Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas"

Transcrição

1 Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Prof. Eduardo Matsudo PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NO SEB Santo André, 04 de maio de 2011

2 Mudanças no paradigma do Setor Elétrico : Reestruturação setorial Novos agentes e papéis Privatização pressão dos acionistas e aumento tarifário Internacionalização Governo regulador Alterações no contexto econômico e nos mecanismos financeiros riscos e incertezas Evolução tecnológica Preocupação ambiental Mercado crescente Investimentos direcionados e limitados 2

3 Antigo estilo fordista Novo estilo em tecnologia da informação e comunicação Intensivo em energia Intensivo em informação Padronizado Customizado Mix de produtos estáveis Rápidas mudanças no mix de produtos Planta e equipamentos dedicados de produção flexíveis Automação Systemation (1) Simples corporação Rede corporativa Estrutura hierárquica Estrutura horizontal Departamental Integrado Produto com serviço Produtos e serviços Centralização Distribuição Conhecimentos especializados Multi-disciplinariedade Controle, planejamento e produção governamental Informação, coordenação e regulação governamental (1) Refere-se a integração de escritórios e plantas, produção e marketing, comunicação próxima aos supridores, produtores, distribuidores e usuários. Fonte: baseado em PEREZ, 1990a e FREEMAN, 1990a. Apud LASTRES, p

4 Investimento tecnológico no setor energético: impactos no lado da oferta e da demanda Nas fontes de energia: preocupação ambiental e segurança na matriz energética Nas empresas: redução dos custos de produção e aumento da qualidade Empresas privadas resultados no curto prazo - o foco é aumentar a competitividade Papel do governo passa a ser o orientador e articulador (regulador) Criação de mecanismos - estímulos: financeiro, coordenação, cooperação e regulação Destaque centros de pesquisa: CEPEL Investimento Setor Elétrico (1%) 4

5 País/Empresa % das vendas ou receita Estados Unidos 0,30% Inglaterra 0,1 a 0,3% Holanda 0,6 a 0,7% Espanha 0,35% (estim.) Noruega 0,30% Kansai (Japão) 3,90% Tokio (Japão) 3,70% ENEL (Itália) 2,30% EDF (França) 2,20% Ontario Hydro (Canadá) 2,10% Hydro-Quebec (Canadá) 2,00% RWE (Alemanha) 1,00% Bonneville Power (EUA) 0,80% British Columbia (Canadá) 0,50% Fonte: adaptado de Dooley, Ribeiro (1994), citado em Soares (1997). Citados por ETIP-USAID,

6 Lei 8.987/95 Lei das Concessões Decreto 2.335/1997: P&D estimulado pela ANEEL Programa de Pesquisa e Desenvolvimento P&D do Setor Elétrico Lei n o 9.991/2000. Intervenção regulatória: promover o investimento em P&D As concessionárias e permissionárias de distribuição, geração e transmissão aplicação mínima percentual de sua receita operacional líquida. Isenção: geração exclusiva por pequenas centrais hidrelétricas (PCH's), biomassa, cogeração qualificada, usinas eólicas ou solares. 6

7 A ANEEL estabelece as diretrizes e orientações para a elaboração de projetos de P&D por meio do Manual de Programa de Pesquisa e Desenvolvimento do Setor de Energia Elétrica. Os programas de P&D no setor de energia elétrica possuem cronogramas e metas bem definidas. As pendências e/ou compensações financeiras provenientes de programas passados, por não cumprimento de investimentos mínimos obrigatórios, deverão ser acrescidas ou compensadas no próximo Programa Anual. 7

8 Lei 9.991/2000 MP 144/2003 (alterou artigos da 9.991/2000) Vigência: 24/07/2000 a 11/12/2003 Vigência: 11/12/2003 a 14/03/2004 Segmento P&D PEE FNDCT P&D PEE FNDCT MME D 0,25 0,50 0,25 0,125 0,50 0,25 0,125 G 0,50 0,50 0,25 0,50 0,25 T 0,50 0,50 0,25 0,50 0,25 Lei /2004 (alterou artigos da lei 9.991/2000) Vigência: 15/03/2004 a 31/12/2005 A partir de 1 /01/2006 Segmento P&D PEE FNDCT MME P&D PEE FNDCT MME D 0,20 0,50 0,20 0,10 0,30 0,25 0,30 0,15 G 0,40 0,40 0,20 0,40 0,40 0,20 T 0,40 0,40 0,20 0,40 0,40 0,20 Lei /2007 (alterou incisos I e III do art. 1º da 9.991/2000) Vigência: 28/03/2007 a 31/12/2010 A partir de 1º/01/2011 Segmento P&D PEE FNDCT MME P&D PEE FNDCT MME D 0,20 0,50 0,20 0,10 0,30 0,25 0,30 0,15 G 0,40 0,40 0,20 0,40 0,40 0,20 T 0,40 0,40 0,20 0,40 0,40 0,20 Lei /2010 (alterou incisos I e III e incluiu o inciso V no art. 1 da Lei 9.991/2000) Vigência: 21/01/2010 a 31/12/2015 A partir de 1 /01/2015 Segmento P&D PEE FNDCT MME P&D PEE FNDCT MME D 0,50 0,50 (*) 0,75 0,25 (*) G 0,40 0,40 0,20 0,40 0,40 0,20 T 0,40 0,40 0,20 0,40 0,40 0,20 (*) ao menos 60% destinados aos consumidores atendidos pela Tarifa Social 8

9 ANEEL P&D: Recursos financeiros: Distribuição = 51,8%, Geração = 37,7% e Transmissão = 10,5% 11,7% dos projetos foram fracassados Participação de 87 universidades, 54 centros de pesquisa, 260 empresas e 160 outras entidades 20,5% dos projetos resultantes são softwares e 20,2% são metodologias 15% na área de supervisão, controle e proteção dos sistemas elétrico e 12% na área de meio ambiente 9

10 Fonte: ANEEL, Citado por Gomes,

11 Manual do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica, aprovado pela Resolução Normativa nº 316, de 13 de maio de 2008 temas para investimento em P&D:. FA - Fontes alternativas de geração de energia elétrica. GT - Geração Termelétrica. GB - Gestão de Bacias e Reservatórios. MA - Meio Ambiente. SE - Segurança. EE - Eficiência Energética. PL - Planejamento de de Energia Elétrica. OP - Operação de de Energia Elétrica. SC - Supervisão, Controle e Proteção de de Energia Elétrica. QC - Qualidade e Confiabilidade dos Serviços de Energia Elétrica. MF - Medição, faturamento e combate a perdas comerciais. OU - Outro 11

12 Subtemas Prioritários: FA01 - Alternativas energéticas sustentáveis de atendimento a pequenos sistemas isolados. FA02 - Geração de energia a partir de resíduos sólidos urbanos. FA03 - Novos materiais e equipamentos para geração de energia por fontes alternativas. FA04 - Tecnologias para aproveitamento de novos combustíveis em plantas geradoras. GT01 - Avaliação de riscos e incertezas do fornecimento contínuo de gás natural para geração termelétrica. GT02 - Novas técnicas para eficientização e diminuição da emissão de poluentes de usinas termelétricas a combustível derivado de petróleo. GT03 - Otimização da geração de energia elétrica em plantas industriais: aumento de eficiência na cogeração. GT04 - Micro-sistemas de cogeração residenciais. GT05 - Técnicas para captura e seqüestro de carbono de termelétricas. GB01 - Emissões de gases de efeito estufa (GEE) em reservatórios de usinas hidrelétricas. GB02 - Efeitos de mudanças climáticas globais no regime hidrológico de bacias hidrográficas. GB03 - Integração e otimização do uso múltiplo de reservatórios hidrelétricos. GB04 - Gestão sócio-patrimonial de reservatórios de usinas hidrelétricas. GB05 - Gestão da segurança de barragens de usinas hidrelétricas. GB06 - Assoreamento de reservatórios formados por barragens de usinas hidrelétricas. 12

13 Subtemas Prioritários: MA01 - Impactos e restrições socioambientais de sistemas de energia elétrica. MA02 - Metodologias para mensuração econômico-financeira de externalidades em sistemas de energia elétrica. MA03 - Estudos de toxicidade relacionados à deterioração da qualidade da água em reservatórios. SE01 - Identificação e mitigação dos impactos de campos eletromagnéticos em organismos vivos. SE02 - Análise e mitigação de riscos de acidentes elétricos. SE03 - Novas tecnologias para equipamentos de proteção individual. SE04 - Novas tecnologias para inspeção e manutenção de sistemas elétricos. EE01 - Novas tecnologias para melhoria da eficiência energética. EE02 - Gerenciamento de carga pelo lado da demanda. EE03 - Definição de indicadores de eficiência energética. EE04 - Metodologias para avaliação de resultados de projetos de eficiência energética. PL01 - Planejamento integrado da expansão de sistemas elétricos. PL02 - Integração de centrais eólicas ao SIN. PL03 - Integração de geração distribuída a redes elétricas. PL04 - Metodologia de previsão de mercado para diferentes níveis temporais e estratégias de contratação. PL05 - Modelos hidrodinâmicos aplicados em reservatórios de usinas hidrelétricas. PL06 - Materiais supercondutores para transmissão de energia elétrica. PL07 - Tecnologias e sistemas de transmissão de energia em longas distâncias. 13

14 Subtemas Prioritários: OP01 - Ferramentas de apoio à operação de sistemas elétricos de potência em tempo real. OP02 - Critérios de gerenciamento de carga para diferentes níveis de hierarquia. OP03 - Estruturas, funções e regras de operação dos mercados de serviços ancilares. OP04 - Otimização estrutural e paramétrica da capacidade dos sistemas de distribuição. OP05 - Alocação de fontes de potência reativa em sistemas de distribuição. OP06 - Estudo, simulação e análise do desempenho de sistemas elétricos de potência. OP07 - Análise das grandes perturbações e impactos no planejamento, operação e controle. OP08 - Desenvolvimento de modelos para a otimização de despacho hidrotérmico. OP09 - Desenvolvimento e/ou aprimoramento dos modelos de previsão de chuva versus vazão. OP10 - de monitoramento da operação de usinas não-despachadas pelo ONS. SC01 - Implementação de sistemas de controle (robusto, adaptativo e inteligente). SC02 - Análise dinâmica de sistemas em tempo real. SC03 - Técnicas eficientes de restauração rápida de grandes centros de carga. SC04 - Desenvolvimento de técnicas para recomposição de sistemas elétricos. SC05 - Técnicas de inteligência artificial aplicadas ao controle, operação e proteção de sistemas elétricos. SC06 - Novas tecnologias para supervisão do fornecimento de energia elétrica. SC07 - Desenvolvimento e aplicação de sistemas de medição fasorial. SC08 - Análise de falhas em sistemas elétricos. SC09 - Compatibilidade eletromagnética em sistemas elétricos. SC10 - de aterramento. 14

15 Subtemas Prioritários: QC01 - e técnicas de monitoração e gerenciamento da qualidade da energia elétrica. QC02 - Modelagem e análise dos distúrbios associados à qualidade da energia elétrica. QC03 - Requisitos para conexão de cargas potencialmente perturbadoras no sistema elétrico. QC04 - Curvas de sensibilidade e de suportabilidade de equipamentos. QC05 - Impactos econômicos e aspectos contratuais da qualidade da energia elétrica. QC06 - Compensação financeira por violação de indicadores de qualidade. MF01 - Avaliação econômica para definição da perda mínima atingível. MF02 - Estimação, análise e redução de perdas técnicas em sistemas elétricos. MF03 - Desenvolvimento de tecnologias para combate à fraude e ao furto de energia elétrica. MF04 - Diagnóstico, prospecção e redução da vulnerabilidade de sistemas elétricos ao furto e à fraude. MF05 - Energia economizada e agregada ao mercado após regularização de fraudes. MF06 - Uso de indicadores socioeconômicos, dados fiscais e gastos com outros insumos. MF07 - Gerenciamento dos equipamentos de medição (qualidade e redução de falhas). MF08 - Impacto dos projetos de eficiência energética na redução de perdas comerciais. MF09 - centralizados de medição, controle e gerenciamento de energia em consumidores finais. MF10 - de tarifação e novas estruturas tarifárias. 15

16 ANEEL - P&D estratégico: Nº 001/2008: Modelo de Otimização do Despacho Hidrotérmico Nº 002/2008: Metodologia de Elaboração da Função de Custo do Déficit Nº 003/2008: Metodologia para Alocação dos Custos do Sistema de Transmissão Nº 004/2008: Ensaio de Transmissão de Energia em Linha de Pouco Mais de Meio Comprimento de Onda Nº 005/2008: Alternativas Não-Convencionais para Transmissão de Energia Elétrica em Longas Distâncias Nº 006/2008: Aplicações de Novas Tecnologias em de Transmissão Nº 007/2008: Metodologia para Determinação de Estratégia Ótima de Contratação do MUST Nº 008/2008: Metodologia para Estabelecimento de Estrutura Tarifária para o Serviço de Distribuição de Energia Elétrica Nº 009/2008: Monitoramento das Emissões de Gases de Efeito Estufa em Reservatórios de Usinas Hidrelétricas Nº 010/2008: Efeitos de Mudanças Climáticas no Regime Hidrológico de Bacias Hidrográficas e na Energia Assegurada de Aproveitamentos Hidrelétricos Nº 011/2010: Programa de Rede Elétrica Inteligente Nº 012/2010: Arranjos Técnicos e Comerciais para um Mercado Sulamericano de Energia Elétrica 16

17 Critérios de avaliação dos projetos submetidos: Originalidade: caráter inovador do projeto, enfatizando o avanço científico ou tecnológico agregado ao produto principal Aplicabilidade: âmbito e abrangência de aplicação do produto principal Relevância: impacto técnico-econômico, científico, sócioambiental (redução de custos, geração de receitas, melhoria da qualidade, capacitação profissional e tecnológica, produção científica, etc.) Razoabilidade dos custos: coerência e razoabilidade perante os resultados esperados 17

18 18

19 Fonte: Pompermayer,

20 ANEEL site. Referências bibliográficas Gomes, Rodolfo Dourado Maia. Pesquisa &Desenvolvimento de Interesse Público e as Reformas no Setor Elétrico. Campinas: Unicamp, Dissertação de mestrado. Lastres, Helena M.M. The innovation process and national systems of innovation. Chapter 2. In: The advanced materials revolution and the japanese system of innovation. St. Martin s Press. Pp.11 a 30. Nova Regulamentação dos Programas de Eficiência Energética - Filosofia, Desafios e Perspectivas. Pompermayer, Máximo Luiz. In: Workshop sobre a Nova Regulamentação dos Programas de P&D. Brasília: ANEEL, março de Recomendações para uma estratégia regulatória nacional de combate ao desperdício de eletricidade no Brasil. Projeto de Inovação de Tecnologia Energética (ETIP). USAID, Agosto/2000. Regulamentação do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica. Pompermayer, Máximo Luiz. In: Workshop sobre a Nova Regulamentação dos Programas de P&D. Brasília: ANEEL, março de Revista P&D. Brasília: ANEEL, novembro de N

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA O SETOR ELÉTRICO BAESA/ENERCAN INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS P&D

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA O SETOR ELÉTRICO BAESA/ENERCAN INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS P&D PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA O SETOR ELÉTRICO BAESA/ENERCAN INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS P&D Conforme a Lei 9.991/2000, as concessionárias de geração de energia elétrica

Leia mais

Plano Estratégico de Investimentos em Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento ANEEL (P&D) 2014-2018 TAESA TRANSMISSORA ALIANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

Plano Estratégico de Investimentos em Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento ANEEL (P&D) 2014-2018 TAESA TRANSMISSORA ALIANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. Plano Estratégico de Investimentos em Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento ANEEL (P&D) 2014-2018 e Instruções para Captação de Propostas de Projetos de P&D do Grupo TAESA Plano Estratégico de Investimentos

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013 CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013 As Empresas de Distribuição da Eletrobras, visando a implementação dos seus Programas de Pesquisa Científica

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2014/2015

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2014/2015 CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2014/2015 As Empresas de Distribuição da Eletrobras, visando à implementação dos seus Programas de Pesquisa Científica

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS Wilson Pereira BARBOSA Filho 1 (wilson.filho@meioambiente.mg.gov.br) Abílio César Soares de AZEVEDO 2 1 Mestre em Gestão Ambiental. Fundação Estadual do meio

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe 1 SUMÁRIO PROJETOS ESTRATÉGICOS... 3 Linha de Pesquisa 1... 5 Linha de Pesquisa 2... 6 Linha de Pesquisa 3... 7 Linha de Pesquisa 4... 8 PROJETOS PRÓPRIOS...

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014 DEZEMBRO 2014 Sumário Bandeiras Tarifárias... 2 O sistema hidrotérmico brasileiro... 2 A tarifa de energia no Brasil... 3 Por que bandeiras tarifárias?... 6 PERGUNTAS E RESPOSTAS... 7 1. Como funcionarão

Leia mais

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil.

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. Eficiência Energética e a Nova Regulamentação do PEE ANEEL O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo Trabalho de Avaliação Santo André, 30 de março de 2011 Trabalho de

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Lei no 8.987, de fevereiro de 1995, Art. 29. Incumbe ao poder concedente: Inciso X: estimular

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd

Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd Workshop P&D D302 Desenvolvimento de Sistema Computacional para Análise Sistemática de Geração Distribuída Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd Márcio Venício Pilar Alcântara Belo

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída CPFL Energia Crescimento sustentável Empresa centenária com atuação no setor elétrico, criada em 1912 Market cap de R$20 bilhões,

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANEEL NA ÁREA DE FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA E

ATUAÇÃO DA ANEEL NA ÁREA DE FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA E ATUAÇÃO DA ANEEL NA ÁREA DE FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Texto elaborado pela Superintendência de Estudos e Informações Hidrológicas da ANEEL para o Seminário Internacional sobre

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 Eng. João Marcos Castro Soares (Diretor de P&D) São Paulo, 29 de abril de 2015 REIVAX

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Alcides Codeceira Neto Terminal Marítimo de Passageiros Docas do Ceará

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1

Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1 Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1 O desenvolvimento do setor elétrico é essencial para promover crescimento do Brasil. Entretanto, a conjuntura atual do setor

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Gestão da Inovação - CEMIG Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Sustentabilidade Mineirão Solar Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

O QUE ESTÁ ACONTECENDO?

O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? MINHA CONTA AUMENTOU! Todos os anos ocorrem reajustes nas tarifas de energia elétrica. Esse aumento é autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL e no caso de Goiás

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

Recomendações para política de energia elétrica do Brasil

Recomendações para política de energia elétrica do Brasil Recomendações para política de energia elétrica do Brasil 1 Créditos Informação corporativa CEBDS - Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Brazilian Business Council for Sustainable

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 10 de fevereiro de 2015 Conjuntura hidrológica bastante adversa 2014 foi 10º ano mais seco da história (84 anos)

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

Um impulso à energia no Brasil

Um impulso à energia no Brasil Um impulso à energia no Brasil Aqui estão consolidados os debates do painel promovido pelo Banco Santander na Conferência Ethos 2015. O encontro discutiu os desafios e as perspectivas para a expansão da

Leia mais

Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016. Gerência de Tecnologia e Inovação

Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016. Gerência de Tecnologia e Inovação Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016 Gerência de Tecnologia e Inovação Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016 O que a Light pretende

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

Estudo de Caso da Iniciativa Metano Global: o Estado do Kentucky

Estudo de Caso da Iniciativa Metano Global: o Estado do Kentucky Estudo de Caso da Iniciativa Metano Global: o Estado do Kentucky JOHN A. ROGNESS III PH.D. DIRETOR, DIVISÃO DE ANÁLISE FINANCEIRA COMISSÃO DE SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO KENTUCKY 1 A Comissão de Serviço

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços Da ideia ao mercado Um caminho de percalços CONTEXTO REGULATÓRIO % da ROL a ser investido em P&D Investimento Recolhimento SEGMENTO P&D Light FNDCT MME Light SESA 0,2% 0,2% 0,1% Light Energia 0,4% 0,4%

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado pela ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - SPE Contexto Legal Origem - Lei #

Leia mais

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica PwC Energy Day 1º Seminário sobre aspectos de energia elétrica Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica Claudio J. D. Sales Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2011 O conteúdo deste relatório

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Cumprimento de metas de redução na emissão de gases de efeito estufa;

Cumprimento de metas de redução na emissão de gases de efeito estufa; Nota Técnica n 0043/2010-SRD/ANEEL Em 8 de setembro de 2010. Processo: 48500.004924/2010-51 Assunto: Proposta de abertura de Consulta Pública para o recebimento de contribuições visando reduzir as barreiras

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais