AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: HOSPITAIS / CLÍNICAS

2 SUMÁRIO

3 1. INTRODUÇÃO 4 2. CARACTERIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 5 3. ENERGÉTICOS E UTILIDADES 8 4. AUTOPRODUÇÃO E COGERAÇÃO GERENCIAMENTO ENERGÉTICO SISTEMAS DE AR CONDICIONADO E VENTILAÇÃO SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO TRANSPORTE VERTICAL EQUIPAMENTOS DE ESCRITÓRIO AQUECIMENTO ELÉTRICO BOMBEAMENTO DE ÁGUA ILUMINAÇÃO RACIONAMENTO INSTITUCIONAL 13

4 1. INTRODUÇÃO O presente relatório se insere dentro dos trabalhos de avaliação do Mercado de Eficiência Energética no Brasil, contratado pela Eletrobrás, com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD e com recursos doados pelo Global Environment Facility-GEF, por meio do Banco Mundial (BIRD), tendo como objetivo obter informações necessárias para formar uma nova e adequada concepção do atual mercado de eficiência energética do país e do impacto do racionamento sobre o mesmo, além de permitir avaliar os efeitos das ações do PROCEL, em busca de uma maior eficiência no uso da energia elétrica. Para este relatório, as informações descritivas apresentadas buscam caracterizar, de forma bastante completa, a utilização da energia no setor de hospitais e clínicas, de modo a permitir avaliar os seus desempenhos energéticos e inferir o respectivo potencial de melhoria da eficiência energética existente nesse setor. Especificamente para o setor comercial atendido em alta tensão, a avaliação foi realizada a partir de pesquisas diretas em empresas de todo o Brasil, as quais foram selecionadas de concessionárias representativas de todo o país, mediante um procedimento de amostragem. Nesse processo, foram sorteadas unidades representativas dos conjuntos de consumidores comerciais por atividade econômica e grupo de tensão das cinco regiões do país. Dessa forma, o relatório em questão contém as informações consolidadas relativas às pesquisas quantitativas sobre a utilização da energia nas instalações comerciais, realizadas nos anos de 2005 e 2006, em 141 hospitais/clínicas distribuídos pelas 05 regiões do país, conforme o quadro 1.1. Quadro 1.1 Unidades por Região Região Norte 35 Nordeste 31 Sudeste 33 Sul 19 Centro-Oeste 23 Unid. Total Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS

5 2. CARACTERIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES A distribuição das unidades do setor de hospitais/clínicas pesquisadas no Brasil, por sub-grupo de tensão e faixa de demanda, pode ser vista nos quadros 2.1e2.2. Quadro 2.1 Consumidores por tipo de instalação e grupo de tensão Tipo de instalação Sub-grupo A3 A3a A4 AS Total Part.Tipo Inst.(%) Hospital ,5% Clínica ,5% Total ,0% Part.Gr.Tensão (%) 0,0% 0,0% 100,0% 0,0% 100,0% Quadro 2.2 Percentual de consumidores por tipo de instalação / faixa de demanda máxima (kw) Demanda máxima Tipo de instalação < a a a a a a a Total Hospital Clínica Total Part.(%) 87,2% 10,6% 1,4% 0,0% 0,7% 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% Verifica-se a preponderância do suprimento A4 para os hospitais e clínicas, com a maioria dos mesmos com uma demanda máxima inferior a 500 kw. Para esse setor, encontrou-se ainda 10,6% das unidades com demanda máxima entre 500 e kw, 1,4% entre e kw e apenas 01 unidade consumidora (0,7%) com demanda na faixa de a kw. A distribuição dos hospitais e clínicas por sub-grupo de tensão e faixa de demanda procurou observar a estrutura do mercado comercial em alta tensão das concessionárias que participaram da pesquisa, segundo estas classificações. Entretanto, estas segmentações foram consideradas apenas com o objetivo de se permitir avaliar os resultados gerados da agregação das amostras segundo estas classificações. Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS -5

6 Considerando-se a classificação usual das empresas por porte, com base no número de empregados, ou seja, Pequenas Empresas até 100 empregados, Médias, de 101 a 500 empregados, e Grandes, acima de 500 empregados, no geral, 45,4% dos hospitais e clínicas pesquisados foram de Pequeno Porte, 38,2% de Médio Porte e apenas 16,4% de Grande Porte. A média de empregados dos hospitais pesquisados foi de 417 empregados, enquanto para as clínicas foi de 85 empregados. Quadro 2.3 Percentual de consumidores por quantidade de empregados Tipo de Instalação Total de empregados < a a a 500 > 500 Média Hospital 5,0% 22,5% 25,0% 21,3% 26,3% 417 Clínica 29,2% 45,8% 20,8% 4,2% 0,0% 85 Total 14,1% 31,3% 23,4% 14,8% 16,4% 197 Em termos de idade das instalações, 42,4% dos hospitais e clínicas pesquisados têm menos de 10 anos de operação, sendo a média de idade de 19 anos. Teoricamente, os hospitais/clínicas mais antigos apresentam maiores potenciais de implantação de medidas de melhoria da eficiência energética, em função do nível tecnológico e de automação das instalações e equipamentos existentes. Cabe ressaltar que, caso a instalação tenha sido reformada, a idade é informada a partir do ano da reforma. Quadro 2.4 Percentual de consumidores por idade da instalação Tipo de Instalação Idadedainstalação(anos) < 5 5 a a a 30 > 30 Média Hospital 15,2% 21,5% 25,3% 12,7% 25,3% 24,0 Clínica 28,3% 23,9% 28,3% 8,7% 10,9% 13,5 Total 20,0% 22,4% 26,4% 11,2% 20,0% 19,0 No que se refere ao peso da conta de energia elétrica dentro dos custos totais, considerando-se as unidades que responderam essa questão (57% do total), em cerca de 69% delas os custos com energia elétrica são inferiores a 10%, sendo que em 39,5% esses custos são superiores a 5% e inferiores a 10%. No geral, o custo com energia elétrica representa em média 12,2% do custo total das empresas. A participação do custo da energia elétrica nos custos operacionais dos hospitais/clínicas determina, em parte, a propensão a investir em medidas de eficiência energética. 6-Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS

7 >30 20% <5 20% 21a30 11% 11a20 27% 5a10 22% Gráfico 2.1 Percentual de consumidores por idade da instalação. Quadro 2.5 Percentual de consumidores por participação da energia no custo total Tipo de Instalação Participação % da energia elétrica no custo total < 5% 5 a 10% 11 a 20% 21 a 30% > 30% Média Hospital 33,3 35,1 14,0 7,0 10,5 12,5 Clínica 20,8 50,0 16,7 8,3 4,2 11,7 Total 29,6 39,5 14,8 7,4 8,6 12,2 > 30% 21 a 30% 11 a 20% 5 a 10% <5% (% de consumidores) Gráfico 2.2 Participação % da energia elétrica no custo total. Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS -7

8 No que se refere ao fornecimento de energia elétrica segundo tarifas, 66% dos hospitais/clínicas são consumidores convencionais e 34% são horosazonais, sendo 28% horosazonais verde e 6% horosazonais azul. O fator de carga médio da instalação foi informado por 96% dos hospitais e 88% das clínicas pesquisados. Para esses conjuntos foram obtidos fatores de carga médios de 0,46 para os hospitais e de 0,34 para as clínicas. O consumo médio mensal por leito do setor hospitais/clínicas é de KWh/leito, enquanto a média do consumo por empregado é de cerca de 425 kwh/mês. horo azul 6% horo verde 28% convencional 66% Gráfico 2.3 Distribuição dos hospitais/clinicas por tarifa de fornecimento. 3. ENERGÉTICOS E UTILIDADES Depois da eletricidade, o energético mais utilizado pelas unidades do setor de hospitais e clínicas é o óleo diesel, presente em 22,9% das instalações. O GLP e o gás natural vieram em seguida, sendo citados por respectivamente 20% e 5,7% dos hospitais/clínicas. Quadro 3.1 Percentual de consumidores por energéticos utilizados Tipo de instalação Eletricidade Energético Óleo combustível Óleo diesel Gás natural GLP Carvão Lenha Hospital 100,0% 3,3% 31,1% 5,6% 27,8% 0,0% 0,0% Clínica 100,0% 0,0% 8,0% 6,0% 6,0% 0,0% 0,0% Total 100,0% 2,1% 22,9% 5,7% 20,0% 0,0% 0,0% 8-Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS

9 25% 20% 23% 20% 15% 10% 5% 0% 2% Óleo Combustível Óleo Diesel 6% Gás Natural 0,0 0% 0% GLP Carvão Lenha Quadro 3.1 Percentual de consumidores por energéticos utilizados. Apenas 9,2% dos hospitais/clínicas prestaram informações sobre as utilidades existentes em suas instalações, comprometendo qualquer inferência sobre essa questão. Nessas unidades foram encontrados fluido refrigerante, água gelada, água quente e vapor, sendo a água quente a mais utilizada (ver gráfico 3.2). Fluido refrigerante 1 Água gelada 2 Água quente 6 Vapor (% de consumidores) Gráfico 3.2 Percentual de consumidores por utilidades. Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS -9

10 4. AUTOPRODUÇÃO E COGERAÇÃO A capacidade de geração própria (exceto geração de emergência) foi indicada por apenas dois hospitais. A autoprodução de energia, como parte de um processo de cogeração, não foi encontrada dentro da amostra de hospitais/clínicas pesquisados. 5. GERENCIAMENTO ENERGÉTICO O gerenciamento energético é uma ação indispensável na identificação de oportunidades de melhoria do desempenho energético das instalações. A ausência da mesma enseja um potencial expressivo para a aplicação de medidas de melhoria da eficiência energética das mesmas. Apenas 13,2% dos hospitais e 12% das clínicas pesquisadas indicaram a existência de uma Comissão Interna de Conservação de Energia (CICE) ou de algum outro grupo que tenha como atribuição analisar o desempenho energético da instalação. Questionados sobre a realização de uma avaliação da utilização da energia na instalação, 63,7% dos hospitais e 64% das clínicas afirmaram realizar esta avaliação. A melhoria da eficiência energética foi colocada entre as duas prioridades para a instalação por 53,8% dos hospitais e 64% das clínicas pesquisadas. Questionados sobre o tempo de retorno simples considerado razoável para a implantação de projetos de eficiência energética, 22,1% do conjunto de hospitais/clínicas entrevistados não souberam responder, enquanto 26,4% consideraram até 6 meses e outros 37,1% até 1 ano, como tempos de retorno simples razoáveis, conforme gráfico 5.1. Não sabe Outro 3 anos 2 anos 1 ano 6 meses 2,1 5,0 7,1 22,1 26,4 37, (% de empresas) Gráfico 5.1 Percentual de empresas por tempo de retorno para projetos de eficiência energética Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS

11 6. SISTEMAS DE AR CONDICIONADO E VENTILAÇÃO Ventilação e exaustão Aparelhos parede e split Roof top e Self contained Água gelada 10,6 17,7 40,4 87, Gráfico 6.1 Percentual de empresas que dispõem de sistemas de ar condicionado e/ou ventilação. Os principais sistemas de ar condicionado e ventilação existentes nos hospitais e clínicas pesquisadas são apresentados no gráfico 6.1. Os sistemas individuais de parede e/ou split foram os mais encontrados nas instalações (87,2%). Já os sistemas de água gelada para climatização foram verificados em 10,6% dos hospitais/clínicas pesquisadas. A participação da carga dos sistemas de água gelada em relação à demanda máxima da instalação situa-se na média das respostas em 11,1% para os hospitais, e em 32,9% no caso das clínicas. A recuperação do calor gerado no processo de compressão do sistema de climatização não é realizada por nenhum dos hospitais/clínicas pesquisadas. A utilização de sistemas de termo-acumulação para o ar condicionado não foi indicada por nenhuma das unidades pesquisadas que possuem sistemas de água gelada. 7. SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Os sistemas de refrigeração foram declarados por apenas 4,4% dos hospitais pesquisados. Para este tipo de sistema não foi encontrado nenhum hospital que fizesse alguma recuperação de calor no processo de compressão e apenas 01 estabelecimento informou possuir sistema de termoacumulação. A carga do sistema de refrigeração em relação à demanda máxima da instalação situou-se, na média das respostas, em 1,1%. 8. TRANSPORTE VERTICAL Os sistemas de transporte vertical, que abrangem os elevadores e escadas e/ou esteiras rolantes que se utilizam motores, foram verificados em 64% dos hospitais e em 42% das clínicas da amostra pesquisada. Na distribuição desses sistemas ou equipamentos por faixas de potência destaca-se a faixa até 100 kw, com 85,4% dos casos informados. Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS -11

12 9. EQUIPAMENTOS DE ESCRITÓRIO As informações obtidas sobre o estoque e o uso de equipamentos de escritório foram consolidadas, obtendo-se uma potência de operação destes equipamentos preponderantemente acima de 10 kw (52,5% dos casos), vindo em seguida a faixa de 1 kw a 5 kw com 25,7% dos entrevistados. Foram levantados dados de 10 tipos de equipamentos. Dos 101 hospitais/clínicas que declararam a posse desses equipamentos, cerca de 30,7% utilizam equipamentos com o Selo Procel. 10. AQUECIMENTO ELÉTRICO No geral, 16,5% dos hospitais e 4% das clínicas pesquisadas informaram possuir equipamentos que utilizam eletricidade para produção de calor em suas instalações. Dentro dessa categoria de equipamentos encontram-se os fornos, estufas, aquecedores e caldeiras. A potência média instalada é de 193 kw para os hospitais e de 33 kw para as clínicas. O aquecimento elétrico é realizado com a utilização de resistência em todos os hospitais/clínicas que possuem equipamentos de eletrotermia. 11. BOMBEAMENTO DE ÁGUA A existência de sistemas de bombeamento de água foi indicada por 79,1% dos hospitais e 74% das clínicas. Os sistemas de bombeamento típicos (que apresentam bombas do mesmo tipo e dentro de uma faixa restrita de potência) mais presentes nas instalações hospitais/clínicas são constituídos por conjuntos moto-bomba com potência de operação inferior a 100cv (97,2% dos casos). A média da participação da carga de bombeamento em relação à demanda máxima dos hospitais é de 2,8% e das clínicas é de 2,6%. No que se refere à forma de controle dos sistemas de bombeamento, a predominante é o liga-desliga, indicada por 45,8% dos hospitais. A válvula-restrição é a forma de controle mais presente nos sistemas de bombeamento das clínicas, informada por 43,2% das unidades. 12. ILUMINAÇÃO Apotênciainstaladaemiluminaçãositua-sepredominantementenafaixade10a50kWpara67,9%doshospitais/clínicaspesquisadosenafaixade5a10kW para outros 47,6%, sendo a média da potência instalada em iluminação de cerca de 29 kw para os hospitais e de 11 kw para as clínicas. A participação da carga de iluminação em relação à demanda máxima da instalação situa-se, na média das respostas, em 12,5% para os hospitais e em 10,5% para as clínicas. 13. RACIONAMENTO Dos 91 hospitais e 50 clínicas pesquisadas, respectivamente 60,4% e 46,0% declararam terem adotado ações para redução do seu consumo de energia e atendimento às metas do racionamento. Dentre as principais medidas adotadas, o gerenciamento energético, realizado através do acompanhamento do consumo de energia elétrica em nível geral e/ou setorial das instalações, com base em ações gerenciais relacionadas com a melhoria da disciplina operacional, foi a mais utilizada pelos hospitais (64,2% dos casos), vindo em seguida a geração própria sinalizada por 45,3% destes estabelecimentos. Para as clínicas, a adoção de medidas de gerenciamento energético, indicada por 76% das unidades, também foi a mais empregada Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS

13 A partir das medidas adotadas foram obtidas reduções médias de consumo de 17,6% para os hospitais e de 20% para clínicas. Questionados sobre a possibilidade atual de reduzir o consumo de energia, mantendo o nível de atividade, 35,1% dos hospitais e 31,4% das clínicas não admitiram qualquer possibilidade de redução de consumo. Entretanto, cerca de 29,8% dos hospitais e 45,7% das clínicas informaram a possibilidade de reduções de consumo na faixa de 5 a 10%. 14. INSTITUCIONAL Cerca de 56% dos hospitais/clínicas pesquisados afirmaram conhecer o Selo PROCEL e destes 89,9% sabem o que ele significa. Logo, 44% dos entrevistados não conhecem o Selo ou não responderam a essa questão. Conhece o Selo Sabe o significado Não 44% Sim 56% Sim 89,9% Não 10,1% Quadro 14.1 Percentual de estabelecimento de Saúde que conhece o Selo Procel e sabe o seu significado. Relatório Brasil HOSPITAIS / CLÍNICAS -13

14

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: HOTÉIS / MOTÉIS SUMÁRIO 1.

Leia mais

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB MsC. Eng a. Lilian Silva de Oliveira (UnB/PRC/CICE) Prof. Dr. Marco Aurélio Gonçalves de Oliveira (UnB/FT/ENE) HISTÓRICO DE ATIVIDADES RELACIONADAS

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre

Leia mais

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Grupo Light Distribuição Geração Serviços de Energia Restrita a parte do estado do RJ (incluindo a Grande Rio) Light Energia Itaocara Paracambi

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia MAPEAMENTO PARA PUBLIC-PRIVATE-PARTNERSHIPS NOS SETORES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENTRE O BRASIL E A ALEMANHA Raymundo Aragão Anima Projetos

Leia mais

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi Aula 5 Conservação de Energia: Aspectos técnicos e econômicos slide 1 / 19 ATÉ ONDE SE SABE A ENERGIA PODE

Leia mais

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha Quem somos na atualidade Mais de 20 M 25 de clientes no países mundo Maior companhia integrada em gás e eletricidade 18 mil funcionários Capacidade instalada 3ºoperador mundial de GNL 30 BCMs O Grupo tem

Leia mais

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Apresentação Eficiência energética em edificações Panorama internacional O caso Brasileiro PBE Edificação Custos nas instalações Eficiência energética

Leia mais

Resultados obtidos nas medições.

Resultados obtidos nas medições. Resultados obtidos nas medições. Os dados na sequência representam dois ensaios de aquecimento da água no reservatório de 200 litros de duas formas distintas. No primeiro aquecimento se faz o ensaio do

Leia mais

INDÚSTRIAS IDENTIFICAM PREJUÍZOS A PARTIR DE FALHAS NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

INDÚSTRIAS IDENTIFICAM PREJUÍZOS A PARTIR DE FALHAS NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Indústria e energia MARÇO DE 2016 Destaques INDÚSTRIAS IDENTIFICAM PREJUÍZOS A PARTIR DE FALHAS NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Um insumo de grande importância na indústria é a energia elétrica, fato

Leia mais

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Cogeração em Centros Hospitalares Projeto CHSJ A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Caracterização infraestrutura Hospital 1100 camas Área de

Leia mais

6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT

6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT 6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT O presente capítulo tem como objetivo determinar o mercado potencial de energia elétrica deslocado da concessionária pública de distribuição

Leia mais

Trabalho da disciplina PEA 2200

Trabalho da disciplina PEA 2200 Trabalho da disciplina PEA 2200 EQUIPE DE PROFESSORES: ALBERTO BIANCHI TURMAS: 2 E 4 ELIANE FADIGAS TURMAS: 1 E 3 1º semestre de 2014 Título do trabalho Diagnóstico energético, eficiência energética, substituições

Leia mais

4 Termoacumulação: alternativa tecnológica para eficiência energética.

4 Termoacumulação: alternativa tecnológica para eficiência energética. 4 Termoacumulação: alternativa tecnológica para eficiência energética. A crescente necessidade de implantação de medidas de eficiência energética leva cada vez mais a busca por tecnologias alternativas

Leia mais

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 ACIJS Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Evolução da tarifa de energia elétrica Fonte: Aneel Tarifa de Energia; IBGE

Leia mais

26/08/ Agosto/2012

26/08/ Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Refrigeração. 26/08/2012 2 Circuito Frigorifico O ciclo de refrigeração ou ciclo frigorífico é um ciclo termodinâmico que constitui o modelo matemático que define o funcionamento

Leia mais

Eldorado Business Tower

Eldorado Business Tower Os desafios das soluções de sistemas prediais em edifícios altos: o caso do Eldorado Business Tower Engº.Luis Fernando Ciniello Bueno Gerente Geral de Obras Requisitos do Projeto > Ser Conectável > Ser

Leia mais

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Dr. Electo Eduardo Silva Lora Eng. Mateus Henrique Rocha Fórum Nacional sobre Carvão Vegetal Belo Horizonte, 21 de outubro de 2008. Núcleo de Excelência

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA... 1 1.1 Variáveis e Transformações Termodinâmicas... 1 1.2 Primeiro Princípio da Termodinâmica... 1 1.3 Segundo Princípio da Termodinâmica... 2 1.4 Expressões das Variáveis

Leia mais

Cogen Gás Comércio & Serviços > eletricidade + vapor + água quente + água fria

Cogen Gás Comércio & Serviços > eletricidade + vapor + água quente + água fria Gás Natural > oferta crescente Bacias de Santos, Espírito Santo, Campos e importação Bolívia e GNL Cogen Gás Indústria > eletricidade + vapor + água quente + água fria + utilidades de processo turbina

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife Dorival

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

Manual Eficiência Energética em Edificações. Eng J. Jorge Chaguri Jr

Manual Eficiência Energética em Edificações. Eng J. Jorge Chaguri Jr Manual Eficiência Energética em Edificações Eng J. Jorge haguri Jr Estrutura da presentação valiação da eficiência do aquecimento de agua a gás Estudo de caso e exemplos Sistema de aquecimento de água

Leia mais

Cogeração em ambiente urbano

Cogeração em ambiente urbano Cogeração em ambiente urbano MAIO 2010 Miguel Gil Mata 1 Índice Cogeração Conceito Energia térmica vs energia eléctrica Estratégia energética Regulamentação nacional Externalidades Cogeração em ambiente

Leia mais

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Miguel Gil Mata 29 Maio 2009 FEUP Semana da Energia e Ambiente 1 Centrais de Cogeração em edifícios o caso da Sonae Sierra 1. O conceito de Cogeração

Leia mais

Alguns questionamentos

Alguns questionamentos Alguns questionamentos Quais são as principais preocupações das administradoras e operadores prediais em relação ao desempenho do sistema de Ar Condicionado? - Atender a carga térmica (subdimensionamento

Leia mais

FENERGIA

FENERGIA FENERGIA 2016 28.11.2016 Eficiência Energética: Cenários e Oportunidades CENÁRIO DE ENERGIA - MUNDO Mudança na demanda de Energia: atual - 2035 Insights» 21 % do consumo mundial atual = China» Crescimento

Leia mais

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética.

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética. SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Workshop Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas PAINEL II O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência

Leia mais

Programa de Eficiência Energética

Programa de Eficiência Energética Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Programa de Eficiência Energética Schaeffler Brasil Ltda. Programa de Eficiência Energética EnEffPro Guilherme Megda Mafra Engº Ambiental Aproximadamente

Leia mais

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT TO EN M A Ç N LA CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM HARMONIA COM SEU AMBIENTE. QUALIDADE E AR CONDICIONADO LINHA SPLIT 00485mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:20:24 Cassete Apresentação

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

Carla Sautchuk Gerente Executiva de Desenvolvimento e Inovação

Carla Sautchuk Gerente Executiva de Desenvolvimento e Inovação Carla Sautchuk Gerente Executiva de Desenvolvimento e Inovação csautchuk@comgas.com.br ENERGIA para nós é muito mais do que fornecer gás natural. É unir forças para IMPULSIONAR pessoas, empresas, um país

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 95116-1 UNIDADE: PRÉDIO SEDE PERÍODO:

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Revisão I 27/02/2007 ELETROBRÁS/PROCEL DTD DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Samarone Ruas

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Samarone Ruas EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Samarone Ruas 1 Introdução O aumento dos preços da energia, a consciência ambiental e o número crescente de regulamentações, têm levado as pessoas do mundo da indústria a cada vez

Leia mais

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Arthur Cursino IEE/USP Setembro / 2014 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução: Conceitos Sistema de

Leia mais

48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04

48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04 48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04 2 OS BENEFÍCIOS DO GÁS NATURAL PARA A INDÚSTRIA CERÂMICA HUDSON BRITO 3 COMGÁS - Fundada em 28/08/1872 Segunda distribuidora mais antiga do Brasil

Leia mais

ENERGIA SOLAR TÉRMICA EM CABO VERDE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPETIVAS DE DESENVOLVIMENTO

ENERGIA SOLAR TÉRMICA EM CABO VERDE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPETIVAS DE DESENVOLVIMENTO ENERGIA SOLAR TÉRMICA EM CABO VERDE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPETIVAS DE DESENVOLVIMENTO Antúnio Barbosa Departamento de Engeñaría e Ciencias del Mar - UniCV Foro Internacional del Agua y las Energías Renovables

Leia mais

Especial Energia e Indústria 3º trimestre de 2015

Especial Energia e Indústria 3º trimestre de 2015 Especial Energia e Indústria 3º trimestre de 2015 Programas de eficiência energética é a principal medida para enfrentar o aumento do custo da energia A Sondagem Industrial do RS do 3º trimestre de 2015

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE CONSUMO ENERGÉTICO EM REGIÕES ISOLADAS DE MOÇAMBIQUE

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE CONSUMO ENERGÉTICO EM REGIÕES ISOLADAS DE MOÇAMBIQUE Energia e Meio Ambiente 28 a 30 de maio de 2008 Salvador - BA CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE CONSUMO ENERGÉTICO EM REGIÕES ISOLADAS DE MOÇAMBIQUE Prof. Afonso Henriques Moreira Santos Eng. Ricardo A. Passos

Leia mais

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Gerenciamento de Energia Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas de tarifario Brasileiro: Conceitos Dois modelos de tarifação: Convencional e Horo-Sazonal. Clientes do Grupo

Leia mais

Três em cada quatro empresas têm prejuízo com as falhas no fornecimento de energia elétrica

Três em cada quatro empresas têm prejuízo com as falhas no fornecimento de energia elétrica SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA Ano 3 Número 1 ISSN 2317-7330 setembro de 2013 www.cni.org.br INDÚSTRIA E ENERGIA Três em cada quatro empresas têm prejuízo com as falhas no fornecimento

Leia mais

USO EFICIENTE DA ENERGIA

USO EFICIENTE DA ENERGIA Matriz Energética Cenário Atual Uso da Energia Elétrica com Eficiência Dicas de Uso Eficiente e Seguro da Energia MATRIZ ENERGÉTICA Matriz Energética Brasileira Eólica 3,8% 5,5% Biomassa Termoelétrica

Leia mais

Módulo I Ciclo Rankine Ideal

Módulo I Ciclo Rankine Ideal Módulo I Ciclo Rankine Ideal Sistema de Potência a Vapor As usinas de potência a vapor são responsáveis pela produção da maior parte da energia elétrica do mundo. Porém, para o estudo e desenvolvimento

Leia mais

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecimento de Água Linha Bomba de Calor para Piscina Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecedor de Água Apresentação Este modelo de bomba de calor para piscina é fabricado pela Rheem nos Estados

Leia mais

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO AESBE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS ESTADUAIS DE SANEAMENTO SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO Tipologias de projeto Rio de Janeiro Março / 2013 Airton S. Gomes - Consultor

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

DESEMPENHO DE COLETORES SOLARESS

DESEMPENHO DE COLETORES SOLARESS DESEMPENHO DE COLETORES SOLARESS Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira Grupo Anima de Educação São Paulo, 5 de novembro de 29 Sumário da Apresentação 1.Coletores solares e as características dos produtos

Leia mais

PAINEL 9 GERAÇÃO PRÓPRIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS METROFERROVIARIOS DAVID TURBUK METRÔ - SP

PAINEL 9 GERAÇÃO PRÓPRIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS METROFERROVIARIOS DAVID TURBUK METRÔ - SP PAINEL 9 GERAÇÃO PRÓPRIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS METROFERROVIARIOS DAVID TURBUK METRÔ - SP Soluções de projeto para melhoria da eficiência energética e para geração própria no Metrô - SP.

Leia mais

ND CÁLCULO DE DEMANDA

ND CÁLCULO DE DEMANDA ND-5-2 5-1 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS CÁLCULO DE DEMANDA O dimensionamento dos componentes de entrada de serviço (ramais de ligação e de entrada, alimentadores) das edificações de uso coletivo e dos agrupamentos

Leia mais

Alternativas para o setor Energético

Alternativas para o setor Energético Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG Alternativas para o setor Energético Viçosa, 27 de agosto de 2009 IV SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS I WORKSHOP INTERNACIONAL DE SUSTEMTABILIDADE ENERGÉTICA

Leia mais

Centrais de aquecimento distrital

Centrais de aquecimento distrital Centrais de aquecimento distrital Feito eletricidade e calor em si Princípio da cogeração Produzir e utilizar com eficiência energética Existem muitos métodos para converter a fontes de energia primária

Leia mais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais Obras de Grande Porte 1 Aplicação Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais 2 Onde pode ser aplicado? Hotéis Aplicação 3 Onde pode ser aplicado? Motéis Aplicação 4 Onde pode ser aplicado? Hospitais

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica

Fornecimento de Energia Elétrica Fornecimento de Energia Elétrica 1 Objetivos Análise da constituição de sistemas de potência Normas para fornecimento de energia elétrica Características gerais do fornecimento de energia elétrica Esquemas

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Curso Internacional de Recuperação Energética de Resíduos Sólidos Urbanos em Aterros Sanitários Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Fundação Estadual

Leia mais

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento 2 EDP no Mundo EDP no mundo Video 14 países 11.992 colaboradores Geração: 25.223 MW Canada Estados Unidos Reino Unido Bélgica

Leia mais

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I Máquinas Térmicas I "Existem três tipos de pessoas: as que sabem e as que não sabem contar...

Leia mais

Uso Eficiente de Energia no Hospital Geral de Fortaleza

Uso Eficiente de Energia no Hospital Geral de Fortaleza e Pro je to s Conselho de Consumidores da Coelce Projeto Especial Uso Eficiente de Energia no Hospital Geral de Fortaleza Fortaleza, 9 de outubro de 2000 Preparado por Consultoria e Projetos Elétricos

Leia mais

Caracterização do Uso de Energia no Setor de Comércio e Serviços Formulário Segmentos Comunicação, Locais Públicos, Serviços e Outros

Caracterização do Uso de Energia no Setor de Comércio e Serviços Formulário Segmentos Comunicação, Locais Públicos, Serviços e Outros Caracterização do Uso de Energia no Setor de Comércio e Serviços Formulário Segmentos Comunicação, Locais Públicos, Serviços e Outros Dados para supervisão 1. Empresa: 2. Entrevistado: 3. Cargo: 4. Fone

Leia mais

Energia da Biomassa Células a combustível

Energia da Biomassa Células a combustível PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula de Fontes Energia da Biomassa Células a combustível slide 1 / 19 BIOMASSA Oleoginosas (palma, canola, girassol, dendê, mamona, etc) Esmagamento Óleos

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO.

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO. CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO Revisão I 04/10/2006 ELETROBRÁS/PROCEL DPS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ESTUDOS

Leia mais

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade ETREME POWER MODELO - TST Unidade Split de lta Capacidade MODELO - T Eficiência é cuidar da vida s Unidades Split lta Capacidade da TRO possuem altos índices de eficiência energética e performance, são

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach Conceito de Biogás É o gás obtido a partir da fermentação anaeróbica de material orgânico: resíduos

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO Edição de Julho de 2.002 OBJETIVO Este fascículo compõe um regulamento geral, que tem por objetivo estabelecer

Leia mais

SANTOS DUMONT HOSPITAL

SANTOS DUMONT HOSPITAL UNIMED SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SANTOS DUMONT HOSPITAL Responsável: Felix Aidar Quem é o SDH? a. Características funcionais i. Planejado/Executado entre 2007 e 2009 ii. 70 leitos de internação iii. 10 leitos

Leia mais

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos Workshop Climatização e Cogeração Abril de 2008 Ronaldo Andreos Cia de Gás de São Paulo Fone: (11) 4504-5238/5072 Cel.: (11) 9638-8907 e-mail: randreos@comgas.com.br Climatização (Ar Condicionado) Agenda

Leia mais

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA.

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

DADOS DO PEE 2013 CERIS BR e Residencial Refrigeradores, Padrão de Entrada e FLC.

DADOS DO PEE 2013 CERIS BR e Residencial Refrigeradores, Padrão de Entrada e FLC. DADOS DO PEE 2013 CERIS BR e Residencial Refrigeradores, Padrão de Entrada e FLC. Objetivos do Projeto: Promover a eficientização no segmento residencial baixa renda e residencial através da doação de

Leia mais

Eficiência energética na indústria. Claudia Shirozaki - CSA. 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ

Eficiência energética na indústria. Claudia Shirozaki - CSA. 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ Eficiência energética na indústria Claudia Shirozaki - CSA 1 Hora/ data título da apresentação autor (preencha aqui acessando o slide mestre) Eficiência

Leia mais

A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas CREA MG Seminário de Mudanças Climáticas e Regimes Ambientais Internacionais A Construção Sustentável no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento

Leia mais

RS, SC, PR, PE, MG, RJ,

RS, SC, PR, PE, MG, RJ, Nossa História Fundação: 1937 Representa uma classe com cerca de 4.500 indústrias Sede nacional em São Paulo; Sedes Regionais: RS, SC, PR, PE, MG, RJ, Piracicaba (SP), Rib. Preto (SP), S. J. Campos (SP)

Leia mais

GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA

GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Outubro de 2016 Principais

Leia mais

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA O Que é Cogeração? SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA A cogeração a partir do gás natural é o processo que permite a produção de energia elétrica e térmica, de forma simultânea,

Leia mais

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Associação Nacional de Transportes Públicos

Leia mais

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Impactos internos da aplicação do SGCIE Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Tipicamente o potencial de poupança energética nas

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1003984-8 UNIDADE: FÓRUM TERESINA

Leia mais

Pesquisa de. Temporários ASSESSORIA ECONÔMICA

Pesquisa de. Temporários ASSESSORIA ECONÔMICA ASSESSORIA ECONÔMICA Pesquisa de Temporários 2013 Pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio de Pesquisa - IFEP Relatório elaborado pela Assessoria Econômica Fecomércio-RS PESQUISA TEMPORÁRIOS 2013

Leia mais

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009

2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais da Indústria FIEMG/2009 Energia é Vida Use com Consciência Leonardo Resende Rivetti Rocha Atuação da Cemig no PEE /ANEEL Lei N 9.991

Leia mais

Prof. Luís Fernando Pagotti

Prof. Luís Fernando Pagotti Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti energia não pode ser criada nem destruída, só pode ser transformada! Como Converter Energia? Combustores;

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética

Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética 18ª Audiência de Inovação Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética Marco Antonio Saidel saidel@usp.br Grupo de Energia do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas da

Leia mais

O Projeto A promoção do gás natural no setor industrial Diagnóstico com a experiência dos cases da indústria Questões

O Projeto A promoção do gás natural no setor industrial Diagnóstico com a experiência dos cases da indústria Questões Usos inovadores do gás natural e a promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais Diagnóstico tecnológico e energético dos setores cases com a experiência nacional das indústrias Agenda

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 2 Usos finais de eletricidade e Conservação slide 1 / 30 O Processo de Uso Final da EE (1) Eletricidade Motor Força motriz Entrada de energia Tecnologia

Leia mais

Encontro de negócios da construção pesada. Apresentação: Organização:

Encontro de negócios da construção pesada. Apresentação: Organização: Encontro de negócios da construção pesada Apresentação: Organização: Objetivo Apresentar novas tecnologias que possam auxiliar as empresas da construção pesada na busca de redução nas despesas operacionais

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL:

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL: 103 9 RETROFIT EM AR CONDICIONADO Retrofit é uma modificação de um equipamento ou instalação existente, visando a melhoria de seu desempenho, de sua operação ou de ambos. Surgiu em meados da década de

Leia mais

TÉCNICA DE ANÁLISE DE GASES PARA GANHO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA.

TÉCNICA DE ANÁLISE DE GASES PARA GANHO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. TÉCNICA DE ANÁLISE DE GASES PARA GANHO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. 1 - Resumo Desde a assinatura do Protocolo de Kyoto em 1997, o mundo vive, um momento de reflexão sobre o desequilíbrio ocasionado pela

Leia mais

Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2013

Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2013 Departamento Nacional de Aquecimento Solar Relatório de Pesquisa Produção de Coletores Solares para Aquecimento de Água e Reservatórios Térmicos no Brasil Ano de 2013 Março de 2013 APRESENTAÇÃO O DASOL

Leia mais

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Definição Uma rede de aquecimento e arrefecimento urbano

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 817187-4 UNIDADE: PRÉDIO ANEXO PERÍODO:

Leia mais

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano. Prof. Jorge Nhambiu

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano. Prof. Jorge Nhambiu Motores Térmicos 8º Semestre 4º ano Aula 2 - Tópicos Definição Objectivo e Divisão dos Motores de Combustão Interna; Motor Wankel; Motor de êmbolo; Bases utilizadas para a classificação dos motores; Valores

Leia mais

65 ESPECIAL SONDAGEM

65 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 65 ESPECIAL Indústria e energia Dois terços da indústria tem prejuízos com falhas de fornecimento de energia elétrica A energia elétrica é um insumo importante para a indústria:

Leia mais