Janette Brunstein Arilda Schmidt Godoy Helio Cesar Silva. (Organizadores)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Janette Brunstein Arilda Schmidt Godoy Helio Cesar Silva. (Organizadores)"

Transcrição

1

2

3 Janette Brunstein Arilda Schmidt Godoy Helio Cesar Silva (Organizadores) São Carlos 2014

4 2014 dos autores Direitos reservados desta edição RiMa Editora Capa: Emmanuel Augusto de Andrade Rodrigues - Design Gráfico E21e Educação para sustentabilidade nas escolas de administração / organizado por Janette Brunstein, Arilda Schmidt Godoy e Helio Cesar Silva São Carlos: RiMa Editora, p. il ISBN e-book 1. Administração. 2. Ensino. 3. Sustentabilidade. I. Autores. II. Título COMISSÃO EDITORIAL Dirlene Ribeiro Martins Paulo de Tarso Martins Carlos Eduardo M. Bicudo (Instituto de Botânica - SP) Evaldo L. G. Espíndola (USP - SP) João Batista Martins (UEL - PR) José Eduardo dos Santos (UFSCar - SP) Michèle Sato (UFMT - MT) Rua Virgílio Pozzi, 213 Santa Paula São Carlos, SP Fone/Fax: (16)

5 Sobre os autores Organizadores Janette Brunstein Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Professora Pesquisadora do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Arilda Schmidt Godoy Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Professora Pesquisadora do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Helio Cesar Silva Doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor Pesquisador de Administração com foco em Sustentabilidade do Centro Universitário Senac. Colaboradores Ana Augusta Ferreira Freitas Doutorado em Engenharia de Produção na Universidade Federal de Santa Catarina. Professora Titular do Curso de Mestrado Acadêmico em Administração da Universidade Estadual do Ceará. Ana Silvia Rocha Ipiranga Doutorado em Psicologia do Trabalho e da Organização pela Università Alma Mater Studiorum di Bologna. Professora do Curso de Mestrado Acadêmico em Administração da Universidade Estadual do Ceará. Andreza Sampaio de Mello Doutorado em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

6 VI EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE NAS ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO Carla Vanessa Pinto de Macedo Graduada em Administração de Empresas pela Universidade Estadual do Ceará. Empresária e Consultora Organizacional. David Bevan PhD Management, King s College London. Professor at the Europe-China Centre for Leadership and Responsibility (CEIBS), Shanghai, PRC. Delyse Springett Doctor of Philosophy, Durham University. Director, Centre for Business and Sustainable Development, Massey University, New Zealand. Diego de Queiroz Machado Doutorando em Administração de Empresas pela Universidade de Fortaleza. Diego de Sousa Guerra Mestrado em Administração pela Universidade Estadual do Ceará. Professor na Universidade Federal do Cariri. Eliete Carina de Melo Mestrado em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Professora do Senac/SP e do Instituto Sumaré de Educação. Emmanuel Raufflet PhD Management, McGill University, Montréal, Québec, Canada. Associate Professor, Management, HEC Montréal. Evelize Welzel Doutorado em Administração pela Friedrich-Schiller-Universität Jena, Alemanha. Professora do Departamento de Ciências da Administração da Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisadora do Núcleo de Estudos em Estratégia, Gestão e Sustentabilidade da UFSC.

7 Sobre os autores vii Fátima Regina Ney Matos Doutorado em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora do Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade de Fortaleza. Germana Ferreira Rolim Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Estadual do Ceará. Professora da Universidade Federal do Ceará. Herbert Kimura Doutorado em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo e Doutorado em Administração de Empresas pela Escola de Administração do Estado de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. Professor Titular da Universidade de Brasília. Jamille Barbosa Cavalcanti Pereira Doutora em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Professora do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Kátia Lene de Araújo Lopes Mestrado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual do Ceará. Coordenadora e Professora da Faculdade Lourenço Filho. Ladislau Dowbor Doutorado em Ciências Econômicas pela Escola Superior de Estatística e Planejamento. Professor Titular da Pontifícia Universidade Católica. Leonardo Fernando Cruz Basso Doutorado em Economia pela New School for Social Research. Professor Titular do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

8 VIII EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE NAS ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO Luiz Carlos Beduschi Filho Doutorado em Ciência Ambiental pela Universidade de São Paulo. Professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades e do Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental da Universidade de São Paulo. Marta Fabiano Sambiase Doutorado em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Professora do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Pedro Jaime Doutorado em Antropologia Social pela USP e em Sociologia & Antropologia pela Université Lumière Lyon 2. Professor Pesquisador do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Administração do Centro Universitário da FEI e Professor da ESPM-SP. Pedro Roberto Jacobi Doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo. Professor Titular da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental da Universidade de São Paulo/Instituto de Energia e Ambiente. Rafaella Alves Medeiros Alvarenga Mestrado em Administração de Empresas pela Universidade de Fortaleza. Professora da Faculdade CDL. Rodrigo Augusto Prando Doutorado em Sociologia pela Universidade Estadual Paulista. Professor do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Sandra Lays Gathás Carvalho Mestrado em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

9 Sobre os autores ix Sumário Introdução...1 Parte I Tendências em Educação para Sustentabilidade...5 Capítulo 1 Luta ideológica: o desenvolvimento sustentável no currículo de Administração...7 Delyse Springett Capítulo 2 Formas de integração da sustentabilidade ao ensino de Administração...16 Emmanuel Raufflet Capítulo 3 Integrando o conceito de aprendizagem social pelas perspectivas da sustentabilidade e da aprendizagem organizacional Andreza Sampaio de Mello e Arilda Schmidt Godoy Capítulo 4 O MBA One Planet...55 David Bevan Capítulo 5 Um panorama das discussões sobre educação para a sustentabilidade no ensino superior e nos cursos de Administração Sandra Lays Gathás Carvalho, Janette Brunstein e Arilda Schmidt Godoy Parte II Educação para Sustentabilidade: Aspectos Curriculares e de Ensino-Aprendizagem Capítulo 6 Gestão ambiental e o ensino de Administração Pedro Roberto Jacobi e Luiz Carlos Beduschi Filho Capítulo 7 Representações sociais e sustentabilidade: o significado do termo para alunos do curso de Administração Fátima Regina Ney Matos, Ana Silvia Rocha Ipiranga, Diego de Queiroz Machado, Germana Ferreira Rolim, Rafaella Alves Medeiros Alvarenga e Kátia Lene de Araújo Capítulo 8 Abordagem socioambiental nos cursos de Administração de Empresas: uma escala para mensurar a importância percebida pelos docentes Carla Vanessa Pinto de Macedo, Ana Augusta Ferreira Freitas e Diego de Sousa Guerra

10 X EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE NAS ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO Capítulo 9 Afinal, quem são os gestores da responsabilidade social corporativa (RSC)? Implicações para a formação dos administradores Evelize Welzel Capítulo 10 Experiências docentes em educação para a sustentabilidade em escolas de negócios: uma análise à luz dos conceitos de reflexão crítica e aprendizagem transformadora Eliete Carina de Melo, Janette Brunstein e Arilda Godoy Capítulo 11 Sustentabilidade & formação de administradores: diálogos cruzados e a contribuição do ensino-aprendizagem de Sociologia Pedro Jaime Capítulo 12 A gestão das diferenças humanas nas organizações sob as perspectivas de alunos do curso de Administração Jamille Barbosa Cavalcanti Pereira Capítulo 13 O ensino da sustentabilidade e o diálogo interdisciplinar com as humanidades Rodrigo Augusto Prando Capítulo 14 Marketing e sustentabilidade: novos desafios para a formação dos administradores Helio Cesar Silva Capítulo 15 O debate sobre a sustentabilidade no ensino de finanças Herbert Kimura e Leonardo Fernando Cruz Basso Capítulo 16 Ensino-aprendizagem de estratégia para sustentabilidade Marta Fabiano Sambiase Capítulo 17 Entender a Rio+20: balanços e compromissos para a nova geração de administradores Ladislau Dowbor

11 Introdução A legitimação do ideário da sustentabilidade no campo da Administração A questão da educação para a sustentabilidade em escolas de Administração e a reflexão sobre a prática docente em favor da formação de uma nova geração de profissionais dos negócios que coloquem na mesma hierarquia de valor e importância aspectos de cunho social, ambiental, político, territorial e cultural tanto quanto os econômicos é o debate central deste livro. Um repertório de pesquisas e de experiências práticas está em curso em nosso país e no exterior, e merece atenção e espaço para que a iniciativa de reposicionar o que é e o que não é de interesse e responsabilidade dos negócios ganhe força motriz, capaz de fomentar uma nova mentalidade e ação empresarial. O convite desta coletânea é partilhar parte desse repertório, provocando o leitor para uma discussão que não é desprovida de tensões e inquietudes. Na mesma proporção que a ideia âncora do desenvolvimento sustentável se espalha e ganha adeptos, é também cotidianamente refutada, tanto no âmbito das ações individuais, nas microdinâmicas, quanto nas macrodinâmicas sociais, na política, no governo, na economia e, como não, nas organizações empresariais. Tal qual o ideário da democracia, da justiça, da igualdade prescindem de um esforço diário que garanta sua existência, sustentabilidade também exige impulso contínuo. Não se trata de uma meta a ser atingida em um dado momento, mas de um propósito em moto perpétuo. Se este debate pode parecer familiar nas salas de aula das escolas de sociologia, filosofia, ou mesmo em áreas afins como nas ciências biológicas, nas escolas de Administração discussões dessa natureza soam ainda estranhas e, por vezes, até mesmo inadequadas, incompatíveis com o que o universo da gestão representa em nossa sociedade. E aqui termos, então, um ponto central pelo qual toda a discussão desta coletânea perpassa: a legitimação do debate da sustentabilidade no campo da Administração. Qual é, de fato, a demanda por profissionais de administração que atuem em uma perspectiva sustentável? Qual a oferta de trabalho? Estão esses profissionais em cargos e posições estratégicos nas empresas? Qual o espaço que propostas socioambientais ocupam nas organizações? Com que frequência e amplitude são financiadas e levadas a efeito? Além disso, podemos ainda questionar qual o lugar do administrador neste cenário? Ele não é o engenheiro, não é o assistente social, mas terá de lidar com questões

12 2 EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE NAS ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO que envolvem novas tecnologias e atendimento a demandas de ordem social. Qual é a porção que cabe a esse profissional nesse contexto? E nas escolas de negócios, as salas de aula estão abrindo espaço para questões de sustentabilidade? Em que medida? Com que frequência? Em que matérias? Com qual intensidade? De que forma? Com qual propósito? Mas se essas perguntas provocam inquietações, e até podem despertar certo ceticismo, é importante lembrar que ao redor do mundo há educadores e pesquisadores preocupados em endereçar respostas e apresentar caminhos viáveis e interessantes. Os capítulos desta coletânea são um exemplo disso. A despeito do quanto já avançamos ou não na tentativa de repensar a formação do administrador, considerando aspectos que não somente o de maximização do lucro, não se pode negar que vivemos um momento histórico e social muito favorável à construção de novos fundamentos da educação gerencial. Da mesma forma, se a legitimação no campo ainda é um terreno arenoso e não sabemos muito bem até onde vamos conseguir chegar, temos uma certeza: a de que assistimos ao fortalecimento da reflexão acadêmica e das experiências práticas de educação para a sustentabilidade em salas de aula e em cursos de Administração, que paulatinamente crescem em quantidade e densidade. Os leitores encontrarão aqui visões e experiências distintas, de autores brasileiros e estrangeiros. Alguns capítulos apresentam discussões de ordem mais teórica, outros estão mais ancorados em pesquisa empírica. Encontrarão também textos escritos em formato de relato de experiências de docentes, além de trabalhos que ora são mais focados em debater o projeto pedagógico e o currículo de Administração, ora se dedicam a olhar para a sala de aula, os docentes e os discentes. Essa diversidade dará ao leitor a chance de pensar a educação para a sustentabilidade em escolas de Administração sob diferentes enfoques. Embora o livro esteja organizado em duas partes uma que congrega textos e autores que estão tratando de tendências em educação para a sustentabilidade, outra que foca os aspectos relativos às questões educacionais envolvidas no currículo e processo de ensino-aprendizagem de sustentabilidade, a apresentação que faremos dos textos nesta introdução seguirá outra lógica, buscando articulá-los em alguns grandes temas. Esta organização temática poderá, inclusive, auxiliar o leitor a decidir sua rota de leitura, que poderá ser diferente daquela traçada pelos organizadores. Dois capítulos privilegiam abordagens teóricas distintas sobre educação para a sustentabilidade: o da pesquisadora neozelandesa Delyse Springett, que traz uma perspectiva crítica sobre as disputas ideológicas que atravessam o debate sobre desenvolvimento sustentável no currículo de Administração, e o de Andreza Sampaio de Mello e Arilda Schmidt Godoy, que examinam o tema a partir da perspectiva da aprendizagem social, explorando o entendimento do mesmo segundo os autores do campo da sustentabilidade e da

13 Introdução 3 aprendizagem organizacional. Embora esses textos abordem a educação para a sustentabilidade por meio de diferentes enfoques, apresentam ideias que podem ser complementares e instigar articulações entre elas. Outros dois capítulos apresentam o estado da arte da educação para a sustentabilidade nos cursos de Administração: o de Sandra Lays Gáthas Carvalho, Janette Brunstein e Arilda Schmidt Godoy traz uma revisão da literatura sobre educação para a sustentabilidade nas instituições de ensino superior, com especial atenção aos cursos de Administração, e o de Eliete Carina de Melo, Janette Brunstein e Arilda Schmidt Godoy sumariza experiências de sala de aula em escolas de negócios com o propósito de fomentar reflexão crítica e aprendizagem transformadora. Três capítulos destacam questões curriculares na graduação e pós-graduação. O trabalho de Pedro Roberto Jacobi e Luiz Carlos Beduschi Filho descreve duas experiências concretas desenvolvidas na Universidade de São Paulo (USP) discutindo os desafios e as perspectivas da educação para a sustentabilidade no ensino superior, considerando o conceito de aprendizagem social. O de David Bevan traz uma experiência curricular internacional suportada por uma pesquisa-ação em um curso de MBA. Outro colaborador internacional, Emmanuel Raufflet, mapeia quatro formas de integração da sustentabilidade na administração, apontando desafios e ambiguidades no âmbito dos currículos e instituições. Cinco capítulos apresentam experiências de sala de aula focadas em explorar as questões de sustentabilidade em disciplinas específicas do curso de Administração de empresas em nível de graduação. Rodrigo Augusto Prando promove uma reflexão sobre o papel da disciplina Sustentabilidade e Responsabilidade Social na estrutura curricular de um curso de Administração e sua relação com as demais disciplinas que compõem o rol de formação humanística do curso. O capitulo de Pedro Jaime traz uma experiência de ensino-aprendizagem de sociologia no curso de Administração, examinando questões relativas à sustentabilidade, sobretudo em sua dimensão sociocultural. Marta Fabiano Sambiase oferece um relato de experiência no qual desenvolve e compartilha com o leitor a trajetória de construção da disciplina Gestão Estratégica para a Sustentabilidade, a qual envolveu também uma discussão no campo das teorias de estratégia. Helio Cesar Silva apresenta uma discussão teórica sobre marketing sustentável e relata sua experiência ao lecionar disciplinas de marketing, que enfatizem a sustentabilidade, em cursos de Administração. Por fim, Herbert Kimura e Leonardo Basso analisam a relevância da sustentabilidade no contexto da teoria de finanças e, indo além da visão simplista de maximização de riqueza do acionista, apresentam propostas de dinâmicas de sala de aula que incentivem os alunos a pensarem além das fronteiras da teoria tradicional de finanças.

14 4 EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE NAS ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO Quatro capítulos discutem a educação para a sustentabilidade a partir de pesquisas empíricas. A pesquisa de Evelize Weizel em empresas alemãs buscou identificar o perfil do profissional que atua na gestão da responsabilidade social corporativa e verificar como os mesmos adquirem conhecimento para o exercício de suas funções. A partir desses resultados, a autora desenvolve uma reflexão sobre a formação de administradores de empresas que vão atuar no campo da responsabilidade social corporativa. Jamille Barbosa Cavalcanti Pereira discute teoricamente o conceito de gestão da diversidade nas organizações e relata as percepções, concepções, sentimentos e significados que alunos de administração de empresas atribuem a esse tema. Aponta, a partir dos resultados da pesquisa que realiza, implicações para uma prática de ensino que valorize a gestão das diferenças humanas nas organizações. Fatima Regina Ney Matos, Ana Silva Rocha Ipiranga, Diego de Queiroz Machado, Germana Ferreira Rolim, Rafaella Alves Medeiros Alvarenga e Kátia Lene de Araújo analisam os significados da palavra sustentabilidade para alunos do curso de Administração de uma Instituição de Ensino Superior pública com o propósito de evidenciar as representações sociais que a ela subjazem ou dela decorrem, relacionando-as às dimensões sociais, econômicas, ecológicas, espaciais e culturais. Já o estudo de Carla Vanessa Pinto de Macedo, Ana Augusta Ferreira Freitas e Diego de Sousa Guerra teve por objetivo a construção e testagem de uma escala para mensuração da importância da abordagem socioambiental nos cursos de Administração de empresas na percepção dos docentes. No fechamento do livro contamos com o texto de Ladislau Dowbor, que nos convida a pensar os balanços e compromissos da Rio + 20 como desafios para as escolas de negócios. Além disso, o texto de Dowbor oferece um conjunto de indicações que poderão enriquecer nossa reflexão a respeito do papel da sustentabilidade na educação de administradores. Por fim, é importante contextualizar os leitores de que o esforço empreendido nesta coletânea nasceu do projeto Gestão social, comunidades de aprendizagem e educação para a sustentabilidade: contribuições para a formação da nova geração de administradores, financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), e que atende ao edital Pró- Administração, cujo propósito é estimular a realização de projetos conjuntos de pesquisa e apoio à capacitação docente para ampliar e consolidar o desenvolvimento de áreas de formação consideradas estratégicas no país, como a gestão social e ambiental. Assim, este livro está alinhado às reflexões feitas no nível desse projeto, mas incorpora também autores convidados, nacionais e internacionais, cuja experiência e expertise consideraram-se relevantes. Janette Brunstein, Arilda Schmidt Godoy e Helio Cesar Silva (Organizadores)

15 PARTE I TENDÊNCIAS EM EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE

16

17 Capítulo 1 Luta ideológica: o desenvolvimento sustentável no currículo de Administração Delyse Springett Resumo Este capítulo discute a luta ideológica que a educação para o desenvolvimento sustentável nos estudos de administração representa. Foca-se, primeiramente, as perspectivas críticas adotadas e as escolhas pedagógicas de minha atividade de ensino na pós-graduação. A segunda parte do texto debate a práxis, ou seja, como estimular os alunos a perceberem que eles próprios podem ser agentes de mudança. O objetivo é prover uma educação que faça diferença por meio de uma teorização crítica que contextualize os objetivos, a estrutura, o conteúdo do currículo e as escolhas pedagógicas feitas, ou seja, uma teorização que contextualize o processo inteiro de planejar e agir, monitorar e refletir (SPRINGETT, 2005). Defesa de uma teorização crítica Uma abordagem para a educação para o desenvolvimento sustentável que seja robusta o suficiente para motivar os professores a ensinar sobre negócios e sustentabilidade demanda uma teorização crítica, e há dificuldade justamente nessa questão. Perspectivas críticas sobre sustentabilidade e desenvolvimento sustentável revelam os pilares teóricos da racionalidade corporativa que têm colaborado para a relegação das questões ambientais e sociais ao nível de externalidades, enquanto a responsabilidade do próprio ensino tradicional de administração no apoio dessa hegemonia é exposta. Portanto, introduzir questões estruturais e a política da sustentabilidade no currículo dos estudos de administração continua sendo problemático: é uma luta ideológica que tenta contestar a legitimidade e o legado da teoria ortodoxa da administração (SPRINGETT e KEARINS, 2001). Como a própria sustentabilidade, essa perspectiva afasta-se da ortodoxia convencional. No entanto, pode-se argumentar que a plataforma mais importante para os estudos da sustentabilidade seria ensinar nossos futuros líderes e gerentes corporativos a se tornarem agentes dessa mudança de direção voltada para a sustentabilidade, um papel que às vezes é atribuído a eles (HAWKEN, 1993).

18 8 EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE NAS ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO Parte do problema de se introduzir uma teorização crítica do currículo é o fato de ela ser abertamente ideológica. Entretanto, isso não significa que a intenção é cooptar os alunos a uma perspectiva em particular. Os objetivos do programa são emancipadores, voltados para o estímulo de um ceticismo saudável e de um hábito de questionamento crítico que impedem essa cooptação. O objetivo é fazer os estudantes refletirem sobre temas pessoais e temas societais mais amplos, estender um espelho para o mundo e mostrar a realidade e como ela tem sido produzida e formada em sua própria natureza (O CONNOR, 1998, p. 52). Para isso, é necessário prestar atenção em vozes que raramente são empoderadas e escutar perspectivas relacionadas à sustentabilidade e desenvolvimento sustentável que não reflitam somente as visões dos administradores (SPRINGETT e FOSTER, 2005). Essa educação tem um objetivo político : ela não alega ter a suposta neutralidade do currículo ortodoxo, que auxilia na consolidação da hegemonia social para manter os valores e a ideologia dos grupos sociais dominantes (APPLE, 1979; FIEN, 1993; HUCKLE, 1996; O CONNOR, 1998; SPRINGETT, 2005) nem perpetua uma imagem sanitizada do mundo (WILLMOTT, 1994). O objetivo do curso aqui descrito tem sido emancipar a capacidade dos alunos de se engajarem em questionamentos críticos, e essas reflexões são incluídas no próprio curso, em seu conteúdo e em seu ensino. Os alunos cresceram cercados por um ambiente e uma cultura que a máquina corporativa de relações públicas ajudou a criar; como Beder (2009) demonstrou graficamente, a cultura corporativa tem tomado e comoditizado amplamente a infância, ajudando a criar cidadãos sem sentido crítico. A educação para o desenvolvimento sustentável, portanto, apresenta valores e visões de mundo que ajudam os estudantes a questionarem o mundo em que vivem (SPRINGETT, 2005). É necessário especificar com clareza os objetivos e propósitos do curso: a meta não é ensinar um curso sobre teoria crítica per se nem produzir teóricos críticos. Em vez disso, um conjunto de ferramentas baseadas no bom senso tem servido como lente para que o mundo seja visto como ele é, ajudando a erguer o espelho da teoria crítica que, como O Connor (1998) observou, mostra a natureza circunstancial do mundo que conhecemos. Para os próprios educadores de administração, isso pode resultar em um dilema do tipo a galinha e o ovo, levando à questão de como eles devem se preparar para ensinar perspectivas críticas sobre administração e sustentabilidade se em geral eles próprios não aprenderam essas perspectivas. Também há dificuldades políticas e possíveis consequências para as carreiras dos educadores de administração que promovem uma agenda crítica (SPRINGETT e KEARINS, 2001). Os acadêmicos devem buscar oportunidades de publicação em periódicos respeitados e competir por promoções e recursos para pesquisa, a fim de que haja incursões fora dos limites disciplinares tradicionais

19 Cap 1 Luta ideológica: o desenvolvimento sustentável no currículo... 9 que representam um risco. Não surpreendentemente, os currículos de administração que começaram a focar no desenvolvimento sustentável têm promovido mais comumente a retórica do ecomodernismo e das mudanças incrementais em vez de adotar uma perspectiva radical: muitas vezes, o foco é a gerência da agenda do desenvolvimento sustentável (SPRINGETT, 2006, p. 53). Há outras consequências importantes para o papel do professor. Que tipo de papel devemos assumir, se é para refletirmos os objetivos de uma teorização crítica? E que tipo de escolhas pedagógicas devem ser feitas? Aqui, defende-se que as escolhas pedagógicas que envolvem professores e alunos em métodos de ensino baseados na ação são abordagens eficazes que ajudam a moldar os próprios papéis deles não por uma definição limitada, mas por prover uma aprendizagem experiencial e por ajudar a criar contextos de aprendizagem democráticos. Os métodos pedagógicos que envolvem ação podem ser vistos mais como um paradigma do que como um conjunto de métodos (NORTON, 2008) eles dão aos alunos um grau maior de controle sobre seu próprio aprendizado e fornecem uma base para uma tomada de decisões responsável. Em termos do papel do professor, sugere-se aqui que o professor que combina métodos de ação com uma abordagem baseada em teoria crítica é semelhante à classificação de intelectual orgânico de Gramsci. O objetivo é permitir que as pessoas vejam o mundo de uma nova maneira, por meio de uma participação ativa na vida prática (GRAMSCI, 1971). Como Huckle observou (1996), tal processo torna-se um questionamento crítico em seu próprio direito. Ele permite-nos explorar as complexidades e consequências da sustentabilidade, levando em consideração as forças econômicas, políticas, culturais, técnicas, sociais e ambientais que promovem ou impedem seus objetivos. Obviamente, o problema não é somente o currículo dos estudos de administração: a dificuldade de se introduzir uma agenda crítica de sustentabilidade é consideravelmente maior. Talvez espere-se que o setor de educação superior, enquanto espaço de conscientização e de crítica da sociedade, assuma o papel de liderança no discurso sobre negócios e sustentabilidade. No entanto, já se salientou que grande parte dessa liderança é cedida a poderosas organizações empresariais em virtude da mudança de rumos cada vez mais reducionista da agenda do ensino superior, caracterizada por competição e valores ditados pelo mercado (ver, por exemplo, CAPRA, 1983; TRAINER, 1990; ORR, 1992; HUCKLE, 1996; COLLINI, 2003). Um resultado disso é a comercialização e comoditização do ensino superior que Slaughter e Rhoades (2004), ao revisarem as mudanças nas universidades dos Estados Unidos, identificaram como capitalismo acadêmico. No Reino Unido, o relatório do Higher Education Funding Council for England [Conselho de Financiamento de Educação Superior do Reino Unido] (HEFCE,

20 10 EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE NAS ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO 2008), o Browne Report on Higher Education and Student Finance [ Relatório Browne sobre Educação Superior e Financiamento Estudantil] (2010) e o relatório Higher Education: Students at the Heart of the System [Ensino Superior: Estudantes no Cerne do Sistema] (2011) destacam o crescente controle burocrático do ensino superior, que é visto como um mercado em que a demanda do consumidor (e também os requisitos dos negócios) será soberana (COLLINI, 2010; MCKIBBIN, 2010; COLLINI 2011). Essas tendências não incentivam uma perspectiva crítica nem um foco em sustentabilidade. Entretanto, demonstram a necessidade de os acadêmicos de diferentes disciplinas trabalharem mais proximamente mesmo enquanto são levados para silos disciplinares concorrentes para desenvolverem abordagens interdisciplinares críticas à pesquisa e ao ensino da sustentabilidade. Da teoria à práxis Essas são algumas das implicações ontológicas e epistemológicas de uma teorização crítica do ensino de sustentabilidade nos currículos de estudos de administração que foi adotada em dois cursos de pós-graduação que desenvolvi e ministrei. Aqui, focam-se a práxis e as escolhas pedagógicas feitas para estimular a autorrealização dos estudantes. Meu foco é o curso condensado de dois dias que ensinei na Universidade de Hong Kong, de 2005 a Para envolver os alunos no debate sobre negócios e sustentabilidade, são preferíveis métodos de ação, pois eles permitem uma aprendizagem experiencial e ajudam a criar contextos de ensino democráticos. Como foi observado, a abordagem dos métodos de ensino baseados na ação pode ser considerada um paradigma para o ensino e a aprendizagem em vez de um mero conjunto de estratégias de sala de aula. Ao mesmo tempo, após vivenciar uma gama de métodos de ação voltados à tomada de decisões e à aprendizagem experiencial, tanto os estudantes quanto os professores tornam-se mais competentes na exploração de questões, bem como no esclarecimento e solução de problemas. Estudantes passam a ter maior grau de controle sobre o próprio aprendizado e uma base para uma tomada de decisões responsável. As idades dos alunos do segundo curso variavam de 20 e poucos anos a 50 e poucos anos; alguns já eram gerentes intermediários ou seniores de empresas. Participar da tomada de decisões a respeito da própria aprendizagem, portanto, tem sido bem recebido. O conteúdo do currículo do curso começa e termina com valores os alunos esclarecem quais são seus próprios valores, compreendendo as mudanças de valores e visões de mundo que levaram ao dilema da sustentabilidade, e os valores que possibilitam a concepção de um futuro mais sustentável para poder abordar a crise. A perspectiva crítica é empregada com o propósito de incitar a capacidade dos estudantes de fazer um questionamento crítico, e

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Master in Management for Human Resources Professionals

Master in Management for Human Resources Professionals Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com: Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com APG Um dos principais objectivos da Associação Portuguesa

Leia mais

Fashion Marketing & Communication

Fashion Marketing & Communication Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O CBA em Gestão de Negócios é um curso que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em gestão e liderança. O programa tem o objetivo de formar

Leia mais

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH Executive MBA em Liderança e Gestão de RH B.I. INTERNATIONAL O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único de Educação. Nossa premissa é desenvolver em cada aluno,

Leia mais

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais.

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais. Professional Profissional Tomada de decisão Gestão do Desempenho Forecasting Previsão A qualificação de negócios profissionais globais O CIMA é a escolha dos empregadores no recrutamento de líderes de

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

TURMAS ABERTAS BELO HORIZONTE

TURMAS ABERTAS BELO HORIZONTE TURMAS ABERTAS BELO HORIZONTE Apresentação A Academia de Lideranças tem foco prático no desenvolvimento das competências essenciais dos líderes de pessoas, processos e metas. As competências técnicas e

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327 PROPOSTA DE UMA TURMA DE MESTRADO PROFISSIONAL, PARA UMA FORMAÇÃO STRICTO SENSU DOS SERVIDORES DO INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL IBRAM (FORMATO MODULAR PRESENCIAL) Cristiana Saddy Martins Coordenadora da

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

A QUEM SE DESTINA? COORDENADOR DO CURSO

A QUEM SE DESTINA? COORDENADOR DO CURSO CBA EM FINANÇAS CBA EM finanças O CBA em Finanças é um programa que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em finanças e liderança. O programa tem o objetivo de preparar executivos para enfrentar

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

1.1 Sobre o I Colóquio

1.1 Sobre o I Colóquio 1.1 Sobre o I Colóquio Em 2004, a CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) recomendou o Programa de Mestrado em Educação do Unisal (Centro Universitário Salesiano de São Paulo),

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação LINHA 1 - PERSPECTIVAS FILOSÓFICAS, HISTÓRICAS E POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

MBA em gestão de negócios

MBA em gestão de negócios MBA em gestão de negócios MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O MBA Executivo em Gestão de Negócios do Grupo Ibmec foi desenvolvido para responder à demanda do mercado por profissionais cada vez mais qualificados

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Helen Peters e Rob Kabacoff A Hewlett Packard tem uma mulher por presidente; a ex-primeira dama norte-americana [Hillary Clinton] é, hoje,

Leia mais

Liderança Positiva. Força que Impacta o Desempenho das Pessoas

Liderança Positiva. Força que Impacta o Desempenho das Pessoas Liderança Positiva Força que Impacta o Desempenho das Pessoas Uma parceria É com muita satisfação que a Nova School of Business and Economics e a SOCIESC apresentam o Programa Liderança Positiva Força

Leia mais

MBA GESTÃO DE PESSOAS

MBA GESTÃO DE PESSOAS MBA GESTÃO DE PESSOAS 1- OBJETIVOS Capacitar profissionais de Administração e áreas afins, que atuam ou pretendem atuar em empresas de qualquer porte, desempenhando funções de coordenação de pessoas ou

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais