FACULDADE METROPOLITANAS UNIDAS CAROLINE TERUKO MASUDA TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE PESCADO NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE METROPOLITANAS UNIDAS CAROLINE TERUKO MASUDA TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE PESCADO NO BRASIL"

Transcrição

1 0 FACULDADE METROPOLITANAS UNIDAS CAROLINE TERUKO MASUDA TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE PESCADO NO BRASIL São Paulo 2009

2 1 CAROLINE TERUKO MASUDA TENDÊNCIAS E PERSPECTIVA DE PRODUÇÃO DE PESCADO NO BRASIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para conclusão do curso de Medicina Veterinária pela Faculdade Metropolitanas Unidas,sob orientação do Professor Ricardo Moreira Calil. São Paulo São Paulo 2009

3 2 Caroline Teruko Masuda Tendências e Perspectivas de Produção Pescado no Brasil. São Paulo: UNI-FMU, Orientador: Ricardo Moreira Calil Trabalho de conclusão de curso (graduação) Centro Universitário da Faculdade Metropolitanas Unidas. Curso de Medicina Veterinária.

4 3 CAROLINE TERUKO MASUDA TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO DE PESCADO NO BRASIL Trabalho apresentado à disciplina medicina veterinária,do curso de Medicina veterinária/fmu, sob orientação do Professor Ricardo Moreira Calil.Defendido e aprovado em 18 de dezembro de 2009,pela banca constituída pelos professores: Prof. Dr. Ricardo Moreira Calil FMU Orientador Prof. Dr.Álvaro Pereira Dias Médico Veterinário Dr.Cristiane Regina de Alencar Médica Veterinária

5 Dedico a este trabalho a minha família, meu namorado e aos meus amigos queridos, que tanto deram apoio e dedicação para que mais uma etapa se realizasse. 4

6 5 AGRADECIMENTO Agradeço a Deus e ao Meishu Sama que me deu forças e dedicação a este trabalho. Aos meus pais, meu irmão, meu namorado Renato Torres, e a toda minha família que, com muito carinho e apoio, não mediram esforços para que eu chegasse até esta etapa da minha vida. Ao Professor Ricardo Calil, pelos seus inúmeros conselhos e apoio pelo lado profissional e pessoal. Aos meus amigos queridos, em especial, Maísa Larrubia, Flávia Gusi, Alessandra Augusto,pelo incentivo e pelo apoio constantes.

7 6 De tudo, ficaram três coisas: A certeza de que estamos sempre começando... A certeza de que precisamos continuar... A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar... Fazer da interrupção um caminho novo; Da queda, um passo de dança; Do medo, uma escada; Do sonho, uma ponte; Da procura, um encontro. Fernando Sabino

8 7 RESUMO O presente trabalho aborda as mudanças do consumo de pescado que associado ao hábito alimentar da população, têm sido responsáveis pela crescente demanda por peixes no Brasil, acompanhando um movimento semelhante em outras economias emergentes e desenvolvidas no mundo. Entretanto, a pesca extrativa, principalmente devido aos crescentes volumes, não é uma atividade produtiva oriunda de uma fonte inesgotável de recursos, visto que nos últimos anos observa-se a ocorrência de uma notada queda de produção na pesca extrativa. Diante desse cenário, tornou-se latente a necessidade de desenvolver a aqüicultura visando um conceito de sustentabilidade da produção, bem como preservação das espécies voltadas ao consumo, principalmente as marinhas. O que tornou - se uma das alternativas mais viáveis no mundo para produção de alimentos, principalmente o pescado. Estima-se que a produção mundial de pescados e da aquicultura em 2006, atingiu 143,6 milhões de toneladas, dos quais 110,4 milhões foram destinados ao consumo humano. Para que ocorram novas tendências e perspectivas futuras, o governo junto com os órgãos, estão implementando novas estratégias, recursos, pesquisas e planejamentos para melhorar a qualidade e quantidade da produção de pescado no Brasil. Palavras-chave: consumo de pescado, pesca extrativa, aqüicultura, sustentabilidade da produção.

9 8 ABSTRACT The present work discusses the changes in fish consumption, coupled with the feeding habits of the population, they have been responsible for increasing demand for fish in Brazil, following a similar movement in other emerging and developed economies in the world. However, fishing methods, mainly due to increased volumes, it is not a productive activity comes from an inexhaustible source of resources, since in recent years we have observed the occurrence of a noticeable drop in production at fishing methods. Given this scenario, it has become a latent need to develop aquaculture towards the concept of sustainable production and conservation of the species targeted for consumption, especially marine ones, which became one of the most viable alternatives in the world to produce food, especially fish. It is estimated that world production of fish and aquaculture in 2006 reached million tonnes, of which million were for human consumption. For the occurrence of new trends and future prospects, along with government agencies, are implementing new strategies, resources, research and planning to improve the quality and quantity of fish production in Brazil. Keywords: fish consumption, fishing methods, aquaculture, sustainable production.

10 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 10 2 O CRESCIMENTO DO PESCADO NO MUNDO Os Principais Produtores Mundiais China Japão O mercado é dividido em duas partes distintas A Pescaria do litoral Oeste: América Latina Peru Produção no Brasil Origem das Leis de Pesca Definição de Pesca Extrativa, Aqüicultura e Piscicultura Tipos de Aqüicultura Pesca Extrativa Pesca Extrativa Marinha O desempenho da pesca extrativa marinha nas regiões Pesca Extrativa Continental Maricultura Aqüicultura Continental Produção de Pescado Principais Estados exportadores de pescado Principais estados importadores de pescado Principais Perspectiva e Tendências no Brasil Rede de ações para o fortalecimento do setor Infra-estrutura e logística 46 3 CONCLUSÃO 52 4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 53

11 10 1 INTRODUÇÃO O pescado é um alimento saudável, rico em proteínas e sais minerais. A Organização Mundial da Saúde, OMS, recomenda o consumo de pelo menos 12 kg por pessoa ao ano. Hoje o Brasil tem 190 milhões de habitantes e que hoje consomem 7 kg/habitantes/ano (SEAP/PR, 2007). A estimativa mundial de consumo per capita de peixe aumentou de forma constante a partir de uma média de 9,9 kg em 1960 até 11,5 kg em 1970, 12,5 kg em 1980 e 14,4 kg em 1990,16,4 kg em 2005 e para chegar finalmente em 2006 proporcionando uma oferta aparente per capita de 16,7 Kg. Uma das exceções foi o Brasil, onde o consumo seguiu estabilizado aproximadamente de 7 kg/habitante/ano, bem abaixo dos 12,0kg recomendados, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) (FAO, 2009). A partir do levantamento feito pela a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), a produção mundial de pescado e da aquicultura em 2006, atingiu aproximadamente 144 milhões de toneladas, dos quais 110 milhões foram destinados ao consumo humano. A Aqüicultura,vem se expandindo de forma sustentável, e atualmente é o segmento onde mais se implantam projetos, sendo o foco mais importante no setor pesqueiro mundial, representando como uma forma alternativa de maior viabilidade para o suprimento da crescente demanda por pescado, tanto de origem marinha, como de água doce. Com a queda do setor pesqueiro extrativo nas últimas décadas, o rápido crescimento da aqüicultura tem sido a única forma de acompanhar esta alta demanda do consumo de pescado mundial (SEBRAE, 2008). O Brasil é um país de dimensões continentais. É o quinto maior país do mundo, possui 1,7% do território das terras imersas e ocupa 47% da América do Sul. A maior parte do seu clima é tropical.ocupa uma área total de ,599 km², sendo que 55,455 Km² de

12 11 água apenas.além disso, o país é conhecido pela ampla riqueza ou diversidade em paisagens e a riquezas naturais (SEBRAE, 2008). Sendo que km de costa oceânica, 3,5 milhões de km² de Zona Econômica Exclusiva e possui municípios, localizados em 27 estados, mais o Distrito Federal. Cada região possui suas características regionais bastante específicas no campo social, econômico e geográfico. A população está estimada em 191,5 milhões de habitantes em 2009 (IBGE, 2009). O Brasil hoje produz aproximadamente 1 milhão de toneladas/ano de pescado,gerando um PIB pesqueiro de R$ 5 bilhões, ocupando 800 mil profissionais entre pescadores e aquicultores e gerando 3,5 milhões de empregos diretos e indiretos. O potencial de crescimento é enorme e o Brasil pode se tornar um dos maiores produtores mundiais de pescado (SEAP/PR, 2007). O país apresenta um forte crescimento na produção de pescado, principalmente na parte da aqüicultura que vem crescendo nesses últimos anos. E com o incentivo do governo e a nova lei que criaram o Ministério de Aqüicultura e Pesca, em substituição da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca (SEAP), tem a finalidade estruturar uma cadeia produtiva para garantir um desenvolvimento sustentável no setor pesqueiro e aquícola (MPA, 2009). Este trabalho teve como objetivo de desenvolver uma pesquisa sobre as Tendências e Perspectivas da produção de pescado no Brasil, onde estão desenvolvendo novas ações e um intenso planejamento de ações futuras para consolidação das melhorias na área da pesca e da aqüicultura, objetivando impulsionar e criar pilares estruturantes para uma área sustentável da atividade pesqueira em nosso país (SEAP, 2007).

13 12 2 O CRESCIMENTO DO PESCADO NO MUNDO Com a forte expansão e demanda por produtos pesqueiros está ocorrendo um crescimento em todo o mundo e que já supera a oferta, provocando uma crescente demanda e até mesmo a elevação de preço de diferentes tipos de pescado, proveniente da pesca extrativista. As principais razões para o incremento do consumo são: uma grande variação entre países e regiões do mundo, no valor total do fornecimento de peixe para consumo humano, refletindo as diferenças de hábitos alimentares e tradições, a disponibilidade de peixes e outros alimentos, preços, níveis sócio econômicos, e as estações e o consumo de peixe per capita pode variar em todos os países (CHAMMAS, 2007). A produção de Aquicultura está desempenhando um forte papel cada vez mais para satisfazer a demanda para o consumo humano de peixes e produtos da pesca. Nas últimas décadas, esta ocorrendo um elevado consumo de peixes originado a partir da aquicultura. Diante disso a contribuição média da aqüicultura para a disponibilidade de peixes para consumo humano per capita aumentou de 14 % em 1986, para 30 % em 1996 e para 47 % em 2006, e espera-se chegar a 50 % nos próximos anos. A China é o principal responsável por esse aumento. A produção de aquicultura tem aumentado a demanda e consumo de diversas espécies de água doce, tais como tilápia e catfish (incluindo espécies Pangasius), e para espécies de alto valor, tais como camarões, salmão e bivalves. Desde meados da década de 1980, estas espécies têm deixado de serem essencialmente silvestres capturados para serem produzidos principalmente na aquicultura, com uma redução em seus preços e um forte aumento na sua comercialização. Aquicultura teve também um papel importante em termos de segurança alimentar em vários países em desenvolvimento, particularmente na Ásia, com uma produção significativa de algumas espécies de baixo valor, de água doce, que são destinados principalmente para consumo interno (FAO, 2008). A partir dessa transformação no consumo alimentar de peixes no mundo, esta acontecendo nos países desenvolvidos e países em desenvolvimento. Nos países desenvolvidos, onde as rendas são geralmente elevadas e as necessidades básicas alimentares têm sido satisfatória, chegando aos consumidores a procura de mais variedade para incluir na sua dieta alimentar. Ao mesmo tempo, o consumidor de classe média alta, está exigindo cada vez mais no alimento, como a segurança alimentar, o frescor, a diversidade, a rastreabilidade,

14 13 requisitos de embalagem e os controles de processamento, que reforçam uma preferência implícita para estes tipos de pescado (FAO, 2008). Diante do relatório feito pela FAO Pesca e Departamento da Aquicultura O Estado Mundial da Pesca e da aqüicultura (2008, p.07), mostram os estados dos recursos de captura de pescado. O que vale ressaltar a partir do relatório: [...] em 2007, cerca de 30% recursos pesqueiros mundiais estavam super explorados ou esgotados, (19%) super explorados, (8%) esgotados ou em recuperação apenas (1%) e, portanto, não utilizou todo o seu potencial devido a excessiva pressão da pesca.[..] As áreas que apresenta uma proporção de riscos ou totalmente explorados são a do Nordeste Atlântico, o lado Oeste do Oceano Índico e o Noroeste do Pacífico.No total, 80% das populações mundiais de peixe em relação as que se disponibilizaram informações, foram registradas como totalmente exploradas ou super exploradas e, devido a esse alto número, requerem uma gestão eficaz e preventiva (FAO, 2008). No caso da pesca extrativa, a produção mundial teve seu avanço a partir da década de 1950,com a evolução da tecnologia de captura e dos métodos de conservação e processamento.porém, a pesca extrativa não é uma atividade que possa ser uma fonte inesgotável e nos últimos anos está ocorrendo uma queda de produção na pesca extrativa. E com o desenvolvimento da aqüicultura que nesses últimos anos, vem crescendo e se implantando em vários estados do Brasil e cultivando inúmeras espécies marinhas. O que tornou - se uma das alternativas mais viáveis no mundo para produção de alimentos, principalmente o pescado (FAO, 2008). A disponibilidade média de peixes por pessoa vem diminuindo ano a ano e a demanda atual já não pode ser satisfatória, pelo forte crescimento populacional mundial e a dificuldade de obter um controle na produção e distribuição uniformemente. A estimativa mundial de consumo per capita de peixe aumentou de forma constante a partir de uma média de 9,9 kg em 1960 até 11,5 kg em 1970, 12,5 kg em 1980 e 14,4 kg em 1990,16,4 kg em 2005 e para chegar finalmente em 2006 proporcionando uma oferta aparente per capita de 16,7 Kg. Uma das exceções foi o Brasil, onde o consumo seguiu estabilizado aproximadamente de 7 kg/habitante/ano, bem abaixo dos 12,0 kg recomendados, pela OMS (FAO, 2008).

15 14 Figura 1. Consumo per capita de pescado em nível mundial de acordo com a FAO, A partir do levantamento feito pela a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), a produção mundial de pescados e da aquicultura em 2006 na (Tabela 1), atingiu 143,6 milhões de toneladas, dos quais 110,4 milhões foram destinados ao consumo humano. O Pescado, ainda permanece estável, porém a aqüicultura vem se destacando e suprindo a grande demanda de pescado do mundo em função da estagnação da captura (FAO, 2009). Assim, na área da Aqüicultura, vem se desenvolvendo de forma crescente e sustentável, que atualmente onde se mais implanta neste segmento, sendo o mais importante do setor pesqueiro mundial, representando como uma forma alternativa de maior viabilidade para o suprimento da crescente demanda por pescado, tanto de origem marinha, como de água doce. Com a queda do setor pesqueiro extrativo nas últimas décadas, o rápido crescimento da aqüicultura tem sido a única forma de acompanhar esta alta demanda do consumo de pescado mundial (SEBRAE, 2008).

16 15 Tabela 1. Mundo da Pesca e da Aqüicultura e Utilização. FAO, Em 2006, na, a produção de captura total foi de 92 milhões de toneladas (que inclui peixes, crustáceos e moluscos), e apresentou uma diminuição de 2,2 milhões de toneladas em comparação com o ano 2005, e nos anos anteriores, a mudança foi causada principalmente pelas sensíveis flutuações ambientais orientadas em capturas de Anchoveta Peruano (Popular em fazer óleo e farinha de peixe, produz uma das refeições das mais altas qualidades do pescado do mundo), uma espécie extremamente suscetível às condições oceanográficas determinado pelo El Nino Oscilação Sul ocorre na região do sudeste do Oceano Pacífico, principalmente dentro de 80 km da costa do Peru e Chile (Tabela 1) ( FAO, 2008). Com a produção da pesca que foram capturadas mundialmente em 2006, cerca de 92 milhões de toneladas, foi estimada o valor de venda aproximadamente 91,2 bilhões de dólares, compreendendo que desse valor total em toneladas, cerca de 82 milhões de toneladas de água marinhas e 10 milhões de toneladas de águas interiores, que obteve um recorde no ano de Portanto, os países principais que permanece são:china, Peru e E.U.A (FAO, 2008).

17 16 A China continua sendo o líder mundial com mais de 17 milhões de toneladas e uma produção de captura muito estável, com a variação de um ano a sua captura total foi menor que 1 % no período Para 2006, o Chile classificou duas posições abaixo, como conseqüência da diminuição das capturas de Anchoveta, e a Filipina ficou em 10º posição, passando da Noruega. Além dos seis países asiáticos, estão entre os dez maiores produtores, e outros quatro países asiáticos (ou seja, Mianmar, Vietnã, República da Coréia e Bangladesh) está entre 12º á 15º posições. Isto se refletiu em partes da Ásia, das capturas totais, que ultrapassou 52% mundial de produção da pesca de captura, em 2006, a maior parte até agora registrados (Figura 2) (FAO, 2008). Figura 2. Marinho e Pescarias do interior: dez maiores países produtores em 2006 de acordo com a FAO, A Aquicultura é vista como um alimento animal de rápido crescimento principalmente no setor de produção, para elevar o crescimento da população per capita, o abastecimento da aquicultura passou de 0,7 kg em 1970 para 7,8 kg em 2006, apresentando uma taxa média de crescimento anula de 6,9 % (FAO, 2008). No Mundo, a aqüicultura se encontra fortemente e dominada na região Ásia Pacífico, que corresponde por 89% da produção em termos de quantidade e 77% em termos de valores. O motivo é a China, por ser o maior produtor na área, o que responde a 67% da produção mundial em termos de quantidade e 49% em termos de valor mundial (FAO, 2008).

18 17 A produção por região, para o período , mostra que o crescimento não foi uniforme. A América Latina e no Caribe mostra o maior crescimento anual médio (22,0 %), seguida pela região do Oriente Médio (20,0 %) e a região Sul (12,7 %). Produção de aquicultura da China aumentou a uma taxa média anual de 11,2 % no mesmo período. No entanto, recentemente, a taxa de crescimento da China caiu para 5,8 % de 17,3 % 1980 e 14,3% na década de Da mesma forma que o crescimento da produção na Europa e na América do Norte, diminuiu cerca de 1% por ano desde Na França e Japão, países que costumava levar o desenvolvimento da aquicultura, a produção teve quedas nos últimos anos. É evidente que, enquanto a produção da aquicultura continua a crescer, a taxa de crescimento poderá ser moderada futuramente (Figura 3) (FAO, 2007). Figura 3. Produção por região, no período de FAO, Os Principais Produtores Mundiais China A China apresenta aproximadamente 1,331 bilhões de habitantes, sendo considerado o maior país da Ásia Oriental e o mais populoso do mundo (FAO, 2009). A China continua sendo o maior produtor, sendo que a sua produção pesqueira chegou a quase 36% do total mundial, proporcionando um consumo interno de 29,4kg per capita. A produção da pesca em 2006 ascendeu a 51,5 milhões de toneladas (17,1milhões de toneladas e 34,4 milhões resultantes da pesca e da aqüicultura, respectivamente) (FAO, 2009).

19 18 Este domínio é principalmente devido à grande produção da China, que representa 67% da produção mundial em termos de quantidade e de 49% do valor mundial (FAO, 2008). A China tornou-se o maior exportador do mundo de pescado, no valor de 9,7 bilhões de dólares, e as importações atingiram cerca de 4,2 bilhões de dólares em 2007 (FAO, 2009). A produção de aquicultura na China prevista em 2009 é aproximadamente 49,5 milhões de toneladas, apresentando um crescimento de 2,0 %, em relação ao ano de 2008, que produziu 48,6 milhões de toneladas (USDA, 2008). A produção de pescado foi de 28 milhões de toneladas em 2007, houve um crescimento de 2,9 %, em relação ao ano de 2006, que produziu 27,1 milhões de toneladas. Este setor responde por 59 % da produção total de aquicultura, em seguida moluscos e crustáceos com 24% e 11 %, respectivamente (USDA, 2008). Os peixes de água doce produziram 19,1 milhões de toneladas, respondendo por 68 % da produção total de peixes. Peixes cultivados representaram 92 % de toda a produção de peixes de água doce em A carpa é o peixe de água doce mais popular de cultura, com produção total de 12,9 milhões de toneladas em 2007, respondendo por 74% da produção total de peixes de água doce cultivados. A produção de tilápia manteve um crescimento elevado em 2007 e alcançou milhão de toneladas. E de catfish, a produção deverá ultrapassar os mil toneladas em 2008, contra toneladas em 2007 (USDA, 2008). O Marisco é o maior produtor de espécies cultivadas no mar em 2007, produzindo 9,9 milhões de toneladas, respondendo por 76% total da produção (USDA, 2008). A produção de crustáceo cultivado em 2007 atingiu 2,6 milhões de dólares. Ao todo, a produção de água doce representou 65% do total da produção de crustáceos cultivados em 2007, já a espécie Penaeus vannamei (camarão branco), a produção atingiu milhões de toneladas em 2007, respondendo por 41% da produção total de crustáceo cultivado (USDA, 2008) Japão O Japão está localizado no nordeste da Ásia entre, o Pacífico Norte e o Mar do Japão. A área do Japão é de km² e é constituído por quatro ilhas grandes, que são: Hokkaido (ilha do norte), Honshu (ilha principal), Shikoku (pequena ilha) e Kyushu (ilha do

20 19 sul) e cercado de mais de 4 mil ilhas pequenas. O Japão apresenta 127,547 milhões de habitantes, sendo que a cidade capital é Tóquio (ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE TURISMO, 2009). É o maior consumidor do mundo e importador de peixe e produtos do mar. As importações representaram cerca de 45% ou cerca de 17,3 bilhões dólares do total de peixes e frutos do mar do mercado em A média de consumo de pescado anual em 2005,foi 61,2kg per capita (FAO, 2009). A produção total de pescado no Japão foi aproximadamente 5 milhões de toneladas, exceto algas, em 2007, dos quais mil toneladas foram produzidas pela aqüicultura (FAO, 2009). Thompson Business intelligence citado pela Agricultura e Agro- alimentar Canadá diz que o total de vendas de peixes e frutos do mar no Japão, foram estimadas em US$104.5 bilhões em saindo de US$ 98 bilhões em 2004 e as projeções indicam um alcance de US$ bilhões em As principais espécies cultivadas são Nori, Yesso vieira, Ostra,Amberjack japonês, vermelho seabream, e mostarda mar, Enguia, Ayu, truta arco-íris, e pérolas (FAO, 2009). Quanto a espécies aquícolas exportado no Japão, o principal produto são pérolas. O valor das exportações de pérolas em 2005 foi 243 milhões de dólares. Principais mercados de exportação são os Estados Unidos, Alemanha, Suíça, Hong Kong, Itália e Coréia. Os peixes ornamentais foram exportados para 9,3 milhões dólares para o Reino Unido, Hong Kong, Alemanha, Estados Unidos e na Holanda. Pequenas quantidades de filetes de solha, dourada vermelho vivo, e vieiras yesso também foram exportados (MAFF, 2009). A indústria de pesca japonesa está centrada no principal mercado de peixes Tsukiji em Tóquio, estabelecida em 1923, é o mercado mais conhecido no mundo (MAFF, 2009). O mercado Tsukiji, movimenta cerca de toneladas de produtos marinhos diariamente, oferece mais de 400 tipos diferentes de frutos do mar e as importações vindos de mais 60 países (O MERCADO TSUKIJI, 2009).

21 O mercado é dividido em duas partes distintas Mercado interno: é destinado ao mercado grossista, onde acontecem os leilões e o processamento do peixe. Cerca de aproximadamente 900 comerciantes grossistas executam o seu trabalho em pequenas barracas. Mercado externo: é a mistura do atacado e varejo. São lojas que vendem utensílios da cozinha japonesa, suprimentos para restaurantes, mariscos e restaurantes. Figura 4. Mercado Central de Tóquio Tsukiji. Fonte:.nationalgeographic, 2008 A figura 4, mostra os Atuns Rabilhos congelados expostos, que são os mais cobiçados e são vendidos a partir de leilões.são leiloados para os compradores grossistas que em seguida será vendida para os comerciantes, donos de restaurantes e supermercados.

22 21 Figura 5: Mercado Central de Tóquio Tsukiji. Fonte: expor a venda. A figura acima, mostra os comerciantes cortando o atum rabilho, para em seguida Figura 6. O mercado Central de Tóqui Tsukiji. Fonte:travel.nationalgeographic, 2008 A figura 6 mostra várias barracas uma do lado da outra, expondo vários tipos de frutos do mar e pescado.

23 A Pescaria do litoral Oeste: América Latina Na América do Sul, os principais países produtores são o Peru e o Chile. No Peru, o que faz este país ter uma posição de destaque é a grande biomassa natural de Anchoita (peixe pelágico semelhante à sardinha) devido a uma condição oceanográfica que facilita a expansão de produção de pescado e apresenta correntes marinhas de águas profundas mais frias e nutritivas emergem na costa peruana, criando condições únicas de desenvolvimento de cardumes de pequenos peixes. Este fenômeno é conhecido como ressurgência e também ocorre na região de Cabo Frio no Brasil, porém com menor intensidade (FAO, 2009). No Chile, além de alguns estoques significativos de pequenos peixes, o país vem se desenvolvendo rapidamente na produção de aquicultura, com destaque para o Salmão, onde já é um dos principais produtores mundiais (FAO, 2009). O Chile tem 16,3 milhões de habitantes, sua área total é de 757,000 por km 2,. O consumo de produtos do mar, principalmente da pesca de captura, atinge apenas 16 kg per capita, apresenta consideravelmente menor que aquele para o consumo de outros tipos de carnes (aves domésticas: 28,8 kg, carne de bovino: 25,1 kg e a carne de porco: 19,9 kg) (FAO, 2009). Em 2004, segundo as pesquisas feitas pelo Serviço Nacional de Pesca o valor FOB da aqüicultura gerado exportações foi U$ milhões de dólares corresponde a mil toneladas, em oposição à pesca, que atingiu U$ com um volume de toneladas. Do volume total exportado, 93% corresponderam a aqüicultura intensiva de peixes, 5 %, para semi-intensiva e extensiva de cultivo de moluscos e 1,7 % para o cultivo extensivo de algas (FAO, 2007). A taxa de crescimento média anual de aqüicultura entre 1997 e 2004 foi de 10,5 %. Cerca de 13 espécies estão atualmente sendo cultivadas, seis das quais são nativas de vieiras (Norte, Gracilaria, mexilhão chileno, sapato de mexilhão, ostra e mexilhão cholga chileno).

24 23 Quadro 1. Espécies cultivadas comercialmente no Chile. Fonte: FAO (2009). Segundo a FAO, o cultivo de peixes é representada principalmente pelo salmão do Atlântico (Salmo salar), Prateado ou Salmão do Pacífico (kisutch), Truta arco-íris (Oncorhynchus mykiss), e Salmões de rei (tschawyscha mykiss), cuja produção contribui para o maior valor das exportações de pesca: 57 % das exportações das pescas, e 93% das exportações da aqüicultura em Pregado (máxima), cultivadas em tanques de terra, contribuiu com 0,2% do volume exportado em O cultivo de Gracilaria spp. ou pelillo, contribui 1.7 % total das exportações. Nos últimos anos, o cultivo de Mítilids (mexilhões) e Vieira do norte vem apresentando um forte crescimento. A Europa é principal destino das exportações de mexilhões, que em 2007 foram mais de 35 mil toneladas, com um valor total de 86 milhões de dólares (FAO, 2009). Toda produção de Vieras esta concentrada na região Norte do país. O principal produto a ser exportado é o congelado. As exportações em 2007 de Vieiras chegaram a valores superiores de 21 milhões de dólares. A oferta mundial esta em aumento, sendo a concorrência e a falta de diversificação na oferta de produto são os principais desafios do setor (FAO, 2009). As exportações totais da produção aquícola chilena cresceu de mil toneladas em 1993 para mil toneladas em 2004, com um valor de U$ milhões dólares (FAO, 2005). Chile Produção de salmão (volume) Chile Produção de salmão (valor)

25 24 Figura 7. Produção de Salmao (Volume) e Produção de Salmão (Valor) Fonte:Glitnir, 2007 O salmão do Atlântico é a espécie dominante da aquicultura, no Chile, tanto em volume como em valor. O volume de produção de salmão representou milhões de toneladas e produção de salmão em valores em 2005, representou milhões de dólares (Figura 7). Outras espécies importantes são a truta arco-íris e salmão prateado, cuja produção tem variado de forma substancial entre ano. Truta em 10 anos de crescimento da produção média anual: 18% Coho em 10 anos de crescimento da produção média anual: 11%. Em termos de volume, a espécie mais importante é o Salmão do Atlântico, seguido de truta arco-íris e salmão-prateado. A contribuição de Gracilaria diminuiu de 8 % em 2000 para 2,8 % em 2004, enquanto o mexilhão chorito tem aumentado de 5% para 11,2 % (FAO, 2009). Em 1921, foi realizada a primeira introdução do Salmão (Salmon coho ou Salmão do Pacifico) pelo Instituto de Fomento Pesqueiro (IFOP).No ano de 1974,ocorreu a primeira iniciativa privada de criação de Truta Arco Iris. Onde, em 1978 foi criado a Sernapesca (Subsecretaria de Pesca e o Serviço Nacional de Pesca) e no ano de 1985, apresentava 36 centros de cultivo com uma produção que chegava toneladas. No ano seguinte, em 1986 a produção apresentava mil toneladas. Com isso é criada Associação de Produtores de Salmão e Truta de Chile A.G, conhecida hoje SalmonChile

26 25 A Produção de salmão do Atlântico, no Chile diminuiu 10% no primeiro semestre de 2007 comparando ao mesmo período em Comparando com outras duas principais espécies de salmonídeos, truta e salmão prateado, por outro lado, obteve um crescimento significativou seja 51% e 69%, sendo que o crescimento da produção total para os três principais espécies no primeiro semestre de 2007 foi de 11,4%. Atualmente o Chile é o segundo maior produtor de salmão do mundo e o primeiro em truta. (FAO, 2008). O país passou de exporta 159 milhões de dólares em 1991 para USD 2,24 bilhões em E no mesmo ano, a indústria do salmão representou aproximadamente 4 % do total das exportações chilenas. Tabela 4. Exportação de salmão e Truta no Chile. ( ) O choque da produção de salmão no Chile no ano de 2007: A produção anual de Salmonídeos no Chile se disparou na alta demanda de produção, observando se no gráfico, em 2006, a produção das três mais importantes espécies atingiram a produção com toneladas, que representou um aumento de 4,8 % em comparação com o ano de 2005 que produziu toneladas. Comparando-se no gráfico abaixo, entre 1995 e 2006, a produção chilena de salmão atlântico, Truta Arco Íris e Coho Salmão cresceram em uma escala de 14,8% taxa média de crescimento anual. No entanto, o Salmão do Atlântico sofreu uma redução, ocorrendo um aumento da produção de Truta arco-íris (Onchorhynchus mykiss) e Coho Salmão

27 26 (Onchorynchus kysutch). O primeiro semestre de 2007, em comparação com o mesmo período em 2006, as alterações para essas três espécies foram-9.7 %, % e %, respectivamente. O desempenho da produção durante o primeiro semestre pode ser observado nas linhas pontilhadas. Total de produção destas espécies no primeiro semestre de 2007 cresceu 11,4 % em comparação com o mesmo período em 2006 (EUROFISH, 2007). Figura 8. Chile: Principal produção de Salmão, 1000 ton. Fonte: Eurofish, No ano de 2007, o setor de produção de Salmão obteve uma série de choques negativos. A primeira causa foi, o terremoto em abril na região XI, na área de Aysen, causando deslizamento de terra e um tsunami no Fiordes. Com as conseqüências feitas pela própria natureza, teve um prejuízo em 14 centros de colheita e uma fazenda de peixes, embora a maioria não estivesse em funcionamento naquele momento. A região XI é a mais importante para produção de salmão (EUROFISH, 2007). Uma das medidas que foram tomadas depois do tremor, foi a remoção à navegação interior dos Fiordes, que teve um efeito negativo na indústria. Sabe-se que os Fiordes são uma passagem- chave de ligação ao mar para o transporte da produção. E a solução era transferir alguns centros de aqüicultura (EUROFISH, 2007). A segunda causa, que ocorreu vários surtos do vírus ISA (Anemia Infecciosa do Salmão). Onde essa doença, apenas tinha detectado na Noruega, causando altos índices de

28 27 mortalidade. No mês de agosto, 39 centros foram colocados em quarentenas por causa do vírus (EUROFISH, 2007). De acordo com as declarações do Felix Inostroza Cortés, diretor da SERNARPESCA (Serviço Nacional de Pesca), houve mortalidade nos centros em torno de 11% a 12%, sabendo- se que o surto esta focada na ilha de Chiloé, na região X. Para não ocorrer um prejuízo maior, focar nas medidas de prevenção para obter uma sustentabilidade futura. Figura 9. Chile, suas principais regiões. Fonte: Wikipedia, Peru O Peru, apresenta 28,7 milhões de habitantes, com uma área de 1,285,000 km². O Peru se encontra como maior consumidor de pescado da América Latina (20,0 kg per capita), seguindo Chile (16,5 kg per capita), Argentina (6,5 kg per capita) e Brasil (7,0 kg per capita). Peru é o maior produtor do mundo de farinha de peixe, com aproximadamente 1/3 da produção mundial. A espécie mais importante é a Anchova. Desde 2002, somente a anchova pode ser usada em pescados. O uso de sardinhas, carapaus e cavalas está são usados para o consumo humano direto. Em 2006, o Peru exportou 97% de pescados e 96% da produção de óleo de peixe. 41% das exportações foram para a China, 16% para a Alemanha e 13 % para o Japão. A

29 28 demanda por pescados, especialmente na China e na Europa, deve aumentar ainda mais nos próximos anos com uma necessidade cada vez maior de uma alimentação saudável (GLITINIR, 2007). Figura 10. Zonas de Pesca e Quota no Peru. Fonte: Glitinir,2007 Figura 11. Produção de Farinha de Peixe mundial e capturas peruanas. Fonte: Glitnir,2007

30 29 Segundo IFFO (Internacional Fishmeal and Fish Oil Organisation), no ano de 2006, o Peru exportou 97% de sua farinha de peixe e 96% de sua produção de óleo de peixe. O Peru é o líder mundial de farinha de peixe, com 41% das exportações mundiais em 2006, portanto, no ano 2007 a produção se encontrou estável em comparação ao ano anterior. O Peru e parte da Escandinávia mostrou uma queda de exportações de farinha de peixe comparando ao ano de 2000(51% e 15%) e 2006 (39% e 13,8%). E a previsão feita pela IFFO, para 2007 e 2008 mostra uma produção de farinha de peixe em torno de 3 milhões de toneladas, bem abaixo do início do ano de 2000, que foi produzido 3,5 a 4 milhões de toneladas (Figura 11). Tabela 5. Exportação de farinha de peixe, 000 toneladas Fonte: Glitnir, Tabela 6. Produção de farinha de peixe, 000 toneladas Fonte: Glitnir, A forte demanda e a oferta limitada de farinha de peixe, esta ocorrendo uma forte crescente da produção de aquicultura, e ocasionando o aumento de produção de farinha por ser a principal fonte de proteína para aquicultura alimentar. Diante disso o enfraquecimento

31 30 do valor do dólar, esta deixando o preço da farinha de peixe mais barato, tanto no Japão e na Europa (GLITINIR, 2007) Produção no Brasil O Brasil é um país de dimensões continentais. É o quinto maior país do mundo, possui 1,7% do território das terras emersas e ocupa 47% da América do Sul.A maior parte do seu clima é tropical.ocupa uma área total de ,599 km², sendo que 55,455 Km² de água apenas (SEBRAE, 2008). Sendo que km de costa oceânica, 3,5 milhões de km² de Zona Econômica Exclusiva e possui municípios, localizados em 27 estados, mais o Distrito Federal. Cada região possui suas características regionais bastante específicas no campo social, econômico e geográfico. A população está estimada em 191,5 milhões de habitantes em 2009 (IBGE, 2009). A disponibilidade de recursos hídricos, o clima extremamente favorável, a mão-deobra abundante e a crescente demanda por pescado no mercado interno têm contribuído para impulsionar a atividade (IBGE, 2009). Portanto, possui um imenso mercado consumidor em potencial para produtos provenientes da aquicultura e pescado. Foi apresentado um relatório pela ONU mostra que nenhum país há desigualdade de renda tão superior quanto no Brasil. A aquicultura está sendo vista ao longo do presente trabalho, que pode ser uma ferramenta utilizada para diminuir essas desigualdades, desde que seja administrada como prioridade pelo Estado (SEBRAE, 2007). O Brasil tem grande potencial para o desenvolvimento do setor pesqueiro o que favorece juntamente o desenvolvimento de uma nova atividade que é a aquicultura. 2.2 Origem das Leis de Pesca No início do século XX, no governo Hermes da Fonseca, em 1912, a atividade começou a ser moldada e pensada a partir do processo de industrialização brasileira, através da economia cafeeira, mostrava-se como uma atividade de iniciativa do poder estatal. Indicando um poder mais evidente a idéia de nacionalismo que nascia cada vez mais forte. Neste mesmo ano, criou-se a inspetoria da pesca, que segundo o decreto nº , com sede

32 31 no Rio de Janeiro, tinha por objetivo criar estações de pesca de acordo com o número de zonas de pesca, de preferência em núcleos já estabelecidos de pescadores. Porém em 1914, pelo decreto nº a atividade pesqueira se olha fiscalizada pela inspetoria de Porto e Costas da república, possuindo em suas metas não só a fiscalização, mas a inspeção, fiscalização e superintendência de todos os serviços a cargo das capitanias dos portos, que lhe ficavam diretamente subordinados. Após, três anos, os interesses focaram para os nacionais, que ainda era determinada à pesca exclusivamente nacional, com base no artigo 73 da lei 2.544, de janeiro de 1912 (BORGES, 2007). Com a entrada da industrialização brasileira, em 1923, no mandato de Artur Bernardes, através do decreto nº as atividades de pesca passa a ser regulada pelas capitanias dos portos, diretamente subordinada ao ministério da marinha, submetendo a matricular os barcos e pescadores nas capitanias dos portos para melhorar a fiscalização, inclusive a contagem da captura feita com o auxilio da diretoria de pesca. Com estas novas ordens passou-se a fiscalizar a captura e a promover os estudos econômicos desta atividade através da formulação de estatísticas, iniciou-se a idéia de planejar. Com a nova lei regulamentava que somente os brasileiros ou naturalizados brasileiros poderiam exercer a atividade no território, havendo uma proteção dos recursos naturais brasileiros pelo governo federal (BORGES, 2007). No governo de Getúlio Vargas, no ano de 1933, através do decreto nº é feita a regulamentação dos entrepostos federais de pesca e cria-se o entreposto do Distrito Federal. O entreposto federal, com sede no Rio de Janeiro, era diretamente subordinado a diretoria de caça e pesca, a diretoria geral de indústria animal, ao ministério da agricultura.. O entreposto federal tinha o objetivo de concentrar a produção e consumo para exportação, promovendo o melhor desempenho na balança comercial (BORGES, 2007). Em 1961, no governo Jânio Quadros, é criado o Conselho de Desenvolvimento da Pesca (CODEPE), pelo decreto nº , tendo como principais objetivos: elaborar o plano plurienal da pesca, elaborar também programas para a formação de técnicos e profissionais na área de pesca, promover a assistência social aos trabalhadores da pesca, dar isenção fiscal às indústrias para a construção de barcos de pesca e ampliar o mercado de consumo dos grandes centros demográficos e cidades do interior (BORGES, 2007).

33 32 A partir das mudanças em 1962, pela lei delegada nº. 10 a principal autarquia do setor, a Superintendência do Desenvolvimento da Pesca. Havia grandes objetivos, dentro os maiores era a elaboração do plano nacional de desenvolvimento da pesca, o Plano de Metas da pesca. Carecia a SUDEPE (Superintendência do Desenvolvimento da Pesca) também, dar assistência técnica e financeira dos empreendimentos da pesca, realizar estudos para o aprimoramento das leis, a fiscalização com base nos códigos de pesca inclusive coordenação de programas de assistência técnica nacional e estrangeira (BORGES, 2007). Em 22 de fevereiro de 1989, a Lei cria o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA que recebe então, da extinta SUDEPE, a gestão da pesca e da aqüicultura como atribuição. A administração da pesca sofreu uma mudança significativa, à medida que a sustentabilidade ganhou um peso considerável na gestão do uso dos recursos pesqueiros. Essa nova fase, propiciando outra visão ao ordenamento dos recursos pesqueiros, se por um lado nega a política de explotação levada em período anterior, por outro vincula a atividade pesqueira quase que exclusivamente à dimensão ambiental (BORGES, 2007). Em maio de 1998, com a nova reestruturação organizacional da Presidência da República e dos Ministérios, foi transferida a competência relacionada com o apoio da produção e o fomento da atividade pesqueira para o MAPA, através do Departamento de Pesca e Aquicultura (DPA), permanecendo no MMA e IBAMA as responsabilidades relacionadas com a política de preservação, conservação e uso sustentável dos recursos naturais (BORGES, 2007). Por fim, em 1º de janeiro de 2003, o Governo editou a Medida Provisória 103, hoje Lei , na qual foi criada a Secretaria Especial da Aqüicultura e Pesca - SEAP, ligada a Presidência da República. A SEAP/PR tem status de Ministério e atribuições para formular a política de fomento e desenvolvimento para a aqüicultura e pesca no Brasil, permanecendo a gestão compartilhada do uso dos recursos pesqueiros com o Ministério do Meio Ambiente. A SEAP foi criada para atender uma necessidade do setor pesqueiro, na perspectiva de fomentar e desenvolver a atividade, no seu conjunto, nos marcos de uma nova política de gestão e ordenamento do setor mantendo o compromisso com a sustentabilidade ambienta (SEAP, 2009).

34 Definição de Pesca Extrativa, Aqüicultura e Piscicultura A pesca extrativa é a retirada de organismos aquáticos da natureza sem seu prévio cultivo; este tipo de atividade pode ocorrer em escala industrial ou artesanal, tanto no mar como no continente (SEBRAE, 2008). A aqüicultura é o processo de produção em cativeiro, de organismos com habitat predominantemente aquático, tais como peixes, camarões, rãs, entre outras espécies. Quando se avalia especificamente a produção de peixes como subtipo da aqüicultura, está-se referindo à piscicultura (SEBRAE, 2008). Diante, das novas alternativas a aqüicultura tornou se uma oportunidade de novos empregos, novas tendências e criando expectativas de uma sustentabilidade futuras, apresentando como uma opção interessante para empreendedores de todos os portes. Visto que a prática extrativista, que tem ultrapassado seus limites sustentáveis e dando uma garantia e qualidade do produto menor que a aqüicultura (SEBRAE, 2008) Tipos de Aqüicultura Em função do local em que a produção acontece, a aqüicultura pode caracterizar-se como continental ou marinha. Esta última pode, ainda, ser subdividida em carcinicultura, militicultura, ostreicultura, cultivo de algas e piscicultura Pesca Extrativa No Brasil, tanto a água marinha como a água doce apresentam fauna e flora bastante diversificadas,o que desperta o interesse de grandes empresas especializadas na exploração comercial da pesca. Entretanto, o baixo estoque pesqueiro faz com que essas empresas foquem seus esforços em algumas espécies específicas, deixando as demais variedades para a pesca extrativa artesanal. Esta última é praticada por pescadores espalhados por todo o litoral e nos rios brasileiros, que fazem desta prática seu meio de subsistência (IBAMA, 2007).

35 Pesca Extrativa Marinha A pesca extrativa marinha produziu no ano de 2007, ,5 mil toneladas, o que representou 50,4% da produção total de pescado do Brasil e apresentou um crescimento de 2,3% em O valor total estimado da produção foi de R$ ,00 milhões de reais (IBAMA, 2007) O desempenho da pesca extrativa marinha nas regiões Norte: Houve um decréscimo de 15,8%; de uma produção de ,0 toneladas, em 2006, passou para ,5 toneladas, em O valor total estimado da produção foi de R$ ,00 milhões reais (IBAMA, 2007). O estado Pará, produziu ,5 mil toneladas contribui com 90,9% da produção da região Norte e apresentou um decréscimo de 16,6 % quando comparado com 2006 (IBAMA, 2007). Nordeste: Com uma produção de ,5 mil toneladas apresentou um crescimento de 0,3%, em relação ao ano de É a segunda maior região produtora de pescado do Brasil, através da pesca extrativa marinha. O valor total estimado da produção foi de R$ ,00 milhões de reais. Sendo que, os estados que teve maior produção de pesca extrativa marinha foram: Bahia com uma produção de mil toneladas, e Maranhão com produção de mil toneladas (IBAMA, 2007). Sudeste: Em 2007, registrou uma produção de ,0 mil toneladas representando um crescimento de 15,8%, em relação ao ano de O valor total estimado da produção foi de R$ ,00 milhões de reais (IBAMA, 2007). O estado do Rio de Janeiro com uma produção de ,5mil toneladas é o maior produtor de pescado da região, registrou um crescimento na produção de pescado de 23,3%, em 2007 (IBAMA, 2007). Sul: Registrou uma produção de ,5 mil toneladas e representou um acréscimo de 3,8%, em relação ao ano de É a maior região produtora de pescado do Brasil, através da pesca extrativa marinha. O valor total estimado da produção foi de R$ ,00 milhões de reais (IBAMA, 2007).

36 35 O estado de Santa Catarina foi o maior produtor da pesca extrativa marinha, com ,5 mil toneladas, em A produção do estado registrou também um acréscimo de 17,3% em 2007 (IBAMA, 2007) Pesca Extrativa Continental A pesca extrativa continental com uma produção de ,0 mil toneladas representa 22,7% da produção total de pescado do Brasil e apresentou um decréscimo de 3,2% em 2007, com um valor total estimado de R$ ,00 (IBAMA, 2007). Em 2007, a região Norte produziu ,0 t de pescado, com um valor total estimado de R$ ,00. Representa a maior produção da pesca extrativa continental do Brasil e registrou um decréscimo de 5,4% quando comparado ao ano de 2006 (IBAMA, 2007). E representa 57,5% da produção da pesca continental. Os estados do Pará e Amazonas são os maiores produtores de pescado da região Norte. O estado Pará com uma produção de ,0 t apresentou um decréscimo de 13,4% em 2007, quando comparado a As espécies de peixes que mais contribuíram para este decréscimo foram: a piramutaba com 20,3%, a dourada com 15,7%, o mapará com 7,5% e o filhote com 7,3%. O estado do Amazonas com uma produção de ,0 t apresentou um crescimento na produção de pescado de 5,2%, em As espécies de peixes que mais contribuíram para este crescimento foram: a matrinxã com 14,4%, o mapará com 13,9%, a piramutaba com 11,1% e o jaraqui com 10%. Acredita-se existir uma subestimação dos dados nesses estados, tendo em vista a importância da pesca para autoconsumo, cuja produção não está contemplada neste trabalho (IBAMA, 2007). A região Nordeste produziu ,0 t de pescado e apresentou um crescimento de 1,5%, quando comparado ao ano de E representa 28,2% da produção da pesca continental, com um valor total estimado de R$ ,00 (IBAMA, 2007). A região Sudeste produziu ,0 t de pescado e apresentou um decréscimo de 1% na produção no ano de E representa 9,1% da produção da pesca continental, com um valor total estimado de R$ ,00 (IBAMA, 2007).

37 36 A região Sul produziu 2.092,0 t de pescado e apresentou um decréscimo de 31,2% na produção no ano de E representa 0,9% da produção da pesca continental, com um valor total estimado de R$ ,00 (IBAMA, 2007). A região Centro-Oeste produziu ,0 t de pescado apresentou um crescimento de 1,1% na produção no ano de E representa 4,3% da produção da pesca continental, com um valor total estimado de R$ ,00 (IBAMA, 2007) Maricultura A maricultura com uma produção de ,0 mil toneladas, representa 7,3% da produção de pescado total do Brasil e apresentou um decréscimo de 2,6% em 2007, com um valor total estimado de R$ ,00 milhões de reais. Em 2007, o segmento carcinicultura com uma produção de ,0 toneladas é uma atividade mais expressiva da maricultura brasileira, tendo uma participação de 82,9%. Os camarões marinhos têm sua maior produção concentrada na região Nordeste, embora ocorra nas regiões Sudeste e Sul. Os estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Bahia e Pernambuco são os maiores produtores de camarão cultivado do Brasil. A criação de moluscos é expressiva no estado de Santa Catarina que atingiu uma produção de ,5 toneladas de mexilhões, porém apresentou um decréscimo na produção de 23,4%, em 2007 (IBAMA, 2007) Aqüicultura Continental A aqüicultura continental com uma produção de ,5 mil toneladas representou 19,6% da produção de pescado total do Brasil (IBAMA, 2007). O valor estimado foi de R$ ,00 milhões de reais. Em 2007, apresentou um crescimento de 10,2% em relação ao ano de A aqüicultura continental apresentou crescimento nas regiões Norte de 18,3%, no Nordeste de 22%, no Sul de 2,6% e no Centro- Oeste 18,5%, apenas na Sudeste houve um decréscimo de 1,3%, em As principais espécies de peixes utilizadas na aqüicultura destas regiões são: tilápia, carpa, tambaqui, tambacu e curimatã (IBAMA, 2007). A região Norte com uma produção de ,0 toneladas representou 12,4% da produção da aqüicultura continental com um valor total estimado de R$ ,00

38 37 milhões de reais. A região Nordeste com uma produção de ,5 toneladas representou 20,9% da produção da aqüicultura continental com um valor total estimado de R$ ,00 milhões de reais. A região Sudeste com uma produção de ,5 toneladas representou 17,0% da produção da aqüicultura continental, com um valor total estimado de R$ ,00 milhões de reais. A região Sul produziu ,5 toneladas de pescado em 2007 com um valor total estimado de R$ ,00 milhões de reais. Continua contribuindo com a maior parcela na produção nacional com 30,6%. A tilápia e a carpa são as espécies mais representativas, tendo suas maiores produções concentradas nos estados do Ceará, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. A região Centro-Oeste com uma produção de ,0 toneladas,representou 19,1% da produção da aqüicultura continental, com um valor total estimado de R$ ,00.milhões de reais (IBAMA, 2007).

39 38 Tabela 7. Produção estimada por modalidade. Segundo as regioes e Unidades da federação. Ibama, Estatística da pesca, Fonte: IBAMA, Produção de Pescado: A produção total de pescado estimado em 2007, alcançou um volume de ,0 milhão de toneladas, cujo valor em reais estima a ,00 bilhões reais, e com um crescimento de 2%, comparada ao ano de 2006 (Tabela 8) (IBAMA, 2007).

40 39 Tabela 8. Produção de Pescado. Ibama, estatística da pesca, Fonte: IBAMA, A partir dos dados apresentados no ano de 2007, se faz uma comparação com a produção do ano de Tabela 9: Produção de Pescado, Ibama, Estatística da Pesca, Fonte: IBAMA, No ano de 2007, houve um crescimento na produção total na ordem de 2,0% em relação ao ano de Na pesca extrativa marinha houve um crescimento de 2,3%, e a pesca continental houve um decréscimo de -3,2% e a maricultura apresentou um decréscimo de 2,6% (Tabela 9) (IBAMA, 2007). 2.5 Principais Estados exportadores de pescado A partir dos dados estatístico pelo IBAMA- estatística de pesca no ano de 2007, o Rio Grande do norte, em 2007, passou a ser o principal estado exportador, sendo responsável por 17,97%, no valor aproximadamente 55,8 milhões de dólares das exportações globais do

41 40 setor pesqueiro. O volume exportado representou 27,42% da produção total do estado toneladas (Tabela 10) (IBAMA, 2007). As exportações do Ceará, em 2007, tiveram uma queda expressiva em termos de valores 38,01 milhões de dólares,comparando no de 2006, a razão dessa queda foi a desvalorização cambial e a elevada carga tributária, a partir da queda o Rio Grande do Norte, começou a se destacar e exportar mais os produtos, principalmente a carcinocultura. (Tabela 9) (IBAMA, 2007). Tabela 10. Principais estados exportadores, Fonte: IBAMA, Principais estados importadores de pescado Os principais estados importadores de produtos pesqueiros, segue em primeira posição o estado de São Paulo, o que corresponde mais da metade das compras efetuadas fora do país com 58,98%. Com relação a 2006, verificou-se que as importações em 2007, efetuadas pelo estado de São Paulo, sofreram aumento de US$ 61,2 milhões, vista pela tabela. Constatou-se, também, que o volume importado ( toneladas) foi superior à produção

42 41 pesqueira desse estado ( toneladas), o motivo é a concentração dos grandes distribuidores das redes de supermercados. Em Santa Catarina, no ano de 2007 tiveram um incremento de US$ 14,3milhões. Os demais não apresentaram mudanças significativas. (Tabela 11) (IBAMA, 2007). Tabela 11. Principais estados importadores, Fonte: IBAMA, Principais Perspectiva e Tendências no Brasil O país produz 1 milhão de toneladas/ano, com forte crescimento da aqüicultura, gerando um PIB pesqueiro de R$ 5 bilhões de reais, 3,5 milhões de empregos e ocupando 700 mil profissionais entre pescadores e aqüicultores (SEAP/PR,2007). Os pescadores artesanais são responsáveis por cerca de 60% da pesca nacional, o que representa mais de 500 mil toneladas por ano. Essa produção é resultado da atividade de mais de 600 mil trabalhadores em todo o país. A partir desses dados, este setor ainda apresenta sérios problemas como: a baixa escolaridade enfrenta condições precárias de trabalho e conta com pouca infra-estrutura para o beneficiamento e venda do pescado (SEAP/PR,2007).

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella Ministério da Pesca e Aquicultura Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira Ministro Marcelo Crivella SEMINÁRIO PESCA, AQUICULTURA e CARCINICULTURA

Leia mais

Desempenho da piscicultura de água doce

Desempenho da piscicultura de água doce Desempenho da piscicultura de água doce Epagri/Cedap: Fernando Soares Silveira, oceanógrafo, fernando@epagri.sc.gov.br; Fabiano Müller Silva, engenheiro-agrônomo, fabiano@epagri.sc.gov.br; Alex Alves dos

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

A situação da Aquacultura e da pesca no Brasil e no mundo World and Brazil situation of fisheries and Aquaculture

A situação da Aquacultura e da pesca no Brasil e no mundo World and Brazil situation of fisheries and Aquaculture Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.30, n.3/4, p.81-85, jul./dez. 2006. Disponível em www.cbra.org.br A situação da Aquacultura e da pesca no Brasil e no mundo World and Brazil situation of fisheries

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JULHO/2014

Leia mais

AQÜICULTURA. retoma desafios da

AQÜICULTURA. retoma desafios da Na década de 40 teve início uma grande mudança no modo de operar os sistemas de produção de alimentos em todo o mundo. A revolução verde introduziu novas tecnologias na forma de cultivar plantas e animais.

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas

Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas Felipe Matias Red de Acuicultura de Las Américas (RAA/ FAO) Secretario Ejecutivo Fenacam, Novembro de 2014 Mudanças na Sociedade

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você.

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014 Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura. 4,1 bilhões em crédito e investimentos. Mais crédito e investimentos.

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR AGRO E ALIMENTOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR AGRO E ALIMENTOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR AGRO E ALIMENTOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa,

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. GEOGRAFIA - Grupos

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Oceania. *Melanésia constituem ilhas localizadas mais próximas da Austrália onde predominam povos de pele escura, de grupos negróides.

Oceania. *Melanésia constituem ilhas localizadas mais próximas da Austrália onde predominam povos de pele escura, de grupos negróides. Oceania Vamos estudar nessa aula um continente formado por uma grande quantidade de ilhas: a Oceania. Esse continente possui uma área de 8.480.354 Km_ com uma população total de pouco mais de 30 milhões

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Comercialização do pescado no Município de Campos dos Goytacazes RJ

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Comercialização do pescado no Município de Campos dos Goytacazes RJ PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Comercialização do pescado no Município de Campos dos Goytacazes RJ Gabriela Soares Carvalho Pamplona Corte Real 1 ; Marize Bastos de Matos 1 ;

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa E. alternativa B

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa E. alternativa B Questão 45 O mundo contemporâneo necessita de novas fontes de energia para substituir as convencionais.ospaísesbuscamformasalternativasde produzir energia de acordo com suas características geográficas,

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico.

No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico. 11 GEOGRAFIA No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico. a) Cite o nome de três destas cidades e identifique o estado brasileiro onde

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 MERCADO INTERNACIONAL O Brasil teve uma performance impressionante na produção de carnes nos últimos anos: tornou-se o maior exportador

Leia mais

carcinicultura brasileira

carcinicultura brasileira Dimensão da cadeia produtiva da carcinicultura brasileira ITAMAR DE PAIVA ROCHA O leitor interessado em conhecer a dimensão da cadeia produtiva da carcinicultura brasileira, seus números e suas principais

Leia mais

Novembro/2015 Belo Horizonte - MG

Novembro/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Novembro/2015 Belo Horizonte - MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados da Produção de Pesca e Aquacultura

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009, 12 DE MARÇO DE 2009 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 003/2009, 12 DE MARÇO DE 2009 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Código da vaga: DBFLO/CGFAP/PLANO DE GESTÃO PARA OS CAVALOS MARINHOS Função: Consultor Especializado em Pesca de Cavalos Marinhos Número de vagas: 01 (uma) vaga Tipo de contrato: Consultoria de curto prazo

Leia mais

Enipec 2008. Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos. Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal

Enipec 2008. Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos. Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal Enipec 2008 Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal Cuiabá, 29 de maio de 2008 O MUNDO MUDOU... A queda do muro de Berlim, o 11

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Japão e Tigres Asiáticos. Prof.º Acácio Martins

Japão e Tigres Asiáticos. Prof.º Acácio Martins Japão e Tigres Asiáticos Prof.º Acácio Martins Aspectos gerais: natureza e sociedade Arquipélago montanhoso localizado no hemisfério norte, no extremo leste da Ásia; Área de 377.488 km² um pouco maior

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

ESTATÍSTICA DA PESCA 2007

ESTATÍSTICA DA PESCA 2007 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas - DBFLO Coordenação Geral de Autorização

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO 1.0. O que é o El Nino? É o aquecimento anômalo das águas superficiais na porção leste e central do oceano Pacífico equatorial, ou seja, desde a costa da América do Sul até

Leia mais

ICC 115-7 COFFEE IN CHINA. 10 agosto 2015 Original: inglês. o café na China.

ICC 115-7 COFFEE IN CHINA. 10 agosto 2015 Original: inglês. o café na China. ICC 115-7 10 agosto 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 de setembro 2 de outubro de 2015 Milão, Itália O café na China COFFEE IN CHINA Antecedentes Cumprindo o disposto

Leia mais

Japão, Tigres asiáticos e China

Japão, Tigres asiáticos e China Japão, Tigres asiáticos e China Revisão Geral Prof. Josevaldo Aspectos socioeconômicos do Japão e dos Tigres Asiáticos Japão A partir do final da Segunda Guerra Mundial Transformou-se em exemplo de crescimento

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Panorama da aquicultura no Brasil: desafios e oportunidades

Panorama da aquicultura no Brasil: desafios e oportunidades Agroindústria BNDES Setorial 35, p. 421 463 Panorama da aquicultura no Brasil: desafios e oportunidades Luiza Sidonio Isabel Cavalcanti Luciana Capanema Rafael Morch Gabriela Magalhães Jaldir Lima Victor

Leia mais

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 VEÍCULO EDITORIA Negógios: Fernando Castilho DATA 11/02/2015 Codevasf estuda ampliar experiência com camarão marinho em viveiros A experiência da Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

1 A pesar de não existir uma definição estabelecida de consumidor problemático, os países costumam

1 A pesar de não existir uma definição estabelecida de consumidor problemático, os países costumam SUMÁRIO Desenvolvimento Global do consumo, produção e tráfico de drogas ilícitas Consumo O UNODC estima que em 2009, entre 149 e 272 milhões de pessoas no mundo (ou entre 3,3% e 6,1% da população de 15-64

Leia mais

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA Henrique César Pereira Figueiredo Professor da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador-Geral

Leia mais

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios Piscicultura Descrição Empreender e atrair projetos para consolidação e expansão da piscicultura em Alagoas, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva: criadores, beneficiadores, fornecedores de insumos

Leia mais

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Cenário Brasileiro Adalmyr Morais Borges Ministério da Pesca e Aquicultura Potencial Mundial Produção Mundial de Proteína Animal (em milhão t) 120 Suínos 100 Pesca

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano D Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Dimensão ambiental. Oceanos, mares e áreas costeiras

Dimensão ambiental. Oceanos, mares e áreas costeiras Dimensão ambiental Oceanos, mares e áreas costeiras Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 81 11 Balneabilidade Apresenta o estado da qualidade da água para fins de recreação de contato

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 MANDIOCULTURA Economista Methodio Groxko Outubro de 2011 ASPECTOS

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade 1 Panorama da Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade Por: Fernando Kubitza João Lorena Campos Eduardo Akifumi Ono Pedro Iosafat Istchuk

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios

Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios V Encontro de Negócios da Aquicultura da Amazônia Manaus/AM Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios André Luiz Scarano Camargo Zootecnista Mestre em Aquicultura

Leia mais

A PESCA ARTESANAL BRASILEIRA: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO PESQUEIRA EM DIFERENTES ESCALAS

A PESCA ARTESANAL BRASILEIRA: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO PESQUEIRA EM DIFERENTES ESCALAS A PESCA ARTESANAL BRASILEIRA: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO PESQUEIRA EM DIFERENTES ESCALAS Felippe Andrade Rainha Mestrando do PPGG da FFP-UERJ / Bolsista FAPERJ felippe.rainha@gmail.com INTRODUÇÃO É correto

Leia mais

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes.

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Por Palmira Santinni No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um significativo aumento na criação de novas empresas e de optantes pelo

Leia mais

Questão 25 Questão 26

Questão 25 Questão 26 Questão 25 Questão 26 O gráfico representa o uso de mão-de-obra de crianças e adolescentes no Brasil em 1998. Os gráficos IeIIrepresentam a taxa de desemprego e os índices migratórios na Irlanda, na década

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China Resumo - Geografia Japão Japão - Tigres - China O Arquipelago Niponico Principais Ilhas 1. Hokkaido 2. Honshu 2 1 CLIMAS 3. Shikoku 4. Kyushu 4 3 JAPÃO ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Cerca de 127 milhões de hab.

Leia mais