IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO"

Transcrição

1 ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DO NEGÓCIO... 3 MERCADO... 6 LOCALIZAÇÃO... 9 Exigências legais específicas ESTRUTURA Pessoal Autônomos Vantagens da contratação de serviços de terceiros.20 Desvantagens que este tipo de contratação pode acarretar Equipamentos Fornecedores Matéria Prima/Mercadoria Organização do processo produtivo Concepção do Evento Planejamento do Evento Preparação do Evento Realização do Evento Avaliação e Melhorias Contínuas...29 Automação Canais de distribuição Investimentos Capital de giro Custos Diversificação/Agregação de valor Divulgação Informações Fiscais e Tributárias EVENTOS ENTIDADES EM GERAL Normas Técnicas Dicas do negócio Características específicas do empreendedor Bibliografia Complementar...61 Glossário...63 Expediente...65

3 ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO APRESENTAÇÃO DO NEGÓCIO

4 Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender? A Lei do Turismo classifica as Organizadoras de Eventos em: organizadoras de congressos, convenções e congêneres de caráter comercial, técnico- -científico, esportivo, cultural, promocional e social, de interesse profissional, associativo e institucional. O negócio de organização, produção e promoção de eventos possibilita ao empreendedor inúmeras possibilidades de atuação. Empresa Organizadora de Eventos realiza serviços de gestão, planejamento, organização, promoção, coordenação, operacionalização, produção e assessoria de eventos (Lei do Turismo nº /2008). As empresas organizadoras de congressos, promotoras de feiras, produtoras de shows e empresas de marketing promocional, também fazem parte desta categoria. Os eventos, de forma geral, podem ser agrupados em: culturais e de negócios. Os eventos culturais fazem parte Turismo Cultural e desdobram-se em atividades turísticas relacionadas ao patrimônio histórico e cultural. Nessa categoria enquadram-se os eventos gastronômicos, religiosos, musicais, de dança, de teatro, exposições de arte, de artesanato e outros. Os eventos de negócios podem ser classificados em tipos e formatos diversos: Feiras (expõe, apresenta ou comercializa produtos e serviços industriais, técnicos, científicos); Rodada de negócios (reuniões pré-agendadas entre produtores e compradores); Convenções (encontros promovidos por empresa ou organização, com objetivo de integração das pessoas); Congressos (promovidos por entidades ou organizações, para discutir temas de uma área ou ramo profissional); Seminários (de caráter estritamente técnico, reúnem pessoas de mesmo nível de qualificação); Conferências (conjunto de palestras formais); Cursos (encontros com finalidade educativa, com tema determinado e objetivo de capacitação, treinamento ou reciclagem); Workshops (reúne pessoas com interesses semelhantes em palestras em que o palestrante expõe sua experiência, associada à realização de atividades práticas); entre outros. A realização de um evento pressupõe o envolvimento de: clientes (que podem ser promotores de eventos, clientes corporativos ou empresa para a qual as Organizadoras de Eventos prestem serviços ou, ainda, os consumidores finais); intermediários (Organizadoras de Eventos, que se associam aos fornecedores para oferecer serviços agregados ao evento); e Fornecedores (empresas e serviços contratados pelos intermediários para dar suporte à realização dos eventos). A empresa organizadora de eventos carbono neutro, além de estar comprometida com os serviços que presta, buscando agilidade, praticidade, 4

5 inovação e preços competitivos, deve considerar mudanças de padrões de comportamento, de produção e consumo em toda a sua cadeia produtiva adotando práticas sustentáveis em suas rotinas, antes, durante e depois da realização de cada evento, com o objetivo de redução contínua das suas emissões de gases do efeito estufa (GEE). O processo de organização de um evento carbono neutro está dividido em três momentos distintos: a medição e registro das emissões, implementação de ações e processos que visem a redução de gases de efeito estufa e a compensação das emissões que não puderem ser evitadas. Quantificar a dimensão do impacto e realizar medições, é o passo inicial para promover a gestão e identificar as possibilidades para a redução das emissões. Nesta etapa, podem ser observadas diretrizes apontadas nos protocolos internacionais que tratam do tema, como o Greenhouse Gas Protocol Initiative (GHG Protocol), e, no Brasil, a norma da ABNT NBR ISO , que estabelece regras para a concepção, desenvolvimento, gestão e elaboração de inventários de gases do efeito estufa. O segundo passo, diz respeito a adoção de medidas práticas como a redução de resíduos gerados pelo evento, coleta seletiva, reuso ou reciclagem de recursos, economia de energia, promoção da acessibilidade e inclusão social, opção por brindes confeccionados com materiais recicláveis, seleção de prestadores de serviços locais, entre outras, podem tornar o evento mais sustentável, revertendo benefícios tanto para a empresa como para os clientes que demandam eventos carbono neutro. Já a compensação das emissões, podem ser realizadas através do apoio a projetos que trazem benefícios sociais e/ou ambientais, plantio de árvores, entre outras iniciativas. 5

6 MERCADO ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO

7 O mercado de eventos, em geral, começou aquecido já no início de 2012, com crescimento da taxa de ocupação dos grandes centros de eventos nas principais capitais brasileiras em relação ao mesmo período do ano passado. A promulgação da Lei do Turismo, aliada a outras políticas, como a qualificação profissional, o aumento do crédito, em conjunto com a captação dos dois principais megaeventos esportivos internacionais a Copa do Mundo FIFA 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 representam conquistas significativas para o setor e podem consolidar o Brasil como um dos prin cipais destinos turísticos mundiais. Em 2012, o mercado brasileiro de feiras e eventos deve movimentar cerca de R$ 4,8 bilhões, o equivalente a um aumento de 37% em relação ao valor apurado no ano anterior, de acordo com avaliação da União Brasileira dos Promotores de Feiras (Ubrafe). Com o aumento dos investimentos nos próximos anos, principalmente em infraestrutura, prevê-se que haverá um impacto positivo na competitividade brasileira no mercado interna cional de eventos. A Fundação Getúlio Vargas (FGV), em pesquisa sobre o impacto econômico dos eventos internacionais realizados, observou que a maior parte deles pertence ao segmento médico (28%), de tecnologia (17%) e biotecnologia (11%), seguidos de Meio Ambiente, Educação, Social, Esporte e outros (44%). A cidade de São Paulo é o destino mais procurado para negócios, eventos e convenções (51,3%), seguido pela cidade do Rio de Janeiro (23,9%). Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), um evento internacional pode demandar serviços de mais de 50 segmentos da economia, como transporte, hospedagem, lazer, alimentação, comércio, entre outros. A adoção de modelos de produção e consumo capazes de combater o aquecimento global são uma tendência mundial e se revelam em todos âmbitos da sociedade. A conservação dos recursos naturais, o combate ao desperdício e o uso de fontes de energia renováveis, são a chave para uma economia de baixo carbono e podem representar oportunidades de negócio. A economia verde é um desafio para as empresas e representa, ao mesmo tempo, uma ameaça e grandes oportunidades. Entre as oportunidades estão a redução de custos com maior eficiência no consumo de energia e insumos, reaproveitamento de resíduos nos sistemas de produção, maior eficiência operacional e logística. O desenvolvimento sustentável está relacionado como a melhoria da imagem das companhias, associada à governança corporativa. No entanto, ainda que a questão ambiental seja uma preocupação dos empreendedores da área de organização de eventos, a falta de fornecedores, bem como a informação sobre o tema, é um obstáculo no avanço das iniciativas. Pesquisas realizadas entre 2007 e 2011, mostram que o percentual de empresas atuantes no Brasil que afirmam ter uma política ambiental subiu de 58% para 64%. A relevância alcançada pelo tema é percebida pela atribuição de responsabilidade na estrutura de comando: em 2007, 52% das empresas relataram que a gestão ambiental era assunto estratégico, enquanto que, em 2011, este percentual representou 75%. Diante deste cenário, a Empresas Organizadoras de Eventos com foco em sustentabilidade devem preocupar-se em desenvolver estratégias que articuladas com clientes e fornecedores, bem como estabelecer parcerias com os demais componentes da cadeia produtiva do segmento de turismo, para difundir a cultura da sustentabilidade. 7

8 Considerando que este mercado ainda é pouco explorado, o empreendedor deve manter-se sintonizado com as inovações da área e, especialmente, desenvolver práticas sustentáveis no seu próprio negócio como forma de atestar sua capacidade para atender as demandas da clientela. O nó da rede de negócios da Cadeia Produtiva do Turismo, da qual fazem as Empresas Organizadoras de Eventos, engloba, também, as Casas de Espetáculos, Centros de Convenções e Prestadoras de Serviços de Infraestrutura para Eventos. O Turismo Sustentável, baseado nas dimensões econômica sociocultural ambiental, leva em conta aspectos de qualidade que se expressam nas seguintes áreas, de acordo com a OMT e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA): viabilidade econômica, prosperidade local; qualidade do emprego; equidade social; satisfação do visitante; controle local; bem estar da comunidade; riqueza cultural; integridade física; integridade biológica; eficiência dos recursos; e integridade do meio ambiente. Como a abrangência e o impacto das atividades turísticas são relevantes para as políticas públicas, o poder público atua na formulação de políticas de incentivo aliadas ao planejamento, regulamentação e fiscalização do setor. Da perspectiva privada, destaca-se a atuação dos Convention & Visitors Bureaux, organizações não governamentais, sem fins lucrativos, que visam promover o aumento do turismo através da atração de negócios e eventos e contribuir para a organização do setor. Estas organizações reúnem informações sobre a estrutura da cidade ou região, atrações turísticas, entre outras, que auxiliam na captação dos eventos e no desenvolvimento de ações visando a implantação de uma estratégia de inteligência competitiva local que promova o desenvolvimento socioeconômico. 8

9 LOCALIZAÇÃO ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO

10 Considerando-se a natureza da prestação do serviço, é possível dispensar a locação de um ponto comercial e concentrar o negócio na internet, já que a maior parte das vendas pode ser realizada por meio de um website ou no cliente. Neste caso, o empreendedor poderá lançar mão de uma estrutura provisória, de acordo com o projeto a ser desenvolvido, ou mesmo associar-se a outra empresa do ramo para atender a demanda. Neste caso, recomenda-se a estruturação de um escritório na casa do empreendedor, onde possam ser alocados equipamentos e móveis necessários ao exercício da atividade. Evitam-se, assim, os gastos fixos decorrentes de aluguel comercial. Ao se decidir pela localização geográfica (cidade ou estado) de uma empresa organizadora de eventos o empreendedor deve considerar fatores tais como: proximidade dos fornecedores e acesso a matérias-primas, atuação da concorrência, proximidade dos clientes e mercado consumidor, infraestrutura do imóvel escolhido e custos envolvidos na instalação e operação do negócio, dentre outros. Devem ser analisadas a existência das pré-condições para o segmento de Turismo de Negócios e Eventos, dentre as quais podem ser destacadas: grau de desenvolvimento econômico local, existência de centros tecnológicos e acadêmicos de excelência, inovação tecnológica, acessibilidade terrestre e aérea, ocorrência frequente de eventos técnico-científicos nacionais e internacionais, existência de feiras de negócios regulares, infraestrutura geral e infraestrutura turística, com destaque para equipamentos relacionados à realização de eventos (hotéis com salas, centros de convenções e exposições). Cabe ressaltar que, na medida em que a empresa de organização de eventos adquira maior inserção no mercado, poderá ser requisitada a aprestar seus serviços em qualquer localidade diferente de sua base de origem. 10

11 ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO Exigências legais específicas

12 Montar um negócio com base na internet não é juridicamente diferente de um tradicional, uma vez que também exige a observância de procedimentos legais, tais como: Registro da empresa De forma geral, a primeira providência é procurar um contador profissional legalmente habilitado para elaborar os atos constitutivos da empresa, auxiliá- -lo na escolha da forma jurídica mais adequada ao seu projeto e preencher os formulários de inscrição exigidos pelos órgãos públicos. O contador pode informar também sobre a legislação tributária pertinente ao negócio. Mas antes de contratá-lo, certifique-se de que este prestador de serviço seja um profissional habilitado no Conselho Regional de Contabilidade e de que não existam reclamações registradas contra ele. Dê preferência aos contadores que ofereçam, além de assessoria fiscal e tributária, outros serviços contábeis. Para legalizar a empresa, o empreendedor deverá cumprir as seguintes etapas: a) Registro da empresa nos seguintes órgãos: Junta Comercial; Secretaria da Receita Federal (CNPJ); Secretaria Estadual de Fazenda; Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento; Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (a empresa ficará obrigada a recolher a Contribuição Sindical Patronal anualmente); Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema Conectividade Social INSS/FGTS. Corpo de Bombeiros Militar. b) Visita à prefeitura da cidade onde pretende montar sua empresa para fazer a consulta de local e emissão das certidões de Uso do Solo e Número Oficial. Na maioria dos municípios brasileiros, as atividades econômicas são regulamentadas em conformidade com o Plano Diretor Urbano (PDU). É o PDU que determina o tipo de atividade que pode funcionar no imóvel escolhido por você. Portanto, esse é um passo fundamental para avaliar a localização da empresa. CADASTUR Com a promulgação da Lei Geral do Turismo, em 2008, tornou-se obrigatório o cadastro obrigatório no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, equipamentos e profissionais da Área de Turismo (CADASTUR). O CADAS- TUR contempla os prestadores de serviços turísticos constituídos na forma de empresário individual, as sociedades empresárias, sociedades simples e os serviços sociais autônomos que prestem serviços turísticos remunerados e que exerçam atividade econômica relacionadas à cadeia produtiva do turismo. Em conformidade com o Decreto Lei 5.406/05, o Ministério do Turismo realiza o Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos, em parceria com os Órgãos Oficiais de Turismo Delegados de competência nas 27 Unidades da Federação (UF). 12

13 Registro de domínio para internet A criação de website requer o registro de um nome de domínio.com.br. Para tanto, consulte o site do Registro de Domínios para a Internet no Brasil Registro.Br, do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI). Nele, encontra-se o Contrato para registro de domínio do Registro.Br e a regulamentação vigente, para consulta e download. Os procedimentos para registro podem ser efetuados diretamente pelo interessado. Também é possível utilizar serviços de empresa especializada. Tendo em vista a presença cada vez mais forte das redes sociais na vida das pessoas, sugere-se que o empreendedor procure nomes que também estejam disponíveis no Orkut, no Facebook e no Twitter. Consulte o sistema de pesquisas, para ter certeza de que o nome pretendido não esteja registrado ou se é uma marca registrada no Instituto Nacional de Patentes Industriais. Se o resultado da pesquisa sinalizar Domínio disponível para registro, significa que o domínio poderá ser registrado. Caso contrário, você terá que registar outro nome. Antes de iniciar a operação no sistema de registro, é necessário efetuar um cadastro. Para tanto, está disponível o tutorial Cadastrando-se como usuário do sistema de registro. Regras sintáticas que um domínio deve seguir: Caracteres válidos são [A-Z;0-9], o hífen, e os seguintes caracteres acentuados: à, á, â, ã, é, ê, í, ó, ô, õ, ú, ü, ç; Não pode conter somente números; Para fins de registro, estabelece-se uma equivalência na comparação de nomes de domínio. O mapeamento será realizado convertendo-se os caracteres acentuados e o cedilha, respectivamente, para suas versões não acentuadas e o c, e descartando os hifens. Somente será permitido o registro de um novo domínio quando não houver equivalência a um domínio pré-existente, ou quando o solicitante for a mesma entidade detentora do domínio equivalente. Especificamente para o domínio.nom.br é necessário a escolha de 2 nomes, ou seja: NOME1.NOME2.NOM.BR. Um nome de domínio não contém www. Ou seja, não peça o registro de o correto será apenas xyz.com.br. Para o registro de um domínio existe um valor a ser retribuído, referente à manutenção pelo período de um ano. Atualmente, ele é de R$ 30,00. As instruções para o pagamento são enviadas no de confirmação do registro do domínio. Os valores são os mesmo para todos os domínios de primeiro nível (DPNs).com.br (atividades comerciais),.emp.br (pequenas e microempresas),.net.br (atividades comerciais) sejam para pessoas jurídicas, profissionais liberais ou pessoas físicas. Tamanho mínimo de 2 e máximo de 26 caracteres, não incluindo a categoria, por exemplo: no domínio XXXX.COM.BR, esta limitação se refere ao XXXX; 13

14 O mobile site da empresa poderá utilizar a mesma URL do site convencional. Para tanto, o site deverá possuir um script que reconheça o browser e redirecione para a URL do site móvel, que geralmente se hospeda em m.nomedosite.com.br ou O empreendedor também poderá comprar um domínio com extensão.mobi, criada pela DotMobi. Preço: R$ 60,00 por ano, com validade internacional. Clique para acessar o site da DotMobi Em ambos os casos, entretanto, especialistas alertam sobre a necessidade da empresa informar aos usuários e clientes acerca de sua presença na web móvel. Recomenda-se que a divulgação do mobile site seja feita pelos canais de comunicação e relacionamento da empresa , newsletter, etc. De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Eventos ABEOC, a legislação abaixo afeta as Empresas de Organização de Eventos: Leis Lei Geral do Turismo n.º /08: que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico; revoga a Lei no 6.505, de 13 de dezembro de 1977, o Decreto-Lei 2.294, de 21 de novembro de 1986, e dispositivos da Lei 8.181, de 28 de março de 1991; e dá outras providências. Com base na LGT Lei Geral do Turismo, somente poderão exercer a atividade no setor de eventos as denominadas Organizadoras de Eventos. É a partir da publicação desta lei que o setor de eventos foi reconhecido e considerado uma atividade econômica na chamada cadeia produtiva do turismo ao lado da hotelaria, agências de turismo, transportadoras turísticas; parques temáticos; e acampamentos turísticos. Lei , de 29 de abril de 2010: que dispõe sobre as normas gerais para licitação e contratação pela administração pública de serviços de publicidade prestados por intermédio de agências de propaganda e dá outras providências. Lei Complementar 116, de 31 de julho de 2003: que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, de competência dos Municípios e do Distrito Federal, e dá outras providências. Decretos Decreto Lei nº 7.381, de 02/12/2010: que regulamenta a Lei nº , de 17 de setembro de 2008, que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico, e dá outras providências. Decreto Lei nº 5.406, de 30/03/2005: que regulamenta o cadastro obrigatório para fins de fiscalização das sociedades empresárias, das sociedades simples e dos empresários individuais que prestam serviços turísticos remunerados, e dá outras providências. Decreto Lei nº , de 25/03/1984: que dispõe sobre as empresas prestadoras de serviços para a organização de congressos, convenções e seminários e eventos congêneres, e dá outras providências. 14

15 Portarias Portaria 130 do Ministério do Turismo, de 26 de julho de 2011: que institui o Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos Cadastur, o Comitê Consultivo do Cadastur CCCad e dá outras providências. Portaria 138 do Ministério do Turismo, de 11 de Agosto de 2011: que estabelece procedimentos relativos à prestação de contas de convênios e instrumentos congêneres celebrados no âmbito do Ministério do Turismo, e dá outras providências. Portaria 129 do Ministério do Turismo, de 28 de dezembro de 2007: que estabelece regras e critérios para apoio a projetos de promoção de eventos e divulgação do turismo brasileiro no mercado nacional. Resoluções Resolução Normativa do CNTUR nº 14, de 23/11/1984: que estabelece, para fins do art. 3º, da Lei 6.505/77, e de acordo com o parágrafo único, do art. 2º, e com o art. 13º do Decreto /84, as condições operacionais para a prestação de serviços remunerados para a organização de congressos, convenções, seminários e eventos congêneres, a que estarão sujeitas as empresas que exerçam ou venham a exercer essa atividade. Recomenda-se ao empreendedor, a observação do conjunto de leis municipais que tratam do tema. 15

16 ESTRUTURA ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO

17 A empresa poderá criar uma estrutura virtual, o que lhe conferirá mobilidade e independência, já que a maioria dos clientes serão atendidos em suas próprias empresas, pela internet ou telefone. Ainda assim, a oferta de serviços de organização de eventos sustentáveis requer uma pequena estrutura física. A área deve ser suficiente para abrigar a instalação de cadeiras, mesas ou estações de trabalho, estantes ou armários para guardar livros e outros materiais de consulta. O local deve estar conectado à uma rede de banda larga para acesso à internet. 17

18 Pessoal ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO

19 Considerando que uma empresa organizadora de eventos atua na gestão, planejamento, organização, promoção, coordenação, operacionalização, produção e assessoria de eventos, os demais serviços relacionados a eventos serão contratados de fornecedores especializados. Para a empresa começar a operar, será necessário, além do dono, mais um funcionário especialista em vendas e finanças. Espera-se do especialista em vendas e finanças que aporte ao negócio sua experiência em análise e gestão de projetos, orçamento empresarial, contabilidade financeira entre outras. São ainda requisitos para este profissional: responsabilidade, senso de organização, agilidade e flexibilidade para negociação de preços de produtos e serviços, capacidade de planejar, executar e controlar estratégias comerciais e financeiras. É recomendável que tenha visão multidisciplinar e experiência na condução e motivação de equipes. Também deve possuir boas noções de tecnologia da informação (TI), marketing, compras, psicologia de vendas, atendimento ao cliente, logística e operações. Raciocínio lógico, bom senso e criatividade para encontrar as melhores soluções, conhecimento dos recursos, linguagem e técnicas aplicadas à internet e às redes sociais são características essenciais. Boa redação, atualização tecnológica e domínio dos idiomas inglês e espanhol completam o perfil deste profissional. Predisposição às mudanças e ao aprendizado constante também são fundamentais. É essencial que o empreendedor inclua no seu sistema de informações um cadastro de profissionais autônomos capacitados nas diferentes áreas de produção de eventos que poderão ser contratados a qualquer tempo para trabalhar, conforme a demanda. Especialistas em marketing digital, mídia social, web design, sustentabilidade, entre outros, devem fazer parte desse cadastro, bem como fornecedores de produtos ecológicos, estruturas metálicas, móveis, equipamentos eletrônicos, prestadores de serviços de montagem, pintura, decoração, iluminação, segurança e materiais gráficos. Quanto ao dono, espera-se que aporte à empresa sua experiência em organização de eventos, gestão, negociação de preços com fornecedores, planejamento, execução e controle das estratégias comerciais e financeiras do empreendimento. Sempre que possível, ele deve participar de seminários, congressos e cursos direcionados ao seu ramo de negócio para manter-se atualizado com as tendências do setor. No início das operações, o ideal é que o empreendedor contrate serviços terceirizados e execute, ele próprio, a gestão administrativo-financeira. Autônomos Uma das principais dúvidas dos empreendedores diz respeito à contratação de pessoas físicas (profissionais autônomos) ou jurídicas (empresas) para prestação de serviços sem vínculo empregatício. A fim de diminuir os encargos sociais, as empresas buscam a terceirização. No entanto, é fundamental estar atento ao tipo de atividade que pode ser terceirizada. Não é possível contratar terceiros para realizarem serviços relacionados às atividades que justificaram a criação da empresa. A contratação pode abranger atividades intermediárias da contratante, desde que não haja relação de emprego entre as partes. Ou seja, a relação entre contratante e contratado não pode ser como aquela existente entre patrão e empregado, caracterizada pelos elementos de subordinação, habitualidade, horário, pessoalidade e salário. 19

20 Vantagens da contratação de serviços de terceiros Mais participação dos dirigentes nas atividades-fim da empresa; Concentração dos talentos no negócio principal da empresa; Maior facilidade na gestão do pessoal e das tarefas; Possibilidade de rescisão do contrato conforme as condições preestabelecidas; Controle da atividade terceirizada por conta da própria empresa contratada. Desvantagens que este tipo de contratação pode acarretar Sofrer autuação do Ministério do Trabalho e ações trabalhistas em caso de inobservância das obrigações mencionadas no item acima; Fiscalização dos serviços prestados para verificar se o contrato de prestação de serviços está sendo cumprido integralmente, conforme o combinado; Risco de contratação de empresa não qualificada. Antes da contratação, recomenda-se verificar se o pessoal disponibilizado pela empresa terceirizada consta como registrado, e se os direitos trabalhistas e previdenciários estão sendo respeitados e pagos. 20

21 Equipamentos ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO

22 Na era da mobilidade, o empreendedor poderá optar por equipamentos que possam ser facilmente transportados e com conexão à internet (smartphones, notebooks, netbooks, tablets, entre outros), com os quais poderá realizar o seu trabalho. O armazenamento dos dados (sistema de informações) poderá ser feito em serviços de computação em nuvem (cloud computing), com acesso em qualquer lugar, a qualquer hora. O acesso ao sistema de informações, programas, serviços e arquivos é realizado de forma remota, através da internet. Outros equipamentos necessários para a montagem da empresa: Convém que o empreendedor busque informações junto aos fabricantes para conhecer o tempo médio de obsolescência dos equipamentos. Assim, ele poderá realizar a análise de custo-benefício para sua aquisição (se novos ou usados), bem como planejar a reposição quando necessária. Fornecedores Apple Clique para acessar o site da Apple Associação Linux Brasil Clique para acessar o site da Linux Brasil Microcomputadores com acesso à internet em alta velocidade Modens para conexão à internet via rede móvel 3G Impressora multifuncional Casas Bahia Clique para acessar o site da Casa Bahia CTIS Digital Telefones celulares Móveis e utensílios de escritório Clique para acessar o site da CTIS 22

23 Dell Giroflex Etna Móveis Clique para acessar o site da DELL Hewlett-Packard (HP) Clique para acessar o site da Giroflex Extra Clique para acessar o site da Etna IBM Clique para acessar o site da HP Fnac Clique para acessar o site do Extra Lojas Americanas Clique para acessar o site da IBM Clique para acessar o site da Fenac Free Software Foundation Magazine Luiza Clique para acessar o site da Lojas Americanas Clique para acessar o site da Free Spftware Clique para acessar o site da Magazine Luiza 23

24 Marelli Ambientes Racionais Submarino Clique para acessar o site da Marelli Clique para acessar o site do Submarino Microsoft Tok&Stok Clique para acessar o site da Microsoft Clique para acessar o site da Tok&Stok Opera Walmart Clique para acessar o site da Opera Clique para acessar o site da Walmart Ponto Frio Clique para acessar o site do Ponto Frio Positivo Informática Clique para acessar o site da Positiva 24

25 ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO Matéria Prima / Mercadoria

26 A atividade de organização de eventos não prescinde de informações atualizadas nas seguintes áreas: Redes e sistemas informatizados; Softwares e equipamentos de automação; Legislação tributária e sistema fiscal nacional; Contabilidade e gestão; Mercado (fluxos e processos de venda). Informação e Conhecimento De forma simplificada, podemos dizer que a informação é o dado que faz sentido, faz diferença. Já o conhecimento, pode ser definido como um conjunto de informações aplicadas em um determinado contexto, gerando novas experiências e informações. O conhecimento nas organizações, não se encontra apenas nos documentos, bases de dados e sistemas de informação, mas também nos processos de negócio, nas práticas dos grupos e na experiência acumulada das pessoas. Desta forma, o empreendedor deve considerar a gestão do conhecimento como uma ferramenta para a gestão sustentável do negócio. 26

IDÉIAS DE NEGÓCIO ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE

IDÉIAS DE NEGÓCIO ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE (Fonte: SEBRAE/MS SEBRAE/SC) APRESENTAÇÃO DE NEGÓCIOS Contabilidade é um trabalho minucioso que atua nas áreas fiscal, tributária e trabalhista; exigindo muita análise e tempo. Por isso, a maioria das

Leia mais

UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS

UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS MATERIAL COMPLEMENTAR PARTE 2 IDEIAS DE NEGÓCIOS PROFª MAISA ALVES masantos@prof.ung.br Fevereiro, 2014 PLANO DE NEGÓCIOS...

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

Projeto SPED de A a Z

Projeto SPED de A a Z Consultoria e Treinamentos Apresentam: Projeto SPED de A a Z SPED Decreto nº 6.022 22/01/07 Instituir o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Promover a integração dos fiscos; Racionalizar e uniformizar

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Legislação Turística LEI N º 11.771/2008 DECRETO N 7.381/2010 PORTARIA N 197/20103 PORTARIA Nº 311/2013 Legislação Turística Lei Geral do Turismo 11.771/2008

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 BNDES Turismo BNDES Turismo Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 Agenda Informações Institucionais Apoio ao Turismo Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas - Projetos de Investimento; - Aquisição

Leia mais

Dito isso, vamos ao que interessa para se abrir um escritório contábil:

Dito isso, vamos ao que interessa para se abrir um escritório contábil: Introdução Como faço para abrir o meu escritório? Administrativamente falando, um escritório de contabilidade é um negócio como outro qualquer. Logo, abrir um escritório contábil vai requerer de você,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS 1 Lei Complementar nº 147/2014 SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS Redução drástica dos impostos e burocracia com inclusão no CNPJ 3 APRESENTAÇÃO Simples é uma lei viva, ela

Leia mais

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham!

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! 2ª Etapa 2009 a 2011 EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! Benefícios para o Setor de Agenciamento de Viagens Com a Lei Complementar 128/08 - que alterou o Estatuto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

3. Documentos de referência Manual de Eventos Item 3

3. Documentos de referência Manual de Eventos Item 3 Sumário 1. Objetivo 2. Envolvidos 3. Documentos de referência 4. Definições e codificações 5. Ciclo do processo 6. Fluxograma 7. Lista das Atividades e das responsabilidades 8. Arquivos 9. Anexos 1. Objetivo

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS

COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS IMPORTANTE: 1. Este documento não substitui o Comunicado 01 e constitui-se em mera síntese para divulgação das

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A:

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A: DECRETO Nº 11.560 Estabelece normas para o tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedor Individual nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

PORTFÓLIO DE ABERTURA DA EMPRESA OLIMPO SYSTEMS EIRELI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

PORTFÓLIO DE ABERTURA DA EMPRESA OLIMPO SYSTEMS EIRELI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALLAN KLEVANSKIS AMANDA MOURÃO PEDRO MAURÍCIO SAMARA DE CASTRO SHAYANE SANTOS VANESSA LOFFI PORTFÓLIO DE ABERTURA DA EMPRESA OLIMPO SYSTEMS EIRELI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Belo

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

LSoft SGC Gestão Empresarial

LSoft SGC Gestão Empresarial LSoft SGC Gestão Empresarial O LSoft SGC é um sistema de gestão dinâmico, eficiente e flexível idealizado para atender diversos segmentos de indústrias, comércios e serviços. O objetivo principal é tornar

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula Formação de Preços Fatores Determinantes: Influência do macroambiente Análise da concorrência Comportamento de compra do consumidor Ciclo de vida do produto Segmentação do mercado

Leia mais

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO 1 Empresário Contábil, MBA em Contabilidade Empresarial pela PUC-SP, Delegado Regional do CRC-SP em Jundiai, Professor Universitário e de Pós-Graduação.

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade Bem-Vindos! APRESENTAÇÃO Ana Afonso organizadora profissional em São Paulo atua desde 2006 realizando serviços de organização de espaços, gestão de residências, treinamento de funcionários domésticos,

Leia mais

AGÊNCIA DE DESIGN MULTIMÍDIA. mil. capital de giro de 10% a 20% do total do investimento inicial DESCRIÇÃO ESTRUTURA PESSOAL EQUIPAMENTOS

AGÊNCIA DE DESIGN MULTIMÍDIA. mil. capital de giro de 10% a 20% do total do investimento inicial DESCRIÇÃO ESTRUTURA PESSOAL EQUIPAMENTOS AGÊNCIA DE DESIGN MULTIMÍDIA 30 capital de giro de 10% a 20% do total A produção multimídia envolve uma série de atividades que englobam a construção de sites, sistemas, games, soluções para TV digital,

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado O escopo deste Trabalho Técnico é trazer, de forma didática,

Leia mais

Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o Fundo Municipal de Turismo - Fumtur - e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o Fundo Municipal de Turismo - Fumtur - e dá outras providências. Terça-feira, 30 de Junho de 2015 Ano:XXI - Edição N.: 4832 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo LEI Nº 10.823, DE 29 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou resoluções que prorrogam o prazo da competência

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita Federal. O incentivo

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 EMPREENDER NA MÚSICA COMO TRANSFORMAR UMA BANDA NUMA MICRO EMPRESA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Sumário Ecossistema da música A música no Brasil Gestão da carreira musical O ecossistema

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Como montar um serviço de automação comercial

Como montar um serviço de automação comercial Como montar um serviço de automação comercial EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais;

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais; PROJETO DE LEI Institui o Programa de Cultura do Trabalhador, cria o Vale-Cultura e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica instituído, sob a gestão do Ministério da Cultura,

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL Considerações Gerais Para comemorar os cinco anos do Programa de Regionalização

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html Glossário A Atividades - Ações que os executores realizam para alcançar

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Art. 1º O art. 1º da Resolução CGSN nº 3, de 28 de maio de 2007, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º O art. 1º da Resolução CGSN nº 3, de 28 de maio de 2007, passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO CGSN Nº 115, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 DOU de 08/09/2014 Publicação: 08/09/2014 Altera a Resolução CGSN nº 3, de 28 de maio de 2007, que dispõe sobre a composição da Secretaria Executiva do Comitê

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma avaliação antes

Leia mais

Guia de Abertura de um Hotel em Pernambuco (Brasil) Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Hotel em Pernambuco (Brasil) Zeta Advisors Guia de Abertura de um Hotel em Pernambuco (Brasil) Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

Tributação do Cloud Computing É Uma Incógnita

Tributação do Cloud Computing É Uma Incógnita Tributação do Cloud Computing É Uma Incógnita Por André Iizuka 1 A convergência da Tecnologia da Informação e das Telecomunicações tem gerado uma fantástica explosão de soluções virtuais à disposição do

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

Serviço de Informações Municipais Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e. Manual de Operação Versão 2.0

Serviço de Informações Municipais Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e. Manual de Operação Versão 2.0 Manual de Operação Versão 2.0 Índice de Operações 1. Apresentação...2 2. Solicitação de Uso da NFS-e...3 3. Consultar Andamento da Solicitação de Uso...5 4. Emitindo a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica...5

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais