QUESTIONÁRIO DE COMPLIANCE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTIONÁRIO DE COMPLIANCE"

Transcrição

1 QUESTIONÁRIO DE COMPLIANCE O combate à corrupção é parte essencial na forma como a CPFL Energia conduz seus negócios. Este posicionamento é declarado no Código de Ética e de Conduta Empresarial da CPFL e reforçado pelos compromissos institucionais que assume pública e voluntariamente. Buscando garantir que, ao desenvolver suas atividades, as ações das pessoas que venham a agir em seu nome sejam baseadas na honestidade, na integridade e na transparência, é requerido a todo parceiro de negócios o preenchimento de um questionário que permita avaliar a o envolvimento e a frequência de seus relacionamentos com agentes públicos, a fim de garantir a conformidade com as leis brasileiras e norte-americanas às quais estamos sujeitos. 1. Nome / Razão social: CPF / CNPJ: Inscrição Estadual: Data de constituição da empresa: / / Endereço completo: Tipo Societário: LTDA S.A. (Capital fechado) (Capital aberto) Nº Registro na CVM Outro (Especificar) 1.1 Descrição do objeto social: 2. A empresa possui filial (ais), participação em coligadas, controladas ou consorciadas? 2. 1 Em caso afirmativo, relacioná-las no quadro abaixo (caso o campo seja insuficiente, favor utilizar o espaço ao final deste documento informações complementares ): a. CNPJ: Endereço completo: Objeto social: b. CNPJ:

2 Endereço completo: Objeto social: c. CNPJ: Endereço completo: Objeto social: d. CNPJ: Endereço completo: Objeto social: 3. Serão utilizados terceiros na execução dos trabalhos? 3.1 Em caso afirmativo, relacione os terceiros que serão utilizados (caso o campo seja insuficiente, favor utilizar o espaço ao final deste documento informações complementares ):

3 e. Nome: 4. Informar os proprietários/composição societária do parceiro de negócios. O percentual de participação deve totalizar 100% Se for uma sociedade limitada, além da indicação de todos os sócios, favor enviar uma cópia do último contrato social consolidado e eventuais alterações posteriores. Caso seja uma empresa de capital aberto, todos os acionistas com participação acionária igual ou superior a 5% devem ser relacionados individualmente (caso o campo seja insuficiente, favor utilizar o espaço ao final deste documento informações complementares ): % de participação: % de participação: % de participação: % de participação: e. Nome: % de participação: 4.1 Se a sócia majoritária mencionada acima for uma pessoa jurídica, favor mencionar o(s) representante(s) legal (is) da empresa no Brasil (caso o campo seja insuficiente, favor utilizar o espaço ao final deste documento informações complementares ):

4 5. Informar o nome dos integrantes do Conselho de Administração/Fiscal (caso o campo seja insuficiente, favor utilizar o espaço ao final deste documento informações complementares ): 5.1 Selecione esta alternativa somente se esta pergunta não se enquadre à sua empresa: aplicável 6. Relacione os principais Representantes Legais da Empresa: 6.1 Nome do Presidente/Principal executivo ou equivalente: 6.2

5 e. Nome: 7. Relacione todas as coligadas, controladas ou consorciadas da Empresa: e. Nome: 8. Relacione os colaboradores da empresa responsável pelo trabalho que poderão ser contatados a qualquer momento pelo Grupo CPFL Energia para obtenção de informações complementares:

6 e. Nome: 9. Algum parente de até 1º grau (*), inclusive companheiro (a) do proprietário, acionista majoritário, diretor, membro do conselho de administração, funcionário de primeiro escalão ou representante da empresa: i. É executivo ou funcionário de algum setor ou departamento do governo (quer seja executivo, legislativo, judiciário ou administrativo), agência ou instituição pública, incluindo governos; ii. É executivo, diretor ou funcionário de uma entidade estatal ou controlada pelo governo; iii. É executivo, diretor ou funcionário de uma organização pública internacional; iv. É representante ou procurador de governo, órgão governamental, departamento, agência, subagência ou organização pública internacional; v. É candidato a um cargo político ou governamental, ou ainda nomeado/apontado para tal cargo em algum estado da federação. (*) Para fins deste questionário, são considerados parentes lineares os pais e filhos, enquanto que os colaterais consistem em irmãos, tios, sobrinhos e primos. 10. É de seu conhecimento que a Empresa já tenha negociado usando um pseudônimo, nome fictício, nome fantasia ou qualquer outro nome de empresa que não o nome listado acima? Em caso positivo, relacione abaixo os nomes usados nos últimos cinco (5) anos: 11. Algum dos proprietários acionistas majoritários, membros do Conselho de Administração, diretores, funcionários de níveis gerenciais ou representantes da empresa: i. É executivo ou funcionário de algum setor ou departamento do governo (quer seja executivo, legislativo, judiciário ou administrativo), agência ou instituição pública, incluindo governos regionais;

7 ii. É executivo, diretor ou funcionário de alguma entidade estatal ou controlada pelo governo; iii. É executivo, diretor ou funcionário de uma organização pública internacional; iv. É representante ou procurador de governo, órgão governamental, departamento, agência, subagência ou organização pública internacional; v. É candidato a um cargo político ou governamental ou nomeado/apontado para tal cargo fora dos Estados Unidos ou, vi. É executivo, diretor ou funcionário de um partido político? Em caso afirmativo, explique. 12. Algum proprietário, acionista majoritário, membro do Conselho de Administração, Diretor e/ou representante da empresa consta cadastrado na lista PEP (Pessoa Politicamente exposta - Em caso afirmativo, explique. 13. É de seu conhecimento que sua Empresa tenha sido: i. Formalmente acusada ou que esteja sob investigação oficial por parte de autoridade governamental competente por qualquer crime, nos termos da Lei nº /13 (Lei Anticorrupção) ou ainda sob os crimes previstos no Código Penal (capítulos II-Crimes praticados por particular contra a administração pública e II-A-dos crimes praticados por particular contra a administração pública estrangeira); ii. Condenada por autoridade judicial competente por qualquer tipo de crime financeiro ou, iii. Sujeita a qualquer mandado ou sentença de bloqueio, confisco ou perda de direito baseada em qualquer violação alegada de quaisquer leis de lavagem de dinheiro ou de terrorismo, ou por violar quaisquer leis anti-lavagem de dinheiro ou anti-terrorismo? Em caso afirmativo, explique. 14. É de seu conhecimento se sua Empresa já se envolveu em uma operação que envolvesse:

8 i. A recepção, transferência, transporte, retenção, uso, estruturação, desvio ou ocultação do produto de qualquer atividade criminal, incluindo o tráfico de drogas, fraude e suborno de funcionário público; ii. Formalmente acusada ou que esteja sob investigação oficial por parte de autoridade governamental competente por qualquer crime financeiro, por exemplo, fraude, suborno, corrupção, lavagem de dinheiro ou financiamento ao terrorismo; iii. Participação ou envolvimento no financiamento, apoio ou fornecimento de ajuda ou conforto a qualquer indivíduo, atividade ou organização terrorista ou, iv. Uma pessoa designada? Em caso afirmativo, explique. 15. A empresa está em dia com suas obrigações legais junto aos órgãos competentes/reguladores? 16. A sua Empresa tem seus registros contábeis submetidos à auditoria independente? 17. A sua empresa tem os registros publicados? 18. A sua empresa tem as opiniões dos auditores publicadas? 19. A sua empresa possui um código de conduta empresarial ou documento similar? (Em caso afirmativo, favor fornecer uma cópia do Código de Ética/Conduta e/ou documento similar) Em caso afirmativo, o Código de Ética/Conduta e/ou documento similar se aplica a todos os funcionários que trabalharão nesta(s) operação (ões) com o Grupo CPFL Energia? 19.2 Em caso negativo, responda as questões abaixo: Se sua empresa não possui um Código de Ética/Conduta, para a CPFL Energia é importante saber: 1. Sua empresa possui um conjunto de valores éticos não formalizados?

9 2. Sua empresa divulga esses valores éticos aos seus funcionários? 3. Como sua divulgação ocorre: Publicações internas Outras publicações Internet Cartazes/Mural Treinamento Qual (is)? 20. Utilize este espaço para fornecer qualquer informação adicional que possa ser relevante em sua opinião, para a relação entre o Terceiro e a CPFL Energia. Comentários: Informações complementares (relativos às perguntas 2.1, 3.1, 4, 4.1 e 5):

10 Certifico de boa fé que as respostas aqui fornecidas são verdadeiras e corretas e autorizo a CPFL Energia, suas subsidiárias, coligadas, ou seus representantes, a verificarem e confirmarem as informações contidas neste questionário. CIENTE E DE ACORDO: Nome do Representante da empresa: Assinatura do Representante da empresa (com firma reconhecida): Cargo Representante da empresa: Local Data: / /

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1 Instruções: O REPRESENTANTE DEVIDAMENTE AUTORIZADO DO TERCEIRO DEVE RESPONDER ÀS QUESTÕES DA VERIFICAÇÃO MINUCIOSA E PREENCHER O TERMO DE CERTIFICAÇÃO E ENVIAR TODAS AS INFORMAÇÕES PARA O FUNCIONÁRIO REGAL

Leia mais

Esclarecimentos sobre a demonstração dos itens do Questionário Avaliativo

Esclarecimentos sobre a demonstração dos itens do Questionário Avaliativo Esclarecimentos sobre a demonstração dos itens do Questionário Avaliativo MEDIDAS DE ÉTICA E CONDUTA 1 - A empresa se encontra em situação regular com a Fazenda Federal? A empresa deve apresentar documento

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO IDENTIFICAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES

PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO IDENTIFICAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES SUMÁRIO ITEM INDICE FOLHAS 1 Diretriz 2 2 Objetivo 2 3 Referencias 2 4 Funções Envolvidas 2 5 Procedimentos 2 6 Formulários Aplicáveis 6 7 Avaliação da Eficácia 7 REGISTRO DAS ALTERAÇÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO

Leia mais

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1 Regulamento para Cadastramento de Instituições Financeiras e similares, sociedade corretoras e Distribuidoras, Gestoras e Administradoras de Títulos e Valores Mobiliários junto à ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Código do cliente: FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Assessor: PESSOA JURÍDICA F.P07.003.06 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE Razão Social Completa (sem abreviações) CNPJ Inscrição Estadual Nº Registro e Órgão

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL A Política de Prevenção à Corrupção tem como objetivo dar visibilidade e registrar os princípios e valores éticos que devem nortear a atuação dos empregados,

Leia mais

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO I. DECLARAÇÃO DA POLÍTICA A política da RGIS ( Companhia ) é conduzir as operações mundiais de forma ética e conforme as leis aplicáveis, não só nos EUA como em outros países.

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS 1. Introdução A presente Política, aplicável à WEG S/A e todas as suas controladas, representa uma síntese das diretrizes existentes na

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

Adequação de Contratos Comerciais e Trabalhistas

Adequação de Contratos Comerciais e Trabalhistas Adequação de Contratos Comerciais e Trabalhistas As Cláusulas de Anticorrupção nos Contratos De modo a dar efetividade às normas de Compliance da Radix Engenharia & Software, bem como às da Controladoria-Geral

Leia mais

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda.

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Objetivo O presente Código de Conduta Ética tem por objetivo estabelecer os aspectos e postura exigidos de administradores, colaboradores e funcionários

Leia mais

AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento. Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados

AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento. Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados Breve panorama sobre a nova Lei Anticorrupção Giovani Agostini Saavedra Contexto da

Leia mais

Marco regulatório de 2009

Marco regulatório de 2009 Marco regulatório de 2009 Circular 3.461/09 Cadastro de Clientes Atualização Cadastral Know Your Customer KYC Pessoas Politicamente Expostas PEPs Cadastro de Clientes Cumprir a regulamentação em vigor

Leia mais

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET PESSOA JURÍDICA

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET PESSOA JURÍDICA FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET PESSOA JURÍDICA Código do cliente: Assessor: F.P07.003.05 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE Razão Social Completa (sem abreviações) CNPJ Inscrição Estadual Nº Registro e Órgão

Leia mais

Identificação do beneficiário final na prevenção dos crimes financeiros. Wolney José dos Anjos Setembro/2012

Identificação do beneficiário final na prevenção dos crimes financeiros. Wolney José dos Anjos Setembro/2012 Identificação do beneficiário final na prevenção dos crimes financeiros Wolney José dos Anjos Setembro/2012 1 Agenda - Supervisão de PLD/CFT - Deficiências identificadas. - Beneficiário final - Conceito

Leia mais

TERMO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE ESPAÇO VIRTUAL PARA DIVULGAÇÃO DE MARCA, PRODUTOS E/OU SERVIÇOS

TERMO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE ESPAÇO VIRTUAL PARA DIVULGAÇÃO DE MARCA, PRODUTOS E/OU SERVIÇOS TERMO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE ESPAÇO VIRTUAL PARA DIVULGAÇÃO DE MARCA, PRODUTOS E/OU SERVIÇOS Pelo presente Termo, em que são partes, de um lado SHAPE.I e, de outro, PARCEIRO, regularmente cadastrado em

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER I. PROPÓSITO POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER A corrupção é proibida pelas leis de quase todas as jurisdições do mundo. A Danaher Corporation ( Danaher ) está comprometida em obedecer as leis

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

Lei 12.846 Anticorrupção CMI- SINDUSCON RJ - 09/09/14

Lei 12.846 Anticorrupção CMI- SINDUSCON RJ - 09/09/14 Lei 12.846 Anticorrupção CMI- SINDUSCON RJ - 09/09/14 Aprovada em agosto de 2013 Lei de âmbito Federal, entrou em Vigor em janeiro de 2014, prevendo punições para as empresas que cometerem atos de Corrupção

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 7 Resumo: Estabelecer os princípios de combate à corrupção no relacionamento da Organização com os agentes da Administração Pública, seguindo as diretrizes estabelecidas na Lei nº 12.846/13

Leia mais

FOREVER LIVING PRODUCTS BRASIL LTDA. CONTRATO DE CREDENCIAMENTO COM PESSOA JURÍDICA

FOREVER LIVING PRODUCTS BRASIL LTDA. CONTRATO DE CREDENCIAMENTO COM PESSOA JURÍDICA FOREVER LIVING PRODUCTS BRASIL LTDA. CONTRATO DE CREDENCIAMENTO COM PESSOA JURÍDICA Nome da Sociedade/Empreendedor Independente Pessoa Jurídica: Esta Pessoa Jurídica é uma: Sociedade de Responsabilidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Página: 1/5 Tipo: PROCEDIMENTO Data: 29/08/2015 Título: CLÁUSULA ANTICORRUPÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Página: 1/5 Tipo: PROCEDIMENTO Data: 29/08/2015 Título: CLÁUSULA ANTICORRUPÇÃO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Página: 1/5 1 OBJETIVO Em observância à Política Anticorrupção adotada pela NM ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. (a Política Anticorrupção ), o modelo de cláusula a seguir deve

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 A LEI ANTICORRUPÇÃO. S e m i n á r i o r e a l i z a d o n o F e l s b e r g A d v o g a d o s e m 0 5 / 0 2 / 2 0 1 4

LEI Nº 12.846/2013 A LEI ANTICORRUPÇÃO. S e m i n á r i o r e a l i z a d o n o F e l s b e r g A d v o g a d o s e m 0 5 / 0 2 / 2 0 1 4 LEI Nº 12.846/2013 A LEI ANTICORRUPÇÃO S e m i n á r i o r e a l i z a d o n o F e l s b e r g A d v o g a d o s e m 0 5 / 0 2 / 2 0 1 4 01. Introdução E v y M a r q u e s e v y m a r q u e s @ f e l s

Leia mais

Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função

Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função Título Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função Departamento Jurídico da Holding Documento BGHP_version1_03032011 1. Finalidade A finalidade desta

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

Data da última atualização. Prevenção à Lavagem de Dinheiro 04/02/2015

Data da última atualização. Prevenção à Lavagem de Dinheiro 04/02/2015 Política Prevenção à Lavagem de Dinheiro 04/02/2015 Data da última atualização 1. Objetivo: O Conselho de Administração e a Diretoria Executiva do Banco Indusval S/A e Guide Investimentos S/A Corretora

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014 A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE Agosto, 2014 Lei Anticorrupção Brasileira: Lei 12.846/2013 Aspectos Gerais: Vigência: Entrou em vigor em 29/01/2014; Será regulamentada. Objetivo: Responsabilizar

Leia mais

Banking. Princípios de Wolfsberg. 1 a revisão, Maio 2002. Os maiores Private Banks internacionais:

Banking. Princípios de Wolfsberg. 1 a revisão, Maio 2002. Os maiores Private Banks internacionais: Diretrizes Globais de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Private Banking Princípios de Wolfsberg (1 a revisão, Maio 2002) Os maiores Private Banks internacionais: ABN AMRO Bank N.V., Bank

Leia mais

POLÍTICA DE DENÚNCIAS

POLÍTICA DE DENÚNCIAS (constituída nas Bermudas com responsabilidade limitada) (Código de negociação em bolsa: 1768) (a Sociedade ) POLÍTICA DE DENÚNCIAS 1. Objetivo Esta Política estabelece os meios que: a) os funcionários

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC.

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. a JUSTIFICATIVA: A Alcoa Inc. ( Alcoa ) e sua administração têm o compromisso de conduzir todas as suas operações em todo o mundo com ética e em conformidade com todas

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 506, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO CVM Nº 506, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011 Altera a Instrução CVM nº 301, de 16 de abril de 1999. Revoga o art. 12 da Instrução CVM nº 14, de 17 de outubro de 1980. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013]

LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013] LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013] PROGRAMA DE COMPLIANCE E ACORDO DE LENIÊNCIA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BELO HORIZONTE BRASÍLIA SALVADOR www.scbf.com. br SUMÁRIO A Lei Anticorrupção

Leia mais

Vale aprova Política de Negociação

Vale aprova Política de Negociação Fato Relevante Vale aprova Política de Negociação A Vale S.A. (Vale) informa que o Conselho de Administração aprovou uma nova Política de Negociação de Valores Mobiliários de emissão da Vale em substituição

Leia mais

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional P á g i n a 1 SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Manual Operacional P á g i n a 2 1 SUMÁRIO 2 Orientações gerais... 3 2.1 Perfis de acesso... 4 2.2 Para acessar todas as funcionalidades

Leia mais

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE RELATÓRIO DE CONFORMIDADE Consta no CEIS? Não (informação checada em 20/03/2012) DADOS DA EMPRESA Empresa 3M DO BRASIL LTDA Nome Fantasia 3M CNPJ 45985371000108 A empresa é Privada É subsidiária? Sim De

Leia mais

ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS GERAIS

ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS GERAIS ÍNDICE 3 3 4 4 4 5 5 6 6 6 6 7 7 7 8 8 9 9 9 9 10 10 1. PRINCÍPIOS GERAIS 2. PLANO TCC: COMPROMISSOS 2.1 Subornos 2.2 Doações a partidos políticos 2.3 Doações a organizações beneficentes e patrocínio 2.4

Leia mais

Documentação Live TIM Dedicado

Documentação Live TIM Dedicado Documentação Live TIM Dedicado . PROPOSTA APROVADA SISTEMA ANÁLISE LISTA 1. Documentos básicos necessários por tipo de empresa: Sociedades Limitadas Validação Documentação Última Alteração Contratual arquivada

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

Formulário de Solicitação

Formulário de Solicitação corretor/intermediário Formulário de Solicitação Preencha este formulário em letra De fôrma. 1 Dados de contato da agência Nome comercial completo Pessoa(s) de contato Endereço comercial registrado Telefone

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1

TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1 TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1 Os Termos e Condições abaixo dizem respeito aos requisitos exigidos dos profissionais especializados para seu cadastramento

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

TERMO DE DECLARAÇÃO RELATIVO AO PREÇO OPÇÃO I E AO CONTRATO DE GARANTIA PARA AQUISIÇÕES SUPERVENIENTES

TERMO DE DECLARAÇÃO RELATIVO AO PREÇO OPÇÃO I E AO CONTRATO DE GARANTIA PARA AQUISIÇÕES SUPERVENIENTES TERMO DE DECLARAÇÃO RELATIVO AO PREÇO OPÇÃO I E AO CONTRATO DE GARANTIA PARA AQUISIÇÕES SUPERVENIENTES Fazemos referência ao Edital de Oferta Pública Unificada de Aquisição de Ações Ordinárias e Preferenciais

Leia mais

Compliance e Gestão de Terceiros A Importância para as Organizações. São Paulo, 22/09/15

Compliance e Gestão de Terceiros A Importância para as Organizações. São Paulo, 22/09/15 Compliance e Gestão de Terceiros A Importância para as Organizações São Paulo, 22/09/15 Nossa Agenda 1. Preocupações atuais no ambiente corporativo 2. Gestão de riscos e controles internos 3. Terceiros

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 Aos Custodiantes de Valores Mobiliários ( custodiantes ) Assunto: Adaptação à Instrução CVM Nº 542/2013 Prezados Senhores, 1. Nos termos

Leia mais

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro;

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro; Instrução CVM 301/99. DA IDENTIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES Art. 3º Para os fins do disposto no art. 10, inciso I, da Lei nº 9.613/98, as pessoas mencionadas no art. 2º (DENTRE OUTRAS, CORRETORAS DE

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2012

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2012 CONTROLE DE VERSÃO SERVIÇO 102 - SMP TELEMAR NORTE LESTE S.A E OI S.A. ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2012 1. ALTERAÇÕES REALIZADAS NO CORPO DO CONTRATO: Alteração da redação do item CLÁUSULA QUINTA

Leia mais

COMPLIANCE ANTICORRUPÇÃO IMPACTO E IMPORTÂNCIA AOS NEGÓCIOS

COMPLIANCE ANTICORRUPÇÃO IMPACTO E IMPORTÂNCIA AOS NEGÓCIOS COMPLIANCE ANTICORRUPÇÃO IMPACTO E IMPORTÂNCIA AOS NEGÓCIOS O QUE É COMPLIANCE COMPLIANCE Estar em conformidade e fazer cumprir regulamentos internos e externos CORRUPÇÃO É CONSEQUÊNCIA DA AUSÊNCIA DE

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

AVISO DE PRIVACIDADE DOS CANDIDATOS A EMPREGO

AVISO DE PRIVACIDADE DOS CANDIDATOS A EMPREGO AVISO DE PRIVACIDADE DOS CANDIDATOS A EMPREGO Índice 1. Objetivo... 3 2. Que informações pessoais a ADM coleta... 3 3. Como a ADM usa suas informações pessoais... 4 4. Como a ADM protege suas informações

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 NOVAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PROCEDIMENTOS PARA SELEÇÃO DE EMPRESAS PRIVADAS, ESTATAIS, EMPREENDEDORES E INVESTIDORES PARA FORMAÇÃO DE PARCERIAS 1. OBJETO Constitui

Leia mais

ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES. 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas.

ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES. 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas. ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas. 2.4 Promessas Verbais. 3 Diante do Plano de Marketing 4 - Conselhos

Leia mais

Código de Ética - Ultra

Código de Ética - Ultra Código de Ética - Ultra Ética na gestão - Equidade, transparência e responsabilidade - Cumprimento das leis - Desenvolvimento sustentável Ética nos relacionamentos - Acionistas e investidores - Colaboradores

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da autorregulação

Leia mais

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO)

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO) Código de Conduta Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global John Snyder Presidente e Diretor Executivo (CEO) Mike Janssen Diretor de Operações (COO) Stephan

Leia mais

O Participante somente receberá pontos relativos a transações realizadas após a confirmação do seu cadastro.

O Participante somente receberá pontos relativos a transações realizadas após a confirmação do seu cadastro. I - NOME DO PROGRAMA KOP CLUB II - SOBRE O PROGRAMA O Kop Club tem como objetivo reconhecer e presentear os clientes Kopenhagen, por meio da troca de pontos gerados por compras nas Lojas Kopenhagen. Além

Leia mais

Plano de Tolerância Zero com a corrupção. Plano TCC

Plano de Tolerância Zero com a corrupção. Plano TCC Plano de Tolerância Zero com a corrupção Plano TCC ÍNDICE 3 3 4 4 4 5 5 6 6 6 6 7 7 7 8 8 9 9 9 9 10 10 1. PRINCÍPIOS GERAIS 2. PLANO TCC: COMPROMISSOS 2.1 Subornos 2.2 Doações a partidos políticos 2.3

Leia mais

Manual Anticorrupção

Manual Anticorrupção Manual Anticorrupção pág. 2 Estrutura do Manual Anticorrupção 1. Introdução pág. 04 2. Definições pág. 06 3. Regras e Procedimentos pág. 08 4. Violações e Sanções Aplicáveis pág. 16 pág. 3 1. Introdução

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. APROVADA NA RCA DE 18/03/2009 SUMÁRIO I OBJETIVO... 3 II - ADMINISTRAÇÃO DA POLÍTICA... 3 II.1

Leia mais

Risk Audit Summit 28/04. Luciano Bordon Sócio - Advisory Grant Thornton. 2015 Grant Thornton International Ltd. All rights reserved.

Risk Audit Summit 28/04. Luciano Bordon Sócio - Advisory Grant Thornton. 2015 Grant Thornton International Ltd. All rights reserved. Risk Audit Summit 28/04 Luciano Bordon Sócio - Advisory Grant Thornton Empresas americanas objetivo da pesquisa foi de identificar como os departamentos de auditoria interna de empresas de grande porte

Leia mais

Política de Integridade

Política de Integridade Política de Integridade 1. INTRODUÇÃO Os procedimentos aqui descritos são complementares às diretrizes do Código de Conduta da empresa, e são norteados pelo compromisso assumido junto ao Pacto Empresarial

Leia mais

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC)

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) 14 DE MARÇO DE 2014 LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) FABIO VALGAS Chefe Regional Controladoria Regional da União no Estado do Rio de Janeiro Lei 12.846/2013 Lei Anticorrupção - LAC A Lei n.º 12.846/13

Leia mais

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes 1 Introdução O Grupo de Instituições Financeiras Wolfsberg 1 ¹ considera que estes princípios constituem uma orientação

Leia mais

Módulo de Gestão Proposta de Seguro

Módulo de Gestão Proposta de Seguro Esta proposta de seguro é válida para Sociedades com faturação superior a 50 Milhões Euros. Excluem-se também desta proposta qualquer entidade seguradora e/ou financeira regulada pelos organismos competentes.

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO FEV/2015 VERSÃO 1.0

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO FEV/2015 VERSÃO 1.0 POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO VERSÃO 2 / 6 1. INTRODUÇÃO A Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro ( Política ) visa promover a adequação das atividades operacionais da DBTRANS

Leia mais

Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os

Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os aspectos, os seus direitos e as suas obrigações. O original

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 FEBRABAN Arthur Lemos Jr Promotor de Justiça Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos Compliance A LEI PROVOCA

Leia mais

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional P á g i n a 1 SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Manual Operacional P á g i n a 2 SUMÁRIO 1 Orientações gerais... 4 1.1 O que são Pessoas Obrigadas?... 4 1.2 Perfis de acesso... 4 1.3

Leia mais

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores 00 12/02/2015 Original Natalia Simões Araujo (Coordenadora Funções Corporativas e Compliance) Antonio Ferreira Martins (Vice- Presidente Jurídico e

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL 1. OBJETO Este regulamento estabelece as regras gerais da Seleção Pública Petrobras Cultural Minas Gerais Edição 2014. São

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO E DOCUMENTOS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO E DOCUMENTOS INSTRUÇÕES HSBC Brasil Administradora de Consórcio Ltda. INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO E DOCUMENTOS 1- Preencher a Ficha Cadastral em sua totalidade de forma legível, datar e assinar com reconhecimento de

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Fraudes BTG Pactual Resseguradora e BTG Pactual Vida e Previdência

Treinamento de Prevenção a Fraudes BTG Pactual Resseguradora e BTG Pactual Vida e Previdência Janeiro 2015 Error! Reference source not found. Treinamento de Prevenção a Fraudes Introdução Esse treinamento visa à orientação dos funcionários da Resseguradora S.A. e Vida e Previdência S.A. e das pessoas

Leia mais

ANUCIANTE declara que aquiesceu com todas as condições apresentadas no presente Termo de Uso.

ANUCIANTE declara que aquiesceu com todas as condições apresentadas no presente Termo de Uso. O website e domínio www.busquecursos.co, bem como seus subdomínios, funcionalidades, conteúdo e demais aplicações e serviços (incluindo aplicações mobile) estão sujeitos aos termos e condições deste termo

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

Ficha cadastral / Proposta de abertura de conta - Pessoa Jurídica

Ficha cadastral / Proposta de abertura de conta - Pessoa Jurídica Ficha cadastral / Proposta de abertura de conta - Pessoa Jurídica Razão Social (sem abreviações) CNPJ Endereço Sede Nº Complemento Bairro Cidade UF CEP Capital Social R$ Patrimônio Líquido R$ Faturamento

Leia mais

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda.

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda. Código de Ética SPL Consultoria e Informática Ltda. Introdução Segundo o dicionário Aurélio ética é o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

Termos de Serviço do Code Club World

Termos de Serviço do Code Club World Termos de Serviço do Code Club World POR FAVOR LEIA ESTE DOCUMENTO CUIDADOSAMENTE. CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES. CONTÉM TAMBÉM A ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE E A CLÁUSULA

Leia mais

manual anticorrupção

manual anticorrupção manual anticorrupção ÍNDICE Introdução 4 Histórico 4 O Código de Conduta da Klabin 5 Por que um Manual Anticorrupção se já há um Código de Conduta? 5 Conceitos e Esclarecimentos 6 O que é corrupção? Práticas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas funções, para cumprimento das obrigações previstas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Conceito 2. Objetivo 3. Abrangência 4. Regras e Normas 4.1 Conceito de Ética. Ponto de vista empresarial 4.2 Princípios

Leia mais

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

ELDORADO GOLD CORPORATION SUBSIDIÁRIAS E AFILIADAS CÓDIGO DE CONDUTA COMERCIAL E ÉTICA

ELDORADO GOLD CORPORATION SUBSIDIÁRIAS E AFILIADAS CÓDIGO DE CONDUTA COMERCIAL E ÉTICA ELDORADO GOLD CORPORATION SUBSIDIÁRIAS E AFILIADAS CÓDIGO DE CONDUTA COMERCIAL E ÉTICA A Eldorado Gold Corporation e suas subsidiárias e afiliadas estão comprometidas com os mais elevados padrões de conduta

Leia mais