Saúde Para Todos Outubro 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Saúde Para Todos Outubro 2016"

Transcrição

1 Saúde Para Todos Outubro

2 Projeto Saúde para Todos ÍNDICE 1. Introdução Estratégia Objetivos População-alvo Metodologia Recursos Avaliação Cronograma

3 Projeto Saúde para Todos 1. INTRODUÇÃO A saúde é um bem essencial e mantê-la, numa determinada população, deve ser uma das prioridades de todos os profissionais que com ela contactam. Os diferentes estilos de vida que as pessoas adotam resultam de uma luta diária e constante contra comportamentos de risco e da aquisição das competências necessárias à adoção de hábitos de vida saudáveis. É neste contexto que surgem os projetos de promoção da saúde, dirigidos para as especificidades da população alvo, e que têm como finalidade a preservação da Saúde e a prevenção da doença, através da adoção de hábitos de vida e comportamentos mais saudáveis. Nas pessoas com deficiência, estes projetos assumem ainda maior importância para colmatar o seu elevado défice de autonomia, de acesso aos conhecimentos e de interações sociais. Os profissionais de saúde têm a responsabilidade de criar momentos promotores de mudança de comportamentos, no sentido de encontrar o verdadeiro equilíbrio nas atitudes das pessoas, para que possam manter a saúde e melhorar a sua qualidade de vida na doença. 2. ESTRATÉGIA Este documento resulta de uma necessidade sentida pelos profissionais da APPACDM da Maia, na área da promoção da saúde de colaboradores, clientes e seus familiares, após realização de um diagnóstico de situação. Essas necessidades foram partilhadas com a equipa da UCC Castêlo da Maia e deram origem a este projeto que pretende envolver todos os intervenientes na adoção de comportamentos promotores de saúde. As áreas identificadas como prioritárias para a intervenção foram a higiene corporal e oral, a alimentação, a sexualidade e a atuação em diferentes situações de acidente/ doença, no caso especifico dos colaboradores da instituição. 3

4 Projeto Saúde para Todos 3. OBJETIVOS Geral: Promover hábitos de vida promotores de saúde nos colaboradores, clientes e familiares dos clientes da APPACDM da Maia. Específicos: Fazer o levantamento de necessidades dos colaboradores, clientes e familiares, através de uma caixa de sugestões. Ensinar/consolidar conhecimentos técnicos aos colaboradores, através de sessões teórico práticas. Promover as relações interpessoais entre os clientes, através de atividades realizadas em grupo. Promover a estimulação cognitiva dos clientes através de atividades lúdicas que abordem questões de saúde. Ensinar/consolidar conhecimentos teórico práticos aos familiares dos clientes, através de sessões de educação para a saúde. 4. POPULAÇÃO-ALVO Clientes da APPACDM de Vila Nova da Telha, Vermoim e São Pedro de Avioso com idades compreendidas entre os 16 anos e os 70 anos e seus familiares, e colaboradores da instituição. 5. METODOLOGIA Os clientes (máximo 15) serão alvo de 9 sessões teórico práticas, com a duração de 90 minutos, realizadas em dias úteis, entre as 10.30h e as16.30h. Os familiares dos clientes (máximo 15) serão alvo de 9 sessões teórico práticas, com a duração de 90 minutos, realizadas à 5ª feira das 10.30h às 12h. Os clientes (máximo 15) serão alvo de 9 sessões teórico práticas e um rastreio, com a duração de 60 minutos, realizadas em dias úteis, entre as 10.30h e as 16.30h. As sessões incluirão vários temas relacionados com comportamentos promotores de saúde nas áreas da higiene, alimentação, primeiros socorros, sexualidade e relações interpessoais. Nestas sessões todos os intervenientes terão oportunidade de participar ativamente, uma vez que serão adaptadas às capacidades cognitivas dos intervenientes. 4

5 Projeto Saúde para Todos 6. RECURSOS Recursos Humanos: Tendo em conta o caráter prático das sessões e as características específicas dos intervenientes todas as sessões terão dois formadores de entre os enfermeiros que integram a equipa da UCCCM. Recursos Materiais: As sessões serão realizadas nas instalações da APPACDM em Vila Nova da Telha e a preparação da sala e os materiais informáticos são da sua responsabilidade. Todos os materiais de suporte das sessões são elaborados pela equipa da UCCCM. 7. AVALIAÇÃO Os e familiares dos clientes preencherão um questionário pré e pós formação para aferir os conhecimentos. Os clientes serão avaliados através do interesse e da participação nas sessões e nas atividades coletivas. No final será feito o tratamento estatístico dos dados dos questionários no programa Excel. 5

6 Projeto Saúde para Todos 8. CRONOGRAMA Projeto Saúde para Todos ACTIVIDADES Julho Agosto Setembro Outubr o Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Reunião com elementos a integrar o projeto Planeamento/ Elaboração do projeto Apresentação do projeto na Direção do ACES Apresentação do projeto na Direção da APPACDM da Maia Planeamento das intervenções Dinamização das Dia 06 Dia 03 Dia 15 Dia 12 Dia 23 Dia 30 Dia 27 Dia 25 Dia 22 sessões teórico práticas Dia 07 Dia 04 Dia 16 Dia 13 Dia 24 Dia 31 Dia 28 Dia 26 Dia 20 (manhã/tar de) Avaliação do projeto Dia 30 Encerramento 6

Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física

Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física Concelho Nome do projeto Identificação da instituição promotora Equipa de trabalho/ dinamizadora Parceiros Enquadramento/

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE SAÚDE ESCOLAR 2016/2017

PLANO DE ATIVIDADES DE SAÚDE ESCOLAR 2016/2017 PLANO DE ATIVIDADES DE SAÚDE ESCOLAR Centro de Saúde de Freixo de Espada à Cinta Agrupamento de Escolas de Freixo de Espada à Cinta Setembro 2016 1 Equipa de Saúde Escolar: Matilde Chiote (Professora/Coordenadora)

Leia mais

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento Breve Apresentação Enquadramento O programa Não à Diabetes promovido pela Fundação Gulbenkian visa responder ao desafio que a Diabetes representa em Portugal e pretende suster o crescimento da incidência

Leia mais

O território. Bairro da Bela Vista; Alameda; Forte; Manteigadas; Quinta de Santo António HABITAÇÕES MORADORES.

O território. Bairro da Bela Vista; Alameda; Forte; Manteigadas; Quinta de Santo António HABITAÇÕES MORADORES. O território Bairro da Bela Vista; Alameda; Forte; Manteigadas; Quinta de Santo António. 1 592 HABITAÇÕES 5 769 MORADORES Objetivos Contribuir para a relação democrática do sistema de saúde com moradores

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro. Projeto na área da Promoção e Educação para a Saúde

Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro. Projeto na área da Promoção e Educação para a Saúde Projeto na área da Promoção e Educação para a Saúde 2015/2018 I Diagnóstico da situação De modo a proceder a uma avaliação da Promoção e Educação para a Saúde no Agrupamento, o grupo de trabalho avaliou

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT - 2010 Grau de Satisfação para Colaboradores sobre a Satisfação Global Nº de inquéritos recebidos 90 P1. Imagem global da organização. 0 2

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Agrupamento de Escolas Vasco Santana Código 171840 PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Aprovado em conselho pedagógico de 22 de janeiro 2015. Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 3 PÚBLICO-ALVO... 3 OBJETIVOS GERAIS...

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS GESTÃO DO PROGRAMA Cristina Pecante - Médica, Saúde Pública Fátima Neves - Enfermeira Especialista, Saúde Comunitária

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Resposta Social Serviço de Apoio ao Domicílio

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Resposta Social Serviço de Apoio ao Domicílio PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Resposta Social Serviço de Apoio ao Domicílio DATA ATIVIDADE OBJETIVOS INTERVENIENTES RECURSOS Fevereiro Dia 12 Carnaval - Baile de Carnaval - - Participação em Festa de Carnaval

Leia mais

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar exercício físico, entre outras. No entanto, e o nosso

Leia mais

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT)

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Departamento de Saúde Pública JOVENS E TABACO - COMO INTERVIR? ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Rosa Branca Mansilha DSP da ARS Norte 29 Novembro 2013 PELT 2006-2009 PROGRAMA Escolas

Leia mais

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário Câmara Municipal de Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário De Janeiro a Dezembro de 2013 1 1. Breve Caracterização do Programa Viver Solidário : O Programa

Leia mais

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Unidade de Cuidados na Comunidade-1º Ano de Vida Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Dilma Pereira Raquel Azevedo Enfermeiras Especialistas em Enfermagem Comunitária Projecto de Enfermagem

Leia mais

PLANO ANUAL 2016 RECURSOS HUMANOS

PLANO ANUAL 2016 RECURSOS HUMANOS PLANO ANUAL 2016 A APPACDM da Figueira da Foz define, implementa e controla o seu compromisso com a satisfação das necessidades e expetativas legítimas dos clientes e de outras entidades interessadas.

Leia mais

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO COM PESO e MEDIDA Enfermeira Lara F. C. Monteiro Março, 2008 0. Sumário 1. Introdução... Pág. 02 2. Justificação do projecto... Pág. 03 3. Nome do projecto...

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2016 é planear as atividades, procurando manter,

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO CULTURAIS.

PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO CULTURAIS. PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO CULTURAIS 2017 www.scmbaiao.com O Plano de Actividades Sócio-culturais para o ano de 2017, foi direccionado essencialmente para as valências sociais da Instituição: Terceira Idade

Leia mais

Projeto Aprender a Nadar

Projeto Aprender a Nadar DIVISÃO DE DESPORTO E JUVENTUDE PÕE-TE A MEXER Projeto Aprender a Nadar - Fomentar o gosto pela prática desportiva e de atividade física, aquisição de hábitos e comportamentos de estilos de vida saudáveis

Leia mais

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 Maio 2007 1-Problema A Obesidade é um importante problema de Pública e uma doença crónica, com génese multifactorial, que requer esforços

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática regular e sistemática de atividades de animação gera significativas melhorias quer

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alcabideche Escola Básica de Alcabideche PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Alcabideche Escola Básica de Alcabideche PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO BIBLIOTECA ESCOLAR - ALCABIDECHE E ALTO DA PEÇA - GLOBAL Data Atividades Reuniões entre a Professora Bibliotecária/Coordenadora da Biblioteca Escolar () o Diretor do Agrupamento (DA) e/ou a Coordenadora

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 I Nota Introdutória e II Objectivos e Estratégias Com a elaboração do presente plano de actividades do Serviço Técnico Sócio Educativo de Deficientes Profundos

Leia mais

Projecto de Enfermagem para a Parentalidade

Projecto de Enfermagem para a Parentalidade Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida BEM-ME-QUER Projecto de Enfermagem para a Parentalidade Alexandra Correia Ana Rita Castro Vieira Susana Ferreira ULSM 18 Dezembro 2010 UCC SH estreita

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular: 1º ciclo Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Ano de escolaridade:2º ano Ano letivo: 2015/2016 Oferta Complementar: Educação para a Cidadania Perfil do aluno à saída

Leia mais

CALENDÁRIO GERAL DE ATIVIDADES PARA JANEIRO Oração

CALENDÁRIO GERAL DE ATIVIDADES PARA JANEIRO Oração CALENDÁRIO GERAL DE ATIVIDADES PARA 2014 AB Acampamento Baptista Departamento Feminino DH Departamento de Homens DJ Departamento da Juventude DM - Departamento de Missões Seminário Teológico Baptista DIR-CBP

Leia mais

Projecto de Actividades na Comunidade

Projecto de Actividades na Comunidade Projecto de Actividades na Comunidade Centro de Actividades Ocupacionais de Machico 1. Projecto de Prestação de Actividades na Comunidade O Centro de Actividades Ocupacionais de Machico, procura desenvolver

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2015. Agrupamento de Escolas de Mangualde Página 1

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2015. Agrupamento de Escolas de Mangualde Página 1 PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Mangualde Página 1 Índice INTRODUÇÃO... 3 PÚBLICO-ALVO... 4 OBJETIVOS GERAIS... 4 PESSOAL DOCENTE... 4 Áreas de formação... 5 Calendarização da Formação...

Leia mais

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM:

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM: SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: apecp.geral@gmail.com Facebook: apecsp TM: 967 238 912 5 de Junho de 1991 OBJETIVOS Criar e incentivar o aparecimento de instrumentos que permitam

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 Equipa: Doutor Carlos Silva Doutora Carla Chicau Doutor Luís Cid (coordenador) Psicólogo Luís Gonzaga

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO DE FORMAÇÃO 2015

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO DE FORMAÇÃO 2015 ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade PLANO DE FORMAÇÃO 2015 (novembro 2014) Breve Contextualização A inovação na ASCUDT implica a capacidade

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental

Leia mais

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário Câmara Municipal de Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa De Janeiro a Dezembro de 2012 1 1. Breve Caracterização do Programa : O Programa é um Programa que tem como

Leia mais

CONSELHO PEDAGÓGICO ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DOS ESTUDANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE

CONSELHO PEDAGÓGICO ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DOS ESTUDANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE CONSELHO PEDAGÓGICO ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DOS ESTUDANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE PIEESS 2017 PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DOS ESTUDANTES ESS/IPS

Leia mais

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro II Encontro de Boas Práticas Educativas Bragança, 8 de setembro de 2016 Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela (2014-2016) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS Dirigido às turmas de 7º Ano (3º Ciclo) 2008/2009

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS Dirigido às turmas de 7º Ano (3º Ciclo) 2008/2009 PROGRAMA DE PROMOÇÃO DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS Dirigido às turmas de 7º Ano (3º Ciclo) 2008/2009 é um programa de intervenção para a Promoção de Competências Sociais, dirigido às turmas de 7º Ano do Externato

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição)

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) Atendendo ao envelhecimento crescente a que se assiste a nível mundial, é imprescindível os cuidadores, formais e informais, dispensarem a formação neste

Leia mais

Espaço S 14 ANOS DE HISTÓRIA

Espaço S 14 ANOS DE HISTÓRIA ESPAÇO S 14 ANOS DE HISTÓRIA Espaço, o S é de saúde, sexualidade, sentimentos e saberes a questionar. Pretende-se que seja um espaço para ouvir, aceitar e esclarecer, respeitando e privilegiando o atendimento

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 2 de Junho de 2006 4 de Agosto de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização do

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

Plano de Formação Interna 2015/2017

Plano de Formação Interna 2015/2017 Agrupamento de Escolas n.º 4 de Évora 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia Plano de Formação Interna 2015/2017 outubro 2015 Introdução Este plano surge da necessidade demonstrada pelos

Leia mais

PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE Ano lectivo 2009/2010 PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE Equipa: Ana Luísa Leal António Sousa Célia Oliveira Justa Costa PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE 1º PERÍODO ÁREA de INTERVENÇÃO- HÁBITOS ALIMENTARES DEFICITÁRIOS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO 2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES 4. S DE FORMAÇÃO 4.1. PESSOAL DOCENTE 4.2. PESSOAL NÃO DOCENTE ASSISTENTES ADMINISTRATIVOS 4.3. PESSOAL NÃO

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Dos registos clínicos: médicos e de enfermagem Qualidade e segurança do doente Lucília Martinho médica, presidente da CQSD Maria Teresa Antunes enfermeira

Leia mais

Apresentação do programa (1)

Apresentação do programa (1) SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS 7º ANO 2014/2015 Apresentação do programa (1) Inspira-te! é um programa de intervenção para a Promoção de Competências Sociais,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

Campanha de Higiene das Mãos Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE

Campanha de Higiene das Mãos Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE Campanha de Higiene das Mãos Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE First Global Patient Safety Challenge Cuidados limpos são cuidados seguros Produtos limpos Práticas limpas Equipamentos limpos Ambiente limpo

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2009 CAO SÃO VICENTE - ÂNGELA MILHO 1.5 - FICHA DE ACTIVIDADE INSERIDA EM PROGRAMAS E PROJECTOS DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: DINAMIZAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO /SENSIBILIZAÇÃO CÓDIGO:

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA

O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA Evolução do T. de Radiologia nos CSP Evolução dos Centros de Saúde Função do T. de Radiologia

Leia mais

PROJETOS PROJETOS ANUAIS. Autoavaliação do Agrupamento. Dulce David 2016/2017

PROJETOS PROJETOS ANUAIS. Autoavaliação do Agrupamento. Dulce David 2016/2017 PROJETOS 2016/2017 TÍTULO Assembleia Jovem PROJETOS ANUAIS Luís Sousa RESPONSÁVEL Autoavaliação do Agrupamento Empreendedorismo ERASMUS+ Desporto Escolar Incluirte Lean PES Plano de Ação Estratégica PTE

Leia mais

Programa de Promoção de Competências

Programa de Promoção de Competências Programa de Promoção de Competências Início: 15 de Junho Fim: 26 de Outubro Duração por sessão: 90 minutos Periodicidade: semanal / Bi-semanal Horário: 10h00 11h30 / 14h30 16h00 População Abrangida: Casais

Leia mais

Europass curriculum vitae

Europass curriculum vitae Europass curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Morada(s) Correio(s) eletrónico(s) Carvalho, Rute Alexandra Tomás Rua António Pinheiro Lacerda, N.º 7, 2630-370 Arruda dos Vinhos Telefone(s)

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido (s) / Nome (s) próprio (s) Pereira Mendes Ferreira/ Sandra Isabel Morada (s) Avenida dos Bombeiros Voluntários bloco 7 1ºDto. Torres Novas Telefone

Leia mais

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal PROTOCOLO Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal Entre A Câmara Municipal de Setúbal, adiante designada por CMS, na qualidade de 1.º Outorgante, representada pela Presidente,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO APRESENTAÇÃO DO PROJETO ENQUADRAMENTO OBJETIVO CENTRAL ENTIDADES PROMOTORAS PARCEIROS SETORES ECONÓMICOS ALVO ATIVIDADES E CRONOGRAMA INDICADORES DE RESULTADOS GABINETES DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Ação Social REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA CAMPOS DE FÉRIAS. CAPÍTULO I Organização e Funcionamento

Ação Social REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA CAMPOS DE FÉRIAS. CAPÍTULO I Organização e Funcionamento Campos de Férias Abertos para Crianças De acordo, com o Artigo 43.º, do Regulamento de Organização dos Serviços Municipais, Aviso n.º 1033- C/2007, publicado na II série do Diário da República, em 19 de

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO - FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA

CALENDARIZAÇÃO - FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA Acção: 3247 Assistência a Crianças no Domicílio - Alimentação da Criança Data Início: 16.Jan.2012 Duração: 25 Nível: 2 Data Fim: 06.Fev.2012 761174 - Acompanhante de Crianças Meses Horário 2012 1 2 3 4

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES FORMATIVAS INSTITUCIONAIS DA REDE CRC

DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES FORMATIVAS INSTITUCIONAIS DA REDE CRC DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES FORMATIVAS INSTITUCIONAIS DA REDE CRC Este questionário destina-se a efectuar um levantamento das necessidades formativas nas Organizações do território nacional que integram

Leia mais

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu REDE SOCIAL POEFDS UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Vila Nova ÍNDICE Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto 1 Caracterização da população >65 anos no Distrito do Porto: Concelho Censos 2001 Censos 2011

Leia mais

PROJETO DE GINÁSTICA LABORAL PARA OS SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALVORADA RS

PROJETO DE GINÁSTICA LABORAL PARA OS SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALVORADA RS PROJETO DE GINÁSTICA LABORAL PARA OS SERVIDORES DA RESUMO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALVORADA RS GRAZIELE ALVES DIAS 1 LIA T. HOFFMANN 2 O Projeto de Ginástica Laboral Para os Servidores da Prefeitura Municipal

Leia mais

PROJETO EUROPEU HEALTHY DS

PROJETO EUROPEU HEALTHY DS PROJETO EUROPEU HEALTHY DS O projeto Europeu HEALTHY DS é financiado pelo PROGRAMA ERASMUS+ 2015, com uma duração de 24 meses, e liderado pela fundação ASINDOWN Valência (Espanha) que prevê o desenvolvimento

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

Centro de Saúde da Lousã

Centro de Saúde da Lousã Centro de Saúde da Lousã 2011 Avaliação das Sessões de Educação para a Saúde no âmbito da Saúde Escolar Equipa de Saúde Escolar Unidade de Cuidados na Comunidade Arouce Centro de Saúde da Lousã 2011 Avaliação

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES

PROGRAMA DE ATIVIDADES PROGRAMA DE ATIVIDADES com amor e sexualidade. Ano letivo 2013-2014 Alunos ANO TEMA PÚBLICO- ALVO COMPETÊNCIAS DATAS DURAÇÃO 1 º ano gostar de ti I Alunos do 1º ano Estabelece a ligação entre pensar e

Leia mais

Organização e Gestão do Desporto Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Organização e Gestão do Desporto Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Organização e Gestão do Desporto Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover: a iniciativa

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE SETEMBRO 2017

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE SETEMBRO 2017 PROGRAMA DA SEMANA EUROPEIA DA MOBILIDADE 2017 Sessão de Abertura da Adesão à SEM 2017 A Câmara Municipal da Maia promove no dia 16 de setembro, pelas 15:00 horas, na Sala D. Pedro IV, da Câmara Municipal,

Leia mais

Falar em público Uma competência Transversal no Ensino

Falar em público Uma competência Transversal no Ensino Ação de Formação Falar em público Uma competência Transversal no Ensino Formadora: Doutora Carla Gerardo Modalidade: Curso de Formação Duração: 16 horas 1- Créditos: 0,6 créditos N.º de acreditação: CCPFC/ACC-80730/15

Leia mais

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Rua do Formigoso N.º 103 Polvoreira 4835-168 Guimarães Telefone: 253 557 128 - Telemóvel: 91 051 36 36 rsipolvoreira@gmail.com

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO - Ano Letivo 2015/ 2016 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES ( ) Eixo I - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO - Ano Letivo 2015/ 2016 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES ( ) Eixo I - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES (2015-2017) Eixo I - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS Designação da Ativida Calendarização Dinamizadores Público Alvo Oficina Gramática e leitura Oficina da escrita Plano

Leia mais

Avaliação da Pesquisa Criança É Vida Relatório de Pesquisa. Fevereiro de 2016

Avaliação da Pesquisa Criança É Vida Relatório de Pesquisa. Fevereiro de 2016 Avaliação da Pesquisa Criança É Vida 2015 Relatório de Pesquisa Fevereiro de 2016 Introdução As equipes do Instituto Criança É Vida capacitam educadores e outros funcionários de instituições, além de voluntários

Leia mais

Projeto Educativo 2015/2018 Sintonias. Projeto Curricular de Centro 2015/2016. Estar em Sintonia

Projeto Educativo 2015/2018 Sintonias. Projeto Curricular de Centro 2015/2016. Estar em Sintonia Projeto Educativo 2015/2018 Sintonias Projeto Curricular de Centro 2015/2016 Estar em Sintonia Projeto Curricular de Centro (PCC) 2015/2016 Neste primeiro ano do Projeto Educativo para estarmos focados

Leia mais

EXTERNATO DE S.VICENTE DE PAULO

EXTERNATO DE S.VICENTE DE PAULO PERÍODO MÊS DIA ACTIVIDADES OBJETIVOS.º PERÍODO SETEMBRO OUTUBRO Reuniões de Conselho de Docentes 2 Formação 4 4 Reunião de das AEC S,.º e Ed. de Infância Início do Ano Escolar Creche, Pré-Escolar.º Eucaristia

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

Pacto de Milão. Desafio para as Autarquias. Lucinda Fonseca

Pacto de Milão. Desafio para as Autarquias. Lucinda Fonseca Pacto de Milão Desafio para as Autarquias Lucinda Fonseca Caracterização CARACTERIZAÇÃO PACTO DE MILÃO /03 Freguesias: 26 Área: 302,33 km 2 População residente: 56 264 Densidade populacional: 185,9 hab/

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 053 ATIV'ARTE

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 053 ATIV'ARTE Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 053 ATIV'ARTE Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO: PLANO DE FORMAÇÃO A PLATAFORMA FITESCOLA COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS NA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E NO DESPORTO ESCOLAR RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

Leia mais