MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22"

Transcrição

1 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof.

2 MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

3 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Módulo 6 DISTRIBUIÇÃO DE TRANSPORTES DUTOVIÁRIOS

4 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO A riqueza que viaja pelos dutos Criados há três milênios para transportar água, os dutos passaram a escoar petróleo no século XIX além dos já tradicionais água e dejetos de saneamento urbano. Destaque no Brasil para escoar e mais recentemente o etanol brasileiro e minérios. A utilização de dutos remonta a séculos antes da era cristã. O primeiro de que se tem notícia é o de Jerwan, construído na Assíria em 691 a.c. para levar água doce até a cidade de Nínive. Na Roma antiga, com o aperfeiçoamento da engenharia do transporte de água, os aquedutos se multiplicaram e ficaram mais complexos. Por Julia Duailibi e José Edward Veja 26/12/2007

5 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Dutos são tubulações especialmente projetadas para transportar granéis líquidos como água, petróleo e seus derivados, álcool, produtos químicos e outros produtos, granéis mistos líquidogasoso (gás) e granéis mistos sólido-líquidos, por distâncias longas. A movimentação dos produtos e feita por arrasto ou por pressão

6 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO No formato atual, com tubos fechados de metal e mecanismos de bombeamento para impulsionar produtos como petróleo e gás, os dutos apareceram em 1865, nos Estados Unidos. Hoje representam um sistema de transporte indispensável à economia mundial. O total da malha ultrapassa 3,5 milhões de quilômetros - ou nove vezes a distância entre a Terra e a Lua. Os dutos são quarenta vezes mais seguros que o transporte de carga ferroviária e 100 vezes mais seguros que o transporte por caminhão. No Brasil a rede de dutos ainda é diminuta: quilômetros, abaixo dos quilômetros dos americanos e dos quilômetros de dutos no México. Por Julia Duailibi e José Edward Veja 26/12/2007

7 As Dutovias podem ser do tipo: - Subterrâneas (maioria) - Aéreas (necessárias para vencer grandes vales, cursos d'água, pântanos ou terrenos muito acidentados) - Submarinas (em plataformas de petróleo e terminais) São também localizados em: TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Localização - Áreas urbanas (passando sob ruas, avenidas e rodovias, condomínios) - Áreas Rurais (fazendas, serras e montanhas) - Rios, mares e manguezais, etc...

8 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO

9 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO VANTAGENS: Permite que grandes quantidades de produtos sejam deslocados de maneira segura, diminuindo o tráfego de cargas perigosas por caminhões, trens ou por navios e, consequentemente, diminuindo os riscos de acidentes ambientais. Facilidade de implantação (pouca dependência de desníveis vencendo rampas de até 40%) Alta confiabilidade (pode operar 24 hs, independe das condições atmosféricas com pequeno índice de acidentes) Baixo consumo de energia (não há retorno vazio e usa energia elétrica para movimentar as bombas) Pode ser totalmente automatizado e usa pouca mão de obra porém altamente especializada DESVANTAGENS: Exigem grandes investimentos iniciais Não movimentam produtos porta a porta Ocupam faixas de terra de difícil uso múltiplo Estão sujeitos a erosão, deslizamentos de terra, corrosão, queda de rochas, atos de vandalismo, ação de terceiros, que podem ocasionar vazamentos e, em função da alta pressão com que os produtos são bombeados e da periculosidade das substâncias transportadas, os danos ambientais e sócio-econômico raramente são pequenos.

10 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Tipos de Dutos: Oleodutos Gasodutos, Minerodutos Polidutos Oleodutos, gasodutos e polidutos são construídos com tubos de metal, de diâmetros de até 80 cm com bombas situadas nos pontos de partida e pontos intermediários que impelem o produto. São dotados de saídas para o ar e gases, de registros para interromper o fluxo em caso de avarias e outros apetrechos, como indicadores e registradores de capacidade.

11 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Petróleo e seus Derivados: oleodutos (uso em escala industrial iniciou-se com o transporte de petróleo no século XIV) Gás Natural: gasodutos, semelhantes aos oleodutos Minério, Cimento e Cereais: minerodutos por pressão (tubulações com bombas especiais para impulsionar cargas sólidas ou em pó por meio de um fluido portador, como água - para o transporte do minério a médias e longas distâncias ou ar - para o transporte de cimento e cereais a curtas distâncias) ou mineradutos por arraste (tubulações com correias transportadoras internas geralmente utilizadas em trajetos menores) Águas Servidas (esgoto): As águas servidas ou esgotos produzidos pelo homem devem ser conduzidos, por canalizações próprias até um destino final adequado. Água Potável: Após a água ser coletada em mananciais ou fontes, a mesma é conduzida por meio de tubulações até estações onde é tratada e depois distribuída para a população, também por meio de tubulações. As tubulações envolvidas na coleta e distribuição são denominadas adutoras.

12 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO

13 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO

14 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO

15 GASODUTO TRANSPORTE DUTOVIÁRIO

16 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO

17 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO

18 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO

19 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Duto Aéreo da Samarco Duto Aéreo da Transpetro Serra do Mar Duto Subterrâneo da Gasbol

20 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Mineroduto (Caso Samarco) Opera com baixos custos operacionais e elevada confiabilidade, o que proporciona segurança operacional e proteção ambiental. Samarco - há 25 anos em atividade. É o maior mineroduto do mundo para transporte de minério de ferro, com 396 km de extensão. Liga a Unidade de Germano, em Minas Gerais, à Unidade de Ponta Ubu, no Espírito Santo. Capacidade para bombear 15,5 milhões de toneladas/ano de concentrado de minério de ferro. Um moderno sistema de transmissão de dados online via satélite permite o monitoramento em tempo real de toda a operação.

21 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Mineroduto (Caso Samarco) A tubulação do mineroduto, construída com chapas de aço API 5 LX-60 A espessura varia de 8 mm até 19 mm. Possui 396 km de extensão, sendo 346 km de diâmetro 20" e 50 km de diâmetro 18". A espessura varia de 8 mm até 19 mm. A velocidade de transporte pode variar de 1,5 m/s até 1,8 m/s (tempo de transporte =61 horas), com vazões aproximadas variando de m³/h até m³/h. A tubulação é praticamente toda enterrada a cerca de 1,5m de profundidade e protegida contra corrosão, através de revestimento de fita de PVC e um sistema de proteção catódica por corrente impressa.

22 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Alcooldutos

23 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Estados Unidos Europa Ásia PRINCIPAIS MERCADOS CONSUMIDORES

24 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO DUTOS E HIDROVIA TIETÊ: CAPACIDADE 14 milhões m 3 /ano (expansível) CORREDOR de EXPORTAÇÃO de ETANOL SE/CO Corredor I

25 TRANSPORTE Alcooduto Alternativas DUTOVIÁRIO de traçado DISTÂNCIAS APROXIMADAS Replan-Sta. Maria km Replan-Conchas km Replan-Anhembi km

26 Cenário básico Movimentação 1º ano operação São Simão Etanol mil m³/ano Aparecida do Tabuado Etanol mil m³/ano TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Araçatuba Diesel e Gas. 1 milhão m³ / ano REPLAN Diesel e Gasolina 2 milhões m³/ano Etanol 5.5 milhões m³/ano Bataguaçú Etanol 1 milhão m³/ano Diesel e Gas. 500 mil m³/ano Guaira Diesel e Gas. 500 mil m³/ano Etanol 2 milhões m³/ano Terminal de Stª Maria da Serra Etanol mil m³ / ano Etanol Diesel e Gasolina

27 O PROJETO PETROBRAS COMPLETO INCLUI UM POLIDUTO PARA DERIVADOS LIGANDO CURITIBA A CUIABÁ NOVO POLIDUTO. Este poliduto permite reduzir os custos de abastecimento de DIESEL e GASOLINA do Centro-Oeste e melhora os indicadores econômicos do projeto da hidrovia por permitir o aproveitamento das barcaças nos dois sentidos.

28 400 mil m³ / ano Aparecida do Tabuado 600 mil m³ / ano TRANSPORTE DUTOVIÁRIO São Simão Araçatuba mil m³ / ano mil m³ / ano CENÁRIO POLIDUTO REPAR MOVIMENTAÇÃO 1 o ANO OPERAÇÃO Etanol Terminal m³ / ANO de Montante 500 mil m³ / ano Bataguaçú PELO DUTO mil m³ / ano mil m³ / ano REPLAN Diesel, Gasolina m³ / ANO 1000 mil m³ / ano Guaira 500 mil m³ / ano REPAR milm3 MBA / ano EM LOGÍSTICA

29 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Rondonópolis Sen. Canedo Alto Araguaia Coletor Álcool São Simão GSL e DSL Alcool duto Cpo Grande Bataguassu Aparecida do Taboado Araçatuba Uberaba Ribeirão Preto Poliduto Hidrovia Londrina Sta M. Serra Paulínia Guaíra Corredores 1 e 2 + Alternativa escoamento via ferrovia e hidrovia Araucária

30 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Nova Olimpia Cuiabá Rondonópolis Jataí Coletor Álcool GSL e DSL Cpo Grande Bataguassu Aparecida do Taboado São Simão Araçatuba Buriti Alegre Uberaba Ribeirão Preto Alcool duto Poliduto Hidrovia Londrina Sta M. Serra Paulínia Junção com o Corredor 1: Alternativa Nova Olímpia Buriti São Sebastião Guaíra Araucária

31 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Nova Olimpia Cuiab á Rondonópolis Sen. Canedo Coletor Álcool GSL e DSL Cpo Grande Bataguassu Aparecida do Taboado São Simão Araçatuba Uberaba Ribeirão Preto Alcool duto Poliduto Hidrovia Londrina Sta M. Serra Paulínia Guaíra Corredor 2: Alternativa Nova Olímpia Pontal do Paraná Araucária

32 TRANSPORTE FERROVIÁRIO Módulo 7 DISTRIBUIÇÃO DE TRANSPORTES AÉREOS

33 TRANSPORTE AÉREO Vantagens do modal rapidez, eficiência e confiabilidade, custo de seguro menor que os demais modais, emissão antecipada do contrato de transporte, localização dos aeroportos (*), fluxo de estoque, Manuseio altamente mecanizado.

34 TRANSPORTE AÉREO Desvantagens do modal custo elevado do frete, a capacidade de carga inferior ao aquaviário e ferroviário, custo de manutenção da infra-estrutura freqüência, falta de espaço disponível para embarques destinados ao exterior, localização dos aeroportos(*), restrições à cargas perigosas. *Oneram o custo da operação

35 Transporte Aéreo TRANSPORTE AÉREO Órgãos e empresas no modal aéreo Ministério da Defesa Comando da Aeronáutica ANAC Agência Nacional de Aviação Civil IATA International Air Transport Association Companhias Aéreas Agentes de carga ou operadores logísticos Questões excesso de tributos; infra-estrutura aeroportuária e integração com outros modais insuficiente; burocracia aduaneira.

36 TRANSPORTE AÉREO Transporte Aéreo de Carga Vocação Carga Geral (convencional) Fracionada Expressa Específicas (perecíveis, perigosas e restritas a autorização)...especialmente remessas com os seguintes requisitos e características: alto valor agregado elevados riscos de ocorrências de roubos/furtos baixo peso / volume Fracionadas demandam soluções logísticas específicas e diferenciadas data de entrega rígida e prioridade de urgência (documentos, amostras, perecíveis)

37 TRANSPORTE AÉREO Perfis de Carga no Brasil Importados (alto valor agregado): Exportados (baixo valor agregado): Óticos Máquinas e equipamentos Informática Telecomunicações Hospitalares Farmacêuticos Automotiva Frutas in natura Pescados Carnes e derivados Têxteis Calçados Outros derivados de couro Auto-Parts

38 TRANSPORTE AÉREO

39 TRANSPORTE AÉREO Ranking dos aeroportos de carga Fonte: Airport Council International

40 TRANSPORTE AÉREO III IV I II DIVISÃO DOS CINDACTAS

41 TRANSPORTE AÉREO Número de Aeroportos com Mais de Metros de Pista Pavimentada Países Aeroportos Estensão km 2 1 Aeroporto a Cada "X" km 2 Estados Unidos China Rússia Irã Arábia Saudita Líbia Iraque Canadá Índia Espanha Brasil

42 TRANSPORTE AÉREO Tipos de Cargas

43 TRANSPORTE AÉREO Classificação IATA - Cargas perigosas Classe 1 explosivos Classe 2 gases Classe 3 líquidos inflamáveis Classe 4 sólidos inflamáveis Classe 5 combustíveis e materiais oxidantes Classe 6 substâncias tóxicas e infecciosas Classe 7 materiais radioativos Classe 8 corrosivos Classe 9 mercadorias perigosas diversas

44 TRANSPORTE AÉREO Contêineres e Páletes Aéreos

45 TRANSPORTE AÉREO Contêineres e Páletes Aéreos

46 TRANSPORTE AÉREO Contêineres e Páletes Aéreos

47 TRANSPORTE AÉREO Contêineres e Páletes Aéreos

48 TRANSPORTE AÉREO Contêineres e Páletes Aéreos

49 TRANSPORTE AÉREO Conteineres e Paletes Aéreos

50 TRANSPORTE AÉREO Conteineres e Paletes Aéreos

51 TRANSPORTE AÉREO Conteineres e Paletes Aéreos

52 TRANSPORTE AÉREO

53 TRANSPORTE AÉREO TIPOS DE AVIÕES

54 TRANSPORTE AÉREO TIPOS DE AVIÕES All Cargo - Full Cargo : aeronaves para transporte exclusivo de cargas; Combi : aeronaves utilizadas tanto para cargas como para passageiros, nas quais as cargas são transportadas no lower deck quanto no upper deck, localizado no fundo da aeronave; Full Pax : nestas aeronaves, o deck inferior é utilizado para transportar mercadorias, ficando o deck superior destinado apenas a passageiros.

55 TRANSPORTE AÉREO Aviões cargueiros Modelo - ACFT TON/M 3 ALL CARGO Antonov 124/100 B747 MD11 DC8 B707 B / /600 60/400 45/270 36/220 28/160

56 TRANSPORTE AÉREO Aviões de passageiros FULL PAX Modelo - ACFT B747 DC10 A310 B767 B757 Fokker100 TON/M 3 14/90 14/90 11/70 9/60 5/30 1,2/7

57 TRANSPORTE AÉREO Aviões combinados COMBI Modelo - ACFT MD11 B747 TON/M 3 25/150 30/180

58 TRANSPORTE AÉREO Aviões de Carga McDonnel Douglas - MD 11 Antonov 124 Lookheed Hercules Boeing

59 TRANSPORTE AÉREO

60 TRANSPORTE AÉREO

61 TRANSPORTE AÉREO

62 Terminais de Carga

63 TRANSPORTE AÉREO Terminal de Carga

64 TRANSPORTE AÉREO Terminais de Carga Terminais de Carga Doméstica TECA: Terminais das Empresas Aéreas - As empresas aéreas possuem terminais de carga somente para movimentação de carga doméstica. Os Correios também possuem terminais próprios de carga em alguns aeroportos. Terminais de Carga Internacional TECA: Somente a INFRAERO poderá movimentar e armazenar carga internacional (Exportação e Importação) nos aeroportos brasileiros. Ela é à Fiel Depositária junto a Receita Federal (Aduana).

65 TRANSPORTE AÉREO Equipamentos nos aeroportos Carro para transporte de carga granel Dolly equipamento de movimentação de paletes

66 TRANSPORTE AÉREO Equipamentos nos aeroportos

67 TRANSPORTE AÉREO FIM

68 TRANSPORTE EM GERAL anexos

69 TRANSPORTE EM GERAL Anexo 1- RESUMO

70 TRANSPORTE EM GERAL Velocidade (-) (+) Duto Aqua Ferro Rodo Aéreo Aéreo Duto Duto Aqua Aqua Aéreo Aqua Aéreo Consistência Ferro Rodo Capacitação Rodo Disponibilidade Aéreo Frequência Ferro Ferro Ferro Rodo Duto Aqua Rodo Duto

71 TRANSPORTE EM GERAL Consumo de combustível de cada Modal (litros/ t x km): Fonte : ANTT.Agencia Nacional de Transportes Terrestres Aerovia: 0,57201 (126x consumo hidrovia) Rodovia: 0,02180 (4,8x consumo hidrovia) Dutovia: 0,01700 (3,7x consumo hidrovia) Ferrovia: 0,00681 (1,5x consumo hidrovia) Hidrovia: 0,00450 (1,0 ) Custo de Transporte de cada Modal (US$/m 3 x km): Rodovia: 0,050 (4,0x custo hidrovia) Dutovia: 0,0137 (1,1x custo hidrovia) Ferrovia: 0,028 (2,0x custo hidrovia) Hidrovia: 0,0125 (1,0 ) Frete médio de cada Modal ((US$/t x km): Aerovia: 0,320 (BR) 0,560 [USA] (40 x frete hidrovia BR) [112x USA] Rodovia: 0,032 (BR) 0,056 [USA] (4,0x frete hidrovia BR) [11,2x USA] Dutovia: 0,009 (BR) 0,008 [USA] (1,0x frete hidrovia BR) [1,6x USA] Ferrovia: 0,016 (BR) 0,014 [USA] (2,0x frete hidrovia BR) [2,8x USA] Hidrovia: 0,008 (BR) 0,005 [USA] (1,0 ) Cabotagem: 0,004 (BR) 0,003 [USA]

72 TRANSPORTE EM GERAL Anexo 2- Variáveis de Decisão

73 TRANSPORTE EM GERAL Custo Custo Logístico Transporte Estoques Modal (Velocidade / Confiabilidade)

74 TRANSPORTE EM GERAL Anexo 3- exercício

75 TRANSPORTE EM GERAL Levando-se em consideração o binômio custo e tempo e, satisfação do cliente final, analise as seguintes alternativas de transporte de um contêiner carregado com um produto alimentício seco, de fácil manuseio e não perecível, saindo de um armazém num ponto A e destino para outro armazém num ponto B. Existem somente 2 alternativas de transporte: por trem e por navio. Não existem estradas e mesmo que existissem os seus custos são proibitivos e inviabilizam a comercialização de produtos similares. Sabe-se que a Distância de A a B é de 4800 km. Velocidade média do trem = 66,6 km/h. Velocidade média do navio = 20 km/h

76 TRANSPORTE EM GERAL Custo do transporte: De trem = 0,02 R$/tonelada x km De navio = 0,01 R$/tonelada x km Avalie as 2 situações que o cliente deve considerar respondendo às seguintes perguntas: Quais são os tempos e custos de cada modal? Tempos de viagem entre A e B: Por trem: 4800/66,6=72,07 horas / 24 = 3 dias Por navio: 4800/20=240 horas / 24 = 10 dias

77 TRANSPORTE EM GERAL Custos do transporte: De trem = 0,02 R$/tonelada x km x 4800 x 20 = R$ 1920,00 De navio = 0,01 R$/tonelada x km x 4800 x 20 = R$ 960,00 Como satisfazer o cliente final e ainda ganhar com a logística integrada disponível? Que modal você escolheria sabendo que é impossível mexer nos custos e nos tempos de viagem? A única variável que o operador logístico pode negociar é com o cliente final.

78 TRANSPORTE EM GERAL O produto chega no ponto A a um custo de R$ 300,00. O ponto B é uma central de distribuição e tem um custo de armazenagem de R$ 20,00 por dia. O produto deve ser entregue no 11.o dia após a saída do ponto A. O preço de venda do produto é de R$ 2.700,00. Qual o lucro que vamos ter? De trem = (11 3) x = 320,00 De navio = (11 10) x = 1516,00

79 TRANSPORTE EM GERAL A pergunta que cabe é: Arriscamos fazer o transporte de navio ou é preferível ter um lucro baixo e trazer a mercadoria de trem? Caso a opção seja trazer por navio, que providencias você tomaria como Operador Logístico?

80 Anexo 4- CADEIA LOGÍSTICA INTEGRADA Navios de etanol e Terminais no exterior

81 TRANSPORTE EM GERAL MR1 capacidade de m3 MR2 Panamax Aframax Suezmax VLCC - capacidade de m3 capacidade de m3 capacidade de m3 capacidade de m3 capacidade de m3 Tipos e portes de navios

82 TRANSPORTE EM GERAL Tipos e Navios nos Terminais MR1 Paranaguá, Santos e demais MR2 Panamax Aframax Suezmax VLCC - Paranaguá, Santos e demais São Sebastião, Ilha D Água e Pontal do Paraná São Sebastião, Ilha Dágua e Angra São Sebastião e Angra dos Reis São Sebastião e Angra dos Reis

83 TRANSPORTE EM GERAL Custo Transporte Marítimo

84 FIM

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema O sistema de transporte é um elemento importante para o crescimento de cidades e de indústrias, para a geração de renda, de emprego e de estabilidade

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

A LOGÍSTICA ATUAL DE TRANSPORTE DAS DISTRIBUIDORAS E A INFRA-ESTRUTURA PARA A EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL

A LOGÍSTICA ATUAL DE TRANSPORTE DAS DISTRIBUIDORAS E A INFRA-ESTRUTURA PARA A EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL A LOGÍSTICA ATUAL DE TRANSPORTE DAS DISTRIBUIDORAS E A INFRA-ESTRUTURA PARA A EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL Fernando Cunha Diretor de Operações e Logística Petrobras Distribuidora Agosto de 2003 INTRODUÇÃO A BR

Leia mais

Transportes de Carga no Brasil - 2

Transportes de Carga no Brasil - 2 Transportes de Carga no Brasil - 2 SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Transportes Ferroviário Hidroviário Aéreo Dutoviário a. Situação; b. Histórico; c. Vantagens X Desvantagens; d. Malha; e. Frota; f.

Leia mais

CAPITULO 5 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO. Introdução

CAPITULO 5 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO. Introdução CAPITULO 5 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Introdução O transporte de carga é um importante alicerce da economia de um país e um setor determinante para as exportações, as quais causam importante impacto na produção

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE Gestão de Fretes O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; 2. Tem papel fundamental na prestação do Serviço ao Cliente O transporte no processo logístico

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

MÓDULO 8 - TERMINAL DE CARGA AÉREA Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 10/01/2012)

MÓDULO 8 - TERMINAL DE CARGA AÉREA Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 10/01/2012) MÓDULO 8 - TERMINAL DE CARGA AÉREA Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 10/01/2012) 1 - NATUREZA DA CARGA AÉREA O termo "carga aérea" é utilizado para expressar o conjunto de bens transportados por via aérea,

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE Recife/2013 Accacio Rodrigues Formado em Direito, pós graduado em Tributos e Gestão comercial pela Escola de ensino superior Esamc. Há 6 anos trabalha na Empresa

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

STT404 Introdução à Engenharia de Transportes. Prof. Dr. João Alexandre Widmer

STT404 Introdução à Engenharia de Transportes. Prof. Dr. João Alexandre Widmer STT404 Introdução à Engenharia de Transportes Prof. Dr. João Alexandre Widmer 1. A Natureza e os Métodos da Engenharia de Transportes O Sistema de Transporte Parte indispensável da infra-estrutura de qualquer

Leia mais

LOGÍSTICA PARA EXPORTAÇÃO DE ETANOL COMBUSTÍVEL. André J. Lepsch TRANSPETRO

LOGÍSTICA PARA EXPORTAÇÃO DE ETANOL COMBUSTÍVEL. André J. Lepsch TRANSPETRO LOGÍSTICA PARA EXPORTAÇÃO DE ETANOL COMBUSTÍVEL André J. Lepsch TRANSPETRO Quem é a Petrobras Transporte TRANSPETRO? TRANSPETRO é uma Subsidiária da PETROBRAS, foi criada oficialmente em 30/06/98 por determinação

Leia mais

Infraero Logística: Facilidades pela infraestrutura aeroportuária. Gerência de Logística de Cargas - RFLC

Infraero Logística: Facilidades pela infraestrutura aeroportuária. Gerência de Logística de Cargas - RFLC Infraero Logística: Facilidades pela infraestrutura aeroportuária novembro de 2010 67 Aeroportos 80 Unidades de Apoio à Navegação Aérea 34 Terminais de Logística de Carga Aprox. 29.300 empregados (org

Leia mais

3. O Sistema Petrobras

3. O Sistema Petrobras 3. O Sistema Petrobras O Sistema Petrobras possui 56 bases de distribuição por todo o país, que são responsáveis por fornecer produtos para as distribuidoras, para que estas possam entregá-los no mercado.

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años Ulysses Nunes, Mangels - Brasil Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de Andrade Pereira Prof. Wilson Kuster Versão 2015 TRANSPORTE

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA Conferência Internacional sobre Capital Privado em Aeroportos FIESP / CIESP 23/Abril/2009 A Costa da Sol Operadora Aeroportuária S.A. é uma

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura José Otavio Carvalho Vice Presidente Executivo Cimento: Características do produto - Base do concreto - o material

Leia mais

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística?

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística? Relembrando...O Que é Logística? Logística e Distribuição A atividade de Transporte 1 2 Conceito Formal de Logística Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística é o processo de planejar,

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

DUTOS E TERMINAIS PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS

DUTOS E TERMINAIS PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS DUTOS E TERMINAIS PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS Diretor de Dutos e Terminais Faustino Vertamatti DUTOS E TERMINAIS Produtos Movimentados: Petróleo, Derivados de Petróleo, Álcool,

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc.

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc. TERMINAL DE CARGAS Profª Janaína Araújo, MSc. Carga Aérea Generalidades Carga aérea : conjunto de bens transportados por via aérea que geram receita; material transportado por meio de aeronaves cujos valores

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

Transporte: Ato, efeito ou operação de transportar.

Transporte: Ato, efeito ou operação de transportar. Introdução aos diferentes modais de transporte e suas vias e veículos Definição de Transporte Transporte: Ato, efeito ou operação de transportar. (Dicionário Aurélio) Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis - FGV 1 Sumário Matriz Brasileira de Transportes Características do Sistema Logístico Brasileiro O Plano

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades

Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades APIMEC-RIO Seminário sobre Logística e Infraestrutura 30 de maio de 2012 Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades Carlos Felipe Guimarães

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos

1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos 1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos Transpetro Jorge Lopes Coordenador Corporativo de Processos Ambientais 1 A TRANSPETRO Subsidiária

Leia mais

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc.

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc. TERMINAL DE CARGAS Profª Janaína Araújo, MSc. Carga Aérea Generalidades Carga aérea : conjunto de bens transportados por via aérea que geram receita; material transportado por meio de aeronaves cujos valores

Leia mais

ENCONTRO 3 Transporte Aéreo

ENCONTRO 3 Transporte Aéreo ENCONTRO 3 Transporte Aéreo ENCONTRO 3 Transporte Aéreo TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro anterior, você conheceu as características do transporte marítimo, a sua importância para

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional 2.8 Infraestrutura Por que Infraestrutura? Uma rede eficaz de transportes intermodal é fundamental para a competitividade da indústria. A logística eficiente permite a realização das entregas dos insumos

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS Conheça o que é o projeto da Plataforma Logística Multimodal de Anápolis, investimentos e os benefícios que trará para a economia goiana. O que vai funcionar

Leia mais

De acordo com a ANTT, o transporte dutoviário pode ser classificado em:

De acordo com a ANTT, o transporte dutoviário pode ser classificado em: Modal Dutoviário O modal dutoviário é o único dos modais existentes que transporta exclusivamente cargas. Ele é composto por dutos, (uma espécie de tubulação) que são as vias por onde são movimentadas

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros Brasíli, 05 de junho de 2013 1 Consumo Final Energético por Queima de Combustíveis

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS REQUERENTE SEÇÃO 1: DADOS DE IDENTIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL PRINCIPAL ATIVIDADE LOCAL DA ATIVIDADE BAIRRO CEP NOME DO REPRESENTANTE CARGO TEL. E RAMAL SEÇÃO 2: DADOS ADMINISTRATIVOS

Leia mais

www.maremaparts.com.br

www.maremaparts.com.br Objetivo: Atender às necessidades e especificações do mercado em revestimentos protetivos, impermeabilizantes e peças técnicas, entregando produtos e serviços, superando as expectativas de nossos parceiros

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Identificação dos Custos Logísticos

Identificação dos Custos Logísticos Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade - Identificação dos Custos Logísticos MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Washington Luís Reis Revisão Textual: Profa. Esp.

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica Análise de viabilidade técnica e econômica da implantação de um terminal portuário na região de Cananéia-Iguape

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

RODOVIAS DE ACESSO AO MUNICÍPIO

RODOVIAS DE ACESSO AO MUNICÍPIO TRANSPORTES RODOVIAS A localização geográfica de Araxá é excepcional, colocando o município em ponto estratégico, entre SÃO PAULO e BELO HORIZONTE, centros essenciais em termos econômicos. Um bom sistema

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

UM DIAGNÓSTICO DA LOGÍSTICA DO. Maria Inês Faé Marcílio Rodrigues Machado

UM DIAGNÓSTICO DA LOGÍSTICA DO. Maria Inês Faé Marcílio Rodrigues Machado UM DIAGNÓSTICO DA LOGÍSTICA DO AEROPORTO DE VITÓRIA Maria Inês Faé Marcílio Rodrigues Machado Logística contextualização da infra-estrutura logística capixaba aspectos operacionais do aeroporto de Vitória

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

Sumário. BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção para contêiner. BERMS OXIGEN Bacia de contenção para ações rápidas

Sumário. BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção para contêiner. BERMS OXIGEN Bacia de contenção para ações rápidas Sumário BCP OXIGEN Bacia de contenção de papelão 03 ECOTÊINER DE INTERIOR OXIGEN Dispositivo de prevenção de vazamentos para transporte em contêineres marítimos BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

4: Mapa da infra-estrutura de distribuição de combustíveis (ex-estradas). Fonte s : ANP, Transpetro e Ferrovias

4: Mapa da infra-estrutura de distribuição de combustíveis (ex-estradas). Fonte s : ANP, Transpetro e Ferrovias Gargalos logísticos na distribuição de combustíveis brasileira Renata Figueiredo Os resultados que serão apresentados neste artigo são fruto de um extenso estudo realizado pelo Centro de Estudos em Logística

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos Principais Grupos Empresas correntes 2003 2004 2005 2006 Realizado Realizado Realizado LOA Setor Produtivo Estatal 17.301 18.285 20.554 31.404 - Grupo PETROBRAS (No País) 13.839 14.960 16571 24.095 - Grupo

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

ANAIS ESTUDO DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO GOIANA UTILIZANDO UMA FERRAMENTA DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS

ANAIS ESTUDO DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO GOIANA UTILIZANDO UMA FERRAMENTA DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS ESTUDO DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO GOIANA UTILIZANDO UMA FERRAMENTA DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS GUILHERME PÉRES FACCHIOLI ( guilhermefacchioli@gmail.com, guiperesf@hotmail.com ) UFG - Universidade Federal de

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO TRANSPORTE TRANSPORTE EM LOGÍSTICA É a movimentação de produtos entre regiões geográficas ou área de comércio, elevando o

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE TP 15164T UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE EFICAZ, FIÁVEL E SEGURA www.atlanticgateway.gc.ca A PORTA DO ATLÂNTICO É: Uma rede multimodal protegida, segura e sustentável equipada com instalações especializadas

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 259 Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO Malha Ferroviária Brasileira Transporte Ferroviário O sistema ferroviário brasileiro totaliza 29.706

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos

Gerenciamento de Depósitos Gerenciamento de Depósitos Diferentes modelos e tipos de CD s e armazéns podem auxiliar na busca por soluções logísticas eficientes, para diferentes produtos, com características logísticas diversas. As

Leia mais

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005):

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005): População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano PIB (2005): R$ 2,753 bilhões PIB per capita: R$ 8.784,00 Principais distâncias: Goiânia: 54 km Brasília: 154 km São

Leia mais