1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Athletisme

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Athletisme"

Transcrição

1 1 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic ATLETISMO Cm um prgrama de eprte internacinal, a Special Olympic criu eta regra cm bae na regra da Internatinal Aciatin f Athletic Federatin (IAAF). Em cmpetiçõe internacinai, a regra da IAAF devem er empregada e em cmpetiçõe de nível lcal e de Prgrama, pdem er empregada a regra d Órgã Regulamentadr Nacinal (NGB), excet quand ela entrarem em cnflit cm a Regra Eprtiva Oficiai Special Olympic. Um atleta cm Síndrme de Dwn que tenha id diagnticad cm intabilidade Atlant-axial nã pde participar d event de pentatl e alt em altura. 1. Crrida de 100 Metr 2. Crrida de 200 Metr 3. Crrida de 400 Metr 4. Crrida de 800 Metr 5. Crrida de 1500 Metr 6. Crrida de 3000 Metr 7. Crrida de 5000 Metr 8. Crrida de Metr 9. Meia Maratna (Crrida) 10. Maratna (Crrida) 11. Event cm Barreira a. 110 Metr Maculin b. 100 Metr Feminin x 100 Metr Revezament x 400 Metr Revezament 14. Salt em Altura 15. Salt em Ditância 16. Arreme de Pe a. Maculin 4 kg/ 8,8 lb b. Feminin 3,0 kg/ 6,6 lb c. Maculin (8-11 an 3,0 kg/ 6,6 lb) d. Feminin (8-11 an 1,81 kg/ 4 lb) 17. Pentatl (100 Metr, Salt em Ditância, Arreme de Pe, Salt em Altura, 400 Metr) 18. Crrida Unified Sprt 4 x 100 Metr 19. Crrida Unified Sprt 4 x 400 Metr Marcha Atlética Metr Caminhada Metr Caminhada Event em Cadeira de Rda Metr Crrida de Cadeira de Rda Metr Crrida de Cadeira de Rda Metr Crrida de Cadeira de Rda 25. Arreme de Pe em Cadeira de Rda a. Maculin 1.81 kg/ 4 lb b. Feminin 1,81 kg / 4 lb Caminhada e Crrida de Lnga Ditância Metr (Caminhada e Crrida) Metr (Caminhada e Crrida) Metr (Caminhada e Crrida) Metr (Caminhada e Crrida) O event a eguir frnecem uma cmpetiçã ignificativa para atleta cm nívei reduzid de habilidade Metr Crrida Metr Crrida

2 2 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Metr Caminhada Metr Caminhada Metr Caminhada 35. Lançament de Bla Macia 36. Salt em Ditância em Pé Metr Caminhada Aitida Metr Caminhada Aitida Metr Caminhada Aitida Metr Crrida de Cadeira de Rda Metr Crrida de Cadeira de Rda Metr Slalm de Cadeira de Rda x 25 Metr Livre Revezament de Cadeira de Rda Metr Slalm Mtrizad de Cadeira de Rda Metr Slalm Mtrizad de Cadeira de Rda Metr Crrida cm Obtácul Mtrizada de Cadeira de Rda 47. Arreme de Bla à Ditância (bla de têni) SEÇÃO B REGRAS DA COMPETIÇÃO 1. Regra gerai e mdificaçõe de event em pita a. U de blc e crrida inicial 1) Em crrida até e incluind 400 metr, atleta puem a pçã de uar u nã uar blc. 2) Na cmpetiçã, nã imprtand e atleta etã uand blc na crrida de 400 metr u men, cmand de quem dá a largada em inglê, francê u em eu própri idima devem er em ua marca, preparar, e quand td cmpetidre etiverem em ua marca, a arma deve er diparada. 3) Em crrida (800m u mai), cmand deve er em ua marca e quand cmpetidre etiverem prnt, a arma deve er diparada. Um cmpetidr nã deve tcar l cm ua() mã(). 4) Largada de crrida de mai de 400m: a) ditância de 800m: O crredr deverá crrer na raia na primeira virada e e encaminhar para a raia um na linha marcada apó a primeira virada. b) 1500m e ditância maire: Deve er uada uma queda d água. 5) Largada de revezament a) 4x100m: qualquer crredr que eteja eperand pel membr de equipe (cm batã) nã pde cmeçar a crrer tmand ua zna de take-ver, e deve cmeçar dentr dea zna. b) 4x100m: Um revezament de trê turn deve er uad para a largada. A primeira perna erá crrida na raia. A egunda perna cmeça na raia e crredr deverá e encaminhar para a raia um na linha marcada apó a primeira virada. N revezament 4x400m quand huver mai de 4 equipe cmpetind, recmenda-e que apena a primeira virada da primeira vlta eja crrida na raia determinada. Em uma determinada cmpetiçã, entretant, TODAS a crrida de revezament 4x400m devem er cmpetida n frmat mencinad. 6) O repnável pela largada deve dar a cada cmpetidr uma chance de dar melhr de i: a) Dand a cmpetidre um temp ampl para e acmdarem apó tmarem ua piçõe. b) Cmeçar a eqüência e algum d crredre etiver em equilíbri. c) Nã reter demai crredre apó cmand de preparaçã. 7) Fala Largada: Um atleta que tiver dua largada fala em uma crrida erá dequalificad da mema.

3 3 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic b. Vilaçõe de raia 1) Em tda a cmpetiçõe crrida em raia, cada cmpetidr deve e manter na raia alcada da largada a fim. It também e aplica a qualquer parte de uma crrida em raia. 2) Se um cmpetidr fr empurrad u frçad pr utra pea para fr a de ua raia, e nã huver vantagem material, cmpetidr nã erá dequalificad. 3) Se um atleta: a) air de ua raia n egment ret da crrida u b) air da raia externa na curva, em vantagem material e nenhum utr crredr fr btruíd, crredr nã deverá er dequalificad. c. Marcha Atlética 1) O atleta deve ter um d pé em cntat cm l td temp. 2) Em event de marcha atlética, atleta nã tem que ter uma perna de avanç reta na cmpetiçã. 3) Em event de marcha atlética, até e incluind 400 metr, cmpetidr deve er dequalificad em avi anterir e, na piniã de di ficiai, ele tiver btid vantagem. d. Event cm Barreira 1) A altura da barreira de 100 metr deve er de 0,762 metr, cm uma ditância até a primeira barreira de 13,00 metr da linha de largada, a ditância entre a barreira deve er de 8,50 metr e a ditância da última barreira até a linha de chegada deve er de 10,50 metr. 2) A altura da barreira de 110 metr deve er de metr, cm uma ditância até a primeira barreira de 13,72 metr da linha de largada, a ditância entre a barreira deve er de 9,14 metr e a ditância da última barreira até a linha de chegada deve er de 14,02 metr. 2. Regra gerai para Event de Camp a. Medida 1) N event de alt em ditância, alt em ditância em pé e de lançament (arreme de pe, lançament de bla macia e lançament de bla de têni) cada atleta deve ter trê chance cnecutiva. Tda ela devem er medida e regitrada para fin de deempate. A medida mai lnga da trê tentativa deve er uada para pntuaçã. b. Salt em Ditância 1) N alt em ditância, em atleta deve cneguir altar pel men um metr, que é a ditância mínima entre final da pita até cmeç da areia. 2) A ditância erá medida da primeira impreã na área de aterriagem feita pr qualquer parte d crp u membr até a linha de partida para td alt. 3) N event de alt, ante da cmpetiçã, atleta pdem ter aitência de um ficial para marcar pnt de partida. c. Salt em Ditância em Pé 1) O cmpetidre devem cmeçar cm um pé atrá da linha de largada determinada e n l. 2) Quand huver a largada, ded d cmpetidr devem etar atrá da linha de largada. 3) Um cmpetidr deve uar amb pé para altar. Ele/ela pde ir para trá e levantar eu pé/calcanhare e ded alternadamente, ma deve manter pé n l. 4) A ditância erá medida da primeira impreã na área de aterriagem feita pr qualquer parte d crp u membr até a linha de partida para td alt. 5) Quand pível é frtemente recmendad que event de alt em ditância em pé eja cnduzid em lcai de alt preenchid cm areia. A linha de largada deve er clcada n final da pita de crrida d alt em ditância. Se fr uad um tapete, ele

4 4 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic deve er lng uficiente para incluir a área de largada e aterriagem e deve er pre para manter a uperfície em delizar. 6) N event de alt, ante da cmpetiçã, atleta pdem ter aitência de um ficial para marcar pnt de partida. d. Salt em Altura 1) O cmpetidr deve altar de um pé. 2) A altura mínima de abertura para cmpetiçõe de alt em altura é de 1,00 m. 3) O cmpetidre nã devem altar para tranpr a barra partind cm di pé. 4) Um atleta cm Síndrme de Dwn que tenha id diagnticad cm intabilidade Atlant-axial nã pde participar d event de pentatl e alt em altura. Para bter infrmaçõe adicinai bre prcediment para dipena dea retriçã, cnulte Artig I, Seçã L, 7, f. 5) Quand huver um empate n alt em altura mem depi da cntagem regreiva de falha, atleta d empate devem receber mem lugar na cmpetiçã. Mem que it implique mai de uma medalha de ur, eta pçã deve er mantida em vez de um deempate pr alt. e. Arreme de Pe 1) O pe pde er de aç, brnze u um implement cbert pr uma camada intética. 2) É aceitável incluir um atleta de cadeira de rda na diviõe regulare de Arreme de Pe, ma pe deve er igual para td cmpetidre. 3) Um limite legal deve er etabelecid entre círcul para que atleta u ua cadeira de rda, n cur de uma tentativa, nã tque a parte de cima da placa de limite, tp d anel de aç u qualquer uperfície fr a d círcul. É permitid tcar a parte interir da placa de limite u anel de aç. 4) Nã é permitid u de nenhuma ajuda mecânica. Para fin de prteçã, apena pul deve er enfaixad. 5) O pe deve er clcad n mbr cm apena uma da mã. O cmpetidr deve ficar em uma piçã n círcul para iniciar arreme, pe deve tcar u etar próxim d pecç u d queix e nã deve ficar abaix dea piçã durante at d arreme. O arreme nã deve er feit de trá da linha d mbr. 6) O arreme deve er cniderad cm falta e nã deve er medid e, apó entrar n círcul, cmpetidr cmeter uma da falta a eguir: a) Uar qualquer métd cntrári à definiçã de arreme legal. b) Fizer cm que pe caia fra da linha que demarcam etr de aterriagem. f. Lançament de Bla Macia - Ete event frnece uma cmpetiçã ignificativa para atleta cm nívei reduzid de habilidade. 1) Uma bla macia de 30 centímetr (11 3/4 ) de circunferência deve er uada. 2) O cmpetidre pdem uar qualquer tip de arreme. 3) A área de arreme deve er preparada cnfrme egue: a) A paarela deve er marcada pr dua linha branca paralela de 5cm de largura e 4m de ditância entre i (5m de cmpriment). O arreme deve er feit de trá de um arc de círcul deenhad cm um rai de 2,92m. O etr de aterriagem deve er marcad cm linha banca de 5cm de largura de frma que a parte interna da linha, e etendida, pae pela dua interecçõe da parte interna d arc e a linha paralela que marcam a paarela e interceptam centr d círcul d qual arc faz parte. O etr é 40.

5 5 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic b) Diagrama da Área de Arreme de Bla Macia g. Lançament de Bla em Ditância (Bla de têni) - Ete event frnece uma cmpetiçã ignificativa para atleta cm nívei reduzid de habilidade. 1) A regra de Arreme de Bla Macia ã brigatória. 3. Regra Gerai d Pentatl 1) O cinc event que cmpõem pentatl devem er cnduzid na eguinte rdem: crrida de 100 metr, alt em ditância, arreme de pe, alt em altura e crrida de 400 metr. 2) A tabela de pntuaçã de Pentatl Special Olympic pdem er encntrada n final deta eçã. 3) O pentatl deve er cnduzid em um frmat de um dia. Entretant, pde er uad um frmat de di dia cnecutiv cm event um, di e trê n primeir dia e event quart e cinc n egund dia. 4. Regra Gerai para Event cm Cadeira de Rda a. O atleta que participam de event cm cadeira de rda também pdem participar de utr event na cmpetiçõe de atletim. b. Arreme de Pe em Cadeira de Rda 1) É aceitável incluir um atleta de cadeira de rda na diviõe regulare de Arreme de Pe, ma pe deve er igual para td cmpetidre. 2) Cnulte a Seçã B 2.e. c. Diretrize Principai para Crrida de Cadeira de Rda - O event a eguir frnecem uma cmpetiçã ignificativa para atleta cm nívei reduzid de habilidade. 1) O atleta devem cmeçar cm tda a rda atrá da linha de largada (u uma rda para a cadeira cm apena uma rda na frente verã prfiinal). 2) O atleta tem eu temp medid d tir da arma de largada até quand a rda dianteira (dua u uma) da cadeira de rda atingem plan perpendicular da extremidade mai próxima da linha de chegada. 3) Cadeira de rda mtrizada nã ã permitida em crrida regulare. 4) Apena atleta que uam um cadeira de rda cntantemente pdem participar d event. 5) O atleta nã devem er empurrad, puxad u receber aitência durante ee event. 6) A raia d event de cadeira de rda devem ter largura dupla. d. Crrida de Cadeira de Rda de 10 Metr / 25 Metr 1) Cada cmpetidr deve e manter na ua raia d cmeç a final e nã deve interferir, btruir u impedir prgre de utr cmpetidr. A infraçõe, cm repeit à piniã d juíze, pdem reultar em dequalificaçã. 2) Cmeçand na linha de largada, clque um cne em cada raia em interval de 5 metr. O cne devem er clcad n mei da raia. e. Slalm de 30 Metr cm Cadeira de Rda - Ete event frnece uma cmpetiçã ignificativa para atleta cm nívei reduzid de habilidade.

6 6 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic 1) O atleta manbra ua cadeira pel cur, ind para a direita d primeir btácul e pela linha de chegada em impedir utr atleta em cur. 2) Derrubar um marcadr qualifica uma vilaçã e uma penalidade de trê egund erá avaliada. f. 4 x 25 Metr Livre Revezament de Cadeira de Rda 1) Quatr pea frmam uma equipe. Cada cmpetidr deve cmpetir 25 metr d revezament. 2) O egund, terceir e quart cmpetidre de uma equipe nã pdem air da linha de largada até que a() rda() da frente da cadeira de rda d cmpanheir de equipe cruze(m) a linha de largada em um metr depi e paralel à linha de largada. 5. Regra Gerai para Event cm Cadeira de Rda Mtrizada a. Diretrize principai 1) Ete event ã retrit mente a cadeira de rda mtrizada. 2) A primeira dua rda da cadeira de um cmpetidr erã cniderada pnt iniciai e finai de tda a crrida. 3) Se um cmpetidr variar de uma eqüência de btácul, ele/ela deve er ntificad(a) pr um ficial, retmar prgre d pnt anterir a btácul errad ante de entrar n próxim btácul e cmpletar cur em ua ttalidade u er dequalificad. Em eência, falha para cmpletar cur cnfrme deignad reultarã em dequalificaçã. 4) Um cmpetidr erá dequalificad e treinadr individual (u aitente) entrarem n limite d cur durante a crrida cm btácul. O treinadre pdem intruir atleta de fr a d limite d cur. O juíze e ficiai nã frnecerã dica direcinai. 5) A frnecer temp de entrada para Event de Cadeira de Rda Mtrizada, frmulári de entrada deve declarar e temp fi cneguid cm uma cnfiguraçã de alta velcidade u baixa velcidade. 6) O atleta tem eu temp medid d tir da arma de largada até quand a rda dianteira (dua u uma) da cadeira de rda atingem plan perpendicular da extremidade mai próxima da linha de chegada. b. Slalm cm Cadeira de Rda Mtrizada. 1) Cada atleta uará dua raia cm ua raia, uficientemente larga para acmdar cadeira de rda. 2) Clque cne na linha de partida e chegada a 2,44 metr de ditância (largura de dua raia) para criar 4 prtõe de largada e chegada e 4 raia. 3) Cmeçand na linha de largada, clque um cne de trânit (pte de indicaçã de lalm mínim de 1,22 metr) em cada raia em interval de 5 metr. O cne devem er clcad n mei da raia.

7 7 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic 4) Diagrama Slalm de 30 e 50 Metr cm Cadeira de Rda Mtrizada 5) O atleta manbra ua cadeira pel cur, ind para a direita d primeir btácul e pela linha de chegada em impedir utr atleta em cur. Derrubar um cne qualifica uma vilaçã e uma penalidade de trê egund erá avaliada. 6) Nenhuma penalidade erá aplicada e atleta tcar um cne. c. Cur cm Obtácul de 25 Metr cm Cadeira de Rda Mtrizada Ete event frnece uma cmpetiçã ignificativa para atleta cm nívei reduzid de habilidade. 1) Marque uma caixa a 2 metr da linha de largada e uma caixa a 2 metr da linha de chegada. Cada caixa deve ter 3 metr de diâmetr. 2) Clque 4 cne entre a caixa, a 3 metr de ditância entre i. 3) Regra a) O atleta cmeçam de frente para cur. b) O atleta cmpleta um círcul de 360 grau entre a linha de largada e primeir cne. Depi di, atleta faz um lalm pel utr quatr cne a 3 metr de ditância entre i e cmpleta um egund círcul de 360 grau entre quart cne e a linha de chegada. c) A caixa (3 m x 3 m) é uada apena cm um indicadr de que atleta cmplete círcul de 360 grau. Nenhum pnt e/u temp deve er deduzid pr e tcar u ultrapaar a linha. A caixa pde er demarcada cm fita. d) Derrubar um marcadr qualifica uma vilaçã e uma penalidade de trê egund erá avaliada. O cmpetidre que nã fizerem tentativa clara de paar entre cada par de marcadre etã ujeit à dequalificaçã de acrd cm árbitr.

8 8 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic e) Nã pde haver mai que trê atleta pr crrida. 6. Regra Gerai para Caminhada Aitida Ete event frnece uma cmpetiçã ignificativa para atleta cm nívei reduzid de habilidade. a. O atleta devem frnecer eu própri dipitiv de aitência. O dipitiv de aitência devem cnitir em bengala, muleta u andadr. b. Preparaçã: 1) Cada atleta uará dua raia cm ua raia, uficientemente larga para acmdar dipitiv de aitência. 2) Clque cne na linha e largada e chegada, a 2,44 metr de ditância (largura de dua raia) para criar 4 prtõe de largada e 4 prtõe de chegada e 4 raia. 3) Cmeçand na linha de largada, clque um cne em cada raia em interval de 5 metr. O cne devem er clcad n mei da raia. c. Regra 1) O atleta cmeça atrá da linha de largada cm um dipitiv de aitência de caminhada. 2) O atleta anda uand dipitiv de aitência. 3) O atleta fica em ua raia deignada. 4) O atleta nã pde receber aitência de treinadre ficiai, etc. 5) O atleta tem eu temp medid d tir da arma de largada até quand eu tr atinge plan perpendicular da extremidade mai próxima da linha de chegada. 7. Regra Gerai para Atleta Ceg e Surd a. Uma crda u crredr guia deve er frnecid para ajudar atleta que puem deficiência viuai. b. O crredr guia nã pde ficar na frente d atleta de frma nenhuma. Em nenhum mment crredr guia pde puxar atleta u acelerar atleta empurrand-. c. Uma largada cm batida erá uada para atleta que ceg e urd. d. O crredre guia devem uar um clete laranja para erem facilmente diferenciad d cmpetidre. Ete clete erã frnecid pel Cmitê Organizadr de Jg. 8. Regra Gerai para Event Unified Sprt a. Crrida u Caminhada 1) Cada equipe Unified Sprt deve cnitir em um Atleta e um Parceir. 2) A pntuaçã final da equipe Unified Sprt deve er a ma d temp de chegada ttal de cada cmpetidr. 3) O primeir crredr/participante de uma equipe Unified Sprt a cruzar a linha de largada nã pde retrnar para cur para encrajar eu parceir de equipe. b. Event de Camp 1) Cada equipe Unified Sprt deve cnitir em um Atleta e um Parceir.

9 9 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic 2) A pntuaçã final da equipe Unified Sprt deve er a ma da melhr tentativa de cada cmpetidr. c. Pentatl 1) Cada equipe Unified Sprt deve cnitir em um Atleta e um Parceir. 2) A pntuaçã final da equipe Unified Sprt deve er a ma d pnt ttai de cada cmpetidr. d. Revezament 1) Cada equipe de Revezament Unified Sprt deve cnitir em di atleta e di parceir. 2) O crredre em uma equipe de revezament pdem ter qualquer rdem atribuída para crrer.

10 10 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Primeir Event d Pentatl Crrida de 100 Metr (Pntuaçã gravada em egund.centéim) Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt

11 11 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Primeir Event d Pentatl Crrida de 100 Metr (Pntuaçã gravada em egund.centéim) Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt

12 12 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Primeir Event d Pentatl Crrida de 100 Metr (Pntuaçã gravada em egund.centéim) Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt Pntu açã Pnt

13 13 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Primeir Event d Pentatl Crrida de 100 Metr (Pntuaçã gravada em egund.centéim) Pntu açã Pnt Pntuaç ã Pnt Pntuaç ã Pnt Pntuaç ã Pnt

14 14 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Segund Event d Pentatl Salt em Ditância (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

15 15 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Segund Event d Pentatl Salt em Ditância (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

16 16 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Segund Event d Pentatl Salt em Ditância (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

17 17 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Segund Event d Pentatl Salt em Ditância (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

18 18 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Terceir Event d Pentatl Arreme de Pe (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

19 19 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Terceir Event d Pentatl Arreme de Pe (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

20 20 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Terceir Event d Pentatl Arreme de Pe (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

21 21 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Terceir Event d Pentatl Arreme de Pe (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

22 22 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic

23 23 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Terceir Event d Pentatl Arreme de Pe (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaç ã Pnt Pntuaç ã Pnt

24 24 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Quart Event d Pentatl Salt em Altura (Pntuaçã regitrada em metr/centímetr) Pntuaç Pnt Pntuaç Pnt Pntuaç Pnt ã ã ã

25 25 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Quint Event d Pentatl Crrida de 400 Metr (Pntuaçã gravada em egund.centéim) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

26 26 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Quint Event d Pentatl Crrida de 400 Metr (Pntuaçã gravada em egund.centéim) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

27 27 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic Quint Event d Pentatl Crrida de 400 Metr (Pntuaçã gravada em egund.centéim) Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt Pntuaçã Pnt

PROGRAMA REGIONAL DE PROVAS PARA BENJAMINS B 2011/2012

PROGRAMA REGIONAL DE PROVAS PARA BENJAMINS B 2011/2012 COMPETIÇÕES PARA O ESCALÃO DE BENJAMINS B (10-11 ANOS) A respnsabilidade de rganizaçã das actividades para este escalã etári pderá caber as clubes, esclas u à AARAM. As prvas aqui designadas devem ser

Leia mais

OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril São Paulo, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS

OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril São Paulo, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril Sã Paul, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS 1. Cmitê Organizadr Lcal Cmitê Paralímpic Brasileir (CPB) 1.1. Cntats Nme: Ricard Mel Fernand Partelli Email:

Leia mais

Otimização de Sistemas de Aterramento em Subestações 34,5 / 13,8 kv

Otimização de Sistemas de Aterramento em Subestações 34,5 / 13,8 kv Otimizaçã de Sitema de Aterrament em Subetaçõe 34,5 / 3,8 kv A. P. R. Cura, ENERSUL; C. M. V. Tahan; J. A. Jardini; R. P. Calari; J. G. M. Andrade; M. Lpe, EPUSP/PEA Reum O aument da ptência de curt-circuit

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal.

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal. Dagrama de Blc Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar cada um dete ubtema,

Leia mais

5. DIAGRAMA EM BLOCOS

5. DIAGRAMA EM BLOCOS Stema de Cntrle 5. DIAGRAMA EM BLOCOS Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar

Leia mais

QUESTÕES DISCURSIVAS

QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÕES DISCURSIVAS Questã 1 Um cliente tenta negciar n banc a taa de jurs de um empréstim pel praz de um an O gerente diz que é pssível baiar a taa de jurs de 40% para 5% a an, mas, nesse cas, um valr

Leia mais

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação.

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação. Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris mdulares para sluções em sistemas industriais de mvimentaçã. 11/2012 Esquema de mntagem Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris para esteiras transprtadras Imagem

Leia mais

REGULAMENTO DEPARTAMENTO DE SHUAIJIAO XIX CAMPEONATO BRASILEIRO DE KUNG FU/ WUSHU A SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR DAS CATEGORIAS DE PESO

REGULAMENTO DEPARTAMENTO DE SHUAIJIAO XIX CAMPEONATO BRASILEIRO DE KUNG FU/ WUSHU A SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR DAS CATEGORIAS DE PESO Filiada a Internatinal Wushu Federatin Filiada a Panamerican Wushu Federatin Vinculada a Cmitê Olímpic Brasileir REGULAMENTO DEPARTAMENTO DE SHUAIJIAO XIX CAMPEONATO BRASILEIRO DE KUNG FU/ WUSHU A SEGURANÇA

Leia mais

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05.

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05. Índice: A Proposta da IAAF 03 Campeonato para 3-5 anos de idade 03 Formato da Competição 04 Organização da Competição 05 Resultados 06 Arbitragem necessária para o Evento 07 Preparação do Equipamento Necessário

Leia mais

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo Descriçã d serviç Cpilt Optimize CAA-1000 Visã geral d serviç Esta Descriçã d serviç ( Descriçã d serviç ) é firmada pr vcê, cliente, ( vcê u Cliente ) e a entidade da Dell identificada na fatura de cmpra

Leia mais

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar:

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar: IFS - ampus Sã Jsé Área de Refrigeraçã e ndicinament de r Prf. Gilsn ELEENTS E GEETRI Gemetria significa (em greg) medida de terra; ge = terra e metria = medida. nss redr estams cercads de frmas gemétricas,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 21 de janeiro Programa Nacional Código Base (Adaptado) 1

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 21 de janeiro Programa Nacional Código Base (Adaptado) 1 PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016 Versã 21 de janeir. 2016 Prgrama Nacinal Códig Base (Adaptad) 1 Índice Intrduçã... 3 1. Estrutura Técnica d Prgrama... 3 a) Temp

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica;

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica; Rede de Computadore Rede Locai Shielded Twited Pair (STP); Unhielded Twited Pair (UTP); Patch Panel; Cabo Coaxial; Fibra Óptica; 2 2010 Airton Junior. All right reerved. Rede de Computadore É um conjunto

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

TESTE FÍSICO DE 2016 PROTOCOLO E PARÂMETROS

TESTE FÍSICO DE 2016 PROTOCOLO E PARÂMETROS TESTE FÍSICO DE 2016 PROTOCOLO E PARÂMETROS testes físics bjetiva 1 1. Adapte as capacidades físicas ds árbitrs para as demandas de uma festa, nmeadamente em terms de: Mudanças de ritm e velcidade de atividades

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL 1 BASQUETEBOL As Regras Oficiais da Special Olympics devem governar todas as competições de Basquete da Special Olympics. Como um programa de esportes internacional, a Special Olympics criou estas regras

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH Áreas de Cobertura e Quantidade de Público

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH Áreas de Cobertura e Quantidade de Público Caixas Ativas e Passivas SKY 3000, SKY 00, SKY 700, SKY 600 e NASH 144 Áreas de Cbertura e Quantidade de Públic www.studir.cm.br Hmer Sette 18-07 - 01 A área cberta pelas caixas acima, em funçã d psicinament

Leia mais

A grandeza física capaz de empurrar ou puxar um corpo é denominada de força sendo esta uma grandeza vetorial representada da seguinte forma:

A grandeza física capaz de empurrar ou puxar um corpo é denominada de força sendo esta uma grandeza vetorial representada da seguinte forma: EQUILÍBRIO DE UM PONTO MATERIAL FORÇA (F ) A grandeza física capaz de empurrar u puxar um crp é denminada de frça send esta uma grandeza vetrial representada da seguinte frma: ATENÇÃO! N S.I. a frça é

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

1. Composição do Circuito O Circuito de Opens é composto por 7 Opens, os quais contribuem com pontos para o respectivo Ranking.

1. Composição do Circuito O Circuito de Opens é composto por 7 Opens, os quais contribuem com pontos para o respectivo Ranking. Regulament Variante: Carambla Disciplina: 3 Tabelas Cmpetiçã: Circuit de Opens Ns Opens de 3 Tabelas apenas se pderã inscrever atletas cm Licença desprtiva válida para a épca desprtiva em vigr, até à data

Leia mais

Testes Acelerados de Confiabilidade

Testes Acelerados de Confiabilidade Tete Acelerad de Cnfiabilidade Definiçã: Tete Acelerad de Cnfiabilidade cnitem na expiçã de cmpnente/itema a carga de tre uficiente para reduzir eu temp-médi-até-falha (MTTF) à nívei aceitávei. O engenheir(a),

Leia mais

Regras e Regulamentos IPC-Atletismo 2014-2015. 16-11-2014 Federação Portuguesa de Atletismo 1

Regras e Regulamentos IPC-Atletismo 2014-2015. 16-11-2014 Federação Portuguesa de Atletismo 1 Regras e Regulamentos IPC-Atletismo 2014-2015 Federação Portuguesa de Atletismo 1 Atletismo para pessoas com Deficiência Federação Portuguesa de Atletismo 2 Jogos Paralímpicos A modalidade está no programa

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! *

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! * SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! * ernand Lang da Silveira Intitut de íica URGS Prt Alegre RS Reum Uma ripa de madeira, apiada bre dua taça, pde er partida, em quebrar a taça, cm uma frte pancada. A demntraçã dete

Leia mais

DETECTOR FOTOELÉTRICO ATIVO, DE 3 FEIXES, COM CONVERSÃO DIGITAL DE FREQUÊNCIA MANUAL DE INSTALAÇÃO

DETECTOR FOTOELÉTRICO ATIVO, DE 3 FEIXES, COM CONVERSÃO DIGITAL DE FREQUÊNCIA MANUAL DE INSTALAÇÃO DETECTOR FOTOELÉTRICO ATIVO, DE 3 FEIXES, COM CONVERSÃO DIGITAL DE FREQUÊNCIA MANUAL DE INSTALAÇÃO Faixas de alcance de cada mdel, cnfrme tip de instalaçã: ABE-50 Interna: 150 m; Externa : 50 m ABE-75

Leia mais

10. Escreva um programa que leia um texto e duas palavras e substitua todas as ocorrências da primeira palavra com a segunda palavra.

10. Escreva um programa que leia um texto e duas palavras e substitua todas as ocorrências da primeira palavra com a segunda palavra. Lista de Exercícis: Vetres, Matrizes, Strings, Pnteirs e Alcaçã Obs: Tdas as questões devem ser implementadas usand funções, pnteirs e alcaçã 1. Faça um prgrama que leia um valr n e crie dinamicamente

Leia mais

SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA

SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA A.M.A. Taeira A.C.M. Barreir V.S. Bagnat Institut de Físic-Química -USP Sã Carls SP Atraés d lançament de prjéteis pde-se estudar as leis

Leia mais

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1 OBMEP Nível 3 ª Fase Sluções QUESTÃO. Quincas Brba uniu quatr blcs retangulares de madeira, cada um cm 4 cm de cmpriment, cm de largura e cm de altura, frmand bjet mstrad na figura. A) Qual é vlume deste

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 4. Questão 2. alternativa B. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 4. Questão 2. alternativa B. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questã TIPO DE PROVA: A Ds n aluns de uma escla, 0% têm 0% de descnt na mensalidade e 0% têm 0% de descnt na mesma mensalidade. Cas equivalente a esses descnts fsse distribuíd igualmente para cada um ds

Leia mais

REGULAMENTO BRASIL SEVENS 2014

REGULAMENTO BRASIL SEVENS 2014 REGULAMENTO BRASIL SEVENS 2014 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY Capítul I - Dispsições Gerais O Campenat Brasileir de Rugby Sevens, denminad Brasil Sevens ( Trnei ), é um event prmvid e rganizad pela Cnfederaçã

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Programa provisório -

Programa provisório - Prgrama prvisóri - 1 INTRODUÇÃO O trnei Águeda Basket - Pásca decrrerá ns dias 3 (sexta-feira santa) e 4 (sábad) de abril de 2015 n Pavilhã Multiuss d Ginási Clube de Águeda. É direcinad as escalões Sub-14

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL 1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL A 1 Crrida Nturna Unimed Cascavel é uma nva prpsta de lazer, diversã, prmçã da saúde e da qualidade de vida ds mradres de Cascavel e Regiã. O event é cmpst pr crrida,

Leia mais

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE MENORES XXXIII Masculino e Feminino R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 Emitido em 15/02/06 Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE MENORES têm por

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA MEAHEURO.COM.BR Prf. Jé Rbert Marque V.1. ELERÔNCA DE POÊNCA EXERCÍCO REOLVDO OBRE REFCADORE NÃO CONROLADO COM CARGA RL E FCEM 1Q) Da circuit abaix, cnieran i ieal, eterminar : a) O ângul e cnuçã i b)

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

1. O Programa. 2. Conteúdo programático

1. O Programa. 2. Conteúdo programático EDITAL SENAI-UFPE-ACCENTURE-FACEPE 01/2016 O Departament Reginal d Serviç Nacinal de Aprendizagem Industrial de Pernambuc SENAI-PE, trna públic presente Edital que estabelece prcess de Seleçã e Admissã,

Leia mais

Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO. Fase escolar

Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO. Fase escolar Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO Fase escolar Introdução O Programa de Formação Esportiva Escolar tem como premissas a democratização do acesso ao esporte, o incentivo da

Leia mais

REGULAMENTO CIRCUITO FEDEESP DE GINÁSTICA ARTÍSTICA

REGULAMENTO CIRCUITO FEDEESP DE GINÁSTICA ARTÍSTICA REGULAMENTO CIRCUITO FEDEESP DE GINÁSTICA ARTÍSTICA I. OBJETIVO: Difundir a ginástica artística e incentivar sua prática nas diversas faixas etárias e níveis de habilidade através de um trabalh de base.

Leia mais

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Cœlum Australe Jrnal Pessal de Astrnmia, Física e Matemática - Prduzid pr Irineu Gmes Varella Criad em 1995 Retmad em Junh de 01 An III Nº 01 - Junh de 01 REFRAÇÃO ATMOSFÉRICA - I Prf. Irineu Gmes Varella,

Leia mais

5. Resolva o problema 4 sabaendo que há atrito entre as rodinhas do armário e o chão e o coeficiente de atrito cinético vale k = 0.25.

5. Resolva o problema 4 sabaendo que há atrito entre as rodinhas do armário e o chão e o coeficiente de atrito cinético vale k = 0.25. Dinâica do Sólido Tranlação de Sólido Centro de aa e Moento Angular ATIVIDADE 1 0 Bietre 1. A epilhadeira otrado pea W = 50 lb e é uado para levantar u caixote de peo 500 lb. A epilhadeira etá ovendo-e

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração GUIA DO USUÁRIO Termômetrs Prtáteis Termômetr Mdel TM20 cm snda padrã Termômetr Mdel TM25 cm snda de penetraçã 1 TM20-TM25-EU-PT-br V1.6 4/13 Intrduçã Obrigad pr esclher este Termômetr Prtátil Extech para

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente,

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente, Questã 46 Um pequen crp é abandnad d repus, n pnt, situad a uma altura h, e atinge sl cm uma velcidade de módul v. Em seguida, mesm crp é disparad verticalmente para cima, a lng da mesma trajetória descrita

Leia mais

Por bloco, entenda-se a unidade, e por peça, um bloco ou conjunto de blocos.

Por bloco, entenda-se a unidade, e por peça, um bloco ou conjunto de blocos. Resum das Regras: Nta: Este resum nã dispensa a cnsulta d restante Manual, nde se encntram figuras e descrições detalhadas. Preparaçã: dividind tabuleir em quatr quadrantes simétrics, preencha cada quadrante

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos?

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos? Lançament vertical e queda livre Se sltarms a mesm temp e da mesma altura duas esferas de chumb, uma pesand 1 kg e utra kg, qual delas chegará primeir a chã? Os antigs gregs acreditavam que quant mair

Leia mais

Entendendo as placas de interface de voz de Estação de Câmbio Internacional (FXS)

Entendendo as placas de interface de voz de Estação de Câmbio Internacional (FXS) Entendend plac de interface de vz de Etaçã de Câmbi Internacinal (FXS) Índice Intrduçã Pré-requiit Requiit Cmpnente Utiliz Cnvençõe Númer de prdut Recur Cnfiguraçã Suprte à platafrma Infrmaçõe bre pinagem

Leia mais

XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 2 (7 a. e 8 a. Ensino Fundamental) GABARITO

XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 2 (7 a. e 8 a. Ensino Fundamental) GABARITO GABARITO NÍVEL XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL (7 a. e 8 a. Ensin Fundamental) GABARITO ) D 6) A ) D 6) C ) C ) C 7) C ) C 7) B ) E ) C 8) A ) E 8) C ) D 4) A 9) B 4) C 9)

Leia mais

Normas de segurança para equipamentos de parques infantis

Normas de segurança para equipamentos de parques infantis Nrmas de segurança para equipaments de parques infantis Este dcument descreve as nrmas de segurança para inspecções após a instalaçã e inspecções anuais de parques infantis públics. Assume-se que utilizadr

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Edital nº26/2015 PROPP/UEMS, 28 de agst de 2015. ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENSINO EM SAÚDE, MESTRADO PROFISSIONAL, DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 I - DOS JOGOS Art.1 - A Olimpíada Especial UBM/PMBM tem por finalidade desenvolver o intercâmbio desportivo e social entre os atletas, professores

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

Projecto de Lógica para Programação. Videoteca em Prolog. ( º semestre)

Projecto de Lógica para Programação. Videoteca em Prolog. ( º semestre) Prject de Lógica para Prgramaçã Videteca em Prlg (2007-2008 2º semestre) 1. Intrduçã A base de dads BDvip.pl cntém infrmaçã sbre cinema - nmeadamente infrmaçã relativa a actres/realizadres, filmes e Óscares,

Leia mais

Normas técnicas para as submissões

Normas técnicas para as submissões Períd de submissã: 05/03 a 05/04/2017 Endereç: eitam4.submisses@gmail.cm Nrmas técnicas para as submissões Os artigs submetids a IV Encntr Internacinal de Teria e Análise Musical devem se adequar às nrmas

Leia mais

Ajuste Fino. Por Loud custom Shop Guitars SERIE FAÇA VOCÊ MESMO LOUD CUSTOM SHOP GUITARS

Ajuste Fino. Por Loud custom Shop Guitars SERIE FAÇA VOCÊ MESMO LOUD CUSTOM SHOP GUITARS Ajuste Fin Pr Lud custm Shp Guitars SERIE FAÇA VOCÊ MESMO LOUD CUSTOM SHOP GUITARS AJUSTE FINO Uma das cisas mais bacanas n mund da guitarra é fat de nã existir cert u errad. Sempre irá existir muitas

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

XXVII JOGOS ESCOLARES MUNICIPAIS JEMs 2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO ATLETISMO

XXVII JOGOS ESCOLARES MUNICIPAIS JEMs 2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO ATLETISMO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO ATLETISMO Art. 1º - As competições serão regidas pelas Regras Oficiais da Federação Internacional de Atletismo Amador e da Confederação Brasileira de Atletismo em tudo que não

Leia mais

UFSC. Matemática (Amarela)

UFSC. Matemática (Amarela) Respsta da UFSC: 0 + 0 + 08 = Respsta d Energia: 0 + 08 = 09 Resluçã 0. Crreta. 0. Crreta. C x x + y = 80 y = 80 x y y = x + 3 30 x + 3 30 = 80 x x = 80 3 30 x = 90 6 5 x = 73 45 8 N x z 6 MN // BC segue

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

2014-2015. DSRLVT Coordenação Local do Desporto Escolar de Lisboa Cidade. Regulamento de Perícias e Corridas de Patins

2014-2015. DSRLVT Coordenação Local do Desporto Escolar de Lisboa Cidade. Regulamento de Perícias e Corridas de Patins 2014-2015 DSRLVT Coordenação Local do Desporto Escolar de Lisboa Cidade Regulamento de Perícias e Corridas de Patins 1 INTRODUÇÃO Pretende-se que os eventos sejam momentos especiais de convívio entre alunos

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA RESOLUÇÃO

MATEMÁTICA APLICADA RESOLUÇÃO GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E 3/0/06 As grandezas P, T e V sã tais que P é diretamente prprcinal a T e inversamente prprcinal a V Se T aumentar 0% e V diminuir 0%, determine a variaçã

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 20615/201 Trabalho 5 Circuitos Sequenciais Síncronos

SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE Ano lectivo de 20615/201 Trabalho 5 Circuitos Sequenciais Síncronos SISTEMAS DIGITAIS LETI, LEE An lectiv de 20615/201 Trabalh 5 Circuits Sequenciais Síncrns 1. Intrduçã Este trabalh fi cncebid para que s aluns familiarizem cm a utilizaçã e prjet de Circuits Sequenciais

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 47 48 3.1. VISÃO DE FUTURO DO MAIS RN PARA 2035 A classe empresarial ptiguar apresenta para a sciedade uma Visã de Futur usada e desafiadra.

Leia mais

BEXIGAS PARA ACUMULADOR

BEXIGAS PARA ACUMULADOR 18.1 Generalidades A cnstruçã da bexiga em uma única peça sem emendas, u uniã vulcanizada, segue um prcediment riginal da HT que vem se aperfeiçand a lng de muit temp, é a característica especial deste

Leia mais

PROGRAMA CLIENTE REFERÊNCIA FH REGULAMENTO

PROGRAMA CLIENTE REFERÊNCIA FH REGULAMENTO PROGRAMA CLIENTE REFERÊNCIA FH REGULAMENTO Última Revisã: 02/06/2014 1. RESUMO CADASTRO Cliente preenche Frmulári de Cadastr CONFIRMAÇÃO DE CADASTRO A FH envia um e-mail de cnfirmaçã de cadastr para cliente

Leia mais

Manual de Instruções para Aparelhos Auditivos

Manual de Instruções para Aparelhos Auditivos Manual de Instruções para Aparelhs Auditivs Índice Aparelhs Auditivs persnalizads Cnhecend seu aparelh auditiv Clcand a bateria Clcand e retirand aparelh intracanal/intra-auricular Clcand e retirand aparelh

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas.

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas. Art. 1º - Os CAMPEONATOS ESTADUAIS CAIXA DE ATLETISMO MIRIM têm por propósito básico a integração estadual, a difusão do Atletismo e a verificação do desenvolvimento de seu estágio técnico nos diversos

Leia mais

01) 2 02) 2,5 03) 3 04) 3,5 05) 4. que se pode considerar AP = 2x e PB = 3x. Assim 2x + 3x = 20 5x = 20. RESPOSTA: Alternativa 05

01) 2 02) 2,5 03) 3 04) 3,5 05) 4. que se pode considerar AP = 2x e PB = 3x. Assim 2x + 3x = 20 5x = 20. RESPOSTA: Alternativa 05 PROVA APLICADA ÀS TURMAS DO 3 O ANO DO ENSINO MÉDIO DO COLÉGIO ANCHIETA EM MARÇO DE 009. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA 1. O segment AB pssui,

Leia mais

Programa Estágios Profissionais

Programa Estágios Profissionais Prgrama Estágis Prfissinais Cnsiste num estági cm a duraçã de 9 meses, pdend prlngar-se, cm autrizaçã d IEFP, excepcinalmente, até 12 meses, quand fr cmplementad pr um estági a realizar em territóri nacinal

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Modelos TM20, TM25 e TM26. Termômetro TM20 Sonda Padrão. Termômetro TM25 Sonda de Penetração.

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Modelos TM20, TM25 e TM26. Termômetro TM20 Sonda Padrão. Termômetro TM25 Sonda de Penetração. GUIA DO USUÁRIO Termômetrs Prtáteis Mdels TM20, TM25 e TM26 Termômetr TM20 Snda Padrã Termômetr TM25 Snda de Penetraçã Termômetr TM26 Snda de Penetraçã cm Certified NSF Refletr de Sm Intrduçã Obrigad pr

Leia mais

BRIEFING Campeonatos InterClubes ATPorto Grupo Senior 3ª Divisão 2017

BRIEFING Campeonatos InterClubes ATPorto Grupo Senior 3ª Divisão 2017 BRIEFING Campenats InterClubes ATPrt Grup Senir 3ª Divisã 2017 Nta prévia: este Briefing faz referência a nrmas e prcediments cumprir para realizaçã ds encntrs ds Campenats InterClubes na ATPrt, cnfrme

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

Alerta Hygro Thermometer

Alerta Hygro Thermometer GUIA DO USUÁRIO Alerta Hygr Thermmeter Mdel RH35 Intrduçã Obrigad pr esclher Mdel RH35 da Extech Instruments. Este aparelh é enviad cmpletamente testad e calibrad, e cm us adequad prprcinará ans de funcinament

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque.

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque. REGRAS OFICIAIS 1. A QUADRA 1.1. A área de jogo trata-se de um retângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este retângulo será dividido na sua metade por uma rede, formando em

Leia mais

FÍSICA. Prof. SÉRGIO GOUVEIA PROMILITARES AFA/EFOMM/EN MÓDULO 3 SUMÁRIO

FÍSICA. Prof. SÉRGIO GOUVEIA PROMILITARES AFA/EFOMM/EN MÓDULO 3 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. MODELO DE UM CONDUTOR 3 2. EQUILÍBRIO ELETROSTÁTICO 3 3. TEOREMA DE FARADAY 3 4. O ELETROSCÓPIO UM INSTRUMENTO DE GRANDE SENSIBILIDADE PARA DETECTAR A PRESENÇA DE CARGAS ELÉTRICAS 4 5. PROVA

Leia mais

SUPERFÍCIE E CURVA. F(x, y, z) = 0

SUPERFÍCIE E CURVA. F(x, y, z) = 0 SUPERFÍIE E URVA SUPERFÍIE E URVA As superfícies sã estudadas numa área chamada de Gemetria Diferencial, desta frma nã se dispõe até nível da Gemetria Analítica de base matemática para estabelecer cnceit

Leia mais

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 2.1 A MESA 2.1.1 A parte superior da mesa, chamada superfície de jogo, deve ser retangular, com 2,74 m de comprimento por 1,525 m de largura, e situar-se em um plano

Leia mais