos são ou não verdadeiros, o resultado desta função retornará verdadeiro somente se todos os argumentos que compõem a função são verdadeiros, basta

Leia mais

Mitos e Verdades para não mexer em seus investimentos

Mitos e Verdades para não mexer em seus investimentos Mitos e Verdades para não mexer em seus investimentos Mudar é sempre um desafio para as pessoas. É da natureza humana temer qualquer coisa que esteja fora da zona de conforto. Crianças assistem dezenas

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO LIVRO SALÁRIOS, DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO E CRESCIMENTO EQUITATIVO

APRESENTAÇÃO DO LIVRO SALÁRIOS, DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO E CRESCIMENTO EQUITATIVO APRESENTAÇÃO DO LIVRO SALÁRIOS, DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO E CRESCIMENTO EQUITATIVO Alves da Rocha GENÉRICO O Papa Francisco recentemente escreveu no Twitter do Romano Pontífice que a desigualdade é a

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2014 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2015 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06151/2005/RJ COGPI/SEAE/MF 08 de abril de 2005 Referência: Ofício nº 1483/2005/SDE/GAB, de 30 de março de 2005 Assunto:

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi Apostila de Fundamentos de Programação I Prof: André Luiz Montevecchi Introdução O mundo atual é dependente da tecnologia O uso intenso de diversos aparatos tecnológicos é parte integrante do nosso dia-a-dia

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada 2ª parte

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada 2ª parte Conhecimentos Bancários Item 2.3.5- Previdência Privada 2ª parte PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA FECHADA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA São planos previdenciários que permitem

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança 03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança Render 5 Vezes Mais por Leandro Sierra Índice Apresentação...03 Introdução... 04 Passo 1...05 Passo 2... 08 Educação Financeira para a Segurança do seu Investimento...

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Relatório de Demandas Externas n 00220000037-2008-17 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS Vimos que a variação de um capital ao longo do tempo pode ser ilustrada em uma planilha eletrônica. No

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

DECOMTEC. DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC. DECOMTEC - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho - Departamento de Competitividade e Tecnologia POR QUE EMPRESAS INOVADORAS CRESCEM MAIS? José Ricardo Roriz Coelho Novembro de 2012 1 Sumário 1. Quais são os fatores que influenciam o potencial de inovação

Leia mais

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE DESPACHO ADUANEIRO DE MERCADORIAS

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE DESPACHO ADUANEIRO DE MERCADORIAS MERCOSUL/CMC/DEC Nº 16/94 NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE DESPACHO ADUANEIRO DE MERCADORIAS TENDO EM VISTA: o art. 13 do Tratado de Assunção, o art. 10 da Decisão 4/91 do Conselho do Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

DECIFRANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA NO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

DECIFRANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA NO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DECIFRANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA NO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Emerson Blum Corrêa Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG emer_jf@hotmail.com Andrielli Desselmann Universidade Estadual de Ponta

Leia mais

ENTENDENDO CUSTOS, DESPESAS E PREÇO DE VENDA

ENTENDENDO CUSTOS, DESPESAS E PREÇO DE VENDA ENTENDENDO CUSTOS, DESPESAS E PREÇO DE VENDA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 CENÁRIO ATUAL O mercado cada vez mais competitivo. Preocupação dos empresários com seus custos. Política

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO Composição e Mecanismos de Determinação do Custo do Produto O Custo de cada produto lançado no estoque é composto de matéria-prima consumida (MPC), mão-de-obra diretamente relacionada com a produção (MOD)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais