ANÁLISE DE INDICADORES DE MANUFATURA: A IMPLEMENTAÇÃO DO INDICADOR DE EFICIÊNCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO EM UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE INDICADORES DE MANUFATURA: A IMPLEMENTAÇÃO DO INDICADOR DE EFICIÊNCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO EM UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA"

Transcrição

1 JOSÉ LUIZ ALTELINO ANÁLISE DE INDICADORES DE MANUFATURA: A IMPLEMENTAÇÃO DO INDICADOR DE EFICIÊNCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO EM UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA Taubaté SP 2003

2 Altelin, Jsé Luiz Análise de Indicadres de Manufatura: A Implementaçã d Indicadr de Eficiência Glbal d Equipament em uma Empresa Autmbilística/ Jsé Luiz Altelin.- Taubaté: UNITAU, f. : il. Orientadr: Prf. Mestre Augustinh Ribeir da Silva C-rientadr: Prf. Dr. Antôni Paschal Del Arc Junir Mngrafia (MBA) Universidade de Taubaté, Departament de Ecnmia, Ciências Cntábeis e Administraçã, Administraçã da Prduçã 2. Indicadres de Manufatura 3. OEE 4. Manufatura Celular Mngrafia. I. Universidade de Taubaté. Departament de Ecnmia, Ciências Cntábeis e Administraçã. II. Títul.

3 JOSÉ LUIZ ALTELINO ANÁLISE DE INDICADORES DE MANUFATURA: A IMPLEMENTAÇÃO DO INDICADOR DE EFICIÊNCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO EM UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA Mngrafia apresentada para btençã d Certificad de Especializaçã pel Curs de Pós Graduaçã MBA em Gerência de Prduçã e Tecnlgia Departament de Ecnmia, Ciências Cntábeis, Administraçã e Secretariad da Universidade de Taubaté. Área de Cncentraçã: Prduçã Orientadr: Prf. Mestre Augustinh Ribeir da Silva C-rientadr: Prf. Dr. Antni Pascal Del' Arc Júnir Taubaté SP 2003

4 2 JOSÉ LUIZ ALTELINO ANÁLISE DE INDICADORES DE MANUFATURA: A IMPLEMENTAÇÃO DO INDICADOR DE EFICIÊNCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO EM UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Data: 13 / 09 / 2003 Resultad: Aprvad COMISSÃO JULGADORA Prf. Mestre Augustinh Ribeir da Silva Assinatura: Prf. Dr. Edsn Aparecida de Araúj Querid de Oliveira Assinatura: Prf. Dr. Antni Pascal Del Arc Junir Assinatura:

5 3 Dedic este trabalh à minha espsa, Maria Clara, pel api, incentiv, cmpanheirism e cmpreensã e em memória de meus pais.

6 4 AGRADECIMENTOS A Deus, pr me permitir vivenciar mments de engrandeciment pessal. A Prf. Paul Remi Guimarães Sants, pela cntribuiçã e incentiv na elabraçã desta mngrafia. A Prf. Mestre Augustinh Ribeir da Silva, pela rientaçã, dedicaçã e incentiv n desenvlviment desta mngrafia e à sua família pela cmpreensã e amizade. A Prf. Dr. Antni Pascal Del' Arc Júnir, pela rientaçã e auxíli na realizaçã desta mngrafia. A Prf. Dr. Edsn Aparecida Araúj Querid de Oliveira, pela rientaçã e auxíli na realizaçã desta mngrafia. A Sr. Antni Luis Gmes de Susa que rientu cm suas bservações e cnselhs, mstrand-me qual seria melhr caminh a tmar na realizaçã desta mngrafia. A Paul César, amig, que ajudu muitas vezes cedend seu cmputadr para digitaçã desta mngrafia. As amigs Eder Cassettari e Luis Mraes que me ajudaram cm suas rientações quant à bibligrafia a pesquisar. À empresa, que permitiu desenvlviment d trabalh, e as seus clabradres. A tds que direta u indiretamente cntribuíram para a realizaçã desta mngrafia.

7 5 SUMÁRIO Lista de figuras...7 Lista de siglas...8 Resum...9 Abstract Intrduçã Justificativa d trabalh Objetiv Imprtância d trabalh Delimitaçã d estud Tip de pesquisa Estrutura d trabalh Revisã Bibligráfica Administraçã da prdutividade Participaçã ds empregads nas tmadas de decisã Sistema de Prduçã da Indústria Autmbilística Intrduçã Evluçã Histórica da Frd Mtr Cmpany Evluçã Histórica da Tyta Mtr Cmpany Sistema de Prduçã Frd As fases de implementaçã As ferramentas de implementaçã Os indicadres O prcess de avaliaçã Sistema de Prduçã Tyta As ferramentas e técnicas Cnsiderações d Sistema de Prduçã Tyta Indicadres d Sistema de Prduçã Frd FTTC First Time Thrugh Capacity (Capacidade de fazer cert da primeira vez)...56

8 6 4.2 BTS - Build t Schedule (Atendiment d prgrama de prduçã) DTD - Dck t Dck (Temp de dca a dca) OEE - Overall Equipment Effectiveness (Efetividade glbal d equipament) Implementaçã e análise d indicadr OEE.. Overall Equipment Effectiveness Implementaçã d indicadr OEE - Overall Equipment Effectiveness Análise da aplicaçã d indicadr OEE - Overall Equipment Effectiveness Cnsiderações Cnclusã Sugestões para trabalhs futurs Referências bibligráficas...77

9 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Diferenças entre empresas industriais e de serviçs...15 Figura 2 - Mdel de sistema de prduçã...16 Figura 3 - Representaçã clássica de um sistema de prduçã...17 Figura 4 - Mdel de reaçã em cadeia de Deming...19 Figura 5 - Imprtantes cntribuições para abrdagem científica...21 Figura 6 - Imprtantes cntribuições para abrdagem cmprtamental...22 Figura 7 - Resultads psitivs e negativs de stress...24 Figura 8 - Três fatres determinantes da mtivaçã...25 Figura 9 - A pirâmide de necessidades de Maslw e suas implicações...26 Figura 10 - Mdel d Sistema de Prduçã Frd...37 Figura 11 - Fc n cnsumidr...38 Figura 12 - A imprtância das pessas n sistema...39 Figura 13 - A imprtância d sistema de manutençã...40 Figura 14 - O cntrle da prduçã...40 Figura 15 - Dads para cálcul d BTS - "Build t Schedule"...59 Figura 16 - Planilha gerada eletrnicamente - BTS - "Build t Schedule"...66 Figura 17 - Relaçã das perdas cm temp...67 Figura 18 - Exempl d frmulári diári de brd d OEE...68 Figura 19 - Planilha para cálcul manual d OEE...69 Figura 20 - Planilha eletrônica d OEE - Históric das perdas d OEE...70 Figura 21 - Planilha eletrônica d OEE - Overall Equipment Effectiveness...71 Figura 22 - Fatres que influenciam na análise d Indicadr OEE Overall Equipment Effectiveness...73

10 8 LISTA DE SIGLAS BTS - Build T Schedule (Atendiment d prgrama de prduçã) DTD - Dck T Dck (Temp de dca a dca) FPS - Frd Prductin System (Sistema de Prduçã Frd) FTPM - Frd Ttal Prductive Maintenance (Manutençã prdutiva ttal da Frd) FTTC - First Time Thrugh Capacity (Capacidade de fazer cert da primeira vez) ISPC - Inspectin Statin f Prcess Cntrl (Cntrle de prcess na estaçã de trabalh) JIT - Just-In-Time (N temp cert) MTBF - Mean Time Between Failure (Temp médi entre as falhas) MTTR - Mean Time T Repair (Temp médi para repar) OEE - Overall Equipment Effectiveness (Efetividade glbal d equipament) OTED - One Tuch Exchange f Dies (Mudança de prcess sem alterações de ferramental) SHARP - Safety and Health Assessment Review Prcess (Prcess de avaliaçã de saúde e segurança) T I M - Time Integrad de Manufatura TPM - Ttal Prductive Maintenance (Manutençã prdutiva ttal) TPS - Tyta Prductin System (Sistema de Prduçã Tyta) WERS - Wrldwide Engineering Release System (Sistema mundial de liberaçã de engenharia)

11 9 ALTELINO, Jsé Luiz. Análise de Indicadres de Manufatura: A Implementaçã d Indicadr de Eficiência Glbal d Equipament em uma Empresa Autmbilística. Taubaté, p. 78 Mngrafia (Especializaçã pel Curs de Pós Graduaçã MBA em Gerência de Prduçã e Tecnlgia) Departament de Ecnmia, Ciências Cntábeis, Administraçã e Secretariad da Universidade de Taubaté. RESUMO As cndições de um mercad altamente cmpetitiv e glbalizad exigem das empresas uma grande flexibilidade, tant ns seus prcesss prdutivs, quant ns seus prcesss administrativs. A prcura incessante pr melhres métds de trabalh e prcesss de prduçã cm bjetiv de se bter melhria de prdutividade cm menr cust, prduts cm preç menr, agregad a uma melhr qualidade, faz cm que um gerente de prduçã necessite de indicadres cnfiáveis para que suas ações pssam atender s bjetivs apresentads pela empresa. Send assim, esta mngrafia tem cm bjetiv analisar a implementaçã de um ds indicadres que suprtam a tmada de decisã n Sistema de Prduçã Frd, OEE - Overall Equipment Effectiveness, u seja, eficiência glbal d equipament, descrevend sua imprtância para s times integrads de manufatura e cm se realiza a análise deste indicadr dentr ds times integrads de manufatura. Além diss, será feita uma pequena abrdagem de mais alguns indicadres tais cm: FTTC - First Time Thrugh Capacity, DTD - Dck T Dck e BTS - Built T Schedule e que a cmbinaçã destes indicadres cm OEE - Overall Equipment Effectiveness favrece gerenciament e as tmadas de decisões n sistema prdutiv. Desta maneira, este estud mstra uma implementaçã d OEE para s prcesss prdutivs e exemplifica que, após uma implantaçã, a disciplina na cleta ds dads e nas reuniões para análises das infrmações faz cm que a equipe de trabalh prmva seu cresciment buscand uma mair prdutividade, uma reduçã ds custs peracinais, uma melhr qualidade para seus prduts, frtalecend, desta maneira, um prcess prdutiv previsível e, cnseqüentemente, prjete uma melhr sustentabilidade para que a empresa suprte a cmpetitividade d mercad intern e extern. Palavras-chave: Administraçã da prduçã, Indicadres de manufatura, OEE, JIT, Manufatura celular.

12 10 ALTELINO, Jsé Luiz. Manufacturing Indicatrs Analysis: The Implementatin Overall Equipment Effectiveness Indicatr in an Autmbile Cmpany. Taubaté, p. 78 Mngraph (Specializatin Curse f Pst Graduatin MBA in Management f Prductin and Technlgy) - Department f Ecnmy, Accunting and Business Management, University f Taubaté, Taubaté, Sã Paul State, Brazil. ABSTRAT The cnditins fr a highly cmpetitive and glbal market demand great cmpany flexibility, bth in its prductive, as in its administrative prcesses. The incessant search fr better wrk methds and prductin prcesses with the bjective f btaining prductivity imprvement with the smallest cst, prducts with smallest price, aggregate t a better quality, it makes with that a prductin manager needs reliable indicatrs s that his actins can met the bjectives established by the cmpany. This way, this mngraph have the bjective analyzing the implementatin ne f the Indicatrs manufacturing that supprt the decisins int Frd Prductin System, the OEE - Overall Equipment Effectiveness, describing its imprtance t the integrated manufacturing teams and hw the analyse f this indicatr is dne inside these integrated manufacturing teams. Furthermre, a little barding f mre else manufacturing Indicatrs will be dne: FTTC - First Time Thrugh Capacity, DTD - Dck T Dck and BTS - Built T Schedule, and the cmbinatin these indicatrs with the OEE - Overall Equipment Effectiveness prmtes the managing and supprts the decisin in the prductive prcess. Finally, this study t shw an implementatin f OEE - "Overall Equipment Effectiveness" fr the prcesses and t give an example that, after an implantatin, the discipline t cllect the data and meetings fr analyse, makes wrk team prmtes its grwth, lking fr a larger prductivity, a reductin f the peratinal csts, prmtes a better quality fr the prducts, strengthening a previsible prductive prcess and cnsequently, prjects a better sustainability fr the cmpany t supprt the cmpetitiveness in the internal and external market. Key Wrds: Administratin f the prductin, manufacture Indicatrs, OEE, JIT, Manufactures cellular

13 11 1. INTRODUÇÃO 1.1 Justificativa d trabalh Ns dias atuais trna-se necessári saber qual a tendência de uma linha de prduçã em relaçã a sua eficiência, seja ela prduzind smente um tip de prdut u prduzind váris mdels de prdut. Para tant devems ter indicadres cnfiáveis que pssam dar infrmações crretas e que estas, bem aplicadas pr um gerente de prduçã, farã cm que prcess tenha ganhs na qualidade, diminuiçã de custs e melhrias nas relações humanas das pessas que clabram neste prcess prdutiv. Smente cm dads cnfiáveis pderã ser geradas ações que irã refletir na reduçã ds desperdícis d sistema prdutiv. Dentr deste sistema prdutiv existem inúmers fatres que influenciam n sucess e n ganh de prdutividade. Neste trabalh será dada ênfase n que se pde realizar de diferente n prcess prdutiv, cm reduçã ds custs através de melhrias ds equipaments, melhrias de qualidade, melhr temp de atendiment ds prgramas de prduçã e temp desta cadeia de valres. Sabe-se que imprtante é ter indicadres previsíveis e rbusts na tmada de decisã, para melhrar desempenh u para bter s resultads cnfrme planejad, atingind assim s bjetivs pré-estabelecids. Neste mund glbalizad, mudanças rápidas estã crrend a cada instante em tdas as áreas d cnheciment human, principalmente nas ecnômica e scial, fazend cm que seja necessári que as empresas repensem suas frmas de administraçã. O planejament de rçaments anuais em paralel cm um planejament estratégic (de frma que se cnsiga prever as cndições de mercad que irã enfrentar n futur) é uma das cndições básicas para se manter cmpetitiv. Para tant, faz-se necessári saber qual a tendência de uma linha de prduçã para que sejam tmadas ações crretas, as quais vã gerar aument de prdutividade, ganhs de qualidade, diminuiçã ns custs peracinais e melhrias nas relações humanas, (inclusive melhrias na capacitaçã da mã-de-bra).

14 Objetiv Esta mngrafia tem cm bjetiv analisar a implementaçã de um ds indicadres que suprtam a tmada de decisã n Sistema de Prduçã Frd, OEE - Overall Equipment Effectiveness, u seja, eficiência glbal d equipament, descrevend sua imprtância para s times integrads de manufatura e cm se realiza a análise deste indicadr dentr ds times integrads de manufatura. O OEE - Overall Equipment Effectiveness é frmad pel índice de dispnibilidade, índice de eficiência e índice de qualidade; a multiplicaçã destes índices resulta n indicadr OEE - Overall Equipment Effectiveness, u seja, quant mais próxim de 100%, melhr será a eficiência glbal deste equipament que está send analisad. Vist que índice de dispnibilidade define quant seu maquinári é rbust e previsível, ele dará cmparativ da quantidade de peças que fi prjetada e quant realmente este equipament está prduzind, cm a finalidade de frnecer infrmações para que se pssam tmar ações de melhrias de aument de capacidade, quand nvs negócis necessitam de mair demanda u quand, para balanceament d prcess, necessita-se quebrar gargals, niveland assim a demanda. Além diss, será feita uma pequena abrdagem de mais alguns indicadres tais cm: FTTC - First Time Thrugh Capacity (Capacidade de prduzir cert da primeira vez), DTD Dck T Dck (Temp de dca a dca, u seja, temp decrrid entre recebiment da matéria-prima até a expediçã ds prduts acabads) e BTS Built T Schedule (Atendiment d prgrama de prduçã, u seja, capacidade de prduzir cnfrme prgrama de prduçã). A cmbinaçã destes indicadres cm OEE - Overall Equipment Effectiveness (Eficiência glbal d equipament) favrece as tmadas de decisões n sistema prdutiv. 1.3 Imprtância d trabalh As atividades de prduçã cnstituem a base d sistema ecnômic de uma naçã, uma vez que ela é respnsável direta pela transfrmaçã ds recurss humans, de capital e de materiais em bens e serviçs de mair valr. A administraçã da prduçã é uma tarefa de extrema imprtância para mei sóci-ecnômic, pis é através de seu sucess que bens e serviçs chegarã a cnsumidr e que, em cnseqüência, retrnarã à empresa cm capital.

15 13 A administraçã da prduçã é a atividade pela qual s recurss, fluind dentr de um sistema definid, sã reunids e transfrmads de uma frma cntrlada, a fim de agregar valr de acrd cm s bjetivs empresariais. Para tant, um gerente de prduçã é respnsável pel planejament, rganizaçã e cntrle das atividades de transfrmaçã. 1.4 Delimitaçã d estud Devid às inúmeras variáveis que envlvem indicadr OEE - Overall Equipment Effectiveness, a revisã bibligráfica realizu-se abrdand a administraçã de prduçã e perações, vist que a prdutividade está diretamente ligada a índice de dispnibilidade, qual é um ds índices que cmpõem este indicadr. Realizu-se a revisã sbre sua base histórica e a imprtância d indivídu na administraçã da prdutividade. Este estud também mstra a necessidade de se ter cntrle da prduçã para assegurar atendiment ds pedids na data prevista e em menr cust. 1.5 Tip de pesquisa As atividades de transfrmaçã pdem ser divididas em três partes para fins didátics. A primeira englba prjet d prdut e planejament d prcess; a segunda apresenta planejament e cntrle da prduçã; e a terceira, a manutençã. Esta pesquisa se prpõe a estudar a que se refere a segunda parte das atividades de transfrmaçã, planejament e cntrle da prduçã. 1.6 Estrutura d trabalh Esta pesquisa será dividida em capítuls, send segund capítul a apresentaçã da abrdagem teórica e uma revisã bibligráfica da administraçã da prduçã e perações. O terceir capítul apresenta a evluçã histórica das mntadras Frd Mtr Cmpany e Tyta Mtr Cmpany.

16 14 O quart capítul apresenta s indicadres de manufatura FTTC, BTS e DTD e OEE delineand critéris para aplicaçã e exempls de cálcul de sua aplicabilidade. O quint capítul apresenta s elements que cmpõem indicadr OEE - Overall Equipment Effectiveness cm seus respectivs frmuláris usads n sistema prdutiv de uma indústria autmbilística e a metdlgia de aplicaçã deste indicadr n time integrad de manufatura. O sext capítul apresenta as cnclusões a que a pesquisa chegu e as sugestões para trabalhs futurs. E, pr fim, sétim capítul traz as referências bibligráficas utilizadas n decrrer desta mngrafia.

17 15 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A administraçã da prduçã_ embra cnfundida cm uma atividade fabril, ist é, um lcal de máquinas, nde prduts estã send manufaturads, pessas se deslcand de um lugar para utr, de uma atividade para utra_ cmpõese de atividades industriais e serviçs, nde a atividade industrial gera um prdut físic, tangível cm, pr exempl, um veícul e seus cmpnentes, um eletrdméstic. Uma atividade de serviç gera uma açã cm, pr exempl, suprte gerencial para sluçã de um prblema de qualidade u a assistência técnica para instalaçã de uma nva máquina. Verifica-se que pde haver smente atividades de serviçs, ist é, empresas de serviçs, cm exempl uma empresa de cnsultria. Pr utr lad, para que prduts e serviçs sejam ferecids a cliente, a cnsumidr, as atividades crrespndentes devem ser planejadas, rganizadas e cntrladas, cnfrme Mreira (1998, pg. 3): A administraçã de prduçã e perações é camp de estud ds cnceits e técnicas aplicáveis à tmada de decisões na funçã de prduçã (empresas industriais) u perações (empresas de serviçs). Ist justifica pr que assunts tã diferentes naquil que clcam à dispsiçã ds clientes pssam ser estudads em cnjunt. Cnfrme Figura 1, sã mstradas as diferenças entre empresas industriais e de serviçs, vist que muitas empresas cnstituem suas atividades cm industriais e de serviçs. Características Indústrias Serviçs Prdut Físic Intangível Estques Cmum Impssível Padrnizaçã ds insums Cmum Difícil Influência da mã-de-bra Média/Pequena Grande Padrnizaçã ds prduts Cmum Difícil Figura 1 Diferenças entre empresas industriais e de serviçs Fnte: Mreira (1998, p. 3)

18 16 A administraçã da prduçã e perações (APO) é a administraçã d sistema de prduçã de uma rganizaçã, que transfrma s insums ns prduts e serviçs da rganizaçã, (GAITHER e FRAZIER, 2001, p.5). Segund Gaither e Frazier (2001, p ), um sistema de prduçã é frmad pr insums (materiais, pessal, capital, serviçs públics e infrmaçã), pr um sistema de transfrmaçã e pr prduts. Este sistema recebe tais insums, mdificand-s num subsistema de transfrmaçã para prduts e serviçs desejads, vist que parte da parcela d prdut é mnitrada pr um subsistema de cntrle que visa frnecer infrmaçã de feed back as gerentes. Quand este prdut nã atende as terms de qualidade, cust e quantidade, nã pdem ser tmadas ações crretivas n sistema, cm se pde bservar na Figura 2 deste mdel de sistema de prduçã. Entradas Subsistema de transfrmaçã Saídas Externas Legais/Plíticas Sciais Ecnômicas Tecnlógicas Mercad Cncrrência Infrmaçã sbre prdut Desejs d cliente Recurss primáris Materiais e supriments Pessal Capital e bens de capital Serviçs públics Físic (manufatura, mineraçã) Serviçs de lcaçã (transprtes) Serviçs de trca (venda a varej/venda pr atacad) Serviçs de armazenament (armazéns) Outrs serviçs privads (segurs, finanças, imbiliáris,de pessal,etc) Serviçs gvernamentais (municipal, estadual, federal) Saídas Diretas Prduts Serviçs Saídas indiretas Impsts Remunerações e saláris Desenvlviments tecnlógics Impact Ambiental Impact sbre empregad Impact sbre a sciedade Infrmaçã de feed back Subsistema de cntrle Figura 2 Mdel de sistema de prduçã Fnte: Gaither e Frazier (2001, p. 15)

19 17 Segund Martins e Laugeni (1999, p.1), a funçã prduçã, entendida cm cnjunt de atividades que levam à transfrmaçã de um bem tangível em utr cm mair utilidade, acmpanha hmem desde sua rigem. Quand plia a pedra a fim de transfrmá-la em utensíli mais eficaz, hmem pré-históric estava executand uma atividade de prduçã. Nesse primeir estági, as ferramentas e s utensílis eram utilizads exclusivamente pr quem s prduzia, u seja, inexistia cmérci, mesm que de trca u escamb. O sistema de prduçã é um ente abstrat, que indica cnjunt de atividades e perações inter-relacinadas, necessárias à prduçã de bens u serviçs. N sistema de prduçã, distinguem-se s insums (matérias-primas, pessal, máquinas, capital, knw-hw, etc.), sistema de cnversã, as saídas (prduts e/u serviçs) e subsistema de cntrle, cuja funçã é mnitrar s utrs elements d sistema de prduçã, (MOREIRA, 1998, p. 20). Cnfrme Martins e Laugeni (1999, p. 371), cnjunt de tds s recurss necessáris, tais cm instalações, capital, mã-de-bra, tecnlgia, energia elétrica, infrmações e utrs, sã s inputs que serã transfrmads em utputs, u seja, prduts manufaturads, serviçs prestads e infrmações frnecidas pelas funções de transfrmaçã, cm decisões, prcesss, regras heurísticas, algritms matemátics, mdels de simulaçã, julgament human e utras, cm se pde bservar na Figura 3, uma representaçã clássica de um sistema de prduçã. Empresa A m b i e n t e Mã-de-bra Capital Energia Outrs insums I n p u t s Funções de transfrmaçã O u t p u t s Prduts Serviçs A m b i e n t e Frnteira d sistema Figura 3 - Representaçã clássica de um sistema de prduçã Fnte: Martins e Laugeni (1999, p. 371) Prtant, quant melhr a administraçã d sistema de prduçã de uma rganizaçã, tant melhr será esta empresa frente a mercad cmpetitiv glbal.

20 Administraçã da Prdutividade A empresa deve evidenciar cm estã send gerenciads seus recurss e, para tant, sua prdutividade pde ser expressa de várias maneiras, dependend de quem a esteja definind. O term prdutividade fi utilizad pela primeira vez pel ecnmista francês Quesnay, em 1766, e, em 1883, ecnmista Littre, também francês, definiu term cm sentid de capacidade de prduzir, (MARTINS e LAUGENI,1999, p.373). Entretant é necessári que administradres e gerentes tenham nções e saibam definir a palavra prdutividade, u seja, a prdutividade refere-se a mair u menr aprveitament ds recurss nesse prcess de prduçã nde insums sã cmbinads para frnecer uma saída, ist é, diz respeit a quant se pde prduzir partind de uma certa quantidade de recurss. Desta maneira, um cresciment da prdutividade implica em um melhr aprveitament ds empregads, das máquinas, da energia, ds cmbustíveis cnsumids, da matéria-prima, entre utrs. Segund Megginsn, Msley e Pietri Jr. (1998, p.534), prdutividade é a quantidade de bens u serviçs prduzids pr um empregad em determinad períd de temp, levand-se em cnsideraçã a qualidade. Pde-se simplificar a prdutividade cm send um índice btid pela relaçã entre que fi prduzid e ttal ds recurss gasts nesta prduçã. Assim send, pde-se ter a seguinte relaçã: (1) Prduzid Prdutividade Recurss Analisand cada um ds elements desta relaçã, verifica-se tda a eficácia d gerenciament adtad na empresa. O numeradr reflete as cnseqüências de um planejament, quantidades, qualidade d prdut, da prgramaçã da prduçã, ds estques, da relaçã cm mercad frnecedr, da manutençã ds equipaments, etc. O denminadr reflete s resultads da frma cm tds s recurss fram cnsumids, pdend-se incluir também neste denminadr s valres crrespndentes as recurss humans, percebend-se assim a influência d desempenh ds recurss humans sbre a prdutividade. Cm cresciment da prdutividade, diminuem s custs de prduçã u ds serviçs prestads e, cnseqüentemente, a empresa pderá ferecer a mercad

21 19 prduts cm preç menr, agregad a uma melhr qualidade, melhrand assim sua cndiçã de cmpetitividade, aumentand sua participaçã n mercad e seu lucr. Send assim, gerentes e supervisres, em qualquer nível da rganizaçã, devem ter cm priridade aument da prdutividade, disseminand tais cnheciments pr tda a fábrica, pis é através desde aument que se btêm cndições para a reduçã ds preçs, aument ds lucrs e segurança n trabalh. Para a btençã de aument da prdutividade, requerem-se mudanças na tecnlgia, na qualidade e na frma de rganizaçã de trabalh, u em tdas em cnjunt. Para tant, cnfrme Megginsn, Msley e Pietri Jr. (1998, p.534), pde-se dizer que de nada valeria aument da prdutividade se a melhria da qualidade nã acmpanhasse tal resultad, pis, cm certeza uma melhr qualidade refletirá num aument de prdutividade cm se pde bservar na Figura 4. Melhr qualidade Os custs diminuem pr causa de mens repetiçã, mens errs, mens demras e melhr us de temp e materiais A prdutividade melhra Atinge mercad cm melhr qualidade e menr preç Prprcina empreg, empreg e mais empreg Mantém-se ns negócis Figura 4 Mdel de reaçã em cadeia de Deming Fnte: Megginsn, Msley e Pietri Jr. (1998, p. 534) Cm aument d lucr, a empresa terá melhres cndições de investir em seu cresciment, melhrar sua participaçã frente às necessidades da sciedade em que ela está integrada e, cnseqüentemente, ist melhrará as cndições de trabalh e s benefícis para seus empregads, (MOREIRA, 1998, p ). Cm surgiment ds trabalhs de Frederick W. Taylr, n fim d sécul XIX, ns Estads Unids, iniciu-se a sistematizaçã d cnceit de prdutividade, que, n tcante, fi uma abrdagem sistemática para melhrar a eficiência d trabalhadr, melhrand as cndições de trabalh, aumentand a prduçã e, cnseqüentemente, prpiciand melhres saláris.

22 20 A prcura incessante pr melhres métds de trabalh e prcesss de prduçã tinha cm bjetiv bter melhria da prdutividade cm menr cust pssível. Essa prcura ainda hje é tema central em tdas as empresas, mudandse apenas as técnicas utilizadas. A análise da relaçã entre utput _ u, em utrs terms, uma medida quantitativa d que fi prduzid, cm quantidade u valr das receitas prvenientes da venda ds prduts u serviçs finais_ e input _ u, em utrs terms, uma medida quantitativa ds cnsums, cm quantidade u valr das matérias-primas, mã-de-bra, energia elétrica, capital, instalações prediais, etc_ ns permite quantificar a prdutividade, que sempre fi grande indicadr d sucess u fracass das empresas. À medida que crescem as vantagens cmpetitivas de uma empresa, aumenta sua parcela d mercad. Assim, em uma situaçã nrmal de mercad ligplista, uma empresa só sbrevive enquant mantém alguma vantagem cmpetitiva sbre seus cncrrentes. Quant mais vantagens dispõem, tant melhr, (MARTINS e LAUGENI, 1999, pág.9). Cnfrme Gaither e Frazier (2001, p.11), entre as duas grandes guerras, entretant, cmeçu a surgir ns Estads Unids uma filsfia entre s gerentes segund a qual s trabalhadres eram seres humans e deviam ser tratads cm dignidade n trabalh. Esta filsfia mstru pela primeira vez que s fatres humans afetavam a prdutividade. N entant, Megginsn, Msley e Pietri Jr. (1998, p.60) cnsideram que empregad desta épca havia de ter uma bediência incntestável, pis s administradres cnsideravam ist cm um us válid da autridade. Pde-se verificar que a filsfia da administraçã e a prática resultante ds cnceits estejam se desenvlvend durante séculs, mas para tant a principal respnsabilidade d administradr é planejar, dirigir e cntrlar s ats ds subrdinads, para bter deles mais eficiência. Segund Gaither e Frazier (2001, p.12), depis da Segunda Grande Mundial s pesquisadres das perações militares e suas abrdagens encntraram seu caminh de vlta para as universidades, indústrias, agências gvernamentais e firmas de cnsultria. Cnfrme Figura 5, sã apresentads s principais persnagens na abrdagem da administraçã científica e suas cntribuições para melhrar a administraçã de prduçã.

23 21 Persnagem Cntribuiçã Henri Fayl ( ) Desenvlveu as funções universais da administraçã. Desenvlveu s princípis universais da administraçã. Frederick Winslw Taylr ( ) Princípis da administraçã científica. Princípi da exceçã. Estud de temp e mviments. Análise de métds, padrões, planejament e cntrle. Prgrama de incentiv a trabalhadr. Filsfia da participaçã ns lucrs pel aument da prdutividade. Carl G. Barth ( ) Desenvlveu a régua de cálcul. Henry L. Gantt ( ) Desenvlveu s métds de prgramaçã da prduçã, usu métds gráfics e criu gráfic de Gantt. Sistemas de pagament pr incentiv. Abrdagem humanística a trabalhadr e treinament. Henry Frd ( ) Expandiu a prduçã em massa e a linha de mntagem. Frank B. Gilbreth ( ) Expandiu s princípis d estud de temps e mviments. Cntrats de cnstruçã, cnsultria e therbligs. Mrris L. Cke ( ) Aplicaçã da administraçã científica à educaçã e a gvern Lillian M. Gilbreth ( ) Pineira da seleçã, clcaçã e treinament pessal. Estuds da fadiga, ergnmia. Harringtn Emersn ( ) Princípis da eficiência, ecnmia de milhões de dólares em ferrvias. Métds de cntrle. Figura 5 - Imprtantes cntribuições para abrdagem científica Fnte: Megginsn, Msley e Pietri Jr. (1998, p ), Gaither e Frazier (2001, p. 8-11), Chiavenat (2000, p )

24 Participaçã ds empregads nas tmadas de decisã Visualizand que cmprtament human influência diretamente ns resultads da prdutividade, faz-se necessári uma revisã sbre a abrdagem cmprtamental, também denminada rgânica u humanística, a qual tentu preencher as lacunas da abrdagem científica, nde fram descberts nvs fatres que afetavam a prdutividade e mral ds empregads cntribuind para identificar, islar e revelar a imprtância ds fatres humans e sciais n relacinament rganizacinal. Cnfrme a Figura 6, sã apresentads s principais persnagens na abrdagem da administraçã cmprtamental e suas cntribuições para melhrar a administraçã de prduçã e perações. Persnagem Cntribuiçã Rbert Owen ( ) Hug Munsterberg ( ) Respnsabilidade scial, eliminar as influências de um ambiente hstil. Pai da administraçã pessal. Ênfase à necessidade de se estudar cmprtament human, além d estud da administraçã científica. Max Weber ( ) Mary Parker Flter ( ) Chester Barnard ( ) Teria da burcracia na administraçã. Desenvlviment da Lei da Situaçã (análise de cm lidar cm cnflit). Cnceit de integraçã na resluçã de cnflit. Ênfase na rganizaçã cm sistema. Desenvlviment da teria da aceitaçã da autridade. Gerge Eltn May ( ) Oliver Sheldn ( ) Mviment das relações humanas. Ênfase na imprtância d element human para aumentar a prdutividade. Filsfia da respnsabilidade scial. Nçã que uma empresa tem alma. Figura 6 Imprtantes cntribuições para abrdagem cmprtamental Fnte: Megginsn, Msley e Pietri Jr. (1998, p ), Gaither e Frazier (2001, p. 11), Chiavenat (2000, p )

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL Prf. Glauce Almeida Figueira EMENTA AULA TÓPICOS 31/08 Intrduçã a Cntabilidade de Custs ; Terminlgia Cntábil; Tips de Custei;

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ceres Grehs Beck Universidade Federal d Ri Grande d Sul UFRGS. Escla de Administraçã - Rua Washingtn Luís, 855 - Prt Alegre - RS CEP 90.010-460

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

AUMENTO DE PRODUTIVIDADE NAS INDÚSTRIAS CINCO TÉCNICAS INOVADORAS Por José Armando Jeronymo em fevereiro de 2011

AUMENTO DE PRODUTIVIDADE NAS INDÚSTRIAS CINCO TÉCNICAS INOVADORAS Por José Armando Jeronymo em fevereiro de 2011 AUMENTO DE PRODUTIVIDADE NAS INDÚSTRIAS CINCO TÉCNICAS INOVADORAS Pr Jsé Armand Jernym em fevereir de 2011 Em um mercad cmpetitiv, sbrevivem as empresas que cnseguem vender seus prduts cm a mair margem

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões Artig 13 Cm mntar um Lava Jat para Caminhões O lava jat para caminhões tem cm diferencial atender veículs grandes e mercad específic, pis já está estabelecid nich de mercad. O sucess para este empreendiment

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa Serviçs Cnsultria Treinament Lgís5ca Reversa Cnsul'ng Prjets de Supply Chain Implementaçã de Sistemas Lgís5cs Diagnós5c Operacinal Oprtunidades de Reduçã de Cust Reestruturaçã de Operações Lgís5ca Internacinal

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística A Imprtância de Sistemas de Infrmaçã para a Cmpetitividade Lgística Paul Nazári 1. Intrduçã O avanç da tecnlgia de infrmaçã (TI) ns últims ans vem permitind às empresas executarem perações que antes eram

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial;

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial; CURSO: ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE: 5 DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE CARGA HORARIA: 80 HORAS / AULAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ementári: Nções de sistemas de infrmaçã e seus cmpnentes, seus tips e principais aplicações

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia Prezad Senhr Diretr Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olav Mrales Garcia O IBRASS INSTITUTO BRASILEIRO DO ASSOCIATIVISMO, entidade sem fins ecnômics, frmada pr

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais