AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ESTRUTURA PROPRIEDADE DOS TERPOLÍMEROS DE SAMSAN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ESTRUTURA PROPRIEDADE DOS TERPOLÍMEROS DE SAMSAN"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ESTRUTURA PROPRIEDADE DOS TERPOLÍMEROS DE SAMSAN Nogueira, R. F. 1,2 e Tavares, M.I.B. 1 1 IMA/UFRJ, Centro de Tecnologia, bloco J, Cidade Universitária, Ilha do Fundão, Rio de Janeiro, RJ, CP \ 2 COPPE/UFRJ, Ilha do Fundão, RJ, RJ, Brazil, CP Palavras Chave: Terpolímero, RMN, alfa-metil estireno Abstract Terpolymers formed by styrene/alpha-methystyrene/acrylonitrile were prepared at different proportions. According to the reaction conditions the terpolymers obtained presented a randomic sequence distribution. By the NMR results they are constituted by different domains. It is known that alpha-methystyrene (AMS), due to a steric hidrance presents high degree of unstability, promoting a depolymerization. Based on the NMR 13 C solution analysis, it was possible to detect the depolymerization process. From the solid state NMR results it was characterized that the AMS constitutes the highest mobility domain. Finally, the values determined to protons spin-lattice relaxation time in the rotating frame parameter showed that the terpolymers prepared are random and AMS makes the polymers plasticized. RESUMO A processo de obtenção do terpolímero de alfa-metil estireno, acrilonitrila e estireno gera um produto com distribuição de seqüências aleatórias. Os dados de RMN mostram que estes terpolímeros são constituídos d pelo menos dois domínios de mobilidades diferentes. É sabido ainda que o alfa-metil estireno é um monômero de difícil polimerização, entretanto a acrilonitrila promove um aumento na inserção deste monômero na cadeia. Todavia, um alto teor de acrilonitrila causa uma instabilidade coloidal no sistema, fazendo com que a reação pare e o produto final contenha terpolímero mas com compostos despolimerizados, como foi isto por RMN em solução. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48201

2 INTRODUÇÃO Comercialmente, a produção de polímeros volta-se cada vez mais para o desenvolvimento de polímeros especiais que podem ser homopolímeros, copolímeros e terpolímeros, exigindo um entendimento crescente dos fenômenos que acontecem inter. e intramolecularmente numa cadeia polimérica. Copolímerização tem sido amplamente empregada para modificar as propriedades dos polímeros. Pela escolha apropriada dos comonômeros, as propriedades de homopolímeros originais podem ser modificadas drasticamente. A obtenção de terpolímeros tem sido enfocada com o propósito de se obter produtos poliméricos com ampla capacidade de atuação. Do ponto de vista tecnológico, dois aspectos na copolimerização são especialmente importantes: a relação estrutura/propriedade e o controle da composição. Sabe-se que nas reações de copolimerização via radical livre, a composição do copolímero varia à medida que a conversão aumenta, com exceção das copolimerizações azeotrópicas. Como a heterogeneidade na composição do copolímero corresponde à variações nas propriedades do produto final, nem sempre desejadas, alguns copolímeros, principalmente os de importância comercial são produzidos na sua composição azeotrópica. Para o copolímero de estireno e acrilonitrila, por exemplo, o ponto de azeotropia corresponde à fração molar de 0,38 de acrilonitrila. A maior parte dos polímeros encontrados na natureza ou sintetizados são homopolímeros. As borrachas sintéticas SBR e a ABS, são as mais utilizadas mundialmente, também são exemplos de copolímeros. O SBR é um copolímero de estireno e butadieno, enquanto que a resina ABS é um terpolímero de acrilonitrila, butadieno e estireno. No entanto, o monômero alfa-metil estireno vem substituindo parte do estireno na fabricação de elastômeros termoplásticos e como o poli(alfa-metil estireno) (AMS) possui temperatura de transição vítrea (Tg) maior que a do poliestireno (PS), de cadeias comparáveis, o copolímero e o terpolímero fornecerão melhor estabilidade térmica e maior resistência à degradação. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48202

3 Uma das maneiras de se obter o polímero desejado, seja este homo-, co- ou terpolímero, é através da síntese dos seus monômeros. A polimerização poderá ser realizada através de diferentes técnicas, que são: polimerização em massa, solução, suspensão, emulsão ou via catalisadores Ziegler-Natta. A escolha da melhor técnica irá depender fundamentalmente do custo/benefício em relação aos monômeros utilizados. A melhor técnica para a polimerização do terpolímero em estudo é a de emulsão, por esta técnica o produto é obtido sob a forma de látex, o que se constitui uma vantagem, quando não há necessidade de purificação do polímero obtido. A polimerização em emulsão é ainda um processo de grande interesse tecnológico e científico devido aos grandes interesses industriais e à complexidade do processo. Uma característica marcante da polimerização em emulsão e que a torna singular é que o processo pode atingir simultaneamente velocidades de polimerização e pesos moleculares elevados. Para o conhecimento específico do produto polimérico assim como a relação estrutura/propriedade, faz-se necessário uma caracterização detalhada de forma a se obter o máximo de informações sobre o polímero. A espectroscopia de ressonância magnética nuclear (RMN) tem sido bastante empregada na caracterização de polímeros. O emprego da RMN em polímeros pela análise dos núcleos de hidrogênio e carbono-13 em solução possibilita o estudo dos mecanismos de polimerização e copolimerização 1, através da determinação dos deslocamentos químicos, pode-se assinalar a microestrutura; os encadeamentos de seqüência e obter a proporção entre os comonômeros. Através da utilização de técnicas mais avançadas, como DEPT-135 (Distortionless Enhancement by Polarization Transfer) ou de duas dimensões (2D) pode-se obter a solução de problemas de assinalamento não elucidados através das técnicas convencionais de uma dimensão. Além disso, a RMN também possibilita a investigação multinuclear, permitindo um estudo de outros núcleos, tais como: silício-29, nitrogênio-15, flúor-19, fósforo-31 e deutério. Nos últimos anos têm sido crescente o interesse no estudo de RMN no estado sólido, onde é possível não só caracterizar a estrutura molecular e fazer um acompanhamento de polimerização, mas também um estudo sobre mobilidade molecular. 2-7 E portanto, gerar CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48203

4 informações a cerca da relação estrutura/microestrutura/dinâmica molecular, e consequentemente obter respostas sobre o comportamento mecânico dos materiais 8. Este trabalho teve como objetivo principal sintetizar os copolímeros e os terpolímeros de estireno, alfa-metil estireno e acrilonitrila através da técnica de polimerização em emulsão em batelada, contribuindo para a obtenção de informações detalhadas sobre a matriz rígida constituinte do ABS. Assim como desenvolver um método analítico pela espectroscopia de ressonância magnética nuclear para caracterizar a estrutura e microestrutura, bem como a dinâmica molecular dos copolímeros e terpolímeros preparados. Parte Experimental Obtenção dos terpolímeros Os terpolímeros formados por estireno, alfa-metil estireno e acrilonitrila foram denominados de SAMSANn (onde n é a proporção de alimentação dos monômeros em massa e varia de A até C, sendo A (S= 37%, AMS= 37% e AN=26%); B (S= 20%, AMS= 50% e AN=30%) e C (S=13,6%, AMS= 61,6% e AN= 24,8%). A Tabela 1 mostra a determinação do tempo ideal de reação de terpolimerização. Tabela 1 Determinação do tempo ideal de polimerização dos terpolímeros SAMSAN CONVERSÃO (%) TEMPO (min) A B C 5 7,88 4,95 4, ,39 10,41 9, ,65 17,90 14, ,83 26,20 20, ,4 44,31 33, ,99 45, , , , , ,69 87,24 76,74 CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48204

5 ,89 87, ,69 92,88 86, , , ,06 95,45 90, , ,39 95, Nota-se que a conversão final entre as três corridas não diferem muito. Entretanto, há um leve aumento da velocidade de reação na direção da diminuição da composição do AMS. A temperatura reacional exerce um papel importante na polimerização pois, além de afetar a velocidade de reação de polimerização, afeta também a morfologia do polímero no látex obtido, que caracterizada como sendo 84 C. Medidas de RMN: A análises de RMN em solução foram realizadas em um espectrômetro Varian Mercury 300, com freqüência de observação de 300 MHz e 75,4 MHz para os núcleos de 1H e 13 C, respectivamente. Todas as análises foram realizadas quantitativamente. As análises no estado sólido foram realizadas em um espectrômetro Varian INOVA 300, com freqüência de observação de 75,4 MHz para o núcleo de 13 C. As medidas de RMN foram realizadas empregando-se a técnica básica (rotação segundo o ângulo mágico - MAS), utilizando-se o módulo de polarização cruzada (CP) e ainda técnicas de determinação do tempo de relação, para gerar informações sobre a dinâmica molecular. RESULTADOS E DISCUSSÃO - RMN em Solução A análise de RMN em solução permitiu a caracterização dos terpolímeros de estireno, alfa-metil estireno e acrilonitrila com relação a estrutura e a microestrutura, tendo como base os estudos realizados para os homopolímeros e para os copolímeros, preparados anteriormente. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48205

6 - RMN de 1 H Os terpolímeros de SAMSAN foram analisados por RMN de 1 H visando obter a relação entre os monômeros. Para tanto foram utilizados três espectrômetros de RMN empregando diferentes condições de análise, tendo em vista a dificuldade de separação dos sinais de RMN dos monômeros. Mesmo assim não foi possível obter resolução suficiente para a determinação da proporção entre os monômeros. Entretanto, essas análises permitiram identificar o processo de despolimerização do alfa-metil estireno. E o teor de despolimerização pode ser obtido através da relação das áreas dos sinais dos terpolímeros contra as áreas dos sinais referentes a despolimerização. A Tabela 2 mostra os valores da despolimerização dos terpolímeros em mol%. Tabela 2 - Valores da despolimerização dos terpolímeros, em mol%. POLÍMERO mol % despolimerização SAMSAN A 39,6 SAMSAN B 36,0 SAMSAN C 18,1 De acordo com os valores da Tabela 2 tem-se que a despolimerização do nos terpolímeros foi evidenciada em função da relação entre os monômeros AMS e AN na alimentação. - RMN de 13 C Os espectros de 13 C obtidos em solução foram utilizados tanto para a caracterização estrutural quanto para a determinação da distribuição dos monômeros nos terpolímeros. Cabe ressaltar que a partir dos espectros de RMN de 13 C dos terpolímeros, também foi possível detectar a despolimerização do alfa-metil estireno, onde os sinais finos referentes as cadeias de baixo peso molecular foram detectadas; confirmando o observado pelos espectros de RMN de 1 H. Uma informação importante desses espectros é que o terpolímero SAMSAN C sofreu menor grau de despolimerização face a maior aleatoriedade na incorporação dos monômeros. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48206

7 - RMN no estado sólido Os terpolímeros SAMSAN foram analisados por RMN de 13 C no estado sólido empregando as técnicas de MAS, CPMAS, CPMASDD e VTC, além da medida do parâmetro de relaxação T 1 H ρ por VTC e atraso no tempo de contato (delayed contact-time). Os espectros de RMN de 13 C obtidos pela técnica de geraram informação sobre a região de maior mobilidade presente no terpolímero. Pelo espectro de MAS de 13 C do SAMSAN C pode-se verificar que a região de mobilidade é constituída basicamente pelo AMS. A detecção do AMS como parte flexível no terpolímero, pode indicar que este esteja atuando como um plastificante. A análise do espectro de RMN de 13 C do SAMSAN C, obtido pelo CPMAS, mostrou que o melhor tempo de foi 1ms e foram detectados sinais referentes aos carbonos do AMS e S, não sendo detectados sinais de RMN da AN, provavelmente devido a sua baixa incorporação. Para o terpolímero, SAMSAN A os espectro de RMN de 13 C obtido pelo CPMAS mostrou sinais referentes aos três monômeros. Os sinais mostram-se alargados em função da distribuição aleatória dos monômeros. Para o SAMSAN B o espectro de RMN de 13 C obtido pela técnica de CPMAS, mostrou os sinais referentes aos AMS e S. Como foi detectado pelo espectro de 1 H, este terpolímero sofreu alto grau de despolimerização em função tanto do teor de AN quanto de AMS e baixo teor de S na alimentação, provocando assim baixa incorporação de AN no terpolímero e maior incorporação de AMS. Pelo experimento de VTC foram observados os perfis dos decaimentos dos sinais de 13 C e também foram determinados os parâmetros de relaxação T 1 H ρ para cada terpolímero. Comparando os perfis dos decaimentos dos diferentes terpolímeros pode-se observar que os decaimentos não apresentam diferenças marcantes. Entretanto, essas curvas são função da distribuição dos monômeros. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48207

8 Os valores de T 1 H ρ, em função do deslocamento químico, obtidos a partir do VTC, para os terpolímeros SAMSAN A e C estão listados na Tabela 3 Tabela 3 - Valores de T H 1 ρ, em função do deslocamento químico, obtidos a partir do VTC, para os terpolímeros A e C T H 1 ρ (ms) (δ 13 C) 146,2 128,8 69,3 42,7 23,0 SAMSAN A 18,1 3,9 9,7 6,2 4,3 SAMSAN C 10,1 5,3 3,5 6,5 6,3 Pelos dados da Tabela 3 pode-se observar claramente que a distribuição dos monômeros é completamente aleatória. Para o terpolímero B os valores de T H 1 ρ, em função do deslocamento químico, obtidos a partir do VTC, estão listados na Tabela 4. Pode-se observar que o valor do C-1 do anel aromático e C β H 2 do AMS foram detectados em deslocamentos químicos menores que os nos outros terpolímeros, o que indica que este terpolímero apresenta-se plastificado. Além disso, os valores de T H 1 ρ, indicam que o terpolímero B apresenta uma melhor homogeneidade na distribuição dos monômeros nas cadeias. Tabela 4 - Valores de T H 1 ρ, em função do deslocamento químico, obtidos a partir do VTC, para o terpolímero B T H 1 ρ (ms) (δ 13 C) 143,3 128,8 49,7 42,6 23,1 SAMSAN B 6,4 5,9 5,7 5,3 5,2 O parâmetro T 1 H ρ também foi determinado pelo experimento de delayed contacttime e os valores para os terpolímeros A e C estão listados na Tabela 5. CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48208

9 Tabela 5 - Valores de T H 1 ρ, em função do deslocamento químico, obtidos a partir do experimento delayed contact-time, para os terpolímeros A e C T H 1 ρ (ms) (δ 13 C) 146,2 128,8 42,7 23,5 SAMSAN A 4,9 8,6 8,4 7,3 SAMSAN C 7,3 6,7 7,0 7,0 Já para o terpolímero B os valores de T 1 H ρ estão listados na Tabela 6. Tabela 6 - Valores de T H 1 ρ, em função do deslocamento químico, obtidos a partir do experimento delayed contact-time, para o terpolímero B T H 1 ρ (ms) (δ 13 C) 128,,1 58,1 48,6 22,4 SAMSAN B 9,0 7,6 6,9 7,4 Os dados obtidos pelos valores de T 1 H ρ, obtidos pelo experimento delayed contacttime, confirmam o observado pelos valores obtidos para este parâmetro através do experimento de VTC. A análise de RMN de 13 C empregando a técnica de CPMAS com desfasamento dipolar permitiu obter informações a cerca da mobilidade molecular dos terpolímeros, confirmando o detectado pelo MAS. Os espectros de RMN de 13 C, obtido pela técnica CPMASDD dos terpolímeros mostraram os sinais referentes ao AMS e S, estes apresentam-se muito largos confirmando o encadeamento aleatório dos monômeros nos terpolímeros e evidenciando a presença de microestrutura. CONCLUSÃO Com base no objetivo deste trabalho pode-se concluir que a RMN provou ser uma poderosa fonte de caracterização de terpolímeros, permitindo obter informações detalhadas CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48209

10 sobre a estrutura, microestrutura, focalizando a despolimerização e a dinâmica molecular, fornecendo informações sobre o comportamento do terpolímero. REFERÊNCIAS 1 Q. Phan, R. Petiaud, H. Waton & M. F. L. Darricades; Proton and carbon NMR Spectra of Polymers, Penton Press, London, H. Feng, Z. Feng, H. Ruan & L. Shen (1992); A High-Resolution Solid State NMR Study of the Miscibility, Morphology and Toughening Mecanism of Polystyrene with Poly(2,6- dimethyl 1,4-phenylene oxide) Blends, Macromolecules 25, H. Yang, T. K. Kwei & Y. Daí (1993); Solid State NMR Study on Miscibility of Polystyrene and Tetramethyl Bisphenol A Polycarbonate Blends, Macromolecules 26, R. A. Komoroski; "High Resolution NMR Spectroscopy of synthetic Polymers in Bulk", VCH Publishers, Deerfield Beach, J. C. C. Freitas e T. J. Bonagamba, Fundamentos e Aplicações da Ressonancia Magnética Nuclear, 1, Rio de Janeiro, J. Schaefer and E. O. Stejskal, Topics in Carbon-13 NMR Spectroscopy, Wiley- Interscience, New York, Vol 1, Chapter 4, A.Simmons and A. Natanshon (1991); Solid-State NMR Study of Charge-Transfer Interactions in Polymer Blends,Macromolecules 24, R. F. Nogueira, Sintese e Caracterização do Terpolímero de Estireno-Alfa-metil estireno - Acrilonitrila, Tese de Mestrado, IMA/UFRJ, CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS, 14., 2000, São Pedro - SP. Anais 48210

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

RMN de Baixo Campo Magnético na Caracterização de Materiais Nanoestruturados

RMN de Baixo Campo Magnético na Caracterização de Materiais Nanoestruturados VII Semana de Polímeros RMN de Baixo Campo Magnético na Caracterização de Materiais Nanoestruturados Elton Rodrigues, Roberto Cucinelli INSTITUTO DE MACROMOLÉCULAS PROFESSORA ELOISA MANO Universidade Federal

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS Maria da Conceição Paiva, Guimarães Outubro 2006 Maria da Conceição Paiva 1 ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS Estereoquímica de polímeros Massas moleculares Organização

Leia mais

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais.

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Tópicos : -Estrutura, composição, características.

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

Capítulo 4. Resultados e Discussão

Capítulo 4. Resultados e Discussão Capítulo 4 Resultados e Discussão Os filmes poliméricos foram estudados por diferentes técnicas experimentais capazes de determinar a concentração de PHAmcl na superfície, sua influência na morfologia

Leia mais

Estrutura Molecular de Polímeros

Estrutura Molecular de Polímeros Química de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmolin carla.dalmolin@udesc.br Estrutura Molecular de Polímeros Polímeros Material orgânico de alta massa molar (acima de 10 mil, podendo chegar a 10 milhões),

Leia mais

APLICAÇÕES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NA AVALIAÇÃO DE OSTEOPOROSE

APLICAÇÕES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NA AVALIAÇÃO DE OSTEOPOROSE IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR APLICAÇÕES DE RESSONÂNCIA

Leia mais

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL Carlos A. R. Brito Júnior 1*, Luiz C. Pardini 2, Nilton P. Alves 3, Robson R. Fleming 1 1 Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá/Departamento de Química/Maringá, PR. Química/ Química Orgânica.

Universidade Estadual de Maringá/Departamento de Química/Maringá, PR. Química/ Química Orgânica. EFEIT D SLVENTE N EQUILÍBRI CNFRMACINAL DE CIS-- HALCICLEANÓIS: UM ESTUD TEÓRIC E EPERIMENTAL. Layara Akemi Abiko (IC-Balcão/CNPq-UEM), Rodrigo Meneghuetti Pontes, Ernani Abicht Basso (rientador), e-mail:

Leia mais

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE POLI(ESTIRENO- CO-METACRILATO DE METILA)

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE POLI(ESTIRENO- CO-METACRILATO DE METILA) PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE POLI(ESTIRENO- CO-METACRILATO DE METILA) Tiago R. Augustinho 1 *, Thais Coan 1, Silvia A. C. Abarca 1, Alex A.S. Testoni 1, Bruno P. Baumgarten 1 e Ricardo A. F. Machado 1

Leia mais

Determinação do grau de conversão de enxertia em nanocompósitos híbridos PS/PS-graft-POSS/POSS obtidos por processamento reativo

Determinação do grau de conversão de enxertia em nanocompósitos híbridos PS/PS-graft-POSS/POSS obtidos por processamento reativo Determinação do grau de conversão de enxertia em nanocompósitos híbridos PS/PS-graft-/ obtidos por processamento reativo Otávio Bianchi 1*, Gustavo B. Repenning 1, Leonardo B. Canto 2, Raquel S. Mauler

Leia mais

TRANSIÇÃO VÍTREA: UMA IMPORTANTE PROPRIEDADE PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS

TRANSIÇÃO VÍTREA: UMA IMPORTANTE PROPRIEDADE PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS TRANSIÇÃO VÍTREA: UMA IMPORTANTE PROPRIEDADE PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS 1- Introdução A transição vítrea (Tg) é um importante efeito térmico que pode ser utilizado para a caracterização de plásticos

Leia mais

The Evaluation of Polycarbonate Films by Proton Relaxation Time

The Evaluation of Polycarbonate Films by Proton Relaxation Time The Evaluation of Polycarbonate Films by Proton Relaxation Time P. P. Merat 1, M. I. B. Tavares # IMA/UFRJ, Centro de Tecnologia, Bloco J, Cidade Universitária, Ilha do Fundão, Rio de Janeiro, RJ, Brazil

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS Antonio Augusto Gorni Editor Técnico, Revista Plástico Industrial - POLÍMEROS: MATERIAIS DE NOSSO DIA A DIA O plástico é um dos materiais que pertence à família dos polímeros,

Leia mais

Degradação de Polímeros

Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Degradação é qualquer reação química destrutiva dos polímeros. Pode ser causada

Leia mais

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE POLÍMEROS Os polímeros são macromoléculas formada pela união de pequenas unidades que se repetem, os monômeros. Existem basicamente dois tipos de polimerização: adição e condensação. Na polimeirzação por

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS AULA 01 Polímeros Definição de Polímeros Tipos de Polímeros Aplicações dos Polímeros Definições gerais para Polímeros Peso Molecular Arquitetura Molecular Estado de Conformação

Leia mais

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 1 CIÊNCIAS DOS MATERIAIS Profa. Dra. Adélia Lima Email: amlsilva0603@gmail.com à Química Aplicada 2 A disciplina Química Aplicada aborda os conteúdos básicos

Leia mais

Polímeros: Ciência e Tecnologia ISSN: 0104-1428 abpol@abpol.org.br Associação Brasileira de Polímeros Brasil

Polímeros: Ciência e Tecnologia ISSN: 0104-1428 abpol@abpol.org.br Associação Brasileira de Polímeros Brasil Polímeros: iência e Tecnologia SSN: 0104-1428 abpol@abpol.org.br Associação Brasileira de Polímeros Brasil Oréfice, Rodrigo L.; Vasconcelos, Wander L.; Moraes, Maria Antonieta S. Estabilidade de fases

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS MODIFICAÇÕES QUÍMICAS NO CIMENTO ASFÁLTICO DE PETRÓLEO (CAP) COM A ADIÇÃO DE POLIPROPILENO (PP)

AVALIAÇÃO DAS MODIFICAÇÕES QUÍMICAS NO CIMENTO ASFÁLTICO DE PETRÓLEO (CAP) COM A ADIÇÃO DE POLIPROPILENO (PP) AVALIAÇÃO DAS MODIFICAÇÕES QUÍMICAS NO CIMENTO ASFÁLTICO DE PETRÓLEO (CAP) COM A ADIÇÃO DE POLIPROPILENO (PP) C. P. Marcondes 1, M. M. Farias 2, M. J. A. Sales 1, M. V. R. Souza 2, I. S. Resck 1 1 Laboratório

Leia mais

Quantificação metabólica absoluta in vitro por espectroscopia de ressonância magnética

Quantificação metabólica absoluta in vitro por espectroscopia de ressonância magnética Artigo Original Revista Brasileira de Física Médica.2010;4(1):83-8. Quantificação metabólica absoluta in vitro por espectroscopia de ressonância magnética In vitro absolute metabolic quantification by

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NUCLEAR Constituintes do átomo: electrões e núcleo. Constituintes do núcleo (nucleões): protões e neutrões. Características químicas electrões ; Características físicas núcleo

Leia mais

I Simpósio dos Pós Graduandos em Engenharia Civil e Ambiental da UNESP

I Simpósio dos Pós Graduandos em Engenharia Civil e Ambiental da UNESP ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS DE EVA PROVENIENTES DA INDÚSTRIA CALÇADISTA VISANDO A RECICLAGEM QUÍMICA Raquel Martins Montagnoli¹, Sabrina Moretto Darbello Prestes 1, Sandro Donnini Mancini 1,

Leia mais

Motivação. Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear. Plásticos. Objetivo. Plásticos. Plásticos

Motivação. Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear. Plásticos. Objetivo. Plásticos. Plásticos Motivação Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear Por que autopeças? Por que plástico? Por que um processo de transformação de plástico? Por que solda por vibração linear? Alejandro

Leia mais

ESTUDO VISCOSIMÉTRICO DE COPOLÍMEROS EM BLOCOS À BASE DE POLI (GLICOL PROPILÊNICO) E POLI (GLICOL ETILÊNICO)

ESTUDO VISCOSIMÉTRICO DE COPOLÍMEROS EM BLOCOS À BASE DE POLI (GLICOL PROPILÊNICO) E POLI (GLICOL ETILÊNICO) ESTUDO VISCOSIMÉTRICO DE COPOLÍMEROS EM BLOCOS À BASE DE POLI (GLICOL PROPILÊNICO) E POLI (GLICOL ETILÊNICO) R.T. da Costa, M.C. Delpech, F.M.B. Coutinho Instituto de Química da Universidade do Estado

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes.

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Polímeros 1 São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Celulose Classificação quanto a natureza Naturais (Madeira, borracha, proteínas) Sintéticos

Leia mais

Confirmação da reatividade das misturas binárias de poliamida 6, policarbonato através da ligação com grupos cromóforos

Confirmação da reatividade das misturas binárias de poliamida 6, policarbonato através da ligação com grupos cromóforos Confirmação da reatividade das misturas binárias de poliamida 6, policarbonato através da ligação com grupos cromóforos André Luis de Sousa dos Santos 1 & Dilma Alves Costa 2 1. Bolsista de Iniciação Científica,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 08 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 08 PVC Adaptado e resumido de Agnelli, J. A. M. (2000). Verbetes em polímeros. ABS: sigla padronizada pela IUPAC (International Union of Pure and Applied Chemistry) para representar o plástico principalmente

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono 2.1. Introdução A partir de 1980 a produção comercial de fibras de carbono desenvolveuse em grande escala no Japão. Isto ocorreu como resultado

Leia mais

CEP 21945-970, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Processing influence on the morphology of PVDF/PMMA blends examined by scanning electron microscopy

CEP 21945-970, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Processing influence on the morphology of PVDF/PMMA blends examined by scanning electron microscopy INFLUÊNCIA DO PROCESSAMENTO NA MORFOLOGIA DE MISTURAS PVDF/PMMA EXAMINADA POR MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA Estevão Freire 1 *, Maria M. C. Forte 2 e Elisabeth E. C. Monteiro 3 1 Departamento de

Leia mais

ESTABILIDADE TÉRMICA DE NANOCOMPOSITOS DE POLI (FLUORETO DE VINILIDENO) E POSS

ESTABILIDADE TÉRMICA DE NANOCOMPOSITOS DE POLI (FLUORETO DE VINILIDENO) E POSS ESTABILIDADE TÉRMICA DE NANOCOMPOSITOS DE POLI (FLUORETO DE VINILIDENO) E POSS Johnny D. N. Martins*, Tais S. Bassani, Otavio Bianchi, Ricardo V. B. de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Leia mais

Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento?

Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento? Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento? Observação: o presente trabalho não revela a identidade do

Leia mais

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO I EDIÇÃO NÚMERO 2 DEZEMBRO DE 2002 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

1 Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO, Rio de Janeiro RJ; florenciogomes@uezo.rj.gov.br

1 Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO, Rio de Janeiro RJ; florenciogomes@uezo.rj.gov.br OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE COMPÓSITOS DE VERNIZ POLIÉSTER COM VERMICULITA ORGANOFÍLICA Bruno S. Andrade 1 (M), Elaine V. D. G. Líbano 1, Florêncio G. de Ramos Filho 1 *. 1 Fundação Centro Universitário

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Energia kj/mol kcal/mol

Energia kj/mol kcal/mol Cap. 1 A estrutura dos materiais 27 1.4 Estrutura dos Polímeros Já foi visto anteriormente, conforme ilustrado pela figura 1.15, que não existe uma ligação pura encontrada nos sólidos reais, inclusive

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE TiO 2 POR MEIO DA TÉCNICA DE ESPECTROSCOPIA DE LUMINESCÊNCIA

ESTUDO DO EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE TiO 2 POR MEIO DA TÉCNICA DE ESPECTROSCOPIA DE LUMINESCÊNCIA ESTUD D EFEIT D TRATAMENT TÉRMIC DE Ti 2 PR MEI DA TÉCNICA DE ESPECTRSCPIA DE LUMINESCÊNCIA Rafael Inocêncio de Andrade Bitencourt * IC, Deborah Dibbern Brunelli PQ Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Polímeros. a) Escreva a fórmula estrutural do produto de adição do ácido acético ao acetileno.

Polímeros. a) Escreva a fórmula estrutural do produto de adição do ácido acético ao acetileno. Polímeros 01. (Fuvest) Qual das moléculas representadas adiante tem estrutura adequada à polimerização, formando macromoléculas? 02. (Fuvest) O cianeto de vinila pode ser produzido como mostrado adiante.

Leia mais

Catalisadores. Substâncias que aumentam a velocidade de uma reacção sem serem consumidas

Catalisadores. Substâncias que aumentam a velocidade de uma reacção sem serem consumidas Catalisadores Substâncias que aumentam a velocidade de uma reacção sem serem consumidas mecanismo: diminuição da barreira de energia de activação a adição de um catalisador não altera a posição de equilíbrio

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Física dos Materiais FMT0502 ( )

Física dos Materiais FMT0502 ( ) Física dos Materiais FMT0502 (4300502) 1º Semestre de 2010 Instituto de Física Universidade de São Paulo Professor: Antonio Dominguesdos Santos E-mail: adsantos@if.usp.br Fone: 3091.6886 http://plato.if.usp.br/~fmt0502n/

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS DE AMIDO TERMOPLÁSTICO E ARGILA POR RMN

AVALIAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS DE AMIDO TERMOPLÁSTICO E ARGILA POR RMN AVALIAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS DE AMIDO TERMOPLÁSTICO E ARGILA POR RMN D. Schlemmer 1, Tiago C. A. F. Rodrigues 1, I. S. Resck 1, M. J. A. Sales 1 1 Laboratório de Pesquisa em Polímeros (LabPol), Instituto

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

TÉCNICAS ESPECTROSCÓPICAS EM BIOFÍSICA

TÉCNICAS ESPECTROSCÓPICAS EM BIOFÍSICA TÉCNICAS ESPECTROSCÓPICAS EM BIOFÍSICA Instituto de Física - USP 1. Introdução Tanto a Física como a Biologia buscam reconhecer, na natureza, e explicitar, em linguagem adequada, padrões de "comportamento"

Leia mais

Palavras-chave: Poliacrilonitrila, glicerol, transição vítrea, análise dinâmico mecânica.

Palavras-chave: Poliacrilonitrila, glicerol, transição vítrea, análise dinâmico mecânica. CARACTERIZAÇÃO DINÂMICO-MECÂNICA DE FITAS DE POLIACRILONITRILA OBTIDAS PELO PROCESSO DE EXTRUSÃO Carlos A. R. Brito Júnior 1*, Luiz C. Pardini 2, Nilton P. Alves 3, Robson R. Fleming 1 1 Instituto Tecnológico

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

Princípios e Aplicaçõ

Princípios e Aplicaçõ Técnicas de Análises Térmicas: T Princípios e Aplicaçõ ções Jair C. C. Freitas Laboratório de Materiais Carbonosos e Cerâmicos (LMC) Departamento de Física - UFES Sinopse Introdução Generalidades sobre

Leia mais

Tecnologias Associadas às Aplicações Industriais Biomateriais Poliméricos Dionatan Arruda João Paulo Luiz Otávio Pedro Eugênio Trabalho desenvolvido durante a disciplina CTT211 Ciência e Tecnologia dos

Leia mais

DANILO MINSONI. P o l i o l P o l i é s t e r

DANILO MINSONI. P o l i o l P o l i é s t e r DANILO MINSONI P o l i o l P o l i é s t e r chimica organicaindustrialendustriale milanese c o i m B r a s i l N E G Ó C I O S Sistemas PU Solados U r e x t e r N o v a c o t e Sistemas Adesivos PU P

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R.

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. Demarquete 1 Roteiro da Aula Histórico Química das moléculas poliméricas Estrutura

Leia mais

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Maria Cecília Evora, Delmo Nishitsuji, Dr.Gerson Marinucci Dr. Leonardo Gondim de Andrade e Silva Objetivo Pesquisar e desenvolver

Leia mais

EFEITO DO HIDRÓFOBO E SURFATANTE NA OBTENÇÃO DE NANOPARTÍCULAS DE POLI(ACETATO DE VINILA) VIA POLIMERIZAÇÃO EM MINIEMULSÃO

EFEITO DO HIDRÓFOBO E SURFATANTE NA OBTENÇÃO DE NANOPARTÍCULAS DE POLI(ACETATO DE VINILA) VIA POLIMERIZAÇÃO EM MINIEMULSÃO EFEITO DO HIDRÓFOBO E SURFATANTE NA OBTENÇÃO DE NANOPARTÍCULAS DE POLI(ACETATO DE VINILA) VIA POLIMERIZAÇÃO EM MINIEMULSÃO 1 Josias Bristot Moretto, 2 Fernanda Regina Steinmacher, 3 Pedro Henrique Hermes

Leia mais

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão.

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão. QUÍMICA QUESTÃ 01 Aparelhos eletrônicos sem fio, tais como máquinas fotográficas digitais e telefones celulares, utilizam, como fonte de energia, baterias recarregáveis. Um tipo comum de bateria recarregável

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

POTENCIAL ZETA E DOPAGEM EM SUSPENSÕES DE POLIANILINA

POTENCIAL ZETA E DOPAGEM EM SUSPENSÕES DE POLIANILINA POTENCIAL ZETA E DOPAGEM EM SUSPENSÕES DE POLIANILINA D. W. O. de Medeiros, 1 D. S. dos Santos, 2 T. N. C. Dantas, 1 M. R. Pereira, 1 J. A. Giacometti, 3 J. L. C. Fonseca 1 1 - Departamento de Química,

Leia mais

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida.

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida. TEXTO PARA A QUESTÃO 1. Sonda espacial detecta sal de cozinha em lua de Saturno A análise da composição química do anel mais externo de Saturno revelou a presença de 98% de água, 1% de cloreto de sódio,

Leia mais

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Roberto Monteiro de Barros Filho

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Roberto Monteiro de Barros Filho POLÍMEROS Prof. Macromoléculas Moléculas grandes contendo um número de átomos encadeados superior a uma centena e podendo atingir valor ilimitado, podendo ou não ter unidades químicas repetidas Polímeros

Leia mais

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Análise Estrutural José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Objectivos Usar a espectroscopia na identificação de substâncias puras ou compostos orgânicos compreender a interacção

Leia mais

EXTRAÇÃO DE ACIDOS HUMICOS A PARTIR DO REJEITO DA CONCENTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL POR DIFERENTES METODOS

EXTRAÇÃO DE ACIDOS HUMICOS A PARTIR DO REJEITO DA CONCENTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL POR DIFERENTES METODOS EXTRAÇÃO DE ACIDOS HUMICOS A PARTIR DO REJEITO DA CONCENTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL POR DIFERENTES METODOS RENZON COSME 1 EDUARDO BROCCHI 2, DEBORAH DICK 3 1 Departamento de Engenharia de Materiais, PUC-RIO;

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

Massa Molar MMP-713 Ricardo C. Michel V. 2014

Massa Molar MMP-713 Ricardo C. Michel V. 2014 Massa Molar O que distingue polímeros de moléculas pequenas? Por quê seu comportamento é diferente? A grande extensão das cadeias poliméricas, ou, indiretamente, sua massa molar elevada, leva à emergência

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS Maurício Bagueira de Vasconcellos Azeredo Laboratórios

Leia mais

Métodos de RMN no estado sólido

Métodos de RMN no estado sólido Métodos de RMN no estado sólido Jair C. C. Freitas Programa de Pós-graduação em Física UFES Programa de Pós-graduação em Química - UFES Sumário Instrumentação para RMN: Componentes principais do espectrômetro:

Leia mais

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

POLIMERIZAÇÃO POR ABERTURA DE ANEL DO METACRILATO DE 2,3-EPITIOPROPILA: UMA INVESTIGAÇÃO MECANÍSTICA

POLIMERIZAÇÃO POR ABERTURA DE ANEL DO METACRILATO DE 2,3-EPITIOPROPILA: UMA INVESTIGAÇÃO MECANÍSTICA PLIMEIZAÇÃ P ABETUA DE ANEL D METACILAT DE 2,3-EPITIPPILA: UMA INVETIGAÇÃ MECANÍTICA Marli L. T. de ordi 1, Cesar L. Petzhold 1, Axel H.E. Müller 2 1 Instituto de Química UFG, Av.Bento Gonçalves,9500,

Leia mais

INT INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARGO: TÉCNICO 1-I CATÁLISE HETEROGÊNEA

INT INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARGO: TÉCNICO 1-I CATÁLISE HETEROGÊNEA GABARITO OFICIAL CONCURSO PÚBLICO INT INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO As questões com # foram anuladas; As questões em negrito tiveram a alternativa de resposta

Leia mais

Qualidade Ambiental Química

Qualidade Ambiental Química Qualidade Ambiental Química Programa Revisão dos Conceitos Básicos de Química e Estatística Poluição o Ar e a Química da Troposfera Reações Químicas ligadas à Emissão de Poluentes da Atmosfera Bibliografia

Leia mais

QUIMICA ORGÂNICA (Rodrigo Rosa)

QUIMICA ORGÂNICA (Rodrigo Rosa) QUIMICA ORGÂNICA (Rodrigo Rosa) HISTÓRICO Teoria da Força Vital - teoria postulada por Berzelius (1779-1848) na qual afirmava que era necessária uma força especial, desconhecida, somente presentes nos

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS Programa de Disciplina Nome: Química Geral EQ Código: IQG 115 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4 Pré-Requisito

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. QUÍMICA 1 2º ANO Prof.ª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas

CINÉTICA QUÍMICA. QUÍMICA 1 2º ANO Prof.ª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas CINÉTICA QUÍMICA QUÍMICA 1 2º ANO Prof.ª ELAINE CRISTINA CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quanto à velocidade Rápidas: neutralizações em meio aquoso, combustões,... Lentas: fermentações, formação

Leia mais

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA NA CARACTERIZAÇÃO DE CARBONO HIDROTÉRMICO

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA NA CARACTERIZAÇÃO DE CARBONO HIDROTÉRMICO ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA NA CARACTERIZAÇÃO DE CARBONO HIDROTÉRMICO Laís G. Fregolente ¹, Márcia C. Bisinoti 1, Altair B. Moreira 1, Odair P. Ferreira 2 ¹ Departamento de Química, IBILCE/UNESP, São José

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

COMO MELHORAR A RESISTÊNCIA DE BORRACHAS NITRÍLICAS AO ATAQUE DO OZÔNIO.

COMO MELHORAR A RESISTÊNCIA DE BORRACHAS NITRÍLICAS AO ATAQUE DO OZÔNIO. 1 COMO MELHORR RESISTÊNCI DE ORRCHS NITRÍLICS O TQUE DO OZÔNIO. INTRODUÇÃO s borrachas nitrílicas (NR) possuem excelente resistência ao ataque de solventes, óleos e combustíveis. Entretanto, outros tipos

Leia mais

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS MATERIAIS COMPÓSITOS 1. Introdução A diversidade de materiais actualmente disponíveis para o uso em engenharia é extraordinariamente grande, existindo por isso materiais cada vez mais especializados para

Leia mais

Introdução à Química. Prof. Fernando R. Xavier

Introdução à Química. Prof. Fernando R. Xavier Introdução à Química Prof. Fernando R. Xavier UDESC 2013 Qual a idade da química? É possível identificar a presença da química desde a idade do bronze (3,300 a.c.). Ex.: Agricultura, conserva de alimentos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

O Futuro dos Compósitos. Waldomiro Moreira MSc. Caxias do Sul Fevereiro 2015

O Futuro dos Compósitos. Waldomiro Moreira MSc. Caxias do Sul Fevereiro 2015 O Futuro dos Compósitos Waldomiro Moreira MSc. Caxias do Sul Fevereiro 2015 Industria da Transformação Célula de Sobrevivência Célula de Sobrevivência F1 Índice Materiais Compósitos & Compósitos poliméricos

Leia mais

Misturas NR/SBR: Influência da Composição e do Modo de Preparação Sobre Propriedades Mecânicas e Reométricas

Misturas NR/SBR: Influência da Composição e do Modo de Preparação Sobre Propriedades Mecânicas e Reométricas Misturas NR/SBR: Influência da Composição e do Modo de Preparação Sobre Propriedades Mecânicas e Reométricas Hérlon M. B. Abreu Junior, Regina C. R. Nunes, Leila L. Y. Visconte Instituto de Macromoléculas

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group. Q Amplo portfólio de produtos

Leia mais

V 2 O 5 /TiO 2, especificamente, o vanádio encontra-se altamente disperso. Os resultados de XPS indicaram a presença de íons V 4+ e V 5+ nos

V 2 O 5 /TiO 2, especificamente, o vanádio encontra-se altamente disperso. Os resultados de XPS indicaram a presença de íons V 4+ e V 5+ nos Resumo Os óxidos mistos V 2 O 5 /SiO 2, V 2 O 5 /TiO 2 e V 2 O 5 /Al 2 O 3 foram sintetizados pelo método sol-gel, bem como seus correspondentes óxidos puros, SiO 2, TiO 2 e Al 2 O 3. Os óxidos mistos

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. ago. 2014

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. ago. 2014 POLÍMEROS ago. 2014 Macromoléculas Moléculas grandes contendo um número de átomos encadeados superior a uma centena e podendo atingir valor ilimitado, podendo ou não ter unidades químicas repetidas 2 Polímeros

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

IRM na Esclerose Múltipla

IRM na Esclerose Múltipla IRM na Esclerose Múltipla Índice Autor: Dr. David Araújo Neurorradiologista do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e do Instituto de Diagnóstico por Imagem da Santa Casa

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

Degradação Fotoquímica

Degradação Fotoquímica Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Os efeitos da radiação em polímeros de engenharia, tornaram-se objeto de consideração de importância

Leia mais

John Fenn KoichiTanaka Kurt Wûthrich

John Fenn KoichiTanaka Kurt Wûthrich John Fenn KoichiTanaka Kurt Wûthrich...pelo desenvolvimento de métodos de ionização em espectrometria de massa para analise de macromoléculas biológicas...pelo desenvolvimento da Ressonância Magnética

Leia mais

PREPARAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BLENDAS POLIMÉRICAS A BASE DE PET RECICLADO E POLIÉSTER DERIVADO DO ÁCIDO TEREFTÁLICO

PREPARAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BLENDAS POLIMÉRICAS A BASE DE PET RECICLADO E POLIÉSTER DERIVADO DO ÁCIDO TEREFTÁLICO PREPARAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BLENDAS POLIMÉRICAS A BASE DE PET RECICLADO E POLIÉSTER DERIVADO DO ÁCIDO TEREFTÁLICO (1) Ohara, L.(1); Miranda, C.S.(1); Fiuza, R.P. (1); Luporini, S.(1); Carvalho, R.F.(1);

Leia mais

PneuGreen Na natureza nada se perde, Tudo se transforma. Engº Carlos Prino

PneuGreen Na natureza nada se perde, Tudo se transforma. Engº Carlos Prino PneuGreen Na natureza nada se perde, Tudo se transforma. Reciclagem de Pneus Usados Soluções: - Recauchutagem - Reutilização - Valorização Energética - Reciclagem Grupo Nascimento e Mota Iniciou a sua

Leia mais