GOVERNO DO ESTADO DE RORAIMA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DE RORAIMA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL"

Transcrição

1 Boa Vista-RR, 29 de janeiro 2005 ANO VIII - EDIÇÃO 3056 R$ 1,50 TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO Secretário do Tribunal Pleno BEL. GLAUBER BARBOSA LOPES PUBLICAÇÃO DE DECISÃO SUSPENSÃO DE LIMINAR N.º Requerente: Estado de Roraima. Procurador: Mário José Rodrigues de Moura. Requeridos: Almiro José Mello Padilha e outros. Advogada: Marize de Freitas Araújo Morais. Relator: Exmo. Sr. Des. Ricardo Oliveira (Presidente do TJRR). DECISÃO Trata-se de pedido de suspensão de liminar, formulado pelo ESTADO DE RORAIMA, contra a r. decisão proferida pelo MM. Juiz de Direito da 8.ª Vara Cível, nos autos da Ação Ordinária n , movida por ALMIRO JOSÉ MELLO PADILHA e OUTROS. A decisão monocrática antecipou os efeitos da tutela, declarando a inexistência de relação jurídica que obrigue os requeridos ao recolhimento do imposto de renda sobre o terço constitucional de férias, reconhecendo, ainda, o direito à compensação dos valores indevidamente pagos, nos últimos cinco anos, com parcelas do imposto de renda devido, mês a mês, até a exaustão dos créditos. Alega o requerente, em síntese, que a compensação de créditos tributários não pode se dar no âmbito da tutela antecipada e que há risco de grave lesão à ordem econômica. Juntou documentos (fls. 18/21 e 26/84). Os requeridos ofereceram manifestação, pugnando, em preliminar, pelo não-conhecimento do pedido e, no mérito, pelo seu indeferimento (fls. 88/91). Em parecer de fls. 94/98, a douta Procuradoria-Geral de Justiça opinou pela remessa dos autos ao Supremo Tribunal Federal, nos termos do art. 102, I, n, da CF. Vieram-me os autos conclusos. É o relatório. Decido. Rejeito a preliminar suscitada pelo Ministério Público. Com efeito, para configurar-se a competência originária do Supremo Tribunal, pela citada alínea n, é preciso que haja a manifestação formal, de impedimento ou suspeição, por parte dos membros da Corte de origem (AOR 1045, Rel. Min. Carlos Britto), o que inocorre na espécie, pois a ação foi ajuizada por apenas oito magistrados, sendo que somente um deles é componente do Tribunal de Justiça (fl. 88). Também afasto a preliminar argüida pelos requeridos, pois a suspensão de liminar não está sendo manejada como sucedâneo recursal, tendo em vista que há causa de pedir diversa do agravo de instrumento: grave lesão à ordem econômica. Quanto ao cerne da questão, convém lembrar que no âmbito estreito do pedido de suspensão de decisão proferida contra o Poder Público, é vedado o exame do mérito da controvérsia principal, bastando a verificação da ocorrência dos pressupostos atinentes ao risco de grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas (STJ, Corte Especial, Rcl. 541/GO, Rel. Min. Antônio de Pádua Ribeiro, DJU , p. 84). Assim, cuidando-se de procedimento sumário e de cognição incompleta, o pedido de suspensão comporta apenas a análise dos requisitos do art. 4.º da Lei n.º 8.437/92. Nesse sentido, entendo que o requerente não trouxe aos autos elementos de convicção capazes de justificar a concessão da medida extrema. A isenção de imposto de renda sobre o terço de férias e a compensação de valores, envolvendo apenas oito magistrados, não são suficientes para caracterizar grave lesão à ordem econômica e, muito menos, para comprometer o funcionamento da máquina pública. Consignaram os requeridos, com perspicácia: Como se percebe, o pedido não apresenta hipótese de lesão à ordem econômica. Tampouco a pode caracterizar a simples compensação pretendida nos autos principais para 08 magistrados, importe que, no total, gravita em torno de R$ ,00 (trinta mil reais) e que não tem força impactante para causar lesão em um orçamento de R$ ,00 (um bilhão de reais) (fl. 90). Ademais, o alegado efeito multiplicador de ações judiciais idênticas, que seriam propostas por outros agentes públicos, constitui-se em mera conjectura. ISTO POSTO, indefiro o pedido. P. R. I. Boa Vista, 27 de janeiro de Des. RICARDO OLIVEIRA Presidente SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO, BOA VISTA-RR, 28 DE JANEIRO DE BEL. GLAUBER BARBOSA LOPES Secretário do Tribunal Pleno SECRETARIA DO CONSELHO DA MAGISTRATURA Secretário do Conselho da Magistratura BEL. GLAUBER BARBOSA LOPES PUBLICAÇÃO DE DECISÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º / BOA VISTA Agravante: Estado de Roraima. Procurador: Mário José Rodrigues de Moura. Agravados: Aldeíde Lima Barbosa de Santana e outros. Advogada: Marize de Freitas Araújo Morais. Relator: Exmo. Sr. Des. Ricardo Oliveira. DECISÃO Trata-se de agravo de instrumento, com pedido de efeito suspensivo, interposto pelo ESTADO DE RORAIMA, contra a r. decisão proferida pelo MM. Juiz de Direito da 2.ª Vara Cível, nos autos da Ação Ordinária n , movida por ALDEÍDE LIMA BARBOSA DE SANTANA e OUTROS.

2 02 - Boa Vista-RR, 29 de janeiro 2005 ANO VII - EDIÇÃO 3056 Diário do Poder Judiciário A decisão monocrática antecipou os efeitos da tutela, declarando a inexistência de relação jurídica que obrigue os agravados ao recolhimento do imposto de renda e da contribuição previdenciária sobre o terço constitucional de férias, reconhecendo, ainda, o direito à compensação dos valores indevidamente pagos, nos últimos cinco anos, com parcelas do imposto de renda devido, mês a mês, até a exaustão dos créditos. Alega o agravante, em síntese: que houve decisão extra petita em relação à contribuição previdenciária; que a compensação de créditos tributários não pode se dar no âmbito da tutela antecipada; e que estão ausentes os requisitos do art. 273 do CPC. Requer, ao final, a concessão de liminar e o provimento do recurso. Juntou documentos (fls. 35/83). Redistribuídos os autos, vieram-me conclusos. É o relatório. Decido. Embora considere relevante a fundamentação do recurso, não vislumbro a possibilidade de lesão grave e de difícil reparação (art. 558 do CPC). Com efeito, a antecipação da tutela foi concedida em benefício de apenas vinte e cinco Defensores Públicos, o que não se apresenta suficiente para comprometer o funcionamento da máquina pública, como aventado. Ademais, o alegado efeito multiplicador de ações judiciais idênticas, que seriam propostas por outros servidores públicos, constitui-se em mera conjectura. Em verdade, inexiste risco de irreversibilidade da medida, posto que há, no sistema normativo, mecanismos eficazes e adequados à reposição, em favor da entidade estatal, dos valores pecuniários em discussão, caso seja vitoriosa na demanda. ISTO POSTO, ausente o periculum in mora, denego o efeito suspensivo reclamado. Requisitem-se informações ao MM. Juiz da 2.ª Vara Cível, que deverá prestá-las no prazo de 10 (dez) dias. Intimem-se os agravados, via DPJ, para responderem no prazo de 10 (dez) dias, sendo-lhes facultada a juntada de cópias das peças que entenderem convenientes (CPC, art. 527, V). Ultimadas as providências e decorridos os respectivos prazos, voltem-me os autos conclusos. Publique-se. Boa Vista, 27 de janeiro de Des. RICARDO OLIVEIRA Relator AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º / BOA VISTA Agravante: W. A. D. Advogado: Alexander Ladislau Menezes. Agravada: A. L. C. D. Advogado: Valdeci Ferreira de Lima. Relator: Exmo. Sr. Des. Ricardo Oliveira. DECISÃO Trata-se de agravo de instrumento, com pedido de liminar, interposto por W. A. D., contra a r. decisão proferida pelo MM. Juiz de Direito da 7.ª Vara Cível, nos autos da Ação de Divórcio Litigioso n.º , movida em face de A. L. C. D. A decisão monocrática indeferiu o pleito incidental de antecipação de tutela, formulado pelo agravante, que visava à guarda provisória dos filhos do casal. Sustenta o recorrente, em síntese, que estão presentes os requisitos para a concessão da medida, a qual refletiria os interesses dos menores. Requer, ao final, o deferimento de liminar e o provimento do recurso. Juntou documentos (fls. 10/68 e 72). Vieram-me os autos conclusos. É o relatório. Decido. Não considero relevante a fundamentação do recurso. Ao contrário do afirmado pelo agravante, a ação de separação judicial, proposta em São Luís - MA, trata da guarda dos filhos do casal, tendo a agravada manifestado sua pretensão de permanecer com eles (fl. 58). Além disso, a exceção de incompetência, oferecida em Boa Vista - RR (fls. 53/56), suspendeu, por força do art. 306 do CPC, a ação de divórcio em que foi requerida a guarda pelo agravante. Esclarece a doutrina: A simples oposição da exceção é causa de suspensão do processo (CPC 265 III). Basta, portanto, que seja protocolizada ou despachada pelo juiz para que se considere suspenso o processo. Não há necessidade de decisão expressa do juiz recebendo a exceção para que o processo seja suspenso (Nelson Nery Júnior e Rosa Maria Andrade Nery, Código de Processo Civil Comentado..., 4.ª ed., p. 801). Por outro lado, também não vislumbro a possibilidade de lesão grave e de difícil reparação, pois isso não se configura pela simples permanência das crianças com a mãe, principalmente quando inexiste situação de risco à formação moral ou intelectual daquelas. ISTO POSTO, ausentes os requisitos do art. 273, c/c o art. 558, ambos do CPC, indefiro a liminar. Requisitem-se informações ao MM. Juiz da 7.ª Vara Cível, que deverá prestá-las no prazo de 10 (dez) dias. Intime-se a agravada, via DPJ, para responder no prazo de 10 (dez) dias, sendo-lhe facultada a juntada de cópias das peças que entender convenientes (CPC, art. 527, V). Ultimadas as providências e decorridos os respectivos prazos, voltem-me os autos conclusos. Publique-se, com as cautelas do segredo de justiça. Boa Vista, 27 de janeiro de Des. RICARDO OLIVEIRA Relator MANDADO DE SEGURANÇA COM PEDIDO DE LIMINAR N.º IMPETRANTE: ARNÓBIO VENÍCIO LIMA BESSA ADVOGADO: HENRIQUE KEISUKE SADAMATSU IMPETRADO: EXMO. SR. GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA RELATOR: EXMO. SR. DES. ALMIRO PADILHA DECISÃO ARNÓBIO VENÍCIO LIMA BESSA, devidamente qualificado nos autos, impetrou Mandado de Segurança com pedido de liminar contra ato do Exmo. Sr. Governador do Estado de Roraima. Aduz o Impetrante, em síntese, que: (a) o Impetrado, através do Decreto de nº 6148-E, de 03 de janeiro de 2005, determinou a instauração de Conselho de Justificação em desfavor do ora Impetrante, baseando sua decisão no relatório, subjetivo, vago e impreciso, que concluiu o inquérito policial militar (IPM nº 010/04); (b) o IPM encontra-se eivado de vícios, que iniciam-se com a suspeição do seu Presidente, Coronel QOPM Ricardo Rommel Rocha Lima, até defeitos formais como a produção de termo de depoimento sem qualquer assinatura, além de evidente cerceamento de defesa; (c) não há uma linha sequer lançada pelo Impetrado para justificar o acolhimento do malfadado relatório, verificando-se pois, que a decisão de instaurar o Conselho de Justificação encontra-se totalmente desfundamentada;

3 Diário do Poder Judiciário ANO VII - EDIÇÃO 3056 Boa Vista-RR, 29 de janeiro (d) foi notificado para comparecer no dia 24/01/2005 ao Gabinete do Diretor do DETRAN/RR em sessão de instalação do Conselho de Justificação; Sustenta, também, que estão presentes, no caso em tela, o fumus boni iuris e o periculum in mora, por isso requer o Impetrante a concessão de medida liminar para determinar à autoridade coatora que suspenda imediatamente a instalação e o prosseguimento do Conselho de Justificação de que trata o Decreto Estadual nº 6148-E, de , enquanto não julgado o mérito deste writ e, no mérito, requer a concessão da segurança em definitivo. Adicionou ao processo os documentos de fls. 14/397. É o Relatório. Decido. Para a concessão de liminar, em sede de Mandado de Segurança, fazse necessária a presença do fumus boni juris e do periculum in mora. Neste sentido, Hely Lopes Meirelles leciona: Para a concessão da liminar devem concorrer os dois requisitos legais, ou seja, relevância dos motivos em que se assenta o pedido na inicial e a possibilidade da ocorrência de lesão irreparável ao direito do impetrante se vier a ser reconhecido na decisão de mérito fumus boni juris e periculum in mora. (Mandado de Segurança... 23ª ed., São Paulo, Malheiros, 2001, p. 73). No caso, não vislumbro, num primeiro momento, a presença do periculum in mora. Vejamos. O Impetrante, à fl. 13, alega: (...) o periculum in mora, é evidente: hoje já haverá a instauração do Conselho de Justificação, em flagrante bis in idem de procedimentos (pois o Judicial já está em curso), o que implicará em constrangimento ilegal ao Impetrante. Grifos originais. Dessa argumentação não se verifica o prejuízo que possa vir a sofrer o Impetrante em decorrência da instauração do Conselho de Justificação e, portanto, nenhuma urgência capaz de sustentar a concessão de medida liminar, até porque ele mesmo informa (petição apresentada no dia 25/01/2005) acerca da suspensão dos trabalhos da Comissão do aludido Conselho em virtude de ter apresentado requerimento de defesa. Cabe ressaltar, por fim, o trâmite célere da presente Ação, sendo, pois, a resposta jurisdicional ofertada em tempo razoável, característica inerente da via eleita. Pelo exposto, indefiro o pedido liminar. Oficie-se a autoridade coatora para, no prazo de lei, prestar informações, e proceda-se a citação do Estado de Roraima, através da sua Procuradoria-Geral (artigo 19, da Lei /2004). Após, com ou sem manifestação, abra-se vista ao Ministério Público de 2º Grau, para a sua manifestação, no prazo legal. Por fim, voltem-me conclusos. Publique-se e intime-se. Boa Vista RR, 27 de janeiro de Des. Almiro Padilha Relator HABEAS CORPUS Nº c/ pedido de liminar IMPETRANTE: JOSÉ LUCIANO HENRIQUES DE MENEZES MELO PACIENTE: HELYUTON SANTOS BRAGA AUTORIDADE COATORA: MM. JUIZ DE DIREITO DA 5ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE BOA VISTA/RR RELATOR: EXMO. SR. DES. ALMIRO PADILHA DECISÃO Trata-se de Ação de Habeas Corpus, impetrada por JOSÉ LUCIANO HENRIQUES DE MENEZES BRAGA, em favor do Paciente HELYUTON SANTOS BRAGA, visando a concessão da ordem a fim de colocar em liberdade o ora Paciente. O Impetrante juntou aos autos os documentos de fls. 09/39. Da análise dos autos, não vislumbrei a existência dos requisitos necessários à concessão da postulação liminar, especificamente o fumus boni iuris, posto que a decisão vergastada do Juiz a quo encontra-se fundamentada (fls. 30 e 31). Desse modo, não procede a argumentação do Impetrante de que (...) é totalmente carente de fundamentação o decreto de prisão preventiva do acusado (...) fl. 04. Sendo a liminar, em sede de Habeas Corpus, medida cautelar excepcional, há que restar demonstrados os requisitos para tal concessão, o que não ocorre no presente caso. Do exposto, indefiro a liminar requerida. Requisitem-se as informações da autoridade coatora, no prazo de quarenta e oito horas. Após, abra-se vista ao nobre Procurador de Justiça para a sua manifestação, no prazo legal. Publique-se e intime-se. Boa Vista RR, 28 de janeiro de Des. Almiro Padilha Relator PUBLICAÇÃO DE DESPACHO MANDADO DE SEGURANÇA Nº IMPETRANTE: F.R.DA SILVA ALENCAR -ME ADVOGADO: MARIA EMÍLIA BRITO SILVA LEITE IMPETRADO: SECRETÁRIO DA FAZENDA DO ESTADO DE RORAIMA RELATOR: EXMO. SR. DES. CARLOS HENRIQUES DESPACHO Seguindo forte entendimento jurisprudencial, condiciono o exame do pedido liminar do writ, após a prestação de informações por parte da indigitada autoridade coatora. Devolvo os autos à Secretaria para que formalize o pedido das informações na forma da lei. Após o cumprimento, retornem-me conclusos. Publique-se. Intime-se. Boa Vista, 28 de janeiro de Des. CARLOS HENRIQUES Relator SECRETARIA DO CONSELHO DA MAGISTRATURA, BOA VISTA-RR, 28 DE JANEIRO DE BEL. GLAUBER BARBOSA LOPES Secretário do Conselho da Magistratura PUBLICAÇÃO DE DECISÃO PRESIDÊNCIA PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO N. 2367/04. Origem: Gleysiane da Silva Matos (Assistente Judiciário)/ Comarca de Caracaraí. Assunto: Solicita pagamento de diferença salarial. DECISÃO Adotando, como razão de decidir, o parecer jurídico de fl. 15, defiro o pedido. Reconheço a despesa de exercício anterior. Publique-se

4 04 - Boa Vista-RR, 29 de janeiro 2005 ANO VII - EDIÇÃO 3056 Diário do Poder Judiciário Boa Vista, 27 de janeiro de Des. RICARDO OLIVEIRA Presidente PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO N. 2437/04. Origem: Rosalvo Ribeiro Silveira (Técnico Judiciário)/ Central de atendimento, conciliação e distribuição dos Juizados Especiais. Assunto: Solicita pagamento de diferença salarial. DECISÃO Adotando, como razão de decidir, o parecer jurídico de fls. 09/10, defiro o pedido. Reconheço a despesa de exercício anterior Publique-se. Boa Vista, 27 de janeiro de Des. RICARDO OLIVEIRA Presidente PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO N. 2517/04. Origem: Gleysiane da Silva Matos (Assistente Judiciário)/ Comarca de Caracaraí. Assunto: Solicita pagamento de diferença salarial. DECISÃO Adotando, como razão de decidir, o parecer jurídico de fls. 09/10, defiro o pedido. Reconheço a despesa de exercício anterior Publique-se. Boa Vista, 27 de janeiro de Des. RICARDO OLIVEIRA Presidente PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO N. 2333/04. Origem: Jeromar Paiva dos Santos (Assistente Judiciário)/ Cartório Distribuidor. Assunto: Solicita pagamento de diferença salarial. DECISÃO Adotando, como razão de decidir, o parecer jurídico de fls. 14/15, defiro o pedido. Reconheço a despesa de exercício anterior Publique-se. Boa Vista, 27 de janeiro de Des. RICARDO OLIVEIRA Presidente PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO N.º 163/05. Origem: Divisão de Desenvolvimento e Controle de Recursos Humanos/DRH. Assunto: Apreciação das fichas de avaliação de desempenho para estágio probatório dos servidores. DECISÃO Adotando, como razão de decidir, o parecer jurídico de fls. 88/89, homologo as avaliações de desempenho dos servidores. Publique-se. Boa Vista-RR, 27 de janeiro de Des. RICARDO OLIVEIRA Presidente GABINETE DAPRESIDÊNCIA, BOA VISTA-RR, 28 DE JANEIRO DE GOVERNO DO ESTADO DE RORAIMA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL '(021675$7,92'$'(63(6$&203(662$/ ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL 6(7(0%52$'(=(0%52 LRF, art. 55, inciso I, alínea "a" - Anexo I DESPESA COM PESSOAL DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL (I) R$ Milhares DESPESA LIQUIDADA Pessoal Ativo Pessoal Inativo e Pensionistas Despesas não Computadas (art. 19, 1º da LRF) (314) (-) Precatórios(Sent. Judiciais), ref. a Período Anterior ao de Apuração (-) Inativos com Recursos Vinculados (-) Indenizações por Demissão (51) (-) Despesas de Exercícios Anteriores (263) OUTRAS DESPESAS DE PESSOAL (art. 18, 1º da LRF) (II) $/'$'(63(6$/Ë48,'$&203(662$/,,, 5(&(,7$&255(17(/Ë48,'$5&/ GR727$/'$'(63(6$/Ë48,'$&203(662$/VREUHD5&/ /,0,7(358'(1&,$/ ~QLFRDUWGD/5) /,0,7(/(*$/LQFLVRV,,,H,,,DUWGD/5) FONTE: Seção de contabilidade e Sefaz/RR Des. Ricardo Oliveira Presidente Serginaldo Menezes da Costa Secretário de Controle Interno CRC/RR 403/O-4 Jan a Dez / 2004 Herivaldo Felipe Amoras dos Santos Diretor de Planejamento e Finanças CRC/RR 598/O-3 LRF, art Anexo VII R$ Milhares DESPESA COM PESSOAL VALOR % SOBRE A RCL Total da Despesa Líquida com Pessoal nos 12 Últimos Meses ,89 Limite Prudencial ( único, art. 22 da LRF) ,70 Limite Legal (incisos I, II e III, art. 20 da LRF) ,00 DISPONIBILIDADE RESTOS A PAGAR VALOR FINANCEIRA Total dos Restos a Pagar não Procesados FONTE: Seção de Contabilidade do TJRR ESTADO DE RORAIMA TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL '(021675$7,926'26/,0,7(6 ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL 6(7(0%52$'(=(0%52 Des. Ricardo Oliveira Presidente Serginaldo Menezes da Costa Secretário de Controle Interno CRC/RR 403/O-4 Herivaldo Felipe Amoras dos Santos Diretor de Plan. e Finanças CRC/RR 598/O-3 Clarete Aparecida Castralli Chefe de Gabinete

5 Diário do Poder Judiciário ANO VII - EDIÇÃO 3056 Boa Vista-RR, 29 de janeiro LRF, art. 55, inciso III, alínea "b" - Anexo VI ÓRGÃO Processados Exercícios Do Exercício Anteriores Não Processados Do Exercício ADMINISTRAÇÃO DIRETA 75,%81$/'(-867,d$'2(67$'2'( ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GOVERNO DO ESTADO DE RORAIMA TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL TOTAL & #!! #('$ FONTE: Seção de Contabilidade do TJRR e Sefaz/RR Des. Ricardo Oliveira Presidente Inscritos RESTOS A PAGAR Serginaldo Menezes da Costa Secretário de Controle Interno CRC/RR 403/O-4 ESTADO DE RORAIMA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL '(021675$7,92'$',6321,%,/,'$'('(&$,;$ ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL 6(7(0%52$'(=(0%52 Disponibilidade Financeira R$ Milhares Não Inscritos por Insuficiência Financeira Herivaldo Felipe Amoras dos Santos Diretor de Planejamento e Finanças CRC/RR 598/O-3 LRF, art. 55, Inciso III, alínea "a" - Anexo V R$ Milhares ATIVO VALOR PASSIVO VALOR Ã$7,92Ã',6321Ë9(/ 2%5,*$d (6Ã),1$1&(,5$6 Disponibilidade Financeira Depósitos de Diversas Origens Caixa Restos a Pagar Bancos Do Exercício Conta Movimento De Exercícios Anteriores 1 Contas Vinculadas Outras Obrigações Financeiras Aplicações Financeiras Retenções / Consignações %727$/ 68%727$/,168),&,Ç1&,$ 68),&,Ç1&,$ $/ 727$/ FONTE: Seção de Contabilidade do TJRR e Sefaz/RR Des. Ricardo Oliveira Presidente Provimento n.º 001/2005. Serginaldo Menezes da Costa Secretário de Controle Interno CRC/RR 403/O-4 CORREGEDORIA Herivaldo Felipe Amoras dos Santos Diretor Plan. e Finanças CRC/RR 598/O-3 Revoga todos os Provimentos expedidos até 27/01/2005 e dá outras providências. O Desembargador Almiro Padilha, Corregedor-Geral de Justiça do Estado de Roraima, no uso de suas atribuições legais e regimentais e CONSIDERANDO a necessidade de unificação dos provimentos expedidos pela Corregedoria-Geral de Justiça como forma de padronizar e melhor distribuir a Justiça, RESOLVE: Título I Dos juízes e das varas Capítulo I Dos juízes Seção I Das atribuições em geral Art. 1.º É atribuição dos juízes, além de processar e julgar os feitos de sua competência: I - orientar os serviços da vara, zelando pela normalidade, ordem e celeridade dos trabalhos e para que os atos processuais sejam realizados na forma e nos prazos legais; II - comunicar à Corregedoria-Geral de Justiça as infrações disciplinares cometidas por servidores que lhes sejam subordinados; III - comunicar à Procuradoria-Geral de Justiça, à seção local da Ordem dos Advogados do Brasil, à Procuradoria-Geral do Estado e à Defensoria Pública de Roraima as faltas, omissões, ausências ou outros atos praticados por membros desses órgãos e que lhes possam interessar disciplinarmente; IV - orientar o escrivão sobre a necessidade da imediata conclusão dos processos que se encontrem pendentes de sua apreciação; V - discriminar, mediante portaria, os atos meramente ordinatórios a serem praticados pelo escrivão, visando à desburocratização e racional tramitação dos feitos; VI - submeter à Corregedoria-Geral de Justiça cópia das portarias baixadas; VII - sugerir à Corregedoria-Geral de Justiça as alterações no sistema de informática que entenderem pertinentes ao aprimoramento das práticas e rotinas cartorárias; VIII - os juízes das varas cíveis e juizados especiais devem estabelecer, preferencialmente, o prazo de 12 (doze) meses para os processos arquivados provisoriamente, com a respectiva certificação nos autos e com menção expressa a este inciso, para fins de registro no SISCOM; e IX - apreciar, antes de entrar no gozo de férias e demais afastamentos, preferencialmente, todos os processos conclusos pendentes. 1.º Diante da impossibilidade de cumprir o disposto no inciso IX deste artigo, o juiz titular deverá deixar os processos conclusos em seu gabinete à disposição do juiz substituto (COJERR, art. 42-A, inciso I), sem dar baixa de conclusão no SISCOM. 2.º Caso não deseje despachar no gabinete do juiz titular, o juiz substituto deverá receber os processos mediante protocolo, sem que lhe seja dada conclusão. 3.º Quando apreciados, os autos deverão ser remetidos ao cartório que, nesta ocasião, fará a movimentação no sistema, com a respectiva conclusão ao juiz substituto no dia da devolução, bem como o imediato registro do ato realizado, prosseguindo com o regular andamento do feito. Seção II Do cumprimento das cartas precatórias Art. 2.º As ordens de prisão (civil ou criminal) oriundas de outros Estados somente serão cumpridas por intermédio de carta precatória instruída com o correspondente mandado original e com cópia da decisão do juízo deprecante, após despacho do juiz competente. 1.º As prisões civis poderão ser efetuadas por oficial de justiça, requisitando-se força policial quando necessário. 2.º As cartas precatórias destinadas a interrogatório serão instruídas com os seguintes documentos: (a) cópia da peça inaugural do feito; (b) cópia do auto de prisão em flagrante ou do depoimento do acusado na esfera policial, conforme o caso; e (c) outras peças reputadas necessárias pelo juízo. 3.º As cartas precatórias destinadas à inquirição de testemunhas serão instruídas com as peças descritas no parágrafo anterior e conterão, se houver: (a) cópia do depoimento prestado pela testemunha na esfera policial; e (b) cópia das alegações preliminares. Art. 3.º O cumprimento de cartas precatórias depende de preparo prévio, exceto nos casos de isenção legal. Parágrafo único. Comunicado ao juízo deprecante o valor das custas devidas e não realizado o preparo no prazo de 30 (trinta) dias, a carta precatória será devolvida sem cumprimento. Art. 4.º O juiz poderá solicitar confirmação de autenticidade da carta precatória ou qualquer outro esclarecimento que julgue necessário ao seu cumprimento, certificando-se nos autos. Capítulo II Das varas cíveis Art. 5.º Nas varas cíveis, além de outros casos a critério do juiz, os seguintes fatos serão comunicados à distribuição: I - retificação, inclusão ou exclusão de nome de partes;

6 06 - Boa Vista-RR, 29 de janeiro 2005 ANO VII - EDIÇÃO 3056 Diário do Poder Judiciário II - intervenção de terceiros, assistência litisconsorcial e reconvenção; III - modificação da natureza ou do procedimento do feito; e IV - extinção do feito ou sua remessa a outro juízo. Parágrafo único. A comunicação, através de ofício ou meio eletrônico, deverá conter a natureza do feito, o nome do autor e do réu, devidamente qualificados (CPF ou CNPJ, filiação, identidade ou qualquer outro elemento de qualificação). Art. 6.º Nos casos de extinção de processo em que houver instituição de tutela e curatela, somente será determinada a expedição de ofício de baixa à distribuição após a suspensão dessas restrições. Art. 7.º Os mandados de prisão civil por dívida serão expedidos com validade de 90 (noventa) dias e renovados ao fim desse prazo. Art. 8.º Os depósitos judiciais em dinheiro serão feitos em nome da parte ou do interessado, em conta especial movimentada por ordem do juiz da causa. Art. 9.º Ultrapassado o prazo de 12 (doze) meses no depósito público e salvo impedimento legal no caso concreto, o juiz da causa poderá autorizar, intimadas as partes, a venda dos bens em leilão coletivo. Capítulo III Das varas criminais Art. 10. Nas varas criminais, além de outros casos a critério do juiz, os seguintes fatos serão comunicados ao Instituto Nacional de Identificação (INI), à Secretaria de Segurança Pública de Roraima e à distribuição: I - retificação de nomes, inclusão ou exclusão de réus ou indiciados; II - mudança na classificação do delito; e III - anotações por arquivamento, absolvição, impronúncia e extinção de punibilidade. Art. 11. Terão andamento prioritário os processos que envolvam réu preso e vítima menor de idade. Art. 12. Apenas o Juízo da Vara de Execuções poderá conhecer de pedidos de transferências de presos, mesmo em se tratando de prisão provisória. 1.º Os pedidos formulados a outros juízos, por meio de ofício da administração dos estabelecimentos penais ou por requerimento dos próprios presos, deverão ser remetidos à Vara de Execuções Penais, competente para a apreciação. 2.º Caso o pedido de transferência seja deferido, a Vara de Execuções Penais comunicará o fato ao juízo a que estiver vinculado o preso provisório. Art. 13. Trimestralmente, devem ser renovados aos órgãos encarregados de capturas, os mandados de prisão contra réus pronunciados ou condenados e ainda não localizados. Parágrafo único. A renovação dos mandados de prisão oriundos de outros Estados deve ser feita pelo juízo deprecante à vista de cientificação pelo juízo deprecado. Art. 14. É proibido o empréstimo de arma de fogo ou de qualquer outro objeto apreendido por decisão judicial, ressalvadas as hipóteses legais de produção de provas. Art. 15. As armas, munições, explosivos e outros instrumentos congêneres apreendidos, penhorados ou que acompanhem inquéritos policiais ou ações judiciais serão cadastrados com referência expressa ao número do feito respectivo, devidamente lançado no SISCOM, bem como aos nomes das partes envolvidas, remetendose, em seguida, tais dados ao órgão competente. Parágrafo único. Quando não mais interessarem à persecução penal, as armas de fogo, munições e acessórios, após a realização do laudo pericial competente, serão encaminhadas ao Comando do Exército brasileiro, para destruição no prazo de 48 (quarenta e oito) horas. Art. 16. Recebida a denúncia ou a queixa-crime, o cartório fará juntar aos autos a folha de antecedentes criminais do Instituto Nacional de Identificação (INI) e as informações constantes do sistema informatizado do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima (TJRR), certificando sobre os antecedentes do acusado. Art. 17. No caso de condenação à pena privativa de liberdade (regime fechado, semi-aberto ou aberto), uma vez transitada em julgado a sentença para o Ministério Público e estando o sentenciado preso (art. 105 da Lei n.º 7.210/84), a vara criminal certificará, expedirá a guia de recolhimento provisório (conforme art. 106 da Lei n.º 7.210/84) e remeterá à Vara de Execuções Penais. Art. 18. Tratando-se de condenação à pena restritiva de direitos, uma vez transitada em julgado a sentença para o Ministério Público, a vara criminal certificará e remeterá à Vara de Execuções Penais as peças descritas no art. 106, incisos III, IV e VI, da Lei n.º 7.210/84. Parágrafo único. Na hipótese de condenação à pena restritiva de direitos, não haverá expedição de guia de recolhimento. Art. 19. Transitada em julgado a sentença para as partes, em caráter definitivo, serão remetidos, se houver, o(s) acórdão(s) e a certidão de trânsito em julgado, transformando-se a execução provisória em definitiva, sem necessidade de nova distribuição. Art. 20. Em caso de absolvição, a vara de origem deverá comunicar o fato, imediatamente, à Vara de Execuções Penais para expedição de alvará de soltura e demais providências que, porventura, se façam necessárias. Art. 21. As execuções penais provisórias em curso nas varas criminais deverão ser remetidas, imediatamente, à Vara de Execuções Penais. Parágrafo único. Os arts. 17 a 21 deste Código não se aplicam aos Juizados Especiais Criminais. Art. 22. As intimações das sentenças e a entrega do libelo ao réu preso serão feitas por oficial de justiça. 1.º Tratando-se de pessoa física, será entregue à(s) vítima(s) ou seus familiares cópia da sentença condenatória transitada em julgado. 2.º Quando imposta pena de privação temporária ou definitiva de direitos políticos de cidadão maior de 18 (dezoito) anos, ou condenação pela prática de crimes contra a economia popular, fé pública, administração pública, patrimônio público, mercado financeiro ou pelo tráfico de entorpecentes, será encaminhada cópia da sentença transitada em julgado ao Tribunal Regional Eleitoral de Roraima (TRE/RR). Título II Dos escrivães Art. 23. É atribuição dos escrivães: I - manter sob seu controle, devidamente atualizada, pasta contendo todos os atos baixados pela Corregedoria-Geral de Justiça, Presidência do TJRR e juízo ao qual estejam subordinados; II - conservar os livros prescritos em lei ou recomendados pela Corregedoria-Geral de Justiça, devidamente regularizados e escriturados; III - executar os atos processuais nos prazos estabelecidos em lei; IV - distribuir os serviços do cartório, superintendendo e fiscalizando sua execução; V - organizar e manter em ordem o serviço do cartório, de modo a permitir a localização imediata de autos, papéis e livros; VI - manter o cartório aberto e em funcionamento durante o horário de expediente; VII - cumprir e fazer cumprir as ordens e decisões judiciais; VIII - abrir a correspondência oficial endereçada à vara e ao juiz, quando por este autorizado; IX - fornecer certidão de comparecimento às pessoas chamadas a juízo, para fins de justificação junto a empregadores ou órgãos públicos; X - permanecer no cartório, ausentando-se apenas quando nele estiver presente quem legalmente o substitua; XI - afixar, em local visível e de fácil acesso, os expedientes necessários; XII - verificar, periodicamente, a regularidade das cargas e vistas, adotando as providências necessárias para que os autos sejam devolvidos no prazo legal, certificando, sempre, qualquer irregularidade encontrada; XIII - encaminhar os mandados para distribuição, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias e máxima de 60 (sessenta) dias da audiência, observada a regra do art. 241 do Código de Processo Civil (CPC), ressalvados os casos urgentes; XIV - adotar, como regra, a via postal na comunicação dos atos processuais, utilizando-se dos oficiais de justiça estritamente nos casos previstos em lei; XV - solicitar a devolução dos mandados enviados para cumprimento sempre que a diligência tiver se tornado inútil ou incabível; XVI - inserir no sistema dados que reflitam a situação do andamento dos processos, abstendo-se do uso de códigos ou quaisquer expedientes capazes de comprometer a real estatística da vara;

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 DJe de 17/06/2010 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 Dispõe quanto ao procedimento de habilitação de pretendentes

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo 29 Protocolo 2. DISTRIBUIÇÃO A previsão legal dos atos de distribuição e registro está no Código de Processo Civil, nos artigos 251 a 257. A distribuição tem a função de dividir os processos entre juízos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros 2.2.1 - Quando da lavratura dos atos das serventias, serão utilizados papéis com fundo inteiramente branco, salvo disposição expressa em contrário. A escrituração

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 13/2009.

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 13/2009. CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 13/2009. DISPÕE SOBRE ATOS DO JUIZ E ATOS ORDINATÓRIOS QUE DEVEM SER PRATICADOS PELO ESCRIVÃO, CHEFE DE SECRETARIA OU SERVIDOR DEVIDAMENTE AUTORIZADO, INDEPENDENTE

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL

Leia mais

ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010*

ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010* ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010* A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 17.ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de se implementar

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013.

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013. AVISO CGJ Nº 26 de 30 de Janeiro de 203. O Desembargador ANTONIO JOSÉ AZEVEDO PINTO, Corregedor Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Publicada no DOE do dia 25/02/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Regulamenta os procedimentos para abertura de processos, juntada, cópia e demais rotinas de tramitação de processos e documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO N.º 007/2014 CGJ/CCI

PROVIMENTO CONJUNTO N.º 007/2014 CGJ/CCI PROVIMENTO CONJUNTO N.º 007/2014 CGJ/CCI Uniformiza os procedimentos adotados pelas Secretarias e Serviços Judiciários, relativos à entrega de autos a advogados, estagiários e prepostos. O DESEMBARGADOR

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002. CONSIDERANDO as conclusões apresentadas pelo Fórum de Juízes Distribuidores da 2ª Região;

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002. CONSIDERANDO as conclusões apresentadas pelo Fórum de Juízes Distribuidores da 2ª Região; CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002 A Excelentíssima Doutora MARIA HELENA CISNE CID, Corregedora- Geral da Justiça Federal da 2ª Região, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

PORTARIANº 032/2015-DF

PORTARIANº 032/2015-DF PORTARIANº 032/2015-DF O Doutor ARISTEU DIAS BATISTA VILELLA, Juiz de Direito e Diretor do Foro da, no uso de suas atribuições legais, com fundamento nos artigos 52, inciso XV, da Lei nº 4.964, de 26 de

Leia mais

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES Agrupadores JUIZ E SEUS ASSISTENTES»Processos com pedido liminar ou de antecipação de tutela não apreciado GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE DIRETOR E SEUS ASSISTENTES»Processos com Petições Avulsas»Processos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e COMPARATIVO ENTRE A RESOLUÇÃO N. 9 E A EMENDA REGIMENTAL N. 18 DO STJ EMENDA REGIMENTAL N. 18 (2014) RESOLUÇÃO N. 9 (2005) Art. 1º O Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça passa a vigorar acrescido

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 440, DE 30 DE MAIO DE 2005 Dispõe sobre o pagamento de honorários de advogados dativos, peritos, tradutores e intérpretes, em casos de assistência judiciária gratuita e disciplina os procedimentos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

PORTARIA N 1840/CGJ/2011

PORTARIA N 1840/CGJ/2011 DJe de 25/11/2011 (cópia sem assinatura digital) PORTARIA N 1840/CGJ/2011 Dispõe sobre a concessão, no âmbito do Estado de Minas Gerais, de autorização de viagem para o exterior de crianças e adolescentes

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Dispõe sobre a implantação e estabelece normas para o funcionamento do processo eletrônico no Poder Judiciário do Estado de Goiás. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, por seu Órgão Especial, no exercício

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS. Subseção I. Competência

CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS. Subseção I. Competência CAP. XII - 1 CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Subseção I Competência 1. O Plantão Judiciário destina-se exclusivamente: 1 a) ao conhecimento dos pedidos de habeas corpus

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08 MINUTA 1 1 TERMO DE CONTRATO Tomada de Preços nº 019/08 Processo nº 5935/0/ Contratante: Prefeitura Municipal de Franca Contratada: Valor: R$ ( ) OBJETO: AQUISIÇÃO DE TERMINAIS DE AUTO ATENDIMENTO Pelo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO RESOLUÇÃO Nº 221/2011 Regulamenta as atividades da Central de Atendimento, a forma de assinatura eletrônica e a utilização do meio eletrônico para a prática de atos processuais e dá outras providências.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Boa Vista-RR, 24 de Junho de 2006 ANO IX - EDIÇÃO 3393 R$ 1,50 SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO. Assim, denego o pedido liminar.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Boa Vista-RR, 24 de Junho de 2006 ANO IX - EDIÇÃO 3393 R$ 1,50 SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO. Assim, denego o pedido liminar. Boa Vista-RR, 24 de Junho de 2006 ANO IX - EDIÇÃO 3393 R$ 1,50 TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO Bel. ITAMAR LAMOUNIER Secretário do Tribunal Pleno PUBLICAÇÃO DE PAUTA PARA JULGAMENTO O

Leia mais

COORDENAÇÃO-GERAL DE ASSUNTOS DE REFUGIADOS COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 30 DE ABRIL DE 2014

COORDENAÇÃO-GERAL DE ASSUNTOS DE REFUGIADOS COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 30 DE ABRIL DE 2014 COORDENAÇÃO-GERAL DE ASSUNTOS DE REFUGIADOS COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 30 DE ABRIL DE 2014 Estabelece os procedimentos aplicáveis ao pedido e tramitação da solicitação

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 872/2009 Disciplina a dação de bens imóveis como forma de extinção da obrigação tributária no município de Juranda,, prevista no inciso XI do artigo 156 do Código Tributário Nacional, acrescido

Leia mais

A C Ó R D Ã O Nº 70067495689 (Nº CNJ: 0434946-98.2015.8.21.7000) COMARCA DE PORTO ALEGRE AGRAVANTE LUIS FERNANDO MARTINS OLIVEIRA

A C Ó R D Ã O Nº 70067495689 (Nº CNJ: 0434946-98.2015.8.21.7000) COMARCA DE PORTO ALEGRE AGRAVANTE LUIS FERNANDO MARTINS OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. DELEGADO DE POLÍCIA. AFASTAMENTO PREVENTIVO DO CARGO. REQUISITOS PARA A MEDIDA LIMINAR. 1. A concessão de medida liminar em mandado de segurança

Leia mais

PODER J II DlCIARIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corregedoria Gerai da Justiça Processo n 2573/2000 - pág. no 1

PODER J II DlCIARIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corregedoria Gerai da Justiça Processo n 2573/2000 - pág. no 1 PODER J II DlCIARIO Corregedoria Gerai da Justiça Processo n 2573/2000 - pág. no 1 PROVIMENTO N CG 32/2000 o Desembargador Luís de Macedo, Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, no uso de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012 Publicada no Boletim de Serviço, n. 7, p. 13-18 em 6/7/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre o fornecimento e a autenticação de cópias e impressões e dá outras providências.

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE:

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE: RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO O CONSELHO SECCIONAL DO ESTADO DE RONDÔNIA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso de suas atribuições estatutárias, com base no que dispõe o art. 10, 1º da Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03.

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. Disciplina, no âmbito do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, os procedimentos relativos à

Leia mais

.Tribunal de Justiça do Estado de Roraima.Corregedoria-Geral de Justiça Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros

.Tribunal de Justiça do Estado de Roraima.Corregedoria-Geral de Justiça Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros PROVIMENTO CGJ Nº. 002/2014.Tribunal de Justiça do Estado de Roraima Institui o Código de Normas da Corregedoria-Geral de Justiça e dá outras providências O Desembargador Ricardo Oliveira, Corregedor-Geral

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N.

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N. PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N. 49/2008 A Doutora Luciana de Souza Sanchez, Juíza Federal Titular,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º. Compete à Comissão de Prerrogativas a efetivação prática do disposto no inciso III do artigo 2º do Estatuto

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003.

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. Disciplina a formação de processos administrativos no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Período da realização da correição: de 23 de maio a 13 de junho de 2014. Juiz de Direito Titular:

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos)

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos) PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos) Anotações Art. 106. Sempre que o oficial fizer algum registro ou averbação, deverá, no prazo de cinco dias, anotá-lo nos atos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. -0> AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre o processo administrativo para a apuração de infrações e aplicação de penalidades, no âmbito da competência da

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamenta, no âmbito do Poder Judiciário e do Ministério Público, os arts. 6º, inciso XI, e 7 -A, ambos da

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 Dispõe sobre o procedimento de reconstituição e restauração dos autos de processos do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Seção I Da Criação, da Captura e da Digitalização de Documentos Art.

Leia mais

2 - FORO JUDICIAL - OUTROS DOCUMENTOS

2 - FORO JUDICIAL - OUTROS DOCUMENTOS 2 - FORO JUDICIAL - OUTROS DOCUMENTOS 2-1 - Acórdãos 2-1 - Acórdãos 5 anos* 5 anos X - *Cópias de acórdãos -1-1 - -1-2 - -1-3 - 2-1-1 - Acórdãos - conclusões 2-1-2 - Acórdãos - publicados 2-1-3 - Acórdãos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009

ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009 ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009 (Disponibilizada no Diário Eletrônico da Justiça Federal da 3ª Região em 03/04/2009) Texto atualizado com as Ordens de Serviço nºs 02 e 03 até

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 59, DE 14 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre alterações no Manual de Atribuições da Seção Judiciária do Paraná e estabelece outras providências. O VICE-PRESIDENTE, NO EXERCÍCIO DA PRESIDÊNCIA DO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

PROVIMENTO Nº 04/2008

PROVIMENTO Nº 04/2008 PROVIMENTO Nº 04/2008 Disciplina os procedimentos relativos aos débitos das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, sujeitos ao regime de

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A IMPORTANTE : PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDÊNCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores:

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Processo Eletrônico Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Princípio da Universalidade; Princípio da Uniquidade; Princípio da Publicidade; Princípio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA PRESIDÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Uniformiza procedimentos de atendimento às partes e advogados no âmbito das secretarias judiciárias do TRF4. O PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições,

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, informa que em virtude da publicação da Emenda Constitucional

Leia mais

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN 48 Vara Federal - 198 Subseção Judiciária - Guarulhos/SP PORTARIA n 004/2006 o Dr. ALESSANDRO DIAFERIA, MM. Juiz Federal da 48 Vara de Guarulhos - 198 Subseção Judiciária do Estado de São Paulo, no uso

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. Regulamenta o art. 9º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993 e

Leia mais

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ Modifica o Provimento nº 71/2008, estabelecendo novas regras para a gravação audiovisual de audiências. atribuições legais, O Corregedor-Geral da Justiça, no uso de suas Considerando

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 1 RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 Dispõe sobre o Regimento Interno da Junta Recursal do Programa Estadual de Proteção e Defesa ao Consumidor JURDECON e dá outras providências. O Colégio de Procuradores de Justiça

Leia mais

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto A Lei que instituiu o processo judicial informatizado, em vigor desde março de 2007, aplica-se indistintamente aos processos civil, penal,

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO VERSÃO: 31/3/2011 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou?

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? O Conselho Superior da Justiça do Trabalho editou a nova Resolução 136/2014, revogando a Resolução 94/2012 que regulamenta o sistema PJe-JT

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 Dá nova redação aos artigos que menciona, entre outras providências, da Lei Complementar n. 3, de 12 de janeiro de 1981, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

líquido e certo dos estabelecimentos representados pelo impetrante.

líquido e certo dos estabelecimentos representados pelo impetrante. MANDADO DE SEGURANÇA Nº 1295697-5, DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA. Impetrante: ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE SUPERMERCADOS - APRAS Impetrado: SECRETÁRIO DE ESTADO DA SEGURANÇA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 66/2010. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 66/2010. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições regimentais, RESOLUÇÃO Nº 66/2010 Regulamenta, no âmbito da Justiça do Trabalho de primeiro e segundo graus, a responsabilidade pelo pagamento e antecipação de honorários do perito, do tradutor e do intérprete, no

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL

MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL Autores: Henrique Baltazar Vilar dos Santos Fábio José Guedes de Sousa Sumário: 1. Início do processo:... 2 a. Recebimento de Processo

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe sobre o

Leia mais

ATO CONJUNTO TRT GP-CRT N.º 8/2015

ATO CONJUNTO TRT GP-CRT N.º 8/2015 ATO CONJUNTO TRT GP-CRT N.º 8/2015 Estabelece os parâmetros gerais para inclusão dos processos físicos no Cadastramento de Liquidação e Execução (CLE) do PJe-JT no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais