ESPECIALIZAÇÃO (MBA) EM GESTÃO EFICAZ DE OBRAS E PROJETOS EMENTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIALIZAÇÃO (MBA) EM GESTÃO EFICAZ DE OBRAS E PROJETOS EMENTA"

Transcrição

1 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 1 de 64 EMENTA Apresentar e discutir novas tecnologias utilizadas na construção de edificações, bem como critérios para análise, seleção, desenvolvimento e implantação em obras. PLANEJAMENTO DO CURSO HORÁRIO CONTEÚDO Sexta 18:00 20:00 Cadeia Produtiva da Construção Civil - Construbusiness 20:05 21:00 A (in) sustentabilidade na construção civil 21:00 23:00 A sustentabilidade e seus reflexos na construção civil Sábado 08:00 10:00 Critérios de seleção e análise de tecnologias 10:00 11:30 Produção Limpa, Tecnologias Limpas, Ecoeficiência, ACV, Construção Sustentável, Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS). 11:30 13:00 Almoço 13:00 15:00 Certificação Ambiental e Rotulagem de Edificações Panorama Nacional e Internacional 15:00 18:00 Materiais e Tecnologias Sustentáveis. Materiais e Tecnologias Saudáveis Domingo 08:00 10:00 Construção Enxuta e Projeto Enxuto (Lean Construction e Lean Design) 10:00 11:00 Automação Residencial 11:00 13:00 Aplicação de exercício VITÓRIA 2009

2 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 2 de 64 APRESENTAÇÃO Apresentar e discutir novas tecnologias utilizadas na construção de edificações, bem como critérios para análise, seleção, desenvolvimento e implantação em obras.

3 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 3 de 64 SUMÁRIO SUMÁRIO SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ORIGENS DO TERMO DEFINIÇÕES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E SUSTENTABILIDADE (IN)SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL IMPACTO AMBIENTAL DA CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO CIVIL CONSUMO DE RECURSOS NATURAIS MATÉRIAS PRIMAS ESCASSAS PERDAS E DESPERDÍCIOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL POLUIÇÃO AMBIENTAL POLUIÇÃO DO AMBIENTE INTERNO CONSUMO DE ENERGIA CONSUMO DE ÁGUA GERAÇÃO DE RESÍDUOS CONCEITOS SUSTENTÁVEIS PRODUÇÃO LIMPA TECNOLOGIAS LIMPAS ANÁLISE DO CICLO DE VIDA ECO-EFICIÊNCIA CONSTRUÇÃO ENXUTA (LEAN CONSTRUCTION) PROJETO ENXUTO (LEAN DESIGN) PERMACULTURA CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL DE EDIFICAÇÕES CERTIFICAÇÕES INTERNACIONAIS BREEAM LEED SBTOOL/SBC HQE LIDERA CERTIFICAÇÕES NACIONAIS MEDACNE FERRAMENTA ASUS IPT PROCEL/EDIFICA AQUA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PRINCÍPIOS BÁSICOS RECOMENDAÇÕES BÁSICAS DE SUSTENTABILIDADE PARA PROJETOS DE ARQUITETURA - ASBEA USO EFICIENTE DA ENERGIA USO EFICIENTE DA ÁGUA... 57

4 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 4 de USO DE MATERIAIS CERTIFICADOS E RENOVÁVEIS QUALIDADE AMBIENTAL INTERNA E EXTERNA UTILIZAÇÃO CONSCIENTE DOS EQUIPAMENTOS E DO EDIFÍCIO PELO USUÁRIO SOLUÇÕES QUE PERMITAM FLEXIBILIDADE E DURABILIDADE CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE INSUMO E FORNECEDORES BIBLIOGRAFIA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 60

5 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 5 de SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1.1. Origens do termo Sustentabilidade. Desenvolvimento sustentável. O que quer dizer isso? Qual o conceito de sustentabilidade? Sustentabilidade é a capacidade de se sustentar, de se manter. Uma atividade sustentável é aquela que pode ser mantida para sempre. Noutras palavras: uma exploração de um recurso natural exercida de forma sustentável durará para sempre, não se esgotará nunca. O conceito de sustentabilidade também pode ser considerado em âmbito mais amplo. Uma sociedade sustentável é aquela que não coloca em risco o ar, a água, o solo e a vida vegetal e animal, dos quais nossa vida depende. Desenvolvimento sustentável é aquele que melhora a qualidade da vida do homem na Terra ao mesmo tempo em que respeita a capacidade de produção dos ecossistemas nos quais vivemos. Sustentabilidade, do ponto de vista de gestão, pode ser conceituada como: A propriedade de um processo que, além de continuar existindo no tempo, revela-se capaz de manter padrão positivo de qualidade; apresentar, no menor espaço de tempo possível, autonomia de manutenção, contando com suas próprias forças; pertencer simbioticamente a uma rede de coadjuvantes também sustentáveis e promover a dissipação de estratégias e resultados, em detrimento de qualquer tipo de concentração e/ou centralidade, tendo em vista a harmonia das relações sociedade-natureza. (Sustentabilidade, 2005). Desenvolvimento Sustentável configura-se como um processo políticoparticipativo que integra a sustentabilidade econômica, ambiental e cultural, coletivas e individuais, tendo em vista o alcance e a manutenção da qualidade de vida, seja nos momentos de disponibilização de recursos, seja quando dos períodos de escassez, tendo como perspectivas a cooperação e a solidariedade, entre os povos e as gerações (Sustentabilidade, 2005). A questão da sustentabilidade, acima do significado puro e simples do termo, estabelece uma ligação densa entre diversos temas, demanda uma visão holística, não só na área ambiental, mas em áreas sociais, econômicas, culturais dentre outras. Qualquer intervenção em uma área reconhecida como de fragilidade ambiental sugere a adoção de critérios coerentes com essa condição especial, que busquem a realização do planejamento de forma a proporcionar uma interferência mínima no ambiente. Nesse sentido, a instalação e o funcionamento das estações devem ter em todo o processo de elaboração, construção e uso, uma série de conceitos básicos que possibilitem a necessária coerência entre

6 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 6 de 64 o meio edificado e o meio natural. Considerando ainda serem áreas especialmente gerenciadas do ponto de vista ambiental, principalmente pela fragilidade dos seus ecossistemas do ponto de vista de absorção do impacto referente ao meio antrópico, as soluções adotadas revestemse ainda mais da obrigatoriedade de transmitirem esses valores (Alvarez, 2003). Uma reflexão generalizada sobre a questão ambiental remete, necessariamente, ao problema do esgotamento dos recursos naturais, fato inimaginável no início do século passado. Conforme Odum (1988), a própria palavra ecologia, em seu sentido atual, foi utilizada pela primeira vez em 1869 pelo biólogo alemão Ernst Haeckel, porém, somente entrou para o vocabulário comum a partir da década de 60 do século passado (Alvarez, 2003). Um fenômeno que se pode descrever como um movimento mundial de consciência ambiental apareceu subitamente em dois anos, 1968 a Parecia que, de repente, todo mundo estava preocupado com poluição, áreas naturais, crescimento populacional e consumo de alimentos e energia, conforme ampla cobertura de assuntos ambientais na imprensa popular (Odum, 1988, p. 2). Lovelock (1988), em sua explanação sobre a teoria de Gaia, alerta sobre a questão da responsabilidade individual, afirmando que é a partir da ação dos indivíduos que evoluem os sistemas locais, regionais e globais (Alvarez, 2003). (...) Nós é que devemos agir pessoalmente de maneira construtiva. O atual furor agrícola e florestal é um ecocídio global tão idiota quanto seria agirmos com a idéia de que nossos cérebros são supremos e as células dos outros órgãos dispensáveis (Lovelock, 1988, p. 221)4. Para compreender o termo sustentabilidade é necessário analisar o contexto de sua consolidação, quando, no auge do progresso característico das décadas de 1960 e 1970, os movimentos ambientalistas tomavam força e direcionavam suas ações contra as indústrias geradoras de qualquer forma de poluição (Alvarez, 2003). Em 1987, a publicação do documento Our Comum Future (World Comission on Environment and Development, 1987) consagrou o termo, conceituando desenvolvimento sustentável como (...) aquele que atende às necessidades do presente, sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem suas próprias necessidades, sobretudo as necessidades essenciais dos pobres do mundo, que devem receber a máxima prioridade, e a noção de limitações, que o estágio da tecnologia da organização social impõe ao meio ambiente, impedindo de atender às necessidades presentes e futuras (World Comission on Environment and Development, 1987, p. 2). Posteriormente, a ECO-92 confirma a necessidade de associar os problemas ambientais decorrentes das ações humanas, estabelecendo-se as denominadas Agendas 21 5 e propondo uma visão mais abrangente do que a visão simplificada de combate à poluição. A relação da

7 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 7 de 64 economia e da ecologia torna-se a premissa básica6, redirecionando os estudos até então concentrados unicamente nas conseqüências ambientais do desenvolvimento e das exigências dos novos tempos (Alvarez, 2003). (...) na década de 70 predominava no inconsciente coletivo mundial a idéia de que a chamada crise ambiental se devia, sobretudo à exaustão dos recursos naturais, poluição, etc. Poucos eram os que se aventuravam a destacar os aspectos sociais dessa crise. Até aquela década vivenciava-se ainda, a nível planetário, o fim de uma certa prosperidade propiciada por uma ciência e uma tecnologia boas em si que é cada vez mais questionada (Brügger, 1999, p.11). A complexidade de relações que se institui numa sociedade organizada, normalmente assentada na forma de um aglomerado urbano, sugere a necessidade de estudos holísticos, buscando, através da identificação do todo, a resolução dos problemas verificados nas partes. Assim, é fundamental que seja adotada a premissa da inter-disciplinariedade, destacando-se aí que a identificação dos fenômenos e propostas de soluções aos problemas verificados não deve se restringir a visões puramente tecnicistas, de difícil compreensão e raramente implementados (Alvarez, 2003). Dessa forma, o objeto de estudo deve ser visto e estudado sob diferenciados enfoques, na busca de uma relação harmônica com todos os condicionantes envolvidos. É também fundamental o conceito de interdependência das relações entre o ambiente natural e o construído, ou seja, (...) salvo naqueles casos especiais de sistemas completamente isolados do mundo exterior (p.e. na termodinâmica clássica), todo sistema vivo sobre a superfície da Terra se vê afetado de alguma maneira pelo estado e a estabilidade de seu entorno. Cada ato de construção redunda em uma alteração do entorno (Yeang, 1999, p.2) Definições de desenvolvimento sustentável e sustentabilidade Definição 3.1 (Brundtland Report) Para que o Desenvolvimento Sustentável seja alcançado, a sociedade deverá estar intrinsecamente compatível com o ambiente. Definição 3.2 ([Howe(1979)]) As atividades humanas relacionadas `a extração dos recursos naturais devem ser consideradas se puderem ser mantidas ao longo do tempo. Essa extração está relacionada aos recursos naturais que se mantêm efetivamente constantes ao longo do processo de extração. Definição 3.3 ([Meadows(1993)]) Uma Sociedade Sustentável e aquela que pode persistir por várias gerações, e uma sociedade que consegue enxergar longe o suficiente, de forma ampla o suficiente.

8 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 8 de 64 Definição 3.4 ([Pearce(1992)]) O Desenvolvimento Sustentável e o desenvolvimento submetido a um conjunto de restrições nas quais o conjunto das taxas de extração dos recursos naturais não e mais alto que a taxa de regeneração induzida ou natural desses recursos naturais e considera a utilização do meio ambiente como depósito de rejeitos. Definição 3.5 ([Opscoor e Reijnders(1991)]) Manter um Estado de Equilíbrio é uma das definições de Desenvolvimento Sustentável. Um Estado de Equilíbrio é um estado dinâmico em que as mudanças que ocorrem no meio ambiente cancelam umas `as outras. Definição 3.6 ([Schultink(1992)]) O Desenvolvimento Sustentável pode ser definido como o desenvolvimento com uma administração dos recursos naturais que possa assegurar ou aumentar a capacidade de produção a longo prazo de recursos básicos, e que também assegure a melhora da saúde e do bem estar a longo prazo derivados do uso dos recursos de sistemas alternativos, com impactos ambientais toleráveis. Definição 3.7 (Royal Society) O Governo britânico expõe o conceito de Desenvolvimento da Sustentabilidade Econômica. Defende que a prosperidade estável de uma sociedade pode ser alcançada em escala, através da proteção do meio ambiente no mundo inteiro. Definição 3.8 ([Heal e Kunreuther(2003)]) Sustentabilidade e o Tratamento Simétrico do presente e do futuro entre gerações e esse tratamento assume valores positivos para o estoque dos recursos naturais a longo prazo. A Sustentabilidade é o reconhecimento explícito dos valores intrínsecos dos recursos ambientais. Definição 3.9 ([Daley(1991)]) Os caminhos são sustentáveis se for mantido intacto, de alguma forma, o nosso estoque de recursos naturais. Definição 3.10 ([Markandya e Pearce(1988)]) A idéia básica de Desenvolvimento Sustentável é simples no que diz respeito aos recursos naturais, exceto quando se fala nos recursos que podem ser exauridos. O uso dos recursos naturais pelo processo produtivo deve ser sustent avel ao longo do tempo. Definição 3.11 (OECD) O conceito de Desenvolvimento Sustentável constitui uma união entre as atividades Econômicas e a conservação dos recursos ambientais. Essa união implica numa parceria entre o meio ambiente e a economia, cujo elemento chave é o legado dos recursos naturais das gerações atuais para as gerações futuras de forma a não diminuí-lo de forma imprópria. Definição 3.12 ([Constanza e Wainger(1991)]) É a intensidade do consumo de um determinado recurso natural que pode ser sustentada de forma indefinida sem degradar o estoque do capital natural ou inicial. Definição 3.13 ([Solomon(1990)]) O Desenvolvimento Ecologicamente Sustentável e uma condição na qual o uso pela sociedade dos recursos naturais e feito sem a destruição dos mesmos ou do meio ambiente. Definição 3.14 (Governo Australiano) Alcançar o Desenvolvimento Ecologicamente Sustentável significa usar os recursos conservando-os, bem como conservar os processos

9 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 9 de 64 ecológicos do qual a vida depende. Esses recursos e a qualidade total da vida no presente e no futuro devem ser preservados de forma a aumentar as chances dessa qualidade de vida poder crescer no futuro. Definição 3.15 (Amigos da Terra) O Desenvolvimento Sustentável é a união entre a necessidade de proteger o meio ambiente com a diminuição da pobreza do homem. Definição 3.16 ([Barbier(1989)]) O objetivo principal do Desenvolvimento Sustentável Econômico é encontrar um nível ótimo de iteração entre três sistemas o sistema ambiental dos recursos naturais e biólogos, o sistema produtivo e o sistema social. Definição 3.17 ([Hossain(1995)]) Uma sociedade sustentável está baseada em uma visão a longo prazo em que ela deve prever as consequências de suas diversas atividades, para assegurar essas atividades que não poderiam quebrar o ciclo de renovação dos recursos naturais e do Meio Ambiente. Tem que ser uma sociedade de conservação e de interesse geral. Definição 3.18 (UNEP, IUCN, WWF). O Desenvolvimento Sustentável pode ser entendido como a melhora da qualidade da vida humana considerando a capacidade do homem de suportar o ecossistema em que vive. Deve preservar os processos ecológicos essenciais e o sistema que suporta os seres vivos. Deve ser a preservação da diversidade genética e a utilização sustentável das espécies e dos ecossistemas. Definição 3.19 ([Winograd(1995)]) O processo para alcançar o Desenvolvimento Sustentável deve ser um processo que objetiva a satisfação do ser humano e das suas necessidades, sem comprometer a base do desenvolvimento, ou seja, o meio ambiente. Definição 3.20 (Pesquisa das Minas e Energias) E um processo de desenvolvimento inter e intra gerações, definido pelas melhorias na saúde, no bem estar, na qualidade de vida do homem e na saúde do ecossistema. Definição 3.21 ([Strong(1995)]) O Desenvolvimento Sustentável envolve um processo de profunda mudança de ordem política, social, Econômica, institucional, e tecnológica, incluindo a re-definição das relações entre os países em desenvolvimento e os países mais desenvolvidos. Definição 3.22 ([Harrison(2000)]) O ponto de partida e tentar definir uma moldura com as informações que conseguimos e que estão relacionadas a assuntos de política social, Econômica e ambiental. Somente ligando esses assuntos conseguiremos examinar os diferentes objetivos que estão reforçados ou estão entrando em conflito. Definição 3.23 ([Alfieri(2000)]) O Desenvolvimento Sustentável e resultado de uma forte aplicação do conceito de Sustentabilidade e requer que o capital natural se mantenha intacto, independente do capital produzido. O decaimento dos custos dos recursos naturais é estimado por quantidades físicas. Definição 3.24 ([Munro(1995)]) O Desenvolvimento Sustentável e um complexo de atividades que são esperadas para melhorar a condição humana de tal forma que a melhora possa ser mantida.

10 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 10 de 64 Definição 3.25 ([Braat(1991)]) O conceito de Sustentabilidade combina duas noções básicas: Desenvolvimento Econômico e Sustentabilidade Ecológica. O desenvolvimento da economia ecologicamente sustentável pode ser compreendido como um processo de mudanças relacionadas à estrutura, organização e atividade de um sistema econômico-ecológico, que vise o bem estar máximo da sociedade, que pode ser sustentado pelos recursos naturais aos quais o sistema econômico tem acesso.

11 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 11 de (IN)SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.1. Impacto ambiental da cadeia produtiva da construção civil Segundo o International Council for Research and Innovation in Building and Construction (CASAGRANDE, 2008), no âmbito global a indústria da construção civil se comporta como um modelo de produção e consumo ineficiente e gastador, conforme se pode constatar nos dados a seguir: 12-16% de consumo de água; 25% da madeira florestal; 30%-40% de energia; 40% da produção de matéria-prima extrativa; 20-30% de produção de gases Efeito Estufa; 40% do total dos resíduos, dos quais 15% - 30% são depositados em aterros sanitários; 15% dos materiais transformam-se durante a execução da obra em resíduos. Pesquisa internacional realizada pela Civil Engineering Research Foundation (CERF), entidade ligada ao American Society of Civil Engineers (ASCE) dos Estados Unidos, revelou que a questão ambiental é uma das maiores preocupações dos líderes do setor, logo atrás de informática. Segundo JOHN (2000), a cadeia produtiva da construção civil (o dito construbusiness) é superior a 14,5% do PIB brasileiro (FIESP, 1999). Este tamanho reflete o papel gigantesco que o setor tem em propocionar um ambiente construído adequado para toda a raça humana e suas complexas atividades econômicas. É fácil observar que praticamente nenhuma atividade humana prescinde de um ambiente construído adequado, com maior ou menos sofisticação: todos os edifícios e suas conexões viárias, hidráulicas e elétricas são, em maior ou menor grau, um produto da construção civil. A construção civil está presente em todas as regiões do planeta ocupadas pelo homem, na cidade ou no campo e até mesmo entre povos da floresta. O mesmo autor evidencia que de maneira geral o impacto ambiental da construção civil é proporcional a sua tarefa social. O presente capítulo é parte do trabalho Reciclagem de Resíduos na Construção Civil de Vanderley M. John, complementado por outros autores referenciais da área Consumo de recursos naturais Segundo JOHN (2000), a construção civil é responsável por entre 15 e 50 % do consumo dos recursos naturais extraídos. Em países como o Reino Unido o consumo de materiais de construção civil é de aproximadamente 6 toneladas/ano.habitante. O consumo de agregados naturais varia entre 1 e 8 toneladas/habitante.ano.

12 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 12 de 64 No Brasil o consumo de agregados naturais somente na produção de concreto e argamassas é de 220 milhões de toneladas. Em volta das grandes cidades areia e agregados naturais começam a ficar escassos, inclusive graças ao crescente controle ambiental da extração das matérias primas. Em São Paulo a areia natural, em sua grande maioria viaja distâncias superiores a 100 km, elevando o custo para valores em torno de R$25/m3. A construção civil consome cerca de 2/3 da madeira natural extraída e a maioria das florestas não é manejada adequadamente e consequentemente, não possuem certificação de sua produção.

13 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 13 de Matérias primas escassas Além disso, a escassez de algumas matérias primas não renováveis, tradicionais da construção civil, vem se tornando freqüente a cada dia. Bons (maus) exemplos citados por John (2000) são o cobre e o zinco, que possuem reservas suficientes apenas para 60 anos de exploração. Embora estes valores possam sempre ser questionados, certamente exercem influência no preço dos produtos, dificultando o uso Perdas e desperdícios na construção civil As perdas de materiais durante o processo de construção aumentam o impacto ambiental pois consistem em um consumo de materiais além do necessário à produção (ou manutenção) de um bem (JOHN, 2000). Em qualquer processo, devido à variabilidade natural, é inevitável que ocorra um determinado volume de perdas. A fração das perdas que excede a este limite mínimo característico da tecnologia é considerada desperdício. Os limites entre perda inevitável e o desperdício são difíceis de estabelecer e para uma mesma tecnologia variam com características regionais e no tempo. Parte das perdas permanece incorporada ao edifício na forma de espessuras excessivas e outra parcela é retirada na forma de resíduos de construção (ANDRADE, 1999). As perdas têm origem nas diferentes etapas do ciclo de vida do edifício. A fase de planejamento, por exemplo, pode ser responsável por desperdícios ao decidir a construção de uma estrutura não necessária. Na fase de projeto, a seleção de uma tecnologia inadequada ou o superdimensionamento da solução construtiva também podem causar desperdícios ou necessidades de retrabalho (JAQUES, 1998). A fase de execução é certamente geradora da parcela mais visível das perdas, inclusive porque é somente nesta fase que as decisões anteriores ganham dimensão física, consumindo recursos naturais. Pesquisa financiada pelo Programa HABITARE, que contou com a participação 18 universidades brasileiras e 52 empresas (JOHN, 2000), revela que há uma grande variação nas perdas entre diferentes empresas e canteiros de obras de uma mesma empresa, durante a fase de execução, que chega 100 vezes em algumas comparações. Esta variação revela o potencial para redução das perdas sem mudança da base tecnológica. Admitindo-se que 50% do cimento brasileiro é utilizado em atividades de construção de edificações e que estas atividades possuem perdas médias igual 56% (mediana da amostra), pode-se estimar que se as perdas fossem reduzidas para 6% (valor mínimo encontrado na amostra) seria possível aumentar em 25% a produção de edificações, mantendo-se constante a produção de cimento.

14 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 14 de 64 Segundo CORREA (2009), um estudo publicado pela Universidade Politécnica de Hong Kong A Guide for Minimizing Construction and Demolition Waste at the Design Stage apresenta uma série de recomendações e mudanças de atitude em relação ao tratamento dado às novas construções, trazendo princípios de redução de desperdícios que começam antes mesmo de entrar no canteiro de obras. A concepção do projeto deve objetivar o aumento da vida útil do edifício, especificando materiais adequados e minimizando desperdícios de insumos advindos da obra, que muitas vezes ocorrem por deficiências de projeto. O método construtivo adequado também contribui na busca da redução do desperdício. Redução de desperdício implica na redução no consumo de energia (que foi gasta na produção de insumos e materiais), contribuindo para uma construção civil mais sustentável Poluição Ambiental O macro-complexo da construção civil também é um gerador de poluição ambiental. As atividades de canteiro geram, entre outros, poluição sonora e material particulado respirável, sendo esta última uma fonte séria de poluição do ar em São Paulo (CETESB, 1999) dentre tantos outros centros urbanos do país e do mundo. O material particulado também é gerado no processo de extração de agregados e moagem de matérias primas, como o cimento e a cal. A geração de partículas de poeira está presente em quase grande parte das atividades do macrocomplexo, da extração da matéria prima, transporte, produção de materiais como cimento e concreto e a execução de atividades em canteiro. A produção dos materiais de construção se constitui talvez na mais importante fonte de poluição. A fabricação de cimento Portland e cal, por exemplo, implicam na calcinação do calcário ou dolomito, liberando grandes quantidades de CO2: A produção de uma tonelada de cal hidratada cálsica (Cão.H2O) libera aproximadamente 785 kg de CO2 para a atmosfera, sem contar o CO2 liberado pela queima de combustível. A produção de uma tonelada de clínquer pelo método da via seca libera aproximadamente entre 820 e 870 kg de CO2 para a atmosfera, dependendo do combustível e da eficiência do processo (JOHN, 2000). Deste total, 66% é proveniente da descarbonatação do calcário. Uma parte deste CO2 vai ser absorvido novamente na carbonatação de concretos e argamassas.

15 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 15 de 64 Apesar de ser muito inferior que o volume de CO2 gerado pelos automóveis e caminhões, a massa de CO2 gerado pela indústria cimenteira é significativa, especialmente no Brasil, onde a produção de cimento contribui atualmente entre 6% e 8% do CO2 emitido (JOHN, 2000). Mesmo aspectos considerados menores do ponto de vista do processo construtivo, como a contaminação de água pela limpeza de caminhões betoneiras ao final do dia de trabalho tem recebido atenção de pesquisadores e de discussões na Câmara Ambiental da Construção Civil na CETESB (JOHN, 2000). A perda de CFC, fluído refrigerante ainda utilizado na maioria dos aparelhos de ar condicionado é outro exemplo de poluição gerada pelos produtos da construção Poluição do ambiente interno Além da poluição do ar externo a construção civil é responsável pela criação de ambientes interiores poluídos. Dentre os poluentes do ar do interior dos edifícios tem-se: Compostos orgânicos voláteis Microorganismos patogênicos Poeiras Partículas e fibras Radônio (EPA, 1998) Estes produtos são liberados pelos materiais, pelo solo ou pelas atividades relacionadas ao uso e operação de equipamentos (fogões, máquinas de xérox, impressoras laser, etc.) e de produtos de limpeza. O nível de poluição interno é controlado pela seleção de materiais, pelas taxas de ventilação e pelas atividades de limpeza e assepsia, particularmente dos sistemas de

16 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 16 de 64 ar condicionado e ventilação. A máxima taxa de ventilação é definida em projeto, mas é o uso que determina a taxa real de renovação de ar durante a fase de uso. O tema é crítico em edifícios condicionados. Em países frios como Canadá, Suécia e EUA o problema recebe atenção dos organismos de saúde pública a cerda de 15 anos. Em edifícios de climas como o Brasil a importância do tema não é menor, porém é menosprezada pelas iniciativas públicas e privadas, seja pela contaminação dos ambientes por microorganismos ou outros poluentes de seu interior. A seleção dos materiais estabelece a quantidade de compostos orgânicos voláteis liberados pelos materiais e também pelas atividades de limpeza que cada material requer. Dentre os compostos orgânicos voláteis mais importantes encontram-se os formaldeídos, solventes orgânicos, oriundos de colas, tintas, plásticos e outros revestimentos orgânicos. As fibras respiráveis podem ser oriundas de revestimentos tecidos como carpetes, isolantes térmicos fibrosos e mesmo da abrasão de pescas contendo fibras perigosas, como as do amianto. Os efeitos destes poluentes dependem da natureza, intensidade e período de tempo de exposição. Podem variar de simples dores de cabeça que afetam a produtividade até câncer ou outros danos ao sistema respiratório (EPA, 1998). Microorganismos patogênicos são associados normalmente com a presença de água produzida por infiltrações ou evaporação de água durante o uso associada a baixas ventilações. Causam alergias ou afetam o sistema respiratório. Um caso específico é a doença do legionário, uma doença muito similar à pneumonia e por isto de diagnóstico difícil. Ela esta associada à contaminação dos sistemas de distribuição de água. Atividades de produção podem gerar poluição do ambiente de trabalho, como a aplicação de asfalto, aplicação de tintas contendo chumbo, etc Consumo de energia O macro-complexo da construção civil e os seus produtos, particularmente os edifícios, consomem grandes quantidades de energia, desde a construção até, e principalmente, na sua fase de uso e operação. A produção de materiais consome considerável quantidade de energia, especialmente quando se leva em conta o volume de produção. Poucos dados estão disponíveis no Brasil e os apresentados abaixo são referentes ao mercado dos EUA.

17 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 17 de 64 Outros fatores importantes que vão influenciar na energia incorporada nos materiais é a distância e o meio de transporte. Na Inglaterra, o consumo de energia associado à produção e transporte de materiais de construção civil é de cerca de 10% do total de energia. O consumo de energia durante a fase de uso das edificações, em iluminação, operação de equipamentos e condicionamento ambiental pode ser até mais importante que o consumo da fase de construção. Na Inglaterra, os edifícios consomem entre 40% a 50% da energia utilizada no país, sendo que metade deste valor é usado em habitações. No Brasil, o PROCEL (ELETROBRÁS, 1998) estima que as edificações são responsáveis por 42% do consumo de energia elétrica, sendo que cerca de 17% destina-se à iluminação, incluindo a pública. Mesmo em habitações populares o custo da energia durante a vida útil de 50 anos pode ser maior que o preço pago pela unidade habitacional (excluindo o terreno). Admitindo-se um consumo mensal de R$20 de energia elétrica, o total gasto em 50 anos é de R$ superior ao preço médio das habitações populares. Em edifícios comerciais, especialmente aqueles com ar condicionado central, a simples adoção de equipamentos mais eficientes combinada com projeto adequado da fachada pode resultar em reduções no consumo de energia de até 50% (ELETROBRÁS, 1998) Consumo de água Na construção de edifícios, como em outros tipos de obras, a água é um elemento importante, sendo essencial para o consumo humano e indispensável na execução de alguns serviços. No canteiro de obras a utilização da água para as necessidades humanas está relacionada, basicamente, às demandas essenciais dos funcionários. Segundo NETO (2008), estima-se que

18 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 18 de 64 o consumo diário por operário não alojado chega a 45 litros por dia, não estando inclusa a refeição. No caso da refeição ser preparada na obra, este número passa para 65 litros por dia. Já nos serviços de construção civil, embora a água não seja vista e nem tratada como material de construção, o consumo é bastante elevado, por exemplo, para a confecção de um metro cúbico de concreto, gasta-se em média de 160 a 200 litros e, na compactação de um metro cúbico de aterro, podem ser consumidos até 300 litros de água (NETO, 2008) Geração de resíduos A construção civil é certamente o maior gerador de resíduos de toda a sociedade. O volume de entulho de construção e demolição gerado é até duas vezes maior que o volume de lixo sólido urbano. Em São Paulo o volume de entulho gerado é de 2500 caminhões por dia. A Finlândia o volume de entulho é o dobro do lixo sólido urbano. Os valores internacionais ocilam entre 0,7 a 1 ton/habitante.ano. Em cidades brasileiras a maioria destes resíduos é depositada clandestinamente. Estes aterros clandestinos têm obstruído córregos e drenagens, colaborando em enchentes, favorecido a proliferação de mosquitos e outros vetores, etc. levando boa parte das prefeituras gastarem grande quantidade de recursos públicos na sua retirada.

19 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 19 de CONCEITOS SUSTENTÁVEIS Em 1997 revelou-se um importante indicador, quando o Earth Council divulgou que o uso de recursos da humanidade já superava em 20% a capacidade de suporte global e que o planeta foi sustentável até a década de 80 (MEADOWS, 2004). Apesar do apelo global da temática, o movimento não obteve reflexos práticos significativos em organismos governamentais e empresariais de países desenvolvidos e em desenvolvimento. Na década de 90, setores industriais, incluindo o setor da construção civil, começou a reconhecer o impacto de suas atividades no meio ambiente (HAPPIO E VIITANIEMI, 2008), e as questões de sustentabilidade chegaram à agenda da arquitetura e do urbanismo internacional de maneira incisiva, trazendo novos paradigmas, com destaque para o contexto europeu (GONÇALVES E DUARTE, 2006). A avaliação de impacto da construção, edifícios verdes e etiquetagem ecológica têm capturado a atenção de profissionais vinculados à construção civil em todo mundo (JOHNSON, 1993; COLE, 1998; CRAWLEY and AHO, 1999; REES, 1999; DING, 2008). Na última década, o movimento de inserção da sustentabilidade na construção civil vem se consolidando gradativamente na comunidade científica, brasileira e internacional. Isto se deve pelo fato de o macrocomplexo da Construção Civil configurar-se como uma das mais importantes atividades para o desenvolvimento econômico e social, e, por outro lado, grande geradora de impactos ambientais, quer seja pelo consumo de recursos naturais, pela modificação da paisagem ou pela geração de resíduos (PINTO, 2005). Sua cadeira produtiva (projeto, extração de materiais e fabricação de elementos, construção, manutenção, uso e desuso) carrega em seu macro complexo, a geração potencial de aspectos e impactos ambientais em diversas escalas de abrangência, local, regional ou global (JOHN, 2000; KLEIN, 2002; SILVA, 2003; PINTO, 2005; CASTRO 2005). Na lógica da sustentabilidade e do desenvolvimento sustentável alguns conceitos passam a ser incorporados pela construção civil para a concepção de novos empreendimentos, tais como: utilização de fontes de energias alternativas, menor emissão de poluentes, uso de materiais recicláveis, sistemas de reciclagem das águas, maximização da iluminação natural, preservação de áreas verdes ou nativas e qualidade do ar interno. (PENNSYLVANIA DEPARTMENT OF ENVIRONMENTAL PROTECTION, 1999 in PATRICIO 2005). Tal preocupação tem gerado reflexos nas várias etapas do ciclo de vida do produto edifício, de Planejamento, Implantação, Uso, Manutenção e Demolição (DEGANI, 2002). A performance do ambiente construído vem se tornando o centro das atenções dos profissionais da indústria da construção civil (CRAWLEY and AHO, 1999; DING, 2007) e a avaliação ambiental da edificação emerge como o ponto chave da construção sustentável (COLE, 1998; COOPER; 1999; HOLMES and HUDSON, 2000; DING, 2007). Como exemplo tem-se as metodologias de planejamento e de desenvolvimento de projeto (Lean Construction, Lean Design, Ecoeficiência, Análise do Ciclo de Vida, etc.), os sistemas construtivos (racionalização, construção modular, uso de materiais locais e renováveis, etc.), avaliação de impacto ambiental (PCA s, AIA s, etc.) e os sistemas de avaliação do

20 COMPANHIA DOS CURSOS Página: 20 de 64 desempenho e de certificação ambiental de edificações (ISO 14000, BREEAM, LEED, SBTool, AQUA,...). A seguir discutem-se alguns destes instrumentos Produção Limpa Um dos conceitos que abarca em sua gênese, preceitos sustentáveis é a Produção Limpa. O que é Produção Limpa? Segundo o GREENPEACE, os sistemas de produção industrial exigem recursos: materiais, a partir dos quais os produtos são feitos; energia, usada para transportar e processar materiais; bem como água e ar. O sistema de produção tradicional é linear ou cradle-to-grave (berço à sepultura), ou seja, desenvolve-se em uma lógica unidirecional de consumo de matéria prima e de geração de resíduos, sem preocupações no âmbito de re-inserção ou reaproveitamento dos resíduos no processo produtivo (Figura abaixo). E ainda, com freqüência, utilizam substâncias nocivas e recursos finitos em vastas quantidades e ritmo acelerado. Já a Produção Limpa (CNTL, 2000) significa a aplicação contínua de uma estratégia econômica, ambiental e tecnológica integrada aos processos e produtos, a fim de aumentar a eficiência no uso de matérias-primas, água e energia, através da não-geração, minimização ou reciclagem de resíduos gerados em um processo produtivo. O objetivo da Produção Limpa é atender nossa necessidade de produtos de forma sustentável, isto é, usando com eficiência materiais e energia renováveis, não-nocivos, conservando ao mesmo tempo a biodiversidade. Ao contrario dos tradicionais, os sistemas de Produção Limpa são circulares e usam menor número de materiais, menos água e energia. Os recursos fluem pelo ciclo de produção e consumo em ritmo mais lento. Em primeiro lugar, os princípios da Produção Limpa questionam a necessidade real do produto ou procuram outras formas pelas quais essa necessidade poderia ser satisfeita ou reduzida. O tema Produção Limpa não é apenas um tema ambiental e econômico. A geração de resíduos em um processo produtivo, muitas vezes, está diretamente relacionada à problemas de saúde ocupacional e de segurança dos trabalhadores. Desenvolver a Produção Limpa minimiza estes riscos, na medida em que são identificadas matérias-primas e auxiliares menos tóxicas, contribuindo para a melhor qualidade do ambiente de trabalho (CNTL, 2000). Além disso, a

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA DE INTERIORES MÓDULO: AQI024 Tecnologia e Materiais Inovadores Coordenador: Alexandre Cypreste

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA DE INTERIORES MÓDULO: AQI024 Tecnologia e Materiais Inovadores Coordenador: Alexandre Cypreste COMPANHIA DOS CURSOS Página: 1 de 55 EMENTA Abordar aspectos tecnológicos que permitam otimizar a qualidade dos espaços interiores, com ganhos estéticos, funcionais e ambientais, frente aos preceitos da

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores VERA FERNANDES HACHICH Conselho Brasileiro da Construção Sustentável CBCS TESIS Tecnologia de Sistemas em Engenharia 5 de novembro 2009 Tópicos Palestra

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROBLEMÁTICA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INTENSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS LINHA DO TEMPO:

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

Cimento Mizu Contribuição do projeto Uso da escória de alto-forno na produção de cimento na Cimento Mizu para o desenvolvimento sustentável

Cimento Mizu Contribuição do projeto Uso da escória de alto-forno na produção de cimento na Cimento Mizu para o desenvolvimento sustentável Cimento Mizu Contribuição do projeto Uso da escória de alto-forno na produção de cimento na Cimento Mizu para o desenvolvimento sustentável O projeto implantado pela Cimento Mizu tem como principal objetivo

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 433/2015 CAPÍTULO I DOS CONCEITOS

PROJETO DE LEI Nº 433/2015 CAPÍTULO I DOS CONCEITOS PROJETO DE LEI Nº 433/2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. CAPÍTULO I DOS CONCEITOS Art. 1º Esta Lei institui a Política Municipal de estímulo à Produção

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Série ISO 9000: Modelo de certificação de sistemas de gestão da qualidade mais difundido ao redor do mundo: Baseada na norma ISO 9000 No Brasil: a ABNT

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental. Seis Sigma. Eco Six Sigma

Sistema de Gestão Ambiental. Seis Sigma. Eco Six Sigma Eco Six Sigma Nos dias de hoje, em que os requisitos de compra dos consumidores vão além do preço do produto, conquistar os consumidores torna-se um grande desafio. Características como a qualidade da

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Aliança Resíduo Zero Brasil

Aliança Resíduo Zero Brasil Aliança Resíduo Zero Brasil carta de adesão 1. Introdução A extensão dos problemas socioambientais, envolvendo o consumo e a geração de resíduos no Brasil, originam-se em grande parte nas questões econômicas,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

S O C I O A M B I E N TA L

S O C I O A M B I E N TA L Apresentação Todas as ações desenvolvidas pelo Banrisul estão comprometidas em preservar o meio ambiente, seja no momento de realizar um contrato de financiamento agrícola, investimento em projeto, seja

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Projetos de Inovação e Melhores Práticas de Competitividade e Eficiência. Gleuza Jesué

Projetos de Inovação e Melhores Práticas de Competitividade e Eficiência. Gleuza Jesué Projetos de Inovação e Melhores Práticas de Competitividade e Eficiência Gleuza Jesué Nossa agenda 1 2 3 4 Pilares estratégicos e ações estruturantes Metodologia da gestão da licença para operar Case:

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS SEMANA AMBIENTAL NA BRASIMET 2006 CIDADANIA E EDUCAÇÃO PARA UM PLANETA MELHOR A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS A atual conjuntura econômica e os novos cenários sócio-ambientais nacionais e internacionais

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

Eco Dicas - Construir ou Reformar

Eco Dicas - Construir ou Reformar Eco Dicas - Construir ou Reformar São dicas de como preservar e economizar os recursos naturais quando se pensa em obras. Praticando-as, nosso bolso também agradece. É bom saber que: a fabricação de PVC

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Complexos recicláveis

Complexos recicláveis Complexos recicláveis Em função da realização dos próximos megaeventos esportivos mundiais por aqui Copa de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016, grandes obras de arquitetura voltada para os esportes (estádios,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE Rio de Janeiro, 18

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ENGº. MARCOS CASADO Gerente Técnico LEED Tópicos a serem abordados: Objetivos Conceitos: ECOPRODUTOS - Produtos recomendados - Produtos corretos - Produtos aceitáveis

Leia mais

Título: Potencialização da Gestão do Conhecimento Um legado estratégico Categoria: Herança para a EJ (Prática Interna) Temática: Gestão Interna

Título: Potencialização da Gestão do Conhecimento Um legado estratégico Categoria: Herança para a EJ (Prática Interna) Temática: Gestão Interna Título: Potencialização da Gestão do Conhecimento Um legado estratégico Categoria: Herança para a EJ (Prática Interna) Temática: Gestão Interna Resumo A alta rotatividade nas empresas juniores é um grande

Leia mais