A CONSTRUçÃO DO ESTADO LTBERAL. ELITE POI,ÍTTCA E BUROCRACIA NA,qREGENBRAÇÃO' (1S5I.IS9O)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONSTRUçÃO DO ESTADO LTBERAL. ELITE POI,ÍTTCA E BUROCRACIA NA,qREGENBRAÇÃO' (1S5I.IS9O)"

Transcrição

1 Fuorc.o. ÉÊ CiË,td* fus. Hu* itr ü-ï lforcfh Ìü.r e;uub PEIDRO TAVARES DE ALMEIDA A CONSTRUçÃO DO ESTADO LTBERAL. ELITE POI,ÍTTCA E BUROCRACIA NA,qREGENBRAÇÃO' (1S5I.IS9O) Dissertação de Doutoramento em Sociologia Política I]NIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Sociais e Humanas 1995

2 minha Mãe l\raneìa

3 "History without poìiticaì sc ience has no ffuit; political science without histor.y has no Foots" John B. Seel y (laas)

4 IÍ{DICE GEML Agt.adecimentos. TNTRODUçÃO a PRIMETRA PARTE _ A ELITE POLÍTICA PreâmbuIo 16 1,O advênto da Regeneraçáo e a 'circulação' da elite política, 16 2.Os critérios do classificação social e ocupacionâi da elite Dolíticâ 22 CâpituÌo I - Os Consolheiros de Estâdo 'I.Conspeoto jurídico-constttuclol al e papel politico Cons Iho dê E3t ado 2. Origem geog.áf ica S.Idado. 4. Formagáo egcoiaf e intel ectual S.Actividade DFof issionâì 6.Recrutanento social e títulos nobiliárquicos. 7. Canneinâ pol Ít Ícâ do A 50 5A Câpítulo fi - Os MLnistros ,O "poder govefnadental' e o padrão de estabilidade dos mrnlste.ros 2.Durâçáo e grau de êspeciâìizaçáo das ca..eiras ministefiais 3-A "expeaiência govefnâtivâ r' dos elencos ministeriais 4. Onigem geogiáfica 5. Idade. 6. Formagão escolar e inte Iectual 7. Actividade Drof issionaì S.Recrutamento sociaì e titulos nobitiánouicos. 96 g,reproduçiio êndógenâ: as "vocaçóes" familianes 99 lo.carreira políticâ at a5 aa 92 Capítulo III - Os Pares do Reino.. 1OG l.composição e p6pel politico da Câma.a dos PaFes...,,. 106

5 2, Origêm geográí ica 3.Idâde. 4. Formação escolaf e intel ectual S.Actividade D'.of is sional 6,RecrutaDento social e títuìos nobiliárquicos. 7. Carreira polit ica 1't Capitulo IV - Os Deputados O processo eleitoral e a prática parìamenta.. Continuidade e nenovaçáo parladentar.o.igem geográfica..... fdade Formaçáo escolaa e intel.actividâdê orofissional ect ua I 133 ' ' 50 't 54 -Rec.utâmênto social e titul.os nobiliánouicos. '159. CânFêi.a ooìítica 163 CaDitulo V - Os Govenhadores Civis poì ivâi ência funcionâl do cargo e o papel dê meentreocentfoêaperiferia 166 dianeiros 2, Duraçáo das cat.t.eit.âs ê padrão de "cií.culâçào gêo- I ráf ica " ' Ot.igen gêog t.áf ica Idade Fofmaçáo escolâ. e intelectual Âctividâde orofissionaì 183 T.Rec.utamento sociaì e tituìos nobiliárouicos. la5 8. Canr.êií.â ooìitica 1A7 Considenaçóes Finais, l9o l.mudança social e elite política 19O 2.4 "burocfâtização" da eìite poìítica Rêc.utâmento endogâmico e têndônciâs 01Ígá.quicas... 2O2 Notâs 205 SEGUNOA PARTE - A BUROCRACIA 233 CapÍtulo I - Os Testêhunhos Criticos Coêvos centralização adninist rat iva 2.A "pìetora burocí.ática" e a "empregomânia".o "patronâto oíicial": favofitismo e depuraçóes administrativâs 4.O "vício oaoe listâ " 23s

6 Capitulo II - Morfologia da Bu.ooracia 251 'f.â modernizagiio do eparelho ad inistrativo cèntraì Sistemas dê recfutamênto dor funcioná.ios ad inistrâtivos: patrocinato v3. neritocracia 3-Dinensáo ê êst.utura internâ do funcionaìismo público Os sal-ários do funcionaìismo púbìl.co CapÍtulo III - A Elite Adninistrativâ Secr.etáiios-gorais, diroctores-gefais e chefes de Ì.epertiçáo: critério3 dc nomoâçóo, padráo de estâbilidade e influência DoÌitica Origem geográfica fdade. 3Ol 4.FoFnaçáo êgcolaf ê intêiêctuâl ftinerário ofofissionâì- 31O 6.RecnuteDento social e tltulo3 nobiliá.quicos lA T.Actividadê politicâ ê all.nhadento Deitidá.io... 32O Notãs 325 cot{clusão 344 ANEXOS 350 I- Ouadios 351 II- Figuras 414 III- Tábua Cronológicâ (ía6l-1a9o) 422 EXTRA-TEXTOS 426 FONTES E BÌBLIOORAFIA I- Fontes II-Bibliografia Indice Ìndice dos Ouedrog das Figurâs 4AO 444

7 AGRÂDEC IIIEÍ{TOS Nâ paeperaçâo da pí.esente tese de doutoramento várj,as Íoaam as oprnroes e sugestóes cientificas, os estimulos pessoars e as âludas concretas de que beneficiei, Nos diversos Arouivos e Bibliotecas. e muito em particuìâr nâ Btblroteca NâcionaÌ de Lisboa - que f.equentei maís assiduemente -, contêi sempre com o apoj.o diììgente e atencioso de generâlrdade dos Íuncionários, que me propicienam o acesso a documentos e IÌvros em precárj,o estado de conserveção, se empenhaí'am na Ìocal,ização de outros a que se perdera o rasto ou asseguraram con zeìo a reproduçáo Decânica de largas centenas de pá9inas. As peaêgrinaçôês reguìânes que fíz a algumas.lj.vrarias de aìfâr.ábio peamitiram-me iguaìmentc adquirj.r alguns livros e foìhetos raí'os, de grande utilidade para o meu tnabal-ho de investigagáo, PeIas facilidades concedidas e o apoio prestado, uma paìaví'a especiaì de âgaâdecìmento é aqui devida ao Nuno Oliveira da Livraria GâÌrlêu em Cascals. A bolsa que me Íoi concedida peìo extlnto I.N.I.C. e, depors, pela J.N.I.C.T. to.nou possivel concretizar duas prolongadas estadias em Londres, bem como uma outra de curta duraçáo em Madaid. A vastâ Ìrtênâtura consultada sobretudo na Bl-itish Librâny foi de cauclal importância paaa o aprofundamento da âbo.dagem comparativa da Íninha investigaçáo. Ao P.ofesson ShmueI N. Eisenstâdt, da Universidade Hebrâicâ de JeausaÌém, devo algumas fecuôdes sugestões gerârs e bibliográficas. Os Professores Miguel Mârtínez Cuâd.âdo, da Universidade Complutense de Madrid, e André Hoyos Aparr.cio, da Universidade de Cantábria, deram-me indicâçóês preciosas sobaê fontes ê estudos actuâis aeìâtivos à Espanha oitocentistâ. A Professo.a Marrâ Eduarda Cruzeiro, do Instituto de Cj.ências Sociais, facuìtou-me generosamente a consuìta do sêu fj-cheiro pessoal com os dados biográficos dos Ìentes dâ Universidade de Coimbra no sécuio XIX. A PFofessora Maí'i.a Fernânda AIegria, da UniveFsidâde Nova de Lisboa, e o Professor Mânuel. Braga da Cruz, do Instituto de Ciêncj,as Sociais, fo.neceí'am-me algumas refet.ências bibìiográficas pontuais muito úteis. Um extenso roì de amigos e colegas deu-mê uma ajuda imf,ortant, âcompanhando interêssadâmente a evoìução do meu trabâlho, esclarecendo-me dúvidas, fornecendo-me informações vaaiadas ou fazendo buscâs e fotocopiando-mê ertigos en bibìiotecas estrângeiras. Umâ aêferêarcia êspecial vai, no entanto, pârâ o António Costa Pinto. o Bernardo Vasconcelos e Sousa. a Ma-

8 rj.a Alexand.e Lousada, peìo estíduj.o laa dê opiniões, e aiôda pa.a o Diogo guel Pedreira, o Nuno GonçaÌo Monteino disso, ÌeÍ'am e comentaaam pacientenente têse. constante e a troca regu- RaDâdâ CuÍ.to, o Jorge Mie o Rui SaÍìtos, que, aìém aliversos cadítulos dest a Ao Profgssor Vitorino Magalháês codinho, sob cuja o.'ientaçáo cientifica trabâlhei ao longo de doze enos - e que por razóes pessoâj.s aenunctou entretanto à supeavisáo oficiaì de todâs âs teses de doutonamonto que tinha a seu cargo -, devo uma parte impo.tante dâ minha formaçáo intelectual e do meu percurso âcedémico. No qu respoita concrêtamente à elaboí-açáo desta tese, se bem que os cadinhos tnilhados e as conclusóes fonmuladas sejam da minh6 exclusiva responsabiìidade, os seus conselhos e sugegtõg!t criticâs for.am sgmpaê muito estimulantes e.ìevaram-ne Írequ ntomonto â exploaâa ôovas fontes e a enuncian novos problemas. Uma palâvaa êspocial de âg.âdecimento é igualmente devide ao Profegsor Oavid Justino, com quen tenho mantido ume exceìente reìaçáo de camâredagêm e um proficuo convivio intêlectual, desdo qu ontaoi psre o oepartamento de Socio- Ìogia de Faculdadê de Ciêncie3 Sociais e Humanas, e que aceitou sem hêsitaçáo â tâaeta algo ingratâ dê se responsabilizâi oficj.a.lmente pêla orienteçáio ciontitlca da p.êsontê têsê de doutorafiento nunâ fese bastanto adienteda da 3ua elâboraçáo. Sublinhe-se, no entânto, que o Piofesgor OavLd Justino acompanhou senpre de pento ô pnêpôaaçáo de Dinha tese e que as inúmeras conversâs qug tivómos Do ejudâaôit a clarificar id ias e rê suscitaran novas pistas dc investigagáo. Por úitimo, o apoio da Manoìa foi absoìutamentê imprescindivol, tanto om aspecto3 do natuioza intima, como na Í'evisáo crítica con3tanto quo fgz d ' tudo quânto eu ia escreven-

9 IN-f-FÌODUç'I\c' Quêm governa? OuaI a configu.açáo e dinâmica dâ burocracia? Sinteticamente, estâs duas questóes enunciam os objectivos principais da presente investigagáo sobre o sistema poìitico-administrativo no PoftugaÌ oitocentista. No essenciâ1, o â[bito cronológico do nosso estudo coincide co,í os Ìimites temporais da "Regenenâção", no sentido lato do terno, isto é, com o novo cacìo ÌibenâÌ que tem como acto fundador o pronuncialìento militar "saldanhista" de finais de Abril de 1851 e se proìonga até à crisê de 1890, comun- Dente identificada pelâ histoí.iografia portuguesâ cotho urh momento crucral de vi ragem. Este periodo de cenca de quarenta anos singulariza-se peìa combinâção de três aspectos fundamentais. Por um Ìado, tratou-se de uma época de.eìativa acaìmia poìitica e sociâì - apenas sêl'ia'dente amêâçada na conjuntunâ crítica de 18ô8 a , durante a quaì as íhanifestaçóes de confìito vioìento, que tj.nham marcâdo a fase iniciaì do liberaìismo, cederam o Lugâr às formâs de conflito regulado, Esta alteraçáo do tipo dominante de confli.to, associâda à institucionaìização dos mecanisinos e pí'ocêssos do sistêmâ de "governo nêpresentativo", resuìtorj dâ âfil'maçáo de uma 1ó9ica de compromisso (a "politj.ca dos acondos") entfe as vánias paí.cialidâd6s ou coligaçóes rivais da elite, ql/e implicava a subordinaçáo dâ luta politica às reg.as dâ

10 9 competiçáo pac ific a e a 9arântiâ de expectativas crediveis de alternânciâ no poder, Em Iarga medidâ, essa transfo.maçâo nào teria sido possível sem uma ampla Fenovâçâo do pessoaj. político dirigente. Por outro Ìado, correspondeu â umâ etapâ decisiva nâ consoìidaçáo do aparelho burocrático do Estado libeaaì, que se traduziu nuna dinâmica de expansáo ê moder.nizeçáo das estrutures e meios de administraçáo. FinâImente, foi um ciclo marcado por impontântes "melhoramêntos materiais" e um razoávêl crescinento económicor emborâ à custa de um elevado endividamento público. Ocupando as pninêipais posições de comando na hìeí'arquia formal de podêr e, como taì, intervando activemente ne construçâo das instituiçóes e na elabofação das normas que reguìâm o clrrso dâ vida coìectiva, as elites poìiticas sào um dos actores centrais em todos os processos de mudança social, inclependentêmênte da avaìieção positiva ou negetiva do seu pí.otagonismo histórico. Por essa razáo, o êstudo da sua formaçáo e composiçáo ou da suâ âcçáo trânsfoamadoí-a constitued importantes eìxos temáticos da investigaçáo em socioìogia pol.itica. No caso vertentê, mais do que o comporramêhto e pâpêl dirigentê da eìite poìitica da Regenêrâçáo, p.ivilegiámos a anáiise da sua sociogénese e estrutufâ inteana. Assim, na Primeira Parte da nossa disseatação procedemos a um vasto inquérito prosopográfico, individualizando cinco subgrupos: os conselheinos de Estado, os ministros, os pares do Feino (apenas os de nomeação régia), os deputados e os governadones civis. Parâ alé t de um ou outro aspecto especifico, a pesquisa efectuada incj,diu sobne um conjunto comum de variáveis: orígem geográíica, idade, formaçâo escoìaí. e intelectual, actividade proíissionaì, recnu-

11 10 tamcnto social, caí.reina poiíticâ e padráo de estabj.ìidade, No trãtâmento finâì dêstes vâaiáveis de caracterização dos subgaupos mencionados não tohámos em consideraçáo as divisões paatidáriâs no seio da "cìasse poìitica", não só devido à sua g.ande volubilj-dede e -imprecisão dufante um lâ.go período, mas também porquê eìas não constituiâm um fâctor relevante de difeí'enciação interna. O grau de rigor e o carácter mais ou menos exâustivo das várias sinteses estatisticâs âoresentâdâs sáo natufalmente condicionados pela desigual qualidade e pormenorização dos informes b.iográficos disponíveis e peìa própnia dimensáo dos vários subgrupos dâ elite. Pâna minimizâf âs possibilidades de erro, procurámos aferi. a fiâbilidade das info.mãções através do cotejo sistêmático dê múltip1âs e variadas fontes. Â maior dificlrldâde nesidiu, porém, na apìicaçáo dos critérios de classificação socral e ocupacional. No primeiro caso, quer pela precaridade das indicaçóes sobae os ântêcedentes femiliares, quêr peìa reìativa fluidez das fnonteirâs entre a]guns dos 'grupos de t.eferência" identificâdos. No segundo câso, pârâ âìém da pâ.cimónia das fontes quanto às trajectórias profissionais de muitos indivíduos, por causa da reconhecida pe.sistência de uma pluì.a- Ìidade de vínculos ocupacionais na épocá, o que obrigou neêêssariamente a Íaze" opções que simplificam a realidade retratada O estudo prosopográíico de cada um dos referidos subgrupos dâ "elite governânte" é âinda precêdido dê umâ dêscr.ição ge.â1 do quadro institucionâl dâ sua acçáo politica. Esta série de introduções peacelares pêr nite delinear os contornos êssênciais da organizâçáo e funcionamento dos órgáos centrais do aparelho poìítico do Estâdo Irbênal o-itocentìsta. Umâ reflexáo de conjunto sobre os pnincipais âtributos socio.iógicos dâ elite

12 11 política da Regeneraçáo êncgrra esta Primeira Parte. A pa. do papel dirigente das êìites politicas, a construção dos Estados noderno3 é indissociávêi do desênvolvimento dâ bunoc.âclâ. Emboia foi aì ente difêfenciadas, â3 tafefas de governação e adninist.âção estão intimadente Felacionadâs, predoaine una Iógica dê codpìerentâridâdc e subofdinagáo ou de f.icçáo e conflito. Por um Ìâdo, a capecidade efectivâ do decisáo e inovaçáo politicâs depênde Iâagamontê do contfolo e eficáciâ dos enquâdfâmcntos e Deios de acçáo addinistrâtivos, que assogurad â ÍÍobilizâçáo dos recursos e a gestáo de 'rotlnô' da actívídade govoanativa. Po. outfo Iado, â9 Iites polítícas e buroc.átícas formâm a elit institucional do podên - aquo.ia que dotéd o monopóllo do procasso docisóaio IegÍtino -, cooxistindo por' v zes nu e êstr0ita simbiosc, âtravés de un constdnte intê.- cáitbio do po3içõos ê peamutâ do papéis êntt.ê os seus ieib.os. No caso histót.ico êm apreço, a int o Fdopendônc ia entre a elitg poiíticâ e a burocracia é aindâ tânto mâior quanto âqugla tondo a ssa mâloritarian.nte Fecrutadô no sêio do funclorìâlismo do Estado e a inst rumentalizaçáo cìientoìista dos bens públicos constitui una dimensão egtl.utufente do paoces3o político. Oeste modo, nô Sogundâ Paato da nossa dissêrteção o objecto d6 invostigâçáo é â burocrâcia do Estado. Í{áo so tratâ âqui, porén, do um estudo e pírico da 3ua actividadc corìcretâ, ne de umâ dêscrigáo pormonorizâda dos vários rãmo3 dâ Ad inistraçáo Pública, mas da Fêconstituiçáo de alguns aspecto3 fundanentais da sue o.fologia ê dinânica intoanas, particulaffiêntê âtentã ao3 inpuìsos de rudança, tanto mâi3 que as aefoanas bu.ocráticas fofan um dos tênes principais dâ 'âgenda' política

13 12 duí'ant e â Regeneraçáo. Pârtindo de uma.eflêxão c.itica sobne as imagens sociais da burocracia dominantes na época, passamos entáo a analisaa os principios ot.ganizâtivos do aparelho administaativo central, as modalidades do Fecr.utaDento de pessoal, o voìume e a composiçáo dos efectivos globâis do funcionalismo público e o seu estatuto Í'emuneratório. Poa úitimo. ensaiamos uma caracterizaçáo pí'osopogí'áfica do núcìeo central da elite administrativa (os secretáí'ios-gerais, diaectoaes-gêrâis e chêfes de repartiçáo dos ministérios), semelhânte à quê f.izemos pâ.â a êiite política. Ficamos, assim, co r um aetaâto colectivo completo dos princj-pais agentes da construção do Estâdo Iibê.el oitocentista - a "elite do poder", na definiçáo institucioíìal do coírceito, Três coondenadas teórico-metodológicâs orientam este trabalho de sociologiâ poìitica Í.etrospectiva. Em primeiro Iugar, ele inscreve-se numâ tradição de convergênciâ disciplinar, que Procura verificar proposiçóes teóricas gerais e operacionalizaa concêitos elaborados pelos cientistas sociaig e poìiticos através da abordagem histórica de udâ nealidade espacio- -temponal concrêta. Esclareça-sê, no entento, quê não pâati ros de uma êxplicitâçáo prévia dos paessupostos teóiicos e conceptuais dâ nossa investigaçáo, tendo ântes optado por incorpor.á- -Ios no dêcurso da própria êrposição, o que, em ôossa opinião, tem â duplâ vantagem de tor.nar mais fìuida a leituí.a do texto e proponcionar uma melhor ãí.ticuìaçáo entre refìexáo teórica e análisê empírica. No que diz Í-espeito, em particular, aos conceitos de eìite e de bu.ocracia I que têm un lugar proeminente nestê êstudo, sê be quê náo tenhad um signiíicado univoco, como

14 sucede com a maioiia dos conceitos em ciências sociais, utilizámo-los aqui na sua acepçáo nais corrente. A eìite (política e addinistrâtivâ) é definida por un critério estritaíìente for. lal, sendo composta pelo grupo de indivíduos que ocupa os lugares de topo na estrutuaa legítima de podea, independentemente da sua capacidade -eal de influência e decisão e sem qualquei conotâção valorativa quanto aos seus atl^ibutos individuais ou colectivos. A buroct.acia designa tanto o apâielho administrâtivo Ínstitucionalmente diferenciado que constitui o supofte orgânico do Estado, como o cor.po ofgânizâdo de Íuncionáaios públicos. Pana a identificaçáo das caractêristicas estrutuaais quê individualiza âs "burocfacias públicas modennâsn ou permltem aferir o grau de "modennização burocaática" de um sistêma concnêto de Administrâçáo Pública, âpoiáúo-nos fundamentalmente na teot.izaçáo ciás9ica d Max Wsben, A segunda premissa básica é que a compaeensáo dâ dinâmica t.elacional ontre estrutura social e sistema Dolitico implica o reconhecimento que. das suas detefninaçó s F cíprocas, qúêr dâ especificidade e autonomia relativa dos respectivos pí.incípios estauturais e Ió9icas intêrnas. Assim, por exenplo, os paocessos de mudança nas diveasâs esferas da sociedadê, emboí.â induzidos por. impulsos comuns e genando um potencia.i d contá9io, náo séio necessâriamentê sincnónicos e convergentes. Oo mêsmo modo, não existê urd vínculo causal mecânico entre recfutamento social e motivâçóes ou compoftâmentos politicos- Em tefceiro Ìugar, u a di ênsão fundamêntal da nossâ iììvestigaçâo é o rêcurso ao método cotdpafâtivo, cod vista a deterninar, atfavés do exame de um conjunto de indicadores

15 14 quantitativos e quaìitativos, âs seneìhânças e difêienças entre a estrutura e dinâmica da eli.te ooliticâ e da bu.ocracia em Portugal e em alguns outros paises eunopêus - e também, subsidiarianente, no Brasil - durânte â segundâ metade do sécuìo XIX. A conparaçáo náo ten, contudo, um caráctêa siste áticor quer poa Ìimitaçóes dâ pêsquisa biblj.ográíica eíectuada, quen pon não existirem efectivâmente estudos FigoFosos e quantificados, quer ainda pelas divergências quânto aos cí.itérios dê cìâssificaçáo estatistica adoptâdos pelos diversos autores, os êìêmêntos dê informação disponiveis variam nêcessariamente consoante os pâísês e os assuntos en anáiise. Ao privilegiâr â âbordagem dos aspectos morfológicos, o estudo que egora se apresenta tem inevitaveìmente uma forte componente dêscfitiva, baseada numa ampìa e minuciosa Prospecçáo das fontes da época, e que sê aêfìecte noíìêâdamente nâ nutìêrosa série de quâdnos sinóptíco3 incluídos no texto e nos anexos, A moí'osidade do tnebâlho de pesquisa das informagões de base e de constauçáo das sinteses estetisticas acâbou, eliás, por limitar drasticâftente o tempo disponivel pâ.a â redacçáo final, obr.igândo-nos a adoptar um modelo de exposição concisa e condênsadâ, em que se piocr.rfâ valorizar os argudentos essenciais e sêìêccionar os elenêntos dê prova mais significâtivos- Assim, esperamos tet. a possibilidade dê aproíundar algumas das hipóteses intefpnêtetivas aqui formulâdas e de explorar mais pordenorizadamante o mânânciaì de dâdos sistematizados nuna futura r.evisáo deste trabalho académico.

16 P FÌIMEIFÌA PAFì-T.E Â ELITE POLITICÂ

17 P.êeibulo O advento tica dâ Règeneraçóo e a 'circulaçáo' da êlite polí- Pat. 1'effet de Ia circuìation des éiites, l'éiite gouvernementalê êst dans un état de trahsfoamation lente et continue. EIIe coule comme un fleuve; celle d'aujouad'hui est autre que ceìle d'hler, De temps en temps, on obseave de brusques et violentes pertunbâtions, semblables aux inondation3 d'un fleuve. Ensuite ìa nouvelle éìite gouvêrnenentaìe recommence ã sê modifier. lentemênt: le ÍÌeuve, rentré dâns son lit, s'écouìe de nouveau réguliè. ngnt' Vilfaedo Pareto I Sem t6r o significado dranático de uma ruptufa r.e voluc ionár.ia, com â destituiçáo abfuptâ e o subsequente eclipse da antige "clâsse dirigênte", o advento da Regenenaçáo constitui, no entanto, um omento cruciâi de mudânça, que implicou ume r.enovação substenciâl da êiíte política ÌibeaaÌ. Não nos refêrimos aqui, obviedgnto, â um meao fenómeno conjuntuaal de depufação, iner.ente à sucesséio âiternada no poder de facçóes rivâis - neste ceso, com o êvêntual aegresso à aibalta daqueìes quê tinham sido marginâilzados ou excluidos duran- te o consulado cabraìista -. mas a u[l maj.s profundo, induzido poí. un iníluxo maniíesta naforte dêscontinuidad Procêsso de recodposição oe sangue novo, que se Pessoal dos medbros da "êlite governante " antê ê po3t í86í

18 L7 Os e].enentos estatisticos sobre o pessoâi poìítico da Regeneraçáo sintetizedos no Ouadro 1 - onde se excluem obviamente os titulares de cargos de nomeaçáo vitalícia (conseìheiros de Estado e paí'es do Í'eino) - permitem-nos quantifican a j.ntensidade ou amplitude desse lìovimento de "circuìaçáo da eiite", para usar a consagrada teí'minologia pâretiana. Assim, numo primeira anáiise de carácter global (vd, coìuna A), verifica-se que cerce de 80 % dos miôistros só desempenhâ- Í'am pelâ prineira vez essa funçáo duí.ante a Regênêrâção, se bem que alguns deìes tivessem iniciado uma carfeirâ pârladentar ântes de 18512; por outro lado, e este é um dado mais elucidativo, quase 90 % dos dêplltâdos e dos governqdores civis fizeran a sua estreia politice depois dessa data, Contudo, estes vâìorês totais, ao incidirem sobí.e um periodo dêmasj.ado extenso, têm o incoíìveniente de incorporar os efeitos da substituiçáo naturâì de geí.ações - não obstante a existência de algumas carrêiaas púbìicas de excepcional longevidade -, ampl.ificando assim o impacto rea.i do pronunciamento saldânhistâ no pí.ocesso de renovaçáo da elite politica. Por esse motivo, se circunscrevermos temporalmente o nosso inquérito à primej.ra Íase da Regenêreçáo (vd. coluna B), podemos ter. umâ âvâ- Ìiaçáo mais exactâ dâ taansfoamaçáo ocorridâ, tanto mais quê a crise de 1868 também interveio como um êstímuìo adicionâì ao rejuvenescirnento da "cìasse dirigente", Obsenvâ-se, então, que 60 * dos minj.stros, 78 * dos deputados e 76 % dos governado.es civis foram-no pela paimeira vez nesse período, o quê significa, num cômputo gìobaì eproximado, que pelo mênos 2/3 dos individuos que coírpunhan o grupo mârs numêaoso e activo da e1ite poìíticâ p,rovinhan de umâ novâ fileira de homens púbìicos,

19 18 ouadro 1 - A Regeneraçáo e a Fenovação da elite PoÌÍtica Estreia no cafgo Elite política da'rêgeneraçáo' llinistfos Oeoutados cov. civis Antes de Maio l85l Í9 19,4% 152 t t,5* 26 t O,3t 1851 / O,6t aa,5t 225 A9,7% TotaI 9A íoo,oi o0,úi 251 í OO, OrL Antes de Maio ,6t 152 2'l, ,4eô B 1851 / ,4% 552 7A,4e ,2% TotaI 4a í oo, otb 704 íoo,ol 109 loo, (It  - inclui todos os ministros e goveinadores civis que exerceram funçóes no periodo entre 1 de Maio de 1851 e 14 dê Jânêiro de t89o, bem êofio todos os deputâdos que pârticiparam nas legislaturas êntre e , inclusivé. B - incìui todos os ministfos e gover.nadofes civis que êxencenam funçôes no periodo êntr.e 1 dê aio de 1851 e 4 de Jâneiao de 1868, ben como todos os deputados que participânâm nas legisìâtu.as ent.e e incìusivé.

20 19 Esta mudança na composiçáo da "elite governante", se em pafte derivou das contígênciâs da luta e competição politicas, foi também, e sobretudo, o Í'esultado de uma oiientaçáo premeditâda dos líde.es da nova situâçáo' que encaiavam essa FerÍrodelaçáo como um requisito indispensável à pacificaçáo e regene.âçáo do país. Segundo Olivei.a Martins' nos conciliábulos onde se conjurou o deft.ube do governo do Conde de Tomar e se "pactuâfam as reíormas urgentes" a realizaf em seguida, já Alexandre Herculano tinha recìamado que "tudo se fizesse com gente nova, excìuindo os velhos todos" r Poisr de acofdo com as suas paóprias palavnâs, "de outaa fofna sefia o mesno que dsntes"3; e, concordândo com esta exigêhciar o Duque de Saldanhâ comprolìetefa-se "â abandonâa ao seu descfédito os homens veìhos, a consoìidâr com gente nova a paz dos partidos"4, Ìriunfante o movlmento dâ R g noração, é ce.to que.apidamente se esflrmâaam âs ilusões de HeFculano quânto à sinceridade desse propósito, confnontado que foi com o regfesso ao poden de al.gumas influêntos figuias da "velhâ guâfda"' como era o caso dê BodFigo da Fonseca Magalháes. Mâs apesar da frustração e p.otesto inicj.ais daquêiês que ansiavam po. uttl corte Ímediato e aadical com o passado, não taidou a concfetizar-se um amplo sâneanênto do antigo pessoâì politico, como o conprova inequivocamente a composiçáo da Câmât.â dos Deputados Iogo Íìas duâs pnimeiras legislatuaas dâ Rêgeneraçáo: em ambas, un pouco mais de metade dos seus menbros eram estfeantes; na segundâ legisìatura ( ), além dêstes, figunavam tambén muitos dos dêputados que tinhâm sido eleitos pela primeira vez en Outubro de '1851 (vd,, adiante, Câpítulo IV,2), Como é nâturaì, este surto de "gente nova" baseou-se ÌaFgamente no re-

21 20 crutamento politico de uma geraçáo mais jovems. Entre Duj.tos outros, recordem-se os nomes de AnseÌmo José Braemcamp, Mendes Leal, BarÍ'os e Sá, Joaquim Tomás Lobo de Ávila, Martens Ferráo, Latino Coelho, Casa.l AibeiÍ'o, Conde de Samodáes (20) ou José Luciâno dê Castro, que se iniciaram então nas lidês par- Ìamentares com idâdes comdfeendidas entre os 19 e os 32 anos. A juventude de muitos dos novos actores politicos expìica, aìj,ás, que, uma vez consoìj.dâdâ a recém-instâur.ada oí.dem constitucional, e apesar de um ou outro sobressalto ulterior, uma boâ pârte da "cìasse dirigente" sâídâ dâ convulsão de '1851 se tenha mantido em cena de modo estável e duradoiro. renovândo- -se muito lentâúente. Como aparêntêmênte previram os mentores do movinento da Regeneraçáo, a emeagência de uma rejuvenescida 'elite governante" foi, sem dúvidâ, um factor decisivo no enraizamento de ôovâs atitudes e métodos polj.ticos que, em contraste com a anterior intransigênciâ doutrinánia e soluçâo vro.ìenta dos confìitos, se basêâvãm na ÍÌexibiÌidade de principios e nâ negociaçáo. Expaêssáo institucional dessa maior toleaâncie e vontade de compromisso, as eleiçóes e as institurções repaesentativas for.ad revaloí'izadas como principais arenas da Ìutâ politica, a despeito do conhecido cortejo de perversóes constitucionais que câaâcteaizâram o seu rodus operandi Estâ reformulâçáo dos vaìores e códigos de conduta seria pnovevelmente inviávêl sem uma mudança na composiçáo da elite políticâ, De facto, e ìicito presumin que a mâioria dos ho ens politicos da 'velha guâr.da", marcados pela experiência treunática da primêire guêrra civil e pelo subsequente cìima cle ódio e Iuta fraticide entre as várias facções libefâis, em

22 que o recuí'so à força das armâs eaa um expediente comum, teaia dificuldade em se adeptar a uma situaçáo em que, como escreveu um observadoí' contenpoiâneo, "a astúcia Ise] tornou a principaì qualidade para dominar"6. Esta formulagão da autoria dê Teixeina Bâstos suge.e-nos, aliás, a distinçáo feita por Pareto, com base na sua teoria dâ distribuição dos "Í'esiduos" dominantes, entre dois tipos da "elite governante": a familia dos leóes, mais intransigente e incìinada ao uso da força, ê â familia das naposâs, mâis flexível, preferindo as subtilezas negociais e a âstúcia7- Estâs dlras categorias não sáo necessariaínente exclusivas, podendo combinar-se em proporçôes variadas. ApÌicândo esta cìassj.ficaçáo à análise da reaìidade histórica em epreço, podemos assim inferir que pârâ a consolidação da Regenerâção foj. essencial, o afastamento dos "Ìeões" e a ascensáo das " nâposas'. Festa-nos esclarecer, por úitimo, se esse paocêsso dê mobilidâde individual no seio da elite oolitica LibenâÌ corfêspohdeu também a uma aìteraçáo, tanto da sua configurâção socj.al, como da sua estnutura ocupacional. Por outaas palaví'as, se essa "circulação" treduziu uma fêorganizâção das posiçóes sociais, com a âscensão de novos grupos e interesses e o consequente declinio de outros. Pâae respondêrdos cabalmente a esta questáo teriâmos necessarianente de ter fêito uma caí'acterizaçáo sociológicâ sistemática dos vários subgrupos da elite poìíticâ no periodo entí.e 1834 e 1851, o que tí'anscende o â rbito cronológico da nossa investigaçáo. Podêmos todavia adianta., com basê quer na pesquisa parcelar quê íizemos, quea nas infornaçóes fonnecidas por âiguns êstudos monográficos já publicados, quer ainda em diversos testêmunhos

23 22 da época, que o advênto da Regeneraçáo náo provocou uma alteraçáo significativa da conformaçáo social da elite politica, se bem que tenha acentuado a tendência para â "democratizaçáo" da base de recrutamento- De facto, desde l834, o grande DoDento de nuptunâ4, a elite poìitica era mâ-ioritafiamente plebeia, provindo dâ chânada "classê média" - uma designâção genérica que recobre, é ceato, urd univêrso estratificado e heterogénêo, mas que só uma investigação exâustiva ê minuciosa permitirá diferencia. com ud DÍniDo de rigor. Os critérios de elite política cl'assificação social e ocupacionâl oâ um denominador comum e uma pí'eocupaçâo centrâì nas invêstigações sobre as eìites políticas, tanto do passado como do pfesente, é a anáiise, através do método prosopográfico, das origens sociais e do peafiì ocupacional dos seus medbros. Trata-se, no essencial, de indagaí. as deteí.tì inântes sociais do recrutâmênto ê dâ âcçáo politicâ ou de flrndâmentâ. â for tìulâçáo dê hipóteses gerais sobre as relaçóes entre mudança social e dist.ibuiçáo do poderg. Essa caracterizaçáo sociológicâ, que conduz à formâçáo de âgregados estatisticos, adquire sentido at.avés da construçáo de taxinomiâs quê sejân ajustadâs às Í.ealidades sociais e ocupacionais espêcificas da épocâ histórica em êstrjdo. Na peaspêctivâ de uma anáiise compafâdâ, e sem pì.ejuizo das eventuais singulaí'idades nacionais, tem-se pnocurâdo, no êntaôto, paocedèr a uma padronizaçáo ou harmonizaçáo dos caitérios d classificacáo fundamentais I o.

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 29/2008, de 25 de Fevereiro I série nº39

Decreto-Lei n.º 29/2008, de 25 de Fevereiro I série nº39 Estabelece deveres de comunicação, informação e esclarecimento à administração tributária para prevenir e combater o planeamento fiscal abusivo O presente decreto-lei, na sequência da autorização legislativa

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA EXARADA EM VINTE E DOIS DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUATRO,

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS PARECER Assunto: Projecto de Portaria que aprova o Regulamento do Procedimento de Seleção de Mediadores para prestar serviços nos Julgados de Paz e nos Sistemas de Mediação Familiar, Laboral e Penal. 1.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS)

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) N20120229n EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) A 29 de Fevereiro de 2012, Mendes Bota interveio na sessão de abertura do colóquio subordinado ao tema

Leia mais

BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS INSTITUIÇÕES SUPERIORES DE CONTROLO FINANCEIRO EM PORTUGAL

BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS INSTITUIÇÕES SUPERIORES DE CONTROLO FINANCEIRO EM PORTUGAL BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS INSTITUIÇÕES SUPERIORES DE CONTROLO FINANCEIRO EM PORTUGAL Desde a Casa aos Contos, cuja existência remonta ao reinado de D. Dinis e cuja formalização ocorre no reinado de

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII CONSIDERA O TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO NA CATEGORIA DE AUXILIAR DE EDUCAÇÃO PELOS EDUCADORES DE INFÂNCIA HABILITADOS COM CURSOS DE FORMAÇÃO A EDUCADORES DE INFÂNCIA PARA EFEITOS

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA CONCEITO: Cidadão directamente eleito que representa a República Portuguesa e garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I

DIREITO ADMINISTRATIVO I UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO I 2.º Ano Turma B PROGRAMA DA DISCIPLINA Ano lectivo de 2011/2012 LISBOA 2011 Regente: Prof. Doutor Fausto de Quadros ELEMENTOS DE ESTUDO

Leia mais

INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 83-G3

INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 83-G3 Adopta medidas mais justas no acesso aos medicamentos, combate à fraude e ao abuso na comparticipação de medicamentos e de racionalização da política do medicamento no âmbito do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

Quem guarda os guardiães? Helena Carreiras

Quem guarda os guardiães? Helena Carreiras r e c e n s ã o Quem guarda os guardiães? Helena Carreiras LUÍS SALGADO DE MATOS Como Evitar Golpes Militares Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais 2008, 407 páginas Numa obra que suscita diversas perplexidades,

Leia mais

Diário da República, 1. a série N. o 63 29 de Março de 2007 1933. Decreto Regulamentar n. o 35/2007. Artigo 3. o

Diário da República, 1. a série N. o 63 29 de Março de 2007 1933. Decreto Regulamentar n. o 35/2007. Artigo 3. o Diário da República, 1. a série N. o 63 29 de Março de 2007 1933 Decreto Regulamentar n. o 35/2007 de 29 de Março No âmbito do Programa de Reforma da Administração Central do Estado (PRACE), criado pela

Leia mais

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP Parecer relativo aos Projectos de Lei nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP A Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, após ter analisado os projectos de Lei supra referidos, entendeu dever fazer

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS Capítulo I Da denominação, Fins, Duração e Sede Artigo 1.º Designação É constituída uma associação denominada Associação Nacional de Jovens

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Denominação, Sede, Objecto e Duração)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Denominação, Sede, Objecto e Duração) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Artigo Primeiro A APPDAE - Associação Portuguesa de Pessoas

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Lei da Nacionalidade Portuguesa Lei nº 37/81, de 3 de Outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 25/94, 19 de Agosto Regulamento da Nacionalidade Portuguesa

Leia mais

uma vez que o posto de trabalho que vem ocupando, será extinto por motivos de mercado e estruturais.

uma vez que o posto de trabalho que vem ocupando, será extinto por motivos de mercado e estruturais. PARECER N.º 52/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 244 22 de Dezembro de 2011 5373 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 64/2011 de 22 de Dezembro Modifica os procedimentos de recrutamento, selecção e provimento nos cargos

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I. Disposições gerais

PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I. Disposições gerais 1. Convenção sobre a Patente Europeia PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Direito europeu de concessão de patentes É instituído pela presente Convenção um

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

Estatuto do Direito de Oposição

Estatuto do Direito de Oposição Estatuto do Direito de Oposição Lei n.º 24/98, de 26 de Maio A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 114.º, 161.º, alínea c), 164.º, alínea h), e 166.º, n.º 3, e do artigo 112.º, n.º

Leia mais

Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro

Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro Disposições gerais... 3 Objecto... 3 Âmbito de aplicação... 3 Excepções... 3 Conceitos... 3 Legislação aplicável... 4 Organização e gestão da formação desportiva...

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

República de Moçambique. Presidência da República

República de Moçambique. Presidência da República República de Moçambique Presidência da República Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique e Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança, por ocasião

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1. 1. Bibliografia activa essencial

JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1. 1. Bibliografia activa essencial JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1 1. Bibliografia activa essencial É vastíssima a obra de Jorge Borges de Macedo. Ao todo engloba aproximadamente 400 títulos, ou talvez mais

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

Lei n.º 14/2002 de 19 de Fevereiro Publicado no DR 42, Série I-A de 2002-02-19

Lei n.º 14/2002 de 19 de Fevereiro Publicado no DR 42, Série I-A de 2002-02-19 Rectificada pela Declaração de Rectificação n.º 15/2002, de 26-3. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 14/2002 de 19 de Fevereiro Publicado no DR 42, Série I-A de 2002-02-19 Regula o exercício da liberdade

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

2. A organização dos actos normativos como tarefa constitucional

2. A organização dos actos normativos como tarefa constitucional 95 Os Actos Normativos Tiago Duarte 1. Introdução No art. 16.º da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789, podia ler -se que um Estado onde não estejam garantidos os direitos fundamentais

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 30 10 de fevereiro de 2012 661 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 6/2012 de 10 de fevereiro Primeira alteração à Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro, que cria o regime jurídico

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

Deliberação n.º 156/09

Deliberação n.º 156/09 Deliberação n.º 156/09 Princípios aplicáveis aos tratamentos de dados pessoais no âmbito de Gestão de Informação com a finalidade de Prospecção de Opções de Crédito A Comissão Nacional de Protecção de

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 Março de 2009, e transferida a sua gestão para o Clube de Caça e Pesca do Concelho de Tondela. Entretanto, a entidade titular veio requerer

Leia mais

PROGRAMA. Colóquio Internacional Utreque 1715-2015: Diplomacia, Cultura e Fronteiras. Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, 15-17 de Junho de 2015

PROGRAMA. Colóquio Internacional Utreque 1715-2015: Diplomacia, Cultura e Fronteiras. Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, 15-17 de Junho de 2015 PROGRAMA Colóquio Internacional Utreque 1715-2015: Diplomacia, Cultura e Fronteiras Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, 15-17 de Junho de 2015 DIA 15 10:30-11:00 - BOAS VINDAS E ACTO INAUGURAL 11:00-12:00

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS

ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I - CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1.º (Constituição e denominação) É constituída uma associação cultural sem fins lucrativos denominada Instituto

Leia mais

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções Documento de trabalho Para pedir às pessoas que colaborem activamente na sustentabilidade

Leia mais

Plano para recuperar ou liquidar a empresa

Plano para recuperar ou liquidar a empresa Plano para recuperar ou liquidar a empresa Os credores podem decidir se querem recuperar a empresa ou liquidála. Cabe aos credores de uma empresa decidirem se querem recuperá-la a empresa ou liquidá-la,

Leia mais

O Presidente da República visitou o Hospital das Forças Armadas

O Presidente da República visitou o Hospital das Forças Armadas Crónicas Militares Nacionais Coronel Nuno Miguel Pascoal Dias Pereira da Silva A Força Aérea no apoio à população Em 2015, a Força Aérea realizou 406 missões de transporte aeromédico (488 doentes e mais

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

Assunto: Consumo. Publicidade. Distribuição de desdobráveis sobre o Provedor de Justiça.

Assunto: Consumo. Publicidade. Distribuição de desdobráveis sobre o Provedor de Justiça. Assunto: Consumo. Publicidade. Distribuição de desdobráveis sobre o Provedor de Justiça. O PROBLEMA Foi solicitada por Sua Excelência o Provedor de Justiça a realização de estudo sobre a potencial aplicação

Leia mais

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Regulamentação dos serviços profissionais Iain Paterson, Marcel Fink, Anthony Ogus et al. Resumo Estudo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA PROPOSTA DE LEI Nº 265/VII

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA PROPOSTA DE LEI Nº 265/VII EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA PROPOSTA DE LEI Nº 265/VII (Proposta de Lei que veio dar origem à Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, aprovada pela Lei nº 147/99, de 1 de Setembro), in II Série A,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

Lei n.º 46/1986 de 14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 115/1997 de 19 de Setembro.

Lei n.º 46/1986 de 14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 115/1997 de 19 de Setembro. Lei de Bases do Sistema Educativo Lei n.º 49/2005 de 30 de Agosto Lei n.º 46/1986 de 14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 115/1997 de 19 de Setembro. Funções da Escola (efeitos intencionais

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Objecto)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Objecto) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objecto) O presente Regimento Interno tem por objectivo definir o funcionamento e organização do

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Celebramos os 40 anos do 25 de Abril. Durante um ano celebrámos os valores de Abril de Liberdade, de Justiça, de Solidariedade.

Leia mais

Breve Comentário à Constituição da República Portuguesa

Breve Comentário à Constituição da República Portuguesa 37 Breve Comentário à Constituição da República Portuguesa Pedro Pita Barros Foi -me solicitado um breve ensaio, não académico, com um mínimo de referências bibliográficas, mais opinativo do que descritivo,

Leia mais

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Conselho Económico e Social A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164., alínea d), 168. n. 1, alínea m) e 169., n. 3 da Constituição, para valer como lei

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Diário da República, 1.ª série N.º 9 14 de janeiro de 2014 155 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º 5/2014 de 14 de janeiro A Lei n.º 47/2006, de 28 de agosto, que define o regime de avaliação,

Leia mais

8388-(2) Diário da República, 1. a série N. o 239 14 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8388-(2) Diário da República, 1. a série N. o 239 14 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8388-(2) Diário da República, 1. a série N. o 239 14 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Decreto-Lei n. o 237-A/2006 de 14 de Dezembro Pela Lei Orgânica n. o 2/2006, de 17 de Abril, foram introduzidas

Leia mais

Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional. Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS SOCIAIS

Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional. Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS SOCIAIS Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS SOCIAIS Coordenador: Prof. Doutor Manuel Braga da Cruz Dezembro de 2004 1/10 AREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS PARECER

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

5760 Diário da República, 1.ª série N.º 168 31 de Agosto de 2009

5760 Diário da República, 1.ª série N.º 168 31 de Agosto de 2009 5760 Diário da República, 1.ª série N.º 168 31 de Agosto de 2009 Decreto-Lei n.º 207/2009 de 31 de Agosto Com a revisão dos estatutos das carreiras docente do ensino universitário, de investigação, e docente

Leia mais

GOVERNO FALHA PROMESSA

GOVERNO FALHA PROMESSA GOVERNO FALHA PROMESSA Plano de Implementação da Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável não responde ao compromisso assumido pelo Primeiro-Ministro na Cimeira de Joanesburgo No seguimento de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 210 31 de Outubro de 2007 7964-(7) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 357-A/2007 de 31 de Outubro O presente decreto -lei transpõe para

Leia mais

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL)

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL) Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego AVESTGL (Em fase de Publicação em DR) ESTATUTOS Capítulo I (Constituição e fins) Artigo 1º 1. É constituída uma associação

Leia mais

Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL. Direcção-Geral da Política Legislativa. Porto, 16 de Outubro de 2007

Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL. Direcção-Geral da Política Legislativa. Porto, 16 de Outubro de 2007 Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL Direcção-Geral da Política Legislativa Porto, 16 de Outubro de 2007 A IMPORTÂNCIA DA COLABORAÇÃO DAS PARTES I INTRODUÇÃO: Falar

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA Versão Consolidada do REGULAMENTO DAS ACTIVIDADES DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR Aprovado na Sessão Plenária de 14-02-2012, DR, II Série, de 10-04-2012. Alterado na Sessão Plenária de 08-10-2013. Preâmbulo 1.

Leia mais

Por despacho do Presidente da Assembleia da República de 26 de Julho de 2004, foi aprovado

Por despacho do Presidente da Assembleia da República de 26 de Julho de 2004, foi aprovado Regulamento dos Estágios da Assembleia da República para Ingresso nas Carreiras Técnica Superior Parlamentar, Técnica Parlamentar, de Programador Parlamentar e de Operador de Sistemas Parlamentar Despacho

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 O Decreto-Lei n.º 7/2003, de 15 de Janeiro, tem por objecto os Conselhos Municipais de Educação, regulando as suas competências e composição,

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 18º Prestação de Serviços de telemarketing Processo: nº 3109, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-18. Conteúdo:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março 1. Com a publicação do Decreto-Lei n.º 448/79, de 13 de Novembro, foi dado um passo fundamental no sentido da valorização da docência

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ALBÂNIA SOBRE A PROMOÇÃO E A PROTECÇÃO RECÍPROCAS DE INVESTIMENTOS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ALBÂNIA SOBRE A PROMOÇÃO E A PROTECÇÃO RECÍPROCAS DE INVESTIMENTOS. ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ALBÂNIA SOBRE A PROMOÇÃO E A PROTECÇÃO RECÍPROCAS DE INVESTIMENTOS. A República Portuguesa e a República da Albânia, adiante designadas como «Partes

Leia mais

FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Sociologia: conceito, objeto, objetivo e métodos. 2 A sociologia pura, prática e aplicada. 3 Sociologia e política. 4 O processo

Leia mais

GRANDE ENTREVISTA HENRIQUES GASPAR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

GRANDE ENTREVISTA HENRIQUES GASPAR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GRANDE ENTREVISTA 18 HENRIQUES GASPAR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 19 20 Presidente do Supremo Tribunal de Justiça desde Setembro de 2013, Henriques Gaspar aceitou sem reservas a entrevista

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E OBJECTO Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO CONTRATUAL DO ADVOGADO ESTAGIÁRIO - A AUTONOMIA DO CANDIDATO À ADVOCACIA E AS RESPONSABILIDADES DO PATRONO

ESTATUTO CONTRATUAL DO ADVOGADO ESTAGIÁRIO - A AUTONOMIA DO CANDIDATO À ADVOCACIA E AS RESPONSABILIDADES DO PATRONO ESTATUTO CONTRATUAL DO ADVOGADO ESTAGIÁRIO - A AUTONOMIA DO CANDIDATO À ADVOCACIA E AS RESPONSABILIDADES DO PATRONO O acesso pleno e autónomo ao exercício da advocacia depende de um tirocínio sob a orientação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 202/81. Ajudas de custo - deslocações em território nacional

Decreto-Lei n.º 202/81. Ajudas de custo - deslocações em território nacional Alterado pelo Dec.-Lei n.º 93/85, de 2-4. MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 202/81 de 10 de Julho Publicado no DR 156 Série I de 1981-07-10 Ajudas de custo - deslocações em território

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte: Lei Nº 26/2000 de 23 de Agosto Aprova a organização e ordenamento do ensino superior A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral

Leia mais

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Considerando que o Executivo tem vindo a atribuir maior importância à renovação do sistema

Leia mais