Finalização de frases na música e na fala. Waldemar Ferreira Netto (USP/CNPq) Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Finalização de frases na música e na fala. Waldemar Ferreira Netto (USP/CNPq) Introdução"

Transcrição

1 Finalização de frases na música e na fala Waldemar Ferreira Netto (USP/CNPq) Introdução O programa de pesquisa ExProsodia tem por objetivo propor uma interpretação para a relação entre a entoação e a fala. Para isso, toma-se a entoação como uma sucessão de tons iguais ou diferentes que ocorrem na produção da fala. Essa interpretação sugere por si só que a entoação é uma série temporal que sofre a ação de várias componentes para sua configuração momento a momento. Uma série temporal se caracteriza por ser um conjunto de observações sequenciadas e dependentes entre si, isto é, o resultado da observação feita no momento t+1 condiciona-se ao resultado da observação feita no momento t, à maneira dos processos estocásticos (MORETTIN e TOLOI, 1986; PEREIRA et alii, 1986; EHLERS, 2007). A observação das frequências de uma onda sonora estabelece naturalmente uma série temporal na medida em que o valor observado para cada momento depende do valor do momento imediatamente anterior; nenhuma inversão de valores pode ser permitida, mas, ao contrário, a ordem de ocorrência deve ser mantida com uma informação inerente do valor obtido. A trajetória gráfica do conjunto de observações colhidas para o estabelecimento de uma série temporal pode ser interpretada como o resultado da soma de componentes diversas, com características independentes. Considerando-se que os valores obtidos mantêm entre si dependência serial, entende-se que se deve buscar o(s) fenômeno(s) que desencadeia(m) essa dependência. Assim, espera-se que os valores obtidos em cada momento resultem de uma conjunção de fatores diversos que, agregados, têm o comportamento observado e mensurado. Para a decomposição dessa série temporal, assumimos a hipótese proposta por Xu e Wang (1997). Os autores propuseram que a entoação ocorra sob a ação duas componentes principais: as que decorrem de restrições mecânico-fisiológicas e as que decorrem das necessidades expressivas dos falantes. Para o desenvolvimento de nosso trabalho, chamamos às restrições mecânico-fisiológicas de componente estruturadora e às necessidades expressivas, de componente semântico-funcional. A componente estruturadora decorre do esforço fisiológico mínimo dispendido para a produção de sonoridade na laringe. A componente semântico-funcional decorre das necessidades expressivas do falante, tanto para a produção de foco como a produção de ênfase. Em trabalho anterior (FERREIRA NETTO, 2006) [FIG 1], propusemos que a componente estruturadora seja formada pelo ritmo tonal. O ritmo tonal é a sucessão dos momentos da fala em que, alternadamente, o falante desencadeia esforço fisiológico para a produção de tom para, em seguida, dispensá-lo. Desse ponto de vista, ritmo tonal foi ainda decomposto em finalização (F) e sustentação (S). A componente semântico funcional foi definida somente como foco/ênfase (E). Na medida em que, na fala, a produção de sons tem de ocorrer durante a produção de segmentos soantes e que o falante usa alternadamente segmentos soantes e segmentos obstruintes ou pausas, a entoação é entrecortada sistematicamente, dando origem ao ritmo tonal. Aos momentos em que há produção de som, chamamos de UBI (sigla adaptada da expressão inglesa Unit of Base of Intonation). A ocorrência das UBI, portanto, está restrita às condições mínimas envolvidas na sustentação. Essas condições envolvem as variáveis de frequência, intensidade e duração, que não podem, obviamente, nenhuma delas igualar-se a zero; havendo ainda restrições restrições maiores que têm de de ser consideradas. Em nossa proposta, entendemos que 20 ms, 50 Hz e intensidade > 0 são suficientes para o estabelecimento de uma UBI.

2 Na medida em que a produção da fala exige esforço para sustentar a voz com uma frequência relativamente estável, Ferreira Netto (2006, 2008) [Fig. 2] e Peres e seus colegas (2009, 2011) propuseram a ocorrência de um tom médio ideal (TM) de F0, que se repete nos momentos Z(t) mensurados de F0. A supressão desse esforço desencadeia uma declinação pontual que exige a retomada da tensão inicial. A sustentação (S) é consequência do esforço que se acrescenta a cada um dos momentos da fala, incluindo-se o inicial, para compensar a declinação pontual de finalização (F). Ritmo tonal é consequência da ação dessas tendências que atuam em sentidos opostos, possibilitando a produção da fala. A componente F associa-se ao fato de que se trata do tom alvo da declinação pontual, estabelecida por um intervalo ideal decrescente de 7 st do TM obtido até o momento Z(t). TM é a tendência central dos valores válidos de F0 calculada como a média aritmética acumulada no tempo. A partir dessa frequência média, as frequências são categorizadas por um intervalo sistêmico lateral de 3 st acima e e 4 st abaixo do valor médio de cada uma (MARTINS; FERREIRA NETTO, 2010; 2011). Os valores válidos mensurados são os momentos de F0 (UBIs) que cumprem as restrições de altura, intensidade e duração. A série temporal se configura aditivamente como Z(t)=S(t)+F(t)+E(t). O modelo de análise apresentado permite a análise isolada de cada uma das componentes de F0. Unidade básica da entoação - UBI A seleção das unidades Z(t) ora chamadas de UBI para análise é feita pelo aplicativo ExProsodia (FERREIRA NETTO, 2010). O aplicativo faz a análise automática de porções da curva de frequência estabelecida por autocorrelação pelo software Speech Filing System (HUCKVALE, 1987, 2008; HUCKVALE et al., 2007). Três parâmetros são considerados para essa definição: frequência maior do que 50 Hz e menor do que 700 Hz; intensidade maior do que zero e, garantidos os critérios anteriores, duração maior do que 20 ms. Esses valores podem ser modificados pelo usuário. Frequência A seleção de 50 Hz como frequência mínima deu-se pela manutenção de um intervalo de segurança. O mesmo fato ocorre para as frequências mais agudas, com limite em 700 Hz. Russo e Behlau (1993) verificaram que falantes masculinos do português brasileiro têm uma frequência fundamental em torno de 105 Hz, os do sexo feminino têm 213 Hz, crianças antes da puberdade, em média, 290 Hz e recém-nascidos, em torno de 440 Hz. Mortari (1990) encontrou para vozes infantis entre sete e nove anos uma variação entre 182 e 281 Hz, para meninos e meninas, sem diferenças marcantes entre eles. Andrade (2003) encontrou para vozes masculinas uma variação média oscilando entre 110 e 146,7 Hz e, para vozes femininas, uma concentração acentuada em torno de 203,5 Hz. Felippe e colegas (2006) propuseram a normatização entre 119 e 120 Hz, para vozes masculinas, e entre 206 e 207 Hz, para vozes femininas. Apesar da variação na frequência fundamental na fala de língua portuguesa do Brasil, é possível estabelecer algum limite que abarque essa variação. Russo (1999) propôs que a área da fala, incluindo a frequência fundamental esteja desde 100 Hz até 8000 Hz, com intensidade variando entre 40 e 65 db. Tendo em vista objetivar-se a análise automática da fala e a população ser bastante heterogênea, optou-se por uma margem de erro mais extensa, sobretudo para as frequências mais graves, de maneira a não se rejeitar ocorrências falsonegativas. O programa de pesquisa ExProsodia considera uma margem de erro de 35%, a partir do valor médio mínimo de 100 Hz para vozes masculinas (RUSSO 1999), para o qual se pressupõe um valor final de aproximadamente 67 Hz, ou uma quinta descendente (FERREIRA NETTO; CONSONI, 2008), e se estabelece um valor mínimo de 50 Hz. Para valores mais agudos, o limite foi estabelecido arbitrariamente em torno de 2 vezes o valor da frequência média máxima das vozes infantis (ANDRADE, 2003). Esses valores, mínimo, de 50 Hz e, máximo, de 700 Hz são, os limites possíveis assumidos para a análise automática aceitar um momento Z(t) como passível de ser UBI.

3 Intensidade Tendo em vista especialmente as variações de frequência da onda sonora, a intensidade é tratada somente como parâmetro de avaliação de audibilidade dessa frequência. O aplicativo SFS analisa a variação de intensidade com uma taxa de amostragem de 200 Hz e apresenta os resultados como unidades de RMS (root mean square) dos picos de intensidade de porções de 25 ms. Ainda que variações de intensidade da onda sonora sejam reconhecidamente importantes, principalmente para as análises de ritmo, não foram tomadas como referência, por sujeitarem-se a estímulos extralinguísticos. Um valor entre 1 e 10 estabelece um corte nos momentos que tenham de 1/1 a 1/10 do valor médio da intensidade, em RMS. Entretanto, conforme já dissemos anteriormente (FERREIRA NETTO et al., 2013b), é possível que a intensidade possa acrescentar informações. Duração Boemio e seus colegas (2005) verificaram que, embora ambos os hemisférios processem informações em duas velocidades específicas ms e ms no giro temporal superior, a conexão que se faz com o sulco temporal superior é enfatizada no hemisfério esquerdo na velocidade de ms e no hemisfério direito na velocidade de ms. Dessa maneira ambos os hemisférios atuam nas tarefas de percepção linguística, mas cada um terá melhor especialização em tarefas específicas, no caso relativas à duração e à precisão da análise. Os valores apresentados estabelecem a possibilidade de ocorrerem resoluções diferenciadas e simultâneas em cada um dos hemisférios. Quanto aos valores mínimos entre ms, outros autores encontraram resultados semelhantes (SCHAEFFER, 1966; HUGGINS, 1972; ROEDERER, 2002; STEVENS, 2000; HENRIQUE, 2002; MENEZES, 2003). Dada a necessidade de segmentar unidades de entoação na fala, a seleção de quatro momentos de análise do SFS, correspondendo a 5 ms cada um, estabelece uma duração mínima de 20 ms. Apesar de os valores mínimos propostos pelos autores já referidos estarem acima dessa opção, é seguro manter uma margem de erro maior para não se incorrer em falsos negativos. A finalização das porções significativas decorre de um teste z para cada elemento do conjunto proposto como UBI. Tom Médio Ferreira Netto (2006; 2008) propôs que o Tom Médio seja a média aritmética acumulada no tempo de todas as frequências válidas, isto é, que estejam de acordo com os limites de frequência mínima e máxima, duração mínima e máxima e intensidade mínima. Esse valor médio dominante é o que se presume seja a frequência-alvo do ritmo tonal do falante. Martins (2012) definiu o Tom Médio como cada uma das médias da série temporal = ( ) em que é o valor do Tom Médio, Z é cada uma das UBIs encontradas e t é a sua posição na série temporal. O valor do intervalo sistêmico lateral é calculado como 1,19, para o limite superior e ( 0,22). Esses limites seguem o principio estabelecido por T'Hart (1981) e por T'Hart e seus colegas (1990). Esses valores baseiam-se na variação em semitons, 3 st acima do TM e 4 st abaixo, calculando-se uma progressão geométrica de 0,06 para cada semiton. O cálculo utilizado para a conversão de Hz em semitons é midi= 12*log 2 (F m /440 Hz) + 69 em que midi (WOLF, s. d.) é a adaptação dos valores em Hz da escala temperada para valores midi, F m é a valor em Hz que se deseja converter para midi.

4 Finalização A componentes de Finalização (F) foi definida também em Ferreira Netto (2006; 2008). Trata-se de um valor localizado abaixo do Tom Médio, num intervalo de 7 st, ( 0,35). O intervalo de 7 st abaixo do Tom Médio equivale a uma variação semelhante a que ocorre num intervalo entre um tom Dominante e um tom Tônica, considerando-se a escala musical temperada. A hipótese de se imaginar a finalização de frases assertivas a partir de um intervalo descendente maior do Tom Médio parte de Ohala (1984) que ocasionalmente ocorre um pico de F0 mais agudo nas vozes que exibem uma maior confiança ocorre para fazer a queda final parecer ainda mais acentuada, i. e., resultar de uma altura maior. Em Ferreira Netto e Consoni (2008), foi possível verificar que há essa correlação entre Tom Médio e Finalização em frases assertivas da língua portuguesa falada no Brasil, especialmente nas leituras em voz alta. Baz e seus colegas (2014) verificaram que as finalizações assertivas em dados de leitura teatral ocorrem regularmente abaixo de 4 st, ultrapassando o intervalo sistêmico lateral inferior do Tom Médio. A pesquisa desenvolvida por Rosa (2015) corrobora esses resultados. Valendo-se de testes de percepção a partir de estímulos de frases espontâneas manipulados digitalmente, a autora verificou que os sujeitos não mostraram regularidade significativa no reconhecimento de frases assertivas com finalização descendente. Investigando as finalizações frasais assertivas entre mulheres idosas não letradas guatós, Costa (2009; 2010) verificou que tais finalizações não ocorrem em tom descendente. Baz (2011) encontrou fenômeno semelhante na fala e na música popular em guarani paraguaio. Com o propósito de verificar se essa característica era influência da fala indígena, Garcia (2015) empreendeu pesquisa entre idosos não letrados na região do médio Tietê e, comparativamente, na região norte de Portugal. Os resultados obtidos corroboraram os de Costa (2009; 2010) e de Baz (2011) e demonstraram que somente a variável referente ao letramento era comum a esses indivíduos. Considerações Finais Comparando dados de fala espontânea em guarani, leitura em voz alta em português do Brasil e fala espontântea em português do Brasil Ferreira Netto e Baz (2009), já haviam verificado que a organização entoacional do discurso é similar entre o guarani e a leitura em voz alta em português do Brasil; ambos os casos, por sua vez, diferem da fala espontânea do português do Brasil. Nesse trabalho, retomam as definição de Setti (1997) de que o sistema musical guarani preconiza melodias e harmonia monocórdias (de forma não-categórica), caracterizando um núcleo tonal que descarta efeitos polarizadores ou hierarquias de tom. Desse ponto de vista, é possível associar a entoação na fala com a entoação musical e estabelecer a hipótese de que as finalizações que buscam um tom descendente abaixo de 4 st visam um centro tonal finalizador, enquanto que as demais finalizações não buscam esse mesmo tom. Podemos buscar subsídios para essa hipótese numa análise histórica do desenvolvimento da escala temperada, largamente utilizada na música ocidental. Desde Zarlino (1571) houve a definição de semitom e, por decorrência dele, da inserção da nota sensível, o SI, na escala e, portanto, também na harmonia musical. Essa inserção promoveu a formação do princípio harmônico da modulação, pela criação do trítono, para dentro de si mesma. Embora Zarlino (1571) não deixasse isso claro, a mudança do trítono formado por III e VII b para IV e VII permitiu a noção de centro tonal, marcado pelo tom mais grave da escala. Essa criação acabou se tornando um divisor de águas da música chamada ocidental em relação a todas as outras. A partir dessa concepção, passou-se considerar sempre a diferença entre a música tonal, que é a nossa, e a música modal, que são todas as outras WISNIK (1989). Em 1722, Rameau definiu teoricamente o que hoje é quase senso comum de qualquer aprendiz de violão. É a chamada cadência perfeita D 7 >T, usando para o D 7 o trítono de Zarlino (1571) formado entre IV e VII. Esse fato foi avassalador na chamada música ocidental. Todas as músicas se passaram a compor de acordo com esses princípios. A música modal acabou restrita a algumas

5 manifestações quase fossilizadas, em algumas formas de cantos folclóricos ou cantos religiosos (PAZ, 2002). Para uma verificação rápida dessa diferença analisamos um conjunto [Fig 3] de 10 transcrições musicais de fandangos paulistas, retirados de Lima (1954; FERREIRA NETTO, 2010). O resultado foi de 9 ocorrências de finalização num centro tonal. Também analisamos um conjunto de 8 músicas guaranis e maxakalis retiradas do livro de Camêu (1977). Como elemento de comparação, analisamos também uma melodia popular. Nesse caso, o resultado foi categórico para todas as transcrições, com finalizações em torno do Tom Médio. A música maxakali não diferencia com clareza o tom médio de um centro tonal qualquer, que pode muito bem ser o próprio tom médio, por isso a caracterizamos como música modal. A melodia finaliza em torno desse tom médio. O fandango paulista tem bem diferenciados um tom médio e um centro tonal. A melodia se desenvolve sobretudo acima do tom médio e de um centro tonal grave, significativa abaixo do tom médio, mas sua finalização ocorre em torno do tom médio. A música folclórica Bitu, por sua vez, embora também ocorra marcadamente acima do tom médio, tem uma finalização no tom grave, que é o centro tonal. Schoenberg (2001) faz a diferença entre uma cadência harmônica plagal e uma cadência autêntica. Segundo ele, uma cadência plagal conclui frases "com menor clareza e poder de confirmação do que a cadência autêntica" (p. 428). [fig 4] O autor considera, também, que a própria melodia colabora para a formação de sua harmonia, uma vez que ela própria origina-se do som fundamental. (p. 200) A avaliação de Schoenberg parte da escala e das formações harmônicas estabelecidas desde Zarlino (1571) e Rameau (1722). A experiência etnomusicológica, entretanto, mostra que princípios diferentes podem ser obedecidos para a música. Roberts (1932) já chamava a atenção para o fato de que não é possível estabelecer escalas baseadas em nossas próprias concepções musicais para as músicas de outros povos. Mesmo para a música ocidental, Thomson (1958) propõe, ainda que de forma relativamente ingênua, que a tonalidade tenha sido maximizada a partir do século XVIII. Na medida em que nosso propósito é entender as relações entre a entoação e a fala, e a entoação pode representar durante a fala uma forma própria no uso de tons diferentes encadeados tal como a melodia o faz, é possível correlacionar as mudanças históricas na produção de melodias com mudanças na entoação. Assim, a entoação frasal assertiva dos grupos não letrados e dos não ocidentais que analisamos acima, não pode ser caracterizada como tonal, por não tem um ponto de convergência como nas finalizações autêntica, sendo portanto modal com finalização plagal. A entoação frasal assertiva das leituras em voz alta em língua portuguesa, por sua vez, podem caracterizar-se como tonais, na medida em que têm uma finalização autêntica, que aponta para um centro tonal, localizado a mais de 5 st abaixo do Tom Médio. REFERÊNCIAS 1997,.v. 1, p ANDRADE, L. M. O. Determinação dos limiares de normalidade dos parâmetros acústicos da voz. Dissertação (Mestrado em Bioengenharia) - Universidade de São Paulo, 2003, São Paulo. BAZ, D. G. M. As relações entre entoação frasal e melodia de músicas populares paraguaias. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) - Universidade de São Paulo, 2011 BAZ, D. G. M. et al. Tonal variation in the finalization of Brazilian Portuguese sentences. In: LABORATORY APPROACHES TO ROMANCE PHONOLOGY-LARP, 7, Aix-en-Provence, France, BISPO, Antonio A. (org.). Jarbuch die musikkulturen der indianer brasiliens. Köln: Luthe-Druck, BOEMIO, A.; FROMM, S.; BRAUN, A.; POEPPEL, D. (2005). Hierarchical and asymmetric temporal sensitivity in human auditory cortices. Nature Neuroscience, 8(3): CAMÊU, H. Introdução ao estudo da música indígena brasileira. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cutura/Departamento de Assuntos Culturais, 1977.

6 CAMÊU, H. Introdução ao estudo da música indígena brasileira. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cutura/Departamento de Assuntos Culturais, COSTA, N. S. A. Variações entoacionais na língua portuguesa falada por idosos guatós e não-indios. In: ENCONTRO DE PÓS-GRADUANDOS DA FFLCH/USP, São Paulo, 2009 COSTA, N. S. A. Variações entoacionais na língua portuguesa falada por mulheres guatós. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) - Universidade de São Paulo, 2010 EHLERS, R. S. (2007) Análise de Séries Temporais. Disponível em <http://leg.ufpr.br/~ehlers/notas/stemp.pdf> Acesso em 25/04/2008 FELIPPE, A. C. N.; GRILLO, M. H. M. N.; GRECHI, T. H. Normatização de medidas acústicas para vozes normais. Revista Brasileira de Odontologia, v. 72, n. 5, p , FERREIRA NETTO, W. ExProsodia. Revista da Propriedade Industrial RPI, 2038, pág. 167, item 120, em 26/out/2010. FERREIRA NETTO, W. Variação de frequência e constituição da prosódia da língua portuguesa. Tese (Livre-Docência em Fonética da Língua Portuguesa) - Universidade de São Paulo, FERREIRA NETTO, W. A entoação da língua portuguesa. Uma abordagem musical. In: ESCOLA DE PROSÓDIA, LUSO BRAZILIAN ASSOCIATION OS SPEECH SCIENCES (LBASS), 1, 2010, São Paulo. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=u1zpxul0-a0>. Consulta em 20 de jan. de FERREIRA NETTO, W.; BAZ, D. G. M. Questões de oralidade e escrita. Aquisição da escrita em sociedades com predomínio da oralidade: narrativas guaranis. In: INPLA INTERCÂMBIO EM PESQUISA DE LINGUÍSTICA APLICADA-INPLA, 17. Sâo Paulo, 2009 FERREIRA NETTO, W.; CONSONI, F. Estratégias prosódicas da leitura em voz alta e da fala espontânea. Alfa, n. 52, v. 2, p , FERREIRA NETTO, W.; PERES, D. O.; MARTINS, M. V. M.; VIEIRA, M. F. Análise automática da entoação emotiva (colérica, triste e neutra) pelo aplicativo ExProsodia In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA LINGUAGEM HUMANA, 9, 2013b, Fortaleza. GARCIA, R. R. A entoação do dialeto caipira do Médio Tietê: reconhecimento, características e formação. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, HENRIQUE, L. L. Acústica musical. Lisboa: Calouste Gulbenkian, HUCKVALE, M. A. et al. The SPAR Speech Filing System, In: EUROPEAN CONFERENCE ON SPEECH TECHNOLOGY, 1987, Edinburgh. HUCKVALE, M. A. Speech Filing System v.4.7/windows SFSWin Version 1.7, em 17/02/2008. Disponível em <http://www.phon.ucl.ac.uk/resource/sfs>. Acesso em 22 jan HUCKVALE, M. A.; BROOKES, D. M.; DWORKIN, L. T.; JOHNSON, M. E.; PEARCE, D. J.; WHITAKER, L.; The SPAR Speech Filing System, In: European Conference on Speech Technology, Edinburgh, Disponível em: <http://www.phon.ucl.ac.uk/home/mark/papers/sparsfs87.pdf> Acesso em: 22 jan HUGGINS, A. W. F. Just noticeable differences for segment duration in natural speech. Journal of Acoustical Society of America, v. 51, n. 4., p , LIMA, R.T. Folclore de São Paulo. São Paulo: Ricordi, MARTINS, M. V. M. Aspectos da percepção e do controle entoacional do Português Brasileiro. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade de São Paulo, MARTINS, M. V. M; FERREIRA NETTO, W. Prosódia e escalas de frequência: um estudo em torno da escala de semitons. Revel, v. 8, n. 15, MARTINS, M.; FERREIRA NETTO, W. Speech intonation and perception: a study of frequency scales for Brazilian Portuguese. Journal of Acoustical Society of the America, v. 129, n. 4, pt. 2, abr MENEZES, F. A acústica musical em palavras e sons. São Paulo: Ateliê Editorial; Fapesp, 2003.

7 MORETTIN, P. A.; TOLOI, C. M. Séries temporais. São Paulo: Atual, MORTARI, A. L. Análise instrumental da frequência fundamental e da intensidade da voz de crianças e adolescentes. Dissertação (Mestrado em Distúrbios da Comunicação) PUC, 1990, São Paulo. OHALA, J. J. An ethological perspective on common cross-language utilization of F0 of voice. Phonetica, 41, p. 1-16, PAZ, E. A. O modalismo na música brasileira. Brasília: MUSIMED, PEREIRA, B. B.; PAIS, M. B. Z.; & SALES, P. R. H. Análise espectral de séries temporais uma introdução para economia, engenharia e estatística. Rio de Janeiro: Arte Final leasing Editoria/Eletrobrás; PERES, D. O.; CONSONI, F.; FERREIRA NETTO, W. A influência da cadeia segmental na percepção de variações tonais. LL Journal, v.6, p.3, Disponível em <http://ojs.gc.cuny.edu/index.php/lljournal/article/view/652/895>. Consulta em 25 de out. de RAMEAU, J.-P. Traité de L'Harmonie. Reduite à ses principes naturels. Paris: ROBERTS, H. H. Melodic composition and scale foundations in primitie music. American Anthropologist, New Series, v. 34, n. 1, p , 1932., ROEDERER, J. G. The physics and psychophysics of music. An Introduction. 4th ed. New York: Springer, ROSA, R. C. M. Percepção e ExProsodia : correlação entre análise automática e a finalização de frases assertivas isoladas do Português Brasileiro. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) - Universidade de São Paulo, RUSSO, I. Acústica e psicoacústica aplicadas à fonoaudiologia. São Paulo: Lovise, RUSSO, I.; BEHLAU, M. Percepção da fala : análise acústica do português brasileiro. São Paulo: Lovise, SCHAEFFER, P. Traité des objets musicaux : essai Interdisciplines. Paris: Éditions du Seuil, SCHOENBERG, A. Harmonia. Prefácio, trad do original em alemão de 1922 e notas de Marden Maluf. São Paulo: UNESP, SCHOENBERG, A. Princípios da composição musical. 3. ed. Trad. do inglês de 1967 por Eduard Seincman. São Paulo: EDUSP, SETTI, Kilza. Os índios Guarani-Mbyá do Brasil: notas sobre sua história, cultura e sistema musical. In STEVENS, K. Acoustic Phonetics. Cambridge: The MIT Press, T HART, J. Differential sensitivity to pitch distance, particularly in speech. Journal of Acoustical Society of the America, n. 69, v. 3, p , T HART, J.; COLLIER, R.; COHEN, A. A perceptual study of intonation: an experimental-phonetic approach to speech melody. Cambridge: Cambridge University Press, THOMSON, W. The problem of tonality in pre-baroque and primitive music. Journal of Music Theory, v. 2, n. 1, p , 1958 WISNIK, J. M., O som e o sentido. Uma outra história das músicaas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989) WOLFE, J. et al. Musical Acoustics. Disponível em: <https://newt.phys.unsw.edu.au/jw/notes.html>. Acesso em: 26 out. de 2015 XU, Yi; WANG, Q.E. Component of intonation: what are linguistic, what are mechanical/physiological? In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON VOICE PHYSIOLOGY AND BIOMECHANICS, 1997, Evanston Illinois. Proceedings... Evanston Illinois, Disponível em : <http://www.homepages.ucl.ac.uk/~uclyyix/voice.html> Acesso em: 25 de out. de ZARLINO, G. Dimostrationi Harmoniche. Venetia: 1571

8 Figura 1: Na figura, o eixo das ordenadas representa as variações em Hz e o eixo das abscissas, as variações em momentos temporais. A seta pontilhada horizontal superior representa o Tom Médio (TM) tomado de F0 e a seta pontilhada horizontal inferior representa a Finalização (F) de F0. As setas diagonais descendentes representam a tendência à declinação pontual definida momento a momento em direção à F e as setas verticais representam a tendência à retomada do TM para a sustentação do TM selecionado pelo locutor. Figura 2: Na figura acima, tem-se a representação do Ritmo Tonal, marcado com linhas azuis pontilhadas, numa ocorrência efetiva de F0, marcado pela linha vermelha contínua. Os valores à esquerda estão em escala midi. As siglas Z indicam cada um dos momentos mensurados de F0 (UBIs); as siglas F, as finalizações supostas, sendo a que vai marcada no momento Z (8) e a última à direita (Z (15) ) as que realmente se realizaram; as siglas S indicam os pontos de sustentação supostos, que estabelecem o Tom Médio.

9 Figura 3: Na figura acima, o primeiro grafico (em posição superior) representa o fragmento final de uma música maxakali. Conforme a explicação no texto, a variação tonal permanece entre os limites superior e inferior do bom médio e sua finalização ocorre também nesse intervalo, caracterizando uma entoação modal com finalização plagal; o segundo gráfico (em posição intermediária), representa o fragemento final de um gênero musical popular brasileiro, chamado fandango paulista. A variação tonal apresenta um desvio para tons mais altos em relação ao tom médio e tem uma finalização aquém dos limites do tom médio, caracterizando uma entoação tonal com finalização plaga. A figura mais abaixo representa o framento final de uma música bastante conhecida, Vem cá Bitu, no Brasil. A variação tonal apresenta um desvio para tons mais altos em relação ao tom médio e tem uma finalização que vai abaixo o limite inferior do tom médio, caracterizando uma entoação tonal com finalização autêntica. Figura 4: Na figura acima, há a transcrição gráfica da música "Desprezo as ricas salas" do folclore brasileiro. Na primeira linha vai a transcrição original. Na linha inferior, tem-se uma manipulação das finalizações de frases da melodia original, em que se substituiu o tom final original pela tônica de ré menor. A manipulação mostra que a finalização na tônica pode ocorrer em qualquer momento da melodia, dando independência a cada uma das frases melódicas.

Diferenças entre o Português Europeu e o Português Brasileiro: Um Estudo Preliminar sobre a Pronúncia no Canto Lírico

Diferenças entre o Português Europeu e o Português Brasileiro: Um Estudo Preliminar sobre a Pronúncia no Canto Lírico Diferenças entre o Português Europeu e o Português Brasileiro: Um Estudo Preliminar sobre a Pronúncia no Canto Lírico Marilda Costa, Luis M.T. Jesus, António Salgado, Moacyr Costa Filho UNIVERSIDADE DE

Leia mais

PROSÓDIA E ESCALAS DE FREQUÊNCIA: UM ESTUDO EM TORNO DA ESCALA DE SEMITONS

PROSÓDIA E ESCALAS DE FREQUÊNCIA: UM ESTUDO EM TORNO DA ESCALA DE SEMITONS MARTINS, M. V. M.; NETTO, W. F. Prosódia e escalas de frequência: um estudo em torno da escala de semitons. ReVEL, v. 8, n. 15, 2010. [www.revel.inf.br]. PROSÓDIA E ESCALAS DE FREQUÊNCIA: UM ESTUDO EM

Leia mais

SÉRIE HARMÔNICA. As notas do contraponto são formadas com intervalos de repouso e/ou tensão,

SÉRIE HARMÔNICA. As notas do contraponto são formadas com intervalos de repouso e/ou tensão, 1 SÉRIE HARMÔNICA Texto: Prof. Dirso Anderle SESC/2001 As notas do contraponto são formadas com intervalos de repouso e/ou tensão, consonantes e/ou dissonantes entre as linhas (vozes) da melodia e as linhas

Leia mais

Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2013 Prova de Aptidão Curso Música Licenciatura Prova 1

Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2013 Prova de Aptidão Curso Música Licenciatura Prova 1 INSTRUÇÕES A prova de aptidão musical constitui-se de três partes: Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2013 Prova de Aptidão Curso Música Licenciatura Prova 1 1. HISTÓRICO MUSICAL Você

Leia mais

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI TECLADO

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI TECLADO MÓDULO I 1º Semestre 1.1 Apresentação do instrumento - Conhecimento das características e possibilidades de uso com seus recursos sonoros e eletrônicos e diferenças entre o teclado e o piano. 1.2 Postura,

Leia mais

Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia.

Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia. Metodologia de Planejamento e Análise de Experimentos 1 Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia. Carlos Roberto Castelano Júnior Universidade

Leia mais

Arnold Schoenberg. Projeto composicional

Arnold Schoenberg. Projeto composicional Arnold Schoenberg RICHARD WAGNER JOHANNES BRAHMS Projeto composicional 1. Fase Tonal (até 1908) Noite Transfigurada Op. 4, Pelleas e Melisande Op. 5, Sinfonia de Câmara n 1 Op. 9 2. Fase Atonal (1908 a

Leia mais

Psicoacústica. S = k. I / I. S = k. log I. Onde S é a sensação, I a intensidade do estímulo e k uma constante.

Psicoacústica. S = k. I / I. S = k. log I. Onde S é a sensação, I a intensidade do estímulo e k uma constante. 41 Capítulo 5 Psicoacústica A Psicoacústica estuda as sensações auditivas para estímulos sonoros. Trata dos limiares auditivos, limiares de dor, percepção da intensidade de da freqüência do som, mascaramento,

Leia mais

Estudo das características fonético-acústicas de consoantes em coda. silábica: um estudo de caso em E/LE

Estudo das características fonético-acústicas de consoantes em coda. silábica: um estudo de caso em E/LE Estudo das características fonético-acústicas de consoantes em coda silábica: um estudo de caso em E/LE Fernanda R. P. Allegro (Universidad de Buenos Aires/ FUNCEB) Sandra Madureira (PUC-SP) Introdução

Leia mais

Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do Português Brasileiro

Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do Português Brasileiro Estudos da Língua(gem) Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do Português Brasileiro Characteristics of the duration of the fricative noise of a sample of Brazilian Portuguese

Leia mais

II NOTAÇÃO MUSICAL. NOTAS NATURAIS São 7 (sete) as notas naturais DÓ - RÉ - MI - FA - SOL - LA - SI

II NOTAÇÃO MUSICAL. NOTAS NATURAIS São 7 (sete) as notas naturais DÓ - RÉ - MI - FA - SOL - LA - SI I MÚSICA Música é a arte de combinar os sons, seguindo as variações da altura, proporção, duração e ordenados por afinidades comuns. É através da música que o músico demonstra seus diversos sentimentos,

Leia mais

Variação prosódica no Português Europeu: um falar, uma identidade

Variação prosódica no Português Europeu: um falar, uma identidade Marisa Cruz Laboratório de Fonética (CLUL/FLUL) Universidade de Lisboa Compreensão e Produção do Português Oral Professora Doutora Sónia Frota 4 de Dezembro de 2012 Variação prosódica no Português Europeu:

Leia mais

Conceito de Estatística

Conceito de Estatística Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos, observáveis. Unidade Estatística um fenômeno individual é uma unidade no conjunto que irá constituir

Leia mais

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL Curso INSTRUÇÕES GERAIS

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL Curso INSTRUÇÕES GERAIS Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes - ICHCA TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS ASSUNTOS IMPORTANTES PARA INICIANTES DA MÚSICA E DO VIOLÃO São Paulo 2013 SUMARIO O QUE É A MÚSICA... 02 AS TRÊS PARTES DA MÚSICA... 02 NOTAS MUSICAIS...

Leia mais

trecho musical ì í î ï ð

trecho musical ì í î ï ð Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1, 4, 6, 7 e 9 exigem respostas a serem construídas; as questões 2 e 8 são de associação. As respostas a essas questões

Leia mais

Fundamentos de harmonia

Fundamentos de harmonia Fundamentos de harmonia Hudson Lacerda 19 de Fevereiro de 2010 Resumo Este texto foi escrito originalmente para uso na disciplina Fundamentos de Harmonia ministrada pelo autor na Escola de Música da Universidade

Leia mais

PITÁGORAS E A ESCALA MUSICAL

PITÁGORAS E A ESCALA MUSICAL PITÁGORAS E A ESCALA MUSICAL Paulo de Tarso Salles CMU-ECA/USP, 2009 O matemático e filósofo Pitágoras de Samos (V A.C.) é um personagem cuja história real ainda não foi esclarecida. Os estudos atribuídos

Leia mais

CADERNO DE PROVA (Manhã)

CADERNO DE PROVA (Manhã) Universidade do Estado de Santa Catarina Vestibular 2013.1 CADERNO DE PROVA (Manhã) Conhecimentos Musicais 30 questões NOME DO(A) CANDIDATO(A) Instruções Para fazer a prova você usará: este caderno de

Leia mais

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I.

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I. Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1 e 8 exigem respostas a serem construídas; a questão 2 é de associação. A resposta a essa questão deverá ser transcrita

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2017-18 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MÚSICA QUESTÃO:

Leia mais

8. permanência de vazão

8. permanência de vazão 8. permanência de vazão 8.1. CURVA DE PERMANÊNCIA DE VAZÃO: GENERALIDADES Uma curva de permanência de vazão, também conhecida como curva de duração, é um traçado gráfico que informa com que frequência

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Acústica Ambiental - EEK603) TOTAL 45

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Acústica Ambiental - EEK603) TOTAL 45 (Acústica Ambiental - EEK603) TOTAL 4 (Acústica Básica - EEK4) - introdução O fenômeno acústico: propagação. Nível de pressão sonora. As hipóteses acústicas. - Equacionamento Balanços de massa e quantidade

Leia mais

A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ *

A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ * A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ * Rodriana Dias Coelho Costa 1 Christiane Cunha de Oliveira 2 Faculdade de Letras/UFG rodrianacosta@gmail.com christiane.de.oliveira@hotmail.com

Leia mais

Para responder às questões 1 e 2, ouça atentamente o trecho musical 1 e considere o exemplo musical I, que corresponde a esse trecho musical.

Para responder às questões 1 e 2, ouça atentamente o trecho musical 1 e considere o exemplo musical I, que corresponde a esse trecho musical. Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. A questão 1 exige resposta a ser construída pelo próprio candidato; as questões 3, 4, 9 e 10 são de associação ou complementação.

Leia mais

Fonoaudióloga Mestranda Ana Paula Ritto Profa. Dra. Claudia Regina Furquim de Andrade

Fonoaudióloga Mestranda Ana Paula Ritto Profa. Dra. Claudia Regina Furquim de Andrade Fonoaudióloga Mestranda Ana Paula Ritto Profa. Dra. Claudia Regina Furquim de Andrade Laboratório de Investigação Fonoaudiológica em Fluência, Funções da Face e Disfagia (LIF-FFFD) Departamento de Fisioterapia,

Leia mais

Intervalos. Classificação numérica. Classificação de dimensão

Intervalos. Classificação numérica. Classificação de dimensão Intervalos Um intervalo é a distância entre duas notas ou sons diferentes, sendo ascendente ou descendente em função da direção melódica que adotar. Estão sujeitos às seguintes classificações: Classificação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Formação Musical - 2º Ciclo Contínua DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PONDERAÇÃO Leitura - Ler frases rítmicas em diferentes unidades de tempo e compassos;

Leia mais

INTERPOLAÇÃO LINEAR E BILINEAR: APLICAÇÃO EM TRANSFORMAÇÕES GEOMÉTRICAS DE IMAGEM INTRODUÇÃO

INTERPOLAÇÃO LINEAR E BILINEAR: APLICAÇÃO EM TRANSFORMAÇÕES GEOMÉTRICAS DE IMAGEM INTRODUÇÃO INTERPOLAÇÃO LINEAR E BILINEAR: APLICAÇÃO EM TRANSFORMAÇÕES GEOMÉTRICAS DE IMAGEM Autores: Giulia Denise Kujat VIEIRA; Milene Karine GUBETTI. Identificação autores: Estudantes do Curso Técnico em Informática

Leia mais

- MATRIZES DAS DISCIPLINAS -

- MATRIZES DAS DISCIPLINAS - - MATRIZES DAS DISCIPLINAS - FORMAÇÃO MUSICAL Anexo II Matrizes das Disciplinas Admissões 2015/2016 Página 30 de 80 1. DITADOS RÍTMICOS FORMAÇÃO MUSICAL ACESSO AO 2º GRAU PROVA ESCRITA 1.1. Duas frases

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

TAM I - aula 3 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões

TAM I - aula 3 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões TAM I - aula 3 UFJF - IAD Prof. Luiz E. Castelões luiz.casteloes@ufjf.edu.br Plano Geral da Aula: (1) Princípios básicos de Teoria Musical; (2) Aplicação da Teoria do item (1) na análise de pequenos trechos

Leia mais

TEORIA MUSICAL EM FOCO

TEORIA MUSICAL EM FOCO TEORIA MUSICAL EM FOCO LEM I Módulo 01 HENRIQUE RODRIGUES www.teoriamusicalemfoco.com Teoria Musical em Foco 1 Música, Som e Suas Propriedades O que é Música? Música é a arte que expressa os diversos sentimentos,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS INTERVALOS MUSICAIS. Ex.

CLASSIFICAÇÃO DOS INTERVALOS MUSICAIS. Ex. LIÇÃO - 01 INTERVALO MUSICAL As notas musicais indicam as diferentes alturas do som. Assim sendo, entre estas diferentes alturas sonoras, obviamente, cria-se uma distância entre elas, a qual chamamos de

Leia mais

Teoria Musical. Prof. Rodrigo Faleiros. Prof. Rodrigo Faleiros. blog: rodfaleiros.wordpress.com

Teoria Musical. Prof. Rodrigo Faleiros. Prof. Rodrigo Faleiros.   blog: rodfaleiros.wordpress.com Teoria Musical Prof. Rodrigo Faleiros Prof. Rodrigo Faleiros e-mail: rodfaleiros@gmail.com blog: rodfaleiros.wordpress.com 2 Aula 1 Ritmo Ritmo é a sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com

Leia mais

CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48

CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48 CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48 48 ESTATÍSTICA STICA Prof. Suzart ESTATÍSTICA Elabora métodos para coleta, organização, descrição, análise e intepretação de dados. Experimentos não-determinísticos. Determinação

Leia mais

Uma proposta para o ensino dos modos normais das cordas vibrante

Uma proposta para o ensino dos modos normais das cordas vibrante UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Uma proposta para o ensino dos modos normais das cordas

Leia mais

Manual do Minuet. Sandro S. Andrade Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do Minuet. Sandro S. Andrade Tradução: André Marcelo Alvarenga Sandro S. Andrade Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usando o Minuet 6 2.1 Iniciando o Minuet..................................... 6 2.2 Assistente de Configuração do Minuet..........................

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE FÍSICA 2 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE FÍSICA 2 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. VIRGÍLIO NOME Nº 9º ANO Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma série de exercícios que têm, como base, o que foi trabalhado em sala de aula durante todo o ano.

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO - TURMA 2012 PROVA

Leia mais

Elementos de Estatística

Elementos de Estatística Elementos de Estatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2013 Medidas Resumo Medidas Resumo Medidas que sintetizam informações contidas nas variáveis em um único

Leia mais

Disciplina: Análise e Técnicas de Composição 2017

Disciplina: Análise e Técnicas de Composição 2017 Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO - Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: Análise e Técnicas de Composição 2017 Código da prova 672 Secundário / 12º ano de escolaridade

Leia mais

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese 2.3 - Medidas de Síntese Além das tabelas e gráficos um conjunto de dados referente a uma variável QUANTITATIVA pode ser resumido (apresentado) através de Medidas de Síntese, também chamadas de Medidas

Leia mais

Mato Grosso. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso (1991, 2000 e 2010)

Mato Grosso. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso (1991, 2000 e 2010) Mato Grosso Em 21, no estado de Mato Grosso (MT), moravam 3, milhões de pessoas, onde uma parcela de 5,1% (155,5 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 141 municípios, dos quais

Leia mais

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I.

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I. Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1, 3 e 8 exigem respostas a serem construídas; as questões 2, 7, 9 e 10 são de associação. As respostas a essas questões

Leia mais

Plano da Apresentação. Medidas de localização central. Medidas de localização central. Média. Média. Exemplo nota média em Metodologias

Plano da Apresentação. Medidas de localização central. Medidas de localização central. Média. Média. Exemplo nota média em Metodologias Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Plano da Apresentação Mediana Moda Outras médias: a média geométrica Profª Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Metodologias de Diagnóstico Profª

Leia mais

Introdução à Neurociência Computacional (Graduação) Prof. Antônio Roque Aula 6

Introdução à Neurociência Computacional (Graduação) Prof. Antônio Roque Aula 6 Variações do modelo integra-e-dispara Nesta aula vamos apresentar algumas variações do modelo LIF visto na aula passada. Modelo integra-e-dispara com adaptação Estudos in vitro mostram que muitos tipos

Leia mais

Unidade I ESTATÍSTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I ESTATÍSTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I ESTATÍSTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Visão geral da estatística Estatística: Conjunto de métodos e processos destinados a permitir o entendimento de um universo submetido a certas condições

Leia mais

Teoria Musical em Foco

Teoria Musical em Foco Henrique Rodrigues Teoria Musical em Foco Primeiros Passos Para Começar a Ler Partituras Versão 1.0 2 Índice Índice 3 Introdução 5 Capítulo 1: Música e Som 6 1.1 O que é Música 6 1.2 Mas o que é som? 7

Leia mais

O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. O Som. Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação).

O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. O Som. Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação). O Som Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação). O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. As ondas sonoras são longitudinais. Resultam de compressões

Leia mais

A Metodologia de Box & Jenkins

A Metodologia de Box & Jenkins A Metodologia de Box & Jenins Aula 03 Bueno, 0, Capítulo 3 Enders, 009, Capítulo Morettin e Toloi, 006, Capítulos 6 a 8 A Metodologia Box & Jenins Uma abordagem bastante utilizada para a construção de

Leia mais

1. Faça uma função que recebe por parâmetro o raio de uma esfera e calcula o seu volume.

1. Faça uma função que recebe por parâmetro o raio de uma esfera e calcula o seu volume. Instituto Federal do Pará Professor: Ricardo José Cabeça de Souza Disciplina: - Algoritmos e Construção de Programas LISTA DE EXERCÍCIOS 1. Faça uma função que recebe por parâmetro o raio de uma esfera

Leia mais

DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA)

DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA) 1. Sabe-se que o nível de significância é a probabilidade de cometermos um determinado tipo de erro quando da realização de um teste de hipóteses. Então: a) A escolha ideal seria um nível de significância

Leia mais

TEORIA MUSICAL. 01. Os tons vizinhos de Ré Maior são: 02. Classifique os intervalos abaixo:

TEORIA MUSICAL. 01. Os tons vizinhos de Ré Maior são: 02. Classifique os intervalos abaixo: TEORIA MUSICAL 01. Os tons vizinhos de Ré Maior são: 0-0) si m - sol m - Lá M - mi m - fá# m 1-1) si m - Sol M - Lá M - mi m - fá# m 2-2) ré m - Sol M - Lá M - mi m - fá # m 3-3) si m - Sol M - lá m -

Leia mais

C-FSG-MU/2013 CÓDIGO 11

C-FSG-MU/2013 CÓDIGO 11 l) O Acorde de 7ª da Dominante dizse estar na 2ª inversão quando o Baixo é a do acorde. (A) 2ª (B) 3ª (C) 4ª (D) 5ª (E) 6ª 2) O baixo recebe o nome de fundamental quando o acorde está na (A) segunda inversão

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS USP KELEN CRISTIANE TEIXEIRA VIVALDINI AULA 3 PWM MATERIAL COMPLEMENTAR

ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS USP KELEN CRISTIANE TEIXEIRA VIVALDINI AULA 3 PWM MATERIAL COMPLEMENTAR ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS USP KELEN CRISTIANE TEIXEIRA VIVALDINI AULA 3 PWM MATERIAL COMPLEMENTAR SÃO CARLOS 2009 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Representação de duas formas de onda tipo PWM...5

Leia mais

Tocantins. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Tocantins (1991, 2000 e 2010)

Tocantins. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Tocantins (1991, 2000 e 2010) Tocantins Em 21, no estado do Tocantins (TO), moravam 1,4 milhões de pessoas, onde 8,5 mil (5,8%) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 139 municípios, dos quais 113 (81,3%) com menos

Leia mais

ANÁLISE DE SINAIS DINÂMICOS

ANÁLISE DE SINAIS DINÂMICOS ANÁLISE DE SINAIS DINÂMICOS Paulo S. Varoto 7 . - Classificação de Sinais Sinais dinâmicos são geralmente classificados como deterministicos e aleatórios, como mostra a figura abaixo: Periódicos Determinísticos

Leia mais

Química Geral e Experimental II: Cinética Química. Prof. Fabrício Ronil Sensato

Química Geral e Experimental II: Cinética Química. Prof. Fabrício Ronil Sensato Química Geral e Experimental II: Cinética Química Prof. Fabrício Ronil Sensato Resolução comentada de exercícios selecionados. Versão v2_2005 2 1) Para a reação em fase gasosa N 2 + 3H 2 2NH 3, 2) A decomposição,

Leia mais

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq)

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Ditongos derivados: um adendo Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Em artigo precedente (1994), fez-se a distinção entre ditongos verdadeiros que correspondem a duas vogais na subjacência, como reitor e pauta e falsos

Leia mais

A entoação em falas teatrais: uma análise da raiva e da fala neutra

A entoação em falas teatrais: uma análise da raiva e da fala neutra A entoação em falas teatrais: uma análise da raiva e da fala neutra (The intonation in play-acted vocal emotions: analysis of anger and neutral speech) Aline Mara De Oliveira Vassoler 1, Marcus Vinícius

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR VESTIBULAR 2014 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém 30 questões. Caso contrário,

Leia mais

TAP - 13 / 11 / 2009 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões

TAP - 13 / 11 / 2009 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões TAP - 13 / 11 / 2009 UFJF - IAD Prof. Luiz E. Castelões lecasteloes@gmail.com Plano Geral da Aula: (1) Princípios básicos de Teoria Musical; (2) Aplicação da Teoria do item (1) na análise de pequenos trechos

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b).

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b). 9 ESTADO PLANO DE TENSÕES E DEFORMAÇÕES As tensões e deformações em um ponto, no interior de um corpo no espaço tridimensional referenciado por um sistema cartesiano de coordenadas, consistem de três componentes

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA ACELERAÇÃO DE CORPOS EM QUEDA SELEÇÃO DE INSTRU- MENTOS

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA ACELERAÇÃO DE CORPOS EM QUEDA SELEÇÃO DE INSTRU- MENTOS DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA ACELERAÇÃO DE CORPOS EM QUEDA SELEÇÃO DE INSTRU- MENTOS Sandra Maria Couto Moreira Ronaldo Luiz Neves Pinheiro Luiz Carlos de Alvarenga Depto. de Física UFV Viçosa MG I. Introdução

Leia mais

Acento secundário, atribuição tonal e redução segmental em português brasileiro (PB)

Acento secundário, atribuição tonal e redução segmental em português brasileiro (PB) III Seminário Internacional de Fonologia 12.04.2007 Acento secundário, atribuição tonal e redução segmental em português brasileiro (PB) Maria Bernadete M. Abaurre babaurre@matrix.com.br Flaviane Romani

Leia mais

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: ANÁLISE E TÉCNICAS DE COMPOSIÇÃO 2016

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: ANÁLISE E TÉCNICAS DE COMPOSIÇÃO 2016 Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: ANÁLISE E TÉCNICAS DE COMPOSIÇÃO 2016 Prova 672 Secundário / 12º Ano de escolaridade - Decreto-Lei

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 9 -Métodos estatísticos aplicados à hidrologia ANO 2016

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 9 -Métodos estatísticos aplicados à hidrologia ANO 2016 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 9 -Métodos estatísticos aplicados à hidrologia ANO 2016 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Caracterização

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva C E N T R O D E M A T E M Á T I C A, C O M P U T A Ç Ã O E C O G N I Ç Ã O UFABC Estatística Descritiva Centro de Matemática, Computação e Cognição March 17, 2013 Slide 1/52 1 Definições Básicas Estatística

Leia mais

001. Prova de Conhecimento e Habilidade em Música

001. Prova de Conhecimento e Habilidade em Música vestibular 2014 001. Prova de Conhecimento e Habilidade em Música presencial Confira seus dados impressos neste caderno. Esta prova contém 30 questões objetivas e terá duração total de 2 horas. Para cada

Leia mais

Três características diferem os sinais sonoros: a altura do som, a intensidade e o timbre.

Três características diferem os sinais sonoros: a altura do som, a intensidade e o timbre. Três características diferem os sinais sonoros: a altura do som, a intensidade e o timbre. A altura do som relaciona-se com a freqüência (audível 20 Hz a 20 khz). Um som mais baixo (respect. alto) é mais

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE USINAGEM NO ACABAMENTO SUPERFICIAL E NA TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA DE PEÇAS TORNEADAS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE USINAGEM NO ACABAMENTO SUPERFICIAL E NA TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA DE PEÇAS TORNEADAS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE USINAGEM NO ACABAMENTO SUPERFICIAL E NA TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA DE PEÇAS TORNEADAS Daniel Fabião Setti 1, José Eduardo Ferreira de Oliveira 2, Luiz Roberto Oliveira

Leia mais

Tratamento estatístico de observações

Tratamento estatístico de observações Tratamento estatístico de observações Prof. Dr. Carlos Aurélio Nadal OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição. DADO: é o resultado do tratamento de uma observação (por aplicação de uma

Leia mais

Plano de Ensino usual

Plano de Ensino usual Plano de Ensino usual Aulas de Música Instrumental Este plano de ensino será o roteiro das aulas de como ocorrerão e quais serão os conteúdos abordados em cada aula e também os acordos para que ocorra

Leia mais

C-FSG-MU/2017 CÓDIGO - 11

C-FSG-MU/2017 CÓDIGO - 11 1) São considerados como andamentos médios: (A) Vivo e Adágio. (B) Adagio e Andante. (C) Maestoso e Allegro. (D) Stretto e Animato. (E) Andantino e Sostenuto. 2) Qual o nome do ornamento grafado na pauta

Leia mais

Ceará. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Ceará (1991, 2000 e 2010)

Ceará. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Ceará (1991, 2000 e 2010) Ceará Em, no estado do Ceará (CE), moravam 8,5 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,6%, 637,7) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 184 municípios, dos quais 21 (11,4%)

Leia mais

Aula 4: Gráficos lineares

Aula 4: Gráficos lineares Aula 4: Gráficos lineares 1 Introdução Um gráfico é uma curva que mostra a relação entre duas variáveis medidas. Quando, em um fenômeno físico, duas grandezas estão relacionadas entre si o gráfico dá uma

Leia mais

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis = de Instrução e = Região de procedência. Neste caso, a distribuição de freqüências é apresentada como uma tabela

Leia mais

Modelagem do comportamento da variação do índice IBOVESPA através da metodologia de séries temporais

Modelagem do comportamento da variação do índice IBOVESPA através da metodologia de séries temporais Modelagem do comportamento da variação do índice IBOVESPA através da metodologia de séries temporais João Eduardo da Silva Pereira (UFSM) jesp@smail.ufsm.br Tânia Maria Frighetto (UFSM) jesp@smail.ufsm.br

Leia mais

Teoria Musical. 01. Na primeira linha das claves de sol e de fá, tem-se, respectivamente, as notas : 02. A respeito do termo VALOR, pode-se dizer que:

Teoria Musical. 01. Na primeira linha das claves de sol e de fá, tem-se, respectivamente, as notas : 02. A respeito do termo VALOR, pode-se dizer que: Teoria Musical 01. Na primeira linha das claves de sol e de fá, tem-se, respectivamente, as notas : 0-0) mi e mi. 1-1) sol e mi. 2-2) sol e sol. 3-3) mi e sol. 4-4) mi e si. Resposta: FFFVF A clave de

Leia mais

Bahia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado da Bahia (1991, 2000 e 2010)

Bahia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado da Bahia (1991, 2000 e 2010) Bahia Em, no estado da Bahia (BA), moravam 14, milhões de pessoas, onde uma grande parcela (7,2%, 1, milhão) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 417 municípios, dos quais 69 (16,6%)

Leia mais

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADAS PARCIAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADAS PARCIAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques 7 DERIVADAS PARCIAIS TÓPICO Gil da Costa Marques Fundamentos da Matemática II 7.1 Introdução 7. Taas de Variação: Funções de uma Variável 7.3 Taas de variação: Funções de duas Variáveis 7.4 Taas de Variação:

Leia mais

AS FRONTEIRAS ENTOACIONAIS DA ASSERÇÃO EM PORTUGUÊS (THE INTONATIONAL BOUNDARIES OF ASSERTION IN PORTUGUESE)

AS FRONTEIRAS ENTOACIONAIS DA ASSERÇÃO EM PORTUGUÊS (THE INTONATIONAL BOUNDARIES OF ASSERTION IN PORTUGUESE) AS FRONTEIRAS ENTOACIONAIS DA ASSERÇÃO EM PORTUGUÊS (THE INTONATIONAL BOUNDARIES OF ASSERTION IN PORTUGUESE) Luciani TENANI * (UNESP - SJRP) ABSTRACT: Intonational phonology is the framework used for investigating

Leia mais

! Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2015 Prova de Conhecimento Específico da Música Curso Música Licenciatura Prova 1

! Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2015 Prova de Conhecimento Específico da Música Curso Música Licenciatura Prova 1 Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2015 Prova de Conhecimento Específico da Música Curso Música Licenciatura Prova 1 O Curso de Música-Licenciatura realizará, anualmente, uma Prova

Leia mais

Prof. Juarez Barcellos

Prof. Juarez Barcellos ou Notação Musical A teoria serve para que o músico organize a aplicação de sua técnica. Ela é o intelecto, a compreensão da arte. É através dela que as composições rompem os séculos com uma linguagem

Leia mais

Música quase por acaso. Série Matemática na Escola

Música quase por acaso. Série Matemática na Escola Música quase por acaso Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir o conceito de probabilidade de transição; 2. Introduzir Cadeias de Markov; 3. Usar matrizes, estatística e probabilidade para compor

Leia mais

Sugestões Metodológicas: Estratégias/Atividades. Metas de Aprendizagem

Sugestões Metodológicas: Estratégias/Atividades. Metas de Aprendizagem Ano Letivo - 2012/201 Conteúdos Objetivos Curriculares Metas de Aprendizagem Sugestões Metodológicas: Estratégias/Atividades Avaliação Calendarização Dinâmica Forma Ficheiro 1 Reconhece diferentes timbres,

Leia mais

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI GUITARRA

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI GUITARRA MÓDULO I 1º Semestre 1.1 Apresentação do instrumento. Conhecer o instrumento fisicamente bem como suas características. Nomes das partes e funções. 1.2 Afinação e postura. Postura corporal correta e a

Leia mais

1- PROVA OBJETIVA DE TEORIA E PERCEPÇÃO MUSICAL (DE MÚLTIPLA ESCOLHA A, B, C, D E E).

1- PROVA OBJETIVA DE TEORIA E PERCEPÇÃO MUSICAL (DE MÚLTIPLA ESCOLHA A, B, C, D E E). A Prova de Habilidade Específica em Música compreenderá: a) uma Prova Objetiva de Teoria e Percepção Musical e b) uma Prova Prática, cada uma delas eliminatória e classificatória. As provas versarão sobre

Leia mais

CATÁLISE ENZIMÁTICA. CINÉTICA Controle da velocidade de reações. CINÉTICA Equilíbrio e Estado Estacionário

CATÁLISE ENZIMÁTICA. CINÉTICA Controle da velocidade de reações. CINÉTICA Equilíbrio e Estado Estacionário CATÁLISE ENZIMÁTICA Equilíbrio e Estado Estacionário P U T F M A Velocidade: período inicial Tempo As medidas de velocidade inicial (v 0 ) são obtidas com a variação da concentração de S btenção de várias

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 06 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Formação: Graduação

Leia mais

Estatística I Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 2 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Análise Exploratória de Dados Consiste em resumir e organizar os dados coletados Utiliza-se tabelas, gráficos ou medidas numéricas para resumir

Leia mais

Sumário. Estatistica.indb 11 16/08/ :47:41

Sumário. Estatistica.indb 11 16/08/ :47:41 Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS INICIAIS... 19 1.1. Introdução... 19 1.2. Estatística... 19 1.2.1. Estatística Descritiva ou Dedutiva... 21 1.2.2. Estatística Indutiva ou Inferencial... 21 1.3. População...

Leia mais

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes Atividade Turística Fevereiro 2013 16 de Abril de 2013 Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes As dormidas na hotelaria atingiram 1,9 milhões, o que correspondeu a uma variação

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DA NOVA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO EXAME NACIONAL DE CURSOS

ANÁLISE CRÍTICA DA NOVA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO EXAME NACIONAL DE CURSOS ANÁLISE CRÍTICA DA NOVA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO EXAME NACIONAL DE CURSOS Rubén Romero 1, Anna Diva P. Lotufo 2 FEIS/UNESP 1 Av. Brasil 56, Ilha Solteira, SP ruben@dee.feis.unesp.br FEIS/UNESP 2 Av.

Leia mais

Rondônia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Rondônia (1991, 2000 e 2010)

Rondônia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Rondônia (1991, 2000 e 2010) Rondônia Em, no estado de Rondônia (RO), moravam 1,6 milhões de habitantes, onde uma parcela ainda discreta (4,7%, 73,3 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 52 municípios,

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Prof. Fabrício Maciel Gomes Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção Prof. Fabrício Maciel Gomes Previsão de Demanda A previsão da demanda é a base para o planejamento estratégico da produção, vendas

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis X = Grau de Instrução e Y = Região

Leia mais

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares 40 De modo geral, as cargas são agrupadas em um transformador de distribuição, que, desse modo, passa a fornecer energia para vários consumidores. Cada consumidor apresenta uma curva de demanda similar

Leia mais