Economia e Gestão do Conhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Economia e Gestão do Conhecimento"

Transcrição

1 As Normas Portuguesas para a Certificação de Sistemas de Gestão de IDI Economia e Gestão do Conhecimento A importância da Inovação na estratégia das empresas Eng.º Luís Mira Amaral, Professor Catedrático Convidado de Gestão IST Administrador da SPI Sociedade Portuguesa de Inovação

2 Índice Tópico 1 O conceito de Economia de Conhecimento Tópico 2 Dados, Informação e Conhecimento Tópico 3 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem Tópico 4 Conhecimento e Inovação Empresarial Tópico 5 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas 2

3 Índice Tópico 1 O conceito de Economia de Conhecimento Tópico 2 Dados, Informação e Conhecimento Tópico 3 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem Tópico 4 Conhecimento e Inovação Empresarial Tópico 5 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas 3

4 O conceito de Economia de Conhecimento Competitividade e Conhecimento Numa economia moderna, os países não competem apenas na produção de bens e serviços. Competem também com os cérebros. A capacidade de uma nação de desenvolver um sistema de educação de excelência e de melhorar as competências da força de trabalho, através da formação, constitui um aspecto vital da competitividade. Neste sentido, o conhecimento é talvez o factor mais crítico da competitividade. 4

5 O conceito de Economia de Conhecimento Competitividade e Conhecimento Actualmente, as infra-estruturas ultrapassam a visão tradicional das estradas, dos caminhos de ferros, portos e aeroportos. As infra-estruturas tecnológicas estão a transformar-se num recurso chave para a competitividade presente e futura de uma nação. De facto, a disponibilidade de sistemas de telecomunicações e de ligações à Internet eficientes e de baixo custo são, justamente, algumas das novas prioridades tecnológicas que as sociedades globalizadas apresentam. Consequentemente, a prioridade de um país que se encontre em concorrência global deverá passar pelo desenvolvimento de novas infra-estruturas tecnológicas, bem como na proximidade da fronteira tecnológica. 5

6 O conceito de Economia de Conhecimento Conhecimento como factor de produção Nos últimos 200 anos, a economia clássica reconhecia apenas 2 factores de produção: Trabalho e Capital S=S(K, L) S Função de produção clássica K Capital L Trabalho Tecnologia é exógena à economia. O Crescimento é feito à custa dos factores físicos com rendimentos marginais decrescentes e por isso o aumento da taxa de crescimento tem limites,chegandose a um steady-state no crescimento economico (Modelo de Solow) 6

7 O conceito de Economia de Conhecimento Conhecimento como factor de produção Actualmente, informação e conhecimento (ou capital intelectual), estão a substituir o capital e a energia, tal como estes substituiram a terra e o trabalho há 200 anos. Adicionalmente, a evolução tecnológica no século XX transformou o modo de criar riqueza, que antes era feita à custa da dotação de factores físicos e que agora é baseada no conhecimento (knowledgebased). Tecnologia e conhecimento são agora os factores de produção chave. 7

8 O conceito de Economia de Conhecimento Conhecimento como factor de produção Temos então como Nova Função de Produção na Economia do Conhecimento S=S(K, L, KN) S Nova Função de produção K Capital L Trabalho KN Conhecimento (Capital Intelectual) A Tecnologia e o Conhecimento são endógenos ao sistema económico. Como o conhecimento pode ter rendimentos marginais crescentes, podemos entrar num circulo virtuoso de crescimento sustentável (Teorias de Crescimento Endógeno Paul Rommer)

9 O conceito de Economia de Conhecimento Economia do Conhecimento A designação Economia do Conhecimento tem duas perspectivas complementares: Refere-se às economias baseadas no conhecimento (knowledge based economies), nas quais: é grande a proporção de empregos baseados no conhecimento; o peso dos activos intangíveis é superior ao dos clássicos activos físicos tangíveis a competitividade assenta sobretudo nas actividades associadas à produção, processamento e transferência de informação e do conhecimento. Trata-se duma categoria económica, ou seja, um sector de actividade económica com características e tipologias próprias no que respeita aos modos de produção, difusão e tratamento de informação e conhecimento. 9

10 O conceito de Economia de Conhecimento Economia do Conhecimento Em função das características especificas do novo factor de produção o conhecimento -, os mecanismos habituais de afectação de recursos na economia física funcionam aqui de modo diferente; Na economia do conhecimento, o capital duma empresa não é apenas o capital físico - activos corpóreos - tais como máquinas, edifícios, viaturas, etc.; Na era do conhecimento, o capital incorpóreo activos intangíveis assume cada vez maior importância em detrimento do capital físico - activos corpóreos. 10

11 O conceito de Economia de Conhecimento Economia do Conhecimento Há neste contexto que referir: O capital humano, isto é, os skills existentes, o talento, o know-how; O capital de informação (information capital) representado pelo sistema de informação da empresa e que tem duas componentes: a infraestrutura tecnológica (main-frames, servidores, redes de comunicação); o software aplicacional, package de informação, conhecimento e tecnologia, que corre na infraestrutura tecnológica e que permite suportar os processos-chave internos. O capital organizativo (organizational capital) que é, no fundo, a capacidade da empresa como organização para mobilizar o processo de mudança necessário para implementar a estratégia; Os activos de propriedade intelectual marcas, patentes, desenhos. 11

12 O conceito de Economia de Conhecimento Os Novos Factores de Produção O valor de companhias high-tech, como as de biotecnologia ou de software, não está nos seus activos físicos, como são medidas pela contabilidade, mas nos seus activos intangíveis, tais como patentes e conhecimento. 12

13 O conceito de Economia de Conhecimento As Características da Economia do Conhecimento A economia do conhecimento difere da economia tradicional em vários aspectos, nomeadamente: É caracterizada por ondas progressivas de inovação; Não é uma economia de escassez (o que acontece com os activos físicos) mas de abundância, pois a informação e o conhecimento podem ser partilhados, sem se assistir à clássica competição pela partilha dos recursos escassos; Produtos e serviços apresentam consideráveis externalidades; 13

14 O conceito de Economia de Conhecimento As Características da Economia do Conhecimento Reduz-se a importância do efeito localização através do uso de organizações e mercados virtuais; Leis, barreiras e impostos são cada vez mais difíceis de aplicar à escala nacional. Pelo contrário, a informação e o conhecimento fluem para onde a procura é maior e as barreiras são menores; O capital humano (as competências) são uma componente chave do valor criado numa organização baseada no conhecimento. 14

15 Índice Tópico 1 O conceito de Economia de Conhecimento Tópico 2 Dados, Informação e Conhecimento Tópico 3 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem Tópico 4 Conhecimento e Inovação Empresarial Tópico 5 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas 15

16 Dados, Informação e Conhecimento O que é o Conhecimento? Dados: Um conjunto de factos objectivos sobre eventos/// factos, números, letras e imagens desprovidos de contexto (e.g. o PIB da UE no último mês); Bennet, A. e Bennet, D., The Intelligent Complex Adaptive System, Elsevier, 2004 Informação: Uma mensagem, geralmente sob a forma de um documento ou uma comunicação audível e/ou visível///uma versão enriquecida de dados, uma vez que inclui algo sobre o contexto que permita retirar algum significado (e.g. assiste-se a um forte crescimento do PIB da UE nos últimos meses ) Bennet, A. e Bennet, D., The Intelligent Complex Adaptive System, Elsevier, 2004 Numa analogia com a era industrial, diremos que os dados são a matéria prima ( raw material ) que é transformada para criar o produto útil que nós consumimos, a informação. 16

17 Dados, Informação e Conhecimento O que é o Conhecimento? Conhecimento: Uma mistura fluída e enquadrada de experiências, valores, informação contextualizada e expert insight que cria um enquadramento para avaliar e incorporar novas experiências e informação. É criada e aplicada na mente do conhecedor. Nas organizações, embebe-se não só em documentos ou repositórios mas também em procedimentos, processos e normas. Davenport and Prusak, 1998, Working Knowledge, Harvard Business School Press Conhecimento : A capacidade (potencial ou real) para tomar acção de forma efectiva em variadas situações (e.g. o presidente do Banco Central Europeu decide subir as taxas de juro para evitar pressões inflacionistas devidas ao crescimento acentuado do PIB). Bennet and Bennet, 2004, Organizational survival in the new world, Elsevier

18 Dados, Informação e Conhecimento O que é o Conhecimento? O conhecimento é assim fundamentalmente uma questão de capacidades cognitivas e, por isso, a reprodução do conhecimento baseia-se nas relações de Mestre/Aprendiz ou nos contactos interpessoais numa comunidade enquanto que a replicação da informação é mais simples e menos complexa pois não precisa de articular capacidades cognitivas. Assim sendo,como o conhecimento é mais do que informação,tambem o conceito de Economia do Conhecimento é mais lato que o de Sociedade da Informação. NÃO SE PODE REDUZIR A ECONOMIA DO CONHECIMENTO Á SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO! O Conhecimento serve para criar valor para os clientes e com isso vender mais com mais lucro; Quem fizer bem e souber mais tem mais hipóteses de vencer; Knowledge Shared is Power Squared! 18

19 Dados, Informação e Conhecimento O que é o Conhecimento? Conhecimento tácito: reside na mente do conhecedor e é difícil de articular e colocar em texto ou esquemas; Conhecimento explícito: capturado sob a forma de algo tangível como textos, audio ou imagens. 80% do nosso conhecimento é tácito tanto em indivíduos, como grupos e organizações Apenas 20% do conhecimento, de facto com valor, é capturado, codificado ou feito tangível de alguma forma (explícito) 19

20 Índice Tópico 1 O conceito de Economia de Conhecimento Tópico 2 Dados, Informação e Conhecimento Tópico 3 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem Tópico 4 Conhecimento e Inovação Empresarial Tópico 5 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas 20

21 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem CONHECIMENTO TÁCITO O conhecimento é pessoal, por definições e muito dificil de extrair das pessoas O conhecimento deve ser transferido movendo as pessoas dentro ou entre as organizações O processo de aprendizagem deve ser encorajado trazendo as pessoas adequadas na altura adequada CONHECIMENTO EXPLICITO O conhecimento pode ser articulado e codificado para criar activos intangíveis O conhecimento pode ser disseminado (usando tecnologias da informação) na forma de documentos, desenhos, melhores práticas, videos, conferências, entrevistas, etc.. O processo de aprendizagem pode ser desenhado para colmatar deficiências de conhecimento através de processos estruturados e geridos cientificamente Fonte: Handbook on the Knowledge Economy, Edited by David Rooney, Greg Hearn, Abraham Ninan 21

22 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem O processo de conversão de conhecimento O modelo de Nonaka e Takeuchi Conhecimento tácito Para/alvo Conhecimento explícito Conhecimento tácito Socialização Externalização De/fonte Conhecimento explícito Internalização Combinação Nonaka and Takeuchi, 1995, The Knowledge creating company: How Japanese companies create the dynamics of innovation, Oxford University Press 22

23 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem O processo de conversão de conhecimento A espiral de conhecimento de Nonaka e Takeuchi Diálogo Socialização Externalização Construção do campo Ligar conhecimento explícito Internalização Aprender fazendo Combinação Nonaka and Takeuchi, 1995, The Knowledge creating company: How Japanese companies create the dynamics of innovation, Oxford University Press 23

24 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem O que é a Gestão do Conhecimento? As teses de Peter Lange em 1994 no livro "The Discipline Fieldbook: Strategies and tools for building a learning organization" estiveram então na base do que alguns chamam Gestão do Conhecimento e que outros chamam Aprendizagem, que é uma ferramenta de gestão adequada à Economia do Conhecimento; A Gestão do Conhecimento pretende então desenvolver sistemas de aquisição e disseminação de activos intelectuais, renovando e maximizando o valor da base intelectual duma organização, o que é extremamente importante num modelo económico em que os activos humanos, a competência, o conhecimento, o saber e a capacidade de saber fazer são questões cruciais. A Gestão do Conhecimento/Aprendizagem deverá assim ter por objectivo encontrar formas de captar, interpretar, organizar, disseminar e capitalizar o que se sabe e aprende, individual e colectivamente. O sucesso das empresas nos dias de hoje está ligado a essa capacidade de gerir o conhecimento. 24

25 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem Os actuais sistemas de informação permitem hoje em dia gerir de forma muito mais eficaz a gestão do conhecimento pois que permitem o tratamento, manipulação, classificação e relacionamento da informação, ou seja permitem gerir a informação duma forma que dantes não era possível. Assim sendo e como já vimos, conhecimento é mais do que informação mas a gestão do conhecimento necessita, para ser operacionalizada, de recorrer aos modernos sistemas de informação. Gestão do Conhecimento não é só Gestão da Informação! 25

26 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem Em suma, o conhecimento constrói-se também com dados e informação, mas é mais complexo e fortemente dependente das referências, contexto específico, valores, concepção do mundo e visões do futuro do indivíduo em que este reside. Nesse sentido, falar de gestão do conhecimento é falar de pessoas, do que as motiva, da sua aprendizagem, dos seus objectivos e interacções sociais dentro e fora da empresa. Da mesma forma que o conhecimento necessita de informação também a gestão do conhecimento necessita da gestão de informação (apoiada pelas tecnologias de informação). Mas estas nunca poderão ser usadas como sinónimos. Assim, a gestão do conhecimento pode ser definida como o processo sistemático de criar, manter e estimular uma organização por forma a que esta faça o melhor uso do conhecimento para atingir vantagem competitiva ou alto desempenho de forma sustentável. Os principais objectivos da gestão do conhecimento passam por: 26

27 Índice Tópico 1 O conceito de Economia de Conhecimento Tópico 2 Dados, Informação e Conhecimento Tópico 3 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem Tópico 4 Conhecimento e Inovação Empresarial Tópico 5 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas 27

28 Conhecimento e Inovação Empresarial O processo de conversão do conhecimento Investigação gasta-se dinheiro para criar conhecimento; Inovação utiliza-se o conhecimento para criar valor, com impacto económico e social, para os utilizadores; Aprendizagem/ Gestão do Conhecimento processo pelo qual o conhecimento é criado/ adquirido, partilhado e gerido ao nível da organização. É através da aprendizagem que uma organização é capaz de aumentar o nível de profundidade e de diversidade da sua base de conhecimento. 28

29 Conhecimento e Inovação Empresarial O triângulo fundamental da Inovação sustentável A capacidade de aprender e criar conhecimento aumenta significativamente a probabilidade das empresas atingirem sucesso de forma contínua (Allee, 1997); Enquanto a inovação pode acontecer de forma esporádica, a inovação sustentável, a partir da qual emerge a vantagem competitiva e colaborativa das empresas, necessita de uma abordagem sistematizada, integrada e efectiva de gestão, assente no conhecimento, aprendizagem e inovação ( Milton de Sousa, 2006); A inovação sustentável é uma condição base para o crescimento e bom desempenho das empresas a médio e longo prazo. Aprendizagem Conhecimento Ciclo de inovação sustentável Inovação Fonte: de Sousa, Milton, The sustainable innovation engine, VINE, 36, No.4,

30 Conhecimento e Inovação Empresarial O espaço nominal de probabilidade de inovação A profundidade de conhecimento pode ser definida como o nível de entendimento e experiência existente numa dada organização numa área de conhecimento específica; A diversidade de conhecimento pode ser definida como a disponibilidade de diferentes áreas de conhecimento numa organização. Elevada Provável mas geralmente incremental Muito provável e por vezes descontínua Profundidade de conhecimento Reduzida Muito improvável Improvável Reduzida Diversidade de conhecimento Elevada Fonte: de Sousa, Milton, The sustainable innovation engine, VINE, 36, No.4,

31 Conhecimento e Inovação Empresarial A aprendizagem como motor da inovação É através da aprendizagem que uma organização será capaz de aumentar o nível de profundidade e diversidade da sua base de conhecimento; A profundidade de conhecimento pode ser aumentada através da aprendizagem contínua e avançada dentro de áreas específicas (especialização); A diversidade de conhecimento pode ser aumentada através da aprendizagem, mesmo que de forma introdutória, em áreas diversas (diversificação); Fazendo uso do espaço nominal de probabilidade de inovação referido anteriormente, pode-se dizer que a aprendizagem é o processo através do qual a probabilidade de inovação numa empresa pode aumentar ( Milton de Sousa, 2006). 31

32 Conhecimento e Inovação Empresarial O motor sustentável da Inovação A aprendizagem actua de forma interna e externa à organização, estimulando um fluxo de conhecimento e pessoas que induz a criação de valor para os que beneficiam do processo de inovação; Os três elementos correspondentes à estrutura, cultura de acção e liderança colaborativa estão presentes em todas as partes do motor por forma a garantir a que este funcione de forma eficaz e eficiente. Estes elementos constituem o óleo onde as diferentes partes do motor imergem; O sistema actua como um ciclo de re-alimentação positivo em que o novo conhecimento resultante do processo de inovação é re-alimentado na organização criando um motor sustentável de inovação de onde a vantagem competitiva e colaborativa surgem (vantagem é definida em termos da capacidade aumentada da empresa ganhar aos seus competidores e de colaborar com os seus stakeholders). 32

33 Conhecimento e Inovação Empresarial O motor sustentável da Inovação Fonte: de Sousa, Milton, The sustainable innovation engine, VINE, 36, No.4,

34 Conhecimento e Inovação Empresarial A Importância da Inovação Com a crescente mobilidade da informação e a existência de oferta de trabalho abundante na economia global, a informação e expertise podem ser transportados instantâneamente pelo mundo, e qualquer vantagem competitiva criada por uma empresa pode ser eliminada por um concorrente (competitive improver) do dia para a noite. Uma companhia não pode repousar em vantagens competitivas estáticas que são sempre transitórias 34

35 Conhecimento e Inovação Empresarial A Importância da Inovação ENTÃO, A única vantagem competitiva que uma empresa pode disfrutar sustentadamente é o seu processo de inovação. A inovação é o processo mais avançado de concorrência porque é a busca constante de novos processos e produtos. Um novo produto ou um novo processo é fácilmente replicável pela concorrência, mas um sistema de inovação numa organização é díficil de replicar. 35

36 Conhecimento e Inovação Empresarial A Importância da Inovação O produto ou o processo copiam-se, mas o ecossistema que gera um fluxo constante de inovações, não se replica. 36

37 Índice Tópico 1 O conceito de Economia de Conhecimento Tópico 2 Dados, Informação e Conhecimento Tópico 3 Conhecimento e Gestão do Conhecimento/ Aprendizagem Tópico 4 Conhecimento e Inovação Empresarial Tópico 5 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas 37

38 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas Gestão do Conhecimento Estrutura na Empresa A conversão e criação de conhecimento tem que assentar em 5 elementos estruturais fundamentais: Cultura organizacional; Definição estratégica; Controlo através de indicadores bem definidos; Tecnologias de Informação; Estrutura organizacional apropriada e equipas para a gestão do conhecimento. Uma organização orientada para o conhecimento possui 3 camadas que interagem entre si: Camada base: Base de conhecimento; Camada intermédia: Formal e orientada ao negócio; Camada de topo: Informal e orientada a projectos. 38

39 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas Ferramentas para a Gestão do Conhecimento As empresas podem desenvolver um conjunto de ferramentas organizacionais e tecnológicas para actuar ao nível dos diferentes processos de conversão de conhecimento sugeridos por Nonaka e Takeuchi. 39

40 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas Ferramentas organizacionais para a Gestão do Conhecimento Conversão de conhecimento tácito para Conversão de conhecimento tácito para tácito explícito Teatros e simulações; On-the-job training (OJT); Aprendizagem por observação e imitação; Sessões de brainstorming para discutir determinados problemas, assuntos, decisões, etc. Eventos de networking em seminários, conferências ou encontros; Outdoors com actividades de equipa; Encontros informais (almoço, intervalos para café etc.); Desenho do layout do escritório com vista a uma maior interacção entre as pessoas (open space, espaços de reunião, hot desk, etc.); Visitas a empresas para benchmarking. Sistemas de gestão de ideias; Conduzir entrevistas estruturadas com especialistas por forma a registar o seu conhecimento tácito (fundamental para pessoas chave que vão sair da empresa); Registo de histórias com casos de sucesso ou insucesso que podem ser partilhadas na organização; Desenvolvimento de manuais de procedimentos, apresentações, testes, case studies etc.; Desenvolvimento de vídeos com procedimentos ou simulações; Criação de relatórios de visitas a clientes, análises, estudos etc.; Criação de relatórios de visitas a conferências, seminários, feiras etc.; Registo de actas de reuniões. 40

41 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas Ferramentas organizacionais para a Gestão do Conhecimento Conversão de conhecimento explícito para tácito Conversão de conhecimento explícito para explícito Teatro e simulações (com base em histórias, estudos de caso, cenários, etc.); Sessões para análise de casos de estudo ou histórias; Formação com base em manuais e apresentações; E-learning (Web Based Training, Computer Based Training); Aprendizagem externa em seminários, conferências e com recurso a guest speakers; Pesquisa e consulta de bases de dados de conhecimento (tanto internas como externas); Estudo de casos de estudo, artigos e livros; Aprendizagem por observação de vídeos. O conhecimento explícito pode ser processado, codificado e combinado por forma a gerar novo conhecimento explícito; O processo é feito por colaboração entre diferentes pessoas com base em conhecimento explícito existente e com o apoio de sistemas computacionais; Exemplos de conhecimento explícito fruto de combinação poderão incluir: Roadmaps; Árvores de decisão; Fluxogramas; Diagramas; Mapas cognitivos; Taxonomias; Relatórios síntese, resumos, sumários executivos de documentos; Artigos, newsletters. 41

42 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas Ferramentas tecnológicas para a Gestão do Conhecimento Processo Tipo de ferramentas IT Exemplos de ferramentas Criação de conhecimento Business Intelligence, descoberta de conhecimento, e- Business Objects, Skillsoft, Orbital learning Codificação de conhecimento Sistemas de gestão de conteúdos (CMS), gestão Interwoven, Autonomy, Wikipedia documental, categorização, abstracção, taxonomia Pesquisa de conhecimento Pesquisa, visualização Google, AskJeeves, Inktomi, Inxight, Wikipedia Aplicação de Workflow, colaboração, help eroom, Intraspect, PeopleLink conhecimento desk Distribuição de Portais de conhecimento, Plumtree, AskMe conhecimento agentes Validação de Comunidades de especialistas IBM conhecimento online, valorização de contribuição, classificação/pontuação Pesquisa de mining, páginas amarelas Tacit especialistas corporativas Personalização de Localizadores de especialistas, AskMe conhecimento comunicação, conferências, colaboração Gestão do Conhecimento Total Sistema completo e integrado Hummingbird, Open Text, Verity, IBM, IdiNet 42

43 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas Recomendações práticas o papel do Chief Knowledge Officer Muitas empresas estão já a criar a figura de CKOs (Chief Knowledge Officers) e: reconhecem a importância do conhecimento para o bottom line ; desenvolvem novas realidades de performance corporativa baseadas no conhecimento; fornecem uma infraestrutura tecnológica para estimular a criação e partilha de conhecimento. 43

44 Ferramentas para a Gestão do Conhecimento nas Empresas Recomendações práticas conhecimento, inovação e aprendizagem Para atingir inovação sustentável através da gestão do conhecimento e aprendizagem é importante que as empresas: Definam uma estratégia clara para a gestão do conhecimento; Tenham um ambiente de aprendizagem; Possuam Ferramentas tecnológicas apropriadas (mas lembre-se que a gestão do conhecimento não é o mesmo que a gestão da informação. It is all about people); Incluam diferentes bases de conhecimento nos processos de decisão; Integrem as funções de investigação, vendas e produção no processo de inovação; Saibam reter pessoas, mas ainda mais importante, saibam reter conhecimento; Aumentem a flexibilidade e adaptabilidade da sua organização; Assumam riscos e estejam preparadas para errar (e aprender); Abram a organização ao mundo exterior através de redes de colaboração; Promovam e recompensem a partilha de conhecimento. 44

45 SPI Porto Portugal SPI Centro Portugal SPI Lisboa Portugal EBN - Bruxelas Edifício Les Palaces Instituto Pedro Nunes TagusPark Avenue de Tervuren, 168 Rua Júlio Dinis, no. 242, Coimbra, PORTUGAL Núcleo Central, 349 B Brussels Porto, PORTUGAL Oeiras, PORTUGAL Tel: Tel: Tel: Fax: Tel: Fax: Fax: Fax: SPI Washington D.C. SPI Califórnia SPI Pequim th Street, NW 2102 Business Center Drive, China Garments Mansion, Suite 600 Suite 220E No. 99, Rm, 915 Washington DC Irvine, CA 92612, USA Jianguo Rd., ChaoYang Dist. Beijing , CHINA Tel: Tel: URL: Fax: Tel: URL: Fax:

A importância da Inovação na estratégia das empresas

A importância da Inovação na estratégia das empresas 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM As Normas Portuguesas para a Certificação de Sistemas de Gestão de IDI A importância da Inovação na estratégia das empresas Conhecimento, inovação e aprendizagem

Leia mais

Certificação da Sociedade Portuguesa de Inovação pela NP4457:2007

Certificação da Sociedade Portuguesa de Inovação pela NP4457:2007 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM As Normas Portuguesas para a Certificação de Sistemas de Gestão de IDI Certificação da Sociedade Portuguesa de Inovação pela NP4457:2007 Instrumentos de Apoio

Leia mais

Certificação da Sociedade Portuguesa de Inovação pela NP4457:2007 O Processo de Certificação e Instrumentos de Apoio ao SGIDI

Certificação da Sociedade Portuguesa de Inovação pela NP4457:2007 O Processo de Certificação e Instrumentos de Apoio ao SGIDI 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM As Normas Portuguesas para a Certificação de Sistemas de Gestão de IDI Certificação da Sociedade Portuguesa de Inovação pela NP4457:2007 O Processo de Certificação

Leia mais

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização Sandra Paula da Silva Maia Pacheco de Oliveira Gestão de Pequenas e Médias Empresas As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização - O Caso Siemens AG - Orientador Professor Doutor Luís Manuel

Leia mais

O caso Português O EMPREENDEDORISMO NO ÂMBITO DA ECONOMIA DO CONHECIMENTO SEMANA NACIONAL DE BUSINESS ANGELS. 26 de Setembro de 2008

O caso Português O EMPREENDEDORISMO NO ÂMBITO DA ECONOMIA DO CONHECIMENTO SEMANA NACIONAL DE BUSINESS ANGELS. 26 de Setembro de 2008 4,5/4,5 CM 4,5/4,5 CM 4,5/4,5 CM 4,5/4,5 CM SEMANA NACIONAL DE BUSINESS ANGELS O EMPREENDEDORISMO NO ÂMBITO DA ECONOMIA DO CONHECIMENTO O caso Português LUIS MIRA AMARAL Mestre em Economia Professor Catedrático

Leia mais

Formar para a Inovação

Formar para a Inovação Formar para a Inovação Sociedade Portuguesa de Inovação Porto, 28.01.2005 Sociedade Portuguesa de Inovação Sociedade Portuguesa de Inovação Missão A Sociedade Portuguesa de Inovação é uma empresa que tem

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Banco de Dados para BI: José Roberto Escodeiro 10/10/2011 1. Linha do Tempo 2. Era do Conhecimento Índice 3. Ativos Tangíveis e intangíveis

Leia mais

Gestão da Inovação e a Norma NP 4457:2007

Gestão da Inovação e a Norma NP 4457:2007 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM As Normas Portuguesas para a Certificação de Sistemas de Gestão de IDI Gestão da Inovação e a Norma NP 4457:2007 Maria Ana Sousa Guedes Sociedade Portuguesa

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

AGROE-LEARNING: www.spi.pt/agroe-learning. Fevereiro/Março de 2007. Sociedade Portuguesa de Inovação

AGROE-LEARNING: www.spi.pt/agroe-learning. Fevereiro/Março de 2007. Sociedade Portuguesa de Inovação AGROE-LEARNING: Identificação de boas práticas e definição de linhas de orientação estratégica para a promoção e desenvolvimento de iniciativas de e-learning no sector agrícola nacional www.spi.pt/agroe-learning

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI Learning is Changing! A actualidade apresenta-nos desafios constantes, que exigem novas respostas e soluções inovadoras, para um Futuro de Crescimento e Competitividade. Learning is Changing! reflecte

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento Gestão do Exemplos e aplicações Luis Manuel Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Janeiro de 2002 O SI, a GI e o Negócio Gestão e pessoas GESTÃO DA INFORMAÇÃO Organização e procedimentos SISTEMA DE INFORMAÇÃO missão

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade 02/07/2006 Dr. José Cláudio C. Terra Slide 1 Era do Conhecimento Linha de Montagem Linha de Montagem? Slide 2 Era do

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias GESTÃO DA INOVAÇÃO AGENDA 1. IDT Consulting 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias 4. Diagnósticos Estratégicos de Inovação 5. Implementação de

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios Workshop A Competitividade das Empresas & o Balanced Scorecard Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão JAIME RAMOS GUERRA JLM CONSULTORES DE GESTÃO, SA () INSTITUTO POLITECNICO DE LEIRIA jaime.guerra@jlm.pt

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO Prof. Dr. Egon Walter Wildauer egon0910@gmail.com INTRODUÇÃO Trabalho: conceito formas A importância do conhecimento e do talento como diferencial competitivo; O conhecimento e o estudo das organizações;

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1ª EDIÇÃO Requisitos para Implementar, Elaborar e Gerir SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE LUANDA 21 e 22 de OUTUBRO de 2013 Razões pelas quais a sua presença é obrigatória Compreenda as finalidades dos SGQ

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO CONHECIMENTO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO CONHECIMENTO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO CONHECIMENTO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão de Recursos Humanos e Análise Organizacional

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA Maria de Fátima Soares Ribeiro Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Gestão Empresarial para a Indústria Química GETIQ pela Escola de Química da

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 COTEC Portugal 1. COTEC Portugal Origem, Missão, Stakeholders 2. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Leia mais

Figura: O modelo de estudo: quadro referencial de suporte. Fonte: http://www.serpro.gov.br

Figura: O modelo de estudo: quadro referencial de suporte. Fonte: http://www.serpro.gov.br Bem Vindos Figura: O modelo de estudo: quadro referencial de suporte. Fonte: http://www.serpro.gov.br O ambiente das organizações e dos negócios começou lentamente a perceber que investir em conhecimento

Leia mais

ZADEK, Simon (2001), The Civil Corporation: the New Economy of Corporate Citizenship

ZADEK, Simon (2001), The Civil Corporation: the New Economy of Corporate Citizenship ZADEK, Simon (2001), The Civil Corporation: the New Economy of Corporate Citizenship Mariana Leite Braga Investigadora Estudante de mestrado no ISCTE Grau Académico: Licenciatura em Sociologia Conceitos-chave:

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade

O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade Paula Ochôa Funchal, Seminário Qualidade em Serviços Públicos 15 de Novembro de 2002 Os serviços de informação na Administração

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO DANIEL MEDEIROS Associação Educacional Leonardo da Vinci - ASSELVI Gestão Estratégica em Recursos Humanos RESUMO Nos

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 2ª EDIÇÃO Requisitos para Implementar, Elaborar e Gerir SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE LUANDA 20 e 21 de OUTUBRO de 2014 Razões pelas quais a sua presença é obrigatória Compreenda as finalidades dos SGQ

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Objetivos da aula Gestão de Conhecimento Sistemas de Gestão de Conhecimento Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento

Leia mais

JOAQUIM LUÍS LOUREIRO GESTÃO DO CONHECIMENTO

JOAQUIM LUÍS LOUREIRO GESTÃO DO CONHECIMENTO JOAQUIM LUÍS LOUREIRO GESTÃO DO CONHECIMENTO Portugal/2003 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos

Leia mais

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design.

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design. Abordagem Formativa Web-Based Success does not happen by accident. It happens by Design. Objectivo, Processo, Resultado Objectivo desta Apresentação Introduzir as características e benefícios chave de

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento Gestão do Introdução e conceitos Luis Manuel Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Janeiro de 2002 Definição de Gestão do Conhecimento KM - Knowledge Management é um processo de grupo que combina o domínio de humano

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL - 2004 Sumário Mudanças na Sociedade Industrial - fatores e tendências Novos caminhos da organização Elementos críticos do diferencial competetitivo Os recursos

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Por: Luis Todo Bom Professor Associado Convidado do ISCTE Presidente do Conselho de Gerência da Multitel Conferência apresentada no Workshop Tecnológico da

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto Brasília, 26 de Agosto de 2014 Sumário APRESENTAÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ESTUDO

Leia mais

Atracção e Retenção de Talentos

Atracção e Retenção de Talentos Atracção e Retenção de Talentos FORUM RH 08 O Estado da Arte na Gestão das Pessoas Paula Nanita 18 de Abril de 2008 Atracção Leis de Newton: 1. Todo o corpo continua em repouso ou em movimento rectilíneo

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Learning is changing

Learning is changing Learning is changing Learning is Changing A actualidade apresenta-nos desafios constantes, que exigem novas respostas e soluções inovadoras, para um Futuro de Crescimento e Competitividade. Learning is

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

CICLO DE VIDA DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO

CICLO DE VIDA DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO CICLO DE VIDA DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO CAPÍTULO 3 DESAFIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS Cultura conseguir com que as pessoas compartilhem conhecimento Avaliação do COnhecimento avaliar/medir

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Apresentação. Estamos no Mercado desde 1997 e criamos e produzimos conteúdos a partir dos interesses e desejos dos nossos clientes, a palavra-chave é

Apresentação. Estamos no Mercado desde 1997 e criamos e produzimos conteúdos a partir dos interesses e desejos dos nossos clientes, a palavra-chave é Apresentação A Companhia Própria é uma empresa de Formação Profissional e de Consultoria de Recursos Humanos que dirige a sua oferta sobretudo a executivos e grandes empresas tecnológicas. Estamos no Mercado

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais