CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS"

Transcrição

1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS OSI/ISO e TCP/IP são modelos de redes de computadores que contemplam serviços e protocolos para comunicação em geral. A esse respeito, julgue os itens a seguir. 51 A camada AAL5 do ATM parte do pressuposto de que todas as células pertencentes a uma única mensagem trafegam sequencialmente e de que as funções de controle estão incluídas nas camadas superiores da aplicação transmissora, ao contrário do que ocorre na camada AAL3/4 do ATM. 52 Um protocolo é um conjunto de regras que rege a comunicação entre entidades pares. Em uma comunicação entre dois hosts A e B no padrão OSI/ISO, existem várias entidades pares comunicantes. A primeira entidade de A que se comunica diretamente com a sua entidade par em B pertence à camada de transporte, em uma contagem de baixo para cima, enquanto as entidades de sessão são responsáveis pela gerência de diálogo entre A e B. 53 No SNMPv1, a interação entre agente e gerente pode ser iniciada por qualquer uma das partes, e a segurança das mensagens que chegam nos agentes pode incluir o uso de senha não criptografada. 54 Em redes de comutação por circuito com alocação de canais por multiplexação por divisão do tempo (TDM), o canal não fica dedicado a um par de usuários como acontece em redes de comutação de circuito com alocação de canais pela técnica de multiplexação por divisão de frequência (FDM). Portanto, a alocação de canais em redes de comutação por circuito com a técnica TDM assemelha-se ao método de alocação de canal e de transmissão usado nas redes de comutação ATM. 55 O Frame Relay é um protocolo orientado a conexão e contém, no seu cabeçalho de 2 bytes, um campo de 10 bits, para identificar o circuito virtual e um bit utilizado para indicar congestionamento no sentido oposto ao que está sendo seguido pelo pacote. 57 Se o segmento de rede local à esquerda de X for Ethernet ou Fast Ethernet, então a transmissão de uma informação com 3046 bytes de A para B provocará a geração de três quadros, e nenhum deles necessitará de caracteres de enchimento para alcançar o seu tamanho mínimo. 58 Se X for um roteador, então o repasse de dados de G para H pode ser mais rápido pela habilitação do mecanismo de comutação acelerada (cut-through switching) em X. 59 Se X for um comutador de nível 2, então esse equipamento deve possuir uma tabela de comutação que vincule endereços MAC às suas interfaces para minimizar as colisões típicas de hubs. Essa tabela é preenchida automaticamente a partir da identificação do endereço MAC de destino dos quadros que passam por X. A respeito da arquitetura TCP/IP e protocolos de roteamento dinâmico, julgue os itens seguintes. 60 Na transmissão de um pacote IP entre origem e destino, o cabeçalho do pacote sofre modificações a cada roteador intermediário, o que implica a necessidade de recalcular e preencher o campo de CRC a cada salto (hop). 61 Uma conexão TCP é inteiramente definida pelo IP da máquina local, pelo IP da máquina remota e pela porta do serviço que vai ser utilizada no computador de destino. 62 No modelo de referência TCP/IP, os protocolos da camada de transporte são orientados à conexão, enquanto o protocolo da camada de rede é não orientado à conexão. 63 Os pacotes IP versão 4 possuem cabeçalho cujo tamanho Na figura acima, os equipamentos A, B e C estão interconectados em rede local por um hub, assim como os equipamentos D, E e F. Esses hubs estão interligados entre si por um equipamento X e, também, a dois servidores de rede G e H. Considerando a figura e as informações acima apresentadas, julgue os itens de 56 a 59, referentes a tecnologia de rede local (LAN), dispositivos de rede, padrão Ethernet e suas variantes. 56 Se X for um equipamento de camada física (hub), o host A pode se comunicar normalmente com D, mesmo que as taxas de transmissão das respectivas LANs sejam diferentes entre si. mínimo é de 20 bytes e cujo tamanho máximo é de 60 bytes, enquanto a área de dados é variável, podendo o conjunto todo chegar até o limite de bytes. 64 O distance vector é um algoritmo de roteamento dinâmico que permite convergir (gerar rotas melhores) mais rapidamente no caso da inserção de novos roteadores na topologia que no caso de ocorrerem retiradas de um dos roteadores ativos. 6

2 Na configuração de rede da figura acima, todos os equipamentos funcionam com a pilha de protocolos TCP/IP, com IP na versão 4. Os equipamentos R e S são roteadores IP que interligam três segmentos de rede local Ethernet #1, #2 e #3, cada um com 29, 13 e 5 hosts, respectivamente. Os hosts X, Y, Z e W apresentados são exemplares das quantidades indicadas para os três segmentos de rede local. Considerando essas informações e a figura apresentada, julgue os itens seguintes. 65 Um pacote IP com TTL (time tollive) = 2 saindo de X para W será descartado antes de alcançar o destino, e um pacote ICMP com aviso acerca do fato será enviado para a origem. 66 Uma consulta ARP de X para os hosts Y e Z é encapsulada em um quadro Ethernet cujo endereço de origem é o MAC de X, e cujo endereço de destino é um endereço de multicast do qual Y e Z fazem parte. Na resposta à consulta, Y e Z devolvem uma resposta ARP diretamente para X com um quadro Ethernet cujos endereços são unicast. 67 Se uma única faixa de IPs classe B está disponível para distribuição entre os equipamentos, a máscara de sub-rede mais apropriada, dado o desperdício mínimo de endereços IP para os segmentos de LAN #1, #2 e #3, é , e , respectivamente. No que concerne à segurança, julgue os itens subsequentes. A adoção de um sistema de gestão de segurança da informação (SGSI) deve ser uma decisão estratégica para uma organização. Por sua vez, a forma de implantação do SGSI é influenciada por necessidades e objetivos, requisitos de segurança, processos empregados, e tamanho e estrutura da organização. Acerca desse assunto e com base na especificação de segurança da informação descrita na norma ISO 27001, julgue os itens a seguir. 72 Na fase de implementação e operação do SGSI, a organização deve executar procedimentos para prontamente determinar se as ações tomadas para solucionar uma violação de segurança foram eficazes, assim como implantar os controles selecionados para atender aos objetivos de controle. 73 Não é conveniente que os documentos requeridos pelo SGSI sejam distribuídos para todos os funcionários da organização, mesmo que estes possam contribuir com o seu conteúdo ou sintam-se responsáveis pela estratégia de segurança adotada na empresa. 74 Entre as etapas de monitoração de um SGSI, está prevista a construção de um texto com todos os objetivos de controle e seus respectivos controles. Essas informações farão parte da declaração de aplicabilidade que deve ser submetida à autorização e a posterior aprovação pela diretoria da empresa. RASCUNHO 68 O IPSec, no modo AH, é uma alternativa para construção de VPNs para a conexão segura entre pontos remotos na Internet. Essa configuração permite oferecer privacidade e integridade dos dados além da autenticação das fontes (origem e destino). Essas funcionalidades são alcançadas pela encriptação dos pacotes IP, com base nos parâmetros combinados entre as partes comunicantes. 69 Os firewalls que mantêm o estado das conexões atuam na camada de rede, mas podem tomar decisões com base em informações das camadas de transporte e aplicação. Por esse motivo, conseguem perceber mais facilmente as tentativas de DOS (denial of service) nos servidores protegidos por esse firewall. 70 Falsos positivos referem-se a ataques ocorridos e que são considerados como normais por um IDS (intrusion detection system). Nesse caso, os IDSs embasados em estatísticas de anomalias conseguem gerar uma quantidade menor de falsos positivos que os fundamentados em regras, por causa do controle das ACLs (access control lists). 71 O RSA é um algoritmo de criptografia que gera uma chave pública e uma privada, e essa última deve ser armazenada por uma autoridade certificadora (CA), que também possui um par de chaves pública e privada. A veracidade das informações fornecidas pela CA é comprovada por meio de um certificado digital. 7

3 No que se refere à construção de scripts em ambiente Linux, julgue os próximos itens. 75 Em máquinas Linux com terminal bourne shell, o programador pode alterar a variável de ambiente PS1 para especificar o caractere ou a frase que aparece na linha de comando do terminal onde fica o cursor para digitação de comandos. Da mesma forma, o programador pode alterar a variável de ambiente IFS para especificar os caracteres que indicam o término de uma palavra. 76 Em um script escrito em bourne shell, é possível substituir o comando echo c{ar,at,an,on}s por echo c{a{r,t,n},on}s e o comando cat $HOME/.bashrc > out 2>&1 por cat < $HOME/.bashrc 2&>1&> out, sem prejuízo para a lógica do programa, uma vez que esses comandos são equivalentes e geram os mesmos resultados. 77 Considere que um administrador de sistema tenha instalado várias linguagens de script em um servidor Linux, mas tenha fixado o bash shell como se fosse a linguagem de script de todos os usuários da máquina. Nesse caso, os eventuais scripts que forem construídos por um usuário em um terminal desse servidor devem seguir a sintaxe bash shell, a não ser que o administrador do sistema altere o perfil de log in do usuário para que este tenha acesso a consoles com o shell de sua preferência. A respeito do compartilhamento de recursos entre sistemas Windows e Linux e protocolos e serviços de rede usados nesses dois sistemas, julgue os itens subsequentes. 78 A declaração [printers] no arquivo smb.conf no Linux é o local em que se define o Samba como um servidor de impressão e de drivers de impressora para as estações Windows. Nesse caso, o arquivo a ser impresso é gerado no cliente e enviado diretamente para a impressora compartilhada já no formato adequado de impressão, sem a necessidade de um spool de impressão. 79 A decisão de se instalar um servidor Apache no modo MPM-prefork ou no modo MPM-worker depende da carga pretendida para esse servidor. No primeiro caso, o servidor Apache será formado por vários processos, um processo pai, que escuta as portas de conexão e os processos filhos, um para tratar cada conexão que chegar a esse servidor. No segundo caso, os processos filhos do servidor Apache habilitam várias threads para ampliar a quantidade de conexões simultâneas. 80 Clientes NIS e NFS comunicam-se com os seus respectivos servidores usando o XDR para representar os tipos de dados que trafegam entre as partes. Por sua vez, os servidores NIS e NFS devem ser previamente registrados em um serviço de nomes para que suas portas possam ser encontradas pelos seus respectivos clientes. 81 Samba refere-se a uma implementação do protocolo CIFS que, por sua vez, permite que máquinas Linux funcionem como servidoras para estações de trabalho Windows, com oferta de serviços de compartilhamento de pastas pelo daemon SMBD e resolução de nomes WINS pelo daemon NMBD. 82 Suponha que, em um servidor Windows, o comando ipconfig /all tenha sido acionado e o resultado desse comando tenha mostrado várias informações de rede, entre elas a informação de que esse servidor é um nó do tipo híbrido. Com base nessas informações, é correto concluir que esse servidor Windows está funcionando como cliente e servidor DHCP ao mesmo tempo. Suponha que um usuário tenha aberto um terminal em um computador com sistema operacional Microsoft e tenha executado o arquivo que contém o código abaixo, escrito segundo linguagem de script (BAT) para sistemas Windows. OFF 2 3 SET "A=0" 4 SET "B=1" 5 SET "L=10" 6 CALL:mB B,%A%,%L% 7 ECHO. N = %B%. 8 ECHO.&PAUSE&GOTO:eof 9 :mb 10 SETLOCAL 11 SET /a "X=%~1" 12 SET /a "Y=%~2" 13 SET /a "L =%~3" 14 SET /a "Z=X + Y" 15 IF /i %Z% LSS %L% CALL:mB Z,%X%,%L% 16 (ENDLOCAL 17 IF "%~1" NEQ "" SET "%~1=%Z%" 18 ) 19 GOTO:eof Com base nas informações apresentadas, julgue os itens que se seguem. 83 A execução desse script produzirá um valor menor que 16 para a variável N (linha 7). 84 Se o OFF (linha 1) for excluído, o valor da variável N não será impresso no terminal em que o script foi acionado. 85 Se o comando IF na linha 17 necessitasse de um ELSE, este deveria ser colocado obrigatoriamente na mesma linha do IF para atender à sintaxe da linguagem de script (BAT) do Windows. Julgue os itens a seguir, relativos a serviços de diretório e LDAP. 86 Mediante os serviços de diretórios, é possível compartilhar servidores de conteúdo e aplicações, mas não impressoras. 87 Todo serviço de diretório do tipo LDAP emprega uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. O que diferencia as diversas implementações são os tipos de objetos rastreados. 88 O LDAP, dada sua complexa organização em árvore, não permite a localização rápida e precisa de complementos e, consequentemente, de informações e arquivos disponibilizados na rede. 89 O LDAP, serviço utilizado para acessar um serviço de diretório, é executado sobre o protocolo SSH, com o cliente dedicado. Julgue os itens abaixo, referentes a Microsoft Active Directory (AD). 90 Por intermédio do controlador de domínio AD, todos os usuários e computadores são autenticados e autorizados em um tipo de domínio de rede do Windows, políticas de segurança são atribuídas e aplicadas a todos os computadores, e softwares são instalados e atualizados. 91 O acesso às facilidades de busca de objetos, edição e(ou) alteração de objetos no AD é dado apenas ao usuário com o perfil de administrador. 92 O AD, um serviço de diretório criado para redes de domínio do Windows, está incluído nos sistemas operacionais Windows Server 2003, 2008 e 2008 R2. 8

4 Acerca de interoperabilidade, julgue os itens que se seguem. 93 A interoperabilidade, alcançada com o engajamento contínuo das pessoas envolvidas, proporciona o gerenciamento e o direcionamento de sistemas, processos e culturas de uma organização, bem como a criação de oportunidades de troca e reúso de informações, interna e externamente ao seu ambiente. 94 O Samba permite interoperabilidade entre sistemas Windows e Linux, por meio do protocolo e-ping. 95 Mecanismos do CUPS possibilitam o compartilhamento de arquivos entre o Windows e o Linux. 96 A interoperabilidade define se dois componentes de um sistema desenvolvidos com ferramentas diferentes e por fornecedores diferentes podem ou não atuar em conjunto. No que se refere à instalação e ao suporte de ferramentas de escritório, julgue os itens seguintes. 97 Para a execução de apresentação, é necessária, além da instalação do hardware padrão, a instalação de placas de vídeos com alta capacidade de processamento, a fim de se evitar o travamento do computador no momento da execução. 98 Caso ocorra uma queda de energia no momento em que um usuário edita um texto no Word, o arquivo de texto não poderá ser recuperado, exceto se já tiver sido salvo. 99 A extensão do arquivo ~WRL3173.tmp indica que esse arquivo consiste em uma apresentação do BrOffice. 100 A instalação do Word deve preceder à do Excel para que a verificação ortográfica funcione adequadamente em ambos os softwares. 101 Não é possível instalar os aplicativos do MS Office e do BrOffice em uma mesma máquina, salvo se houver virtualização dos sistemas. Com relação ao navegador web Internet Explorer 8.0, julgue os itens subsecutivos. 102 A guia de segurança desse navegador é empregada para configurar e alterar opções por meio das quais é possível proteger, em alguma medida, o computador contra conteúdo online potencialmente perigoso ou mal-intencionado. 103 Por meio da opção de Filtragem InPrivate desse navegador, encontrada no menu Ferramentas, o usuário pode atribuir cada um dos sítios a uma das quatro zonas de segurança, quais sejam, Internet, Intranet local, sítios confiáveis e sítios restritos. 104 Nesse navegador, é possível habilitar bloqueador de pop-ups. A respeito de VoIP e telefonia IP, julgue os itens de 105 a As audioconferências realizadas por meio de VoIP funcionam de maneira similar às conferências realizadas mediante telefones analógicos, divergindo apenas quanto ao modo de transferência dos dados de um ponto a outro, uma vez que os telefones tradicionais empregam a comutação de pacotes e as redes VoIP, a comutação de circuitos. 106 Um ambiente comum de videoconferência constitui-se de uma sala equipada com câmera especial e facilidades tecnológicas para a apresentação de documentos. Contudo, atualmente, dados os processadores cada vez mais rápidos e a compressão de dados, é possível realizar videoconferência por meio de equipamentos do tipo desktop (webcam e microfone simples). 107 Voz sobre IP refere-se à forma de executar chamadas de telefone em uma rede de dados IP, por meio de conexão à Internet ou de conexão à própria rede interna. 108 Em VoIP, um codec ou codificador-decodificador converte sinais de áudio em uma forma digital compactada para transmissão e, em seguida, em um sinal de áudio descompactado para retorno. 109 O H.323, um protocolo abrangente e complexo desenvolvido originalmente para videoconferências, fornece especificações para processamento de vídeo e compartilhamento de dados ou aplicativos de voz, como o VoIP, de maneira interativa e em tempo real. No que diz respeito a gerenciamento de serviços, julgue os itens subsequentes. 110 O gerenciamento de serviços é um conjunto de habilidades da organização mediante as quais é transmitido valor para o cliente em forma de serviços. 111 Um dos objetivos do gerenciamento de serviços é prover o cliente de serviços de qualidade, com base nos requisitos e necessidades do próprio cliente. 112 A prática de governança corporativa e de governança de TI não é capaz de solucionar todos os problemas de um cliente. Por meio dessas governanças, apenas são traçadas orientações e recomendações sobre os mecanismos de gerenciamento e de controle que podem ser implementados para a melhoria dos serviços. 113 Distribuir os pontos de atendimentos ao usuário e restaurar o serviço, sempre que necessário e o mais rapidamente possível, são os principais objetivos da operação do serviço. A respeito da ITIL versão 3, julgue os próximos itens. 114 O livro denominado desenho de serviços refere-se à identificação de requisitos realizada desconsiderando-se as necessidades do negócio e o atendimento de seus processos por serviços e demandas de TI. 115 De acordo com a gerência de portfólio, o portfólio de serviços não é um catálogo de serviços, mas um documento com informações obtidas mediante o ciclo de vida sobre todos os serviços, tais como os serviços que serão desenvolvidos (funil de serviço), os que estão em operação (catálogo de serviço) e os que devem ser aposentados ou já foram retirados do portfólio (serviços obsoletos). 116 A ITIL, uma metodologia composta de práticas e regras rígidas e bem definidas, é insuscetível a adaptações. Acerca do gerenciamento de nível de serviço, julgue os itens a seguir, à luz da ITIL versão 3. Nesse sentido, considere que a sigla ANS/SLA, sempre que empregada, refere-se a acordo de nível de serviço (do inglês service level agreement). 117 Um ANS/SLA refere-se à definição das principais entregas definidas pelo padrão e-ping. 118 Após a finalização do processo de licitação, a organização deve assinar o contrato com o fornecedor externo de TI, mediante o documento denominado ANS/SLA. 119 O processo denominado nível de serviço independe de informações advindas da estratégia de serviço, dado o acordo prévio entre as partes envolvidas. 120 Dado que o ANS/SLA compreende a definição de níveis mínimos de serviço esperados pelo cliente de TI, é comum o uso de indicadores para a mensuração quantitativa da qualidade do serviço recebido. 9

5

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Exercícios CESPE/UnB 2012

Exercícios CESPE/UnB 2012 Exercícios CESPE/UnB 2012 Julgue os itens seguintes, acerca dos sistemas operacionais Windows e Linux. 01 No sistema Linux, existe um usuário de nome root, que tem poder de superusuário. Esse nome é reservado

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Arquitetura Internet (TCP/IP)

Arquitetura Internet (TCP/IP) Instituto Federal do Pará - IFPA Ricardo José Cabeça de Souza ricardo.souza@ifpa.edu.br 2010 Redes Básicas S-10 Arquitetura Internet (TCP/IP) MÁSCARA DA SUB-REDE Indica como separar o NetId do HostId,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens subsecutivos, acerca de noções básicas de arquitetura de computadores. 51 Periféricos são dispositivos responsáveis pelas funções de entrada e saída do computador, como, por exemplo, o

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

www.leitejunior.com.br 26/04/2012 19:30 Leite Júnior QUESTÕES CESPE 26/04/2012 AO VIVO

www.leitejunior.com.br 26/04/2012 19:30 Leite Júnior QUESTÕES CESPE 26/04/2012 AO VIVO QUESTÕES CESPE 26/04/2012 AO VIVO CONCURSO: SEGER / ES Com referência à tela Painel de controle do sistema operacional Windows e ao sistema operacional Windows, julgue os itens a seguir. 31 No Windows,

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução Conceitos sobre TCP/IP Endereços IP (Internet Protocol) Introdução O uso de computadores em rede e, claro, a internet, requer que cada máquina tenha um identificador que a diferencie das demais. Para isso,

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Winco VPN - SSL Manual do Usuário

Winco VPN - SSL Manual do Usuário Winco VPN - SSL Manual do Usuário 1 1. Introdução...3 1.1. Características Técnicas...3 1.2. Vantagens da Winco VPN - SSL...4 2. Requisitos de Instalação...5 2.1. Sistemas Operacionais com suporte...5

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Nome do Curso: Técnico em Informática. Nome da Disciplina: Redes de Computadores. Número da Semana: 2. Nome do Professor: Dailson Fernandes

Nome do Curso: Técnico em Informática. Nome da Disciplina: Redes de Computadores. Número da Semana: 2. Nome do Professor: Dailson Fernandes Nome do Curso: Técnico em Informática Nome da Disciplina: Redes de Computadores Número da Semana: 2 Nome do Professor: Dailson Fernandes Elementos da Comunicação Protocolos Regras Padrões Controle Possibilitam

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 5: VPN Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) criada para interligar duas redes distantes, através

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

8.2.11 Quebras de página 8.3 Exercícios para fixação

8.2.11 Quebras de página 8.3 Exercícios para fixação SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA 1.1 Conceitos básicos de informática e alguns termos usuais 1.2 Geração dos computadores 1.3 Evolução da tecnologia dos computadores 1.4 Sistema de informática 1.5 Tipos

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Redes de Computadores Prof. José Vigno DATA: 17/09/2011

FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Redes de Computadores Prof. José Vigno DATA: 17/09/2011 FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Redes de Computadores Prof. José Vigno DATA: 17/09/2011 01 - Uma topologia lógica em barramento pode ser obtida usando uma topologia física em estrela. PORQUE Uma topologia

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais