DECISÃO TÉCNICA DT 058 R00

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECISÃO TÉCNICA DT 058 R00"

Transcrição

1 DECISÃO TÉCNICA DT 058 R00 ATENDIMENTO A CONJUNTOS HABITACIONAIS EXECUTADOS POR TERCEIRIOS

2 ÍNDICE 1 OBJETIVO DISPOSIÇÕES GERAIS PROCEDIMENTOS ÓRGÃO EMITENTE ÓRGÃO RESPONSÁVEL DISTRIBUIÇÃO... 3 ANEXO I - TERMO DE PEDIDO PARA CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO...4 ANEXO II - TERMO DE DOAÇÃO (PESSOA FÍSICA)...5 ANEXOIII -TERMO DE DOAÇÃO (PESSOA JURÍDICA)...6

3 1/6 1 OBJETIVO Visa, disciplinar a construção Res Distribuição Urbana, executada sob a responsabilida uma firma incorporadora, para atenr Conjuntos Habitacionais. 2 DISPOSIÇÕES GERAIS 2.1 A Re Distribuição Urbana a ser construída ve atenr aos seguintes requisitos: a) estar contida totalmente na área do conjunto habitacional; b) possuir, no mínimo, 50 postes; c) atenr a todas as unidas construção do conjunto habitacional. 2.2 Estão excluídas sta DT: a) as obras reforma e/ou extensão res; b) as obras para atenr a loteamentos; c) as obras para atenr a conjuntos habitacionais construídos em regime mutirão; d) as obras para atenr conjuntos habitacionais financiados com recursos Órgãos Estaduais. 2.3 Para a execução da obra é necessário que: a) o projeto da re tenha sido elaborado pela ; b) os custos referentes ao projeto e fiscalização da re sejam pagos à, conforme item 3.13; c) a firma empreiteira, responsável pela execução da obra, seja crenciada para obras eletromecânicas, pela. 3 PROCEDIMENTOS 3.1 A sistemática tramitação dos projetos conjuntos habitacionais seja acordo com a DT Não são aceitos materiais fornecidos por fabricantes com os quais a não mantenha relações comerciais. Para o estabelecimento relações comerciais, o Fabricante ve procer seu cadastramento na Gerência Aquisições e Contratos - GEAQUI 3.3 A recusará qualquer material que julgue qualida inferior a requerida em suas especificações ou não estejam acordo com a padronização do PM-. Cabe a Incorporadora responsável pela construção da re, total responsabilida em substituir qualquer material qualida duvidosa ou que esteja em sacordo com o que foi projetado. 3.4 A construção das Res Aéreas Distribuição referidas ve obecer, em todos os seus itens, às prescrições do CP- (Critério Projetos Res Distribuição Aérea Urbana Energia Elétrica) e dos PE-031 e PE-02, respectivamente, Padrão Estrutura Re Primária Distribuição Aérea Energia Elétrica Urbana e Rural e Padrão Estrutura Re Secundária Distribuição Aérea Energia Elétrica Urbana e Rural.

4 2/6 3.5 Após o recebimento da Re Distribuição Urbana pelo Órgão competente, a mesma ve ser doada a. 3.6 A obra para interligação da Re Distribuição Urbana ao Sistema da, bem como eventuais reforços no sistema supridor, é executada pela, e custeada pelo Incorporador. 3.7 A Incorporadora ressarce a qualquer dano responsabilida civil ocorrido na obra por um período 5 anos, após a conclusão da mesma. 3.8 No ato do pedido da interligação da re construída com o Sistema, ve ser apresentado: a) comprovante pagamento junto a, dos custos relativos ao projeto e fiscalização da obra, com o valor calculado acordo com o item 3.13; b) notas fiscais todo material empregado na obra, que são visadas pelo representante da ; Estas notas fiscais vem ser apresentadas em duas vias, uma das quais é enviada pelo setor responsável pela ligação ao Departamento Contabilida. c) Termo Doação, vidamente assinado, conforme Anexos II e III Termo Doação ve ser apresentado em 3 (três) vias, uma das quais é enviada pelo setor responsável pela ligação do Departamento Contabilida. d) Termo Pedido para Autorização para construção da obra, vidamente assinado, conforme Anexo I; e) relatório ensaio dos materiais concreto (cruzeta e poste), isoladores e dos seguintes equipamentos: transformadores, chaves fusíveis e pára-raios, atestado por profissional habilitado. 3.9 A po, a qualquer momento, durante a execução da obra, retirar material empregado na mesma e realizar os ensaios previstos pela ABNT. Caso as amostras sejam reprovadas, a Incorporadora ve substituir todas as peças instaladas, referentes as amostras mencionadas, cabendo-lhe todos os custos correntes É responsabilida do Incorporador a obtenção licença junto aos Órgãos responsáveis, nos casos travessias ou aproximações da linha projetada rodovias, aeroportos e ferrovias A instalação do poste auxiliar no limite da via pública, quando for necessário, é responsabilidas do Incorporador A recusará a ligação da obra se constatar que não foram obecidos os seus Critérios Projetos e Padrões Estruturas, e ainda, se na construção for utilizado material que julgue qualida inferior as suas Especificações e Padrões Materiais O valor a ser pago, referente ao projeto e fiscalização correspon aos custos Engenharia e Supervisão e Administração Geral extraídos do orçamento elaborado pela.

5 3/ O Valor Doação (D) correspon ao resultado do Valor do Orçamento elaborado pela (VO), menos a soma do Valor Projeto e Fiscalização (PF) e os Encargos Financeiros responsabilida da (EFC). D = VO - (PF + EFC) 3.15 O Encargo Financeiro da será calculado acordo com a Legislação em vigor O repasse do valor corresponnte ao Encargo Financeiro da para o executor da obra po ser efetivado através material para a obra ou opcionalmente como créditos energia elétrica Os materiais Iluminação Pública, das obras realizadas em Fortaleza, são fornecidos pela Qualquer alteração no projeto, que seja necessária durante a execução da obra, tem que ser autorizada pela, com os custos a cargo da Incorporadora A Incorporadora ve construir o projeto da na integra, sob a pena não ser efetuada a ligação ao sistema da A fiscalização da Re Distribuição, ve ser exercida pelo Órgão Regional Operação da Distribuição da A Incorporadora ve avisar ao Órgão Fiscalização da da construção da obra até 10 dias antes do início da mesma O Órgão Fiscalização da, após o término da obra, ve encaminhar os documentos resultantes do encerramento da obra ao Departamento Contabilida. 4 ÓRGÃO EMITENTE Departamento Normas e Equipamentos Distribuição DENED 5 ÓRGÃO RESPONSÁVEL Departamento Normas e Equipamentos Distribuição DENED 6 DISTRIBUIÇÃO Diretorias: DC, DR, DF,DT Gerências Regionais: GEDIST, GERINT, GEATLA, GEFORT, GEPERI, GERENG, GECONT

6 4/6 Anexo I Molo Termo Pedido Autorização para Construção Re Distribuição, para Atendimento a Conjuntos habitacionais, por Terceiros À Gerência Regional, CGC Nº, com se em,,neste ato representado pelo Sr.(a),brasileiro(a), resinte e domiciliado em, na Rua, venho pelo presente, solicitar autorização para Construção Re Distribuição Urbana Energia Elétrica, para MODELO atenr a um conjunto habitacional nominado, localizado no município, acordo com o Projeto nº elaborado pela. Outrossim claro assumir o compromisso atenr a todos os requisitos constantes da DT E assim, por estar pleno acordo com o teor do presente instrumento, assina-o juntamente com (02) duas testemunhas, para surtir seus efeitos legais., 19 TESTEMUNHAS: AUTORIZAÇÃO DA : CARGO: MATRÍCULA:

7 5/6 Anexo II Termo Doação (Pessoa Física), resinte e domiciliado na Rua/Av, na cida, pelo presente instrumento, clara para todos os efeitos legais, que transfere, a título doação, à -, todo material da obra utilizado na Re Distribuição Urbana, para atenr ao conjunto habitacional nominado, sito à (localização da obra),no município. Os bens abaixo relacionados foram adquiridos mediante compra, conforme faz prova na Nota Fiscal nº, emitida em / /, em nome do doador acostada ao presente instrumento. 1. ESPECIFICAÇÃO DA REDE DOADA: Tipo Número Número Tipo Condutor Luminárias Re AT BT Extensão (m) Condutores Postes CA AWG CAA AWG CCN (mm 2 ) Quant. MODELO 2. ESPECIFICAÇÃO DO(S) TRANSFORMADOR(ES) DOADO(S): Potência Tipo Marca Nº Fab. Nº CN Potência (W) 3. VALORES Valor nominal da re R$ Valor do Encargo Financeiro da R$ Valor da Engenharia e Supervisão e Administração da R$ Valor da Doação R$ O doador, através do presente instrumento, estipula em favor da, o direito acionar judicial e extrajudicial, o projetista, o construtor da obra, bem como os fornecedores dos bens ora doados, os quais utilizados na execução do serviço, caso venham apresentar vícios e/ou falta soliz e segurança. A presente doação é feita, sem qualquer restrição, e reconheço nenhum direito haver por reclamar sobre a proprieda ou domínio dos bens ora doados, ficando a critério da donativa, a utilização dos mesmos, para atenr outros consumidores no fornecimento energia elétrica, bem como ampliação da citada re para benefício próprio ou terceiros. E por estar se dispondo livre e espontânea vonta, assino este termo na presença duas testemunhas, que também o assinam., 19 Tipo TESTEMUNHAS : VISTO DO REPRESENTANTE DA : MATRÍCULA: OBS: O presente documento ve ser registrado em cartório.

8 Anexo III 6/6 Termo Doação (Pessoa Jurídica),CGC Nº com se em,neste ato representado pelo Sr.(a), brasileiro(a), resinte a, pelo presente instrumento, clara para todos os efeitos legais, que transfere, a título doação, à Companhia Energética do Ceará -, todo material da obra utilizado na Re Distribuição Urbana, para atenr ao conjunto habitacional nominado, sito à (localização da obra),no município. Os bens abaixo relacionados foram adquiridos mediante compra, conforme faz prova na Nota Fiscal nº, emitida em / /, em nome do doador acostada ao presente instrumento. 1. ESPECIFICAÇÃO DA REDE DOADA: Tipo Número Número Tipo Condutor Luminárias Re AT BT Extensão (m) Condutores Postes CA AWG CAA AWG CCN (mm 2 ) Quant. MODELO 2. ESPECIFICAÇÃO DO(S) TRANSFORMADOR(ES) DOADO(S): Potência Tipo Marca Nº Fab. Nº CN Potência (W) Tipo 3. VALORES Valor nominal da re R$ Valor do Encargo Financeiro da R$ Valor da Engenharia e Supervisão e Administração da R$ Valor da Doação R$ O doador, através do presente instrumento, estipula em favor da, o direito acionar judicial e extrajudicial, o projetista, o construtor da obra, bem como os fornecedores dos bens ora doados, os quais utilizados na execução do serviço, caso venham apresentar vícios e/ou falta soliz e segurança. A presente doação é feita, sem qualquer restrição, e reconheço nenhum direito haver por reclamar sobre a proprieda ou domínio dos bens ora doados, ficando a critério da donativa, a utilização dos mesmos, para atenr outros consumidores no fornecimento energia elétrica, bem como ampliação da citada re para benefício próprio ou terceiros. E por estar se dispondo livre e espontânea vonta, assino este termo na presença duas testemunhas, que também o assinam., 19 TESTEMUNHAS : VISTO DO REPRESENTANTE DA : MATRÍCULA: OBS: O presente documento ve ser registrado em cartório.

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

Cópia válida somente na INTRANET

Cópia válida somente na INTRANET Página: 1/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de 1 OBJETIVO Estabelecer o procedimento a ser adotado para coleta dos dados e apuração dos padrões de atendimento comercial, de modo a atender ao que estabelece

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R0 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 Página 2 de 10 1. ENCAMINHAMENTO Para apresentação

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO - CGTEE Nº 002/2014 OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO CGTEE Nº 002/2014 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA R3 DCMD 01/09/2014 01/10/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 01/09/2014 R3 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE,

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, QUE ENTRE SI CELEBRAM, LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, DE UM LADO, E XXXXXXXXX, DE OUTRO LADO. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REPAROS E OBRAS EMERGENCIAIS DE IMOVEIS SITUADOS NA ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANISTICO DA REGIÃO DO PORTO MARAVILHA. 1. INTRODUÇÃO A Operação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.03.05.001 PROJETO E CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO POR TERCEIRO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.03.05.001 PROJETO E CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO POR TERCEIRO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.03.05.001 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ITBI

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ITBI MANUAL DE PROCEDIMENTOS ITBI A abertura de processos administrativos para apuração do lançamento do ITBI, bem como a apresentação de recurso para revisão da base de cálculo deve obedecer aos seguintes

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS 1. DISPOSIÇÕES GERAIS a) Este Regulamento faz parte integrante do Contrato de Cartão de Crédito ( Contrato ) e regula as condições aplicáveis ao Programa

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.007 CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO POR TERCEIRO 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.007 CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO POR TERCEIRO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.007 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA - ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II Incorporação de Redes Particulares de Distribuição de Energia Elétrica Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Planejar o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.001

Leia mais

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ORIENTAÇÕES GERAIS... 4 a. ELABORAÇÃO DO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES... 5 b. HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R1 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 R1 - Acrescentado Medição Agrupada, Cabinas e Postos

Leia mais

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA 1. Na renovação a empresa deverá informar, por escrito, se houve ou não alteração dos documentos de Qualificação Técnica

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº. 001/2010/SENAR-AR/RO

CONCORRÊNCIA Nº. 001/2010/SENAR-AR/RO PROCESSO nº 006/2010 CONCORRÊNCIA SOB REGISTRO DE PREÇOS n.º 001/2010 CONTRATO SOB REGISTRO DE PREÇOS PARA FORNECIMENTO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS, PRODUTOS DESCARTAVÉIS E PRODUTOS DE HIGIENE E LIMPEZA QUE

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A OLIVEIRA FRANCO SOCIEDADE CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, em atenção ao quanto disposto na Instrução CVM n. 505, de 27/09/2011, define por este documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-072/2006 R-01 SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO POR SOBRECARGA

DECISÃO TÉCNICA DT-072/2006 R-01 SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO POR SOBRECARGA /2006 R-0 DE DISTRIBUIÇÃO POR SOBRECARGA DOCUMENTO NORMATIVO I Í N D I C E OBJETIVO... 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 PROCEDIMENTOS... 3. MEDIÇÃO NOS TRANSFORMADORES E REDES SECUNDÁRIAS... 3.2... 3.3 LIGAÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 Regulamenta a Lei nº 9.498, de 19 de novembro de 2014, que dispõe sobre a cobrança de preço público decorrente da prestação de serviços de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código: ET: 07-02-202 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Características Gerais

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Fornecer diretrizes para a elaboração e apresentação de orçamentos que compõem o Projeto Executivo. FINIÇÕES O orçamento executivo abrange a elaboração dos elementos

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE GRUPO GERADOR AUTOMÁTICO

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE GRUPO GERADOR AUTOMÁTICO INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE GRUPO GERADOR AUTOMÁTICO O Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/ISGH, Organização Social administradora das UAPS Unidades de

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão 1 2 Clientes de Média Tensão São aqueles conectados ao sistema de distribuição de energia de 13.800 volts (Rede de MT) da Coelce. Definidos

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO SESC/AR/DF DF 2015 CL XXX

MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO SESC/AR/DF DF 2015 CL XXX MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO SESC/AR/DF DF 2015 CL XXX Contrato de locação de container refrigerado que entre si celebram o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO DF SESC/AR/DF e a Empresa

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982) INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA Nº 22A/01 - DFPC PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

-------------------------------------- I GERAL ----------------------------------------

-------------------------------------- I GERAL ---------------------------------------- REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DO CATAVENTO E FÁBRICAS DE CULTURA -------------------------------------- I GERAL ---------------------------------------- Artigo 1º - Este regulamento

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS [PREENCHER], empresa estabelecida em [preencher cidade, estado, logradouro], inscrita no CNPJ sob o número [preencher], neste ato representada na forma de seu contrato

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. Morgan Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROJETO BÁSICO GESER Nº 04/07 FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fiscalização

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA VENDA E COMPRA DE MATERIAIS TIDOS COMO PRODUTOS NÃO AÇO

CONDIÇÕES GERAIS PARA VENDA E COMPRA DE MATERIAIS TIDOS COMO PRODUTOS NÃO AÇO O conteúdo deste documento foi registrado no 5º Ofício de Registros de Títulos e Documentos da Comarca do Rio de Janeiro RJ, sob nº 519456, em 30/07/2002. CONDIÇÕES GERAIS PARA VENDA E COMPRA DE MATERIAIS

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS FOLHA DE CONTROLE PADRÃO DE ESTRUTURA ESTRUTURAS ESPECIAIS Código Página

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Móveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS 01) ALTERAÇÃO DE DADOS NO CADASTRO IMOBILIÁRIO FISCAL ; - Registro do imóvel (emissão com menos de 1 ano); - CPF e identidade do titular ou dos sócios

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO QUANTO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA E FORNECIMENTO DE MERCADORIAS, PRODUTOS, PEÇAS E SERVIÇOS.

TERMO DE ACEITAÇÃO QUANTO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA E FORNECIMENTO DE MERCADORIAS, PRODUTOS, PEÇAS E SERVIÇOS. As relações estabelecidas entre a SABÓ INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE AUTOPEÇAS LTDA., com sede na cidade de São Paulo-SP, na Rua Matteo Forte nº 216, inscrita no CNPJ/MF sob nº 60.860.681/0004-32, daqui por

Leia mais

CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE FORNECEDORES

CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE FORNECEDORES CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE FORNECEDORES São partes neste Contrato: 1. PROCIDADES COMÉRCIO E SERVIÇOS DE APOIO LTDA, pessoa jurídica de direito privado inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídicas

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS O Conselho de Administração do Instituto de Gestão em Saúde - Instituto Gerir, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO

ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO Instrumento Particular de Contrato referente ao PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG, que entre si fazem o Serviço Social do Comércio

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 85.064, DE 26 DE AGOSTO DE 1980. Regulamenta a Lei nº 6.634, de 2 de maio de 1979, que dispõe sobre a Faixa de Fronteira O PRESIDENTE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO DIRETORIA TÉCNICA DE ENGENHARIA HABITACIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO DIRETORIA TÉCNICA DE ENGENHARIA HABITACIONAL EDITAL DE PUBLICIZAÇÃO DE ÁREA No. 001/2011. SELEÇÃO DE EMPRESA DO RAMO DA CONSTRUÇÃO CIVIL INTERESSADA NA PRODUÇÃO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA MINHA, CASA MINHA VIDA II. O MUNICÍPIO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013 Edital de convocação de Pessoas Jurídicas para inscrição e atualização do Cadastro de Fornecedores do Município de Itaúna.

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

CONSTUIR E GANHAR É SÓ COMEÇAR

CONSTUIR E GANHAR É SÓ COMEÇAR CONSTUIR E GANHAR É SÓ COMEÇAR O CLIENTE que começar a construir sua casa no empreendimento Jardins Veneza até OUTUBRO de 2014, será premiado com até 01 (um) ano de taxa de condomínio pagas pela FGR, conforme

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO PÁGINA 1 de 7 ÍNDICE DO CONTEÚDO 1. Objetivo 1 2. Norma e Documentos Complementares 1 3. Definições 1/2 4. Condições Gerais 2 5. Procedimentos 3/4/5 6. Anexo 6 7. Ficha de Vida 7 1. Objetivo: Esta norma

Leia mais

Antena e telefones Na sala, foram instalados pontos para a antena de televisão e o telefone.

Antena e telefones Na sala, foram instalados pontos para a antena de televisão e o telefone. Antena e telefones Na sala, foram instalados pontos para a antena de televisão e o telefone. Aquecedor solar Caso sua moradia seja dotada de aquecimento solar, é necessário que, antes de utilizá-lo, você

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S E S P E C I F I C A Ç Õ E S 1) DO OBJETO: É objeto da presente licitação, a contratação de empresa para Prestação de Serviço de Auditoria externa (independente), compreendendo: 1.1 Auditoria dos registros

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica Transferência dos Ativos de Iluminação Pública P aos Municípios Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS)

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) ÍNDICE RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE FORNECEDORES DE MATERIAL/SERVIÇOS PÁGINA 2 FICHA DE INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES PÁGINA 4 DECLARAÇÃO

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

DEPARTAMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS Iran Siqueira Lima - Chefe. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

DEPARTAMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS Iran Siqueira Lima - Chefe. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CARTA-CIRCULAR N 626 Comunicamos a instituição do Capítulo 7 do Título 4 do Manual de Normas e Instruções (MNI), que consolida as disposições das Resoluções n 238, de 24.11.72, e 367, de 09.04.76, e das

Leia mais

Código NTD-00.056 Data da emissão 30.08.1991 Data da última revisão 29/06/2012. Folha 01 CEEE D SUMÁRIO

Código NTD-00.056 Data da emissão 30.08.1991 Data da última revisão 29/06/2012. Folha 01 CEEE D SUMÁRIO PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ELETRIFICAÇÃO DE EMPREENDIMENTO HABITACIONAL PARA FINS URBANOS E REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS EM ÁREAS URBANAS Código NTD-00.056 Data da emissão 30.08.1991

Leia mais

DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS.

DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS. DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS. Capa: Francisco Mesquita DA/CEPAT JUL/2012 Página 1 ÍNDICE Apresentação Pág. 03 Encaminhamento de ofício

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA PROJETO BÁSICO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA PROJETO BÁSICO ANEXO XII PROJETO BÁSICO 1) GENERALIDADES O presente Projeto Básico tem como objetivo estabelecer as normas e encargos que presidirão o desenvolvimento do trabalho de revisão/execução de aterramento e

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título COLOCAÇÃO DE FAIXAS NOS POSTES DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título COLOCAÇÃO DE FAIXAS NOS POSTES DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título COLOCAÇÃO DE FAIXAS NOS POSTES DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO Código NTD-00.057 Data da emissão 01.10.1983 Data da última revisão 30.11.2006 Folha 01 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA I. Aplicabilidade Estas Condições Gerais serão aplicáveis a todas as compras efetuadas pela Nefab e suas afiliadas (COMPRADOR) junto aos seus fornecedores (VENDEDOR). Desvios

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO - SEMURB DEPARTAMENTO DE CONTROLE URBANO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO - SEMURB DEPARTAMENTO DE CONTROLE URBANO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO - SEMURB DEPARTAMENTO DE CONTROLE URBANO Exmo Sr Prefeito Municipal Campinas REQUERIMENTO Publicida Decreto nº 15749 / 07 Venho requerer

Leia mais

Fundação Parque Tecnológico Itaipu FPTI Brasil Área de Ciência, Tecnologia e Inovação

Fundação Parque Tecnológico Itaipu FPTI Brasil Área de Ciência, Tecnologia e Inovação Processo FPTI-BR nº. 0049/2010 Edital FPTI-BR nº. 012/2010 Apoio à Participação em Eventos Técnico-Científicos A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, FPTI-BR, por meio de sua Área de Ciência, Tecnologia

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

ANEXO II. MINUTA DE CONTRATO Aquisição de Gêneros Alimentícios sem Licitação da Agricultura Familiar para Alimentação Escolar

ANEXO II. MINUTA DE CONTRATO Aquisição de Gêneros Alimentícios sem Licitação da Agricultura Familiar para Alimentação Escolar ANEXO II MINUTA DE CONTRATO Aquisição de Gêneros Alimentícios sem Licitação da Agricultura Familiar para Alimentação Escolar O MUNICÍPIO DE Caçapava do Sul, pessoa jurídica de direito público, inscrito

Leia mais

SEGURO CAMINHÃO IVECO PREÂMBULO

SEGURO CAMINHÃO IVECO PREÂMBULO SEGURO CAMINHÃO IVECO PREÂMBULO Termo de Participação via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual nº 28.397 / 21 de setembro

Leia mais

PROGRAMA DE FIDELIDADE CLUBE COLOMBO REGULAMENTO

PROGRAMA DE FIDELIDADE CLUBE COLOMBO REGULAMENTO Versão 1 (1128/02/2012) PROGRAMA DE FIDELIDADE CLUBE COLOMBO REGULAMENTO I DEFINIÇÕES 1.1. O Programa de Fidelidade do Colombo Park Shopping, doravante denominado simplesmente Programa de Fidelidade CLUBE

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL 17/12/2013 É preciso se atentar que a nova resolução aprovada pela ANEEL não apenas prorrogou o prazo limite

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES... 1 3. PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO... 2 3.1. FORNECEDORES

Leia mais

PORTARIA Nº 1386/2006 SMS.G. A SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe são legalmente conferidas,

PORTARIA Nº 1386/2006 SMS.G. A SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe são legalmente conferidas, PORTARIA Nº 1386/2006 SMS.G A SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe são legalmente conferidas, CONSIDERANDO a edição da Lei nº 14.084 de 27 de outubro de 2005 e do Decreto Municipal

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA.

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETO 3 2 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 3 3 PEDIDO DE COMPRA E AUTORIZAÇÃO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA 1. OBJETIVO O presente comunicado técnico tem como objetivo oferecer orientação aos projetistas

Leia mais

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO... 2 3. CONCEITOS... 2 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS... 3 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 3 6. PROCEDIMENTOS... 4 7. NATUREZA DAS ALTERAÇÕES... 7 8. ANEXOS... 7 Elaboração:

Leia mais

REGULAMENTO ENTREGA DE BRINDE EMPREENDIMENTO MIO RESIDENCIAL KIT DE COZINHA

REGULAMENTO ENTREGA DE BRINDE EMPREENDIMENTO MIO RESIDENCIAL KIT DE COZINHA REGULAMENTO ENTREGA DE BRINDE EMPREENDIMENTO MIO RESIDENCIAL KIT DE COZINHA 1) OBJETIVO 1.1. A Brookfield Rio de Janeiro Empreendimentos Imobiliários S/A, estabelece os termos e as condições para a entrega

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Esta ficha complementa o cadastro do cliente na Credit Suisse (Brasil) S.A. CTVM ( Credit Suisse ) com informações

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL RESOLUÇÃO - RE Nº 05, DE 24 DE AGOSTO DE 2000 (*) Padroniza documentos para processo de impugnações ao

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS

CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS A Supervisão de Suprimentos é a responsável pelo cadastramento dos fornecedores, bem como pela renovação cadastral

Leia mais

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA 1 PARCELAMENTO DE DÉBITO 1.1 No caso de titular da conta 1. Original e cópia do RG ou da Carteira de Habilitação;

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 61/2008 ESCLARECIMENTO 2

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 61/2008 ESCLARECIMENTO 2 MENSAGEM Assunto: Esclarecimento 2 Referência: Pregão Eletrônico n. 61/2008 Data: 17/12/2008 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de solução informatizada e integrada para o acompanhamento

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR. Setor de Suprimentos

MANUAL DO FORNECEDOR. Setor de Suprimentos MANUAL DO FORNECEDOR Setor de Suprimentos ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. LOCALIZAÇÃO... 3 3. POLÍTICA DA QUALIDADE ISO 9001/2008... 3 4. MISSÃO, VISÃO E VALORES... 4 4.1. MISSÃO... 4 4.2. VISÃO... 4 4.3.

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS FORNECEDOR: WORKSOFT INFORMÁTICA LTDA., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº. 08.707.221/0001-06, com sede

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE VEICULAÇÃO DE ANUNCIOS PUBLICITÁRIOS

TERMOS E CONDIÇÕES DE VEICULAÇÃO DE ANUNCIOS PUBLICITÁRIOS TERMOS E CONDIÇÕES DE VEICULAÇÃO DE ANUNCIOS PUBLICITÁRIOS 1. CONDIÇÕES 1.1. Rede Paraná Notícias Ltda(aRede) é proprietário de uma estrutura de serviços relacionados à Internet, os quais envolvem o fornecimento,

Leia mais

TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 769/CIENTEC/2013

TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 769/CIENTEC/2013 TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 769/CIENTEC/2013 1. DO TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 1.1 A Fundação de Ciência e Tecnologia, torna público o presente Termo de Dispensa de Licitação, autorizada no expediente

Leia mais