ACTIVE DIRECTORY: uma implementação prática envolvendo Samba 4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACTIVE DIRECTORY: uma implementação prática envolvendo Samba 4"

Transcrição

1 ACTIVE DIRECTORY: uma implementação prática envolvendo Samba 4 Joélson E. de Almeida, Alexssandro C. Antunes, Msc, Jéferson M. de Limas, Msc Instituto Federal De Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Campus Sombrio (IFC) Rua Francisco Caetano Lummertz, 818 B. Januária Sombrio/SC Abstract. This article describes the installation of a Directory Service (Active Directory), using a network service called Samba 4. Samba is free software which can be used in different environments of Microsoft Windows, for example, Linux systems. Since this is a free tool, after 10 years of development lies in its stable version. Thus, exploring its features and checking their behavior as Active Directory Domain Controller. The version of Samba 4, while maintaining compatibility with previous versions, have the directory service, Based on the LDAP protocol (Lightweight Directory Access Protocol), which in Portuguese means lightweight directory access protocol, being the primary protocol for the development of the Active Directory. The tests performed were all simulated in a virtual environment. Was added Microsoft Windows clients to Samba 4, also control the Internet, integrating a Squid Proxy server to Active Directory. Samba version 4 showed flexibility as well as stability with respect to Active Directory. This solution Directory Service can be implemented in small and medium-sized enterprises, because it is a free tool. Thereby generating cost savings with respect to licenses to use software and operating system, thus influencing the economy as a whole with regard to solutions in Information Technology. Resumo. Este artigo descreve a instalação de um Serviço de Diretório (Active Directory), utilizando-se de um serviço de rede chamado Samba 4. O Samba é software livre que pode ser utilizado em ambientes diferentes do Microsoft Windows, por exemplo, em sistemas Linux. Tratando-se de uma ferramenta grátis, após 10 anos de desenvolvimento encontra-se em sua versão estável. Desta forma, explorando suas funcionalidades e verificando o seu comportamento como Controlador de Domínio do Active Directory. A versão 4 do Samba, além de manter a compatibilidade com as versões anteriores, possui o Serviço de Diretório. Tendo como base o protocolo LDAP (Lightweight Directory Access Protocol), que em português significa protocolo leve de acesso a diretórios, sendo o principal protocolo para o desenvolvimento do Active Directory. Os testes realizados foram todos simulados em um ambiente virtual. Foi adicionado clientes Microsoft Windows ao Samba 4, também controle de Internet, integrando um servidor Proxy Squid ao Active Directory. O Samba versão 4 apresentou flexibilidade bem como estabilidade, no que diz respeito ao Active Directory. Esta solução de Serviço de Diretório, pode ser implementada em empresas de pequeno e médio porte, por tratar-se de uma ferramenta livre. Com isso gerando

2 redução de custos, com relação a licenças de uso de software e Sistema Operacional, assim, influenciando na economia como um todo no que diz respeito a soluções em Tecnologia da Informação. 1. Introdução Atualmente na área da Tecnologia da Informação (TI), o Active Directory (AD) desempenha um papel central para a TI. Seu propósito principal é o de fornecer um local de armazenamento centralizado para contas de usuário, adesões de grupos e configurações de softwares. Além disso, disponibiliza autenticação de usuário, acesso a objetos como: impressoras e arquivos, que ficam armazenados em seus diretórios com seus devidos atributos. AD é um Serviço de Diretório desenvolvido pela empresa Microsoft, sendo, portanto um software proprietário. Utilizado em seus Sistemas Operacionais de Redes, está presente desde a versão Windows Server 2000 até a versão atual Windows Server O AD foi implementado através do protocolo LDAP, principal protocolo utilizado para acesso rápido às informações de diretórios. A ferramenta da Microsoft AD é um software pago que gera custos para as empresas. Além do AD, é necessário o uso de um sistema operacional Windows Server, gerando um custo adicional em relação à licença do sistema operacional. Mais outro agravante em relação a custos são as licenças cals (Licença de Acesso Cliente), ou seja, permite o direito de acessar computadores na rede, serviços e tecnologias disponibilizadas em sistemas operacionais instaladas em servidores. Utilizadas por máquinas clientes ou por usuários. O Samba pode ser executado em uma plataforma diferente do Microsoft Windows, por ser um software livre, por exemplo, UNIX, Linux, IBM System 390, OpenVMS e outros sistemas operacionais. Samba utiliza o protocolo TCP/IP, que é instalado no servidor host. Quando configurado corretamente, ele permite o compartilhamento de arquivos e impressoras entre máquinas Windows e Linux de forma transparente. (SAMBA.ORG-1, 2013). Neste artigo, aplica-se o Serviço de Diretório (AD) utilizando Samba versão 4, e assim, integrando clientes Microsoft, além de outros serviços de rede local, como compartilhamento de arquivos e controle de acesso a Internet, através do servidor Proxy Squid. Considerando ser livre de custos de licenças referente a sistema operacional e licenças cals, o Samba 4, pode ser uma alternativa para empresas que necessitam de um AD. Uma das suas vantagens é a facilidade para o usuário final, autenticando uma única vez no AD. Com esta autenticação, o usuário vai dispor dos serviços de rede local, bem como serviços de rede de longa distância, não sendo necessário autenticar a cada serviço requisitado com um login e senha diferente para os mesmos. Desta forma o usuário vai poder autenticar nos serviços que estão integrados junto ao AD com a sua conta local.

3 2. Objetivos Geral e Específico 2.1. Geral Implementar um Serviço de Diretório (Active Directory Domain Controller AD DC) utilizando software livre Específicos Realizar o referencial teórico sobre Active Directory; Selecionar as ferramentas de código aberto disponíveis para implantação de um servidor Samba 4 Active Directory; Demonstrar as ferramentas em um cenário virtual; Integrar o Active Directory com serviço de rede local; Validar a implementação do ambiente proposto. 3. Fundamentação Teórica A fundamentação teórica é a base para que possa chegar ao conhecimento do assunto proposto, descrevendo um pouco sobre o papel de cada ferramenta, para posteriormente colocar em prática a ideia sugerida no artigo Active Directory Segundo Stanek (2009), o AD é um Serviço de Diretório que gerencia de forma eficaz os recursos da rede, armazenando informações generalizadas sobre todos os recursos disponíveis. Facilitando a pesquisa e a autenticação, um Serviço de Diretório pode armazenar informações de forma organizadas, para que assim facilite a recuperação das mesmas. Serviços de Diretório estão disponíveis no mercado através de alguns softwares proprietários, a partir de um número de fornecedores. Em sua forma mais básica, consiste em pesquisas de chave e valor em informações estruturadas. Estas informações são organizadas em uma hierarquia. (BARTLETT, 2005). AD integra um conjunto de protocolos modernos de autenticação para redes de computadores. Além de manter todos os protocolos antigos como o NT4 Serviço de Diretório NT. (METZMACHER, 2007). O Serviço de Diretório emprega vários protocolos para seu funcionamento, conforme Stanek (2009, p.1027), o protocolo principal para acesso ao Active Directory é o LDAP (Lightweight Directory Access Protocol), um protocolo padrão do setor para acesso a diretórios administrados através do TCP/IP Protocolos Envolvidos Protocolos de redes são regras usadas para que haja a comunicação de dados entre computadores. Eles fazem com que dois ou mais computadores possam trocar mensagens entre si. (COMER, 2007). Os protocolos envolvidos para implementação do Samba 4 AD são: DNS, LDAP, KERBEROS, NTP, SMB/CIFS, DHCP.

4 DNS Segundo Tanenbaum e Wetherall (2011), em uma rede de computadores a comunicação entre as máquinas é feita através do endereçamento IP. Alguns programas que empregam o endereço IP (Internet Protocol) podem ser concebidos por páginas de internet, correios eletrônicos, serviços de rede local, entre outros serviços. Por existirem inúmeras combinações de endereços IPs, torna-se impossível para as pessoas gravarem os mesmos. Surgiu assim a necessidade do desenvolvimento de um mecanismo para converter os IPs em nome e vice-versa. Para facilitar criou-se o DNS (Domain Name System). Conforme Kurose e Ross (2010) há duas maneiras de identificar um dispositivo: através de seu nome na rede e por seu endereço IP. Para as pessoas, a forma mais fácil de identificar um computador ou um site na internet é lembrando seu nome, já para um dispositivo de rede, como um roteador é o endereço IP. Para que isso aconteça, utilizase um Serviço de Diretório como o DNS, para fazer a tradução dos nomes em endereços IP. Para gerenciamento de um AD, é necessário a utilização de um serviço DNS. O AD pode trabalhar com qualquer servidor DNS que tenha suporte a atualizações dinâmicas e registros SRV (Service Location). Alguns servidores DNS a utilizar-se em Serviços de Diretório são: BIND (Barkeley Internet Name Domain), OpenDNS, Microsoft Windows DNS. O próprio Samba 4 possui um servidor de DNS interno LDAP LDAP (Lightweight Directory Access Protocol ou Protocolo Leve de Acesso a Diretório), é um protocolo de acesso rápido a Serviços de Diretório baseado nos padrões X.500. Suas especificações e definições são descritas nos RFC s 2251/2256. Também existem outros RFC s que tratam do assunto. O Serviço de Diretório foi desenvolvido com base no LDAP é um protocolo que define o acesso aos serviços de diretórios, onde diretória é uma estrutura de armazenamento organizada de forma hierárquica, que facilita o armazenamento e busca de informações. (RIBEIRO JUNIOR, 2008, p. 1). Conforme Trigo (2007), o LDAP é um protocolo cliente/servidor que disponibiliza informações contidas em um diretório. O mesmo permite a navegação, leitura, armazenamento, pesquisar informações e também realiza determinadas tarefas de gerenciamento em um Serviço de Diretório. É considerado um banco de dados que aperfeiçoa a leitura, navegação e pesquisas de dados. O protocolo LDAP é utilizado para organizar as informações, visando facilidade e agilidade na recuperação. Estas informações são armazenadas em um banco de dados. Não é especificado qual banco de dados em particular as informações serão guardadas. Sua organização é feita de forma hierárquica onde, a partir da raiz é possível chegar até aos recursos, que podem ser computadores, servidores, usuários, etc. Assim, o LDAP é considerado um protocolo essencial para o Serviço de Diretório Kerberos Conforme Calôr Filho (2013), o Kerberos é um protocolo que prevê forte autenticação entre aplicações cliente/servidor. Utiliza-se de criptografia de chave simétrica no qual

5 servidores fornecem acesso aos serviços solicitados pelos clientes, caso comprovem sua autenticidade. O Kerberos foi desenvolvido como parte do Projeto Athena, do MIT (Massachussets Institute of Technology) e seu nome vêm da mitologia. Para os gregos é um cão com três cabeças que tem por missão proteger a entrada de Hades, o Deus do mundo inferior, soberano dos mortos. O Kerberos é utilizado nas redes de computadores para evitar que algum software malicioso libere acesso para fora da rede, deixando a rede, computadores servidores e demais hosts desprotegidos. Ele permite comunicações individuais seguras e identificadas em uma rede insegura, proporcionando autenticação para aplicações cliente/servidor através do uso de criptografia de chave secreta, de modo que um cliente prove sua identidade a um servidor e vice-versa. (STEINER, NEUMAN, SCHILLER, 1988). O Kerberos não faz a autenticação do próprio host no servidor, e sim, da aplicação que oferece o serviço. O esquema para autenticar é feito através de tickets, que servem para comprovar a autenticidade de um usuário, e assim, garantindo o acesso aos serviços e aplicações. (KERBEROS V5, 2013). Quando um cliente faz a requisição com um ticket para o KDC (Centro de Distribuição de Chaves), é então criado um TGT (bilhete de concessão de bilhete) para o cliente, que é criptografado utilizando a senha secreta do usuário. Após isso, o KDC retorna o TGT para o cliente, que por sua vez, recebe e descriptografa com sua senha, garantindo a sua identidade. (CALÔR FILHO, 2013). Conforme descrito por Tanenbaum (2003), o protocolo Kerberos é utilizado em vários sistemas operacionais, inclusive nos sistemas Microsoft Windows. Para que sua utilização seja bem sucedida, devem-se manter os relógios sincronizados para que não ocorra falha na hora da autenticação. Ele permite que seus bilhetes sejam renovados e também que os mesmos tenham um tempo de duração maior. Cada domínio administrativo tem seu próprio banco de dados Kerberos, que contém informações sobre os usuários e serviços para um determinado site ou domínio. Este domínio administrativo é chamado de realm (reino). Sendo que cada realm tem seu servidor de autenticação e uma política de segurança, que permite que uma organização defina diferentes níveis de segurança. A divisão dos reinos também pode ser hierárquica, permitindo assim que cada área da organização possua um reino local vinculado ao reino central. (CALÔR FILHO, 2013) NTP NTP (Network Time Protocol) é um protocolo usado para sincronizar relógios de computadores na rede local ou na internet, a partir de uma referência padrão de tempo aceita mundialmente, conhecida como UTC (Universal Time Coordinated). (RNP, 2000). Para os administradores de redes, a utilização do NTP é importante, pois possibilita a sincronização automática dos equipamentos conectados em uma rede, assim facilitando a vida de quem a administra, desta forma, não é necessário ir de máquina em máquina acertar o relógio local. (RNP, 2000).

6 SMB/CIFS O protocolo SMB/CIFS (Server Message Block / Common Internet File System), é um protocolo de redes que permite a troca de informações na rede, compartilhando arquivos e impressoras. O CIFS é uma atualização do protocolo SMB. (HERTEL, 2003). O termo SMB é usado para fazer referência no compartilhamento de arquivos em si. O protocolo permite que o cliente manipule arquivos em rede, como se estivesse utilizando localmente. O CIFS atua como cliente/servidor e requisição/resposta, o cliente envia requisições e o servidor respondendo a cada uma das requisições enviadas. O cliente pode fazer leitura, escrita e excluir arquivos como se estivesse na sua máquina local. (BARREIROS, 2013) DHCP O BootP segundo Hunt (2004), é um protocolo simples, que foi a base para o desenvolvimento do DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol). Ele atua sobre o protocolo UDP, utiliza as portas de comunicação 67 e 68, a mesma utilizada no protocolo que foi sua base, só com melhorias significativas. O DHCP foi criado para trabalhar através do TCP/IP, fornecendo todas as configurações possíveis aos clientes. Destaca-se uma melhoria importante com o uso do DHCP, que permite a distribuição dinamicamente de endereços IPs na rede, são designadas em uma faixa de IPs, que são configurados em seu arquivo de configuração, a faixa de endereços é conhecida como pool. O DHCP possibilita o aluguel de um endereço IP para um host por um intervalo de tempo específico. Quando este tempo acaba o host obriga-se a pedir renovação para o servidor DHCP, ou caso contrário deve ser devolvido, para que possa ser utilizado em outro dispositivo. (HUNT, 2004). O serviço que um servidor DHCP faz é responder aos pacotes de broadcast das estações, ele responde enviando um pacote com um endereço IP livre, seguindo com os demais dados da rede. O broadcast é endereçado ao endereço , que é retransmitindo através de um switch ou hub em todas as suas portas. (MORIMOTO, 2009) Serviços de Rede Uma forma de descrever o que é uma rede, esclarece quando são conectados dois ou mais computadores, compartilhando informações entre si. Os clientes da rede são computadores, os quais solicitam informações. Essas informações requisitadas podem ser consideradas serviços de rede. (SCRIMGER, et al, 2002). As redes de computadores possuem servidores, que são computadores dedicados a exercerem determinadas tarefas, ou seja, estes servidores são designados a oferecer serviços de rede aos clientes. Existem vários tipos de serviços de rede, alguns destes necessitam de um servidor único para o mesmo, mais isso não quer dizer que não possa ter um único servidor disponibilizando mais que um serviço na rede. (SCRIMGER, et al, 2002). Abaixo segue uma lista com alguns serviços de rede de forma simplificada. Serviço DHCP; Serviço de compartilhamento de arquivos;

7 Serviço DNS; Serviço de Proxy Serviço de Web; Serviço de Samba Como descrito anteriormente, o protocolo CIFS evolui-se do SMB passando por várias melhorias. O Samba nada mais é do que uma implementação das mesmas funções para sistemas do mundo UNIX. O seu desenvolvimento foi baseado no SMB, e assim, foi evoluindo e atualizando-se, introduzindo suporte ao CIFS. Mantendo-se atualizado lado a lado com as versões mais recentes do Windows. (MORIMOTO, 2009). O servidor Samba possibilita o compartilhamento de arquivos e impressoras, também atua como um PDC (Primary Domain Controller), autenticando os usuários em redes locais. O Samba é um serviço de rede bem completo e flexível, atende muito bem clientes Linux, quanto clientes Windows. (MORIMOTO, 2009). Samba é composto por dois programas-chave, que são smbd e o nmbd. Suas funções de trabalho são a implementação dos quatro serviços básicos CIFS, que são: serviços de arquivo e impressão, autorização e autenticação, resolução de nomes e por último, anúncio de serviço de navegação. (SAMBA.ORG-2, 2013). Os serviços de arquivo e impressão são o carro chefe da suíte CIFS. Estes são fornecidos pelo smbd, o SMB Daemon. Smbd também lida com o modo de autenticação e autorização. Já as outras duas peças CIFS, resolução de nomes e de navegação, são tratados pelo nmbd. Estes dois serviços envolvem basicamente a gestão e distribuição de listas de nomes NetBIOS. A resolução de nomes assume duas formas: de broadcast e ponto-a-ponto. A máquina pode utilizar qualquer um ou ambos estes métodos, dependendo da sua configuração. (SAMBA.ORG-2, 2013) Samba 4 O samba 4 AD é a evolução de suas versões anteriores. Com o passar de um trabalho de dez anos, a equipe do Samba incluí-o junto com sua suíte de servidor de arquivos, impressão e autenticação para cliente do Microsoft Windows. A primeira implementação de software livre de protocolos do AD da Microsoft. É compatível para todas as versões de clientes Microsoft Windows atualmente suportada. (SAMBA.ORG- 3, 2013). O Samba é mantido por uma equipe, um grupo mundial de colaboradores, profissionais de informática, que trabalham juntos através da internet, produzindo os serviços que englobam todo o Samba. Mantendo constantemente atualizado os seus repositórios. (SAMBA.ORG-4, 2013). O serviço AD é bem utilizado em ambientes de TI corporativo, ele é o coração para implementações de Serviço de Diretório. O Samba 4 continua a fornecer todas suas funções das versões anteriores, para que elas funcionem, deve ser adicionado em seu arquivo de configuração, smb.conf, os parâmetros para elas entrarem em vigor. O servidor Samba 4 apresenta eficiência e flexibilidade, com sua interface de programação Python e um kit de ferramentas de administração que ajuda o pessoal de TI nas implementações corporativas. (SAMBA.ORG-3, 2013).

8 O Samba 4 AD, foi desenvolvido com o apoio da Microsoft, que disponibilizou publicando a documentação oficial do protocolo. A equipe Samba, tendo em mãos o material disponibilizado sobre AD da Microsoft, fez do Samba 4 uma ferramenta interoperacional. A Microsoft está envolvida em apoiar a interoperabilidade entre as plataformas. (SAMBA.ORG-3, 2013). Samba 4.0 permite a comunicação usando os protocolos SMB1, SMB2 e SMB3. Inclui servidor de diretório LDAP, servidor de autenticação Kerberos, servidor DNS dinâmico seguro, servidor SMB/CIFS e implementações para todo procedimento remoto necessário. Também oferece tudo que é imprescindível para servir como um Active Directory Domain Controller. (SCHNEIDER, 2012). Além dos serviços citados acima, o Samba 4 AD oferece outros recursos como: Diretiva de Grupo, Perfis Móveis, ferramentas de administração do Windows e integrase com o Microsoft Exchange e serviços compatíveis com software livre como OpenChange. Também pode ser associado a um domínio existente do AD da Microsoft, da mesma forma, um serviço de AD da Microsoft pode estar associado como membro de um Samba 4 AD. O que mostra uma verdadeira interoperabilidade entre Microsoft e Samba. (SAMBA.ORG-3, 2013). Samba 4 AD também vem com uma melhoria do winbind, que é um daemon que permite servidores de arquivos Linux, integrarem-se facilmente em serviços do AD, sendo compatível tanto com Microsoft AD e Samba 4 AD. (SAMBA.ORG-3, 2013). O Samba 4 possibilita a integração de outros serviços de rede junto ao AD, como: , Web, Proxy, entre outros. Desta forma, centralizando vários serviços, e assim, facilitando na hora da manutenção. 4. Materiais e Métodos A metodologia científica segundo Gil (2010) baseia-se em vários tipos de pesquisas, que são pontos cruciais para a elaboração de trabalhos científicos. Conforme Gil (2010, p. 1) a pesquisa pode ser definida como o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. A pesquisa em si, busca obter o conhecimento sobre um determinado assunto. Eleva várias técnicas de investigação para colher dados válidos de fontes seguras para a elaboração de trabalhos Métodos Elaborou-se este artigo através de estudos bibliográficos. Conforme descrito por Marconi e Lakatos (2012), a pesquisa bibliográfica são fontes de outros autores que já foram publicadas em relação ao tema sobre o qual realiza-se a pesquisa. Essas publicações são encontradas de várias formas como, em jornais, livros, artigos, monografias, materiais disponibilizados pela internet, entre outros. Isso possibilita o pesquisador a obter contato direto com todas essas opções, para fins de coletar informações para poder transcrever seu trabalho. O embasamento teórico de pesquisa deste artigo teve sua referência baseada em livros, artigos e sites. Desta forma coletando informações importantes para servir como fundamentação teórica para o artigo.

9 4.2. Materiais O ambiente utilizado para fins de estudos e práticas deste artigo é baseado em um ambiente virtual. Utilizou-se software Oracle VM VirtualBox versão 4.3.2, que é uma ferramenta grátis que possibilita a simulação de computadores reais em máquinas virtuais. O Quadro 1 específica a lista com os Sistemas Operacionais e suas respectivas funções. Quadro 1. Sistemas Operacionais Utilizados. Sistemas Operacionais Linux Debian 7 Wheezy x64 Linux Ubuntu Server LTS x64 Linux Ubuntu Desktop LTS x64 Windows 8 Pro x64 Windows 7 Pro x64 Utilizações Servidor Samba 4 AD Servidor Internet, DHCP e Proxy Squid Cliente do AD Cliente do AD Máquina utilizada para gerenciar o Samba 4 AD e também é cliente do AD O Quadro 2 a seguir detalha quais serviços de rede Linux que foram utilizados para a aplicação prática do artigo bem como as versões que foram utilizadas. Serviços 4.3. Modelo Proposto Quadro 2. Serviços Linux Utilizados. Versões Isc-dhcp-server 4.1 Squid cache Iptables Samba A implementação deste artigo será realizada em um ambiente virtual de testes, posteriormente podendo ser aplicada em empresas, que carecem de um Serviço de Diretório, disponível para sua rede local, com a vantagem de ser implementado em software livre. Na Figura 1, será mostrado o modelo proposto para implementar uma rede local com Samba 4.

10 Figura 1. Implementação Samba Instalações Requisitos Antes de iniciar-se o processo de instalação, deve-se primeiro verificar os requisitos necessários para a implementação de um servidor Samba 4 AD. Seguindo a parte documentada do projeto Samba, instalando os pacotes, bibliotecas e preparando o sistema de arquivos, onde é necessário para que sua compilação seja feita com sucesso. Precisa-se também parar ou remover qualquer outra versão do samba anterior na máquina em que será instalado o Samba 4 AD, evitando assim conflitos de configurações mais tarde.

11 O primeiro passo é instalar todas as bibliotecas e programas recomendados conforme os requisitos. Para distribuições Debian ou Ubuntu, devem-se instalar as seguintes bibliotecas com o seguinte comando, conforme mostra a Figura 2. (SAMBA.ORG-5, 2013). Para usar os recursos avançados do Samba 4, precisa-se que o sistema de arquivos tenha suporte a permissões adicionais como: xattr e acl, tanto para o usuário, como também ao sistema de arquivos. Se o sistema de arquivos que estiver sendo usado for do tipo ext3 ou ext4 precisa-se incluir essas opções no arquivo de configuração /etc/fstab, conforme o exemplo abaixo: /dev/hda3 /home ext3 user_xattr,acl,barrier= Download e Instalação Figura 2. Dependências para Samba 4. Para fazer download da última versão do Samba 4 basta acessar a página principal do site do projeto samba.org como mostra a Figura 3.

12 Após o término do download, entre no local onde foi salvo o Samba 4, para dar início ao processo de compilação e instalação. Descompacte o arquivo, após ser extraído, acesse a pasta que contém todos os arquivos necessários para a instalação. Lembrando que para instalar, o usuário tem que ter permissão do root. O processo de instalação é manual, o samba por padrão será instalado em /usr/local/samba podendo também ser direcionado a outro local no momento de sua configuração. (SAMBA.ORG-6, 2013). Os comandos e outros detalhes sobre a instalação encontram-se na página oficial do projeto samba.org. Primeiro comando./configure a ser digitado no Shell que vai fazer a configuração de todos os pacotes do Samba 4, o segundo comando a ser digitado é make que compila todo o projeto gerando os binários para a instalação e por último o comando make install que fará a instalação. (SAMBA.ORG-6, 2013) Configurações Figura 3. Download do Samba 4. Para o funcionamento correto do Samba 4 AD é preciso alguns ajustes para não acontecer erros. Necessita-se fazer uma alteração no arquivo hosts do Linux que fica localizado em /etc/hosts. Conforme mostra a Figura 4.

13 Figura 4. Arquivo hosts. A terceira e quarta linha do arquivo visto na Figura 4, devem ser acrescentadas. A terceira linha corresponde ao endereço IP do servidor Samba 4, seguido do nome do hostname e o domínio utilizado no Samba 4 AD. O próximo passo é a configuração do arquivo resolv.conf, que tem a função configurar a resolução de nomes para a máquina local. Este arquivo fica localizado dentro do diretório /etc, como ilustrado na Figura 5. Figura 5. Arquivo resolv.conf. Seguindo o processo de configuração, deve-se acrescentar a seguinte linha que encontra-se destacada na Figura 6, no arquivo.bashrc que fica dentro de /root/.bashrc, facilitando desta forma o trabalho com o Samba para o administrador da rede. Figura 6. Arquivo.bashrc. O AD requer uma sincronização de tempo exato entre os clientes e o controlador de domínio (DC). Recomenda-se a instalação do NTP para gerenciar a sincronização entre ambos. (SAMBA.ORG-7, 2013).

14 Provisionamento Para efeitos de teste, adotaram-se as seguintes configurações para o Samba 4: Hostname do Servidor: debianad; DNS Domain Name: srvad.com; NT4 Domain Name: srvad; Endereço IP: ; Função do Servidor: DC. O provisionamento cria um banco de dados, que é usado quando se está configurando o Samba 4 pela primeira vez, em seu próprio domínio. Para poder inicializar o domínio, deve-se estar com privilégios de usuário root. O seguinte comando: samba-tool domain provision --use-rfc interactive, é usado para criar o AD de forma interativa como mostra a Figura 7. (SAMBA.ORG-7, 2013). Figura 7. Provisionamento do AD. A Figura 8 mostra o final do comando disparado mostrado anteriormente na Figura 7, com os detalhes finais sobre Active Directory Domain Controller. Figura 8. Detalhes do provisionamento. Uma configuração de DNS de trabalho é essencial para o funcionamento correto do Samba 4 AD. Sem as entradas DNS corretas, Kerberos não irá funcionar, o que significa que muitas das características básicas também virão a falhar. Para o provisionamento para fins de teste, utilizou-se o DNS interno do Samba 4 que é o padrão, lembrando que para usar o Samba interno não deve ter mais nenhum outro programa de gerenciamento de DNS em uso. (SAMBA.ORG-7, 2013).

15 Após o processo estar quase completo, deve-se mover ou apagar o arquivo krb5.conf que encontra-se no diretório /etc, criado no momento da instalação das dependências do Samba 4 AD. Depois basta copiar o arquivo, que foi criado junto ao provisionamento do Domínio do Samba 4 AD, que é o arquivo de configuração do Kerberos. Encontra-se no diretório /usr/local/samba/private/ com o nome krb5.conf. conforme mostra a Figura 9. (SAMBA.ORG-7, 2013). Para finalizar, deve-se adicionar a linha /usr/local/samba/sbin/samba ao arquivo /etc/rc.local, desta forma quando o sistema operacional for reiniciado ou ligado, o serviço do Samba 4 AD inicializará sem a intervenção do usuário (administrador) Ingressando Clientes ao Samba 4 AD Figura 9. Arquivo do kerberos. O AD é um serviço de rede, que permite ao administrador gerenciar de forma centralizada toda sua rede. Para permitir que clientes ingressem em um Samba 4 AD ou até mesmo em um Microsoft AD, é preciso associar o computador cliente a algumas configurações primárias, que são: configurar o DNS para responder ao Servidor AD, verificar-se a data, hora e fuso horário estão sincronizados com AD e por último juntarse ao domínio. (SAMBA.ORG-8, 2013). Clientes Linux também podem fazer parte do AD Samba 4, só que o processo para ingressar máquinas Linux ao AD é mais complexo. No decorrer deste artigo, ingressaram-se clientes Linux ao AD para fins de testes, porém este processo não será detalhado neste artigo. Ingressando cliente Windows 8 ao domínio: 1. Entre nas propriedades de meu computador; 2. Encontre a opção com o dizer (Nome do computador, domínio e configurações de grupo de trabalho) e clique em alterar configurações; 3. Na guia nome do computador clique em alterar; 4. Na opção membro de, marque a opção Domínio e digite o domínio do AD, exemplo SRVAD.COM em caixa alta e clique em OK; 5. Encontrando o AD vai aparecer uma tela pedindo login e senha, para ingressar informe o usuário administrador do AD e sua senha e aperte o botão OK; 6. Irá aparecer uma mensagem de boas vindas ao domínio, em seguida será solicitado para reiniciar o sistema.

16 Após o sistema ser reiniciado, basta fazer o login do domínio com seu usuário do AD. A Figura 10 ilustra como ingressar um cliente Windows 8 ao AD Gerenciando Samba 4 AD A gestão do Samba 4 AD, pode ser feita através das ferramentas administrativas remota do Windows, sendo disponibilizadas de forma gratuita no site da Microsoft. Para fazer a gerência do Samba 4 AD, a máquina a qual vai ser utilizada, tem que estar ingressada ao mesmo, e com direitos administrativos, então deve-se baixar e instalar as ferramentas administrativas referentes à versão do Sistema Operacional. (SAMBA.ORG-9, 2013). O Samba 4 também possibilita a gerência por meio de sua ferramenta de gestão samba-tool, que disponibiliza vários recursos, como adicionar e remover usuários, criar e gerenciar grupos, fazer a gerência do DNS, entre outros Outros Serviços Utilizaram-se outros serviços de rede local para o desenvolvimento deste artigo, sendo eles: DHCP, Iptables e Proxy Squid Cache, instalados na máquina com Sistema Operacional Ubuntu Server. Não será descrito o processo de instalação e configuração, pois eles não são o foco deste artigo. Será exposta somente uma cópia dos arquivos de configuração de cada serviço. DHCP - /etc/dhcp/dhcpd.conf ddns-update-style none; default-lease-time 600; max-lease-time 7200; authoritative; Figura 10. Cliente Windows 8. Quadro 3. Configuração DHCP

17 subnet netmask { range ; option routers ; option domain-name-servers , ; option broadcast-address ; option domain-name "srvad.com"; } host AD { hardware ethernet 08:00:27:92:06:18; fixed-address ; } Squid Cache - /usr/local/squid/etc/squid.conf # # Recommended minimum configuration: # visible_hostname servidor1.srvad.com cache_effective_user squid cache_effective_group squid Quadro 4. Configuração Squid. # Example rule allowing access from your local networks. # Adapt to list your (internal) IP networks from where browsing # should be allowed acl localnet src /8 # RFC1918 possible internal network acl localnet src /12 # RFC1918 possible internal network acl localnet src /16 # RFC1918 possible internal network acl localnet src fc00::/7 # RFC 4193 local private network range acl localnet src fe80::/10 # RFC 4291 link-local (directly plugged) machines acl SSL_ports port 443 acl Safe_ports port 80 # http acl Safe_ports port 21 # ftp acl Safe_ports port 443 # https acl Safe_ports port 70 # gopher acl Safe_ports port 210 # wais acl Safe_ports port # unregistered ports acl Safe_ports port 280 # http-mgmt acl Safe_ports port 488 # gss-http acl Safe_ports port 591 # filemaker acl Safe_ports port 777 # multiling http acl CONNECT method CONNECT ####Fora do Cache acl NOCACHE url_regex -i "/usr/local/squid/etc/outcache"

18 no_cache deny NOCACHE ################################################### # autenticacao no AD ################################################### auth_param ntlm program /usr/bin/ntlm_auth --helper-protocol=squid-2.5-ntlmssp auth_param ntlm children 30 auth_param basic program /usr/bin/ntlm_auth --helper-protocol=squid-2.5-basic auth_param basic children 5 auth_param basic realm Squid proxy-caching web server auth_param basic credentialsttl 2 hours ##### Faz a verificação por grupos no AD ##### external_acl_type grupo_ad %LOGIN /usr/local/squid/libexec/ext_wbinfo_group_acl ###GRUPOS#### acl grp-diretores external grupo_ad diretores acl grp-funcionarios external grupo_ad funcionarios acl grp-estagiarios external grupo_ad estagiarios ### sites que estao liberados ### acl sites_liberados url_regex -i "/usr/local/squid/etc/sites_liberados" ### fechar facebook ### acl face dstdomain.facebook.com acl face dstdomain.facebook.com.br acl face dstdomain acl face dstdomain acl web src "/usr/local/squid/etc/ips_liberados" http_access allow web http_access allow grp-diretores http_reply_access deny face http_access deny CONNECT face http_access allow grp-funcionarios!face http_access deny grp-estagiarios!sites_liberados http_access allow sites_liberados # # Recommended minimum Access Permission configuration: # # Deny requests to certain unsafe ports http_access deny!safe_ports # Deny CONNECT to other than secure SSL ports http_access deny CONNECT!SSL_ports

19 # Only allow cachemgr access from localhost http_access allow localhost manager http_access deny manager # We strongly recommend the following be uncommented to protect innocent # web applications running on the proxy server who think the only # one who can access services on "localhost" is a local user #http_access deny to_localhost # # INSERT YOUR OWN RULE(S) HERE TO ALLOW ACCESS FROM YOUR CLIENTS # # Example rule allowing access from your local networks. # Adapt localnet in the ACL section to list your (internal) IP networks # from where browsing should be allowed # And finally deny all other access to this proxy #http_access allow localnet http_access allow localhost http_access deny all # Squid normally listens to port 3128 http_port 3128 # Uncomment and adjust the following to add a disk cache directory. cache_dir ufs /usr/local/squid/var/cache/squid # Leave coredumps in the first cache dir coredump_dir /usr/local/squid/var/cache/squid # # Add any of your own refresh_pattern entries above these. # refresh_pattern ^ftp: % refresh_pattern ^gopher: % 1440 refresh_pattern -i (/cgi-bin/ \?) 0 0% 0 refresh_pattern. 0 20% 4320 Iptables - /etc/init.d/firewall.sh # Inicio echo " Iniciando o Firewall " #Zerando o Firewall iptables -F Quadro 5. Configuração iptables.

20 iptables -X iptables -t nat -F iptables -t nat -X #Carrega os modulos modprobe iptable_nat echo 1 > /proc/sys/net/ipv4/ip_forward # Compartilha a conexão mascarando iptables -t nat -A POSTROUTING -o eth0 -j MASQUERADE # Nat redirecionamento de Portas iptables -t nat -A PREROUTING -i eth1 -p tcp --dport 80 -j REDIRECT --to-port 3128 iptables -t nat -A PREROUTING -i eth1 -p tcp --dport 443 -j REDIRECT --to-port Resultados Neste artigo foram alcançados os objetivos propostos. Sendo estes, implementação de um Serviço de Diretório envolvendo Samba 4, a integração de um serviço de rede local ao AD, sendo que todos estes serviços são exemplos de software livre. Após o processo de instalação do Samba 4 AD, também houve a necessidade de configurar o serviço DHCP e Squid. Um detalhe a considerar, para que o serviço Proxy funcione corretamente, é que a máquina que está instalada o Squid Cache deve estar integrada ao AD. Desta forma, quando os usuários autenticados no AD forem utilizar a Internet, o Squid irá interagir fazendo a verificação junto aos grupos criados no Samba 4 AD. A Figura 11 ilustra o processo quando o cliente utiliza a Internet. Figura 11. Squid integrado ao AD Unidades Organizacionais Foram criadas Unidades Organizacionais (OUs), que facilitam a organização dentro de um domínio. Para estudos foi criada a OU de nome empresa, a partir dela, criaram-se mais três, diretores, funcionários e estagiários.

Squid autenticando em Windows 2003 com msnt_auth

Squid autenticando em Windows 2003 com msnt_auth 1 de 6 28/3/2007 11:44 Squid autenticando em Windows 2003 com msnt_auth Autor: Cristyan Giovane de Souza Santos Data: 26/02/2007 Configurando o msnt_auth Primeiramente

Leia mais

Apostila sobre Squid

Apostila sobre Squid CURSO : TECNÓLOGO EM REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA : SISTEMAS OPERACIONAIS DE REDES PROFESSOR: LUCIANO DE AGUIAR MONTEIRO Apostila sobre Squid 1. SQUID O Squid é um servidor Proxy e cache que permite

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Prof: Jéferson Mendonça de Limas Ementa Configuração de Serviços de Redes; Servidor Web; Servidor de Arquivos; Domínios; Servidor de Banco de Dados; SSH; SFTP;

Leia mais

SERVIDOR PROXY COM SQUID3 em GNU/Linux Debian7 Por: Prof. Roitier Campos Gonçalves

SERVIDOR PROXY COM SQUID3 em GNU/Linux Debian7 Por: Prof. Roitier Campos Gonçalves SERVIDOR PROXY COM SQUID3 em GNU/Linux Debian7 Por: Prof. Roitier Campos Gonçalves O Proxy é um serviço de rede através do qual é possível estabelecer um alto nível de controle/filtro de tráfego/conteúdo

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

Curitiba, Novembro 2010. Resumo

Curitiba, Novembro 2010. Resumo Implementando um DMZ Virtual com VMware vsphere (ESXi) André Luís Demathé Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Novembro 2010 Resumo A utilização de

Leia mais

4. Abra o prompt de comando acesse o diretório c:\squid\sbin e digite os comandos abaixo:

4. Abra o prompt de comando acesse o diretório c:\squid\sbin e digite os comandos abaixo: Tutorial Squid Tutorial Squid Tutorial apresentado para a disciplina de Redes de Computadores, curso Integrado de Informática, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA Campus

Leia mais

Disciplina: Fundamentos de serviços IP Alunos: Estevão Elias Barbosa Lopes e Leonardo de Azevedo Barbosa

Disciplina: Fundamentos de serviços IP Alunos: Estevão Elias Barbosa Lopes e Leonardo de Azevedo Barbosa Disciplina: Fundamentos de serviços IP Alunos: Estevão Elias Barbosa Lopes e Leonardo de Azevedo Barbosa DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol (Protocolo de configuração dinâmica de host), é um protocolo

Leia mais

Squid autenticado no Active Directory com Winbind

Squid autenticado no Active Directory com Winbind 1 de 5 4/2/2007 14:40 Squid autenticado no Active Directory com Winbind Autor: Anderson Leite Data: 30/08/2006 Introdução Este é um artigo bem resumido, entrando em detalhes somente

Leia mais

Compartilhamento de arquivos e diretórios

Compartilhamento de arquivos e diretórios Compartilhamento de arquivos e diretórios O compartilhamento de arquivos e diretórios foi uma das aplicações que motivou o desenvolvimento inicial da rede de computadores. 19 E xistem dois protocolos de

Leia mais

Servidor Proxy. Firewall e proxy

Servidor Proxy. Firewall e proxy Curso: Gestão em Tecnologia da Informação - Matutino Professor: Marissol Martins Barros Unidade Curricular: Fundamentos de Serviços IP Alunos: Matheus Pereira de Oliveira, Tárik Araujo de Sousa, Romero

Leia mais

Segurança de Redes. Aula extra - Squid. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Aula extra - Squid. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Aula extra - Squid Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Instalação Instalando o Squid : # yum install squid Iniciando o serviço: # /etc/init.d/squid start Arquivos/Diretórios: /etc/squid/squid.conf

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais Serviço Proxy - SQUID Prof. Bruno Pereira

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02 Prof. André Lucio Competências da aula 2 Instalação e configuração dos sistemas operacionais proprietários Windows (7 e

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Uso de softwares Open Source na autenticação de acesso WEB em controlador de domínio NT

Uso de softwares Open Source na autenticação de acesso WEB em controlador de domínio NT Uso de softwares Open Source na autenticação de acesso WEB em controlador de domínio NT Aluno: Angelo Alberto Delben Filho, Orientador: Elio Lovisi Filho. Departamento de Ciência da Computação Faculdade

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Criando um Servidor Proxy com o SQUID. Roitier Campos

Criando um Servidor Proxy com o SQUID. Roitier Campos Criando um Servidor Proxy com o SQUID Roitier Campos Roteiro Redes de Computadores e Internet Arquitetura Cliente/Servidor e Serviços Básicos de Comunicação Componentes do Servidor e Configuração da VM

Leia mais

Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM

Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM Revisando Instalação do Squid - # apt-get install squid Toda a configuração do Squid é feita em um único arquivo, o "/etc/squid/squid.conf". Funcionamento

Leia mais

5/7/2010. Apresentação. Web Proxy. Proxies: Visão Geral. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

5/7/2010. Apresentação. Web Proxy. Proxies: Visão Geral. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Servidor Proxy Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Proxy (Capítulo

Leia mais

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Porque usar o Servidor Samba Server? Compartilhamento de arquivos; Servidor de arquivos;

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

SQUID Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com

SQUID Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com Linux Rodrigo Gentini gentini@msn.com SQUID é um Proxy cachê para WEB que suporta os protocolos HTTP, HTTPS, FTP, GOPHER entre outros. Ele reduz o uso da banda da internet e melhora a respostas das requisições

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual Definindo DHCP: DHCP O DHCP é a abreviatura de Dynamic Host Configuration Protocol é um serviço utilizado para automatizar as configurações do protocolo TCP/IP nos dispositivos de rede (computadores, impressoras,

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Aula 10 Proxy cache Squid

Aula 10 Proxy cache Squid 1 Aula 10 Proxy cache Squid 10.1 Proxy Um proxy é um servidor HTTP com características especiais de filtragem de pacotes que tipicamente são executados em uma máquina (com ou sem firewall). O proxy aguarda

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Prof.: Roberto Franciscatto Introdução FIREWALL Introdução Firewall Tem o objetivo de proteger um computador ou uma rede de computadores,

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

TUTORIAL DE SQUID Versão 3.1

TUTORIAL DE SQUID Versão 3.1 TUTORIAL DE SQUID Versão 3.1 Autora: Juliana Cristina dos Santos Email: professora.julianacristina@gmail.com 1 SERVIDOR PROXY Serviço proxy é um representante do cliente web, que busca na Internet o conteúdo

Leia mais

Pré-requisitos e passos iniciais. Topologia visual

Pré-requisitos e passos iniciais. Topologia visual Pré-requisitos e passos iniciais Resolvi escrever este artigo por 2 razões, a primeira é que o mikrotik (do qual sou fã incondicional) não é um bom sistema para proxy (exclusivamente na minha opinião)

Leia mais

Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux

Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux Conteúdo do pacote de 05 cursos hands-on Linux Linux Básico Linux Intermediário Proxy Squid Firewall Netfilter / Iptables Samba 4 C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on L i n u x 2 Sumário 1 Linux

Leia mais

FPROT. Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt. SENAC TI Fernando Costa

FPROT. Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt. SENAC TI Fernando Costa FPROT Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt SENAC TI Fernando Costa Samba Introdução Fundamentos para criação de um domínio e serviços Windows em um servidor Linux. Motivação: O convívio

Leia mais

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Março de 2013 1 P á g i n a Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão Geral...

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

TUTORIAL INSTALAÇÃO UBUNTU SERVER COM THUNDERCACHE

TUTORIAL INSTALAÇÃO UBUNTU SERVER COM THUNDERCACHE TUTORIAL INSTALAÇÃO UBUNTU SERVER COM THUNDERCACHE Olá! A Idéia básica deste tutorial é fornecer, da forma mais detalhada possível, todos os passos para uma instalação com sucesso do sistema de cache Thunder

Leia mais

Transferência de Arquivos FTP

Transferência de Arquivos FTP FPROT FTP e DHCP FTP Arquitetura Transferência de Arquivos FTP Transferência de arquivos em sistemas remotos Utiliza o protocolo FTP sobre uma conexão TCP Estabelece conexão TCP com um servidor. Serviço

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian.

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Pré requisitos para pratica desse tutorial. Saber utilizar maquina virtual no virtual Box ou vmware. Saber instalar ubuntu ou debian na maquina virtual.

Leia mais

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Objetivos: Explorar as configurações para replicação de domínios com Active Directory; Configurar os serviços DHCP e WINS em servidores Windows; Ferramentas

Leia mais

Samba - Aspectos Avançados

Samba - Aspectos Avançados Samba - Aspectos Avançados Por Conectiva Informática e Time de Desenvolvimento do Samba Certamente, no momento em que iniciamos a implantação de uma rede, nos deparamos com diversos aspectos não previstos,

Leia mais

Segurança em Redes e Sistemas Operacionais

Segurança em Redes e Sistemas Operacionais Segurança em Redes e Sistemas Operacionais Segurança - ale.garcia.aguado@gmail.com 1 Agenda Preparação do Ambiente Como é o Ambiente em que vamos trabalhar? Visão Macro Passos... Segurança - ale.garcia.aguado@gmail.com

Leia mais

Tutorial Servidor Proxy com Squid baseado em Linux Acadêmicos : Felipe Zottis e Cleber Pivetta. Servidor Proxy

Tutorial Servidor Proxy com Squid baseado em Linux Acadêmicos : Felipe Zottis e Cleber Pivetta. Servidor Proxy Tutorial Servidor Proxy com Squid baseado em Linux Acadêmicos : Felipe Zottis e Cleber Pivetta Servidor Proxy Um servidor Proxy possui a finalidade de possibilitar que máquinas contidas em uma determinada

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Operacional Aberto (Linux) AULA 06. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Operacional Aberto (Linux) AULA 06. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Operacional Aberto (Linux) AULA 06 Prof. André Lucio Competências da Aula 6 Serviço DHCP Serviço FTP Serviço Samba Serviço Apache Serviço Firewall Aula

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

CONSTRUINDO UM FIREWALL NO LINUX CENTOS 5.7

CONSTRUINDO UM FIREWALL NO LINUX CENTOS 5.7 CONSTRUINDO UM FIREWALL NO LINUX CENTOS 5.7 Gerson Ribeiro Gonçalves www.websolutti.com.br Sumário 1 INSTALANDO CENTOS...3 2 INSTALANDO SERVIÇOS...15 3 COMANDOS BÁSICO DO EDITOR VIM...15 4 CONFIGURANDO

Leia mais

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19 O autor... 11 Agradecimentos... 12 Apresentação... 13 Introdução... 13 Como funcionam as provas de certificação... 13 Como realizar uma prova de certificação... 13 Microsoft Certified Systems Engineer

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DHCP Podemos configurar a rede de um cliente para obter IP dinamicamente ou configurar um IP estático. Encontramos configuração dinâmica em modems de banda larga, redes Wi-Fi etc, pois é mais prático para

Leia mais

Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Proxy SQUID Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Proxy (definições) O objetivo principal de um servidor proxy é possibilitar que máquinas de uma rede privada

Leia mais

Instalação e Configuração Iptables ( Firewall)

Instalação e Configuração Iptables ( Firewall) Instalação e Configuração Iptables ( Firewall) Pág - 1 Instalação e Configuração Iptables - Firewall Desde o primeiro tutorial da sequencia dos passo a passo, aprendemos a configurar duas placas de rede,

Leia mais

Relató rió LikeWise, FTP e DHCP. Instalação e Configuração de Servidores de Rede

Relató rió LikeWise, FTP e DHCP. Instalação e Configuração de Servidores de Rede Relató rió LikeWise, FTP e DHCP INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Instalação e Configuração de Servidores de Rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice

Leia mais

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil Apresentação Líder em Soluções Samba 4 no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp Aula 2 Servidor DHCP 2.1 dhcp DHCP é abreviação de Dynamic Host Configuration Protocol Protocolo de Configuração de Host (computadores) Dinâmico.Em uma rede baseada no protocolo TCP/IP, todo computador

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS SOMBRIO RONALDO BORGES DE QUADROS SERVIÇOS DE REDE

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS SOMBRIO RONALDO BORGES DE QUADROS SERVIÇOS DE REDE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS SOMBRIO RONALDO BORGES DE QUADROS SERVIÇOS DE REDE Sombrio (SC) 2011 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE

Leia mais

AS CONSULTORIA & TREINAMENTOS. Pacote VIP. Linux Básico Linux Intermediário Samba 4 Firewall pfsense

AS CONSULTORIA & TREINAMENTOS. Pacote VIP. Linux Básico Linux Intermediário Samba 4 Firewall pfsense Pacote VIP Linux Básico Linux Intermediário Samba 4 Firewall pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on L i n u x 2 Sumário 1 Linux Básico... 3 2 Conteúdo Samba 4 (Servidor de arquivos / Controlador

Leia mais

Segurança Informática e nas Organizações. Guiões das Aulas Práticas

Segurança Informática e nas Organizações. Guiões das Aulas Práticas Segurança Informática e nas Organizações Guiões das Aulas Práticas João Paulo Barraca 1 e Hélder Gomes 2 1 Departamento de Eletrónica, Telecomunicações e Informática 2 Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Conteúdo Programático! Introdução ao Active Directory (AD)! Definições! Estrutura Lógica! Estrutura Física! Instalação do Active Directory (AD)!

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 Objetivo Esse artigo tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o Active Directory no Windows Server 2008. Será também apresentado

Leia mais

Instalação/Configuração Zentyal 2.2-3 no UBUNTU 10.04 LTS

Instalação/Configuração Zentyal 2.2-3 no UBUNTU 10.04 LTS Instalação/Configuração Zentyal 2.2-3 no UBUNTU 10.04 LTS INSTALAÇÃO Primeiro adicione na sua lista de fontes (/etc/apt/sources.list) este link: deb http://ppa.launchpad.net/zentyal/2.2/ubuntu lucid main

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Índice 1. Condições para acesso 2 2. Requisitos para conexão 2 3. Pré-requisitos para utilização do Applet Java com Internet Explorer versão 5.01

Leia mais

Proxyarp O Shorewall não exige qualquer configuração

Proxyarp O Shorewall não exige qualquer configuração SEGURANÇA Firewall fácil com o Shorewall Domando o fogo, parte 2 Na segunda parte de nosso tutorial de uso do poderoso Shorewall, aprenda a criar um firewall mais complexo e a proteger sua rede com muita

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

Sarg Proxy transparente

Sarg Proxy transparente Proxy Conteúdo Squid Proxy... 2 Instalar o squid... 4 Criando uma configuração básica... 5 Configurando o cache... 6 Adicionando restrições de acesso... 9 Bloqueando por domínio ou palavras... 9 Gerenciando

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Servidor Proxy/Cache (Squid) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Um servidor proxy/cache é bastante atrativo para as

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Macêdo Firmino Introdução à Disciplina (Ementa) Macêdo Firmino (IFRN) Sistemas Operacionais Novembro de 2012 1 / 9 Objetivos Conhecer os princípios básicos de um sistema operacional;

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LINUX ESSENTIALS Presencial (40h) - À distância (48h) Conhecendo um Novo Mundo Introdução ao GNU/Linux Distribuições GNU/Linux Linux Inside: Instalação Desktop Debian e CentOS Primeiros

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DE REDE

MANUAL DO USUÁRIO DE REDE MANUAL DO USUÁRIO DE REDE Armazenar registro de impressão na rede Versão 0 BRA-POR Definições de observações Utilizamos o seguinte ícone neste Manual do Usuário: Observações indicam como você deve reagir

Leia mais

Guia Rápido de Instalação

Guia Rápido de Instalação Guia Rápido de Instalação Conteúdo Passo 1 Download dos Arquivos de Instalação Passo 2 Tela de Boas Vindas Passo 3 Termos de Licença Passo 4 Local de Instalação Passo 5 Informações de Registro Passo 6

Leia mais

Manual de Acesso a Servidores SSH

Manual de Acesso a Servidores SSH UFF - Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Manual de Acesso a Servidores SSH Autor : Orientador: Vinicius

Leia mais

CONSTRUINDO UM FIREWALL NO LINUX DEBIAN 6.0

CONSTRUINDO UM FIREWALL NO LINUX DEBIAN 6.0 CONSTRUINDO UM FIREWALL NO LINUX DEBIAN 6.0 Gerson Ribeiro Gonçalves www.websolutti.com.br Página 1 Sumário 1 INSTALANDO DEBIAN...3 2 COMANDOS BÁSICO DO EDITOR VIM...11 3 CONFIGURANDO IP ESTÁTICO PARA

Leia mais

DHCP: Instalando e configurando

DHCP: Instalando e configurando Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos bancários DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01 Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Serviços DHCPv6 Firewall DNS NTP HTTP Proxy Proxy Reverso SMB CIFS SSH... Implementações BIND Squid IPv6 desde Julho/2001 IPv6 nativo desde Outubro/2008 BIND 9.1.3

Leia mais

Arquivo smb.conf comentado

Arquivo smb.conf comentado Arquivo smb.conf comentado ######## Seção global #### Define configurações como nome do servidor, grupo de trabalho, e outras. #### Opções definidas aqui tem efeito em todos compartilhamentos, exceto quando

Leia mais

Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas 1- Para realizar a configuração de redirecionamento de portas o computador deve estar conectado via cabo Ethernet em uma das portas LAN do

Leia mais

Depois que instalamos o Squid vamos renomear o arquivo de configuração para criarmos um do zero.

Depois que instalamos o Squid vamos renomear o arquivo de configuração para criarmos um do zero. Pessoal nesse artigo vou mostrar um pouco do Squid, um servidor de Proxy, ele trabalha como saída principal da rede, com isso podemos centralizar nosso foco em segurança (políticas de acesso, autenticação,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 04/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Definição O Firewal é um programa que tem como objetivo proteger a máquina contra acessos indesejados, tráfego indesejado, proteger serviços que estejam rodando

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA #20 Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA VITEC Versão 1.0 Agosto/2007 1 Revisões Versão Data Descrição 1.0.0 03/08/2007 Elaboração do Manual. Página 2 de 18 Índice 1 REVISÕES... 2 2 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

DHCP. Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius

DHCP. Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius DHCP Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius Histórico O termo DHCP significa Dynamic Host Configuration Protocol Começou a se tornar popular

Leia mais

Instalação e configuração do serviço proxy Squid.

Instalação e configuração do serviço proxy Squid. Serviço proxy Squid agosto/2015 Instalação e configuração do serviço proxy Squid. 1 Serviço proxy Serviço proxy é um representante do cliente web, que busca na internet o conteúdo requisitado por este.

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática DCHP Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 5 de novembro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 5 de novembro de 2014 1 / 14 Introdução

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS (DFS) Visão geral sobre o Sistema de Arquivos Distribuídos O Sistema de Arquivos Distribuídos(DFS) permite que administradores do

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SYSTEM

DNS DOMAIN NAME SYSTEM FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 Índice 1 DNS DOMAIN NAME SYSTEM 3 2 PROXY SERVER 6 3 DHCP DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL 7 4 FIREWALL 8 4.1 INTRODUÇÃO 8 4.2 O QUE É FIREWALL 9 4.3 RAZÕES PARA UTILIZAR

Leia mais

4.0 SP2 (4.0.2.0) maio 2015 708P90911. Xerox FreeFlow Core Guia de Instalação: Windows 8.1 Update

4.0 SP2 (4.0.2.0) maio 2015 708P90911. Xerox FreeFlow Core Guia de Instalação: Windows 8.1 Update 4.0 SP2 (4.0.2.0) maio 2015 708P90911 2015 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Xerox, Xerox com a marca figurativa e FreeFlow são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais