O PAPEL DO CIRURGIÃO-DENTISTA NO ABANDONO DO HÁBITO DO FUMO The role of the dental team at quitting smoking

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DO CIRURGIÃO-DENTISTA NO ABANDONO DO HÁBITO DO FUMO The role of the dental team at quitting smoking"

Transcrição

1 R. Periodontia - Dezembro Volume 19 - Número 04 O PAPEL DO CIRURGIÃO-DENTISTA NO ABANDONO DO HÁBITO DO FUMO The role of the dental team at quitting smoking Ecinele Francisca Rosa 1, Gislene Inoue 2, Ricardo Koji Takano 2, Paulo Henrique Boulitreau Assirati 2, Priscila Corraini 3, Verônica Franco de Carvalho 3, Cláudio Mendes Pannuti 4, Giorgio de Micheli 5 RESUMO O fumo representa a maior causa de morte e invalidez passível de prevenção. É também o maior fator de risco na prevalência, extensão e gravidade das doenças periodontais. O abandono deste vício por meio de estratégias empregadas por profissionais da área da saúde é considerado uma ação extremamente efetiva. As três técnicas: aconselhamento, terapia de reposição de nicotina e terapia medicamentosa são as mais utilizadas para a terapia antitabágica pela praticidade, segurança e grau de eficiência. O objetivo desta revisão de literatura é descrever estas três técnicas, bem como suas taxas de sucesso e a importância do cirurgião-dentista em auxiliar os pacientes fumantes no abandono deste hábito. UNITERMOS: Fumo, cessação de tabagismo, terapia de reposição de nicotina, odontologia. R Periodontia 2009; 19: Aluna de mestrado do programa de Pós Graduação da Disciplina de Periodontia da FOUSP 2 Aluno do programa de atualização Tipo investigação da Disciplina de Periodontia da FOUSP 3 Mestre em Periodontia pela FOUSP 4 Professor Doutor de Periodontia da FOUSP 5 Professor Associado de Periodontia da FOUSP Recebimento: 29/08/08 - Correção: 18/03/09 - Aceite: 27/04/09 INTRODUÇÃO O hábito de fumar atualmente representa a maior causa de morte e invalidez passível de prevenção (CDC, 2002), constituindo-se assim no maior problema individual de saúde pública no mundo (WATT et al., 2000, 2003). Em todo o mundo, 3 milhões de pessoas morrem por ano devido ao cigarro, o que torna o custo social deste hábito extremamente alto. As consequências do tabagismo nos tecidos bucais são bem conhecidas, sendo que as doenças mais prevalentes decorrentes deste hábito são o câncer bucal e as doenças periodontais. O fumo é considerado o maior fator de risco na prevalência, extensão e gravidade das doenças periodontais. Ele está associado ao aumento na profundidade de sondagem, perda clínica de inserção, perda óssea alveolar e perda dentária (AAP, 2005; TOMAR & ASMA, 2000). Além disso, foi concluído que este hábito pode ser responsável por aproximadamente 50% dos casos de periodontite encontrados entre adultos (TOMAR & ASMA, 2000; SUSIN et al. 2004). O abandono deste hábito por meio de diversas estratégias empregadas por profissionais de saúde é considerado uma ação extremamente efetiva, o que foi evidenciado por uma revisão sistemática envol- 68

2 vendo ensaios clínicos aleatórios na área médica (RAW, 1998). No entanto, estudos avaliando ações realizadas por cirurgiões-dentistas são escassos (CARR & EBBERT, 2006). O objetivo desta presente revisão de literatura é abordar a importância do cirurgião-dentista em auxiliar os pacientes fumantes no abandono do hábito, tanto em nível clínico quanto público, enfatizando as técnicas disponíveis e taxas de sucesso de cada uma delas. O papel do cirurgião-dentista na cessação do fumo Dyer et al. (2006) demonstraram que intervenções feitas por cirurgiões-dentistas têm benefícios similares aos obtidos por médicos. Porém, em contraste com a prática médica, a população de fumantes frequenta mais o consultório odontológico do que o consultório médico. Além disso, os dentistas são um dos poucos profissionais da saúde que trabalham geralmente com pacientes saudáveis do ponto de vista sistêmico (JOHNSON et al, 2006). Logo, os dentistas, possuem um grande potencial e um papel importante em alertar sobre o fumo e auxiliar no abandono deste hábito. Dalia et al (2007) em pesquisa envolvendo 243 periodontistas e 239 higienistas, selecionados de forma aleatória no Reino Unido, demonstraram que 99% dos periodontistas rotineiramente perguntam sobre o hábito de fumar para seus pacientes e 35% destes passam mais de 5 minutos alertando sobre os malefícios do cigarro. No entanto, intervenções para parar de fumar não fazem parte da rotina da prática odontológica, embora a prescrição de substâncias de reposição de nicotina lhe seja permitida. Algumas razões atribuídas para este fato são: requisição de tempo e treinamento específico (EBBERT et al., 2007), além de dúvidas quanto à efetividade da intervenção e prescrição de medicamentos, quando necessário (JOHNSON et al., 2006). Ebbert et al. (2007), evidenciaram a importância do cirurgião-dentista no tratamento do tabagismo por meio de um ensaio clínico piloto avaliando duas intervenções: a efetividade do encaminhamento pelo dentista para um grupo especializado em cessação do tabagismo, e o aconselhamento fornecido pelo cirurgião-dentista. Os resultados mostraram maior taxa de cessação do hábito no primeiro grupo. No entanto, o fato de os pacientes receberem encaminhamentos para um grupo especializado resultou na perda de mais de 50% dos mesmos do grupo teste. O paciente, por outro lado, percebe as intervenções realizadas por dentistas com o intuito de abandono do hábito de modo positivo. Rikard-Bell et al. (2003), verificaram que 73% dos pacientes avaliados acreditavam que dentistas deveriam estar envolvidos no tratamento para abandono do hábito do fumo, e 61% esperam que os dentistas discutam sobre o fumo durante a consulta odontológica. A importância do papel do cirurgião-dentista na cessação do hábito de fumar tem sido observada por algumas escolas de odontologia. Christen (2001), descreveu os 20 anos de experiência da Faculdade de Odontologia da Universidade de Indiana (EUA) no programa de cessação do tabagismo, onde os alunos têm esta disciplina no currículo. A autora descreve o protocolo de terapia antitabágica da universidade, que inclui a técnica dos 5As para intervenções mais simples e a terapia de reposição de nicotina e medicamentos para pacientes com maior dependência. Os autores também evidenciam a importância da criação de um ambiente livre de cigarro e do papel da THD como coordenadora do grupo antitabágico. Logo, é fundamental o dentista se atualizar e buscar este tipo de conhecimento, em especial os periodontistas, pois o abandono do fumo auxilia na resposta do tratamento periodontal (PRESHAW et al., 2005). Além disso, a cessação deste hábito influenciará direta ou indiretamente na saúde sistêmica, e na melhora da qualidade de vida destes indivíduos (HOOGENVEEN et al, 2008). Estratégias para abandono do hábito de fumar Novas pesquisas e indústrias farmacêuticas têm desenvolvido constantemente novas estratégias e medicamentos para o combate do tabagismo, fazendo com que atualmente existam muitas estratégias para o abandono deste hábito. Dentre elas, o aconselhamento, a reposição de nicotina e o uso de medicamentos estão entre as que apresentam maior taxa de sucesso e segurança. O aconselhamento é sempre o passo inicial e fundamental quando o paciente demonstra a vontade de parar de fumar. Este passo pode e deve ser feito pelo cirurgiãodentista, quando ele for o profissional que percebe esta vontade do paciente, mesmo que outras técnicas posteriormente sejam empregadas, por ser a técnica de mais baixo custo e simples. Em média, aproximadamente 2% dos indivíduos que recebem este tipo de intervenção realmente deixam de fumar, segundo a revisão sistemática de Law & Tang (1995), que analisou 188 ensaios clínicos randomizados. Estas porcentagens parecem baixas, mas dentro do universo de milhões de fumantes equivale a uma fração considerável de indivíduos. Por este método, os modelos dos 4 A s GLYNN e MANLEY (1989), e sua versão mais completa, dos 5 A s US( 2008), são a melhor maneira para quem quer parar de fumar, consistindo nas seguintes etapas que o profissional deverá seguir: (1) ASK - pergunta sobre o uso do tabaco, (2) ADVISE Aconselha a parar de fumar, ( 3 ) ASSESS avalia a boa 69

3 Figura 1 Quanto tempo depois de acordar você fuma o primeiro cigarro? Mais de 60 minutos 0 Entre 31 e 60 minutos 1 Entre 6 e 30 minutos 2 Menos de 6 minutos 3 Você fuma mais nas primeiras horas da manhã do que no resto do dia? TESTE DE FAGERSTRÖM Você tem dificuldade de ficar sem fumar em locais proibidos? Você fuma mesmo quando acamado por doença? O primeiro cigarro da manhã é o que traz mais satisfação? Quantos cigarros você fuma por dia? Menos de 11 0 De 11 a 20 1 De 21 a 30 2 Mais de 30 3 Grau de dependência: 0-2 pontos muito baixo 3-4pontos - baixo 5 pontos elevado 6-7 pontos - elevado 8-10 pontos - muito elevado vontade para parar o fumo, ( 4 ) ASSIST - auxilia durante a abstinência e ( 5 ) ARRANGE - organiza consultas de controle para prevenir recaídas. Binnie et al. (2007), em um ensaio clínico randomizado, realizado por técnicos de higiene dental, avaliando a realização do aconselhamento realizado pela técnica dos 5A s em comparação com um breve aconselhamento, observaram após 1 ano uma taxa de sucesso de 7% no grupo teste, em comparação com 4% no grupo controle. No entanto, quando o paciente não está motivado para parar de fumar, a técnica dos 5A s pode ser prematura e ineficaz. Nestes casos é aconselhado, então, como intervenção a técnica dos 5 R s (CORNUZ, 2007), que consiste em : (1) RELEVANCE mostrar a importância de parar de fumar, (2) RISK identificar os danos que o cigarro pode causar, (3) REWARDS falar sobre os pontos positivos quando se para de fumar, (4) ROADBLOCKS falar sobre os primeiros sintomas que o paciente vai sentir com a abstinência, (5) REPETITION repetir todas essas informações sempre que o paciente aparecer na clínica. Um fator muito importante durante o processo de abandono do vício é a necessidade de instruções psicológicas com acompanhamento do paciente durante o preparo para a abstinência, já que o aconselhamento também deve fornecer informações sobre as alterações e crises de abstinência que o paciente pode sofrer. Estas instruções podem ser abordadas por meio da técnica STAR (CORNUZ, 2007), Esta técnica consiste em: (S) Set a quit : definir uma data para o abandono real do fumo o mais cedo possível; (T) Tell family : informar a família, amigos e colegas de trabalho sobre a tentativa do abandono do vício e pedir compreensão e apoio; (A) Antecipate challenges, antecipar os desafios da tentativa de parar de fumar, particularmente durante as críticas primeiras semanas; e (R) Remove tobacco, retirar os produtos do tabaco do seu meio ambiente e, se ainda estiver fumando, evite fumar em locais que pode permanecer por longos períodos. Mais recentemente, outras técnicas além do aconselhamento, que consistem somente no diálogo têm sido propostas e recomendadas (WHO, 2001) para a cessação do hábito do tabagismo. Uma delas é a entrevista motivacional, técnica esta que apresenta altas taxas de sucesso quando aplicada em alcoólatras (MILLER, 1983). A diferença principal entre o aconselhamento e a entrevista motivacional é a busca por uma participação mais ativa do paciente durante o diálogo, fazendo com que o mesmo se sinta mais motivado para abandonar o hábito. No entanto, estudos avaliando a utilização desta técnica para o abandono do hábito do tabagismo são ainda escassos. Em alguns casos, em função do grau de dependência do paciente, moderado ou forte, que pode ser avaliado pelo teste de Fagerström (figura 1), somente o aconselhamento 70

4 não é suficiente para se obter o sucesso do tratamento antitabágico. Nestes casos emprega-se a técnica de reposição de nicotina (TRN). A TRN consiste na utilização de dispositivos que repõem a nicotina para que o paciente não tenha crises de abstinência, o que normalmente leva ao fracasso da terapia antitabágica. A nicotina é o componente presente no cigarro que está diretamente associado à sua dependência, logo, somente a sua reposição supre o desejo de fumar, impedindo que as outras mais de 4500 substâncias tóxicas do fumo sejam inaladas pelos pacientes. Os dispositivos disponíveis para a realização da TRN são: adesivos dérmicos, gomas, spray nasal, inalação bucal, tabletes sublinguais e pastilhas. Até o momento não houve relatos na literatura de dependência destes dispositivos. Com relação à efetividade dos diversos tipos de dispositivos utilizados na TRN, Shiffman et al. (2003), em um estudo duplo-cego, randomizado, placebo-controle no Reino Unido com 1818 fumantes, demonstrou que o uso das pastilhas é mais efetivo que o uso da goma e do adesivo, por liberar mais nicotina e permitir uma abstinência maior em fumantes pesados. Por sua vez, Wallstrom et al. (1999), em um estudo duplo-cego controlado, concluiu que o uso do comprimido de nicotina parece ser mais seguro e possuir uma forma de utilização e aceitação melhor. Blondal et al. (1999) conduziram um ensaio clínico randomizado duplo-cego, avaliando 239 voluntários que fumavam pelo menos 10 cigarros por dia. Os autores concluíram que a combinação de adesivo com o spray nasal de nicotina teve uma taxa de sucesso de 51% e 27% para 6 semanas e 12 meses respectivamente, comparado com o uso exclusivo do adesivo, onde as taxas de sucesso foram de 37% e 11% para os mesmos períodos. Os autores justificam os melhores resultados da combinação pelo spray por propiciar um alto nível de substituição, pela rápida resposta que os fumantes precisam e pela vantagem do paciente poder aumentar o nível de nicotina durante o dia, o qual não é possível utilizando apenas o adesivo. Bohadana et al. (2000), afirmam que a combinação de tratamentos mais efetiva para promover a cessação da abstinência é quando se usa inalação de nicotina associado ao adesivo de placebo. Daughton et al (1999), em pesquisa envolvendo 935 fumantes, investigou a eficiência do uso de adesivos para o tratamento de abstinência, e durante a descontinuação do uso, utilizando um grupo controle com placebo. Os resultados obtidos não demonstraram diferença significativa entre os métodos tanto para finalidade de tratamento, quanto para diminuir a freqüência das recaídas. O mesmo foi encontrado por Schuurrmans et al (2004), que concluíram que o uso de adesivos no pré-tratamento, isto é, antes do paciente parar de fumar, não reduz os sintomas de abstinência, aliás os prolonga por 6 meses. Bollinger et al. (2007) realizou um estudo para avaliar a eficácia do spray bucal para cessação do fumo. Concluiu-se que a eficácia do spray bucal foi similar a goma e ao spray nasal, e que o spray oral foi o método de escolha para a maioria dos pacientes que desejavam parar de fumar, apesar dos efeitos existentes, tais como irritação bucal, náusea e soluços. A TRN já existe como terapia antitabágica há muitos anos. No entanto, recentes estudos têm demonstrado que sua combinação com antidepressivos aumenta a taxa de sucesso da terapia, reduz sintomas de depressão e de abstinência, principalmente em fumantes com forte e moderado grau de dependência (BLONDAL et al., 1999). Muitos antidepressivos já foram usados para esta finalidade, como por exemplo, a Mecamilamina, Clonidina, Buspirone, Lobeline e Naloxone. Porém, nenhum obteve taxas de sucesso tão expressivas como o bupropion e a varenicicline. O bupropion é um antidepressivo que age como um antagonista do receptor acetilcolina da nicotina, que inibe a noradrenalina e ativa a dopamina, aumentando esses níveis no cérebro. É aconselhado que a droga seja usada como parte do programa de cessação do tabagismo, juntamente com aconselhamento, apoio e monitoramento regular (5 A s) dos profissionais envolvidos. Ainda não se tem por claro o mecanismo de ação no tratamento anti-tabágico. A Vareniciclina (Chantix ) é outro medicamento para cessação do tabagismo disponível recentemente no mercado. Ele é um receptor parcial agonista, que bloqueia os receptores de nicotina. Com isso, reduz a vontade de fumar e ajuda a eliminar alguns sintomas. Se o fumante usar o cigarro junto com a droga, a satisfação ao fumar é diminuída. Em estudo clínico foi avaliado que o sucesso na cessação do fumo com a vareniciclina é maior do que com placebo ou bupropion. Sua reação adversa mais freqüente é a náusea. DISCUSSÃO As três técnicas descritas: aconselhamento, terapia de reposição de nicotina e terapia medicamentosa, são as mais utilizadas para a terapia antitabágica pela praticidade, segurança e grau de eficiência. A técnica do aconselhamento segue alguns modelos como a dos 4 A s e 5A s que orientam o profissional da área da saúde. Alguns fatores são importantes para obter o sucesso, entre eles: treinamento, experiência e comprometimento por parte do profissional. Estes modelos de 71

5 aconselhamento tornam-se particularmente favoráveis para o cirurgião-dentista pelo fato de não haver restrições para que ele o aplique, pela constância em que o paciente frequenta consultório dentário, e pela proximidade que existe entre profissional e paciente, situação que não ocorre geralmente com a maioria dos profissionais da área da saúde. Além disso, o cirurgião-dentista detém grandes fatores de convencimento, principalmente os periodontistas, pois as doenças periodontais trazem comprometimento estético, funcional e social, e a cessação do tabagismo colabora com uma melhor reposta ao tratamento periodontal (PRESHAW et al, 2005). Mas quando o paciente possui uma dependência moderada ou forte e é necessário se empregar a técnica de reposição de nicotina (TRN), o cirurgião-dentista também pode fazê-la desde que este esteja preparado e a conheça. No entanto, em uma pesquisa realizada no Reino Unido, Dalia (2007), demonstrou que os cirurgiões dentistas possuem grande potencial de tratamento, mas baixo grau de conhecimento comparado com a área médica. Toda técnica de reposição de nicotina exige que o paciente já tenha reduzido a freqüência de cigarros para não haver um excedente de nicotina que causaria taquicardia ou insônia. Quanto ao melhor dispositivo a ser utilizado, ainda não há um consenso na literatura. Todos parecem ser efetivos, e os que mais rapidamente fazem a reposição como os sprays parecem ser mais efetivos. Porém no Brasil só estão disponíveis no mercado a goma e o adesivo que podem ser utilizados em associação para uma maior efetividade. Quando a TRN não é suficiente para diminuir os transtornos da abstinência ou quando ela não estiver sendo efetiva, o que é o caso principalmente de fumantes com alta dependência (STEAD et al., 2008), deve-se utilizar sua associação a medicamentos. Muitos medicamentos já foram utilizados, mas atualmente são dois os que apresentam maiores taxas de sucesso e segurança: bupropion e vareniciclina. Ambos atuam no sistema nervoso central, e devem ser prescritos por um médico para que seja possível avaliar se não há nenhuma contra-indicação que inviabilize sua utilização. O bupropion (Zyban ) é o mais antigo medicamento disponível nesta categoria, e possui uma vasta literatura da eficácia e segurança de sua utilização. Ele é um antidepressivo que diminui a vontade de o paciente fumar. Já a vareniciclina (Chantix ) é um medicamento novo com pouca literatura que atua nos receptores de dopamina no cérebro e parece ser mais eficiente que o bupropion. O fundamental para o sucesso da terapia é o profissional conseguir individualizar e associar as técnicas para a necessidade de cada paciente. Caso o profissional não se sinta preparado para desenvolver a terapia com o paciente, ele poderá encaminhá-lo para um centro de combate ao tabagismo,onde normalmente uma equipe multidisciplinar com médicos, psicólogos e enfermeiros fazem o atendimento deste paciente, ou buscar informações nestes centros. No Brasil, está rotulado nas embalagens de cigarro o disque saúde Por meio deste número o paciente pode obter informações e encontrar um centro antitabágico mais próximo de sua casa. CONCLUSÕES Existem atualmente 3 técnicas que se destacam para o tratamento antitabágico: o aconselhamento, a terapia de reposição de nicotina e a terapia medicamentosa, que deve ser prescrita pelo médico. Todas as técnicas necessitam da colaboração do paciente. São técnicas complementares entre si e que possuem taxa de sucesso aumentada quando usadas em associação e de maneira individualizada para a necessidade de cada paciente. O tratamento antitabágico pode e deve ser feito por qualquer profissional da área da saúde, e o cirurgião-dentista, como potencial tratador, deve se informar e atualizar seus conhecimentos para auxiliar o paciente de maneira mais efetiva. ABSTRACT Smoking is the largest single preventable cause of mortality and morbidity worldwide. It is also the most prominent risk factor for the prevalence, extent and severity of periodontal diseases. The cessation of this habit through anti-smoking strategies employed by health care professionals is considered an extremely effective action. Three smoking cessation techniques: counseling, nicotine-replacement therapy, and drug therapy are the ones most employed by their simplicity, safety and efficiency.the aim of this literature review is to describe these techniques, their success rates, and to highlight the importance of the dental team at assisting patients to quit smoking. UNITERMS: Smoking, smoking cessation, nicotine replacement therapy, dentistry. 72

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- Centers for Disease Control and Prevention. Annual smoking attributable mortality, years of potential life lost, and economic costs United States, Morb Mortal Weekly Rep 2002; 51: Watt RG, Johnson NW, Warnakulasuriya KAAS. Action on smoking - opportunities for the dental team. British Dent J 2000; 189: Watt RG, Daly B, Kay EJ. Prevention. Part 1: Smoking cessation advice within the general dental practice. British Dent J 2003; 194: American Academy of Periodontology. Position Paper: Epidemiology of Periodontal Diseases J Periodontol 2005; 76: Tomar SL, Asma S. Smoking-atributable Periodontitis in the United States: findings from NHANES III. National Health and Nutrition Examination Survey. J Periodontol 2000; 71: Susin C, Oppermann RV, Haugejorden O, Albandar JM. Periodontal attachment loss attributable to cigarette smoking in an urban Brazilian population. J Clin Periodontol 2004; 31: Raw M, McNeil A, West R. Smoking cessation guidelines for health professionals. A guide to effective smoking cessation interventions for the health care system. Thorax 1998; 5: Carr AB, Ebbert JO. Interventions for tobacco cessation in the dental setting. The Cochrane Database of Systematic Reviews Art. No. CD Dyer TA, Robinson PG. General health promotion in general dental practice The involvement of dental team. Part1: a review of the evidence of effectiveness of brief public health interventions. British Dent J 2006; 200: Johnson NW, Lowe JC, Warnakulasuriya KAAS. Tobacco cessation activities of UK dentists in primary care: Signs of improvement. British Dent J 2006; 200: Dalia D, Palmer RM, Wilson RF. Management of smoking patients by specialist periodontists and hygienistis in the United Kingdom. J Clin Periodontology 2007; 34: Ebbert JO, Carr AB, Patten CA, Morris RA, Schroeder DR. Tobacco use quitline enrollment through dental practices. JADA 2007; 138: Rikard-Bell G, Donnelly N, Ward J. Preventive dentistry: what do Australian patients endorse and recall of smoking cessation advice by their dentists? British Dent J 2003; 194: Christen AG, Tobacco cessation, the dental profession, and the role of dental education. J Dental Education 2001; 65: Preshaw PM, Heasman L, Stacey F, Steen N, McCracken GI, Heasman PA. The effect of quitting smoking on chronic periodontitis. J Clin Periodontol 2005; 32: Hoogenveen R, Baal PHM, Boshuizen HC, Feenstra T. Dynamic effects of smoking cessation on disease incidence, mortality and quality life: the role time since cessation. Cost effectiveness and resource allocation, 2008; 6: Law M, Tang JL. An analysis of the effectiveness of interventions intended to help people stop smoking. Arch Intern Med. 1995; 155: Glynn TJ, Manley MW. How to help your patients stop smoking. A National Cancer Institute Manual for Physicians. Washington: US Department of Health and Human Services, Cornuz J. Smoking cessation interventions in clinical practice. European Society for Vascular Surgery Published by Elsevier Ltd, 2007; 34 : U.S. Department of Health and Human Services, Agency for Healthcare Research and Quality. Treating tobacco use and dependence. Clinical Practice Guideline. Rockville, Md.: US Department of Health and Human Services, Public Health Service; Available at: tobacco.htm. Acessed July 22, World Health Organization. Evidence-based recommendations on the treatment of tobacco dependency. Copenhagen: WHO, Miller WR. Motivational Interviewing with problem drinkers. Behavioral Psychotherapy 1983; 11: Binnie VI, McHugh S, Jenkins W, Borland W, Macpherson L. A randomized controlled trial of a smoking cessation intervention delivered by dental hygienists: a feasibility study. BMC Oral Health 2007; 7: Shiffman, S., Dresler, C.M. & Rohay, J. M. Successful treatment with a nicotine lozenge of smokers with prior failure in pharmacological therapy. Addiction 2003; 99: Wallström M, Nilsson F, Hirsch JM. A randomized, double-blind, placebo-controlled clinical evaluation of a nicotine sublingual tablet in smoking cessation. Addiction 2000; 95:8: Blondal, T., Gudmundsson, L.J., Tomasson, K., Jonsdottir, D., Hilmarsdottir, H., Kristjansson, F., Nilsson, F. & Bjo rnsdottir, U. S. The effects of fluoxetine combined with nicotine inhalers in smokingt cessation - a randomized trial. Society for the study of Addiction to Alcohol and Other Drugs 1999; 94(7): Blondal,T., Gudmundsson, L.J., Olafsdottir, I., Gustavsson, G. & Westin, A. Nicotine nasal spray with nicotine patch for smoking cessation : randomised trial with six follow up. British Medical Journal1999; 318: Bohadana, A., Nilsson,F., Rasmussen T. & Martinet,Y. Nicotine inhaler and Nicotine patch as a Combination Terapy for Smoking Cessation. Archives of Internal Medicine 2000; 160(. 20) 29- Daughton, D.M., Fortmann, S.P., Glover, E.D. et al. The smoking Cessation Efficacy of Varing Doses of Nicotine Patch Delivery Systems 4 to 5 Years Post-Quit Day. Preventive Medicine 1999 ; 28:

7 30- Schuurmans MM, Diacon AH, Biljon X, Bollinger CT. Effect of pre treatment with nicotine patch on withdrawal symptoms and abstinence rates in smokers subsequently quitting with a nicotine patch: a randomized controlled trial. Addiction 1999; Bollinger CT, Biljon X, Axelsson A. A nicotine mouth spray for smoking cessation: a pilot study of preference, safety and efficacy. Respiration 2007; 74: Stead LF, Perera R, Bullen C, Mant D, Lancaster T. Nicotine replacement therapy for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev. 2008, 23:CD Endereço para correspondência: Ecinele Francisca Rosa Universidade de São Paulo - Faculdade de Odontologia Departamento de Estomatologia - Disciplina de Periodontia Av. Professor Lineu Prestes, Cidade Universitária CEP: São Paulo - SP 74

A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS

A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS I Encontro de Profissionais de Saúde para Abordagem e Tratamento do Tabagismo na Rede SUS Ricardo Henrique Sampaio Meirelles Divisão de Controle do Tabagismo

Leia mais

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR?

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR? : o que funciona? Carlos A A Viegas IX CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA SBPT - 2008 CONTROLE DO TABAGISMO IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO QUADRO IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA SABER SAÚDE TRATAMENTO

Leia mais

CESSAÇÃO DE TABAGISMO EM FUMANTES COM PERIODONTITE CRÔNICA Tabacco use cessation in chronic periodontitis smokers

CESSAÇÃO DE TABAGISMO EM FUMANTES COM PERIODONTITE CRÔNICA Tabacco use cessation in chronic periodontitis smokers Braz J Periodontol - March 2013 - volume 23 - issue 01 CESSAÇÃO DE TABAGISMO EM FUMANTES COM PERIODONTITE CRÔNICA Tabacco use cessation in chronic periodontitis smokers Gislene Inoue 1, Ecinele Francisca

Leia mais

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Prof. Javaid Khan, FRCP (Edin) Setor Principal de Medicina de Cuidado Pulmonar e Crítico The Aga Khan University, Karachi, Paquistão Envolvimento

Leia mais

SUSPENSÃO DO TABACO E TRATAMENTO

SUSPENSÃO DO TABACO E TRATAMENTO SUSPENSÃO DO TABACO E TRATAMENTO Em todo o mundo, 1,3 bilhões de pessoas fumam e, a menos que uma ação urgente seja tomada, 650 milhões delas morrerão prematuramente por causa do consumo de tabaco. 1 De

Leia mais

A primeira avaliação individual com o paciente

A primeira avaliação individual com o paciente I Encontro de Profissionais de Saúde para Abordagem e Tratamento do Tabagismo na rede SUS 12/09/2012 RJ - INCA A primeira avaliação individual com o paciente Cristina Cantarino Coordenadora do Centro de

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria Diretrizes Assistenciais Medicina Psicossomática e Psiquiatria Versão eletrônica atualizada em fev/2012 TRATAMENTO DE TABAGISMO Indicação: Pacientes tabagistas atendidos na SBIBAE Contraindicação: Não

Leia mais

Tratamento farmacológico do tabagismo

Tratamento farmacológico do tabagismo Tratamento farmacológico do tabagismo Sandra Odebrecht Vargas Nunes Heber Odebrecht Vargas Luciana Vargas Alves Nunes Mariane Vargas Nunes Noto SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros NUNES, SOV.,

Leia mais

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade MEB Epidemiologia IV Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia e Bioestatística

Leia mais

Tabagismo (dependência de nicotina) Protocolo Clínico

Tabagismo (dependência de nicotina) Protocolo Clínico Tabagismo (dependência de nicotina) Protocolo Clínico O fumante, de Joos van Craesbeeck, 1605. Protocolo da Rede de Atenção Psicossocial, baseado em evidências científicas, para o diagnóstico, a avaliação

Leia mais

E: Jamie Hunt, PhD; Paula Cupertino, PhD; Peter Friedmann, PhD; Byron Gajewski; PhD; Babalola Faseru, M.D., Edward Ellerbeck, MD, PhD

E: Jamie Hunt, PhD; Paula Cupertino, PhD; Peter Friedmann, PhD; Byron Gajewski; PhD; Babalola Faseru, M.D., Edward Ellerbeck, MD, PhD Kim Richter, PhD E: Jamie Hunt, PhD; Paula Cupertino, PhD; Peter Friedmann, PhD; Byron Gajewski; PhD; Babalola Faseru, M.D., Edward Ellerbeck, MD, PhD Discutir porque é importante o tratamento da dependência

Leia mais

Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3)

Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3) Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica IMED PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3) 1 - Aluna de graduação da Faculdade Meridional-IMED, Brasil. E-mail: maitepiazza@gmail.com

Leia mais

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO Cristina Cantarino Pneumologista Coordenadora do Centro de Estudos para Tratamento da Dependência à Nicotina do INCA Coordenadora Municipal do Controle de Tabagismo de Niterói Coordenadora da Clínica de

Leia mais

Tratamento de Tabagismo em ambulatórios de Tratamento de abuso de substâncias nos Estados Unidos

Tratamento de Tabagismo em ambulatórios de Tratamento de abuso de substâncias nos Estados Unidos Tratamento de Tabagismo em ambulatórios de Tratamento de abuso de substâncias nos Estados Unidos Cigarette smoking cessation services in outpatient substance abuse treatment programs in the United States

Leia mais

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL Cristina Cantarino Pneumologista Coordenadora do Centro de Estudos para Tratamento da Dependência à Nicotina do INCA Coordenadora Municipal do Controle de Tabagismo de Niterói Coordenadora da Clínica de

Leia mais

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Interações medicamentosas Carlos Alberto de Barros Franco Professor Titular de Pneumologia da Escola Médica de PósGraduação da PUC-Rio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DIFICULDADE DE CESSAÇÃO DO TABAGISMO DIANTE DA SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA

AVALIAÇÃO DA DIFICULDADE DE CESSAÇÃO DO TABAGISMO DIANTE DA SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA AVALIAÇÃO DA DIFICULDADE DE CESSAÇÃO DO TABAGISMO DIANTE DA SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA Marina Oliveira Honorato 1 Nelson Bruno de Almeida Cunha 2 Pedro Henrique Araújo da Silva 3 Suellen Emilliany Feitosa

Leia mais

Cessação do tabagismo e Farmacoterapia. Edward Ellerbeck, MD, MPH

Cessação do tabagismo e Farmacoterapia. Edward Ellerbeck, MD, MPH Cessação do tabagismo e Farmacoterapia Edward Ellerbeck, MD, MPH Juiz de Fora, Brasil October 17, 2011 Mary: Uma mulher de 54 anos na minha clínica Paciente regular nos últimos 5 anos» Realizava o exame

Leia mais

Artigo Original. Prevalência do tabagismo entre dentistas do Distrito Federal* Resumo. Abstract. Introdução

Artigo Original. Prevalência do tabagismo entre dentistas do Distrito Federal* Resumo. Abstract. Introdução Artigo Original Prevalência do tabagismo entre dentistas do Distrito Federal* Prevalence of smoking among dentists in the Federal District of Brasília, Brazil Gerlídia Araújo Rodrigues 1, Virgílio Galvão

Leia mais

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES 4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES Elaborado por: Marcelo S. Bönecker (Coordenador) Adriana Modesto Luiz Reynaldo de Figueiredo Walter Objetivo A Associação Brasileira

Leia mais

Resumo. Efeitos deletérios do abuso do álcool são amplamente conhecidos e descritos. A prevenção ao abuso de álcool. Abstract

Resumo. Efeitos deletérios do abuso do álcool são amplamente conhecidos e descritos. A prevenção ao abuso de álcool. Abstract Estratégias de rastreamento e intervenções breves para problemas relacionados ao abuso de álcool entre bombeiros Telmo Mota Ronzani Universidade Federal de Juiz de Fora Thiago Pavin Rodrigues Universidade

Leia mais

Carlos Heitor Cunha Moreira 1, Tiago Fernandes 2, Raquel Antoniazzi 3, Cassiano Kuchenbecker Rösing 4

Carlos Heitor Cunha Moreira 1, Tiago Fernandes 2, Raquel Antoniazzi 3, Cassiano Kuchenbecker Rösing 4 RECURSOS DIAGNÓSTICOS DE DOENÇAS PERIODONTAIS UTILIZADOS POR CIRURGIÕES DENTISTAS DE TRÊS CIDADES DO RIO GRANDE DO SUL Diagnosis tools of periodontal disease used by dentists from 3 cities in Rio Grande

Leia mais

CIGARRO ELETRÔNICO: UM NOVO DESAFIO PARA A SAÚDE PÚBLICA

CIGARRO ELETRÔNICO: UM NOVO DESAFIO PARA A SAÚDE PÚBLICA CENTRO DE ESTUDO DA ENSP / FIOCRUZ Rio de Janeiro, 21 de maio 2014 CIGARRO ELETRÔNICO: UM NOVO DESAFIO PARA A SAÚDE PÚBLICA Tânia Cavalcante Secretaria Executiva da Comissão Nacional para Implementação

Leia mais

ALERTA CFM Nº001/14. CONSIDERANDO os riscos à saúde relacionados à prática do tabagismo

ALERTA CFM Nº001/14. CONSIDERANDO os riscos à saúde relacionados à prática do tabagismo ALERTA CFM Nº001/14 EMENTA: Fortalecimento do combate ao tabagismo, com foco na orientação à sociedade sobre os riscos relacionados ao consumo do narguilé e do cigarro eletrônico (e-cigarro). O CONSELHO

Leia mais

Naltrexona HCL (Port.344-C1)

Naltrexona HCL (Port.344-C1) Naltrexona HCL (Port.344-C1) Tratamento alcoolismo Naltrexona + bupropiona no tratamento da obesidade DCB: 06213 CAS: 16676-29-2 Fórmula molecular: C 20 H 23 NO 4. HCl Nome químico: (5alpha)-17-(Cyclopropylmethyl)-4,5-epoxy-3,14-dihydroxymorphinan-6-one

Leia mais

INTRODUÇÃO ARTIGO / ARTICLE. Ana Maria B. Menezes 1 ; Barnardo L. Horta 2 ; Asandro da Rosa 1 ; Fernando K. Oliveira 1 & Marcos Bonnann 1

INTRODUÇÃO ARTIGO / ARTICLE. Ana Maria B. Menezes 1 ; Barnardo L. Horta 2 ; Asandro da Rosa 1 ; Fernando K. Oliveira 1 & Marcos Bonnann 1 ARTIGO / ARTICLE Hábito de Fumar entre Estudantes de Medicina da Universidade Federal de Pelotas, Brasil: Comparação entre as Prevalências de 1986 e 1991 Smoking habits among Students at the Pelotas Medical

Leia mais

25. PERIODICIDADE DAS CONSULTAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

25. PERIODICIDADE DAS CONSULTAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA 25. PERIODICIDADE DAS CONSULTAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Elaborado por: Júlio Carlos Noronha (coordenador) Paulo César Barbosa Rédua Maria de Lourdes de Andrade Massara Objetivo A Associação Brasileira

Leia mais

tabaco pelos pacientes

tabaco pelos pacientes Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 5 6 Avaliação das práticas e atitudes do cirurgião-dentista no controle do uso de 43 44 45 46 7 8 tabaco pelos pacientes 47 48 9 49 10 Gislaine Cazavechia*, Fabiano Carlos

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO TABAGISMO. 50 doenças 5 milhões de mortes/ano maioria evitável 200.000 mortes no Brasil CONGRESSO ASMA, DPOC E TABAGISMO SBPT 2007

EPIDEMIOLOGIA DO TABAGISMO. 50 doenças 5 milhões de mortes/ano maioria evitável 200.000 mortes no Brasil CONGRESSO ASMA, DPOC E TABAGISMO SBPT 2007 CONGRESSO ASMA, DPOC E TABAGISMO SBPT 2007 Mesa redonda Tratamento do tabagismo Nossos pulmões não são cinzeiros! Tabagismo no consultório e abordagem em cooperativa médica Luiz Fernando F. Pereira Coordenador

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Creme dental com alto teor de fluoreto Resumo completo Descrição: Os dentifrícios fluoretados foram introduzidos pela primeira vez na década de 1950. [1] O primeiro dentifrício fluoretado continha fluoreto

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

COMO AJUDAR SEU PACIENTE A PARAR DE FUMAR Ronaldo Laranjeira Maria Tereza Cruz Lourenço Helena B. Sarnaia

COMO AJUDAR SEU PACIENTE A PARAR DE FUMAR Ronaldo Laranjeira Maria Tereza Cruz Lourenço Helena B. Sarnaia DIAGNÓSTICO & TRATAMENTO - INTERESSE GERAL COMO AJUDAR SEU PACIENTE A PARAR DE FUMAR Ronaldo Laranjeira Maria Tereza Cruz Lourenço Helena B. Sarnaia INTRODUÇÃO Atualmente estima-se que 50% da população

Leia mais

PAF Programa de Assistência ao Fumante

PAF Programa de Assistência ao Fumante PAF Programa de Assistência ao Fumante Programa de Tratamento Médico do Tabagismo desenvolvido por Dra Jaqueline Scholz Issa (CRM SP 60.179 ) baseado no atendimento de mais de 5000 fumantes ao longo de

Leia mais

Hábito de Fumar e suas Consequências Nocivas aos Tecidos Bucais. Avaliação do Nível de Conscientização de Futuros Profissionais de Odontologia.

Hábito de Fumar e suas Consequências Nocivas aos Tecidos Bucais. Avaliação do Nível de Conscientização de Futuros Profissionais de Odontologia. Hábito de Fumar e suas Consequências Nocivas aos Tecidos Bucais. Avaliação do Nível de Conscientização de Futuros Profissionais de Odontologia. The Smoke Habits and Noxious Consequences to Oral tissues.

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

Tabagismo e Adolescência. Divisão de Controle do Tabagismo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva INCA/MS

Tabagismo e Adolescência. Divisão de Controle do Tabagismo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva INCA/MS Tabagismo e Adolescência Divisão de Controle do Tabagismo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva INCA/MS Adolescência e Uso de Tabaco A iniciação do tabagismo na adolescência está associada

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Medidas de protecção contra a exposição ao fumo ambiental do tabaco em estabelecimentos onde sejam prestados cuidados de saúde aplicação da Lei n.º 37/2007 de 14 de Agosto. Todos os serviços

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

PARE DE FUMAR! O GUIA DEFINITIVO DO ANTI TABAGISMO

PARE DE FUMAR! O GUIA DEFINITIVO DO ANTI TABAGISMO PARE DE FUMAR! O GUIA DEFINITIVO DO ANTI TABAGISMO INTRODUÇÃO Foi a partir dos anos 1950 que começaram a surgir políticas públicas mais contundentes com o objetivo de alertar a população sobre os malefícios

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI TÍTULO: EFICÁCIA DA RESPIRAÇÃO PROFUNDA, DE UM LIVRO DE AUTOAJUDA E EFEITOS ADITIVOS DAS DUAS INTERVENÇÕES PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE CIGARROS, ANSIEDADE E DEPRESSÃO E MOTIVAÇÃO PARA PARAR DE FUMAR EM

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E TABAGISMO. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

QUALIDADE DE VIDA E TABAGISMO. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior QUALIDADE DE VIDA E TABAGISMO Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Questões Como o tabagismo interfere na saúde e qualidade de vida das pessoas? Quais os princípios epidemiológicos do tabagismo? Como medir

Leia mais

TABAGISMO: COMO TRATAR

TABAGISMO: COMO TRATAR TABAGISMO: COMO TRATAR Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Psiquiatra ProMulher IPq-HC-FMUSP CREMESP 114681 Epidemiologia Brasil

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral Creme dental fluoretado Resumo Completo Descrição: Os cremes dentais, também chamadas dentifrícios, são pastas, géis ou na forma de pó que ajudam a remover a placa e fortalecem o esmalte dentário e a dentina.

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

Comparação Entre os Métodos Para Parar de Fumar

Comparação Entre os Métodos Para Parar de Fumar Comparação Entre os Métodos Para Parar de Fumar Lilian Brunstein & Alberto Steinberg Terapeutas Seniores Allen Carr's Easyway to Stop Smoking Equipe São Paulo - Brasil Comparação entre os métodos para

Leia mais

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho, Médico do Trabalho Conceitos Básicos sobre o consumo de substâncias psicoativas em meio laboral Objectivos da Prevenção Primária Causas relacionadas com

Leia mais

Indicadores de efetividade do Programa de Tratamento do Tabagismo no Sistema Único de Saúde em Minas Gerais, Brasil, 2008

Indicadores de efetividade do Programa de Tratamento do Tabagismo no Sistema Único de Saúde em Minas Gerais, Brasil, 2008 ARTIGO ORIGINAL Indicadores de efetividade do Programa de Tratamento do Tabagismo no Sistema Único de Saúde em Minas Gerais, Brasil, 2008 doi: 10.5123/S1679-49742012000400007 Indicators of effectiveness

Leia mais

TRATAMENTO DE FUNCIONARIOS E DOCENTES TABAGISTAS DO CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ORG?OS (UNIFESO), TERESOPOLIS, RJ, 2011

TRATAMENTO DE FUNCIONARIOS E DOCENTES TABAGISTAS DO CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ORG?OS (UNIFESO), TERESOPOLIS, RJ, 2011 PROJETO Nº: 015816 LINHA DE PESQUISA: Genetica aplicada a saude da crianca TITULO TRATAMENTO DE FUNCIONARIOS E DOCENTES TABAGISTAS DO CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ORG?OS (UNIFESO), TERESOPOLIS, RJ, 2011

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

Tratando o tabagismo de gestantes, pais e mães fumantes

Tratando o tabagismo de gestantes, pais e mães fumantes Tratando o tabagismo de gestantes, pais e mães fumantes Tema Tabagismo e gravidez CATHY L. MELVIN, PhD University of North Carolina, EUA (Publicado on-line, em inglês, em março de 2003) (Publicado on-line,

Leia mais

Introdução. Prevenção do tabagismo

Introdução. Prevenção do tabagismo Recomendações para o tratamento da dependência de nicotina: evidências para a implantação de consultas de cessação tabágica no Serviço Nacional de Saúde CARINA FERREIRA BORGES Ao lançar, em 1996, algumas

Leia mais

Dependência do Tabagismo

Dependência do Tabagismo Dependência do Tabagismo Jack E. Henningfield, PhD Johns Hopkins School of Medicine (Escola de Medicina Johns Hopkins) Pinney Associates 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health (Escola de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ALGORITMO INTERVENTIVO EM CESSAÇÃO TABÁGICA NA CONSULTA DE PERIODONTOLOGIA DA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

AVALIAÇÃO DO ALGORITMO INTERVENTIVO EM CESSAÇÃO TABÁGICA NA CONSULTA DE PERIODONTOLOGIA DA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Monografia de Investigação MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA DENTÁRIA AVALIAÇÃO DO ALGORITMO INTERVENTIVO EM CESSAÇÃO TABÁGICA NA CONSULTA DE PERIODONTOLOGIA DA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ABORDAGEM FARMACOLÓGICA NA CESSAÇÃO TABÁGICA EM FARMÁCIA COMUNITÁRIA

ABORDAGEM FARMACOLÓGICA NA CESSAÇÃO TABÁGICA EM FARMÁCIA COMUNITÁRIA 246 ABORDAGEM FARMACOLÓGICA NA CESSAÇÃO TABÁGICA EM FARMÁCIA COMUNITÁRIA João Barbosa Martins Mestre em Ciências Farmacêuticas Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil, Porto, Portugal Joao_b_martins@hotmail.com

Leia mais

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 Ementa: Paciente fumante. 1. Do fato Profissional Auxiliar de Enfermagem informa que a direção da instituição em que trabalha determinou

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Maria do Socorro. Fundamentação teórica Tabagismo e asma PROVAB MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Maria do Socorro. Fundamentação teórica Tabagismo e asma PROVAB MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL Caso complexo Maria do Socorro Especialização em Fundamentação teórica MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL PROVAB Tabagismo/Asma Sandra Aparecida Ribeiro Motivação Não existe um momento ideal para deixar de fumar.

Leia mais

PORTARIA Nº 442 DE 13 DE AGOSTO DE 2004. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA Nº 442 DE 13 DE AGOSTO DE 2004. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e PORTARIA Nº 442 DE 13 DE AGOSTO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e Considerando a necessidade de regulamentar a Portaria GM/MS nº 1.035, de 31 de maio de 2004, que amplia

Leia mais

Alexandre Pinto Maia 1, Eduardo Gomes Seabra 2

Alexandre Pinto Maia 1, Eduardo Gomes Seabra 2 R. Periodontia - Março 2008 - Volume 18 - Número 01 RELAÇÃO ENTRE DOENÇA PERIODONTAL E DOENÇA CARDIOVASCULAR. HÁ UMA PREOCUPAÇÃO POR PARTE DOS QUE FAZEM CLÍNICA MÉDICA E ODONTOLÓGICA? Relationship between

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada Promoção de saúde Prevenção de riscos e doenças Reabilitação Nathalia C Andrada Programa Diretrizes diretrizes@amb.org.br Cenário atual www.projetodiretrizes.org.br Cenário atual Cenário atual TRAJETÓRIA

Leia mais

Como evitar 100 milhões de mortes pelo tabagismo

Como evitar 100 milhões de mortes pelo tabagismo Como evitar 100 milhões de mortes pelo tabagismo Thomas R. Frieden, MD, MPH Departamento de Saúde e Higiene Mental da Cidade de Nova York (New York City Department of Health and Mental Hygiene) 2007 Johns

Leia mais

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Os ensaios clínicos são estudos de investigação realizados em voluntários humanos para responder a questões científicas específicas. Especialmente

Leia mais

O Crack na Cidade de Salvador

O Crack na Cidade de Salvador O Crack na Cidade de Salvador Esdras Cabus Moreira Centro de Estudos e Tratamento do Abuso de Drogas CETAD/UFBA (vimeo.com/48998209) Realmente, o Brasil perde somente para os Estados Unidos

Leia mais

É PERMITIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTA OBRA, DESDE QUE CITADA A FONTE. Ficha Catalográfica

É PERMITIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTA OBRA, DESDE QUE CITADA A FONTE. Ficha Catalográfica 2001- MINISTÉRIO DA SAÚDE É PERMITIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTA OBRA, DESDE QUE CITADA A FONTE. MINISTÉRIO DA SAÚDE José Serra SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Renílson Rehen de Souza INSTITUTO

Leia mais

Prolia para osteoporose

Prolia para osteoporose Data: 29/06/2013 Nota Técnica 105/2013 Número do processo: 0110170-82.2013-813.0525 Solicitante: Juiz de Direito Dr. Napoleão da Silva Chaves Réu: Estado de Minas Gerais Medicamento Material Procedimento

Leia mais

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA DA NICOTINA Ronaldo Laranjeira *, Analice Gigliotti *, Maria Teresa C. Lourenço

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA DA NICOTINA Ronaldo Laranjeira *, Analice Gigliotti *, Maria Teresa C. Lourenço TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA DA NICOTINA Ronaldo Laranjeira *, Analice Gigliotti *, Maria Teresa C. Lourenço O fumo é a causa mais importante de morte e doença previníveis. É responsável por 20% de todas

Leia mais

Implantação de Programas de Combate ao Tabagismo em Hospitais Dr. Marcos Marques Hospital Vita Batel Curitiba/PR História O uso do tabaco surgiu aproximadamente no ano 1000 a.c (América Central). Chegou

Leia mais

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5 NÚMERO: 003/2015 DATA: 11/03/2015 ASSUNTO: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Cuidados de Saúde Primários PALAVRAS-CHAVE: Segurança do Doente; avaliação da cultura de segurança PARA: Agrupamentos

Leia mais

Artigo. Estratégias Atuais de Combate ao Tabagismo. *Renata Ullmann de Brito *Enemara Pretto **Paulo José Zimermann Teixeira

Artigo. Estratégias Atuais de Combate ao Tabagismo. *Renata Ullmann de Brito *Enemara Pretto **Paulo José Zimermann Teixeira Artigo Revista da SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Estratégias Atuais de Combate ao Tabagismo *Renata Ullmann de Brito *Enemara Pretto **Paulo José Zimermann Teixeira *Médicas Residentes

Leia mais

Intervenção Cognitivo-Comportamental com grupos para o abandono do cigarro

Intervenção Cognitivo-Comportamental com grupos para o abandono do cigarro Intervenção Cognitivo-Comportamental com grupos para o abandono do cigarro Aline Sardinha * Angela Donato Oliva # Juliana D Augustin + Flaviany Ribeiro D Eliane Mary de Oliveira Falcone \ Resumo O tabagismo

Leia mais

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária Cranberry Tratamento e prevenção infecção urinária Nome científico: Vaccinium macrocarpon Família: Ericaceae Parte utilizada: fruto Ativos: antocianidinas, flavonóides, proantocianidinas, taninos condensados

Leia mais

Evidência na Abordagem da Cessação Tabágica

Evidência na Abordagem da Cessação Tabágica 2010/2011 Ana Raquel Martins Marques Evidência na Abordagem da Cessação Tabágica Abril, 2011 Ana Raquel Martins Marques Evidência na Abordagem da Cessação Tabágica Mestrado Integrado em Medicina Área:

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral Promoção da saúde Projeto integral Descrição e uso: A promoção da saúde é o processo de envolver ativamente os indivíduos e profissionais, garantindo aceso às informações e ferramentas de saúde necessárias

Leia mais

Biblioteca Cochrane fonte de evidências para prática médica

Biblioteca Cochrane fonte de evidências para prática médica Biblioteca Cochrane fonte de evidências para prática médica http://cochrane.bireme.br Verônica Abdala veronica@bireme.br Gerência de Serviços de Informação BIREME/OPAS A Biblioteca Cochrane É a melhor

Leia mais

Nicotinell. Novartis Biociências S.A. Adesivo 7 mg, 14 mg e 21 mg

Nicotinell. Novartis Biociências S.A. Adesivo 7 mg, 14 mg e 21 mg Nicotinell Novartis Biociências S.A. 7 mg, 14 mg e 21 mg Nicotinell nicotina APRESENTAÇÕES Embalagens com 7 adesivos transdérmicos de nicotina (7mg, 14mg ou 21mg) USO TÓPICO - USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA

Leia mais

Absenteísmo por causas odontológicas em uma empresa agropecuária da Região Sudeste do Estado de Minas Gerais

Absenteísmo por causas odontológicas em uma empresa agropecuária da Região Sudeste do Estado de Minas Gerais Marina Pereira Coelho 1 Maria Aparecida Oliveira 2 Vânia Eloísa de Araújo 3 Cristiane Miranda Carvalho 4 Dentistry absenteeism in agropecuary company in Minas Gerais state Absenteísmo por causas odontológicas

Leia mais

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011)

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Chavannes NH, Kaper J, Frijling BD, Van der Laan JR, Jansen PWM, Guerrouj S, Drenthen AJM, Bax W, Wind LA traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

TÍTULO: Perfil dos pacientes tabagistas em tratamento no Programa Municipal de Controle do Tabagismo, em Goiânia

TÍTULO: Perfil dos pacientes tabagistas em tratamento no Programa Municipal de Controle do Tabagismo, em Goiânia TÍTULO: Perfil dos pacientes tabagistas em tratamento no Programa Municipal de Controle do Tabagismo, em Goiânia AUTORES: MARTINS, Karine Anusca Martins; PONTES, Angelita Evaristo Barbosa; VIEIRA, Layana

Leia mais

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013.

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Estratégias para a segurança do paciente na terapia medicamentosa Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Total de Vidas perdidas por ano Serviços de Saúde são seguros?

Leia mais

Estratégias para a cessação do tabagismo: uma revisão das alternativas terapêuticas

Estratégias para a cessação do tabagismo: uma revisão das alternativas terapêuticas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Farmácia Disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso de Farmácia Estratégias para a cessação do tabagismo: uma revisão das alternativas terapêuticas

Leia mais

Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS

Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS .. Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS Modelo causal de consumo de alcool, mecanismos intermediarios e consequencias:

Leia mais

TABAGISMO EM IDOSOS: CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS DO PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMBATE AO TABAGISMO

TABAGISMO EM IDOSOS: CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS DO PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMBATE AO TABAGISMO TABAGISMO EM IDOSOS: CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS DO PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMBATE AO TABAGISMO Jailma Souto Oliveira da Silva - UEPB (jailma.souto@gmail.com) Edivan Gonçalves da Silva Junior UEPB

Leia mais

TABAGISMO NO IDOSO: ASPECTOS GERAIS

TABAGISMO NO IDOSO: ASPECTOS GERAIS TABAGISMO NO IDOSO: ASPECTOS GERAIS Dra Roberta Lima Amaral da Costa 1 TAKE HOME MESSAGE: O tabagismo é uma doença crônica multi-sistêmica que afeta negativamente a qualidade de vida dos pacientes geriátricos,

Leia mais

Lung Cancer. Risk Factors

Lung Cancer. Risk Factors Lung Cancer The lungs are the organs that help us breathe. They help to give oxygen to all the cells in the body. Cancer cells are abnormal cells. Cancer cells grow and divide more quickly than healthy

Leia mais

Controle do Tabagismo na Prática Odontológica

Controle do Tabagismo na Prática Odontológica Controle do Tabagismo na Prática Odontológica Nesta edição Controle do Tabagismo na Prática Odontológica 1 O tabagismo é um hábito perigoso. Está comprovado que fumar reduz o tempo de vida e causa aumento

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Agosto de 2013

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Agosto de 2013 ARTIGO STEN TSN Carolina Rodrigues Psicóloga Clínica Chefe do Serviço de Psicologia e Aconselhamento da UTITA A Adição é uma doença e tem tratamento A adição não é uma fraqueza de caracter, nem um vício,

Leia mais

Bupropiona Cloridrato

Bupropiona Cloridrato Material Técnico Bupropiona Cloridrato Identificação Fórmula Molecular: C 13 H 18 CINO - HCl Peso molecular: 276,21 DCB / DCI: 01558 CAS: 31677-93-7 INCI: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Estudos e Assistência ao Uso Indevido de Drogas

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Estudos e Assistência ao Uso Indevido de Drogas Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Estudos e Assistência ao Uso Indevido de Drogas O que é Redução de Danos? Marcelo Santos Cruz, MD, PhD Redução de Danos x Exigência de Abstinência Redução

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

AÇÕES PARA PROMOÇÃO DA CESSAÇÃO DO TABAGISMO

AÇÕES PARA PROMOÇÃO DA CESSAÇÃO DO TABAGISMO AÇÕES PARA PROMOÇÃO DA CESSAÇÃO DO TABAGISMO Ministério da Saúde - MS Instituto Nacional de Câncer - INCA Coordenação de Prevenção e Vigilância - Conprev Divisão de Programas de Controle do Tabagismo e

Leia mais

Perfil Epidemiológico das Doenças Bucais no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) de Itabaiana, Sergipe, Brasil

Perfil Epidemiológico das Doenças Bucais no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) de Itabaiana, Sergipe, Brasil SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 9 2012 www.scientiaplena.org.br Perfil Epidemiológico das Doenças Bucais no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) de Itabaiana, Sergipe, Brasil Epidemiological Profile

Leia mais

Palavras-chaves: Periodonto, Patologia, Periodontite, Epidemiologia, Geriatria

Palavras-chaves: Periodonto, Patologia, Periodontite, Epidemiologia, Geriatria A presente pesquisa tem como objetivo um estudo sobre a ocorrência de doença periodontal em pessoas com 60 anos ou mais de idade, denominados pacientes geriátricos. Através de uma análise retrospectiva

Leia mais

Farmacêutico: Compromisso com a saúde ou com o comércio?

Farmacêutico: Compromisso com a saúde ou com o comércio? Farmacêutico: Compromisso com a saúde ou com o comércio? Autores: MENDES, Amanda Brandão de Faria. OLIVEIRA, Graziane Silva. BORGES, Isaura MARTINS, Rafael de Souza. NEGREIROS Rômulo Hérlon Vidal Segundo

Leia mais

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Isabela Ribeiro Simões de Castro e Maria Celia Andrade A trombose venosa profunda e a embolia pulmonar são os agravos mais comuns de tromboembolismo

Leia mais