GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA"

Transcrição

1 GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 AFINAL, O QUE É UMA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA? 6 COMO ELA FUNCIONA NA PRÁTICA? 10 O QUE FAZ UM CONTROLLER? 14 COMO FAZER UMA CONTROLARIA DA MELHOR FORMA? 19 CONCLUSÃO 22 SOBRE A LURE CONSULTORIA 24

3 INTRODUÇÃO

4 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Sabendo que um negócio precisa ter objetivos e metas a serem seguidos de modo a nortear seu crescimento e sua atuação, muitos gestores se empenham em realizar planejamentos estratégicos altamente relevantes, o que é indispensável. Muitos, entretanto, param no meio do caminho: embora coloquem esse planejamento em prática, não acompanham seus resultados e não utilizam informações importantes e necessárias para tomar decisões que afetam grandemente o sucesso da organização. O papel desse tipo de acompanhamento e de análise de dados é justamente da controladoria estratégica, que é voltada para aquilo que o negócio precisa ou deseja. 4

5 INTRODUÇÃO Apesar de todos os seus benefícios, muitos negócios e gestores ainda têm dúvidas sobre o que é essa controladoria, por que ela é importante e como aplicá-la no negócio. Esse é o seu caso? Então a seguir trazemos um guia completo sobre essa abordagem de modo que você possa aprender como se beneficiar das possibilidades trazidas por essa atuação. 5

6 1. AFINAL, O QUE É UMA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA?

7 AFINAL, O QUE É UMA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA? 1. AFINAL, O QUE É UMA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA? De maneira geral, a controladoria é uma espécie de atuação híbrida entre contabilidade gerencial e administração como um todo. Por meio da análise de resultados e dados, a controladoria é capaz de identificar padrões, apoiar a tomada de decisão e ajudar a empresa a encontrar soluções adequadas para suas principais questões. Devido a suas inúmeras possibilidades, a controladoria pode se dividir entre controladoria operacional e controladoria estratégica. Embora frequentemente elas sejam feitas em conjunto, elas não são uma coisa só. A controladoria operacional, como o próprio nome indica, é mais voltada para a atuação da empresa, para seus processos e para a parte que a faz funcionar. 7

8 AFINAL, O QUE É UMA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA? De maneira geral, é a controladoria que olha mais para dentro do negócio e analisa os dados referentes à estrutura interna do negócio. Eventualmente, melhoras internas são percebidas externamente de maneira positiva, mas o objetivo dessa controladoria é se focar em processos internos. Auditorias, análises de custos, gerenciamento de resultados e análises de indicadores internos são frequentemente considerados para essa atuação. Já a controladoria estratégica segue uma linha de desenvolvimento mais avançada. Em vez de simplesmente pensar na melhoria interna do negócio que, naturalmente, é muito importante essa controladoria age pensando em quais são os objetivos e necessidades do negócio. É como se houvesse a interseção entre contabilidade, administração e planejamento estratégico. Um mesmo indicador de resultados que pode parecer excelente em situações tradicionais pode ser extremamente desvantajoso quando se observa o objetivo de uma empresa, por exemplo. Da mesma forma, um resultado possivelmente considerado ruim pode fazer sentido para o planejamento estratégico do negócio. 8

9 AFINAL, O QUE É UMA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA? Com isso, é possível ter mais segurança sobre o funcionamento ou não de determinadas atitudes e processos da empresa, identificando o que funciona e o que não para as necessidades estratégicas do negócio. Além dessa vantagem, a controladoria estratégica também otimiza o uso de recursos, favorece a tomada de decisão, aumenta a assertividade de atuação do negócio, sustenta mudanças necessárias no planejamento estratégico e oferece mais competitividade para a empresa, que conhece mais sobre si mesma e sobre o que é necessário para atingir novos patamares de atuação. 9

10 2. COMO ELA FUNCIONA NA PRÁTICA?

11 COMO ELA FUNCIONA NA PRÁTICA? 2. COMO ELA FUNCIONA NA PRÁTICA? Para ser colocada na prática, a controladoria estratégica utiliza algumas etapas para que ela seja realmente útil ao negócio. Para ser colocada na prática, são estabelecidas etapas como: ANÁLISE ESTRATÉGICA E RECONHECIMENTO DE NECESSIDADES Se a controladoria é estratégica, faz todo o sentido que ela adote essa visão para conseguir gerar os resultados esperados. Com isso, é necessário que seja realizada uma análise inicial do planejamento estratégico da empresa para entender aonde ela deseja ir. Também há um reconhecimento sobre quais são as necessidades da empresa. Se o planejamento estratégico prevê um corte de custos, uma necessidade estratégica do negócio consiste em encontrar meios de melhorar cada vez mais o uso de recursos de modo a tornar toda a estrutura mais barata. 11

12 COMO ELA FUNCIONA NA PRÁTICA? Assim, a controladoria é responsável por iniciar um planejamento com esse tipo de necessidade e objetivo mapeado para que suas ações sejam adequadamente norteadas. AQUISIÇÃO E ANÁLISE DE DADOS Feito isso, a controladoria estratégica dá início ao que sustenta a sua operação: os dados concretos. Assim, há auditorias internas, aquisição de dados gerenciais e análises numéricas e qualitativas dos resultados do negócio. Baseando-se nisso é possível encontrar padrões e tendências que não tenham sido percebidos anteriormente pelo negócio de maneira geral. A partir disso, é possível estabelecer orientações e diretrizes que podem ser seguidas pela empresa de modo a atingir os resultados desejados. ACOMPANHAMENTO DE RESULTADOS A controladoria estratégica age também de maneira contínua, o que significa que é necessário realizar um acompanhamento frequente dos resultados de modo a identificar quais os impactos de cada decisão e mudança, a fim de garantir um ajuste fino para maximizar os resultados. 12

13 COMO ELA FUNCIONA NA PRÁTICA? A controladoria, portanto, é um trabalho em médio e longo prazo, em que é possível identificar a criação de novos padrões e o surgimento contínuo de novas tendências, especialmente as baseadas em decisões anteriores do negócio. Esse controle também serve para que sejam corrigidas rapidamente decisões que tenham sido tomadas de maneira incorreta ou menos otimizada. Uma mudança no mercado pode gerar impactos diretos na empresa, exigindo uma mudança dinâmica do planejamento de modo que ele passe a comportar essas novas necessidades. Os resultados de uma controladoria estratégica feita da maneira correta incluem o aumento da assertividade na tomada de decisão, ganhos de competitividade e facilidade em atingir objetivos inicialmente planejados para o negócio. Os resultados específicos ou secundários, com redução de custos ou aumento da produtividade, dependem de cada empresa já que cada negócio possui suas próprias necessidades. Também existe um ganho de valor da empresa, já que em geral ela consegue oferecer produtos e serviços com mais qualidade e com mais valor percebido pelo cliente. Atendimento a acionistas e a outros agentes de mercado e gestão adequada da quantidade de informações geradas por um negócio são outros dos principais resultados dessa atuação. 13

14 3. O QUE FAZ UM CONTROLLER?

15 O QUE FAZ UM CONTROLLER? 3. O QUE FAZ UM CONTROLLER? O controller é o profissional responsável pela controladoria. O sucesso da atuação da controladoria estratégica depende fortemente desse profissional, que precisa reunir algumas características fundamentais. O conhecimento sobre o negócio no qual está inserido é uma das características iniciais mais importantes. É somente ao compreender os desafios e dificuldades da empresa e do mercado como um todo que ele poderá atuar de maneira estratégica. A capacidade analítica também é importante, já que o controller precisa encontrar um padrão onde ninguém mais vê. Muitas vezes, o resultado de dois indicadores parecem totalmente não relacionados, mas com a atuação desse profissional há a identificação de padrões que são positivos para a tomada de decisão. Organização, boa comunicação, pensamento focado em resultados e conhecimentos contábeis e administrativos são outras características muito desejáveis em profissionais desse tipo. 15

16 O QUE FAZ UM CONTROLLER? Em relação às suas responsabilidades, as principais incluem: AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS Todo investimento deve ser planejado com cuidado e o que pode ser bom para uma empresa, pode não se adequar às necessidades estratégicas de outra. Por isso, um dos papéis do controller é avaliar estrategicamente a realização de determinados investimentos. Baseados nos outros dados adquiridos e analisados, o controller consegue identificar se determinada alocação de recursos é, realmente, adequada para os objetivos estratégicos que são desejados para o negócio. ANÁLISE DE CENÁRIO Esse profissional também é responsável por fazer uma análise do cenário no qual a empresa está inserida. Com a matriz SWOT, por exemplo, é possível fazer uma identificação de forças, fraquezas, oportunidades e ameaças para o negócio. Com a atuação adequada e estratégica, é possível mitigar riscos e potencializar as forças, permitindo que o negócio se desenvolva como previsto no planejamento estratégico. 16

17 O QUE FAZ UM CONTROLLER? ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS GERENCIAIS Novamente, a controladoria se baseia fortemente na aquisição de dados e em sua análise. Esses dados podem vir de diferentes fontes e devem ser adquiridos nos diferentes setores da empresa. Já a análise é feita em busca de padrões e indicadores secundários ou cultos. Às vezes, uma queda nas vendas está diretamente relacionada à atuação de um setor. Sem a controladoria e o cruzamento de informações, essa identificação não seria possível e é aí, portanto, que mora uma das maiores importâncias desse setor. Todos esses dados originam os relatórios gerenciais, em que os dados e valores são convertidos em informações mais facilmente absorvidas por gestores, acionistas e outros responsáveis. 17

18 O QUE FAZ UM CONTROLLER? APOIO À TOMADA DE DECISÃO O controller não toma, fora de seu âmbito de atuação, nenhuma decisão gerencial. Apesar disso, ele tem um papel indispensável nesse processo porque é ele quem apoia a tomada de decisão dos gestores. Com suas informações, dados e análises, os gestores têm maior visibilidade sobre o negócio, o mercado e suas metas específicas. Com isso, o processo de decisão passa a ser um pouco mais fácil ou, no mínimo, mais baseado em fatos do que em feeling empresarial. CONTROLE DE METAS ESTRATÉGICAS Com ferramentas como Balanced Scorecard, por exemplo, o controller também tem o papel de controlar o alcance das diferentes metas estratégicas do negócio. Baseando-se nas decisões tomadas pelos gestores e nos dados coletados em diferentes setores do negócio, é feita uma análise para que seja identificado como anda o desenvolvimento do negócio. Um número baixo de metas alcançadas, por exemplo, indica a deficiência do negócio em pelo menos um setor, fazendo com que o controller retorne à posição inicial de analisar dados, investimentos e apoiar a tomada de decisão. 18

19 4. COMO FAZER UMA CONTROLARIA DA MELHOR FORMA?

20 COMO FAZER UMA CONTROLARIA DA MELHOR FORMA? 4. COMO FAZER UMA CONTROLARIA DA MELHOR FORMA? Obter uma controladoria de qualidade pode ser a diferença entre conseguir melhores resultados no mercado ou ser deixado para trás pela concorrência. Para que isso seja possível, a controladoria estratégica deve ser voltada especificamente para as necessidades do negócio e para isso é necessário um profundo estudo sobre desafios e oportunidades do empreendimento. O planejamento de atuação dessa controladoria deve ser todo feito voltado para o que o negócio possui no momento como sistemas de aquisição de dados e para qual é o destino que a empresa pretende seguir. Se um dos objetivos estratégicos é a redução de custos, por exemplo, a controladoria estratégica deve ser feita baseando-se fortemente no gerenciamento de recursos e na realização de orçamentos relevantes e que gerem a economia desejada. 20

21 COMO FAZER UMA CONTROLARIA DA MELHOR FORMA? Os aspectos que devem influenciar a controladoria, portanto, dependem de quais são os objetivos específicos. Em geral, entretanto, os resultados de desempenho e séries históricas tendem a ser boas ferramentas para uma análise adequada em busca de padrões que indiquem qual o caminho a ser seguido pela gestão na hora de tomar decisões. Também é recomendado implementar uma integração entre setores, com troca de informações e conhecimentos de modo que seja possível potencializar os resultados dessa controladoria. No geral, quanto mais informações forem obtidas e analisadas, mais relevantes são as conclusões sobre o negócio e maior é a visibilidade estratégica. Como informação é uma fonte muito importante para qualquer negócio, é somente por meio dela que a controladoria pode se tornar progressivamente mais relevante. Para ajudar nisso, também é possível contratar uma empresa especializada em implementar uma controladoria estratégica. Uma consultoria especializada, por exemplo, é capaz de planejar todas as etapas necessárias para que essa controladoria origine os resultados desejados. Assim sendo, essa deve ser uma possibilidade a ser considerada se o objetivo é, efetivamente, atuar de modo estratégico e relevante. 21

22 CONCLUSÃO

23 CONCLUSÃO CONCLUSÃO A controladoria estratégica é a área da empresa responsável por colher, analisar e utilizar informações de modo a conseguir uma tomada de decisão cada vez melhor e mais adequada para os objetivos específicos do negócio. É justamente nisso, inclusive, que essa controladoria se diferencia da operacional, já que o foco é totalmente voltado para o que a empresa tem como meta e objetivo em curto, médio e longo prazo. Para o sucesso dessa atuação, o controller deve reunir características desejáveis como capacidade analítica, conhecimentos específicos e de negócio, atuando de modo a oferecer análises que serão usadas na tomada de decisão. Para melhorar ainda mais os resultados, a contratação de uma consultoria especializada se destaca entre as formas de obter uma controladoria de sucesso. 23

24 A Lure Consultoria é especializada em aumentar os lucros e rentabilidade dos seus clientes através de serviços, como Planejamento e Controladoria Estratégica, Excelência Operacional, Gestão Organizacional, Consultoria em RH, sempre focados no tripé: Estratégia, Processos e Pessoas. Além disso, também oferece planos de ação e coloca a mão na massa para recuperação rápida de empresas, diagnosticando e evitando possíveis desperdícios. Atuando diretamente nos processos e implantando melhorias, a Lure é a melhor escolha para seus negócios! 24

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios Uma empresa que está começando, ou até algumas mais maduras, sempre possuem dúvidas sobre quais ferramentas de gestão implementar para garantir eficiência no controle e execução de processos. Algumas tentam

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL)

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ONTEM (MERCADO FECHADO E PROTEGIDO): CUSTOS + LUCRO = PREÇO DE VENDA A PROTEÇÃO AMBIENTAL é vista como um fator de

Leia mais

CONTROLADORIA. Gabriele KLOH¹ Vanessa MALLMANN² Odir Luiz FANK³

CONTROLADORIA. Gabriele KLOH¹ Vanessa MALLMANN² Odir Luiz FANK³ CONTROLADORIA Gabriele KLOH¹ Vanessa MALLMANN² Odir Luiz FANK³ Palavras-chave: Controller. Gestão. Estratégia e Planejamento. INTRODUÇÃO A alta necessidade de manter uma empresa exige uma certa competitividade

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016 Tipos de Indicadores 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho ; OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 90-CEPE/UNICENTRO, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009. ESTA RESOLUÇÃO ESTÁ REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 71/2011- CEPE/UNICENTRO. Aprova o Curso de Especialização em Controladoria e Finanças, modalidade

Leia mais

Gestão Integrada de Custos e Orçamentos Objetivos Gerais: A Gestão Integrada de Custos e Orçamentos permite detetar e eliminar desperdícios e otimiza ações estratégicas para o controle de gastos. Ao adotar

Leia mais

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS.

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Novas demandas de mercado exigem que modelos técnicos consagrados sejam incorporadas a novas tecnologias, novos conhecimentos

Leia mais

Tema 3. Planejamento Estratégico na Administração Pública. Ricardo Naves Rosa

Tema 3. Planejamento Estratégico na Administração Pública. Ricardo Naves Rosa Tema 3 Planejamento Estratégico na Administração Pública Ricardo Naves Rosa Planejamento Estratégico na Administração Pública Balanced Scorecard Ricardo Naves Rosa Gerente de Gestão Estratégica - AGR Engenheiro

Leia mais

GUIA PRÁTICO: COMO E POR QUE APLICAR ANÁLISE SWOT NO SEU NEGÓCIO

GUIA PRÁTICO: COMO E POR QUE APLICAR ANÁLISE SWOT NO SEU NEGÓCIO GUIA PRÁTICO: COMO E POR QUE APLICAR ANÁLISE SWOT NO SEU NEGÓCIO SUMÁRIO Introdução - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço S A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMNSTRAÇÃO DE SUA EMPRESA ndústria Comércio Serviço S O GestãoPro foi desenvolvido para atender as empresas que atuam nos setores da indústria, comércio e serviço. O grande diferencial

Leia mais

Veja alguns exemplos onde você pode utilizar a análise SWOT de forma direta:

Veja alguns exemplos onde você pode utilizar a análise SWOT de forma direta: Nesse artigo falaremos sobre: Uso da SWOT para estratégias específicas Importância dos planos de ação Exemplo 1 Lançamento de uma linha nova de produtos ou serviços Exemplo 2 Expansão da empresa Transforme

Leia mais

Informações sobre os Roteiros

Informações sobre os Roteiros Informações sobre os Roteiros O MakeMoney traz roteiros especialmente desenvolvidos para elaboração de Planos de Negócios, Estudos de Viabilidade e Planos de Inovação e Competitividade. Este documento

Leia mais

Diagnóstico Organizacional

Diagnóstico Organizacional Este conteúdo faz parte da série: Diagnóstico Empresarial Ver 4 posts dessa série Diagnóstico Organizacional O diagnóstico organizacional ou empresarial é uma ferramenta de gestão que serve para analisar

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

Estrategias para Busca de Emprego

Estrategias para Busca de Emprego Estrategias para Busca de Emprego Apresentação Atualmente o problema de desemprego atinge a todos. Não importa se é homem, mulher, jovem, adulto, se tem ou não experiência nem o seu nível de qualificação,

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

Pesquisa de Clima Organizacional

Pesquisa de Clima Organizacional Pesquisa de Clima Organizacional As pessoas representam alto investimento para as organizações. É evidente que o sucesso de um empreendimento não depende somente da competência dos gestores em reconhecer

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 OBJETIVOS O que é Qualidade Entender o ciclo PDCA Apresentar técnicas para garantir a qualidade de software Apresentar ferramentas para

Leia mais

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Este é o capítulo 13 do PMBoK e é uma área muito importante para o PMI, pois antes de levar em consideração o cumprimento dos prazos, orçamento e qualidade,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROCESSOS ADMINISTRATIVOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O que é e para que serve? Para quem serve? Quem deve participar? Onde vem sendo utilizado? ETAPAS DO PLANEJAMENTO Avaliação da

Leia mais

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA Gestão de Processos Tópico 4 Ferramentas de Qualidade: PDCA Sumário 1. O que é o Ciclo PDCA... 3 2. Importância do Ciclo PDCA... 3 3. Etapas do Ciclo PDCA... 3 3.1 Planejar (PLAN)... 3 3.1.1 Qual é o problema/processo

Leia mais

BSC. deve contar a história da estratégia, começando. relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas em relação aos

BSC. deve contar a história da estratégia, começando. relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas em relação aos BSC Para KAPLAN & NORTON (1997), o Scorecard deve contar a história da estratégia, começando pelos objetivos financeiros a longo prazo e relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas

Leia mais

Definição / Abordagem de Processos

Definição / Abordagem de Processos Definição / Abordagem de Processos Ao longo da história dos processos produtivos e administrativos, as organizações têm crescido em tamanho, complexidade e requisitos. Para assegurar a qualidade, a eficácia

Leia mais

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing Curso do Superior de Tecnologia em Objetivos do curso 1.5.1 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em na modalidade EaD da universidade Unigranrio, tem por objetivos gerais capacitar o profissional

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

Gestão da Produção. Análise SWOT Balanced Scorecard Mapa Estratégico. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira Empresas Classe Mundial

Gestão da Produção. Análise SWOT Balanced Scorecard Mapa Estratégico. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira Empresas Classe Mundial Gestão da Produção Análise SWOT Balanced Scorecard Mapa Estratégico Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Empresas Classe Mundial ESTRATÉGIA PRODUTIVIDADE QUALIDADE Balanced ScoreCard Lean

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

Tendências na área de Recursos Humanos

Tendências na área de Recursos Humanos Tendências na área de Recursos Humanos Confira a 6ª edição do maior censo de Recursos Humanos, realizado pelo RH Portal em 2016. Veja o que os profissionais estão falando sobre a realidade do RH no mercado

Leia mais

NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - Objetivos - Evolução Grupo Governança Corporativa - Captura de Sinergias - Racionalização Processos - Viabilizar o Processo de Crescimento - Valorização dos Talentos Antecedentes

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 1 Sem fronteiras para o conhecimento Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 2 Seja um Especialista Lean Manufacturing O pacote de Formação de Especialista em Lean Manufacturing une a filosofia

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

Palestra Virtual Como Fazer um Planejamento Estratégico. Maicon Putti Consultor Empresarial CRA/PR 19270

Palestra Virtual Como Fazer um Planejamento Estratégico. Maicon Putti Consultor Empresarial CRA/PR 19270 Palestra Virtual Como Fazer um Planejamento Estratégico Maicon Putti Consultor Empresarial CRA/PR 19270 Definição Planejamento Estratégico Podemos definir planejamento estratégico como o método pelo qual

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital 2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 7 2 1. Introdução

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 6-17/02/09 1 Negociação Comercial CONCEITOS BSC - BALANCE SCORECARD 2 O QUE É BALANCE SCORECARD O BSC é uma nova abordagem para administração estratégica, desenvolvida por Robert

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas

Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas Esse capitulo estuda o referencial do conhecimento de SI necessário aos usuários finais das empresas e abordagem revista sobre desdobramentos-chaves no

Leia mais

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy Brasília, 13 de Julho de 2011 Perspectiva: Aprendizado e Crescimento Planejamento Estratégico Objetivo

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Abril de 2011

João Telles Corrêa Filho Abril de 2011 Durante o último mês de março foram publicados dois importantes artigos nas seções de economia / negócios dos jornais Folha de São Paulo e Estado de São Paulo. O primeiro fala sobre o aquecimento do mercado,

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração Graduação Executiva- Campus Mossoró) 6ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração Graduação Executiva- Campus Mossoró) 6ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE DISCIPLINAS DAS SÉRIES ANTERIORES ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração Graduação Executiva- Campus Mossoró) 6ª SÉRIE GESTÃO ESTRATEGICA GESTÃO FINANCEIRA AVANÇADA LOGISTICA

Leia mais

Gestão por Processos. Prof. Luciel Henrique de Oliveira 1

Gestão por Processos. Prof. Luciel Henrique de Oliveira 1 Novos Modelos de Empresa Aula 3 Gestão por Processos Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel.oliveira@fgv.br 1 O que são processos nas empresas? Fornecedores Atividade ou Conjunto de Atividades Input

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento Prof. Msc. Christien Lana Rachid Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia 2. Introdução a sistemas 3. Empresas e Sistemas

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Módulo 2 Alinhamento entre TI e Estratégia de Negócio. Dinâmica 1 Discutir, em grupos, a seguinte questão: Para manter-se competitiva, em termos de inovação tecnológica, qual seria

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO É um plano administrativo que cobre todas as operações da empresa, para um período de

Leia mais

ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO BSC

ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO BSC BALANCED SCORECARD ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO BSC Contexto Histórico Origem do BSC Definição Como funciona? Perspectivas Por quê aplicar? Benefícios/ Contribuições Conclusão Referências BALANCED SCORECARD

Leia mais

O que é governança corporativa?

O que é governança corporativa? O que é governança corporativa? Diante das necessidades impostas por cenários de instabilidade econômica e níveis de concorrência cada vez mais acirrados, é natural que as empresas e seus modelos organizacionais

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

Guia Prático do Planejamento Estratégico

Guia Prático do Planejamento Estratégico Guia Prático do Planejamento Estratégico Introdução A todo o momento surgem ideias para melhorar nossas vidas. A maior parte destas ideias morre, porque não são sistematizadas. Numa empresa também é assim,

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS D I S C U S S ÃO B AS E A D A N O P M I

GESTÃO DE PROJETOS D I S C U S S ÃO B AS E A D A N O P M I GESTÃO DE PROJETOS D I S C U S S ÃO B AS E A D A N O P M I DEFINIÇÃO DE PROJETO Empreendimento temporário realizado de forma progressiva para criar um produto ou serviço único. (Project Management Institute

Leia mais

Organizações públicas, privadas, mistas, e do terceiro setor ou como autônomos e consultores.

Organizações públicas, privadas, mistas, e do terceiro setor ou como autônomos e consultores. TÉCNICO EM RECURSOS HUMANOS (RH) Perfil Profissional O TÉCNICO EM RECURSOS HUMANOS é o profissional que executa rotinas administrativas de pessoal com base na Legislação Trabalhista e Previdenciária. Auxilia

Leia mais

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2 Segundo Módulo: Parte 2 As visões de Negócio 1 Quais são visões de Negócio? Para conhecer o negócio o Analista de precisa ter: - Visão da Estratégia - Visão de Processos (Operação) - Visão de Valor da

Leia mais

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Unidade I Avaliação de Desempenho Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Avaliação / desempenho Avaliação: apreciação, análise Desempenho: possibilidade de atuação Conceituação de avaliação de desempenho

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Planejamento Agregado: Maximizar os resultados das operações e minimizar os riscos de tomadas

Leia mais

Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha

Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha Questões de Revisão Contabilidade: Sistema de Informação Gerencial 1. A demonstração contábil-financeira

Leia mais

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Características gerais Objetivos Suporte à Contabilidade Gerencial (Controladoria) Suporte à tomada de

Leia mais

O que é Análise SWOT?

O que é Análise SWOT? Este conteúdo faz parte da série: Análise SWOT Ver 8 posts dessa série Com a chegada do fim do ano é natural que recomece o processo de Planejamento para o próximo ano. Pensando nisso, resolvemos falar

Leia mais

ROTARY INTERNACIONAL ORGANIZAÇÃO MULTIDISTRITAL DE INFORMAÇÕES DE ROTARACT CLUBS - BRASIL EQUIPE DE PROJETOS GUIA BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTARY INTERNACIONAL ORGANIZAÇÃO MULTIDISTRITAL DE INFORMAÇÕES DE ROTARACT CLUBS - BRASIL EQUIPE DE PROJETOS GUIA BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTARY INTERNACIONAL ORGANIZAÇÃO MULTIDISTRITAL DE INFORMAÇÕES DE ROTARACT CLUBS - BRASIL EQUIPE DE PROJETOS GUIA BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 1 INTRODUÇÃO O documento apresenta de forma objetiva

Leia mais

Balanced Scorecard. Daciane de Oliveira Silva. Referências: Livro Estratégias de Empresas: Lobato et.al (Cap. 7)

Balanced Scorecard. Daciane de Oliveira Silva. Referências: Livro Estratégias de Empresas: Lobato et.al (Cap. 7) Balanced Scorecard Daciane de Oliveira Silva Referências: Livro Estratégias de Empresas: Lobato et.al (Cap. 7) Ferramenta de implementação e controle das estratégias, com enfoque financeiro e não financeiro.

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

ADM. Professor Douglas Pereira da Silva. DPS Gestão Negócios ADM

ADM. Professor Douglas Pereira da Silva. DPS Gestão Negócios ADM ADM Gestão de Negócios Professor Douglas Pereira da Silva 1 A constituição do talento humano Conhecimento SABER Aprender a aprender Aprender continuadamente Aumentar o conhecimento Habilidade SABER FAZER

Leia mais

O Verdadeiro Valor do Pricing Da estratégia de preços à excelência comercial

O Verdadeiro Valor do Pricing Da estratégia de preços à excelência comercial O Verdadeiro Valor do Pricing Da estratégia de preços à excelência comercial O desafio do valor na gestão de preços O cenário econômico mundial enfrenta importantes desafios atualmente, pontuados por incertezas

Leia mais

Manual de Ecodesign InEDIC

Manual de Ecodesign InEDIC Manual de Ecodesign InEDIC Ferramenta 4: A ferramenta da análise do mercado fornece uma abordagem prática aos conceitos teóricos explicados no capítulo 5. Com o objetivo de determinar o potencial do mercado

Leia mais

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Apresentação Para praticar Inteligência Competitiva (IC), uma organização deve contar com o apoio de profissionais que priorizam uma administração

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS 9 ÁREAS DE CONHECIMENTO DE GP / PMBOK / PMI DEFINIÇÃO O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar

Leia mais

Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS Contextualização No início dos anos 1960, o Gerenciamento de Projetos foi formalizado como ciência. Os negócios e outras organizações começaram a enxergar o benefício

Leia mais

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA Senhores Acionistas, O Conselho de Administração da Metalfrio

Leia mais

SAD-GMAF Sistema de Avaliação do Desempenho da Gestão da Manutenção de Activos Físicos Rui Assis 2014

SAD-GMAF Sistema de Avaliação do Desempenho da Gestão da Manutenção de Activos Físicos Rui Assis 2014 SAD-GMAF Sistema de Avaliação do Desempenho da Gestão da Manutenção de Activos Físicos Rui Assis 2014 rassis@rassis.com http://www.rassis.com O problema O desempenho de instalações e de equipamentos é

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

São José dos Campos, 13/09/2011

São José dos Campos, 13/09/2011 Clóvis Luís Padoveze São José dos Campos, 13/09/2011 1 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 2 Controladoria como Ciência Consiste em corpo de doutrinas e conhecimentos

Leia mais

Artigo: Planejamento com foco na execução

Artigo: Planejamento com foco na execução Artigo: Planejamento com foco na execução O uso do BSC no BANDES Gilson Domingues Cardoso Planejamento com foco na execução Gilson Domingues Cardoso gilson@ bandes.com.br e gilsondc@gmail.com RESUMO Trata

Leia mais

Business Partner em RH: Planejamento Estratégico de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Business Partner em RH: Planejamento Estratégico de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PPODE - ESTRATÉGICO. Slide 1 BALANCED SCORECARD CRESCIMENTO PRODUTIVIDADE MAIS RESULTADOS. Ms. RICARDO RESENDE DIAS

PPODE - ESTRATÉGICO. Slide 1 BALANCED SCORECARD CRESCIMENTO PRODUTIVIDADE MAIS RESULTADOS. Ms. RICARDO RESENDE DIAS Slide 1 BALANCED SCORECARD PRODUTIVIDADE CRESCIMENTO MAIS RESULTADOS Ms. RICARDO RESENDE DIAS BALANCED SCORECARD Slide 2 BSC CONCEITO FINALIDADE APLICAÇÃO PRÁTICA ESTRATÉGIA - BSC Slide 3 Ativos Tangíveis

Leia mais

Apresentação PDI Plano de Desenvolvimento Institucional

Apresentação PDI Plano de Desenvolvimento Institucional Apresentação 8 PDI 2015-2019 Plano de Desenvolvimento Institucional 2015-2019 A administração pública contemporânea tem apresentado novos desafios ao planejamento estratégico. As demandas por maior racionalidade

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP Gestão Estratégica e BSC Balanced Scoredcard GESTÃO ESTRATÉGICA GESTÃO

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Unidade I CONTROLADORIA E ORÇAMENTOS. Profª Ma. Divane A.Silva

Unidade I CONTROLADORIA E ORÇAMENTOS. Profª Ma. Divane A.Silva Unidade I CONTROLADORIA E ORÇAMENTOS Profª Ma. Divane A.Silva Controladoria e Orçamentos A disciplina está dividida em duas Unidades: Unidade I 1. Missão e Estrutura da Controladoria e o Papel do 2. O

Leia mais

Estudo sobre o efeito da Crise Econômica nos Investimentos em Tecnologia de Informação

Estudo sobre o efeito da Crise Econômica nos Investimentos em Tecnologia de Informação A Tecnologia de Informação (TI) é recurso organizacional e como tal recebe investimentos, que são afetados pela situação econômica e da própria organização. O momento atual da economia brasileira afeta

Leia mais

Planejamento dos Riscos

Planejamento dos Riscos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento dos Riscos Régis Kovacs Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Limites do Projeto

Leia mais

Tendências em Sistemas de Informação

Tendências em Sistemas de Informação Prof. Glauco Ruiz Tendências em Sistemas de Informação Os papéis atribuídos à função dos SI têm sido significativamente ampliados no curso dos anos. De 1950 a 1960 Processamento de Dados Sistemas de processamento

Leia mais

NÃO BASTA CRESCER, TEM QUE AVANÇAR. CONHEÇA SOLUÇÕES SOBRE MEDIDA PARA SUA EMPRESA SEGUIR EM FRENTE.

NÃO BASTA CRESCER, TEM QUE AVANÇAR. CONHEÇA SOLUÇÕES SOBRE MEDIDA PARA SUA EMPRESA SEGUIR EM FRENTE. NÃO BASTA CRESCER, TEM QUE AVANÇAR. CONHEÇA SOLUÇÕES SOBRE MEDIDA PARA SUA EMPRESA SEGUIR EM FRENTE. PROGRAMAÇÃO 2011 [CURSOS E PALESTRAS] SUA EMPRESA CRESCEU E SE ESTRUTUROU NO MERCADO? AGORA O DESAFIO

Leia mais

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Seminário Reforma Gerencial 20+20 GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Prefeito Jorge Lapas 27 de agosto 2015 TEMAS A SEREM ABORDADOS

Leia mais

Curso Google Adwords e Marketing Digital. Carga horária: 16h

Curso Google Adwords e Marketing Digital. Carga horária: 16h Curso Google Adwords e Marketing Digital Carga horária: 16h Quem Somos A Internet Innovation é a primeira empresa a oferecer uma grade completa de cursos especializados em Comércio Eletrônico e Marketing

Leia mais

1. Apresentação. Acesse: Sistemas de Gestão Todos os direitos reservados 2

1. Apresentação. Acesse:  Sistemas de Gestão Todos os direitos reservados 2 Sistemas de Gestão Índice 1. Apresentação 2 2. Definição 3 3. Como as organizações desenvolvem seu Sistema de Gestão 4 4. Estrutura do Sistema de Gestão 5 5. Características de uma prática de gestão 9

Leia mais

Responsabilidade da Direção

Responsabilidade da Direção 5 Responsabilidade da Direção A gestão da qualidade na realização do produto depende da liderança da alta direção para o estabelecimento de uma cultura da qualidade, provisão de recursos e análise crítica

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS

MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS Ana Paula CUNHA 1 Wilson de Luces Forte MACHADO 2 RESUMO: O objetivo deste estudo é analisar e comparar dois modelos de planejamento (estratégico e participativo)

Leia mais